Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático"

Transcrição

1 Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens brasileiros, observadas as disposições das presentes Normas Operacionais e a legislação que disciplina o financiamento à exportação. 2. FORMALIZAÇÃO OPERACIONAL Financiamento mediante a abertura de linha de crédito e de condições básicas para a utilização desta linha, formalizado por meio da celebração de contrato de financiamento entre o BNDES e a Instituição Financeira ou pelo desconto de cartas de crédito emitidas ou confirmadas pela Instituição Financeira, com desembolso de recursos ao Exportador, em reais, no Brasil. 3. EXPORTADOR Empresa exportadora de bens brasileiros, constituída sob as leis brasileiras e que tenha sede e administração no País, incluindo trading company e empresa comercial exportadora. 4. IMPORTADOR Pessoa física ou jurídica de direito público ou privado constituída no exterior que adquire os bens brasileiros. 5. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DEVEDORA Instituição Financeira no exterior ou Instituição Financeira no Brasil que atue por meio de agência no exterior, com limite de crédito para operar com o Sistema BNDES, que assume a obrigação de pagamento resultante da exportação dos bens brasileiros. 6. BANCO MANDATÁRIO Instituição financeira domiciliada no Brasil, credenciada para operar com o Sistema BNDES, que possua mesa de câmbio, e definida pelo Exportador, responsável, entre outras obrigações estipuladas nestas Normas Operacionais, pela remessa e análise da documentação vinculada à exportação, transferência ao Exportador dos recursos desembolsados pelo BNDES, cobrança e fechamento de câmbio e que não assume o risco de crédito da operação.

2 7. ITENS FINANCIÁVEIS 7.1. Bens indicados nos Grupos I, II e III da Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES, que atendam os critérios de elegibilidade do BNDES e, caso aplicável, sejam credenciados pelo BNDES para o Produto BNDES Finame Poderão ser apoiadas as partes e peças sobressalentes constantes da Relação de Produtos Financiáveis, ainda que não elegíveis ao apoio no âmbito do Produto BNDES Exim Pós-embarque, desde que exportadas em conjunto com máquinas e equipamentos novos, inclusive sistemas industriais, credenciados pelo BNDES, até o limite de 20% (vinte por cento) da soma dos valores dos equipamentos principais objeto do financiamento, sob as mesmas condições da colaboração financeira concedida pelo BNDES em relação ao fornecimento dos equipamentos principais. 8. CONDIÇÕES OPERACIONAIS 8.1. Moeda: dólar dos Estados Unidos da América ou euro Prazo de Validade da Linha de Crédito: até 2 (dois) anos, contados a partir da data de assinatura do contrato de financiamento entre o BNDES e a Instituição Financeira ou da data de aprovação da abertura da linha de crédito para a Instituição Financeira no caso de operações sem contrato de financiamento, condicionado à manutenção do limite de crédito da Instituição Financeira nas revisões periódicas a serem efetuadas pelo BNDES Participação do BNDES: até 100% (cem por cento) do valor da exportação, no INCOTERM negociado entre o Exportador e o Importador, deduzido de eventual pagamento antecipado do Importador ao Exportador Prazo do Financiamento do BNDES: até 5 (cinco) anos, sendo definido pelo BNDES de acordo com as características da operação O Prazo do Financiamento deverá ser contado a partir da data de cada embarque ou da consolidação de embarques, podendo, a critério do BNDES e observada a legislação aplicável, ser definido outro termo inicial de contagem, em razão das características da operação No caso de consolidação de embarques, será considerada como data da consolidação a do último evento que a integre Para fins de contagem de prazo, caso seja definido pelo BNDES como termo inicial o embarque, há que se considerar a data do Conhecimento de Embarque, informada no Registro de Exportação RE.

3 8.5. Amortização: em até 10 (dez) parcelas consecutivas, de periodicidade semestral, contadas do mesmo termo inicial estabelecido para o prazo do financiamento do BNDES, cada uma delas no valor do principal vincendo da dívida, dividido pelo número de prestações de amortização ainda não vencidas Pagamento de Juros: em parcelas consecutivas, de periodicidade semestral, contadas do mesmo termo inicial da amortização do principal, não sendo admitida carência Desembolsos: os desembolsos serão efetuados pelo BNDES ao Exportador, por intermédio do Banco Mandatário, mediante o cumprimento das condições para desembolso constantes dos Procedimentos Operacionais e do contrato de financiamento, caso aplicável O valor a ser desembolsado pelo BNDES expresso na autorização de desembolso ou apurado mediante a aplicação da taxa de desconto às cartas de crédito emitidas ou confirmadas pela Instituição Financeira, em dólar dos Estados Unidos da América ou em euro, será convertido em moeda corrente nacional pela taxa média de compra da moeda do financiamento, divulgada pelo Banco Central do Brasil e disponível no portal do BNDES, correspondente ao dia útil imediatamente anterior à data do desembolso dos recursos e vigente para o dia desse desembolso Encargos a serem cobrados pelo BNDES: Taxa de Juros: nas operações formalizadas por meio de contrato de financiamento entre o BNDES e a Instituição Financeira, a taxa de juros será composta pela Remuneração do BNDES acrescida do Custo Financeiro, assim definido: LIBOR 1, em dólar dos Estados Unidos da América ou em euro, informada no portal do BNDES, com origem na taxa divulgada pelo Banco Central do Brasil, podendo ser fixa ou flutuante, nos seguintes termos: LIBOR Fixa: LIBOR correspondente ao respectivo prazo do financiamento do BNDES, em vigor na data da homologação da operação pelo BNDES, permanecendo fixa até a total liquidação da dívida decorrente do 1 Taxa de Juros para Empréstimos e Financiamentos no Mercado Interbancário de Londres - LIBOR, disponível no portal do BNDES ( seção de Moedas Contratuais. Esta taxa, válida para o dia da pesquisa (data de validade), tem origem nas taxas divulgadas pelo SISBACEN (PTAX-800, opção 8), conforme cotadas no mercado interbancário de Londres, 2 (dois) dias úteis - nas cidades de Londres e Nova Iorque - anteriores à data para a qual se deseja a LIBOR (data de cotação). Caso a data de referência da LIBOR recaia em dias não úteis nas cidades de Londres ou Nova Iorque, será adotada, como taxa com validade para este dia, a LIBOR válida para o primeiro dia útil posterior.

4 respectivo termo de adesão ao contrato, constante dos Procedimentos Operacionais. LIBOR Flutuante: LIBOR de 6 (seis) meses, em vigor na data de cada embarque, reajustável semestralmente a partir do 6º (sexto) mês a contar da data do respectivo embarque, até a total liquidação da dívida decorrente do termo de adesão ao contrato, constante dos Procedimentos Operacionais Taxa de Desconto: nas operações formalizadas por meio do desconto de cartas de crédito emitidas ou confirmadas pela Instituição Financeira, a taxa de desconto deverá considerar em sua composição o seguinte referencial de Custo Financeiro, acrescido da Remuneração do BNDES: LIBOR, em dólar dos Estados Unidos da América ou em euro, correspondente ao prazo do financiamento, informada no portal do BNDES, com origem na taxa divulgada pelo Banco Central do Brasil, em vigor na data da homologação da operação pelo BNDES Remuneração do BNDES: Deverá ser de, no mínimo, 0,4% (quatro décimos por cento) ao ano, variando conforme a classificação de risco-país da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), atribuída ao país da Instituição Financeira na data da homologação da operação pelo BNDES, dentro das faixas de Remuneração estipuladas pelo BNDES, observado o item Classificação de risco-país OCDE Remuneração do BNDES 0, 1, 2 e 3 0,40% a.a. 4 e 5 0,65% a.a. 6 e 7 1,35% a.a Condição Geral: O BNDES poderá estabelecer outros encargos financeiros, bem como admitir outras garantias ou mitigadores de risco, a seu exclusivo critério Demais Encargos e Despesas: Comissão de Banco Mandatário: comissão devida pelo Exportador ao Banco Mandatário, a título de pagamento pelos serviços mencionados no item 6 deste Regulamento, no montante a ser definido entre o Exportador e o Banco Mandatário, segundo um dos seguintes critérios: a) até 1% (um por cento) do valor total de cada desembolso, devendo ser retida pelo Banco Mandatário em parcela única

5 por desembolso, na data da correspondente transferência de recursos ao Exportador; ou b) até US$ ,00 (dez mil dólares dos Estados Unidos da América), relativa a cada operação homologada pelo BNDES Despesas: todas as despesas incorridas na negociação e formalização do financiamento, incluindo as relativas aos atos necessários à sua validade, legalidade e eficácia, serão de responsabilidade da Instituição Financeira, devendo ser pagas diretamente por esta ou reembolsadas ao BNDES no prazo estipulado no respectivo aviso de cobrança ou como condição ao primeiro desembolso posterior a esse aviso, o que antes ocorrer Penalidades por inadimplemento da Instituição Financeira: na ocorrência de inadimplemento da obrigação de pagamento de principal e juros decorrente das cartas de crédito emitidas ou confirmadas pela Instituição Financeira, serão aplicados juros moratórios de 6% (seis por cento) ao ano, respeitada a taxa máxima legal vigente no país da Instituição Financeira, incidentes sobre o saldo devedor vencido, calculados dia a dia, de acordo com o sistema proporcional, sem prejuízo das demais penalidades cabíveis, ou deverão ser observadas as disposições contratuais pertinentes, caso a operação seja formalizada por meio da celebração de contrato de financiamento Penalidades por inadimplemento do Banco Mandatário: na ocorrência de inadimplemento de qualquer obrigação assumida pelo Banco Mandatário, serão aplicadas as Normas Operacionais do Produto BNDES Exim Pós-embarque pertinentes.

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO 1. OBJETIVO Financiar na fase pré-embarque a produção, para exportação, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES. 2. BENEFICIÁRIA

Leia mais

Apoio do BNDES às Exportações

Apoio do BNDES às Exportações Apoio do BNDES às Exportações ABINEE São Paulo outubro/2015 Classificação: Documento Ostensivo - Unidade Gestora AEX Objetivos Objetivos Apoiar a exportação de bens e serviços de alto valor agregado; Aumentar

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Janeiro de 2017 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações 1 PROEX Programa de Financiamento às Exportações 2 Banco do Brasil e o Exportador Garantias Crédito Serviços Mecanismos de Apoio às Exportações 3 ACC/ACE Banco do Brasil e o Exportador Linhas de Crédito

Leia mais

4. CHEQUES (PARTICULARES)

4. CHEQUES (PARTICULARES) 4.1. Requisição e entrega de módulos de cheque REQUISIÇÃO Máquina de cheques Internet ATM Personalizado ENTREGA Self - Cheque 1. Cheque cruzado (2) (3) (4) (5) (6) 1.1 À ordem standard - Com data de validade

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor:

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 20-jul-16 O Preçário completo do Banco Privado Atlântico Europa, S.A., contém o Folheto

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Depósitos à Ordem Particulares Clientes Particulares, maiores de 18 anos Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada através

Leia mais

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite.

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite. Sicredi Cheque Especial Definição Limite de crédito Forma de Limite de crédito disponibilizado em conta corrente para utilização imediata pelo associado, quando e como desejar. do tomador e respectivo

Leia mais

Lucro Líquido ,43. Lucros Acumulados ,71. Lucro Líquido Ajustado ,14. Reserva Legal

Lucro Líquido ,43. Lucros Acumulados ,71. Lucro Líquido Ajustado ,14. Reserva Legal DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO - Exercício 2011 Srs. Acionistas, Consoante as disposições da Lei 6.404, de 15.12.1976, e o Estatuto do Banco, apresento à deliberação desta Assembleia a destinação do Lucro

Leia mais

WEBCAST 3T16. Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 2016

WEBCAST 3T16. Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 2016 WEBCAST 3T16 Rio de Janeiro, 10 de Novembro de 2016 PRINCIPAIS DESTAQUES 3T16 T1 Aprovado alfandegamento do T-OIL Primeira operação de transbordo no terminal de petróleo 76 embarques de minério de ferro

Leia mais

Preçário. Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017

Preçário. Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017 Preçário Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Económico e no site www.bancoeconomico.ao.

Leia mais

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Rural Europa S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO Abaixo estão presentes as cláusulas e condições do CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO solicitado à SENFF S/A, sendo estas aplicáveis após aceitação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.178, DE 07 DE JANEIRO DE 2013 Altera as normas para renegociação das operações de crédito fundiário contratadas ao amparo do Fundo de Terras e da Reforma Agrária, inclusive as operações

Leia mais

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES CIRCULAR N 12/2009 Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2009 Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 11 de dezembro de Série. Número 194

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 11 de dezembro de Série. Número 194 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 11 de dezembro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA SAÚDE Portaria n.º 343/2015

Leia mais

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2. Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada do Folheto de Comissões e Despesas

Leia mais

Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$

Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$ Antônio fez os dois investimentos seguintes, em que ambos pagam juros compostos de 3% ao mês. I Três depósitos mensais, consecutivos e iguais a R$ 2.000,00; o primeiro foi feito no dia 1.º/3/2009. II Dois

Leia mais

DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO. - Exercício Srs. Acionistas,

DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO. - Exercício Srs. Acionistas, DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO - Exercício 2012 Srs. Acionistas, Consoante as disposições da Lei 6.404, de 15.12.1976, e o Estatuto do Banco, apresento à deliberação desta Assembleia a destinação do Lucro

Leia mais

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES)

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES) 12.1. Requisição e entrega de módulos de cheque REQUISIÇÃO Máquina de cheques Internet ATM Personalizado ENTREGA Self - Cheque 1. Cheque cruzado (2) 1.1 À ordem standard - Com data de validade Nº de cheques:

Leia mais

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES)

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES) 16.1. Remessas documentárias Cobranças e descontos de exportação 1. Comissão - Remessas à cobrança 0,26% (67,50 / 270,00) 2. Comissão - Remessas descontadas c/ documentos 0,26% (67,50 / 270,00) 3. Comissão

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 389

CARTA CIRCULAR Nº 389 Às Instituições Financeiras CARTA CIRCULAR Nº 389 Em conformidade com a Circular nº 492, de 07.01.80, comunicamos que, a partir desta data, as seções 16 12 1, 16 13 2, 16 13 3, 16 13 4, 16 13 5, 16 13

Leia mais

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65

ARTIGO 65 DA LEI Nº , DE 11 DE JUNHO DE Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial ARTIGO 65 ARTIGO 65 LEI Nº 12.249, DE 11 DE JUNHO DE 2010 Art. 65. Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições desta Lei, os débitos administrados pelas autarquias e fundações

Leia mais

Empréstimos e Financiamentos

Empréstimos e Financiamentos Empréstimos e Financiamentos 1. Introdução São operações realizadas entre a empresa e instituições financeiras, visando tomar destas, recursos para investimentos (imobilizações) ou capital de giro, mediante

Leia mais

REFAZ 2015 POSSIBILITA PARCELAMENTO DE DÍVIDAS DE ICMS COM REDUÇÕES DE JUROS E MULTA E PAGAMENTO EM ATÉ 120 PARCELAS

REFAZ 2015 POSSIBILITA PARCELAMENTO DE DÍVIDAS DE ICMS COM REDUÇÕES DE JUROS E MULTA E PAGAMENTO EM ATÉ 120 PARCELAS REFAZ 2015 POSSIBILITA PARCELAMENTO DE DÍVIDAS DE ICMS COM REDUÇÕES DE JUROS E MULTA E PAGAMENTO EM ATÉ 120 PARCELAS O PROGRAMA DE PARCELAMENTO No dia 1º de setembro último, o Estado do Rio Grande do Sul

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Cofidis, contém

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRA

OPERAÇÕES FINANCEIRA OPERAÇÕES FINANCEIRA (Cap 09) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Renê Coppe Pg. 1 APLICAÇÃO DE RECURSOS (ATIVOS): APLICAÇÕES FINANCEIRAS Renê

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Millennium

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO Bear USD Série I

Prospecto Informativo - ATLANTICO Bear USD Série I Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO Bear USD Série I Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 18 meses (540 dias),

Leia mais

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês?

5 Calcular o valor do capital que produz juros de R$ 1.200,00 no final de 8 meses se aplicado a uma taxa de juros de 5% ao mês? - Pagamento único Resolver todas as questões utilizando: a) critério de juros simples b) critério de juros compostos 1 Uma pessoa empresta R$ 2.640,00 pelo prazo de 5 meses a uma taxa de juros de 4% ao

Leia mais

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016.

DECRETO Nº , DE 10 DE MARÇO DE 2016. DECRETO Nº 19.332, DE 10 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta a Lei nº 12.005, de 11 de fevereiro de 2016, que permite às instituições conveniadas com o Município ou mantidas pelo Estado e cadastradas como beneficiárias

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista Renda Variável O produto As operações no mercado de câmbio contemplam a negociação de moedas estrangeiras entre participantes com diferentes objetivos. Podem ser divididas, basicamente, em operações do

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

PARECER 050/ Dos Parcelamentos Previstos na Lei /2013:

PARECER 050/ Dos Parcelamentos Previstos na Lei /2013: PARECER 050/2013 Parecer e análise dos parcelamentos previstos na Lei 12.865/2013. 1 - Dos Parcelamentos Previstos na Lei 12.865/2013: A Lei 12.865/2013 reabriu o prazo para que os contribuintes possam

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 011/2015, de 23 de outubro de 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 011/2015, de 23 de outubro de 2015. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 011/2015, de 23 de outubro de 2015. Altera e consolida as Normas Operacionais do Produto BNDES Exim Pré-embarque, Linha de Financiamento

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

INSTRUTIVO Nº 02/91. O presente Instrutivo define o regime obrigatórias a constitu de acordo Aviso nº 01/91 do Governo do Banco Nacional de Angola.

INSTRUTIVO Nº 02/91. O presente Instrutivo define o regime obrigatórias a constitu de acordo Aviso nº 01/91 do Governo do Banco Nacional de Angola. INSTRUTIVO Nº 02/91 Assunto: POLITICA MONETARIA -Reservas Obrigatórias.Regulamento O presente Instrutivo define o regime obrigatórias a constitu de acordo Aviso nº 01/91 do Governo do Banco Nacional de

Leia mais

ISS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DETALHAMENTO DAS CONTAS DO COSIF COM INCIDÊNCIA DO ISS:

ISS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DETALHAMENTO DAS CONTAS DO COSIF COM INCIDÊNCIA DO ISS: ISS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DETALHAMENTO DAS CONTAS DO COSIF COM INCIDÊNCIA DO ISS: Título: RENDAS DE ARRENDAMENTOS FINANCEIROS - RECURSOS INTERNOS 7.1.2.10.00-1 Função: Registrar as rendas de arrendamento

Leia mais

Spread 5,500% a 15,750% Nota (1a) 2. Linha Millennium Garantia Prazo: sem termo definido Eónia ou Euribor/ Libor a 1, 3, 6 e

Spread 5,500% a 15,750% Nota (1a) 2. Linha Millennium Garantia Prazo: sem termo definido Eónia ou Euribor/ Libor a 1, 3, 6 e 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa Anual Nominal (TAN) Empréstimos a taxa variável (as contas correntes incluem as Contas Correntes com Gestão de Cheques e as Contas Correntes Iva on Time).

Leia mais

ANO XXVI ª SEMANA DE AGOSTO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 32/2015

ANO XXVI ª SEMANA DE AGOSTO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 32/2015 ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE AGOSTO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 32/2015 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA TAXAS DE CÂMBIO PARA ATUALIZAÇÃO DOS CRÉDITOS E OBRIGAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA ATUALIZAÇÃO EM

Leia mais

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos)

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) ACTIVO 2013 2012 Disponibilidades 50,707,848 53,115,360 Aplicações de liquidez - Operações no Mercado Monetário

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO GBPUSD Série I

Prospecto Informativo - ATLANTICO GBPUSD Série I Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO GBPUSD Série I Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 3 meses, denominado em

Leia mais

Instruções para preenchimento dos Documentos 3020, 3026 e Para efeito da prestação de informações ao SCR, considera-se:

Instruções para preenchimento dos Documentos 3020, 3026 e Para efeito da prestação de informações ao SCR, considera-se: Instruções para preenchimento dos Documentos 3020, 3026 e 3030 Para fins de preenchimento dos arquivos correspondentes aos documentos referidos no inciso II do item 1 da Carta-Circular nº 3.404, de 30

Leia mais

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA 1. CONTAS DE TÍTULOS CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) Em todas as Bolsas 12,00 (*) - Aplicável a todas as Contas Título com saldo médio diário superior a 0 (zero) no

Leia mais

Programa de Regularização Tributária - PRT

Programa de Regularização Tributária - PRT Programa de Regularização Tributária - PRT Aprovadas pela MEDIDA PROVISÓRIA Nº 766, DE 4 DE JANEIRO DE 2017. janeiro de 2017 Introdução A MP 766, institui o Programa de Regularização Tributária - PRT,

Leia mais

RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (Art. 22, III, p, da Lei /05)

RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (Art. 22, III, p, da Lei /05) ANEXO I FLUXO DE CAIXA REALIZADO Período: Dezembro/2005 MOVIMENTAÇÃO TOTAL R$ 1,00 VARIAÇÃO (*) % V % H A SALDO INICIAL 134.232.192,60 100,0% 5,4% B ENTRADAS 8.591.413,28 100,0% 4,9% B.1 RECEITAS 8.583.022,12

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 19/2015 de 02 de Dezembro

INSTRUTIVO N.º 19/2015 de 02 de Dezembro INSTRUTIVO N.º 19/2015 de 02 de Dezembro ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA - Reservas Obrigatórias Convindo ajustar as regras de apuramento e cumprimento das Reservas Obrigatórias ao actual quadro de estabilidade

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

Preçário BNP PARIBAS LEASE GROUP, SA SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BNP PARIBAS LEASE GROUP, SA SUCURSAL. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BNP PARIBAS LEASE GROUP, SA SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo [do(a) designação da instituição], contém o Folheto

Leia mais

Operações Financeiras

Operações Financeiras Capítulo 9 1. A Cia. Esmeralda obteve, em 1º de novembro de X1, um empréstimo bancário de R$ 500.000,00, a ser liquidado no final de janeiro de X2, em uma única cota, no total de R$ 562.432,00. Considerando

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados na presente Linha.

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados na presente Linha. á~bndes Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AO! CIRCULAR SUP/AOI W 03/2017-BNDES Rio de Janeiro, 24 de janeiro de 2017 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Linha BNDES para Composição de Dívidas-

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO USD Opportunity

Prospecto Informativo - ATLANTICO USD Opportunity Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO USD Opportunity Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 6 meses, denominado em

Leia mais

ATLANTICO Paridade EUR/USD

ATLANTICO Paridade EUR/USD Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou Variáveis Subjacentes ou Associados Perfil de Cliente recomendado ATLANTICO

Leia mais

PROGRAMA DE RELACIONAMENTO BRASILIA DA GENTE

PROGRAMA DE RELACIONAMENTO BRASILIA DA GENTE 1. OBJETIVO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO BRASILIA DA GENTE 1.1 Este instrumento tem como objetivo regulamentar a participação dos titulares dos cartões de crédito da Cartão BRB, participantes do Programa

Leia mais

Comissões Acresce Imposto Comissões Valores Sem Imposto Euros (min/máx) Valor Anual. 2. Comissão de Renovação , %

Comissões Acresce Imposto Comissões Valores Sem Imposto Euros (min/máx) Valor Anual. 2. Comissão de Renovação , % Entrada em vigor: 06-janeiro-2017 10.1. Linhas de Crédito e Contas Correntes Crédito de Curto Prazo em Conta Corrente 1. Comissão de Abertura 0,75% 250,00 / 4% 2. Comissão de Renovação / Gestão 0,75% 250,00

Leia mais

ANEXO I - REGULAMENTO PROGRAMA DE FIDELIDADE CARTÃO PERNAMBUCANAS MASTERCARD GOLD

ANEXO I - REGULAMENTO PROGRAMA DE FIDELIDADE CARTÃO PERNAMBUCANAS MASTERCARD GOLD ANEXO I - REGULAMENTO PROGRAMA DE FIDELIDADE CARTÃO PERNAMBUCANAS MASTERCARD GOLD 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. Este instrumento é parte integrante do Contrato de Prestação de Serviços de Emissão e Administração

Leia mais

PROGRAMA DE RELACIONAMENTO BRASILIA DA GENTE

PROGRAMA DE RELACIONAMENTO BRASILIA DA GENTE PROGRAMA DE RELACIONAMENTO BRASILIA DA GENTE 1. OBJETIVO 1.1 Este instrumento tem como objetivo regulamentar a participação dos titulares dos cartões de crédito da Cartão BRB, participantes do Programa

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

LISTA 03: EXERCÍCIOS SOBRE SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE FINANCIAMENTOS

LISTA 03: EXERCÍCIOS SOBRE SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE FINANCIAMENTOS LISTA 03: EXERCÍCIOS SOBRE SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE FINANCIAMENTOS 01) Um empréstimo no valor de R$ 90.000,00 deverá ser pago em quinze prestações mensais consecutivas, vencendo a primeira trinta dias

Leia mais

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh)

Energia faturada por classe de consumidores (em GWh) 1 Perfil A AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. ( Companhia ) é uma companhia de capital aberto, de direito privado, autorizada a operar como concessionária do Serviço Público de Distribuição de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos - Transparência de Basiléia III (Circular no /14)

Relatório de Gerenciamento de Riscos - Transparência de Basiléia III (Circular no /14) Relatório de Gerenciamento de Riscos - Transparência de Basiléia III (Circular no. 3.678/14) I - Informações Relativas ao montante RWA RWAcpad - Por fator de ponderação de risco (R$/mil) 2T15 3T15 4T15

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS

3. BASES DE APRESENTAÇÃO E PRINCIPAIS CRITÉRIOS VALORIMÉTRICOS NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Ermesinde (Instituição de Utilidade Pública), também denominada Bombeiros Voluntários de Ermesinde tem como objectivo principal manter

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 08/2015 De 03 de Junho

INSTRUTIVO N.º 08/2015 De 03 de Junho INSTRUTIVO N.º 08/2015 De 03 de Junho ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA - Reservas Obrigatórias Convindo ajustar as regras de apuramento e cumprimento das Reservas Obrigatórias ao actual quadro de estabilidade

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos - Transparência de Basiléia III (Circular no /14)

Relatório de Gerenciamento de Riscos - Transparência de Basiléia III (Circular no /14) Relatório de Gerenciamento de Riscos - Transparência de Basiléia III (Circular no. 3.678/14) I - Informações Relativas ao montante RWA RWAcpad - Por fator de ponderação de risco (R$/mil) 1T16 2T16 3T16

Leia mais

Orçamento. (continuação) 27/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final

Orçamento. (continuação) 27/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final Orçamento (continuação) Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas

Leia mais

Preçário LICO LEASING SA, ESTABLECIMIENTO FINANCIERO DE CREDITO - SUCURSAL INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO

Preçário LICO LEASING SA, ESTABLECIMIENTO FINANCIERO DE CREDITO - SUCURSAL INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Preçário LICO LEASING SA, ESTABLECIMIENTO FINANCIERO DE CREDITO - SUCURSAL INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo do Lico Leasing sa

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 03/2015 De 23 de Fevereiro

INSTRUTIVO N.º 03/2015 De 23 de Fevereiro INSTRUTIVO N.º 03/2015 De 23 de Fevereiro ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA - Reservas Obrigatórias Convindo ajustar as regras de apuramento e cumprimento das Reservas Obrigatórias ao actual quadro de estabilidade

Leia mais

1. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

1. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 1.1. Depósitos à ordem 1. Comissão de gestão/manutenção de conta DO Normal (clientes particulares residentes e não residentes, maiores de 18 anos) e Outros Depósitos à Ordem de Particulares Envolvimento

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPETO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Taxa USD Mix III abril 2018_PFC Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado O Taxa USD Mix III abril 2018 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ACTIVIDADES ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 C. COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA POR CLASSES DE ACTIVOS

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) Outras condições Empréstimos a taxa variável 1. Conta Corrente Conta Corrente 2. Linha Protocolo SAFIAGRI -

Leia mais

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap.

Conceitos a reter. Economia e Finanças Públicas Aula T As contas e os saldos das AP. Bibliografia. Livro EFP, Cap 11 e Cap. Economia e Finanças Públicas Aula T15 4.2 As contas e os saldos das AP 4.2.1 O saldo global das AP 4.2.2 A classificação económica das receitas e das despesas 4.2.3 Os saldos orçamentais EFP - ISEG 1 Conceitos

Leia mais

$$$ FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras

$$$ FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras TEMA 2.1 ESQUEMA CONTABILIZAÇÃO- OPERAÇÕES DE CRÉDITO E PDD Operações de Crédito: Empréstimos,

Leia mais

OS DESEQUILÍBRIOS CONTRATUAIS EM FINANCIAMENTOS PELA TABELA PRICE

OS DESEQUILÍBRIOS CONTRATUAIS EM FINANCIAMENTOS PELA TABELA PRICE OS DESEQUILÍBRIOS CONTRATUAIS EM FINANCIAMENTOS PELA PARTE II TABELA PRICE Finalmente, ainda no grupo da Disponibilidade de Renda e concluindo o exame dos principais fatores de Redução Relativa de Renda,

Leia mais

Comissões Acresce Imposto Comissões. Em % Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. (min/máx) Anual. -- Isento

Comissões Acresce Imposto Comissões. Em % Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. (min/máx) Anual. -- Isento Entrada em vigor: 01-julho-2016 15.1. Compra e Venda de Notas Estrangeiras IVA Valor Com Imposto Em % Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. Compra de Moeda Estrangeira (1) 1. Por Conta: - Depósito (se a conta

Leia mais

16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Linha de Crédito Encargos (% a.a.) Prazo Taxa média médio ponderada ponderado de venc. de juros (a.a.) (anos) 31/12/10 31/12/09 01/01/09 Finame TJLP + Taxa fixa 4,50 4,52

Leia mais

ORIENTAÇÃO QUANTO AOS DIVERSOS PROCEDIMENTOS PARA EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA REGIME NORMAL

ORIENTAÇÃO QUANTO AOS DIVERSOS PROCEDIMENTOS PARA EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA REGIME NORMAL ORIENTAÇÃO QUANTO AOS DIVERSOS PROCEDIMENTOS PARA EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA REGIME NORMAL Segue abaixo apenas orientações, e não regras, nossa legislação é muito complexa, portanto consulte seu

Leia mais

Procuradoria da Dívida Ativa - PG-05

Procuradoria da Dívida Ativa - PG-05 Procuradoria da Dívida Ativa - PG-05 Ano UFIR-RJ* 2006 67.495.595,72 2007 50.486.636,57 2008 65.476.580,85 2009 231.174.347,46 2010 421.467.819,04 2011 144.707.862,62 2012 357.340.649,83 2013 367.528.368,78

Leia mais

DlRECTIVA N 2/DSB/2004

DlRECTIVA N 2/DSB/2004 DlRECTIVA N 2/DSB/2004 ASSUNTO: MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PÚBLICA Procedimentos de contabilização. Havendo necessidade de se clarificar a metodologia de registo contabilístico das operações com Títulos

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 16/ (BO Nº 8, ) SUPERVISÃO Elementos de Informação

INSTRUÇÃO Nº 16/ (BO Nº 8, ) SUPERVISÃO Elementos de Informação INSTRUÇÃO Nº 16/2004 - (BO Nº 8, 16.08.2004) Temas SUPERVISÃO Elementos de Informação ASSUNTO: Divulgação de indicadores de referência Crédito em Risco Considerando a necessidade de se obter uma maior

Leia mais