Avaliação clínica do firocoxib e do carprofen no tratamento de cães com osteoartrite

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação clínica do firocoxib e do carprofen no tratamento de cães com osteoartrite"

Transcrição

1 Avaliação clínica do firocoxib e do carprofen no tratamento de cães com osteoartrite Leonardo Brandão, MV, MSc, PhD Gerente de Produto Animais de Companhia Realizou-se um estudo de campo para comparar a segurança e a eficácia de comprimidos mastigáveis de firocoxib e de carprofen em 218 cães com osteoartrite. A eficácia, a tolerância e a facilidade de administração do firocoxib (5 mg/kg/dia) e do carprofen (4 mg/kg/dia) foram avaliadas, com base na avaliação de claudicação pelo veterinário, dor à manipulação/palpação, amplitude de movimentos e presença de edema articular. 92,5% dos cães tratados com firocoxib e 92,4% dos cães tratados com carprofen melhoraram. A redução na claudicação nos cães tratados com firocoxib foi significativamente maior que nos cães tratados com carprofen. As avaliações dos proprietários foram de que 96,2% dos cães tratados com firocoxib e 92,4% dos cães tratados com carprofen tinham melhorado, e essa diferença foi estatisticamente significante. A osteoartrite em cães constitui um distúrbio articular comum que causa sinais de dor e claudicação e se desenvolve freqüentemente em animais com displasia coxofemural, displasia cotovelar, osteocondrose ou traumatismo; a doença é lentamente progressiva e caracterizada por processos degenerativos. Antiinflamatórios não-esteróides (AINEs) são utilizados comumente para controlar a dor e a inflamação associadas com a osteoartrite. A dor e a inflamação são mediadas com freqüência, direta ou indiretamente, por meio da ação de icosanóides, incluindo prostaglandinas e tromboxano. As propriedades antiinflamatórias, bem como os efeitos adversos dos AINEs estão relacionadas com a inibição da síntese de prostaglandinas. Essa inibição é catalisada por pelo menos duas isoformas de prostaglandino-endoperoxidase-h-sintetase (ciclooxigenase): a ciclooxigenase-1 (COX-1) e a ciclooxigenase-2 (COX-2). A COX-1 é expressa constitutivamente, e é enzimaticamente ativa em vários órgãos, incluindo estômago, intestino, rins e plaquetas. Embora ambas as isoformas possuam atividade constitutiva e indutível, a COX-1 é a isoforma responsável predominantemente pelas funções fisiológicas dos icosanóides, incluindo proteção de mucosa gástrica, fluxo sangüíneo renal e hemostasia vascular. Foi determinada a função fisiológica da COX-2 em relação à função renal, cicatrização de úlceras no trato gastrointestinal, reparo de ossos e reprodução das fêmeas. A expressão do mrna da COX-2 foi demonstrada no estômago, intestino, baço, córtex cerebral, pulmões, ovários, rins e fígado de cães; no entanto, a expressão da enzima COX-2 não foi identificada, sustentando seu papel primário como enzima de indução próinflamatória. A expressão de COX-2 é induzida primariamente por mediadores, tais como, fatores de crescimento séricos, citocinas e mitógenos, resultando na síntese de icosanóides associada com inflamação. Os AINEs clássicos não são seletivos quanto às isoformas de COX e, conseqüentemente, possuem índice terapêutico estreito, com irritação gástrica, danos hepáticos e renais e prolongamento de tempo de sangramento com os efeitos colaterais primários; AINEs mais recentes com alguma seletividade quanto a COX-2 melhoraram o índice terapêutico, mas freqüentemente ainda inibem a COX-1 em níveis terapêuticos, levando potencialmente aos efeitos adversos típicos associados com a remoção da função gastroprotetora e das outras funções da COX-1. Medicamentos com alta seletividade para a COX-2 possuem o potencial de manter a atividade de COX-1 em níveis terapêuticos. O uso de inibidores seletivos de COX-2 em seres humanos resultou significativamente em menos efeitos colaterais gastrointestinais graves quando comparado com o uso de AINEs não-seletivos, tais como naproxen, ibuprofen ou aspirina. O firocoxib foi desenvolvido especificamente para uso veterinário, e possui uma seletividade de 350 a 430 vezes maior para a COX-2 em ensaios in vitro com sangue total canino (considerado o melhor teste para se avaliar a seletividade de AINEs para a COX). O propósito deste estudo foi comparar a eficácia e a segurança do firocoxib e do carprofen para o tratamento de cães com osteoartrite. O estudo foi desenhado como um estudo de campo prospectivo, randomizado, controlado, duplo-cego e multicêntrico. 1

2 MATERIAIS E MÉTODOS Para que os cães fossem inseridos no estudo tinham de apresentar claudicação por pelo menos quatro semanas e cumprir critérios de entrada específicos. Foram exigidas evidências radiográficas de osteoartrite em uma ou mais articulações, e a osteoartrite tinha de ser a causa da claudicação, conforme determinado com base em um exame clínico completo com atenção especial para o sistema locomotor. Foram excluídos os animais com doença sistêmica confirmada, artrite infecciosa, fêmeas prenhes ou animais que tivessem recebido qualquer tratamento com outros AINEs há até 7 dias. Cães com cirurgia eletiva planejada durante o período do estudo ou que sofreram cirurgia há pelo menos 4 dias também não foram incluídos. Os cães foram recrutados em 12 clínicas na França, Alemanha e Suíça. Exigiu-se que seus proprietários assinassem um consentimento antes que os tratamentos fossem iniciados. DESENHO DO ESTUDO O protocolo experimental foi aprovado pelo Institutional Animal Care and Use Committee (Comitê Institucional de Cuidados e Uso de Animais) (IACUC). O estudo utilizou um desenho de estudo aleatório, multicêntrico, duplo-cego e com controle positivo. O patrocinador providenciou uma sequência de alocação exclusiva para cada clínica, em que foram inscritos entre três e 50 cães. Em cada clínica foram formadas réplicas de dois cães à medida que estes eram inscritos e, dentro dessas réplicas, cada cão foi alocado aleatoriamente para receber carprofen (grupo 1) ou firocoxib (grupo 2), conforme determinado pela sequência de alocação gerada usando-se uma lista de computador aleatória. Os cães no grupo 1 receberam carprofen, administrado oralmente em uma taxa de pelo menos 4 mg/kg em intervalos de aproximadamente 24 horas, do dia 0 até aproximadamente o dia 30; os cães no grupo 2 receberam firocoxib, administrado oralmente em uma taxa de pelo menos 5 mg/kg em intervalos de aproximadamente 24 horas, do dia 0 até aproximadamente o dia 30. A dosagem para cada animal foi calculada com base em seu peso em seu exame físico inicial (dia 0). Os comprimidos foram fornecidos pelo pessoal designado em cada clínica em frascos plásticos brancos simples, e os proprietários foram instruídos para não discutir a dosagem com o veterinário atendente, para garantir que nem os veterinários e nem os proprietários estivessem cientes do tratamento ao qual o cão tinha sido designado. Foram realizados exames físicos e avaliações de claudicação (incluindo dor à manipulação e palpação articular, amplitude de movimentos e edema articular) na visita inicial e aproximadamente nos dias 14 e 30. A graduação foi baseada em uma escala de 0 (normal) a 3 (grave) para cada variável (Tabela 1). As avaliações em relação à presença de dor à palpação, amplitude de movimentos e edema articular foram realizadas no membro com a articulação mais afetada. Cada proprietário graduou o grau de melhora em comparação com a visita inicial aproximadamente nos dias 7, 14, 21 e 30 (Tabela 2) e manteve um diário de observação em que se registrou qualquer alteração de comportamento, apetite, sede ou estado geral do cão e qualquer outra medicação que ele tenha recebido. No final de cada estudo, o proprietário determinou a conveniência de administração dos comprimidos e se os animais os consideraram aparentemente palatáveis. CÃES Foram estudados duzentos e dezoito cães de várias raças com evidências clínicas e radiográficas de osteoartrite. Eles variaram em peso de 3,4 a 86 kg na visita inicial, com média de 30,9 kg, e variaram em idade de sete meses a 19 anos, com média de 8,6 anos; 101 dos cães eram fêmeas (57 destas castradas) e 117 eram machos (26 destes castrados). Eles permaneceram com seus proprietários por todo o estudo em seu ambiente usual. Alguns cães viviam em ambiente fechado, outros em ambiente aberto e alguns tiveram acesso a ambos os ambientes; seus níveis de exercício variaram de nenhum a frequente. 2

3 Tabela 1: sistema de graduação utilizado para avaliação da intensidade dos sintomas em cães com osteoartrite Sintoma Grau Definição 0 Sem claudicação 1 Claudicação leve (anormalidade da marcha) Claudicação 2 Claudicação moderada (anormalidade da marcha óbvia e/ou nãosustentação ocasional) 3 Claudicação grave (não-sustentação consistente) 0 Sem dor ou não aplicável Dor à manipulação/ palpação (membro mais acometido) Ligeiramente dolorido (quase não retira o membro) Moderadamente dolorido (retira definitivamente o membro) Gravemente dolorido (retira notoriamente o membro) 0 Sem edema ou não aplicável Edema articular (membro mais acometido) 1 Edema leve 2 Edema moderado 3 Edema grave 0 Normal Amplitude de movimentos (articulação mais acometida) 1 Levemente reduzida 2 Moderadamente reduzida 3 Gravemente reduzida 3

4 Tabela 2: sistema de graduação utilizado para avaliação da melhora da claudicação dos cães (avaliação do proprietário) Avaliação Grau Melhora enorme 0 Melhora moderada 1 Melhora leve 2 Sem melhora 3 ANÁLISE ESTATÍSTICA A variável de eficácia primária foi determinada pela avaliação da melhora do estado geral do cão no final do estudo (dia 30), e uma variável de eficácia secundária foi a avaliação de melhora no dia 14. Com base na avaliação realizada pelo investigador, calculou-se um índice geral para cada animal em cada exame. Isso foi definido como (2 x claudicação) + (dor à manipulação/palpação) + (amplitude de movimentos) + (edema articular); aplicou-se o fator 2 para claudicação por se considerar este o sintoma mais importante. 4

5 Tabela 3: Características dos cães com osteoartrite tratados com carprofen ou firocoxib Característica Carprofen Firocoxib Número de cães avaliados Peso corporal (kg) Média 31,1 30,6 Variação 3,4-68,0 5,3-86,0 Idade (anos) Média 8,5 8,7 Variação 1,0-15,0 0,6-19,0 Sexo Fêmea inteira Fêmea castrada Macho inteiro Macho castrado Exercício Freqüente Moderado Nenhum 14 9 Porte do cão Pequeno (até 10 kg) 7 7 Médio (> 10 a 20 kg) Grande (> 20 a 40 kg) Extragrande (> 40 kg) Membro mais gravemente afetado Membro dianteiro esquerdo Membro dianteiro direito Membro dianteiro direito e membro traseiro esquerdo 0 1 5

6 Membros traseiros esquerdo e direito 0 1 Membro traseiro esquerdo Membro traseiro direito Subtipo de osteoartrite Artropatia degenerativa primária Displasia do cotovelo Displasia coxofemoral Outro* * Combinações de subtipos FIG 1: Avaliação do grau de melhora dos cães tratados com firocoxib ou carproflan no momento final (dia 30). Avaliação do veterinário. O nível de melhora geral foi maior no grupo de cães tratados com firocoxib (p=0,0183). Se o grau geral de avaliação decresceu em relação ao valor basal o animal foi considerado "melhor"; se o valor permaneceu o mesmo ou aumentou, ele foi considerado "pior". Comparou-se o grau de melhora decorrente dos 2 medicamentos, utilizando-se um intervalo de confiança de 95% unilateral para comparação da melhora obtida por cada AINEs. Outras variáveis de eficácia avaliadas incluíram a intensidade da claudicação, presença de dor à manipulação e palpação articular, a amplitude de movimentos e presença ou não de edema articular do(s) membro(s)/articulação(ões) mais afetado(s) e a avaliação de melhora pelo proprietário. Qualquer cão que tenha saído do estudo antes do término de seu tratamento foi considerado como "falha de tratamento" e recebeu os valores de graduação mais baixos. Os cães que foram retirados do estudo por outras razões ou razões desconhecidas tiveram seu último valor considerado ou, se não houve observações pós-tratamento disponíveis, foram considerados valores perdidos. Cães cujos proprietários falharam em seguir corretamente o protocolo foram tratados como se tivessem sido retirados por outras razões ou razões desconhecidas, desde a primeira falha até o final do estudo. 6

7 FIG 2: Porcentagens dos cães tratados com carprofen ou firocoxib por 30 dias que foram avaliados por seus proprietários como tendo melhorado em diferentes graus. O nível de melhora global foi maior para os cães tratados com firocoxib (p=0,0439) Todos os testes estatísticos foram bicaudais, tendo sido considerado nível de significância de 0,05. As clínicas que inscreveram nove ou menos cães foram combinadas em um grupo único. RESULTADOS Os dois grupos de cães foram bastante homogêneos em relação a suas características gerais e da natureza de sua doença (Tabela 3); 85 dos cães apresentaram histórico anterior de tratamento antiinflamatório e/ou antiartrítico, que foi descontinuado em adesão aos critérios de inclusão do estudo, com a maior parte dos tratamentos tendo sido graduada como efetiva contra o tratamento para a qual foi prescrita. A maioria dos cães melhorou com tratamento em comparação com seus valores basais. Depois de 30 dias, 92,5% dos cães tratados com firocoxib e 92,4% dos cães tratados com carprofen apresentaram melhora em termos gerais e, depois de 14 dias, 93,4% dos cães tratados com firocoxib e 92,4% dos cães tratados com carprofen tinham melhorado, mostrando que a incidência de melhora foi semelhante com as duas drogas. Os valores basais médios de claudicação não foram significativamente diferentes entre os dois grupos (2,05 com firocoxib e 1,97 com carprofen); mantendo-se a comparação de não-inferioridade, a porcentagem dos cães que melhoraram em pelo menos um grau após 30 dias foi semelhante (84,9% com firocoxib e 83,8% com carprofen). Contrariamente, a porcentagem de cães que melhorou em dois ou mais graus foi significativamente maior que os cães tratados com firocoxib (p = 0,0183), 55,7% com firocoxib, 30,5% com carprofen (Fig. 1). As melhoras após 14 dias não foram significativamente diferentes; 78,3% dos cães tratados com firocoxib e 75,2% dos cães tratados com carprofen melhoraram pelo menos um grau e 36,8 e 24,8 por cento, respectivamente, melhoraram em dois ou mais graus. As avaliações dos proprietários quanto à melhora de seus cães mostraram que a melhora foi significativamente maior nos cães tratados com firocoxib após 30 dias (p = 0,0439), com 60,4% dos cães tratados com firocoxib tendo sido considerados como tendo melhorado enormemente em comparação com 50,5% dos cães tratados com carprofen (Fig. 2). 7

8 Vinte e dois (20,0%) dos cães tratados com firocoxib e 34 (31,5%) dos cães tratados com carprofen apresentaram pelo menos algum sintoma adverso registrado pelo proprietário durante o estudo. No caso dos cães tratados com firocoxib, esses incluíram anorexia, constipação, diarréia, êmese e polidipsia e, no caso dos cães tratados com carprofen, estes incluíram adipsia, anorexia, ansiedade, diarréia, êmese, letargia, dor e polidipsia. A êmese em dois dos cães tratados com firocoxib foi considerada pelo veterinário como sendo relacionada com o tratamento, e a adipsia, anorexia, diarréia, êmese e polidipsia em oito dos cães tratados com carprofen foram julgadas como sendo relacionadas ao tratamento. Não houve diferenças estatisticamente significativas entre os dois tratamentos, seja considerando a incidência de pelo menos uma anormalidade ou a incidência de anormalidades específicas. A palatabilidade e a conveniência da administração dos dois medicamentos foram avaliadas pelos proprietários dos cães de modo similar; a palatabilidade foi graduada como "sim" em aproximadamente 61,0% dos cães, e a administração foi graduada como conveniente em mais de 90,0% deles. DISCUSSÃO O fundamento principal para o desenvolvimento de AINEs seletivos para COX-2 é melhorar o equilíbrio global entre eficácia e segurança, de forma que a dose ideal seja clinicamente efetiva, mas produza a inibição mínima de COX-1, conseqüentemente reduzindo os efeitos adversos associados, particularmente os que envolvem o trato gastrointestinal. O firocoxib é o primeiro AINEs para uso veterinário que cumpre os critérios para ser um inibidor seletivo de COX-2. Outros AINEs disponíveis para cães cumprem os critérios para inibição preferencial ou não-seletiva, dependendo do composto, e o objetivo deste estudo foi comparar o firocoxib com o inibidor não-seletivo carprofen. Foram inscritos números suficientes de cães claudicantes para determinar se podiam ser detectadas diferenças entre os dois medicamentos em um estudo que durou 30 dias. Os cães inscritos variaram em peso corporal de 3,4 a 86 kg, mas cães que pesaram entre 20 e 40 kg foram mais comuns. Como seria esperado de cães de porte grande com osteoartrite, displasia coxofemural foi o problema clínico mais comum. Cães idosos, com média de idade de aproximadamente oito anos e meio, também constituíram a maioria dos casos, mas foram incluídos cães com idade entre sete meses e 19 anos. Houve respostas favoráveis aos tratamentos com firocoxib e carprofen com base nas avaliações clínicas pelos veterinários e nas avaliações gerais pelos proprietários dos cães; em termos dos valores de claudicação clínica e das avaliações de proprietários, houve uma melhora significativamente maior com o firocoxib. Em estudos de campo de grande escala, os cães são avaliados freqüentemente por meio de sistemas de graduação subjetivos e, estudos mais objetivos com, por exemplo, medições modelares demonstraram boa correlação com valores de claudicação subjetivos. Dependendo do tipo e da duração da claudicação, as avaliações objetivas e subjetivas variam em sua sensibilidade, mas os resultados das avaliações objetivas e subjetivas são geralmente compatíveis. Os efeitos colaterais mais freqüentemente relatados dos AINEs em cães incluem danos na mucosa do estômago e do duodeno e, menos freqüentemente, no fígado e nos rins. Nesse estudo, os cães tratados com firocoxib apresentaram globalmente 36% menos problemas de saúde registrados pelos proprietários e 76% menos que foram considerados como relacionados com o tratamento que os cães tratados com carprofen. Como no caso dos AINEs em geral, problemas gastrointestinais foram os mais comuns. Pesquisadores demonstraram que interações entre AINEs e outras classes de medicamentos podem ter conseqüências graves. A administração de firocoxib e outras medicações pertencentes a várias classes durante o estudo não resultou em nenhuma interação adversa aparente; no entanto, o estudo não foi desenhado para se parecer com uma combinação específica de drogas. Quando se usam AINEs, incluindo o firocoxib, deve-se ter cuidado quando combinar drogas que sejam altamente ligadas a proteínas, porque a disponibilidade de um ou mais dos componentes ativos pode mudar. Os resultados desse estudo sustentam as evidências para os benefícios da seletividade quanto a COX-2. Em termos de todas as variáveis avaliadas pelos veterinários e pelos proprietários dos cães, a eficácia do inibidor seletivo de COX-2 firocoxib equivaleu ou excedeu a do inibidor não-seletivo carprofen. O firocoxib, formulado como comprimido mastigável, foi altamente efetivo, seguro e aceitável para o controle da dor e da inflamação associadas com osteoartrite em cães domésticos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Baseado no artigo original de POLLMEIER, M.; TOULEMONIDE, C.; FLEISHMAN, C.; HANSON, P.D. Clinical evaluation of firocoxib and carprofen for the treatment of dogs with osteoarthritis. Veterinary Record, v.159, p ,

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS)

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) ANEXO III 58 ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) Adições aparecem em itálico e sublinhado; rasuras

Leia mais

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco

Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco TERAPÊUTICA MEDICAMENTOSA EM IMPLANTODONTIA Prof. Dr. Gilson Cesar Nobre Franco Terapêutica Medicamentosa Pré-operatório Trans-operatório Pós-operatório Ansiolíticos Antiinflamatórios tó i Antimicrobianos

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Relatório do estudo - Notificação

Relatório do estudo - Notificação Relatório do estudo - Notificação Título do estudo: Data de início: 25/6/2007 Responsável pelo relatório: Data de Conclusão: CPF: Prioridade: Nenhuma Status: Recrutando Protocolo: Processo (ID): Patrocinador

Leia mais

Displasia coxofemoral (DCF): o que é, quais os sinais clínicos e como tratar

Displasia coxofemoral (DCF): o que é, quais os sinais clínicos e como tratar Displasia coxofemoral (DCF): o que é, quais os sinais clínicos e como tratar A displasia coxofemoral (DCF) canina é uma doença ortopédica caracterizada pelo desenvolvimento inadequado da articulação coxofemoral.

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Desconforto Menstrual

TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR. Desconforto Menstrual TENHA MELHOR APARÊNCIA, SINTA-SE MELHOR E VIVA MELHOR Desconforto Menstrual Pycnogenol para o Desconforto Menstrual A maioria das mulheres em idade fértil sente uma variedade de sintomas relacionados ao

Leia mais

Veterinaria.com.pt 2009; Vol. 1 Nº 1: e31 (9 de Março de 2009) Disponível em http://www.veterinaria.com.pt/media//dir_27001/vcp1-1-e31.

Veterinaria.com.pt 2009; Vol. 1 Nº 1: e31 (9 de Março de 2009) Disponível em http://www.veterinaria.com.pt/media//dir_27001/vcp1-1-e31. Veterinaria.com.pt 2009; Vol. 1 Nº 1: e31 (9 de Março de 2009) Disponível em http://www.veterinaria.com.pt/media//dir_27001/vcp1-1-e31.pdf Hospital Veterinário Montenegro Dr. Luís Montenegro Dr a. Ângela

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO Loxonin loxoprofeno sódico MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES LOXONIN é comercializado em caixas com 8, 15 ou 30 comprimidos de 60 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de LOXONIN

Leia mais

CONDROFLEX. sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina. Cápsula. 500mg + 400mg

CONDROFLEX. sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina. Cápsula. 500mg + 400mg CONDROFLEX sulfato de glicosamina + sulfato de condroitina Cápsula 500mg + 400mg CONDROFLEX sulfato de glicosamina + sulfato sódico de condroitina APRESENTAÇÕES Condroflex 500mg + 400mg. Embalagem com

Leia mais

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagens contendo 10 cápsulas. USO ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém:

Leia mais

Portuguese FAQs PRÓLOGO PROGRAMA CLÍNICO

Portuguese FAQs PRÓLOGO PROGRAMA CLÍNICO Portuguese FAQs PROGRAMA CLÍNICO PRÓLOGO Clementia Pharmaceuticals está iniciando o programa clínico de fase 2 para palovarotene em pacientes com fibrodisplasia ossificante progressiva (FOP). O Estudo

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Cápsulas moles 100 mg e 150 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Cápsulas moles 100 mg e 150 mg OFEV (esilato de nintedanibe) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Cápsulas moles 100 mg e 150 mg Ofev esilato de nintedanibe APRESENTAÇÕES Cápsulas moles de 100 mg e 150 mg: embalagem

Leia mais

Alterações ósseas e articulares

Alterações ósseas e articulares Alterações ósseas e articulares Renato Cesar Sacchetto Tôrres Júlio César Cambraia Veado Índice Alterações nutricionais e metabólicas Osteopenia Osteopatia hipertrófica (pulmonar) Hipervitaminose A Osteopatia

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico Modelo de Bula Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS ácido acetilsalicílico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES AAS Infantil comprimidos

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Naproxeno. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações

Naproxeno. Identificação. Denominação botânica: Não aplicável. Aplicações Material Técnico Naproxeno Identificação Fórmula Molecular: C 14 H 14 O 3 Peso molecular: 230,3 DCB / DCI: 06233 -Naproxeno CAS: 22204-53-1 INCI: Não aplicável. Denominação botânica: Não aplicável. Sinonímia:

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas

ALIVIUM ibuprofeno Gotas Dizeres de Bula FORMA FARMACÊUTICA/APRESENTAÇÃO: ALIVIUM ibuprofeno Gotas ALIVIUM Gotas apresentado-se em frascos de 30 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses de idade) Composição: Cada ml de ALIVIUM

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

EM 1994 O 1.º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ACUPUNTURA VETERINÁRIA.

EM 1994 O 1.º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ACUPUNTURA VETERINÁRIA. TERAPIAS EMERGENTES e ALTERNATIVAS CLÁUDIO RONALDO PEDRO claudio@fisiovet.com.br ACUPUNTURA VETERINÁRIA NO BRASIL INICIA NA DÉCADA DE 80 O PRINCIPAL PRECURSOR DA ACUPUNTURA VETERINARIA, FOI O PROF. TETSUO

Leia mais

OS AINES (ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS) SÃO FÁRMACOS DE PRIMEIRA ELEIÇÃO NO TRATAMENTO DE INFLAMAÇÕES CRÔNICAS OU AGUDAS

OS AINES (ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS) SÃO FÁRMACOS DE PRIMEIRA ELEIÇÃO NO TRATAMENTO DE INFLAMAÇÕES CRÔNICAS OU AGUDAS Firocoxibe - Últimos avanços no tratamento de neoplasias em cães e gatos Marta León Artozqui Doutora em Medicina Veterinária Gerente Técnica - Animais de Companhia Merial Espanha OS AINES (ANTIINFLAMATÓRIOS

Leia mais

RISCOS DO USO INDISCRIMINADO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS (AINES) 1. Janaína Barden Schallemberger 2, Marilei Uecker Pletsch 3.

RISCOS DO USO INDISCRIMINADO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS (AINES) 1. Janaína Barden Schallemberger 2, Marilei Uecker Pletsch 3. RISCOS DO USO INDISCRIMINADO DE ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS (AINES) 1 Janaína Barden Schallemberger 2, Marilei Uecker Pletsch 3. 1 Pesquisa produzida na disciplina de Estágio VI: farmácias e drogarias

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO MASIVET 50 mg comprimidos revestidos por película para cães. MASIVET 150 mg comprimidos revestidos por película para

Leia mais

Antiinflamatórios Não Esteroidais (AINEs)

Antiinflamatórios Não Esteroidais (AINEs) Universidade Federal Fluminense Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina de farmacologia Analgésicos, Antipiréticos ticos e Antiinflamatórios Não Esteroidais (AINEs) Profa. Elisabeth Maróstica

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg JARDIANCE (empagliflozina) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos Revestidos 10 mg e 25 mg Jardiance empagliflozina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 10 mg ou 25

Leia mais

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas.

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. DOBEVEN dobesilato de cálcio APSEN FORMA FARMACÊUTICA Cápsula gelatinosa dura APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

FLANCOX. etodolaco USO ORAL USO ADULTO

FLANCOX. etodolaco USO ORAL USO ADULTO FLANCOX etodolaco APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 300 mg. Caixas com 14 e 30 comprimidos Comprimidos revestidos de 400 mg. Caixas com 6, 10, e 20 comprimidos USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

Nausedron (cloridrato de ondansetrona)

Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Comprimidos Revestidos 8 mg Modelo de Bula para Paciente I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nausedron cloridrato de

Leia mais

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS

ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS ALIZIN: UMA REVOLUCIONÁRIA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA PIOMETRA EM CADELAS Estudos Clínicos revelam a eficácia de Alizin na Terapia Medicamentosa de Piometra em Cadelas A piometra nas cadelas e nas

Leia mais

DOBEVEN. Apsen Farmacêutica S.A. Cápsula gelatinosa dura 500 mg

DOBEVEN. Apsen Farmacêutica S.A. Cápsula gelatinosa dura 500 mg DOBEVEN Apsen Farmacêutica S.A. Cápsula gelatinosa dura 500 mg DOBEVEN dobesilato de cálcio APSEN FORMA FARMACÊUTICA Cápsula gelatinosa dura APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato

Leia mais

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC

ENOXALOW enoxaparina sódica. Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC ENOXALOW enoxaparina sódica Forma farmacêutica e apresentações Solução injetável. Via de administração: IV/SC 20 mg/0,2 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 40 mg/0,4 ml cartucho com 1 ou 10 seringas. 60

Leia mais

Valsartana LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido revestido. 40mg, 80mg, 160mg e 320mg

Valsartana LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido revestido. 40mg, 80mg, 160mg e 320mg Valsartana LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Comprimido revestido 40mg, 80mg, 160mg e 320mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Valsartana medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos

Leia mais

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg

Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg MICARDIS (telmisartana) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Comprimidos 40 mg e 80 mg Micardis telmisartana APRESENTAÇÕES Comprimidos de 40 mg e 80 mg: embalagens com 10 ou 30 comprimidos

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - EBASTEL COMPOSIÇÃO: - EBASTEL INFORMAÇÕES AO PACIENTE: - EBASTEL. Ebastel. ebastina. Oral.

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - EBASTEL COMPOSIÇÃO: - EBASTEL INFORMAÇÕES AO PACIENTE: - EBASTEL. Ebastel. ebastina. Oral. Ebastel ebastina Oral Xarope USO PEDIÁTRICO (ACIMA DE 2 ANOS) Comprimido USO PEDIÁTRICO (ACIMA DE 12 ANOS) E ADULTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: - EBASTEL Comprimidos revestidos contendo 10 mg

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

DAPOXETINA CLORIDRATO NOVO AGENTE CONTRA EJACULAÇÃO PRECOCE

DAPOXETINA CLORIDRATO NOVO AGENTE CONTRA EJACULAÇÃO PRECOCE DAPOXETINA CLORIDRATO NOVO AGENTE CONTRA EJACULAÇÃO PRECOCE A ejaculação precoce (EP) permanente não se tornou um sintoma extinto, embora as pesquisas científicas nessa área pareçam ter cessado (Renshaw,

Leia mais

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso Ensaios Clínicos Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância - Instituto Butantan Pesquisador do Instituto da Criança HC / FMUSP Introdução Os recentes desenvolvimentos

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

Predef (Acetato de Isoflupredona)

Predef (Acetato de Isoflupredona) Uso Veterinário Administração intramuscular ou intra-sinovial. Descrição: Cada ml contém 2 mg de acetato de isoflupredona; 4,5 mg de citrato de sódio anidro; 120 mg de polietilenoglicol 3350; 1 mg de povidona;

Leia mais

Benefícios da Suplementação

Benefícios da Suplementação FECHAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT Impresso Especial 9912273897 - DR/SPM Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte CORREIOS Nos processos inflamatórios crônicos1 Um novo tempo no tratamento

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Esomeprazol Alter, 20 mg, Comprimidos gastrorresistentes Esomeprazol sódico Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. - Conserve este

Leia mais

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)...

Modelo de Texto de Bula. betametasona (como 17-valerato)... 1mg (0,1% p/p) veículo: (carbopol, álcool isopropílico e água purificada q.s.p)... Betnovate valerato de betametasona Capilar FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: BETNOVATE Capilar é uma solução transparente, levemente viscosa, contendo 17-valerato de betametasona a 0,1% p/p. O veículo

Leia mais

Bicalutamida inibe o estímulo androgênico, resultando assim na regressão dos tumores prostáticos.

Bicalutamida inibe o estímulo androgênico, resultando assim na regressão dos tumores prostáticos. BICALUTAMIDA Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 Oral Comprimido revestido USO ADULTO Forma Farmacêutica e Apresentação da Bicalutamida Embalagem com 30 comprimidos contendo 50 mg de bicalutamida.

Leia mais

USO DE COLÁGENO BIOATIVO COMO ADJUVANTE NA PROFILAXIA E TRATAMENTO DE ARTROPATIAS EM CÃES

USO DE COLÁGENO BIOATIVO COMO ADJUVANTE NA PROFILAXIA E TRATAMENTO DE ARTROPATIAS EM CÃES USO DE COLÁGENO BIOATIVO COMO ADJUVANTE NA PROFILAXIA E TRATAMENTO DE ARTROPATIAS EM CÃES Prof. Pós-Dr. José Ricardo Pachaly Instituto Brasileiro de Especialidades em Medicina Veterinária ESPECIALVET Programa

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

FURP-CIMETIDINA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Comprimido. 200 mg

FURP-CIMETIDINA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Comprimido. 200 mg FURP-CIMETIDINA Fundação para o Remédio Popular FURP Comprimido 200 mg BULA PARA O PACIENTE FURP-CIMETIDINA 200 mg Comprimido cimetidina APRESENTAÇÃO Embalagem com 10 comprimidos de 200 mg. USO ORAL USO

Leia mais

Marcelo c. m. pessoa

Marcelo c. m. pessoa Marcelo c. m. pessoa CRM 52670502 CIRURGIA PLASTICA INFORMAÇÕES SOBRE TRATAMENTO MÉDICO-ESPECIALIZADO SOLICITAÇÃO E AUTORIZAÇÃO PARA TRATAMENTO Eu, identidade número expedida por, solicito e autorizo ao

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Comprimido FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Embalagens com 20 e 30 comprimidos contendo

Leia mais

Cefaleia crónica diária

Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária O que é a cefaleia crónica diária? Comecei a ter dores de cabeça que apareciam a meio da tarde. Conseguia continuar a trabalhar mas tinha dificuldade em

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

GLIFAGE XR cloridrato de metformina Merck S/A Comprimidos de ação prolongada 500 mg / 750 mg / 1 g

GLIFAGE XR cloridrato de metformina Merck S/A Comprimidos de ação prolongada 500 mg / 750 mg / 1 g GLIFAGE XR cloridrato de metformina Merck S/A Comprimidos de ação prolongada 500 mg / 750 mg / 1 g Glifage XR cloridrato de metformina APRESENTAÇÕES Glifage XR 500 mg: embalagens contendo 30 comprimidos

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Bravecto 112,5 mg comprimidos mastigáveis para cães de porte muito pequeno (2-4,5 kg) Bravecto 250 mg comprimidos

Leia mais

DIFFERIN ADAPALENO 0,1%

DIFFERIN ADAPALENO 0,1% MODELO DE BULA DIFFERIN ADAPALENO 0,1% Gel Tópico & Creme FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Gel tópico: bisnagas plásticas contendo 10g e 30 g Creme: bisnagas de alumínio contendo 30 g USO ADULTO (acima

Leia mais

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos

Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Ciências Morfofuncionais III Fármacos analgésicos Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia FÁRMACOS ANALGÉSICOS Analgésico é um termo coletivo para designar qualquer membro do diversificado grupo de drogas

Leia mais

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam APRESENTAÇÕES Lorax 1 mg ou 2 mg em embalagens contendo 30 comprimidos. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: USO ORAL USO

Leia mais

mesilato de doxazosina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimidos 2 mg

mesilato de doxazosina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimidos 2 mg mesilato de doxazosina Medley Indústria Farmacêutica Ltda. Comprimidos 2 mg mesilato de doxazosina Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimido de 2 mg: embalagem com 30 comprimidos.

Leia mais

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOSARTANA POTÁSSICA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido revestido

Leia mais

VOLIBRIS GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos revestidos 5mg e 10mg

VOLIBRIS GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos revestidos 5mg e 10mg VOLIBRIS GlaxoSmithKline Brasil Ltda. Comprimidos revestidos 5mg e 10mg Volibris Modelo de texto de bula - Pacientes LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

ZADITEN Colírio fumarato de cetotifeno. APRESENTAÇÕES Solução oftálmica (Colírio) Zaditen Colírio. Embalagem com frasco conta-gotas contendo 5 ml.

ZADITEN Colírio fumarato de cetotifeno. APRESENTAÇÕES Solução oftálmica (Colírio) Zaditen Colírio. Embalagem com frasco conta-gotas contendo 5 ml. ZADITEN Colírio fumarato de cetotifeno APRESENTAÇÕES Solução oftálmica (Colírio) Zaditen Colírio. Embalagem com frasco conta-gotas contendo 5 ml. VIA TÓPICA OCULAR USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 3 ANOS

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BRISTOL-MYERS SQUIBB BUSPAR cloridrato de buspirona Uso oral APRESENTAÇÃO BUSPAR 5 mg é apresentado em cartuchos com 2 blisters

Leia mais

LABIRIN. dicloridrato de betaistina APSEN. FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos.

LABIRIN. dicloridrato de betaistina APSEN. FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos. LABIRIN dicloridrato de betaistina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: 24 mg dicloridrato

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

MOTRIN ibuprofeno. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Motrin Nome genérico: ibuprofeno

MOTRIN ibuprofeno. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Motrin Nome genérico: ibuprofeno MOTRIN ibuprofeno I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Motrin Nome genérico: ibuprofeno APRESENTAÇÕES Motrin 600 mg em embalagens contendo 12 ou 30 comprimidos revestidos. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Zofran comprimidos Modelo de texto de bula - Pacientes LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

Zofran comprimidos Modelo de texto de bula - Pacientes LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Zofran cloridrato de ondansetrona APRESENTAÇÕES Zofran comprimidos revestidos contêm 4mg ou 8mg de ondansetrona

Leia mais

Laboratórios Ferring

Laboratórios Ferring Pentasa Sachê mesalazina Laboratórios Ferring IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Pentasa Sachê mesalazina APRESENTAÇÕES Grânulos de liberação prolongada de: - 1 g disponível em embalagens com 50 sachês - 2 g

Leia mais

MESACOL. Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido. 800 mg

MESACOL. Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido. 800 mg MESACOL Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido 800 mg APRESENTAÇÕES Comprimido revestido de 800 mg. Embalagem com 10 ou 30 unidades. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido revestido contém 800

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES:

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Página 1 de 5 BULA PACIENTE SOMAZINA citicolina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: SOMAZINA (citicolina) 500 mg: cartuchos com 15 comprimidos revestidos USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO: Cada comprimido

Leia mais

Gota ARTHRITIS FOUNDATION 30.542. www.fibromialgia.com.br

Gota ARTHRITIS FOUNDATION 30.542. www.fibromialgia.com.br Gota 30.542 www.fibromialgia.com.br ARTHRITIS FOUNDATION ARTHRITIS FOUNDATION A missão da Arthritis Foundation é a de melhorar a vida através da liderança na prevenção, no controle e na cura da artrite

Leia mais

DISPLASIA DA ANCA. VETSET Hospital Veterinário

DISPLASIA DA ANCA. VETSET Hospital Veterinário VETSET Hospital Veterinário DISPLASIA DA ANCA Fig.1- Anca ou Articulação coxo-femoral 1- Bacia 2- Fémur 3- Acetábulo 4- Cabeça do fémur 5- Ligamento redondo 6- Cápsula articular 7- Fluído sinovial A articulação

Leia mais

TITENIL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 20mg

TITENIL. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 20mg TITENIL Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 20mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Titenil

Leia mais

Modelo de bula Paciente Bipogine 25mg, 50mg e 100mg. Bipogine lamotrigina. Comprimidos 25 mg, 50 mg & 100 mg

Modelo de bula Paciente Bipogine 25mg, 50mg e 100mg. Bipogine lamotrigina. Comprimidos 25 mg, 50 mg & 100 mg Bipogine lamotrigina Comprimidos 25 mg, 50 mg & 100 mg LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO COMPOSIÇÃO Bipogine lamotrigina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

Curso de Metodologia LILACS no âmbito do Projeto BVS Bioética e Diplomacia em Saúde. Indexação de documentos

Curso de Metodologia LILACS no âmbito do Projeto BVS Bioética e Diplomacia em Saúde. Indexação de documentos Curso de Metodologia LILACS no âmbito do Projeto BVS Bioética e Diplomacia em Saúde Indexação de documentos São Paulo, 3-7 de dezembro de 2012 Sueli Mitiko Yano Suga Andrea Akemi Oribe Hayashi Maria Anália

Leia mais

Cloridrato de metformina

Cloridrato de metformina Cloridrato de metformina Prati-Donaduzzi Comprimido de liberação prolongada 500 mg e 750 mg Cloridrato de metformina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE cloridrato de metformina Medicamento genérico

Leia mais

Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado

Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado Vazy Cloridrato de sibutramina monoidratado EMS Sigma Pharma Ltda cápsula 10mg e 15mg 1 Vazy cloridrato de sibutramina monoidratado IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vazy (Cloridrato de sibutramina monoidratado)

Leia mais

MODELO DE BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

MODELO DE BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE MODELO DE BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vibral dropropizina APRESENTAÇÕES Xarope Adulto (3 mg/ml): frasco de 120 ml e 1 copo-medida. Xarope Pediátrico (1,5 mg/ml): frasco

Leia mais

APROVADO EM 26-06-2007 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO

APROVADO EM 26-06-2007 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. Este medicamento

Leia mais

Cloridrato de Ondansetrona

Cloridrato de Ondansetrona BULA DO PACIENTE Cloridrato de Ondansetrona HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 2mg/mL 2mL 2mg/mL 4mL cloridrato de ondansetrona Medicamento genérico - Lei nº 9.787 de 1.999 APRESENTAÇÕES Solução injetável -

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas.

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. DOBEVEN dobesilato de cálcio APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula gelatinosa dura contém:

Leia mais

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA PAMIGEN cloridrato de gencitabina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÃO 200 mg - Embalagem com 1 frasco ampola 1 g - Embalagem com 1 frasco ampola FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Inicox dp. meloxicam. APRESENTAÇÃO Comprimido meloxicam 15 mg - Embalagem com 5 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO

Inicox dp. meloxicam. APRESENTAÇÃO Comprimido meloxicam 15 mg - Embalagem com 5 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO Inicox dp meloxicam APRESENTAÇÃO Comprimido meloxicam 15 mg - Embalagem com 5 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: meloxicam...15 mg; excipientes q.s.p.... 1 comprimido.

Leia mais

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE

LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE LÁBREA (CLORIDRATO DE DONEPEZILA) CRISTÁLIA PRODUTOS QUÍMICOS FARMACÊUTICOS LTDA. COMPRIMIDOS REVESTIDOS 5 MG E 10 MG BULA DO PACIENTE Página 1 de 6 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LÁBREA cloridrato de

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

Informação para o paciente

Informação para o paciente Informação para o paciente Viramune - nevirapina 18355 BI Viramune brochure POR_V2.indd 1 14-12-11 14:19 Introdução Viramune é um medicamento para o tratamento do HIV. Este prospecto contém informação

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347 e CREMEPE

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

Se qualquer um destes casos se aplica a você, informe ao seu médico antes de tomar Sirdalud.

Se qualquer um destes casos se aplica a você, informe ao seu médico antes de tomar Sirdalud. SIRDALUD cloridrato de tizanidina APRESENTAÇÕES Sirdalud 2 mg embalagens contendo 30 comprimidos sulcados. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de Sirdalud contém 2,28 mg de cloridrato de tizanidina,

Leia mais

1. O QUE É PARACETAMOL BLUEPHARMA E PARA QUE É UTILIZADO. Grupo Farmacoterapêutico: 2.10 - Sistema Nervoso Central - Analgésicos e antipiréticos

1. O QUE É PARACETAMOL BLUEPHARMA E PARA QUE É UTILIZADO. Grupo Farmacoterapêutico: 2.10 - Sistema Nervoso Central - Analgésicos e antipiréticos Folheto Informativo Informação para o utilizador Paracetamol Bluepharma Paracetamol Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente Este medicamento pode ser adquirido sem receita

Leia mais