MANUFACTURING EXECUTION SYSTEM. REPORTAGEM Segurança cibernética AUTOMAÇÃO E SUSTENTABILIDADE OPC UNIFIED ARCHITECTURE MEDIÇÃO DE NÍVEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUFACTURING EXECUTION SYSTEM. REPORTAGEM Segurança cibernética AUTOMAÇÃO E SUSTENTABILIDADE OPC UNIFIED ARCHITECTURE MEDIÇÃO DE NÍVEL"

Transcrição

1 Número 141 MANUFACTURING EXECUTION SYSTEM AUTOMAÇÃO E SUSTENTABILIDADE OPC UNIFIED ARCHITECTURE MEDIÇÃO DE NÍVEL REPORTAGEM Segurança cibernética ENTREVISTA Francisco Medina, Diretor da Digimed. InTech 141 1

2 6 Número INTECH MAGAZINE 66 ENGENHARIA ENGENHARIA ATRAVÉS DE OBJETOS Carlos M. Delgado. Tradução de Sérgio Pereira. ENTREVISTA 72 FRANCISCO MEDINA Diretor da Digimed. Sílvia Bruin Pereira, InTech América do Sul REPORTAGEM 75 SEGURANÇA CIBERNÉTICA INFORMAÇÕES A PROVA DE (QUE) RISCO Kiyomori Mori, jornalista freelance. 38 SEÇÕES CALENDÁRIO 04 TREINAMENTO 071 NEWSLETTER 78 EMPRESAS 81 PRODUTOS 82 CAPA 6 ANALÍTICA TECNOLOGIA TDL PARA MEDIÇÃO DE O2 GÁS Sérgio Rudiger, Mettler-Toledo. CAPA 12 ANALÍTICA GESTÃO EFETIVA DE VISCOSIDADE EM ASFALTO E ÓLEOS LUBRIFICANTES EM REFINARIAS Jonathan Cole, Cambridge Viscosity, e José Rodrigo Roger, Pensalab. CAPA 16 ANALÍTICA COMPARATIVO ENTRE ANALISADORES DE GÁS A LASER E SEUS MÉTODOS DE PROCESSAMENTO DE SINAL Richard Kovacich, Janardhan Madabushi e James Hobby, Servomex. 28 MEDIÇÃO DE NÍVEL MEDIÇÃO DE NÍVEL POR PRESSÃO DIFERENCIAL CONCEITOS, TECNOLOGIA, ACESSÓRIOS, ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E APLICAÇÕES. Genildo Marques Gonçalves, Yokogawa América do Sul. 34 MES SISTEMAS MES COLABORATIVOS. PROMOVENDO O DESEMPENHO DAS ORGANIZAÇÕES ATRAVÉS DA COLABORAÇÃO. Luiz Alberto Vieira, Honeywell. 38 MES MES (MANUFACTURING EXECUTION SYSTEM) UMA ABORDAGEM HISTÓRICA, CONCEITUAL E FUNCIONAL. Antonio Carlos Silva Mello e Carine Valentini Botinhão, SIX Automação. 46 OPC-UA OPC UA E MODELAMENTO SEMÂNTICO Marcos de Oliveira Fonseca, Accenture Plant and Automation Solutions. 51 OPC-UA OPC-UA MODELOS SEMÂNTICOS Alexandre Cabral Botelho, César Menin de Mello, Cristian Kohlmann e Maurício Simões Posser, Elipse Software. 57 OPC-UA DESMISTIFICANDO O OPC UNIFIED ARCHITECTURE (OPC-UA) João Henrique Aguiar de Abreu, Honeywell. 62 SUSTENTABILIDADE SMART PLANTS: A AUTOMAÇÃO COMO FERRAMENTA INDUTORA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO MERCADO DE ÓLEO E GÁS NATURAL. Carlos Eduardo Ribeiro de Barros Barateiro, Gilson B. A. Lima, José Rodrigues de Farias Filho e Luiz Antônio da Paz Campagnac, Universidade Federal Fluminense. InTech 141 3

3 artigo MES MES (MANUFACTURING EXECUTION SYSTEM) UMA ABORDAGEM HISTÓRICA, CONCEITUAL E FUNCIONAL. Antonio Carlos Silva Mello Especialista em Engenharia Mecatrônica e Coordenador de Automação; e Carine Valentini Botinhão Engenheira Eletricista e Supervisora de Automação, SIX Automação S.A. 1. INTRODUÇÃO Embora o termo MES (Manufacturing Execution System) já seja bastante conhecido no mercado, muitos profissionais do ramo da automação industrial ainda não conhecem integralmente a abrangência e as particularidades que esta sigla encerra. Soluções que recebem o rótulo de MES são tipicamente sistemas computadorizados que se encarregam de desempenhar um conjunto de atividades ou funções, cujo objetivo é gerir as operações de manufatura. Essa gestão visa basicamente melhorar a produtividade, diminuindo o tempo necessário para a produção e melhorando a qualidade dos itens produzidos. Para tanto, soluções MES se valem da obtenção e análise contínua de informações pertinentes à produção e aos recursos materiais e humanos utilizados nesta. Este artigo se propõe a abordar a solução MES historicamente e conceitualmente, tratando de suas principais funcionalidades e de sua integração com outros sistemas correlatos. 2. HISTÓRICO Antes da sigla MES ser criada, as primeiras soluções de manufatura integrada a computadores (do inglês Computer Integrated Manufacturing, ou simplesmente CIM) já surgiam na década de Nesses primeiros anos tratava-se ainda de soluções muito especificas, com metas e objetivos algumas vezes divergentes entre si. No final da década de 1980 a Purdue Research Foundation, entidade atrelada à universidade Purdue (Indiana, EUA), elaborou um modelo de referencia para CIM [1], em que um dos principais objetivos era definir um conjunto de metas a serem atingidas por sistemas desse tipo. Em 1990 o termo MES foi criado pela empresa AMR Research, para identificar sistemas CIM que atenderiam a um conjunto delimitado de funcionalidades relacionadas à gestão da produção [2][3]. Em 1992 surge a Manufacturing Execution Systems Association ou MESA (atualmente Manufacturing Enterprise Solutions Association), entidade formada por um grupo de desenvolvedores de software e integradores de sistemas, cujo objetivo era desenvolver no mercado conhecimentos relacionados a sistemas computadorizados de gerenciamento de produção no chão de fábrica. Neste mesmo ano a MESA publicou uma lista de 11 funções ou atividades que se propunham a definir uma aplicação MES, e o que se poderia esperar da mesma [4]. Em anos subsequentes a MESA desenvolveu um modelo representativo das funções de uma solução MES, chamado Modelo MESA. Para ampliar a relevância de um MES, principalmente sob a ótica de uma empresa como um todo, fez-se necessário que este tipo de solução estabelecesse relações de trocas de informação com outros sistemas, em especial os responsáveis pela gestão de negócio. Essa integração permitiu que os gestores de uma empresa possuíssem as informações necessárias para auxiliá-los na garantia da entrega de produtos de qualidade, dentro dos prazos estabelecidos e com boas relações custo-benefício. 38 InTech 141

4 MES artigo Estabelecer relações de troca de informações entre sistemas MES e sistemas de gestão de negócios era significativamente complexo sem uma normatização orientando como as mesmas deveriam ocorrer, principalmente quando se tratava de soluções de fornecedores distintos. Visando padronizar e facilitar essas interfaces de comunicação, a International Society of Automation (ISA) publicou no ano 2000 a primeira parte da norma ANSI-ISA-95 (Enterprise-Control System Integration). Tanto o modelo MESA quanto a norma ANSI-ISA-95 amadureceram e se consolidaram como referências para o mercado desde então. Atualmente o modelo MESA encontrase em sua terceira versão, e já foram publicadas quatro partes da norma ANSI-ISA-95, estando as duas primeiras partes da norma em sua segunda revisão, publicadas no ano de O MODELO MESA Visando inicialmente representar uma solução MES, e principalmente facilitar o entendimento de suas funcionalidades e interfaces com outros sistemas de gerenciamento e controle, a MESA desenvolveu o chamado "Modelo MESA". Com o passar dos anos e a consequente evolução do mercado este modelo evoluiu, e atualmente encontra-se em sua terceira versão. As versões do modelo MESA tiveram como base a lista de 11 funcionalidades publicadas pela MESA em 1992, (mencionada no item 2 deste artigo). Essas funcionalidades são[4]: 1. Alocação e Estado dos Recursos (Resource Allocation and Status): Gerenciamento de recursos que devem estar disponíveis para o trabalho de fabricação, tais como máquinas, ferramentas, habilidades (recursos humanos), materiais e equipamentos. Esta função tem como objetivo garantir que os recursos necessários estarão disponíveis, em condições de uso, nos locais adequados. 2. Programação das Operações (Operations/Detail Scheduling): Proporciona sequenciamento de atividades (operações) com base em prioridades, atributos, características associadas à produção dentre outros, visando reduzir o tempo gasto na preparação e ajustes necessários às tarefas. Gerencia com base nos recursos disponíveis, reconhecendo operações paralelas ou sobrepostas e identificando as alternativas possíveis, de forma a calcular o tempo de uso de cada equipamento. 3. Distribuição de Unidades de Produção (Dispatching Production Units): Gerencia o fluxo de unidades de produção sob a forma de tarefas, pedidos, lotes e ordens de serviço. Informações de despacho são apresentadas na sequência em que o trabalho precisa ser feito e conforme as mudanças ocorrem no chão de fábrica em tempo real. 4. Controle de Documentação (Document Control): Controla registros e formulários que devem acompanhar as unidades de produção, incluindo instruções de trabalho, receitas, desenhos, e procedimentos de operação padrão. A função se encarrega do envio de instruções até as operações, incluindo o fornecimento de dados para os operadores ou receitas para controles de dispositivo. Também pode incorporar os procedimentos de ações corretivas. 5. Aquisição de Dados (Data Collection/Acquisition): Obtenção dos dados operacionais e de parametrização da produção, podendo estes ser coletados manualmente ou automaticamente. Esses dados são usados para preencher os formulários e registros atrelados a unidades de produção. 6. Gerenciamento da Mão de Obra (Labor Management): Disponibiliza informações dos integrantes da equipe de trabalho, tais como frequência e certificados. Pode interagir com a função Alocação de Recursos (Resource Allocation and Status) para determinar a melhor distribuição de tarefas entre os profissionais. 7. Gerenciamento da Qualidade (Quality Management): Realiza análises em tempo real de dados coletados do chão de fábrica, para garantir a qualidade dos produtos e identificar problemas, podendo inclusive recomendar ações corretivas. 8. Gerenciamento do Processo (Process Management): Monitora os processos da produção com o objetivo de corrigi-los automaticamente ou fornecer suporte aos operadores para a realização das correções necessárias. Essas atividades podem ser interoperacionais, focandose especificamente em máquinas ou equipamentos, ou intraoperacionais, acompanhando o processo de uma operação para a próxima. 9. Gerenciamento de Manutenção (Maintenance Management): Acompanha e orienta as atividades para permitir a manutenção dos equipamentos e ferramentas, garantindo a sua disponibilidade para a produção quando necessário, e atendendo a programação de manutenção periódica ou preventiva. Pode manter um histórico de problemas ou eventos passados para auxiliar no diagnóstico de problemas. 10. Rastreamento e Genealogia da Produção (Product Tracking and Genealogy): Permite visualizar o fluxo do produto através do rastreamento da produção, incluindo profissionais envolvidos na produção; componentes e InTech

5 artigo MES materiais por fornecedor, lote e número de série; condições atuais de produção, e quaisquer alarmes ou exceções relacionadas ao produto. A função de rastreamento cria um registro histórico, que permite a rastreabilidade de todas essas informações atreladas a cada produto final. 11. Análise de Desempenho (Performance Analysis): Oferece relatórios dos resultados atuais das operações de manufatura, juntamente com a comparação com os dados históricos e resultados de negócios esperados. A primeira versão do modelo MESA, desenvolvido em 1996, focava-se em representar as relações de um MES com outros sistemas tais como ERP (Enterprise Resources Planning), SSM (Sales & Service Management), SCM (Supply Chain Management) e sistemas de controle tais como controladores programáveis e SDCDs (Sistemas digitais de controle distribuído). Essa versão ficou conhecida como modelo de contexto e se encontra representada na Figura 1. Onde: 1) Programação detalhada das Operações 2) Alocação e Estado dos Recursos 3) Distribuição de Unidades de Produção 4) Controle de Documentação 5) Rastreamento e Genealogia da Produção 6) Análise de Desempenho 7) Gerenciamento da Mão de Obra 8) Gerenciamento de Manutenção 9) Gerenciamento do Processo 10) Gerenciamento da Qualidade 11) Aquisição de Dados 12) Gerenciamento da Cadeia de Fornecimento 13) Gerenciamento de Recursos da Empresa 14) Gerenciamento de Vendas e Serviços 15) Engenharia de Produtos / Processos 16) Controles Figura 1 Modelo de Contexto (MESA, 2011). O modelo de contexto incorporava uma versão chamada de modelo funcional. Esta parte do modelo MESA, também publicada em 1996, "encapsula" as 11 funcionalidades publicadas em 1992 e sugere relações com os outros sistemas mencionados pelo modelo de contexto, conforme exibido na Figura 2. A segunda versão do modelo MESA, chamada de MES Colaborativo (ou c-mes), foi publicada pela MESA em 2002 e baseia-se na ideia de uso da informação simultânea em toda a cadeia de valor, e o modelo MESA sugeriu o relacionamento de vários sistemas para aplicações de sistemas colaborativos. Este modelo tinha a intenção de complementar os modelos e normas para operações e gestão da produção que haviam amadurecido ao longo da década anterior (dentre eles a ANSI-ISA-95) e está representado na Figura 3. Figura 3 Modelo de c-mes (MESA, 2011). Onde: 1) Rastreamento e Genealogia da Produção Figura 2 Modelo Funcional de MES (MESA, 2011). 2) Distribuição de Unidades de Produção 40 InTech 141

6 MES artigo 3) Alocação e Estado dos Recursos 4) Gerenciamento da Mão de Obra 5) Análise de Desempenho 6) Gerenciamento da Qualidade 7) Gerenciamento do Processo 8) Aquisição de Dados 9) Foco no Cliente (CRM, Gestão de Serviços) 10) Foco no Fornecimento (Contratos, SCP) 11) Foco nas Finanças e Desempenho (ERP, BI) 12) Foco em Conformidade (Gerenciamento de Documentos, EH&S) 13) Foco nos Produtos (CAD/CAM, PLM) 14) Controles (CLP, SDCD) 15) Foco em Logística (TMS, WMS) A terceira e atual versão do modelo MESA foi lançada em 2006 [5], após mudanças significativas na estrutura da MESA, que levaram inclusive a troca do nome da instituição para Manufacturing Enterprise Solutions Association, simbolizando o maior impacto que as informações de produção obtidas no chão de fabrica têm através de toda uma organização/ indústria. O objetivo deste modelo (exibido na Figura 4) é melhor reconhecer a importância das informações de produção, não só nos setores e camadas mais próximos ao chão de fábrica, como também a sua interação com aplicações de foco administrativo como um ERP (Enterprise Resource Planning) ou PLM (Product Lifecycle Management). Figura 4 Modelo MESA atual (MESA, 2012). Onde: 1) Manufatura enxuta 2) Conformidade com Qualidade e Regulamentação 3) Gestão de Qualidade dos Produtos 4) Empresa em Tempo Real 5) Gerenciamento do Desempenho dos Ativos 6) Iniciativas adicionais 7) Iniciativas estratégicas 8) Foco no Cliente (CRM, Gestão de Serviços) 9) Foco nas Finanças e Desempenho (ERP, BI) 10) Foco nos Produtos (CAD/CAM, PLM) 11) Foco em Conformidade (Gerenciamento de Documentos, EH&S) 12) Foco no Fornecimento (Contratos, SCP) 13) Foco na Confiabilidade dos Ativos (EAM, CMMS) 14) Operações de Negócios 15) Rastreamento e Genealogia da Produção 16) Alocação e Estado dos Recursos 17) Análise de Desempenho 18) Gerenciamento do Processo 19) Aquisição de Dados 20) Gerenciamento da Qualidade 21) Gerenciamento da Mão de Obra 22) Distribuição de Unidades de Produção 23) Foco em Logística (TMS, WMS) 24) Controles (CLP, SDCD) 25) Operações de Manufatura/Produção 26) Manufatura/Produção Este modelo está dividido em quatro níveis hierárquicos, que vão desde os processos físicos de produção (Manufacturing/ Production) até os níveis estratégicos e de gestão de negócios. No nível intermediário de gerenciamento da produção (Manufacturing/Production Operations) está a maioria das funções que originalmente definiam uma solução MES, embora esta sigla não seja mais mencionada nesta versão do modelo. O modelo atual sugere que o importante não é escolher uma solução que agrupe um conjunto previamente definido de funcionalidades, mas sim escolher soluções com base nas funcionalidades que são importantes para um determinado negócio, preocupando-se também em como estas funcionalidades se relacionarão umas com as outras. Os relacionamentos ou trocas de dados entre funções, principalmente entre as que estão hierarquicamente inseridas no nível de gerenciamento da produção e no nível de gerenciamento de negócios são tratados pela norma ANSI/ISA-95, discutida a seguir. InTech

7 artigo MES 4. A NORMA ANSI/ISA-95 A norma ANSI/ISA-95 trata primordialmente de trocas de dados entre sistemas de gestão de negócios e sistema de gestão de operações de manufatura. Para que essas interfaces de comunicação sejam mais eficientes alguns pontos importantes são tratados: desempenhadas pelos vários sistemas. essas funções Uso de terminologia padronizada A parte 1 da norma [6] define a terminologia padrão, com o objetivo de melhorar a comunicação entre funções, evitando o uso de termos diferentes para um mesmo item/módulo, ou o uso de um mesmo termo para itens distintos. É importante que uma solução, independentemente de se tratar de um sistema de gestão de negócios ou de gestão de manufatura (como um produto MES), utilize a terminologia definida na norma para evitar mal-entendidos que podem levar a falhas ou perdas de tempo na interpretação de nomenclatura não padronizada [7] Distribuição hierárquica de funções ou atividades A norma define que as funções a serem desempenhadas pelos sistemas devem ser distribuídas em grupos conforme a sua natureza. Essas funções, agrupadas, são distribuídas num modelo hierárquico funcional dividido em cinco níveis, abrangendo desde os processos físicos de produção até o nível de gerenciamento do negócio. Com isso a norma define o escopo e os limites de cada grupo funcional, assim como as relações de troca de dados entre eles, como mostra a Figura 5. Onde: Nível zero: Indica a planta ou processo, normalmente o processo físico de fabricação ou de produção. Nível um: Refere-se aos sensores e atuadores usados para monitorar e manipular o processo. Nível dois: Monitoração, supervisão e controle dos processos de produção. Dependendo da estratégia adotada o nível dois pode incluir controladores programáveis, SDCDs (sistemas digitais de controle distribuídos), sistemas SCADA (Supervisory Control And Data Acquisition) etc. Nível três: Determina o fluxo de trabalho/controle de receitas para produzir os produtos finais desejados. Nele são realizadas a manutenção de registros e a otimização dos processos de produção. Nível quatro: Estabelece o cronograma de planta básica da produção, utilização, entrega e transporte de materiais. Nele também são determinados os níveis de estoque. As funções associadas a soluções MES estão hierarquicamente posicionadas no nível três deste modelo, embora seja importante ressaltar que esse nível não é dedicado exclusivamente a soluções chamadas de MES. Ou seja: existem funcionalidades classificadas como nível três que normalmente são desempenhadas por soluções com outras denominações, tais como Laboratory Information Management System (LIMS), Warehouse Management System (WMS) e Computerized Maintenance Management System (CMMS). Desta forma, o conjunto de funções e atividades posicionadas no nível três é integrante de um grupo identificado pela norma como Gestão das Operações de Manufatura (do termo em inglês Manufacturing Operations Management, ou simplesmente MOM). Sistemas computadorizados adequados ao gerenciamento de todas essas funções ou de parte delas, independente da nomenclatura utilizada, estariam enquadrados nesse nível. Figura 5 Hierarquia Funcional (ANSI/ISA ) Funções a serem desempenhadas pelo nível três da hierarquia funcional A norma ANSI/ISA-95 descreve as principais funções de gestão de operações de manufatura (nível 3 da hierarquia funcional proposta pela ANSI/ISA-95) de forma muito semelhante a MESA. A tabela a seguir associa as definições de funções definidas pela ANSI/ISA-95 (ANSI/ISA , itens até ) com as definições publicadas pela MESA em InTech 141

8 MES artigo 4) Contabilidade de Custos dos Produtos 5) Administração de Transporte dos Produtos 6) Controle de Materiais e Energia 7) Controle de Produção 8) Gestão de Operação de Qualidade 9) Gestão de Operações de Estoque 10) Controle de Estoque de Produtos 11) Aquisição 12) Gestão de Operações de Manutenção 13) Garantia de Qualidade 14) Gestão da Manutenção 15) Desenvolvimento de Pesquisa e Engenharia Figura 6 Comparação funcional entre ANSI/ISA-95 e MESA Relações de troca de dados O foco da norma ANSI-ISA-95 está nas relações de troca de informações entre o nível três (Gerenciamento de Operações de Manufatura) e o nível quatro (Planejamento de Negócios e Logística), assim como na troca de informações entre as diversas funções hierarquicamente posicionadas no nível três. A Figura 7 apresenta o Modelo para o Gerenciamento de Operações de Manufatura [8], onde as atividades de gerenciamento de operações de manufatura (MOM) estão contidas na área delimitada pela linha tracejada grossa. Esta linha justamente representa a interface entre os níveis três e quatro da hierarquia funcional. O modelo também exibe as principais trocas de dados (setas) entre diversos grupos funcionais (elipses). 16) Marketing e Vendas O gerenciamento de operações de manufatura (onde se enquadram as funcionalidades de produtos MES) está dividido em quatro operações de fabricação: production operations management) maintenance operations management) quality operations management) inventory operations management) Cada uma das quatro operações mencionadas acima possui um conjunto de atividades que se relacionam entre si através de fluxos de dados. A Figura 8 representa o modelo genérico (aplicável para as operações de Produção, Manutenção, Qualidade ou Estoque) que identifica os fluxos de dados possíveis dentro das operações de fabricação. Figura 7 Modelo para o Gerenciamento de Operações de Manufatura (ANSI-ISA ). Onde: 1) Processamento de Pedidos 2) Programação da Produção 3) Gestão de Operações de Produção Figura 8 Modelo genérico de atividades para MOM (ANSI-ISA ). InTech

9 artigo MES As ovais representam as principais atividades do modelo, que são: 1) Programação detalhada (Detailed scheduling) 2) Gestão de recursos (Resource management) 3) Rastreamento (Tracking) 4) Despacho (Dispatching) 5) Análise (Analysis) 6) Gestão das definições (Definition management) 7) Coleta de dados (Data Collection) 8) Gestão da execução (Execution management) E as interfaces com o nível quatro da hierarquia funcional são: 9) Definições das Operações (Operations definitions) 10) Capacidade das Operações (Operations capability) 11) Requisição de Operações (Operations request) 12) Resposta das Operações (Operations response) Quando o fluxo de dados entre as operações de fabricação (setas) exibido na Figura 7 cruza a fronteira entre os níveis três e quatro da hierarquia funcional, o detalhamento das informações que podem ser trocadas é definido pela parte 2 da norma. A Figura 9 exibe o modelo de informações das operações de manufatura definido pela parte 2 da norma, onde são identificados os fluxos de troca de informações entre as diversas operações e o nível quatro da hierarquia funcional (extremos superior e inferior da figura). A norma então define os objetos e suas respectivas estruturas de dados (ou atributos) associados a cada fluxo. Desempenho / Resposta da Operação (Operation Performance / Response): Informações sobre o trabalho realizado. Definição da Operação (Operation Definition): Informações sobre a definição do trabalho que poderia ser realizado. Capacidade da Operação (Operation Capability): informações sobre os recursos para executar o trabalho. Cada uma destas categorias de informação possui um modelo genérico e diversos objetos associados a ele. A Figura 10 mostra, como exemplo, o modelo de troca de informações de Programação / Solicitações de Operações, com seus diversos objetos (representados como retângulos) [9]. O modelo é genérico, pois pode ser aplicado para Programação/Solicitações referentes às operações de Produção, Manutenção, Qualidade ou Estoque. Figura 10 Modelo de troca de informações de Programação/ Solicitações das Operações (WBF, 2011). Complementando o exemplo, a Figura 11 exibe os atributos do primeiro objeto do modelo, chamado programação de operações (Operations Schedule). Dentre os atributos deste objeto tem-se o Tipo de Operação (Operations Type) que define se a operação em questão será de Produção, Manutenção, Qualidade ou Estoque. Figura 9 Informações das operações de manufatura (ANSI/ISA ). Pode-se observar que as operações de fabricação (Produção, Manutenção, Qualidade e Estoque) possuem quatro categorias principais de informação sendo trocadas: Programação / Solicitações da Operação (Operation Schedule / Request): Informações recebidas do nível quatro relacionadas às solicitações para executar o trabalho. Figura 11 Atributos do objeto Programação da Operação (WBF, 2011). 44 InTech 141

10 MES artigo As trocas de informações podem ser realizadas de várias formas, desde o envio de um formulário preenchido em papel até uma troca de informações automática entre bancos de dados. O ideal é que essas trocas ocorram da forma mais automática possível. Como muitas vezes esses sistemas são de fabricantes diferentes, padronizar como essa comunicação ocorrerá e quais atributos serão trocados é uma questão muito importante a ser considerada. Uma alternativa para estabelecer um modelo de dados comum para essa comunicação foi desenvolvida pelo World Batch Forum (WBF), o B2MML (Business To Manufacturing Markup Language) [10]. O B2MML é um conjunto de esquemas XML que implementam os modelos de dados da norma ISA-95. A versão atual do B2MML (v0500) já é aderente às versões de 2010 das partes 1 e 2 da norma (ANSI/ ISA e ANSI/ISA ). 5. CONCLUSÕES Existem vários pontos a serem considerados na avaliação de uma solução que possa ser classificada como MES, e é importante realizar essas considerações com base em normas e bases de conhecimento de entidades reconhecidas como a MESA e a ISA. Analisando o que foi exposto nesse artigo, pode-se notar que as definições e informações disponibilizadas por essas duas entidades são complementares, e é bastante recomendável utilizar ambas durante o processo de especificação e escolha de uma solução. O nível de aderência à norma ANSI/ISA- 95 de uma determinada solução MES fornece indícios do quão eficiente a mesma será em se integrar a sistemas de gerenciamento de negócios (também aderentes à norma). Já ao avaliar uma solução perante o modelo MESA comparase esta a uma base de conhecimento com a contribuição de diversos fabricantes e profissionais do ramo de soluções de manufatura, ou seja, com as melhores práticas relacionadas à tecnologia de informação e gestão. Esta avaliação auxiliará na escolha da melhor solução de mercado disponível, assim como na seleção das melhores técnicas para sua implementação. Outro ponto importante a se destacar é que um produto MES que tenha se mostrado um sucesso para uma determinada indústria não é necessariamente o mais adequado para outra. O que realmente importa para a seleção de uma solução de gestão e manufatura (que não necessariamente precisa receber o rótulo de MES) é saber se as atividades ou funções necessárias para a indústria em questão estão incorporadas, são de utilização adequada e estão corretamente integradas entre si para atender às necessidades da indústria em questão. Também é importante definir quão automaticamente devem ocorrer as trocas de informações entre o MES e os processos de produção no chão de fábrica, assim como entre o MES e os sistemas de gestão de negócios. A aderência à norma ANSI/ISA-95 e as facilidades apresentadas para coletar e enviar dados são itens bastante importantes a serem considerados na especificação de uma solução deste tipo. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] ISA International Society of Automation. A Reference Model for Computer Integrated Manufacturing (CIM) - A Description from the Viewpoint of Industrial Automation, Disponível em PurdueReferenceModel/ReferenceModel.html. Acesso em 14 de fevereiro de [2] Logistic Log. AMR Research Finds Global Manufacturing Execution System (MES) Market Revenue Crossed $1B Marker in Disponível em: com/2009/01/amr-research-finds-global-manufacturing.html. Acesso em 7 de fevereiro de [3] Wikipedia The Free Encyclopedia. AMR Research. Disponível em: Acesso em 7 de fevereiro de [4] MESA - Manufacturing Enterprise Solutions Association. MESA White Paper 39 - MESA Model Evolution, Disponível em: https://services.mesa.org/resourcelibrary/ ShowResource/73b23d9e-133e-456b-b844-d7ba5ff8278a. Acesso em 5 de fevereiro de [5] MESA - Manufacturing Enterprise Solutions Association. MESA Model. Disponível em: modelstrategicinitiatives/mesamodel.asp. Acesso em 10 de fevereiro de [6] ISA International Society of Automation. ANSI/ISA Enterprise-Control System Integration Part 1: Models and Terminology, [7] ISA-95.com. ISA-95 Enterprise Control Systems. Disponível em: Acesso em 26 de fevereiro de [8] ISA International Society of Automation. ANSI- ISA Enterprise-Control System Integration Part 3: Activity Models of manufacturing Operations Management, [9] World Batch Forum (WBF). Business to Manufacturing Markup Language - B2MML Operations Schedule - Version 0500 March Operations Schedule Schema Documentation, Disponível em: files/b2mml-batchml%20v0500%20schemas-word-pdf.zip. Acesso em 14 de março de [10] World Batch Forum (WBF). Business to Manufacturing Markup Language (B2MML). Disponível em: com/displaycommon.cfm?an=1&subarticlenbr=99. Acesso em 14 de março de InTech

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

MES e Eficiência de Linhas de Produção

MES e Eficiência de Linhas de Produção MES e Eficiência de Linhas de Produção por Edson Donisete da Silva e Carlos Roberto Sponteado Melhora constante no processo produtivo. Aumento da qualidade do produto que é entregue ao cliente final. Redução

Leia mais

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente Core Business Soluções para controle e gestão de processos. Mercados Alvo Alimentos; Nutrição animal; Polímeros; Química Auto peças. Unidade

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Roberto Campos MAXMES Agenda Introdução Definição de Métricas M de Operações e KPIs Sistemas

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Redes Industriais Professor Affonso Alessandro J. de Souza / Affonso Guedes Objetivos Discorrer

Leia mais

Sumário. TI Industrial Mercado Empresas Perfil do profissional Disciplinas Conclusão

Sumário. TI Industrial Mercado Empresas Perfil do profissional Disciplinas Conclusão Prof. Ricardo Lüders (DAINF/CPGEI) Prof. Flávio Neves Jr (DAELN/CPGEI) Sumário TI Industrial Mercado Empresas Perfil do profissional Disciplinas Conclusão Vídeo: STUXNET http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=dbmlkomu3au

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

MANUFATURA DE ALTO DESEMPENHO COM PLM, MES/MOM E ERP

MANUFATURA DE ALTO DESEMPENHO COM PLM, MES/MOM E ERP MANUFATURA DE ALTO DESEMPENHO COM PLM, MES/MOM E ERP ProIndústria-Fórum 2012 02 03 de outubro Excelência Operacional na Manufatura Luiz Egreja Engenheiro Eletricista pela EFEI com MBA pela FIA/FEA - USP

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) 1 ERP Sistema para gestão dos recursos administrativos-financeiros,

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa STRAIGHT MANUFACTURE Consultoria Logística e Industrial Apresentação da Empresa 1 Apresentação pessoal Bruno S. Ferreira Sócio-diretor da Responsável pelas áreas de: Logística Produtividade industrial

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

TECNOLOGIA NC-MES. Coleta de dados no chão de fábrica. ApontamentoS PRECISOS Coleta de dados no local e no momento de origem

TECNOLOGIA NC-MES. Coleta de dados no chão de fábrica. ApontamentoS PRECISOS Coleta de dados no local e no momento de origem Supervisão e monitoração da produção Análise de perdas, falhas e causas Indicadores de desempenho OEE e TRS O chão de fábrica em tempo real Mesmo quando todas as variáveis são idênticas mesmo produto,

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Tecnologias de GED Simone de Abreu

Tecnologias de GED Simone de Abreu Tecnologias de GED Simone de Abreu A rapidez na localização da informação contida no documento é hoje a prioridade das empresas e organizações, já que 95% das informações relevantes para o processo de

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

08/03/2009. Como mostra a pirâmide da gestão no slide seguinte... Profª. Kelly Hannel. Fonte: adaptado de Laudon, 2002

08/03/2009. Como mostra a pirâmide da gestão no slide seguinte... Profª. Kelly Hannel. Fonte: adaptado de Laudon, 2002 Pirâmide da Gestão Profª. Kelly Hannel Fonte: adaptado de Laudon, 2002 Diferentes tipos de SIs que atendem diversos níveis organizacionais Sistemas do nível operacional: dão suporte a gerentes operacionais

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6 Introdução Há 50 anos, as cadeias eram gerenciadas por lápis, papel e calculadora. Hoje existem softwares. Esta parte da aula fará um tour pelos tipos de softwares

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro.

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. www.accenture.com.br/carreiras www.facebook.com/accenturecarreiras www.twitter.com/accenture_vagas Quem somos A Accenture é uma

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Por Giovanni Giazzon, PMP (http://giazzon.net) Gerenciar um projeto é aplicar boas práticas de planejamento e execução de atividades

Leia mais

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte

Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte Gerenciamento Integrado de Ferramentas de Corte DESAFIOS DA INDÚSTRIA Eng. Jardel Lemos do Prado jardel.prado@adeptmec.com Eng. Rafael B. Mundim mundim@ita.br SUMÁRIO Histórico 1900-2000 Definição do Gerenciamento

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence)

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) RELATÓRIO DE ESTÁGIO: Tânia Cristina Leite RA: 046567 Orientador: Prof. Dr. Aurelio Ribeiro Leite de Oliveira FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) Universidade Estadual de Campinas Instituto

Leia mais