PARA TODXS: POR UMA NOVA MARCAÇÃO DE GÊNERO NA LÍNGUA PORTUGUESA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TOD@S PARA TODXS: POR UMA NOVA MARCAÇÃO DE GÊNERO NA LÍNGUA PORTUGUESA."

Transcrição

1 PARA TODXS: POR UMA NOVA MARCAÇÃO DE GÊNERO NA LÍNGUA PORTUGUESA. Leonardo Teixeira de Freitas Ribeiro Vilhagra 1 ANIMA X ANIMUS A mulher é o reflexo invertido da mulher interior do homem O homem é o reflexo invertido do homem interior da mulher A mulher é a miragem do caminho do homem em busca de si mesmo O homem é a miragem do caminho da mulher em busca de si mesma A mulher que se busca está dentro de cada homem O homem que se busca está dentro de cada mulher Transpaixão, Waldo Motta. Resumo: Com os estudos de gênero de Butler (2008), podemos observar que a expressão da sexualidade vai além do biformismo homem/mulher, demonstrando-se como plural, histórica e construída performaticamente, combatendo os vários discursos heteronormativos vigentes. Aliás, segundo Foucault (1993,) a sexualidade contemporânea pode ser examinada por meio dos mecanismos de poder e do saber que lhes são próprios e pelos quais os indivíduos se reconhecem como sujeitos sexuados. Dentre tais mecanismos heteronormativos, podemos identificar na área da linguística, mais especificamente na marcação de gênero no Português Brasileiro - os morfemas a e o -, como um exemplo disso. Contudo, devido às outras formas de manifestações de sexualidades (transgêneros, transexuais, homossexuais etc.), houve também novas modalidades de marcação de gêneros que acompanharam tal processo identitário. Logo, este trabalho objetiva analisar o emprego do x e em substantivos da língua portuguesa na linguagem verbal escrita, como novas variantes linguísticas de representações da sexualidade. Palavras-chave: Gênero; Lexicologia; Heteronirmativismo. Ao problematizar o movimento feminismo, Butler (2008) foca a maneira pela qual esse grupo concebe a relação gênero e sexo. Para algumas feministas da época, inspiradas, principalmente, em Simone de Beauvoir e Betty Friendan, a opressão das mulheres se alicerçava em uma distinção entre sexo (característica biológica/natural) e gênero 1 Graduando de Letras Português da Universidade Federal do Espírito Santo.

2 (característica social/cultural) associados a um determinismo fisiológico (vagina x pênis), os quais são categóricos para a construção das identidades sexuadas na nossa sociedade. Porém, a autora não se limita nesses quesitos e vai além. Consoante a Butler (2008), o gênero não deve ser encarado como a fonte do determinismo sexual, mas sim como construções sociais e culturais as quais dão origem a naturalização das categorias masculino e feminino. Esse bimorfismo (homem/mulher) nada mais é do que um discurso forjado, edificado e, principalmente, repetido ao longo do tempo, a fim de legitimar a sua condição de norteador identitário sexual. Aliás, Butler aponta a heterossexualidade e o falocentrismo como as categorias pelas quais o poder e o discurso moldam o gênero, no momento em que a categoria das mulheres só alcança estabilidade e coerência no contexto da matriz heterossexual (BUTLER, 2008, p. 23). A partir disso, os comportamentos se desenvolvem: Crianças meninos brincam de carrinhos e crianças meninas brincam de boneca; Jovens meninos usam calça e jovens meninas usam saia; Adultos homens se relacionam com mulheres, adultos mulheres se relacionam com homens etc. O conceito de gênero, neste contexto, legitima essa ordem, aprisionando o sexo em uma categoria invulnerável, distante de qualquer crítica. O gênero não deve ser meramente concebido como a inscrição cultural de significado num sexo previamente dado, [...] tem de designar também o aparato mesmo de produção mediante o qual os próprios sexos são estabelecidos (BUTLER, 2008, p. 25). O emprego do gênero, por conseguinte, realizaria uma falsa sensação de segurança, de fixação cuja matriz heterossexual firmaria os dois grandes polos, homem e mulher. Promoveria, assim, um discurso de verdade, que fornece inteligibilidade e lógica, proporcionando a conservação de tal ordem de maneira compulsória. Nesse contexto, inclusive, podemos nos perguntar: Como tal lógica se perpetua e se estabelece? Pois bem, existem inúmeras maneiras de se reafirmar e reforçar essa modalidade de pensamento. Para Butler (2008), encontramos em nossas roupas, em nossas cores, em nosso comportamento diário, gesticulando, nos processos simbólicos. Ou seja, trata-se de uma performatividade. Paralelamente a isso, devemos, também, recorrer ainda aos estudos de Foucault, rememorando os conceitos de discurso, poder e a heteronormatividade, os quais, junto com a visão de Butler (2008), são essenciais. Para o filósofo francês, o discurso é uma atividade que

3 não só legitima e produz verdades, mas também é um mecanismo significativo das relações de poder, ele ainda reafirma que o poder não é um instituição e nem uma estrutura, não é uma certa potência de que alguns sejam dotados: é o nome dado a uma situação estratégica e complexa numa sociedade determinada (FOUCAULT, 1993, p. 103) Logo, a partir disso, é válido afirmar que a atividade discursiva molda a realidade circundante, articulando as hierarquias sociais e a diferenciações entre os sujeitos. Neste viés, o discurso deixa de ser um conjunto de signos e ganha uma qualidade de práticas que formam sistematicamente os objetos de que falam (1987, p. 56). Abrange-se, assim, a prática discursiva, indo desde uma conversa fiada despretensiosa até uma palestra acadêmica. Contudo, devemos considerar que essa atividade é efetuada não de maneira aleatória, e sim de forma controlada, selecionada, organizada e redistribuída por certo número de procedimentos que têm por função conjurar seus poderes e perigos (FOUCAULT 1999, p. 8). Levando em consideração a contribuição de Foucault, podemos inferir tais características ao discurso heteronormativo vigente. Segundo Weeks (2010), a legitimação da heteronormatividade ocorrida entre os séculos XIX e XX se sustentou em discursos de identidades sexuais normais e anormais. Ou seja, as outras manifestações de sexualidade são marginalizadas. Louro (2010) também corrobora com isso. Para ela, a sociedade busca, intencionalmente através de múltiplas estratégias e táticas, fixar uma identidade masculina ou feminina normal e duradoura. Esse intento articula, então, as identidades de gênero normais a um único modelo de identidade sexual: a identidade heterossexual (LOURO, 2010, p. 26) Logo, notamos que o discurso heteronormativo, na sua condição de produtor de verdade e um regulador das estratégias de poder, além de reforçar a matriz heterossexual, exclui as outras manifestações da sexualidade humana. E, como vimos anteriormente em Butler (2008), o gênero não se atém ao determinismo do bimorfismo fisiológico humano. Ele, pois, é uma construção sociocultural reafirmada historicamente e que vai muito além do binômio homem/mulher. Contudo, dentre as várias formas, modalidades e nos mais diversos âmbitos sociais desse fato apresentado aqui, este trabalho ater-se-á na investigação do nível linguístico, isto é, no patamar da linguagem, de um novo fenômeno da língua portuguesa que não apenas acompanha a teoria da concepção de Gênero de Butler (2008), como também rompe com o

4 discurso heteronormativo. Ele seria a eclosão de uma nova marcação de gênero nos substantivos da língua portuguesa. Ora, se tal lógica heteronormativa se manifesta em diferentes níveis, por que não no linguístico? Ademais, talvez seja uma das manifestações mais sutis e também uma das mais impetuosas, afinal, segundo Foucault (2012), a anatomia política está no detalhe, no pormenor, tal qual em uma simples letra. Estamos falando aqui do surgimento de palavras, como: políticxs, garotx etc. A princípio, quando nos deparamos com elas, pensamos se tratar de um desvio de grafia. Elas, no entanto, representam uma revolução no tratamento linguístico do gênero, além de um ativismo político transgressor em relação à matriz heterossexual. Há nelas uma desconstrução do gênero na língua portuguesa, acrescentado, agora, um terceiro gênero, aos já existentes masculino e feminino. Inclusive, não é um caso exclusivo da língua portuguesa, podendo ser constatado também no Latim e no Espanhol, por exemplo. Antes de aprofundarmos no assunto, todavia, é mister considerar que esse comportamento flexível, mutável e plástico da palavra não é por acaso. Ela é produto das transformações da realidade e do ser humano as quais também são flexíveis, mutáveis e plásticas. A matéria prima de nossa comunicação verbal é o mundo que nos cerca. Nele, encontramos pessoas, coisas, lugares, ideias etc. Para que nós nos direcionemos a isso tudo, contudo, dependemos de algo que faça esse papel de mediador entre o que queremos enunciar e aquilo que enunciamos. Neste contexto, encontramos o léxico. Segundo Basilio o léxico é uma espécie de banco de dados previamente classificados, um depósito de elementos de designação, o qual fornece unidades básicas para a construção dos enunciados. O léxico, portanto, categoriza as coisas sobre as quais queremos nos comunicar, fornecendo unidades de designação, a palavra, que utilizamos na construção dos enunciados (BASILIO, 2011, p. 9). Dentro de qualquer língua natural, é inegável a presença da sintaxe, da semântica, fonética e fonologia e outros campos do saber que a compõe. No entanto, necessita-se de uma unidade constitutiva que proverá o enunciado de cada falante. Daí a importância do léxico. Contudo, com o passar do tempo, o mundo, e tudo que nele está contido, passa por transformações e mudanças. Novas fronteiras são demarcadas, o conhecimento é atualizado,

5 mentalidades são questionadas. À medida que o mundo é modificado, o léxico também o é. Logo, percebemos um caráter dinâmico dele, não estático. Essa visão transformadora é confirmada por Basilio. Para ela, o léxico não é apenas um conjunto de palavras. Como sistema dinâmico, apresenta estruturas a serem utilizadas em sua expansão. Essas estruturas, [...], permitem a formação de novas unidades no léxico como um todo e também a aquisição de palavras novas por parte de cada falante. (BASILIO, 2011, p. 9). As mudanças das palavras, enfim, acompanham as transformações do mundo. E, nesse viés, temos as mudanças das marcações de gênero na língua portuguesa. Com as novas manifestações da sexualidade fora da matriz heterossexual (homossexuais, transgêneros etc.) houve a necessidade de uma nova marcação de gênero diferentemente da existente. Assim, neste trabalho, pretendemos analisar como as novas formas x se estabelecem nos substantivos da língua portuguesa. Para isso, revela-se a importância de compreender como se sucede a marcação do gênero na língua portuguesa, investigando como isso ocorre, para, depois, analisarmos as implicações dessa nova marcação e como ela se comporta em relação às outras. Para Bechara (2009), a língua portuguesa concebe dois gêneros: Masculino e Feminino. Uma das maneiras de evidenciar isso é a anteposição do artigo o e a. Ou seja, cada substantivo está em um desses grupos, como, o sol é masculino, devido ao artigo o estar antes do substantivo sol. Já a casa é feminina, pois o artigo a se posiciona primeiro do que o substantivo casa. Outra maneira é pela flexão por meio da Desinência de Gênero a qual representa o morfema sufixal, conforme Zanotto (1986) afirma. Ela elenca seis casos nos quais esse processo acontece. 2 R DG R VT + DG R VT + alternância /ê/ para /é/ + ditongação /é/ para /éy/ + DG Cantor / Cantor-a Pat-o / Pat-a Europeu (Europêu) / Europeia (Européi-a) Ateu (atêu) / ateia (atéi-a) 2 R: Radical; VT: Vogal Temática e DG: Desinência de Gênero.

6 R - VT + alternância /ê/ para /i/ + DG Judeu (judêu) / Judi-a (judía) R VT + alternância /é/ ou /a/ para /ô/ + DG Sandeu (Sandêu) / Sandi-a (Sandía) Ilhéu / Ilho-a (Ilhôa) R VT + Consoante Nasal + Desnasalização + DG Tabaréu / tabaroa (tabarôa) Solteirã-o / solteiron-a Leã-o / Leo-a Outra maneira que isso ocorre é através da Derivação, baseado nos sufixos derivacionais nos radicais dos substantivos. Ela enumera três casos: R VT + Sufixo Derivacional Gal-o / Gal-inha R Sufixo Derivacional Cond-e / Cond-essa Czar / Czar-ina R VT Cônsul / Consulesa Réu / Ré Irmão / Irmã Aliás, segundo Luft (2008), ainda temos os substantivos de gênero único, os quais são divididos em sobrecomuns e epicenos. Estes apresentam um só gênero gramatical para designar animais: o albatroz, a águia, o jaguar, a borboleta. Já aqueles são substantivos que apresentam um gênero gramatical para representar pessoas: o cônjugue, a criança, o indivíduo. Contudo, embora haja toda essa distinção na marcação do gênero nos substantivos, e na língua portuguesa em geral, existe o que Bechara (2008) denomina como Inconsistência do gênero gramatical. Para ele, a tradição do gênero nos substantivos não tem fundamentos racionais, exceto a tradição fixada pelo uso e pela forma (BECHARA, 2008, p. 133 grifos nossos). De maneira similar, encontramos isso em Costa (2010). Para o autor, ao se referir a um objeto cheio de páginas com letras e imagens grafadas nele, haveria uma escolha lógica para nomeá-lo como livro? Comentando sobre o legado de Saussure, ele ainda arremata:

7 Afirmar que o signo linguístico é arbitrário, como fez Saussure, significa reconhecer que não existe uma relação necessária, natural, entre a sua imagem acústica (seu significante) e o sentido a que ela nos remete (seu significado). Isso significa dizer que o signo linguístico não é motivado, e sim cultural, convencional, já que é resultado do acordo implícito realizado entre os membros de uma determinada comunidade. Trata-se, portanto, de uma convenção (COSTA, 2010, p ). Percebemos, dessa maneira, que a marcação de gênero dentro de uma língua é sim um produto social e convencionada pelos seus falantes e, por sua vez, na língua portuguesa também. Inclusive, resgatando as contribuições iniciais de Butler (2008), Foucault (1987, 1993, 2005 e 2007), Louro (2010) e Weeks (2010), observamos que esses processos de marcação do gênero da língua portuguesa apresentados anteriormente não só se caracterizam como fenômenos históricos, socioculturais, alicerçados em um discurso e tradição heteronormativo, como também não representam as outras formas de expressão de gênero além do masculino/feminino. É nesse contexto que a meta deste trabalho se insere. Com a recente afirmação dos grupos LGBT, através de uma forte militância e ativismo político, além de outros eventos a favor desse grupo minoritário, como a retirada, em 17 de maio de 1990, do homossexualismo da lista internacional de doenças, passando a se denominar homossexualidade 3 e, em um contexto brasileiro, a formulação da PL 5002/ 2013, ou Projeto de Lei João W Nery, a qual permite mude de nome de acordo com o gênero, conforme ela se identifica e também concede aos maiores de idade a cirurgia de mudança de sexo sem a obrigação de análise psicológica, ou autorização judicial, a afirmação desse grupo se consolidou significativamente. Concomitantemente, surgiram no âmbito da linguagem, mais especificamente na língua portuguesa não se sabe dizer quando as novas marcações de e x, principalmente, no meio virtual. Podemos ilustrar esse fenômeno nos exemplos abaixo: 1º exemplo: * Estamos considerando culturais, ou seja, profissionais que atuam em áreas de relacionamento com a população Policiais, etc.) Vale lembrar que o sufixo ismo representa, dentre outros sentidos, patologias, como, Alcoolismo. Porém, com o tempo, alguns grupos feministas, LGBT e teóricos da área utilizam homossexualidade, com sufixo idade, por se tratar de um sufixo que, dentre outros significados, representa expressões do ser humano. 4 Acesso em 29 de junho de 2014.

8 2º exemplo: Posso não ter mais sua mão, mas não quero parar / Me nego, renego a este ciclo de merda!! / Continuarei unx meninx utopistx marchando, / Olhos baixos, sem receio de um último tombo!!!. 5 Tendo em vista isso, portanto, passaremos a analisar as características dessa nova marcação de gênero e como ela se manifesta no português brasileiro. A primeira característica que observamos é que ambos os fenômenos se sucedem, essencialmente, na linguagem verbal escrita. Ou seja, no plano da fala, não existiria por hora, até o presente momento da configuração deste trabalho. Isso se deve a não associação de um fonema característico dessas duas desinências a uma letra. Segundo Malberg (1954), A linguagem constrói-se com pequenas unidades que se agrupam para formar outras unidades cada vez maiores. O que nós ouvimos quando escutamos e o que nós produzimos ao falar são cadeias de som mais ou menos longas, mas sempre complexas e capazes de serem analisadas em unidades muito pequenas. As consoantes juntam-se com as vogais para formar sílabas. As sílabas, juntas; formam grupos, frases e períodos (MALMBERG, 1954, p. 101). Reparamos que a linguagem é constituída de unidades menores que vão formando outras unidades maiores até atingirem níveis mais complexos. Tal comportamento das línguas é denominado, segundo Martelotta (2010), como Dupla Articulação. Dupla articulação, pois existem dois tipos diferentes de unidades: os morfemas e os fonemas (MARTELOTTA, p. 39, 2010). Os morfemas compreendem a menor unidade significativa da estrutura gramatical de uma língua, podendo interferir no sentido da combinação para formar uma palavra qualquer. Eles são os radicais, vogais temáticas, afixos e desinências. Ilustrando melhor isso, podemos ver, como exemplo, a palavra garotos. Dividindo-a conforme seus morfemas, teremos o seguinte: garot o s Garot = Radical / o= desinência de gênero / s= desinência de número. 5 Acesso em 29 de junho de 2014.

9 Já os fonemas são as estruturas fonológicas das línguas. Elas que dão corpo sonoro ao vocábulo e contém valor distintivo. Fracionando a mesma palavra a partir deles, temos o seguinte caso: garotos: /g/ /a/ /r/ /o/ /s/ /t/ /o/ /s/ Isso também é confirmado por Higounet (2003). Ao falar sobre a história da escrita na humanidade, Higounet (2003) define que, até alcançar o sistema alfabético que se tem hoje, as línguas grafas necessitaram ascender três etapas: A escrita sintética, a escrita analítica e a escrita fonética. A primeira seria que um sinal, ou desenho, exprimisse uma frase inteira, ou ideias de uma frase. A escrita analítica foi quando cada sinal notaria uma palavra isoladamente. A última, por fim, é a fonética, a qual seria a escrita que representasse o som de letras contidas em uma determinada língua. Aliás, a língua portuguesa se encontra nessa última etapa. É conveniente, retomando Martelotta (2010), que, embora a troca de um fonema acarrete na mudança de sentido, o fonema não é um morfema, pois aquele não indica informação alguma acerca do sentido ou da estrutura gramatical (MARTELOTTA, p. 39, 2010). Falando a respeito do fonema, aliás, isso nos leva a outra singularidade dessas novas marcações de gênero. A segunda característica é a respeito da tonacidade. quanto x são áfonos. A condição de afonia desses morfemas se deve ao fato que não há até o presente momento um som associado a eles na língua falada, diferentemente dos processos de marcação de gênero nos substantivos vistos anteriormente em Bechara (2009) e em Zanotto (1986). Como essas novas marcações preenchem os espaços das desinências de gênero tradicionais ou garotx) acabam, ainda que não possuam fonemas, assumindo o papel de marcador de gênero dos substantivos utilizados para designação as manifestações da sexualidade além da matriz heterossexual humana. A afonia dessas desinências de gênero abre espaço para a última característica: a representação inter-semiótica do signo. Em Jakobson (1995), o autor principia seu texto sinalizando sobre os aspectos linguísticos da tradução. Nele, informa-se que o significado das palavras não depende de um fato nãolinguístico, pois necessita do auxílio do código da

10 linguagem em questão. Ademais, para ele, o significado linguístico nada mais é do que a sua tradução por outro signo que lhe pode ser substituído. Nesse viés, Jakobson (1995) determina três espécies de tradução de um signo. A tradução referente à meta desse trabalho é a tradução inter-semiótica. Ela consiste na interpretação dos signos verbais por meio de sistemas de signos não-verbais (JAKOBSON, 1995, p. 65). As desinências de e x são produtos dessa tradução. Isso é constatado a partir da forma gráfica pela qual cada uma é constituída. A desinência de é oriunda do símbolo arroba, o qual, a partir de uma evolução tipográfica desde a idade média, passou a ser utilizada nos teclados das máquinas de escrever inglesas do século XIX. Já no século XX, Roy Tomlinson, ao criar o programa de correio eletrônico (o ), usou o (simbolizando at da língua inglesa, que significa a preposição em ) no meio do nome do usuário e do nome do provedor. Daí que surgiu isto é, usuário no provedor X. Porém, com a tradução inter-semiótica efetuada pelos usuários da língua, esse signo passou a ser uma desinência de gênero devido a sua duplicidade gráfica. A imagem (linguagem nãoverbal) do seria o englobamento da letra a pela letra o, aquela estaria inserida nesta. Tradicionalmente, na língua portuguesa, a se refere ao feminino e o ao simboliza não só a união de ambos, mas também a representação das outras manifestações dos gêneros sexuais. Essa imagem se tornou, assim, um morfema, mais especificamente, uma desinência de gênero (linguagem verbal), configurando a tradução inter-semiótica. De maneira similar ocorre com a desinência de gênero x. No momento da tradução intersemiótica, esse signo passou a ser uma desinência de gênero por causa de sua neutralidade gráfica. A imagem (linguagem não-verbal) do x invoca, entre outros sentidos, um sentido de exclusão. Cruzar duas linhas da mesma maneira que à letra x produz o significado de eliminar. Logo, colocando x no lugar das tradicionais desinências de gênero (linguagem verbal), ocorre o apagamento da distinção do gênero do substantivo. Sem ela, o substantivo acaba sendo neutro, abrangendo, assim, as outras manifestações da sexualidade humana. Vale resaltar, inclusive, que ambas possuem o mesmo papel: fazer a marcação de gênero fora do padrão masculino/feminino. O emprego de cada uma fica a critério dos usuários da língua.

11 Logo, sabendo-se dessas características, agora, vamos observar o funcionamento desses morfemas. Relembrando Bechara (2009) e em Zanotto (1986), existem vários tipos de marcação do gênero nos substantivos. Todavia, devido às qualidades específicas e de x vistas anteriormente, notamos que apenas em dois casos aparecem tais fenômenos. O primeiro caso é na antecipação do substantivo. Coloca-se, no ou x onde antes colocar-se-iam os artigos a e o : O estudante As estudante Xs estudantes Nota-se que estudante é um substantivo epiceno que, resgatando Luft (2008), são substantivos que apresentam um gênero específico determinado pelo artigo anteposto. Em outros substantivos não epicenos, contudo, essa nova marcação também é possível. Como no seguinte caso: Cantor Cantora Cantorx Examina-se que, nesse caso, preserva-se o radical da palavra e as novas desinências de gênero são acrescentadas, proporcionando outra forma além da dita masculina/feminina. As novas marcações de gênero do substantivo na língua portuguesa são, por conseguinte, frutos da nova realidade da língua portuguesa, tratando-se de uma variável linguística, ou seja, uma forma alternativa de expressão de uma forma pré-existente. Ela, segundo Mollica (2010) é concebida como dependente no sentido que o emprego das variantes. Não é aleatório, mas influenciado por grupos de fatores de natureza social ou estrutural (MOLLICA, 2010, p.11). Logo, conforme visto anteriormente, com a reafirmação do grupo minoritário LGBT no cenário brasileiro e mundial, houve o surgimento dessas variáveis dentro da língua, indicando uma inovação no tratamento linguístico do gênero sexual fora da matriz heterossexual. As novas variáveis vieram não para excluir as tradicionais, mas sim coexistir com elas, no sentido de ser outro modo de representar pessoas que, historicamente, ficaram taxas como detentoras de um comportamento desviante moral e socialmente. Aliás, tal fator excludente das línguas é atestado por Bagno.

12 existe um mito ingênuo de que a linguagem humana tem a finalidade de comunicar, de transmitir ideais [...] a linguagem é muitas vezes um poderoso instrumento de ocultação da verdade, de manipulação do outro, de controle, de intimidação, de opressão, de emudecimento. Ao lado dele, também existe o mito de que a escrita tem o objetivo de difundir ideias. No entanto, uma simples investigação histórica mostra que, em muitos casos, a escrita funcionou, e ainda funciona, com a finalidade oposta: ocultar o saber, reservá-lo a uns poucos para garantir o poder àqueles que a ele têm acesso (BAGNO, 2009, 158, grifos do autor). Logo, esperamos que, com as análises deste trabalho, não apenas se contribua para uma nova marcação de gênero do substantivo da língua portuguesa, mas também que se possa abrir espaço para um estudo mais aprofundado sobre o tema nos outros âmbitos dela, uma vez que, devido ao tamanho dos desdobramentos que esse fenômeno tem, aqui, esse espaço é limitado. Pretendemos que este seja um passo inicial e não um momento irrefutável ou peremptório. Contudo, o fato - talvez o principal é que, independente das possíveis aceitações e negações, ora integrais, ora parciais, oriundas após a leitura deste artigo, esse novo fenômeno da marcação de gênero nos substantivos da língua portuguesa aconteceu, acontece e, pelo que tudo indica, acontecerá. Embora tenhamos nos empenhado na análise, ele ainda manifestar-seá entre os usuários da língua, o qual, de maneira análoga à diversidade sexual humana, é livre, sem amarras e, essencialmente, não dependente de consentimentx. REFERÊNCIAS BAGNO, Marco. Preconceito linguístico o que é, como se faz. 52ª edição. São Paulo: Edições Loyola, 2009 BASILIO, Margarida. Formação e classes de palavras no português do Brasil. 3ª Ed. São Paulo: Contexto, BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 2. ed. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, COSTA, Marco Antônio. Estruturalismo. In: MARTELOTTA, Mário Eduardo (org.). Manual de linguística. 1ª ed. 3ª reimpressão. São Paulo: Contexto, FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução: Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo, Edições Loyola, História da sexualidade I: A vontade de saber. 18 ª Ed. São Paulo: Graal, 1993.

13 . Microfísica do poder. Tradução: Roberto Machado. Rio de Janeiro, Edições Graal, Vigiar e Punir: nascomento da prisão. tradução Raquel Ramalhete. 40ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, HIGOUNET, Charles. História concisa da escrita. Tradução da 10ª Ed. corrigida Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, JAKOBSON, Roman. Os aspectos linguísticos da tradução. 20ª ed. In: Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, LOURO, Guacira Lopes. Pedagogia da Sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. (Org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010, p. 26 LUFT, Celso Pedro. Moderna gramática brasileira. 3ª Ed. rev. e atual. São Paulo: Globo, MALMBERG, Bertil. La phonétique. Presses Universitaires de France, 1954, MARTELOTTA, Mário Eduardo. Dupla articulação. In: MARTELOTTA, Mário Eduardo (org.). Manual de linguística. 1ª ed. 3ª reimpressão. São Paulo: Contexto, MOLLICA, Marica Cecilia. Fundamentação teórica: conceituação e delimitação. In: MOLLICA, Maria Cecilia; BRAGA, Maria Luiza, (orgs.). Introdução à sociolinguística. 4ª ed. São Paulo: Contexto, WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, ZANOTTO, Normelio. Estrutura mórfica da língua portuguesa. Caxias do Sul: EDUCS, 1986.

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade?

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Maria de Fátima da Cunha. UEL/Londrina. Docente TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Para Tomaz Tadeu da Silva, as narrativas dos currículos podem, explícita ou implicitamente,

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1 Camila do Nascimento Carmo 2 Resumo O aparecimento da AIDS provocou um clima de grande pânico coletivo na sociedade.

Leia mais

UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA A DESCRIÇÃO DO GÊNERO DOS SUBSTANTIVOS EM PORTUGUÊS INTRODUÇÃO

UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA A DESCRIÇÃO DO GÊNERO DOS SUBSTANTIVOS EM PORTUGUÊS INTRODUÇÃO UMA PROPOSTA DIDÁTICA PARA A DESCRIÇÃO DO GÊNERO DOS SUBSTANTIVOS EM PORTUGUÊS José Mario Botelho (UERJ e ABRAFIL) INTRODUÇÃO Não há dúvida de que há uma inconsistência nos ensinamentos tradicionais acerca

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Juliana Keller Nogueira, Delton Aparecido Felipe, Teresa Kazuko Teruya (UEM) Educação escolar, formação de

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais, que possibilita

Leia mais

Sistema Verbal da Língua Portuguesa

Sistema Verbal da Língua Portuguesa Sistema Verbal da Língua Portuguesa Segundo Celso Cunha em seu livro Nova Gramática do Português Contemporâneo, verbo é uma palavra de forma variável que exprime o que se passa, ou seja, um acontecimento

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

ORIENTAÇÃO SEXUAL NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

ORIENTAÇÃO SEXUAL NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DISJUNÇÕES DA SEXUALIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E NOS PROJETOS ESCOLARES DE EDUCAÇÃO SEXUAL Denise da Silva Braga UERJ Agência Financiadora: CNPQ Os discursos atuais sobre a sexualidade

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

PLANO DE CURSO. Curso: Mestrado em Direitos Humanos Ano: 2013 Semestre: 2º

PLANO DE CURSO. Curso: Mestrado em Direitos Humanos Ano: 2013 Semestre: 2º PLANO DE CURSO 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Direitos Unidade: NDH Humanos (Mestrado) Disciplina: Gênero e Sexualidade: (Des)Construir conceitos e Código: Núcleo:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

PANORAMA CONCEITUAL: e DIVERSIDADE SEXUAL. Prof. Roney Polato de Castro

PANORAMA CONCEITUAL: e DIVERSIDADE SEXUAL. Prof. Roney Polato de Castro PANORAMA CONCEITUAL: SEXUALIDADE e DIVERSIDADE SEXUAL Prof. Roney Polato de Castro 1. Sexualidade é natural? A sexualidade tem sido interpretada como um aspecto natural do ser humano, como uma essência,

Leia mais

A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR

A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR Carla de Oliveira Romão 1 Resumo: O presente artigo problematiza os sentidos de gênero nas pesquisas do campo educacional. Tendo como marco do estudo

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

A DESCONSTRUÇÃO DOS PROCESSOS IDENTITÁRIOS DOS GÊNEROS SEXUAIS EM JUDITH BUTLER

A DESCONSTRUÇÃO DOS PROCESSOS IDENTITÁRIOS DOS GÊNEROS SEXUAIS EM JUDITH BUTLER 33 A DESCONSTRUÇÃO DOS PROCESSOS IDENTITÁRIOS DOS GÊNEROS SEXUAIS EM JUDITH BUTLER ARAÚJO, Jair Bueno de 1 Resumo: Este artigo se propõe entender qual a diferença entre sexo e gênero sexual. Para isso,

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita.

Palavras chaves: Processo de Alfabetização. Aprendizagem. Leitura e escrita. O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS: ANÁLISE DOS NÍVEIS DE ESCRITA Alexsandra Vieira Cardoso Graduanda do curso de Letras IFPB Email: Morgana.vc1@hotmail.com Francisca Edneide Cesário

Leia mais

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS

BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS BAKHTIN E AS IDENTIDADES SOCIAIS: UMA POSSÍVEL CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS Petrilson Alan Pinheiro (petrilsonpinheiro@yahoo.com.br petripinheiro@yahoo.com) RESUMO O grande interesse por questões acerca das

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CAMPO LIMPO PAULISTA 2013 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS A língua brasileira de sinais

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS.

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Michele Ignacio Pires Orientadora: Profª Drª Aura Helena Ramos

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE GÊNERO E LETRAMENTO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E PEDAGOGIA: UMA PROBLEMATIZAÇÃO INICIAL

RELAÇÕES ENTRE GÊNERO E LETRAMENTO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E PEDAGOGIA: UMA PROBLEMATIZAÇÃO INICIAL RELAÇÕES ENTRE GÊNERO E LETRAMENTO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E PEDAGOGIA: UMA PROBLEMATIZAÇÃO INICIAL Resumo Este texto apresenta parte das reflexões realizadas em uma pesquisa de mestrado em

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRADO, Marco Aurélio Máximo & MACHADO, Frederico Viana. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade.

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET

HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET 1 HOMOFOBIA E VIOLÊNCIA: O DESAFIO EDUCACIONAL NA PERSPECTIVAS DE HANNAH ARENET Marlesson Castelo Branco do Rêgo IFPE Doutorando em Ciências Humanas pela UFSC Introdução Em 2004, o governo federal lançou

Leia mais

Biblioteca Escolar. O Dicionário

Biblioteca Escolar. O Dicionário O Dicionário O que é um dicionário? Livro de referência onde se encontram palavras e expressões de uma língua, por ordem alfabética, com a respetiva significação ou tradução para outra língua e ainda,

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada?

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Anderson Tavares Correia - UFPE 1 Rosângela Aparecida Ferreira Lima - UFPE 2 Francisco José de Lima - UFPE 3 O presente artigo discute a utilização da datilologia,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE Oralidade 1. Escutar para aprender e construir conhecimentos 2. Produzir um discurso oral com correção 3.

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS

LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E SUAS VARIAÇÕES: UM ESTUDO SOBRE AS VARIANTES UTILIZADAS NAS ESCOLAS DE SURDOS Karina Ávila Pereira (UFPEL) Apoio financeiro: Capes - bolsa de Mestrado A pesquisa de mestrado

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A) NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Gabriel Nascimento dos Santos (UESC) gabrielnasciment.eagle@hotmail.com Maria D Ajuda Alomba

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL Luiz Francisco DIAS Universidade Federal de Minas Gerais Passados 20 anos da morte de Michel Pêcheux, os estudos em torno das suas idéias

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Lilian Simone Leal Machado URZEDO 1, Rosely Ribeiro LIMA 2 (UFG/CAJ) lilianmachadoinove@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

REFLETINDO SOBRE QUESTÕES DE GÊNERO: A TRÍADE CRIANÇA-ESCOLA- FAMÍLIA EM PERSPECTIVA

REFLETINDO SOBRE QUESTÕES DE GÊNERO: A TRÍADE CRIANÇA-ESCOLA- FAMÍLIA EM PERSPECTIVA REFLETINDO SOBRE QUESTÕES DE GÊNERO: A TRÍADE CRIANÇA-ESCOLA- FAMÍLIA EM PERSPECTIVA Josilene do Nascimento Rodrigues (Universidade Federal de Campina Grande UFCG. E-mail: lene-nr@hotmail.com) Maria Edna

Leia mais

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 241 Letras Libras INSTRUÇÕES 1. Confira,

Leia mais

GÊNERO E DIVERSIDADE: REFLEXÕES PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO ESCOLAR

GÊNERO E DIVERSIDADE: REFLEXÕES PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO ESCOLAR GÊNERO E DIVERSIDADE: REFLEXÕES PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO ESCOLAR Girlani de Lima Aylla Milanez Pereira Edna Maria do Nascimentos Silva Janiely Macedo de Vasconcelos Wanessa Costa Santos Universidade Federal

Leia mais

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS Márcio Palácios de CARVALHO (UEMS) marciopalacios@hotmail.com Elza Sabino da Silva BUENO (UEMS/FUNDECT) elza20@hotmail.com

Leia mais

O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006

O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006 O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006 Índice Resumo. 1 Introdução 1 Desenvolvimento... 1 1. Análise a Saussure... 2 1.1 Arbitrariedade do Signo. 3 1.2 Linearidade do Signo.

Leia mais

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Andreza do Socorro Pantoja de Oliveira Smith Universidade Federal do Pará, Universidade

Leia mais

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) SIGNO FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO SUBSTÂNCIA DE EXPRESSÃO (semioticamente formada) MATÉRIA DE EXPRESSÃO

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa 01. Alternativa (E) Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa Alternativa que contém palavras grafadas de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP 02. Alternativa

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Aquisição da linguagem oral e escrita

Aquisição da linguagem oral e escrita Aquisição da linguagem oral e escrita Castilho Francisco Schneider INTRODUÇÃO Behavioristicamente, o termo aquisição de linguagem pode ser aceito sem questionamentos. Já sob o enfoque chomskiano, parece-nos

Leia mais

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS

PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS PRODUÇÃO TEXTUAL VIRTUAL: CONTRIBUIÇÕES E IMPLICAÇÕES DOS VERIFICADORES E EDITORES DE TEXTOS Autor Júnior Alves Feitosa Faculdades Integradas de Patos Alvesjunior338@gmail.com coutora Prof.ª Ms.Maria do

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL Letras Licenciatura Português/Espanhol e Português/Inglês Letras Tradução Francês/Inglês/Português Letras Licenciatura Português/Inglês e Português/Francês Ementário (não mais ofertada em Processo Seletivo)

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO *

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * ANTONIO FLAVIO BARBOSA MOREIRA ** ão é tarefa fácil resumir, de modo simples, claro, preciso e rigoroso, o pensamento de um autor de textos

Leia mais

O HOMEM TRANS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE

O HOMEM TRANS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE O HOMEM TRANS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE Patrícia Michelini de Matos Batista, discente do curso de Licenciatura em Ciências Sociais, bolsista de iniciação científica da Universidade Estadual de

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais