AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES"

Transcrição

1 AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão crítica do fenômeno jurídico, essencial ao estudioso do Direito. Afinal, sempre nos vemos diante de questionamentos acerca da efetividade da Constituição brasileira, quase sempre acompanhados de comparações a realidades jurídico-constitucionais distintas da nossa, de forma assistemática e pouco fundamentada. É muito comum, por exemplo, escutarmos pessoas criticando o fato de estarmos na nossa sétima (ou oitava, se levarmos em conta a Emenda Constitucional nº. 01/69) Constituição, enquanto os americanos, em toda a sua história, tiveram apenas uma. Por que será que a realidade constitucional dos Estados unidos é tão diferente da brasileira? Nesta quarta aula deste Curso de Introdução à Teoria da Constituição, estudaremos a classificação das constituições, de forma a que nos habilitemos a compreender, e comparar de fora lógica e sistemática, realidades constitucionais tão distintas como a brasileira, a americana ou a inglesa, por exemplo. Para atingir tal objetivo, é necessária a leitura da presente apostila, aliada à audiência do vídeo da aula 04. Bom trabalho!!!

2 2. Classificação das constituições quanto ao modo de elaboração. Quanto ao modo de elaboração, as constituições podem ser classificadas em duas espécies: a) históricas, também chamadas de consuetudinárias; ou b) dogmáticas. As constituições históricas, ou consuetudinárias, refletem um fenômeno típico do período anterior ao Constitucionalismo, estudado na aula 03. Um Estado, quando adota o modelo da Constituição histórica, não possui um documento formal, escrito, chamado de Constituição. Adota-se, assim, a concepção política de Constituição, difundida por Carl Schmitt, para identificar-se o que é ou não constitucional. A Constituição, dessa forma, apresenta-se como o conjunto das normas ordinárias, tradições, costume, jurisprudências e documentos históricos aos quais se dá um caráter de fundamental para a configuração da sociedade. Exemplo atual deste modelo é a Constituição Inglesa. As constituições dogmáticas, por sua vez, são reflexo de um conjunto de valores e dogmas predominantes em determinada sociedade em dada época. Democrática ou imposta, este modelo de Constituição inspira-se no sentido jurídico de Constituição difundido pelo Abade Sièyes no final do século XVIII, sendo dotada, acima de tudo, de supremacia formal. Esta espécie de Constituição, fruto do Constitucionalismo, é a mais comum nos dias de hoje. 3. Classificação das constituições quanto à forma. Quanto à forma, uma Constituição pode apresentar-se como escrita ou nãoescrita. As constituições escritas são as mais comuns nos dias de hoje, refletindo a tendência da positivação das normas constitucionais gerada a partir do século XVIII, com o Constitucionalismo. O modelo da Constituição não escrita, por sua vez, é encontrado nos países que não aderiram ao Constitucionalismo, preservando o modelo de constituições históricas. O principal exemplo de Constituição não escrita é a Constituição da Inglaterra.

3 4. Classificação das constituições quanto à mutabilidade. Quanto à mutabilidade, pode-se afirmar que existem três espécies de Constituição: a espécie flexível, a espécie rígida e a espécie semi-rígida. A Constituição flexível é aquela que não exige um procedimento mais rígido, elaborado, para a sua reforma. Na prática, portanto, não existe, do ponto de vista formal, quando a Constituição é flexível, hierarquia entre as normas ordinárias e as normas constitucionais. Qualquer norma, assim, que tenha conteúdo constitucional torna-se parte da Constituição. Prevalece o aspecto material, político, em detrimento do aspecto formal, jurídico. O exemplo clássico, mais uma vez, é a Constituição inglesa. A Constituição rígida, por sua vez, é aquela dotada de uma supremacia formal, e não apenas material, no ordenamento jurídico. Inspira-se, portanto, na lição do Abade Sièyes acerca do poder constituinte (a ser estudada na aula 06), através da qual são diferenciadas as normas ordinárias das normas constitucionais, frutos, estas, do chamado poder constituinte originário. Ao ser dotada de rigidez, uma Constituição protege-se, de forma mais eficaz, do arbítrio das contingências, preservando, mais facilmente, seu núcleo fundamental. A reforma constitucional é possível, submetida, entretanto, ao processo legislativo mais rígido que o processo de elaboração das leis ordinárias. Além disso, toda Constituição rígida possui uma parte fixa, fundamental à preservação dessa rigidez. A grande maioria das constituições da atualidade adota este perfil. Uma Constituição semi-rígida, por sua vez, é aquela que contempla, em parte, ambas as situações anteriores. Parte dela, assim, é rígida, incluindo normas de caráter fixo, e parte dela é flexível, sujeita a reformas através de normas ordinárias. A Constituição brasileira de 1824 era semi-rígida. 5. Classificação das constituições quanto à origem. Quanto à origem, uma Constituição pode ser classificada como promulgada ou outorgada. Promulgada é aquela Constituição fruto do debate democrático, gerada a

4 partir da vontade popular representada em uma Assembléia Constituinte. Já a outorgada é aquela Constituição imposta por um líder autocrático ou por um grupo de dominantes, sem respeito às opiniões divergentes. Exemplo deste modelo foi a Constituição brasileira de 1937, fruto da ditadura estabelecida por Getúlio Vargas no chamado Estado Novo. 6. Classificação das constituições quanto ao conteúdo. Quanto ao conteúdo, uma dada Constituição pode ser classificada como Constituição-garantia, Constituição-balanço ou Constituição-dirigente. Neste sentido, valiosa é a seguinte lição de Manoel Gonçalves Ferreira Filho 1 : Modernamente, é freqüente designar a Constituição de tipo clássico de Constituição-garantia, pois esta visa a garantir a liberdade, limitando o poder. Tal referência se desenvolveu pela necessidade de contrapô-lo à Constituição-balanço. Esta, conforme a doutrina soviética que se inspira em Lassale, é a Constituição que descreve e registra a organização política estabelecida. Na verdade, segundo essa doutrina, a Constituição registraria um estágio das relações de poder. Por isso é que a URSS, quando alcançado novo estágio na marcha para o socialismo, adotaria nova Constituição, como o fez em 1924, 1936 e em Cada uma das tais Constituições faria o balanço do novo estágio. Hoje muito se fala em Constituição-dirigente. Esta seria a Constituição que estabeleceria um plano para dirigir uma evolução política. Ao contrário da Constituição-balanço que refletiria o presente (o ser), a Constituição-programa anunciaria um ideal a ser concretizado. Esta Constituição-dirigente se caracterizaria em conseqüência de normas programáticas (que para não caírem no vazio reclamariam a chamada inconstitucionalidade por omissão). 7. Classificação das constituições quanto à ideologia. ortodoxa. Quanto à ideologia, uma Constituição pode ser classificada como heterodoxa ou 1 Manoel Gonçalves Ferreira Filho, Curso de Direito Constitucional, 30. ed., p. 14, São Paulo: Saraiva, 2003.

5 Uma Constituição heterodoxa é aquela correspondente a uma pluralidade de ideologias, muitas vezes opostas, caracterizadora da diversidade cultural e política existente em uma determinada sociedade. Quando a Constituição é democrática, fruto do debate político, a heterodoxia, quanto ao seu marco ideológico, mostra-se patente, gerando, para o intérprete, a necessidade de uma interpretação pautada no princípio da unidade da Constituição, que gera a necessidade de uma interpretação sistemática, rechaçando interpretações isoladas de dispositivos constitucionais. Uma Constituição será ortodoxa, por sua vez, quando refletir uma única ideologia dominante e imposta. Tipicamente, tal modelo de Constituição é encontrado nas autocracias a nas cartas constitucionais outorgadas. Como exemplo, temos, mais uma vez, a Constituição brasileira de Classificação das constituições quanto à extensão. Quanto à extensão, é possível identificar-se constituições sintéticas e constituições analíticas. Uma Constituição sintética é aquela dotada de poucos artigos, voltada basicamente a uma concepção liberal de Estado e ao estabelecimento das normas de estruturação política da sociedade. Típica da primeira fase do constitucionalismo, tal modelo de Constituição, de forte teor principiológico, foi gradativamente abandonado, embora ainda se faça presente, a partir da transformação gerada no Direito Constitucional com a crise da democracia liberal e com o advento dos chamados direitos fundamentais da segunda geração, os direitos sociais e econômicos. Uma Constituição analítica, por sua vez, apresenta-se como uma Constituição mais dogmática e menos principiológica, dotada de regras jurídicas regulamentadoras de questões outrora desconsideradas no bojo das constituições, como as matérias referentes aos direitos sociais e à intervenção do Estado na economia. Além disso, muitas vezes uma Constituição analítica, exagerando no seu dogmatismo, dispõe de normas sem relação alguma com o objeto do Direito Constitucional, qual seja, a estrutura política da sociedade, os direitos, deveres e garantias fundamentais e a

6 instrumentalização da participação política. Formam-se, assim, as chamadas leis constitucionais, expressão cunhada por Carl Schmitt para designar aquelas normas formalmente constitucionais que não possuem, no entanto, materialidade constitucional. 9. Atividade complementar. Após a leitura do texto e a audiência do vídeo referente a esta aula, responda: como se classifica a Constituição brasileira de 1988 quanto ao modo de elaboração, forma, mutabilidade do texto, origem, conteúdo, ideologia e extensão? Até a próxima aula!

CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES.

CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES. CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES. Como é uma questão muito exigida em provas objetivas, resolvi resumir diversos livros sobre o tema e postar no site para vocês. Aí vai: 1. Quanto ao conteúdo: Constituição

Leia mais

CONCEITO DIREITO CONSTITUCIONAL: é o ramo do Direito Público que estuda, sistematiza e interpreta as normas fundamentais de organização de um Estado.

CONCEITO DIREITO CONSTITUCIONAL: é o ramo do Direito Público que estuda, sistematiza e interpreta as normas fundamentais de organização de um Estado. CONCEITO DIREITO CONSTITUCIONAL: é o ramo do Direito Público que estuda, sistematiza e interpreta as normas fundamentais de organização de um Estado. CONCEITO CONSTITUIÇÃO: é a lei fundamental e suprema

Leia mais

Teoria da Constituição

Teoria da Constituição Capítulo I Teoria da Constituição Sumário 1. Origem e conceito de Constituição. 2. Concepções sobre a Constituição. 2.1. A concepção sociológica. 2.2. A concepção política. 2.3. A concepção jurídica. 2.4.

Leia mais

Além desses sentidos tradicionais, existem as acepções contemporâneas:

Além desses sentidos tradicionais, existem as acepções contemporâneas: CONSTITUCIONALISMO Existem os sentidos tradicionais e também acepções contemporâneas de constitucionalismo. Os sentidos tradicionais são dois: I) Constitucionalismo designa uma teoria, que sustentou a

Leia mais

PONTO 1: Constituição - histórico PONTO 2: Classificação das Constituições

PONTO 1: Constituição - histórico PONTO 2: Classificação das Constituições 1 DIREITO CONSTITUCIONAL PONTO 1: Constituição - histórico PONTO 2: Classificação das Constituições 1) CONSTITUIÇÃO - HISTÓRICO Conceito atual de Constituição é que nela encontramos todos os princípios

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. Constituição e antecedentes A fim de se limitar o poder, e de se garantir direitos aos indivíduos, separou-se, hierarquicamente, as normas constitucionais das

Leia mais

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS *

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * CARLOS EDUARDO CAPUTO BASTOS Interpretar a lei, assevera Bevilaqua, é revelar o pensamento que anima suas palavras, daí por

Leia mais

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores)

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) 53 Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) Camila Novaes Lopes Juíza de Direito do II Juizado Especial Cível - Capital Durante o curso de Controle de Constitucionalidade ministrado pela

Leia mais

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE Alex Sandro Lial Sertão Assessor Jurídico TCE/PI alex.sertao@tce.pi.gov.br Até o advento da EC nº 41/03, era direito do servidor público aposentar-se com base na

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE AULA PROFESSOR: Antonio Isidoro Piacentin Disciplina: Direito Constitucional II Etapa: ()1ª ( ) 2ª ( ) 3ª ( x ) 4ª Turmas: ( ) F ( ) G (x ) P 1. OBJETIVOS: 1.1. Oferecer aos alunos os conceitos

Leia mais

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1 Eficácia é o poder que tem as normas e os atos jurídicos para a conseqüente produção de seus efeitos jurídicos próprios. No sábio entendimento do mestre

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015 DE DIREITO DO ESTADO 2015 EMENTA O Direito Constitucional é a referência axiológica para a aplicação de todos os ramos do Direito. Nesse sentido, este curso de Prática Jurídica Constitucional possibilita

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO. ANEXO EMENTAS (Turma III) CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO. ANEXO EMENTAS (Turma III) CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSO CIVIL E GESTÃO DO PROCESSO CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 390 h/a Seminário de Integração e Motivação SIM () Seminário de imersão. Capacita o aluno a quebrar barreiras

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Prof. Alexandre Alcorta Daiuto Advogado MBA FGV CONSTITUCIONALISMO ORIGENS Conforme relaciona Pedro Lenza: Antiguidade - Hebreus limites bíblicos - Democracia Direta - Cidades Estados

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO Projeto de Pesquisa Individual Prof. FREDERICO VIEGAS DIREITO CIVIL- CONSTITUCIONAL

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Hierarquia das Leis Professora Rosinethe Monteiro Soares Vamos falar do produto, antes mesmo de descrever o processo formal de sua obtenção. Nosso propósito é facilitar a compreensão

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Regime Jurídico dos Recursos Minerais

FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Regime Jurídico dos Recursos Minerais FACULDADE DE DIREITO MILTON CAMPOS Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Regime Jurídico dos Recursos Minerais Tópicos em Direito Constitucional Carga Horária: 28 h/a 1 - Ementa Poder Constituinte e a Constituição

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO

CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO Unidade I - Democracia, Representação e Interesse Público: Democracia; A democracia direta e indireta; A democracia liberal; Virtudes e vícios da democracia; Conteúdo

Leia mais

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO DIREITO ECONÔMICO É O RAMO DO DIREITO QUE TEM POR OBJETO A JURIDICIZAÇÃO, OU SEJA, O TRATAMENTO

Leia mais

Quanto à titularidade de direitos fundamentais por pessoas jurídicas

Quanto à titularidade de direitos fundamentais por pessoas jurídicas 6. Quanto à titularidade de direitos fundamentais por pessoas jurídicas (Art. 19 III GG) NOTA INTRODUTÓRIA: A questão da titularidade de direitos fundamentais segue, como visto na introdução, a regra da

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

http://www.saraivajur.com.br Direito Constitucional Sumário

http://www.saraivajur.com.br Direito Constitucional Sumário Sumário Noções de Teoria do Estado Formas de Controle da Constitucionalidade Organização dos Poderes Defesa do Estado Sistema Constitucional Tributário Roteiro em PDF Download Acrobat Reader Imprimir este

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: FUNDAMENTOS DE DIREITO PÚBLICO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: FUNDAMENTOS DE DIREITO PÚBLICO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: FUNDAMENTOS DE DIREITO PÚBLICO Código: ADM- 261 Pré-requisito: ----- Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

Direito Público por excelência Normas fundamentais estruturantes do Estado

Direito Público por excelência Normas fundamentais estruturantes do Estado CONCEITO E OBJETO DIREITO CONSTITUCIONAL E CONSTITUCIONALISMO DIREITO CONSTITUCIONAL Direito Público por excelência Normas fundamentais estruturantes do Estado DIVISÕES Direito Constitucional Geral (Comum);

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

CURSO: Inglês Básico

CURSO: Inglês Básico Av. Piauí, nº 330 Bairro dos Estados - 58.030-330 - João Pessoa PB Curso: Informática Básica Objetivo: Proporcionar conhecimentos básicos para construção de planilhas, fórmulas e gráficos no Excel.. Público-alvo:

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO 1 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome Curso HISTÓRIA DO DIREITO DIREITO Código DIR

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PONTOS DA PROVA ESCRITA

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PONTOS DA PROVA ESCRITA Estágio Supervisionado I (Prática Processual Civil) Processual Civil II Processual Civil I Civil VI Civil V Civil IV Civil III Civil I ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL Pessoa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS. DESTINAÇÃO ESPECÍFICA DAS RECEITAS E O DESVIO DE FINALIDADE. Paulo Ayres Barreto

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS. DESTINAÇÃO ESPECÍFICA DAS RECEITAS E O DESVIO DE FINALIDADE. Paulo Ayres Barreto CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS. DESTINAÇÃO ESPECÍFICA DAS RECEITAS E O DESVIO DE FINALIDADE Paulo Ayres Barreto Contribuições e destino do produto arrecadado Crescente processo de desvinculação / desvio do produto

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

Plano de Ensino. Distribuição da Carga Horária Matutino Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 02 10 06 08 08 04 Aulas de

Plano de Ensino. Distribuição da Carga Horária Matutino Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares 02 10 06 08 08 04 Aulas de Identificação Plano de Ensino Curso: Direito Disciplina: Processo Constitucional Ano/semestre: 2012/1 - Carga horária: Total: 40 Semanal: 2 Professor: Isabelle de Baptista Período/turno: Matutino e Noturno

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

3 aulas - Aula expositiva

3 aulas - Aula expositiva Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2013/01 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO I PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 8º EN UNIDADE

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 2. Direito como objeto de conhecimento. Conforme pudemos observar nas aulas iniciais

Leia mais

Democracia, liberalismo ou socialismo: o que é melhor?

Democracia, liberalismo ou socialismo: o que é melhor? http://www.administradores.com.br/artigos/ Democracia, liberalismo ou socialismo: o que é melhor? DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração (FAE), Especialista em

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III 1. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 1.1. Noções gerais. 1.2. Espécies de inconstitucionalidade. 1.3. Teoria geral do controle de constitucionalidade. 1.4. Modelos de controle de constitucionalidade. 1.5.

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI DIREITO INGLÊS E O COMMUN LAW

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI DIREITO INGLÊS E O COMMUN LAW FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI DIREITO INGLÊS E O COMMUN LAW LINHARES-ES 2011 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI Atividade Avaliativa Apresentado À Disciplina História E Institutos

Leia mais

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante Sérgio Praça pracaerp.wordpress.com sergiopraca0@gmail.com Temas da Aula 2) Como estabelecer um governo? Constituintes e Constituição 3) Características

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China Estudar a Fundo o Sistema da Região Administrativa Especial e Promover a Grande Prática de Um País, Dois Sistemas : Discurso no Fórum de Alto Nível sobre Um País, Dois Sistemas de 6 de Dezembro de 2011

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Direito Administrativo Aula 01

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Direito Administrativo Aula 01 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Direito Administrativo Aula 01 Lei 8.666/93 Licitações Normais Gerais Conceito da Lei Dispensa de Licitação Tipos de Licitação Contrato Administrativo Direito Administrativo Aula

Leia mais

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO

O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS RESUMO O DÍVORCIO E A SEPARAÇÃO JUDICIAL NO BRASIL ATUAL: FACILIDADES E PROBLEMAS Fábio Roberto Caldin 1 Rodrigo Pessoni Teófilo de Carvalho 1 Vinicius Leonam Pires Kusumota 1 Vitor Turci de Souza 1 RESUMO O

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

PATRÍCIA SABOYA GOMES

PATRÍCIA SABOYA GOMES PARECER N, DE 2005 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter de decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 299, de 2004, que autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional de Inclusão

Leia mais

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO

ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO ASPECTOS DO DIREITO CONSTITUCIONAL SUA EVOLUÇÃO ATRAVÉS DO TEMPO Woille Aguiar Barbosa 1 1. RESUMO Neste trabalho, é apresentado um panorama das diversas concepções do constitucionalismo, através de um

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Curso de Direito Sanitário

Trabalho de Conclusão do Curso de Direito Sanitário 201 Trabalho de Conclusão do Curso de Direito Sanitário Débora Maria Barbosa Sarmento 1 Apesar de o homem desde a Antiguidade reconhecer a importância da saúde, o Estado Moderno, na consagração das declarações

Leia mais

índice GERAL DO VOLUME I

índice GERAL DO VOLUME I Cód. barras: STJ00095058 (2012) índice GERAL DO VOLUME I INTRODUÇÃO 1 Q A pluralidade e a diversidade dos sistemas jurídicos contemporâneos 2 Q Primeira noção de Direito Comparado 3 Q Modalidades da comparação

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

CRIMES IMPRESCRITÍVEIS

CRIMES IMPRESCRITÍVEIS CRIMES IMPRESCRITÍVEIS Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 CRIMES IMPRESCRITÍVEIS Este trabalho trará um conceito de prescrição e mostrará que como

Leia mais

Sentidos tradicionais de constituição. Preâmbulo. Constituição Sociológica. Constituição Sociológica. Constituição Jurídica. Constituição Jurídica

Sentidos tradicionais de constituição. Preâmbulo. Constituição Sociológica. Constituição Sociológica. Constituição Jurídica. Constituição Jurídica Preâmbulo Sentidos tradicionais de constituição 1) IRRELEVANCIA JURIDICA Natureza Jurídica do Preâmbulo? 2) PLENA EFICÁCIA CONSTITUIÇÃO SOCIOLÓGICA CONSTITUIÇÃO JURÍDICA CONSTITUIÇÃO POLÍTICA 3) TESE DA

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Nova Lei dos estágios: as novas regras do estágio em nível superior Bruno Minoru Takii* Introdução. O presente artigo tem como objetivo elucidar as novas regras trazidas pelo Projeto

Leia mais

Processo Legislativo. Aula 2. Prof. Jorge Bernardi. A federação brasileira. A Federação Brasileira. O positivismo. Conceito de lei.

Processo Legislativo. Aula 2. Prof. Jorge Bernardi. A federação brasileira. A Federação Brasileira. O positivismo. Conceito de lei. Processo Legislativo Aula 2 Contextualização Prof. Jorge Bernardi A federação brasileira Conceito de lei O direito O jus naturalis O positivismo Validade da lei Tipologia das normas Decreto autônomo A

Leia mais

MODELO DE MENSAGEM QUE ENVIA O PROJETO DE LEI (altera denominação e autoriza o desdobramento de fonte de recursos.

MODELO DE MENSAGEM QUE ENVIA O PROJETO DE LEI (altera denominação e autoriza o desdobramento de fonte de recursos. MODELO 1 MODELO DE MENSAGEM QUE ENVIA O PROJETO DE LEI (altera denominação e autoriza o desdobramento de fonte de recursos., de março de 2007. Mensagem nº /2007. Senhor Presidente: Tenho a honra de encaminhar,

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

A FIGURA DO ESTADO. 1. Generalidades

A FIGURA DO ESTADO. 1. Generalidades A FIGURA DO ESTADO 1. Generalidades Naturalmente que no contexto das instituições, há uma que, pela sua dimensão e pelo momento histórico que atravessamos 1, tem especial interesse: o Estado. Uma série

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 Regulamenta o inciso IX do art. 114 da Constituição Federal, para dispor sobre competências da Justiça do Trabalho referentes

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Educação Comparada Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos da Educação Comparada.

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo 1 Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo Aluno: RAFAEL ATANAZIO Orientadora: DANIELA BUCCI UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO

Leia mais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais

As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais As diversas opções de aposentadoria para os Servidores Públicos Federais Secretaria de Estudos, Pesquisas e Políticas Públicas e Secretaria de Formação Política e Sindical. SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista.

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009. (Do Sr. Dep. Paulo Pimenta e outros) Altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais