OS AINES (ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS) SÃO FÁRMACOS DE PRIMEIRA ELEIÇÃO NO TRATAMENTO DE INFLAMAÇÕES CRÔNICAS OU AGUDAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS AINES (ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS) SÃO FÁRMACOS DE PRIMEIRA ELEIÇÃO NO TRATAMENTO DE INFLAMAÇÕES CRÔNICAS OU AGUDAS"

Transcrição

1 Firocoxibe - Últimos avanços no tratamento de neoplasias em cães e gatos Marta León Artozqui Doutora em Medicina Veterinária Gerente Técnica - Animais de Companhia Merial Espanha OS AINES (ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS) SÃO FÁRMACOS DE PRIMEIRA ELEIÇÃO NO TRATAMENTO DE INFLAMAÇÕES CRÔNICAS OU AGUDAS. RECENTEMENTE, NOVAS PESQUISAS EM MEDICINA HUMANA E DEPOIS EM MEDICINA VETERINÁRIA TÊM REVELADO DADOS INTRIGANTES SOBRE OS EFEITOS DOS AINES NO TRATAMENTO DE DIFERENTES TIPOS DE CÂNCER. ESTE ARTIGO CONCENTRA-SE PRINCIPALMENTE EM DESCREVER OS AVANÇOS DO USO DO FIROCOXIBE (PREVICOX - MERIAL) NO CAMPO DA ONCOLOGIA VETERINÁRIA. Primeiramente, será abordado um breve resumo sobre o mecanismo de ação do firocoxibe, assim como, uma revisão do efeito dos AINEs sobre as neoplasias. MECANISMO DE AÇÃO DO FIROCOXIBE O caráter antiinflamatório, analgésico e antipirético dos AINEs se baseia no efeito inibidor da atividade da enzima cicloxigenase 2 (COX-2), principal enzima envolvida na síntese das PGs (prostaglandinas), moléculas importantes no processo inflamatório. No entanto, todos os AINEs, em maior ou menor intensidade, bloqueiam também a ação de outra enzima, a cicloxigenase 1 (COX-1), causando inibição da síntese de moléculas que desempenham funções importantes para o organismo, tais como, proteção da mucosa gástrica, controle da função renal e regulação da agregação plaquetária. Dessa maneira, esse fato é responsável pelo aparecimento de efeitos colaterais, principalmente no trato gastrintestinal. Por todas essas razões, novas pesquisas se concentram em descobrir moléculas cada vez mais seletivas sobre a COX-2 a fim de reduzir o risco do aparecimento de efeitos colaterais, e ao mesmo tempo, garantir a máxima eficácia. Por último, na década de 90, na Medicina Humana e depois na Medicina Veterinária, se descobriu uma nova família de AINEs, os COXIBES, como o Previcox (Merial). Este inovador antiinflamatório apresenta a particularidade de ser altamente seletivo sobre a enzima COX-2, preservando a atividade da COX-1, assim, permitindo a síntese das moléculas protetoras tão importantes para a homeostase orgânica. RELAÇÃO AINES E ONCOLOGIA A relação entre os AINEs e a oncologia se evidencia na Medicina Humana a partir de estudos epidemiológicos em tumores gastrintestinais. Vários estudos estabeleceram uma correlação entre a administração de AINEs e uma menor incidência de câncer de cólon. Na verdade, o colecoxibe, um COXIBE utilizado em Medicina Humana, está atualmente registrado nos Estados Unidos para tratamento de pólipos coloretais em pacientes com polipose adenomatosa familiar. O mecanismo exato pelo o qual alguns AINEs possuem atividade antitumoral ainda não está bem esclarecido. No entanto, o fundamento mais coerente do efeito que este grupo de fármacos pode exercer sobre os tumores se baseia na demonstração de que a COX-2, e as PGs resultantes, têm maior expressão em certos tecidos pré-malignos, contribuindo para a carcinogênese. Existem vários mecanismos sugeridos que explicam o papel da COX-2 nos processos tumorais. Aparentemente, o mais aceito é a relação entre a COX-2 e a angiogênese tumoral. No momento, estão sendo descritos outros mecanismos importantes como a inibição da apoptose celular, incremento da invasão, motilidade e metástase das células tumorais, aumento da inflamação crônica, imunossupressão e transformação dos tecidos pré-carcinogênicos em carcinogênicos. 1

2 Na Medicina Veterinária estão sendo conduzidos vários estudos nos quais se demonstrou a expressão de COX-2 e/ou PGE2 por diversos tipos de tumores (Quadro 1). Devido à diversidade histológica dos tumores mamários, há grande variação na expressão da COX-2 na dependência do tipo de tumor. Estudos realizados indicam que 24% dos adenomas e 56% dos carcinomas mamários expressam COX-2. Assim, os tumores menos diferenciados expressam COX-2 mais intensamente do que os tumores mais diferenciados como, os adenocarcinomas. Desta maneira, um estudo realizado recentemente demonstrou a alta expressão de COX-2 nos tumores mamários malignos, representados pelos carcinosarcomas, carcinomas de células escamosas e os carcinomas tubulopapilares (carcinomas de células escamosas e carcinomas de células de transição). Quadro 1: Porcentagem de tumores que expressam COX-2 (CCE: carcinoma de células escamosas, CCT: carcinoma de células de transição). Tipo de tumor Intensidade da expressão de COX-2 Expressam COX-2 CCE orais % CCE cutâneos 100% Melanomas orais 60% Carcinomas prostáticos 56-75% CCT urinários % Tumores mamários Dependente do tipo histológico Carcinomas coloretais 65% Carcinomas nasais 73-87% Carcinomas de células renais 67% Osteosarcoma 23-79% Não expressam COX-2 2

3 Linfomas 0% Sarcomas histiocíticos 0% Hemangiosarcomas 0% Mastocitomas 0% OS RESULTADOS OBTIDOS EM DIFERENTES ESTUDOS DEMONSTRAM A TOLERÂNCIA DOS ANIMAIS TRATADOS POR LONGOS PERÍODOS AO FIROCOXIBE, INCLUSIVE EM ASSOCIAÇÃO COM QUIMIOTERÁPICOS. Os poucos estudos realizados com a espécie felina demonstraram expressão da COX-2 em 37% dos carcinomas de células de transição e em 9% dos carcinomas de células escamosas orais. Os efeitos de alguns AINEs, principalmente o piroxicam, foram avalidados no tratamento de diversos tumores de cães, como tratamento isolado ou em associação com quimioterápicos como a cisplatina e a doxorrubicina. Os resultados quanto ao efeito sobre o tumor foram variados, e em alguns casos, os efeitos tóxicos gastrintestinais e renais foram significativos. AVANÇOS DO FIROCOXIBE EM ONCOLOGIA Os COXIBES desenvolvidos pata uso na Medicina Veterinária estão sendo estudados quanto ao seu efeito no tratamento das neoplasias. Em primeiro lugar, tendo em conta a alta seletividade destas moléculas sobre a COX-2, acredita-se que devam apresentar um efeito antitumoral mais potente que os AINEs tradicionais, apresentando ainda um índice de segurança, em relação ao desencadeamento de efeitos colaterais, muito maior. Atualmente, a Merial está desenvolvendo vários estudos em conjunto com veterinários especialistas em oncologia com o objetivo de avaliar o efeito do firocoxibe nos diferentes tipos de tumores dos cães. Abaixo dois desses estudos serão descritos. Note que os dados a seguir se baseiam em resultados preliminares, sendo necessária a realização de estudos complementares que permitam obter resultados mais conclusivos. 3

4 Figura 1. Cadela com carcinoma de glândula mamária. EFICÁCIA DO FIROCOXIBE EM CARCINOMAS DE CÉLULAS DE TRANSIÇÃO DE BEXIGA Este primeiro estudo foi realizado nos Estados Unidos com o objetivo de avaliar a eficácia do firocoxibe no tratamento de tumores de células de transição de bexiga. Foram avaliados os critérios: (1) evolução da enfermidade e (2) tempo médio de sobrevivência. Participaram 32 cães distribuídos em três grupos: Grupo tratado somente com o firocoxibe (5mg/Kg/VO/ 1 vez ao dia). Grupo tratado somente com cisplatina a cada 21 dias (60 mg/m2, via IV). Grupo tratado diariamente com firocoxibe e a cada 21 dias com cisplatina. OS RECENTES AVANÇOS ALCANÇADOS NO CAMPO DA ONCOLOGIA COM O FIROCOXIBE NOS ABREM PORTAS PARA UMA NOVA ERA DE INVESTIGAÇÃO DO TRATAMENTO DO CÂNCER NA MEDICINA VETERINÁRIA. A evolução da doença e o estado de saúde dos animais foram avaliados por meio de parâmetros como o nível de global de atividade, apetite e sintomas gerais. Os testes laboratoriais realizados incluíram a determinação da concentração sérica de uréia e creatinina (função renal) e hemograma. No Quadro 2 podemos observar o número de animais incluídos em cada grupo e a progressão da doença durante o estudo. 4

5 Quadro 2: Número de animais em cada grupo de tratamento e evolução da enfermidade Grupo Número inicial Número de trocas Razão para a troca de grupo Permanência no grupo original Firocoxibe 11 3 (27%) Progresso da enfermidade 8 Cisplatina 11 9 (82%) Toxicidade e progresso da enfermidade 2 Firococibe+cisplatina No caso de intolerância à cisplatina, ou ao firocoxibe, ou o agravamento da enfermidade, foram feitas várias alterações na terapia e, por isso, os animais puderam trocar de grupos. Pôde-se observar que no grupo de animais tratados unicamente com o firocoxibe, somente 3 animais de 11 apresentaram uma evolução negativa da enfermidade, sendo trocados de grupo. De forma similar, dentre os animais tratados somente com a cisplatina, 9 de 11 apresentaram piora do tumor ou efeitos colaterais. O grupo de animais tratados com a terapia mista (firocoxibe e cisplatina) apresentaram uma melhor evolução clínica, com menor progressão da enfermidade. Na Figura 2 pode-se observar o tempo de sobrevivência médio dos animais em cada um dos grupos tratados. Os resultados preliminares do estudo mostraram que os cães tratados com ambas as moléculas sobreviveram por mais tempo. Os grupos que receberam terapia única, firocoxibe ou cisplatina, apresentaram o mesmo tempo médio de sobrevivência. Do primeiro estudo se deduziu que o firocoxibe melhora a qualidade de vida dos pacientes com carcinoma de células de transição de bexiga quando administrado sozinho ou em combinação com o quimioterápico. Além disso, a combinação firocoxibe+cisplatina aumentou significativamente o tempo de sobrevivência dos animais com uma boa qualidade de vida. RESULTADOS PRELIMINARES DO USO DO FIROCOXIBE EM 60 CÃES COM DIFERENTES TIPOS DE NEOPLASIAS Parte do segundo estudo descrito a seguir foi apresentado em 2007 no Congress of European College of Veterinary Internal Medicine (ECVIM) em Budapeste. O estudo completo foi apresentado na Southern European Veterinary Conference (SEVC) em Barcelona, Trata-se de um estudo clínico descritivo e multicêntrico, cujo objetivo foi avaliar a eficácia clínica e a tolerância ao firocoxibe em um grupo de cães com neoplasias que freqüentemente expressam grande quantidade de COX-2. Foram incluídos um total de 60 cães com diferentes tipos de tumores (Quadro 3). Todos os animais foram submetidos a exames laboratoriais (determinação da concentração sérica de uréia e creatinina e hemograma), diagnósticos por imagem (Rx e ultra-som) e citologias, no inicio e durante o estudo. Todos os animais foram tratados com firocoxibe na dose de 5 m/kg a cada 24 horas; e 23 destes animais também receberam tratamento quimioterápico na dependência do tipo de tumor e com base na análise clínica do paciente. Os resultados demonstraram que todos os cães apresentaram boa tolerância à administração do firocoxibe a longo prazo. Foram observados dois episódios gastrintestinais leves associados ao tratamento com os quimioterápicos. 5

6 Os parâmetros sangüíneos avaliados durante o estudo não tiveram alterações significativas. Três animais desenvolveram insuficiência renal. Destes, dois apresentaram lesões renais não atribuídas à administração do firocoxibe e no outro cão não se descobriu a causa. Os resultados em termos de progressão da enfermidade e tempo de sobrevivência, segundo o tipo de neoplasia, são demonstrados no Quadro 3. Nos carcinomas de células de transição das vias urinárias e carcinomas de células escamosas, os resultados quanto ao tempo de sobrevivência e evolução da enfermidade são semelhantes ou ligeiramente superiores aos estudos publicados com o piroxicam quando este é administrado sozinho ou em conjunto com quimioterápicos. Destaque deve ser feito aos resultados obtidos com os melanomas orais. Diversos estudos demonstraram um período de sobrevivência médio, pós-cirurgias radicais, de 150 a 318 dias, com taxas de sobrevivência de 35% após um ano. Em cães sem tratamento, o tempo de sobrevivência médio foi de 65. Deve-se lembrar que em dois animais deste estudo tratados unicamente com firocoxibe o tempo de sobrevivência foi muito superior à média descrita. Estes estudos demonstram a excelente tolerância ao firocoxibe durante longos períodos de tratamento, inclusive quando o tratamento for combinado com quimioterapia. Deste modo, podemos comparar a eficácia do Previcox com a do piroxicam, especialmente no tratamento dos tumores de bexiga. Além disso, têm-se observado repostas positivas anedóticas em casos particulares. Em conclusão, podemos dizer que os avanços alcançados no campo da oncologia veterinária com o firocoxibe - mesmo que ainda iniciais - representam uma nova era na investigação do tratamento do câncer na Medicina Veterinária. Estudos prospectivos mais controlados, a inclusão de casos controle e a determinação da expressão da COX-2 por diferentes neoplasias e os níveis plasmáticos de PGs nestes animais acometidos, são aspectos a serem avaliados em estudos futuros. Figura 2. Tempo médio de sobrevivência dos animais com carcinoma de células de transição de bexiga de acordo com diferentes tratamentos empregados. 6

7 RESULTADOS PRELIMINARES DO USO DO FIROCOXIBE EM 60 CÃES COM DIFERENTES TIPOS DE NEOPLASIAS Parte do segundo estudo descrito a seguir foi apresentado em 2007 no Congress of European College of Veterinary Internal Medicine (ECVIM) em Budapeste. O estudo completo foi apresentado na Southern European Veterinary Conference (SEVC) em Barcelona, Trata-se de um estudo clínico descritivo e multicêntrico, cujo objetivo foi avaliar a eficácia clínica e a tolerância a o firocoxibe em um grupo de cães com neoplasias que freqüentemente expressam grande quantidade de COX-2. Foram incluídos um total de 60 cães com diferentes tipos de tumores (Quadro 3). Todos os animais foram submetidos a exames laboratoriais (determinação da concentração sérica de uréia e creatinina e hemograma), diagnósticos por imagem (Rx e ultra-som) e citologias, no inicio e durante o estudo. Todos os animais foram tratados com firocoxibe na dose de 5 m/kg a cada 24 horas; e 23 destes animais também receberam tratamento quimioterápico na dependência do tipo de tumor e com base na análise clínica do paciente. Os resultados demonstraram que todos os cães apresentaram boa tolerância à administração do firocoxibe a longo prazo. Foram observados dois episódios gastrintestinais leves associados ao tratamento com os quimioterápicos. Os parâmetros sangüíneos avaliados durante o estudo não tiveram alterações significativas. Três animais desenvolveram insuficiência renal. Destes, dois apresentaram lesões renais não atribuídas à administração do firocoxibe e no outro cão não se descobriu a causa. Os resultados em termos de progressão da enfermidade e tempo de sobrevivência, segundo o tipo de neoplasia, são demonstrados no Quadro 3. Nos carcinomas de células de transição das vias urinárias e carcinomas de células escamosas, os resultados quanto ao tempo de sobrevivência e evolução da enfermidade são semelhantes ou ligeiramente superiores aos estudos publicados com o piroxicam quando este é administrado sozinho ou em conjunto com quimioterápicos. Destaque deve ser feito aos resultados obtidos com os melanomas orais. Diversos estudos demonstraram um período de sobrevivência médio, pós-cirurgias radicais, de 150 a 318 dias, com taxas de sobrevivência de 35% após um ano. Em cães sem tratamento, o tempo de sobrevivência médio foi de 65. Deve-se lembrar que em dois animais deste estudo tratados unicamente com firocoxibe o tempo de sobrevivência foi muito superior à média descrita. Estes estudos demonstram a excelente tolerância ao firocoxibe durante longos períodos de tratamento, inclusive quando o tratamento for combinado com quimioterapia. Deste modo, podemos comparar a eficácia do Previcox com a do piroxicam, especialmente no tratamento dos tumores de bexiga. Além disso, têm-se observado repostas positivas anedóticas em casos particulares. Em conclusão, podemos dizer que os avanços alcançados no campo da oncologia veterinária com o firocoxibe - mesmo que ainda iniciais - representam uma nova era na investigação do tratamento do câncer na Medicina Veterinária. Estudos prospectivos mais controlados, a inclusão de casos controle e a determinação da expressão da COX-2 por diferentes neoplasias e os níveis plasmáticos de PGs nestes animais acometidos, são aspectos a serem avaliados em estudos futuros. 7

8 Quadro 2: Número de animais em cada grupo de tratamento e evolução da enfermidade Tipos de Neoplasias Número de cães Tratamentos instituídos Evolução da enfermidade e tempo médio de sobrevivência CCT do trato urinário e carcinoma prostático 9 6 animais: firocoxibe 3 animais: firocoxibe+quimioterapia - Doença estável ou RP em 8 animais - 7 animais: doença estável durante um período médio de 6 meses e tempo médio de sobrevivência de 12 meses - 1 animal: doença estável e RP (ainda em tratamento) - 1 animal: carcinoma prostático (doença progressiva) CCE e oral 8 6 animais: cirurgia+firocoxibe 1 animal: cirurgia+firocoxibe+quimioterapia - 3 animais: doença metastática com tempo médio de sobrevivência de 10 meses - 4 animais: ainda em tratamento 1 animal: firocoxibe - Doença estável durante um período médio de 4 meses 3 animais: cirurgia+firocoxibe+quimioterapia 2 animais: cirurgia+firocoxibe - Doença estável durante um período médio de 6 meses Melanomas orais 7 2 animais: firocoxibe - 1 animal: doença estável durante um período médio de 4 meses - 1 animal: doença muito grave apresentando tempo médio de sobrevivência de 15 meses Neoplasias mamárias animais: cirurgia+firocoxibe (10: + quimioterapia) - Tempo médio de sobrevivência variável, de acordo com o tipo de tumor (3-24 meses) 2 animais: firocoxibe Doença progressiva Osteosarcomas 6 5 animais: amputação+quimioterapia+firocoxibe Tempo médio de sobrevivência: dias 8

9 1 animal: firocoxibe Tempo médio de sobrevivência: 90 dias Adenocarcinoma intestinal 1 Cirurgia+firocoxibe Doença estável durante 8 meses REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS LLORET A.; ACEÑA M. C.; PLANELLAS M., PASTOR J.; DEL CASTILLO N.; CARTAGENA J. C. et al. Resultados preliminares con el uso de firocoxibe en 60 neoplasias caninas. Southern European Veterinary Conference (SEVC). 42 Congreso Nacional AVEPA. Barcelona, LLORET A.; ACEÑA M. C.; PLANELLAS M.; PASTOR J.; DEL CASTILLO N.; CARTAGENA J. C. Use of a veterinary Coxib, firocoxibe, in canine cancer patients: preliminary results. European College of Veterinary Internal Medicine (ECVIM). Budapest, HANSON P. D. The firocoxibe's future. European Symposium on Canine Osteoarthritis. Paris, HAYES A. Cancer, cyclo-oxygenase and nonsteroidal anti-inflammatory drugs - can we combine all three? Veterinary and Comparative Oncology, v. 5, n. 1, p, 1-13, LEE J. Y.; TANABE S.; SHIMOHIRA H.; KOBAYASHI Y.; OOMACHI T.; AZUMA S. et al. Expression of cyclooxygenase-2, P- glycoprotein and multidrug resistance-associated protein in canine transitional cell carcinoma. Research in veterinary science, 2007; 82(2): LEÓN-ARTOZQUI M., MORCATE A. Progresos en el tratamiento del dolor con Previcox (firocoxibe): historia y datos clínicos. Consulta, v. 16, n. 7, p , QUEIROGA F. L., ALVES A., PIRES I., LOPES C. Expression of COX-1 and COX-2 in Canine Mammary Tumours. Journal of comparative pathology, v.136, p , Previcox é marca registrada da Merial Saúde Animal Ltda. 9

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Metastatis (grego) Transferência, mudança de lugar Disseminação da doença Sinal de doença avançada Qual a via preferencial de metástase

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO

LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO 1 LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO IVAN BRAGA RODRIGUES DE SOUZA 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1,2, SANDRA CASTRO POPPE 1,2 1 Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo (SP), Brasil; 2 Universidade

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Avaliação clínica do firocoxib e do carprofen no tratamento de cães com osteoartrite

Avaliação clínica do firocoxib e do carprofen no tratamento de cães com osteoartrite Avaliação clínica do firocoxib e do carprofen no tratamento de cães com osteoartrite Leonardo Brandão, MV, MSc, PhD Gerente de Produto Animais de Companhia Realizou-se um estudo de campo para comparar

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 R1 CIT Vinícius Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 Prolongamento na sobrevida em pacientes com Câncer avançado não-pequenas células (CPNPC) Recentemente, 2 estudos randomizados,

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA Período de Seleção 10 de outubro a 07 de novembro de 2014 Taxa de Inscrição R$ 100,00 Taxa de Matrícula R$ 400,00 Mensalidade R$ 724,00 Forma(s)

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V.

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. 1 1 Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná. Introdução e Objetivo O

Leia mais

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI T1 ALTO GRAU DOENCA AGRESSIVA 4ª Causa de Óbito oncológico Pouca melhora

Leia mais

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1

Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 V Congresso Internacional de Uro-Oncologia Recomendações do tratamento do câncer de rim estadio T1 Afonso C Piovisan Faculdade de Medicina da USP São Paulo Ari Adamy Hospital Sugusawa e Hospital Santa

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

RLN (regional lymphnode linfonodo regional) 53-74%(tamanho não esta alterado). Pacientes com Mandubulectomia e Maxilectomia o MST é acima de um ano.

RLN (regional lymphnode linfonodo regional) 53-74%(tamanho não esta alterado). Pacientes com Mandubulectomia e Maxilectomia o MST é acima de um ano. Cirur.: Cirugia RLN:Regional Lynphonode/ Limfonodo regional Neoplasias Orais MST: Mean survive time/tempo médio de sobrevivência Leonel Rocha, DVM, MV DentalPet@gmail.com Melanoma maligno É o tumor oral

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO Luíse Meurer MANEJO DO CÂNCER GÁSTRICO: PAPEL DO PATOLOGISTA prognóstico Avaliação adequada necessidade de tratamentos adicionais MANEJO

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA TERAPÊUTICA E POSOLOGIA DO TRILOSTANO MANIPULADO EM CÃES COM HIPERADRENOCORTICISMO ESPONTÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM IMPLANTODONTIA Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco Terapêutica Medicamentosa Pré-operatório Trans-operatório Pós-operatório Ansiolíticos Antiinflamatórios tó i Antimicrobianos

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Matrilisinas e correlação com metástase em carcinoma de células escamosas de língual

Matrilisinas e correlação com metástase em carcinoma de células escamosas de língual Matrilisinas e correlação com metástase em carcinoma de células escamosas de língual Thaís Gomes Benevenuto* Rivadávio F.B. de Amorim M. Cristina Cavalari Eduardo Augusto Rosa Sérgio Bruzadelli Brasília,

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Journal Club 23/06/2010. Apresentador: João Paulo Lira Barros-E4 Orientador: Dr. Eduardo Secaf

Journal Club 23/06/2010. Apresentador: João Paulo Lira Barros-E4 Orientador: Dr. Eduardo Secaf Journal Club 23/06/2010 Apresentador: João Paulo Lira Barros-E4 Orientador: Dr. Eduardo Secaf Introdução O câncer gástrico é a mais freqüente das neoplasias malignas do aparelho digestivo e ocupa o segundo

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

Naproxeno. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações

Naproxeno. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações Material Técnico Naproxeno Identificação Fórmula Molecular: C 14 H 14 O 3 Peso molecular: 230,3 DCB / DCI: 06233 -Naproxeno CAS: 22204-53-1 INCI: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável. Sinonímia:

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

Principais Coordenações da indexação LILACS

Principais Coordenações da indexação LILACS Principais Coordenações da indexação LILACS Objetivo: Aplicar as principais regras de coordenação de descritores Conteúdo desta aula Definição e tipos de coordenação Doenças e Organismos Neoplasias e Tipos

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR DCI RALTITREXEDO Medicamento PVH PVH com IVA Titular de AIM TOMUDEX Embalagem contendo 1 frasco com pó para solução injectável

Leia mais

Conteúdo. Data: 24/04/2013 NOTA TÉCNICA 54/2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Conteúdo. Data: 24/04/2013 NOTA TÉCNICA 54/2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 54/2013 Solicitante Juíza Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Processo número: 0512.13.002867-7 Data: 24/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Interferon, Oxsoralen 10 mg,

Leia mais

Curso de Metodologia LILACS no âmbito do Projeto BVS Bioética e Diplomacia em Saúde. Indexação de documentos

Curso de Metodologia LILACS no âmbito do Projeto BVS Bioética e Diplomacia em Saúde. Indexação de documentos Curso de Metodologia LILACS no âmbito do Projeto BVS Bioética e Diplomacia em Saúde Indexação de documentos São Paulo, 3-7 de dezembro de 2012 Sueli Mitiko Yano Suga Andrea Akemi Oribe Hayashi Maria Anália

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira

Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira Qual é o papel da ressecção ou da radiocirurgia em pacientes com múltiplas metástases? Janio Nogueira METÁSTASES CEREBRAIS INTRODUÇÃO O SIMPLES DIAGNÓSTICO DE METÁSTASE CEREBRAL JÁ PREDIZ UM POBRE PROGNÓSTICO.

Leia mais

Locais de Atuação dos AINE s Cox2 Seletivo

Locais de Atuação dos AINE s Cox2 Seletivo Locais de Atuação dos AINE s Cox2 Seletivo MURO, Luis Fernando Ferreira AZEVEDO, Fernando Felipe MARQUES, Manoel Eduardo de Oliveira BORALLI, Igor Camargo BOTTURA, Carlos Renato Prado FAGUNDES, Eduardo

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

EDITAL Nº 01/COREMU/UFRA/2016 ANEXO III ROTEIRO DA PROVA PRÁTICA ESPECÍFICA POR ÁREA

EDITAL Nº 01/COREMU/UFRA/2016 ANEXO III ROTEIRO DA PROVA PRÁTICA ESPECÍFICA POR ÁREA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE EM MEDICINA VETERINÁRIA EDITAL Nº 01/COREMU/UFRA/2016

Leia mais

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Capacitação ACS /FEMAMA 2012 Eduardo Cronemberger Oncologia em 120 anos Willian Halsted Aqui está minha sequencia! Mastectomia

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais

INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA

INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INCIDÊNCIA DE METÁSTASE PULMONAR EM CADELAS DIAGNOSTICADAS COM TUMORES DE GLÂNDULA MAMÁRIA Marcela Nunes Liberati

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE Adriana Helena Sedrez Farmacêutica Bioquímica Especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR Coordenadora do setor de Hematologia Clínica, responsável pelo Atendimento ao Cliente e gerente de Recursos

Leia mais

Humberto Brito R3 CCP

Humberto Brito R3 CCP Humberto Brito R3 CCP ABSTRACT INTRODUÇÃO Nódulos tireoideanos são achados comuns e raramente são malignos(5-15%) Nódulos 1cm geralmente exigem investigação A principal ferramenta é a citologia (PAAF)

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES - RELATO DE CASO.

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES - RELATO DE CASO. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353 CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES - RELATO DE CASO. ROCHA, Jessé Ribeiro SANTOS, Luana Maria TRENTIN, Thays de Campos ROCHA, Fabio

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de um artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4.

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. BASES CELULARES DO CANCER. Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. 1 Graduanda Curso de Ciências Biológicas UEG/UNuCET 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores.

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores. Célula Normal Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G 2 /M Divisão Celular Neoplasias Fatores Reguladores Controlada Estimuladores Inibidores Homeostase Célula Neoplásica Divisão Celular Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G

Leia mais

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO COMO CONDUZIR O SEU DIAGNÓSTICO RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNIFICADO INDETERMINADO O QUE SIGNIFICA? RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNICADO INDETERMINADO POR QUE? AS ALTERAÇÕES

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

Quimioterapia Metronômica novos usos para drogas antigas.

Quimioterapia Metronômica novos usos para drogas antigas. Quimioterapia Metronômica novos usos para drogas antigas. A gama de opções de drogas quimioterápicas disponíveis para uso veterinário continua a se expandir bem como o aprendizado com a oncologia humana

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Veículo: Site Correio Braziliense Data: 11/11/2011

Veículo: Site Correio Braziliense Data: 11/11/2011 Veículo: Site Correio Braziliense Data: 11/11/2011 Seção: Saúde Pág.: http://bit.ly/ve3bse Assunto: Precauções necessárias Tumores no ovário atingem cerca de 220 mil mulheres a cada ano no mundo Com alto

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

Incorporação, na tabela Unimed-BH de materiais e medicamentos: Gemcitabina (Gemzar ) para tratamento do câncer avançado de bexiga, mama e pâncreas.

Incorporação, na tabela Unimed-BH de materiais e medicamentos: Gemcitabina (Gemzar ) para tratamento do câncer avançado de bexiga, mama e pâncreas. Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 038/05 Tema: Gemcitabina I Data: 01/11/2005 II Grupo de Estudo: Dr. Lucas Barbosa da Silva Dra. Lélia Maria de Almeida Carvalho Dra. Silvana Márcia Bruschi

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

Investigador português premiado nos EUA

Investigador português premiado nos EUA Investigador português premiado nos EUA DOENÇA DE CROHN O INVESTIGADOR Henrique Veiga-Femandes, que estuda o papel de células na defesa contra infeções intestinais, recebeu o prémio Sénior Research Award,

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Terapia hormonal de baixa dose Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Alterações endócrinas no Climatério pg/ml mui/ml mui/ml 150 FSH 80 60 100 50 0-8 -6-4 -2 0 2 4 6 8 anos Menopausa LH Estradiol 40

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

ATRED pemetrexede dissódico MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

ATRED pemetrexede dissódico MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA ATRED pemetrexede dissódico MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para solução injetável contendo 100 mg de pemetrexede (base anidra) ou 500 mg de pemetrexede

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

ATRED. Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liofilizado para solução injetável 100 mg e 500 mg

ATRED. Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liofilizado para solução injetável 100 mg e 500 mg ATRED Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liofilizado para solução injetável 100 mg e 500 mg ATRED pemetrexede dissódico APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para solução injetável contendo 100 mg de pemetrexede (base

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

ÍNDICE - 24/10/2005 Valor Econômico... 2 Brasil...2 Jornal de Santa Catarina (SC)... 4 Economia...4 Folha de Londrina (PR)... 5 Geral...

ÍNDICE - 24/10/2005 Valor Econômico... 2 Brasil...2 Jornal de Santa Catarina (SC)... 4 Economia...4 Folha de Londrina (PR)... 5 Geral... ÍNDICE - Valor Econômico...2 Brasil...2 Estudo sugere mudanças na estrutura das agências...2 Jornal de Santa Catarina (SC)...4 Economia...4 Países discutem ação mundial contra gripe das aves...4 Folha

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

ÍNDICE - 22/08/2006 Tribuna da Imprensa (RJ)...2 Ciência/ Ambiente...2 A Notícia (SC)...3 País/Mundo...3

ÍNDICE - 22/08/2006 Tribuna da Imprensa (RJ)...2 Ciência/ Ambiente...2 A Notícia (SC)...3 País/Mundo...3 ÍNDICE - Tribuna da Imprensa (RJ)...2 Ciência/ Ambiente...2 Descobertas novas drogas para inibir metástase...2 A Notícia (SC)...3 País/Mundo...3 Novos remédios para metástase...3 Jornal de Santa Catarina

Leia mais