UnB Programa de Pós-Graduação em Direito Disciplina de Estado e Regulação Prof. Marcio Iorio Aranha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UnB Programa de Pós-Graduação em Direito Disciplina de Estado e Regulação Prof. Marcio Iorio Aranha"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO PERÍODO: 2º/ Tema central Metalinguagem regulatória 2. Programa (Programa atualizado em Unidade 1: Modernidade, espaço público e regulação -Ordem, caos e artifício -Esfera pública e papel da regulação: ação, libertação e liberdade -Instituição e o papel da regulação: instituição como cristalização da cultura e as instituições estatais de modelagem do agir -Instituição, ação e corporação -Modernidade e imprevisão: a normalidade da mudança e a ruptura das fronteiras nacionais Unidade 2: Leituras utópicas, determinismo tecnológico e análise institucional -Utopias -Determinismo tecnológico -Os panos de fundo de desenvolvimento e dependência - Unidade 3: Identidade institucional do fenômeno regulatório -Identidade jurídica do fenômeno regulatório: teoria processual administrativa da regulação -Identidade funcional do fenômeno regulatório: o Estado Administrativo -Identidade terminológica do fenômeno regulatório: o conceito de regulação -Identidade distributiva do fenômeno regulatório: a equação investimento x crescimento econômico -Identidade valorativa do fenômeno regulatório: regulação e interesse público -Identidade espacial do fenômeno regulatório: a globalização -Identidiade autopoiética do fenômeno regulatório: teoria dos sistemas -Identidade público-privada do fenômeno regulatório: o regime regulatório -Identidade orgânica do fenômeno regulatório: órgãos/autoridades/agências reguladoras -Identidade compositiva do fenômeno regulatório: o juízo arbitral -Identidade nacional do fenômeno regulatório: o caso norte-americano -Identidade nacional do fenômeno regulatório: o caso brasileiro -Identidade geográfica do fenômeno regulatório: direito comparado -Identidade histórico-ideológica do Estado Regulador: Estado e Economia -Identidade federativa do fenômeno regulatório: centralização, descentralização e interdependência 3. Contextualização O termo regulação vem carregado de conteúdos jurídicos comumente tidos por inovadores. Partindo-se do pressuposto de que a intervenção estatal em setores relevantes da economia não é novidade, há que se perquirir sobre que novo enfoque fornece ao fenômeno regulatório autonomia enquanto campo do saber. Trata-se, portanto, da definição do ponto de partida da abordagem jurídica da intervenção estatal agora dotada da necessária ampliação de foco da lente do observador. Dita ampliação somente é possível a partir da pergunta fundamental sobre a análise regulatória. O que é regulação? Não é uma atitude do Estado; é um método, no sentido de ser uma opção sobre o significado de um objeto. O problema está em saber que objeto é este. Ele é complexo. Ele é relacional; relação que vem sintetizada na fórmula Estado intervenção Mercado. Esta equação Estado-Mercado encobre, entretanto, o seu significado jurídico. Regulação, sob o prisma jurídico, incorpora regras e princípios de regência do fenômeno regulatório, ou seja, traduz-se em elo de ligação entre Estado e Mercado. Assim, acrescenta-se à equação uma nova variável: Estado regime jurídico regulatório Mercado. O regime jurídico regulatório seria, portanto, o filtro que forneceria a medida da interferência do Estado no Mercado. Esta é uma visão contaminada pelo pressuposto de que há uma direção única no fenômeno, e mais ainda, que a relação se dá entre dois pontos predeterminados: do Estado para a Sociedade. Se se parte do pressuposto de que o regime-jurídico regulatório se esgota na limitação/autorização de interferência do Estado na Economia, ele fica cego ao movimento inverso. A fórmula, portanto, deveria ser: Estado/Mercado regime jurídico regulatório Mercado/Estado. Mas esta visão também está entregue à prévia limitação dos partícipes da relação regulatória: Estado e Mercado. Daí a importância de uma visão mais distanciada para compreensão do Página 1 de 17

2 fenômeno regulatório, que transcende as análises tradicionais de Direito e de Economia. Uma visão sobre o próprio significado que é dado a cada pólo da relação, como se fossem somente dois pólos, e como se fossem distintos. Regulação é um espaço regrado de manifestação política e não uma forma de relação entre atores predeterminados. A projeção política dos atores setoriais permite este novo enfoque da questão regulatória como a presença de diversos atores setoriais governo, parlamento, órgãos de controle hierárquico, interorgânico e social, grupos de pressão, mercado, interessados, usuários efetivos, usuários potenciais em torno a um regime jurídico regulatório não mais visto como uma pauta de relação entre dois pólos bem definidos, mas como espaço de postulação de interesses legítimos. A disciplina se destina a aprofundar os pressupostos teóricos esclarecedores do espaço regulatório de postulação de interesses legítimos. 4. Ementa O fenômeno da regulação é apreensível sob o pano de fundo da Modernidade e partilha de percepções de existência não iluminadas em abordagens contemporâneas a seu tempo. A compreensão deste fenômeno, portanto, necessita da ampliação de horizontes sobre a questão da imprevisão, da esfera pública, das instituições, e do próprio significado da Modernidade como libertação e como tecnologia. Tais pressupostos conceituais moldam o discurso vigente sobre o chamado Estado Regulador e dialogam com a herança de sistemas jurídicos de tradições continental-europeia e anglo-americana, promovendo a fusão de horizontes normativos até então tidos como incomensuráveis. O estudo aprofundado do fenômeno regulatório, portanto, necessita ser iluminado por novos pontos de vista capazes de suscitar visão crítica sobre as opções jurídico-políticas de atuação regulatória estatal, bem como de interação regulatória dos atores dos diversos setores regulados. O diálogo entre as distintas tradições fixadoras de fronteiras entre o público e o privado em termos jurídicos, entre os regimes de direito público e privado vêm apresentadas sob nova roupagem quando empiricamente figuradas nos setores regulados. Daí a importância de uma análise do fenômeno regulatório estar equacionada sob a base empírica fornecida pelo Direito Setorial, como direito de recorte transversal do fenômeno regulatório a partir do enfoque de setores específicos de atividades, tais como, telecomunicações, energia, transportes, petróleo, recursos hídricos, saúde, educação, dentre outros. 5. Tópicos Direito Regulatório. Direito Setorial. Pressupostos filosóficos da Regulação: natureza, caos e artifício. Teleologia da Regulação: procedimento, obstáculo e espaço de projeção política. Espaço Público regulatório. Modernidade. Instituição. Corporativismo. Imprevisão. Identidade institucional do fenômeno regulatório: identidade jurídica; identidade funcional; identidade terminológica; identidade valorativa; identidade compositiva; identidade autopoiética; identidade geográfica; identidade público-privada; identidade orgânica; identidade nacional; e identidade histórico-ideológica do fenômeno regulatório. Direito Comparado Regulatório. 6. Estrutura de apresentação oral Os seguintes princípios devem ser observados para apresentações orais: 1) é recomendável o uso de slides projetados com canhão de projeção a ser reservado na secretaria da Faculdade de Direito; 2) é vedado ler os slides para fins de apresentação; 3) ao menos 20% dos slides preparados devem conter somente imagens representativas das ideias centrais do texto lido; 4) as questões-guias, quando disponíveis no programa da disciplina, devem ser respondidas separadamente pelo expositor; 5) a estrutura da apresentação deve obedecer à seguinte ordem básica: a) Biografia do autor lido; b) Contextualização da produção intelectual do autor lido; c) Descrição do texto; d) Tópicos de relevo do texto e questões-guias do texto; e) Conclusão do expositor sobre a relação que existe entre o texto e o tema de fundo da disciplina. 7. Resumo estruturado de artigo final O artigo final da disciplina deve ser produzido a partir do modelo constante do link alterando-se o nome do arquivo para NomedoAutor_AnoMesDiadeEntrega.doc. O artigo deve ser enviado para o e depositado no escaninho do professor da disciplina, na Faculdade de Direito da UnB, até 15 dias após o último encontro presencial. 8. Avaliação Nota final composta por: 20% de participação em discussões em sala de aula; 40% de apresentação de seminário; 40% de artigo final. Página 2 de 17

3 Calendário Apresentação do curso Unidade 1 Modernidade, espaço público e regulação / [ ] ORDEM, CAOS E ARTIFÍCIO: PANO DE FUNDO DA PERCEPÇÃO DO FENÔMENO REGULATÓRIO ROSSET, Clément. A anti-natureza: elementos para uma filosofia trágica. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1989, p Os pressupostos de nossos discursos sobre o sentido da regulação de atividades sob a batuta estatal partilham de compreensões desta percepção que são fundamentalmente distintas: a compreensão da existência como a sequência de pautas intrínsecas à natureza; a compreensão da existência como tendência à destruição, ao caos, à desordem, à selvageria, e portanto, como aponta Hobbes, da condição humana como medo perpétuo e esforço perpétuo rumo à sua defesa contra a bestialidade (o Leviatã é a defesa possível do homem contra a bestialidade); a compreensão da existência como produto do agir humano, da criatividade e inovação produzida pelo ser que dialoga com a realidade e a molda segundo sua compreensão, revelando-a como um ponto de vista, e não como uma percepção apodítica. A depender destes pressupostos, a visão sobre a regulação da vivência e convivência humana pode resultar em mero procedimento de manifestação das condições de atuação (ordem); como reação possível à inevitável tendência à destruição da estabilidade das relações humanas (caos); como veículo de potencialização da dimensão política do ser humano como ser que provê os caminhos para o futuro e o desenha segundo seus projetos e valores (artifício). Ao procurarmos regular condutas, procuramos reproduzir estruturas pressupostas ideais, como o mercado, a intervenção? Esta crença na dependência da arte frente à natureza é questionada desde a antiguidade em Empédocles, nos Sofistas, em Lucrécio, até em Bacon, que é apontado como o primeiro a denunciar a distinção entre artifício e natureza. Nietzsche é produto desta corrente. Já em Platão (As Leis, X, 889 a.d.) e em Aristóteles (A física, II), vê-se a natureza como instância alheia tanto à arte como ao acaso. David Hume, nos Diálogos acerca da religião natural, diz que a mais profunda religiosidade não está na ideia de Deus, mas na ideia de natureza. A quem servimos quando formamos em nossas mentes a imagem do fenômeno regulatório e lhe damos vida? 1) Quais são as formas de percepção da existência descritas pelo autor? 2) Como o texto dialoga com a ideia de proteção do mercado? Leitura complementar: BERLIN, Isaiah. The Divorce between the Sciences and the Humanities, p In: HARDY, Henry (org.). Against the Current: Essays in the History of Ideas. New York: Penguin Books, Por detrás das opções de ordem, caos ou artifício sob o ponto de vista metodológico. DIDEROT, Denis. Da interpretação da natureza. (De l interpretation de la nature). Os artifícios (os produtos da arte humana) são imperfeitos enquanto não propuserem a imitação mais fiel da natureza. A arte somente existe nos limites da natureza. HOBBES, Thomas. Do cidadão. São Paulo: Martins Fontes, O começo da sociedade civil provém do medo recíproco, mas ainda há indicações de semi-socialidade antes de haver a sociedade, algo que desaparece no Leviatã. MANDELBROT, Benoit B. The Fractal Geometry of Nature. New York: W. H. Freeman and Company, A expansão da medida matemática sobre a natureza, ou da natureza sobre o mundo natural via matemática. NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Gaia ciência. Um antinaturalista: contra a sombra de Deus. ROSSET, Clément. Lógica do pior. Espaço & Tempo, (Logique du pire) SCHMITT, Carl. El Leviathan en la teoría del Estado de Tomas Hobbes. Granada: Editorial Comares, (Colección Crítica del Derecho) VICO, Giambattista. La Scienza Nuova. Bari: Gius. Laterza & Figli Algo que não vemos, mas temos a ilusão de que existe fantasia. / [ ] ESFERA PÚBLICA E PAPEL DA REGULAÇÃO. AÇÃO, LIBERTAÇÃO E LIBERDADE ARENDT, Hannah. Sobre a Revolução. Lisboa: Relógio D Água Editores, Página 3 de 17

4 Ação e virtude política. O século XVIII, ao esvaziar a importância da esfera pública para o social, faz com que a ação seja movida da política para a história. Há a procedimentalização do agir humano. A percepção da história como processo do fazer contínuo é substituída pela visão da história como fabricação poiesis de cópia de uma forma pré-fixada (natureza). A história como processo de fazer contínuo está apoiada na apreensão da história como um resultado da ação imprevisível, contingente, inovadora, pautada na pluralidade humana. A história, neste sentido, é o espaço de discurso e de ação regida pela espontaneidade da ação humana. Mas o século XVIII deslocou a idéia de ação para a de fabricação (palavra colada à idéia de processo), de cópia de uma forma pré-fixada, pautada no automatismo e não na ação. Já o fazer é uma atividade que tem sua finalidade fora de si. Por isso, falar-se na passagem da ação do homem para a história: a criação agora é enclausurada num modelo predeterminado. Leitura complementar: BURKE, Edmund. Reflexões sobre a Revolução em França. CONSTANT, Benjamin. Sobre la libertad en los antiguos y en los modernos. 2ªed., Trad. Marcial Antonio López & M. Magadalena Truyol Wintrich, Madrid: Tecnos, 2002, p GELLNER, Ernest. Da Revolução à Liberalização. Centro de Documentação Política e Relações Internacionais da Universidade de Brasília. HARTOG, François. Da liberdade dos antigos à liberdade dos modernos: o momento da Revolução Francesa. In: NOVAES, Adauto (org.). O avesso da liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2002, p TOCQUEVILLE, Alexis de. Democracia na América. TOCQUEVILLE, Alexis de. O Antigo Regime e a Revolução. 4ªed., trad. Yvonne Jean, Brasília: Editora Universidade de Brasília, Os franceses fizeram, em 1789, o maior esforço no qual povo algum jamais se empenhou para cortar seu destino em dois (...) (p.43). / [ ] INSTITUIÇÃO E O PAPEL DA REGULAÇÃO. INSTITUIÇÃO COMO CRISTALIZAÇÃO DA CULTURA E AS INSTITUIÇÕES ESTATAIS DE MODELAGEM DO AGIR. SUMNER, William Graham. Folkways. New York, Ginn and Company, Tradução de Lavínia Costa Villela. Folkways: estudo sociológico dos costumes. Tomo I. São Paulo, Livraria Martins Editora, (74 páginas iniciais) Instituição e Ação. Sedimentação da ação nas instituições reguladoras. Instituição como cristalização da cultura; como mores esforços convergentes e cooperadores racionalizados no sentido de serem acessíveis quanto ao seu significado e a sua visibilidade. Onde ela se encaixa em nossas opções de percepção da existência? A instituição é a realidade sedimentada, mas sedimentar a ação é feri-la de morte. A instituição, como estrutura estatal, é uma percepção inclinada à formação da concepção da existência como ordem. Ela, entretanto, por revelar a transformação em meio à estabilidade, permite o diálogo entre as percepções da existência. Um produto do ser humano, que depende de sua ação para manter-se vivo, faz a ligação entre as percepções de ordem, caos e artifício. As instituições, ao revelarem a dinâmica no estático, funcionam como uma contradição na vivência humana capaz de promover o despertar do ser para a compreensão da regulação como ordem, caos e artifício ao mesmo tempo. Sumner promove a duas abordagens: uma conceitual, sobre os folkways, mores e instituições; outra sobre a divisão das classes e dogmas da época. A instituição é vista como processo regulador do sistema social no sentido orgânico de compensação por difunções. Ela detém força própria, mas, ao ser revelada, permite sua transformação pensada. ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, (BCE E42u 2.ed.=690: über den Prozess der Zivilisation). Zivilisation x Kultur: civilização como universalizador; Kultur como caráter circunscrito de grupo. Cultura setorial? HAURIOU, Maurice. Teoria dell istituzione e della fondazione. trad. Widar Cesarini Sforza, Milano: Giuffrè Editore, HENSEL, Albert. Institution, Idee, Symbol. Königsberg: Gräfe und Unzer Verlag, LOURAU, René. A análise institucional. trad. Mariano Ferreira, Petrópolis: Editora Vozes, (original: L Analyse institutionnelle) MONTAIGNE, Michel Eyquem de. Ensaios. Porque o costume é efetivamente um pérfido e tirânico professor. Pouco a pouco, às escondidas, ganha autoridade sobre nós; a princípio terno e humilde, implanta-se com o decorrer do tempo, e se afirma, mostrando-se repentinamente uma expressão imperativa para a qual não ousamos sequer erguer os olhos. Página 4 de 17

5 PIERSON, Donald. Teoria e pesquisa em sociologia. 7ªed., São Paulo: Edições Melhoramentos, STAROBINSKI, Jean. Os emblemas da razão. São Paulo: Cia das Letras, 1988, 206p. (BCE 1789: les emblemes de la raison) / [ ] INSTITUIÇÃO, AÇÃO E CORPORAÇÃO: A FUNÇÃO COMO BERÇO DA LEGITIMIDADE MANOÏLESCO, Mihaïl. O século do corporativismo: doutrina do corporativismo integral e puro. Trad. Antônio José Azevedo Amaral. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, O ideal do liberalismo político foi o de alcance do consenso na diversidade. O mesmo ideal persegue o corporativismo, mas mediante o alcance de uma sociedade funcionalmente homogênea, embora socialmente heterogênea. O espaço público pode ser visto como encontro de interesses corporativos (econômicos, sociais, funcionais) ou como espaço regido pela principiologia participativa (teoria funcional versus liberalismo político). O mercado, por sua vez, pode ser visto como interesses corporativos ou como princípio jurídico de bloqueio ao corporativismo via preservação da competição. Enfim, a coletividade tem substância concreta corporativa (econômica, social, funcional) guiada, portanto, pelos setores, ou tem substância principiológica ideal (e.g. representativa, participativa) capaz de guiar o setor regulado? A oposição hegeliana entre o universal em si e para si do Estado e os interesses particulares das coletividades administrados nas corporações ajuda a iluminar novos aspectos do fenômeno regulatório. A proposta de um corporativismo integral (porque abarca mais do que as corporações econômicas do facismo) e puro (porque somente corporações são eleitas, transformando o Estado em uma super-corporação) ilumina esta contradição. 1) O que significa o corporativismo puro e integral proposto pelo autor. 2) Qual o conceito de corporação segundo Manoïlesco? 3) As instituições reguladoras representam mecanismos corporativos ou de encontro de interesses não-corporativos? 4) A principiologia informadora do espaço público regulatório obedece ao desiderato de alcance do consenso de posições funcionais da igreja, do exército, da empresa, etc, ou de posições individuais dos interessados? 5) Em sua opinião, a visão corporativista responde à prática da decisão regulatória? 6) BARTHÉLEMY, Joseph. La crise de la démocratie représentative. Paris: Marcel Giard, 1928, p. 23. O corporativismo fascista, em que o cidadão dá lugar ao produtor. HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Princípios da Filosofia do Direito. Trad. Norberto de Paula Lima. Adaptação e Notas de Márcio Pugliesi. São Paulo: Ícone, Os interesses particulares das coletividades que fazem parte da sociedade civil e se encontram situadas fora do universal em si e para si do Estado são administrados nas corporações (p.243). Esta função [de representar concretamente o universal imanente à corporação] atribui à corporação o direito de gerir os seus interesses sob a vigilância dos poderes públicos, admitir membros em virtude da qualidade objetiva da opinião e probidade que têm e no número determinado pela situação geral, encarregando-se de proteger os seus membros, por uma lado, contra os acidentes particulares e, por outro lado, na formação das aptidões para fazerem parte dela. Numa palavra, a corporação é para eles uma segunda família, missão que é indefinida para a sociedade civil em geral, mais afastada como esta está dos indivíduos e das exigências particulares (p.202). MUSSOLINI, Benito. La riforma elettorale. In: HOEPLI, Ulrico (org.). Scritti e discorsi di Benito Mussolini: L inizio della nuova política. Vol. III, 28 ottobre dicembre 1923, p O fascismo vuole fare del Parlamento una cosa un po più seria, se non solenne, vuole, se fosse possibile, colmare quell hiatus che esiste innegabilmente fra Parlamento e Paese. (p.199) PECCI, Giocchino [Papa Leão XIII]. Literae encyclicae: quod apostolici muneris. Santa Sé: s/e, 1878, 15. PECCI, Giocchino [Papa Leão XIII]. Literae encyclicae: rerum novarum. Santa Sé: s/e, 1891, 36. PINTO, Bilac. Regulamentação efetiva dos serviços de utilidade pública. Rio de Janeiro: Forense, REALE, Miguel. Corporativismo e unidade nacional. In:. Obras políticas: 1ª fase Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1983, p (Cadernos da UnB). SOUZA, Francisco Martins de. Raízes teóricas do corporativismo brasileiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, Página 5 de 17

6 STEPAN, Alfred. Estado, corporativismo e autoritarismo. Trad. Mariana Leão Teixeira Viriato de Medeiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p (Coleção Estudos Latino- Americanos, vol.17). / [ ] MODERNIDADE E IMPREVISÃO: A NORMALIDADE DA MUDANÇA E A RUPTURA DAS FRONTEIRAS NACIONAIS WALLERSTEIN, Immanuel. Após o Liberalismo: em busca da reconstrução do mundo. Trad. Ricardo Anibal Rosenbusch, Petrópolis: Vozes, A Modernidade como normalidade da mudança situa o fenômeno regulatório como um fenômeno apoiado em um fundamento filosófico de reconhecimento da dinâmica como um elemento essencial da regulação, entendida como acompanhamento cotidiano: Direito Administrativo Conjuntural. Por mais que as ideologias fossem contra o Estado, elas sempre precisaram do Estado. Sua substituição proposta nos dias de hoje por grupos de solidariedade em uma perspectiva inclusiva é o diferencial apresentado pelo autor. Os conceitos de modernidade tecnológica e da libertação. BECK, Ulrich. La sociedad del riesgo: hacia una nueva modernidad. Barcelona: Paidós, GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Trad. Plínio Dentzien, Rio de Janeiro: Zahar Editor, HUNTINGTON, Samuel P. O choque de civilizações e a recomposição da ordem mundial. Rio de Janeiro: Objetiva, PINCUS, Steve. The First Modern Revolution. New Haven: Yale University Press, Moderno como centralização e burocratização da autoridade política, além do significado de transformação constante. WALLERSTEIN, Immanuel. Geopolitics and geoculture: essays on the changing worldsystem. Cambridge: Cambridge University Press, Tratamento do tema em termos de ciclos de hegemonias e da normalidade da mudança. WALLERSTEIN, Immanuel. The Modern World-System I: capitalist agriculture and the origins of the european world-economy in the sixteenth century. London: Academic Press, reimpressão de 1974 (Studies in Social Discontinuity). WALLERSTEIN, Immanuel. The Modern World-System II: mercantilism and the consolidation of the european world-economy, London: Academic Press, reimpressão de 1980 (Studies in Social Discontinuity). WALLERSTEIN, Immanuel. The Modern World-System III: the second era of great expansion of the capitalist world-economy, s. London: Academic Press, reimpressão de 1989 (Studies in Social Discontinuity). WALLERSTEIN, Immanuel. World-Systems Analysis. Durham/London: Duke University Press, A co-presença das conquistas revolucionárias francesas da normalidade da mudança política e da remodelagem do conceito de soberania sob o manto da cidadania. Unidade 2 Leituras utópicas, determinismo tecnológico e análise institucional / [ ] UTOPIAS FRANCO, Afonso Arinos de Melo. O índio brasileiro e a Revolução Francesa: as origens brasileiras da teoria da bondade natural. 3ª ed., Rio de Janeiro: Topbooks. O pensamento utópico de isolamento da realidade política afigura-se como requisito para a reconstrução da carta política fundamental. A transformação da realidade política dá-se via remissão ao pensamento utópico de concepção de uma realidade fora da humanidade. Apesar disso, o pensamento utópico tem efeitos práticos. Afonso Arinos chega a descrever a ilha de Utopia de Hitlodeu como um dos mais terríveis libelos revolucionários do século dezesseis. A história das ideias nos permite fugir da armadilha do nacionalismo local: a cultura como algo que não tem fronteiras; a importância da alteridade cultural como necessária à identidade local, Página 6 de 17

7 ou seja, a alteridade cultural como cerne do político. Os monstros que habitam o desconhecido substituídos pela literatura do bom selvagem. MORUS, Thomas. Utopia. 3ª ed., trad. Ana Pereira de Melo Franco, Brasília: Editora Universidade de Brasília, A defesa que Morus faz de uma filosofia mais sociável e prática de reconhecimento do teatro do mundo, pode ser interpretada, no diálogo com Rafael Hitlodeu, como a proposta de um equilíbrio a ser alcançado na Europa a partir da visualização de um novo mundo capaz de sensibilizar, pela perfeição, o movimento de transformação europeia. POCOCK, J. G. A. (org.). The Commonwealth of Oceana and A System of Politics. Cambridge: Cambridge University Press, SCHMITT, Carl. Land und Meer. Leipzig, O homem não se deixa absorver por seu entorno. VOLTAIRE, François Marie Arouet de. Cândido. 2ª ed., trad. Maria Ermantina Galvão, São Paulo: Martins Fontes, A ideia utópica de enclave expressa no Eldorado de Cândido. / [ ] DETERMINISMO TECNOLÓGICO WILSON, Ernst J. The Information Revolution and Developing Countries. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, (36 páginas iniciais) Crítica às análises deterministas tecnológicas ou tecnodeterministas. O pensamento utópico, ao se arvorar na solução dos problemas humanos fora da humanidade, fornece o material para a compreensão da tecnologia presumivelmente carregada de conteúdo moral, quando, pelo contrário, a tecnologia é neutra e impulsiona o rumo de um conjunto complexo de decisões e instituições. O determinismo tecnológico defende que a origem das transformações sociais inaugurada com a sociedade da informação seria tecnológica ao invés de institucional e política. Em outras palavras, segundo o determinismo tecnológico e o pensamento desenvolvimentista, a infraestrutura resultaria em uma sociedade melhor e os imperativos do desenvolvimento tecnológico seriam determinantes para as transformações sociais. BENIGER, J. The Control Revolution: Technological and Economic Origins of the Information Society. Cambridge, MA: Harvard University Press, MASUDA, Y. The Information Society as Post-Industrial Society. Washington, DC: World Future Society, TOFFLER, A. The Third Wave. New York: Morrow, / [ ] OS PANOS DE FUNDO DE DESENVOLVIMENTO E DEPENDÊNCIA CARLSSON, Ulla. (2003). The Rise and Fall of NWICO: From a Vision of International Regulation to a Reality of Multilevel Governance. In: Nordicom Review 2: A influência do pano de fundo dos paradigmas de desenvolvimento e sua relação com o determinismo tecnológico. Trata-se dos paradigmas da dependência [dependency paradigm], da modernização [modernization paradigm] e de um outro desenvolvimento [another development]. Este último é sintetizado na máxima global problems, local solutions, ou seja, na assertiva de que não há uma fórmula única de desenvolvimento para todas as nações, pois os problemas são locais, mas as soluções dependem de participação local apoiada na cultural local e na identidade. A tecnologia é a utilidade que lhe dão as culturas locais. AIZU, Izumi. Cultural Impact on Network Evolution in Japan: Emergence of Netizens. Tokyo: Institute for HyperNetwork Society, A influência da dimensão cultural na distribuição de tecnologias da informação e comunicação em nível internacional. (http://www.nira.or.jp/past/publ/review/95autumn/aizu.html). BANCO MUNDIAL. World Development Report: Knowledge for Development. Oxford: Oxford University Press, A revolução informacional como dependente de aspectos do desenvolvimento. MANSELL, R.; WEHN, U. Knowledge Societies: Information Technology and Sustainable Development. New York: Oxford University Press, A tecnologia influencia o caminho tomado, mas não se afigura em mão invisível que dirige as opções das pessoas. PNUD. Human Development Report. New York: Oxford University Press. A revolução informacional como dependente de aspectos do desenvolvimento. Página 7 de 17

8 ROHOZINSKI, R. Mapping Russian Cyberspace: Perspectives on Democracy and the Net. New York: United Nations Research Institute for Social Development, A internet não é um fenômeno universal, mas um sistema tecnológico que se manifesta em variados contextos econômicos, estruturas de poder e modelos organizacionais. ROSENAU, James N. Information Technologies and the Skills, Networks and Structures that Sustain World Affairs. p In: ROSENAU, James N.; SINGH, J. P. (org.). Information Technologies and Global Politics: The Changing Scope of Power and Governance. Albany: State University of New York Press, A tecnologia é essencialmente neutra; ela não molda estruturas e comportametos uniformimente; ela se apresenta como variável de segunda grandeza. United States Office of Technology Assessment (OTA) Critical Connections: Communication for the Future. Washington, DC: U.S. Government Printing Office. Incentivos institucionais moldam o ritmo de adoção de novas tecnologias. WILSON, Ernst J. The Information Revolution and Developing Countries. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, A revolução informacional é produto de engrenagens diversas, igualmente relevantes, quais sejam, as engrenagens estrutural, institucional, jogo político e política pública. / [ ] A REALIDADE COMO ELA É... REGULADA JOHNSTON, David Cay. The Fine Print. New York: Penguin, O pressuposto regulatório do acompanhamento conjuntural normativo encontra respaldo na percepção de mundo afeta às peculiaridades dos setores e à criatividade de adaptação às adversidades de seus atores. O fenômeno regulatório não é disciplinar nem setorial, mas multissetorial, complexo e intrinsecamente regulado. No socialismo corporativo descrito por Johnston, os lucros são privatizados e as perdas socializadas. 1) Quais setores são tratados no livro? 2) Em que consiste o objetivo central do livro? 3) Selecione quatro casos mais representativos do livro para descrevê-los com mais detalhes. 4) A partir da leitura, o que significa a desregulação? CAVANAUGH, Maureen B. Democracy, Equality, and Taxes. Alabama Law Review, Winter CUDAHY, Richard D.; HENDERSON, William D. From Insull to Enron: Corporate (Re) Regulation after the Rise and Fall of Two Energy Icons. Energy Law Journal 25(1): , Unidade 3 Identidade institucional do fenômeno regulatório / [ ] IDENTIDADE JURÍDICA DO FENÔMENO REGULATÓRIO: A TEORIA PROCESSUAL ADMINISTRATIVA DA REGULAÇÃO CROLEY, Steven P. Regulation and Public Interests. Princeton: Princeton University Press, 2008, p. 1-25; ; A proposta de uma análise institucional jurídica da regulação tem um veio cada vez mais explorado sob a forma de uma teoria processual administrativa crítica à abordagem da tomada de decisão regulatória proposta pela teoria da public choice. Segundo a teoria da dimensão processual administrativa da regulação, a estrutura institucional jurídica que rege as agências reguladoras, sejam elas subordinadas ao Executivo ou independentes, lhes dá suficiente autonomia institucional para afastarem os resultados da teoria da public choice e implementarem uma regulação de interesse público. 5) Que pergunta fundamental o livro procura responder? 6) Que relação há entre a pergunta fundamental do texto e os conceitos de special interest regulation e public interest regulation? Página 8 de 17

Tema Direito Setorial Regulatório

Tema Direito Setorial Regulatório UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO DISCIPLINA: Estado e Regulação PROFESSOR: Márcio Nunes Iorio Aranha Oliveira PERÍODO: 2º/2006 Tema

Leia mais

Relatório Final. Discente: Dâmaris Regina Dias Guimarães da Rocha 12/0050251

Relatório Final. Discente: Dâmaris Regina Dias Guimarães da Rocha 12/0050251 Relatório Final Análise do arcabouço institucional jurídico de Costa Rica, Panamá e Honduras por meio do LICS model para fins de comparação de suas conformações institucionais Discente: Dâmaris Regina

Leia mais

Limites Regulatórios do Acesso Fixo sem Fio: possibilidades convergentes para a interatividade de novas mídias

Limites Regulatórios do Acesso Fixo sem Fio: possibilidades convergentes para a interatividade de novas mídias Limites Regulatórios do Acesso Fixo sem Fio: possibilidades convergentes para a interatividade de novas mídias Márcio Iorio Aranha Seminário Direito, Globalização e Sociedade em Rede. Discurso jurídico

Leia mais

PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO DADOS DO CURSO

PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO DADOS DO CURSO PLANO DE ENSINO I - IDENTIFICAÇÃO DADOS DO CURSO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO CONSTITUCIONAL Área de Concentração: Constituição e Sociedade. Modalidade: Presencial DADOS DA DISCIPLINA Disciplina: Teoria

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: Direito TURMA: 1º Semestre/Noturno DISCIPLINA: Ciência

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

a judicialização de políticas regulatórias de telecomunicações no Brasil 1 * The judicialization of telecommunications regulatory policies in Brazil

a judicialização de políticas regulatórias de telecomunicações no Brasil 1 * The judicialization of telecommunications regulatory policies in Brazil a judicialização de políticas regulatórias de telecomunicações no Brasil 1 * The judicialization of telecommunications regulatory policies in Brazil Alexandre D. Faraco** Caio Mario da Silva Pereira Neto***

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE CURSO 1. Identificação Disciplina: Filosofia Geral e do Direito

Leia mais

Objetivos da disciplina: discutir assuntos clássicos e contemporâneos essenciais ao Direito Constitucional e à sua compreensão.

Objetivos da disciplina: discutir assuntos clássicos e contemporâneos essenciais ao Direito Constitucional e à sua compreensão. UniCEUB Programa de Mestrado e Doutorado em Direito Professor José Levi Mello do Amaral Júnior jose.levi@uol.com.br Temas Fundamentais do Direito Constitucional 1 o semestre de 2015 Objetivos da disciplina:

Leia mais

Políticas regulatórias de serviços públicos: uma perspectiva constitucional

Políticas regulatórias de serviços públicos: uma perspectiva constitucional Página 1 de 7 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO E DOUTORADO DISCIPLINA: Tópicos Especiais Avançados 4 TÓPICO: Políticas Regulatórias de Serviços

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Discutir os pressupostos, os conceitos e técnicas fundamentais para a produção e aplicação do conhecimento jurídico.

2. OBJETIVO GERAL Discutir os pressupostos, os conceitos e técnicas fundamentais para a produção e aplicação do conhecimento jurídico. DISCIPLINA: Introdução ao Estudo do Direito CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 1 Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR101 1. EMENTA: Epistemologia jurídica. Norma Jurídica. Ordenamento Jurídico.

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO

DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regente: Pedro Infante Mota Ano Letivo 2014/2015 3.º Ano, Turma da Noite DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO 1. APRESENTAÇÃO Apesar de a propensão para trocar

Leia mais

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores 1 Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores Renato Rua de Almeida (*) O Direito do Trabalho distinguiu-se do Direito Civil, porque, enquanto o Direito Civil regulou de forma igual e recíproca os

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Constitucional. Prof. Doutor Nuno Piçarra Prof. Doutor Raul Araújo

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Constitucional. Prof. Doutor Nuno Piçarra Prof. Doutor Raul Araújo I Curso de Doutoramento em Direito Ramo de Direito Público Direito Constitucional Tema geral: A Justiça Constitucional e os seus Modelos Prof. Doutor Nuno Piçarra Prof. Doutor Raul Araújo A) Programa:

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE Curso: Ciências Econômicas Disciplina: Teoria Política Professor: Francisco Mata Machado Tavares 2o Semestre / 2012 PROGRAMA / PLANO DE ATIVIDADES 1) Ementa da Disciplina:

Leia mais

PLANO DE CURSO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PODER LEGISLATIVO

PLANO DE CURSO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PODER LEGISLATIVO CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento Programa de Pós-Graduação PLANO DE CURSO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PODER LEGISLATIVO DISCIPLINA: Estudos Avançados em Direito

Leia mais

AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO

AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO A 350404 Rui Pedro Paula de Matos AS ONG(D) E A CRISE DO ESTADO SOBERANO UM ESTUDO DE CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS COLECÇÃO TESES Universidade Lusíada Editora Lisboa 2001 As ONGD e a crise

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Código da Disciplina: 2656 Vigência: 1 / 2004 Disciplina: FILOSOFIA DO DIREITO Código do Curso: 17 Curso: Direito Unidade: NÚCLEO UNIV BH Turno: MANHÃ Período: 9 Créditos: 4 Carga Horária TOTAL 60 TEÓRICA

Leia mais

IEP815 Política Ambiental, Descentralização e Qualidade de Vida Profa. Estela Neves

IEP815 Política Ambiental, Descentralização e Qualidade de Vida Profa. Estela Neves Objetivo: O objetivo do curso é familiarizar os alunos com a base teórica, marcos conceituais e questões operacionais da política ambiental no âmbito municipal, para capacitá-los para analisar propostas

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA PÓS GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA PÓS GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA PÓS GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MESTRADO Claudia Archer Tema da Pesquisa: A BUROCRACIA E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL, A PARTIR DE 2003:

Leia mais

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Internacional Público. Tema geral: Direito Internacional Penal

I Curso de Doutoramento em Direito. Ramo de Direito Público. Direito Internacional Público. Tema geral: Direito Internacional Penal I Curso de Doutoramento em Direito Ramo de Direito Público Direito Internacional Público Tema geral: Direito Internacional Penal Prof. Doutor Jorge Bacelar Gouveia Prof. Doutor André Víctor Luanda, 20

Leia mais

Origem, Objetivos e Modelos de Regulação de Serviços Públicos

Origem, Objetivos e Modelos de Regulação de Serviços Públicos Origem, Objetivos e Modelos de Regulação de Serviços Públicos Prof. Márcio Iorio Aranha www.marcioaranha.com Manual de Direito Regulatório: Fundamentos de Direito Regulatório. 2ªed., Coleford, UK: Laccademia

Leia mais

LIVRO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONCESSÕES E TERCEIRO SETOR EDITORA: LUMEN JURIS EDIÇÃO: 2ªED., 2011 SUMÁRIO

LIVRO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONCESSÕES E TERCEIRO SETOR EDITORA: LUMEN JURIS EDIÇÃO: 2ªED., 2011 SUMÁRIO LIVRO: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONCESSÕES E TERCEIRO SETOR EDITORA: LUMEN JURIS EDIÇÃO: 2ªED., 2011 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Capítulo

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

CURSO 1. MÓDULO 1 - A Assistência Social e a Garantia dos Direitos Socioassistenciais por meio do SUAS. Ministrado por Rogério de Souza Medeiros CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA O PROVIMENTO DOS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS SOCIOASSISTENCIAIS DO SUAS E IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA CAPACITASUAS CURSO 1 MÓDULO 1 - A Assistência Social e a

Leia mais

PRIMEIRA PARTE CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO JURÍDICO E AS TRANSFORMAÇÕES NO DIREITO E NO ESTADO

PRIMEIRA PARTE CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO JURÍDICO E AS TRANSFORMAÇÕES NO DIREITO E NO ESTADO SUMÁRIO Prefácio... xiii INTRODUÇÃO... 1 1. Delimitação temática e justificativa da pesquisa... 1 2. Explicando o sentido da expressão Direito Coletivo Brasileiro, objeto da pesquisa... 11 3. Paradigmas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA Disciplina: ESPE 119 - Capitalismo Concorrencial, Estado e Regulação Professor: Ricardo Dathein

Leia mais

Introdução às relações internacionais

Introdução às relações internacionais Robert Jackson Georg Sørensen Introdução às relações internacionais Teorias e abordagens Tradução: BÁRBARA DUARTE Revisão técnica: ARTHUR ITUASSU, prof. de relações internacionais na PUC-Rio Rio de Janeiro

Leia mais

Estado de Direito! Uma das fórmulas mais felizes da filosofia política e da filosofia do direito ocidentais (Zolo)!

Estado de Direito! Uma das fórmulas mais felizes da filosofia política e da filosofia do direito ocidentais (Zolo)! Estado de Direito! Uma das fórmulas mais felizes da filosofia política e da filosofia do direito ocidentais (Zolo)! Duas tradições jurídicas distintas! Estado de direito teve origem na cultura liberal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO EMENTA: Novas tendências na produção, distribuição e consumo da comunicação com vertentes no jornalismo diante nova reconfiguração capitalista em um cenário neoliberal. AVALIAÇÃO: A avalição será feita

Leia mais

MÓDULO INTERNACIONAL INTERNATIONAL BUSINESS LAW

MÓDULO INTERNACIONAL INTERNATIONAL BUSINESS LAW MÓDULO INTERNACIONAL INTERNATIONAL BUSINESS LAW INTERNATIONAL BUSINESS LAW 23 de julho a 07 de agosto de 2016 Coordenação Acadêmica: Prof. Sergio Guerra Apresentação............................. 3 Universidade

Leia mais

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem índice Agradecimentos 15 Prefácio 17 Introdução 23 Capítulo 1 Que forma de Estado previne melhor os golpes militares? 27 Golpes de Igreja, golpes de Estado, golpes militares 27 Que é a forma do Estado

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO SUMÁRIO INTRODUÇÃO... PRIMEIRA PARTE: A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Capítulo I As transformações do Estado e a organização administrativa moderna 1.1. Estado Liberal, Estado

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

LUÍS ROBERTO BARROSO Email: gabmlrb@stf.jus.br

LUÍS ROBERTO BARROSO Email: gabmlrb@stf.jus.br LUÍS ROBERTO BARROSO Email: gabmlrb@stf.jus.br I. DADOS PESSOAIS - Data de nascimento: 11 de março de 1958 - Nacionalidade: Brasileiro - Naturalidade: Vassouras, RJ - Filiação: Roberto Bernardes Barroso

Leia mais

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Disciplina: História da Administração Pública no Brasil Professor(es): Wallace Moraes Período: 2013/2 Horário: 3 e 5 feiras,

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Unidade Universitária Cora Coralina CURSO DE HISTÓRIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Unidade Universitária Cora Coralina CURSO DE HISTÓRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA - CIDADE DE GOIÁS Curso: HISTÓRIA Disciplina: História Moderna Habilitação: LICENCIATURA Carga Horária Total: 64 h/a anuais 2 h/a semanais Carga Horária

Leia mais

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES

A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES A VIOLÊNCIA DA NOTÍCIA NA GLOBALIZAÇÃO: AS AGÊNCIAS TRANSNACIONAIS E O COMANDO DOS CÍRCULOS DE INFORMAÇÕES André B. Pasti AGB-Campinas pasti@cotuca.unicamp.br INTRODUÇÃO No atual período da globalização

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.2, p.170-175, ago./dez.2011. RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.33, v.2, p.170-175, ago./dez.2011. RESENHA: RESENHA: FERRÃO, João. O ordenamento do território como política pública. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011. 146p. Hélio Carlos Miranda de Oliveira Prof. do Curso de Geografia da Faculdade de

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Sistemas Jurídicos Comparados. Programa e bibliografia principal

Sistemas Jurídicos Comparados. Programa e bibliografia principal Sistemas Jurídicos Comparados Programa e bibliografia principal Rui Pinto Duarte 2000/2001 PROGRAMA 1. Introdução ao Direito Comparado 1.1. Primeira aproximação à ideia de Direito Comparado 1.1.1. Observação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE/2013 CP019-A ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS PROF. CRISTIANO MORINI 2º SEMESTRE/2013 EMENTA: Classificação das organizações internacionais por natureza, abrangência e funções. Processo decisório. Organizações de

Leia mais

DISCIPLINA OPTATIVA: FUNDAMENTOS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA. 45h/3 créditos

DISCIPLINA OPTATIVA: FUNDAMENTOS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA. 45h/3 créditos DISCIPLINA OPTATIVA: FUNDAMENTOS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA 45h/3 créditos Ementa: A disciplina envolve as seguintes aproximações: a tecnologia e as inovações tecnológicas como instrumentos de defesa

Leia mais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Paulo Gilberto Cogo Leivas Procurador Regional da República. Mestre e Doutor em Direito pela UFRGS. Coordenador

Leia mais

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços.

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços. 191 Volume produzido; Volume Micromedido e Estimado; Extravasamentos; Vazamentos; Consumos Operacionais Excessivos; Consumos Especiais; e Consumos Clandestinos. A partir do conhecimento dos fatores elencados

Leia mais

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS ANER SEDE ANER SHIS QI 23 Conjunto 13 casa 19 Lago Sul Brasília - DF Entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência. Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv.

3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência. Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv. 3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv.br Preços em Setores Regulados Tendências Regulatórias e o Controle de Preços

Leia mais

DOSSIÊ. Sociologias, Porto Alegre, ano 5, nº 9, jan/jun 2003, p. 14-18. Apresentação A teoria sociológica e os novos desafios para a pesquisa

DOSSIÊ. Sociologias, Porto Alegre, ano 5, nº 9, jan/jun 2003, p. 14-18. Apresentação A teoria sociológica e os novos desafios para a pesquisa 14 SOCIOLOGIAS DOSSIÊ Apresentação A teoria sociológica e os novos desafios para a pesquisa ELIDA RUBINI LIEDKE* intensificação, nos últimos decênios, das relações de produção e de troca mercantil no plano

Leia mais

UNIVERSIDAD E FEDERAL DE L AVR AS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDAD E FEDERAL DE L AVR AS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDAD E FEDERAL DE L AVR AS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Código Denominação DISCIPLINA Crédito(s) (*) Carga Horária Teórica Prática

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vinculação do estudo do impacto ambiental Gabriela Mansur Soares Estudo Do Impacto Ambiental Vinculação Do Estudo Do Impacto Ambiental (Eia) O objetivo desse artigo é demonstrar

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Centro de Estudos Gerais. Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Departamento de Ciência Política

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Centro de Estudos Gerais. Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Departamento de Ciência Política UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos Curso de Mestrado Título

Leia mais

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E SISTEMA PARTIDÁRIO Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br INTRODUÇÃO Hobbes, Locke e Burke são os formuladores da moderna teoria da representação

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Sociologia Código: ENGP-191 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

CURRICULUM VITAE C A R L O S M A R I A D A S I L V A F E I J Ó. Professor Titular/Catedratico de Direito, Universidade Agostinho Neto

CURRICULUM VITAE C A R L O S M A R I A D A S I L V A F E I J Ó. Professor Titular/Catedratico de Direito, Universidade Agostinho Neto Data de Nascimento: 2 Janeiro 1963 Email:cf@carlosfeijo.com ACTIVIDADE PROFISSIONAL (actual) Professor Titular/Catedratico de Direito, Universidade Agostinho Neto Sócio do escritório de advogados CFA Firma

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO.

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL MESTRADO DE CIÊNCIA POLÍTICA DISCIPLINA: FORMAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DO BRASIL PROFESSOR: CLEBER DE DEUS CONSULTAS: A COMBINAR COM O PROFESSOR PERÍODO: 2008.1 E-mail:

Leia mais

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação PRO-REG/IBI PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM REGULAÇÃO Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação Pedro Farias Especialista Lider em Modernização do Estado Banco Interamericano de Desenvolvimento Sebastian

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

Trajetória do Grupo 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Trajetória do Grupo 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Trajetória do Grupo 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 1999 Grupo de Direito Setorial e Regulatório (GESAN, GETEL, GEEL) Biblioteca Setorial (GESAN) 2000 Política

Leia mais

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO Carlos Antônio Petter Bomfá 1 RESUMO: A globalização tem se tornado um elemento de identificação de uma

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 094/2015-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. Altera os Anexos I e II, da Resolução Nº 133/2012- CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, de 23 de novembro de 2012, e aprova o relatório final.

Leia mais

Sociologia e Espiritismo

Sociologia e Espiritismo Sociologia e Espiritismo Sérgio Biagi Gregório SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1. Etimologia; 2.2. Objeto da Sociologia; 2.3. Natureza da Sociologia. 3. Histórico. 4. O Positivismo de Augusto Comte.

Leia mais

NSTITUTO DE ILOSOFIA & IÊNCIAS UMANAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - 16

NSTITUTO DE ILOSOFIA & IÊNCIAS UMANAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - 16 NSTITUTO DE ILOSOFIA & IÊNCIAS UMANAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - 16 2 o. Semestre de 2006 DISCIPLINA CÓDIGO / TURMA HZ942/A NOME Relações Internacionais PRÉ-REQUISITOS HZ341/ AA200 CARGA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos Título da Disciplina: Teoria e análise de Relações

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL Como pode cair no enem Leia o trecho abaixo e responda: A propriedade do rei suas terras e seus tesouros se

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw)

Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Oscar Vilhena Vieira Diretor Paulo Clarindo Goldschmidt Vice-Diretor Administrativo

Leia mais

O respeito dos direitos humanos e a integração: uma concordância garantida?

O respeito dos direitos humanos e a integração: uma concordância garantida? DIREITOS HUMANOS O respeito dos direitos humanos e a integração: uma concordância garantida? Síntese das conferências e discussões da sexta-feira, 19 de setembro de 1997 Presidente: Sr. Carlos Baraibar

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

I. Apresentação Geral... 3

I. Apresentação Geral... 3 Programa de Pós- Graduação Lato Sensu Especialização em Direito Constitucional Entrada: 2011 1º Semestre Índice I. Apresentação Geral... 3 II. Especialização em Direito Constitucional... 4 1. Plano de

Leia mais

Conclusão da Parte Escolar do Mestrado em Ciências Jurídico-Políticas na Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, em 1995.

Conclusão da Parte Escolar do Mestrado em Ciências Jurídico-Políticas na Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, em 1995. LINO TORGAL Data e local de nascimento: 1970, Lisboa Cédula Profissional: 12177L Correio eletrónico: lt@servulo.com HABILITAÇÕES LITERÁRIAS Leadership in Law Firms, Harvard Law School, em 2013. Admitido

Leia mais

Teoria Geral de Administração Pública

Teoria Geral de Administração Pública Teoria Geral de Administração Pública Robert B. Denhardt GRUPO 4 Disciplina Débora Cabral Nazário Fabíola Ferreira de Macedo Rafael Arns Stobbe Governo Eletrônico Professor Aires José Rover Eduardo Costa

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

PLANO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA BÁSICA. ASCENSÃO, José de Oliveira. Direito autoral. Rio de Janeiro: Forense, 1980.

PLANO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA BÁSICA. ASCENSÃO, José de Oliveira. Direito autoral. Rio de Janeiro: Forense, 1980. PLANO DE ENSINO Disciplina: DIREITOS AUTORAIS: TEORIA CRÍTICA E Código: ESTUDO DE CASOS Natureza: ( ) obrigatória (X) optativa Semestral (X) Anual ( ) Modular ( ) Pré-requisito: Co-requisito: Modalidade:

Leia mais

RALCILENE SANTIAGO DA FROTA JOSÉ DEOCLECIANO DE SIQUEIRA JÚNIOR CARLOS DOMINGUES ÀVILA IGLAIR RÉGIS DE OLIVEIRA THIAGO AUGUSTO DE LIMA COSTA E SILVA

RALCILENE SANTIAGO DA FROTA JOSÉ DEOCLECIANO DE SIQUEIRA JÚNIOR CARLOS DOMINGUES ÀVILA IGLAIR RÉGIS DE OLIVEIRA THIAGO AUGUSTO DE LIMA COSTA E SILVA RALCILENE SANTIAGO DA FROTA JOSÉ DEOCLECIANO DE SIQUEIRA JÚNIOR CARLOS DOMINGUES ÀVILA IGLAIR RÉGIS DE OLIVEIRA THIAGO AUGUSTO DE LIMA COSTA E SILVA ESTUDO COMPARATIVO DA REPERCUSSÃO POLITICA NO LEGISLATIVO

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1

ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 1 ENSINO E PESQUISA: EDUCAÇÃO, TRABALHO E CIDADANIA 1 Cristiano Pinheiro Corra 2 Lorena Carolina Fabri 3 Lucas Garcia 4 Cibélia Aparecida Pereira 5 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo suscitar

Leia mais