N o 35. Março O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea"

Transcrição

1 N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Tel: (35) Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene Marques; Bernadete Aparecida Rocha; Janderson Paceli Acrísio de Souza; Michele Sousa Neri. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea O mieloma múltiplo é uma doença que afeta a medula óssea e se caracteriza pelo aumento do plasmócito, um tipo de célula que produz imunoglobulina, proteína que participa de nosso sistema de defesa. Esta doença tem maior incidência em pessoas idosas, em geral, maiores de 65 anos, sendo mais rara em indivíduos com menos de 35 anos. Grandes avanços no tratamento desta enfermidade ocorreram desde a introdução do primeiro tratamento com melfalano e prednisona, ainda na década de 60. O mieloma múltiplo representa 1% de todos os tipos de câncer, sendo o segundo mais comum entre os hematológicos, ficando atrás dos linfomas não-hodgkin, em adultos. TIPOS DE MIELOMA MÚLTIPLO O mieloma múltiplo pode ser classificado de acordo com o tipo de proteína M produzida, sendo o tipo IgG o mais comum, seguido pelo IgA e pelo de cadeias leves, quando somente uma porção do anticorpo é secretada. No caso do mieloma de cadeias leves, a proteína M é mais frequentemente encontrada na urina do que no sangue. Em raros casos, o mieloma múltiplo pode ser não-secretor, ou seja, pode não apresentar proteína M pelos métodos de pesquisa convencionais. SINAIS E SINTOMAS No Brasil, atualmente, alguns estudos demonstram que ocorre demora no diagnóstico desta doença, o que faz com que os pacientes cheguem aos centros de referência com quadro clínico avançado, já tendo passado por consultas com vários especialistas. Por esta razão, é muito importante o conhecimento dos principais sinais e sintomas da doença por parte da população e dos profissionais de saúde, para que os casos suspeitos sejam encaminhados com maior agilidade para os cuidados do hematologista e/ou oncologista. 1

2 Diversos sintomas podem estar presentes ao diagnóstico, sendo os mais comuns: Aumento dos níveis de cálcio no sangue. Dores ósseas constantes na coluna, com irradiação para as pernas e região glútea, sem melhora com analgésicos. Fraturas ósseas espontâneas ou tumores ósseos (plasmocitomas). Mau funcionamento dos rins, podendo ser necessário, em alguns casos, tratamento com hemodiálise. Deficiência do sistema imunológico com infecções de repetição. Alguns pacientes descobrem ocasionalmente o mieloma ao realizarem exames laboratoriais de rotina, quando identificam o aumento de proteína M no sangue ou urina. DIAGNÓSTICO De acordo com os últimos consensos, são necessários três elementos para a comprovação do diagnóstico desta doença: Presença de proteína M. Infiltração da medula óssea por plasmócitos identificados através de aspirado ou biópsia de medula óssea ou biópsia de massa tumoral, com laudo de plasmocitoma. Evidências de dano aos órgãos afetados pelo mieloma múltiplo: anemia, lesões líticas na radiografia do esqueleto, insuficiência renal e hipercalcemia. TRATAMENTO Atualmente, não existe cura para a doença, mas existem várias terapêuticas que controlam a doença e são tratamentos que, quando há boa resposta, fazem a doença regredir e ficar parada. O tratamento do mieloma múltiplo escolhido pode variar dependendo do protocolo de tratamento adotado e de determinadas características apresentadas pelo paciente. A escolha e a dose administrada dependerão de alguns fatores, como fase da doença, idade e função renal do paciente. A quimioterapia utiliza medicamentos anticancerígenos para destruir as células tumorais, porém não atinge somente as células cancerígenas, mas as células sadias do organismo, por ser um tratamento sistêmico. Essa medicação pode ser administrada por via venosa e por via oral. A radioterapia também pode fazer parte do tratamento combinado com quimioterapia para tratar a medula óssea doente antes do transplante de células tronco hematopoiético alogênico (TCTH). Os corticosteróides são uma parte importante do tratamento do mieloma múltiplo e podem ser utilizados sozinhos 2

3 ou combinados com outras drogas, pois ajudam a diminuir sintomas, como náuseas e vômitos, causados pela quimioterapia. Os fármacos mais utilizados no tratamento do mieloma são Dexametasona e Prednisona. Agentes Imunomoduladores como a Talidomida que é uma droga que já foi usada como sedativo e atualmente está disponível no tratamento do mieloma múltiplo; a Lenalidomida que é um medicamento similar à Talidomida, que apresenta bons resultados para o mieloma múltiplo. Inibidores do Proteassoma são medicamentos que retardam os complexos enzimáticos (proteossomas) nas células quebrando proteínas importantes para manter a divisão celular sob controle. Eles parecem afetar células tumorais mais do que as células normais. O medicamento Bortezomib é administrado via intravenosa ou sob a pele, muitas vezes uma ou duas vezes por semana. O Carfilzomib é um novo inibidor do proteassoma para tratamento do mieloma múltiplo em pacientes que já foram tratados com Bortezomib e um agente imunomodulador. É administrado por via intravenosa, geralmente em um ciclo de quatro semanas. Os efeitos colaterais dependem do tipo de medicamento, da dose administrada e da duração do tratamento. Os efeitos colaterais comuns à maioria das drogas quimioterápicas podem incluir, por exemplo, perda de cabelo, inflamações na boca, perda de apetite, náuseas, vômitos, diminuição das taxas sanguíneas, infecções, hematomas ou hemorragias e fadiga. Estes efeitos colaterais, geralmente, são de curto prazo e reduzem com o término do tratamento. NOVO MEDICAMENTO NO TRATAMENTO DO MIELOMA MÚLTIPLO. A agência americana responsável pelo controle de medicamentos (FDA- Food and Drug Administration) aprovou o medicamento Farydak, uma nova classe de medicamento capaz de inibir o avanço do mieloma múltiplo, ou seja, destinado para o tratamento de pacientes com câncer de medula óssea. O novo medicamento funciona através da inibição da atividade de enzimas conhecidas como HDACs (histonedeacetulases). Todo o processo consiste em retardar a super produção das células plasmáticas em pacientes com mieloma múltiplo ou estimular a morte destas células perigosas. Farydak é o primeiro inibidor de HDAC aprovado para o tratamento do mieloma múltiplo. No entanto, o uso do Farydak é destinado e restrito apenas para pacientes que já se submeteram pelo menos em duas terapias 3

4 convencionais, incluindo Bortezomib e um agente imunomodulador. Farydak é para ser utilizado em combinação com Bortezomib, um tipo de quimioterapia, e Dexametasona, um medicamento antiinflamatório. "Farydak tem um novo mecanismo de ação que a distingue de drogas prévias aprovadas para o tratamento de mieloma múltiplo, tornando-se um agente candidato potencialmente atraente para o tratamento do mieloma múltiplo", disse Richard Pazdur, MD, diretor do escritório de Hematologia e Oncologia no centro do FDA para avaliação e pesquisa de drogas. A ação do novo medicamento já se demonstrou eficaz e com animadores resultados, uma vez que os pacientes que foram submetidos à combinação Farydak notaram um atraso de cerca de 10,6 meses na progressão da doença (sobrevida livre de progressão) em comparação com 5,8 meses em participantes submetidos ao tratamento convencional (Bortezomib e Dexametasona). Outra grande demonstração de sua eficiência foi no relato dos 59% dos participantes tratados com Farydak que notaram involução, encolhimento e desaparecimento do câncer após o tratamento, contra os 41% que receberam o tratamento convencional. Por outro lado, os efeitos colaterais mais comuns do medicamento são diarreia e problemas cardíacos. Devido a estes riscos, ele esta em processo de análise por órgãos de controle e regulamentação. Farydak tem demonstrado potencialmente razoável para ser substituto dos tratamentos convencionais de mieloma múltiplo e com finalidade de prever o benefício clínico aos pacientes. Portanto, a empresa fabricante esta realizando ensaios de confirmação para verificar e descrever o benefício clínico da Farydak. CONCLUSÃO Conclui-se que nos últimos anos o prognóstico dos doentes com mieloma múltiplo melhorou muito com o surgimento de novos medicamentos. Como geralmente não se conhece a causa da leucemia, o tratamento tem o objetivo de destruir as células leucêmicas, para que a medula óssea volte a produzir células normais, proporcionando redução nos sintomas e melhorias na qualidade de vida dos pacientes. 4

5 Referências bibliográficas Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia ABRALE. São Paulo. Disponível em: <http://www.abrale.org.br/uploads/files/ Mileoma%20multiplo%20Fase6% %29-pd.pdf>. Acesso em: 01/03/2015. U.S. Food and Drug Administration FDA. USA. EUA aprovam novo medicamento contra câncer de medula óssea Disponível em: <http://www.fda.gov/newsevents/news room/pressannouncements/ucm htm>. Acesso em: 05/03/2015. Instituto Oncoguia. EUA aprovam novo medicamento contra câncer de medula óssea Disponível em: <http://www.oncoguia.org.br/conteudo/ eua-aprova-medicamento-contra-cancerde-medula-ossea/7175/7/>. Acesso em: 05/03/2015. Caso queira notificar reação adversa a algum medicamento, desvio de qualidade ou erro de medicação, acesse o portal do CEFAL (http://www.unifal-mg.edu.br/cefal) e preencha o formulário. https://www.facebook.com/cefal.unifal (35) Instituto Oncoguia. Tratamento Quimioterápico do Mieloma Múltiplo Disponível em: <http://www.oncoguia.org.br/conteudo/t ratamento-quimioterapico-do-mielomamultiplo/2003/397/>. Acesso em: 05/03/2015. Associação Portuguesa Contra Leucemia APCL. Mieloma Múltiplo Disponível em: < Acesso em: 05/03/

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145 NT 25/2012 Solicitante: João Martiniano Vieira Neto Juiz da 2ª Vara de Registros Públicos e Fazenda Pública Municipal de Juiz de Fora/MG Data: 26/11/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

REQUERIMENTO N DE 2013 (dos Srs. Fernando Francischini e Willian Dib)

REQUERIMENTO N DE 2013 (dos Srs. Fernando Francischini e Willian Dib) REQUERIMENTO N DE 2013 (dos Srs. Fernando Francischini e Willian Dib) Requer a realização de Audiência Pública com os convidados que indica para discutir a negativa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

EMENTA: Utilização - Indicação - Fornecimento do Medicamento Temozolamida CONSULTA

EMENTA: Utilização - Indicação - Fornecimento do Medicamento Temozolamida CONSULTA PARECER Nº 2392/2012 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 41/2012 PROTOCOLO N. º 21582/2012 ASSUNTO: FORNECIMENTO DO MEDICAMENTO TEMOZOLAMIDA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Utilização - Indicação

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Tema: Entenda a Síndrome Mielodisplásica (Mielodisplasia) Total atingido de pessoas na sala: 24 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA /2014 Data: 05/03/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune. MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Qual é a função dos pulmões?

Qual é a função dos pulmões? Câncer de Pulmão Qual é a função dos pulmões? Os pulmões são constituídos por cinco lobos, três no pulmão direito e dois no esquerdo. Quando a pessoa inala o ar, os pulmões absorvem o oxigênio, que é levado

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Eu, (nome do paciente(a) abaixo identificado(a) e firmado(a)), declaro ter sido

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA Data: 17/05/2013 NOTA TÉCNICA 73 /2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juíza Vanessa Guimarães da Costa Vedovotto Número do processo: TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

Nova vacina frente à cura para a AIDS

Nova vacina frente à cura para a AIDS N o 18 Setembro/2013 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. MsC.

Leia mais

ATRED pemetrexede dissódico MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

ATRED pemetrexede dissódico MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA ATRED pemetrexede dissódico MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para solução injetável contendo 100 mg de pemetrexede (base anidra) ou 500 mg de pemetrexede

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

ATRED. Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liofilizado para solução injetável 100 mg e 500 mg

ATRED. Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liofilizado para solução injetável 100 mg e 500 mg ATRED Libbs Farmacêutica Ltda. Pó liofilizado para solução injetável 100 mg e 500 mg ATRED pemetrexede dissódico APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para solução injetável contendo 100 mg de pemetrexede (base

Leia mais

Paciente. Manual do. Improving Lives Finding the Cure. Mieloma Múltiplo Câncer de Medula Óssea. 2015 Preparado por Brian G.M.

Paciente. Manual do. Improving Lives Finding the Cure. Mieloma Múltiplo Câncer de Medula Óssea. 2015 Preparado por Brian G.M. Mieloma Múltiplo Câncer de Medula Óssea Manual do Paciente 2015 Preparado por Brian G.M. Durie, MD Versão em portugues revisada por Vânia M.T. Hungria, MD Rua Jandiatuba, 630 - Torre B - conj. 333 Vila

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LINFOMA NÃO-HODGKIN EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Linfoma Não-Hodgkin Introdução Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

Biotecnologia e medicina. Denise Machado

Biotecnologia e medicina. Denise Machado Biotecnologia e medicina Denise Machado Biotecnologia 325 milhões de pessoas no mundo fazem uso de 130 drogas ou vacinas produzidas pelas técnicas da biotecnologia. 70% de tais drogas ou vacinas foram

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC SOLICITANTE Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.706-3 DATA 26/03/2014 SOLICITAÇÃO Solicito parecer

Leia mais

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL

QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL QUIMIOTERAPIA E TRANSPLANTE DE MEDULA NO TRATAMENDO DA LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA INFANTIL Graziele Francine Franco Mancarz 1 Bianca Manfroi da Silva 2 Delizie Albuquerque Freitas 3 Grasiele Mayara Bim 4

Leia mais

ERBITUX (cetuximabe) 5 MG/ML SOL INJ. Merck S/A

ERBITUX (cetuximabe) 5 MG/ML SOL INJ. Merck S/A ERBITUX (cetuximabe) 5 MG/ML SOL INJ Merck S/A Erbitux 5 mg/ml cetuximabe 5 mg/ml APRESENTAÇÕES Solução injetável para infusão endovenosa - Frasco com 20 ml Solução injetável para infusão endovenosa -

Leia mais

Conteúdo. Data: 24/04/2013 NOTA TÉCNICA 54/2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Conteúdo. Data: 24/04/2013 NOTA TÉCNICA 54/2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 54/2013 Solicitante Juíza Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Processo número: 0512.13.002867-7 Data: 24/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Interferon, Oxsoralen 10 mg,

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA.

1. Da Comunicação de Segurança publicada pela Food and Drug Administration FDA. UTVIG/NUVIG/ANVISA Em 31 de janeiro de 2011. Assunto: Nota de esclarecimento sobre notícia veiculada na mídia que trata de comunicado de segurança da FDA Food and Drug Administration sobre possível associação

Leia mais

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo).

Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Prevenção de náuseas, vômitos e reações anafiláticas induzidos pela terapia antineoplásica (quimioterapia e terapia alvo). Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Nome do protocolo: Prevenção de

Leia mais

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda O que você deve saber sobre Leucemia Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma

Leia mais

Carboplatina_150_01 1

Carboplatina_150_01 1 Carboplatina DCB 01754 Medicamento genérico Lei nº. 9.787, de 1999 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMAS FARMACÊUTICAS, VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÕES COMERCIALIZADAS Carboplatina é um pó liófilo

Leia mais

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Capacitação ACS /FEMAMA 2012 Eduardo Cronemberger Oncologia em 120 anos Willian Halsted Aqui está minha sequencia! Mastectomia

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR!

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! Serviço de OncoHematologia do HIJG DIA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil (lei

Leia mais

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BRISTOL-MYERS SQUIBB PARAPLATIN carboplatina Uso intravenoso somente APRESENTAÇÃO PARAPLATIN 50 mg, 150 mg e 450

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p...

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p... Pó liófilo injetável FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: 100 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. 00 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. USO INTRAVENOSO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO:

Leia mais

MIELOMA MÚLTIPLO DANIEL MERCANTE

MIELOMA MÚLTIPLO DANIEL MERCANTE MIELOMA MÚLTIPLO DANIEL MERCANTE MIELOMA MÚLTIPLO INTRODUÇÃO EPIDEMIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOPATOGENIA PATOGENIA AVALIAÇÃO CLÍNICA DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL PROGNÓSTICO TRATAMENTO INTRODUÇÃO MIELOMA

Leia mais

APRESENTAÇÃO Comprimidos de 250 mg de acetato de abiraterona em frasco com 120 comprimidos.

APRESENTAÇÃO Comprimidos de 250 mg de acetato de abiraterona em frasco com 120 comprimidos. Bula ao Paciente 1 BULA (CCDS 1011) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZYTIGA TM acetato de abiraterona APRESENTAÇÃO Comprimidos de 250 mg de acetato de abiraterona em frasco com 120 comprimidos. USO ORAL USO

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

Folheto para o paciente

Folheto para o paciente Folheto para o paciente Quimioembolização Transarterial com Eluição de Fármaco (detace) de tumores hepáticos: Uma opção minimamente invasiva para o tratamento de tumores hepáticos Diagnóstico do hepatocarcinoma

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

Hipotireoidismo. O que é Tireóide?

Hipotireoidismo. O que é Tireóide? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hipotireoidismo O que é Tireóide? É uma glândula localizada na parte anterior do pescoço, bem abaixo

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NT 245 /2013 Solicitante: Ilmo Dr RODRIGO DIAS DE CASTRO Juiz de Direito Comarca de Campestre Data: 06/12/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0023168-04.2013.8.13.0110

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

A Importância da Causa

A Importância da Causa A Importância da Causa Panorama do Cenário Brasileiro Leucemia é o câncer mais comum entre crianças, e o linfoma é o 3º câncer mais comum entre este público Se detectados logo e tratados adequadamente,

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br.

Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br. Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Mieloma Múltiplo Introdução Índice Este manual faz parte de uma série de publicações

Leia mais

O que é Câncer? Estágio de Iniciação

O que é Câncer? Estágio de Iniciação O que é Câncer? O câncer é definido como um tumor maligno, mas não é uma doença única e sim um conjunto de mais de 200 patologias, caracterizado pelo crescimento descontrolado de células anormais (malignas)

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

Entendendo. a Técnica de Detecção de Cadeias Leves Livres no Soro

Entendendo. a Técnica de Detecção de Cadeias Leves Livres no Soro Entendendo a Técnica de Detecção de Cadeias Leves Livres no Soro International Myeloma Foundation 12650 Riverside Drive, Suite 206 North Hollywood, CA 91607 USA Telephone: 800-452-CURE (2873) (USA & Canada)

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL Escolha das análises a serem realizadas Realização da coleta de forma adequada domínio da técnica reconhecimento de eventuais erros de procedimento escolha do recipiente, acondicionamento

Leia mais

MANUAL DO PACIENTE MIELOMA MÚLTIPLO INTERNATIONAL MYELOMA FOUNDATION. Câncer da Medula Óssea

MANUAL DO PACIENTE MIELOMA MÚLTIPLO INTERNATIONAL MYELOMA FOUNDATION. Câncer da Medula Óssea INTERNATIONAL MYELOMA FOUNDATION MANUAL DO PACIENTE MIELOMA MÚLTIPLO Câncer da Medula Óssea EDIÇÃO DE 2003 I NTERNATIONAL M YELOMA F OUNDATION 12650 Riverside Drive, Suite 206 North Hollywood, CA 91607-3421

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração aos termos das autorizações de introdução no mercado

Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração aos termos das autorizações de introdução no mercado Anexo I Conclusões científicas e fundamentos para a alteração aos termos das autorizações de introdução no mercado Conclusões científicas Tendo em conta o relatório de avaliação do PRAC sobre o RPS para

Leia mais

Seja bem-vindo ao Chat!

Seja bem-vindo ao Chat! Chat com o Dr. Jacques Dia 04 de setembro de 2014 Tema: Linfoma: Novas perspectivas em busca da cura Total atingido de pessoas na sala: 31 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (10h

Leia mais

Platistine CS cisplatina

Platistine CS cisplatina Platistine CS cisplatina PARTE I - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Platistine CS Nome genérico: cisplatina APRESENTAÇÕES Platistine CS 1 mg/ml em embalagens contendo 1 frasco-ampola de 50 ml (50 mg) ou

Leia mais

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO

A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO II CICLO DE DEBATES DESNUTRIÇÃO HOSPITALAR A EPIDEMIOLOGIA DA DESNUTRIÇÃO NO BRASIL NA EPIDEMIA DE OBESIDADE A DESNUTRIÇÃO DO PACIENTE ONCOLÓGICO Edilaine Maria Stella da Cruz Instituto do Câncer Arnaldo

Leia mais

Linfomas. O que você deve saber sobre

Linfomas. O que você deve saber sobre Linfomas O que você deve saber sobre Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Comunicação & Marketing Diólia

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol.

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol. Naxogin nimorazol PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Naxogin Nome genérico: nimorazol Forma farmacêutica e apresentações: Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição:

Leia mais

20/12/2012 NOTA TÉCNICA

20/12/2012 NOTA TÉCNICA Data: 20/12/2012 NOTA TÉCNICA 56/2012 Medicamento X Material Solicitante Procedimento Juiz Almir Prudente dos Santos Cachoeira de Cobertura Minas Refere-se ao Processo nº. 009712001663-5 TEMA: interferon

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

dicloridrato de betaistina

dicloridrato de betaistina dicloridrato de betaistina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica. Comprimidos 16 mg dicloridrato de betaistina Medicamento Genérico, Lei n o 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: Comprimidos simples: embalagem

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Manual de (LMC) O que você deve saber sobre (LMC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Este manual, destinado a pacientes com leucemia mieloide crônica (LMC) e seus familiares,

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais