ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006"

Transcrição

1 INTRODUÇÃ ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula Estrelas: do nascimento à Seqüê üência Principal Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006

2 De que são formadas as estrelas? Átomo: elemento básico b da matéria o mais simples (1 próton + 1 elétron) e de menor massa atômica (1,00794) o mais complexo (112 prótons nêutrons elétrons) e o de maior massa atômica (277) De que são formadas as estrelas?

3 De que são formadas as estrelas? H: elemento químico mais abundante no universo: em número: 90% ; Hélio (He): segundo mais abundante: ~ 23% (em massa) Demais elementos químicos: ~ 2%. em massa: ~ 75% Quanto mais complexa for a estrutura do átomo, maior será a sua massa e menor a sua abundância. Molécula: agrupamento de 2 ou mais átomos. Quando mais átomos possui, mais complexa é a sua estrutura Gases: formados de moléculas. Sólido: é um estado da matéria onde os elementos constituintes estão agrupados numa rede espacial definida e característica.

4 De que são formadas as estrelas? Espaço interestelar: - constituição: preenchido por átomos, gases e grãos recobertos por gases congelados - forma: nuvens difusas extremamente rarefeitas (~ 10 átomos/cc) - tamanho: gigantescas (~ 50 AL) - massa típica: 400 massas solares - temperatura local: menor que 100 K (-173 Celsius). Nuvens moleculares gigantes: - ricas em grãos, - densidade da ordem de 1 milhão de átomos por cc, - temperatura entre 10 K e 30 K. - elas dão origem às estrelas. - os braços da Galáxia são os locais mais propícios para a formação estelar

5 Do nascimento à Seqüência Principal Equilíbrio da nuvem molecular densa depende da relação entre as pressões interna (controlada pela temperatura local) e externa (controlada pela força gravitacional). Sir James Jeans (início de 1900): uma nuvem com cerca de massas solares e temperatura de 50 K entra espontaneamente em colapso se ela estiver encerada em um volume com 2 pc (6,52 AL) de raio. Este limite ficou conhecido como massa de Jeans. Perdendo a sustentação a nuvem entra em colapso. O movimento de contração é lento no início mas aumenta gradativamente com a contração. Vários glóbulos podem se formar. Como esta massa é muito maior que a de uma estrela, nessa contração vão nascer muitas estrelas.

6 Do nascimento à Seqüência Principal Uma lei básica da Física: conservação da energia - pode ser transformada em outras espécies, mas a energia total do sistema se conserva. Na contração do glóbulo: - a energia potencial gravitacional transforma-se basicamente em energia térmica e cinética. - quanto mais a nuvem se contrai, mais ela se aquece e mais rapidamente ela gira. - densidade, temperatura e pressão aumentam nas regiões centrais nasce a proto-estrela - calor flui do centro quente para a periferia fria. - proto-estrela brilha como um corpo de cor vermelho profundo. A maior parte da energia é irradiada no infravermelho.

7 Do nascimento à Seqüência Principal De início, a proto-estrela é imensa, brilhante, com temperatura superficial baixa e cor avermelhada. Gradativamente ela se contrai, sua luminosidade diminui, sua temperatura aumentado e sua cor torna-se mais clara. No Diagrama HR, esse comportamento se manifesta através de uma trajetória quase vertical.

8 Do nascimento à Seqüência Principal Trajeto evolutivo das estrelas no diagrama HR depende da massa. Estrelas de maior massa apresentam transfomações mais profundas em menor escala de tempo. Antes de entrar na SP a protoestrela passa por fase de perda de massa por jato bipolar quente.

9 Do nascimento à Seqüência Principal No centro da proto-estrela: - densidade, temperatura e pressão aumentam gradativamente - quando temperatura central atinge cerca de K H torna-se ionizado - posteriormente também o He - com a contração, os núcleos de H vão sendo comprimidos uns contra os outros, as colisões mútuas se intensificam e a temperatura aumenta ainda mais. - quando a temperatura central ultrapassar 10 milhões K as colisões tornam-se violentas núcleos de H fundem-se: é a fusão nuclear. - a proto-estrela tornou-se uma estrela e entra na fase duradoura a fase da Seqüência Principal (SP), onde passará a maior parte de sua vida.

10 Do nascimento à Seqüência Principal

11 Do nascimento à Seqüência Principal O tempo que uma estrela leva do nascimento à fase de geração de energia por fusão nuclear (Seqüência Principal) depende da massa. Massa Tipo espectral Tempo para chegar à SP 30 M SOL O anos 10 B B A Sol G K M

12 Produção de energia na Seqüência Principal A origem da energia solar foi um mistério por longo tempo. Cálculos mostravam que a conversão de energia gravitacional em calor era insuficiente para manter o Sol brilhando até hoje Sir Arthur Eddington (início de 1920): o Sol é composto basicamente de H condições físicas no interior provoca fusão nuclear a fonte da energia solar. Década de 1930: processo de fusão nuclear foi esclarecido em detalhes, com os trabalhos de George Gamov, Hans Bethe (Nobel) e Carl Friedrich von Weizsäker. Eddington Gamov Bethe

13 De De onde onde vem vem a energia liberada na na fusão? 4 núcleos núcleos de de H 1 núcleo núcleo He He diferença Produção de energia no interior da estrela = 6, , g = 6, , g = 0,0475 0, g = 0,7% 0,7% do do H Hidr ogênio Hidr ogênio Albert Albert Einstein: matéria matéria e e energia energia são são duas duas manifestações distintas distintas de de uma uma coisa coisa única, única, ou ou seja, seja, uma uma se se converte na na outra outra através através da da E = mc mc 2 2 Deutér io Hidr ogênio Cadeia próton-próton Fusão nuclear 4H He + energia energia = massa (velocidade da da luz) luz) 2 2 Pósit ron (elétron com carga elétrica positiva) Neut rino (partícula subatômica) c 2 2 ééum um número número muito muito grande grande (9 ( cm cm 2 2 /s /s 2 2 )) conclusão: mesmo mesmo uma uma massa massa tão tão diminuta gera gera uma uma quantidade enorme enorme de de energia energia mecanismo capaz capaz de de manter manter o Sol Sol brilhando na na mesma mesma taxa taxa que que a a atual atual por por um um período período equivalente ààsua sua idade idade (4,6 (4,6 bilhões bilhões de de anos). anos). Hélio-3 Ener gia Hélio Hélio-3 Hidr ogênio

14

15 Tempo de vida das estrelas Quem brilha mais forte, vive menos. Maior massa maior quantidade de H vive mais Maior luminosidade (perda de energia) vida mais curta M t L Maior massa maior luminosidade vida mais curta L M 4

16 Tempo de vida das estrelas Quem brilha mais forte, vive menos. Massa Tempo de de vida na na SP M SOL 2 SOL milhões anos milhões milhões milhões 1,5 1,6 bilhão 1 Sol 9 bilhões 0,1 Trilhões ( / M 2 anos )

17 Estrutura interna: fusão nuclear Camada fundindo H Envelope de H Caroço de He 4H He + energia

18 Estrutura interna: fusão nuclear Hélio-4 Energia Hélio-4 Hélio-4 Carbono-12 Envelope de H Camada fundindo H Camada fundindo He Caroço de carbono

19 Estrutura interna: fusão nuclear Carbono-12 Energia Carbono-12 Magnésio-24 Carbono-12 Energia Hélio-4 Oxigênio-16

20 Estrutura interna: fusão nuclear

21 Estrutura interna: fusão nuclear Camada fundindo H Fundindo He Fundindo C Fundindo O Fundindo Ne Fundindo Mg Fundindo Si Caroço de Fe Camada de H

22 Temperaturas de fusão nuclear Elemento Temperatura (milhões K) Fusão do hidrogênio 15 Fusão do hélio 170 Fusão do carbono 700 Fusão do neônio Fusão do oxigênio Fusão do silício 3.300

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Elementos de Astronomia Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Rogemar A. Riffel Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

Sua Conexão Cósmica com os Elementos

Sua Conexão Cósmica com os Elementos Sua Conexão Cósmica com os Elementos James Lochner (USRA) & Suzanne Pleau Kinnison (AESP), NASA/GSFC Traduzido por Paulo Marcelo Pontes, pmarcelopontes@gmail.com Conexões Elementares O Big Bang A Cosmologia

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Estrelas. Prof. Tibério B. Vale Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Estrelas Prof. Tibério B. Vale Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de

Leia mais

Evolução Estelar e A Via-Láctea

Evolução Estelar e A Via-Láctea Introdução à Astronomia Evolução Estelar e A Via-Láctea Rogério Riffel http://astro.if.ufrgs.br Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

Como as estrelas se formam?

Como as estrelas se formam? EAD - Astrofísica Geral 2013 Home Informações Gerais Cronograma do Curso Contato Inscrições Como as estrelas se formam? Nada no Universo existe para sempre, talvez nem mesmo o próprio Universo. Todas as

Leia mais

Uma estrela-bebê de 10 mil anos

Uma estrela-bebê de 10 mil anos 1 Uma estrela-bebê de 10 mil anos Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Email: jane@astro.iag.usp.br A versão original deste texto foi divulgada no CD-ROM da 48ª Reunião Anual da SBPC, na qual a conferência Estrelas

Leia mais

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 14 (C. Oliveira & V.Jatenco-Pereira) Capítulo 14 O MEIO INTERESTELAR

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 14 (C. Oliveira & V.Jatenco-Pereira) Capítulo 14 O MEIO INTERESTELAR 150 Capítulo 14 O MEIO INTERESTELAR Nós dedicaremos esse capítulo ao estudo do meio entre as estrelas ou meio interestelar, usualmente rico em gás, poeira e outros materiais, sendo um local prolífico para

Leia mais

E por mais que o homem se torne importante, ele não é nada comparado às estrelas [Caroline Herschel] Paulo Roberto -

E por mais que o homem se torne importante, ele não é nada comparado às estrelas [Caroline Herschel] Paulo Roberto - E por mais que o homem se torne importante, ele não é nada comparado às estrelas [Caroline Herschel] Paulo Roberto - www.laboratoriodopaulo.blogspot.com As constelações Ao longo da história, a humanidade

Leia mais

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa A Via-Láctea Prof. Fabricio Ferrari Unipampa adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa Aparência da Via Láctea no céu noturno Imagem de todo o céu em luz visível Nossa

Leia mais

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA

A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A VIA LÁCTEA, NOSSA GALÁXIA A Via Láctea é uma faixa de luz tênue e esbranquiçada que percorre todo o céu, formando um anel à nossa volta. É conhecida desde a antiguidade. Somente com o uso do telescópio

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA DO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO CAOAL VME Rui Jorge Agostinho Outubro de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores.

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores. ESTADOS DA MATÉRIA A matéria que temos a nossa volta é formada de moléculas que são constituídas por átomos. Uma combinação destes átomos forma as substâncias que conhecemos, porém, devemos salientar que

Leia mais

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar Evolução Estelar II Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar 1 Por quê as estrelas evoluem (mudam de um estado para outro)? Geração de energia Fusão requer combustível, que é esgotado durante

Leia mais

A Via Láctea Curso de Extensão Universitária Astronomia: Uma Visão Geral 12 a 17 de janeiro de 2004 Histórico Sec. XVII Galileu: descobriu que a Via-Láctea consistia de uma coleção de estrelas. Sec. XVIII/XIX

Leia mais

Estrelas EIXO PRINCIPAL O SOL

Estrelas EIXO PRINCIPAL O SOL Estrelas EIXO PRINCIPAL O SOL O Sol, nossa fonte de luz e de vida, é a estrela mais próxima de nós e a que melhor conhecemos. O Sol é uma estrela comum. Basicamente, é uma enorme esfera de gás incandescente,

Leia mais

Noções de Astrofísica e Cosmologia

Noções de Astrofísica e Cosmologia Noções de Astrofísica e Cosmologia 7. Matéria Interestelar e Nascimento Estelar Prof. Pieter Westera pieter.westera@ufabc.edu.br http://professor.ufabc.edu.br/~pieter.westera/astro.html O Meio Interestelar

Leia mais

Estrelas de Quarks e de Nêutrons. Características e Assinaturas

Estrelas de Quarks e de Nêutrons. Características e Assinaturas Estrelas de Quarks e de Nêutrons Características e Assinaturas LEONARDO TAYNÔ TOSET TO SOETHE GRUPO DE ALTA S E MÉDIAS ENERGIAS UFPEL - 26/06/2015 Sumário Introdução Metodologia Alguns Resultados para

Leia mais

Capítulo 5 ESTRELAS. Hugo Vicente Capelato *

Capítulo 5 ESTRELAS. Hugo Vicente Capelato * Capítulo 5 ESTRELAS Hugo Vicente Capelato * * e-mail: hugo@das.inpe.br 5-1 5-2 ESTRELAS LISTA DE FIGURAS... 5-5 5.1 INTRODUÇÃO... 5-7 5.2 A COR E O BRILHO DAS ESTRELAS... 5-8 5.2.1 A SEQUÊNCIA PRINCIPAL

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003.

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003. 5. Fusão Nuclear Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 003. As reservas mundiais de petróleo e gás natural, nesta ordem, sofrerão grandes declínios neste

Leia mais

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 13 (C. Oliveira & V. Jatenco-Pereira) Capítulo 13 ESTRELAS VARIÁVEIS

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 13 (C. Oliveira & V. Jatenco-Pereira) Capítulo 13 ESTRELAS VARIÁVEIS 145 Capítulo 13 ESTRELAS VARIÁVEIS Nós dedicaremos esse capítulo ao estudo das estrelas variáveis, estrelas tais que sua luminosidade varia com o tempo por meio de uma relação bem definida, e que se situam

Leia mais

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Evolução da ideia do átomo 1) Partícula maciça, indivisível e indestrutível; 2)

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

5910179 Biofísica I Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque Origem dos elementos

5910179 Biofísica I Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque Origem dos elementos Origem dos Elementos Os organismos vivos são constituídos basicamente por oxigênio, carbono, hidrogênio, nitrogênio, cálcio e fósforo, que juntos perfazem 99% da composição do corpo humano. Elemento Símbolo

Leia mais

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 7 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira) O SOL

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 7 (Gregorio-Hetem & Jatenco-Pereira) O SOL O SOL Vimos no capítulo anterior a natureza da radiação eletromagnética e como ela transfere energia através do espaço. É com base na luz emitida pelas estrelas que podemos extrair informações importantes

Leia mais

Química A Intensivo V. 1

Química A Intensivo V. 1 1 Química A Intensivo V. 1 Exercícios 01) 10 01. Incorreta. O modelo atômico de Dalton não prevê a existência de elétrons. 02. Correta. Segundo Dalton, os átomos eram indestrutíveis e, durante uma reação

Leia mais

Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas

Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas Evolução Estelar: Nascimento, vida e morte das estrelas John R. Percy International Astronomical Union Universidad de Toronto, Canada Evolução das estrelas Nebulosa do Anel, uma estrela moribunda. Fonte:

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. A Via Láctea. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica A Via Láctea Rogemar A. Riffel Breve histórico Via Láctea: Caminho esbranquiçado como Leite; Galileo (Sec. XVII): multitude de estrelas; Herschel (XVIII): Sistema achatado

Leia mais

As Cores das Estrelas

As Cores das Estrelas 1 As Cores das Estrelas Jane Gregorio-Hetem, Eduardo Brescansin de Amôres, Raquel Yumi Shida (IAG-USP) 1.INTRODUÇÃO O que aprenderei nesta atividade? Você aprenderá como os astrônomos calculam a temperatura

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 09: O Sol

Astrofísica Geral. Tema 09: O Sol ma 09: O Sol Outline 1 Características 2 Estrutura 3 Campo Magnético 4 Bibliografia 2 / 35 Outline 1 Características 2 Estrutura 3 Campo Magnético 4 Bibliografia 3 / 35 Video Video (sdo5 e colors) 4 /

Leia mais

Astor João Schönell Júnior

Astor João Schönell Júnior Astor João Schönell Júnior As galáxias são classificadas morfologicamente (Hubble Sequence): -Espirais -Elípticas -Irregulares - Galáxias SO As galáxias espirais consistem em um disco com braços espirais

Leia mais

C5. Formação e evolução estelar

C5. Formação e evolução estelar AST434: C5-1/68 AST434: Planetas e Estrelas C5. Formação e evolução estelar Mário João P. F. G. Monteiro Mestrado em Desenvolvimento Curricular pela Astronomia Mestrado em Física e Química em Contexto

Leia mais

Suely Epsztein Grynberg

Suely Epsztein Grynberg Conseqüências de Confinamento de Neutrinos na Formação de Proto-Estrelas de Neutrons Híbridas Suely Epsztein Grynberg Conseqüências de Confinamento de Neutrinos na Formação de Proto-Estrelas de Neutrons

Leia mais

UNIDADE IV ASTROFÍSICA ESTELAR

UNIDADE IV ASTROFÍSICA ESTELAR UNIDADE IV ASTROFÍSICA ESTELAR AULA 17 ESTRELAS: PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS OBJETIVOS: Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender os conceitos de magnitude e luminosidade; conhecer os tipos espectrais

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Número de prótons: 54 2 Nome do elemento: BORO BERÍLIO HÉLIO Esta Os quantidade diferentes tipos de prótons de átomos recebe (elementos o nome químicos) de

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

EVOLUÇÃO ESTRELAR SISTEMA H/R

EVOLUÇÃO ESTRELAR SISTEMA H/R 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CAMPUS DE JUAZEIRO - PIAUÍ DISCIPLINA: FÍSICA CONTEMPORÂNEA PROFESSOR DOUTOR MILITÃO FIGUEIREDO MESTRANDO PEDRO JOSÉ DA LUZ NETO EVOLUÇÃO ESTRELAR SISTEMA

Leia mais

Aula 08 Sistema Solar

Aula 08 Sistema Solar Aula 08 Sistema Solar Hipótese de Laplace: como surgiu o sistema solar a partir da Nebulosa primordial. (1), (2) A conservação do momento angular requer que uma nuvem em rotação e em contração, deve girar

Leia mais

4.2 Modelação da estrutura interna

4.2 Modelação da estrutura interna 4.2 Modelação da estrutura interna AST434: C4-25/83 Para calcular a estrutura interna de uma estrela como o Sol é necessário descrever como o gás que o compõe se comporta. Assim, determinar a estrutura

Leia mais

Qual o nosso lugar no Universo?

Qual o nosso lugar no Universo? Qual o nosso lugar no Universo? Acredita-se que no Universo existam cerca de 100 000 milhões de galáxias. As galáxias são enormes grupos de estrelas, gás e poeira. Nem todas são iguais e diferenciam-se

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES O que é a Astronomia? É a ciência que estuda o universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Histórico É a ciência mais antiga. Os registros

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

A Matéria Química Geral

A Matéria Química Geral Química Geral A Matéria Tudo o que ocupa lugar no espaço e tem massa. A matéria nem sempre é visível Noções Preliminares Prof. Patrícia Andrade Mestre em Agricultura Tropical Massa, Inércia e Peso Massa:

Leia mais

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Físico-Química 2 Termodinâmica Química 2 Profa. Claudia de Figueiredo Braga Diagramas de Fases Diagramas de fases: Uma das formas mais compactas de exibir

Leia mais

O Sol. Daniele Benicio dani_daniinperpetuum@hotmail.com

O Sol. Daniele Benicio dani_daniinperpetuum@hotmail.com O Sol Daniele Benicio dani_daniinperpetuum@hotmail.com Aula Anterior: Sistema Solar Terra, Lua e Sol Terra: estrutura, características, estações do ano Lua: estrutura, características, fases Eclipses Relação

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Compreender os processos intervenientes na formação dos diferentes corpos do Sistema Solar.

Compreender os processos intervenientes na formação dos diferentes corpos do Sistema Solar. Compreender a génese, evolução e organização do Universo. Identificar os diferentes corpos do Sistema Solar. Compreender os processos intervenientes na formação dos diferentes corpos do Sistema Solar.

Leia mais

Prova final teórica. 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia. 05 de Junho de 2010 15:00. Duração máxima 120 minutos

Prova final teórica. 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia. 05 de Junho de 2010 15:00. Duração máxima 120 minutos 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova final teórica 05 de Junho de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final da prova 1.

Leia mais

Alex C. Carciofi. Aula 7. Estrelas: massa, raio, temperatura O Diagrama HR

Alex C. Carciofi. Aula 7. Estrelas: massa, raio, temperatura O Diagrama HR Alex C. Carciofi Aula 7 Estrelas: massa, raio, temperatura O Diagrama HR O Sol e outras estrelas Propriedades Fundamentais de uma Estrela - Luminosidade - Massa - Raio - Temperatura - Composição química

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

http://www.clickciencia.ufscar.br/portal/edicao25/colunis...

http://www.clickciencia.ufscar.br/portal/edicao25/colunis... 1 of 5 01/28/2013 11:42 AM editorial artigos reportagens entrevistas resenhas colunistas pergunte sobre ciência Uma música um tema Escolha uma edição quem somos links podcasting fale conosco seu e-mail

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Galáxias. Tibério B. Vale. http://astro.if.ufrgs.br/

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Galáxias. Tibério B. Vale. http://astro.if.ufrgs.br/ Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Galáxias Tibério B. Vale http://astro.if.ufrgs.br/ A descoberta das galáxias Kant (1755): hipótese dos "universos-ilha": a Via Láctea é apenas uma galáxia a mais

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

Estrelas: espetros, luminosidades e massas

Estrelas: espetros, luminosidades e massas Estrelas: espetros, luminosidades e massas J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Resumo Praticamente

Leia mais

Introdução à Astronomia. (AGA210) Notas de aula. Cosmologia

Introdução à Astronomia. (AGA210) Notas de aula. Cosmologia Introdução à Astronomia (AGA210) Notas de aula Cosmologia Enos Picazzio IAGUSP 2006 Esta apresentação é parcialmente baseada no capítulo Universo e Cosmologia, do livro virtual Astronomia e Astrofísica,

Leia mais

Bem vindo ao novo Sistema Solar

Bem vindo ao novo Sistema Solar Bem vindo ao novo Sistema Solar Bem-vindo ao novo Sistema Solar Big Bang: grande explosão que formou o universo Prótons Grande Explosão Primeiros Estrelas Galáxias Elétrons Nêutrons átomos Elemento Químico

Leia mais

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios NÚMERO ATÔMICO (Z) Os diferentes tipos de átomos (elementos químicos) são identificados pela quantidade de prótons (P) que possui. Esta quantidade de prótons recebe o nome de número atômico e é representado

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron ARNOLD SOMMERFELD MODELO ATÔMICO DE ARNOLD SOMMERFELD - 1916 Ao pesquisar o átomo, Sommerfeld concluiu que os elétrons de um mesmo nível, ocupam órbitas de trajetórias diferentes

Leia mais

Evolução das estrelas

Evolução das estrelas John Percy International Astronomical Union, Universidade de Toronto (Canadá). Resumo Este artigo trata sobre as estrelas e a evolução estelar, informações que podem ser úteis aos professores de Física

Leia mais

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida.

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida. TEXTO PARA A QUESTÃO 1. Sonda espacial detecta sal de cozinha em lua de Saturno A análise da composição química do anel mais externo de Saturno revelou a presença de 98% de água, 1% de cloreto de sódio,

Leia mais

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul FIS02010-A - FUNDAMENTOS DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A 3.a PROVA - 2012/1 - Turma C NOME: I.Nas questões de 1 a 20, escolhe a alternativa

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo.

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo. Teoria Atômica Constituição da matéria Raízes históricas da composição da matéria Modelos atômicos Composição de um átomo Tabela periódica Raízes Históricas 6000 a.c.: descoberta do fogo 4000 a.c.: vidros,

Leia mais

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar Matéria do Sis. Solar (%) Sol 99.85 Planetas 0.135 Cometas:0.01 Satélites Meteoróides Meio Interplanetario

Leia mais

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como

Energia nuclear 1 INTRODUÇÃO 2 FISSÃO NUCLEAR. leve usa como combustível o urânio 235 (também chamado de urânio enriquecido) e como 1 INTRODUÇÃO Energia nuclear Energia nuclear, energia liberada durante a fissão ou fusão dos núcleos atômicos. As quantidades de energia que podem ser obtidas mediante processos nucleares superam em muito

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica Origem do Sistema Solar Rogemar A. Riffel Requerimentos do Modelo As órbitas dos planetas são em sua maioria coplanares e paralelas ao equador Solar; As órbitas são quase circulares;

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A 1. (UFRGS-2) Ao resolver um problema de Física, um estudante encontra sua resposta expressa nas seguintes unidades: kg.m 2 /s 3. Estas unidades representam (A) força. (B) energia. (C) potência. (D) pressão.

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular Química SUMÁRIO Química 1 MÓDULO 1 Estrutura da matéria - Atomística... 3 Estrutura da matéria: modelos atômicos, Z, A, isótopos e íons Estrutura da matéria: A eletrosfera MÓDULO 2 Classificação periódica

Leia mais

FÍSICA-2010 FÍSICA UFBA - 2ª FASE 2010. Questão 01 (Valor: 10 pontos)

FÍSICA-2010 FÍSICA UFBA - 2ª FASE 2010. Questão 01 (Valor: 10 pontos) -2010 Questão 01 (Valor: 10 pontos) As comemorações dos 40 anos da chegada do homem à Lua troueram à baila o grande número de céticos que não acreditam nessa conquista humana. Em um programa televisivo,

Leia mais

6ª série / 7º ano U. E 05

6ª série / 7º ano U. E 05 6ª série / 7º ano U. E 05 O sistema solar Cada um dos planetas do sistema solar é constituído basicamente dos mesmos elementos e substâncias químicas, embora cada planeta tenha características próprias.

Leia mais

Resumo em Português. Restrições Observacionais na Evolução da Poeira em Discos Protoplanetários

Resumo em Português. Restrições Observacionais na Evolução da Poeira em Discos Protoplanetários Resumo em Português Restrições Observacionais na Evolução da Poeira em Discos Protoplanetários De acordo com dados do telescópio WMAP (Sonda Wilkinson de Anisotropia no Microondas, na sigla em inglês),

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Propriedades físicas e químicas das substâncias Na Natureza há uma grande diversidade de materais. Muitos desses materais são substâncias mas será que são puras? Há substâncias que, mesmo misturadas com

Leia mais

APOSTILA DE DE QUÍMICA GERAL

APOSTILA DE DE QUÍMICA GERAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS LAMAT - LABORATÓRIO DE MATERIAIS APOSTILA DE DE QUÍMICA GERAL COMPILAÇÃO: PROFª NORA DÍAZ MORA PROF.

Leia mais

Ciências da Natureza VOLUME 1 UNIDADE 1 E 2

Ciências da Natureza VOLUME 1 UNIDADE 1 E 2 EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ENSINO FUNDAMENTAL Ciências da Natureza VOLUME 1 UNIDADE 1 E 2 CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS 2015 1 SUMÁRIO Unidade 1 Origem do Universo... 03 Unidade

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Termoquímica Energia e Trabalho Energia é a habilidade ou capacidade de produzir trabalho. Mecânica; Elétrica; Calor; Nuclear; Química. Trabalho Trabalho mecânico

Leia mais

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s

1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s SIMULADO DE FÍSICA ENSINO MÉDIO 1) Calcular, em m/s, a velocidade de um móvel que percorre 14,4Km em 3min. a) ( ) 70m/s b) ( ) 80 m/s c) ( ) 90m/s d) ( ) 60m/s 2) Um avião voa com velocidade constante

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

UNIDADE VI ASTROFÍSICA GALÁCTICA E EXTRAGALÁCTICA

UNIDADE VI ASTROFÍSICA GALÁCTICA E EXTRAGALÁCTICA UNIDADE VI ASTROFÍSICA GALÁCTICA E EXTRAGALÁCTICA AULA 26 A VIA LÁCTEA OBJETIVOS: Ao final desta aula, o aluno deverá: conhecer a constituição e a estrutura da Via Láctea; ter noções sobre a extinção interestelar

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 01 Propriedades e aplicação dos materiais H55/H56 02 Propriedades específicas, físicas

Leia mais

Introdução à Astrofísica. O Sol. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. O Sol. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica O Sol Rogemar A. Riffel Dados gerais Raio: 6.96x10 8 m ~100 x R Terra Massa: 1,99 x 10 30 kg ~ 300000 x M Terra Temperatura superficial: 6000 K Distância média à Terra:149 597

Leia mais

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL 5 ESTUDO DA MATÉRIA 1 DEFINIÇÕES Matéria é tudo que ocupa lugar no espaço e tem massa. Nem tudo que existe no universo e matéria. Por exemplo, o calor e

Leia mais

1 - Etapas do método científico.

1 - Etapas do método científico. 1 - Etapas do método científico. Realizar experimentos apropriados para responder a questões; A partir da observação, estabelecer relações. Princípios: Proposições ou generalizações de regularidades, semelhanças

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Uma vez que todos já conseguiram identificar no céu as constelações que estudamos até aqui, vamos viajar pelo nosso Sistema Solar.

Uma vez que todos já conseguiram identificar no céu as constelações que estudamos até aqui, vamos viajar pelo nosso Sistema Solar. Olá amiguinhos! Uma vez que todos já conseguiram identificar no céu as constelações que estudamos até aqui, vamos viajar pelo nosso Sistema Solar. Antes mesmo de existir o Sol, nesta mesma região existiam

Leia mais

Produção de Plasma por RF para Demonstração das Linhas de Campo e Magnético estudo das Cores

Produção de Plasma por RF para Demonstração das Linhas de Campo e Magnético estudo das Cores Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Produção de Plasma por RF para Demonstração das Linhas de Campo e Magnético estudo das Cores Aluno: Hugo Leonardo Metz Orientador: Prof.

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 26/03/2011 Nota: Professora: Élida Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais