WEIDSON TORRES GALINDO TÍTULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WEIDSON TORRES GALINDO TÍTULO"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO EMPRESARIAL VERSÃO PRELIMINAR DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENTADO POR WEIDSON TORRES GALINDO TÍTULO FUSÕES, AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS E CAPACIDADES TECNOLÓGICAS INOVADORAS: EVIDÊNCIAS DA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTINACIONAL ORIENTADOR ACADÊMICO PAULO N. FIGUEIREDO VERSÃO PRELIMINAR ACEITA, DE ACORDO COM O PROJETO APROVADO EM: DATA DA ACEITAÇÃO: / / ASSINATURA DO PROFESSOR ORIENTADOR ACADÊMICO

2 II AGRADECIMENTOS Ao Professor PhD. Paulo N. Figueiredo, pela oportunidade de trabalhar com um método de sucesso, com suas contribuições e comprometimento prestados ao desenvolvimento deste trabalho. E em especialmente pela sua paciência em entender as minhas dificuldades e motivar meu crescimento para proporcionar o desfecho desta dissertação. Ao apoio de todos os amigos do trabalho, da FGV e das demais empresas, que além de compartilhar os desafios normais de trabalho, contribuíram com suas opiniões, críticas e suas visões durante a pesquisa. Um especialmente agradecimento a Bruna e Lana, pelo amor, pelo suporte familiar e por toda felicidade da minha existência. Aos meus pais, Brivaldo e Gersa Galindo pelo carinho, pelo exemplo de amor e fé.

3 III RESUMO Esta dissertação estuda as capacidades tecnológicas inovadoras disponibilizadas nos processos de fusões e aquisições e o relacionamento entre estes processos com a acumulação de capacidades tecnológicas para obtenção da convergência de tecnologia e de serviços. Este estudo foi examinado em quatorze empresas da indústria de telecomunicações, no período compreendido entre 2002 a A partir dos anos 1990 tem havido de um lado uma profusão de estudos sobre as capacidades tecnológicas como fonte de vantagens competitivas, de outro lado existem estudos sobre fusão e aquisição com o objetivo de avaliar as motivações derivadas de fatores tecnológicos e de estímulo à competição e à abertura de mercado. Porém são poucos os estudos empíricos de longo prazo que examinam a correlação destes eventos na indústria de telecomunicações sob a ótica da capacitação tecnológica no nível das empresas e pela perspectiva de estratégica empresarial baseada em competências dinâmicas. Para descrever a contribuição dos processos de fusão e aquisição para a acumulação de capacidades tecnológicas inovadoras nas empresas estudadas, foram utilizadas estruturas analíticas existentes na literatura; entretanto tais estruturas foram adaptadas especificamente para a indústria de telecomunicações. Esta dissertação também estuda a importância das fusões e aquisições estratégicas como forma organizacional na complementação de capacidades tecnológicas por fontes externas. Tais evidências empíricas foram coletadas a partir de bancos de dados e de informações publicadas pelas próprias empresas que foram examinadas nesta dissertação. Com relação aos resultados, foi encontrado que: 1. Em termos de participações com capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas, os fabricantes de equipamentos ingressaram com 71% de 55 das capacidades tecnológicas e as companhias operadoras de serviços ingressaram com 61% de 71 capacidades tecnológicas. 2. Em termos de capacidade tecnológica resultante, foi encontrado que os fabricantes de equipamentos aumentaram em 31% a proporção de convergência de tecnologia e as operadoras de serviços aumentaram em 4% a proporção para a mudança na estrutura organizacional. 3. Em termos de acumulação de capacidade tecnológica para obtenção da convergência de serviços e de tecnologia foi verificado o aumento destas capacidades tecnológicas depois dos processos de fusões e aquisições nas empresas estudadas. Considerando as limitações deste estudo, as evidências encontradas nesta dissertação sugerem que as empresas utilizam os processos de fusões e aquisições estratégicas para buscar complementação externa de base de conhecimento para competir no mercado globalizado. O resultado demonstra que esta movimentação tem implicado numa alteração e acúmulo da capacitação na organização das atividades tecnológicas inovadoras, em termos de convergência de tecnologia e de serviços.

4 IV ABSTRACT This dissertation studies the innovative technological capabilities available in the merger and acquisitions processes and the relationship between these processes with the technological capabilities accumulation to get convergence of technology and services. This study was examined in fourteen companies of the telecommunications industry during 2002 to Starting on 1990 there were from one end a profusion of studies on the technological capabilities as source of competitive advantages; from another end there are studies on merger and acquisitions with the objective to evaluate the motivations derived from technological factors and stimulation to the competition and the opening of the market. However few of the empirical studies of long stated period that examine the correlation of these events in the industry of telecommunications under the optics of the technological qualification in the level of the companies and for the strategic perspective of enterprise based on the dynamics abilities. An analytical framework already available in the literature was used to describe the contribution of the merger and acquisitions processes for the accumulation of innovative technological capabilities in the studied companies. However the framework was adapted specifically for the industry of Telecommunications. This dissertation also studies the importance of the strategic merger and acquisitions as organizational form in the complementation of technological capability for external sources. Such empirical evidences had been collected from information and data bases published for the own companies who had been examined in this dissertation. Regarding the results, it was found that: 1. In terms of participation with ingress technological capabilities in strategic merger and acquisitions the equipment manufacturers had entered with 71% to 55 of the technological capabilities and the service operator company had entered with 61% to 71 technological capabilities. 2. In terms of implications of the merger and acquisitions for the configuration of resultant technologic capabilities, it was found that the equipment manufacturers had increased 31% the ratio of convergence of technology and the operators of services had increased 4% the ratio for the change in the organizational structure. 3. Regarding the accumulation technological capability to obtain convergence of technology and services was verified the increase these technological capabilities after the merger and acquisitions process in the companies studied. Considering the limitation of this study, the evidences found in this dissertation suggest that the companies use the processes of strategic merger and acquisitions to search for external complementation of their knowledge base to compete in the globalization market. The result demonstrates that this movement has implied in an alteration and accumulation of capability from organization on innovative technological activities regarding the convergence of technology and services.

5 V SUMÁRIO Agradecimentos...II Resumo... III Abstract...IV Sumário... V Listas de tabelas...viii Listas de figuras...xi INTRODUÇÃO A PARTE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO QUESTÕES DA DISSERTAÇÃO ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO... 5 CAPÍTULO 2: CONTEXTO EMPÍRICO DO ESTUDO ESTUDOS SOBRE CAPACIDADES TECNOLÓGICAS NA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTINACIONAL ESTUDOS SOBRE FUSÕES E AQUISIÇÕES NA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTINACIONAL ESTUDOS BRASILEIROS SOBRE A INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL CAPÍTULO 3: MODELO DE ANÁLISE DA DISSERTAÇÃO FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS COMO FONTES DE CAPACIDADES TECNOLÓGICAS MODELO DE ANÁLISE DISSERTAÇÃO INTERPRETAÇÃO DO MODELO DE ANÁLISE DA DISSERTAÇÃO CAPÍTULO 4: INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTINACIONAL PROCESSO DE OBTENÇÃO DE CONVERGÊNCIA DE TECNOLOGIA OU DE SERVIÇOS... 45

6 VI 4.2. ESTUDOS DE INOVAÇÕES NA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL CAPÍTULO 5: DESENHO E MÉTODOS DA DISSERTAÇÃO ELEMENTOS DO DESENHO DA DISSERTAÇÃO TIPOS DE EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS FONTES DE EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS PROCEDIMENTOS PARA ANÁLISE DAS EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS INTRODUÇÃO A PARTE CAPÍTULO 6: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS REFERENTES A CAPACIDADES TECNOLÓGICAS INGRESSANTES EM FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS ESTRUTURA DO CAPÍTULO EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS DAS CAPACIDADES TECNOLÓGICAS INGRESSANTES EM FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS COMPANHIAS FABRICANTES DE EQUIPAMENTOS EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS DAS CAPACIDADES TECNOLÓGICAS INGRESSANTES EM FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS COMPANHIAS OPERADORAS DE TELECOMUNICAÇÕES CAPÍTULO 7: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS REFERENTES A CAPACIDADES TECNOLÓGICAS RESULTANTES DE FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS ESTRUTURA DO CAPÍTULO EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS DAS CAPACIDADES TECNOLÓGICAS RESULTANTES FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS COMPANHIAS DE TELECOMUNICAÇÕES MULTINACIONAIS (FABRICANTES DE EQUIPAMENTOS) EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS DAS CAPACIDADES TECNOLÓGICAS RESULTANTES EM FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS COMPANHIAS OPERADORES DE SERVIÇOS MULTINACIONAIS

7 VII CAPÍTULO 8: ANÁLISE E DISCUSSÕES CAPACIDADES TECNOLÓGICAS INGRESSANTES EM FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS CAPACIDADES TECNOLÓGICAS INGRESSANTES DE COMPANHIAS MULTINACIONAIS FABRICANTES DE EQUIPAMENTOS EM FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS CAPACIDADES TECNOLÓGICAS DE COMPANHIAS MULTINACIONAIS OPERADORAS DE SERVIÇOS INGRESSANTES EM FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS MECANISMOS PARA FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS E CAPACIDADES TECNOLÓGICAS RESULTANTES MECANISMOS DE FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS E CAPACIDADES TECNOLÓGICAS RESULTANTES ENVOLVENDO COMPANHIAS MULTINACIONAIS FABRICANTES DE EQUIPAMENTOS MECANISMOS DE FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS E CAPACIDADES TECNOLÓGICAS RESULTANTES ENVOLVENDO COMPANHIAS MULTINACIONAIS OPERADORAS DE SERVIÇOS DISCUSSÕES SOBRE AS EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS CAPÍTULO 9: CONCLUSÕES QUESTÕES DA DISSERTAÇÃO PRINCIPAIS CAPACIDADES TECNOLÓGICAS INGRESSANTES DISPONIBILIZADAS EM FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS PELOS DOIS DIFERENTES TIPOS DE COMPANHIAS DA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTINACIONAL PRINCIPAIS CAPACIDADES TECNOLÓGICAS RESULTANTES NO PROCESSO DE FUSÃO E AQUISIÇÃO ESTRATÉGICA NA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTINACIONAL CONTRIBUIÇÕES DOS PROCESSOS DE FUSÕES E AQUISIÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A CONVERGÊNCIA DE SERVIÇOS E DE TECNOLOGIA SUGESTÕES PARA DISSERTAÇÕES FUTURAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

8 VIII LISTAS DE TABELAS Tabela 2.1 Modelo de Camadas da indústria de Telecomunicações Tabela 2.2 Gastos ao ano em pesquisa e desenvolvimento (P&D) dos Fabricantes de Telecomunicações Multinacional Tabela 5.1 Processos de aprendizagem em empresas Tabela 6.1 Fabricantes de Equipamentos da Indústria Multinacional Tabela 6.2 Tabela 6.3 Tabela 6.4 Tabela 6.5 Tabela 6.6 Tabela 6.7 Tabela 6.8 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Alcatel C vs. Companhias Parceiras P Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Nokia C vs. Companhias parceiras P Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Cisco System C vs. Companhias parceiras P Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Motorola C vs. Companhias parceiras P Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Nortel Networks C vs. Companhias parceiras P Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Ericsson C vs. Companhias parceiras P Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Samsung Electronics C vs. Companhias parceiras P Tabela 6.9 Empresas Operadoras de Telecomunicações da amostra Tabela 6.10 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Telmex C vs. Companhias parceiras P Tabela 6.11 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Telefonica C vs. Companhias parceiras P

9 IX Tabela 6.12 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas AT&T C vs. Companhias parceiras P Tabela 6.15 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Verizon C vs. Companhias parceiras P Tabela 6.16 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Sprint C vs. Companhias parceiras P Tabela 6.17 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas France Telecom C vs. Companhias parceiras P Tabela 6.18 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas British Telecom C vs. Companhias parceiras P Tabela 7.1 Número de patentes de fabricantes da indútria de telecomunicações multinacionais Tabela 7.2 Tipos de fusões e aquisições estratégicas Tabela 7.3 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Alcatel C vs. Companhias Parceiras P Tabela 7.4 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Nokia C vs. Companhias Parceiras P Tabela 7.5 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Cisco System C vs. Companhias Parceiras P Tabela 7.6 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Motorola C vs. Companhias Parceiras P Tabela 7.7 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Nortel Networks C vs. Companhias Parceiras P Tabela 7.8 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Ericsson C vs. Companhias Parceiras P (continuação) Tabela 7.8 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Ericsson C vs. Companhias Parceiras P

10 X Tabela 7.9 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Samsung C vs. Companhias Parceiras P Tabela 7.10 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Telmex C vs. Companhias parceiras P (continuação) Tabela 7.10 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Telmex C vs. Companhias parceiras P Tabela 7.11 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Telefonica C vs. Companhias parceiras P Tabela 7.12 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas AT&T C vs. Companhias parceiras P Tabela 7.13 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Verizon C vs. Companhias parceiras P Tabela 7.14 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas Sprint C vs. Companhias parceiras P Tabela 7.15 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas France Telecom C vs. Companhias parceiras P Tabela 7.16 Capacidades tecnológicas resultantes em fusões e aquisições estratégicas BT C vs. Companhias parceiras P Tabela 8.1 Tabela 8.2 Capacidades tecnológicas ingressantes e resultantes em fusões e aquisições estratégicas Características-chaves dos processos de aprendizagem para convergência de Tecnologia e Serviços

11 XI LISTAS DE FIGURAS Figura 2.1 Principais Fusões das Indústrias de Telecomunicações e suas motivações principais Figura 3.1 Modelo de análise da dissertação Figura 6.1 Faturamento das Empresas de Telecomunicações Multinacional Figura 6.2 P&D como Percentual do Faturamento entre os anos de 2006 a Figura 6.3 Faturamento comparado com o número de empregados entre os anos 2006 a Figura 6.4 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Alcatel C vs. Companhias Parceiras Figura 6.5 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Nokia C vs. Companhias Parceiras Figura 6.6 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Cisco C vs. Companhias Parceiras Figura 6.7 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Motorola C vs. Companhias Parceiras Figura 6.8 Estratégia da Nortel para o segmento Enterprise Figura 6.9 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Nortel C vs. Companhias Parceiras Figura 6.10 P&D como percentual do faturamento Figura 6.11 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Ericsson C vs. Companhias Parceiras Figura 6.12 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Samsung C vs. Companhias Parceiras Figura 6.13 Receita Operacional Líquida das Operadoras da União Europeia e dos

12 XII Estados Unidos (US$ Bilhões) em Figura 6.14 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Telmex C vs. Companhias Parceiras Figura 6.15 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Telefonica C vs. Companhias Parceiras Figura 6.16 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas AT&T C vs. Companhias Parceiras Figura 6.17 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Verizon C vs. Companhias Parceiras Figura 6.18 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Sprint C vs. Companhias Parceiras Figura 6.19 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas France Telecom C vs. Companhias Parceiras Figura 6.20 Capacidades tecnológicas ingressantes em fusões e aquisições estratégicas British Telecom C vs. Companhias Parceiras Figura 8.1 Figura 8.2 Figura 8.3 Figura 8.4 Figura 8.5 Figura 8.6 Capacidade Tecnológica Ingressante em fusões e aquisições estratégicas174 Capacidades Tecnológicas Ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Capacidade Tecnológica Ingressante em fusões e aquisições estratégicas Capacidades Tecnológicas Ingressantes em fusões e aquisições estratégicas Capacidade Tecnológica Resultantes em fusões e aquisições estratégicas Capacidades Tecnológicas Resultantes em fusões e aquisições estratégicas

13 XIII Figura 8.7 Figura 8.8 Capacidade Tecnológica Resultante em fusões e aquisições estratégicas183 Capacidade Tecnológicas Resultante em fusões e aquisições estratégicas184

14 1 INTRODUÇÃO À PARTE 1 A Parte 1 desta dissertação contém os Capítulos 1 a 5. O Capítulo 1 consiste na introdução à dissertação; o Capítulo 2 refere-se a uma breve revisão de estudos empíricos sobre capacidades tecnológicas, fusões e aquisições no setor de telecomunicações; o Capítulo 3 apresenta o modelo de análise da dissertação à luz do qual as evidências empíricas desta dissertação serão examinadas; o Capítulo 4 contextualiza ao leitor a indústria de telecomunicações e o Capítulo 5 apresenta o desenho e método da dissertação.

15 2 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Esta dissertação estuda as capacidades tecnológicas inovadoras disponibilizadas nos processos de fusões e aquisições e o relacionamento entre estes processos com a acumulação de capacidades tecnológicas para obtenção da convergência de tecnologia e de serviços. Este estudo foi examinado em quatorze empresas da indústria de telecomunicações, no período compreendido entre 2002 a Assim, devido a um fenômeno na indústria de telecomunicações conhecido por convergência, este estudo procurou examinar as implicações dos processos de aprendizagem nas fusões e aquisições para acumulação de capacidades tecnológicas inovadoras. A importância deste estudo está relacionada ao fato de que é pela acumulação de capacidades tecnológicas que as empresas adquirem capacitação para desempenhar atividades inovadoras. Estas inovações podem variar desde adaptações e melhorias incrementais em processos e produtos existentes até o desenvolvimento de novos produtos, novos processos produtivos ou novas tecnologias que permitem a empresa explorar melhor mercados existentes ou novos mercados. Desta forma as empresas recorrem ao processo de fusão e aquisição estratégica para acumular capacidades tecnológicas e conseguir sucesso na convergência de tecnologia e de serviços. Num contexto de integração global, a acumulação de capacidades para selecionar, adaptar e/ou desenvolver tecnologias é fator crucial para o alcance e sustentação da posição competitiva das empresas (Figueiredo, 2001). Para manterem-se competitivas, as empresas devem inovar continuamente (Nelson, 1991; Bell & Pavitt, 1995). A complementação por capacidade tecnológica a partir de fontes externas de conhecimento e tecnologia é tratada como garantia da competitividade em ambientes complexos e repletos de limitações (Teece, 2007). Nesta dissertação, a acumulação de capacidades tecnológicas foi examinada à luz da estrutura proposta por Figueiredo (2001), adaptada de Lall (1992) e Bell & Pavitt (1995). Devido ao fato desta dissertação abordar fusões e aquisições estratégicas como uma forma organizacional no acesso à capacidade

16 3 tecnológica inovadora, avaliar as mudanças de configurações de capacidades tecnológicas e, considerar as mudanças de cenário, é que foi adotado o modelo de análise alinhado à abordagem estratégica baseadas em competências dinâmicas. O critério utilizado para a composição da amostra das companhias de telecomunicações multinacional fabricantes de equipamentos e operadoras de serviços foi a amostragem intencional (Patton, 1990). Para os fins desta dissertação foi adotado a inovação tecnológica e o maior faturamento no período de 2002 a No que se referem aos estudos acerca do processo de acumulação de capacidades tecnológicas, Figueiredo (2004) sugere que houve um considerável avanço na pesquisa sobre o tema, e que os estudos têm demonstrado, com adequado grau de detalhe e profundidade de como os processos de aprendizagem afetam a capacidade inovadora e competitiva das firmas. Principais literaturas sobre estudos de capacidades tecnológicas no segmento de telecomunicações como, Gaffard & Krafft (2000) e Fransman (2005) sugere que houve uma transferência de responsabilidade da pesquisa e desenvolvimento (P&D) entre as indústrias, como também uma tendência de verticalização neste setor. No Brasil, as pesquisas sobre acumulação de capacidades tecnológicas nos países em desenvolvimento também evoluíram estudando o processo de acumulação em diferentes segmentos industriais, como por exemplo, o estudo realizado por Ariffin & Figueiredo (2004) sobre internacionalização de competências tecnológica na indústria eletrônica de Manaus, e Ohba (2005) analisando as capacidades tecnológicas (sistema técnicoorganizacional, molécula e medicamento) disponibilizadas em alianças estratégicas pela indústria farmacêutica multinacional. Na literatura estudada ficou evidenciada a descrição de capacidades tecnológicas e a intensa movimentação das empresas no processo de fusão e aquisição na indústria de telecomunicações. O fator motivador para elaborar esta dissertação está associado à correlação entre estes dois eventos, visto que foram encontradas poucas publicações correlacionando as capacidades tecnológicas inovadoras disponibilizadas nos processos de fusões e aquisições com acumulação de capacidades tecnológicas para obtenção da convergência de tecnologia e de serviços. As evidências empíricas nesta dissertação baseiam-se em extensiva e sistemática coleta de dados relativos às fusões e aquisições estratégicas implementados por sete fabricantes

17 4 de equipamentos multinacionais e sete operadoras de serviços multinacionais com atuação na América Latina: Alcatel, Nokia, Cisco, Ericsson, Samsung, Nortel e Motorola representando fabricantes de equipamentos e AT&T, Sprint, Verizon, Telefônica, Telmex, Britsh Telecom e France Telecom representando as operadoras de serviços. Alguns bancos de dados também foram utilizados tais como: Infoview; FCC; Universidade de Michigan e Wiley InterScience. As capacidades tecnológicas inovadoras (mundança da estrutura organizacional - MEO, convergência de serviços e de tecnologia) ingressantes e resultantes de fusões e aquisições estratégicas foram obtidas a partir do levantamento dos principais mecanismos de fusões e aquisições (licenciamento de capacidade tecnológica; desenvolvimento de marketing&vendas; desenvolvimento de produtos). A dissertação não avalia as alianças estratégicas de empresas por merecerem estudos separados. Esta dissertação aborda como principal recomendação de estudo a avaliação do aprendizado através das fusões e aquisições estratégicas colaborativas. Logo o tema desta dissertação está focado e investigará as seguintes questões: 1.1 QUESTÕES DA DISSERTAÇÃO (i) Quais as principais capacidades tecnológicas ingressantes disponibilizadas em processos de fusões e aquisições estratégicas em indústria de telecomunicações multinacional? (ii) Quais foram as capacidades tecnológicas resultantes desses processos de fusões e aquisições estratégicas em indústria de telecomunicações multinacional? (iii) Até que ponto tais processos tem contribuído para a convergência de tecnologia e de serviços em indústrias multinacional de telecomunicações?

18 5 1.2 ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO Além deste capítulo introdutório (Capítulo 1), a dissertação é composta por oito capítulos. Capítulo 2 Contexto Empírico do Estudo Este capítulo traz alguns estudos empíricos relacionados a fusões e aquisições estratégicas e capacidades tecnológicas na indústria de telecomunicações multinacional. Apresenta o objetivo de contextualizar e posicionar esta dissertação em relação à literatura existente sobre fusões e aquisições estratégicas na indústria de telecomunicações multinacional. Capítulo 3 Modelo de Análise da Dissertação Neste capítulo é apresentado o modelo de análise da dissertação, à luz do qual as evidências da dissertação serão examinadas e a abordagem estratégica mais adequada para a explicação de fusões e aquisições estratégicas. Também são apresentados os principais conceitos relacionados ao processo de obtenção de novos produtos e a fusões e aquisições estratégicas. Capítulo 4 Indústria de Telecomunicações Multinacional Este capítulo apresenta a contextualização do processo de obtenção de novas capacidades tecnológicas pela indústria de telecomunicações. O intuito é de oferecer o entendimento da importância da inovação tecnológica e das fusões e aquisições estratégicas como meio de obtenção de capacidades tecnológica inovadoras para a indústria de telecomunicações multinacional. O capítulo também aborda o setor de telecomunicações no Brasil Capítulo 5 Desenho e Método da Dissertação Este capítulo apresenta as questões da dissertação, o método aplicado para sua elaboração, tipo e fontes de dados, procedimentos de coleta de evidências.

19 6 Capítulo 6 Evidências Empíricas de Capacidade Tecnológica Ingressantes em Fusões e Aquisições Estratégicas Neste capítulo são apresentados os resultados empíricos sobre a capacidade tecnológica ingressantes em fusões e aquisições estratégicas. Capítulo 7 Evidências Empíricas de Capacidades Tecnológicas resultantes de Fusões e Aquisições Estratégicas Neste capítulo são apresentados os resultados empíricos sobre a capacidade tecnológica resultantes em fusões e aquisições estratégicas. Capítulo 8 Análise e Discussões Este capítulo analisa a participação dos dois perfis de empresa do setor de telecomunicações em fusões e aquisições estratégicas e as principais implicações das fusões e aquisições estratégicas no setor de telecomunicações. Capítulo 9 Conclusão Este capítulo apresenta as conclusões: sugestões e recomendações para futuros estudos sobre fusões e aquisições estratégicas no setor de telecomunicações.

20 7 CAPÍTULO 2 CONTEXTO EMPÍRICO DO ESTUDO O objetivo deste capítulo é examinar alguns estudos empíricos relacionados a fusões e aquisições estratégicas e capacidades tecnológicas na indústria de telecomunicações multinacional. Seção 2.1 apresenta alguns estudos sobre capacidades tecnológicas na indústria de telecomunicações multinacional; a Seção 2.2 apresenta alguns estudos sobre fusões e aquisições na indústria de telecomunicações multinacional. Finalmente, a Seção 2.3 apresenta alguns estudos brasileiros sobre a indústria de telecomunicações no Brasil para proporcionar ao leitor uma breve contextualização. 2.1 ESTUDOS SOBRE CAPACIDADES TECNOLÓGICAS NA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES MULTINACIONAL Os estudos empíricos nesta seção descrevem diferentes formas de absorção de capacidade tecnológica, dentro do segmento de telecomunicações. Além disso, apresenta a evolução da capacidade tecnológica no tempo. Nas décadas de 1980 e 1990 operadoras de serviços detinham os centros de pesquisa responsáveis pelos desenvolvimentos tecnológicos do setor. Os laboratórios ligados aos monopólios, como o Bell Lab da AT&T, o CNET da France Telecom e o CPqD eram responsáveis pela pesquisa inicial, pelo desenvolvimento e testes de protótipos, passando então para os fabricantes, que desenvolviam os produtos para fabricação. Mesmo sendo altamente inovativo, principalmente na área de equipamentos para comutação fixa, estudo realizado por Gaffard & Krafft (2000), constata que esse processo era lento, já que envolvia duas - ou mais - estruturas organizacionais (a operadora e o fabricante de equipamentos) em etapas seqüenciais. Tal estrutura, assim, impunha barreiras ao processo de inovação, já que o acesso às redes de telecomunicações era restrito apenas às operadoras e seus parceiros na fabricação de equipamentos. Além disso, a base de

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010.

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Embratel Participações S.A. ( Embrapar ) (BOVESPA: EBTP4, EBTP3) detém 99,2 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ), 100,0

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Síntese Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Overview OECD Communications Outlook : 2003 Edition As sínteses são excertos de publicações da OCDE, encontrando-se livremente disponíveis na

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD)

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL DE NOVOS PRODUTOS O esquema abaixo considera o conceito de design de produto, esboços

Leia mais

Sistema Produtivo. Perspectivas do Investimento em. Eletrônica. Instituto de Economia da UFRJ Instituto de Economia da UNICAMP

Sistema Produtivo. Perspectivas do Investimento em. Eletrônica. Instituto de Economia da UFRJ Instituto de Economia da UNICAMP Sistema Produtivo 08 Perspectivas do Investimento em Eletrônica Instituto de Economia da UFRJ Instituto de Economia da UNICAMP Após longo período de imobilismo, a economia brasileira vinha apresentando

Leia mais

OECD Communications Outlook 2005. Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português

OECD Communications Outlook 2005. Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português OECD Communications Outlook 2005 Summary in Portuguese Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE Sumário em Português Sumário Executivo Após a explosão da "bolha dot-com", a indústria de telecomunicações

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico A parceria prevê capitalização da empresa brasileira em até R$ 12 bi, reduzindo alavancagem e ampliando capacidade de investimento,

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA

GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA GRUPO OURO FINO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MODELO DE GESTÃO INOVAÇÃO ABERTA Ms.Lucimara C. Toso Bertolini. Gerente PD&I OURO FINO AGRONEGÓCIOS DIVISÃO SAÚDE ANIMAL 1987: Nasce a Ouro Fino

Leia mais

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações ões Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil em homenagem a Sérgio S Motta (1940 1998) S. Paulo, 3 de junho de 2008 Juarez Quadros

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications 09 de março de 2011 Mainstay Partners LLC 901 Mariners Island Blvd Suite

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Caio Mário da Silva Pereira Neto Fundação Getulio Vargas - Março 2007 caio.pereira@fgv.br Estrutura da Apresentação Convergência

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões São Paulo, 9 de outubro de 2006. 0 Apresentação da MKM Consulting 1 Mauro Martins Sócio Diretor da MKM Consulting MKM Consulting Mauro Martins

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Software as a Service aka SaaS Qual é o impacto disto no mercado de software?

Software as a Service aka SaaS Qual é o impacto disto no mercado de software? Software as a Service aka SaaS Qual é o impacto disto no mercado de software? Por Roberto Carlos Mayer Roberto Carlos Mayer Diretor da MBI (desde 1990) Mestre em Ciência da Computação (IME USP) e exprofessor

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

VoIP (Voz sobre IP): Trajetória Tecnológica e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Tecnológica

VoIP (Voz sobre IP): Trajetória Tecnológica e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Tecnológica IV CONGRESSO ACORN-REDECOM POLÍTICAS PÚBLICAS: IMPACTO SOCIOECONÔMICO DAS TICs NAS AMÉRICAS VoIP (Voz sobre IP): Trajetória e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Michele Cristina Silva

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Dezembro de 2012 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO Principais Vantagens Principais fontes de sinergia Principais cuidados Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

[Slide 1] Brazil R&D

[Slide 1] Brazil R&D [Slide 1] [Slide 2] Histórico Zetax & Batik P&D com Orientação ao Negócio, como forma de sobrevivência P&D de Ponta-a-Ponta Desde a busca de novas oportunidades e contatos com clientes à entrega e gerenciamento

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS

A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação IFTI1402 T25 A EVOLUÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE TI PARA ATENDER AS NECESSIDADES EMPRESARIAIS Marcelo Eustáquio dos Santos

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

Análise de custo projetado da plataforma SAP HANA

Análise de custo projetado da plataforma SAP HANA Um estudo Total Economic Impact da Forrester Encomendado pela SAP Diretora do projeto: Shaheen Parks Abril de 2014 Análise de custo projetado da plataforma SAP HANA Economia de custo proporcionada pela

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Clipping Farmacêutico

Clipping Farmacêutico Clipping Farmacêutico 18 de Setembro de 2015. Índice - Mercosul fará compra conjunta de remédios - Sem marca definida - Brasileira Eurofarma compra fábrica da Sanofi na Argentina - Cade aprova venda de

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente MÍDIA KIT 2014 Índice 03 A Empresa 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente A empresa Fundada em 2007, a empresa possui uma grade anual com diversos

Leia mais

NCR CONNECTIONS. CxBanking

NCR CONNECTIONS. CxBanking CxBanking NCR CONNECTIONS Nossa soluc a o multicanal permite aos bancos implementar rapidamente servic os empresariais personalizados em canais fi sicos e digitais. Um guia de soluções da NCR Visão geral

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO Contexto do módulo Gestão e Comercialização de Tecnologia Serviços de apoio da DIRTEC/CGTEC Perspectivas de análise da

Leia mais

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Daniela Ramos Teixeira Para vencer a guerra diária num cenário co-opetivo (competitivo e cooperativo), as empresas

Leia mais

Plano Aula 11 31/10/2011

Plano Aula 11 31/10/2011 Plano Aula 11 31/10/2011 - Vantagem Competitiva Estratégias Competitivas - Caso Verizon & ATT, Caso Dell e Land s End, Artigo TI e Vantagem Competitiva, Rede Vende Tudo 1 Estratégias Competitivas Básicas

Leia mais