+ J (+) (sentidos dos spins opostos)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "+ J (+) (sentidos dos spins opostos)"

Transcrição

1 AOPLAMENTO SPIN-SPIN onsiderações gerais: B O l B A l A -Definição: é a interação entre o spin nuclear de um átomo com o spin dos núcleos vizinho através da ligações -onstante de acoplamento (J): separação em z entre as linhas de um multipleto -Multiplicidade (m): número de linha de um multipleto. Depende do spin (I) e do nº de núcleos vizinhos Regra da multiplicidade: m = 2nI+1 -Sinal de : - + J (+) (sentidos dos spins opostos) J (-) (mesmo sentido) + -Representação de J: n J XY n = nº de ligações entre spins XY = núcleos acoplados

2 AOPLAMENTO SPIN-SPIN Mecanismo de acoplamento spin-spin -Interação dipolar entre os momentos magnéticos nucleares e eletrônicos. -O momento nuclear interage com a corrente eletrônica produzida pelo movimento dos elétrons em torno do núcleo. G 2 -Quando G é um grupo retirador de elétrons aumenta J. -Quando G é um grupo doador de elétrons diminue J.

3 AOPLAMENTO SPIN-SPIN MAGNITUDE DO AOPLAMENTO SPIN-SPIN Acoplamento carbono-hidrogênio Acoplamento 1 J ( 13-1 ) Efeito da hibridização: proporcional ao caracter de s. sp 3 ( -) ~125 z sp 2 (=-) ~170 z sp ( -) ~250 z

4 AOPLAMENTO SPIN-SPIN Efeito do substituinte no acoplamento spin-spin Em carbono sp 3 para 1 J -J aumenta com a eletronecatividade de X. -O efeito do substituinte é aditivo. 13 X omposto 1 J (z) omposto 1 J (z) ( 3 ) 4 Si l l l 3 209

5 AOPLAMENTO SPIN-SPIN Efeito do substituinte no acoplamento spin-spin Em carbono sp 2 para 1 J trans cis X X α cis trans F l O N X 3 2 X O N S

6 AOPLAMENTO SPIN-SPIN Acoplamentos 2 J e 3 J *A magnitude do acoplamento é geralmente entre 0-10 z. omp. *R 3 l 3 O N 3 -*R 2 J -4,5 5,9-6,6 9,9-10,6 ( 3 ) 3 -*R 3 J 4, ,6 5,4 --- omposto 2 J (z) omposto 3 J (z) ,5-3 4,8 2 = 2-2,4-3 3,6 49,3

7 AOPLAMENTO SPIN-SPIN Outros exemplos de acoplamentos a longa distâncias 2 J = 1,0 O 2 3 J =4,0 3 J = 7,4 4 J = 1,1 4 J = -1,1 5 J =0,5 R 1 2 R O 2 l OAc 2 J cis ( 1 α ) -4,6-8,3-7,9 2 J trans ( 1 β ) 1,6 7,1 7,6 2 J ( 2 γ ) -0,6 6,8 9,7

8 AOPLAMENTO SPIN-SPIN ompostos biciclos l l l l l l O 2 2 J = -6,4 3 J (cis) = 4,5 3 J (trans) = 2,5

9 AOPLAMENTO SPIN-SPIN Acoplamento 1 J ( ) -Magnitude de 1 J : menor que 1 J (µ do 13 é 4X menos do que o µ do 1 ). -Para se observar J é quase que necessário se enriquecer a molécula com isótopos de 13. Problema: abundância natural do 13 (1,1%) pequena probabilidade de se encontrar moléculas com dois 13 vizinhos). Estrutura 1 J (z) omposto O 37,3 1 J (z) (O) 3 40, O 2 56,7 3 N 56, ,6 2 = 2 67,6 PhN 80, ,5 orrelação entre 1 J e 1 J 1 J = 0,27 1 J

10 AOPLAMENTO SPIN-SPIN

11 EXEMPLO DE UM ESPETRO DE 13 DESAOPLADO

12 EXEMPLO DE UM ESPETRO DE 13 AOPLADO

13 EXEMPLO DE UM ESPETRO DE 13 AOPLADO

14 EXEMPLO DE UM ESPETRO DE 13 AOPLADO

15 TÉNIAS DE DUPLA RESSONÂNIA (DESAOPLAMENTO) DESAOPLAMENTO OMONULEAR

16 TÉNIAS DE DUPLA RESSONÂNIA (DESAOPLAMENTO) DESAOPLAMENTO ETERONULEAR

17 TÉNIAS DE DUPLA RESSONÂNIA (DESAOPLAMENTO) DESAOPLAMENTO DE BANDA LARGA OU TOTAL (Proton noise decoupling ou broadband decoupling) A B A B Vantagens: -aumenta a resolução -cada carbono aparece como singleto -aumenta a sensitividade -colapso dos multipletos -NOE Desvantagens: perde a informação das constantes de acoplamento

18 DESAOPLAMENTO DE BANDA LARGA OU TOTAL

19 DESAOPLAMENTO DE BANDA LARGA OU TOTAL Efeito Nuclear Overhauser (NOE)

20 DESAOPLAMENTO DE BANDA LARGA OU TOTAL Efeito Nuclear Overhauser (NOE)

21 TÉNIAS DE DUPLA RESSONÂNIA (DESAOPLAMENTO) Desacoplamento de frequência simples fora da região espectral (Desacoplamento Parcial) (Single Frequency Of Resonance Decoupling SFORD) A B A B

22 TÉNIAS DE DUPLA RESSONÂNIA (DESAOPLAMENTO) Desacoplamento Parcial Vantagens: -Elimina interações > 1 J -Os carbonos são desdobrados pelos s diretamente ligados. -Simplifica o espectro Desvantagen: Perde a informação da J.

23 MEDIDAS QUANTITATIVAS NA RMN DE 13 INTEGRAÇÃO: A intensidade dos sinais (ou área) de um espectro de -13 pode variar por 04 diferentes razões: 1) O pulso de RF pode não ser intenso suficiente para irradiar todos os núcleos da amostra eficientemente. 2) Digitização: Insuficiente Nº de pontos para definir completamente todos os picos Solução: Aumentar o número de pontos

24 MEDIDAS QUANTITATIVAS NA RMN DE 13 1) A variação do tempo de relaxação (T1) dos átomos de carbono da molécula. Ex.: Em moléculas orgânicas típicas: -=O e carbonos quaternários, T 1 = 10 a 300 seg. -arbonos hidrogenados, T 1 < 10 seg. Solução: -Aumentar o tempo de acumulação ou diminuir a largura do pulso. -Usar agentes de relaxação (metais paramagnéticos 2) Pode existir diferente NOE nos diferentes arbonos da molécula: -arbonos não hidrogenados pequeno NOE -arbonos hidrogenados NOE grande Solução: Suprimir o NOE.

25 MEDIDAS QUANTITATIVAS NA RMN) DE 13 (integração) Duas variantes do desacoplamento de hidrogênios

26 MEDIDAS QUANTITATIVAS NA RMN) DE 13 (integração)

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR CURSO BÁSICO

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR CURSO BÁSICO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA QUÍMICA INORGÂNICA AVANÇADA II RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR CURSO BÁSICO Prof. Fabio da Silva Miranda e-mail:

Leia mais

Espectrometria de Ressonância Magnética Nuclear

Espectrometria de Ressonância Magnética Nuclear Espectrometria de Ressonância Magnética Nuclear (hidrogênio e carbono) Espectrometria de Ressonância Magnética Espectroscopia de absorção (IV e UV) Absorção de radiação eletromagnética em região característica

Leia mais

Introdução à Espectroscopia de Ressonância de Spin Eletrônico. Departamento de Física e Matemática FFCLRP-USP- Ribeirão Preto São Paulo-Brasil

Introdução à Espectroscopia de Ressonância de Spin Eletrônico. Departamento de Física e Matemática FFCLRP-USP- Ribeirão Preto São Paulo-Brasil Introdução à Espectroscopia de Ressonância de Spin Eletrônico e Algumas Aplicações Oswaldo Baffa Departamento de Física e Matemática FFCLRP-USP- Ribeirão Preto São Paulo-Brasil 1 Tópicos dessa Apresentação

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NUCLEAR Constituintes do átomo: electrões e núcleo. Constituintes do núcleo (nucleões): protões e neutrões. Características químicas electrões ; Características físicas núcleo

Leia mais

Quando esses temas são compreendidos, o aprendizado da química orgânica se torna muito mais fácil, diminuindo a necessidade de memorização.

Quando esses temas são compreendidos, o aprendizado da química orgânica se torna muito mais fácil, diminuindo a necessidade de memorização. REAÇÕES ORGÂNIAS A primeira vista, a química orgânica pode ser observada como uma coleção confusa de milhões de compostos, dezenas de grupos funcionais e um número infinito de reações químicas. Ao estudá-la,

Leia mais

APLICAÇÕES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NA AVALIAÇÃO DE OSTEOPOROSE

APLICAÇÕES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NA AVALIAÇÃO DE OSTEOPOROSE IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR APLICAÇÕES DE RESSONÂNCIA

Leia mais

Morfologia Matemática em Imagens de Ressonância. Conceitos novos: Granulometria, Morfologia Condicional e com Reconstrução

Morfologia Matemática em Imagens de Ressonância. Conceitos novos: Granulometria, Morfologia Condicional e com Reconstrução Morfologia Matemática em Imagens de Ressonância Conceitos novos: Granulometria, Morfologia Condicional e com Reconstrução A Ressonância Magnética é um dos métodos de imagem mais completos disponíveis.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

Análise de Compostos Orgânicos RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR. Acoplamento Spin-Spin Espectro do etanol em baixa resolução

Análise de Compostos Orgânicos RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR. Acoplamento Spin-Spin Espectro do etanol em baixa resolução Análise de ompostos Orgânicos apítulo III O Retorno de Jedi RESSONÂNIA MAGNÉTIA NULEAR Prof. Dr. Roberto Berlinck Acoplamento Spin-Spin Espectro do etanol em baixa resolução 1 3 2 3 O 3 2 1 Observa-se

Leia mais

Parte do espectro electromagnético tico da luz

Parte do espectro electromagnético tico da luz Parte do espectro electromagnético tico da luz U.V. Visível I.V. R.M.N. Electrónicas Vibracionais Rotacionais Tipo de transições observadas Spin nuclear (Res.Mag.Nuclear) 1 Espectroscopia de Infravermelho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

métodos cinéticos quebra da ligação formação da ligação hidrogênio carbono métodos não cinéticos marcação isotópica

métodos cinéticos quebra da ligação formação da ligação hidrogênio carbono métodos não cinéticos marcação isotópica Efeitos Isotópicos Os chamados efeitos isotópicos constituem instrumentos importantes para o esclarecimento de mecanismos de reações orgânicas. e maneira geral, a metodologia envolve a substituição de

Leia mais

Ressonância Magnética Nuclear

Ressonância Magnética Nuclear Ressonância Magnética Nuclear Bibliografia: Pavia, D.L. et al., Introdução à Espectroscopia, Ed. Cengage Learning, 2010. Bruice, P.Y. et al., Química Orgânica, Ed. Prendice Hall, 2004. Raios-X são as radiações

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS Programa de Disciplina Nome: Química Geral EQ Código: IQG 115 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4 Pré-Requisito

Leia mais

CAPÍTULO III LIGAÇÕES QUÍMICAS

CAPÍTULO III LIGAÇÕES QUÍMICAS CAPÍTULO III LIGAÇÕES QUÍMICAS LIGAÇÕES QUÍMICAS 3.1. Introdução As propriedades dos átomos são determinadas pela carga nuclear (número atômico) e pela forma como os elétrons estão distribuídos ao redor

Leia mais

Ressonância Magnética. Aluno : Bruno Raphael Pereira Morais

Ressonância Magnética. Aluno : Bruno Raphael Pereira Morais Ressonância Magnética Aluno : Bruno Raphael Pereira Morais Histórico 1873 Maxwell, com sua teoria para campos elétricos e magnéticos. Lorentz com a Teoria do Elétron. 1887 Hertz Radiofrequência 1924 Pauli

Leia mais

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA QUANTIFICAÇÃO DE SINAIS ESPECTROSCÓPICOS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO CÉREBRO HUMANO IN VIVO UTILIZANDO O MÉTODO AMARES RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES PERÍODO DE FEVEREIRO

Leia mais

Espectroscopia no Infravermelho

Espectroscopia no Infravermelho Espectroscopia no Infravermelho Análogo ao UV: irradiação da amostra com luz I.V. Parte absorvida (A) Parte transmitida (T) Espectro I.V : %A (ou %T) versus freqüência ou comprimento de onda ou número

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR: Gradus Primus*

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR: Gradus Primus* PESQUISA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA Cláudia NUCLEAR: Gradus Primus* * Primeiros passos Jorge do Nascimento Professora do Instituto de Química - UnB Carlos Bloch Jr. Professor do Instituto de Química - UnB Pesquisador

Leia mais

UNIDADE 3 - COORDENAÇÃO ATÔMICA

UNIDADE 3 - COORDENAÇÃO ATÔMICA A força de repulsão entre os elétrons de dois átomos, quando estão suficientemente próximos, é responsável, em conjunto com as forças de atração, pela posição de equilíbrio dos átomos na ligação química

Leia mais

SEQÜÊNCIA DE PULSO. Spin-eco (SE); Inversion-recovery (IR); Gradiente-eco (GRE); Imagens eco - planares (EPI).

SEQÜÊNCIA DE PULSO. Spin-eco (SE); Inversion-recovery (IR); Gradiente-eco (GRE); Imagens eco - planares (EPI). SEQÜÊNCIA DE PULSO Spin-eco (SE); Inversion-recovery (IR); Gradiente-eco (GRE); Imagens eco - planares (EPI). VANTAGENS DAS SEQÜÊNCIAS MAIS RÁPIDAS Maior conforto para o paciente; Imagens de órgãos em

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS Os sólidos são caracterizados por uma associação muito próxima de átomos, em geral representados por esferas rígidas, em contato uns com os outros e mantidos juntos por

Leia mais

Mary Santiago Silva 05/05/2010

Mary Santiago Silva 05/05/2010 Espectrometria de Massas Interpretação do Espectro de Massas Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Departamento de Química - UFS Introdução Fragmentação em espectro de massas por EI oferece importante informação

Leia mais

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32 QUÍMICA Questão 3 Em 9,9 g de um sal de cálcio encontra-se 0,5 mol desse elemento. Qual a massa molar do ânion trivalente que forma esse sal? Dado: Ca 40 g/mol. (A) 39 g/mol. (B) 278 g/mol. (C) 63,3 g/mol.

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES http:// 2 Introdução Histórico / aspectos gerais Análise qualitativa / análise quantitativa Análise clássica / análise instrumental Análise espectrofotométrica Introdução

Leia mais

- LIGAÇÕES IÔNICAS: Na (1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 ) + Cl (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 ) Na + (1s 2 2s 2 2p 6 ) + Cl - (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 )

- LIGAÇÕES IÔNICAS: Na (1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 ) + Cl (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 ) Na + (1s 2 2s 2 2p 6 ) + Cl - (1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 ) - LIGAÇÕES IÔNICAS: A ligação iônica é a ligação química formada pela atração eletrostática entre íons positivos e íons negativos. A ligação se dá entre dois átomos quando um elétron, ou mais um, se transfere

Leia mais

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha 3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS Aline Lamenha OBJETIVOS Referir os contributos de vários cientistas e das suas propostas de modelo atómico, para a criação do modelo atómico

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESPECTROSCOPIA

INTRODUÇÃO À ESPECTROSCOPIA INTRODUÇÃO À ESPECTROSCOPIA Tradução da 4 ạ edição norte-americana DONALD L. PAVIA GARY M. LAMPMAN GEORGE S. KRIZ JAMES R. VYVYAN Departamento de Química Universidade Western Washington Bellingham, Washington

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

TÉCNICAS ESPECTROSCÓPICAS EM BIOFÍSICA

TÉCNICAS ESPECTROSCÓPICAS EM BIOFÍSICA TÉCNICAS ESPECTROSCÓPICAS EM BIOFÍSICA Instituto de Física - USP 1. Introdução Tanto a Física como a Biologia buscam reconhecer, na natureza, e explicitar, em linguagem adequada, padrões de "comportamento"

Leia mais

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Periodicidade O átomo é visto como uma esfera, onde só as

Leia mais

Princípio da técnica FT em RMN 1) Mudança da orientação da magnetização, produzida por núcleos atômicos, através de um pulso curto de RF.

Princípio da técnica FT em RMN 1) Mudança da orientação da magnetização, produzida por núcleos atômicos, através de um pulso curto de RF. Princípio da técnica FT em RMN 1) Mudança da orientação da magnetização, produzida por núcleos atômicos, através de um pulso curto de RF. 2) O pulso resultante contém a frequência principal e uma banda

Leia mais

AGG0115 GEOFÍSICA I. Prof. Manoel S. D Agrella Filho. Monitores: Daniele Brandt Giovanni Moreira

AGG0115 GEOFÍSICA I. Prof. Manoel S. D Agrella Filho. Monitores: Daniele Brandt Giovanni Moreira AGG0115 GEOFÍSICA I Prof. Manoel S. D Agrella Filho Monitores: Daniele Brandt Giovanni Moreira Paleomagnetismo Estudo do magnetismo fóssil das rochas A rocha contém pequenos minerais magnéticos (magnetita,

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

Imagens de Ressonância Magnética

Imagens de Ressonância Magnética Imagens de Ressonância Magnética Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.edu.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Ressonância Magnética: Princípios físicos Definições e histórico Fundamentos

Leia mais

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE RMN EM SOLUÇÃO AO ESTUDO DE SISTEMAS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS

APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE RMN EM SOLUÇÃO AO ESTUDO DE SISTEMAS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E BIOQUÍMICA APLICAÇÃO DE TÉCNICAS DE RMN EM SOLUÇÃO AO ESTUDO DE SISTEMAS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS MESTRADO EM QUÍMICA JÚLIA ALVES 2010

Leia mais

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é:

01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: 01) (ACAFE) O grupo de átomos que é encontrado na forma monoatômica pelo fato de serem estáveis é: a) Halogênios b) Calcogênios c) Metais Alcalinos Terrosos d) Metais Alcalinos e) Gases Nobres 02) (UFF-RJ)

Leia mais

1 INTRODU Ç Ã O. 1.1. Introdução ao Magnetismo

1 INTRODU Ç Ã O. 1.1. Introdução ao Magnetismo 17 1 INTRODU Ç Ã O 1.1. Introdução ao Magnetismo Os materiais magnéticos vêm desempenhando um papel importante e contribuído de forma vital na história das civilizações e no seu desenvolvimento tecnológico.

Leia mais

Gabarito -Funções Orgânicas 2015

Gabarito -Funções Orgânicas 2015 Gabarito: Resposta da questão 1: [Resposta do ponto de vista da disciplina de Química] As cenouras de coloração laranja podem ter sido trazidas a Pernambuco durante a invasão holandesa e contêm um pigmento

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Licenciatura em Química ELEMENTOS DE GEOLOGIA. 5 0 SEMESTRE Carga Horária : Objetivos

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Licenciatura em Química ELEMENTOS DE GEOLOGIA. 5 0 SEMESTRE Carga Horária : Objetivos Unidade FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ELEMENTOS DE GEOLOGIA 80(40T/40P)* Propiciar ao graduando noções de geologia, relacionando-a aos conceitos químicos envolvidos sua aplicação em processos

Leia mais

GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES. Professor Cristiano

GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES. Professor Cristiano GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES Professor Cristiano GEOMETRIA MOLECULAR É o estudo de como os átomos estão distribuídos espacialmente em uma molécula. Dependendo dos átomos que a

Leia mais

Quantificação metabólica absoluta in vitro por espectroscopia de ressonância magnética

Quantificação metabólica absoluta in vitro por espectroscopia de ressonância magnética Artigo Original Revista Brasileira de Física Médica.2010;4(1):83-8. Quantificação metabólica absoluta in vitro por espectroscopia de ressonância magnética In vitro absolute metabolic quantification by

Leia mais

02/06/2013. Espectros de RMN com desacoplamento de spin: técnica comum em espectroscopia de 13 C

02/06/2013. Espectros de RMN com desacoplamento de spin: técnica comum em espectroscopia de 13 C 0/0/0 Princípio básico de desacoplamento de spin: saturar a transição do núcleo responsável pelo acoplamento Espectros de RMN com desacoplamento de spin: técnica comum em espectroscopia de C (a) Representação

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá/Departamento de Química/Maringá, PR. Química/ Química Orgânica.

Universidade Estadual de Maringá/Departamento de Química/Maringá, PR. Química/ Química Orgânica. EFEIT D SLVENTE N EQUILÍBRI CNFRMACINAL DE CIS-- HALCICLEANÓIS: UM ESTUD TEÓRIC E EPERIMENTAL. Layara Akemi Abiko (IC-Balcão/CNPq-UEM), Rodrigo Meneghuetti Pontes, Ernani Abicht Basso (rientador), e-mail:

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 O pode ser definido como todo e qualquer tipo de interfência externa que exercida sobre um

Leia mais

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Teoria do Orbital Molecular A Teoria do Orbital Molecular usa os métodos da teoria de grupos para descrever a ligação química em moléculas. A simetria e

Leia mais

Estrutura Eletrônica e Ligação Aula 2. QO-427 Prof. J. Augusto

Estrutura Eletrônica e Ligação Aula 2. QO-427 Prof. J. Augusto Estrutura Eletrônica e Ligação Aula 2 QO-427 Prof. J. Augusto Química Orgânica Orgânica até meados de 1800 referia-se a compostos de fontes com vida ( fontes minerais eram inorgânicos ) Wöhler em 1828

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Química Orgânica I Prof. Vanderlei I Paula Lista de exercícios 4 / Data: 02/05/2015

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Química Orgânica I Prof. Vanderlei I Paula Lista de exercícios 4 / Data: 02/05/2015 01 - A adição de Br a um alceno pode conduzir a produtos diferentes caso, nessa reação, seja empregado o alceno puro ou o alceno misturado a uma pequena quantidade de peróxido. 2 + Br 2 Br 2 + Br peróxido

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Número de prótons: 54 2 Nome do elemento: BORO BERÍLIO HÉLIO Esta Os quantidade diferentes tipos de prótons de átomos recebe (elementos o nome químicos) de

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA NO INFRAVERMELHO MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA NO INFRAVERMELHO MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA NO INFRAVERMELHO Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais Farmanguinhos

Leia mais

Circuitos CA I. 1 Resumo da aula anterior. Aula 6. 5 de abril de 2011

Circuitos CA I. 1 Resumo da aula anterior. Aula 6. 5 de abril de 2011 Circuitos CA I Aula 6 5 de abril de 20 Resumo da aula anterior Estudamos a teoria formulada por Lammor que permite explicar a existência de diamagnetismo em algumas substancia. Basicamente a teoria supõe

Leia mais

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão Fonte: Rodrigo Semente A Distorção, em Sistemas de Comunicação, pode ser entendida como uma ação que tem como objetivo modificar as componentes

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ESPECTROFOTÔMETRO - EQUIPAMENTO 6 Ed. Cap. 13 Pg.351-380 6 Ed. Cap. 1 Pg.1-28 6 Ed. Cap. 25 Pg.703-725 09/04/2015 2 1 Componentes dos instrumentos (1) uma fonte estável de

Leia mais

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Classificação dos métodos de análises quantitativas Determinação direta

Leia mais

Métodos Espectroanalítcos. Aula 5 Interferências em FAAS

Métodos Espectroanalítcos. Aula 5 Interferências em FAAS Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química Métodos Espectroanalítcos Aula 5 Interferências em FAAS Julio C. J. Silva Juiz de Fora, 2013 Processo de dissociação

Leia mais

Imagem por ressonância magnética

Imagem por ressonância magnética Imagem por ressonância Aula 38 Histórico Descoberta das propriedades s nucleares: Isidor Isaac Rabi (prêmio Nobel de Física no ano de 1944) Impulso para vários estudos na área de espectroscopia LPV 5731

Leia mais

A base da espectrometria de massas

A base da espectrometria de massas A base da espectrometria de massas The father of MS and the first mass spectrometrist to win the Nobel Prize. Pure species and mixtures JJ Thomson's 'Plum Pudding Model' of the atom, a sphere of positive

Leia mais

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 INTRODUÇÃ ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula Estrelas: do nascimento à Seqüê üência Principal Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 De que são formadas as estrelas? Átomo: elemento básico b da matéria

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais

Leia mais

UFSC. Química (Amarela) 31) Resposta: 43. Comentário

UFSC. Química (Amarela) 31) Resposta: 43. Comentário UFSC Química (Amarela) 1) Resposta: 4 01. Correta. Ao perder elétrons, o núcleo exerce maior atração sobre os elétrons restantes, diminuindo o raio. Li 1s2 2s 1 Li+ 1s 2 Raio atômico: átomo neutro > íon

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

Forças intermoleculares, Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Forças intermoleculares, Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier , líquidos e sólidos 1 Uma comparação entre líquidos e sólidos As propriedades físicas das substâncias entendidas em termos de teoria cinética molecular : Os gases são altamente compressíveis, assumem

Leia mais

Aula 1. Organic Chemistry 4 th Edition Paula Yurkanis Bruice. Espectroscopia de RMN

Aula 1. Organic Chemistry 4 th Edition Paula Yurkanis Bruice. Espectroscopia de RMN Aula 1 Espectroscopia de RMN Organic Chemistry 4 th Edition Paula Yurkanis Bruice Irene Lee Case Western Reserve University Cleveland, OH 2004, Prentice Hall Ressonância Magnética Nuclear (RMN) Identifica

Leia mais

ELETROSTÁTICA. Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com

ELETROSTÁTICA. Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com ELETROSTÁTICA Ramo da Física que estuda as cargas elétricas em repouso. www.ideiasnacaixa.com Quantidade de carga elétrica Q = n. e Q = quantidade de carga elétrica n = nº de elétrons ou de prótons e =

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR. Métodos Físicos de Análise. Métodos Físicos de Análise

Métodos Físicos de Análise - RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR. Métodos Físicos de Análise. Métodos Físicos de Análise - RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais Farmanguinhos Fiocruz Docente do Programa

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

Ligações Atômicas e Bandas de Energia. Livro Texto - Capítulo 2

Ligações Atômicas e Bandas de Energia. Livro Texto - Capítulo 2 40 Ligações Atômicas e Bandas de Energia Livro Texto - Capítulo 2 Ligação Atômica 41 Porque estudar a estrutura atômica? As propriedades macroscópicas dos materiais dependem essencialmente do tipo de ligação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

15/05/2015 HISTÓRICO APLICAÇÕES CROMATOGRAFIA

15/05/2015 HISTÓRICO APLICAÇÕES CROMATOGRAFIA CROMATOGRAFIA Definição Geral A cromatografia é um método físico-químico de separação que se fundamenta na migração diferencial dos componentes de uma mistura devido a diferentes interações entre duas

Leia mais

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica

Diodos. TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Diodos TE214 Fundamentos da Eletrônica Engenharia Elétrica Sumário Circuitos Retificadores Circuitos Limitadores e Grampeadores Operação Física dos Diodos Circuitos Retificadores O diodo retificador converte

Leia mais

Respostas da terceira lista de exercícios de química. Prof a. Marcia M. Meier

Respostas da terceira lista de exercícios de química. Prof a. Marcia M. Meier Respostas da terceira lista de exercícios de química Prof a. Marcia M. Meier 1) O íon brometo não aceita mais de um elétron, pois este segundo elétron ocupará numeros quânticos maiores quando comparado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO strado em Química Aplicada Seleção 2007 1/6 1 a etapa do Processo de Seleção 2007 - Parte 1 Questão 01: (A) Arranje, em ordem crescente de comprimento de onda, os seguintes tipos de fótons de radiação

Leia mais

UFS - SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades AcadêmicasTempo de Sessão: 01:30 OSMAR DE S. E. S. JUNIOR DEPARTAMENTODE FÍSICA(11.21.

UFS - SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades AcadêmicasTempo de Sessão: 01:30 OSMAR DE S. E. S. JUNIOR DEPARTAMENTODE FÍSICA(11.21. UFS - SIG - Sistema Integrado de Gestão de tividades cadêmicastempo de Sessão: 01:30 OSMR DE S. E. S. JUNIOR DEPRTMENTODE FÍSIC(11.21.04) Semestre atual: 2015.1 Esta turma já possui umplano cadastrado,

Leia mais

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte:

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: RUÍDOS São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: Ruído externo: quando a fonte é externa ao sistema de telecomunicações

Leia mais

O carbono é um dos elementos químicos com capacidade de formar cadeias, ligando-se entre si e com outros elementos químicos.

O carbono é um dos elementos químicos com capacidade de formar cadeias, ligando-se entre si e com outros elementos químicos. ITS Química do Petróleo 3 Módulo: Prof.ª Mônica Fonseca Química Orgânica: É a parte da Química que estuda os compostos do carbono. Compostos orgânicos naturais: as principais fontes de compostos orgânicos

Leia mais

Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo

Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo Ligação Química e Estudo do Átomo de Carbono Aula 1 1- INTRODUÇÃO Os átomos são formados por nêutrons, prótons e elétrons.

Leia mais

Agora, utilizando as definições vistas, vamos classificar todos os átomos de carbono presentes na estrutura a seguir: CH 2

Agora, utilizando as definições vistas, vamos classificar todos os átomos de carbono presentes na estrutura a seguir: CH 2 Unidade 19 ompostos orgânicos Agora, utilizando as definições vistas, vamos classificar todos os átomos de carbono presentes na estrutura a seguir: 459 3 carbonos c = primários 3 3 3 2 2 carbonos carbonos

Leia mais

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta.

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta. Questão 1 Um estudante de física, com o intuito de testar algumas teorias sobre circuitos e indução eletromagnética, montou o circuito elétrico indicado na figura ao lado. O circuito é composto de quatro

Leia mais

Conceitos Preliminares. Introdução a Química. Conceitos Preliminares. Conceitos Preliminares. Universo. Conceitos Preliminares. Fenômenos Substâncias

Conceitos Preliminares. Introdução a Química. Conceitos Preliminares. Conceitos Preliminares. Universo. Conceitos Preliminares. Fenômenos Substâncias Introdução a Química Conceitos Preliminares Universo É o conjunto TOTAL de toda a MATÉRIA e ENERGIA que existe... Conceitos Preliminares Fenômenos Substâncias Conceitos Preliminares Matéria É tudo o que

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

6 Determinação de HPAs em peixes

6 Determinação de HPAs em peixes 6 Determinação de HPAs em peixes Várias técnicas analíticas têm sido usadas para determinar os níveis de HPAs e seus metabólitos em peixes. As técnicas mais comumente usadas incluem a cromatografia gasosa

Leia mais

COMPOSTOS ORG R AN A OMET E ÁL Á I L COS

COMPOSTOS ORG R AN A OMET E ÁL Á I L COS COMPOSTOS ORGANOMETÁLICOS Um dos pioneiros da química organometálica dos elementos representativos foi o químico inglês E.C.Frankland, que trabalhou com compostos organoarsênios durante seus estudos de

Leia mais

Marcelo Paulino - mecpaulino@yahoo.com.br 10/06/2013 1

Marcelo Paulino - mecpaulino@yahoo.com.br 10/06/2013 1 Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino - Adimarco Guilherme Sanches Penariol Adimarco Leonardo Bolzan Giacchetta - EngPositivo Abraham Lincoln Schumann - General Cable Mauro Braga Lopes - Adimarco Samuel

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Aula 9-1 Materiais Magnéticos. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 9

Aula 9-1 Materiais Magnéticos. Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 9 Aula 9-1 Materiais Magnéticos Física Geral e Experimental III Prof. Cláudio Graça Capítulo 9 Propriedades Magnéticas dos Materiais Pierre Curie mostrou que as propriedades magnéticas da matéria mudam a

Leia mais

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA Questão 1 O molibdênio metálico tem de absorver radiação com frequência mínima de 1,09 x 10 15 s -1 antes que ele emita um elétron de sua superfície via efeito fotoelétrico.

Leia mais

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Análise Estrutural José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Objectivos Usar a espectroscopia na identificação de substâncias puras ou compostos orgânicos compreender a interacção

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial Motor de passo a passo 2013/ 2014 1 Motores passo a passo Os motores de passo são dispositivos eletromecânicos que convertem pulsos elétricos em movimentos mecânicos

Leia mais

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4.1. Introdução Neste Capítulo são apresentados os resultados obtidos no estudo da influência da diluição da atmosfera precursora de metano por gases

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1 Física Quântica Caex 005 Questão 1 Se as partículas listadas abaixo têm todas a mesma energia cinética, qual delas tem o menor comprimento de onda? a) elétron b) partícula α c) nêutron d) próton Questão

Leia mais