MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO- GRANDENSE CAMPUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO- GRANDENSE CAMPUS"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FERAL EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO- GRANNSE CAMPUS CHARQUEADAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO TÉCNICO NÍVEL MÉDIO EM MECATRÔNICA (forma integrada) Início: fevereiro de 2007

2 Curso Técnico de Nível Médio em Mecatrônica Título: Técnico em Mecatrônica Carga Horária: 3360 h Estágio curricular obrigatório 320 h Eixo Tecnológico/Área Controle e Processos Industriais Atos Legais Resolução do Conselho Superior (aprovação) Resolução do Conselho Diretor nº 16/2006, de 22/12/ Aprova o Projeto de Curso de Técnico em Mecatrônica na forma integrada. 2

3 Sumário 1 NOMINAÇÃO VIGÊNCIA JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS Apresentação Justificativa O IFSul (antigo CEFET-RS) O Campus Charqueadas Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos PÚBLICO ALVO E REQUISITOS ACESSO REGIME MATRÍCULA DURAÇÃO TÍTULO PERFIL PROFISSIONAL E CAMPO ATUAÇÃO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Competências Profissionais Matriz Curricular Estágio Curricular Disciplinas, Ementas, Conteúdos E Bibliografia CRITÉRIOS APROVEITAMENTO CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES CRITÉRIOS AVALIAÇÃO APRENDIZAGEM APLICADOS AOS ALUNOS RECURSOS HUMANOS Pessoal Docente Pessoal Técnico-Administrativo INFRA-ESTRUTURA Instalações E Equipamentos Oferecidos Aos Professores E Alunos Espaço Físico Recursos Tecnológicos Acervo Bibliográfico

4 1 NOMINAÇÃO Curso Técnico de Nível Médio em Mecatrônica - forma integrada. 2 - VIGÊNCIA O Curso Técnico de Nível Médio em Mecatrônica Forma Integrada passará a viger no primeiro semestre do ano letivo de Ao final do ano letivo de 2011, deverá ser concluída a avaliação do presente projeto, com vistas à ratificação e/ou à remodelação deste. 3 - JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS Apresentação O município de Charqueadas integra a Macrorregião Centro-Sul do Rio Grande do Sul. Essa região é composta por 16 municípios, com uma população de 230 mil habitantes (2,26% do Estado) e tem 71% dos habitantes residindo na área urbana, contando com um PIB per capita de R$ 5.685,00. Charqueadas, que integra a Região Metropolitana de Porto Alegre RMPA, é centro da microrregião carbopetroquímica, a qual é composta por 8 municípios. Estes fazem parte da Associação dos Municípios da Região Carbonífera ASMURC, e contam com uma população de 156 mil habitantes. A região apresentou, na última década, uma taxa anual de crescimento demográfico de 1,12%, próxima da média estadual que é de 1,21%. Com referência à infra-estrutura, a região apresenta rodovias de acesso como as BR s 290 e 116, além das RS s 470, 709 e 401, possuindo um total de 309 km de rodovias. No que se refere à economia, a região, ao longo dos 10 últimos anos, vem ampliando moderadamente a sua participação, passando de 1,47% para 1,73% no contexto estadual. Apesar de não ser o setor que mais disponibilize postos de trabalho, o município caracteriza-se pela atividade industrial, onde predominam os ramos da metalurgia e da mecânica, relacionados com o funcionamento da Aços Finos Piratini S/A (hoje pertencente ao Grupo Gerdau), empresa cuja instalação significou forte dinamismo para Charqueadas pois, além da absorção da mão-de-obra, viabilizou o surgimento de uma série de indústrias complementares, numa integração capaz de gerar apreciável impulso expansivo. O município conta com 38 indústrias, 385 estabelecimentos comerciais e 415 prestadores de serviços (Fonte: DRM-PMC/Março/2005). As maiores indústrias são: Aços Finos Piratini (Gerdau), Usina Termelétrica de Charqueadas 4

5 (Tractabel), COPELMI, GKN do Brasil Ltda. SAIBRITA, JGB Equipamentos de Segurança, Indústria de Metais Kyowa, Metal, entre outras. Registra-se um crescimento bastante significativo do comércio entre os anos de 1970 a 1991, e o setor de serviços teve um crescimento acentuado no período de 1990 a 1995, destacando-se as atividades de manutenção industrial nas áreas de metalmecânica, eletroeletrônica e obras civis. Quanto à qualidade de vida de sua população, o município enfrenta a mesma crise social e econômica que atinge o país. As camadas mais jovens são as que mais sentem as carências nos setores da saúde, educação, alimentação e lazer, assim como o desrespeito às questões básicas de liberdade e dignidade. Esse quadro aumenta as disparidades sociais entre as diferentes camadas da população, ocasionando um crescimento dos bolsões de miséria existentes nas médias e grandes cidades. Charqueadas está inserida nesse contexto de desigualdades sociais. O município é jovem, emancipado em 1982, e conta atualmente com habitantes (estimativa IBGE-2004), sendo que a renda familiar da maioria da população é de até três salários mínimos e o grau de escolaridade da maioria é Ensino Fundamental incompleto. O perfil econômico do município é predominantemente industrial, a maioria da população é operária. A taxa de desemprego está estimada em 14,7% (Abril/05 FEE-RMPA), a taxa de urbanização é de 97%. Conforme o Censo Populacional IBGE, Charqueadas contava com habitantes, sendo habitantes residentes na zona urbana e 946 habitantes na zona rural. A área do município é de 215 km2, sendo 27 km2 considerados zona urbana e 188 km2 zona rural. A densidade demográfica é de 139,48 hab/km2, porém, se analisarmos apenas o perímetro urbano, a densidade populacional passa para 1066,72 hab/km2. A análise da situação das famílias charqueadenses aponta para um quadro de pobreza, pois 14,36% da população economicamente ativa inclui-se na classe de rendimentos mensais de até um salário mínimo; 13,96% da população economicamente ativa tem renda de um a dois salários mínimos e 43,16% não tem rendimentos, conforme Censo Demográfico do Brasil 2000-IBGE. Além disso, segundo os dados do IBGE/2000, do total de pessoas com 10 anos ou mais de idade, 5,69% não possuem instrução ou possuem menos de um ano de estudo; 55,22% possuem de um a sete anos de estudo; 20,29% possuem de oito a dez anos de estudo; 15,23% possuem de onze a quatorze anos de estudo; 2,20% possuem quinze ou mais anos de estudos. 5

6 Com mais de 40% da população formada por crianças e jovens na faixa de até 19 anos de idade (Censo Demográfico 2000 IBGE), e com poucos recursos nas áreas de lazer e desporto, muitos desses jovens acabam se marginalizando, enfrentando problemas de drogadição, violência familiar, criminalidade, analfabetismo e desqualificação profissional. Apesar do crescimento no índice de matrículas e dos investimentos feitos na educação municipal, os dados mostram que as taxas de evasão e repetência no município continuam elevadas. Aproximadamente 4,5% abandonam a escola e 18% reprovam no Ensino Fundamental. No Ensino Médio estadual, 20,4% abandonaram e 13,9% reprovaram em 1997, conforme informação da FEE/2004. A taxa de analfabetismo da população, segundo o FEE em 2000, era de 7,27%. Segundo o IBGE, o analfabetismo da população de 11 a 14 anos em 1991 era de 2,9% e da população de 15 ou mais anos era de 10,4%. 3.2 Justificativa O IFSul (antigo CEFET-RS) O Instituto Federal Sul-rio-grandense - IFSul, oriundo do Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas tem por filosofia adotar uma política educacional que, através do conhecimento científico e humanístico, esteja comprometida com o homem total, livre e responsável e que, utilizando-se da tecnologia, contribua para a formação de uma sociedade mais justa e solidária. A missão do IFSul é a de implementar um processo educacional de qualidade em que a Educação Profissional e a Educação Básica - Ensino Médio - contribuam na formação integral do educando, proporcionando a formação ética, o desenvolvimento da autonomia intelectual e o pensamento crítico para uma participação ativa na sociedade e o exercício pleno da cidadania. É um de seus objetivos desenvolver uma política educacional que integre conhecimentos tecnológicos, científicos e humanísticos, através de um ensino de qualidade, capaz de proporcionar ao educando um aprimoramento nas áreas social, econômica, científica e cultural, e de propiciar-lhe uma educação continuada, que o conduza a uma participação ativa, crítica e transformadora na sociedade e no mundo do trabalho, para que possa construir permanentemente o conhecimento e vivenciar plenamente a cidadania. 6

7 3.2.2 O Campus Charqueadas O Campus Charqueadas, resultante da transformação da Unidade de Ensino Descentralizada de Charqueadas do CEFET-RS, na tentativa de colaborar com o desenvolvimento da região, atua como parceiro dentro da sua vocação de ensino profissional. Quanto às questões referentes à qualificação, profissionalização e reprofissionalização, paralela à questão da formação integral do cidadão, o campus vem oferecer o Curso Técnico Integrado de Mecatrônica. Tal profissional vem ao encontro das profundas transformações que os processos produtivos têm sofrido ao longo dos últimos anos. Essas transformações estão intimamente associadas à revolução científica e tecnológica que está agressivamente modificando a estrutura produtiva. Este perfil une conhecimentos das áreas de Informática, Mecânica, Eletroeletrônica e de Automação e permite a este técnico encontrar soluções nos processos fabris, no que tange à manutenção, gestão, qualificação e desenvolvimento dos diferentes sistemas que compõem os processos produtivo das emprersas da região. Paralelamente à formação profissional, o aluno, dado o caráter integrado do ensino, terá, além de uma formação na área tecnológica, uma formação integral que permita sua atuação na sociedade, no seu tempo como sujeito histórico. Assim, tem-se por objetivo proporcionar ao educando o acesso à educação e à formação profissional numa perspectiva integral, contemplando a elevação da escolaridade com profissionalização no sentido de contribuir para a integração sociolaboral dos cidadãos. Ao integrar o Ensino Médio com o Ensino Técnico, queremos que a educação geral se torne parte inseparável da educação profissional em todos os campos onde se dá a preparação para o trabalho. Entendemos o princípio educativo, no sentido de superar a dicotomia trabalho manual/trabalho intelectual, de incorporar a dimensão intelectual ao trabalho produtivo, e de formar trabalhadores capazes de atuar como dirigentes e cidadãos. Assim, a idéia de formação integrada sugere superar o ser humano dividido historicamente pela divisão social do trabalho entre a ação de executar e a ação de pensar, dirigir ou planejar. 7

8 3.3 Objetivos Objetivo Geral Propiciar formação profissional técnica de nível médio que possibilite a formação de cidadãos críticos e solidários, comprometidos politicamente com um projeto de sociedade mais justa e capazes de atender as demandas do mundo do trabalho na área de indústria, atendendo às vagas disponibilizadas pelo setor produtivo Objetivos Específicos Assegurar à comunidade uma oportunidade profissional técnica de nível médio na área de indústria integrada ao Ensino Médio. Desenvolver uma experiência pedagógica, tendo como base uma concepção de educação, que forme um cidadão crítico, autônomo e com capacidade de ação social. Construir uma proposta que desenvolva nas pessoas a capacidade de aprender e continuar aprendendo, de modo a serem capazes de prosseguirem os estudos. Contribuir na formação da cidadania, capacitando-os para o exercício pleno de seus direitos e para a inserção flexível no mundo do trabalho. 4 - PÚBLICO ALVO E REQUISITOS ACESSO Para ingressar no Curso Técnico de Nível Médio em Mecatrônica - forma integrada, os candidatos deverão ter concluído o Ensino Fundamental ou equivalente. específico. O processo seletivo para ingresso no curso será regulamentado em edital 5 - REGIME MATRÍCULA Regime do Curso Regime de Matrícula Turno de Oferta Anual Série Diurno Número de vagas 20 * Portaria 1543/2010 altera oferta de vagas. 6 DURAÇÃO Duração do Curso Carga horária em disciplinas obrigatórias Estágio Curricular obrigatório Total do Curso 3360 h 320 h 3680 h 8

9 Obs.: Será permitido, ao aluno, participar de estágio não obrigatório, conforme previsto no regulamento de estágio do IFSul. 7 TÍTULO Após a integralização da carga horária total do curso, incluindo atividades complementares e estágio, quando houver, o aluno receberá o diploma de Técnico em Mecatrônica. 8 - PERFIL PROFISSIONAL E CAMPO ATUAÇÃO O egresso do Curso Técnico de Nível Médio em Mecatrônica - Integrado - deverá ter uma formação ética, técnica, criativa e humanística, que possibilite ao futuro profissional ser um cidadão responsável, empreendedor, investigador e crítico, apto a desempenhar sua profissão no que concerne à gestão, operação e manutenção de sistemas mecatrônicos em ambientes industriais, e a integrar tecnologias, gerenciar equipes de trabalho e a manter sistemas de produção automatizados, bem como promover melhorias para a otimização de processos industriais. Na formação desse sujeito, o trabalho aparece como possibilidade emancipatória de luta e de engajamento político social. No campo de atuação deste profissional, destacam-se as atividades nos seguintes ramos: indústria automobilística e metal-mecânica; fabricantes de máquinas, componentes e equipamentos robotizados; laboratórios de controle de qualidade; prestadoras de serviço. 9 - ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Competências Profissionais - Gerenciar pessoas, processos e recursos industriais bem como instalar, operar e manter sistemas produtivos que envolvam as áreas de mecânica, eletro-eletrônica, informática aplicada e automação, aplicando metodologias e normas técnicas. - Aplicar e integrar tecnologias, na otimização de processos industriais, buscando melhorias contínuas. - Perceber e compreender que as sociedades são produtos das ações humanas sendo, portanto, construídas e reconstruídas em tempos e espaços diversos, fortemente influenciadas pelas relações sociais, pelos valores éticos, estéticos e 9

10 culturais, pelas relações de dominação e de poder, e pelas relações de trabalho presentes nas mesmas. - Utilizar elementos e conhecimentos científicos e tecnológicos dos diferentes ambientes (físico, econômico, social, cultural, político) para tomar atitudes decisivas de investigação e compreensão, com o propósito de formular questões, interpretar, analisar e criticar resultados, expressando-se com correção e clareza, de forma responsável na sociedade em que está inserido. - Ler, compreender, interpretar, escrever e produzir sentido a partir de textos verbais e não-verbais, ao utilizar diferentes tecnologias de escrita e ao estabelecer relação com o contexto sócio-econômico e histórico-cultural; desenvolver e formalizar o raciocínio lógico, transcrevendo-o em linguagem; posicionar-se criticamente para, através da produção do conhecimento, intervir na realidade em busca de sua transformação. - Buscar a formação cidadã através das práticas corporais e culturais que estimulem relações individuais e sociais, criatividade, afetividade, espírito inventivo, a curiosidade pelo inusitado, bem como facilitar a constituição de identidade capaz de suportar a inquietação, conviver com o incerto e o imprevisível, acolher e conviver com a diversidade, valorizar a qualidade, as formas lúdicas e alegóricas de conhecer o mundo e fazer do lazer, da sensualidade e da imaginação um exercício de liberdade responsável, tendo como pano de fundo o corpo em movimento e outras expressões culturais do homem Matriz Curricular Vide MATRIZES Estágio Curricular O estágio curricular do curso será obrigatório e terá duração mínima de 320 horas, podendo ser realizado a partir da conclusão do terceiro ano letivo. * Resolução 37/2009 aprova inclusão do estágio não obrigatório Disciplinas, Ementas, Conteúdos E Bibliografia Vide PROGRAMAS CRITÉRIOS APROVEITAMENTO CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES Atendendo ao que dispõe o artigo 11 da Resolução CNE/CEB 04/99, poderão ser aproveitados os conhecimentos e as experiências anteriores, desde que 10

11 diretamente relacionados com o perfil profissional de conclusão da respectiva habilitação profissional, adquiridos: I - no Ensino Médio; II - em qualificações profissionais e etapas ou módulos de Nível Técnico concluídos em outros cursos; III - em cursos de Educação Profissional de Nível Básico - mediante avaliação; IV - no trabalho ou por outros meios informais, mediante avaliação do aluno. Quando este aproveitamento tiver como objetivo a certificação, seguir-se-ão as diretrizes a serem apontadas pelo Sistema Nacional de Certificação, a serem ainda definidas. Os conhecimentos adquiridos em cursos de Educação Profissional de Nível Básico, no trabalho ou por outros meios informais, serão avaliados mediante processo próprio dessa instituição. Este processo de avaliação deverá prever instrumentos de aferição teóricos/práticos, os quais serão elaborados por banca examinadora, especialmente constituída para este fim. A banca de que fala o parágrafo anterior deverá ser composta por docentes habilitados e/ou especialistas da área pretendida e profissionais indicados pela Diretoria de Ensino. Na construção destes instrumentos, a banca deverá ter o cuidado de aferir os conhecimentos com a mesma profundidade com que é aferido o conhecimento do aluno que freqüenta regularmente este instituto. Sempre que for possível, a avaliação deverá contemplar igualitariamente os aspectos teórico e prático. O registro do resultado deste trabalho deverá conter todos os dados necessários para que se possa expedir com clareza e exatidão o parecer da banca. Para tanto, deverá ser montado processo individual que fará parte da pasta do aluno. No processo deverão constar tipos de avaliação utilizada (teórica e prática), parecer emitido e assinado pela banca e homologação do parecer assinado por docente da área indicado em portaria específica. É indispensável que se registre todo o processo de avaliação e que, só após sua aprovação, o aluno seja inserido no semestre pretendido. Para orientação sobre o tema tomaremos como referenciais legais: * a Lei 9394/96, de , que estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional; 11

12 * o Decreto 5154, de , que regulamenta o 2º do artigo 36 e os artigos 39 a 42 da Lei 9394/96; * o Parecer 16/99 da CEB/CNE, de , que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico; * a Resolução nº 04/99, da CEB/CNE, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico, assim como outros referenciais que vierem a ser produzidos CRITÉRIOS AVALIAÇÃO APRENDIZAGEM APLICADOS AOS ALUNOS A avaliação é entendida como processo, numa perspectiva libertadora, com a finalidade de promover o desenvolvimento e favorecer a aprendizagem. Em sua função formativa, a avaliação transforma-se em exercício crítico de reflexão e de pesquisa em sala de aula, para a análise e compreensão das estratégias de aprendizagem dos educandos, na busca de tomada de decisões pedagógicas favoráveis à continuidade do processo. A avaliação, sendo dinâmica e continuada, não deve limitar-se à etapa final de uma determinada prática. Deve, sim, pautar-se por observar, desenvolver e valorizar todas as etapas de crescimento, de progresso do educando na busca de uma participação consciente, crítica e ativa do mesmo. A intenção da avaliação é de intervir no processo de ensino-aprendizagem, com o fim de localizar necessidades dos educandos e comprometer-se com a sua superação, visando ao diagnóstico e à construção em uma perspectiva democrática. A avaliação do desempenho será feita de maneira formal, com a utilização de diversos instrumentos de avaliação, pela análise de trabalhos, desenvolvimento de projetos, participação nos fóruns de discussão, provas e por outras atividades propostas de acordo com a especificidade de cada disciplina. A sistematização do processo avaliativo consta na Organização Didática, no anexo III, referente aos procedimentos didático-pedagógicos e administrativos adotados no campus Charqueadas. 12

13 12 RECURSOS HUMANOS Pessoal Docente Nome André Capellão de Paula André Laurence Freitas dos Santos Charles Sidarta Machado Domingos Conrado Abreu Chagas Cristian Oliveira Conceição Daltro Ben Hur Ramos de Carvalho Filho Daniele Borchardt Veiras Fernando Guimarães Soares Janete Viegas Vieira Jorge Otte José Luiz de Oliveira Titulação acadêmica Graduação: Engenharia de Produção Mecânica Mestrado: Engenharia Mecânica Graduação: Formação de Professores Especialização: Gestão de Marketing Graduação: História Mestrado: História Graduação: Letras Português e Inglês Mestrado: Letras Graduação: Biologia Mestrado: Oceanografia Graduação: Automação Industrial Especialização: Educação Graduação: Letras Português e Inglês Mestrado: Letras Componentes curriculares que ministra (2010) CAD Materiais Mecânicos e Metrologia Gestão Industrial Materiais Mecânicos e Metrologia Elementos de Máquina e Resistência dos Materiais História Português Inglês Biologia Elaboração de Projetos Controle de Processos Automação I Automação II Português Inglês Regime de trabalho Graduação: Química Química Graduação: Matemática Especialização: Educação Graduação: Educação Física Especialização: Educação Física Graduação: Matemática Processos de Fabricação Mecanica I Processos de Fabricação Mecânica II Materiais Mecânicos e Metrologia Educação Física Matemática 40h 13

14 Ferreira José Otoni Signorini Pinto José Ubirajara Nuñes de Nunes Mestrado: Matemática Pura Graduação: Formação de Professores Especialização: Manutenção Mecânica Graduação: Engenharia Elétrica Mestrado: Engenharia Elétrica Processos de Fabricação Mecanica I Processos de Fabricação Mecânica II Eletrônica I Eletrônica II Eletricidade Microcontroladores Processos de Fabricação Mecânica I Leandro Câmara Noronha Graduação: Engenharia de Produção Mecânica Processos de Fabricação Mecânica II Elementos de Máquina e Resistência dos Materiais Desenho Técnico Materiais Mecânicos e Metrologia Lílian Dilli Gonçalves Graduação: Ciências Sociais Especialização: Sociologia Afastada para mestrado (substituto Israel Pinto Dornelles Dutra) Controle de Processos Luis Gustavo Fernandes dos Santos Graduação: Automação Industrial Eletrônica Digital Eletricidade Máquinas e Acionamentos Elétricos Automação II Luiz Fernando Guimarães Rohnelt Luiz Roberto Lima Barbosa Márcio Bender Machado Michele Schimitt Ricardo Ferreira da Costa Graduação: Geografia Especialização: Geografia do Brasil Graduação: Artes Mestrado: Educação Graduação: Telecomunicações Mestrado: Engenharia Elétrica Graduação: Letras Mestrado: Letras Graduação: Engenharia Civil Mestrado: Matemática Geografia Artes Eletrônica I Microcontroladores Português Elaboração de Projetos Matemática Iniciação à Mecatrônica Samir Dessbesel Ferreira Graduação: Filosofia Mestrado: Filosofia Filosofia 14

15 Vinícius Nizolli Khun Antônio Pedro da Silva Júnior Israel Pinto Dornelles Dutra Maurício Soares Ortiz Marco Antônio Venturini Martins Jeferson Fernando de Souza Wolff Jean Paulo de Abreu Campos Jonatas Matthies Roschild Marina Marques Kremer Graduação: Automação Industrial Graduação: Formação de Professores Mestrado: Educação Afastado para mestrado (substituto Maurício S. Ortiz) Desenho Técnico CAD Graduação: Ciências Sociais Sociologia 40h Mestrado: Educação Graduação: Automação Industrial Graduação: Administração Técnico: Eletroeletrônica Graduação: Formação de Professores Graduação: Física Mestrado: Física Graduação: Sistemas de Informação Graduação: Engenharia Elétrica Graduação: Educação Física Mestrado: Educação Física Programação de Robôs e Máquinas Operatrizes Eletrônica Digital Controle de Processos Eletrotécnica Máquinas e Acionamentos Elétricos Eletricidade Eletrotécnica Física Eletricidade Programação Informática Eletrônica I Eletrônica II Eletrônica Digital Microcontroladores Educação Física 40h 40h 40h 40h Pessoal Técnico-Administrativo Técnicos Administrativos 01. Beatriz Meggiato Oreques de Araújo 02. Fabiana Vicentini Viana Grillo 03. Guilherme Costa da Motta Qualificação - Especialista em Educação Profissional - Tecnóloga em Processamento de Dados - Licenciada / Informática - Curso Superior Incompleto de Licenciatura Plena em Geografia - Especialista em Filosofia Moral e Política - Licenciado em Filosofia - Bacharel em Direito 04. Humberto dos Santos Silva - Técnico em Enfermagem 15

16 05. Joana Darc Justino - Enfermeira 06. Jordânia Morales da Rosa - Tecnóloga em Telecomunicações 07. Juliana Roldão Bittencourt - Curso Superior Incompleto de Licenciatura Plena em Artes Visuais 08. Luís Rogério Silva dos Santos - Técnico em Contabilidade 09. Marcelo Leão Bizarro - Curso Superior Incompleto em Software Básico - Curso Superior Incompleto em Ciência da 10. Marcelo Lopes Cairuga Computação - Técnico em Processamento de Dados 11. Marilúcia Silveira de Castro - Técnica em Contabilidade 12. Magno Souza Grillo - Licenciado em Geografia - Mestre em Educação 13. Raul Teixeira de Mello Filho - Especialista em Gestão de Pessoas nas Organizações - Engenheiro Agrônomo 13 INFRA-ESTRUTURA Instalações E Equipamentos Oferecidos Aos Professores E Alunos Espaço Físico Dependências Quantidade Sala de Direção 1 Salas de Coordenação 1 Sala de Professores 1 Salas de Aulas para o curso 5 Sanitários 1 Pátio Coberto / Área de Lazer / Convivência 1 Setor de Atendimento 1 Praça de Alimentação 1 Auditórios 1 Sala de Leitura/Estudos 1 Laboratórios da área Mecânica 4 Laboratórios da área de Informática 3 Laboratórios da área de Automação 2 Laboratórios da área de Eletroeletrônica Recursos Tecnológicos Equipamentos Microcomputador Servidor Descrição Técnica Placa mãe com processador de clock mínimo de 3.2 GHZ c/ 2 MB cache e cooler, suporte a Raid, dual channel, instruções de 64 bits, com slot AGP 8X, memória RAM 1GB, 2 HDs de 80 GB SATA, em Raid, Gravadora de DVD, Mouse óptico PS/2, teclado PS/2- ABNT2, Gabinete compatível com processador, c/ no mínimo 4 baias 5 1/4, USB Frontal, drive 16

17 Notebook de disquete 3 ½, Monitor 17 LCD, 2 placas de rede 10/100. Processador com clock mínimo de 1,5Ghz, 1MB de cachê, memória RAM de no mínimo 512 MB - Tela mínima de 14." - CD-rom tipo combo e HD com no mínimo 40 GB de espaço, com placa wireless instalada. Impressora Laser Impressora laser, com possibilidade de impressão de 21 ppm, interfaces USB e paralela, volume de impressão mensal mínimo de páginas. Impressora Jato de tinta Multifuncional Scanner Projetor Multimídia Tela Retrátil No-break Impressora laser, com possibilidade de impressão de 21 ppm, com servidor de impressão, interfaces USB e paralela, volume de impressão mensal mínimo de páginas. Impressora jato de tinta para folhas tamanho A3 colorida, interfaces USB e paralela, com possibilidade para trabalhar c/ servidor de impressão, resolução mínima de 4800 x 1200 dpi em impressões coloridas, com ciclo mensal de impressão de, no mínimo páginas. Impressora laser multifuncional, com scanner colorido, fotocopiadora e aparelho de fax. Até 14ppm em A4, resolução 600x600 dpi, conectividade USB. Scanner de mesa, digitalização em cores, resolução de hardware 2400 X 2400 dpi, resolução da digitalização, óptica 2400 dpi, níveis de escala cinza 256. Velocidade de tarefas scanner menos de 24s, fotos coloridas 4x6 polegadas em Microsoft Word, menos de 36 s, leitura óptica de caracteres (OCR) de uma pág.inteira de texto Microsoft Word; velocidade prévisualização 7s, conectividade USB de alta velocidade, software incluído com CD room com software para tratamento de imagem. Cabos inclusos. Projetor multimídia com imagem de vídeo brilhante- mín 1800 ANSI lumens. Resolução mín 1024 x detalhes nítidos em tela inteira. Controle do projetor diretamente do PC. Compatibilidade de vídeo: NTSC 3-58, NTSC 4.43, PAL (todos), SECAM (todos), SDTV (480), Edtv (480p); distância mínima de projeção: 1,5m. Fonte de luz: UHP de 120 watts com 2000 horas de duração. Formato da imagem: 4.3 (padrão); lente de projeção: lente com ajuste manual de 200m e foco. Tela retrátil (para projeção multimídia) enrolamento por mola, manual tecido acetinado branco duplo traçado por filamento, multimídia 2.5, acabamento metálico, dimensões 2,00 x 2,00 m. No-break 1KVA, 4 baterias seladas Switch Switch 24 portas 10/100, 19. Rack Armário de 22UA fechado c/ chave Acess Point Acess Point compatível com padrão g Estabilizador 1KVA Entrada: 220V; Saída:110V. 17

18 Demais recursos Quantidade Televisores 1 Vídeos cassete 1 Aparelhos de DVD 2 Aparelhos de Som 1 Retroprojetores 3 Canhões Multimídia 4 Telas p/ projeção 4 Câmeras 1 Quadro Branco ACERVO BIBLIOGRÁFICO LÍNGUA PORTUGUESA E LÍNGUA INGLESA Abaurre, M. L.; Pontara, M. N.; Fadel, T. Português, língua e literatura. São Paulo: Moderna, Abrahão, M. H. V. (org.). Prática de Ensino de Língua Estrangeira. Campinas: Pontes Editores, Ali, M. S. Gramática histórica da língua portuguesa. Brasília: Editora Unb, Antas, Luiz Mendes. Dicionário de termos técnicos. Inglês/português. São Paulo: Editora Traço, Badalamenti, V. Grammar dimensions: form, meaning and use. New York: Heinle & Heinle Publishers, Barnes, A. et al. Have fun with vocabulary. New York: Penguin Books, Bastos, L. K. X. Produção escrita e a gramática. São Paulo: Editora Martins Fontes, Batista, A. A. G. Aula de português: discurso e saberes escolares. São Paulo: Editora Martins Fontes, Bechara, E. Gramática escolar da língua portuguesa. São Paulo: Lucerna, Bechara, E. Lições de português pela análise sintática. São Paulo: Lucerna, Bechara, E. Moderna gramática portuguesa. São Paulo: Lucerna, Bosi, A. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, Câmara Jr, J. M. Estrutura da língua portuguesa. São Paulo: Vozes, Cambridge advanced learner s dictionary (com CD ROM). São Paulo: Cambridge University Press, Cambridge learner s dictionary (com CD ROM). São Paulo: Cambridge University Press, Cândido, A. Na sala de aula. São Paulo: Ática, Cegalla, D. P. Novíssima gramática da língua portuguesa. São Paulo: Nacional, Cereja, W. R.; Magalhães, T. C. Português: linguagens. Guarulhos: Atual, Collin, S. M. H. Dicionário de Informática, Multimídia e Realidade Virtual. Inglês português. São Paulo: Editora Melhoramentos, Collins C. English Grammar. Londres: HarperCollins Publishers,

19 Collins C. Student s Grammar. Glasgow: HarperCollins Publishers, Collins, C. Business vocabulary in practice. Glasgow: Harper Collins Publishers, Collins, C. Intermediate English grammar. New York: Harper Collins Publishers, CORACINI, M. J (org.). O Jogo Discursivo na Aula de Leitura. Língua Materna e Língua Estrangeira. Campinas: Pontes Editores, Crystal, D. The Cambridge Encyclopedia of the English Language. Cambridge: Cambridge University Press, Cunha, C. Gramática da língua portuguesa. Brasília: MEC/FAE, Cunha, C. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, Dell sola, R. L. P.; Mendes, E. A. M (orgs.). Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Ensino e Pesquisa. Campinas: Pontes Editores, Dicionário escolar Collins Inglês-português/português-inglês. São Paulo: Collins Disal Editoras, Dicionário Larousse Essencial Inglês. São Paulo: Larousse Editora, Dicionário Oxford Escolar para Estudantes Brasileiros de Inglês. São Paulo: Oxford University Press, Ellis, R. The study of second language acquisition. Oxford: Oxford University Press, Emmerson, P. English. Oxford: MacMillan Publishers Ltda, Faraco, C. E.; Moura, F. M. Gramática. São Paulo: Ática, Faria, M. A. Como usar o jornal na sala de aula. São Paulo: Editora Contexto, Favero, L. L. Andrade, M. L. Oralidade e escrita. São Paulo: Cortez, Favero, L. L; Koch, I. G. V. Lingüística textual: introdução. São Paulo: Cortez, Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Aurélio Dicionário da Língua Portuguesa (com CD ROM). São Paulo: Positivo Editora, Fialho Jr., M. Novo Dicionário de Informática. São Paulo: Terra Editora, Fiorin, J. L.; Savioli, F. P. Para entender o texto. Leitura e produção. São Paulo: Ática, Flores, O. C.; Silva. R. R. Da oralidade à escrita. Canoas: Ulbra. Flower, J. Start building your own vocabulary, elementary. Hove, England: Language teaching publications, Freitas, A. C.; Castro, M. F. G. (Orgs.) Língua e literatura. Ensino e pesquisa. São Paulo: Editora Contexto, Garcia, O. Comunicação em prosa moderna. São Paulo: FGV, Geraldi, J. W. (org.) O texto na sala de aula: leitura e produção. São Paulo: Assoeste, Gregorim, Clovis Osvaldo; Martinelli, Creud Pereira Santos; Terciotti, Sandra Helena. Michaelis Língua Portuguesa. Dicionário Escolar. São Paulo: Editora Melhoramentos, Guimarães, E. Texto e Argumentação. Um estudo de conjunções do Português. Campinas: Pontes Editores, Henriques, C. C.; Pereira, M. T. G. Língua e transdisciplinaridade. São Paulo: Editora Contexto, Herdade, M. M. Novo Manual de Redação. Básica, Concurso, Vestibulares, Técnica. Campinas: Pontes Editores, Hornby, A.S. Oxford Advanced Learner s Dictionary (com CD ROM). São Paulo: Oxford University Press,

20 Houaiss, Antonio. Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Objetiva, Johns, A. M; Dudley-Evans, T. Developments in ESP. A multidisciplinary approach. Cambridge: Cambridge University Press, Kato, M. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística. São Paulo: Ática. Kernerman, Lionel. Password. English Dictionary for Speakers of Portuguese. São Paulo: Martins Fontes, Kleiman, A. Leitura: ensino e pesquisa. Campinas: Pontes Editores, Kleiman, A. Oficina de Leitura. Teoria e Prática. Campinas: Pontes Editores, Koch, I, V. A coesão textual. São Paulo: Editora Contexto, Koch, I. V; Travaglia, L. C. A coerência textual. São Paulo: Editora Contexto, Longman dictionary of contemporary english. São Paulo: Pearsons Education Limited, Magnani, M. R. M. Leitura, literatura e escola: sobre a formação do gosto. São Paulo: Editora Martins Fontes, McCarthy, M.; O Dell, F. English vocabulary in use (upper-intermediate & advanced). Cambridge: Cambridge University Press, Minidicionário Larousse da língua portuguesa. São Paulo: Larousse Editora, Moisés, M. A literatura brasileira através dos textos. São Paulo: Cultrix, Murphy, R. Essential grammar in use. Cambridge: Cambridge University Press, Murphy, R.; Smalzer, W. Grammar in use (intermediate). Cambridge: Cambridge University Press, Neves, M. H. Gramática de usos do português. São Paulo: Unesp, Nicola, J. de; Infante, U. Gramática contemporânea da língua portuguesa. São Paulo: Scipione, Novo dicionário Aurélio (sem CD). São Paulo: Positivo Editora, Olson, D. R.; Torrance, N. Cultura escrita e oralidade. São Paulo: Ática, Ong, W. Oralidade e cultura escrita. São Paulo: Papirus, Oxford Dictionary of Current English. São Paulo: Oxford University Press, Paiva, V. L. M. O. (org.). Ensino de Língua Inglesa. Reflexões e experiência. Campinas: Pontes Editores, Perini, M. Gramática descritiva do português. São Paulo: Ática, Proença Filho, D. Estilos de época na literatura. São Paulo: Ática, Redman, S. English vocabulary in use (pre-intermediate & intermediate). Cambridge: Cambridge University Press, Sacconi, L. A. Nossa gramática. Guarulhos: Atual, Sawaya, M. R. Dicionário de Informática & Internet. Inglês-Português. São Paulo: Editora Livraria Nobel, Sharwood Smith, M. Second learning: theoretical foundations. New York: Longman, Silva, D. De onde vêm as palavras. São Paulo: Editora Cultrix, Silveira Bueno. Minidicionário da língua portuguesa. Guarulhos: FTD Editora, Swan, M. Practical english usage. Oxford: Oxford University Press, Thewlis, S. Grammar dimensions: form, meaning and use. Book 3. Boston: Heinle and Heinle, Thomas, B. J. Elementary vocabulary. New York: Longman, Thomas, B. J. Intermediate vocabulary. New York: Longman, Thornbury, S. The beginner s choice. London: Longman, Watcyn-Jones, P. Vocabulary games and activities for teachers. New York: Penguin Books,

21 Zanchetta Jr, J.; Faria M. A. Para ler e fazer o jornal na sala de aula. São Paulo: Editora Contexto, MATEMÁTICA Alberti, Leon Battista. Matemática Lúdica. Col. Ciência e Cultura. São Paulo: Jorge Zahar, Albertini, Paulo. Reich - História das Idéias e Formulações para a Educação. São Paulo: Agora, Anton, Howard. Cálculo. Um Novo Horizonte Vol. 1. São Paulo: Bookman, Anton, Howard. Cálculo. Um Novo Horizonte Vol. 2. São Paulo: Bookman, Anton, Howard; Rorres, Chris. Álgebra Linear com Aplicações. São Paulo: Bookman, Bassanezi, Rodney Carlos. Ensino-Aprendizagem com Modelagem Matemática. São Paulo: Contexto, Bendick, Jeanne. Arquimedes. Uma porta para a ciência. Col. Imortais da Ciência. São Paulo: Odysseus, Bianchini, Edwaldo; Paccola, Herval. Curso de Matemática. São Paulo: Moderna, Bicudo, Maria Aparecida. Educação Matemática. São Paulo: Centauro. Bicudo, Maria Aparecida; Borba, Marcelo de Carvalho. Educação Matemática. Pesquisa em Movimento. São Paulo: Cortez, Biembengut, Maria Sallet; Hein, Nelson. Modelagem Matemática no Ensino. São Paulo: Contexto, Borba, Marcelo de C.; Penteado, Miriam G. Informática e Educação Matemática. Coleção Tendências em Educação Matemática. São Paulo: Autêntica Editora, Boyer, Carl B. História da Matemática. São Paulo: Edgard Blücher, Brasil, Nilo Índio do. Sistema Internacional de Unidades. São Paulo: Interciência. Brasiliense, M. Z. O Paquímetro sem Mistério. São Paulo: Interciência. Crespo, Antônio Arnot. Estatística Fácil. 18.ª Ed. São Paulo: Ed. Saraiva, D Ambrosio, Ubiratan. Da Realidade à Ação. Reflexões sobre Educação e Matemática. São Paulo: Summus. D Ambrosio, Ubiratan. Etnomatemática. Elo entre as tradições e a modernidade. Col. Tendências em Ed. Matem. São Paulo: Autêntica Editora, D Ambrosio, Ubiratan. Etnomatemática. São Paulo: Ática, Dante, Luiz Roberto. Matemática. Contexto e Aplicações. Vol. 1. São Paulo: Ática, Dante, Luiz Roberto. Matemática. Contexto e Aplicações. Vol. 2. São Paulo: Ática, Dante, Luiz Roberto. Matemática. Contexto e Aplicações. Vol. 3. São Paulo: Ática, Dewdney, A. K Léguas Matemáticas. Um passeio pelo misterioso mundo dos números. Col. Ciência e Cultura. São Paulo: Jorge Zahar, Duarte, Newton. Ensino de Matemática na Educação de Adultos. São Paulo: Cortez. Eves, Howard. Introdução à História da Matemática. Campinas: Unicamp, Facchini, Walter. Matemática para a escola de hoje. Guarulhos: FTD, Filho, Edgar de Alencar. Iniciação à lógica matemática. São Paulo: Ed. Nobel, Fonseca, Maria da Conceição. Educação Matemática de Jovens e Adultos. Especificidades, Desafios e Contribuições. Col. Tendências em Ed. Matemática. São Paulo: Autêntica Editora, Fontarnau, Abel Segura. O Ensino de Xadrez na Escola. São Paulo: Artmed,

22 Rezende, Sylvio. Xadrez na Escola. Uma abordagem didática para principiantes. São Paulo: Ciência Moderna, D Agostini, Orfeu Gilberto. Xadrez Básico. Rio de Janeiro: Ediouro, Calleros, Carlos. Xadrez. Introdução à organização e arbitragem. São Paulo: Ciência Moderna, Gersting, Judith L. Fundamentos matemáticos para a Ciência da Computação. Rio de Janeiro: LTC, Giovanni, José Ruy; Bonjorno, José R. Matemática. Uma Nova Abordagem. 1.ª Série. Guarulhos: FTD, Giovanni, José Ruy; Bonjorno, José R. Matemática. Uma Nova Abordagem. 2.ª Série. Guarulhos: FTD, Giovanni, José Ruy; Bonjorno, José R. Matemática. Uma Nova Abordagem. 3.ª Série. Guarulhos: FTD, Giovanni, José Ruy; Parente, Eduardo. Aprendendo Matemática. 5ª Série. Guarulhos: FTD, Giovanni, José Ruy; Parente, Eduardo. Aprendendo Matemática. 6ª Série. Guarulhos: FTD, Giovanni, José Ruy; Parente, Eduardo. Aprendendo Matemática. 7ª Série. Guarulhos: FTD, Giovanni, José Ruy; Parente, Eduardo. Aprendendo Matemática. 8ª Série. Guarulhos: FTD, Guelli, Oscar. Matemática em Construção. 5.ª Série. São Paulo: Ática, Guelli, Oscar. Matemática em Construção. 6.ª Série. São Paulo: Ática, Guelli, Oscar. Matemática em Construção. 7.ª Série. São Paulo: Ática, Guelli, Oscar. Matemática em Construção. 8.ª Série. São Paulo: Ática, Larson, Ron; Farber, Betsy. Estatística Aplicada. São Paulo: Pearson Addison Wesley, Lasker, Edward. História do Xadrez. São Paulo: Ibrasa, Lay, David C. Álgebra Linear e suas Aplicações. Rio de Janeiro: LTC, Lezzi, Gelson et al. Matemática. Ciência e Aplicações. 1.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson et al. Matemática. Ciência e Aplicações. 2.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson et al. Matemática. Ciência e Aplicações. 3.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson. Matemática e Realidade. 5.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson. Matemática e Realidade. 6.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson. Matemática e Realidade. 7.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson. Matemática e Realidade. 8.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 1. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 2. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 3. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 4. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 5. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 6. Guarulhos: Atual Editora,

23 Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 7. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 8. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 9. Guarulhos: Atual Editora, Lezzi, Gelson; Dolce, Osvaldo. Fundamentos de Matemática Elementar. Vol. 10. Guarulhos: Atual Editora, Lipschutz, Seymour; Lipson, Marc. Matemática Discreta. São Paulo: Ed. Bookman, Lopes, Luis. Manual de Indução Matemática. São Paulo: Interciência, Machado, Antonio dos Santos. Matemática. Temas e Metas. Vol. 1. Guarulhos: Atual Editora, Machado, Antonio dos Santos. Matemática. Temas e Metas. Vol. 2. Guarulhos: Atual Editora, Machado, Antonio dos Santos. Matemática. Temas e Metas. Vol. 3. Guarulhos: Atual Editora, Machado, Antonio dos Santos. Matemática. Temas e Metas. Vol. 4. Guarulhos: Atual Editora, Machado, Antonio dos Santos. Matemática. Temas e Metas. Vol. 5. Guarulhos: Atual Editora, Machado, Antonio dos Santos. Matemática. Temas e Metas. Vol. 6. Guarulhos: Atual Editora, Machado, Nilson José. Matemática e Educação: alegorias, tecnologias e temas afins. São Paulo: Cortez. Machado, Nilson José. Matemática e Realidade. São Paulo: Cortez. Maor, Eli. E: A História de um Número. São Paulo: Record, Miguel, Antonio; Miorim, Maria Ângela. História na educação matemática. Propostas e Desafios. Col. Tendências em Ed. Matem. São Paulo: Autêntica Editora, Morris, Richard. Uma breve história do infinito. Dos paradoxos de Zenão ao Universo Quântico. Col. Ciência e Cultura. São Paulo: Jorge Zahar, Napolitano, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, Nazareth, Helenalda. Curso Básico de Estatística. São Paulo: Ática, Paiva, Manoel. Matemática. Conceitos, Linguagem e Aplicações. 1.ª Série. São Paulo: Ed. Moderna, Paiva, Manoel. Matemática. Conceitos, Linguagem e Aplicações. 2.ª Série. São Paulo: Ed. Moderna, Paiva, Manoel. Matemática. Conceitos, Linguagem e Aplicações. 3.ª Série. São Paulo: Ed. Moderna, Pires, Célia Carolino et al. Educação Matemática. 5.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Pires, Célia Carolino et al. Educação Matemática. 6.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Pires, Célia Carolino et al. Educação Matemática. 7.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Pires, Célia Carolino et al. Educação Matemática. 8.ª Série. Guarulhos: Atual Editora, Santos, Ângela Rocha dos; Bianchini, Waldecir. Aprendendo Cálculo com MAPLE. Cálculo de uma Variável. Rio de Janeiro: LTC, Savietto, Elder et al. Desenho Geométrico para o 2.º Grau. São Paulo: Ática, Singh, Simon. O último teorema de Fermat. São Paulo: Record,

24 Sperandio, Décio et al. Cálculo Numérico. São Paulo: Ed. Pearson Addison Wesley, Spiegel, Murray R.; Liu, John. Manual de Fórmulas e Tabelas Matemáticas. São Paulo: Ed. Bookman, Stewart, Ian. Será que Deus joga dados? A nova matemática do caos. Col. Ciência e Cultura. São Paulo: Jorge Zahar, Strathern, Paul. Pitágoras e seu Teorema em 90 minutos. Col. Cientistas em 90 minutos. São Paulo: Jorge Zahar, Teixeira, James; Netto, Scipione Di Pierrô. Matemática Financeira. São Paulo: Makron Books, Thomas, George B. et al. Cálculo Vol. 1. São Paulo: Pearson Addison Wesley, Thomas, George B. et al. Cálculo Vol. 2. São Paulo: Pearson Addison Wesley, Tomei, Carlos. Euclides. A Conquista do Espaço. Col. Imortais da Ciência. São Paulo: Odysseus, Winterle, Paulo. Vetores e geometria analítica. São Paulo: Makron Books, Zill, Dennis G. Equações diferenciais com aplicações em modelagem. São Paulo: Thomson Pioneira, HISTÓRIA Alves de Abreu, Alzira. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro. São Paulo: FCV. Anderson, Perry. Linhagens do Estado Absolutista. São Paulo: Brasiliense. Áries, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Guanabara. Burke, Peter. A fabricação do Rei. A construção da imagem pública de Luis XIV. São Paulo: Zahar. Castro Gomes, Ângela; Pandolfi, Dulce; Alberti, Verena. A República do Brasil. São Paulo: Nova Fronteira. Darnton, Robert. O grande massacre dos gatos e outros episódios da História Cultural Francesa. São Paulo: Graal. Davis, Natalie Zemon. Culturas do Povo. Sociedade e Cultura no Início da França Moderna. São Paulo: Paz e Terra. Del Priore, Mary; Venâncio, Renato. Ancestrais: Uma introdução à história da África Atlântica. São Paulo: Elsevier. Dobb, Maurice. A Evolução do Capitalismo. Col. Os Economistas. São Paulo: Nova Cultural. Doyle, William. O antigo regime. São Paulo: Ática. Dubois, Claude-Gilbert. O imaginário da Renascença. Brasília: UNB. Elias, Norbert. Processo Civilizador. Uma História dos Costumes. São Paulo: Zahar. Elias, Norbert. Processo Civilizador. Vol. II: Formação do Estado e Civilização. São Paulo; Zahar. Falcon, Francisco. Despotismo Esclarecido. São Paulo: Ática. Falcon, Francisco. Iluminismo. São Paulo: Ática. Falcon, Francisco. Mercantilismo e Transição. São Paulo: Brasiliense. Fausto, Boris. História Geral da civilização brasileira. O Brasil Republicano. 4 vols. São Paulo; Difel. Fausto, Boris. A Revolução de 30. São Paulo: Brasiliense. Fausto, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp. Ferreira, Jorge; Neves Delgado, Lucilia. O Brasil Republicano. O tempo da Ditadura, São Paulo: Civilização Brasileira. Florenzano, Modesto. As Revoluções Burguesas. São Paulo: Brasiliense. Gaspari, Hélio. A Ditadura Envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras. Gaspari, Hèlio. A Ditadura Escancarada. São Paulo: Companhia das Letras. 24

25 Ginzburg, Carlo. O Queijo e os Vermes. São Paulo: Companhia das Letras. Ginzburg, Carlo. Os andarilhos do bem. São Paulo: Companhia das Letras. Hauser, Arnold. História Social da Literatura e da Arte. São Paulo: Mestre Jou. Lãs Casas, Bartolome. O paraíso destruído: brevíssima relação da destruição das Índias. São Paulo: LPM. Lopez, Luiz Roberto. História do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Mercado Aberto. Lyra, Heitor. História de Dom Pedro II. 3 vols. São Paulo: Itatiaia. Perrot. Os excluídos da História. São Paulo; Paz e Terra. Pomer, Leon. O surgimento das nações. São Paulo; Atual. Reis, João Jose. Rebelião Escrava no Brasil. A História do Levante dos Males. São Paulo: Cia das Letras. Salinas, Samuel Sergio. Do Feudalismo ao Capitalismo: Transições. São Paulo: Atual. Scaletski, Eduardo Carnos. O Patrão e o Petroleiro. Um Passeio pela História na Petrobrás. Rio de Janeiro: FAPERJ, Relume Dumará. Schama, Simon. O Desconforto da Riqueza. A Cultura Holandesa na Época do Ouro. Uma Interpretação. São Paulo: Companhia das Letras. Sevcenko, Nicolau. O Renascimento. São Paulo: Atual. Shuarcz, Lilia; Costa, Ângela No Tempo das Certezas. São Paulo: Companhia das Letras. Silva, Helio. O Ciclo de Vargas. 10 vols. São Paulo: Civilização Brasileira. Silva, Helio. Vargas. São Paulo: LP&M. Skidmore, Thomas. Brasil: de Getúlio a Castelo. São Paulo: Paz e Terra. Sodré, Nelson Werneck. Formação Histórica do Brasil. São Paulo: Difel. Sweezy, Paul. Do Feudalismo ao Capitalismo. São Paulo: Martins Fontes. Thompson E. P. Senhores e Caçadores. São Paulo: Paz e Terra. Woortmann, Klass. Religião e Ciência no Renascimento. Brasília: UNB. GEOGRAFIA CARLOS, Ana Fani Alessandri. O lugar no/do mundo. São Paulo: Hucitec, CARVALHO, Anna Maria P. Formação continuada de professores. Uma releitura das áreas de conteúdo. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, CASTRO, Iná Elias et al. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand, CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos et. Alii (org.). Ensino de Geografia, prática e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Editora Mediação, CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia e práticas de ensino. Goiânia: Editora Alternativa, CORRÊA, Roberto Lobato. Trajetórias geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand, COUTO, Marcos. O conteúdo do conceito científico e suas implicações psicológico-didáticas. São Paulo, DUARTE, Paulo Araújo. Escala: fundamentos. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, DUARTE, Paulo Araújo. Fundamentos de cartografia. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, IANNI, Octávio. Teorias da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, OLIVEIRA, Céurio de. Curso de cartografia moderna. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ática, RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez,

CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM INFORMÁTICA FORMA INTEGRADA

CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM INFORMÁTICA FORMA INTEGRADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS UNIDADE DE ENSINO DE CHARQUEADAS CHARQUEADAS RS CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Curso de graduação em Pedagogia - Licenciatura Disciplina: Conteúdo e Metodologia em Matemática Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: Semestre: 2013.2

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INGLÊS BÁSICO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INGLÊS BÁSICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INGLÊS BÁSICO Câmpus Santa Rosa/RS 2013 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS PROJETO NIVELAMENTO Assis-SP 2014 1 INTRODUÇÃO Unidade na

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

A formação do licenciado em matemática

A formação do licenciado em matemática A formação do licenciado em matemática VIANA,P.A. Sobral Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú 6 de agosto de 2011 paty.alvi@hotmail.com pré-prints da Sobral Matemática no.2011-02 Editor Tarcisio

Leia mais

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Hélio Rosetti Júnior Instituto Federal do Espírito Santo e Faculdade de Tecnologia FAESA Brasil heliorosetti@cetfaesa.com.br Juliano Schimiguel

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II SUMARÉ 2016

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II SUMARÉ 2016 1 FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II SUMARÉ 2016 2 PRINCIPAIS DIRIGENTES Diretora Interina Prof.ª Doutoranda Tânia Cristina Bassani Cecilio Doutorado: Doutoranda em Ciências

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ 1 semestre de 2015 DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Reitoria Entidade Mantenedora Profª Tânia Cristina Bassani Cecilio Mestrado: Educação

Leia mais

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Matemática Professor:Ms. Darci Martinello darcimartinellocdr@yahoo.com.br Período/ Fase: 8 0 Semestre:

Leia mais

PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC

PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia INGLÊS BÁSICO Ceilândia, Outubro de 2014. Reitoria Wilson Conciani Reitor Adilson Cesar de Araújo Pró - Reitoria

Leia mais

PROJETO DO CURSO TÉCNICO EM MANUTENÇÃO E SUPORTE EM INFORMÁTICA forma subsequente

PROJETO DO CURSO TÉCNICO EM MANUTENÇÃO E SUPORTE EM INFORMÁTICA forma subsequente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO- GRANDENSE CAMPUS CAMAQUÃ PROJETO DO CURSO TÉCNICO EM MANUTENÇÃO E SUPORTE

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnólogo em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET forma subsequente

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET forma subsequente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE CAMPUS BAGÉ CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET forma

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC MONSENHOR ANTÔNIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA EE: Controle e Processos Industriais Eixo Tecnológico: INDÚSTRIA

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 AJUDANDO O ADOLESCENTE APRENDIZ A SE COMUNICAR MELHOR

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 AJUDANDO O ADOLESCENTE APRENDIZ A SE COMUNICAR MELHOR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AJUDANDO

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: Técnico em Informática na Formação de Instrutores Carga Horária: 1000 horas Estágio Curricular:

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ 2 semestre de 2015 DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Reitoria Entidade Mantenedora Profª Tânia Cristina Bassani Cecilio Mestrado: Educação

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

9ºANO E AGORA? SPO. Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama

9ºANO E AGORA? SPO. Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama 9ºANO E AGORA? SPO Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama Cursos Vocacionais CET TESP Escolha consciente Orientação Escolar Interesses Aptidões Percurso Escolar Papel dos Pais no processo de DECISÃO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO DA GRADUAÇÂO Bacharelado 2009 OPÇÃO

PROGRAMA DE ENSINO DA GRADUAÇÂO Bacharelado 2009 OPÇÃO UNIDADE UNIVERSITÁRIA Faculdade de Ciências e Tecnologia/UNESP CURSO DE Geografia HABILITAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DA GRADUAÇÂO Bacharelado 2009 OPÇÃO DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL Departamento de Geografia -

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ANEXO EDITORA CODIGO LIVRO TITULO ARGVMENTVM EDITORA LTDA 26093L0000 GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANEXO EDITORA CODIGO LIVRO TITULO ARGVMENTVM EDITORA LTDA 26093L0000 GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I ANEXO EDITORA CODIGO LIVRO TITULO ARGVMENTVM EDITORA 26093L0000 GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I ARTMED EDITORA 25664L0000 CADERNOS DO MATHEMA - ENSINO FUNDAMENTAL - JOGOS DE MATEMATICA DE 1 A 5 ANO ARTMED

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física

EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( X ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º ano EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º ano EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Cozinha FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

OBJETIVO: 1 - GERAL 2 - ESPECÍFICOS

OBJETIVO: 1 - GERAL 2 - ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS PRÓ-REITORIA DE ENSINO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA INTERNET Curso de Especialização Lato Sensu

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013

Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013 Etec Professor Horácio Augusto da Silveira Requisitos de Titulação para Inscrição no Processo Seletivo de Docentes Aviso 064.03.2013 Processo /2013 Para a Inscrição no Processo Seletivo, é necessário uma

Leia mais

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL

CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL CORPO DOCENTE DO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL Alcyr de Morisson Faria Neto (Especialista) Regime de Trabalho: Horista Área de conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Qualificação profissional: Arquitetura

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 EMENTA DA DISCIPLINA O Estudo das funções e suas aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Teorias e Práticas Alfabetizadoras II - JP0027 PROFESSORA: Ms. Patrícia Moura Pinho I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: INFORMÁTICA FORMA/GRAU:( X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS N.º e Título do Projeto TERMO DE REFERÊNCIA (TOR) BRA/06/005

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG

Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG Instituição líder e Coordenação geral - Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Curso de Especialização em Gestão e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Móveis Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física

EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Móveis Modalidade Integrado DISCIPLINA: Educação Física MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Controle e Processos Industriais CURSO: Técnico em Química Integrado ao Ensino Médio FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Móveis FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 426/2008

RESOLUÇÃO Nº 426/2008 RESOLUÇÃO Nº 426/2008 Regulamenta a Educação Básica na Escola do Campo, no âmbito do Estado do Ceará. O Conselho Estadual de Educação - CEE, no uso de suas atribuições contidas na Lei Estadual nº 11.014,de

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências torna público as Normas Complementares do Processo Seletivo Ano Letivo 2015, aos candidatos a discente do Programa de Pós-Graduação em Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo Uberaba 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE APRESENTAÇÃO DO CURSO O curso de licenciatura em Educação Física da FAPEPE tem como objetivo formar profissionais que estejam aptos a atuarem no contexto escolar,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ 2 semestre de 2013 DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Reitoria Entidade Mantenedora Profª Tânia Cristina Bassani Cecilio Mestrado: Educação

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( X ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais