Contributo para a caracterização dos sarcomas dos tecidos moles do gato e identificação de factores de prognóstico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contributo para a caracterização dos sarcomas dos tecidos moles do gato e identificação de factores de prognóstico"

Transcrição

1 ARTIGO DE REVISÃO REVISTA PORTUGUESA DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Contributo para a caracterização dos sarcomas dos tecidos moles do gato e identificação de factores de prognóstico Characterization of soft tissue sarcomas in cats and prognostic factors identification a tribute Cristina Ochôa 1 *, Carlos Lopes 2 1 Laboratório de Patologia, Laboratório Nacional de Investigação Veterinária, INRB-IP, Vairão VCD 2 Departamento de Patologia e Imunologia Molecular, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar Porto Resumo: No presente trabalho foram analisados 62 sarcomas cutâneos do gato. Realizámos uma caracterização morfológica recorrendo a técnicas de histologia, histoquímica (Azul Alçião) e de imunohistoquímica com marcadores para os filamentos intermédios (vimentina, α actina de músculo liso, desmina e citoqueratina 14), para a proteína S-100 e para os linfócitos T (CD3). Foram estudadas algumas variáveis clínicas, incluindo a sobrevida dos animais, desenvolvendo esforços para a identificação de factores de prognóstico. As neoplasias ocorreram em gatos maioritariamente de raça Europeu Comum, de ambos os sexos, com idade média de 8,9 anos. A maioria dos sarcomas estava localizada na parede costal. Apresentaram frequentemente grau histológico elevado e padrão de crescimento infiltrativo. Observámos agregados linfocitários peritumorais em 58 neoplasias. Os fibrossarcomas foram o tipo histológico mais representativo do nosso estudo com 42 neoplasias, ocorrendo também 9 mixossarcomas, 8 fibro histiocitomas malignos de células gigantes, 2 tumores malignos das bainhas nervosas periféricas e um lipossarcoma mixóide. Três fibrossarcomas evidenciaram diferenciação cartilagínea e um fibrossarcoma era composto por células neoplásicas do tipo rabdomiossarcoma. As células neoplásicas revelaram padrão de imunomarcação característico dos miofibroblastos em todos os tipos histológicos. O valor da mediana para o tempo de sobrevida total para os gatos foi de 277 dias (9 meses) e para o tempo de sobrevida livre de doença de 198 dias (6 meses). O tamanho, o padrão de crescimento e a necrose das neoplasias foram associados ao prognóstico. Palavras chave: gato, sarcomas, factores de prognóstico. Summary: In this study, 62 feline soft tissue sarcomas have been evaluated by histopathology, histochemistry (Alcian Blue) and immunohistochemistry with intermediate filaments markers (vimentin, smooth muscle actin, desmin and cytokeratin 14), S-100 protein marker and CD3, a lymphoid T cell marker. We have also evaluated some clinical variables including cats survival, having developed efforts to identify prognostic factors. *Correspondência: Tel: ; Fax: Sarcomas affected mainly short haired breed cats, of both sexes, with 8,9 years old in inaverage.the most frequent anatomic location observed was the thoracic wall. The majority of the sarcomas presented high histological grade and infiltrative growth pattern. We observed peritumoral lymphocytic aggregates on 58 neoplasms. Fibrosarcoma was the most frequent histological type observed, 42 neoplasms. Moreover, 9 myxosarcomas, 8 giant cells malignant fibrous histiocytoma tumours, 2 malignant peripheral nerve sheath tumours and 1 myxoide liposarcoma, also ooccurred. Three fibrosarcomas showed cartilaginous differentiation and one fibrosarcoma was composed by "rhabdomyosarcoma-like" neoplastic cells. It was possible to identify myofibroblast immunopattern in all histological types. The median for time of global survival was 277 days (9 months) and for time of survival disease free was 198 days (6 months). Features such as tumour size, growth patterns and necrosis were associated with prognosis Keywords: cat; sarcomas, prognostic features. Introdução Os sarcomas dos tecidos moles aparecem com relativa frequência nos gatos. Classicamente, observam-se dois tipos distintos de apresentação clínica: a forma multicêntrica dos gatos jovens (geralmente com menos de 4 anos de idade), causado pelo Vírus do Sarcoma Felino (FeSV), um Oncornavírus da família Retroviridae, e uma forma solitária tanto nos jovens como nos adultos, em que o FeSV não parece estar implicado (Snyder, 1969; Brown et al., 1978; Hoover e Mullins, 1991; Pereira e Tavares, 1998). Em 1990 observou-se um aumento dos sarcomas solitários dérmicos e subcutâneos, em gatos de várias faixas etárias, localizados na porção dorsal do pescoço e na região interescapular (Hendrick e Goldschmidt, 1991) que diferiam das formas clássicas pela presença de infiltrado inflamatório peritumoral linfo-granulomatoso, semelhante ao descrito em reacções inflamatórias pós vacinais por Hendrick e Dunagan (1991) tendo sido designadas de "fibrossarcomas pós vacinais" 5

2 na Classificação Histológica dos Tumores Mesenquimatosos da Pele e Tecidos Moles dos Animais Domésticos, da OMS (Hendrick et al., 1998). Para além da vacinação, a inoculação parentérica de substâncias como a penicilina, a metilprednisolona, a lufenurona ou utilização de material de sutura, também já foram associadas à formação dos sarcomas no gato (Gagnon, 2000; Cohen et al., 2001). Para alguns autores, estes sarcomas têm origem em mecanismos oncogénicos diferentes dos observados nos clássicos, constituindo uma entidade patológica distinta (Kass et al., 1993; Hendrick et al., 1994b; Doddy et al., 1996). Nesta hipótese, a vacinação induziria a inflamação crónica com transformação neoplásica das células mesenquimatosas participantes no processo de reparação, os fibroblastos e os miofibroblastos (Hendrick e Dunagan, 1991; Hendrick e Goldschmidt, 1991; Dubielzig et al., 1993; Esplin et al., 1993; Kass et al., 1993; Hendrick e Brooks, 1994; Hendrick et al., 1994a; Hendrick et al., 1994b; Doddy et al., 1996; Macy e Hendrick, 1996; Schultze et al., 1997). As citocinas e os radicais livres oxidantes libertados pelas células inflamatórias, a alteração dos factores de crescimento e dos seus receptores, o Vírus do Sarcoma Felino (FeSV), a activação de oncogenes, as mutações dos genes supressores tumorais e dos genes envolvidos na apoptose (Hendrick e Brooks, 1994) interrelacionados com as características genéticas do gato, produzirão efeitos mitogénicos e perda da homeostasia celular, aumentando a possibilidade de transformação neoplásica de células tão lábeis e heterógeneas como os miofibroblastos (Bergman, 1998; Doliger e Devauchelle, 1998; Hendrick, 1998a). O presente trabalho pretende ser um contributo para o estudo das características anatomoclínicas, dos factores de prognóstico e do padrão de imunorrectividade dos sarcomas, na tentativa de compreender melhor a sua biopatologia. Com esse propósito estudaram-se algumas variáveis clínicas como o sexo, idade, raça, localização tumoral e reuniram-se informações clínicas para o estudo da sobrevida. Não foi nosso objectivo estudar o processo de cancerização nem a histogénese, que exigiriam metodologias diferentes e menos disponíveis.para o estudo dos sarcomas utilizámos as técnicas de histologia convencional, histoquímica (Azul de Alçião) e de imunohistoquímica com marcadores para os filamentos intermédios (vimentina, α actina de músculo liso, citoqueratina 14) para a proteína S-100 e para os linfócitos T (CD3). Material e métodos Neste trabalho estudaram-se 62 sarcomas dos tecidos moles de gatos, recorrendo a amostras do arquivo histológico do Laboratório de Anatomia Patológica da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa (n=58) e do Sector de Diagnóstico Anatomohistopatológico do Laboratório Nacional de Investigação Veterinária Campus Vairão (n=4). As neoplasias, diagnosticadas entre 1999 e 2001, estavam disponíveis em blocos de parafina. Foram eliminadas do estudo todas as neoplasias cujas peças apresentavam tamanho insuficiente, limites periféricos mal definidos e localização anatómica incerta, pelo que as preparações histológicas utilizadas eram representativas do tumor, continham margens tumorais definidas e áreas de pele íntegra para controlo interno. Para o estudo da macroscopia, características da superfície de corte e tamanho das neoplasias, foram consultados os registos laboratoriais. A partir dos blocos de parafina, efectuaram-se cortes de 4 µm em micrótomo rotativo para o estudo histopatológico, histoquímico e imunohistoquímico. Os dados clínicos considerados, tais como a idade à data da primeira cirurgia, o sexo, a raça e a localização das neoplasias, descritas nas folhas de requisição para análise, foram confirmados com os clínicos assistentes por telefone. Os animais do estudo foram sujeitos a excisão cirúrgica para extirpação do tumor primário, sem tratamento adicional. O seguimento clínico foi possível para 51 animais e a data do final do estudo foi 31 de Dezembro de Foram descartados, 8 animais por impossibilidade de acesso à sua ficha clínica, 2 por abandono das consultas sem que tivesse havido possibilidade de contactar os proprietários e 1 cuja colheita da neoplasia coincidiu com o acto de necrópsia, num total de 11 animais. Foram registadas as datas da cirurgia, da primeira recidiva e a eventual data da eutanásia ou morte natural, através de contacto telefónico com o clínico veterinário assistente. Quando alguma destas informações não estava disponível, e sempre que possível, foram contactados os proprietários dos animais. Os resultados ambíguos ou incompletos foram eliminados do estudo. Estas informações foram utilizadas para a determinação dos seguintes parâmetros: Tempo de sobrevida livre de doença o intervalo de tempo (em dias) desde a data da primeira excisão até à data declarada da primeira recidiva; Tempo de sobrevida total o intervalo de tempo (em dias) desde a data da primeira excisão até à data da morte do animal ou à data final do estudo. Características histopatológicas As preparações histológicas foram coradas pela coloração de Hematoxilina e Eosina (H&E) pelo procedimento de rotina. As neoplasias foram agrupadas em 5 tipos histológicos pelos critérios morfológicos observados e padrão imunofenótipico das células neoplásicas, com base na Classificação Histológica dos Tumores Mesenquimatosos da Pele e Tecidos Moles dos Animais Domésticos da Organização Mundial da Saúde (OMS) (Hendrick et al., 1998). 6

3 Procedeu-se à avaliação do padrão de crescimento tendo-se considerado infiltrativo quando ocorria invasão e dissociação dos tecidos vizinhos pelas células neoplásicas ou expansivo quando as lesões apresentaram vários nódulos delimitados por uma fina cápsula de tecido conjuntivo. O grau histológico foi obtido adicionando os três valores da pontuação atribuídos para a diferenciação tumoral, contagem de mitoses e quantidade de necrose (ver Tabela 1), de acordo com um dos sistemas de graduação mais utilizados em Medicina Humana, o sistema FNCLCC (French Fédération Nationale des Centres de Lutte Contre le Cancer) (Fletcher et al., 2002) que tem sido adaptada em tumores animais (Couto et al., 2002; Bettini et al., 2003). Tabela 1 - Sistema de Graduação da FNCLCC: Definição de parâmetros (Adaptado de Fletcher et al., 2002) Diferenciação Tumoral: Pontuação 1: Células neoplásicas semelhantes ao tecido mesenquimatoso normal Pontuação 2: Células neoplásicas pouco diferenciadas, mas com alguma semelhança com tecido mesenquimatoso normal Pontuação 3: Células neoplásicas sem semelhança com tecido mesenquimatoso normal Contagem de Mitoses (em 10 campos a 400x): Pontuação 1: 0-9 Mitoses Pontuação 2: Mitoses Pontuação 3: 20 Mitoses Necrose Tumoral: Pontuação 0: ausente Pontuação 1: <50% Necrose Pontuação 2: 50% Necrose Grau Histológico: Grau 1: Total pontuação: 2,3 Grau 2: Total de pontuação: 4,5 Grau 3: Total de pontuação: 6,7,8 Quando presente, o infiltrado inflamatório intra e peritumoral foi avaliado em relação à intensidade, distribuição e tipo celular constituinte. A intensidade do infiltrado peritumoral foi avaliada qualitativamente (abundante, moderada, baixa ou ausente) pela observação dos agregados inflamatórios nos campos peritumorais em fraca ampliação (40x), à semelhança do realizado em outro estudo (Couto et al., 2002). Estudo histoquímico Foram avaliados os mucopolissacáridos em dez neoplasias com maior quantidade de estroma de natureza mixóide (9 mixossarcomas e um lipossarcoma mixóide). Fizeram-se dois cortes de 4 µm em micrótomo rotativo e as preparações histológicas foram submetidas em simultâneo à coloração Azul Alcião, a ph 1 e a ph 2,5 utilizando o "kit" de coloração (Bioóptica, ). Os corantes alcião unem-se aos polianiões constituídos por radicais sulfúricos e carboxílicos dos mucopolissacáridos, só reagindo com as mucinas ácidas. Para o procedimento de coloração seguiram-se as indicações do fabricante. Estudo imunohistoquímico Utilizou-se o método indirecto de Avidina-Biotina- Peroxidase (ABC) usando como cromogéneo o tetrahidrocloreto de 3 3 Diaminobenzina (DAB). As incubações foram realizadas em câmara húmida e as lavagens foram efectuadas numa solução de Tampão Tris Salino (TBS). Utilizou-se o tratamento térmico na recuperação antigénica. Para tal, os cortes foram colocados numa "cuvette" de plástico contendo Tampão Citrato de Sódio a 0,01 M (ph 6,0) e colocados em banho-maria a 99º C durante 20 minutos. Em seguida foram arrefecidos, durante 20 minutos e colocados em TBS. Após terem sido desparafinados e hidratados, os cortes colados em lâminas previamente revestidas com Poli-L-Lisina (Sigma) foram incubados durante 30 minutos numa solução aquosa de Peróxido de Hidrogénio a 3% (Merck) para a inibição da peróxidase endógena dos tecidos. Posteriormente para bloqueio de reacções inespecíficas, as preparações foram incubadas em soro normal, diluído a 1/5 em TBS. Utilizou-se soro normal de coelho (Dako, X0902) para os anticorpos monoclonais e soro normal de suíno (Dako, X0901) para os anticorpos policlonais. Seguiram-se as incubações com os anticorpos primários, de acordo com o descrito na Tabela 2. Após a exposição ao anticorpo primário, os cortes foram incubados durante 30 minutos com o anticorpo secundário biotinilado adequado, soro de coelho antiratinho (Dako, E0354) diluído a 1/400 (anticorpos monoclonais) ou soro de suíno anti-coelho (Dako, E0353) diluído a 1/500 (anticorpos policlonais). Os cortes foram incubados 30 minutos com o soro complexo Avidina-Biotina-Peroxidase (Dako, K0377) para amplificar o reconhecimento dos epítopes e utilizou-se o cromógeneo DAB (Dako, K0391) durante 8 minutos para visualizar a reacção. A reacção foi interrompida com água destilada e as preparações foram Tabela 2 - Anticorpos primários utilizados, diluições e tempos de exposição Anticorpo Tipo Referência Diluição Tempo de Incubação Anti-vimentina (Clone V9) Monoclonal Dako, M0725 1/50 60 minutos Anti-desmina (Clone D33) Monoclonal Dako, M0760 1/50 60 minutos Anti-α Actina de músculo liso (Clone 1A4) Monoclonal Dako, M0851 1/50 60 minutos Anti-S-100 Policlonal Dako, Z0311 1/ minutos Anti-citoqueratina 14 (Clone LL002) Monoclonal Serotec, MCA890H 1/10 Durante a noite Anti-CD3 Policlonal Dako, A0452 1/50 60 minutos 7

4 Tabela 3 - Classificação histológica dos sarcomas observados Tipo histológico Total n (%) Parede costal Outras localizações Mixossarcoma 9(14,5) 9 0 Fibrohistiocitoma maligno de células gigantes 8(12,9) 6 2 Tumor maligno das bainhas nervosas periféricas 2(3,2) 1 1 Lipossarcoma mixóide 1(1,6) 1 0 TOTAL 62 (100) 52 (86,7) 10 (13,3) contrastadas com Hematoxilina de Gill, durante 5 minutos, desidratadas, clarificadas e montadas com Entellan (Merck). Para todas as proteínas avaliadas utilizaram-se controlos positivos adequados e para controlo negativo utilizou-se o procedimento habitual referido anteriormente, tendo-se substituído o anticorpo primário por TBS. A imunorreactividade foi avaliada qualitativamente tendo-se considerado positiva quando a marcação ocorria no citoplasma das células neoplásicas independentemente do grau de intensidade, com excepção para a proteína S-100 em que a marcação nuclear também foi considerada. Análise estatística Os resultados foram expressos em frequências absolutas e relativas (percentagens) e para as variáveis numéricas foi calculada a média, desvio padrão, mediana e valores mínimo e máximo. As variáveis contínuas foram estudadas através dos testes t de Student ou ANOVA. Quando necessário, as variáveis foram categorizadas, utilizando a média como valor "cut off" nas variáveis numéricas. A sobrevida global foi calculada pelo método de Kaplan-Meier. Os dados foram censurados quando os gatos estavam vivos no final do estudo. As variáveis: tamanho, padrão de crescimento, necrose e grau histológico das neoplasias, foram relacionadas com o tempo de sobrevida total. Foram calculadas as medianas da sobrevida total para cada uma das categorias, e as diferenças entre os grupos foram comparadas pelo teste de log-rank, com o objectivo de estudar a sua importância como possíveis factores de prognóstico. As associações encontradas foram consideradas significativas para valores de p <0,05. os animais apresentavam neoformações cutâneas distribuídas maioritariamente na parede costal (86.7%) ocorrendo também na mama (6,5%, n=4), no membro (3,2%, n=2), na axila (1,6%, n=1), no sacro (3,2%, n=2) e na zona inguinal (1,6%, n=1). Dos 51 gatos utilizados no estudo de sobrevida, 4 apresentaram sintomas de metástases (7,8%), recorrendo à consulta com estado de saúde precário, com dispneia grave (confirmação radiográfica em 2 casos) e linfadenomegália inguinal num caso. O valor da mediana do tempo de sobrevida total foi de 277 dias (9 meses), variando entre os 19 a 1263 dias (42 meses). No final do estudo o total de animais mortos foi de 38 (74,5%). Permaneciam vivos 13 animais (25,5%). Dois destes casos apresentaram tempos de sobrevida superiores a 1000 dias. Foram observadas recidivas em 44 casos (86,3%) e o tempo mediano do seu aparecimento foi de 198 dias (6,6 meses), variando entre 19 a 515 dias. Apenas 3 animais apresentaram tempos de primeira recidiva superiores a 1 ano. Caracterização das neoplasias Os sarcomas foram agrupados em fibrossarcomas, mixossarcomas, fibrohistiocitoma maligno de células gigantes, tumores malignos das bainhas nervosas periféricas e lipossarcoma mixóide (Tabela 3). Os fibrossarcomas (Figura 1) foram o tipo histológico mais representativo do nosso estudo, num total de 42 neoplasias. Eram caracterizados por densidade celular elevada e células neoplásicas fusiformes, com acentuado pleomorfismo citonuclear organizados em feixes multidireccionais. Resultados No nosso estudo utilizámos 62 gatos, com idades compreendidas entre os 8 meses e os 20 anos, à data da cirurgia, sendo a média de idade de 8,9 anos (desvio padrão=2,9). As neoplasias ocorreram em 32 machos (51,6%) e 30 fêmeas (48,4%). A raça Europeu Comum foi a predominante, 49 gatos (79,0%), estando também representadas as raças Siamesa (14,5 %, n= 9), Persa (4,9%, n=3) e Bosque da Noruega (1,6%, n=1). Todos Figura 1 - Fibrossarcoma composto por feixes multidireccionados de células neoplásicas fusiformes. Anisocitose e hemorragia. H&E.100x 8

5 Dentro deste grupo, destacámos três neoplasias (Figura 2), multinodulares, compostas por pequenas células indiferenciadas misturadas em ilhotas de cartilagem hialina que ocupavam a quase totalidade das massas neoplásicas. Nos fibro-histiocitomas malignos, variante de células gigantes (Figura 5) observámos a presença de abundantes células gigantes multinucleadas do tipo osteoclasto, num substrato de células neoplásicas fusiformes, de núcleos ovóides a redondos. Figura 2 - Fibrossarcoma evidenciando diferenciação cartilagínea. H&E, 200x Outra das neoplasias (Figura 3) enquadrada neste grupo era composta na sua totalidade por células redondas bastante atípicas, com citoplasma claro, eosinófilo e abundante, com um ou dois núcleos, encostados à periferia, sugerindo imagens de células neoplásicas do tipo rabdomiossarcoma. Figura 5 - Fibro-histiocitoma maligno, variante de células gigantes. Células gigantes multinucleadas reactivas, não neoplásicas ou do tipo osteoclasto H&E.100x Os tumores malignos das bainhas nervosas periféricas caracterizaram-se pela presença de fascículos multidireccionados de células fusiformes pequenas, ocasionalmente justapostas em paliçada (Figura 6). Figura 3 - Fibrossarcoma composto por células neoplásicas pleomórficas com abundante citoplasma eosinofilico do tipo "rabdomiossarcoma". H&E.200x Os mixossarcomas (Figura 4) apresentaram estroma de mucopolissarídeos ácidos moderado a abundante. No geral, apresentaram áreas hipocelulares com células neoplásicas dispostas perpendicularmente a finos septos de tecido conjuntivo, e produção de mucina, para o centro da lesão, frequentemente necrosado. Figura 6 - Tumor Maligno das Bainhas Nervosas Periféricas, localizado no membro posterior e intimamente relacionado com a presença de nervos periféricos. Células neoplásicas justapostas em paliçada. H&E.100x O lipossarcoma mixóide (Figura 7) apresentava áreas menos densas, de matriz do tipo mixóide, com células de características fusiformes a poligonais. As células poligonais dispersas na matriz possuíam, por vezes, vacúolos lipídicos múltiplos e de variados tamanhos, que deformavam as células e indentavam o núcleo, revelando diferenciação no sentido do lipoblasto. Figura 4 - Mixossarcoma com estroma mixóide moderado. Anisocitose e anisocariose das células neoplásicas. H&E.100x Figura 7 - Lipossarcoma Mixóide. Estroma de natureza mixóide moderado, células estreladas e contendo vacúolos lipídicos. H&E.100x 9

6 Padrão de crescimento Observámos padrão de crescimento infiltrativo com invasão e dissociação dos tecidos vizinhos em 48 sarcomas. Os restantes apresentaram vários nódulos delimitados por uma fina cápsula de tecido conjuntivo e padrão de crescimento expansivo, estando representados nesta categoria cinco fibrossarcomas (dois dos quais com diferenciação cartilagínea), cinco mixossarcomas e quatro fibrohistiocitomas malignos de células gigantes. Imunorreactividade das células neoplásicas aos filamentos intermédios e proteína S-100 As células neoplásicas revelaram imunorreactividade de padrão difuso para o marcador vimentina em todos os tipos histológicos (Figura 8). Este filamento intermédio tradicionalmente associado a células mesenquimatosas, esteve presente numa grande variedade de células, tendo sido identificado em fibroblastos, condroblastos, células musculares lisas e endotélio. A expressão das células neoplásicas aos filamentos intermédios desmina, α actina de músculo liso e à proteína S-100 foi variável (Tabela 4), tendo sido utilizada na determinação da sua linha de diferenciação. O anticorpo anti-desmina apresentou marcação focal em quatro das neoplasias estudadas, ocorrendo também no músculo esquelético e de forma variável nos vasos. O marcador anti-α actina de músculo liso apresentou ampla distribuição nos sarcomas tendo-se observado imunorreatividade em todos os tipos histológicos. Foi possível identificar imunofenótipo miofibroblasto em todos os tipos histológicos, num total de 50 neoplasias, das quais 46 expressaram antigénios vimentina/α actina (tipo VA), 2 vimentina/α actina/desmina (tipo VAD) e 2 vimentina/desmina (tipo VD). O anticorpo anti-proteína S-100 foi útil na identificação dos tumores com origem nas baínhas nervosas periféricas. Estas neoplasias eram compostas por células intensamente imunorreactivas a este marcador (Figura 9). As células com diferenciação cartilagínea e lipoblástica também foram imunorreactivas a este marcador (Figuras 10 e 11). A imunorreactividade ao marcador citoqueratina 14 foi avaliada nas neoplasias localizadas na mama. Esta proteína, em geral presente nas células mioepiteliais Figura 8 - Fibrossarcoma Imunorreactividade ao marcador vimentina. Intensa marcação citoplasmática. ABComplex-HRP, 200X Figura 9 -Tumor maligno das bainhas nervosas periféricas. Imunorreactividade ao marcador proteína S-100. ABComplex-HRP, 100X Figura 10 - Fibrossarcoma. Imunorreactividade ao marcador proteína S-100. Intensa marcação das células de diferenciação cartilagínea. ABComplex-HRP, 100X Tabela 4 - Expressão dos marcadores desmina,α actina e proteína S-100 das células neoplásicas nos diferentes tipos histológicos. FMCG- Fibrohistiocitoma maligno de células gigantes. TMBN- Tumor maligno das bainhas nervosas. Tipo Histológico Desmina (n/t) α Actina (n/t) S-100 (n/t) % % % Fibrossarcoma 2/42 1/42 _ 7,1 6/42 12/42 18/42 85,7 2/42 _ 3/42 11,9 Mixossarcoma 1/9 11,1 1/9 1/9 1/9 33,3 1/9 11,1 FMCG _ 0 _ 1/8 5/8 75 2/8 25 TMBN _ 0 _ 1/2 1/ /2 100 Lipossarcoma _ 0 1/ /

