DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AO MODELO GECON UMA ANÁLISE SOBRE A ESTRUTURAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AO MODELO GECON UMA ANÁLISE SOBRE A ESTRUTURAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES"

Transcrição

1 DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AO MODELO GECON UMA ANÁLISE SOBRE A ESTRUTURAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES RESUMO Éric Tadeu Gimenes da Silva André Ricardo Ponce dos Santos Herton Firme da Silva Borba Mateus Catalani Daniela Cândido Leite A busca por uma maior participação nos mercados em um ambiente tão competitivo faz com que os gestores busquem constantemente informações que possam subsidiar suas tomadas de decisões. Da elaboração da estratégia até a sua implementação, deve-se considerar alguns pontos relevantes, dentre eles, o conhecimento do cenário na qual a empresa está inserida e o monitoramento das metas delineadas na estratégia. Diante deste contexto, este artigo buscou evidenciar a importância da estratégia para os gestores quando alinhadas às premissas do modelo GECON com vistas à mensuração do resultado econômico, frente às inúmeras variáveis externas. A estruturação apresentada contempla o objetivo proposto direcionando os gestores em suas decisões. Palavras-chave: Planejamento Estratégico; GECON; Estruturação; Gestão; Decisão. ABSTRACT The search for a larger participation in the markets in such a competitive atmosphere does with that the managers constantly look for information to subsidize their sockets of decisions. Of the elaboration of the strategy to his/her implementation, he/she should be considered some relevant points, among them, the knowledge of the scenery in the which the company is inserted and the to visualize of the goals delineated in the strategy. Before this context, this article looked for to evidence the importance of the strategy for the managers when applied the premises of the model GECON with views to the measure of the economical result, front to the countless external variables. The presented structuring contemplates the proposed objective addressing the managers in their decisions. Keywords: Strategic planning; GECON; Structuring; Administration; Decision 1/14

2 1. Introdução As empresas buscam permanentemente meios informacionais que possibilitem resultados confiáveis nas tomadas de decisões, de forma a aumentar a competitividade de suas atividades, satisfazendo as expectativas de clientes e acionistas. Desta maneira, os gestores adotam instrumentos que permitem maior flexibilidade, velocidade, inovação e integração, para atuar em ambientes formados por constantes mudanças. Diante desse cenário, Hitt, Ireland e Hoskisson (2002) acreditam que a mentalidade administrativa convencional não é capaz de conduzir uma empresa à competitividade estratégica. Segundo os autores, a visão estratégica da organização é fator preponderante para sua perpetuidade. A competitividade do ambiente empresarial faz com que a alta cúpula administrativa atente-se à formulação de estratégias eficazes, de modo a conviver com esse ambiente tão complexo. Para compreender o ambiente empresarial, tanto interno quanto externo, há a necessidade de um número de informações para avaliar e entender as variáveis que afetam a organização. No mundo corporativo, a informação está sendo considerada a espinha dorsal das decisões estratégicas e operacionais, pois tomar decisões em um ambiente tão complexo como o atual exige um grau de conhecimento suficiente para minimizar as incertezas. Sabe-se que uma organização somente terá resultados positivos em seu processo estratégico se os objetivos forem previamente estabelecidos, isso, concomitantemente com a concordância da maior parte das pessoas envolvidas no processo de planejamento estratégico. Para tanto, o conhecimento das pessoas envolvidas será de grande importância para a eficácia do processo estratégico. Bethlem (2004) acredita que as atividades intelectuais e comportamentais dos envolvidos, com o objetivo de atingir um nível de conhecimento adequado do conteúdo do planejamento estratégico, desenvolvem confiança no grupo que originará o processo estratégico. A identificação das estratégias corretas a serem utilizadas é uma responsabilidade que demanda várias informações sobre o ambiente interno e externo da organização. A origem e a qualidade das informações estratégicas, assim como seu valor para as decisões, são elementos-chave para a elaboração de um sistema de informações para a estratégia. Neste sentido, entra a contribuição do modelo GECON que parte de um conjunto de normas e princípios que tem como finalidade orientar todo o processo administrativo. Catelli (2001) buscou desenvolver um modelo que superasse as insuficiências da contabilidade de custos tradicional diante das necessidades de informações da gestão empresarial e da lógica do processo decisório. O modelo GECON, tornou-se conhecido no Brasil por sua profundidade na mensuração do resultado econômico. Em outras palavras, pode-se dizer que é completo por abranger todas as atividades desenvolvidas pela empresa. Conhecido como um sistema de gestão voltado para decisões econômicas, o GECON é um modelo de decisão para os eventos econômicos realizados pela empresa. Nessa decisão são considerados os resultados operacionais e financeiros, 2/14

3 bem como os benefícios econômicos resultantes dos eventos que foram, ou que serão realizados pela empresa, mensurados pelo seu custo de oportunidade. Buscou-se neste artigo buscou evidenciar a importância da estratégia para os gestores quando aplicadas as premissas do modelo GECON com vistas à mensuração do resultado econômico, frente às inúmeras variáveis externas que contemplam o contexto empresarial. Com vistas a atingir os objetivos, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, por meio de livros, artigos, dissertações e tese, resgatando os conceitos sobre os assuntos destacados, baseados nos autores clássicos sobre Planejamento Estratégico e Modelo de Gestão Econômica. 2. Referencial Teórico - Planejamento Estratégico Com a expansão dos mercados globais, aumentou, sobremaneira, a concorrência entre as organizações. Isso reflete uma enorme preocupação no ambiente empresarial, e na forma pela qual a administração formulará a sua estratégia e quais decisões serão provenientes desta estratégia. Neste sentido, Daft (1997) acredita que perante esta preocupação, torna-se fundamental que as empresas possuam uma administração estratégica para formular e implantar as estratégias que irão conduzir as empresas a se tornarem mais competitivas. Sob a ótica de Costa (2004), todo plano estratégico precisa ter desafios, objetivos e metas a serem atingidos ao longo do período no qual foi estabelecida a estratégia. Através do planejamento estratégico, será possível formalizar todos os elementos a serem alcançados pela organização. A utilização do planejamento estratégico poderá otimizar as chances de sucesso das organizações, já que atualmente, atravessam por um cenário repleto de constantes mutações. As metas e objetivos devem ser parametrizados de modo que a organização atinja ou mantenha um determinado momento preestabelecido no planejamento. Costa (2004) faz uma comparação com placas de rodovias, que demarcam a quilometragem nas estradas e indicam se o caminho escolhido está correto e se está sendo percorrido no espaço e no tempo estabelecido. O estabelecimento de valores para os objetivos e metas deve decorrer diretamente da estratégia que foi adotada pela alta cúpula, assim, os objetivos e metas devem estar diretamente ligados à estratégia da organização; caso contrário, podem se tornar nocivos, se caso esses valores forem considerados inatingíveis pelos gestores setoriais. A capacidade de percepção a um momento futuro de tempo e as possíveis conseqüências que uma ação presente poderá proporcionar, é extremamente relevante para qualquer gestão de uma organização. Em outras palavras, esta capacidade de percepção é denominada planejamento. Sob a ótica de Weslch (1983), planejar significa estabelecer com antecedência as ações a serem executadas, estimar os recursos que serão empregados, definindo as correspondentes atribuições de responsabilidades em relação a um período futuro. O autor acredita que, para serem alcançados satisfatoriamente os objetivos fixados, tornam-se fundamental a participação do planejamento. 3/14

4 De acordo com Padoveze (2004), o planejamento é a definição de um plano para ligar uma situação desejada à situação atual. Já o planejamento, segundo Ackoff (1974), é o delineamento de um futuro desejável e dos caminhos efetivos para alcançá-lo. Ainda, segundo o autor, o planejamento, é um instrumento usado pelo sábio, mas não por ele sozinho. Quando conduzido por homens inferiores, geralmente o planejamento transforma-se em um ritual irrelevante que produz tranqüilidade a um curto período, mas nunca o futuro almejado. Ainda, segundo Ackoff (1974), planejar eficientemente não é saber onde se quer estar no futuro e, então, traçar uma linha entre os pontos A e B para chegar até lá. Planejar é trabalhar a partir do ponto aonde se quer chegar (B) e fazer o caminho para trás, para alcançar o lugar em que se está (A): não no futuro, nem no passado, mas no presente. O planejamento está intimamente ligado ao aspecto preventivo de uma organização. Isso reside no fato de que o planejamento é um processo de decisões sobre o que será feito e de que forma será feito, antes que uma ação seja necessária. Assim que implantado, o planejamento deve ser um processo contínuo, porém, sujeito à revisão, porque não é um produto final, e sim um plano que deve ser adaptado aos atuais cenários que a organização presenciará. 2.1 Análise da situação Conhecida como análise SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities, threats), termos traduzidos em pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças respectivamente, a análise da situação geralmente inclui uma investigação dos pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças que afetam o desempenho das organizações. As informações externas sobre oportunidades e ameaças podem ser obtidas através de uma variedade de fontes externas como clientes, relatórios governamentais, revistas profissionais, fornecedores, bancos etc. Daft (1997) destaca que muitas empresas contratam empresas especializadas em esquadrinhar informações para abastecê-las, já outras empresas utilizam técnicas mais sutis para obter informações sobre seus concorrentes. Os executivos obtêm as informações sobre os pontos fortes e fracos por meio de uma variedade de relatórios, incluindo orçamentos, índices financeiros, demonstrações de lucros e perdas e satisfação dos empregados. Ressalta-se que através de conversas e encontros com empregados de todos os níveis hierárquicos, os executivos desenvolvem uma compreensão dos pontos fortes e fracos internos da empresa Pontos fortes e fracos Os pontos fortes são as características internas positivas que a empresa poderá explorar para atingir suas metas estratégicas. Já os pontos fracos são as características internas que podem inibir ou restringir o desempenho da empresa. Deve-se analisar também, as expectativas de mercado no qual a organização está inserida para que, por meio de comparabilidade, seja identificado se seus negócios 4/14

5 estão em situação propícia ou não. Diante disso, Daft (1997) chama a atenção para a elaboração de um check-list (lista de checagem) para serem utilizados na análise dos pontos fortes e fracos de uma empresa Ameaças e oportunidades No caso do ambiente externo, consideram-se as ameaças e oportunidades. No caso das ameaças, estas se caracterizam pelos fatores que podem impedir a organização de atingir suas metas estratégicas. As oportunidades são características do ambiente externo que tem potencial para ajudar a empresa a atingir ou superar as metas estratégicas. Segundo Padoveze (2005), as ameaças e oportunidades fundamentam-se na identificação de potenciais problemas que os fatores ambientais poderão trazer para a empresa no futuro. Essa identificação dos ambientes nos quais a organização está inserida, é interpretada pela cúpula administrativa, responsável pelo planejamento estratégico, por meio de relatórios sintéticos que esclareçam todos os aspectos que interfiram nas operações atuais e no futuro, inclusive, explicitando de que forma e como esses possíveis aspectos poderão interferir. A Figura 1 apresenta como a análise SWOT é estruturada. Análise SWOT Ambiente Interno Pontos Fortes Pontos Fracos 2 Capitalizar 3 Melhorar Ambiente Externo Oportunidades 4 Monitorar 1 Eliminar Riscos Figura 1 Análise dos pontos fortes, pontos fracos, ameaças e oportunidades Fonte: Adaptado de Padoveze (2003, p. 97) 2.2 Implementação da Estratégia A implementação da estratégia é o processo pelo qual as estratégias e políticas da organização são operacionalizadas. Um fator importante, quando se implementa uma estratégia, são os investimentos que serão decorrentes dos planos estratégicos que, por sua vez, precisam ser apreciados e avaliados. Deve-se ressaltar que a maior parte das estratégicas implementadas demandam certos investimentos que podem variar de acordo com o porte da 5/14

6 organização e o tipo de estratégia. Fahey e Randall (1999) acreditam que as implementações bem sucedidas são decorrentes de combinações entre a análise do projeto e o envolvimento dos gestores setoriais no processo de diagnóstico da estratégia. Para tanto, os autores identificaram três tarefas que, segundo eles, são vitais para a implementação da estratégia: a) desenvolver uma parceria com os membros da organização para a implementação da estratégia; b) avaliar a capacidade da organização para a implementação de sua estratégia empresarial; c) orquestrar iniciativas de mudanças que realinharão a organização com a sua estratégia empresarial, de modo a desenvolver comprometimentos e estimular o aprendizado. A maioria das decisões que envolvem estratégia absorve gastos e investimentos. Sendo assim, torna-se imprescindível a utilização de mecanismos formais para registrar desembolsos, acompanhar resultados e corrigir eventuais variações. Seguindo este raciocínio, Costa (2004) acredita que os investimentos, em sua maioria decorrentes dos planos estratégicos, precisam ser descritos de uma forma adequada para serem apreciados e avaliados, aprovados ou não e, uma vez aprovados e implantados, devem ter seus resultados físico-financeiros devidamente acompanhados. Sob a ótica de Daft (1997) a implementação da estratégia é essencial para uma administração estratégica eficiente, onde os gerentes implantam as estratégias por meio de ferramentas de liderança, projeto estrutural, sistemas de controle e de informações e recursos humanos. Sem uma implementação eficiente, certamente a estratégia mais criativa irá falhar. 3. Revisão Teórica Modelo de Gestão Econômica O modelo GECON originou-se com base nas reflexões para a superação das insuficiências da contabilidade de custo tradicional diante das necessidades de informação da gestão empresarial e da lógica do processo decisório. Trata-se de um modelo de decisão gerencial que começou a ser desenvolvido através de estudos e pesquisas na década de 70 pelo professor Armando Catelli, sendo discutido pelos da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, onde Catelli era docente. Cavenaghi (1996), enfatiza que a estrutura deste modelo tem como ponto de partida o entendimento da missão, crenças e valores, características dos gestores, estrutura organizacional e operacional da empresa, que serão discutidos neste capítulo. Na visão de Cornachione Júnior (2001), o escopo do GECON é muito mais abrangente, pois disponibiliza explicações e soluções no que concerne a gestão empresarial de uma empresa. Guerreiro (1989) argumenta que o GECON como um modelo, busca expressar de forma clara e precisa uma simplificação para facilitar a compreensão e seleção de elementos relevantes à corporação. Seu idealizador, Catelli (2001), afirma veementemente que o modelo GECON 6/14

7 está estruturado com base no entendimento da missão da empresa, através do conjunto de crenças e valores da corporação, de sua estrutura organizacional, realidade operacional e, principalmente das características de seus gestores. Ainda, segundo o autor, o modelo orienta uma seqüência de etapas do processo de gestão empresarial e materializa os diversos impactos dos subsistemas empresariais no sistema de informações de apoio a gestão e decisão. Guerreiro (1989) acrescenta que o GECON é um modelo gerencial utilizado para administração por resultados econômicos que congregam um conjunto integrado de informações que enfatiza a eficácia corporativa. Ainda, segundo o autor, o GECON deve ser estruturado dentro de uma visão sistêmica compreendendo todas as áreas da empresa. Isso se deve ao fato da possível existência de áreas cinzentas (não compreendidas) nas áreas da empresa, neste sentido, torna-se relevante que a empresa seja fragmentada conforme seus departamentos, de modo a permitir uma visão divisional por departamentos ou centros de lucro. De modo geral, o modelo Gecon identifica, através do resultado econômico, o melhor indicador de eficácia do sistema corporativo, em virtude do modo pelo qual o recurso é adquirido, processado ou transformado. Assim, de acordo com Bio (1985), ao enfocar uma organização como um sistema, deve-se compreender as noções de eficiência e eficácia. Fischer e Silva (2007) salientam que o GECON objetiva a eficiência através da otimização dos resultados. Segundo eles, isso deve ocorrer na proporção que todas as decisões tomadas objetivam essa otimização nas diferentes áreas, já que o foco não é a maximização dos resultados individuais e sim, através do somatório das partes. Ressalta-se que a organização vale-se de recursos materiais, humanos e tecnológicos que, após processados, resultam bens ou serviços que serão fornecidos à sociedade. A forma na qual os recursos são processados, são a expressão da eficiência e da eficácia da corporação, já que a resultante dessa combinação é expressa como lucro. No âmbito da gestão econômica, considera-se o lucro como medida de eficácia do sistema empresa em virtude do modo pelo qual o recurso é adquirido, processado ou transformado. Assim, de acordo com Bio (1985), ao enfocar uma organização como um sistema, deve-se compreender as noções de eficiência e eficácia. 3.1 O resultado econômico segundo o GECON Conforme definições anteriores sobre o foco da GECON na eficiência e eficácia, os gestores devem ser motivados a tomarem melhores decisões para a busca da eficiência em seus departamentos e, consequentemente, para a corporação. Considerando que o resultado global de uma empresa deve ser formado pelos resultados analíticos dos diversos centros de custos, torna-se imperativo que as ações dos gestores é fator decisivo para otimizar o grau do resultado econômico. Neste sentido, cada área é responsável pelo seu negócio, denominado de centro de custos (ou centro de lucros, segundo Guerreiro, 2006), tanto em termos de planejamento quanto da execução e controle. Catelli (2001) salienta que não deve 7/14

8 haver espaço para políticas punitivas por parte da alta administração da corporação, nem para desculpas por parte dos gestores, para ele, o resultado econômico corresponde à variação do patrimônio da empresa, mensurado com base em conceitos econômicos em determinado período. O resultado econômico de uma empresa para determinado período pode ser concebido como a diferença de patrimônio líquido apurado no início e no final desse período; ou como o acumulado dos resultados econômicos produzidos pelos eventos econômicos ocorridos ao longo deste período. (CORNACHIONE JÚNIOR, 2001, p. 63) Almeida (1996), afirma que o ponto inicial para a administração do resultado econômico é identificar como ele é formado, identificando as variáveis que constituem o resultado econômico. Nesta mesma linha de raciocínio, Catelli (2001) destaca que é nesta identificação que está caracterizada a importância da controladoria. Segundo o autor, o departamento de controladoria, primordialmente, deve efetuar a coordenação dos processos de planejamento das áreas e atividades da empresa. Em um segundo instante, esta coordenação facilitará a ação dos gestores através de subsídios informacionais propiciados por um sistema de informação que, apoiará os gestores em todas as fases do processo decisório, permitindo que os gestores possam otimizar os resultados e, com isso, serem atingidos. Neste sentido, se o resultado global de uma empresa é composto pelos resultados locais de cada departamento (ou transação), entende-se que as ações dos gestores são então responsáveis pelo resultado da empresa. Na ótica de Catelli (2001, p. 287), os gestores devem ser impulsionados ou motivados a tomar as melhores decisões para a empresa. Ainda, segundo o autor, o GECON propicia um ambiente organizacional baseado na motivação e, principalmente, na responsabilidade e envolvimento dos gestores. 3.2 Busca pela correta mensuração do resultado econômico O GECON é um modelo que busca a otimização do resultado econômico que torna necessário mensurar corretamente o resultado. A administração do resultado deve partir do conhecimento de como ele é formado. Na concepção de Fischer e Silva (2007), se a empresa é formada por vários departamentos (ou atividades) que se interam constantemente, a eficácia da empresa dependerá do resultado econômico de cada departamento. Por meio de ações dos gestores, os resultados alcançados por seus departamentos passam a ser um indicador do grau de eficiência deste. Diante disso, Cornachione Jr. (2001) evidencia o GECON como o modelo que reconhece a gestão por resultados, mensurando adequadamente o lucro como variável fundamental para a ação dos gestores. Catelli (2001) afirma que o GECON emprega um modelo de mensuração que contempla um conjunto de premissas voltadas para a correta mensuração do lucro econômico e, principalmente do patrimônio líquido da empresa. Segundo ele, o valor do patrimônio líquido deve evidenciar o real valor da empresa e não o custo histórico 8/14

9 como base de valor, ou seja, o quanto custou. Para tanto, Cornachione Jr. (2001) ressalta que a correta mensuração do lucro parte da identificação de atingir permanentemente a missão da empresa. Assim, o autor apresenta os seguintes critérios: a) Produtividade: aspectos de produtividade relacionados ao mercado na qual a empresa está inserida, assim como o nível de consumo, estoques, entre outros; b) Eficiência: é a busca da eficiência ótima dos departamentos para a natureza de suas operações e a cultura organizacional da empresa; c) Satisfação das pessoas: contempla a satisfação dos elementos humanos presentes em toda a empresa tais como consumidores, empregados, gestores e fornecedores. d) Modelo de gestão adaptativo: deve-se permitir que o modelo de gestão da empresa permita os devidos ajustes caso seja necessário, em função das mais variadas circunstancias que são expostas aos gestores e na empresa, em geral; e) Desenvolvimento: ocupar os gestores com questões que facilitam implementações de ações voltadas ao aprimoramento da mão de obra de seus empregados face as constantes inovações tecnológicas. Segundo o autor, todos esses critérios são passíveis de mensuração, alguns, de modo mais simples, outros porém, de maneira mais complexa e analítica. Esta base de critérios aplicada para a mensuração dos eventos econômicos torna-se essencialmente importante. A Figura 2 apresenta os conceitos que contemplam o modelo GECON. GECON Resultados Temporais-conjunturais Valor de Mercado Reconhecimento de ganhos pela valorização de Ativos Reconhecimento da receita pela produção Moeda Constante Margem de Contribuição Resultados Econômicos Financeiros Custo de Oportunidade Variações Econômicas (inflação, ajustes, volume) Centros de Resultados Goodwill Custos correntes a vista Equivalência de Capitais Custos correntes a vista Depreciação Econômica Custeio Direto Variável Resultados Econômicos Operacionais Preço de Transferência Planejamento Orçamentário Custos controláveis e custos não controláveis Custos Fixos identificãveis Controlabilidade Figura 2 Conjunto de conceitos de mensuração do Gecon Fonte: Adaptado de Catelli (2001, p. 289) 9/14

10 Para que os gestores possam gerir seus centros de lucros, torna-se relevante reconhecer em cada evento realizado os seguintes aspectos: a) Aspecto operacional; b) Aspecto financeiro; c) Aspecto economico; e d) Aspecto patrimonial. É relevante destacar que a correta mensuração do resultado econômico deve pressupor a identificação dos benefícios e custos com os respectivos eventos/atividades de modo que o rateio dos custos de capacidade (custos fixos) a esses eventos/atividades distorce significativamente a custo e o resultado desses eventos/atividades. 3.3 Formação e Otimização do Resultado Econômico Partindo da premissa de que o modelo GECON considera que a análise do resultado econômico esteja estruturada nos conceitos de custo variável e margem de contribuição, a formação do lucro, segundo o GECON, deve sintetizar um modelo de decisão para a gestão da rentabilidade. Na percepção de Guerreiro (2006) a otimização do lucro global da empresa, da-se a através da otimização da margem de contribuição total dos produtos e do estabelecimento da estrutura ótima de custos fixos da empresa. Corroborando com Guerreiro, Padoveze (2003) nesta mesma linha, explica que a margem de contribuição sofre algumas oscilações devidos aos seguintes fatores: a) Preço dos produtos; b) Quantidade vendida ou produzida ou nível de atividade; c) Custos variáveis por unidade; d) Total dos custos fixos; e) Mix dos produtos vendidos; e f) Produtividade. As alterações que afetam os fatores acima podem provocar alterações em todo o resultado da empresa. Neste sentido, utiliza-se como parâmetro a mensuração do resultado total da empresa. Padoveze (2003) explica que deve-se comparar o resultado obtido em curso alternativo de ação com o resultado total anterior, assim, segundo ele, deve-se decidir pelo resultado maior. Catelli (2001) considera que a identificação dos modelos utilizados pela empresa deve estar em sinergia entre todos os departamentos. Segundo o autor, a otimização dos resultados pressupõe a identificação das alternativas de ação disponíveis e a escolha das melhores alternativas, tanto em nível estratégico como operacional. Na ótica do GECON, o modelo de decisão deve ser específico para cada tipo de evento e equivale ao processo decisório utilizado pelos gestores, que deverá orientar na escolha das alternativas. Neste contexto, o resultado dependerá, na mesma proporção, do resultado das diversas atividades, e com isso, cada atividade surge em função de fatores que causam um impacto na situação patrimonial da empresa. Esses fatores são denominados como transações, que, na ótica de Almeida (2002) a transação é o 10/14

11 único fenômeno que modifica o patrimônio de um a empresa, podendo ser mensurada economicamente. Considerando que as decisões são tomadas em diversas fases do processo de gestão, o GECON estabelece uma sequência de etapas fundamentais que compõem o processo de gestão. Essas etapas podem ser melhores implementados quando a empresa possui um sistema de informações estruturado adequadamente para atender os processos operacionais, táticos e estratégicos. Esta estruturação parte da necessidade de adicionar aos sistemas empresariais atuais, informações de nível estritamente estratégico. Neste sentido, o GECON centra-se na visão da organização como um sistema aberto, pois exerce sua função não somente na identificação dos pontos portes e fracos da organização, mas também na identificação das ameaças e oportunidades nas quais a organização está inserida. Uma estruturação muito apreciada é a proposta por Santos (2006) que contempla quatro subsistemas de informações que, em conjunto com os sistemas Enterprise Resources Planning, Business Intelligence e Data Warehouse, formam os sistemas de informações de controladoria estratégica. Esses subsistemas são: (a) Cenários empresariais; (b) sistema de informação de acompanhamento do negócio; (c) balanced scorecard; e (d) gestão de riscos. A identificação desses subsistemas é apresentado na Figura 3 que decorre da própria natureza desses subsistemas, que exigem fortemente a necessidade de mensuração econômica. Cenários Empresariais Sistema de Acompanhamento do Negócio Balanced Scorecard BSC (Cockpitt) Gestão de Riscos Estratégico Tático B. I. Business Intelligence Data Warehouse Operacional E.R.P. Enterprise Resources Planning Figura 3 Estruturação dos sistemas de informações de controladoria estratégica Fonte: Santos (2006, p. 109) Conforme a Figura 3, esses subsistemas são responsáveis por todas as informações necessárias à alta administração, as quais podem ser originadas de sub-sistemas específicos de cada área e também do BI, através de informações de 11/14

12 cunho preventivo à tomada de decisões, permitindo condições de identificar possíveis resultados com antecedência aos eventuais problemas levantados pela alta administração. 4 CONCLUSÃO Considerando o cenário atual repleto de oscilações e de grande competitividade entre as empresas, para que os gestores alcancem seus objetivos faz-se importante planejar cuidadosamente as ações que pretendem empreender, reavaliando, de tempos em tempos, o desempenho efetuado contra o desempenho planejado. O GECON possui a premissa de que a fase de planejamento estratégico deve assegurar o cumprimento da missão da empresa. Por meio de um sistema de informações integrado, essas informações gerarão um conjunto de diretrizes estratégicas de caráter qualitativo que visa orientar a etapa do planejamento operacional. Sabe-se que o processo de planejamento estratégico compreende a análise das variáveis do ambiente externo e interno da empresa. Assim o conjunto de diretrizes estratégicas objetiva evitar as ameaças, aproveitar as oportunidades, utilizar os pontos fortes e superar as deficiências dos pontos fracos. A identificação das oportunidades e ameaças se dará em função dos subsistemas apresentados por Santos (2006) neste artigo. O comportamento previsto dessas variáveis e o modo como elas irão interagir em termos de alterações no ambiente externo permitirá aos gestores a definir, como por exemplo, produtos que irá ofertar, mercado dos quais participará, canais de distribuição, produção, estrutura organizacional e objetivos econômicos e financeiros. O artigo apresentou um modelo de estruturação de informações de controladoria estratégica fundamentado em quatro grandes subsistemas de informações estratégicas. O primeiro subsistema tem como objetivo a identificação e apresentação de cenários empresariais, com informações que permitam que as estratégias adotadas sejam operacionalizadas no planejamento operacional. O segundo subsistema tem como foco a manutenção de um conjunto de informações que permitam o entendimento contínuo do negócio de atuação da empresa. O terceiro subsistema incorpora o conceito de balanced scorecard, para o controle das metas advindas da estratégia. O último subsistema proposto tem como objetivo dar instrumentos para a gestão de riscos empresariais. Durante a pesquisa, percebeu-se que as informações estratégicas devem ser de responsabilidade da alta gestão prevalece na maior parte das organizações, isto se deve ao fato de que as decisões são tomadas por esta unidade administrativa, e, portanto, cabem a esta unidade a responsabilidade da geração das informações a nível estratégico. A função estratégica a ser desenvolvida segundo o modelo GECON, proposta neste trabalho deve seguir a estruturação apresentada, visto os pressupostos do inter-relacionamento dos sistemas empresariais (ERP, DW e BI) com os subsistemas estratégicos. Esses subsistemas podem ser desenvolvidos internamente ou adquiridos já prontos no mercado, observando sempre a relação custo-benefício que a informação propiciará. Assim, o grau de integração dos sistemas utilizados torna-se fundamental para a eficácia dos sistemas de 12/14

13 informação, cabendo a controladoria, o monitoramento desses sistemas informacionais. Neste contexto, torna-se evidente, a realização de novas pesquisas sobre a participação da controladoria nas estratégias das organizações, pois o assunto é considerado relevante no contexto corporativo atual. O modelo proposto tem como referência o atual estágio do conhecimento da controladoria. Outrossim, da forma como foi modelado e estruturado, ele também permite incorporar as novas necessidades de informações estratégicas em novos subsistemas, bem como acompanhar o desenvolvimento da função de controladoria. 5 BIBLIOGRAFIA REFERENCIADA ALMEIDA, L. B. Contribuição ao estudo das transações e seu impacto na eficiência das organizações sob o enfoque da gestão econômica Tese (Doutorado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Universidade de São Paulo São Paulo. ACKOFF, L. R. Planejamento empresarial. Rio de Janeiro: L.T.C. Editora, BETHLEM A. S. Estratégia empresarial. Conceitos, processo e administração estratégica. 5. ed. São Paulo: Atlas, BIO, S. R. Sistemas de informação: um enfoque gerencial. São Paulo: Atlas, CATELLI, A (coord.). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica GECON. 2. ed. São Paulo: Atlas, CAVENAGHI, V. O modelo de gestão econômica (GECON) aplicado á área de produção. Caderno de Estudos da FIPECAFI, n. 14, Jul/Dez. São Paulo CORNACHIONE JR. E. B. Sistemas integrados de gestão: arquitetura, método e implantação. São Paulo: Atlas, COSTA, E. A. Gestão estratégica. 3. ed. São Paulo: Saraiva, DAFT, R. I. Administração. Trad. Fernando Gastaldo Morales. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, FAHEY, L; RANDALL, R. M. MBA: curso prático/estratégia. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Campus, FISCHER, M. A.; SILVA, V. F. Análise das decisões de compra utilizando as abordagens gestão econômica e tradicional. (2007) 7. Congresso USP de Contabilidade e Controladoria, São Paulo. GUERREIRO, R. Gestão do lucro. São Paulo: Atlas, Modelo conceitual de sistema de informação de gestão econômica: 13/14

14 uma contribuição à teoria da comunicação da contabilidade Tese (doutorado) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. São Paulo: São Paulo. HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HOSKISSON, R. E. Administração estratégica. Trad. José Carlos Barbosa dos Santos e Luiz Antonio Pedroso Rafael. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, PADOVEZE, C. L. Controladoria avançada. São Paulo: Thomson, 2005b.. Controladoria estratégica e operacional: conceitos, estrutura e aplicação. São Paulo: Thomson, Sistemas de informações contábeis: fundamentos e análise. 4. ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, A. R. P. Contribuição à estruturação dos sistemas de informações de controladoria estratégica: uma análise comparativa em empresas de grande porte Dissertação (Mestrado profissional em administração). Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba. WELSCH, G. A. Orçamento empresarial. 4. ed. São Paulo: Atlas, /14

DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AO MODELO GECON UMA ANÁLISE SOBRE A ESTRUTURAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AO MODELO GECON UMA ANÁLISE SOBRE A ESTRUTURAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AO MODELO GECON UMA ANÁLISE SOBRE A ESTRUTURAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Éric Tadeu Gimenes da Silva - ericofera@hotmail.com André Ricardo Ponce dos Santos - anrsantos@uol.com.br

Leia mais

Sistemas de informações de apoio à estratégia: proposta de um modelo de estruturação dos sistemas de informações de controladoria estratégica

Sistemas de informações de apoio à estratégia: proposta de um modelo de estruturação dos sistemas de informações de controladoria estratégica XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 06 a 08 de novembro de 2006 Sistemas de informações de apoio à estratégia: proposta de um modelo de estruturação dos sistemas de informações de controladoria estratégica

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO Beatriz Alves Paes CONSORTE 1 - RGM 071627 Benedito Fernando FAVARETTO¹ - RGM 028811 Daniel Gazal ZUPO¹ - RGM 085144 Kaleo Carlos Felix BARROSO¹ - RGM 071294

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

A integração do sistema de informações contábeis com os subsistemas operacionais utilizados pelas organizações

A integração do sistema de informações contábeis com os subsistemas operacionais utilizados pelas organizações A integração do sistema de informações contábeis com os subsistemas operacionais utilizados pelas organizações André Ricardo Ponce dos Santos (UNIMEP) anrsantos@uol.com.br Eduardo Teraoka Tófoli (UNISALESIANO)

Leia mais

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA

CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA CONTROLADORIA: TOMANDO DECISÕES EM BUSCA DA EFICÁCIA NETO, Antonio Rodrigues¹ PORFÍRIO, Anderson Cassiano¹ SILVA, Carlos Eduardo Candido da¹ OLIVEIRA, Dirce Benedita de¹ SARAIVA, Antonio W. Pereira² RESUMO

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Clóvis Luís Padoveze (UNIMEP) cpadoveze@romi.com.br Resumo A característica gerencial da informação contábil determina que o sistema de informação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Gestão econômica das empresas e as novas estratégias competitivas

Gestão econômica das empresas e as novas estratégias competitivas Gestão econômica das empresas e as novas estratégias competitivas A APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE GESTÃO ECONÔMICA AOS EVENTOS ECONÔMICOS DE UM BANCO COMERCIAL Antônio Benedito Silva Oliveira Marcelle Colares

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Introdução. Modelos de Decisão na Gestão da Empresa. Modelo de Decisão em Gestão Econômica. Edilene Santana Santos. Vera Ponte

Introdução. Modelos de Decisão na Gestão da Empresa. Modelo de Decisão em Gestão Econômica. Edilene Santana Santos. Vera Ponte Edilene Santana Santos Mestranda em Controladoria e Contabilidade FEA/USP Professora e Pesquisadora do Centro Universitário Nove de Julho UNINOVE e das Faculdades Associadas de São Paulo - FASP Vera Ponte

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUAIS AS CONTRIBUIÇÕES DA CONTROLADORIA PARA O PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ANA PAULA PIMPINATO Piracicaba,

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional Coordenação Acadêmica: Wankes da Silva Ribeiro Coordenação da Ênfase: Wankes Leandro Ribeiro JUSTIFICATIVA O MBA em Gestão Empresarial

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Emanuel R. Junqueira (FAESA-ES) ejunqueira@faesa.br Gilberto Aurino Silva Neto (FAESA-ES) professorgilberto@terra.com.br

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Empresarial Coordenação Acadêmica FGV : Professora Denize Dutra CÓDIGO NO SIGA : VIANNA0/TMBAGE*1225-14 1. ECONOMIA EMPRESARIAL Fundamentos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciências Contábeis 7ª série Controladoria e Sistemas de Informações Contábeis A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas Prof. Mestre Renato silva 1 Resumo: Este artigo tem o propósito de apresentar a importância da contabilidade gerencial no contexto da geração

Leia mais

EMENTAS PÓS-FLEX 2016 CÂMPUS PRAÇA OSÓRIO

EMENTAS PÓS-FLEX 2016 CÂMPUS PRAÇA OSÓRIO EMENTAS PÓS-FLEX 2016 CÂMPUS PRAÇA OSÓRIO ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Consiste em apresentar aos alunos conceitos de administração e de planejamento estratégico em organizações, analisando o processo de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROCESSO DE GESTÃO E DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A GESTÃO EMPRESARIAL. Margareth Amanda Matos Viana*

A IMPORTÂNCIA DO PROCESSO DE GESTÃO E DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A GESTÃO EMPRESARIAL. Margareth Amanda Matos Viana* 1 A IMPORTÂNCIA DO PROCESSO DE GESTÃO E DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A GESTÃO EMPRESARIAL Margareth Amanda Matos Viana* Resumo: O presente artigo enfatiza a importância do Processo de Gestão

Leia mais

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTO: DIRETRIZES PARA INTEGRAÇÃO AO ORÇAMENTO PÚBLICO P E À CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL Nelson Machado Sec Executivo do MF Brasília, Outubro de 2008 DIVERSIDADE DE PONTOS DE VISTA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

MBA em GESTÃO EMPRESARIAL Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização. Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr.

MBA em GESTÃO EMPRESARIAL Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização. Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. MBA em GESTÃO EMPRESARIAL Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização 2016 Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 JUSTIFICATIVA: Este MBA visa ser o novo MBA em GE que substitui o MBA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Mediçao de Desempenho em Organizaçoes Nao Governamentais Utilizando o Modelo de Gestao Economica

Mediçao de Desempenho em Organizaçoes Nao Governamentais Utilizando o Modelo de Gestao Economica Mediçao de Desempenho em Organizaçoes Nao Governamentais Utilizando o Modelo de Gestao Economica Autores: Auristela Félix de Oliveira Docente da Universidade Federal de Sergipe - UFS (auristelacontabil@msn.com

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial

MBA em Gestão Empresarial REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão Empresarial Coordenação Acadêmica: Prof. Isnard Marshall Junior A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB PLANO DE DISCIPLINA ANO LETIVO: 2011 2º SEMESTRE DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO DISC

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O SANGUE E A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS ( * )

A RELAÇÃO ENTRE O SANGUE E A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS ( * ) A RELAÇÃO ENTRE O SANGUE E A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS ( * ) A Contabilidade é o sangue que circula no Sistema Integrado de Gestão. Implanta e integra controles em todos os órgãos da empresa e retorna

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

A CONTROLADORIA E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES NO PROCESSO DE GESTÃO THE CONTROLLING AND INFORMATION SYSTEM IN MANAGEMENT PROCESS

A CONTROLADORIA E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES NO PROCESSO DE GESTÃO THE CONTROLLING AND INFORMATION SYSTEM IN MANAGEMENT PROCESS 61 A CONTROLADORIA E O SISTEMA DE INFORMAÇÕES NO PROCESSO DE GESTÃO THE CONTROLLING AND INFORMATION SYSTEM IN MANAGEMENT PROCESS Vanessa Nunes Barreto RESUMO Este artigo tem o intuito conhecer algumas

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL ANDRADE, Luís¹ Filipe Veri de VEGGIAN, Viviane¹ Amaro SCARPINELLI,

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTÁBIL Disciplina: Teoria Contábil do Lucro Prof. Paulo Arnaldo OLAK E-mail: olak@uel.br MODELO DE DECISÃO BASEADO EM RESULTADOS ECONÔMICOS (): receitas e custos valorados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

OS SUBSISTEMAS EMPRESARIAIS E A TOMADA DE DECISÃO

OS SUBSISTEMAS EMPRESARIAIS E A TOMADA DE DECISÃO OS SUBSISTEMAS EMPRESARIAIS E A TOMADA DE DECISÃO KELLY REGINA NASCIMENTO SILVA Discente do Curso de Tecnologia em Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS MARCELO HENRIQUE DE ABREU

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL Ítalo Alves Gomes Rafael Rocha Salvador Prof Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Saraceni Profª M. Sc. Máris

Leia mais

Rogério João Lunkes Contabilidade Gerencial Um Enfoque na Tomada de Decisão Visual Books Sumário Prefácio 1 1 Aspectos Fundamentais da Contabilidade Gerencial 3 1 1 A Evolução da Contabilidade Gerencial

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO Coordenação Acadêmica Prof. Carlos Alberto dos Santos Silva OBJETIVO: O MBA EM GESTÃO FINANCEIRA, CONTROLADORIA

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional DISCIPLINA: Contabilidade Gerencial CÓDIGO: 2ADM.0 VALIDADE: a partir de agosto de 200 TÉRMINO: Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: aulas Créditos: Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Caracterização da Contabilidade Gerencial

Caracterização da Contabilidade Gerencial Introdução à Contabilidade Gerencial Caracterização da Contabilidade Gerencial Caracteriza-se Contabilidade Gerencial o segmento da ciência contábil que congrega o conjunto de informações necessárias à

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Administração TRE Maio 2010

Administração TRE Maio 2010 TRE Maio 2010 Noções de Planejamento Estratégico: missão, visão, valores. BSC - Balanced Scorecard (conceito, perspectivas, mapa estratégico e objetivo estratégico). Gestão por Processos. Ciclo PDCA Conceito

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72 Matriz Curricular do Curso de Administração 2015.1 1ª Fase CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ- REQUISITOS CRED ADM001 Interpretação e Produção de Textos - ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais