Tribunal de Contas da União

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tribunal de Contas da União"

Transcrição

1 Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 63/97 - Plenário - Ata 11/97 Processo nº TC /93-2 Interessado: Comissão Parlamentar Mista de Inquérito destinada a "apurar irregularidades da TV Jovem Pan Ltda" (extinta). Entidade: Banco do Brasil S/A Vinculação: Ministério da Fazenda Relator: MINISTRO ADHEMAR PALADINI GHISI. Representante do Ministério Público: Dr. Lucas Rocha Furtado Unidade Técnica: 8ª SECEX Especificação do "quorum": 1. Ministros presentes: Paulo Affonso Martins de Oliveira (na Presidência), Adhemar Paladini Ghisi (Relator), Marcos Vinicios Rodrigues Vilaça, Iram Saraiva, Humberto Guimarães Souto, Bento José Bugarin e o Ministro-Substituto José Antônio Barreto de Macedo. 2. Ministro que se declararam impedidos: Marcos Vinicios Rodrigues Vilaça e Humberto Guimarães Souto. Assunto: Solicitação Acórdão: VISTOS, relatados e discutidos estes autos que tratam de solicitação de auditoria encaminhada ao Tribunal pelo então Deputado Ronaldo Caiado, na qualidade de Presidente da já extinta Comissão Parlamentar Mista de Inquérito destinada a "apurar irregularidades da TV Jovem Pan Ltda". Considerando que a auditoria realizada por este Tribunal detectou a existência de operações de crédito realizadas em benefício do Grupo Bloch e da TV Manchete, sem amparo nas normas internas da Instituição, bem como contrárias aos ditames da boa prática bancária; Considerando que o Banco do Brasil, em uma tentativa de tornar mais viável a recuperação de seus créditos assinou, com o Grupo Bloch e TV Manchete, em outubro de 1987, escrituras públicas de confissão e consolidação de dívidas, com garantias de hipoteca e fiança, referentes às dívidas líquidas e certas descritas na cláusula primeira das aludidas escrituras; Considerando, entretanto, que não obstante os esforços

2 empreendidos pelo Banco do Brasil, alguns de seus servidores continuaram a permitir o acatamento de cheques sem fundos emitidos pelos referidos clientes, cujos débitos foram posteriormente transferidos para Créditos em Liquidação e, depois, para a conta de prejuízos; Considerando que o Grupo Bloch e TV Manchete mantinham junto ao Banco do Brasil cadastro com longo histórico na apresentação de saldos devedores, apresentando diversas dificuldades na recuperação de suas dívidas, não apresentando reciprocidade capaz de permitir o acolhimento contumaz de saldos a descoberto; Considerando que o acatamento de cheques desprovidos de fundos foram de responsabilidade de responsáveis secundários, não arrolados nas prestações de contas do Banco do Brasil ordinariamente remetidas ao Tribunal; Considerando que as operações de empréstimos concedidos pelo Banco do Brasil ao Grupo Bloch em 1989 envolveram os ex-presidentes da Instituição, que tiveram suas contas relativas àquele exercício julgadas pelo Tribunal no ano de 1991, já tendo expirado, portanto, o prazo para a interposição de recursos de revisão, na forma prevista no art. 35 da Lei nº 8.443/92; Considerando que a operação envolvendo o patrocínio da novela "Amazônia", autorizada pelo Sr. Lafaiete Coutinho Torres, não se revestiu das cautelas consideradas necessárias, de forma a permitir ao Banco do Brasil a execução de créditos porventura existentes, não existindo, sequer, contrato formalizado que ampare a operação; Considerando que os créditos adquiridos pelo Banco do Brasil para a veiculação de comerciais não foram totalmente utilizados; Considerando, finalmente, que as contas do Banco do Brasil relativas ao exercício de 1991 (TC /92-1), ano em que ocorreu o patrocínio, ainda não foram julgadas pelo Tribunal, ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em Sessão Plenária, com fulcro no art. 43, Parágrafo único, c/c art. 194, 2º, do Regimento Interno, em: a) rejeitar as razões de justificativa apresentadas pelos Srs. Jorge Rangel Dantas Brasil (ex-gerente da Agência Centro/RJ) e Antônio Abrahão Chalita (ex-superintendente da SUPER/RJ), no que concerne ao acatamento de cheques sem a devida provisão de fundos, e aplicar-lhes a multa prevista no art. 58, III, da Lei nº 8.443/92, arbitrando-se-lhes o valor individual de R$ 1.120,00 (um mil, cento e vinte reais), observado o limite permitido pelo

3 Decreto-lei nº 199/67, então vigente; b) rejeitar as razões de justificativa apresentadas pelo Sr. Lafaiete Coutinho Torres, ex-presidente do Banco do Brasil, no que concerne ao patrocínio da novela "Amazônia, e aplicar-lhe a multa prevista no art. 58, III, da Lei nº 8.443/92, arbitrando-se-lhe o valor de R$ 1.120,00 (um mil, cento e vinte reais), observado o limite permitido pelo Decreto-lei nº 199/67; c) remeter ao Exmo. Sr. Presidente do Congresso Nacional, em face da extinção da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito destinada a "apurar irregularidades da TV Jovem Pan Ltda", cópia desta Decisão, acompanhada do Relatório e Voto que a fundamentam; d) determinar ao Banco do Brasil S/A que em suas futuras prestações de contas informe sobre o encaminhamento e/ou possíveis soluções encontradas para os débitos pendentes do Grupo Bloch e TV Manchete; e) determinar à Secretaria de Controle Interno do Ministério da Fazenda que faça constar das próximas contas do Banco do Brasil informações relativas ao endividamento do Grupo Bloch e TV Manchete, inclusive quanto ao andamento das ações judiciais impetradas; e f) arquivar, nos termos do art. 93 da Lei nº 8.443/92, o presente processo, condicionando-se a quitação dos responsáveis ao efetivo recolhimento das dívidas apontadas nas alíneas "a" e "b" deste Acórdão; g) juntar os autos às contas do Banco do Brasil relativas ao execício de 1991, para exame em conjunto e em confronto. Ementa: Solicitação formulada por Comissão Parlamentar. Auditoria no Banco do Brasil SA., para verificação de contratos firmados com a TV Manchete. Concessão de operações de crédito privilegiadas, sem amparo nas normas internas. Permissão e acatamento de cheques sem fundos, com a transferência dos débitos para crédito em liquidação. Patrocínio de novela sem contrato. Créditos para veiculação de comerciais não utilizados. Alegações de defesa rejeitadas. Multa. Comunicação. Determinação. Arquivamento condicionado à quitação das dívidas. Juntada às contas. - Poder discricionário - Análise da matéria.

4 Data DOU: 22/04/1997 Página DOU: 7943 Data da Sessão: 09/04/1997 Relatório do Ministro Relator: GRUPO II - Classe II - Plenário TC /93-2 Natureza: Solicitação Interessado: Comissão Parlamentar Mista de Inquérito destinada a "apurar irregularidades da TV Jovem Pan Ltda" (extinta). Ementa: Solicitação de auditoria encaminhada ao Tribunal pelo então Deputado Ronaldo Caiado, na qualidade de Presidente da já extinta Comissão Parlamentar Mista de Inquérito destinada a "apurar irregularidades da TV Jovem Pan Ltda". Existência de operações realizadas contrariamente à boa técnica bancária. Acatamento contumaz de cheques sem fundos. Concessão de empréstimo indevido. Patrocínio efetuado sem a formalização de contrato. Prejuízos para a Instituição. Dificuldades na recomposição das dívidas. Ajuizamento de ações. Responsabilidade dos agentes públicos. Existência de fato que ensejaria a revisão das contas relativas ao exercício de 1989, cujo prazo recursal já prescreveu. Aplicação de multas. Determinações ao Banco do Brasil. Remessa de cópias ao Congresso Nacional. Arquivamento do processo. Cuidam os autos de solicitação de auditoria encaminhada ao Tribunal pelo então Deputado Ronaldo Caiado, na qualidade de Presidente da já extinta Comissão Parlamentar Mista de Inquérito destinada a "apurar irregularidades da TV Jovem Pan Ltda". 2. A solicitação da CPI-JOPAN decorreu de uma "Comunicação Reservada da Subcomissão de Sigilo Bancário e Telefônico" que destacou vários "indícios" envolvendo o Banco do Brasil e o Grupo Adolpho Bloch, destacando-se as questões enumeradas no tópico "Informações Gerais", a saber: "01 - Dívidas da TV Manchete junto ao Banco do Brasil: estimadas em US$ 12,2 milhões de dólares; 02 - Dívidas da Editora Bloch junto ao Banco do Brasil:

5 estimadas em US$ 70,6 milhões de dólares; 03 - Cheques sem fundos cobertos pelo Banco do Brasil: cheques; 04 - Inexistência de documentos legais para a execução da dívida; 05 - Inexistência de execução da dívida; 06 - Indícios de comprometimento de funcionários e dos escalões superiores no prejuízo causado ao Banco do Brasil; 07 - Indícios de comprometimento da Presidência do Banco do Brasil no favorecimento da TV Manchete." 3. A presente solicitação foi acolhida pelo Tribunal na Sessão Extraordinária de caráter reservado de , por intermédio da Decisão nº 176/93 - TCU - Plenário, oportunidade em que foi determinada "a imediata realização de Inspeção Extraordinária, por parte da 8ª IGCE, no Banco do Brasil S. A., para exame dos contratos firmados entre aquele estabelecimento de crédito e a TV Manchete", sendo autorizada, ainda, "a extensão dos trabalhos aos demais negócios entre o Banco do Brasil S. A. e o Grupo Adolpho Bloch, com vistas a verificar se foram conduzidos com observância da boa técnica bancária e das normas legais vigentes". 4. Transcrevo, a seguir, excertos do Relatório produzido pela equipe auditora da 8ª SECEX: "As dívidas do Grupo junto ao Banco, em , correspondiam a Cr$ ,71 (Bloch Editores), e Cr$ ,673,53 (TV Manchete Ltda), equivalentes a US$ 74,85 milhões e US$ 12,95 milhões, respectivamente, totalizando Cr$ ,24, ou US$ 87,80 milhões. Conforme Relatório dos auditores internos do Banco, todos os negócios...encontram-se apropriados em prejuízo. A operação de composição de dívida de Cz$ ,90 referente à escritura pública de confissão e consolidação de dívidas com garantia de hipoteca e fiança, datada de , envolveu débitos não pagos pela Bloch Editores desde antes de 1984, e mesmo assim, em , o Banco concedeu-lhe um novo empréstimo de Cz$ 100 milhões para capital de giro. Essa negociação...mereceu parecer contrário da Agência Tiradentes (RJ). No entanto, ao analisar a proposta da Bloch Editores, a Superintendência do Rio de Janeiro - SUPER (RJ), considerando as características da operação 'e tratamento especial

6 dispensado ao Grupo Bloch SUGERIMOS, em caráter excepcional, concessão de crédito de Cz$ 100 milhões'. A sugestão da SUPER (RJ) foi acolhida pela DIREG/VIPER e, em , o crédito foi deferido pela Presidência do Banco. O prazo para pagamento desse empréstimo venceu em e, como já sabemos, não foi pago. Não obstante, em , foi concretizada uma nova operação de crédito, concedendo à Bloch Editores Cz$ 400 milhões, também a título de capital de giro. Os saldos devedores em contas de depósitos da Bloch Editores S/A (Cz$ ,43) foram verificados no período de a e tiveram origem no acolhimento de cheques sem fundos, débito automático dos valores de duplicatas descontadas e não honradas e juros e IOF sobre o saldo devedor." Também no caso da TV Manchete a operação de composição da dívida (Cz$ ,52) ocorrida em envolveu débitos não honrados desde antes de 1984, "e, ainda assim, o Banco do Brasil concedeu-lhe um novo crédito em ". "A Agência Metropolitana Tiradentes (RJ), ao examinar essa nova concessão de empréstimo com recursos do Eximbank, pondera: 'A análise da referida peça contábil revela situação econômico-financeira difícil, com passivo a descoberto, índices deficitários e prejuízo operacional. A atuação da TV Manchete nesta Agência apresenta irregularidades na manutenção do saldo de Cz$ mil relativo a empréstimo vencido em , e na falta de cobertura para os títulos descontados e não pagos pelos sacados hoje no montante de Cz$ mil'. Nada obstante, 'considerando o tratamento diferenciado e especial que o Grupo Bloch sempre mereceu do Banco, a idoneidade das empresas e seus dirigentes', a Agência sugere a concessão do crédito pelo prazo de dois anos. A operação foi aprovada pela Superintendência de Câmbio - SUCAM (RJ) em A exemplo dos saldos devedores da Bloch Editores S/A, os da TV Manchete foram originados pelo acolhimento de cheques sem fundos, débito automático dos valores de duplicatas descontadas e não honradas e juros e IOF sobre o saldo devedor. À exceção dos saldos devedores em conta de depósitos e da

7 operação com o Eximbank, os demais débitos do Grupo Bloch junto ao BB encontram-se em cobrança judicial. A expectativa da Agência Centro (RJ), quanto à cobrança judicial da dívida é de que 'a solução demandará longo lapso de tempo e o recebimento dos nossos direitos será proporcional aos valores das garantias atuais, ressalvados os créditos preferenciais, ainda não dimensionados, mas sabidamente expressivos. Cumpre-nos...acrescentar que as medidas judiciais promovidas pelo BB contra o Grupo Bloch são decorrentes de Recomendação firmada pela Presidência daquela entidade, conforme expediente...de Relativamente aos saldos devedores em contas de depósitos da Bloch Editores e TV Manchete, a Consultoria Jurídica do Banco, pelo Parecer COJUR/CONTE 00044, de , revela e enumera enormes dificuldades técnicas para a tomada de medidas judiciais contra os devedores, dentre as quais: a) o puro e simples acolhimento de cheques sem fundos não dá ao Banco o direito de postular correção monetária a partir de cada pagamento efetuado, mas sim a partir do ajuizamento da causa (art. 1º, 2º da Lei nº 6.899/81); b) com a atualização monetária a partir do ajuizamento, o Banco passaria de credor a devedor, visto que pelos valores históricos os depósitos superam os saques realizados ao longo do período; e c) inexistência de qualquer documento, formalizando um mútuo entre as partes, fixando a remuneração do BB pelo empréstimo concedido e a cobrança de encargos, inclusive moratórios. PA TROCÍNIO E MERCHANDISING DA NOVELA AMAZÔNIA Após negociação promovida, que envolveu descontos financeiros e abatimento de créditos de comerciais não utilizados pelo Banco, o órgão técnico COTEC/COMAC/PROMO, pelo expediente 3460, de , manifestou-se favoravelmente à proposta apresentada pela TV Manchete, observados os aspectos modificados na referida negociação, e, curiosamente, em , um dia antes, o Presidente da entidade já houvera aposto o 'de acordo' no documento lavrado por aquele órgão técnico. A pedido do BB, a campanha publicitária foi aprovada pela Assessoria de Divulgação da Presidência da República em

8 O valor total do patrocínio foi fixado em Cr$ ,16, pagáveis em sete parcelas mensais, a partir de dezembro/91, e o esquema comercial consistia em inserções publicitárias durante o período da novela. Do valor de cada parcela, 50% seriam utilizados para abatimento da dívida do Grupo Bloch junto ao BB e os 50% restantes pagos em espécie. Para o 'merchandising' o preço total foi estipulado em Cr$ ,00, pagáveis também em sete parcelas mensais, a partir de dezembro/91, e o esquema comercial previa a ocorrência de ações em aproximadamente 60 capítulos da novela. Em ambos os casos, se necessário, o pagamento das comissões de agência seria efetuado pela TV Manchete. Após o pagamento da 1ª parcela a TV Manchete propôs a antecipação das demais, mediante redução do desembolso correspondente às taxas praticadas em desconto de duplicatas. Nessa nova negociação, convencionou-se que a operação seria efetuada sobre as parcelas restantes do 'merchandising' e 50% das parcelas restantes do patrocínio, aplicando-se a taxa de 17,5% para desconto. Surpreendentemente, dos 50% restantes que seriam utilizados para abatimento da dívida do grupo, 20% de cada parcela seriam creditados à TV Manchete para pagamento relativo à comissão das agências de propaganda, passando o Banco a arcar com despesa que, conforme a primeira tratativa, era de responsabilidade da Manchete. O Presidente do Banco à época, Sr. Lafaiete Coutinho Torres, autorizou essa combinação em despacho exarado em e, dessa forma, o total pago antecipadamente à TV Manchete foi de Cr$ ,27. O Relatório dos auditores internos da entidade afirma que, relativamente ao patrocínio/merchandising, 'inexiste contrato formal entre as partes'. Revela também que dos espaços comerciais disponíveis o Banco não utilizou 139 créditos de 30", avaliados, em dezembro/93, em CR$ ,00." 5. No item "Considerações" constante do Relatório de Inspeção Extraordinária a equipe auditora registrou algumas observações e conclusões preliminares, que a seguir destaco: "O Grupo Bloch tem recebido do Banco, ao longo dos anos, tratamento diferenciado, haja vista que o atendimento de suas pretensões revestiu-se, invariavelmente, de concessões especiais.

9 Não obstante as oportunidades recebidas, sua inadimplência mostra-se crescente. Trata-se de um relacionamento comercial curiosíssimo. De um lado, o Grupo Bloch, sistematicamente, não honra seus débitos e, do outro, o Banco, sistematicamente, concede-lhe novos créditos, seja através de empréstimos, acatamento de cheques sem fundos e até mesmo de pagamentos antecipados sem respaldo contratual. O artigo 153 da Lei nº 6.404/76 estatui que o administrador de uma companhia, no exercício de suas funções, deve ter o cuidado e diligência que todo homem ativo e probo emprega na gerência dos seus próprios negócios. É perfeitamente crível que os administradores que se decidiram favoravelmente à concessão dos empréstimos e dos acolhimentos de cheques sem provisão de fundos, realizados após a composição de dívidas anteriores, não teriam visto tantos motivos para excepcionalidades se a fonte dos recursos envolvidos fossem seus próprios bolsos. No caso do patrocínio/merchandising da novela Amazônia, além da evidência do pagamento antecipado, sequer havia instrumento contratual formalizado, tendo ainda, como agravante, o fato de que o Banco pagou e não utilizou o serviço, gerando-se um débito de CR$ ,00, a preços de dezembro/93." 6. Como conseqüência dos fatos trazidos pela equipe da 8ª SECEX foram promovidas as seguintes audiências prévias: a) dos Srs. Antônio Abrahão Chalita, ex-superintendente da SUPER/RJ, Manoel Trogo e Jorge Rangel Dantas Brasil, ex-gerentes da Agência Centro/RJ, para apresentarem justificativas sobre o acolhimento de cheques sem provisão de fundos, acima do limite de Cz$ 2 bilhões permitido pela SUPER/RJ ao Grupo Bloch (TV Manchete e Bloch Editores S/A), no período entre e , gerando um saldo devedor da ordem de Cz$ 3,626 milhões; b) dos Srs. Camillo Calazans de Magalhães, ex-presidente do BB, Paulo Rubens Mandarino, ex-vice-presidente de Operações no País, Sayde José Miguel, ex-diretor da DIREG/VIPER, em exercício, à época, Antônio Abrahão Chalita, ex-superintendente da SUPER/RJ, Amaury Loyola Connigham, ex-superintendente-adjunto/rj e Francisco de Assis de Souza Lopes, Chefe da SEIC/RJ, em exercício à época, para apresentarem justificativas sobre a concessão de empréstimo à Bloch Editores S/A, em , no valor de Cz$ 100 milhões, com

10 parecer contrário da Agência Tiradentes/RJ, dispensando tratamento especial e em caráter excepcional, quando sabidamente o Grupo Bloch não honrava seus compromissos com a Entidade; c) do Sr. Lafaiete Coutinho Torres, ex-presidente do Banco do Brasil S/A, para apresentar justificativas sobre: c1) autorização dada em para liberação de recursos no valor de Cr$ ,16 para a TV Manchete como patrocínio e merchandising da novela Amazônia, sem a formalização do respectivo contrato; e c2) autorização dada em para pagamento antecipado das parcelas restantes, avaliadas em dezembro de 1993 em CR$ ,00, referentes ao patrocínio e merchandising da novela Amazônia. 7. Em atendimento, compareceram aos autos os mencionados responsáveis, cabendo destacar que apenas os Srs. Lafaiete Coutinho Torres e Amaury Loyola Cunningham apresentaram arrazoados próprios de justificativas para os questionamentos suscitados, tendo os demais responsáveis limitado-se a ratificar informações prestadas pela Consultoria Jurídica do Banco do Brasil, alegando, em seus expedientes, que não possuiam registros das operações questionadas e que a busca de informações para subsidiar a elaboração de suas defesas tornava-se bastante dificultada ante o tempo decorrido. 8. A propósito, registrou o Analista da 8ª SECEX que, "regimentalmente, este procedimento não encontra amparo, haja vista que compete ao responsável citado, ou seu procurador legal, a apresentação de razões de justificativa e o concurso de órgão de consultoria jurídica é até admissível mas não da forma como foi feito, com a COJUR assumindo totalmente defesa dos responsáveis. Em face disso, poderia esta Corte desconsiderar, à luz do Regimento Interno, os esclarecimentos prestados pela COJUR e considerar como não apresentadas as justificativas pertinentes". Contudo, no intuito de privilegiar a mais ampla defesa dos implicados, manifestou-se pelo recebimento das mencionadas peças remetidas pela COJUR como razões de justificativa daqueles responsáveis. 9. Consta dos autos, ainda, a informação de que a audiência prévia do Sr. Manoel Trogo, ex-superintendente Adjunto/RJ, não foi concretizada, em virtude de seu falecimento. 10. Passo a transcrever, a seguir, excertos do exame efetuado pelo Analista da 8ª SECEX relativamente às justificativas apresentadas quanto aos fatos questionados em audiência, item por

11 item. "'a) acolhimento de cheques (pela Agência Centro/RJ), sem provisão de fundos, acima do limite de Cz$ 2 bilhões permitido pela SUPER/RJ ao Grupo Bloch (TV Manchete e Bloch Editores S/A), no período de a , gerando um saldo devedor da ordem de Cz$ milhões.' Pelo entendimento desta Secretaria, estariam implicados o ex-superintendente da SUPER/RJ, Antônio Abrahão Chalita, e os ex-gerentes da agência Centro-RJ, Srs. Manoel Trogo e Jorge Rangel Dantas Brasil. Na verdade, o Sr. Trogo exercia a Superintendência Regional Adjunta/RJ. As justificativas apresentadas à AUDIT na ocasião pelos referidos senhores foram pela negativa de envolvimento, afirmando que jamais haviam autorizado quaisquer procedimentos daquela natureza. Não obstante a negativa dos envolvidos e a manifestação da COJUR, esta Secretaria considerou inaceitáveis aquelas justificativas em virtude do conteúdo do expediente GEROP/88, de (fl.48 do Vol.I), no qual o ex-gerente, Rangel, se reporta ao ex-superintendente, Chalita, informando-lhe que o saldo devedor do Grupo Bloch naquela data já ultrapassava em Cz$ mil o limite de Cz$ 2 bilhões admitido pela SUPER e acrescentava "Nada obstante, conforme orientação dessa SUPER, estamos acolhendo todos os cheques apresentados hoje pelas empresas TV Manchete e Bloch Editores, procedimento para o qual pedimos conformidade." (grifo nosso). À vista da contradição observada entre a negativa apresentada e o expressamente declarado no documento acima, esta Secretaria propôs a realização da audiência para a apresentação das justificativas que ora examinamos. As justificativas da COJUR são extremamente lacônicas, limitando-se a transcrever expediente da agência Centro/RJ, endereçado à SUPER/RJ, já do conhecimento deste Tribunal (fl.50 do Vol.I) e acrescentando que 'vale esclarecer-se, também, que durante esse período vários créditos foram efetuados na conta corrente da devedora. Contudo, estes lançamentos foram insuficientes a impedir que o débito ultrapassasse o limite fixado pela SUPER/RJ. Sem dúvida, o desconto de duplicatas, os juros cobrados, o IOF, em

12 valores expressivos, contribuíram para a elevação do débito da correntista.' Quanto ao Sr. Rangel, inicia sua defesa afirmando que 'jamais autorizei, seja por escrito ou verbalmente, o acatamento de débitos e/ou pagamentos de cheques emitidos sem suficiência de fundos pelo Grupo Bloch...' (grifos no original). Resumindo, o alegante reconhece que houve o excesso de saldo devedor acima do limite fixado de Cz$ 2 bilhões e fundamenta sua defesa na questão da impossibilidade de acompanhar o montante do saldo devedor em função dos débitos automáticos efetuados pelo CESEC, relativos aos juros, comissões de permanência e IOF, dentre outros. Em nosso entendimento, o que esta Secretaria está questionando não é propriamente o excesso do saldo devedor mas o acolhimento de cheques visivelmente sem fundos, em , haja vista que o saldo devedor da conta quando da decisão de acolher os cheques já era superior ao limite de Cz$ 2 bilhões. Tal procedimento, à vista do contido no expediente GEROP/88 (fl.48 do Vol.I), foi adotado com a explícita intenção de assim o fazer, configurando-se a irregularidade praticada pelo Gerente Geral da agência Centro/RJ, Sr. Jorge Rangel Dantas Brasil, juntamente com a Superintendência Regional Adjunta/RJ, ocupada pelo Sr. Manoel Trogo (já falecido) e com a concordância da Superintendência Regional/RJ, ocupada pelo Sr. Antônio Abrahão Chalita. Complementando as informações prestadas pela COJUR..., o ex-superintendente Regional/RJ, Antônio Abrahão Chalita, em expediente...afirma que jamais autorizara o acolhimento de cheques até os Cz$ 2 bilhões tidos como limite determinado pela SUPER. Em nosso entendimento, as alegações apresentadas pelo ex-superintendente são improcedentes, haja vista que para eximir-se das responsabilidades a ele impostas pelas expressões contidas no expediente do Gerente Geral às fls. 48 do Volume I ('...o limite permitido por essa Superintendência...';'...conforme orientação dessa SUPER...';'...para o qual pedimos conformidade.') o alegante ampara-se na diluição da responsabilidade entre as Superintendências Adjuntas, alegando até que, em alguns casos, haveria trânsito de correspondências envolvendo operações

13 relevantes como as da Bloch sem que o titular tomasse ciência. Tal alegação nos parece inadmissível em virtude de que o cargo de Superintendente Regional Adjunto é subordinado ao de Superintendente Regional e não há como se admitir a exclusão da responsabilidade do titular sobre assuntos tratados pelos adjuntos. No caso específico, se o Sr. Manoel Trogo,..., realmente autorizou a Agência Centro a acolher os cheques, o fez em nome da SUPER/RJ, despachando como se fôra o titular e se este não tomou ciência do ocorrido, caracteriza-se uma omissão diante das responsabilidades do cargo que ocupava. 'b) concessão de empréstimo à Bloch Editores S/A, em , no valor de Cz$ 100 milhões, com parecer contrário da Agência Tiradentes/RJ, dispensando tratamento especial e em caráter excepcional, quando sabidamente o Grupo Bloch não honrava seus compromissos com a referida Instituição Financeira.' Relativamente a este tópico, estão implicados o ex-presidente, Camillo Calazans de Magalhães; o ex-vice-presidente de Operações no País, Paulo Rubens Mandarino; o ex-diretor substituto da DIREG/VIPER, Sayde José Miguel; o ex-superintendente da SUPER/RJ, Antônio Abrahão Chalita; o ex-superintendente-adjunto/rj, Amaury Loyola Cunningham; e o Chefe da SEIC/RJ, à época, Francisco de Assis de Souza Lopes. As justificativas do Sr. Cunningham, que analisaremos preliminarmente, referem-se genericamente às operações de crédito concedidas pelo Banco à Bloch sem, contudo, entrar em detalhes da operação ora sob comento, alegando que o fato é antigo e que o Banco não lhe fornecera elementos necessários ao embasamento de sua defesa. Analisando as informações...somos de entendimento que elas não se prestam ao atendimento da solicitação efetuada no ofício de audiência, haja vista a generalização que contém. O que de fato foi questionado por esta Secretaria ficou sem resposta. Analisando por partes a defesa da COJUR, temos que inicialmente a garantia hipotecária do imóvel não era tão 'robusta' como afirma a COJUR, haja vista que o imóvel já fôra vinculado ao Banco no acordo firmado em e, desta feita, a hipoteca era

14 em grau subseqüente. Ademais, o aval dos diretores não assegurou com o rigor afirmado a dívida assumida, tanto que a mesma não foi honrada no prazo pactuado (60 dias), fazendo-se necessário o ajuizamento da ação de cobrança da dívida na 32ª Vara Cível. Em segundo lugar, a liquidez comercial da empresa não indicava, como alega a COJUR, que o seu perfil extrapolasse os parâmetros estabelecidos pelo Banco para concessões da espécie, haja vista que as responsabilidades do Grupo já montavam a Cz$ mil e a concessão foi admitida pela SUPER/RJ em caráter excepcional, considerando-se o tratamento especial dispensado ao Grupo. Ora, se fosse uma empresa com índice de liquidez como o alegado, não haveria necessidade do 'tratamento especial' dispensado nem de concessão em caráter excepcional. Não restam dúvidas de que a SUPER/RJ errou ao desprezar a posição da agência bem como errou toda a Diretoria, ao acatar a sugestão da SUPER/RJ e conceder o empréstimo em condições desfavoráveis ao Banco, dispensando tratamento especial ao Grupo. 'c) autorização dada em para liberação de recursos no valor de Cr$ ,16 (...) para a TV Manchete como patrocínio e merchandising da novela Amazônia, sem a formalização do respectivo contrato.' Para se justificar sobre o fato questionado foi citado apenas o então Presidente Sr. Lafaiete Coutinho Torres... Destacamos dois pontos da defesa do ex-dirigente que gostaríamos de comentar. O primeiro diz respeito à afirmação transcrita no item 71 retro. À vista do parágrafo de conclusão do expediente COTEC/COMAC/PROMO-3460 (fl. 73 do Vol.I), é inegável que o ex-presidente autorizou, colocando o seu 'de acordo', a liberação dos recursos para a TV Manchete, descartando, assim, parte de sua defesa que se apoiava naquela negativa. O segundo ponto refere-se à alegação de que não fôra alertado para o fato de inexistir contrato assinado procurando, dessa forma, eximir-se da responsabilidade pela omissão, fazendo constar, inclusive, citação de Carvalho de Mendonça. Amparado naquela alegação o ex-dirigente considera que a falha, que ele implicitamente reconhece que houve, não foi provocada por culpa ou

15 dolo de sua parte. O ato praticado, apesar de configurar ilegalidade por ser contrário a norma legal vigente, não estava caracterizado expressamente como crime. Apesar disso, indubitavelmente, emerge a culpa do alegante na irregularidade praticada, devendo, assim, responder pelo dano decorrente de sua culpa, embora não tenha resultado em prejuízo financeiro à instituição, haja vista que a novela foi produzida. 'd) autorização dada em para pagamento antecipado das parcelas restantes, avaliadas em dezembro de 1993 em CR$ ,00 (cento e noventa e oito milhões, cento e cinqüenta e sete mil, novecentos e noventa e nove cruzeiros reais), referentes ao patrocínio e merchandising supramencionados.' Com efeito, consideramos pertinentes as justificativas do ex-presidente (Lafaiete Coutinho Torres) e entendemos por acatá-las, haja vista que, apesar da não formalização de contrato, a dívida do Banco para com a emissora era líquida e certa, composta de 6 (seis) parcelas mensais. Caso o Banco não concordasse com o desconto, a TV Manchete conseguiria descontar os títulos em qualquer outro banco, dada a solidez e a certeza do recebimento da dívida. Neste aspecto, o que fez o Banco foi agir normalmente como um banco comercial numa operação de desconto de títulos." 11. Em conclusão, propôs o Analista informante: "a) não acolher as razões de justificativa apresentadas pelos Srs. Antônio Abrahão Chalita, Jorge Rangel Dantas Basil, Camillo Calazans de Magalhães, Sayde José Miguel, Amaury Loyola Cunningham, Francisco de Assis Souza Lopes e Paulo Rubens Mandarino; b) acolher as razões de justificativa apresentadas pelo Sr. Lafaiete Coutinho Torres apenas no tocante ao questionado no item 'b' do Ofício nº 426/94 - SECEX-8; c) aplicar, nos termos do 2º do artigo 188 do Regimento Interno deste Tribunal, c/c parágrafo único do art. 43 da Lei nº 8.443/92, aos responsáveis nominados na alínea 'a' supra a multa prevista no inciso III do art. 214 do mesmo Regimento; d) aplicar ao responsável nominado na alínea 'b' supra a multa prevista no inciso II do artigo 214 do Regimento Interno deste

16 Tribunal, c/c inciso II do artigo 58 da Lei nº 8.443/92; e) apreciar, quando ao mérito das questões relatadas, as sugestões da equipe de inspeção desta SECEX consignadas em seu relatório à fl. 24, itens 'a' 'b' e 'd'; f) determinar a juntada do presente processo às contas do Banco do Brasil S/A, relativas ao exercício de 1991, para exame em conjunto e em confronto; e g) levantar a chancela de sigilo aposta aos presentes autos." 12. A Sra. Diretora da 2ª Divisão Técnica da 8ª SECEX discordou das conclusões do Analista. Transcrevo, a seguir, excertos do Parecer, destacando os pontos discordantes: "A faixa de discricionariedade da atuação de um gerente de banco contempla, segundo nosso entendimento, a opção de acolher cheques sem provisão de fundos ante o conhecimento prévio do ingresso de recursos na respectiva conta-corrente nos dias seguintes ao acolhimento, por exemplo. Além disso, sobre os excessos verificados incidem todos os encargos pertinentes à espécie, não havendo, em tese, prejuízo à instituição financeira se regularizado o valor excedido. No caso aqui tratado, e tendo em vista as ponderações acima, entendemos, s.m.j., que só dispomos de indícios de favorecimento ao Grupo Bloch, não sendo possível afirmar que, de fato, o Gerente e os Superintendentes Regionais, Srs. Jorge Rangel Dantas Brasil, Manoel Trogo (já falecido) e Antônio Abrahão Chalita, autorizaram o acolhimento dos cheques em provisão de fundos extrapolando sua faixa de discricionariedade." O empréstimo de Cz$ 100 milhões concedido à Bloch Editores S/A, em , revestiu-se de características excepcionais haja vista que, além das restrições relativas ao próprio crédito, as dívidas do Grupo Bloch haviam sido renegociadas em , envolvendo valores cujas datas de contratação retroagiam ao ano de O Banco...ressaltou 'que a boa técnica bancária autoriza reabrir-se crédito a empresas que regularizam/amortizam seus débitos junto ao Banco, através de composição de dívidas com a constituição de sólidas garantias, principalmente, para o capital de giro, com o escopo de evitar-se a paralisação de suas atividades e ensejar o impulso necessário ao seu desenvolvimento negocial, de forma a permitir o retorno dos capitais mutuados.'

17 A situação que se pode observar, no caso, é a busca, pelo administrador, de soluções aceitáveis no domínio do direito privado, com vistas a possibilitar a recuperação financeira do cliente, de modo a viabilizar, a médio e longo prazo, o adimplemento de suas obrigações. Em face do exposto, em especial no que se refere às amortizações que vinham sendo efetuadas, entendemos, s.m.j., que a concessão do empréstimo de Cz$ 100 milhões à Bloch Editores S.A., mesmo tendo sido feita em caráter excepcional e dispensando tratamento especial, não se revestiu de qualquer ilegalidade. A autorização dada em para liberação de recursos à TV Manchete, no valor total de Cr$ ,16, relativos a patrocínio e merchandising da telenovela AMAZÔNIA, sem a conseqüente formalização de contrato, reveste-se do caráter ilegal de que trata o art. 50, parágrafo único, do Decreto-lei nº 2.300/86, vigente à época. Caso semelhante ao aqui discutido foi objeto do TC /92-4, Tomada de Contas Especial do Sr. Lafaiete Coutinho Torres, tratando, dentre outros assuntos, de autorização de pagamento sem a devida formalização prévia de contrato. O referido processo foi apreciado em Sessão Plenária de (Ata nº 14/94-Plenário), tendo aquele Colegiado proferido Decisão no sentido de acolher as razões de justificativa apresentadas pelo responsável para julgar as contas regulares com ressalva. No presente caso temos também que o serviço foi efetivamente prestado, em condições favoráveis, face aos descontos obtidos, haja vista que a telenovela AMAZÔNIA foi produzida, sem que tenha havido prejuízo para o Banco, razão pela qual defendemos, em caráter excepcional, tratamento no mesmo sentido. 13. No mérito, propôs a Sra. Diretora, com o endosso do então Secretário da 8ª SECEX: "a) acolher as razões de justificativa apresentadas pelos Srs. Antônio Abrahão Chalita, Lafaiete Coutinho Torres, Jorge Rangel

18 Dantas Brasil, Camillo Calazans de Magalhães, Sayde José Miguel, Amaury Loyola Cunninghan e Francisco de Assis de Souza Lopes; b) acolher as razões de justificativas apresentadas pelo Sr. Lafaiete Coutinho Torres, em caráter excepcional, no que se refere à autorização dada em para liberação de recursos para a TV Manchete, a título de patrocínio e merchandising da telenovela AMAZÔNIA, sem a formalização do respectivo contrato; c) determinar ao Banco do Brasil S.A. que: c.1) nas futuras prestações de contas informe sobre o encaminhamento e/ou possíveis soluções encontradas para os débitos pendentes do Grupo Bloch; c.2) evite conceder empréstimos a inadimplentes contumazes; d) determinar à Secretaria de Controle Interno do Ministério da Fazenda que, por ocasião das futuras prestações de contas do Banco do Brasil S.A., faça constar em seu Relatório de Auditoria informações acerca do andamento dos processos de cobrança judicial contra o Grupo Bloch impetrados pelo Banco junto à 32ª e 38ª Varas Cíveis no Estado do Rio de Janeiro; e) encaminhar cópia da Decisão que vier a ser proferida nos autos, bem como do Relatório e Voto que a fundamentarem, ao Presidente do Congresso Nacional; f) juntar os presentes autos às contas do Banco do Brasil S.A. referentes ao exercício de 1991, para exame em conjunto e em confronto; e g) levantar a chancela de sigilo aposta aos autos" 14. Considerando a relevância dos assuntos tratados nos autos, e ainda a divergência dos pareceres, solicitei a manifestação do douto Ministério Público, que representado nos autos pelo Subprocurador-Geral Dr. Lucas Rocha Furtado, em linha de concordância com o Sr. Analista da 8ª SECEX, lavrou percuciente Parecer, do qual permito-me transcrever a essência: "Entende este Ministério Público...que, independentemente da análise isolada de cada ato administrativo, sobressai dos autos a deliberada infringência a princípios norteadores da administração pública, alguns dos quais ínsitos no "caput" do art. 37 da Constituição Federal. Houve, indubitavelmente, no conjunto de ações examinadas neste processo, claro favorecimento à Rede Manchete. Observe-se que, nesse particular, foram outorgados àquela empresa, em condições que outras jamais teriam acesso, benefícios como acolhimento de cheques

19 visivelmente sem provisão de fundos, concessão de empréstimo em época em que o Grupo Manchete sabidamente não honrava seus compromissos e liberação, mediante mera autorização verbal, de vultosa quantia a título de patrocínio e merchandising. Tais procedimentos, ainda que praticados sob o manto de aparente legalidade, se observados dentro de um contexto global, terminaram por ferir frontalmente os princípios da moralidade, da igualdade e da impessoalidade. Deve-se relembrar que os princípios são linhas diretivas, de natureza ética, estabelecidas com fundamento na consciência do povo, em determinada sociedade e época. Os princípios gerais de cada sistema jurídico informam e iluminam a compreensão dos diversos segmentos normativos, permitindo ao legislador criar novos institutos e, ao intérprete, obter o entendimento dos institutos vigentes. Nessa linha de desenvolvimento, os princípios básicos da administração pública, no dizer de HELY LOPES MEIRELLES, constituem 'os fundamentos da ação administrativa ou, por outras palavras, os sustentáculos da atividade pública. Relegá-los é desvirtuar a gestão dos negócios públicos e olvidar o que há de mais elementar para a boa guarda e o zelo dos interesses sociais' ('in' Direito Administrativo Brasileiro, 17ª ed., p. 82). O princípio da moralidade, segundo DIÓGENES GASPARINI, significa 'que o ato e a atividade da Administração Pública devem obedecer não só à lei mas à própria moral, porque nem tudo que é legal é honesto, conforme afirmavam os romanos' ('in' Direito Administrativo, 2ª ed., p. 7). O princípio da isonomia ou igualdade dos administrados, ensina CELSO ANTÔNIO BANDEIRA DE MELLO, firma a tese de que a Administração 'não pode desenvolver qualquer espécie de favoritismo ou desvalia em proveito ou detrimento de alguém. Há de agir com obediência ao princípio da impessoalidade' ('in' Curso de Direito Administrativo, 4ª ed., p. 31). Assim, 'as pessoas administrativas não têm portanto disponibilidade sobre os interesses públicos confiados à sua guarda e realização' (op. cit., p. 24). Logo, o que se procura vedar, com tal princípio, nas palavras de HELY LOPES MEIRELLES, 'é a prática de ato administrativo sem interesse público ou conveniência para a Administração, visando unicamente a satisfazer interesses privados, por favoritismo ou perseguição dos agentes governamentais...' (op. cit., p. 86), sendo

20 que 'o ato ou contrato administrativo realizado sem interesse público configura desvio de finalidade' (op. cit., p. 82). Para DIÓGENES GASPARINI, ocorre desvio de finalidade quando 'o agente público que somente pode praticar ato ou agir voltado para o interesse público que acaba por praticar ato ou atuar para satisfazer a um interesse privado' (op. cit., p. 59). Nessa hipótese, conforme defende o autor, 'há legalidade, especificamente chamada de desvio de finalidade, que leva a nulidade ao ato administrativo que a contém.' (op. cit., p. 60) Cabe recordar aqui os dizeres de CELSO ANTÔNIO BANDEIRA DE MELLO: 'é mais grave violar um princípio do que uma norma cogente'. Com efeito, 'ao se descumprir uma norma, retira-se um tijolo da casa; ao se violar um princípio, abala-se toda a estrutura do prédio'. Nesse contexto, aceitar como lícitos e perfeitos os atos praticados pelos responsáveis arrolados no presente processo significaria negar a validade dos mais nobres princípios orientadores da Administração Pública." 15. Conclusivamente, o Ministério Público manifestou-se pelo não acolhimento das razões de justificativa apresentadas pelos responsáveis e pela aplicação, aos Srs. Antônio Abrahão Chalita, Jorge Rangel Dantas Brasil, Camillo Calazans de Magalhães, Sayde José Miguel, Amaury Loyola Conningham, Francisco de Assis Souza Lopes, Paulo Rubens Mandarino e Lafaiete Coutinho Torres, da multa cominada no art. 58, inciso II, da Lei nº 8.443/92, respeitando-se o limite estabelecido no art. 53 do Decreto-lei nº 199/67, vigente à época dos fatos. É o Relatório. Voto do Ministro Relator: Consoante constatado pela equipe auditora deste Tribunal, confirmou-se o tratamento diferenciado conferido pelo Banco do Brasil ao Grupo Bloch e TV Manchete, quer pela liberação de créditos indevidamente lastreados, quer pelo acatamento contumaz de cheques desprovidos de fundos. Não obstante esse tratamento privilegiado, o Grupo Bloch vem oferecendo resistência para a recomposição de seus saldos devedores desde o final da década de 40. Sem pretender ser irônico, força convir que cinqüenta anos deveria ser tempo suficiente para que o Banco do Brasil passasse a conferir ao então "cliente preferencial" tratamento condizente com sua reciprocidade, palavra essa tão comumente valorizada nos meios

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 563/97 - Plenário - Ata 35/97 Processo nº TC 003.561/94-1 Interessado: Murílio de Avellar Hingel, Ministro de Estado da Educação e do Desporto Órgão:

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 243/95 - Primeira Câmara - Ata 36/95 Processo nº TC 625.046/94-3 Responsáveis: José Alcides Marques Menezes, Antonio Carlos Menna Barreto Filho, Cléber

Leia mais

Assunto: Acompanhamento da publicação de extratos de contratos e dispensas de licitação no D.O.U.

Assunto: Acompanhamento da publicação de extratos de contratos e dispensas de licitação no D.O.U. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 503/96 - Plenário - Ata 32/96 Processo nº TC 625.062/96-5 Responsável: Ricardo Leônidas Ribas Entidade: Banco Meridional S/A Relator: Ministro Humberto

Leia mais

Assunto: Inspeção realizada por solicitação de Senador, aprovada pelo Senado Federal (Ofício nº 1.451-SF, de 23/10/96).

Assunto: Inspeção realizada por solicitação de Senador, aprovada pelo Senado Federal (Ofício nº 1.451-SF, de 23/10/96). Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 126/97 - Plenário - Ata 10/97 Processo nº TC 016.583/96-5 Interessado: Senador Teotonio Vilela Filho, Primeiro Vice-Presidente do Senado Federal, no

Leia mais

Interessados: INTERESSADA: ELESERVICE do Brasil - Componentes Eletrônicos Ltda.

Interessados: INTERESSADA: ELESERVICE do Brasil - Componentes Eletrônicos Ltda. Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0255-19/99-P Identidade do documento: Decisão 255/1999 - Plenário Ementa: Representação formulada por licitante. Possíveis irregularidades praticadas

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 528/96 - Plenário - Ata 33/96 Processo nº TC 575.337/93-1 c/ 13 Volumes anexos Apensos: TC 016.272/92-7 (Representação da Procuradoria da República

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Assunto: Solicitação do Congresso Nacional. Colegiado: Plenário. Classe: Classe II

Tribunal de Contas da União. Assunto: Solicitação do Congresso Nacional. Colegiado: Plenário. Classe: Classe II Tribunal de Contas da União Assunto: Solicitação do Congresso Nacional. Colegiado: Plenário Classe: Classe II Sumário: Solicitação de Auditoria na Prefeitura Municipal de Cajuri - MG, para esclarecer questões

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0360-34/99-1. Identidade do documento: Acórdão 360/1999 - Primeira Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0360-34/99-1. Identidade do documento: Acórdão 360/1999 - Primeira Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0360-34/99-1 Identidade do documento: Acórdão 360/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. FNS. Prefeitura Municipal de Guapimirim

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 41/96 - Plenário - Ata 05/96 Processo nº TC 010.652/95-7 Interessado: Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul - Dr.

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 64/96 - Plenário - Ata 18/96 Processo nº TC 030.818/91-5 Interessada: Deputada Federal Jandira Feghali. Órgão: Hospital Geral de Bonsucesso - HGB/RJ.

Leia mais

Representante do Ministério Público: JATIR BATISTA DA CUNHA

Representante do Ministério Público: JATIR BATISTA DA CUNHA Tribunal de Contas da União Representante do Ministério Público: JATIR BATISTA DA CUNHA Assunto: Tomada de Contas Especial Acórdão: Vistos, relatados e discutidos estes autos de Tomada de Contas Especial

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0337-31/99-1. Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0337-31/99-1. Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0337-31/99-1 Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. FAE. Prefeitura Municipal de Magé

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0208-34/00-P. Identidade do documento: Acórdão 208/2000 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0208-34/00-P. Identidade do documento: Acórdão 208/2000 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0208-34/00-P Identidade do documento: Acórdão 208/2000 - Plenário Ementa: Representação formulada por Equipe de Auditoria do TCU. Possíveis irregularidades

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 492/92 - Segunda Câmara - Ata 37/92 Processo nº TC 005.648/88-2 Responsáveis: JOÃO JOSÉ LAMARQUE e IVANEI CANHOLA DE SOUZA Órgão: Superintendência Regional

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 236/97 - Plenário - Ata 42/97 Processo nº TC 299.048/93-4. Interessados: Byron Costa Queiroz, Presidente, e Osmundo Evangelista Rebouças, Presidente

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 32/97 - Segunda Câmara - Ata 06/97 Processo TC 012.838/95-0 Responsável: Orlando do Prado Sobrinho Unidade: Caixa Econômica Federal - CEF Vinculação:

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0538-44/99-2. Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0538-44/99-2. Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0538-44/99-2 Identidade do documento: Acórdão 538/1999 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. MAS. Prefeitura Municipal de Jardim

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0199-14/00-2. Identidade do documento: Acórdão 199/2000 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0199-14/00-2. Identidade do documento: Acórdão 199/2000 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0199-14/00-2 Identidade do documento: Acórdão 199/2000 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Auxílio financeiro. MEC. Liga Parnaibana de

Leia mais

Assunto: Representação relativa a irregularidades na execução de obras públicas

Assunto: Representação relativa a irregularidades na execução de obras públicas Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 246/95 - Plenário - Ata 23/95 Processo nº TC 400.080-94-0 Responsável: Juvêncio César da Fonseca Entidade: Prefeitura Municipal de Campo Grande - MS

Leia mais

Entidade: Fundação Nacional de Saúde - Distrito Técnico Administrativo de Nortelândia - MT

Entidade: Fundação Nacional de Saúde - Distrito Técnico Administrativo de Nortelândia - MT Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0097-06/00-P Identidade do documento: Decisão 97/2000 - Plenário Ementa: Denúncia. Possíveis irregularidades praticadas pela Fundação Nacional de Saúde

Leia mais

INDEXAÇÃO Tomada de Contas Especial; CEF; Responsável em Débito; Ato Ilícito; Crime; Fraude;

INDEXAÇÃO Tomada de Contas Especial; CEF; Responsável em Débito; Ato Ilícito; Crime; Fraude; Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0664-44/00-2 Identidade do documento: Acórdão 664/2000 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. CEF. Prática de ilícitos em operações bancárias

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0145-41/98-P. Identidade do documento: Acórdão 145/1998 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0145-41/98-P. Identidade do documento: Acórdão 145/1998 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0145-41/98-P Identidade do documento: Acórdão 145/1998 - Plenário Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. MINTER. Prefeitura Municipal de Cravolândia

Leia mais

Representante do Ministério Público: PAULO SOARES BUGARIN;

Representante do Ministério Público: PAULO SOARES BUGARIN; Tribunal de Contas da União Representante do Ministério Público: PAULO SOARES BUGARIN; Assunto: Tomada de Contas Especial Acórdão: Vistos, relatados e discutidos estes autos de Tomada de Contas Especial

Leia mais

- Obrigatoriedade do órgão público realizar licitação para contratação de seguros nas operações com garantia de bens de terceiros. Considerações.

- Obrigatoriedade do órgão público realizar licitação para contratação de seguros nas operações com garantia de bens de terceiros. Considerações. Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0587-36/98-P Identidade do documento: Decisão 587/1998 - Plenário Ementa: Representação formulada por licitante contra o Banco do Brasil. Contratação

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 618/96 - Plenário - Ata 38/96 Processo nº TC 016.034/94-5 Interessado: Exmo. Sr. Juiz Federal Substituto da Seção Judiciária do Estado do Acre, Dr.

Leia mais

Entidade: Unidade: Coordenação de Serviços Gerais da Secretaria de Administração-Geral do Ministério da Educação e do Desporto

Entidade: Unidade: Coordenação de Serviços Gerais da Secretaria de Administração-Geral do Ministério da Educação e do Desporto Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0237-21/99-1 Identidade do documento: Acórdão 237/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas. Coordenação de Serviços Gerais da Secretaria de Administração-Geral

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 885/97 - Plenário - Ata 53/97 Processo nº TC 017.843/93-6 Interessado: Adyr da Silva, Presidente. Entidade: Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 227/97 - Plenário - Ata 38/97 Processo nº TC 575.315/96-2 Responsável: Geraldo Di Biase Filho (Diretor-Geral) Órgão: Hospital de Ipanema - RJ Vinculação:

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0393-35/98-2. Identidade do documento: Acórdão 393/1998 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0393-35/98-2. Identidade do documento: Acórdão 393/1998 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0393-35/98-2 Identidade do documento: Acórdão 393/1998 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Subvenção social. MBES. Prefeitura Municipal

Leia mais

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0483-30/01-P Identidade do documento: Decisão 483/2001 - Plenário Ementa: Acompanhamento. ANATEL. Licitação. Outorga de direito de concessão para a exploração

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0397-24/01-2. Identidade do documento: Acórdão 397/2001 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0397-24/01-2. Identidade do documento: Acórdão 397/2001 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0397-24/01-2 Identidade do documento: Acórdão 397/2001 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. CEF. Ilícito praticado por ex-servidor. Responsável

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 82/96 - Segunda Câmara - Ata 07/96 Processo nº TC 023.823/92-5 Interessado: Darlan José Dórea Santos (Diretor-Executivo) Entidade: Agência Especial

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 227/95 - Segunda Câmara - Ata 30/95 Processo nº TC 001.524/90-9 Responsáveis: Augusto Barreira Pereira e outros Entidade: Banco da Amazônia S/A. Vinculação:

Leia mais

Assunto: Denúncia de irregularidades na concessão de financiamentos com recursos do FGTS.

Assunto: Denúncia de irregularidades na concessão de financiamentos com recursos do FGTS. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 130/94 - Plenário - Ata 08/94 Processo nº TC 013.218/92-1, com 8 Volumes e 1 Anexo (TC 700.585/93-1 - Relatório de Inspeção Ordinária). Interessados:

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 18/98 - Plenário - Ata 07/98 Processo nº TC 014.945/95-9 Interessados: Vânia Regina Soares Marques, Francisco Eduardo Pereira, Sérgio Eduardo Langkjer

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 470/93 - Plenário - Ata 53/93 Processo nº TC 014.861/93-3 Entidade: Ministério da Justiça Relator: Ministra Élvia L. Castello Branco Redator da Decisão

Leia mais

Entidade: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq

Entidade: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0348-20/01-2 Identidade do documento: Acórdão 348/2001 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Pessoa física. CNPq. Concessão de bolsa de

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 187/96 - Plenário - Ata 14/96 Processo nº TC 011.152/94-0 - Sigiloso Interessado: Deputado Estadual Wagner Siqueira, membro da Assembléia Legislativa

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 79/94 - Plenário - Ata 35/94 Processo nº TC 649.118/92-8 Responsáveis: Telmo Marques Weber, Paulo Schuller Maciel, Alexandre Tesheiner Bessil, Luiz

Leia mais

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank CONSIDERANDO QUE: i) A empresa para a qual o MUTUÁRIO trabalha ( EMPREGADOR ) celebrou com o MUTUANTE (BANCO CITIBANK S.A.) Convênio

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 36/97 - Plenário - Ata 08/97 Processo nº TC 575.257/93-8, com 34 volumes e 2 anexos (TC 015.274/92-6 e TC 019.766/93-9) Responsáveis: Mavy D'Aché Assumpção

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 641/94 - Segunda Câmara - Ata 32/94 Processo nº TC 249.035/92-8 - Apenso: TC 225.172/91-7 (c/1 vol. anexo) R.I.O. Interessado: Juiz Antônio Carlos Marinho

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

Assunto: Tomada de Contas Especial instaurada em razão da omissão no dever de prestar contas.

Assunto: Tomada de Contas Especial instaurada em razão da omissão no dever de prestar contas. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 309/96 - Primeira Câmara - Ata 31/96 Processo nº TC 450.133/95-8 Responsável: Raimundo Pereira Barbosa, Prefeito. Unidade: Prefeitura Municipal de Palestina

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ACÓRDÃO Nº 1.358/2004-TCU-Plenário

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ACÓRDÃO Nº 1.358/2004-TCU-Plenário TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ACÓRDÃO Nº 1.358/2004-TCU-Plenário 1. Processo TC 003.181/2004-0 2. Grupo: I - Classe de Assunto: V - Relatório de Levantamento de Auditoria (Fiscobras 2004). 3. Partes: 3.1.

Leia mais

Assunto: Consulta sobre pagamento de despesas não empenhadas nem contratadas e sem crédito orçamentário.

Assunto: Consulta sobre pagamento de despesas não empenhadas nem contratadas e sem crédito orçamentário. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 321/95 - Plenário - Ata 30/95 Processo nº TC 325.129/95-9. Interessada (consulente): Maria José Santos de Santana, Assessora de Auditoria e Controle

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0407-23/01-1. Identidade do documento: Acórdão 407/2001 - Primeira Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0407-23/01-1. Identidade do documento: Acórdão 407/2001 - Primeira Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0407-23/01-1 Identidade do documento: Acórdão 407/2001 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Termo de Cooperação. Ministério da Saúde.

Leia mais

Representante do Ministério Público: UBALDO ALVES CALDAS;

Representante do Ministério Público: UBALDO ALVES CALDAS; Tribunal de Contas da União Representante do Ministério Público: UBALDO ALVES CALDAS; Dados Materiais: c/ 01 volume Assunto: Recurso de Reconsideração Acórdão: VISTOS, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

Outros Representantes do Ministério Público: Dra. Maria Alzira Ferreira e Dr. Paulo Soares Bugarin.

Outros Representantes do Ministério Público: Dra. Maria Alzira Ferreira e Dr. Paulo Soares Bugarin. Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0569-42/00-1 Identidade do documento: Acórdão 569/2000 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. FNDE. Prefeitura Municipal de Bom

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 56/96 - Plenário - Ata 16/96 Processo nº TC 279.153/93-7. Responsável: Manoel Enedino Gomes. Entidade: Associação Beneficente e Cultural de Caldeirão

Leia mais

Assunto: Denúncia sobre possíveis irregularidades na doação de aparas de papel.

Assunto: Denúncia sobre possíveis irregularidades na doação de aparas de papel. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 74/97 - Plenário - Ata 06/97 Processo nº TC 016.626/94-0 (Sigiloso) Responsável: Ary Cícero de Moraes Ribeiro, ex-diretor-geral. Interessado: Antônio

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

Assunto: Tomada de Contas Anual da Delegacia Regional da SUCAM no Rio Grande do Sul, exercício de 1987.

Assunto: Tomada de Contas Anual da Delegacia Regional da SUCAM no Rio Grande do Sul, exercício de 1987. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 196/92 - Plenário - Ata 20/92 Processo nº TC-649.016/88-2, Apensos: TC-006.834/88-4; TC-625.028/88-0; TC-625.402/87-1 e TC-625.407/87-3 Responsáveis:

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 668/96 - Plenário - Ata 42/96 Processo nº TC 015.702/95-2 Responsável: Eufrásio Mathias Sousa Neto, Diretor-Geral. Órgão: Superior Tribunal Militar

Leia mais

Ministro-Relator José Antonio Barreto de Macedo RELATÓRIO. Grupo II Classe II 1ª Câmara

Ministro-Relator José Antonio Barreto de Macedo RELATÓRIO. Grupo II Classe II 1ª Câmara MUNICÍPIO DE SANTOS DUMONT/MG - DOAÇÃO À ENTIDADE PÚBLICA DE DIREITO PRIVADO DE PRÉDIO CONSTRUÍDO COM RECURSOS FEDERAIS REPASSADOS A PREFEITURA MUNICIPAL MEDIANTE CONVÊNIOS Tomada de Contas Especial Grupo

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 315/96 - Primeira Câmara - Ata 32/96 Processo nº TC 000.303/93-3 Responsáveis: Markus Mozes Katz (ex-liquidante); David Preciado, Jandir de Moraes Feitosa

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 6/96 - Segunda Câmara - Ata 02/96 Processo nº TC 011.074/94-9 Responsáveis : Francisco das Chagas Alves (Diretor) e Raimundo Ivanildo de Sena Entidade:

Leia mais

Interessados: Responsável: Antonio Dernival Queiroz Dantas, ex-prefeito. CPF: 220.512.014-04

Interessados: Responsável: Antonio Dernival Queiroz Dantas, ex-prefeito. CPF: 220.512.014-04 Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0330-30/99-1 Identidade do documento: Acórdão 330/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Transferência de Recursos. MAS. Prefeitura

Leia mais

Entidade: Órgão de Origem: Secretaria do Estado da Justiça e Cidadania de Santa Catarina

Entidade: Órgão de Origem: Secretaria do Estado da Justiça e Cidadania de Santa Catarina Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0776-48/99-P Identidade do documento: Decisão 776/1999 - Plenário Ementa: Inspeção. Secretaria de Justiça de Santa Catarina. Pedido de reexame de decisão

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 111/97 - Plenário - Ata 09/97 Processo nº TC 0l5.766/96-9. Interessado: Identidade preservada. Entidade: Superintendência da Zona Franca de Manaus -

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instauração, a organização e o encaminhamento ao Tribunal de Contas da União dos processos de tomada de contas especial. O TRIBUNAL

Leia mais

INDEXAÇÃO Tomada de Contas Especial; Convênio; FNDE; Prefeitura Municipal; Paço do Lumiar MA; Inexecução de Convênio; Material; Multa;

INDEXAÇÃO Tomada de Contas Especial; Convênio; FNDE; Prefeitura Municipal; Paço do Lumiar MA; Inexecução de Convênio; Material; Multa; Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0613-45/00-1 Identidade do documento: Acórdão 613/2000 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. FNDE. Prefeitura Municipal de Paço

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0054-04/00-P. Identidade do documento: Decisão 54/2000 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0054-04/00-P. Identidade do documento: Decisão 54/2000 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0054-04/00-P Identidade do documento: Decisão 54/2000 - Plenário Ementa: Representação formulada por licitante. Possíveis irregularidades praticadas

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0317-18/01-2. Identidade do documento: Acórdão 317/2001 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0317-18/01-2. Identidade do documento: Acórdão 317/2001 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0317-18/01-2 Identidade do documento: Acórdão 317/2001 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Fundação Nacional de Saúde - Distrito Sanitário

Leia mais

Assunto: Tomada de Contas Especial instaurada em decorrência da omissão no dever de prestar contas de recursos federais recebidos mediante convênio.

Assunto: Tomada de Contas Especial instaurada em decorrência da omissão no dever de prestar contas de recursos federais recebidos mediante convênio. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 130/96 - Primeira Câmara - Ata 21/96 Processo nº TC 499.074/92-0 Responsável: José Felix de Brito (ex-prefeito). Entidade: Prefeitura Municipal de Itapororoca/PB.

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 44/98 - Plenário - Ata 12/98 Processo nº TC 625.277/95-3 Responsável: Alfredo Bertholio Paim (ex-gerente), Gilmar Luiz Scur (cliente) e empresa Decouro

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 400/95 - Plenário - Ata 37/95 Processo nº TC 010.330/95-0 Interessado: Paulo José Maestrali, Diretor da firma Maestrali Corretora e Administradora de

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 444/95 - Plenário - Ata 40/95 Processo nº TC 650.170/93-8 Responsáveis: Douglas de Macedo de Mesquita; Tertuliano Xavier de Brito; Walmor de Luca; Lourenço

Leia mais

Entidade: Órgão de Origem: Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região/RJ

Entidade: Órgão de Origem: Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região/RJ Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0809-46/98-P Identidade do documento: Decisão 809/1998 - Plenário Ementa: Denúncia. Possíveis irregularidades no TRT da 1a Região. Nomeação de suplente

Leia mais

Representante do Ministério Público: UBALDO ALVES CALDAS;

Representante do Ministério Público: UBALDO ALVES CALDAS; Tribunal de Contas da União Representante do Ministério Público: UBALDO ALVES CALDAS; Dados Materiais: c/ 01 volume Assunto: Recurso de Reconsideração Acórdão: VISTOS, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

INDEXAÇÃO Representação; Licitação; INPI; Concorrência; Edital; Capacidade Técnica; Atestado; Prestação de Serviços; Assistência Médica;

INDEXAÇÃO Representação; Licitação; INPI; Concorrência; Edital; Capacidade Técnica; Atestado; Prestação de Serviços; Assistência Médica; Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-1027-47/00-P Identidade do documento: Decisão 1027/2000 - Plenário Ementa: Representação formulada por licitante. Possíveis irregularidades praticadas

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0349-33/99-1. Identidade do documento: Acórdão 349/1999 - Primeira Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0349-33/99-1. Identidade do documento: Acórdão 349/1999 - Primeira Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0349-33/99-1 Identidade do documento: Acórdão 349/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Transferência de recursos. MAS. Prefeitura

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 506/97 - Segunda Câmara - Ata 26/97 Processo TC nº 350.348/95-2. Responsáveis: Álvaro Ferreira Nobre (ex-presidente) e Adalberto Pereira Lima (ex-secretário).

Leia mais

Assunto: Representação com fundamento no art. 113, 1º, da Lei nº 8.666/93.

Assunto: Representação com fundamento no art. 113, 1º, da Lei nº 8.666/93. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 408/95 - Plenário - Ata 37/95 Processo nº TC 500.085/95-1 Interessada: CONTHÁBIL Auditoria, Consultoria e Planejamento Ltda. Entidade: Departamento

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TEXTO 2 PRESTAÇÃO DE CONTAS E SUAS ESPECIFICIDADES INTRODUÇÃO Tomando como base a definição do Tesouro Nacional que designa a Prestação Contas como: Demonstrativo organizado pelo próprio

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 307/98 - Plenário - Ata 19/98 Processo TC nº 014.188/97-0 Interessado: Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados. Entidade:

Leia mais

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO CIRCULAR Nº 110 Regulamenta a Concessão e Manutenção de Empréstimos a Participantes e Assistidos da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES. 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0148-17/00-2. Identidade do documento: Decisão 148/2000 - Segunda Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0148-17/00-2. Identidade do documento: Decisão 148/2000 - Segunda Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0148-17/00-2 Identidade do documento: Decisão 148/2000 - Segunda Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. Fundo Nacional de Saúde. Prefeitura

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, critérios e normas de concessão de Empréstimo Pessoal aos participantes da PREVICEL Previdência Privada da CELEPAR, obedecendo as disposições legais vigentes sobre

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0122-08/00-P. Identidade do documento: Decisão 122/2000 - Plenário

Tribunal de Contas da União. Número do documento: DC-0122-08/00-P. Identidade do documento: Decisão 122/2000 - Plenário Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0122-08/00-P Identidade do documento: Decisão 122/2000 - Plenário Ementa: Auditoria. CBTU. Obra de implantação do metrô de Belo Horizonte, trecho Calafate-Barreiro.

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA Condições Gerais Abaixo estão as Condições Gerais do

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

Representante do Ministério Público: JATIR BATISTA DA CUNHA; WALTON ALENCAR RODRIGUES; CRISTINA MACHADO DA COSTA E SILVA;

Representante do Ministério Público: JATIR BATISTA DA CUNHA; WALTON ALENCAR RODRIGUES; CRISTINA MACHADO DA COSTA E SILVA; Tribunal de Contas da União Representante do Ministério Público: JATIR BATISTA DA CUNHA; WALTON ALENCAR RODRIGUES; CRISTINA MACHADO DA COSTA E SILVA; Assunto: Tomada de Contas Especial Acórdão: VISTOS,

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 392/96 - Segunda Câmara - Ata 37/96 Processo TC 350.300/95-0. Responsável: Durval Ribeiro Alves. Entidade: Empresa de Assistência Técnica e Extensão

Leia mais

Assunto: Relatório da Auditoria realizada na área de contratos, licitações e pessoal.

Assunto: Relatório da Auditoria realizada na área de contratos, licitações e pessoal. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 364/98 - Plenário - Ata 23/98 Processo nº TC 725.037/97-0. Entidade: Conselho Regional de Medicina do Tocantins - CRM/TO. Responsável: Neuza Gonçalves

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 403/96 - Plenário - Ata 27/96 Processo nº TC 017.660/93-9 Responsáveis: Eduardo Lacerda Trevisan (ex-prefeito), Luiz Márcio Pozzi (vice-prefeito, a

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002,

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002, RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) 1014 Ementa: Estabelece manual de normas e procedimentos orçamentários, contábeis e financeiros, e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 242/95 - Plenário - Ata 23/95 Processo nº TC 008.663/93-9 Interessado: Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados. Entidade: Banco do

Leia mais

Representante do Ministério Público: UBALDO ALVES CALDAS

Representante do Ministério Público: UBALDO ALVES CALDAS Tribunal de Contas da União Representante do Ministério Público: UBALDO ALVES CALDAS Dados Materiais: (c/ 2 volumes). Assunto: Tomada de Contas Especial. Acórdão: Vistos, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 374/94 - Plenário - Ata 24/94 Processo nº TC 014.243/93-8 Interessado: Laboratório Universal - Pesquisas e Análises Clínicas Ltda. Órgão: Secretaria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000.

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000. RESOLUÇÃO Nº 1748 01/03/2000. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de Altera e consolida critérios para inscrição de valores nas contas de créditos em liquidação e

Leia mais

Interessados: Responsáveis: Francisco das Chagas de Mariz Fernandes (Diretor-Geral)..

Interessados: Responsáveis: Francisco das Chagas de Mariz Fernandes (Diretor-Geral).. Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0142-40/98-P Identidade do documento: Acórdão 142/1998 - Plenário Ementa: Prestação de Contas. Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte. Exercício

Leia mais

Interessados: RESPONSÁVEIS: João Paulo Bastos Hildebrandt e Paulo Macedo de Carvalho Mesquita

Interessados: RESPONSÁVEIS: João Paulo Bastos Hildebrandt e Paulo Macedo de Carvalho Mesquita Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0054-06/99-1 Identidade do documento: Acórdão 54/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas. Centro Psiquiátrico Pedro II. Exercício de 1997. Garantias

Leia mais

Representante do Ministério Público: FRANCISCO DE SALLES MOURAO BRANCO

Representante do Ministério Público: FRANCISCO DE SALLES MOURAO BRANCO Tribunal de Contas da União Vinculação: Ministério de Minas e Energia Representante do Ministério Público: FRANCISCO DE SALLES MOURAO BRANCO Dados Materiais: Anexo: TC 010.790/85-3 (Denúncia c/10 vols.)

Leia mais

Entidade: Associação dos Servidores da Câmara dos Deputados- ASCADE

Entidade: Associação dos Servidores da Câmara dos Deputados- ASCADE Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0289-33/98-1 Identidade do documento: Decisão 289/1998 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. ASCADE. Excesso de requisição de materiais

Leia mais