7 (Figura 12), o padrão de crescimento expansivo (Figura 13) e a ausência de necrose (Figura14) revelaram-se factores de prognóstico favoráveis. Não foram observadas diferenças significativas entre a sobrevida total e o grau histológico (p=0,32). Figura 11 - Lipossarcoma mixóide. Imunorreactividade ao marcador proteína S-100. Intensa marcação das células de diferenciação lipoblástica. ABComplex-HRP, 200x da mama, não foi evidenciada nestes sarcomas. Assim excluímos a hipótese de estarmos a abranger no nosso estudo mioepiteliomas malignos da mama. Graduação histológica Dos 62 sarcomas do nosso estudo, 51 apresentaram grau histológico 3 (82,3%), 10 apresentaram grau 2 (16,1%) e uma apresentou grau 1 (1,6%). O grau histológico esteve associado à localização tumoral (p=0,02), tendo-se verificado que 88,4% das neoplasias de grau 3 e 70% das neoplasias de grau 2 estavam localizadas na parede costal. Os mixossarcomas, os fibrohistiocitomas malignos de células gigantes e o lipossarcoma mixóide da nossa série de neoplasias apresentaram sempre grau 3. Infiltrado inflamatório A presença de infiltrado inflamatório peritumoral foi observada em 58 neoplasias. Era constituído por células do tipo linfo-plasmocitário e macrofágico, organizado em agregados foliculares linfogranulomatosos, perivasculares ou em pequenos folículos. Observámos linfócitos imunorreactivos ao anticorpo anti-cd3, o que sugere a presença dos linfócitos T nestes agregados. Em 20 neoplasias (32,3%) observou-se a presença de linfócitos intratumorais. Em 12 neoplasias, foi possível observar grandes quantidades de neutrófilos nas proximidades de áreas necrosadas. Em duas neoplasias localizadas na parede costal, observaram-se aglomerados de células macrofágicas, compatíveis com células espumosas. O infiltrado inflamatório esteve associado a neoplasias localizadas na parede costal (p=0,000001) e de elevado grau histológico (p=0,03). Estudo dos factores de prognóstico O tamanho (p=0,02), o padrão de crescimento (p=0,04) e a necrose das neoplasias (p=0,05) influenciaram a sobrevida dos animais. As menores dimensões Figura 12 - Curva de sobrevida e o efeito do tamanho das neoplasias (p=0,02). Figura 13 - Curva de sobrevida e o efeito da variável patológica padrão de crescimento (p=0,04). Figura 14 -Curva de sobrevida e o efeito da variável patológica necrose (p=0,05). Discussão Os sarcomas estudados ocorreram em gatos com idade média de 8,9 anos, não se observando predisposição entre sexos, o que está de acordo com a literatura consultada (Kass et al, 1993 ;Hendrick et al., 1994b; Doddy et al., 1996; Lester et al., 1996; Davidson et al., 1997; Cronin et al., 1998; Doliger e 11

8 Davauchelle, 1998; Hershey et al., 2000; Cohen et al., 2001; Couto et al., 2002; Kobayashi et al., A raça Europeu Comum foi a mais frequentemente observada neste estudo. Este facto pode reflectir a sua maior frequência em Portugal. No entanto, existem vários estudos em que o mesmo foi observado (Brown et al., 1978; Bostock e Dye, 1979; Davidson et al., 1997; Cronin et al., 1998; Hershey et al., 2000; Cohen et al., 2001; Kobayashi et al., 2002). As neoplasias estavam preferencialmente localizadas em áreas anatómicas para a vacinação (parede costal). Estas apresentaram características histopatológicas de maior malignidade relativamente às localizadas em outras regiões. Este facto, também observado em estudos anteriores (Doddy et al., 1996) sugere origem iatrogénica para estas neoplasias (Hendrick e Goldschmidt, 1991; Doliger et al., 1992; Kass et al., 1993; Esplin et al., 1993; Gruffydd-Jones e Sparkes, 1994; Hendrick et al., 1994b; Doddy et al., 1996; Davidson et al., 1997; Macy e Hendrick, 1996; Cohen et al., 2001; Doliger e Devauchelle, 1998; Gagnon, 2000; Gobar e Kass, 2002). Neste estudo, os gatos foram sujeitos ao tratamento cirúrgico para a extirpação do tumor primário, sem recurso a terapias adicionais e apresentaram valor mediano para a sobrevida total de 277 dias (9 meses), ou seja menor sobrevida do que a apresentada em estudos anteriores (Brown et al., 1978; Bostock & Dye, 1979; Davidson et al., 1997; Hershey et al., 2000). Têm sido publicados vários trabalhos sobre a utilização de múltiplas modalidades terapêuticas, tendo-se observado aumento dos tempos de sobrevida total para os gatos recorrendo à radioterapia neoadjuvante (Macy & Bergman, 1995; Couto & Macy, 1998; Cronin et al., 1998; Doliger & Devauchelle, 1998), radioterapia adjuvante (Couto & Macy, 1998; Bregazzi et al., 2001), radioterapia intersticial e imunogenoterapia (Macy & Bergman, 1995; Doliger & Devauchelle, 1998). Outros tratamentos incluíram a criocirurgia e a imunoterapia adjuvante com ou sem quimioterapia, mas sem grande sucesso (Brown et al., 1978; Miller et al., 1991). A utilização da quimioterapia adjuvante com ou sem radioterapia já foi avaliada, mas a sua importância permanece controversa. Foram utilizados vários agentes quimioterápicos, como a metotrexato (Brown et al., 1978), adriamicina (Macy & Bergman, 1995; Doliger & Devauchelle, 1998), doxorrubicina (Cronin et al., 1998; Barber et al., 2000; Cohen et al., 2001; Kobayashi et al., 2002), vincristina (Brown et al., 1978; Kobayashi et al., 2002), ciclofosfamida (Brown et al., 1978; Cohen et al., 2001 Kobayashi et al., 2002) e a carboplatina (Kobayashi et al., 2002). O nosso estudo parece reforçar a ideia de que a cirurgia por si só, não parece ser suficiente, no tratamento dos sarcomas felinos reforçando a necessidade de pesquisar novas formas de tratamento. A utilização destas terapias em Medicina Veterinária, é, no entanto condicionada pela sua grande exigência quer em recursos económicos quer técnicos, sendo a extirpação cirúrgica a principal terapêutica. A precocidade da intervenção e a extensão alargada da exerése são factores que contribuem para o sucesso do tratamento cirúrgico (Brown et al., 1978; Bostock & Dye, 1979; Davidson et al., 1997; Devauchelle et al., 1997; Doliger & Devauchelle, 1998; Couto & Macy, 1998; Hershey et al., 2000). No nosso estudo 86,3% dos gatos apresentaram recidivas. A frequência de recidivas foi superior à descrita em outros estudos, que ronda os 30 a 60% (Couto & Macy, 1998; Hershey et al., 2000; Cohen et al., 2001; Kobayashi et al., 2002). O tempo mediano do seu aparecimento foi de 198 dias (6,6 meses). Foram registadas quatro mortes associadas a metastização neoplásica dos sarcomas, correspondendo a 7,8% dos animais avaliados neste estudo. Este valor pode ser um número abaixo do valor real, pois, alguns animais permaneciam em risco no final do estudo e não foram clinicamente avaliados e noutros casos, a sua detecção não foi possível pela ausência de necrópsias. Alguns estudos sugerem que a metastização destas neoplasias seja mais frequente, do que inicialmente se pensava, atingindo 10 a 25% dos gatos (Couto & Macy et al., 1998; Cronin et al., 1998; Hershey et al., 2000; Kobayashi et al., 2002). Pela sintomatologia descrita as metástases ocorreram sobretudo no pulmão e nos linfonodos. Estudos anteriores citam os pulmões como os órgãos mais afectados, seguidos dos linfonodos regionais, rim, baço, intestino, pele, esqueleto e fígado (Brown et al., 1978; Bostock & Dye, 1979; Hendrick et al., 1994b; Esplin et al., 1996; Davidson et al., 1997; Couto & Macy, 1998; Cronin et al., 1998; Hershey et al., 2000; Kobayashi et al., 2002). Os fibrossarcomas representaram 67,7% das neoplasias estudadas. Foram na sua maioria, morfologicamente semelhantes ao "fibrossarcoma pós-vacinal felino", descrito na Classificação Histológica dos Tumores Mesenquimatosos da Pele e Tecidos Moles dos Animais Domésticos da OMS (Hendrick et al., 1998). No entanto, dentro deste grupo, incluímos neoplasias com características morfológicas particulares. Três fibrossarcomas evidenciaram diferenciação cartilagínea e um fibrossarcoma era composto por células neoplásicas do tipo rabdóide. A criação em classificações futuras, dos subtipos histológicos - condrossacoma e de sarcoma do "tipo rabdomiossacoma"- para os sarcomas pós vacinais no gato, permitiria caracterizar com mais pormenor, neoplasias com características semelhantes às observadas neste estudo. Estes tipos histológicos já foram referenciados na literatura, tendo-se identificado também os osteossarcomas e os hemangiossacomas (Hendrick & Brooks, 1994; Macy & Bergman, 1995; Doddy et al., 1996; Lester et al., 1996; Coyne et al., 1997; Hershey et al., 2000; Cohen et al., 2001). 12

9 As neoplasias do nosso estudo eram maioritariamente compostas por miofibroblastos, reconhecidos pelo padrão de imunomarcação. As células neoplásicas expressaram antigénios vimentina/α actina (tipo VA), vimentina/α actina/desmina (tipo VAD) e vimentina/ desmina (tipo VD). É geralmente aceite que os miofibroblastos representam células "transicionais" entre fibroblastos e células musculares lisas sendo caracterizados pelos seus imunofenótipos diversos, podendo ocorrer variações dentro da mesma lesão à medida que esta progride (Mentzel e Fletcher, 1997). Na literatura consultada encontramos referências da ocorrência de sarcomas miofibroblásticos no gato (Dubielzig et al., 1993; Doliger & Devauchelle, 1998), assim como da presença de miofibroblastos, estreitamente associadas aos sarcomas felinos (Hendrick & Brooks, 1994; Hendrick et al., 1994b; Doddy et al., 1996; Couto et al., 2002). Já foi possível, inclusive, a identificação dos miofibroblastos em estudos de ultraestrutura (Dubielzig et al., 1993; Hershey et al., 2000; Madewell et al., 2001). Com o advento da imunohistoquímica, os miofibroblastos foram reconhecidos com maior frequência numa grande variedade de tecidos normais e patológicos. As cicatrizes e as fibromatoses, pelo menos inicialmente são compostas por miofibroblastos proliferativos, contudo à medida que as lesões envelhecem ou hialinizam, as células com as características de fibroblastos maduros tornam-se progressivamente mais predominantes (Mentzel & Fletcher, 1997; Coffin & Fletcher, 2002). Os miofibroblastos, além de participarem em respostas reparativas e na resposta estromal de neoplasias, representam ainda um componente importante de numerosas neoplasias mesenquimatosas malignas e benignas (Miettinen, 1988; Roche, 1990; Mentzel & Fletcher, 1997). Para alguns autores, os sarcomas miofibroblásticos são provavelmente mais frequentes do que se pensava e incluem grande variedade de formas clínico-patológicas. O estabelecimento do miofibroblasto como tipo celular distinto não só veio aumentar o nosso entendimento da biologia das células mesenquimatosas e da sua plasticidade fenotípica, como também veio permitir uma melhor caracterização das lesões mesenquimatosas reactivas, benignas ou malignas (Mentzel & Fletcher, 1997; Couto et al., 2002). A presença de infiltrado inflamatório peritumoral foi observada em 93,5% dos sarcomas do nosso estudo. Alguns autores sugerem que a pseudocápsula de miofibroblastos, geralmente presente nestas neoplasias, será responsável por exercer uma barreira mecânica que impede a penetração de linfócitos e de macrófagos na massa neoplásica, formando-se agregados foliculares peritumorais (Couto et al., 2002). Os folículos linfóides observados na periferia dos tumores revelaram a presença de linfócitos com imunofenótipo T. Esta observação está de acordo com o descrito em estudos anteriores (Hendrick, 1998b; Couto et al., 2002). A caracterização da população linfocitária, associada a este tipo tumoral parece importante para desvendar o papel que desempenham na patogenia, já que a inflamação pode ter um papel preponderante na carcinogénese e na progressão tumoral. Os linfócitos T activados e os macrófagos produzem várias citocinas indutoras de angiogénese e providenciam mitogénios potentes para os fibroblastos, influenciando diversas actividades enzimáticas envolvidas na remodelação da matriz extra-celular (Tazawa et al., 2003; Pikarsky E. et al., 2004). Hendrick, (1998b) identificou imunorreactividade a factores de crescimento, tais como PDGF (factor de crescimento derivado das plaquetas) em linfócitos e ao seu receptor nos macrófagos associados aos sarcomas pós vacinais do gato. Estes dados sugerem que os linfócitos secretam PDGF para o recrutamento de macrófagos e causam proliferação de fibroblastos. Os factores de crescimento representam reguladores importantes no crescimento celular normal e neoplásico e podem indicar auto-estimulação do crescimento tumoral e reflectir comportamento biológico mais adverso (Calonje e Fletcher, 1995). A localização tumoral (Bostock e Dye, 1979; Hendrick et al., 1994b; Hershey et al., 2000), o índice mitótico (Bostock e Dye, 1979), o tipo de excisão cirúrgica (Bostock e Dye, 1979; Hershey et al., 2000; Cohen et al., 2001; Kobayashi et al., 2002), as margens cirúrgicas livres de células neoplásicas (Cronin et al., 1998, Doliger e Devauchelle, 1998; Hershey et al., 2000; Kobayashi et al., 2002), o tamanho da neoplasia, a presença de metástases e a precocidade da radioterapia adjuvante (Cohen et al., 2001) já foram significativamente associados com a sobrevida total. Foi objectivo do nosso trabalho reconhecer factores de prognóstico associados aos sarcomas nos parâmetros estudados. As neoplasias de menores dimensões, com padrão de crescimento expansivo e ausência de necrose estiveram associadas a melhor prognóstico. Estas características permitem uma abordagem cirúrgica mais eficaz. A necrose está também relacionada com o rápido crescimento neoplásico e elevado tamanho das neoplasias. Estes factores já foram relacionados, por outros autores, com tempos de sobrevida menores (Bostock e Dye, 1979; Davidson et al., 1997; Cronin et al., 1998; Hershey et al., 2000; Cohen et al., 2001; Kobayashi et al., 2002). Esta observação permite-nos sugerir que o tamanho das neoplasias seja considerado na avaliação do estadiamento dos gatos, à semelhança do que ocorre em outras espécies (Clemo et al., 1994; Queiroga e Lopes, 2002). O grau histológico não revelou associação estatística significativa com a sobrevida total à semelhança do observado num estudo anterior (Davidson et al., 1997). Este facto pode ser atribuído à tendência da maioria dos sarcomas apresentarem grau elevado de 13

10 malignidade. A determinação do grau histológico foi baseada na observação histológica das neoplasias e não exigiu procedimentos diferentes para além dos convencionais utilizados num laboratório de Histopatologia. Desta forma sugere-se a sua aplicação nos diagnósticos de rotina. A caracterização do grau histológico disponibiliza ao clínico informação adicional sobre a agressividade biológica destas neoplasias. Estudos futuros são necessários para a sua avaliação, de forma a ser considerado como factor de prognóstico para os sarcomas, tal como observado em Medicina Humana (Jensen et al., 1998; Fletcher et al., 2002). Agradecimentos Ao Prof. Doutor Júlio Carvalheira pela colaboração prestada na análise estatística dos dados; à Cláudia Capela e à Fátima Falcão pela colaboração na realização dos procedimentos técnicos. Bibliografia Barber LG, Sorenmo KU, Cronin KL, Shofer FS (2000). Combined doxorrubicin and cyclophosphamide chemotherapy for nonresectable feline fibrosarcoma. J Am Anim Hosp Assoc, 36(5): Bergman PJ (1998). Etiology of feline vaccine-associated sarcomas: history and update. Am Vet Med Assoc, 213(10): Bettini G, Morini M, Marcato PS (2003). Gastrointestinal spindle cell tumours of the dog: histological and immunohistochemical study. J Comp Pathol, 129(4): Bostock DE e Dye MT (1979). Prognosis after surgical excision of fibrossarcomas in cats. J Am Vet Med Assoc, 175: Bregazzi V, LaRue SM, McNiel E, Macy DM, Dernell WS, Powers BE, Withrow SJ, (2001). Treatment with a combination of doxorubicin, surgery, and radiation versus surgery and radiation alone for cats with vaccine-associated sarcomas: 25 cases ( ). J Am Vet Med Assoc, 218(4): Brown NO, Patnaik AK, Mooney S, Hayes A, Harvey HJ, MacEwen G (1978). Soft tissue sarcomas in the cat. J Am Vet Med Assoc, 173(6), Calonje E e Fletcher CDM (1995). Immunohistochemistry and DNA flow cytometry in soft- tissue sarcomas. Hem/Oncol Cli North Am, 9(3): Clemo F, DeNicola DB, Carlton W, Morrison W, Walker E (1994). Flow cytometric DNA ploidy analysis in canine transitional cell carcinoma of urinary bladders. Vet Pathol, 31: Coffin CM e Fletcher JA (2002). "Inflammatory myofibroblastic tumour." In: Pathology and genetics of tumours of soft tissue and bone. Editores: Fletcher C, Umni K, Mertens F, World Health Organization Classification of Tumour. IARC Press: Lyon, Cohen M, Wright JC, Brawner WR, Smith AN, Henderson R, Behrend EN (2001). Use of surgery and electron beam irradiation, with or without chemotherapy, for treatment of vaccine-associated sarcomas in cats: 78 cases ( ). J Am Vet Med Assoc, 219(11): Couto CG e Macy DW (1998). Review of treatment options for vaccine-associated feline sarcoma. J Am Vet Med Assoc, 213(10): Couto SS, Griffey SM, Duarte PC, Madewell BR (2002). Feline vaccine-associated fibrosarcoma: morphologic distinctions. Vet Pathol, 39(1): Coyne MJ, Nancy CPR, Rosen DK (1997). Estimated prevalence of injection-site sarcomas in cats during J Am Vet Med Assoc, 210(2): Cronin K, Page RL, Spodnick G, Dodge R, Hardie EN, Price SG, Ruslander D, Thrall DE (1998). Radiation therapy and surgery for fibrosarcoma in 33 cats. Vet Rad Ultrassound 39(1): Davidson EB, Gregory CR, Kass PH (1997). Surgical excision of soft tissue fibrosarcomas in cats. Vet Surg 26: Devauchelle P, Delisle F, Doliger S (1997). Les fibrosarcomes dits «post-vaccinaux»chez le chat : mise au point. Le Point Vétérinaire. 28(186) : 8-9. Doddy FD, Glickman LT, Janovitz EB (1996). Feline fibrosarcomas at vaccination sites and non- vaccination sites. J Comp Pathol,114 : Doliger S, Delisle F, Devauchelle P (1992). Le complex fibrosarcome du chat: actualités therapeutiques. L Action Vétérinaire, 1233 : Doliger S, Devauchelle P, (1998). Données actuelles sur les tumeurs du "complexe fibrosarcome félin". Le Point Vétérinaire, 192 : Dubielzig R, Hawkins K, Miller P (1993). Myofibroblastic sarcoma originating at the site of rabies vaccination in a cat. J Vet Diag Inv, 5: Esplin DG, Jaffe MH, McGill LD (1996). Metastasizing liposarcoma associated with a vaccination site in a cat. Feline Practice, 24(5) : Esplin DG, McGill LD, Meininger AC, Wilson SR (1993). Post-vaccination sarcomas in cats. J Am Vet Med Assoc, 202: Fletcher CDM, Sundaran M, Rydholm A, Coindre JM, Singer S (2002). "Soft tissue tumours: epidemiology, clinical features, histopathological typing and grading." In: Pathology and genetics of tumours of soft tissue and bone. Editores: Fletcher, C.; Umni, K.; Mertens, F. World Health Organization Classification of Tumour. IARC Press Lyon, Gagnon A-C (2000). Drug injection-associated fibrosarcoma in a cat. Feline Practice, 28(2): Gobar GM e Kass PH (2002). World wide web-based survey of vaccination practices, postvaccinal reactions, and vaccine site-associated sarcomas in cats. J Am Vet Med Assoc 220(10): Gruffydd-Jones TJ e Sparkes AH (1994). Vaccination and fibrosarcomas in cats. Vet Rec,19: 310. Hendrick MJ e Goldschmidt MH (1991). Do injection site reactions induce fibrosarcomas in cats? (Lett) J Am Vet Med Assoc, 199:968. Hendrick MJ (1998a). Feline vaccine-associated sarcomas: current studies on pathogenesis. J Am Vet Med Assoc, 213(10):

11 Hendrick MJ (1998b). Historical review and current knowledge of risk factor involved in vaccine-associated feline sarcomas. J Am Vet Med Assoc, 213(10): Hendrick MJ, Brooks JJ (1994). Post-vaccinal sarcomas in the cat: histology and immunohistochemistry. Vet Pathol, 31: Hendrick MJ, Dunagan BS (1991). Focal necrotizing granulomatous panniculitis associated with subcutaneus injections of rabies vaccine in cats and dogs: 10 cases ( ). J Am Vet Med Assoc, 198: Hendrick MJ, Kass PH, McGill LD (1994a). Post vaccinal sarcomas in cats. J Nat Cancer Inst, 86(5): Hendrick MJ, Mahaffey EA, Moore FM, Vos JH, Walder EJ (1998). Histological classification of mesenchymal tumours of skin and soft tissues of domestic animals. Second Series Volume II. Armed forces institute of pathology american registry of pathology and the World Health Organization collaborating. Center for World Wide Reference on Comparative Oncology. Washingthon, D.C. Hendrick MJ, Shofer FS, Goldschmidt MH, Haviland JC, Schelling SH, Engler SJ, Giliato JM (1994b). Comparison of a fibrossarcomas that developed at vaccination sites and at nonvaccination sites in cats: 239 cases ( ). J Am Vet Med Assoc, 205: Hershey AE, Sorenmo KU, Hendrick MJ, Shofer FS, Vail DM (2000). Prognosis for presumed feline vaccineassociated sarcoma after excision: 61 cases ( ). J Am Vet Med Assoc, 216(1): Hoover AE e Mullins JI (1991). Feline leukemia virus infection and diseases. J Am Vet Med Assoc, 199: Jensen V, Sorensen FB, Bentzen SM, Ladekarl M, Nielsen OS, Keller J, Jensen OM (1998). Proliferative activity (MIB-1 Index) is an indepentent prognostic parameter in patients with high-grade soft tissue sarcomas of subtypes other than malignant fibrous histiocytomas: a retrospective immunohistological study including 216 soft tissue sarcomas. Histopathol, 32: Kass PH, Barnes WG, Spangler WL, Chomel BB, Culbertson MR (1993). Epidemilogic evidence for a casual relation betweeen vaccination and fibrossarcoma tumorigenesis in cats. J Am Vet Med Assoc, 203: Kobayashi T, Hauck M, Dodge R, Page R, Price S, Williams L, Hardie EM, Mathews KG, Thrall DE (2002). Preoperative radiotherapy for vaccine associated sarcoma in 92 cats. Vet Rad & Ultrassound, (5): Lester S, Clemett T, Burt A (1996). Vaccine site-associated sarcomas in cats: clinical experience and a laboratory review ( ). J Am Hosp Assoc, 32: Macy DW e Bergman PJ (1995). Vaccine-associated sarcomas in cats. Feline Practice, 23(4): Macy DW e Hendrick MJ (1996). The potential role of inflammation in the development of postvaccinal sarcomas in cats. Vet Cli Am, 26(1): Madewell BR, Griffey SM, McEntee MC, Leppert VJ, Munn RJ (2001). feline vaccine-associated fibrosarcoma: an ultrastructural study of 20 tumors ( ). Vet Pathol, 38: Mentzel T, Fletcher CDM (1997). The emerging role of myofibroblasts in soft tissue neoplasia. Am J Cl Pathol, 107(1):1997. Miettinen M (1988) Antibody specific to muscle actins in the diagnosis and classification of soft tissue tumours. Am J Pathol, 130 (1): Miller MA, Nelson SL, Turk JR, Pace LW, Brown TP, Shaw DP, Fischer JR, Gosser HS (1991). Cutaneous Neoplasia in 340 Cats. Vet Pathol, 28: Pereira J, Tavares L (1998). Patógenese das infecções por retrovírus da sub-família Oncornavirinae. Rev Port C Vet, (526): Pikarsky E, Porat RM, Stein I, Abramovitch R, Amit S, Kasem S, Gutkovich-Pyest E, Urieli-Shoval S, Galun E, Ben- Neriah Y (2004). NF-kappaB functions as a tumour promoter in inflammation associated cancer. Nat (Aug 25)- Abstract Queiroga F e Lopes C (2002). Tumores mamários caninos, pesquisa de novos factores de prognóstico. Rev Port C. Vet, (543): Roche WR (1990). Myofibroblasts. J Pathol, 161: Schultze AE, Frank LA, Hahn KA (1997). Repeated physical and cytologic characterizations of subcutaneous postvaccinal reactions in cats. Am J Vet Res, 58(7): Snyder SP (1969). Transmissible feline fibrosarcoma. Nat, 221: Tazawa H, Okada F, Kobayashi T, Tada M, Mori Y, Une Y, Sendo F, Kobayashi M, Hosokawa M (2003). Infiltration of neutrophils is required for acquisition of metastatic phenotype of benign murine fibrosarcoma cells. Am J Pathol, 163:

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2

APESP 246 Caso Botucatu. Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 APESP 246 Caso Botucatu Dra. Viviane Hellmeister Camolese Martins - R2 História Clínica LP, 55 anos, homem, branco, pedreiro, hipertenso Massa palpável em flanco E TC = massa de 8 cm no pólo superior renal

Leia mais

Sarcomas pós-vacinais em felinos INTRODUÇÃO

Sarcomas pós-vacinais em felinos INTRODUÇÃO Sarcomas pós-vacinais em felinos Leonardo Brandão Gerente Técnico Operação Animais de Companhia Merial Saúde Animal INTRODUÇÃO A vacinação deve ser considerada um procedimento médico, o que implica na

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Neoplasias de glândulas perianais em cães Ciro José Sousa de Carvalho 1, Sâmmya Roberta Barbosa 2, Francisco Assis Lima Costa 3, Silvana Maria Medeiros

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 MELANOMA MALIGNO AMELANÓTICO OSTEOCARTILAGINOSO NA CAVIDADE ORAL COM METÁSTASE PULMONAR EM UM CÃO: RELATO DE CASO. MALIGNANT AMELANOTIC OSTEOCARTILAGINOUS MELANOMA IN THE ORAL CAVITY WITH PULMONARY METASTASIS

Leia mais

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística Foram selecionadas dos arquivos da Seção de Anatomia Patológica do Instituto Lauro de Souza Lima, pertencente à Coordenadoria dos Institutos de Pesquisa da Secretaria

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010

ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DAS NEOPLASIAS CANINAS DIAGNOSTICADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO PERÍODO DE 2009 A 2010 CAIO FERNANDO GIMENEZ 1, TATIANE MORENO FERRARIAS 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1 1 Universidade

Leia mais

MELANOMA AMELANÓTICO COMPLEXO EM CÃO: RELATO DE CASO

MELANOMA AMELANÓTICO COMPLEXO EM CÃO: RELATO DE CASO MELANOMA AMELANÓTICO COMPLEXO EM CÃO: RELATO DE CASO JULIANA BRONDINO 1, LUCIANE DOS REIS MESQUITA 2, LUIS GUILHERME DE FARIA 3, GUILHERME COUTINHO VIEIRA 4, PHILIPI DE SOUZA COUTINHO 5 RESUMO: O melanoma

Leia mais

FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT

FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT 1 FIBROLEIOMIOMA EM UMA CADELA DA RAÇA PASTOR ALEMÃO - RELATO DE CASO FIBROLEIOMYOMAS IN ONE BITCH OF GERMAN SHEPHERD BREED CASE REPORT ¹JÉSSICA DO ROCIO RIBAS MACHADO, ¹KELLI CRISTINA GRACIANO, ¹CAROLINA

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 MARCELA BENEVENTE [1], LUCIANA MOURA CAMPOS PARDINI [2], ADRIANA CAMARGO FERRASI [1,3], MARIA INES DE MOURA CAMPOS PARDINI [3], ALINE FARIA GALVANI [3], JOSE JOAQUIM TITTON RANZANI [2] 1. Instituto de

Leia mais

SARCOMA PÓS APLICAÇÃO DE FÁRMACOS EM GATOS SARCOMA AFTER DRUG USE IN CATS

SARCOMA PÓS APLICAÇÃO DE FÁRMACOS EM GATOS SARCOMA AFTER DRUG USE IN CATS SARCOMA PÓS APLICAÇÃO DE FÁRMACOS EM GATOS SARCOMA AFTER DRUG USE IN CATS MONTANHA, Francisco Pizzolato Docente do curso de Medicina Veterinária da FAMED/ACEG Garça SP faef.estagio@gmail.com CORRÊA, Carmen

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

Características epidemiológicas de sarcomas de tecidos moles caninos e felinos: levantamento de 30 anos

Características epidemiológicas de sarcomas de tecidos moles caninos e felinos: levantamento de 30 anos [T] Características epidemiológicas de sarcomas de tecidos moles caninos e felinos: levantamento de 30 anos [I] Epidemiological characteristics from canine and feline soft tissue sarcomas during a 30 year

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

SARCOMA DE APLICAÇÃO FELINO: AVALIAÇÕES HISTOMORFOLÓGICA, IMUNOFENOTÍPICA E TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

SARCOMA DE APLICAÇÃO FELINO: AVALIAÇÕES HISTOMORFOLÓGICA, IMUNOFENOTÍPICA E TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS SÍLVIA TRINDADE PEREIRA SARCOMA DE APLICAÇÃO FELINO: AVALIAÇÕES HISTOMORFOLÓGICA, IMUNOFENOTÍPICA E TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO BELO HORIZONTE 2014 SÍLVIA TRINDADE PEREIRA

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal

Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Paulo César Jark Serviço de Oncologia Veterinária Unesp - Jaboticabal Metastatis (grego) Transferência, mudança de lugar Disseminação da doença Sinal de doença avançada Qual a via preferencial de metástase

Leia mais

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW SANTOS, Mariana Soares Pereira dos Acadêmica do curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina

Leia mais

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual

Perda da uniformidade nas células e desarranjo estrutural tecidual .Leucoplasia: (grego: leuco = branco - plasis = formação) Transformação metaplásica do epitélio escamoso estratificado não ceratinizado consistindo em aumento das camadas de ceratina. Exemplos: mucosa

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Faculdade de Medicina Veterinária

Faculdade de Medicina Veterinária UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA Faculdade de Medicina Veterinária SARCOMA NO LOCAL DE INJECÇÃO EM FELINOS ANA SOFIA VISTAS FERNANDES CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Professor Doutor José Manuel Chéu Limão Oliveira

Leia mais

Érika Morgado Lamonica SARCOMA DE APLICAÇÃO EM FELINOS

Érika Morgado Lamonica SARCOMA DE APLICAÇÃO EM FELINOS Érika Morgado Lamonica SARCOMA DE APLICAÇÃO EM FELINOS São Paulo 2009 FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS - FMU Érika Morgado Lamonica SARCOMA DE APLICAÇÃO EM FELINOS Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação

Leia mais

Sarcoma de aplicação felino. Feline injection-site sarcoma

Sarcoma de aplicação felino. Feline injection-site sarcoma Sarcoma de aplicação felino Feline injection-site sarcoma Carolina Scarpa Carneiro 1* ; Genilson Fernandes Queiroz 2 ; Maria Beatriz Cattony Zerwes 3 ; Julia Maria Matera 4 Resumo O sarcoma de aplicação

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA

INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - CURITIBA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INCIDÊNCIA DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM FÊMEAS CANINAS ATENDIDAS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015 UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES ONCOGÊNESE O QUE É O CÂNCER Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO

LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO 1 LIPOPEROXIDAÇÃO EM CADELAS COM CARCINOMA MAMÁRIO IVAN BRAGA RODRIGUES DE SOUZA 1, EDUARDO FERNANDES BONDAN 1,2, SANDRA CASTRO POPPE 1,2 1 Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo (SP), Brasil; 2 Universidade

Leia mais

MASTOCITOMA CUTÂNEO FELINO: RELATO DE CASO FELINE CUTANEOUS MAST CELL TUMORS: CASE REPORT

MASTOCITOMA CUTÂNEO FELINO: RELATO DE CASO FELINE CUTANEOUS MAST CELL TUMORS: CASE REPORT 1 MASTOCITOMA CUTÂNEO FELINO: RELATO DE CASO FELINE CUTANEOUS MAST CELL TUMORS: CASE REPORT Patricia Neves Batina 1 * Sonia Terezinha dos Anjos Lopes 2 Luciano Santos da Fonseca 3 Sandra Bassani Silva

Leia mais

Revista de Ciência Veterinária e Saúde Pública

Revista de Ciência Veterinária e Saúde Pública 45 Revista de Ciência Veterinária e Saúde Pública Rev. Ciên. Vet. Saúde Públ., v. 2, n. 1, p. 045-052, 2015 Sarcoma de injeção em felinos domésticos: Revisão de Literatura (Feline domestic injection-site

Leia mais

3º PROVA PATOLOGIA GERAL

3º PROVA PATOLOGIA GERAL 1 - A imunoterapia tem sido usado no tratamento de tumores e em alguns casos com sucesso significativo, meios de imunização ativo e passivo foram empregados para estimular o sistema imune. A melhor resposta

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

HEMANGIOSSARCOMA CAVITÁRIO EM CÃO RELATO DE CASO

HEMANGIOSSARCOMA CAVITÁRIO EM CÃO RELATO DE CASO 1 HEMANGIOSSARCOMA CAVITÁRIO EM CÃO RELATO DE CASO CYNTHIA PIRIZZOTTO SCARAMUCCI¹, VANESSA YURIKA MURAKAMI¹, ANALY RAMOS MENDES², GISELE FABRÍCIA MARTINS DOS REIS 3, PRISCILLA MACEDO DE SOUZA 4, RAQUEL

Leia mais

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa:

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa: 1 - A respeito da inflamação crônica, analise as assertivas a seguir: I) A inflamação crônica sempre tem início após a inflamação aguda. II) A inflamação crônica inespecífica é observada em resposta à

Leia mais

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores.

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores. Célula Normal Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G 2 /M Divisão Celular Neoplasias Fatores Reguladores Controlada Estimuladores Inibidores Homeostase Célula Neoplásica Divisão Celular Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Vaginal Metastasis from Colorectal Adenocarcinoma: Diagnosis in Cervicovaginal Cytology

Vaginal Metastasis from Colorectal Adenocarcinoma: Diagnosis in Cervicovaginal Cytology Vaginal Metastasis from Colorectal Adenocarcinoma: Diagnosis in Cervicovaginal Cytology Oliveira B 1 Ɨ, Cunha C 1 Ɨ, Mendes M 1 * Ɨ, Coimbra N 2, Duarte A 2, Babo A 2, Martins C 2, Monteiro P 2 1 School

Leia mais

OSTEOSSARCOMA EM CÃES RELATO DE CASO

OSTEOSSARCOMA EM CÃES RELATO DE CASO OSTEOSSARCOMA EM CÃES RELATO DE CASO MEDEIROS, Fabrícia ROCHA, Jessé Ribeiro SANTOS, Mariana Soares Pereira email: fabriciamedvet@hotmail.com Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de Garça FAMED

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz

Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Caso Clínico 30 de Novembro de 2005 Olga Vaz Serviço de Imagiologia dos H.U.C. História Clínica J.L.O.C. Sexo: Masculino Idade: 42 anos Raça: Caucasiana Natural e residente: Coimbra Profissão: motorista

Leia mais

QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA NO TRATAMENTO DE MASTOCITOMA DE BOLSA ESCROTAL EM BOXER -RELATO DE CASO

QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA NO TRATAMENTO DE MASTOCITOMA DE BOLSA ESCROTAL EM BOXER -RELATO DE CASO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353 QUIMIOTERAPIA ANTINEOPLÁSICA NO TRATAMENTO DE MASTOCITOMA DE BOLSA ESCROTAL EM BOXER -RELATO DE CASO SANTOS, Luana Maria ROCHA, Jessé

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Nicolas S. Lazaretti¹ Renata Bruna Garcia dos Santos Gatelli 2 Charles Nilton Gatelli¹ Luis Alberto Schlittler¹ Rodrigo Ughini Villaroel¹

Nicolas S. Lazaretti¹ Renata Bruna Garcia dos Santos Gatelli 2 Charles Nilton Gatelli¹ Luis Alberto Schlittler¹ Rodrigo Ughini Villaroel¹ Sarcoma Retroperitoneal Pleomórfico de alto grau indiferenciado Relato de caso e revisão de literatura High-Grade Retroperitoneal Sarcoma Pleomorphic Undifferentiated Case Report and Literature Review

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTUDO RETROSPECTIVO DE NEOPLASIAS DE PELE EM CÃES, NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM-PA, NO PERÍODO DE 2013 A 2014. RENZO BRITO LOBATO¹, ADRIANA MACIEL DE CASTRO CARDOSO¹, BRENO COSTA DE MACEDO¹, KARINA

Leia mais

Classificação Histológica e Imunoistoquímica em Três Casos de Linfoma Canino

Classificação Histológica e Imunoistoquímica em Três Casos de Linfoma Canino Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 09, n. 09, p. 32 47 Classificação Histológica e Imunoistoquímica em Três Casos de Linfoma Canino Aline Alvarenga da Rocha¹, Sara Maria de Carvalho e Suzano²,

Leia mais

II Encontro de Formação OMV Oftalmologia/Cirurgia Oftalmológica ABORDAGEM ÀS NEOPLASIAS OCULARES A ENUCLEAÇÃO É SOLUÇÃO?

II Encontro de Formação OMV Oftalmologia/Cirurgia Oftalmológica ABORDAGEM ÀS NEOPLASIAS OCULARES A ENUCLEAÇÃO É SOLUÇÃO? II Encontro de Formação OMV Oftalmologia/Cirurgia Oftalmológica ABORDAGEM ÀS NEOPLASIAS OCULARES A ENUCLEAÇÃO É SOLUÇÃO? Esmeralda Delgado 1 1 CIISA, Departamento de Clínica, Faculdade de Medicina Veterinária,

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS MASTOCITOMA SUBCUTÂNEO EM CÃO RELATO DE CASO Karen Sandrin Rossi Florianópolis, dez. 2008. i KAREN SANDRIN ROSSI Aluna do Curso de

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE OS SISTEMAS HISTOLÓGICO DESCRITIVO E DE GRADUAÇÃO HISTOLÓGICA PARA NEOPLASMAS MAMÁRIOS EM FELINOS

AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE OS SISTEMAS HISTOLÓGICO DESCRITIVO E DE GRADUAÇÃO HISTOLÓGICA PARA NEOPLASMAS MAMÁRIOS EM FELINOS AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE OS SISTEMAS HISTOLÓGICO DESCRITIVO E DE GRADUAÇÃO HISTOLÓGICA PARA NEOPLASMAS MAMÁRIOS EM FELINOS Melissa Spader 1, Josiane Bonel-Raposo *2, Cristina Gevehr Fernandes 2, Michele

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V.

Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. Metástase Cutânea de Carcinoma de Células Claras Renais: Relato de Caso Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. 1 1 Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná. Introdução e Objetivo O

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Sangue Nesta lâmina observa-se um esfregaço de sangue, que constitui um tipo de tecido conjuntivo fluído constituído por células emersas em matriz extracelular plasma. O plasma é uma solução aquosa de

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES - RELATO DE CASO.

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES - RELATO DE CASO. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: 1679-7353 CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES - RELATO DE CASO. ROCHA, Jessé Ribeiro SANTOS, Luana Maria TRENTIN, Thays de Campos ROCHA, Fabio

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FATORES DE PROGNÓSTICO ASSOCIADOS A EXCISÃO CIRÚRGICA DE SARCOMAS NOS LOCAIS DE INOCULAÇÃO EM FELINOS

AVALIAÇÃO DE FATORES DE PROGNÓSTICO ASSOCIADOS A EXCISÃO CIRÚRGICA DE SARCOMAS NOS LOCAIS DE INOCULAÇÃO EM FELINOS DAIANA CARDOSO AVALIAÇÃO DE FATORES DE PROGNÓSTICO ASSOCIADOS A EXCISÃO CIRÚRGICA DE SARCOMAS NOS LOCAIS DE INOCULAÇÃO EM FELINOS Orientador: Doutor Pedro Faísca Co-Orientador: Dr. Hugo Gregório Responsável

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

VÍRUS EPSTEIN-BARR E CARCINOMA MAMÁRIO

VÍRUS EPSTEIN-BARR E CARCINOMA MAMÁRIO FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE COIMBRA VÍRUS EPSTEIN-BARR E CARCINOMA MAMÁRIO Dissertação de Doutoramento em Ciências da Saúde, no ramo de Ciências Biomédicas, pela Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Título: Mastocitoma atípico na pálpebra superior de um felino jovem Relato de caso

Título: Mastocitoma atípico na pálpebra superior de um felino jovem Relato de caso Relato de Caso Título: Mastocitoma atípico na pálpebra superior de um felino jovem Relato de caso Atypical mastocytoma on the upper eyelid of a young feline - Case report Escritores e qualificações Eriane

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Neoplasias Cutâneas de Cães Diagnosticadas no Laboratório de Histopatologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro de 1995 a 2005

Neoplasias Cutâneas de Cães Diagnosticadas no Laboratório de Histopatologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro de 1995 a 2005 Neoplasias Cutâneas de Cães Diagnosticadas no Laboratório de Histopatologia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro de 1995 a 2005 Tônia da Rocha e Silva 1 Ticiana do Nascimento França 2 Bernardo

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRCA DE PEQUENOS PORTES SARCOMA VACINAL EM FELINOS DOMÉSTICOS. Vanessa Daloia Souza Martins

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRCA DE PEQUENOS PORTES SARCOMA VACINAL EM FELINOS DOMÉSTICOS. Vanessa Daloia Souza Martins UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRCA DE PEQUENOS PORTES SARCOMA VACINAL EM FELINOS DOMÉSTICOS Vanessa Daloia Souza Martins São José do Rio Preto SP Janeiro de 2008 Vanessa Daloia

Leia mais

1º modelo: doença degenerativa

1º modelo: doença degenerativa 2ª Aula de Biopatologia 18/09/2006 Medicina molecular: Da nova Biologia à Clínica Nesta aula vamos falar de três modelos de relevância entre a biologia básica e a clínica. 1º modelo: doença degenerativa

Leia mais

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M.

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M. Imunologia do câncer Impacto da imunologia na cancerologia Biologia tumoral Diagnóstico : imuno-histoquímica Tratamento : imunoterapia Mecanismos da resposta imunológica contra o câncer Quais as células

Leia mais

Qual o papel do meio ambiente no desenvolvimento de câncer?

Qual o papel do meio ambiente no desenvolvimento de câncer? Destaque Espaço Aberto X Qual o papel do meio ambiente no desenvolvimento de câncer? E nvie-nos você também informações importantes para Oncologia Veterinária além de sugestões e dúvidas que serão esclarecidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA COMISSÃO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA COMISSÃO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA COMISSÃO DE ESTÁGIO MELANOMA AMELANÓTICO EM CÃES: ESTUDO RETROSPECTIVO DE 35 CASOS (2004-2010) E CARACTERIZAÇÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA Autora:

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Denominação geral dos tumores

Denominação geral dos tumores Imunologia dos tumores Denominação geral dos tumores Carcinomas - derivados de células epiteliais (rim, fígado, epitélio gastro-intestinal) Sarcomas - originários de fibroblastos, células musculares e

Leia mais

SARCOMA ASSOCIADO AO LOCAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS EM GATOS

SARCOMA ASSOCIADO AO LOCAL DE APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS EM GATOS CENTRO REGIONAL UNIVERSITÁRIO DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL UNIPINHAL CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA ESPECIALIZAÇÃO lato sensu EM CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA EM PEQUENOS ANIMAIS HELENA LEONARDOS SARCOMA ASSOCIADO

Leia mais

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO PREVENÇÃO Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA

CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA CURSO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA ONCOLOGIA CUTÂNEA Período de Seleção 10 de outubro a 07 de novembro de 2014 Taxa de Inscrição R$ 100,00 Taxa de Matrícula R$ 400,00 Mensalidade R$ 724,00 Forma(s)

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais