AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL"

Transcrição

1 AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A CRIAÇÃO DE PEIXES EM TANQUES ESCAVADOS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA PEQUENOS PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE JUINA/MT Michael Bezerra da Silva Orientador: Prof. Ilso Fernandes do Carmo JUINA/2013

2 AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A CRIAÇÃO DE PEIXES EM TANQUES ESCAVADOS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA PEQUENOS PRODUTORES DO MUNICÍPIO DE JUINA/MT Michael Bezerra da Silva Orientador: Prof. Ilso Fernandes do Carmo Trabalho apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Especialização em Educação Ambiental. JUINA/2013

3 RESUMO Este trabalho buscou identificar se a criação de peixes adotada pelos piscicultores do município de Juina/MT se ajusta a um caminho sustentável. A piscicultura é um ramo da atividade da Aqüicultura, classificada como muito antiga, desenvolvendo-se em diversas regiões possivelmente entre oito a cinco mil anos a.c.. O Brasil é o quarto país com maior crescimento da atividade aqüicultora do mundo, pois apresenta algumas características favoráveis como seu tamanho territorial e grande quantidade de recursos hídricos, com 20% de toda água doce do planeta. Inicialmente, recorremos a um levantamento bibliográfico, em seguida, foi realizada a pesquisa de campo através de questionários juntamente com o levantamento fotográfico das propriedades, por último foi feita a análise e organização dos dados. As análises realizadas mostram um grande avanço na vida econômica dos produtores, a piscicultura lhes proporcionam estabilidade econômica e facilidade no manejo. A pesquisa mostra também o potencial hídrico que o município apresenta, enfatizando o crescimento do empreendimento nas pequenas propriedades. O trabalho não para por aqui, abre muitos leques para trabalhos futuros referentes à piscicultura em Juina/MT. Palavras- Chave: Piscicultura, Aquicultura Sustentável, Juina

4 LISTA DE SIGLAS MPA: Ministério da Pesca e Aquicultura EMBRAPA: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária SEMA: Secretaria Estadual de Meio Ambiente

5 SUMÁRIO INTRODUCÃO REFERÊNCIAL TEÓRICO Aqüicultura e piscicultura: uma definição essencial Piscicultura brasileira e matogrossense Principais espécies cultivadas no Brasil e mato grosso A piscicultura como alternativa sustentável MATERIAIS E MÉTODOS Saída de campo O GRANDE POTENCIAL JUINENSE PARA A PISCICULTURA Localização do Município de Juina-MT Visita as propriedades Proprietário A Proprietário B Proprietário C CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

6 INTRODUCÃO A piscicultura é um ramo da atividade da Aqüicultura, e tem como finalidade cultivar peixes de águas salgadas ou doces. Ela se configurou em nossa História como uma prática social e econômica enraizada pelas tradições e conhecimentos obtidos em diversas experiências, e passou a se difundir, desenvolvendo-se em diversas regiões possivelmente entre oito a cinco mil anos a.c.. Na história da atividade de cultivar espécies aquáticas, os registros mais antigos apontam para o extremo oriente, no território Chinês, nos territórios da Europa Central, e na região Central do Continente Americano. Esses pólos do desenvolvimento da atividade da piscicultura disseminaram pelo mundo suas informações, métodos e técnicas (GARROTE, 2009). O Brasil é o quarto país com maior crescimento da atividade aqüicultora do mundo, pois apresenta algumas características favoráveis como seu tamanho territorial, grande quantidade de recursos hídricos, com 20% de toda água doce do planeta, além de possuir mais de quilômetros de linha de costa favoráveis a aqüicultura costeira e um grande mercado consumidor interno (ROUBACH, 2003, p. 09, apud BINDA, 2006) Nesse contexto a Aqüicultura é uma das atividades mais antigas e importantes do mundo, prestando grande contribuição ao homem através da produção de carne de peixe, considerada de excelente qualidade para a alimentação humana por possuir melhor digestibilidade, baixo custo e baixo valor calórico. É uma atividade econômica de baixo impacto ambiental que possibilita a utilização permanente dos recursos aquáticos. A criação de peixes apresenta um grande potencial econômico para região centro-oeste como é o caso do município de Juina/MT, em função de características como: necessidade de pequenas áreas, grande potencial hidrológico, exigência de pequenos valores de capital inicial e de recursos para o custeio de manutenção, fatos que oferecem vantagem competitiva se compararmos a piscicultura com a criação de animais de maior porte. Dessa forma, a criação de peixes contribui na melhoria de renda das famílias, na condição de vida dos pequenos proprietários e

7 06 torna-se a cada dia uma atividade econômica sustentável a ser desenvolvida pelos pequenos produtores agrícolas. Desde seu surgimento, o município de Juina já passou por muitas transformações no setor econômico. Mineração, exploração da madeira, pecuária e agricultura sempre foram o foco da economia. Mas há algum tempo, pequenos produtores estão investindo na criação de peixes, pois essa atividade é considerada sustentável por ocupar pequenos espaços, baixo custo e não agridem ao meio ambiente se comparado com a mineração ou a pecuária. Essa atividade no município é pouco estudada, não se tem trabalhos publicados em relação a essa atividade, o que evidencia uma carência de dados em relação à piscicultura em Juina. A confecção deste trabalho de pesquisa irá beneficiar trabalhos futuros, pois a piscicultura em Juina tem a tendência de ampliar campo cada vez mais. OBJETIVOS GERAL Mostrar como a criação de peixes enquadra-se como uma alternativa sustentável para pequenos produtores do município de Juina. ESPECÍFICOS Analisar a piscicultura como atividade sustentável Mostrar como pequenos produtores lidam com a piscicultura em Juina Identificar quem são os consumidores da produção Mostrar custo/benefício de se criar peixes Promover a coleta desses dados para a região Deixar ponte para trabalhos futuros Esse trabalho pretende analisar a atividade aqüicultora no município de Juina, analisando o custo/beneficio desta atividade buscando mostrar como a piscicultura é importante para famílias que possuem pequenas propriedades, e também mostrar que famílias que possuem propriedades maiores estão mudando o ramo de produção devido ao fácil manejo dos peixes em tanques escavados.

8 07 A estrutura do presente trabalho está organizada da seguinte forma: O Capitulo I faz uma abordagem conceitual sobre piscicultura e sustentabilidade, esclarecendo por meio da literatura pertinente sobre tais temas no qual a presente pesquisa tem seu foco principal. Relata brevemente sobre a definição de aqüicultura e piscicultura, seu papel no cenário econômico brasileiro e matogrossense. O Capitulo II faz uma amostragem do material e métodos usados no desenvolvimento do presente trabalho. O Capitulo III apresenta o objeto de estudo, analisa os dados, mostra os resultados e faz as discussões básicas sobre a realidade dos dados coletados. Por fim as considerações gerais da pesquisa abordando os resultados alcançados mediante os objetivos propostos para a pesquisa.

9 1. REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo, abordaremos o conceito de Aqüicultura e Piscicultura, destacando a importância econômica que a atividade de criação de peixes traz ao município de Juina e aos pequenos produtores que faz desta prática uma atividade sustentável AQÜICULTURA E PISCICULTURA: UMA DEFINIÇÃO ESSENCIAL O MPA (2012), define Aqüicultura como o cultivo de organismos cujo ciclo de vida em condições naturais se dá total ou parcialmente em meio aquático. Complementando, VALENTI et al (2000), apud BINDA (2006), inclui em sua definição de aqüicultura o cultivo de organismos aquáticos em qualquer estágio de desenvolvimento do ciclo de vida. De acordo com o MPA (2012), a Aqüicultura abrange as seguintes especialidades: Piscicultura (criação de peixes, em água doce e marinha); Malacocultura (produção de moluscos como ostras, mexilhões, caramujos e vieiras). A criação de ostras é conhecida por Ostreicultura e a criação de mexilhão por Mitilicultura. Carcinicultura (criação de camarão em viveiros, ou ainda de caranguejo, siri); Algicultura (Cultivo macro ou microalgas); Ranicultura (Criação de rãs); Criação de Jacarés; GARROTE (2009), classifica a piscicultura como um ramo de atividade da Aqüicultura, e tem como finalidade cultivar peixes de águas salgadas ou doces. Ela se configurou em nossa História como uma prática social e econômica enraizada pelas tradições e conhecimentos obtidos em diversas experiências, e passou a se difundir, desenvolvendo-se em diversas regiões possivelmente entre oito a cinco mil anos a.c..

10 PISCICULTURA BRASILEIRA E MATOGROSSENSE De acordo com PIZAIA et al (2008), O Brasil tem grande potencial para o desenvolvimento do setor pesqueiro, dadas as condições naturais favoráveis. Em 1998 o Brasil importou por volta de 200 mil toneladas de peixes para suprir a demanda interna, o que evidencia a potencialidade do mercado consumidor nacional. O país responde por menos de 1% da produção mundial de pescados entre captura e cultivo. De acordo com dados obtidos no portal da EMBRAPA (2012), a piscicultura é uma atividade que vem se desenvolvendo em um ritmo muito acelerado (aproximadamente 30% ao ano) no Brasil. Este índice é muito superior ao obtido na maioria das atividades agropecuárias mais tradicionais. Isso se deve ao fato da piscicultura possuir uma boa lucratividade, no entanto, devemos considerar também que, muita das pessoas que decidem investir na produção de peixes não tem a menor idéia do que venha a ser criar com qualidade, baixo custo e sustentabilidade. Segundo a SEMA (2012),, hoje o Estado de Mato Grosso já vem se destacando na piscicultura, com uma produção anual de 36 mil toneladas de peixes. Está classificado em 1º lugar no ranking nacional como maior produtor de peixe nativo da região, e, em 5º lugar, na produção de peixe de água doce, segundo o Ministério da Pesca. [...] A política estadual de desenvolvimento sustentado da aqüicultura e da piscicultura (Pró-Peixe) foi sancionada pelo governador Silval Barbosa, pela Lei nº 9619, divulgada no Diário Oficial, no último dia 4 de outubro. Essa lei altera e redefine pontos importantes das leis anteriores do ano de 2006 e [...] (SEMA, 2012). O aumento da produtividade, resultante do incentivo dessa lei, vai beneficiar, principalmente, os pequenos proprietários de áreas rurais, os quais terão mais uma fonte de renda. E, conseqüentemente, ser um grande potencial de geração de emprego no meio rural. (SEMA, 2012) PRINCIPAIS ESPÉCIES CULTIVADAS NO BRASIL E MATO GROSSO De acordo com o MPA (2012), atualmente cada região brasileira vem se especializando em determinados tipos de pescado. Na Região Norte predomina peixes como o tambaqui e o pirarucu. No Nordeste a preferência é pela tilápia e pelo

11 10 camarão marinho. No sudeste a tilápia tem grande presença na aqüicultura. No sul predominam as carpas, as tilápias, as ostras e os mexilhões. Já no centro-oeste os destaques são o tambaqui, o pacu e os pintados. Como foi destacado acima, em Mato Grosso destaca-se a criação do tambaqui, pacu, pintado e tambatinga. Vamos conhecê-los. Segundo TEIXEIRA (1997), o tambaqui é um peixe da Amazônia, sendo chamado, quando novo, de Bocó ou Ruelo. Cresce nos lagos e alimenta-se de frutos e sementes da mata até tornar-se adulto, fase em que a forma do corpo começa a mudar de arredondado para mais alongado, e, a partir de três a quatro anos de vida, sobe os rios no fenômeno chamado de piracema, quando inicia a fase reprodutiva. Veja um exemplar de tambaqui adulto na foto abaixo: Figura 1: Tambaqui adulto Fonte: VIVA TERRA (2012). O pacu, Piaractus mesopotamicus, é um peixe importante na piscicultura brasileira, destacando-se tanto em termos de rusticidade no manejo, pelo crescimento rápido, pela sua carne de excelente qualidade (NUNES, 2011). BARRETO (2009), relata que o pacu é uma espécie onívora, nativa da Bacia do Rio da Prata, ocorrendo principalmente nos rios Paraná e Paraguai e seus afluentes, adapta-se a diversos sistemas de criação, tem excelente crescimento e conversão alimentar. Veja um exemplar de pacu adulto na foto abaixo: Figura 2: Pacu adulto Fonte: VIVA TERRA (2012).

12 11 Surubim-pintado (Pseudoplastystoma coruscans) e o Surubim-cachara (Pseudoplastystoma fasciatum) são peixes da espécie dos bagres e dos mandis apresentam o corpo sem escamas (daí serem popularmente conhecidos como peixes de couro). A distinção entre o pintado e o cachara se dá no visual. O pintado apresenta manchas escuras pelo corpo, o cachara apresenta listras verticais. Podem ser encontrados nas Bacias do Prata, do Rio São Francisco e nos Rios da Amazônia. Os surubins são peixes carnívoros, portanto, alimentam-se de outros animais. Para haver reprodução em cativeiro, os alevinos são submetidos a tratamento na alimentação, por via de ração própria. Sua taxa de conversão concentra-se em 1,5 a 2 quilos de ração para cada quilo do peixe vivo, chega a atingir 3 a 4 quilos em 12 meses (VIEIRA FILHO, 2009). Veja um exemplar de Pseudoplatystoma corruscans na foto abaixo: Figura 3: Pseudoplastystoma coruscans Fonte: PESCA (2012). O tambatinga é um híbrido resultante do cruzamento entre a fêmea de tambaqui e o macho da pirapitinga. Possui rastros branquiais mais desenvolvidos que a pirapitinga, possibilitando maior eficiência no processo de filtragem do plâncton existente no meio (GUERRA et al, 1992, apud PAULA 2009). Vide figura 4. Figura 4: Tambatinga adulto Fonte: CLUBE (2012)

13 A PISCICULTURA COMO ATIVIDADE SUSTENTÁVEL Na concepção de GARROTE (2009), a piscicultura foi sendo implantada com um discurso de promoção de crescimento econômico, e nos últimos anos, devido à problemática ambiental na qual a civilização configurou, a piscicultura vem ganhando no seu discurso de implantação nos territórios, a característica de ser uma atividade sustentável. De acordo com VIEIRA FILHO (2009), o conceito de sustentabilidade somente encorpou-se nos últimos 30 anos no Brasil, e somente após o encontro da Rio-92, ele passou a ser aceito como uma proposta aceitável e viável de transformação da sociedade. O conceito de sustentabilidade vem sendo amplamente discutido no âmbito da sociedade civil e dos tomadores de decisões, mas ainda não se chegou a um consenso sobre o seu significado exato. Assim, sustentabilidade vem sendo definida de várias maneiras por diferentes autores e instituições (VALENTI, 2008). VALENTI (2008), complementa definindo a sustentabilidade como o gerenciamento dos recursos naturais, financeiros, tecnológicos e institucionais de modo a garantir a contínua satisfação das necessidades humanas para as gerações presentes e futuras. Já CORBIN E YOUNG (1997), apud MATIAS (2012), afirmam que a aqüicultura sustentável deve conservar os recursos naturais e a biodiversidade, causar a mínima degradação ao meio ambiente, utilizar técnicas e tecnologias apropriadas à situação ao lugar, gerar lucros e benefícios econômicos, causar mínimos conflitos sociais e satisfazer as necessidades das pequenas comunidades. Fechando o raciocínio, BARDACH (1997), apud MATIAS (2012), complementam que a aqüicultura é uma das maneiras de ajudar a obter o desenvolvimento sustentável.

14 2. MATERIAL E MÉTODOS A fase inicial do trabalho será pelo levantamento bibliográfico para apresentação do suporte teórico, no que diz respeito à busca de conceitos sobre Aqüicultura e Piscicultura. No segundo momento realizaremos pesquisa de campo que consiste no levantamento de dados relacionados à cadeia produtiva de peixes do município de Juina. Concomitante será feita entrevista com produtores por meio de questionário fechado. Em seguida, partimos para a análise do questionário e o confronto com os dados coletados mais a bibliográfica pertinente para que possamos saber a importância da piscicultura no município bem como mostrar como esse ramo pode ser considerado sustentável para pequenos produtores. Serão utilizadas fotografias e mapas a fim de referendar, ainda mais, a pesquisa SAÍDA DE CAMPO Foi realizada uma visita em cada propriedade todas no município de Juina- MT, com o objetivo de levantar informações sobre a piscicultura dessas localidades, dando ênfase aos produtores dessas comunidades que representam o crescimento da atividade no município relatando a importância desse segmento para a economia de Juina. As visitas aconteceram nos meses de junho e julho em três propriedades. As visitas tiveram como objetivo conhecer a área estudada e entregar o questionário elaborado para os produtores para avaliar a importância sócio-econômica da atividade para os mesmos. Através de câmera fotográfica digital foi possível registrar as condições locais de trabalho mostrando a estrutura hidrológica de cada propriedade. O questionário foi elaborado com questões dissertativas para facilitar a tabulação e interpretação dos dados. Esta pesquisa classifica-se como uma pesquisa de campo, realizada através da aplicação de instrumentos de coleta de dados e fundamentada por pesquisas bibliográficas.

15 3. O GRANDE POTENCIAL JUINENSE PARA A PISCICULTURA A piscicultura é uma prática que está em grande crescimento no município de Juina pela grande quantidade de lâmina d água, clima favorável e principalmente pela rentabilidade que a piscicultura proporciona aos produtores. Ao longo das discussões mostraremos a verdadeira face deste processo no que diz respeito aos produtores do município de Juina LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE JUÍNA-MT O município de Juína localiza-se a 724 km da capital Cuiabá com uma extensão territorial de km² distribuído entre as seguintes coordenadas geográficas: latitude 11º22'42" sul e longitude 58º44'28" oeste. Obteve sua emancipação política no dia 09 de maio de 1982 sendo o primeiro prefeito o professor Orlando Pereira. Ver mapa 1. Mapa 1: Localização do Município de Juína-MT Fonte: MAPA (2013).

16 15 Para FERREIRA (2001), predomina no município o clima equatorial quente e úmido segundo a classificação climática de Köppen, caracterizando assim duas estações bem definidas uma chuvosa e outra seca. Juína aloca-se na região noroeste do Estado sendo Pólo dos municípios de Brasnorte, Castanheira, Juruena, Cotriguaçu, Colniza, Aripuanã e Rondolândia VISITA AS PROPRIEDADES Durante o período de confecção do trabalho, estivemos visitando alguns produtores da Comunidade Santo Isidoro, localizada a aproximadamente 4 km do centro de Juína e Comunidade Todos os Santos, localizada à 5 km do município. De acordo com relatos dos produtores, a criação de peixes foi uma alternativa encontrada para aproveitar o potencial hidrológico da região, pois seria difícil empregar agricultura numa área pequena e ainda levando em consideração a abundancia de água nas áreas estudadas. Outra razão pela qual optaram pela prática foi à questão do baixo investimento inicial e a facilidade no manejo. Dentre as propriedades visitadas, toda a produção é vendida no município mesmo, parte da produção vai para os mercados e a outra parte é vendida na propriedade através do sistema de pesque-pague, ou seja, o cliente vai até o tanque, captura o peixe e paga o preço sugerido pelo proprietário PROPRIETÁRIO A O proprietário A disse-nos que aprendeu a prática da piscicultura através de um curso em Tangará da Serra. Sua propriedade localiza-se na Comunidade Santo Isidoro à 4 km do centro de Juína. Sua alevinagem segue um padrão de qualidade, de acordo com ele, logo que iniciou o empreendimento, preferiu pegar alevinos produzidos aqui mesmo no município, porém esses não deram os resultados esperados, foi então que preferiu comprar alevinos do município de Nova Mutum, hoje sua perda na produção é quase mínima chegando a 5% da produção total. O proprietário trabalha com o Pseudoplastystoma coruscans, popularmente conhecido como pintado.

17 16 Sua propriedade conta com dois pequenos tanques que recebem o nome de berçário conforme figuras 5 e 6, neste local os alevinos permanecem por até 45 dias até serem transferidos para um tanque maior. Figura 5: Tanque berçário 1 Fonte: Michael Bezerra da Silva (2013)

18 17 Figura 6: Tanque berçário 2 Fonte: Michael Bezerra da Silva (2013) Após 45 dias no berçário os alevinos seguem para outro tanque de crescimento (Figura 7) e permanecem por aproximadamente 60 dias, logo após são transferidos para outro tanque (Figura 8) até completarem o ciclo de 12 meses, tempo necessário para alcançarem o tamanho ideal para o abate. Figura 7: Segundo tanque de crescimento Fonte: Michael Bezerra da Silva (2013) Figura 8: Terceiro tanque de crescimento

19 18 Fonte: Michael Bezerra da Silva (2013) PROPRIETÁRIO B A propriedade deste produtor encontra-se a aproximadamente 3 km do centro da cidade, na comunidade Todos os Santos. Os alevinos são adquiridos de fornecedores do município com aproximadamente 30 dias de vida e fixados no viveiro até atingirem o peso ideal para o abate que varia entre 12 e 14 meses. O tambatinga, pintado e tambaqui são as espécies criadas com destaque para o primeiro, pois esta espécie ganha peso rápido e apresenta fácil manejo. Parte da produção é entregue em mercados e parte é comercializada na propriedade onde o cliente desloca-se até a chácara e compra seu peixe. Vejamos nas figuras 9 e 10 os viveiros da propriedade. Figura 9: Viveiro usado para pesca esportiva Fonte: Michael Bezerra da Silva (2013) Figura 10: Viveiro usado para produção destinada aos mercados

20 19 Fonte: Michael Bezerra da Silva (2013) De acordo com o produtor, a piscicultura é uma atividade lucrativa, o manejo é fácil e não demanda muito tempo de trabalho. A ração é lançada no viveiro de manhã e a tarde, o custo final para cada 1 quilo de peixe produzido é de 3 reais. De 8 mil quilos de peixe produzido, o lucro estimado tirando as perdas e os gastos chegam a 20 mil reais PROPRIETÁRIO C A propriedade deste produtor encontra-se a aproximadamente 5 km do centro da cidade, na comunidade Todos os Santos. Os alevinos também são adquiridos de fornecedores do município com aproximadamente 30 dias de vida e fixados no viveiro e permanecem até o fim do ciclo que varia entre 12 e 14 meses. O produtor trabalha com o tambatinga e o pintado, a clientela tem preferência por essas espécies e a rentabilidade é maior. Parte da produção é entregue em mercados e parte é comercializada na chácara por meio de pesque pague, conforme podemos ver nas figuras 11 e 12. Figura 11: Viveiro dos pintados Fonte: Michael Bezerra da Silva (2013)

21 20 Figura 12: Viveiro dos tambatingas Fonte: Michael Bezerra da Silva (2013) De acordo com o produtor, o lucro da atividade é bom, o fácil manejo e grande procura favorecem o crescimento do empreendimento. Atualmente a propriedade conta com 3 viveiros conforme figura 13, porém o produtor destaca que já estuda ampliar o negócio construindo mais alguns viveiros em sua propriedade. Figura 13: Visão geral dos viveiros da propriedade C

22 Fonte: Michael Bezerra da Silva (2013) 21

23 CONCLUSÃO Este trabalho identificou que o manejo da produção de peixes adotada pelos piscicultores do município de Juina/MT vem ao longo do tempo se ajustando a um caminho sustentável, a atividade vem sendo aos poucos explorada e usada como ótimo caminho para a sustentabilidade. Foi possível identificar as principais espécies criadas bem como as respectivas características do ciclo de produção. Constatou-se que o manejo e comercialização dos peixes vêm a cada ano sendo inovados, unindo tecnologia e educação ambiental numa perspectiva concreta de atividade sustentável. A piscicultura em Juina/MT esta em crescente expansão, o grande potencial hidrológico, o fácil manejo e boa lucratividade estão atraindo adeptos a essa prática econômica. Devemos destacar ainda que o município de Juina/MT conta com um grande potencial hidrológico e clima favorável à prática da piscicultura. Os produtores se atentam as questões ambientais traçando planos de educação ambiental a fim de melhorar sua produção. A piscicultura colabora muito para o crescimento econômico do município, o que acaba beneficiando todos que aqui moram. Dente as propriedades visitadas, conclui-se que os produtores classificam a atividade como sustentável. Trocaram a agricultura, antes sendo a principal fonte de renda familiar, pela piscicultura que no conceito unanime dos produtores, caracteriza-se como uma atividade rentável e de caráter próspero. Sendo assim, o piscicultor entre outras atribuições, deve fazer da atividade da piscicultura uma grande arma ecológica, respeitando as questões ambientais, conservando o meio ambiente para que a produção seja rentável, de qualidade e atendendo as expectativas do produtor e do meio ecológico sustentável.

24 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARRETO, E. Relação entre helmintos gastrointestinais ambiente e alimentação de pacus (Piaractus mesopotamicus Holberg, 1887) em tanques de piscicultura, Campinas, SP: [s.n.] Disponível: < em: 03 set BINDA, F. P.; Contribuição da piscicultura para eutrofização de sistemas costeiros: estudo de caso de alevinagem no Rio Bubú (Baía de Vitória, ES) Disponível em: < Acesso em: 26 abr CLUBE da pescaria - TAMBATINGA (Cypriniforme, família Serrasalmidae e subfamília Myleinae). Disponível em:< >. Acesso em: 18, out, EMBRAPA. Princípios básicos para produção de alevinos de surubins (Pintado e Cachara). Disponível em:< Acesso em: 26 set EMBRAPA, Produção de alevinos: situação atual e desafios. Disponível em: < oso.pdf.>. Acesso em: 29 ago, FERREIRA, J. C. V. Mato Grosso e seus municípios. 2.ed. Cuiabá: Buriti, GARROTE, M. S. A rede sociotécnica da piscicultura: desenvolvimento e meio ambiente no município de Blumenau - SC Disponível em: < Acesso em: 04 abr MATIAS, J. F. N. Análise da sustentabilidade da aqüicultura em águas de domínio da união, nos parques aquícolas do reservatório do castanhão, estado do Ceará: estudo de caso f. : il. color., enc. ; 30 cm. Disponível em:< Acesso em: 17 out MPA, Ministério da Pesca e Aqüicultura. O que é Aqüicultura? Disponível em: < Acesso em: 04 abr MPA, Ministério da Pesca e Aqüicultura. Espécies mais cultivadas no Brasil. Disponível em: < Acesso em: 03 set

25 24 MAPA do estado de MATO GROSSO. Localização do Município de Juina. Disponível em:< Acesso em 01, out, NUNES, C. S. Crescimento, hematologia e metabolismo de pacu (Piaractus mesopotamicus) submetido ao exercício aeróbico e alimentado com níveis crescentes de proteínas, São Paulo: UFSCar, p. Disponível em: < vo=4283>. Acesso em: 02 out PAULA, F. G.; Desempenho do tambaqui (Colossoma macropomum), de pirapitinga (Piaractus brachypomum), e do híbrido tambatiga (C. macropomum x P. brachypomum) mantidos em viveiros fertilizados, na fase de engorda. Goiania: UFG, p. Disponível em: < em: 01 jul PESCA Esportiva - PINTADO (Pseudoplatystoma corruscans). Disponível em:< Acesso em: 18, out, PIZAIA, M. G.; CAMARA, M. R. G.; SANTANA, M. A.; ALVES, R. XLVI Congresso da sociedade brasileira de economia, administração e sociologia rural. A piscicultura no Brasil: um estudo sobre a produção e comercialização de oreochromis niloticus. Disponível em: < Acesso em: 28 ago SEMA, Secretaria Estadual de Meio Ambiente. Incentivo à piscicultura em Mato Grosso, Disponível em: < ncentivo-a-piscicultura-em-mato-grosso&catid=291:governo&itemid=180.> Acesso em: 03 set, SIMOES, F. S. Impacto da piscicultura sobre bacias hidrográficas de pequeno porte. Disponível em: < Acesso em: 27 mar TEIXEIRA, R. N. G. Criação de Tambaqui. Centro de pesquisa Agro florestal da Amazônia oriental. EMBRAPA, Disponível em: < Acesso em: 04 set VALENTI, W. C. A aqüicultura brasileira é sustentável? Palestra apresentada durante o IV Seminário Internacional de Aqüicultura, Maricultura e Pesca, Aquafair 2008, Florianópolis, de maio de p ( VIEIRA FILHO, D. D. A piscicultura como alternativa de desenvolvimento local na região de Dourados-MS. Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Local. UCDB, Campo Grande-MS/2009. Disponível

26 25 em:< Acesso em: 16, out, VIVATERRA - Sociedade de defesa, pesquisa e educação ambiental - PACU (Piaractus mesopotamicus). Disponível em:< Acesso em: 17 out VIVATERRA - Sociedade de defesa, pesquisa e educação Ambiental - TAMBAQUI (Colossoma macropomum). Disponível em:< tambaqui >. Acesso em: 17, out, 2012.

27 ANEXOS

28 Data 20/06/2013 Pesquisa de Campo 1- Nome do produtor? 2- Nome e localização da chácara ou sítio? 3- Há quanto tempo trabalha com piscicultura? O que chamou sua atenção na piscicultura? 4- Sua produção é satisfatória em relação ao custo/benefício? 5- Quais as principais vantagens em criar peixes?

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios

Piscicultura. Fatores competitivos. Valor aproximado. Agronegócios Piscicultura Descrição Empreender e atrair projetos para consolidação e expansão da piscicultura em Alagoas, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva: criadores, beneficiadores, fornecedores de insumos

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

Desempenho da piscicultura de água doce

Desempenho da piscicultura de água doce Desempenho da piscicultura de água doce Epagri/Cedap: Fernando Soares Silveira, oceanógrafo, fernando@epagri.sc.gov.br; Fabiano Müller Silva, engenheiro-agrônomo, fabiano@epagri.sc.gov.br; Alex Alves dos

Leia mais

Situação Atual e Desafios

Situação Atual e Desafios III ENCONTRO DE NEGÓCIOS DA AQUICULTURA DA AMAZÔNIA Políticas para o Desenvolvimento Sustentável da Aquicultura da Amazônia CADEIA PRODUTIVA DOS SURUBINS Situação Atual e Desafios Thiago Tetsuo Ushizima

Leia mais

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 anos Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow Pesquisadora Científica Dra. Daercy Mª M. de Rezende Ayroza Polo Regional Médio Paranapanema Regularização

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JULHO/2014

Leia mais

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apenas os estados de

Leia mais

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas

Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Tilápia Oportunidade para pequenos e grandes Realidade e Perspectivas Ricardo Neukirchner Presidente da ABCT Ass. Brasileira dos Criadores de Tilápia Sócio-Diretor Piscicultura Aquabel Ltda Sócio-Diretor

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura

Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Aquicultura Brasileira Avanços da Regulamentação Estadual quanto ao Licenciamento Ambiental da Aquicultura Felipe Matias Secretário de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura Agosto de 2011 A Aquicultura

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.

Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais. CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig. Estudos sobre a implantação de tanques-rede em Reservatórios de Minas Gerais CEMIG 2011 ELIZABETH LOMELINO CARDOSO elomelinoc@epamig.br Parques Aquícolas Decreto Nº 4.895 de 25 de novembro de 2003 (autorização

Leia mais

Plano de Desenvolvimento da

Plano de Desenvolvimento da Plano de Desenvolvimento da Aquicultura Um caminho Brasileira para a 2015-2020 aquicultura paulista crescer Felipe Matias Secretário de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura Ministério da Pesca e Aquicultura

Leia mais

TÍTULO: Validação e Introdução de Tecnologia Apropriada à Produção de Tambaqui (Piscicultura)

TÍTULO: Validação e Introdução de Tecnologia Apropriada à Produção de Tambaqui (Piscicultura) TÍTULO: Validação e Introdução de Tecnologia Apropriada à Produção de Tambaqui (Piscicultura) 1. IDENTIFICAÇÃO: Nome do Programa ao qual pertence: PROTA Data de início: Previsão de duração: Nome do responsável:

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella

Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira. Ministro Marcelo Crivella Ministério da Pesca e Aquicultura Políticas do MPA para o Desenvolvimento da Aquicultura, com Ênfase na Carcinicultura Brasileira Ministro Marcelo Crivella SEMINÁRIO PESCA, AQUICULTURA e CARCINICULTURA

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade

Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade 1 Panorama da Piscicultura no Brasil Estatísticas, espécies, pólos de produção e fatores limitantes à expansão da atividade Por: Fernando Kubitza João Lorena Campos Eduardo Akifumi Ono Pedro Iosafat Istchuk

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS Promover o desenvolvimento socioambiental e econômico na região de influência do reservatório da EMPRESA por meio de ações de inclusão social e produtiva e melhoria

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 28 Estados-Membros; 507 milhões de habitantes; Maior importadora mundial de alimentos; Alta demanda por qualidade, segurança

Leia mais

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO Gabriela Victória Corrêa da Silva 1, Jessica Maria Klemp Moura, Marcelo Sacardi Biudes, Nadja Gomes Machado 1 Laboratório de Biologia da Conservação,

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

Projetos de pesquisa em rede: Rede Aquabrasil REPIMAR

Projetos de pesquisa em rede: Rede Aquabrasil REPIMAR UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE AGROINDÚSTRIA, ALIMENTOS E NUTRIÇÃO Projetos de pesquisa em rede: Rede Aquabrasil REPIMAR Juliana Antunes Galvão

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você.

Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014. Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura 2012/2013/2014 Você investe no pescado. O Brasil investe em você. Plano Safra da Pesca e Aquicultura. 4,1 bilhões em crédito e investimentos. Mais crédito e investimentos.

Leia mais

Curso Técnico Logística. Curso Técnico Segurança do Trabalho. Engenharia Sustentável: Desenvolvimento de um Filtro para Reaproveitamento da Água.

Curso Técnico Logística. Curso Técnico Segurança do Trabalho. Engenharia Sustentável: Desenvolvimento de um Filtro para Reaproveitamento da Água. Curso Técnico Logística Alunos Logística: Mayara Cristina Lima Macena e Túlio de Moura Carneiro Curso Técnico Segurança do Trabalho Alunos Tec. Segurança do Trab.: Cristovão Costa Barbosa e Lucas Marçal

Leia mais

Análise comparativa de resultados econômicos dos polos piscicultores no segundo trimestre de 2015

Análise comparativa de resultados econômicos dos polos piscicultores no segundo trimestre de 2015 Ano 1 - Edição 5 - Agosto de 2015 Análise comparativa de resultados econômicos dos polos piscicultores no segundo trimestre de 2015 Não há uma tendência observada no comportamento dos custos de produção

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável

Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Aquicultura Desenvolvimento Sustentável Cenário Brasileiro Adalmyr Morais Borges Ministério da Pesca e Aquicultura Potencial Mundial Produção Mundial de Proteína Animal (em milhão t) 120 Suínos 100 Pesca

Leia mais

A Turma da Tabuada 3

A Turma da Tabuada 3 A Turma da Tabuada 3 Resumo Aprender brincando e brincando para aprender melhor. É dessa forma que a turma da tabuada nos levará a mais uma grande aventura pelo mundo do espaço e das formas. Na primeira

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Atividade de Aprendizagem 1 Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Tema Conteúdos Usos / objetivos Voltadas para procedimentos e atitudes Competências

Atividade de Aprendizagem 1 Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Tema Conteúdos Usos / objetivos Voltadas para procedimentos e atitudes Competências Aquífero Guarani Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e universo Tema Água e vida / ciclo hidrológico do planeta Conteúdos Águas subterrâneas Usos / objetivos Aprofundamento do estudo sobre as águas

Leia mais

Projeto Roaz. Embarcação Autônoma de Monitoramento Aquático

Projeto Roaz. Embarcação Autônoma de Monitoramento Aquático Projeto Roaz Embarcação Autônoma de Monitoramento Aquático O ROAZ é uma embarcação autônoma, usada para o monitoramento, coleta de dados ambientais, ecobatimetria e levantamentos de topografia subaquática,

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS LEIA AS INFORMAÇÕES, CONSULTE O LIVRO PARA ADQUIRIR MAIS CONHECIMENTO E RESPONDA OS EXERCÍCIOS EM SEU CADERNO. 1- Quente e frio: um país de extremos O Brasil é

Leia mais

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade Enfrentando a escassez da água O Dia da Água, instituído por resolução da assembleia das ONU em 22 de março de 1992, chama atenção da sociedade para a

Leia mais

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS práticas colaborativas e políticas públicas Bianca Santana Carolina Rossini Nelson De Luca Pretto organizadores São Paulo Salvador 2012 1ª edição 1ª impressão financiamento

Leia mais

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA

PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE. Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA PRODUÇÃO DE PEIXES EM TANQUES-REDE Apresentação de Caso Cultivo de Tilápias em Paulo Afonso - BA Demanda do Governo do Estado Elaborar um PROGRAMA com oobjetivodeotimizar o uso dos recursos hídricos existentes

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Educação Tutorial Gerenciamento e Administração da Empresa Agrícola Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Felipe

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Crescimento global da consciência socioambiental

Crescimento global da consciência socioambiental Programa de Sustentabilidade Bunge 1. Contextualização Crescimento global da consciência socioambiental Sociedade Importância do tema Estruturação e articulação das entidades civis Pressões comerciais

Leia mais

RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS

RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS TARDIVO, Wagner Antonio 1 Tangará da Serra/MT - dezembro 2010 Resumo: A relação

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA Soraya Carvalho Pereira Rocha (Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal/Universidade Aberta do Brasil Universidade de Brasília) Kátia

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades Programa 1704 - APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR 17000 - Secretaria de Estado da Agricultura, da Pecuária e da Pesca Fortalecer a agricultura familiar, através de um conjunto de ações implementadas em parceria

Leia mais

Eixo Temático 01-007 - Gestão Ambiental LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS

Eixo Temático 01-007 - Gestão Ambiental LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 37 Eixo Temático 01-007 - Gestão Ambiental LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS Ronilson José

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

Assessoria de Assuntos Estratégicos e Relações institucionais ASAE Gabinete do Ministro

Assessoria de Assuntos Estratégicos e Relações institucionais ASAE Gabinete do Ministro Assessoria de Assuntos Estratégicos e Relações institucionais ASAE Gabinete do Ministro Roteiro Plano Amazônia de Pesca e Aquicultura Amazônia Legal Pesca e Aquicultura na Amazônia Legal Plano Amazônia

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 1129 1 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG PROGRAMAS ABERTOS MINISTÉRIO DA PESCA Código do Programa 5800020130061 Administração Pública Estadual ou do Distrito Federal Programa 20.122.2113.2000.0001.0001 - Adminstração da Unidade - Nacional A atividade

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC 1ª edição 2005 Realização Apoio CRÉDITOS Produção Ethnos estratégias socio ambientais - ethnosconsultoria@uol.com.br

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

PROGRAMA ZONA FRANCA VERDE

PROGRAMA ZONA FRANCA VERDE PROGRAMA ZONA FRANCA VERDE IDAM INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL 1 ESTRUTURA DO SETOR PRIMÁRIO NO ESTADO

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP.

TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. TOMADA DE DECISÃO FINANCEIRA: PRODUÇÃO FAMILIAR OU PROGRAMA DE FOMENTO UM ESTUDO SOBRE A PRODUÇÃO DE EUCALIPTO EM SALESÓPOLIS/SP. Dioceli Gabriela de Carvalho¹; Francisco Claudio Tavares² Estudante do

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais