Edson José Dalto. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto COPPEAD de Administração. Orientador: Prof. Eduardo Saliby, Ph. D.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edson José Dalto. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto COPPEAD de Administração. Orientador: Prof. Eduardo Saliby, Ph. D."

Transcrição

1 FERRAMENTA DE SIMULAÇÃO PARA AUXILIAR O PRODUTOR BRASILEIRO DE SOJA NO DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E FINANCEIRA DE COMERCIALIZAÇÃO DE UMA SAFRA DO PRODUTO A GRANEL Edson José Dalto Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto COPPEAD de Administração Orientador: Prof. Eduardo Saliby, Ph. D. Rio de Janeiro, RJ Brasil Dezembro de 2003

2

3 iii Dalto, Edson José Ferramenta de Simulação para Auxiliar o Produtor Brasileiro de Soja no Desenvolvimento de Estratégia Logística e Financeira de Comercialização de uma Safra do Produto a Granel / Edson José Dalto Rio de Janeiro, xvii, 230 f.: il. Tese (Doutorado em Administração) Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, Instituto COPPEAD de Administração, Orientador: Eduardo Saliby 1. Logística Empresarial. 2. Agronegócios. 3. Simulação. 4. Administração Teses. I. Saliby, Eduardo (Orient.). II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto COPPEAD de Administração. III. Título.

4 iv Dedico este trabalho a minha mãe, Dona Isaura, como homenagem póstuma. Dela guardo as melhores lembranças de minha formação. A minha irmã Rita que, na ausência de Dona Isaura, assumiu o papel de mãe para mim. Carinhosa, apoiando-me, aconselhando-me em cada passo e sempre pendente dos resultados. Ao meu pai, Seu Luiz, que apostou em minha escolha, viabilizou financeiramente boa parte desse caminho e transmitiu-me os seus valores, sempre muito importantes em minha vida

5 v AGRADECIMENTOS Ao professor Eduardo Saliby, amigo e bom guia nesta longa e difícil trajetória do Doutorado. Agradeço-o pelo acolhimento desde quando o procurei com a intenção de iniciar o curso, por ter apostado em mim, pelos ensinamentos transmitidos, pelo apoio, proteção e orientação que recebi, por ter sabido dividir comigo as alegrias e dificuldades do processo e por ter-me ouvido nas angústias que fazem parte desse caminho. Ao Prof. Nélio Pizzolato, membro da banca de Tese, do Exame de Qualificação e do Projeto de Tese. Obrigado pelos conselhos e pelas diversas ajudas sempre que fui procurá-lo e por ter se interessado, de verdade, pelo meu trabalho. Penso que posso chamá-lo de co-orientador. Ao Prof. Licínio Portugal, membro da banca e amigo das horas difíceis. Meus sincero agradecimento por ter aceitado participar da banca, apesar do convite em uma hora intempestiva e pelos conselhos relevantes durante a defesa. Ao Professor Celso Lemme, membro da banca de Tese e do Projeto de Tese. Sempre muito prestativo, oferecendo-me bons conselhos, ajuda efetiva e deslindando horizontes mais amplos para o meu trabalho. Suas colocações durante as defesas do Projeto e da Tese foram muito agudas e oportunas. Ao Prof. Virgílio que me acompanhou durante o Exame de Qualificação, Projeto de Tese e formou parte da banca de Defesa de Tese. Agradeço pelas sugestões, esclarecimentos e por ter-me ouvido sempre que necessitei. Ao Prof. Carlos Nassi que, embora não tenha podido participar da Banca de Defesa de Tese é um amigo por quem guardo muita admiração. Aos professores do Instituto COPPEAD que compartilharam conosco seus conhecimentos e nos ensinaram a tomar um gosto ainda maior pela pesquisa e o estudo.

6 vi Aos funcionários do Instituto COPPEAD que prestaram sua valiosa colaboração nas diversas tarefas de apoio. Gostaria de fazer uma referência especial a Cida, por sua extraordinária dedicação. Aos colegas de curso, com quem muitas vezes compartilhamos dores e alegrias neste longo caminho e que, pela compreensão, apoio e reciprocidade tornaram-se grandes amigos. Destaco deste grupo, meu grande amigo Paulo Roberto, referência imediata nas minhas necessidades de comunicação. Ao CNPq, pelos quase 4 anos de apoio financeiro. A todos os amigos que prestigiaram minha defesa e vieram dar o seu apoio neste momento muito importante e àqueles que, querendo participar, não puderam estar presentes. Lamento não poder destacar seus nomes. Foram inúmeros. Àqueles que involuntariamente omiti e que, de alguma forma, me ajudaram no desenvolvimento deste trabalho, meus mais sinceros agradecimentos. Agradeço sobretudo a Deus a quem devo em primeiro lugar tudo o que de bom há em mim. Finalmente, gostaria de afirmar que me sinto muito orgulhosos e honrado em participar desta seleta comunidade, o Instituto COPPEAD de Administração, que me proporcionou os mais ricos anos de formação profissional em minha vida.

7 vii RESUMO Esta pesquisa visa a apresentar o projeto de uma ferramenta de simulação, em forma de planilha, para que um produtor de soja possa, em cada região de cultivo e de acordo com seu perfil de aversão ao risco e necessidade de formação de capital de custeio, desenvolver uma estratégia logística e financeira de comercialização de uma safra do produto a granel, com o propósito de maximizar sua receita de venda. Através desse instrumento o produtor terá a possibilidade de decidir sobre a forma de comercialização (venda especulativa, antecipada, futura ou opção de venda), o local de entrega do produto e as quantidades vendidas em cada época, em uma decisão reavaliada mês a mês. As premissas para a tomada desse conjunto de decisões fundamentam-se na consideração das expectativas de valor futuro da cotação do grão na Bolsa de Chicago e nos mercados locais, da taxa de câmbio e dos custos logísticos nos canais de escoamento do produto. O modelo contempla as principais áreas produtoras de soja do país, porém a análise é individual para a região escolhida. O ambiente de planejamento envolve um horizonte de 18 meses onde, para cada mês, são contabilizados receitas e custos provenientes da produção e da venda do produto.

8 viii ABSTRACT The objective of this research is the proposal of a simulation tool, in spreadsheet form, so that a soybean producer might be able to develop a logistical and financial strategy of commercialization of the harvest in bulk form, in a way to maximize its gross income, in accordance of the region selected for analysis and the producer s profile of risk aversion and his necessity of expenditure capital. Through this model, the producer will decide on the commercialization form (speculative, anticipated, future or selling option), the place of delivery of the product and the amounts sold at each time, in a month by month reevaluation decision. For taking decisions, the assumptions used in the model are based on the expectations about future values of the grain in the Chicago Board of Trade and in local markets, the exchange rate and the logistical costs of transporting the product to the closest port. The model contemplates the main producing areas of soybean of the country, however the analysis is specialized for the chosen region. The planning environment involves a horizon of 18 months where, for each month, accounted incomes are forecasted and costs proceeding from the production and selling of the product are taken into consideration.

9 ix LISTA DE FIGURAS Figura I.1 Evolução da produção de Soja dos três principais países produtores Figuras II.1 a), b) e c) Principais produtores, exportadores e importadores de soja estimados para a safra 2002/03 Figuras II.2 a), b) e c) Evolução comparada da área cultivada, produção e produtividade da soja entre as regiões Sul e Centro-Oeste do Brasil Figura II.3 Evolução da produção da soja nos principais estados do Brasil Figura II.4 Capacidade Instalada de Processamento de Oleoginosas por estados do Brasil Figura III.1 Custos comparativos de produção de soja no Brasil, EUA e Argentina Figura III.2 Matriz de Transportes para a soja entre os países exportadores Figura III.3 Evolução na participação dos portos dos portos brasileiros na exportação de soja em grãos Figura III.4 Principais áreas produtoras de soja do Cerrado e corredores da malha brasileira de escoamento de grãos Figura III.5 Valor no tempo de uma opção Figura IV.1 Cotações da Soja em grãos na CBOT Figura IV.2 Cotações da Soja em grãos em Chicago e Paranaguá e Cotação do Dólar em uma situação hipotética Figura V.1 Painel Formas de Comercialização ilustrando o acesso por via de atalho Figura V.2 Ilustração da forma de inserção de dados em um formulário Figura V.3 Mapa do Brasil com todas as regiões produtoras de soja contempladas pelo modelo e rede logística para exportação Figura V.4 Tela para inserção das Informações Iniciais para o planejamento Figura V.5 Tela para inserção de Distâncias e Cotações Iniciais Figura V.6 Tela para inserção da Área Plantada e Volume Colhido Figura V.7 Tela mostrando o Ambiente de Planejamento Figura V.8 Tela de aviso alertando sobre a contratação de transporte sem uma correspondente venda no porto para a data Figura V.9 Tela de aviso alertando sobre a venda de parte da produção para entrega no porto sem contratação de transporte para a data Figura V.10 Tela de aviso alertando sobre o saldo negativo em caixa

10 x Figura V.11 Tela indicando o final da etapa de planejamento Figura V.12 Informações acessadas através do botão Analisar Gráfico Figura V.13 Gráfico acessado pelo acionamento do botão Cotações em US$ Figura V.14 Tela de interface para seleção de Formas de Comercialização Figura V.15 Tela de aviso mostrada ao se acionar o botão Refazer, alertando sobre as conseqüências dessa decisão Figura V.16 Tela de interface para contratação de CPR Figura V.17 a), b) e c) Telas de aviso mostrando a necessidade de alguma decisão prévia para dar continuidade ao planejamento Figura V.18 Tela de aviso mostrando a disponibilidade de volume para a Forma Contratual pretendida Figura V.19 Tela de interface para contratação de CPR Financeira Figura V.20 Tela de interface para contratação de Futuro Figura V.21 Tela de interface para contratação de Opção Figura V.22 Tela de interface para contratação de CPRF + Seguro de Preço Figura V.23 Tela de interface para comercialização Spot Figura V.24 Tela de interface para contratação de transporte Figura V.25 Área de Informações sobre Frete Multimodal Figura V.26 Área de Informações sobre Frete Rodoviário Figura V.27 Área de Informações sobre disponibilidade de transporte multimodal na planilha Sazonalidades Figura V.28 Processo de cálculos dos missing values para a Cotação Paranaguá Figura V.29 Custos Unitários de Produção considerados no modelo Figura V.30 Exemplo ilustrativo da construção das variáveis do Painel de Tendências Figura V.31 Curva de atenuação de probabilidade de acerto nas previsões de Longo Prazo

11 xi LISTA DE TABELAS Tabela II.1 Capacidade Instalada de Processamento de Oleoginosas por empresas no Brasil Tabela III.1 Custos de produção da soja: EUA, Brasil e Argentina, safra 98/99 Tabela III.2 - Custos de exportação da soja: EUA, Brasil e Argentina, safra 98/99 Tabela III.3 - Produção de soja no Brasil, segundo a condição de posse e área do produtor (Safra 95/96) Tabela III.4 Área cultivada com soja, segundo grupos de área total dos estabelecimentos nos estados de maior participação na produção /96 (mil ha) Tabela III.5 - Plantio e colheita de soja por região brasileira Tabela III.6 - Ciclo produtivo da soja nos principais países produtores Tabela III.7 Paridade para Exportação x Mercado Interno Tabela III.8 Participação dos principais portos brasileiros na exportação do complexo soja no ano de 2001 Tabela III.9 Exemplo ilustrativo da formação de hedge em mercado futuro com ganho na Bolsa Tabela III.10 Exemplo ilustrativo da formação de hedge em mercado futuro com perda na Bolsa Tabela III.11 Meses de expiração para contratos futuro e de opção e para séries de opões da soja a granel negociados na CBOT

12 xii LISTA DE ANEXOS Figura 1 Mapa geral dos produtos originados da soja Figura 2 Histórico de valores do Dólar, Prêmio em Paranaguá e cotação da soja em diversos pontos de venda Figura 3 Prêmio no preço da soja por porto de embarque Figura 4 Áreas de Informações apresentadas na planilha Real Figura 5 a) Áreas de Informações apresentadas na planilha Sazonalidade Figura 5 b) Áreas de Informações apresentadas na planilha Sazonalidade Figura 6 Áreas de Informações apresentadas na planilha Produção Figura 7 a) Cálculo dos fatores de decomposição da Cotação Chicago Figura 7 b) Cálculo dos fatores de decomposição da Cotação Chicago Figura 7 c) Cálculo dos fatores de decomposição da Cotação Chicago Figura 7 d) Cálculo dos fatores de decomposição da Cotação Chicago Figura 7 e) Cálculo dos fatores de decomposição da Cotação Chicago Figura 8 a) Valores históricos de volatilidade da soja na Bolsa de Chicago Figura 8 b) e c) Valores históricos de volatilidade da soja na Bolsa de Chicago Figura 9 a), b), c) e d) Estatísticas geradas no processo de calibração da Cotação Chicago Figura 10 a) e b) Calibração dos parâmetros da equação da Cotação Paranaguá Figura 10 c) Calibração dos parâmetros da equação da Cotação Paranaguá Figura 11 a), b), c) e d) Estatísticas geradas no processo de calibração da Cotação Paranaguá Figura 12 a), b), c) e d) Estatísticas geradas no processo de calibração da Cotação Dólar Figura 13 a) Comparações de Cotações da soja em Paranaguá, Maringá, Mogiana, Passo Fundo e Rondonópolis Figura 13 b) Comparações de Cotações da soja em Paranaguá, Maringá, Mogiana, Passo Fundo e Rondonópolis Figura 14 a) Cálculo dos valores de frete em cada mês e ligação Figura 14 b) Cálculo dos valores de Frete Rodoviário em cada mês e ligação Figura 14 c) Cálculo dos valores de Frete Rodoviário em cada mês e ligação Figura 14 d) Cálculo dos valores de Frete Rodoviário em cada mês e ligação

13 xiii Figura 14 e) Cálculo dos valores de Frete Rodoviário em cada mês e ligação Figura 14 f) Cálculo dos valores de Frete Rodoviário em cada mês e ligação Figura 14 g) Cálculo dos valores de Frete Rodoviário em cada mês e ligação Figura 14 h) Cálculo dos valores de Frete Rodoviário em cada mês e ligação Figura 14 i) Cálculo dos valores de Frete Rodoviário em cada mês e ligação Figura 14 j) Cálculo dos valores de Frete Rodoviário em cada mês e ligação na ligação de curta distância Figura 15 a) Cálculo dos valores de Frete Ferroviário em cada mês e ligação Figura 15 b) Cálculo dos valores de Frete Ferroviário em cada mês e ligação Figura 15 c) Cálculo dos Fatores Sazonais Ferroviários Figura 16 a) Cálculo dos valores de Frete Hidroviário em cada mês e ligação Figura 16 b) Cálculo dos valores de Frete Hidroviário em cada mês e ligação Figura 16 c) Cálculo dos Fatores Sazonais Hidroviários Figura 17 Processo de construção da variável Auxiliar1 Figura 18 Exemplo de Restrição imposta por Auxiliar1 para Volume Disponível para Venda Spot Figura 19 Processo de construção da variável Auxiliar2 Figura 20 Exemplo de Restrição imposta por Auxiliar2 para Volume Disponível para Venda CPR Figura 21 Exemplo de cálculo da variável Volume Disponível para Venda na Fazenda Figura 22 Exemplo ilustrativo do Volume Disponível para Venda no Porto Figura 23 Ilustração do preenchimento do vetor Disponibilidade Multimodal Figura 24 Exemplo ilustrativo dos valores assumidos pela variável Volume Disponível para Transporte Figura 25 Exemplo ilustrativo da composição da variável Futuro e Opção a partir das informações sobre os Contratos Figura 26 Equação de regressão para o cálculo do Custo da Terra Figura 27 Utilização da equação de regressão para o cálculo do Custo da Terra Figura 28 Processo de Cálculo dos Custos Fixos Figura 29 Relação de atenuação dos Custos Fixos com o tamanho do lote Figura 30 Processo construtivo do Cronograma de Desembolso para os Custos de Produção

14 xiv SUMÁRIO I INTRODUÇÃO...1 I.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TRABALHO...1 I.2 OBJETIVO DA PESQUISA...3 I.3 IMPORTÂNCIA DA PESQUISA...4 I.4 ESTRUTURA E CONTEÚDO DO TRABALHO...5 II O AGRONEGÓCIO DA SOJA...6 II.1 HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO DA SOJA...6 II.2 A SOJA COMO PROPULSIONADORA DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO...7 II.3 ESTRUTURA DA OFERTA E DEMANDA MUNDIAL E NACIONAL...8 II.4 O PROCESSO INDUSTRIAL...12 III FATORES DA COMPETITIVIDADE DO COMPLEXO DA SOJA...15 III.1 INTRODUÇÃO...15 III.2 ESTRUTURA AGRÁRIA NA PRODUÇÃO DA SOJA...17 III.3 FATORES DE COMPETITIVIDADE DE PRODUÇÃO...20 III.3.1 Plantio Direto...22 III.3.2 A Soja Transgênica...23 III.4 FATORES DE COMPETITIVIDADE DE MERCADO...26 III.5 FATORES DE COMPETITIVIDADE DE COMERCIALIZAÇÃO...31 III.5.1 Logística para o Escoamento da Soja...32 III.5.2 Instrumentos Financeiros para a Comercialização da Soja...38 III Venda Especulativa...40 III Mercado Futuro...41 III Mercado de Opções...45 III Mercado a Termo...51 III A Utilização dos Mecanismos de Comercialização...54 IV PROPOSTA CONCEITUAL DE UM MODELO DE SIMULAÇÃO PARA COMERCIALIZAÇÃO DE SOJA EM GRÃO...57 IV.1 O PROCESSO DE COMERCIALIZAÇÃO DA SOJA EM GRÃO...57 IV.2 CARACTERIZAÇÃO DO MODELO PROPOSTO...60 IV.2.1 Características gerais da modelagem...61

15 xv IV.2.2 Horizonte de Planejamento...62 IV.2.3 Condições de Venda...62 IV.2.4 Regiões Contempladas...63 IV.2.5 Opções de Escoamento para Exportação...64 IV.2.6 Formas Comerciais Adotadas...65 IV.2.7 Custos de Produção...67 IV.2.8 Estrutura de Armazenagem...68 IV.2.9 Cotações Futuras...69 V CONSTRUÇÃO E CALIBRAÇÃO DO MODELO...76 V.1 ASPECTOS GERAIS DO MODELO...76 V.2 DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO MODELO...80 V.2.1 Regiões Produtoras de Soja...81 V.2.2 Informações Iniciais...82 V.2.3 Distâncias e Cotações Iniciais...84 V.2.4 Área Plantada e Volume Colhido...86 V.2.5 Ambiente de Planejamento...88 V Informações Estáticas...91 V Informações sobre os Volumes...92 V Informações sobre Cotações...92 V Informações sobre Formas Comerciais...92 V Informações sobre Localidades de Venda...93 V Informações sobre Transportes...93 V Informações sobre Armazenagem...94 V Informações sobre Fluxos Contratuais...94 V Informações sobre Custos...95 V Informações sobre o Caixa...96 V Informações sobre os Contratos...97 V.2.6 Botão Próximo Mês...98 V.2.7 Botão Analisar Gráfico V.2.8 Botão Formas Comerciais V Forma de Comercialização CPR V Forma de Comercialização CPR Financeira...106

16 xvi V Forma de Comercialização Futuro V Forma de Comercialização Opção V Forma de Comercialização CPRF + Seguro de Preço V Forma de Comercialização Spot V.2.9 Botão Transporte V.3 ESTRUTURAÇÃO DO MODELO V.3.1 Planilha Mapa V.3.2 Planilha Modelo V.3.3 Planilha Real V.3.4 Planilha Fretes V.3.5 Planilha Sazonalidade V.3.6 Planilha Produção V.4 METODOLOGIA CONSTRUTIVA E CALIBRAÇÃO DO MODELO..118 V.4.1 Regiões Produtoras de Soja V.4.2 Informações Estáticas V.4.3 Informações sobre os Volumes V.4.4 Informações sobre Cotações V Cotação Chicago V Cotação Paranaguá V Cotação Dólar V Cotação Porto V Cotação Fazenda V Cotação Rodoviário V Cotação Multimodal V.4.5 Informações sobre Formas Comerciais V.4.6 Informações sobre Localidades de Venda V.4.7 Informações sobre Transportes V.4.8 Informações sobre Armazenagem V.4.9 Informações sobre Fluxos Contratuais V.4.10 Informações sobre Custos V Custo de Produção V Custo de Armazenagem e de Estoque...151

17 xvii V Custo de Transportes V Custo Contratuais e Custo Total V.4.11 Informações sobre o Caixa V.4.12 Informações sobre os Contratos V CPR s V Futuro V Opção V Spot V.4.13 Informações sobre Tendências VI CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES RERERÊNCIAS ANEXOS...178

18 1 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO I.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TRABALHO O Brasil vem ocupando a cada ano uma posição de maior destaque entre os principais produtores mundiais de soja, impulsionado pelo forte aquecimento da demanda mundial, com preços recompensadores. A produção nacional, estimada preliminarmente para a safra de 2002/03, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, 2003, p.6), será de 52,5 milhões de toneladas, enquanto os Estados Unidos produzirão 74,8 milhões de toneladas (USDA, 2003, p.6). Soma-se ainda que a possibilidade de expansão produtiva mundial está quase toda no Brasil, em termos topográficos, meteorológicos, de disponibilidade de terras e tecnológicos, que propiciam o cultivo em larga escala, tendência mundial na produção de grãos (EMBRAPA, 2001). A figura I.1 ilustra a evolução comparada da produção de soja dos três principais países produtores, desde a safra de 99/00, até aquela prevista para o ano safra 03/04. Figura I.1 Evolução da produção de Soja dos três principais países produtores Evolução da Produção de Soja Milhões de Toneladas /00 00/01 01/02 02/03 03/04 Safras Estados Unidos Brasil Argentina Fonte: USDA.

19 2 Estima-se que sistema agro-industrial brasileiro, como um todo, contribua com 35% no valor total do PIB, ou seja, US$ 163 bilhões do PIB projetado para 2003 de US$ 467 bilhões. Desse total, a cadeia agro-industrial da soja participa com pelo menos 16%, o que significa um montante de US$ 26 bilhões anuais (EMBRAPA, 2001). Esses números mostram a importância econômica da soja para o País. As projeções para a safra de 2002/03 indicam que o Brasil baterá novos recordes de exportação, atingindo 21 milhões de toneladas de soja em grão (57%), 13,75 milhões de toneladas de farelo (37 %) e apenas 2,25 milhões de toneladas de óleo (6%), de um total de 37 milhões de toneladas exportadas, representando acréscimo de 21% sobre as exportações da safra anterior e superando as exportações dos EUA, que registrarão para o complexo soja (grãos, farelo e óleo), 35 milhões (USDA, 2003). Em valores monetários, as exportações de soja brasileira devem situar-se perto de US$ 8 bilhões contra US$ 7,2 bilhões dos norte-americanos. Com a atual safra de grãos prevista em 122,2 milhões de toneladas (IBGE,2003), o Agronegócio brasileiro deverá atingir em 2003 um superávit comercial de US$ 25 bilhões, contra US$ 20,3 bilhões de 2002 (mais de 23 % em um ano), sendo o mercado exportador mais dinâmico da economia brasileira. O agronegócio representa mais de 40% da pauta de exportações e 11% de importações. Costuma-se afirmar que o agricultor brasileiro é extremamente competitivo da porteira para dentro da fazenda e os números da produtividade comparada dos três principais players confirmam essa informação 1. Entre os elementos que propiciam essa posição de relevo na agricultura mundial, destacam-se o desenvolvimento de sementes adequadas a cada região, resistentes às doenças; o tratamento científico dos solos; o sistema inovador de plantio direto 2 e a intensa mecanização da lavoura (PAULA e FAVERET, 2000, p.1). Por outro lado, o aspecto da comercialização da produção não acompanha o mesmo desenvolvimento contemplado no campo. As deficiências no sistema de armazenagem obrigam o produtor a vender quase a totalidade de sua safra no momento 1 As produtividades em toneladas por hectare, para os Estados Unidos, Brasil e Argentina, nesta ordem, os maiores produtores mundiais, foram, para a safra 2002/03, respectivamente de: 2,55; 2,85 e 2,82. 2 Ver item III.3.1.

20 3 da colheita, quando os preços são mais baixos e os fretes mais caros; a restrição nas opções de compradores, devido a uma visão do negócio muito regionalizada, sem considerar a possibilidade de exportação direta; as dificuldades da operacionalização logística e os altos volumes exigidos em uma exportação; o elevado custo de escoamento, devido à escassez de modais mais baratos, condições inadequadas de estradas e custos excessivos de terminais portuários; o desconhecimento dos sistemas de proteção de preço em mercado futuro; as elevadas taxas de desconto cobradas pelos mecanismos de antecipação da venda para custeio da lavoura; a escassa ou ineficiente assistência de cooperativas em algumas regiões produtoras, entre outros problemas, fazem com que o produtor perca boa parte da competitividade alcançada na produção. I.2 OBJETIVO DA PESQUISA O principal objetivo desta tese consiste no desenvolvimento de uma ferramenta de simulação, em forma de planilha, que auxilie o produtor na determinação de uma estratégia de venda, mês a mês, de uma safra de soja a granel. Com o apoio desse instrumento, o produtor terá a possibilidade de decidir sobre a forma de comercialização (venda especulativa, antecipada, futura ou opção de venda), o local de entrega do produto e as quantidades vendidas em cada época, em uma decisão reavaliada mês a mês. As premissas para a tomada desse conjunto de decisões fundamentam-se na consideração das expectativas de valor futuro, para cada mês, da cotação do grão na Bolsa de Chicago e nos mercados locais, da taxa de câmbio e dos custos logísticos nos canais de escoamento do produto. O modelo contempla as principais áreas produtoras de soja do país, porém a análise é individual para a região escolhida. O ambiente de planejamento envolve um horizonte de 18 meses onde, para cada mês, são contabilizados receitas e custos provenientes da produção e da venda do grão.

21 4 I.3 IMPORTÂNCIA DA PESQUISA A literatura concede grande importância ao estudo dos aspectos de competitividade na produção e comercialização da soja, encarada, sobretudo, em uma perspectiva macroeconômica. No entanto, estudos relacionados à competitividade do produtor são escassos. Este trabalho pretende abordar o problema das decisões logísticas e financeiras que afetam o produtor de soja, em sua estratégia de comercialização de uma safra, particularizando cada região produtora e época do ano, com o apoio de um modelo de simulação em forma de planilha eletrônica. Ao planejar a comercialização de uma safra anual de soja, o modelo permite ao analista considerar, em suas especificidades logísticas, cada uma das principais regiões produtoras do país, delimitadas pelo critério da homogeneidade dos canais de escoamento para exportação. O decisor pode escolher entre os locais de venda na fazenda ou no porto, analisando os custos comparados do deslocamento do produto por um processo multimodal ou exclusivamente rodoviário. Simultaneamente, o programa facilita a análise do papel que a armazenagem desempenha, como vantagem comercial para o produtor, na retenção da venda, em cada época do ano. Além das decisões relacionadas ao ponto de venda, retenção de estoques e escolha modal, o modelo permite a consideração, de maneira integrada, sobre a utilização de formas de comercialização (venda especulativa, antecipada, formação de hedge e seguro de preço) e a quantidade negociada em cada etapa da venda. Esse painel abrangente de decisões, que devem ser tomadas de forma integrada, em um cenário mutante, constitui um problema muito complexo para o analista, daí a conveniência de que ele disponha de uma ferramenta que o auxilie no sentido de maximizar sua receita comercial, de forma coerente com sua necessidade de formação de capital de custeio para a safra e seu perfil de aversão ao risco.

22 5 I.4 ESTRUTURA E CONTEÚDO DO TRABALHO Esta tese foi organizada em seis capítulos, mais uma parte de anexos. O capítulo de introdução situa o trabalho no contexto do agronegócio brasileiro e apresenta os objetivos e a importância da pesquisa. O capítulo seguinte revela um aspecto da revisão de literatura, apresentando uma breve história do desenvolvimento da soja. A seguir destaca o papel desta commodity como propulsionadora do agronegócio brasileiro, apresenta a estrutura da oferta e demanda mundial e nacional e o processo industrial da soja. No terceiro capítulo, segue-se outra abordagem da revisão de literatura relacionada aos fatores de competitividade do complexo da soja, apresentando-se a estrutura agrária na produção desta oleoginosa e os fatores de competitividade de produção, de mercado e de comercialização. No quarto capítulo, começa-se a esboçar a ferramenta proposta, com a proposição conceitual um modelo de simulação para comercialização de soja em grãos, esmiuçando-se as etapas deste processo e caracterizando-se a sua estrutura teórica, acompanhada de uma declaração de escopo. O quinto capítulo é o cerne da metodologia do trabalho e intitula-se Construção e Calibração do Modelo. Inicialmente são apresentados os aspectos gerais da modelagem, com ênfase para as características adotadas na programação; posteriormente, descreve-se o funcionamento do modelo, sua estruturação em módulos e, encerrando o capítulo, a metodologia construtiva e o processo de calibração do modelo. O sexto capítulo é reservado às conclusões e recomendações, destacando as principais virtudes e limitações do modelo e proposições sobre as características a serem consideradas em novos estudos. Finalmente, nos anexos, são apresentadas algumas figuras que complementam o entendimento do texto da tese.

23 6 CAPÍTULO II O AGRONEGÓCIO DA SOJA II.1 HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO DA SOJA De acordo com a Embrapa (2001, p.1), a soja é uma leguminosa cultivada pelos chineses há cerca de cinco mil anos. Sua espécie mais antiga, a soja selvagem, crescia principalmente nas terras baixas e úmidas, junto aos juncos nas proximidades dos lagos e rios da China Central. Há três mil anos a soja se espalhou pela Ásia, onde começou a ser utilizada como alimento. Foi no início do século XX que passou a ser cultivada comercialmente nos Estados Unidos. A partir de então, houve um rápido crescimento na produção, com o desenvolvimento das primeiras cultivares comerciais. No Brasil, o feijão chinês, como algumas vezes é chamada a soja, chegou em 1882, implantado na Bahia. Em 1941, apareceu pela primeira vez nas estatísticas oficiais do Rio Grande do Sul (VERNETTI, 1977), onde, neste mesmo ano, foi construída a primeira fábrica de processamento de soja. O grão de soja dá origem a subprodutos dos quais os principais são o farelo e o óleo. Outros, mais elaborados, são utilizados pela agroindústria de alimentos e indústria química. A proteína de soja dá origem a produtos comestíveis (ingredientes de padaria, massas, produtos de carne, cereais, misturas preparadas, bebidas, alimentação para bebês, confecções e alimentos dietéticos). É utilizada também pela indústria de adesivos e nutrientes, alimentação animal, adubos, formulador de espumas, fabricação de fibra, revestimento, papel, emulsão para tintas e outras aplicações. A soja integral é utilizada pela indústria de alimentos em geral e o óleo bruto se transforma em óleo refinado e lecitina, que dá origem a inúmeros outros produtos (EMBRAPA, 2001, p.1). A figura 1 dos Anexos apresenta um mapa geral dos produtos originados da soja. O interesse do Governo brasileiro pela expansão na produção da soja para atender à indústria fez com que a leguminosa ganhasse cada vez mais incentivos oficiais. Para atender às exigências de produção de uma cultura altamente demandante

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

MODELO ESTRATÉGICO DE PLANEJAMENTO PARA COMERCIALIZAÇÃO DE UMA SAFRA DE SOJA PARA O PRODUTOR BRASILEIRO

MODELO ESTRATÉGICO DE PLANEJAMENTO PARA COMERCIALIZAÇÃO DE UMA SAFRA DE SOJA PARA O PRODUTOR BRASILEIRO MODELO ESTRATÉGICO DE PLANEJAMENTO PARA COMERCIALIZAÇÃO DE UMA SAFRA DE SOJA PARA O PRODUTOR BRASILEIRO Edson José Dalto Faculdades Ibmec/RJ Av. Rio Branco, 108 sala 2211 CEP 20040-001 Centro Rio de Janeiro

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Milho Período: 22 a 26/06/2015

Milho Período: 22 a 26/06/2015 Milho Período: 22 a 26/06/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0885 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL

08/09/2015. Mundo Evolução da área (índice 100= safra 2000/01) Bolsa de Chicago Relação soja/milho no 1º contrato PROPHETX/AGRURAL PERSPECTIVAS PARA A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA NOS PRÓXIMOS 5 ANOS FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas ANDA 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTILIZANTES

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja A determinaça o dos preços do o leo de soja e as mudanças recentes no contexto mundial de oferta e demanda Natalia Orlovicin Analista de Mercado natalia.orlovicin@intlfcstone.com

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 % v. 10, n. 5, maio 2015 Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 A elevação da taxa SELIC anunciada pelo Comitê de Política Monetária (COPOM) na última quarta-feira do mês de

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz Soja Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio A soja (Glycine max (L.) Merrill) que hoje é cultivada mundo afora, é

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Resumo Quinzenal do Biodiesel

Resumo Quinzenal do Biodiesel Tel: (21) 3547-1539 / (21) 9565-0444 Resumo Quinzenal do Biodiesel 16/06 à 30/06/11 Este relatório é confidencial e de uso exclusivo do destinatário, e não pode ser enviado ou compartilhado com terceiros

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015 AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016 Carlos Cogo Outubro/2015 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 115 110 105 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 CARNES: EVOLUÇÃO

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO PANORAMA RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO de 2009 Semana de nova estabilidade no preço do Boi Gordo no mercado físico do Rio Grande do Sul, fechando a semana em R$ 5,28/kg

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 03/05/2013 a 09/05/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Autoria: Edson José Dalto, Eduardo Saliby

Autoria: Edson José Dalto, Eduardo Saliby Modelo de Simulação para Auxiliar o Produtor Brasileiro de Soja na Elaboração de Estratégia Financeira e Logística de Comercialização de uma Safra do Produto a Granel Autoria: Edson José Dalto, Eduardo

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais