Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2 Pediatria: 30-60% das consultas serviços de urgência e ambulatoriais 14 milhões de óbito/ano < 5 anos 1/3 PNEUMONIA 90% países em desenvolvimento

3 PNEUMONIA ADQUIRIDAS NA COMUNIDADE Integra a estratégia AIDPI Mortalidade: 5 milhões de mortes/ano em < de 5 anos 90% países em desenvolvimento Morbidade: 20-40% das hospitalizações pediátricas

4 PNEUMONIA ADQUIRIDAS NA COMUNIDADE Incidência anual: 150,7 milhões casos por ano No mundo: em< 5 anos 0,29 episódios/ano ano. Alta Paísesdesenvolvidos: 0,026 episódios/ano ano. Baixa Fahra e Thomson-2005

5 Mortalidade No Brasil: IRA segunda/terceira causade óbito Mortalidade diminuiu entre 1996 a 2003

6 Mortalidade Brasil

7

8 ETIOLOGIA VÍRUS Vírus Sincicial Respiratório Influenza A ou B Parainfluenza 1, 2 e 3 Adenovirus Rhinovirus Metapneumovirus humano Varicela zooster Herpes simples Sarampo Cytomegalovirus Enterovirus BACTÉRIAS Streptococcus pneumoniae Haemophilus influenzae tipo B Staphylococcus aureus Streptococcus grupo A Bordetella pertussis Moraxella catarrhalis Haemophilus infuenzae não tipado Mycobacterium tuberculosis Mycoplasma pneumoniae Chlamydia trachomatis Chlamydia pneumoniae

9 ETIOLOGIA/FAIXA ETÁRIA Vírus X Bactéria A etiologia viral isolada mais freqüente nos países desenvolvidos (60-90% dos agentes determinados) Nos países em desenvolvimento se encontra predomínio da etiologia bacteriana, (em mais de 60% dos agentes determinados) A maioria dos quadros pneumônicos costuma ter o envolvimento de vírus, seja como agente etiológico ou facilitador da invasão bacteriana

10 ETIOLOGIA/FAIXA ETÁRIA Distribuição dos agentes etiológicos mais prováveis, por faixa etária, em pneumonias comunitárias FAIXA ETÁRIA RN 2 a 12 sem 3 m a 5 a acima de 5 a AGENTES ETIOLÓGICOS Estreptococos do grupo B, Gram-negativos negativos, especialmente Escherichia coli, Listeria monocytogenes e Staphylococcus aureuse epidermidis, Vírus sincicial respiratório,chlamydophila trachomatis, Ureaplasma urealiticum, Pneumocystis jiroveci, citomegalovírus, Streptococcuspneumoniae (pneumococo), Haemophilus influenzae e Staphylococcus aureus. Vírus, Streptococcus pneumoniae(pneumococo), Haemophilus influenzae e Staphylococcus aureus. Vírus, Streptococcus pneumoniae, Mycoplasma pneumoniae e Chlamydophila pneumoniae

11 ETIOLOGIA/FAIXA ETÁRIA Os vírus mais freqüentes relacionados à PAC: Influenza, vírus sincicial respiratório (VRS), rhinovirus, adenovirus, parainfluenza e enterovirus. Atualmente foram descritos novos vírus associados a quadros de infecção de vias respiratórias inferiores que causam bronquiolite e pneumonia: os metapneumovirus e mais recentemente os bocavirus, da família dos parvovirus.

12

13 AspectosClínicos História: Início com IVAS Febre Tosse Dificuldade respiratória Dor torácica Dor abdominal Antecedentes: Pneumonias anteriores Sibilância Frequênciaem em creches

14 AspectosClínicos Exame Físico: Estado geral FR Sinais de sepse Esforço respiratório Ausculta pulmonar Sibilância: viral e pneumonia atípica

15 SINAIS DE ALERTA DE GRAVIDADE Febre alta e prolongada Gemência Prostação Recusa alimentar Vomitos Esforço respiratório

16 Frequência respiratória e o diagnóstico de pneumonia Taquipnéia é preditor de hipóxia em menores de 2 anos e da necessidade de uso de 02 Mike S Archives of chilhood disease V82(1) Jan 2000 Taquipnéia e o diagnóstico de pneumonia por Rx Taquipnéia isoladamente Sensibilidade: 74% Especificidade: 67% VP Positivo: 69% Miguel P, Héctor G, et al Archives of childhood disease V82(1) Jan 2000

17 Frequênciarespiratória respiratória/ idade 0 a 2 mesesaté60 rpm 2 a 12 meses até50 rpm 1 a 4 anos até40 rpm > 4 anosaté20 rpm

18 AspectosClínicos AIDPI

19 Pneumonia bacteriana x viral Não há como diferenciar clinicamente de forma definitiva, pneumonia viral da bacteriana Pneumonias virais podem cursar com chiado, OMA e conjuntivite Avaliações laboratoriais de identificação do agente, são promissores Radiologia não diferencia, embora o padrão alveolar, pode ser indicativo, mais frequentemente, de pneumonia bacteriana

20 Exames laboratoriais: Hemograma Hemoculturas Métodos rápidos de identificação dos vírus: VSR, influenza, adenovírus e parainfluenza Sorologias

21 Radiologia Rx de Tórax?? BTS 2004, Consenso Brasileiro

22 Radiologia A radiografia de tórax por vezes confirma o diagnóstico de pneumonia, avalia a extensão do processo e identifica complicações. As manifestações radiológicas da PAC nem sempre correspondem aos achados clínicos. Os achados radiológicos não são específicos, nem permitem acurada diferenciação entre as pneumonias bacterianas e as causadas por outros agentes como vírus, riquétsias, fungos ou micoplasmas.

23

24

25

26

27 AS de 20 dias de vida Sexo feminino HPMA: Tosse seca há 4 dias, que dificulta as mamadas, falta de ar. Neg febre. IC: Refere secreção ocular constante há 1 semana, pouca quantidade. Antecedentes neonatais: Parto normal, hospitalar Mãe teve corrimento na gravidez EF T: 36,5ºC, Dispneica FR: 69 rpm. Hidratada, acianótica, anictérica. Tiragem intrecostal, subdiafragmática e de fúrcula. Pulmões: Roncos disseminados.

28 ETIOLOGIA PNEUMONIA AFEBRIL DO LACTENTE FAIXA ETÁRIA 2 a 12 sem DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO: Clínico Radiologia Hemograma: Eosinofilia AGENTES ETIOLÓGICOS Vírus sincicial respiratório,chlamydophila trachomatis, Ureaplasma urealiticum, Pneumocystis jiroveci, citomegalovírus, Streptococcus pneumoniae (pneumococo), Haemophilus influenzae e Staphylococcus aureus.

29 Tratamento: Ambulatorial se em BEG e eupneica (pneumonia afebril) Internação (abaixo de 2 meses) Hidratação Suplementação de oxigênio (quando a saturação periférica de oxigênio for inferior a 92%) Antibioticoterapia: Macrolídeos (pneumonia afebril do lactente) Oxacilina + Aminoglicosídeo (pneumonia bacteriana)

30 GSS de 5 meses. HPMA: Há 3 dias iniciou quadro de rinorréia, tosse seca de início que se tornou mais produtiva, com piora do quadro com chiado no peito e falta de ar há 2 dias. Febre desde o início do quadro de moderada a alta. EF: FR: 62 rpm T: 38,6º C Levemente desidratada, dispnéica, acianótica. Batimento de asa de nariz e tiragem intercostal. Pulmões: Roncos, ESC finos e e médios disseminados, expiração prolongada. Na unidade foi submetida a inalação com fenoterol com discreta melhora

31 BRONQUIOLITE ETIOLOGIA 3 m a 5 a Vírus, Streptococcus pneumoniae(pneumococo), Haemophilus influenzae e Staphylococcus aureus. DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO: Clínico Radilogia

32 BronquioliteViral Aguda Doença infecciosa das VAS e VAI Insuficiência Respiratória Aguda Baixa Obstrutiva Lactentes

33 Obstrução brônquica na BVA Edema Secreção Células ±0,2 mm

34 ETIOLOGIA Agentes mais comuns Adenovírus Influenza Parainfluenza Vírus Sincicial Respiratório(VSR) Metapneumovírus Rinovírus Coronavírus

35 Vírus Sincicial Respiratório Maior Risco: Prematuros/ Cardiopatas/ Hígidos: < 6 meses Pneumopatas/ Imunodeficientes Aglomeração / Menor escolaridade materna Menor aleitamento Poluição/ Fumo Síndrome da Morte Súbita Simoes, 2003,Lanari et al, 2002

36 Diagnóstico Clínico Radiológico Secreções nasofaríngeas: Pesquisa rápida viral, PCR, Cultura Sorologia Saturação de O2

37 Tratamento Tratamento ambulatorial Sem dificuldade respiratória Boa aceitação da VO Tratamento hospitalar Dificuldade respiratória Má aceitação da VO Outros sinais de gravidade (apnéia, cianose,...)

38 Tratamento Suporte: Oxigênio/ Hidratação Beta 2 agonistas/adrenalina Corticóides Antivirais(Ribavirina Ribavirina)

39 Tratamento Hidratação Conforto Oxigenoterapia

40 Complicações Insuficiênciarespiratória Acidose respiratória descompensada Pneumotórax epneumomediastino Prognóstico Evolução benigna na maioria dos casos Mortalidade em torno de 1% Pacientes com fatores de risco apresentam mortalidade de até 5% Possível relação com desenvolvimento subseqüente de asma.

41 Prevenção Lavagem das mãos Evitar contato com pessoas com resfriado/gripe Aleitamento materno Palivizumab(anticorpo específico para VSR) Prematuros Cardiopatas

42 RSB de 2 anos Sexo masculino HPMA: Iniciou com quadro de coriza e tosse seca há 4 dias, a tosse piorou tornado-se produtiva. Febre desde o início do quadro, alta (38 a 39º C0. Há 1 dia com falta de ar. Nega chiado no peito. EF: T: 38,8º C Hidratado, corado, acianótico, dispneico. FR: 48 rpm Tiragem intercostal Pulmões: Diminuição de murmúrio vesicular em base direita.

43 PNEUMONIA ADQUIRIDA ETIOLOGIA NA COMUNIDADE FAIXA ETÁRIA 3 m a 5 a AGENTES ETIOLÓGICOS Vírus, Streptococcus pneumoniae(pneumococo), Haemophilus influenzae e Staphylococcus aureus. DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO: Clínico Radiologia

44 Tratamento Ambulatorial Penicilina procaína + benzatina Amoxacilina Macrolídeo Internado Penicilina cristalina

45 BRE com 10 anos de idade, sexo masculino HPMA: Tosse seca há 1 semana. Febre baixa e intermitente. Cefaléia há 3 dias. Refere piora com falta de ar aos esforços e há 2 dias o aparecimento de dor torácica ventilo-dependente dependente. EF: FR: 32 rpmafebril, levemente dispneico, hidratado, corado. Tiragem intercostal discreta. Pulmões: ESC em bases, sibilos esparsos.

46 PNEUMONIA ATÍPICA ETIOLOGIA FAIXA ETÁRIA acima de 5 a AGENTES ETIOLÓGICOS Vírus, Streptococcus pneumoniae, Mycoplasma pneumoniae e Chlamydophila pneumoniae DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO: Clínico Radilogia

47 Tratamento Ambulatorial Penicilina procaína + benzatina Macrolídeo Internado Penicilina cristalina Macrolídeo

48 Antibióticoterapia(resumo) Faixa etária Tratamento Ambulatorial Internado (BEG) Internado (sepse) 3 semanas a 3 meses afebril: macrolídeo Oxacilina + Aminoglicosídeo Ampicilina + cefotaxime 4 meses a Pen procaína + Viral? Cefalosporina 1a. G + 5 anos benzatina Amoxicilina Pen cristalina Cloranfenicol 5 a 15 anos Pen procaína + benzatina Macrolídeo Pen cristalina macrolídeo Cefalosporina 1a. G Cefuroxime/cefotax ime macrolídeo (resistência) McIntosh, 2002 (adaptado)

49 Tratamento ambulatorial com peniclina hs 7 a 10 dias 4 doses de penicilina procaina: 25 a U/kg/dose (acima de 4 kg = 1 frasco) 1 dose de penicilina benzatina: 25 a U/kg/dose 0 a 10 kilos: UI 10 a 20 kilos: UI 20 a 25 kilos: UI Acima de 25 kilos: Ui

50 Controle Reavaliação em 48 horas Se melhora clínica, retormo ambulatorial de acordo com o caso Se não houver melhora clínica, reavaliar: Com sinais de alerta, encaminhar para internação. Sem sinais de alerta, mais 4 doses de penicilina procaina

51 LNB de 5 anos do sexo masculino HPMA: Tosse há mais de 1 mês. Mãe refere que vem tendo episódios de tosse há mais de um mês, às vezes acompanhado de chiado no peito. Refere ter tido febre neste período mas nunca mediu. Foi várias vezes na unidade e em pronto-socorro onde foi medicada com antibiótico e fez inalação com discreta melhora mas com persistência do quadro. Antecedentes pessoais: Teve várias pneumonias no último ano. Nega asma. Antecedentes familiares: Mãe hígida. Pai é fumante e tosse há mais de um mês e é ex-presídiário. EF: Afebril, eupneico, descorado +/4, acianótico. FR: 22 Pulmões: Roncos esparsos, expiração prolongada

52 ETIOLOGIA TUBERCULOSE PRIMÁRIA FAIXA ETÁRIA Qualquerfaixa etária AGENTE ETIOLÓGICO Mycobacterium tuberculosis DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO: Clínico Radiologia Teste tuberculínico

53 ATENÇÃO NÃO ESQUEÇAM DA TUBERCULOSE COMO ETIOLOGIA EM PNEUMONIAS COM MÁ EVOLUÇÃO CLÍNICA, RECORRENTE OU SEM BOA RESPOSTA AO TRATAMENTO USUAL

54 TUBERCULOSE NA INFÂNCIA : como abordar? SITUAÇÕES NA PRÁTICA PEDIÁTRICA: Entrada I : CRIANÇA COM QUADRO CLÍNICO SUGESTIVO DE TBC Entrada II :CRIANÇA COMUNICANTE DE CASO DE TBC Dificuldades para o diagnóstico: Sinais e sintomas incaracterísticos Dificuldade na recuperação do bacilo Falta de profissional preparado Interferência da vacinação no teste tuberculínico Métodos inespecíficos e/ou de alto custo para diagnóstico de TB doença

55 DIAGNÓSTICO DE TBC NA INFÂNCIA QUADRO CLÍNICO ANTECEDENTES EPIDEMIOLÓGICOS RADIOLOGIA EXAMES LABORATORIAIS PARA TODO CASO SUSPEITO OU COMUNICANTE!

56 QUADRO CLÍNICO SINTOMATOLOGIA: POUCOS SINTOMAS TÍPICOS DE TBC (FEBRE, EMAGRECIMENTO, SUDORESE NOTURNA, ANOREXIA, TOSSE, EXPECTORAÇÃO HEMOPTÓICA E HEMOPTISE) 50 A 60% DAS CRIANÇAS MENORES DE UM ANO,DIAGNOSTICADAS COMO DOENTES NA BUSCA DE COMUNICANTES SÃO POUCO OU ASSINTOMÁTICAS 80 A 90% DAS CRIANÇAS MAIORES TAMBÉM

57 QUADRO CLÍNICO QUADROS CLÍNICOS MAIS ENCONTRADOS: FEBRE DE ORIGEM INDETERMINADA TOSSE PROLONGADA SEM ETIOLOGIA DEFINIDA PNEUMONIA DE EVOLUÇÃO ARRASTADA PNEUMONIAS DE REPETIÇÃO SÍNDROME ASMATIFORME DE INÍCIO ABRUPTO OU DE DIFÍCIL CONDUÇÃO ATELECTASIAS PULMONARES (S. LOBO MÉDIO)

58 ANTECEDENTES EPIDEMIOLÓGICOS: EPIDEMIOLOGIA DE TBC DEVE SER PESQUISADA EM QUALQUER CONSULTA PEDIÁTRICA MELHOR MANEIRA DE PREVENIR OU DIAGNOSTICAR TBC EM CRIANÇAS É ATRAVÉS DA INVESTIGAÇÃO DE COMUNICANTES DE ADULTOS BACILÍFEROS MAIOR QUANTIDADE DE DIAGNÓSTICOS NA INFÂNCIA É CONSEGUIDO ATRAVÉS DA INVESTIGAÇÃO DE COMUNICANTES (60 A 80% DOS CASOS) QUANTO MENOR A CRIANÇA MAIOR A POSSIBILIDADE DE SE ACHAR O FOCO INTRA-DOMICILIAR (CERCA DE 90% DOS CASOS DE TBC EM CRIANÇAS ABAIXO DE 1 ANO DE IDADE)

59 Caso Amparo T 52 Agregado N 62 Falecido Q N TR T T N Q N N T T T T T T T T T T T T T T 1 T: Tuberculose em tratamento Q: Quimioprofilaxia TR: Tuberculose renal N: Não tem tuberculose

60 RADIOLOGIA: EXAME RADIOLÓGICO É MÉTODO MUITO UTILIZADO PELA FACILIDADE DE EXECUÇÃO APESAR DA BAIXA ESPECIFICIDADE ESTÁ INDICADO NAS FORMAS PULMONARES COM EXAME BACTERIOLÓGICO NEGATIVO OU DE DIFÍCIL COLETA NÃO EXISTE IMAGEM RADIOLÓGICA PATOGNOMÔNICA DE TBC E SIM IMAGENS SUGESTIVAS AS ALTERAÇÕES RADIOLÓGICAS PODEM DIFERENCIAR TBC PRIMÁRIA DA TBC PÓS-PRIMÁRIAPRIMÁRIA RX DE TÓRAX É ESSENCIAL PARA O DIAGNÓSTICO DE TBC PRIMÁRIA, PORÉM A TBC CONFIRMADA BACTERIOLOGICAMENTE PODE OCORRER NA PRESENÇA DE RX DE TÓRAX NORMAL

61 RADIOLOGIA: IMAGENS MAIS FREQUENTES NA TBC PRIMÁRIA: CONSOLIDAÇÃO PARENQUIMATOSA UNIFORME ATELECTASIA LINFOADENOPATIA DERRAME PLEURAL TBC MILIAR RX DE TÓRAX IMAGENS MAIS FREQUENTES NA TBC PÓS- PRIMÁRIA: DOENÇA PARENQUIMATOSA E CAVITAÇÃO TBC BRÔNQUICA TBC PLEURAL

62 TOMOGRAFIA: MAIOR SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE EM RELAÇÃO AO RX INDICAÇÕES RESTRITAS DEVIDO AO CUSTO 400 X MAIS EXPOSIÇÃO À RADIAÇÃO QUE UM RX DE TÓRAX TBC PRIMÁRIA: CONSOLIDAÇÃO LOBAR MÚLTIPLAS CAVIDADES ADENOPATIA HILAR OU MEDIASTINAL TBC PÓS-PRIMÁRIA PRIMÁRIA ATIVA: CONSOLIDAÇÃO LOBAR E CAVIDADE NÓDULOS CENTRO-LOBULARES ESPESSAMENTOS DE PAREDES BRÔNQUICAS NÓDULOS POUCO DEFINIDOS DE 6 A 10 mm TBC MILIAR: NÓDULOS DE 1 A 3 mm RETICULAÇÕES

63 EXAMES LABORATORIAIS: EXAMES BACTERIOLÓGICOS TESTE TUBERCULÍNICO EXAME IMUNOLÓGICO REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) DOSAGEM DE ADENOSINADEAMINASE (ADA)

64 BACILOSCOPIA: EXAMES BACTERIOLÓGICOS: EXAME MAIS EMPREGADO NA ROTINA DAS UNIDADES PERMITE IDENTIFICAR PACIENTES POTENCIALMENTE CONTAGIOSOS AUXILIA NA MONITORIZAÇÃO DO TRATAMENTO INDICADO NOS SINTOMÁTICOS RESPIRATÓRIOS PRESENÇA DO BACILO DÁ O DIAGNÓSTICO DA DOENÇA NEGATIVIDADE NÃO EXCLUE A DOENÇA DIFICULDADES: BAIXA SENSIBILIDADE NECESSITA PELO MENOS BACILOS/ML BAIXA ESPECIFICIDADE NÃO IDENTIFICA BACILOS EM CRIANÇAS COLHEITA DIFÍCIL E POSITIVIDADE BAIXA: LAVADO GÁSTRICO LAVADO TRAQUEAL EXAME DE ESCARRO QUANDO HÁ EXPECTORAÇÃO

65 EXAMES BACTERIOLÓGICOS: CULTURA: CONFIRMA O DIAGNÓSTICO ALTA ESPECIFICIDADE (+/_100%) COM BAIXA SENSIBILIDADE(+/_50% NO L.G.) LONGO PERÍODO DE INCUBAÇÃO ( > 4 semanas) BACTEC:PERMITE A DETECÇÃO PRECOCE ( 7 DIAS)

66 TESTE TUBERCULÍNICO SIMPLES E DE BAIXO CUSTO BOA SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE EM NÃO VACINADOS A VACINAÇÃO COM BCG DIFICULTA A INTERPRETAÇÃO ( VER ESQUEMA DE INTERPRETAÇÃO) MÉTODO COMPLEMENTAR: NÃO FORNECE O DIAGNÓSTICO PPD - 2UT de RT23 TÉCNICA DE MANTOUX LEITURA EM 72 A 96 horas

67 TESTE TUBERCULÍNICO INTERPRETAÇÃO: < 5 mm NÃO REATOR não infectados, anérgicos 5 a 9 mm REATOR FRACO infectados por M. tuberculosis, mycobactérias atípicas, ou vacinados BCG 10 mm REATOR FORTE infectados, doentes ou não, em não vacinados BCG ou vacinados BCG após 2 anos 15 mm REATOR FORTE infectados, doentes ou não, independentes da época de vacinação

68

69 Como se interpreta? A leitura da prova tuberculínica é realizada de 72 a 96 horas após a aplicação, medindo-se com régua milimetrada o maior diâmetro transverso da área de endurecimentopalpável, sem o eritema.

70

71 Diagnóstico de tuberculose pulmonar em crianças e adolescentes com baciloscopia negativa (Clemax Clemax: Kritski, 2001) Quadro clínico Febre ou tosse, adinamia, expectoração, emagrecimento, sudorese > 2 semanas Radiologia Adenomegalia hilar ou padrão miliar ou condensação ou infiltrado (com ou sem escavação) > 2 semanas sem melhora uso ATB germes comuns Contato Próximo nos últi- mos 2 anos Teste Nutrição > 10 mm não BCG ou BCG > 2a Peso percentil > 15mm < 10 nâo BCG ou BCG < 2 a Assintomático ou Condensação ou infiltradoocasional ocasional com sintomas de qualquer tipo ou < 2 semanas < 2 semanas negativo 5 a 9 mm Peso percentil > 10 Infecção respira- Radiografia de tórax tória com melhora normal uso ATB ocasional ou negativo < 5 mm Peso percentil > pontos 10 pontos 5 pontos 0 pontos - 10 pontos - 5 pontos Interpretação > 40 pontos: muito provável 30 a 35 pontos: possível < 25 pontos: pouco provável

72 ANÁLISE DO SCORE CRIANÇAS COM DIAGNÓSTICO DE TB POR CULTURA (CASOS) = 43 CRIANÇAS INVESTIGADAS POR SUSPEITA DE TBC, MAS NÃO CONFIRMADAS (CONTROLE) = 96 SENSIBILIDADE A 35 PONTOS : 86% ESPECIFICIDADE A 35 PONTOS : 83% ( SANT ANNA,2003)

73 CONDUTA em CRIANÇAS CONTATANTES de TUBERCULOSE Teste tuberculínico Radiografia de tórax Normal Sugestivo de TB TRATAMENTO Reator QUIMIOPROFILAXIA Não Reator Fonte: II Diretrizes Brasileiras de Tuberculose, 2004 Repetir o TT após 8 semanas

74 GANGLIONAR SNC ÓSTEO-ARTICULAR RENAL INTESTINAL PERITONIAL OCULAR TUBERCULOSE EXTRA-PULMONAR

75 CONTROLE DA TUBERCULOSE BCG AO NASCIMENTO BUSCA ATIVA DE CASOS: INVESTIGAÇÃO DE COMUNICANTES BACILOSCOPIA EM SINTOMÁTICOS RESPIRATÓRIOS QUIMIOPROFILAXIAS : 1ª E 2ª TRATAMENTO PRECOCE E CORRETO DOS CASOS NOTIFICAÇÃO ADEQUADA E CONTROLE EPIDEMIOLÓGICO

76 QUIMIOPROFILAXIA Dose: Isoniazida 10 mg/kg /dia, no máximo de 300 mg de acordo com os esquemas: Indicações: PRIMÁRIA : Recém-nascidos coabitantes de foco tuberculoso ativo: isoniazida é administrada por 3 meses. Após esse período, faz-se a prova tuberculínica. Se reatora, deve-se manter quimioprofilaxia por mais 3 meses ; senão nterrompe-se a quimioprofilaxia e vacina-se com BCG. SECUNDÁRIA : Pessoas com menos de 15 anos, não vacinadas com BCG, sem sinais de tuberculose ativa, comunicantes de Bacilíferos e reatores à tuberculina de 10mm ou mais OU crianças vacinadas com BCG, mas com TT igual ou uperiora 15mm. Indivíduos com viragem tuberculínica recente (até 12 meses). População indígena, em contato com bacilífero, reator forte ao PPD, independente de idade e estado vacinal, sem tbc doença. Imunodeprimidos por uso de drogas ou doença imunossupressora em contato intradomiciliar, sob criteriosa decisão médica.

77 QUIMIOPROFILAXIA Reatores forte à tuberculina, sem sinais de tbc doença, mas com condições clínicas de alto risco de desenvolvê-la la como: Alcoolismo Diabetes melitus insulino-dependente Silicose Nefropatias graves Sarcoidose Linfomas Pacientes em uso prolongado de corticosteróides Pacientes em quimioterapia antineoplásica Pacientes em uso de imunossupressores Portadores de imagem radiológica compatível com tbc inativa sem história de quimioterapia prévia Co-infectados HIV e M. tuberculosis com reação ao PPD maior que 5mm, de acordo com clínica, exames de laboratório e RX de tórax.

78 OBRIGADO PELA ATENÇÃO E BOM FERIADO

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza Tuberculose Profa. Rosângela Cipriano de Souza Risco para tuberculose Pessoas em contato com doentes bacilíferos, especialmente crianças Pessoas vivendo com HIV/AIDS Presidiários População vivendo nas

Leia mais

PNEUMONIAS. Maria João Rocha Brito. Unidade de Infecciologia Hospital Dona Estefânia CHLC EPE joao.rochabrito@netcabo.pt

PNEUMONIAS. Maria João Rocha Brito. Unidade de Infecciologia Hospital Dona Estefânia CHLC EPE joao.rochabrito@netcabo.pt PNEUMONIAS Maria João Rocha Brito Unidade de Infecciologia Hospital Dona Estefânia CHLC EPE joao.rochabrito@netcabo.pt PNEUMONIAS Pneumonia Incidência 36 40:1000 < 5 anos Europa 2,5 milhões casos/ano PNEUMONIAS

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Pneumonia em Pediatria. Abordagem etiológica e terapêutica

Pneumonia em Pediatria. Abordagem etiológica e terapêutica Pneumonia em Pediatria Abordagem etiológica e terapêutica 1 Definindo o diagnóstico: - O que tratar, Quem tratar, Como tratar, Onde tratar 2 Fatores de risco para pneumonia Maternos Educação materna Desmame

Leia mais

Serviço de Pediatria HU-UFJF

Serviço de Pediatria HU-UFJF Serviço de Pediatria HU-UFJF POP Ped Nº 003 BRONQUIOLITE Elaborado em: Julho 2010 Revisado em: Maio 2011 Objetivo: - Estabelecer o diagnóstico da bronquiolite viral aguda em lactentes com sintomas respiratórios.

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS - IRAs Estima-se se que morram de IRA 4 milhões de crianças de 0 a 5 anos por ano/mundo Prof. Enf. Hygor Elias 75% das mortes Rinofaringite Amigdalite Otite Sinusite Trato

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

A vacina BCG e teste tuberculínico

A vacina BCG e teste tuberculínico A vacina BCG e teste tuberculínico Arlan de Azevedo Ferreira Prof Adjunto - Depto Pediatria / UFMT Mycobacterium tuberculosis Replicação 16 a 20 h Foco Primário Nódulo de Gohn Linfangite / Adenite Bacteremia

Leia mais

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA PNEUMONIAS NA INFÂNCIA Hiargo Siqueira Hugo Santos EPIDEMIOLOGIA 4-6 Infecções respiratórias agudas (IRA s)/ano; 2-3% evoluem para pneumonia; Mundo (< 5 anos): 150,7 milhões/ano. 11-20 milhões de internações

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica TUBERCULOSE

Enfermagem em Clínica Médica TUBERCULOSE Enfermagem em Clínica Médica TUBERCULOSE Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com A tuberculose - chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar

Leia mais

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes Início agudo Febre alta Dor pleurítica Tosse com expectoração purulenta EF: consolidação pulmonar Leucocitose com desvio à esquerda 1 semana de antibiótico Início lento Síndrome consumptiva Febre vespertina

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO

SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO ROTINA: NÚMERO 06 2013 TÍTULO: PNEUMONIA COMUNITÁRIA FLUXOGRAMA IMPLANTAÇÃO: SETOR: EMERGÊNCIA EXTERNA HIJG VERSÃO:

Leia mais

Resultados de estudos sobre pneumonia na infância

Resultados de estudos sobre pneumonia na infância Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina da Bahia Departamento de Pediatria Resultados de estudos sobre pneumonia na infância Métodos Específicos e Não Invivos em Crianç Brileir Hospitalizad

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Diagnóstico e tratamento de pneumonia adquirida na comunidade em crianças

Diretrizes Assistenciais. Diagnóstico e tratamento de pneumonia adquirida na comunidade em crianças Diretrizes Assistenciais Diagnóstico e tratamento de pneumonia adquirida na comunidade em crianças Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Autores: Fábio Pereira Muchão, Luiz Vicente Ribeiro Ferreira

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose

Programa Estadual de Controle da Tuberculose Programa Estadual de Controle da Tuberculose Programa Estadual de Apoio aos Consórcios Intermunicipais de Saúde COMSUS Curitiba, 10 e 11 de abril de 2014. Estimativa da incidência da tuberculose, 2012.

Leia mais

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Pneumonia É uma inflamação ou infecção do parênquima pulmonar Agente etiológico: bactérias, vírus, fungos, helmintos,

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 TUBERCULOSE Doença infecciosa, atinge, principalmente, o pulmão. Éuma doença grave, transmitida

Leia mais

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde Tuberculose Informações para Agentes Comunitários de Saúde 2011. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia É permitida a reprodução parcial desta

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

Brasil melhora posição no ranking por número de casos de tuberculose 4

Brasil melhora posição no ranking por número de casos de tuberculose 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 8 Adryelly Loureiro da Silva 1 Vinício de Sousa Silva 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 007/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizado em 12 de junho de 2014)

NOTA TÉCNICA Nº 007/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizado em 12 de junho de 2014) ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº 007/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizado

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

Pneumonia Comunitária

Pneumonia Comunitária Pneumonia Definição - Inflamação do parênquima pulmonar -Causas: - infecciosas (vírus, bactérias, fungos), - não infecciosas (aspirações, drogas, radiação) Considerações Gerais - Importância Doenças Respiratórias

Leia mais

Definição. Pneumonia. - Inflamação do parênquima pulmonar. -Causas: - infecciosas (vírus, bactérias, fungos),

Definição. Pneumonia. - Inflamação do parênquima pulmonar. -Causas: - infecciosas (vírus, bactérias, fungos), Pneumonia Definição - Inflamação do parênquima pulmonar -Causas: - infecciosas (vírus, bactérias, fungos), - não infecciosas (aspirações, drogas, radiação) Considerações Gerais - Importância Doenças Respiratórias

Leia mais

Pneumonias na criança

Pneumonias na criança Pneumonias na criança RELATORES: MARIA APARECIDA DE SOUZA PAIVA, FRANCISCO JOSÉ CALDEIRA REIS, GILBERTO BUENO FISHER, TATIANA ROZOV I NTRODUÇÃO As doenças respiratórias correspondem a aproximadamente 50%

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais INVERNO GAÚCHO - 2008 Norma Técnica T e Operacional para infecçõ ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE PROGRAMA

Leia mais

Pneumonia adquirida na comunidade em crianças e adolescentes

Pneumonia adquirida na comunidade em crianças e adolescentes TE-5 REMESSA DE documentos de CAIXA, EXTRA-CAIXA E CONTABILIDADE PARA MICROFILMAGEM DIBAN/DPSAG - Depto. de Processos e Suporte às Agências Tipo Documental Pneumonia adquirida na comunidade em crianças

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

COQUELUCHE OU TOSSE COMPRIDA

COQUELUCHE OU TOSSE COMPRIDA COQUELUCHE OU TOSSE COMPRIDA Doença infecciosa aguda e transmissível, causada pelo bacilo Bordetella pertussis, que compromete especificamente o aparelho respiratório e se caracteriza por paroxismos de

Leia mais

24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012

24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012 24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012 1) O que é Tuberculose? A tuberculose (TBC) é uma doença infecciosa provocada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis (e menos comumente

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Infecções respiratórias agudas

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Infecções respiratórias agudas Caso complexo Sandra e Sofia Especialização em Fundamentação teórica INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS Gilberto Petty da Silva Na faixa etária de seis meses aos três anos, as crianças têm de seis a nove infecções

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Protocolo de tratamento de influenza - 2011

Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Depois de definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a fase pós- pandêmica, a partir de agosto de 2010, o vírus da influenza pandêmica A (H1N1) 2009 continuou

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG. Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS

Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG. Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS Brasília, novembro de 2012 Antecedentes Uso do medicamento durante a pandemia e 2011/2012 Dificuldade

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

Cadernos UniFOA. Pneumonia: Tratamento e Evolução. Pneumonia: Treatment and Evolution

Cadernos UniFOA. Pneumonia: Tratamento e Evolução. Pneumonia: Treatment and Evolution 65 Pneumonia: Tratamento e Evolução Pneumonia: Treatment and Evolution Daniel Machado 1 Leandro Tristão Abi-Ramia de Moraes 1 Mariana de Oliveira Escareli 1 Itamar Alves Vianna 2 Artigo Original Original

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Protocolos Não Gerenciados

Protocolos Não Gerenciados Protocolos Não Gerenciados Unidade de Pediatria FEBRE SEM SINAIS LOCALIZATÓRIOS EM CRIANÇAS ATÉ 3 ANOS Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2005 SBIB Hospital Albert Einstein Page 1 of 7 Protocolo

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN MAGNÓLIA CARVALHO ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS ARTRITE CELULITE DIARRÉIA IMPETIGO ITU MENINGITE OTITE ONFALITE OSTEOMIELITE OFTALMIA PNEUMONIA

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Silvia Castro Caruso Christ Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Definições: Processo inflamatório da membrana mucosa que reveste a cavidade

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

Meningite Bacteriana

Meningite Bacteriana Meningite Bacteriana Conceito Infecção aguda que acomete as leptomeninges (aracnóide e pia-máter), envolvendo o cérebro e a medula espinhal. Page 2 Epidemiologia Doença comum, de alta mortalidade e morbidade

Leia mais

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Dor torácica 3. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica 4. Nódulo pulmonar 5. Pneumonia Adquirida na Comunidade 6. Tosse

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE COQUELUCHE

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE COQUELUCHE MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE COQUELUCHE 05 de fevereiro de 2013 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Contexto atual Objetivos Manifestações clínicas e definições utilizadas Diagnóstico

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Resumo 1806-4280/09/38-01/7 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 38, n o.1, de 2009 7 ARTIGO ORIGINAL Pneumonias na enfermaria de pediatria do Hospital Nossa Senhora da Conceição,

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA LUCIMARA DE FATIMA CAMPOS RADIOGRAFIA DE TÓRAX: EXAME DIAGNÓSTICO PARA PNEUMONIA CASCAVEL PR 2010 LUCIMARA DE FATIMA CAMPOS RADIOGRAFIA DE TÓRAX:

Leia mais

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial.

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. SÍNDROME DE LADY WINDERMERE Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. Novembro de 2012: Tosse persistente, dispnéia e cefaléia, quando suspeitaram

Leia mais

Síndrome Gripal Diretriz de atendimento nas UPAs

Síndrome Gripal Diretriz de atendimento nas UPAs Síndrome Gripal Diretriz de atendimento nas UPAs Características Influenza A influenza é caracterizada por infecção aguda das vias aéreas que cursa com febre (temperatura 38ºC), com a curva febril declinando

Leia mais

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora:

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 26 Novembro 2008 Disciplina: Medicina Prof.: Dr. Germano do Carmo Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Nota 1: O professor incidiu

Leia mais

Introdução. ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários.

Introdução. ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários. Introdução ATB na infância. ( Schappert, 1992 ). Primeiros anos de vida. ( Alho; Koivu; Sorri, 1991). Aleitamento materno. Creches e berçários. Definições Otite média aguda(oma): É a presença de secreção

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

PNCT Programa Nacional de. Enfermagem em Saúde Pública Enfermeira Deborah Cecília

PNCT Programa Nacional de. Enfermagem em Saúde Pública Enfermeira Deborah Cecília PNCT Programa Nacional de Controle da Tuberculose Enfermagem em Saúde Pública Enfermeira Deborah Cecília PNCT Considerações Gerais Pneumotórax Manuel Bandeira Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos,

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015 (Material produzido pelo Ministério da Saúde e adaptado

Leia mais

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade O QUE É PNEUMONIA? Pneumonia Adquirida na Comunidade Infecção aguda do parênquima pulmonar distal ao bronquíolo

Leia mais

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades

Leia mais

Abordagem do doente com DPOC Agudizada

Abordagem do doente com DPOC Agudizada 2010 Abordagem do doente com DPOC Agudizada Amélia Feliciano Centro Hospitalar Lisboa Norte Hospital Pulido Valente Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) Resposta inflamatória anómala dos pulmões a

Leia mais

ADENÓIDE (Amígdala faringea) AMÍGDALAS PALATINAS AMÍGDALAS LINGUAIS

ADENÓIDE (Amígdala faringea) AMÍGDALAS PALATINAS AMÍGDALAS LINGUAIS INFECÇÕES DE VIAS AÉREAS SUPERIORES II Momento II Prof Ricardo Caraffa Pedro de 7 anos HPMA: Febre há 2 dias com queda do estado geral, adinamia e odinofagia EF: Prostado, febril (38,9 C) Gânglio submandibular

Leia mais

Diagnóstico Diferencial de Tosse

Diagnóstico Diferencial de Tosse Diagnóstico Diferencial de Tosse A tosse constitui um sintoma de uma grande variedade de patologias, pulmonares e extrapulmonares, e por isto mesmo é muito comum, sendo, com certeza, uma das maiores causas

Leia mais

MANEJO DAS PNEUMONIAS VIRAIS - do diagnóstico ao tratamento - Pneumonia Adquirida na Comunidade. Diagnóstico Etiológico.

MANEJO DAS PNEUMONIAS VIRAIS - do diagnóstico ao tratamento - Pneumonia Adquirida na Comunidade. Diagnóstico Etiológico. X CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA SÃO PAULO ABRIL 2009 - do diagnóstico ao tratamento - Rodney Frare e Silva Prof Adjunto de Pneumologia UFPR rodneyfrare@brturbo.com.br Pneumonia Adquirida

Leia mais

MENINGITES. Manual de Instruções

MENINGITES. Manual de Instruções SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA MENINGITES Manual de Instruções Critérios

Leia mais

Nota Técnica 003/2011/SMS/VS/GVE

Nota Técnica 003/2011/SMS/VS/GVE Nota Técnica 003/2011/SMS/VS/GVE Assunto: Orienta os profissionais sobre as Novas Recomendações para Controle da Tuberculose no Brasil e em Florianópolis. Esta nota técnica divulga as modificações no sistema

Leia mais

Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana

Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana Mesa Redonda Moderador: Jayme Murahovshi Participantes: Edigar R. de Almeida, Luiza H. Endo e Sílvio Luiz Zuquim Prof. Dr. Jayme Murahovschi (Pediatra)

Leia mais

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Fernando Klein Outubro/2010 Caso 1 Fridundino Eulâmpio, 6 anos. Há

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC)

Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC) Pneumonia Adquirida na comunidade em Adultos (PAC) Definição Infecção aguda do parênquima pulmonar, associada a um novo infiltrado ao Raio X de tórax. Quadro clínico habitual Febre, tosse com secreção,

Leia mais

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias

MENINGITE. Lucila T. Watanabe. Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias MENINGITE Lucila T. Watanabe Coordenação das Doenças Imunopreveníveis e Respiratórias Histórico (I) 1975 Implantação do SVEM (Sistema de vigilância epidemiológica das meningites) Após epidemias de Doença

Leia mais

criança e do adolescente

criança e do adolescente saúde da criança e do adolescente doenças respiratórias Cristina Gonçalves Alvim Laura Maria de Lima Belizário Facury Lasmar saúde da criança e do adolescente doenças respiratórias Cristina Gonçalves

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

A ÉDIC A M IC CLÍN CSI INFECTOLOGIA VOL. 1

A ÉDIC A M IC CLÍN CSI INFECTOLOGIA VOL. 1 SIC CLÍNICA MÉDICA INFECTOLOGIA VOL. 1 Autoria e colaboração Durval Alex Gomes e Costa Graduado em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Especialista em Infectologia pelo Hospital

Leia mais

Orientações para Assistência aos Casos de Síndrome Gripal (SG) e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) com Ênfase na Influenza

Orientações para Assistência aos Casos de Síndrome Gripal (SG) e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) com Ênfase na Influenza Orientações para Assistência aos Casos de Síndrome Gripal (SG) e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) com Ênfase na Influenza 1 Introdução 4 2 Definições 5 Quadro 1. Definições de Síndrome Gripal,

Leia mais