Um Perfil da Área de Administração da Produção no Setor de Autopeças na Região do ABC Paulista.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Perfil da Área de Administração da Produção no Setor de Autopeças na Região do ABC Paulista."

Transcrição

1 Um Perfil da Área de Administração da Produção no Setor de Autopeças na Região do ABC Paulista. Autoria: João Evangelista de Andrade RESUMO O presente trabalho tem como objetivo conhecer os diferentes sistemas de administração da produção e a utilização desses sistemas de forma integrada pelas empresas do setor de autopeças localizadas nas cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Diadema, bem como, examinar a adequação desses sistemas utilizados quanto as variáveis: variedade de produtos, nível de controle, complexidade dos roteiros, introdução de novos produtos, complexidade das estruturas, variabilidade dos lead-times envolvidos, centralização da tomada de decisões, favorecimento do processo de melhoria contínua e complexidade do sistema segundo o modelo proposto por Corrêa e Gianesi (1993). A pesquisa envolveu quarenta e quatro empresas do setor, das quais trinta e uma (71%) responderam efetivamente as questões formuladas. 1. INTRODUÇÃO Manufaturar um produto requer, além do conhecimento técnico sobre materiais, máquinas e equipamentos, o conhecimento sobre o gerenciamento dos sistemas de administração da produção os quais, em conjunto, irão proporcionar uma vantagem competitiva para a organização que os dominarem. Os problemas inerentes à administração do sistema produtivo somente vieram a ser enfrentados a partir da revalorização do papel do setor de produção (Corrêa e Gianesi, 1993). Determinar o sistema, ou sistemas, de administração da produção mais adequado a ser utilizado pela manufatura é uma tarefa que exige um amplo conhecimento a respeito dos diversos sistemas de administração da produção e de suas aplicabilidades dentro do universo dos diferentes ramos em que se inserem as empresas. Considerando que a revalorização do papel da manufatura pelas organizações contribui para o atingimento de seus objetivos estratégicos, procuramos desenvolver este trabalho na área de manufatura, abordando os principais Sistemas de Administração da Produção. A escolha do setor de autopeças para estudo deu-se devido ao seu dinamismo, seus constantes aperfeiçoamentos tecnológicos para suprir as necessidades do setor automotivo e a importância do setor para a economia brasileira. Dentro do cenário nacional, a região do ABC paulista, composta pelas cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Diadema tem um papel de destaque, contribuindo no ano de 1999 com 16,4% do total de empresas e 17,6% do total de empregos no setor de autopeças, e com um faturamento de 1,8% (US$ 10 bilhões) do PIB brasileiro de US$ 555 bilhões. Fonte: Sindipeças. A indústria de autopeças é caracterizada por uma enorme diversidade de empresas fornecedoras de peças para as montadoras, tais como: peças de borracha, estampadas, injetadas, torneadas e fundidas. Esta enorme diversificação leva à utilização, também diversificada, de sistemas de administração da produção dos quais as empresas lançam mão para contribuírem na consecução de suas estratégias competitivas. Este artigo tem a seguinte estrutura: apresenta na seção dois o embasamento teórico; na seção três a metodologia empregada; na seção quatro as análises dos resultados obtidos e na seção cinco as considerações finais. 1

2 2. ASPECTOS DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Os principais sistemas de administração da produção hoje utilizados são: MRP II, Just in Time e os Sistemas de Programação da Produção com Capacidade Finita (Corrêa, Gianesi e Caon, 2000). Cada um possui uma abordagem específica cuja aplicabilidade pode ser considerada eficaz, porém devemos considerar que nenhum sistema por si só deve ser considerado como o ideal para solucionar todos os problemas que se apresentam dentro dos diversos tipos de produção. O sistema de administração da produção MRP (Material Requirements Planning Cálculo das Necessidades de Materiais ou Planejamento das Necessidades de Materiais) foi desenvolvido originalmente nos anos 60 quando se deu o início de sua implantação que, com o passar dos anos, evoluiu para um sistema mais completo assumindo a sigla MRP II (Manufacturing Resourses Planning Planejamento dos Recursos de Manufatura), sendo que esta evolução foi creditada a dois autores: Oliver Wight e Joseph Orlicky [ WIGHT, O. (1984) ; ORLICKY, J. (1975)]. Segundo Slack, et al. (1997, p. 443) o planejamento de necessidades de materiais continua sendo o coração de qualquer sistema MRP (I ou II), tendo como entradas (inputs) a lista de materiais, o registro de estoques e o programa mestre de produção que é alimentado principalmente por dados relativos à demanda do produto acabado onde temos necessariamente a carteira de pedidos e a previsão de vendas. As saídas (outputs) são definidas através das ordens de compra, planos de materiais e ordens de trabalho. Portanto, temos um sistema (software complexo) que utiliza uma lógica de empurrar a produção (sistema de produção empurrada) através da emissão de ordens de trabalho. O sistema just in time (JIT) foi desenvolvido no Japão por Taiichi Ohno quando o mesmo trabalhava na Toyota Motor Company. O sistema tem como princípio básico à eliminação completa de todo desperdício que possa ocorrer no processo produtivo, ou seja, todas as atividades que não agregam valor ao produto devem ser eliminadas, ou quando não for possível, as ações devem estar sempre voltadas neste sentido. Consideram-se como principais desperdícios às atividades: estoques, movimentações de materiais, tempos de espera, máquinas paradas, troca de ferramentas, peças defeituosas, retrabalhos e refugos. Todas estas atividades listadas não agregam valor ao produto, portanto todas as ações tomadas em relação a elas devem sempre procurar elimina-las, ou quando não for possível minimizar seus efeitos continuamente. A abordagem do sistema de administração JIT é tão ampla que ultrapassa as fronteiras de defini-la somente como uma técnica. Muitos autores [GAITHER e FRAZIER (2001); MARTINS e LAUGENI (1998); SLACK, et al. (1997); STEVENSON (2001)] a definem como uma filosofia pois envolve diversas áreas, tais como: administração da produção, administração de materiais, projeto do produto, gestão da qualidade, arranjo físico, organização do trabalho e gestão de recursos humanos. São diversas as tentativas de descrever a abordagem JIT; porém, o que notamos é que elas só conseguem apresentar algumas faces desta verdadeira filosofia de administração, assim definidas: manufatura veloz, manufatura enxuta, manufatura de tempo de ciclo reduzido, manufatura de alto valor agregado, manufatura de fluxo contínuo, produção sem estoques e processo induzido de resolução de problemas. Portanto, temos um sistema cujo fluxo de produção é balanceado e que utiliza uma lógica de puxar a produção (sistema de produção puxada) através da utilização de cartões (Kanbans). Os sistemas de administração da produção com capacidade finita consideram à priori que a capacidade produtiva e as características tecnológicas do sistema produtivo como uma 2

