DO CURSO COMPLEMENTAR AOS CURSOS CLÁSSICO E CIENTÍFICO:A ORGANIZAÇÃO DOS ENSINOS DE MATEMÁTICA COMO UMA DISCIPLINA ESCOLAR RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO CURSO COMPLEMENTAR AOS CURSOS CLÁSSICO E CIENTÍFICO:A ORGANIZAÇÃO DOS ENSINOS DE MATEMÁTICA COMO UMA DISCIPLINA ESCOLAR RESUMO"

Transcrição

1 1864 DO CURSO COMPLEMENTAR AOS CURSOS CLÁSSICO E CIENTÍFICO:A ORGANIZAÇÃO DOS ENSINOS DE MATEMÁTICA COMO UMA DISCIPLINA ESCOLAR Denise Franco Capello Ribeiro 1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo RESUMO Esta investigação tem como objetivo buscar a origem da constituição da matemática escolar como uma disciplina, a partir dos cursos complementares, criados pela Reforma Francisco Campos em 1931, para os quais não havia programas de matemática oficialmente estipulados até a criação dos cursos clássico e científico, instituídos pela Reforma Gustavo Capanema em Esta pesquisa está inserida num projeto maior intitulado: História da Educação Matemática no Brasil nos anos de 1920 a 1960,pertencente ao Grupo de Pesquisa História da Educação Matemática GHEMAT e dá continuidade às pesquisas já realizadas que norteiam como nasceu e se organizou a disciplina escolar Matemática para o ginásio. A Reforma Gustavo Capanema reorganizou o ensino secundário no Brasil, passando a ter dois ciclos: Ginasial com quatro anos e os Cursos Clássico e Científico com três anos, determinando que estes últimos seriam ministrados nos colégios e não mais nas faculdades, onde os cursos complementares funcionavam. Além disso, determinou os programas de matemática dos cursos clássico e científico, até então sem qualquer regulamentação. A busca por indícios dessa trajetória está sendo feita utilizando os arquivos escolares da Escola Estadual de São Paulo, arquivos do Arquivo do Estado de São Paulo e arquivos do Colégio Pedro II (Rio de Janeiro), no período compreendido entre 1942 a As fontes utilizadas nesta investigação baseiam-se numa primeira documentação, neste caso, leis e decretos ministeriais, onde se fixaram programas, planos de estudos, métodos e toda a estrutura administrativa necessária à reforma e a procura de vestígios das práticas escolares como diários de classe, provas, cadernos de alunos, prontuários de professores e alunos. A lei utilizada é a Lei Orgânica do Ensino Secundário número 4244 de 09 de abril de 1942, promulgada e implantada por Gustavo Capanema, Ministro da Educação e Saúde no governo de Getúlio Vargas, em pleno período chamado de Estado Novo e a portaria ministerial número 177, publicada no Diário Oficial, que determinou os programas de matemática para todas as séries dos cursos Clássico e Científico. O ensino simultâneo da Aritmética, Álgebra e da Geometria, em torno da noção de função não está presente: o curso propedêutico de geometria intuitiva, nos dois primeiros anos do primeiro ciclo foi preservado, passando o estudo da geometria dedutiva a partir do terceiro ano; as noções de cálculo infinitesimal e de função, permaneceram mas passaram para o segundo ciclo e as noções de geometria analítica e trigonometria compõe as duas unidades. Os resultados obtidos nos arquivos da Escola Estadual de São Paulo (equiparada na época ao Colégio Pedro II do Rio de Janeiro) foram: requerimento de matrículas,histórico escolar,prova de matemática (1944,1946,1947,1949), diários de classe (1944 a 1950)e um caderno com termos de visitação de inspetores neste colégio. No Arquivo do Estado encontramos : diário oficial de 1943 com a distribuição da carga horária para os cursos ginasial e para os cursos clássico e científico; Diário Oficial de 1944 com os nomes de todos os alunos aprovados e reprovados nos cursos clássico e científico do colégio São Paulo, notícias em jornais de 1942 relativas à reforma, ofícios de 1944 que falam da contratação de professor para o curso clássico e Revista de Educação de 1941 a No Colégio Pedro II, do Rio de Janeiro, referência nesta época para todos os colégios do Brasil, não encontramos nenhuma prova ou documento dos cursos clássico e científico, até o presente momento. Diante desses documentos e ainda na fase inicial de análise dos mesmos,notamos que na prova de matemática da segunda série, do curso clássico em , relativa a um exame de segunda época, vamos encontrar questões solicitando demonstrações da propriedade comutativa e associativa da adição de vetores, cálculo da diferença entre termos de uma progressão aritmética, cálculo de termos oriundos do desenvolvimento do binômio de Newton, resolução de equações exponenciais e cálculo de volume de cilindros, que numa primeira análise está de acordo tanto com o programa estipulado quanto com as observações que o professor fez nos diários 1 Mestranda do programa de estudos Pós-Graduados em Educação Matemática da PUC-SP, sob a orientação do prof.dr.wagner Rodrigues Valente.

2 1865 de lições. No ano de 1942, os documentos relativos à reforma são ainda escassos, talvez porque o decreto foi assinado em meados de abril, quando segundo a leitura das notícias em jornais e revistas da época, o ano letivo já tinha sido iniciado e com estas modificações radicais, as escolas provavelmente levaram certo tempo para organizar a estrutura necessária para o funcionamento dos cursos (matrículas dos alunos, contratação de professores, local para as aulas, horário, etc..). 1. Introdução TRABALHO COMPLETO Trabalhando na área da educação durante aproximadamente doze anos, tive a oportunidade de vivenciar situações, por vezes bastante difíceis, envolvendo diretores, coordenadores pedagógicos, alunos, professores, pais, supervisores de ensino, todos com o mesmo objetivo: melhorar a qualidade do ensino ministrado aos jovens nas escolas estaduais, municipais ou particulares. Com essa preocupação, comecei a procurar meios para melhorar as aulas de Matemática e motivar esses jovens para o estudo dessa disciplina. Após muitas reflexões, participações em cursos fornecidos pelos órgãos estaduais da Educação, realização de outros cursos relativos ao ensino da Matemática, verifiquei que os resultados obtidos não foram significativos. A partir desse fato, resolvi fazer uma pesquisa em Educação Matemática, visando à procura da origem da matemática escolar ensinada nos atuais cursos de ensino médio, porque entendendo como os conteúdos que hoje são ensinados aos nossos jovens foram se formando, poderia começar a entender a dinâmica do nosso sistema educacional e com isso assumir atitudes mais críticas e olhar o processo de ensino e aprendizagem sob novas perspectivas. Com essa mudança de atitude e de visão conseguiria melhorar não só a forma de ensinar, mas também o relacionamento com alunos, pais e toda a comunidade escolar. Para que isso acontecesse seria necessário ingressar num grupo de pesquisa que visasse o estudo da História da Matemática, o G-1: A Matemática na organização curricular: história e perspectivas atuais, tendo como centro temático à organização curricular da Matemática e suas investigações incluindo desde pesquisas históricas sobre a trajetória dessa disciplina na organização curricular brasileira, até as análises das atuais propostas de ensino dessa disciplina veio ao encontro de minhas necessidades de estudo. Ingressando nesse grupo de pesquisa sob a orientação do PROF.DR.Wagner Rodrigues Valente, iniciei a investigação sobre a origem da constituição da matemática escolar como uma disciplina dos cursos Clássico e Científico que está inserida num projeto maior intitulado: História da Educação Matemática no Brasil nos anos de 1920 a 1960, pertencente ao Grupo de História em Educação Matemática- GHEMAT. Este trabalho, fazendo parte de projeto maior, dá continuidade às pesquisas já realizadas que norteiam como nasceu e se organizou a disciplina escolar Matemática para o ginásio. As interrogações voltam-se para o segundo nível do ensino secundário: o que deu origem ao colégio. A pergunta principal é: Como se constituiu a matemática, como disciplina escolar, para os cursos clássico e científico? Para responder a esta questão há que ser respondidas uma série de outras questões como: - Qual a origem do atual ensino médio? Qual era a sua finalidade? - Como foram organizados os ensinos de matemática para compor a disciplina Matemática? - Quais eram os conteúdos matemáticos trabalhados? Em quais séries? - Quais e como foram realizadas as mudanças na estrutura curricular do ensino secundário? 2. Considerações teórico-metodológicas As investigações sobre a organização dos ensinos da Matemática como uma disciplina escolar dos cursos clássico e científico nos remetem ao estudo das disciplinas escolares e ao já clássico texto de André Chervel, pesquisador do Service d histoire de l education Institut national de recherche pédagogique de Paris na França, intitulado: História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa.,publicado em 1990, na revista Teoria & Educação.

3 1866 Para que esta pesquisa fosse iniciada e conduzida foi necessário ter clareza do que se entende por disciplina escolar. Este termo é definido como conteúdos de ensino somente a partir do século XX, pois desde o século XVIII até fins do século XIX, disciplina ou disciplina escolar designava somente vigilância dos estabelecimentos e as repressões às condutas prejudiciais à sua boa ordem e aquela parte que contribuía para isso. Pesquisar esses conteúdos nas escolas se torna importante quando se dedica a encontrar na própria escola o princípio de uma investigação e de uma disciplina histórica específica, (Chervel, 1990, p.184), pois o papel da escola é ensinar e de um modo em geral educar. A disciplina escolar é vista, portanto, sob o ponto de vista de prática cultural, que comporta o estudo das finalidades e objetivos que a constituíram, práticas docentes em sala de aula, aculturação da população escolar, formação de professores, o sistema de avaliação e outras características a que a escola está submetida. Esta investigação foi realizada primeiramente com o estudo de leis, decretos e portarias ministeriais, que determinaram programas, métodos de ensino, sistema de avaliação, organização técnico-administrativa dos institutos educacionais, normas para admissão e contratação de docentes e tudo o mais que compõe um sistema educacional. Depois desse estudo, foram utilizados os arquivos escolares e todo o conjunto de produção de escrita de alunos e professores, que pudessem oferecer subsídios para o entendimento das práticas escolares dessa época e o estudo do processo de disciplinarização dessa disciplina. E, para completar, procuramos em jornais da época, como a sociedade reagiu às mudanças ocorridas. 3. Cenário político Era Vargas A transformação do curso complementar, nascido na Reforma Francisco Campos, 1931 a 1942, para o curso colegial que englobava os cursos clássico e científico, na Reforma Gustavo Capanema, 1942 a 1961, foi realizada nos dois períodos que Getúlio Vargas governou o Brasil. O primeiro período de 1930 a 1945 e o segundo período, de 1951 a Sua longa permanência no poder tornou-o uma das personalidades mais marcantes da vida política nacional no século XX. O Estado cresceu em tamanho e em poder, tornando-se assim o principal responsável pelo processo de modernização do Brasil. Houve o incentivo da pesquisa e da reflexão, articulando uma dupla estratégia na área cultural, voltada tanto para as elites intelectuais como para as camadas populares. Foram características de seus governos: a rígida vigilância via Departamento de Imprensa e Propaganda em relação às manifestações populares; consumados projetos como a criação da Universidade do Brasil; Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional; o Instituto Nacional do Livro; o Senai; o Senac e a abertura das Faculdades Católicas. Quanto à educação, os dizeres da cartilha voltada às crianças, por si só, demonstra a que finalidades o sistema educativo servia: 4. O Curso Complementar Crianças! Aprendendo, no lar e nas escolas, o culto da Pátria, trareis para a vida prática todas as probabilidades de êxito. Só o amor constrói e, amando o Brasil, forçosamente o conduzireis aos mais altos destinos entre as Nações, realizando os desejos de engrandecimento aninhados em cada coração brasileiro.assinado por Getúlio Vargas em 1942, no Rio de Janeiro.( site: acessado em ) O curso complementar foi instituído em todo o território brasileiro pela Reforma Educacional Francisco Campos, pelo decreto número de 18 de abril de 1931, que dispunha sobre a organização do ensino secundário e o decreto de 04 de abril de 1932, que continha as consolidações sobre a organização do ensino secundário. Este curso tinha a duração de dois anos, obrigatório aos candidatos à matrícula a determinados cursos superiores, oferecidos em três opções: aos candidatos aos Cursos de Direito; para os candidatos

4 1867 aos Cursos de Medicina, Odontologia e Farmácia e uma última opção aos candidatos aos Cursos de Engenharia e Arquitetura. Mas foi somente em 1938 que seriam exigidos para admissão às escolas superiores:... embora, ao sair decretada, devesse a reforma Francisco Campos entrar em vigor integralmente, logo a seguir resolvia o governo aplica-la progressivamente. Assim o curso complementar só seria exigido para admissão às escolas superiores em (Rocha, 2001, p.157) Esses cursos eram ministrados nas faculdades ou em anexos a institutos de ensino superior:... o complementar aproximava-se menos da escola secundária então defendida que, por exemplo, do atual 1 Ciclo de graduação criado com a Reforma Universitária; aproximava-se e não raro ultrapassava, se considerarmos as soluções mais equilibradas deste ciclo. Não era sem razão que se admitiam pudessem as duas séries chamadas de adaptação, para não dizer preparatórios, ser desenvolvidas nos próprios institutos superiores.(rocha, 2001,p.157) Com essas características, os cursos complementares, se distanciava do ensino secundário, na época, chamado de Curso Fundamental. Os alunos cursavam por cinco anos o Curso Fundamental e os que tinham aspirações a um determinado curso superior, pediam transferência para o Curso Complementar de sua preferência e o cursavam, via de regra, nas instalações do próprio instituto de ensino superior que futuramente iriam freqüentar. Em notícia publicada no Jornal Folha da Manhã, em 07 de abril de 1942, com título: A radical reorganização do ensino secundário e seus principais objetivos e subtítulo: O Ginásio e o Colégio Estudo aprofundado do Latim e Grego Os Cursos de Madureza, podemos sentir a ansiedade de reforma do sistema educacional pela sociedade, que esperava o ajuste de problemas fundamentais como o preparo de seus jovens para o futuro e consequentemente para o futuro do país: Rio, 6 (Da nossa sucursal pelo telefone) Noticia-se que será assinada, em breve, a reforma do ensino secundário, que deverá vir acompanhada de dispositivos, determinando como se fará a adaptação do atual para o regime a entrar em vigor. Consta que essa adaptação se processará, nas quatro primeiras séries do atual ciclo fundamental, que desaparecerá para dar lugar ao ginásio, estabelecimento de ensino elementar secundário com quatro séries, concluídas as quais o estudante, se desejar ingressar mais tarde no curso superior, deverá matricular-se no colégio com três séries em cada uma das especializações: científica e clássica. Tendo cursado a seção científica ou clássica, poderá o colegial candidatar-se a qualquer escola superior, o que não acontece atualmente com os regimes dos cursos complementares. Outra renovação na reforma serão os exames de primeira e segunda madureza. As bancas examinadoras serão constituídas pelo Ministro da Educação, devendo haver exames públicos. Com o fim de evitar que o ensino se transforme numa indústria o projeto contém dispositivo a respeito. A educação pré-militar será também objeto de cuidados especiais, segundo soubemos. Os exames atualmente estabelecidos pelo artigo 100 do decreto não desaparecerão podendo assim, os maiores de 18 anos contar com certas facilidades para a aquisição dos diplomas. A música continuará a ser estudada, bem como os trabalhos manuais farão parte do currículo. O latim será estudado mais profundamente. O grego, história da filosofia, história da arte, serão também obrigatórios. As provas parciais perderão o valor com que se apresentam agora.

5 A criação do Colégio A Lei Orgânica do Ensino Secundário n 4.244, de 09 de abril de 1942, conhecida como a Reforma Capanema, reorganizou o ensino secundário em todo o território brasileiro, dividindo-o em dois ciclos: o primeiro chamado Ginásio, com a duração de quatro anos e o segundo, com a denominação Colégio, com três anos de duração. Este último oferecia aos estudantes duas opções: Clássico, voltado mais para as letras e humanidades e o Científico voltado mais para a Matemática e as Ciências. O ensino secundário tinha como finalidades formar a personalidade integral dos adolescentes, acentuar e elevar a consciência patriótica e a consciência humanística e dar preparação intelectual geral que poderia servir de base a estudos mais elevados de formação especial.o curso ginasial daria aos adolescentes os elementos fundamentais do ensino secundário e os cursos clássico e científico, teriam como objetivo a consolidação, desenvolvimento e aprofundamento da educação ministrada no curso ginasial. O curso clássico seria orientado mais para a formação intelectual e um maior conhecimento de filosofia e acentuado estudo das letras antigas e o curso científico, seria marcado pelo estudo maior das ciências e matemática. As aulas seriam ministradas em dois tipos de estabelecimentos de ensino secundário: Ginásio e o Colégio. O ginásio seria destinado a ministrar o curso do primeiro ciclo (ginasial) e o colégio ministraria além do curso ginasial, os dois cursos do segundo ciclo, o curso clássico e o científico. Todos os alunos que tivessem concluído com sucesso o Colégio, em qualquer de suas modalidades, poderiam prestar os exames de admissão a qualquer curso superior, o que não ocorria com os cursos complementares. Esta lei instituiu também que esses cursos seriam ministrados em estabelecimentos de ensino secundário e não mais em anexos aos institutos de ensino superior ou mesmo dentro de suas instalações, aproximando-os ao curso do primeiro ciclo, o Ginásio. Os trabalhos escolares constariam de lições, exercícios e exames. Os exames realizados com a finalidade de promoção à série imediata, compreenderiam uma primeira e uma segunda prova parcial, e versariam sobre a matéria ensinada até uma semana antes da realização de cada prova.no caso de promoção para o ciclo seguinte, seriam realizadas provas finais que constariam de toda a matéria dada na respectiva disciplina. Portanto, todo o ensino secundário, a saber, Ginásio e Colégio, foram desvinculados das instituições de ensino superior, iniciando uma fase de adaptações e reestruturações do sistema escolar em âmbito geral: instalações, professores, currículos, composição das classes, material didático, e tudo que compõe um sistema escolar. 6. A organização dos ensinos de matemática Segundo Rocha (2001), a disciplina matemática, surgiu em 1929, quando a Congregação do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, decretou sua criação.a transformação estrutural do ensino de Matemática, que até então era ensinado separadamente dividido em três grandes áreas:aritmética, Álgebra e a Geometria, deram-se pela introdução do estudo de funções, no ensino secundário brasileiro.esses três grandes foram fundidos e nomeados Matemática. Esta reestruturação teve como mentor Euclides Roxo, nessa época diretor desse colégio, que influenciado pela idéias do renomado alemão Félix Klein, que propunha a introdução do Cálculo Infinitesimal e uma renovação no ensino secundário.a Reforma Francisco Campos estendeu essa transformação estrutural do ensino da Matemática a todo o território brasileiro. A Reforma Gustavo Capanema manteve a união dessas três grandes áreas e sua denominação e em 16 de março de 1943, foi expedida a Portaria Ministerial n 177, publicada no Diário Oficial de 18 de março do referido ano, que continha os programas de Matemática para os Cursos Clássico e Científico.

6 1869 Primeira Série Aritmética Teórica Programa de Matemática do Curso Clássico Unidade I A divisibilidade numérica; 1- Teoremas gerais sobre a divisibilidade. 2- Caracteres de divisibilidade. 3 Teorias do m.m.c. e do m.d.c. 4- Teoria dos números primos; aplicações. Álgebra Unidade II Os polinômios: 1 Operações algébricas sobre polinômios. 2- Teoria da divisão de polinômios. 3- Divisão de um polinômio inteiro em x por x±a; regra e dispositivo prático de Briot- Ruffini. Unidade III O trinômio do 2 grau: 1- Decomposição em fatores do 1 grau; sinais do trinômio;desigualdades do 2 grau. 2- Noção de variável e de função; variação do trinômio do 2 grau; representação gráfica. Geometria Unidade IV O plano e a reta no espaço: 1- Determinação de um plano. 2- Intersecção de planos e retas. 3 Paralelismo de retas e planos. 4 Reta e plano perpendiculares. 5- Perpendiculares e oblíquas de um ponto a um plano. 6- Diedros; planos perpendiculares entre si. 7 Noções sobre ângulos poliédricos. Unidade V Os poliedros: 1- Noções gerais. 2- Estudo dos prismas e pirâmides e respectivos troncos; áreas e volumes desses sólidos. Segunda Série Álgebra Unidade I Progressões e logaritmos: 1- Estudo das progressões aritméticas e geométricas. 2- Teoria dos logaritmos; uso das tábuas; aplicações. 3- Resolução de algumas equações exponenciais simples. Unidade II -Binômio de Newton: 1- Noções sobre análise combinatória. 2- Binômio de Newton. Geometria Unidade III Os corpos redondos: 1- Noções sobre geração e classificação das superfícies. 2- Estudo do cilindro e do cone; áreas e volumes desses sólidos. 3- Estudo da esfera; área da esfera, da zona e do fuso esférico; volume da esfera. Trigonometria Unidade IV Vetor: 1 Grandezas escalares e vetoriais. 2 Noção de vetor; eqüipolência. 3- Resultante ou soma geométrica de vetores. 4 Vetores deslizantes sobre um eixo; medida algébrica; teorema de Chasles. Unidade V Projeções: 1- Projeção ortogonal de um vetor sobre um eixo. 2- Teorema de Carnot. 3- Valor da projeção de um vetor. Unidade VI Funções circulares: 1 Generalização das noções de arco e de ângulo; arcos côngruos; arcos de mesma origem e extremidades associadas. 2 Funções circulares ou trigonométricas; definição, variação, redução ao primeiro quadrante. 3 Relações entre funções circulares de um mesmo arco. 4 Cálculo das funções circulares dos arcos de 30, 45 e 60. Unidade VII Resolução de triângulos: 1- Relações entre os elementos de um triângulo. 2 Uso das tábuas trigonométricas. 3 Resolução de triângulos retângulos.

7 1870 Terceira série Álgebra Unidade I Funções: 1- Noção de função de variável real. 2 Representação cartesiana. 3- Noção de limite e de continuidade. Unidade II Derivadas: 1 Definição; interpretação geométrica e cinemática. 2- Cálculo das derivadas. 3 Derivação das funções elementares. 4 Aplicação à determinação dos máximos e mínimos e ao estudo da variação de algumas funções simples. Geometria Unidade III Curvas usuais: 1 Definição e propriedades fundamentais da elipse, da hipérbole e da parábola. 2 As secções cônicas. 3 Definição e propriedades fundamentais da hélice cilíndrica. Geometria Analítica Unidade IV Noções fundamentais: 1- Concepção de Descartes. 2 Coordenadas; abscissas sobre a reta; coordenadas retilíneas no plano. 3 Distância de dois pontos; ponto que divide um segmento numa razão dada. 4 Determinação de uma direção; ângulo de duas direções. Unidade V Lugares geométricos: 1- Equação natural de um lugar geométrico; sua interpretação. 2 Passagem da equação natural para a equação retilínea retangular. 3 Equação da reta. 4 Equação do círculo. 5 Equações reduzidas da elipse, da hipérbole e da parábola. Programa de matemática do curso científico Primeira série Aritmética Teórica Unidade I As operações aritméticas fundamentais: 1 Teoria da adição, da subtração, da multiplicação e da divisão, da potenciação e da radiciação de inteiros. 2 Sistemas de numeração. Unidade II A divisibilidade numérica: 1- Teoremas gerais sobre divisibilidade. 2 Caracteres de divisibilidade. 3- Teorias do m.d.c. e do m.m.c. 4 Teoria dos números primos; aplicações. Unidade III Os números fracionários: 1- Teoria das operações aritméticas sobre números fracionários. 2 Noções sobre cálculo numérico aproximado. Erros. Operações abreviadas. Álgebra Unidade IV Os polinômios: 1 Operações algébricas sobre polinômios. 2- Teoria da divisão de polinômios. 3 Identidade de polinômios; método dos coeficientes a determinar; identidades clássicas. 4- Divisão de um polinômio inteiro em x por x±a; regra e dispositivo de Briot-Ruffini. Unidade V O trinômio do 2 grau: 1- Decomposição em fatores do 1 grau; sinais do trinômio; in equações do 2 grau. 2 Noção de variável e de função; variação do trinômio do 2 grau; representação gráfica. 3- noções elementares sobre continuidade e sobre máximos e mínimos. Geometria Unidade VI O plano e a reta no espaço: 1 Determinação de um plano. 2- Intersecção de planos e retas. 3 Paralelismo de retas e planos. 4 Reta e plano perpendiculares. 5 Perpendiculares e oblíquas de um ponto a um plano. 6 Diedros; planos perpendiculares entre si. 7 ângulos poliédricos; estudo especial dos triedros. Unidade VII Os poliedros: 1- Noções gerais. 2 Estudo dos prismas e pirâmides e respectivos troncos; áreas e volumes desses sólidos; Teorema de EULER; noções sobre os poliedros regulares. Segunda série

8 1871 Álgebra Unidade I- A função exponencial: 1- Estudo das progressões aritméticas e geométricas. 2 Noção de função exponencial e de sua função inversa. 3 Teoria dos logaritmos; uso das tábuas; aplicações. 4 Resolução de algumas equações exponenciais. Unidade II O binômio de Newton: 1 Noções sobre análise combinatória. 2 Binômio de Newton. Unidade III Determinantes: 1- Teoria dos determinantes. 2 Aplicação aos sistemas de equações lineares; regras de Crammer; teorema de Rouché. Unidade IV Frações contínuas: Noções sobre frações contínuas Geometria Unidade V Os corpos redondos: 1- Noções sobre geração e classificação das superfícies. 2 Estudo do cilindro e do cone; áreas e volumes desses sólidos. 3 Estudo da esfera; área da esfera, da zona e do fuso esférico; volume da esfera. Unidade VI Vetor: 1 Grandezas escalares e vetoriais. 2- Noção de vetor; eqüipolência. 3- Resultante ou soma geométrica de vetores. 4 Vetores deslizantes sobre um eixo; medida algébrica; teorema de Chasles. Unidade VII Projeções: 1 Projeção ortogonal de um vetor sobre um eixo. 2 Teorema de Carnot. 3 Valor da projeção de um vetor. Unidade VIII - Funções circulares: 1- Generalização das noções de arco e de ângulo; arcos côngruos; arcos de mesma origem e extremidades associadas. 2 Funções circulares ou trigonométricas:definição, variação, redução ao primeiro quadrante. 3 Relações entre as funções circulares de um mesmo arco. 4 Cálculo das funções circulares dos arcos p/n. Unidade IX Transformações trigonométricas: 1- Fórmulas de adição, subtração, multiplicação e divisão de arcos: aplicações. 2 Transformação de somas em produtos; aplicação ao cálculo numérico. 3- Uso de tábuas trigonométricas. Unidade X Equações trigonométricas: Resolução e discussão de algumas equações trigonométricas simples. Unidade XI Resolução de triângulos: 1- Relações entre os elementos de um triângulo. 2 Resolução de triângulos retângulos. 3 Resolução de triângulos obliquângulos. 4 Aplicações imediatas à Topografia. Terceira série Álgebra Unidade I Séries: 1 Sucessões. 2 Cálculo aritmético dos limites. 3 Séries numéricas. 4- Principais caracteres de convergência. Unidade II Funções: 1- Função de uma variável real. 2 Representação cartesiana. 3 Continuidade; pontos de descontinuidade; descontinuidades de uma função racional. Unidade III Derivadas: 1- Definição, interpretação geométrica e cinemática. 2 Cálculo de derivadas. 3- Derivação de funções elementares. 4 Aplicação à determinação dos máximos e mínimos e ao estudo da variação de algumas funções simples. Unidade IV Números complexos: 1- Definição; operações fundamentais. 2- Representação trigonométrica e exponencial. 3 Aplicação à resolução das equações binômias. Unidade V Equações algébricas: 1- Propriedades gerais dos polinômios. 2- Relações entre os coeficientes e as raízes de uma equação algébricas; aplicação à composição das equações. 3 Noções sobre transformações das equações; equações recíprocas; equações de raízes iguais. Geometria Unidade VI Relações métricas: 1- Teorema de Sewtart e suas aplicações no cálculo de linhas notáveis no triângulo. 2 Relações métricas nos quadriláteros; teorema de Ptolomeu ou Hiparco. 3 Potência de um ponto; eixos radicais; planos radicais.

9 1872 Unidade VII Transformações de figuras: 1 Deslocamentos, translação, rotação, simetria. 2 Homotetia e semelhança nos espaços de duas e de três dimensões. 3 Inversão pelos raios vetores recíprocos. Unidade VIII Curvas usuais: 1- Definição e propriedades fundamentais da elipse, da hipérbole e da parábola. 2 As secções cônicas. 3 Definição e propriedades fundamentais da hélice cilíndrica. Geometria Analítica Unidade IX Noções fundamentais: 1- Concepção de Descartes. 2 Coordenadas; abscissas dois pontos; ponto que divide um segmento numa razão dada. 4 Determinação de uma direção; ângulo de duas direções. Unidade X- Lugares geométricos: 1 Equação natural de um lugar geométrico; sua interpretação. 2 Passagem da equação natural para a equação retilínea retangular. 3- Equação da reta. 4 Equação do círculo. 5 Equações reduzidas da elipse, da hipérbole e da parábola. A partir desse momento todos os estabelecimentos de ensino secundário teriam que seguir os programas de matemática para os cursos clássico e científico, independentemente dos programas dos vestibulares exigidos para admissão na maioria das faculdades e de modo que a disciplina Matemática fosse estudada por todos os alunos dos cursos clássico e científico e em todas as suas séries. Esta organização dos ensinos de Matemática possibilitou uma uniformidade no estudo desta disciplina no Colégio, pois no Curso Complementar, esta disciplina não aparecia em todas as séries de suas diferentes opções. 7. Os ensinos de Matemática e os Arquivos Escolares Visando o levantamento de documentos referentes às práticas escolares referentes aos cursos Clássico e Científico, iniciamos nossa investigação nos arquivos escolares, primeiramente no Estado de São Paulo. Encaminhamo-nos à E.E. São Paulo, situada à Rua da Figueira, n 500, no Parque Dom Pedro II, centro da capital de São Paulo. Antigo Ginásio da Capital de São Paulo, primeiro ginásio oficial e seriado do Estado de São Paulo, inaugurado no dia 16 de setembro de 1894 e equiparado ao Ginásio Nacional, em 06 de abril de 1896, pelo presidente da Republica em questão e junto como o Colégio Pedro II e a Escola Normal de São Paulo, tornou-se uma das principais instituições oficiais do país. Encontramos o arquivo escolar organizado pela equipe da Secretaria desta escola e coordenado pela professora Maria Teresa V. Sbrana, Diretora da escola há mais de 16 anos. Nesse arquivo pudemos encontrar prontuários de alunos datados desde 1894, diário de classe de professores, atas de reuniões, relatório de visitas de inspetores, livro com registro dos livros pesquisados por alunos e professores na biblioteca da escola, provas e boletins de alunos. Encontramos vários vestígios das práticas escolares, relativas aos cursos clássico e científico, como requerimentos de matrícula, históricos escolares,diários de classe e prova de matemática, datados de 1944,1946,1947 e 1949 e um livro com pequeno relatório da visita de um inspetor. As provas encontradas do curso científico foram as dos anos de 1944, 1947 e 1949 e do curso clássico, 1946 e A prova de matemática de 1944, foi realizada por um aluno da 1.a série do curso científico, da turma C, em 28 de julho deste referido ano, tem a assinatura do Prof.Gomide como responsável e tinha como assuntos: demonstração da lei associativa da multiplicação, relação entre quocientes entre divisões com diferentes resultados, dentre outros. Passamos a transcrição de um exercício, da resolução do aluno e da avaliação feita pelo professor. Ressaltamos que este exercício foi escolhido por estar mais legível: Como varia (aumentando ou diminuindo) e de quanto, o produto de dois fatores quando se aumenta o maior e se diminue ao mesmo tempo o menor de m unidades?a resposta dada pelo aluno:

10 1873 ab, a>b (a+m) (b-m) a + m b - m (a+m) (b-m) =ab +bm na m 2 Se aumentarmos a de m a teremos a+m, e se diminuirmos m de b teremos m b.portanto, Ab +bm am m 2, o produto será b(a+m) m (a+m) (a+m) (b-m). Efetuando o produto temos ab+bm am m 2 pondo b e m em evidência temos: b(a+m) m(a-m) Correção do professor: e daí? As diferenças que tem como minuendo o produto do menor pela soma do maior com, e como subtraendo o produto de m pela diferença igual ao maior menos m. Avaliação desta questão pelo professor: ½ em 3. Nota total da prova: 5 ½ (cinco e meio). Sabemos, pelo estudo da lei da Reforma Capanema, que o sistema de avaliação era composto de duas provas parciais, e a matéria solicitada seria aquela dada até uma semana antes da referida prova. Com esta informação fomos aos diários de classe desta série e analisamos os conteúdos lecionados pelo Prof. Gomide durante o início do ano letivo de 1944 até uma semana antes da prova, por volta de 22 de julho e encontramos registrados os seguintes conteúdos: conceito de número inteiro, adição de números, teoria da adição, propriedades da adição e subtração, propriedades dos restos, teoria do resto, definição de multiplicação, propriedades da subtração e multiplicação, critérios de divisibilidade, propriedades da multiplicação, caracteres da divisibilidade, propriedades da divisão, exercícios orais, exercícios sobre as operações, exercícios orais, teoria do máximo divisor comum, propriedades da potenciação, exercícios, operações com o zero, recapitulação, exercícios, mínimo múltiplo comum, sistemas de numeração, propriedades do m.m.c, operação no sistema de base b, radiciação, números primos, decomposição em fatores primos, expressões algébricas. Fizemos o confronto com os assuntos registrados no diário de classe com os da prova e com o programa oficial desta série e curso e notamos que a lei estava sendo seguida. A prova curso clássico, realizada em , era relativa ao exame de 2.a época da 2.a série deste curso e composta de dez questões com assuntos que giram em torno de demonstrações envolvendo vetores e propriedades comutativas e associativas, progressões aritméticas, desenvolvimento de polinômios, resolução de equações exponenciais, cálculo de volume de cilindros, exercícios sobre circulo de esfera, planos e esferas, dedução de fórmulas de volumes de esferas, dentre outros. Seguindo o mesmo procedimento das provas do científico, vamos transcrever apenas os exercícios que estão completamente legíveis: A- Demonstrar que a adição de vetores é comutativa e associativa. B Sendo 5/6 a razão de uma progressão aritmética calcular a diferença entre o 18.o termo e o 6.o termo. Resolução: ln = A + (n-1)r L 6 = 1 + (6-1)5/6 l 18 = 1+ (18-1)5/6 L 6 = 6. 5/6 l 18 = 18. 5/6 L 6 = 5 l 18 = = 10 A diferença é 10. Correção do professor: um ponto de interrogação na passagem de l 6 =6. 5/6 2. Calcular o 6.o termo no desenvolvimento de (2x-y) 9 4. Resolver a equação 5 3x O volume de um cilindro de revolução é 1,575 m 3. Calcular o volume de um cilindro semelhante, cuja altura é a metade da altura do outro. 7. Que são pólos de um círculo de esfera. Pólos são a porção de esfera que fica entre um plano que corta a esfera e a extremidade desta. 8. Qual é a propriedade do plano tangente à esfera num dos seus pontos?

11 1874 È que o plano é todo perpendicular às retas que passem por esse mesmo ponto. 9.Deduzir a fórmula que dá o volume de uma esfera, em função da circunferência C, de seu círculo máximo. 10. Sendo sem x= 3/5 e 90 < x < 180, calcular tg x. Confrontamos o programa oficial da primeira série do curso clássico e notamos que o assunto dado em conformidade com a unidade III o estudo do trinômio do 2.o grau. Outros assuntos como: A divisibilidade numérica, os polinômios, o plano e a reta no espaço, os poliedros, não estão presentes. Quanto a diário de classe relativo a este ano,curso e série estão em fase de análise. Em paralelo a esta investigação nos arquivos desta escola, realizamos uma série de três visitas aos arquivos do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, mas nenhuma prova de matemática foi encontrada, relativa aos cursos clássico e científico. 8. Conclusões iniciais Como esta pesquisa está em andamento e portanto há fatores a pesquisar e a estudar, ainda assim, podemos afirmar que a origem do colégio, atual, ensino médio, se deu na Reforma Educacional Gustavo Capanema, através da Lei Orgânica do Ensino Secundário n 4.244, de 09 de abril de 1942 e sua legislação complementar e sua finalidade era formar a personalidade integral dos jovens e fornecer preparação intelectual geral que poderia servir de base a estudos mais elevados de formação especial. Os ensinos de matemática foram organizados de modo que todos os alunos a estudassem desde a primeira série do curso ginasial até a última série dos cursos clássico e científico. Já a análise feita das práticas escolares deste período, nos mostra vestígios de que esta lei estava sendo aplicada pelos professores nas salas de aula em conformidade com os programas e orientações estipuladas. A reação da sociedade perante essa reforma, foi, segundo notícias lidas, em sua maioria de expectativa de melhora da qualidade do ensino e consequentemente do preparo de seus jovens para a vida. Não podemos concluir entretanto, que a organização dos ensinos de matemática se constituiu uma disciplina escolar do colégio, necessitamos continuar as análises e estudos a respeito. 9. Bibliografia ALVAREZ, Tana Giannasi. A Matemática da Reforma Francisco Campos em ação no cotidiano escolar. São Paulo:PUC-SP, Dissertação de mestrado. Orientador: Wagner Rodrigues Valente. ANDRÉ, M.E.D.A. Etnografia da prática escolar.campinas, SP: 2000, p ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.NBR 6023: informação e documentação: citações em documentos: apresentação. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.NBR 10520: informação e documentação citações em documentos: apresentação.rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.NBR 14724: informação e documentação trabalhos acadêmicos apresentação.rio de Janeiro, BICUDO, J.C. O ensino secundário no Brasil e sua atual legislação (de 1931 a 1941 inclusive).são Paulo.Associação dos Inspetores Federais do Ensino Secundário do Estado de São Paulo. 1949, p CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria e Educação, n.2, Porto Alegre, DASSIE, B.Alves. A Matemática do curso secundário na reforma Gustavo Capanema.Rio de Janeiro: PUC-RJ, Dissertação de mestrado. Orientador: João Bosco Pitombeira Fernandes de Carvalho GEERTZ, Clifford. A Interpretação das culturas.rio de Janeiro, Editora Guanabara, 1989,p LATOUR, B. Ciência em Ação.São Paulo, Editora Unesp, LEI ORGÂNICA DO ENSINO SECUNDÁRIO E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR. Ministério da Educação e Cultura. Serviço de Educação. Departamento de Imp. Nacional.1953.

12 1875 LISTA DE DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRODUZIDAS NO BRASIL.( ).Campinas:Zetetiké CEMPEM-FE-UNICAMP. RELAÇÕES DE TESES E DISSERTAÇÕES DE MESTRADO E DOUTORADO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRODUZIDAS NO BRASIL. ( ).Campinas: Zetetiké CEMPEM- UNICAMP-v9-n15/16,2001. ROCHA, J.Lourenço. A Matemática do curso secundário na reforma Francisco Campos.Rio de Janeiro: PUC-RJ,2001. Dissertação de mestrado. Orientador: João Bosco Pitombeira Fernandes de Carvalho. SOUZA, M.A.Algumas reflexões sobre a lei e a legislação como fontes de pesquisa para a história da educação.p VIDAL, D.G. Cultura e prática escolares: uma reflexão sobre documentos e arquivos escolares. CD-ROM, FEUSP Escola da Aplicação/ Fapesp, WAYNE, C.Booth, e outros. A Arte da Pesquisa. São Paulo, Martins Fontes, 2000.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIA DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: MATEMÁTICA I SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:.

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL RELAÇÃO

Leia mais

M A T E M Á T I C A DIRETRIZES GERAIS

M A T E M Á T I C A DIRETRIZES GERAIS M A T E M Á T I C A DIRETRIZES GERAIS O conteúdo programático de Matemática dos processos seletivos da UFU tem como objetivo identificar a habilidade do estudante em resolver problemas, fazer conexões

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO 6 o ANO MATEMÁTICA I Adição e subtração de frações: Frações com denominadores iguais. Frações com denominadores diferentes. Multiplicação de um número natural por uma fração. Divisão entre um número natural

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 EMENTA DA DISCIPLINA O Estudo das funções e suas aplicações

Leia mais

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Eduardo Campos VICE-GOVERNADOR João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO Ricardo

Leia mais

Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP)

Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) 1. Apresentação/Público Alvo Este curso de Pós-Graduação Lato Sensu é destinado especialmente a alunos graduados

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOMETRIA NAS AVALIAÇÕES DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ, NAS DÉCADAS DE 60 E 70.

CONTEÚDOS DE GEOMETRIA NAS AVALIAÇÕES DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ, NAS DÉCADAS DE 60 E 70. CONTEÚDOS DE GEOMETRIA NAS AVALIAÇÕES DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ, NAS DÉCADAS DE 60 E 70. Ana Célia da Costa Ferreira Resumo: A cada ano, educadores matemáticos tentam encontrar soluções

Leia mais

EDITAL CED/RTR N.º 003/2008, 05 de março de 2008. PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Retificação do Edital n 002/2008 de 25 de fevereiro de 2008

EDITAL CED/RTR N.º 003/2008, 05 de março de 2008. PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Retificação do Edital n 002/2008 de 25 de fevereiro de 2008 EDITAL CED/RTR N.º 003/2008, 05 de março de 2008. OCESSO SELETIVO ESPECIAL Retificação do Edital n 002/2008 de 25 de fevereiro de 2008 A Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

caderno Matemática Matemática e suas Tecnologias ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS

caderno Matemática Matemática e suas Tecnologias ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS Matemática Matemática e suas Tecnologias caderno de ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS BETO PAIVA Professor e coordenador pedagógico em escolas de ensino médio e cursos pré-vestibulares há mais de 35 anos. LEO PAULO

Leia mais

FACULDADES SENAC PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 1º SEMESTRE/2016 ANEXO I

FACULDADES SENAC PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 1º SEMESTRE/2016 ANEXO I ANEXO I As Faculdades Senac Minas, com o intuito de atender às diversas demandas, oferece à comunidade dois processos vestibular: o vestibular e o vestibular agendado. Ambos os processos buscam selecionar

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA PLANOS DE CURSO PARA 6º E 7º ANOS Campina Grande, 2011 -

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO. Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho. Departamento de Ciências Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática A 10º ano Ano Letivo 2015/2016 TEMA

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO EDITAL COMPLENTAR N 001 AO EDITAL N 003/2012 UNAT A, no uso de suas atribuições legais e em cumprimento das normas previstas no artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988, Decreto

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série)

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série) Relacionar e resolver problemas que envolvem conjuntos; Reconhecer, operar e resolver problemas com conjuntos numéricos; Compreender os conceitos e propriedades aritméticas; Resolver problemas de porcentagem,

Leia mais

EDITAL 2015 Testes de Português e Matemática - Material: com foto PORTUGUÊS Indicação bibliográfica: Na ponta da língua MATEMÁTICA

EDITAL 2015 Testes de Português e Matemática - Material: com foto PORTUGUÊS Indicação bibliográfica: Na ponta da língua MATEMÁTICA EDITAL 2015 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Testes de Português e Matemática - Material: o candidato deverá trazer: lápis apontados, apontador, borracha e o Compreensão e interpretação de textos; exploração

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO DE MATEMÁTICA 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de relacionar números racionais e dízimas, completar a reta numérica e ordenar números

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 6º ANO "... A minha contribuição

Leia mais

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma.

ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço reservado para a mesma. 2ª Fase Matemática Introdução A prova de matemática da segunda fase é constituída de 12 questões, geralmente apresentadas em ordem crescente de dificuldade. As primeiras questões procuram avaliar habilidades

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

A classificação final da prova será calculada de acordo com os seguintes critérios:

A classificação final da prova será calculada de acordo com os seguintes critérios: ANEXO II Estrutura e Referenciais da Prova de Ingresso Curso Técnico Superior Profissional em Climatização e Refrigeração da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu 1. Introdução Relativamente

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

3ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2013

3ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2013 3ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2013 A Prefeitura Municipal de João Pessoa - PB, no uso de suas atribuições legais, nos termos estabelecidos no subitem 13.36, torna pública a seguinte

Leia mais

FACULDADE DO NORDESTE DA BAHIA - FANEB

FACULDADE DO NORDESTE DA BAHIA - FANEB FACULDADE DO NORDESTE DA BAHIA - FANEB EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014.2 A SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DO NORDESTE DA BAHIA LTDA - SESNEB, entidade mantenedora da FACULDADE DO NORDESTE DA BAHIA - FANEB,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 7º ano PROFESSORAS: SANDRA MARA

Leia mais

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental 3 o Ano Textos Ler, entender e interpretar contos infantis e textos informativos. Gramática Será dada ênfase à aplicação, pois ela é entendida como instrumento para que o aluno se expresse de maneira adequada

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

ELEMENTOS ACERCA DA MODERNIZAÇÃO DO ENSINO DA MATEMÁTICA. RESUMO

ELEMENTOS ACERCA DA MODERNIZAÇÃO DO ENSINO DA MATEMÁTICA. RESUMO ELEMENTOS ACERCA DA MODERNIZAÇÃO DO ENSINO DA MATEMÁTICA. Liliane dos Santos Gutierre liliane.math@oi.com.br Faculdade União Americana (Docente) Instituto de Educação Superior Presidente Kennedy (Docente)

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

Processo Seletivo 2016 Conteúdo Programático - 1º ano do Ensino Fundamental

Processo Seletivo 2016 Conteúdo Programático - 1º ano do Ensino Fundamental Conteúdo Programático - 1º ano do Ensino Fundamental Avaliação do Desenvolvimento e Desempenho da Criança nos aspectos cognitivo, afetivo, socialização e psicomotor, através de atividades compatíveis com

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com Resumo Historicamente o ensino da Matemática passou por diversas transformações e entre

Leia mais

CONTEÚDOS DO TESTE DE SELEÇÃO - 2013 (Ingresso 2014)

CONTEÚDOS DO TESTE DE SELEÇÃO - 2013 (Ingresso 2014) POLÍCIA MILITAR DE ALAGOAS DIRETORIA DE ENSINO Colégio Tiradentes - CPM CONTEÚDOS DO TESTE DE SELEÇÃO - 2013 (Ingresso 2014) 4º ano Texto e interpretação; As quatro operações: Adição, subtração, Substantivo:

Leia mais

Planificação de Matemática -6ºAno

Planificação de Matemática -6ºAno DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 Planificação

Leia mais

Saiba quais são os momentos marcantes da trajetória da ETEP

Saiba quais são os momentos marcantes da trajetória da ETEP Manual do Candidato Cursos Superiores Curta Duração 1º Semestre de 2015 Desde a sua idealização, em 1956, a ETEP visa formar, com excelência, profissionais para atender às demandas do mercado de trabalho.

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Faculdades Integradas do Vale do Ivaí UNIVALE Ivaiporã - PR Faculdades Integradas do Vale do Ivaí - UNIVALE COMISSÃO DO VESTIBULAR CONCURSO VESTIBULAR 2016 MATRÍCULA DOS APROVADOS NO VESTIBULAR A matrícula

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município:Garça Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAMBEIRO SP EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 02

CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE JAMBEIRO SP EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 02 CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2015 O Prefeito do município de Jambeiro, Estado de São Paulo no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, torna público a presente retificação

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL 1) PARA O ENSINO MÉDIO REDAÇÃO Do 1º ano ao 3º ano do ensino médio, a prova discursiva será composta

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: METALMECÂNICA Aperfeiçoamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS PROBABILIDADES E COMBINATÓRIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 Introdução ao cálculo Conhecer terminologia das probabilidades de Probabilidades

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS CANDIDATO (S) AO 6º ANO - EF CANDIDATO (S) AO 7º ANO - EF CANDIDATO (S) AO 8º ANO - EF CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS EQUAÇÃO DO 1º GRAU SISTEMA DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU PROBLEMAS

Leia mais

VESTIBULAR 2015 MANUAL DO CANDIDATO. História 1. CALENDÁRIO GERAL 2 2. CURSOS E VAGAS 3 3. ENDEREÇO/HORÁRIO DE ATENDIMENTO

VESTIBULAR 2015 MANUAL DO CANDIDATO. História 1. CALENDÁRIO GERAL 2 2. CURSOS E VAGAS 3 3. ENDEREÇO/HORÁRIO DE ATENDIMENTO VESTIBULAR 2015 História A Faculdade de Medicina do ABC com sede e foro na Cidade de Santo André, Estado de São Paulo, foi autorizada a funcionar pelo Decreto Federal N.64.062, de 05 de fevereiro de 1969

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 010 Prova de Matemática Vestibular ª Fase Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Matemática Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) História, contexto e aplicações da matemática.

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO?

RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? RODA DE BICICLETA, BAMBOLÊ OU CICLO TRIGONOMÉTRICO? Lessandra Marcelly Sousa da Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho lessandramarcelly@gmail.com Resumo: Este trabalho é um relato

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 06/2013 Reestrutura o Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT). CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa,

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

Programa para a 1ª ETAPA

Programa para a 1ª ETAPA PROGRAMA DE FÍSICA Comissão de Processos Orientação Geral : Este programa apresenta os conteúdos básicos da Física ensinados no Ensino Médio. Para a realização da prova, espera-se que o Candidato ou a

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Sumário. Apresentação da Coleção... 23

Sumário. Apresentação da Coleção... 23 Sumário Apresentação da Coleção... 23 INTRODUÇÃO... 25 O que é lógica?... 25 Divisão da Filosofia... 29 Lógica de Aristóteles... 30 Lógica Moderna... 30 Raciocínio lógico matemático... 32 Objeto da lógica...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Médio Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: : SÃO CARLOS Área de conhecimento:ciencias DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: : MATEMATICA

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE II Tendências em Educação Matemática Educação Busca desenvolver pesquisas para inovar a prática docente adequada às necessidades da sociedade. Educação

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX Bruno Alves Dassie Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro Universidade Estácio de Sá O objetivo desta

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo.

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. 1. Círculos e cilindros 1.1. Planificação da superfície de um cilindro Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. A planificação

Leia mais

1. Localizar pessoas ou objetos no espaço, com base em diferentes pontos de referência algumas indicações de posição;

1. Localizar pessoas ou objetos no espaço, com base em diferentes pontos de referência algumas indicações de posição; PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA DE ENSINO 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO MATEMÁTICA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03. Teste Intermédio Matemática Versão 1 Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.2014 9.º Ano de Escolaridade Indica de forma legível a versão do teste. O teste é constituído por dois

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500. Planificação Anual /Critérios de avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática A 10º ano 2014/2015 Início Fim

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016

Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 Plano Curricular de Matemática 3.º Ano - Ano Letivo 2015/2016 1.º Período Conteúdos Programados Previstas Dadas Números e Operações Utilizar corretamente os numerais ordinais até vigésimo. Ler e representar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 5.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL ANO LETIVO 2012/2013 Planificação Global 5º Ano 2012-2013 1/7 NÚMEROS

Leia mais

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem.

O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. TRIDIMENSIONALIDADE O mundo à nossa volta é povoado de formas as mais variadas tanto nos elementos da natureza como nos de objetos construídos pelo homem. As formas tridimensionais são aquelas que têm

Leia mais

LABORATÓRIO VIRTUAL DE MATEMÁTICA EM DVD

LABORATÓRIO VIRTUAL DE MATEMÁTICA EM DVD LABORATÓRIO VIRTUAL DE MATEMÁTICA EM DVD Tânia Michel Pereira Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul tmichel@unijui.edu.br Angéli Cervi Gabbi Universidade Regional do Noroeste

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE 1. NÚMEROS NATURAIS ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICOS (Aprovados em Conselho Pedagógico a 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de Matemática,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: :CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARTIGO 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) tem os seguintes princípios: 1.1 Consolidar o ISEAT na

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema Matemática 01. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6 cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da face contendo C e D, e F é o pé da perpendicular a BD traçada a

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

Vetores Lidando com grandezas vetoriais

Vetores Lidando com grandezas vetoriais Vetores Lidando com grandezas vetoriais matéria de vetores é de extrema importância para o ensino médio basta levar em consideração que a maioria das matérias de física envolve mecânica (movimento, dinâmica,

Leia mais

Dia 07 de novembro (sábado) 10h Osasco e Granja Viana

Dia 07 de novembro (sábado) 10h Osasco e Granja Viana PROVA BOLSA MÉRITO ENSINO FUNDAMENTAL II (6º, 7º, 8º e 9º ano) Dia 07 de novembro (sábado) 10h Osasco e Granja Viana 1. Ingresso de novos alunos. O ingresso de alunos, no Ensino Fundamental II do Colégio

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO POTENCIALMENTE SIGNIFICATIVA PARA TÓPICOS DE MECÂNICA VETORIAL

UNIDADE DE ENSINO POTENCIALMENTE SIGNIFICATIVA PARA TÓPICOS DE MECÂNICA VETORIAL UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA UNIDADE DE ENSINO POTENCIALMENTE SIGNIFICATIVA PARA TÓPICOS DE MECÂNICA VETORIAL BRUNO NUNES

Leia mais