EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES"

Transcrição

1 MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES

2 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação e o ERP O objetivo deste paper é acompanhar a evolução do conceito de MES (Manufacturing Execution System) desde sua criação em 1990 até os dias de hoje. O termo MES foi cunhado em 1990 pela AMR Research, uma empresa fundada em 1986 para prover serviços de orientação e pesquisas para diversas áreas da indústria. Este primeiro conceito caracterizou o MES como uma classe de sistemas de informação que reside na camada de software que fica entre os sistemas de automação no chão de fábrica e os sistemas corporativos da companhia (ERP). Em 1997 a MESA International (Manufacturing Enterprise Solutions Association), entidade mundial sem fins lucrativos que congrega uma comunidade de indústrias e provedores de soluções de hardware e software apresentou sua definição para MES, em sintonia com o conceito da AMR. Passados 7 anos, em 2004, a MESA apresentou uma extensão ao conceito original do MES, em um modelo chamado de Collaborative MES Model ou c-mes. Este modelo é definido por uma estratégia denominada de Collaborative Manufacturing na qual todas as organizações e indivíduos tanto internos quanto externos a uma corporação trabalham juntos. A International Society of Automation (ISA) é uma organização global sem fins lucrativos fundada em 1945 com o objetivo de emitir padrões para automação. Dentre estes encontra-se a famosa norma ISA-95, composta por várias partes com o objetivo de prover integração entre os ERPs e o sistemas de controle. As partes 4 (ainda em draft) e 5 desta norma estabelecem respectivamente fluxos de dados e protocolos de trocas de informações, também no caminho da integração. Finalmente a ARC Advisory Group, empresa fundada em 1986 para pesquisa e orientação em manufatura, energia e soluções de supply chain, propôs um modelo denominado de Collaborative Manufacturing Management (CMM), onde define uma visão holística da manufatura, incluindo toda a sua complexidade de interações, suas aplicações e processos. Como se pode ver, as maiores entidades internacionais na divulgação de conceitos, normas, modelos e idéias sobre MES convergem para um mesmo ponto, que é a integração dos sistemas de execução da manufatura com toda a cadeia de supply de chain de uma forma colaborativa Maxmes 1

3 2.0 Conceito da MESA O conceito de MES que começou a ser mais utilizado foi proposto por um white paper da MESA, juntamento com seu modelo funcional O primeiro conceito de MES mais adotado pela comunidade foi proposto pela MESA International em 1997 em um de seus primeiros white papers, conforme explicado a seguir. Manufacturing Execution Systems (MES) gerenciam informações que envolvem a otimização de atividades de produção desde o início de uma ordem de produção até os produtos acabados. Usando dados atuais e confiáveis o MES guia, inicia, responde para e reporta as atividades da planta da forma como elas ocorrem. O resultado é uma resposta rápida para as mudanças de condições, combinada com um foco na redução das atividades que não agregam valor, direcionando-o para os processos e operações mais importantes da planta. MES potencializa o retorno dos ativos operacionais como também o tempo de entrega, rotatividade de inventário e melhores resultados de margem bruta e fluxo de caixa. MES provê informação de missão-crítica sobre as atividades de produção através da corporação e da cadeia de suprimento em uma via bidirecional. Este white paper da MESA definiu um Modelo Funcional de MES que possuia 11 funcionalidades, conforme mostrado no desenho da figura 1. São elas: Alocação de Recursos, Programação Detalhada, Distribuição de Unidades de Produção, Controle de Documentação, Gerenciamento do Trabalho, Gerenciamento de Qualidade, Gerenciamento do Processo, Gerenciamento da Manutenção, Rastreabilidade & Genealogia de Produtos e Análise de Desempenho. Para cada funcionalidade foram listadas as funções que um MES deveria ter. As funções do MES estão dentro do hexágono em cinza, conectando-se com as funções externas. Os Controles referem-se a automação do chão de fábrica. Vendas, Planejamento de Recursos e Engenharia de Produto/Processo são pertinentes a camada do nível corporativo da indústria. Somente uma conexão é atribuída à integração com o Gerenciamento de Supply Chain. Fig 1 Modelo Funcional de MES-1997 O objetivo destes conceitos foi o de começar a organizar a elaboração de soluções e produtos de MES que estavam iniciando na época sua entrada no mercado. Neste período era uma prática comum confrontar as funções de um MES com esta definição para verificar se o sistema estava desempenhando o papel para o qual foi criado Maxmes 2

4 3.0 Conceito Revisitado da MESA C-MES provê melhor controle sobre as operações como também melhor visibilidade dos valores dos processos de manufatura nas empresas e na cadeia de suprimentos O conceito revisitado do MES pela MESA está ligado a Manufatura Colaborativa, uma estratégia para permitir que indivíduos e organizações trabalhem juntos para obterem vantagens mútuas. A Manufatura Colaborativa permite que múltiplos grupos ajam de forma integrada, definindo planos e políticas, aderindo à ações e executando operações. Permite uma maior agilidade e é centrada no cliente. Mas esta estratégia requer que os processos de negócio necessitem mais entradas e interações que os processos tradicionais. Para suportar a Manufatura Colaborativa os sistemas de informação devem integrar e agregar informações através dos negócios da manufatura e também dos seus fornecedores, parceiros comerciais e clientes. Deverá ter meios para inteligentemente distribuir esta informação através das várias entidades de negócio. O conceito revisitado de MES pela MESA é conhecido como c-mes ou Collaborative Manufacturing Execution Systems. Estes sistemas combinam as funcionalidades anteriores com a habilidade para se integrar com outros sistemas e pessoas na empresa e com valores da cadeia de suprimentos. Collaborative Execution Systems ou c-mes incluem oito grupos de funções que interagem com outros sistemas e pessoas tanto internamente na empresa quanto externamente na cadeia de suprimetos. Isso é mostrado na figura 2. As funções são: 1- Alocação de Recursos 2- Distribuição de Unidades de Produção 3- Coleta e Aquisição de Dados 4- Gerenciamento do trabalho 5- Gerenciamento da Qualidade 6- Gerenciamento do Processo 7- Rastreabilidade & Genealogia de Produtos 8- Análise de Desempenho Fig 2 Novo Modelo Funcional de MES-2004 Estas funções alcançam a operação na planta e podem ser coordenadas entre diversas plantas. O objetivo do c-mes é prover melhores práticas de controle sobre as operações como também melhor visibilidade dos valores do processos da manufatura nas empresas e na cadeia de suprimentos Maxmes 3

5 4.0 A Norma ISA-95 A Norma ISA-95 não é um sistema de automação, mas um método, uma maneira de trabalhar, pensar e se comunicar A Norma ISA-95 pode ser encarada como um método, ou uma maneira de trabalhar e de se pensar. Este método é descrito em diversos documentos ou partes, cada um com centenas de páginas. Contém modelos e terminologia para auxiliar na análise de uma companhia manufatureira. Cada um dos modelos focam em específicos aspectos de integração. A parte 1 define modelos e terminologia através de um modelo funcional e um modelo de equipamentos para a planta, ambos de estrutura hierárquica. A parte 2 propõe um modelo de objetos com todos os seus atributos para permitir a integração entre ERPs e Sistemas de Controle. A parte 3 contém as atividades do Modelo de Operações da Manufatura (MOM), mostrado na fig 3. Contém todas as boas práticas que devem ser aplicadas ao controle da manufatura nas categorias de Produção, Manutenção, Qualidade e Inventário. A parte 4 propõe uma padronização de fluxos de dados entre ERPs e Sistemas MES, incluindo sistemas de manutenção, de armazenamento (WMS) e de laboratório (LIMS). Finalmente a parte 5 descreve uma espécie de protocolo para pemitir a troca de informações definida na parte 4. Resource management Definition management Detailed scheduling Dispatching Execution Tracking Data collection Fig 3 Atividades do Modelo de Operações da Manufatura Analysis A Norma ISA-95 não traz explicitamente uma definição de MES, mas pode-se dizer que ela é a própria definição, pois apresenta modelos que poderão ser usados para se construir Sistemas MES. O Modelo de Operações da Manufatura da parte 3 traz um modelo genérico de atividades que pode ser aplicado a qualquer tipo de processo industrial. O modelo, mostrado na figura 3, é o mesmo para as 4 categorias de Produção, Manutenção, Qualidade e Inventário. Para cada categoria e atividade há uma definição similar e uma lista diferente de tarefas que cada uma deve cumprir. Mas as definições das atividades e tarefas podem ser aplicadas a qualquer processo, pois dizem respeito ao controle e não ao processo em si. A Norma ISA-95 possui um grande nível de detalhe e permite seu uso para fazer-se uma avaliação de maturidade do controle da manufatura em uma indústria. São feitos levantamentos na empresa para se determinar os gaps que existem entre o que é praticado e o que é proposto pela norma Maxmes 4

6 5.0 Gerenciamento da Manufatura Colaborativa CMM provê uma visão holística da manufatura, representando em cada nó da mesma 3 eixos que o atravessam: empresa, cadeia de valor e ciclo de vida Uma visão holístia da manufatura, a Collaborative Manufacturing Management (CMM) provê uma maneira de se pensar sobre as complexas interações, aplicações e processos de uma manufatura. A ARC é a única empresa a representar o CMM através de 3 eixos, que são o coração do modelo. CMM alavanca novas tecnologias para construir relacionamentos robustos com parceiros comerciais. Ele enfatiza o Business Process Model (BPM) para prover desempenho operacional e competitivo. CMM junta manufatura interna e processos de negócios e os conecta de forma sincronizada com processos de negócios externos de clientes e parceiros estratégicos. Reconhecendo que hoje a indústria precisa operar com a informação em tempo real, CMM provê um enfoque holístico para as operações e processos. CMM reconhece que cada situação da manufatura é única e depende de fatores como indústria, tamanho, técnica de manufatura, degrau de verticalização, mix do cliente consumidor ou industrial, competidores e outros. O conceito de Collaborative Manufacturing reflete a necessidade da manufatura de ser mais conectada internamente e mais flexível, ágil e de rápida resposta. Uma rede de manufatura colaborativa consiste de nós de manufatura conectados por material, informação e fluxos de processo. Cada nó engloba 3 eixos: Empresa, Cadeia de Valor e Ciclo de Vida. Acima do plano central estão as funções de negócio. Abaixo estão as funções de produção, em geral executadas através de um número de processos manuais e sistemas legados. Estas serão suportadas por componentes colaborativos capazes de orquestrar as funções como em um concerto, com os objetivos de negócio do nó e a dinâmica competitiva das cadeias de valores, nas quais o nó ou a empresa participam. Fig 4 Collaborative Manufacturing Management A ARC e o modelo CMM definem os requerimentos para um sistema de informações que possam endereçar os elementos chaves da manufatura colaborativa. O modelo também reconhece a necessidade para suportar a execução interna e terceirizada de todas as atividades da empresa através da definição de soluções para diferentes unidades funcionais e para uma cadeia de suprimentos estendida Maxmes 5

7 6.0 Resumo e Conclusões O primeiro conceito de Manufacturing Execution System (MES) foi criado pela AMR Research em 1990, como uma camada de software entre a automação e o ERP que representava uma espécie de terra de ninguém. Passados 7 anos, a MESA International conceitou melhor o termo e listou as 11 funcionalidades requeridas para o MES. Todas as entidades responsáveis pela conceituação e padronização do MES concordam que seu novo conceito o coloca como parte da integração de toda a cadeia de suprimentos A partir de 1995 a ISA começou a emitir os drafts da sua norma ISA-95, definindo os níveis das camadas de software (4-ERP; 3-MES; 2,1,0- Automação) e propondo vários modelos e terminologias para serem utilizados nos sistemas do tipo MES. A partir de 2004 a abrangência do MES, que antes estava restrita ao espaço entre a automação e o ERP agora começa a ser estendida para uma conectividade com fornecedores, parceiros e clientes, dentro do modelo da Manufatura Colaborativa. A MESA revisitou seu conceito de MES e a ARC introduziu 3 eixos dentro do modelo do CMM. A ISA-95 em suas partes 4 e 5 mostra que também se preocupou com a questão da integração de todas as funções do MES. Para finalizar a evolução dos conceitos de MES, resta uma pergunta: como será possível tamanha integração de entidades diferentes, já que existe um sem número de softwares, soluções e produtos e outro sem número de plataformas, linguagens e sistemas operacionais? A resposta a esta pergunta parece estar em uma arquitetura de programação que vem tomando força no mercado e sendo perseguida pelos fabricantes de software: o SOA (Service Oriented Architecture). Esta arquitetura provê um conjunto de princípios de governança de conceitos e mudanças para a integração de sistemas. De forma prática, o SOA irá permitir que implementemos uma solução usando serviços de diferentes produtos, orquestrados por uma linguagem tipo BPM (Business Process Model). Isso quebra o paradigma da aplicação ou produto como um monobloco e abre espaço para uma solução centrada no negócio e não na aplicação. Com a evolução dos produtos para MES e da arquitetura SOA é possível que consigamos desenvolver soluções totalmente aderentes ao novos conceitos do MES Maxmes 6

8 7.0 Referências Swanton, B MES Five Years Later: Prelude To Phase III AMR Research Mesa MES Explained: A High Level View. White Paper Number 6, Manufacturing Enterprise Solutions Association, Pittsburgh. Mesa Collaborative Manufacturing Explained. White Paper Number 9, Manufacturing Enterprise Solutions Association, Pittsburgh. Mesa MESA s Next Generation Collaborative MES Model. White Paper Number 8, Manufacturing Enterprise Solutions Association, Pittsburgh. Isa Ansi/isa , enterprise control system integration, part 1: Models and terminology. Isa. 2005a. Ansi/isa , enterprise control system integration, part 3: Activity models of manufacturing operations management. Isa. 2005b. Ansi/isa , draft: Enterprise control system integration, part 4: Object models and attributes for manufacturing operations management. ARC Reference Sheet. Collaborative Manufacturing Management Contemporary Manufacturing Concepts, Terminology, and Architecture Maxmes 7

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Roberto Campos MAXMES Agenda Introdução Definição de Métricas M de Operações e KPIs Sistemas

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente Core Business Soluções para controle e gestão de processos. Mercados Alvo Alimentos; Nutrição animal; Polímeros; Química Auto peças. Unidade

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

MANUFACTURING EXECUTION SYSTEM. REPORTAGEM Segurança cibernética AUTOMAÇÃO E SUSTENTABILIDADE OPC UNIFIED ARCHITECTURE MEDIÇÃO DE NÍVEL

MANUFACTURING EXECUTION SYSTEM. REPORTAGEM Segurança cibernética AUTOMAÇÃO E SUSTENTABILIDADE OPC UNIFIED ARCHITECTURE MEDIÇÃO DE NÍVEL Número 141 MANUFACTURING EXECUTION SYSTEM AUTOMAÇÃO E SUSTENTABILIDADE OPC UNIFIED ARCHITECTURE MEDIÇÃO DE NÍVEL REPORTAGEM Segurança cibernética ENTREVISTA Francisco Medina, Diretor da Digimed. InTech

Leia mais

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial

Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Gerência da Informação nos Processos de Automação Industrial Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Redes Industriais Professor Affonso Alessandro J. de Souza / Affonso Guedes Objetivos Discorrer

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems

PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems PIMS & MES Process Information Management Systems & Manufacturing Execution Systems Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

MANUFATURA DE ALTO DESEMPENHO COM PLM, MES/MOM E ERP

MANUFATURA DE ALTO DESEMPENHO COM PLM, MES/MOM E ERP MANUFATURA DE ALTO DESEMPENHO COM PLM, MES/MOM E ERP ProIndústria-Fórum 2012 02 03 de outubro Excelência Operacional na Manufatura Luiz Egreja Engenheiro Eletricista pela EFEI com MBA pela FIA/FEA - USP

Leia mais

BUSINESS PROCESS MANAGEMENT NA INDÚSTRIA

BUSINESS PROCESS MANAGEMENT NA INDÚSTRIA GE Intelligent Platforms BUSINESS PROCESS MANAGEMENT NA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO Quando olhamos para qualquer indústria em qualquer segmento industrial, seja química, alimentos, bebidas, produtos de consumo,

Leia mais

SMARTPLANT ENTERPRISE FOR OWNER OPERATORS

SMARTPLANT ENTERPRISE FOR OWNER OPERATORS SMARTPLANT ENTERPRISE FOR OWNER OPERATORS ALAVANCANDO A BASE DE PROJETOS DE ENGENHARIA DURANTE TODO O CICLO DE VIDA DA PLANTA BUSINESS CASE OWNER OPERATORS se deparam, atualmente, com uma incrível demanda

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

MES e Eficiência de Linhas de Produção

MES e Eficiência de Linhas de Produção MES e Eficiência de Linhas de Produção por Edson Donisete da Silva e Carlos Roberto Sponteado Melhora constante no processo produtivo. Aumento da qualidade do produto que é entregue ao cliente final. Redução

Leia mais

Este é o poder do FlexNet.

Este é o poder do FlexNet. A execução dos processos produtivos é onde a estratégia de uma empresa e seus planos de produção se tornam realidade. A execução no chão de fábrica é o momento da verdade para qualquer empresa buscando

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Carlos E. G. Paiola Engenheiro de Controle e Automação, M.Sc. Gerente Comercial - Aquarius Software Ricardo Caruso

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

O Impacto do MES na Rentabilidade das Indústrias EMEPRO 2009

O Impacto do MES na Rentabilidade das Indústrias EMEPRO 2009 O Impacto do MES na Rentabilidade das Indústrias Excelência Operacional no Chão de Fábrica EMEPRO 2009 PPI-Multitask missão Integrar tecnologia e pessoas para promover a melhoria do desempenho dos processos

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com. BPMS Showcase 2014 Etapas e Desafios na seleção de uma plataforma de BPM corporativa Apresentado por: Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.br Apresentando a iprocess

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos de controle ou gestão da qualidade de sistemas ERP ou MES X sistemas para automação e gestão de laboratórios LIMS e suas diferenças conceituais

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Graduado em Tecnologia da Computação pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Graduado em Tecnologia da Computação pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Mobilidade Corporativa: Você já adotou a sua estratégia? Este tutorial tem por objetivo propor às corporações a adoção de uma estratégia para o uso da mobilidade corporativa integrada com os seus processos

Leia mais

Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom)

Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Vergílio Antonio Martins

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Marcos Paganini Mattiuzzo Janeiro - 2012

Marcos Paganini Mattiuzzo Janeiro - 2012 Marcos Paganini Mattiuzzo Janeiro - 2012 5 minutos de História e Teoria Percepção e Realidade Suporte de Tecnologia da Informação Kimberly Clark Brasil Iniciativas em gestão de processos Situação atual

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009. Possibilitando negócios ágeis e inteligentes

Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009. Possibilitando negócios ágeis e inteligentes Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Possibilitando negócios ágeis e inteligentes Aviso de isenção de responsabilidade A intenção do texto a seguir é delinear o direcionamento geral do nosso produto.

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV Microsoft

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015

PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015 PRODUTIVIDADE PARA O MUNDO REAL. APS Excellence Day Rio de Janeiro, 24 de junho de 2015 Confidencialidade, Propriedade Intelectual e Marca Registrada Apresentação Renato Mendes renato.mendes@mezasoft.com

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

Tecnologia no processo decisório

Tecnologia no processo decisório Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Tecnologia no processo decisório DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SIG - Funcionamento ERP GOV BI MERC

Leia mais

A TCI BPO. Focada na customização e desenvolvimento de soluções específicas para apoiar e dar suporte à Indústrias, a TCI BPO faz uso do contingente:

A TCI BPO. Focada na customização e desenvolvimento de soluções específicas para apoiar e dar suporte à Indústrias, a TCI BPO faz uso do contingente: Serviços A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências e práticas

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum).

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia

Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia Picture Credit Customer Name, City, State/Country. Used with permission. Miracema-Nuodex: SAP Business All-in-One proporciona maior visibilidade de negócios para a companhia Geral Executiva Nome da Miracema-Nuodex

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Título: Um Sistema Automático de Coletas de Dados Industriais. Autor:

Título: Um Sistema Automático de Coletas de Dados Industriais. Autor: Título: Um Sistema Automático de Coletas de Dados Industriais Autor: Roberto de Lima Campos Mestre em Informática pela Pontifícia Universidade Católica - RJ em 1981. Formado em Administração de Empresas

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Disciplina: Automação de Processos de Negócio

Disciplina: Automação de Processos de Negócio Disciplina: Automação de Processos de Negócio PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Eros Viggiano Ementa da disciplina Viabilização da otimização de processo através da

Leia mais

SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA

SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA HOJE FALAREMOS SOBRE 1. INTRODUÇÃO 2. COMO FUNCIONA: MACROPROCESSO E DETALHAMENTOS 3. OFERTAS PADRÃO TOTVS 4. FATOS 1.

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes.

Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes. Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes Abril de 2014 Conteúdo Resumo Executivo 3 Introdução 3 IBM recebe alta pontuação

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS.

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. CASTRO, Gabriela Jorge; REIS, Luciana de Cássia; GIROTTO, Márcia; MARTINS, Murilo Mello; TAMAE,Rodrigo Yoshio RESUMO O artigo analisa

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

Seminário GVcev. Relacionamento Varejo e Indústria: desenvolvendo parcerias ganha-ganha

Seminário GVcev. Relacionamento Varejo e Indústria: desenvolvendo parcerias ganha-ganha Seminário GVcev Relacionamento Varejo e Indústria: desenvolvendo parcerias ganha-ganha Tecnologia como alavancador de relacionamentos Alejandro S. Padron padron@br.ibm.com No ciclo de vida de um produto,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas BPM e SOA Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Como funcionam as organizações? O que ébpm Business Process Management (BPM)

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E A INFRAESTRUTURA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E A INFRAESTRUTURA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E A INFRAESTRUTURA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Relacionamento: Tônica da Gestão Os conceitos de Planejamento Estratégico, Gestão em Sistemas e Tecnologias de Informação e os respectivos

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Gestão de Processos (BPM) - Uma solução para gestão das empresas e inovação em Tecnologia da Informação

Gestão de Processos (BPM) - Uma solução para gestão das empresas e inovação em Tecnologia da Informação Gestão de Processos (BPM) - Uma solução para gestão das empresas e inovação em Tecnologia da Informação Rute Constantinov Martins rute.martins@uol.com.br 55 (11) 8136-7712 Grupo Ação Informática rmartins@acao.com.br

Leia mais