3 restrição e assim desenvolvem um programa de produção compatível com a capacidade disponível (Corrêa, Gianesi e Caon,2000). A utilização de um sistema desse porte, com base em recursos computacionais, justificase em ambientes fabris onde possui tanto no ambiente interno quanto no externo restrições quanto à demanda dele solicitada, criando-se assim os chamados gargalos que é definido como qualquer restrição que interfere no fluxo da produção. Dos diversos sistemas com capacidade finita existentes no mercado, possivelmente o mais conhecido é o sistema OPT (Optimized Production Technology) inserida na Teoria das restrições (SLACK, et al., 1997). O sistema de administração da produção OPT é baseada na utilização de um software, tendo como objetivo aumentar o fluxo da produção (throughput) através do gerenciamento das restrições gargalos, tendo como conseqüência à redução do estoque (inventory) e das despesas operacionais (operating expenses). Podemos notar que as tomadas de decisões estão diretamente ligadas ao comportamento das restrições ou gargalos, as quais devem ter seus recursos explorados ao máximo. Figura 1: Aplicação dos três SAP dependente de várias considerações. variedade JIT MRP II / OPT dos produtos (baixa) (alta) complexidade JIT MRP II / OPT OPT dos roteiros (baixa) (alta) novos produtos JIT MRP II / OPT OPT introduzidos (similares) (diferentes) complexidade JIT JIT / OPT MRP II/OPT MRP II das estruturas (baixa) (alta) variabilidade JIT MRP II OPT dos lead-times (baixa) (alta) nível de controle JIT MRP II / OPT MRP II (baixo) (alto) centralização na tomada JIT MRP II MRP II / OPT de decisões (baixa) (alta) favorecimento de MRP II OPT JIT melhoria contínua (baixo) (alto) simplicidade OPT MRP II JIT do sistema (baixa) (alta) 3

4 Fonte: Corrêa e Gianesi, 1993, p A Figura 1 nos apresenta o modelo proposto por Corrêa e Gianesi (1993) onde são apresentadas, para cada variável considerada, as utilizações adequadas de um sistema de administração de forma integrada ou não. Conforme apresentado, cada sistema de administração da produção possui uma filosofia de gestão explícita ou implícita juntamente com uma gestão do fluxo de materiais que possui diversas características, as quais definem as fronteiras de atuação de cada sistema. A necessidade de se otimizar a gestão da manufatura dos diversos itens que compõem o produto final para que as empresas atinjam seus objetivos estratégicos de manufatura, faz com que estas empresas optem pela utilização de diferentes sistemas de administração da produção de forma integrada ou não, onde cada sistema irá contribuir com suas formas de gestão nas diferentes fases do processo produtivo. Caracterizamos como sistemas integrados de administração da produção a utilização integrada de dois ou mais sistemas de administração da produção. A utilização de forma integrada desses sistemas, com características até adversas, cria a necessidade de se definir as fronteiras de atuação de cada sistema para que a integração não seja prejudicada. 3. METODOLOGIA 3.1 Amostra Dentro do tema proposto, a nossa pesquisa abrangeu as empresas metalúrgicas do setor de autopeças localizadas na região do ABCD. A escolha do setor de autopeças ocorreu devido à importância econômica que ele representa dentro da economia brasileira e, em particular, as empresas localizadas na região do ABCD. Dentro do setor de autopeças foram escolhidas as empresas metalúrgicas a partir da relação dos quarentas e três segmentos publicados pelo Sindipeças (Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores). Buscamos uniformizar a amostra devido a grande diversidade de segmentos onde estão inseridos estas empresas, tais como: empresas metalúrgicas, químicas, vidros, borrachas, papéis e tecidos. Assim sendo, a amostra compôs-se de quarenta e quatro empresas. 3.2 Método de investigação A pesquisa foi realizada através de um questionário, enviado pelo correio, com monitoramento via telefone, para envio e retorno, obtendo assim um índice de 71% de retorno. Tabela 1: Total de questionários enviados e recebidos. CIDADE QUESTIONÁRIOS QUESTIONÁRIOS ENVIADOS RECEBIDOS Santo André 3 2 São Bernardo do Campo São Caetano do Sul 6 6 Diadema Total (71%) 4

5 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS Quanto ao número de funcionários podemos observar, Tabela 2, a participação de duas grandes empresas com mais de mil funcionários e que a grande participação está concentrada em empresas entre 51 até 250 funcionários com dezenove empresas totalizando 61% das respostas. A faixa de 126 a 250 funcionários apresentou a maior freqüência, com 35% das respostas. Tabela 2: Número de funcionários. FUNCIONÁRIOS FREQUÊNCIA % Até De 51 a De 126 a De 251 a De 501 a Acima de Total As respostas obtidas em relação ao faturamento anual das empresas estão apresentadas na Tabela 3. Tabela 3: Faturamento anual em dólares americanos. FATURAMENTO - US$ FREQUÊNCIA % Menos de De a De a De a Acima de Não respondeu 3 10 Total O faturamento anual acima de US$ de 18 empresas correspondendo a 58% do total das respostas, foi o valor de maior freqüência apresentado. As demais faixas apresentadas como opção tiveram uma distribuição uniforme com 34% do total de respostas. Devido ao fato de muitas empresas guardarem segredo sobre o seu faturamento tivemos como não respondentes três empresas totalizando 10% das respostas. As informações quanto aos sistemas de administração da produção utilizados pelas empresas constam na Tabela 4. A resposta Outro corresponde a um sistema diferente dos sistemas MRP II, JIT e OPT. Tabela 4: Sistemas de administração da produção utilizados pelas empresas. SISTEMAS FREQUÊNCIA % MRP II JIT 2 7 Outro 3 10 MRP II + JIT 6 19 Outro + JIT 1 3 Não respondeu 1 3 Total

6 O sistema de administração da produção MRP II é o mais utilizado pelas empresas, com 58% das respostas. O segundo sistema mais utilizado corresponde ao sistema integrado MRP II e JIT, com 21% do total. Destacamos também que o sistema JIT foi citado somente em 7% das respostas e que outro sistema totalizou 10% das respostas. Observamos ainda que os sistemas não integrados, ou seja, a utilização de um único sistema, corresponde a 75% do total, enquanto os sistemas integrados correspondem a 22% do total das respostas. Ao afirmarmos que o sistema atual atende plenamente às necessidades da administração da produção obtivemos como resposta os dados constantes na Tabela 5. Tabela 5: Sistema atual atende as necessidades. CONDIÇÕES FREQUÊNCIA % Discordo totalmente 2 7 Discordo 7 23 Indeciso 3 10 Concordo Concordo totalmente 3 10 Total Segundo os respondentes o sistema atual atende às necessidades da administração da produção em 60% dos casos enquanto que para 30% deles o sistema atual não atende a essas necessidades. Os indecisos totalizaram 10% das respostas. A Tabela 6 nos mostra o resultado das respostas relativo à afirmação que a utilização de um sistema integrado de administração da produção atenderá melhor as nossas necessidades. Tabela 6: Utilização de sistema integrado. CONDIÇÕES FREQUÊNCIA % Discordo totalmente 0 0 Discordo 0 0 Indeciso 5 16 Concordo Concordo totalmente Não respondeu 1 3 Total A utilização de um sistema integrado para melhor atender as necessidades da administração da produção teve um total de 81% de concordância sendo que 43% destas respostas correspondem à opção concordo totalmente. Os indecisos totalizaram 16% e nenhum respondente discordou da afirmação colocada. As variáveis relacionadas na Tabela 7 foram assinaladas pelos respondentes dentro de uma escala crescente de um a dez de acordo com as referências: baixa (1) e alta (10). 6

7 Tabela 7: Escala de utilização de variáveis. VARIÁVEIS FREQUÊNCIA DOS VALORES ATRIBUÍDOS VALOR MÉDIO Variedade dos produtos Complexidade dos roteiros Novos produtos introduzidos Complexidade das estruturas Variabilidade dos Lead-times Nível de controle Centralização na tomadade decisões Favorecimento de melhoria contínua Simplicidade do sistema A variedade dos produtos que fazem parte da linha de produção, com valor médio igual a oito, foi considerada alta pelos respondentes. A complexidade dos roteiros, com valor médio igual a cinco, indica que os roteiros obedecidos para manufaturar os produtos não são de baixa ou alta complexidade podendo considerar que este valor médio mostra uma situação de normalidade. A variável novos produtos introduzidos, com valor médio igual a quatro, indica que não são tão freqüentes as introduções de novos produtos na linha de produção dessas empresas. A complexidade das estruturas, com valor médio igual a cinco, indica que os respondentes consideram que os produtos que fazem parte da linha de produção têm uma estrutura, a qual é determinada pela quantidade de itens componentes e de subconjuntos que compõem um produto final considerado normal. A variabilidade dos lead-times de processo, com valor médio igual a seis, indica que há uma certa freqüência de mudança de posição das ordens de produção na fila de espera para serem processadas. O nível de controle, com valor médio igual a sete, indica que existe um processo de acompanhamento rígido do fluxo de materiais para os diversos setores dentro do processo produtivo. A centralização na tomada de decisões, com valor médio igual a seis, indica que a responsabilidade pela tomada de decisões no processo de planejamento e controle da produção está voltado para o programa de produção e que os operadores possuem uma certa responsabilidade para interferir no processo de estabelecimento do programa. O favorecimento de melhoria contínua, com valor médio igual a sete, indica que os respondentes entendem que os sistemas de administração da produção por eles utilizados favorecem o processo de melhoria contínua do processo produtivo. A simplicidade do sistema, com valor médio igual a seis, indica que os sistemas de administração da produção utilizados se aproximam mais de um sistema complexo do que um 7

8 sistema simples, ou seja, existe alguma complexidade para se alterar os sistemas para adaptálos à realidade de cada empresa. As próximas análises abordam o modelo proposto por Corrêa e Gianesi (1993, p. 172), segundo o qual a escolha de um sistema de administração da produção depende da análise de várias variáveis sendo que as que se referem ao sistema produtivo fazem parte do modelo proposto. Para analisarmos cada uma das variáveis pertencentes ao modelo proposto e as respostas obtidas através do questionário, reapresentamos na Figura 2 o modelo com uma escala numérica, a qual corresponde à mesma escala utilizada nas perguntas formuladas. Figura 2: Variáveis e sistemas aplicados. VARIÁVEIS SISTEMAS Variedade dos produtos JIT MRP II / OPT Complexidade dos roteiros JIT MRP II / OPT OPT Novos produtos introduzidos JIT MRP II / OPT OPT Complexidade das estruturas JIT JIT / OPT MRP II/ OPT MRP II Variabilidade dos leadtimes JIT MRP II OPT Nível de controle JIT MRP II / OPT MRP II Centralização na tomada de decisões JIT MRP II MRP II / OPT Favorecimento de melhoria contínua MRP II OPT JIT Simplicidade do sistema OPT MRP II JIT Fonte: Adaptado de Corrêa e Gianesi, 1993, p Analisando as respostas dadas, considerando que aos respondentes foi apresentada somente a escala numérica sem os respectivos sistemas, observamos que: a) Os sistemas utilizados pelas empresas não se adequaram aos sistemas propostos em nenhuma das seguintes variáveis: variedade dos produtos, complexidade dos roteiros, novos produtos introduzidos e complexidade das estruturas. b) Os sistemas utilizados pelas empresas se adequaram aos sistemas propostos de acordo com as variáveis: variabilidade dos lead-times (50%), nível de controle (15%), centralização na tomada de decisões (20%), favorecimento de melhoria contínua (20%) e simplicidade do sistema (46%). c) Os sistemas utilizados pelas empresas não se adequaram aos sistemas propostos, de acordo com o a totalidade das variáveis apresentadas, em nove empresas (35%). d) Os sistemas utilizados pelas empresas se adequaram aos sistemas propostos, de acordo com o a totalidade das variáveis apresentadas, em uma das variáveis (7%), em duas variáveis (35%), em três variáveis (19%) e em quatro das variáveis (4%). Os valores apresentados demonstram que houve uma baixa porcentagem de sistemas de administração da produção atualmente utilizados pelas empresas que se adequaram ao modelo proposto. 8

9 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Após trabalharmos estatisticamente as respostas decorrentes dos questionários recebidos e finalizarmos as análises necessárias, podemos efetuar as considerações finais através de um embasamento teórico. A utilização, de um modo integrado ou não, dos sistemas de administração da produção MRP II, JIT e OPT citados como referência na pesquisa, totalizou 90% das respostas e a utilização de um sistema de administração da produção diferente dos citados, 10%. Considerando os dados expostos em relação aos sistemas de administração da produção MRP II, JIT e OPT utilizados pelas empresas respondentes, observamos que: a) Das dezoito empresas que utilizam o sistema MRP II, dezessete delas (95%) responderam que não existe um estudo encaminhado à direção da empresa para substituir este sistema e treze delas (72%) concordaram com a afirmação proposta que o sistema atual atende plenamente às necessidades da administração da produção, e somente três empresas (17%) discordaram desta mesma afirmação. Portanto, tudo indica que o sistema MRP II realmente satisfaz aos objetivos estratégicos voltados para a área de produção, na maioria dessas empresas. Lembrando a afirmação de Corrêa e Gianesi (1993, p. 104): Os sistemas do tipo MRP II são mais adequados àquelas empresas cujos objetivos estratégicos prioritários forem aqueles privilegiados pela técnica: o cumprimento de prazos e a redução de estoques. b) O sistema JIT é utilizado por duas empresas (7%) e não existe um estudo encaminhado à direção das empresas para substituí-lo. Porém, uma das empresas respondeu que o sistema MRP II, se utilizado, daria melhores resultados e a outra reafirmou a utilização do próprio sistema JIT. Detectou-se, portanto, uma baixa utilização do sistema JIT, motivada talvez mais pelo fato de ele não contribuir com os objetivos estratégicos voltados para a área de produção do que pela falta de conhecimento deste sistema. c) As empresas participantes da pesquisa não utilizam o sistema OPT. Porém, cinco delas (16%) responderam que este sistema, se utilizado, daria melhores resultados do que o atualmente utilizado. Notamos nesta resposta uma expectativa positiva por parte das empresas quanto à mudança do sistema, porém não existem evidências que confirmam esta posição. Das empresas respondentes uma tem mais que mil funcionários e as outras quatro estão na faixa de 51 a 250 funcionários, levando-nos a crer que a indicação do sistema OPT não está correlacionada com o porte das empresas. Considerando os dados expostos em relação à utilização integrada dos sistemas de administração da produção MRP II, JIT e OPT pelas empresas respondentes, observamos que: a) Das cinco empresas que utilizam o sistema integrado MRP II e JIT, todas (100%) responderam que não existe um estudo encaminhado à direção para substituir este sistema, sendo que três das empresas (60%) concordaram com a afirmação proposta que o sistema atual atende plenamente às necessidades da administração da produção, e duas delas (40%) discordaram desta mesma afirmação. Todas (100%), porém, concordaram que a utilização de um sistema integrado de administração da produção atenderia melhor as suas necessidades. Podemos notar portanto, que das empresas respondentes que utilizam o sistema integrado MRP II e JIT, 19% delas concordaram que um sistema integrado atende melhor as suas necessidades sendo que, para 60% delas, este sistema integrado atende plenamente às necessidades da administração da produção, deixando assim a indicação de que há a possibilidade de 9

10 melhorar o atual sistema de administração da produção para 40% delas; contudo esta melhora deve passar por um sistema integrado. Novamente observamos uma expectativa de melhora por parte das empresas respondentes, não existindo evidências que confirmam esta posição. As empresas que utilizam um sistema integrado de administração da produção o fazem movido principalmente pelas diferentes necessidades das diversas seções produtivas. Trabalhar com diferentes lógicas para atender a diferentes necessidades, mesmo dentro de uma unidade produtiva, só demanda, muitas vezes, que mais de um sistema seja utilizado, de forma integrada. Corrêa, Gianesi e Caon (2000, p. 329). b) Observamos que uma empresa (3%) utiliza-se do sistema JIT integrado a outros sistemas diferentes do MRP II e OPT. Esta mesma empresa possui um estudo para substituí-lo por um sistema também integrado MRP II e OPT. Ao ser perguntado qual sistema daria melhores resultados do que o atualmente utilizado, esta mesma empresa indicou o sistema integrado MRP II, JIT e OPT e concordou que a utilização de um sistema integrado atenderia melhor as suas necessidades. Portanto, temos a evidência de um estudo apresentado à direção da empresa de substituição do atual sistema integrado por um outro, também integrado, indicando a importância da utilização dos sistemas integrados no atingimento dos objetivos estratégicos para a área de produção. c) As empresas não utilizam todas as demais possibilidades de integração entre estes sistemas, ou seja, o sistema MRP II e OPT, JIT e OPT e MRP II, JIT e OPT. d) As empresas respondentes não utilizam o sistema OPT de uma forma integrada. Todos os estudos encaminhados à direção visando à substituição do sistema atual não indicaram a utilização do sistema OPT e somente uma empresa (3%) respondeu que este sistema integrado com os sistemas MRP II e JIT, se utilizado, daria melhores resultados do que o atualmente utilizado. Embora decorridos alguns anos, podemos observar que a afirmação de Corrêa e Gianesi (1993, p.143), continua pertinente: O OPT, ao contrário do MRP II, não é uma técnica que já tenha caído no domínio público e, qualquer empresa que se decida por adotá-la deverá fazê-lo através das empresas que detêm os direitos de comercializá-la. Portanto, os dados nos confirmaram que o sistema MRP II é amplamente empregado pelas empresas respondentes; que o sistema JIT tem uma baixa porcentagem de utilização tanto de uma forma integrada ou não; e que o sistema OPT não é utilizado. As próximas considerações irão abordar o modelo proposto por Corrêa e Gianesi (1993), o qual envolve nove variáveis consideradas importantes na escolha estratégica do sistema de administração da produção. Considerando os dados apresentados e analisados quanto ao modelo proposto pelos autores mencionados e a baixa porcentagem de adequação dos sistemas utilizados pelas empresas respondentes às variáveis propostas, observamos que: a) Para o modelo proposto não cabe a indicação do sistema integrado MRP II e JIT por nenhuma das variáveis definidas e, em conseqüência, não há adequação a estas variáveis de 19% das empresas que são usuárias desse sistema. b) O fato das empresas não utilizarem o sistema OPT na forma integrada ou não, contribuiu em muito para que não houvesse adequação dos sistemas atualmente utilizados por elas às variáveis propostas, visto que em todas essas variáveis há indicação do sistema OPT. Sustentando esta posição, observamos no modelo proposto que o sistema integrado MRP II e OPT é indicado em seis das nove 10

11 variáveis e pelos dados apresentados, o sistema MRP II é amplamente utilizado pelas empresas, faltando então a integração com o sistema OPT. c) A baixa porcentagem (22%) de utilização de sistemas integrados de administração da produção não é, pela ótica das empresas, um fator determinante de descontentamento quanto a seus atuais sistemas de administração da produção, pois elas consideraram em 60% das respostas que o sistema atual atende plenamente às necessidades da administração da produção; porém, 81% dessas empresas concordaram que um sistema integrado atenderá melhor as suas necessidades. Considerando as respostas dadas a cada uma das variáveis pertencentes ao modelo proposto, o perfil da área de produção na maioria das empresas do setor de autopeças fica assim traçado: - A existência de uma grande quantidade de produtos diferentes na linha de produção exigindo assim sistemas de produção mais flexíveis, produzindo com maior freqüência menores quantidades. - O fluxo de materiais através das máquinas e setores dentro do processo produtivo, definindo a complexidade dos roteiros para se cumprir cada ordem de produção mostrou, pelos resultados, uma distribuição uniforme entre os roteiros mais complexos nas empresas que adotam o arranjo físico por processo, no qual as máquinas são agrupadas por terem funções semelhantes; e os roteiros menos complexos que favorecem os arranjos físicos por produtos, sendo a célula de produção um exemplo. - A introdução de novos produtos pelas empresas é baixa, levando a crer que há muitas semelhanças entre os produtos introduzidos e os já existentes, não demandando, dessa maneira, alterações substanciais no processo produtivo. - A quantidade de itens ou subconjuntos que compõem os produtos finais não é numerosa fazendo com que a estrutura do produto não seja complexa. - As ordens de produção que estão na fila de espera para serem processadas sofrem alterações de posição, alterando assim os lead times de produção dessas ordens, devido as freqüentes mudanças na programação da produção. - Existe um acompanhamento rígido das ordens de produção dentro do processo produtivo priorizando o cumprimento das datas limites estabelecidas para cada uma dessas ordens. - A tomada de decisão no processo de planejamento e controle da produção é centralizada no programa de produção, cabendo aos operadores um papel secundário nas decisões. - Existe a percepção pelas empresas de que os sistemas de administração da produção por elas adotados favorecem o processo de melhoria contínua; porém, é complexa a sua implantação e treinamento do pessoal envolvido. Embora o sistema MRP II seja o mais utilizado por essas empresas ele não favorece o processo de melhoria contínua, além de tratar-se de um sistema complexo, conforme Corrêa e Gianesi (1993). Existe então a possibilidade das empresas reavaliarem suas posições quanto à utilização do sistema MRP II, principalmente quanto a sua utilização de forma não integrada. 11

12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARNOLD, J. R. T. Administração de materiais: uma introdução. São Paulo: Atlas, CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 4 ed. São Paulo: Cortez, CONTADOR, J. C. Modelo para aumentar a competitividade industrial. São Paulo: Edgard Blücher, CORRÊA, H.L.; GIANESI, I.G. Just-in-time, MRP II e OPT: um enfoque estratégico. São Paulo: Atlas, ; CAON, M. Planejamento, programação e controle da produção: MRPII/ERP: conceitos, uso e implantação. 3. ed. São Paulo: Atlas, DIAS, M.A.P. Administração de materiais: uma abordagem logística. 4. ed. São Paulo: Atlas, GAITHER, N. ; FRAZIER, G. Administração da produção e operações. 8 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, GOLDRATT, E. M.; COX, J. A meta: administração dos gargalos de produção. São Paulo: Educator, HARDING, H. A. Administração da produção. São Paulo: Atlas, LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 4. ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, P. G. ; ALT, P. R. C. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, ; LAUGENI, F. P. Administração da produção. São Paulo: Saraiva, MAXIMIANO, A. C. A. Teoria geral da administração: da escola científica à competitividade na economia globalizada. 2. ed. São Paulo: Atlas, MONTANA, P. J. Administração. São Paulo: Saraiva, MOREIRA, D. A. Administração da produção e operações. São Paulo: Pioneira, OLIVEIRA, L. M. B. de; MORAES, W. F. A. de Coleta de dados realizada por questionário enviado pelo correio: método eficaz? São Paulo: Revista de Administração de Empresas, v. 34, n. 4, p , Jul./ Ago., ORLICKY, J. Material requirements planning. McGraw-Hill, PIRES, S. R. J. Gestão estratégica da produção. São Paulo: UNIMEP, PLOSSL, G. W. Administração da produção: como as empresas podem aperfeiçoar as operações a fim de competirem globalmente. São Paulo: Makron Books, ROCHA, D. Fundamentos técnicos da produção. São Paulo: Makron Books, RUSSOMANO, V. H. Planejamento e controle da produção. São Paulo: Pioneira, SCHONBERGER, R. J. Técnicas industriais japonesas: nove lições ocultas sobre a simplicidade. São Paulo: Pioneira, SELLTIZ, C. et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU, SINDIPEÇAS. Desempenho do setor de autopeças São Paulo, SLACK, N. Vantagem competitiva em manufatura. São Paulo: Atlas, ; CHAMBERS, S.; HARLAND, C.; HARRISON, A.; JOHNSTON, R. Administração da produção. São Paulo: Atlas, STEVENSON, W. J. Administração das operações de produção. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, WIGHT, O. Manufacturing resources planning: MRP II. Oliver Wight Ltd.,

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Noções básicas de Administração da Produção. Noções básicas sobre a evolução do Pensamento Administrativo. Papel estratégico e objetivos da produção. Estratégia de produção. Projeto em gestão

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Atualizado em: 10/08/2010

Atualizado em: 10/08/2010 Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves Autorizada pela Portaria nº 3.895-MEC DOU 26.11.2004 PLANO DE DISCIPLINA 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina: Administração

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Investigando o Processo Decisório de Implantação de Sistemas de Administração da Produção em Pequenas Empresas: um Estudo de Caso no Segmento Têxtil

Investigando o Processo Decisório de Implantação de Sistemas de Administração da Produção em Pequenas Empresas: um Estudo de Caso no Segmento Têxtil Investigando o Processo Decisório de Implantação de Sistemas de Administração da Produção em Pequenas Empresas: um Estudo de Caso no Segmento Têxtil Giancarlo Nonnemacher giancarlo@aluno.faccat.br FACCAT

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS PROJETO DE PESQUISA ALUNOS DO 7ºNA SALA 641: JOSÉ CARLOS DOS SANTOS PRONT: 21746 EVERSON NEPOMUCENO PEREIRA PRONT: 21799

Leia mais

Just in Time Massagista JIT?

Just in Time Massagista JIT? Just Just in Time Time Massagista JIT? Planejamento e Controle Just-in-Time Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção Just-in-Time Entrega de produtos e serviços apenas quando são necessários

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS DE MELHORIA DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALÚRGICA

DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS DE MELHORIA DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALÚRGICA DIAGNÓSTICO E PROPOSTAS DE MELHORIA DO SISTEMA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALÚRGICA DANIEL DARIN BRASILEIRO (UFC) DANIELDARIN@GMAIL.COM Sergio Jose Barbosa

Leia mais

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR

O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR O controle de produção usado por empresas madeireiras de pequeno e médio porte da cidade de Ponta Grossa PR Marcos Aurélio Zoldan (CEFETPR) mazo@pg.cefetpr.br Drª Magda Lauri Gomes Leite (CEFETPR) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

Identificação dos problemas relacionados ao planejamento e controle da produção em uma empresa de fundição que opera no sistema make to order.

Identificação dos problemas relacionados ao planejamento e controle da produção em uma empresa de fundição que opera no sistema make to order. Identificação dos problemas relacionados ao planejamento e controle da produção em uma empresa de fundição que opera no sistema make to order. Alexandre de Castro Moura Duarte Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção DISCIPLINA: (considerando que Gestão de Materiais será tratada em outra disciplina - se não, sugere-se uma seção sobre o tema baseada no Capítulo 2 do livro de Corrêa, Gianesi e Caon, 2.001) PROFESSOR:

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Este capítulo objetiva apresentar alguns Sistemas Produtivos Industriais: Planejamento das Necessidades de Materiais (MRP); Planejamento dos

Este capítulo objetiva apresentar alguns Sistemas Produtivos Industriais: Planejamento das Necessidades de Materiais (MRP); Planejamento dos Capítulo 8 Sistemas Produtivos Industriais Este capítulo objetiva apresentar alguns Sistemas Produtivos Industriais: Planejamento das Necessidades de Materiais (MRP); Planejamento dos Recursos de Manufatura

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: O USO DA SIMULAÇÃO DO PREACTOR EM UMA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEIVID MARQUES NUNES (UNIMINAS) deivid_ep@hotmail.com

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

Sistemas de produção MRP & MRP II

Sistemas de produção MRP & MRP II Anais de Trabalhos Premiados Sistemas de produção MRP & MRP II Christian Botelho Lopes (Mecatrônica Industrial FATEC - Garça/SP) Email: christian.bl@hotmail.com Renan Henrique da Silva (Mecatrônica Industrial

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção e Operações II Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Natureza

Leia mais

2. Planejamento e Controle da Produção

2. Planejamento e Controle da Produção 15 2. Planejamento e Controle da Produção O mercado torna-se a cada dia mais exigente e o dominio de novas tecnologias, de novos processos ou então sistemas e técnicas, é uma grande preocupação para as

Leia mais

TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES): FLÁVIO

Leia mais

Tema - Sistemas de Administração da Produção

Tema - Sistemas de Administração da Produção Tema - Sistemas de Administração da Produção Curso Disciplina Tema Professor MBA em Engenharia de Produção Gestão da Produção Sistemas de Administração da Produção John Jackson Buettgen Introdução Neste

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO.

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. 1 A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Aline Carla Herrero Alves Elizabete Alves dos Santos Francisco Cesar Vendrame Jovira Maria Sarraceni Máris

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Eduardo Dias Ferreira Belo Horizonte Agosto 2006 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivo... 4 1.1.1 Objetivo Geral... 4 1.1.2

Leia mais

PRÁTICAS DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: estudo de caso em indústria calçadista

PRÁTICAS DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: estudo de caso em indústria calçadista 546 PRÁTICAS DE PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO: estudo de caso em indústria calçadista Paulo Cezar Silva - FATEC Érica Ap. Araújo - USP Fatec 1. Introdução As indústrias calçadistas do

Leia mais

A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO. Palavras-chave: Just in time. Produção. Aumento de produtividade

A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO. Palavras-chave: Just in time. Produção. Aumento de produtividade RESUMO A FILOSOFIA JUST IN TIME COMO OTIMIZAÇÃO DO MÉTODO DE PRODUÇÃO Valério Givisiez Vilete Santos FACE - Faculdade Casa do Estudante Aracruz ES e-mail: vgvsantos@gmail.com.br 04/09/2014 A não existência

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto

Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Como determinar os sistemas de controle da produção a partir da lei de pareto Alessandro Lucas da Silva (EESC-USP) als@sc.usp.br Gilberto Miller Devós Ganga (EESC-USP) gilberto_mdg@yahoo.com.br Roberta

Leia mais

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME

LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME 1 LAYOUT IMPACTANDO DIRETAMENTE NOS CUSTOS DE PRODUÇÃO: LUCRO NA PRODUÇÃO COM ÊNFASE NO JUST-IN- TIME Marcio Alves Suzano, M.Sc. Marco Antônio Ribeiro de Almeida, D.Sc. José Augusto Dunham, M.Sc. RESUMO.

Leia mais

Redução de custos por meio de departamentalização por família de produtos. Pesquisa Ação Numa Linha de Transformadores.

Redução de custos por meio de departamentalização por família de produtos. Pesquisa Ação Numa Linha de Transformadores. Redução de custos por meio de departamentalização por família de produtos. Pesquisa Ação Numa Linha de Transformadores. Anderson do Nascimento Jorge Muniz Universidade Estadual Paulista - UNESP RESUMO

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo

Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Aumento da eficiência na programação do sistema de produção em moinho de trigo Maico Jeferson de Oliveira (UTFPR) maico@agraria.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ANÁLISE DOS SISTEMAS DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Clarissa Fullin Barco (UFSCar)cfbarco@hotmail.comFábio Barbin Villela (UFSCar)fbvillela@yahoo.com.br A inspiração para este estudo vem de uma

Leia mais

FUNDAMENTOS DA INTEGRAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS LEAN MANUFACTURING, MRP II E TOC

FUNDAMENTOS DA INTEGRAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS LEAN MANUFACTURING, MRP II E TOC FUNDAMENTOS DA INTEGRAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS LEAN MANUFACTURING, MRP II E TOC João Murta Alves Instituto Tecnológico de Aeronáutica -ITA IEMB / IEM Praça Mal. Eduardo Gomes, 50 - São José dos Campos - SP

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DA PRODUÇÃO ENXUTA E SUAS FERRAMENTAS EM UMA FÁBRICA DE AUTOMÓVEIS SITUADA EM GRAVATAÍ-RS Eduardo Bezerra dos Santos (CESUPA) eduardosnts13@gmail.com Pedro Henrique Bueno Meirelles

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

07/02/2015 1901-1972 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

07/02/2015 1901-1972 BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTA Ementa: Conceitos e estrutura da administração de produção. Sistemas de produção. Planejamento e controle da produção. Desenvolvimento de novos produtos. Técnicas modernas de administração de produção.

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII

TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO: INTEGRANDO KANBAN E MRPII CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios.

Just In Time (JIT) é uma abordagem disciplinada, que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. Fascículo 6 Planejamento e controle Just In Time Entendendo o Just In Time Just In Time, cuja tradução para o português resulta em algo não muito claro Apenas a Tempo, corresponde a atividade de produzir

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

O planejamento e controle da produção em uma cooperativa do setor agroindustrial

O planejamento e controle da produção em uma cooperativa do setor agroindustrial O planejamento e controle da produção em uma cooperativa do setor agroindustrial Edimar Marcon (UFOP) edimarcon@yahoo.com.br Nayara Franciele Silva (UFOP) nayara_fram@yahoo.com.br Paulo Roberto do Nascimento

Leia mais

MRP II E MANUFATURA ENXUTA: VANTAGENS, LIMITAÇÕES E INTEGRAÇÃO

MRP II E MANUFATURA ENXUTA: VANTAGENS, LIMITAÇÕES E INTEGRAÇÃO MRP II E MANUFATURA ENXUTA: VANTAGENS, LIMITAÇÕES E INTEGRAÇÃO João Murta Alves Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA - Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica - IEM Praça Mal. Eduardo Gomes, 50

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÕES DE UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO Edilaine Cristina Duarte de Souza Flávia Galdino Silva Com a concorrência acirrada nos dias de hoje, com grandes mudanças a todo tempo,

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Universidade do Sagrado Coração

Universidade do Sagrado Coração Universidade do Sagrado Coração Questões Administração da Produção II 1. DEFINA QUALIDADE Qualidade é a conformidade com os padrões estabelecidos pela organização para um determinado produto, mas também

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE E PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE CABINES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS

IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE E PRODUÇÃO: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DE CABINES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& IMPLEMENTAÇÃO DE KANBAN DE FORNECEDOR, TRANSPORTE

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALMECÂNICA RESUMO

GESTÃO DE PROCESSOS: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALMECÂNICA RESUMO GESTÃO DE PROCESSOS: ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALMECÂNICA RESUMO Elisabeth Carlsson Koehler 1 Franciele Lemos Paiva 2 João Antônio Almeida Berti 3 Tiago Gulewicz 4 João Antônio Cervi 5 Com alta

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Faculdades Integradas Teresa D Ávila

Faculdades Integradas Teresa D Ávila Faculdades Integradas Teresa D Ávila CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Reconhecido pela Portaria Ministerial nº. 4.571 de 28/12/05 e publicado no DOU em 29/12/05. Componente Curricular: Administração da Produção

Leia mais

UM MODELO HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DO MRP II COM A MANUFATURA ENXUTA

UM MODELO HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DO MRP II COM A MANUFATURA ENXUTA UM MODELO HÍBRIDO DE GESTÃO DA PRODUÇÃO ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DO MRP II COM A MANUFATURA ENXUTA João Murta Alves Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA - Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

ESTOQUE ZERO MITO OU REALIDADE PARA A SITUAÇÃO BRASILEIRA?

ESTOQUE ZERO MITO OU REALIDADE PARA A SITUAÇÃO BRASILEIRA? ESTOQUE ZERO MITO OU REALIDADE PARA A SITUAÇÃO BRASILEIRA? Claudia Carrano Almeida davidv@fatecnet.ufsm.br David V. de Oliveira davidv@fatecnet.ufsm.br Helga H. S. Perlin helgaperlin@zipmail.com.br Ramaswami

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A FILOSOFIA JUST-IN-TIME (JIT)

CONSIDERAÇÕES SOBRE A FILOSOFIA JUST-IN-TIME (JIT) CONSIDERAÇÕES SOBRE A FILOSOFIA JUST-IN-TIME (JIT) Francisco Estevam Martins de Oliveira * 1 INTRODUÇÃO O cenário mundial tem se caracterizado por mudanças tão radicais e rápidas que uma década parece

Leia mais

Aplicação do JIT/MRP e célula de montagem flexível em empresa de autopeças para aumento da produtividade

Aplicação do JIT/MRP e célula de montagem flexível em empresa de autopeças para aumento da produtividade 1 Aplicação do JIT/MRP e célula de montagem flexível em empresa de autopeças para aumento da produtividade RESUMO A indústria de manufatura devido a exigências do mercado tem sentido a necessidade de aumentar

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

MAPEAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS MRP S NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES DO SETOR METAL-MECÂNICO DO VALE DO ITAJAÍ/SC

MAPEAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS MRP S NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES DO SETOR METAL-MECÂNICO DO VALE DO ITAJAÍ/SC ISSN 1984-9354 MAPEAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS MRP S NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTES DO SETOR METAL-MECÂNICO DO VALE DO ITAJAÍ/SC André Luís Almeida Bastos (FURB/UFSC/UNIFEBE) Henriette Damm

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA MRP NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS INDUSTRIAIS Domingos Alves Corrêa Neto José Delázaro Filho SUMÁRIO

A INFLUÊNCIA DO SISTEMA MRP NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS INDUSTRIAIS Domingos Alves Corrêa Neto José Delázaro Filho SUMÁRIO A INFLUÊNCIA DO SISTEMA MRP NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS INDUSTRIAIS Domingos Alves Corrêa Neto José Delázaro Filho SUMÁRIO 1. Introdução 2. O sistema MRP 2.1. A lógica do cálculo das necessidades de materiais

Leia mais

OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS

OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS Leonardo Almeida Favaro (UCS ) lfavaro@agrale.com.br Carlos Alberto Costa (UCS ) cacosta@ucs.br Marcos Alexandre Luciano

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Produção Industrial 4ª Série Gerenciamento da Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais