Sistemas de Instrumentação esi Engenharia de Sistemas e Informática

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Instrumentação esi Engenharia de Sistemas e Informática"

Transcrição

1 Departamento de Informática Guia do Trabalho 4 Sistemas de Instrumentação esi Engenharia de Sistemas e Informática Data de Entrega: 2005/ º Ano/ 1.º Semestre Título: Condicionamento de Sinal Montagens com OpAmps Simulação 1. Objectivo Neste trabalho pretendese que o aluno execute um conjunto de montagens típicas usando o Amplificador Operacional (OpAmp Operational Amplifier) associado a resistências. O OpAmp considerase representado pelo seu modelo ideal e as condições das montagens a efectuar não deverão realçar quaisquer aspectos não ideais deste dispositivo. 2. Introdução Os Amplificadores Operacionais ou OpAmps são o coração e alma de todos os instrumentos electrónicos modernos, no que diz respeito ao condicionamento de sinal. A sua flexibilidade, estabilidade e capacidade para executar muitas funções tornam os OpAmps a escolha ideal para os circuitos analógicos. O OpAmp é um amplificador diferencial de ganho muito alto com saída bipolar. A função de transferência do OpAmp mostra que a tensão de saída, é dada através da expressão = A (V V ) = A ( V) (1) onde A é ganho em malha aberta, V é a tensão na entrada invertida e V é a tensão na entrada de não invertida. O sinal negativo que antecede o termo ganho A inverte a saída. O ganho A pode ser definido como a razão do módulo do sinal de tensão de saída sobre a diferença da tensão de entrada V. Em geral, nos OpAmps o ganho pode variar entre e Apenas é necessário um sinal de entrada muito pequeno para gerar um sinal de saída grande. Por exemplo, se o ganho do OpAmp for de 1 milhão, uma entrada de 5µV leva a saída do OpAmp a 5V. Na maioria dos circuitos a V pode ser substituída por um curtocircuito virtual entre a entrada () e a entrada (), de tal forma que a tensão na entrada () é essencialmente a mesma que na entrada (). Um outro método consiste em considerar que a corrente i in que entra para o OpAmp é tão pequena que pode ser desprezável. A impedância Z in de entrada do OpAmp ideal é infinita. Na maior parte dos circuitos com OpAmps as equações para o ganho e para as impedâncias de entrada e de saída, podem ser derivadas usando este modelo de OpAmp Ideal. Um OpAmp ideal apresenta as seguintes propriedades: 1. O ganho em malha aberta é infinito e V = 0; 2. Nenhuma corrente circula para dentro ou para fora dos terminais de entrada; 3. Não há offset de tensão ou de corrente; 4. A impedância de entrada Z in do OpAmp é infinita; 5. A impedância de saída Z out do OpAmp é zero. f 100k 10k Figura 2 Amplificador Operacional LM741 num encapsulamento de 8 pinos DIP Dual Inline Package Figura 1 Circuito inversor real com OpAmp Na maioria das regiões de funcionamento, é comum usar a aproximação ideal do OpAmp, que é suficiente para derivar as expressões matemáticas que permitem modelar a operação de OpAmps reais. A maior parte dos OpAmps são bipolares; isto significa que a saída pode ter sinal positivo ou negativo, pelo que, são necessárias duas fontes de tensão o OpAmp. Neste enunciado, assumese que a tensão de alimentação para todos circuitos com OpAmps estará entre 15 e 15V. A tensão de saída nunca poderá exceder a tensão de alimentação.

2 Ganho do OpAmp Exercício 1 Implemente o programa em LabVIEW intitulado OpAmp1.vi, de acordo com a figura abaixo. Clique no botão [un] para cima para alimentar o OpAmp. Figura 3 Circuito com OpAmps em Malha Aberta a) Investigue a sensibilidade e o sinal de tensão de saída à medida que são variados os níveis do sinais de entrada V e V. b) Existem duas escolhas possíveis para ganho do OpAmp. A posição [Lo Gain] configura A=10 e permite observar como funciona o amplificador. A posição [Hi Gain] configura A= e é mais representativa de um OpAmp real. c) epare que a excursão das tensões é cerca de 1 V menor do que as de alimentação. Quando a saída está no seu valor de tensão máximo, o OpAmp encontrase saturado. Para [Hi Gain], parece que o OpAmp está quase sempre saturado nesta configuração em malha aberta. Curva de Transferência dum OpAmp Para obtermos um melhor aspecto da curva transferência devese desenhar a tensão de saída como uma função da entrada de tensão diferencial, V. Melhore o programa em LabVIEW que implementou atrás de forma a representar a curva de transferência, como mostra a figura abaixo, e graveo com nome OpAmp2.vi. Este programa é similar ao programa anterior, excepto que as linhas de massa e da fonte de alimentação foram removidas. Estas linhas devem sempre ser ligadas num circuito real, mas frequentemente não são mostradas nos diagramas esquemáticos. Foi acrescentado um gráfico XY para visualizar dinamicamente a curva de transferência. Corra o programa, clicando em [un]. Figura 4 Visualização da Função de Transferência dum OpAmp em Malha Aberta O botão [Lo Gain] é utilizado novamente para observar o funcionamento do amplificador. Utilize o botão [Hi Gain] de configuração para simular um OpAmp real. a) Seleccionando vários níveis de tensão de entrada, trace a curva transferência completa. Os dois LEDs coloridos indicam quando o amplificador satura, quer para valores positivos quer para valores negativos do valor máximo de excursão. Comente o que observa e fundamente. Sistemas de Instrumentação Guia do Trabalho 4 Manuel A. E. Baptista, Eng.º 2/8

3 3. Circuitos com OpAmps em Malha Fechada Os amplificadores com ganho elevado são difíceis de controlar e proteger da saturação. Utilizando alguns componentes externos, parte da saída pode ser realimentada para a entrada. Para o caso do feedback negativo, isto é o sinal realimentado está desfasado em relação ao sinal de entrada (180º), o amplificador tornase estável. Esta configuração é chamada de configuração em malha fechada. Na prática, a realimentação, também vulgarmente chamada feedback é um compromisso entre o Ganho e Estabilidade: o Ganho em Malha Aberta A é utilizado para estabilizar o circuito. Os circuitos típicos com OpAmps têm um Ganho em Malha Fechada que varia entre 10 e 1000, enquanto o Ganho em Malha Aberta varia desde 10 5 a Se o feedback for positivo, o amplificador tornase num oscilador. Amplificador Inversor O circuito seguinte mostra como uma redução no Ganho dá origem a um Amplificador muito estável e linear. Uma única resistência de feedback f é utilizada para levar parte do sinal de saída de volta à entrada. O facto deste estar ligado à entrada negativa indica que a realimentação é negativa. A tensão de entrada produz uma entrada de corrente i 1 através da resistência de entrada 1. epare na diferença de potencial v entre as entradas () e () do amplificador. A entrada positiva está ligada à massa. f i f 1 i in V 15 i 1 15 Figura 5 Diagrama esquemático dum circuito inversor com OpAmp. Para calcular a função de transferência são utilizadas as leis de Kirchhoff e as equações da malha. Malha de Entrada = i 1 1 V (2) Malha de ealimentação = i f f V (3) Ponto de Soma i 1 = i f i in (4) Equação de Ganho = A V (5) Além disso V é sempre muito pequena (alguns µv) e se a impedância de entrada, Z in do amplificador for grande (normalmente cerca de 10 MΩ), então a corrente de entrada i in = V/Z in é excessivamente pequena e pode ser considerada nula. A equação da função de transferência (5) tornase então = ( f / 1 ) = (G) (6) A relação ( f / 1 ) chamase Ganho em Malha Fechada G e o sinal menos diznos que a saída é invertida. epare que o Ganho em Malha Fechada pode ser configurado através da escolha de duas resistências 1 e f. Basicamente, o circuito Amplificador Inversor com OpAmp multiplica o sinal entrada por uma constante negativa. A sua amplitude é o Ganho em Malha Fechada ( f / 1 ) e inverte a polaridade do sinal de saída. A entrada () está efectivamente curtocircuitada à massa e a corrente de entrada i 1 é calculada a partir da lei Ohm para a malha de entrada como ( / 1 ). Nesta configuração a entrada () é designada frequentemente como massa virtual, como se a entrada () estivesse efectivamente à massa. A segunda lei de Kirchhoff diz que a soma de todas as correntes em qualquer nó deve ser zero (i.e. i 1 I F i in = 0). A propriedade 2 diz que a corrente i in no OpAmp é zero, portanto i 1 I F =0. Para a malha de saída, = i f f. Estes resultados levam directamente à função de transferência = ( f / 1 ) V in (7) Demonstrase que, enquanto a impedância de entrada do OpAmp é infinita (propriedade 4), a impedância de entrada do circuito Inversor é de facto 1. Sistemas de Instrumentação Guia do Trabalho 4 Manuel A. E. Baptista, Eng.º 3/8

4 Exercício 2 Versão 1 Corra no LabVIEW o programa chamado OpAmp3.vi, fornecido pelo docente. Este programa simula duma forma real o funcionamento dum OpAmp simples configurado como um Amplificador Inversor. Figura 6 Simulação LabVIEW dum circuito inversor com um OpAmp. Clique no botão [un] para observar o funcionamento do circuito. Podemos variar o valor das resistências 1 e f através dum clique e arrastando o slider acima ou introduzindo um novo valor no display digital, abaixo de cada resistência. A tensão de entrada pode ser alterada fazendo um clique sobre as setas ou inserindo um novo valor na entrada digital. a) Varie a resistência de feedback, a resistência de entrada e a tensão de entrada para verificar que a saída segue a função de transferência (6). O que acontece quando a tensão de: i. saída tenta exceder a tensão da fonte de alimentação de ou 15V? ii. entrada alcança a tensão da fonte de alimentação? iii. entrada excede a tensão da fonte de alimentação de 1 ou 2V? f 100k 10k Figura 7 Diagrama esquemático dum amplificador inversor com ganho 10. Sistemas de Instrumentação Guia do Trabalho 4 Manuel A. E. Baptista, Eng.º 4/8

5 Versão 3 Corra o programa LabVIEW intitulado Inverting.vi. Clique no botão [un] para alimentar o circuito Inversor. Chiques e mova o cursor (slider) de entrada para mostrar a característica Inversora deste circuito. Tente outros valores para 1 e f. Figura 8 Simulação LabVIEW dum Circuito Inversor com OpAmp Quando f = 1 o ganho em malha fechada, G = 1. O circuito OpAmp executa a função matemática, negar. Se V in é positivo, então é negativa ou se V in é negativa, então é positiva. Verifique. Amplificador NãoInversor Um circuito Amplificador Nãoinversor com OpAmp pode ser configurado a partir do circuito anterior, através da ligação da resistência de entrada, 1 à massa e colocando o sinal de entrada na entrada (). V in f V () 1 Figura 9 Diagrama esquemático dum Circuito Amplificador NãoInversor com OpAmp. A tensão de saída cai através dum divisor de tensão composto pela resistência de realimentação f e pela resistência de entrada 1. A tensão no ponto V () é apenas V() = [ 1 /( 1 f )] (8) De acordo com as propriedades ideais dum OpAmp (1), a entrada de tensão V do OpAmp é zero, portanto V IN = V(). eorganizando as equações temos = (1 f / 1) V in (9) Tratase dum Amplificador de uso geral com um Ganho em Malha Fechada G = (1 f / 1 ) que não altera o sinal do sinal de entrada. Podese mostrar que a impedância de entrada para este circuito Z i é muito grande e dada por Z i ~ Z in [ 1 /( 1 f )] A (10) onde Zin é a impedância entrada de um OpAmp real (cerca 20 MΩ)). Podese mostrar também, que a impedância de saída, Zo do circuito tornase zero à medida que o Ganho A em Malha Aberta se torna grande. Assim, o OpAmp na configuração NãoInversora faz o buffering do circuito de entrada do circuito de saída, mas com um ganho finito. Exercício 3 Corra o programa LabVIEW intitulado NonInverting.vi. Clique no botão [un] para alimentar o circuito. Clique e mova o cursor de entrada para mostrar a característica nãoinversora deste circuito. Tente outros valores para 1 e f. Figura 10 Simulação LabVIEW dum circuito NãoInversor com OpAmp. Sistemas de Instrumentação Guia do Trabalho 4 Manuel A. E. Baptista, Eng.º 5/8

6 Buffer Um caso especial deste circuito é quando f = 0 e não há resistência de entrada 1. Neste caso, = V in, Z i = Z in A e Z o = Z out /A. Esta configuração chamase Buffer ou Circuito de Ganho Unitário. Tratase mais ou menos de um transformador de impedância que não tem nenhum ganho de tensão, mas pode ter ganhos de potência elevados. V in Figura 11 Amplificador de Ganho Unitário com OpAmp. Amplificador Diferença (Diferencial) Um Circuito Diferença com OpAmp aplica o mesmo ganho ( f / 1 ) a cada umas das entradas diferenciais. Como resultado temos que a tensão de saída é a diferença entre os dois sinais de entrada, multiplicada por uma constante. = ( f / 1 ) (V 2 ) (11) f i f 1 i 1 V 2 1 i 2 f Figura 12 Diagrama esquemático dum Circuito Diferença (Diferencial) com OpAmp. Usando as propriedades ideais para um OpAmp, podese escrever a tensão na entrada nãoinversora () como V() = [ f /( 1 f )] V 2 (12) Malha de Entrada 1 i 1 = [ V()] / 1 (13) Malha de Saída i f = [ V()] / f (14) Ponto Soma i 1 = i f (15) Substituindo para as correntes, eliminando V() e reorganizando temos a equação diferença (11). Exercício 4 Corra o programa LabVIEW intitulado Difference.vi. Clique no botão [un] para alimentar o circuito diferença (diferencial). Investigue a relação entradasaída. Figura 13 Simulação LabVIEW dum Circuito Diferença (Diferencial) com OpAmp. epare que a equação diferença é válida apenas quando as resistências de entrada são iguais e as resistências de feedback são iguais. Para um circuito diferença real com OpAmp trabalhar bem, é necessário muito cuidado, pois devemos seleccionar pares de resistências adaptadas. Quando as resistências de feedback e de entrada são iguais, a circuito diferença executa a operação aritmética, subtracção. Sistemas de Instrumentação Guia do Trabalho 4 Manuel A. E. Baptista, Eng.º 6/8

7 Circuito Integrador com OpAmps No Circuito Integrador com OpAmp, a resistência de feedback do Circuito Amplificador Inversor f é substituída por um condensador C f. Um condensador armazena carga eléctrica Q, e se este for ideal sem nenhuma fuga, pode ser usado para acumular carga eléctrica ao longo do tempo. A corrente de entrada que passa através do ponto soma é acumulada no condensador de feedback C f. A tensão no condensador é igual a e é dada através da expressão Q = CV ou seja Q = C f. Notese que a corrente i é i = dq/dt. Combinando estas duas identidades temos i f = C f (d /dt) (16) A partir das aproximações para um OpAmp ideal, i 1 = V in / 1 e i 1 = i f V in / 1 = C f (d /dt) (17) ou na forma integral = (1/ 1 C f ) V in dt (18) C f 1 I f V in I 1 Figura 14 Diagrama esquemático dum Circuito Integrador com OpAmp. A tensão de saída é o integral da tensão de entrada multiplicada por uma de constante de escala (1/ 1 C f ). A unidade de é ohms (Ω) e a de C é farads (F). Em conjunto as unidades de (C) são segundos. No caso, dum condensador de 1f com uma resistência de 1MΩ dá um factor de escala de 1/segundo. Considere o caso onde a tensão de entrada é uma constante. O termo da tensão de entrada pode ser removido do integral e a equação integral tornase = (V in / 1 C f ) t constante (19) onde a constante de integração é estabelecida por uma condição inicial, tal como = V o em t = 0. Esta equação é uma ampa Linear cujo declive é (V in /C). Por exemplo, com V IN = 1V, C = 1µF e = 1 MΩ, o declive será de 1 volt/s. A tensão de saída será uma ampa crescendo linearmente esta taxa, até o OpAmp saturar no valor máximo positivo da excursão de tensão (). A constante de integração pode ser estabelecida pela aplicação duma tensão inicial aos terminais do condensador de feedback, equivalente a definir a condição inicial (0) = V constante. No início da integração ou t = 0, a tensão inicial é removida e a saída cresce ou decresce em ampa desde esse ponto. O caso comum é quando a tensão inicial é zero. Neste caso um fio curtacircuita o condensador de feedback, e é removido no início de integração. Exercício 5 Corra o programa LabVIEW intitulado amp.vi. Um interruptor é utilizado para curtocircuitar (estabelece a condição inicial) ou abrir (permitindo a integração do circuito). Clique no botão [un] para alimentar o circuito integrador. Inicialmente a saída do condensador é curtocircuitada, portanto a saída é zero. Clique nas setas do [Switch Control] para abrir ou fechar o interruptor. Abra o interruptor e veja a tensão de saída aumentar linearmente. Investigue a tensão de saída à medida que variar os parâmetros de declive (V in, 1 e C f ). Se a saída saturar, recolocar o circuito no estado inicial, curtocircuitando o condensador. Figura 15 Simulação LabVIEW dum Integrador com OpAmp Para uma entrada constante, este circuito é um de gerador rampa. Se curtocircuitarmos momentaneamente o condensador cada vez que a tensão alcança, por exemplo 10 V, a saída resultante será uma forma de onda em dente de serra. No outro programa chamado Sawtooth.vi, foi acrescentado um gráfico de saída e colocado um selector através do condensador para Sistemas de Instrumentação Guia do Trabalho 4 Manuel A. E. Baptista, Eng.º 7/8

8 inicializar o integrador. Fazendo um clique no botão de pressão em intervalos regulares, pode ser produzida uma forma de onda em dente de serra. Tente isto! Questões Figura 16 LabVIEW OpAmp Integrator used to generate a uma forma de onda em dente de serra. a) Será que esta demonstração sugere uma forma de construir um gerador de uma forma de onda em dente de serra? b) Como poderia modificar a simulação do integrador para gerar uma forma de onda triangular? Circuito Somador com OpAmps Um circuito Somador com OpAmp é uma variação do Circuito Amplificador Inversor, mas com dois ou mais sinais de entrada. Cada sinal de entrada V i está ligado ao pino de entrada () através da sua própria resistência de entrada i. Este circuito explora a 2ª lei Kirchhoff, em que a soma das correntes num nó do circuito é zero: no ponto V(), i 1 i 2 I F =0. Pois, o OpAmp ideal não tem nenhuma entrada de corrente (propriedade 2) e nenhuma corrente de offset (propriedade 3). Nesta configuração, a entrada () é frequentemente chamada de ponto soma, V s. Outra maneira de expressar esse ponto, é que no ponto soma, a soma de todas as correntes é zero. 1 f I 1 I f V 2 2 I 2 Malha de Entrada 1 i 1 = / 1 (20) Figura 17 Diagrama esquemático dum Circuito Somador com OpAmp. Malha de Entrada 2 i 2 = V 2 / 2 Malha de Feedback i f = ( / f ) (21) (22) Combinando estas equações no ponto soma temos = f ( / 1 ) f (V 2 / 2 ) (23) Se 1 = 2 =, então o circuito emula um circuito somador autêntico. = ( f / ) ( V 2 ) (24) no caso especial onde ( f / ) = 1/2, a tensão de saída é a média dos dois sinais de entrada. Exercício 6 Corra o programa LabVIEW intitulado Summer.vi. Duas entradas e V 2 podem ser adicionadas em conjunto directamente quando 1 = 2 = f ou adicionadas em conjunto cada um com o seu próprio factor de escala f / 1 ou f / 2, respectivamente. Clique no botão [un] para alimentar o circuito Somador. Sistemas de Instrumentação Guia do Trabalho 4 Manuel A. E. Baptista, Eng.º 8/8

Automação e Instrumentação

Automação e Instrumentação Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Engenharia e Gestão Industrial Automação e Instrumentação Trabalho Prático Nº 3 Acondicionamento do sinal de sensores. Introdução A maior parte dos sensores

Leia mais

Amplificador Operacional

Amplificador Operacional Amplificador Operacional Os modelos a seguir, referem-se a modelos elétricos simplificados para os amplificadores de tensão e de corrente sem realimentação. Os modelos consideram três elementos apenas:

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA Departamento de Física da Faculdade de iências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo 2007/08 IRUITOS DE ORRENTE ONTÍNU 1. Objectivo Verificar as leis fundamentais de conservação da energia e da carga

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS II

CIRCUITOS ELÉTRICOS II CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Corrente Elétrica Quantidade de carga elétrica deslocada por unidade de tempo As correntes elétricas

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II Osciladores Trabalho prático nº 2 Paulo Chaves 1/7 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

Amplificadores lineares e filtros

Amplificadores lineares e filtros Instrumentação de Controle - 167347 Departamento de Engenharia Elétrica (ENE) Universidade de Brasília (UnB) Amplificadores lineares e filtros Tópicos Características de amplificadores operacionais Amplificadores

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais AmpOp Amplificador Operacional É um amplificador de alto ganho e acoplamento directo que utiliza um controlo de realimentação (feedback) para controlar as suas características. Contém uma saída, controlada

Leia mais

Par Diferencial com Transístores Bipolares

Par Diferencial com Transístores Bipolares Resumo Par Diferencial com Transístores Bipolares Operação para grandes sinais Resistência diferencial de Entrada e Ganho Equivalência entre Amplificador diferencial e Amplificador em Emissor Comum Ganho

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise de Circuitos 1º Trabalho de Laboratório Circuitos resistivos lineares e não lineares Leis de Kirchhoff e amplificador operacional Setembro

Leia mais

5. Diagramas de blocos

5. Diagramas de blocos 5. Diagramas de blocos Um sistema de controlo pode ser constituído por vários componentes. O diagrama de blocos é uma representação por meio de símbolos das funções desempenhadas por cada componente e

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais unesp UNIESIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Guaratinguetá Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Professor Carlos Augusto Patrício Amorim Amplificadores Operacionais Prof. Marcelo Wendling 200 ersão

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

Usar o Multímetro O Multímetro:

Usar o Multímetro O Multímetro: Usar o Multímetro Usar um multímetro é algo muito importante para quem trabalha em informática, na área da electrotecnia e electrónica, é um aparelho que nos permite fazer medições de grandezas eléctricas.

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Circuitos Osciladores

Circuitos Osciladores Circuitos Osciladores Em virtude da realimentação do sinal, a estabilidade do circuito deve ser analisada pois quando a freqüência aumenta, o deslocamento de fase varia e como parte deste sinal é adicionado

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Aplicações com circuito integrado LM3914

Aplicações com circuito integrado LM3914 Aplicações com circuito integrado LM3914 O circuito integrado LM3914 é um indicador de linear de tensão, tem como principal aplicação à monitoração linear de sinais aplicados à sua entrada. Seu funcionamento

Leia mais

Razão de Rejeição a Fonte de Potência (PSRR)

Razão de Rejeição a Fonte de Potência (PSRR) 215 Outra unidade que expressa de forma direta o efeito da CMRR. Pode ser obtida observando que a tensão de offset V CM é expressa por: V CM = V C. 1/CMRR = V C.CMRR -1 Agora como CMRR -1 expressa-lo em

Leia mais

CIRCUITOS DIVERSOS COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS. Prof. Valner Brusamarello

CIRCUITOS DIVERSOS COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS. Prof. Valner Brusamarello CIRCUITOS DIVERSOS COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Prof. Valner Brusamarello Amplificadores operacionais limitações Seja Vcc=5 V, R G =R F =100 k, R L = 10 k Observa-se que amplificadores operacionais

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

4.1 Sequências de caracteres

4.1 Sequências de caracteres 4.1 Sequências de caracteres Sequências de caracteres = STRINGS Podem ser usadas em várias situações: Mensagens de texto; Passagem de dados numéricos como strings; Gravação de ficheiros de dados; Existem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Alunos: António Azevedo António Silva Docente: Paulo Portugal Objectivos Este trabalho prático tem como finalidade implementar uma montagem

Leia mais

CIRCUITOS OSCILADORES

CIRCUITOS OSCILADORES Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial Laboratórios Integrados II IUITOS OSILADOES Trabalho Prático nº 1 Electrónica Industrial Laboratórios Integrados II 2005/2006 T.P. n º1 Índice

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Aula 05 Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Circuito Elétrico Básico e suas componentes. \ Resistores em Série Em uma associação de resistores em série, a corrente elétrica ( contínua)

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um O Díodo Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um componente, a intensidade da corrente eléctrica que o percorre também

Leia mais

Capitulo 3 - Amplificador Operacional

Capitulo 3 - Amplificador Operacional Capitulo 3 - Amplificador Operacional 1 3.1 Conceito amplificador CC multiestágio, com entrada diferencial operações matemáticas como soma, integrações, etc 3.2 Principais Características a) Resistência

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista, 2010

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista, 2010 IFBA CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista, 2010 A realimentação Negativa estabiliza o ganho de tensão, diminui a distorção e aumenta

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia de Controle e Automação. Ronilson Rocha

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia de Controle e Automação. Ronilson Rocha Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia de Controle e Automação PROJETO E CARACTERIZAÇÃO DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS CAÓTICOS: O LADO NEGATIVO DO CIRCUITO DE CHUA Ronilson

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

2 - Modelos em Controlo por Computador

2 - Modelos em Controlo por Computador Modelação, Identificação e Controlo Digital 2-Modelos em Controlo por Computador 1 2 - Modelos em Controlo por Computador Objectivo: Introduzir a classe de modelos digitais que são empregues nesta disciplina

Leia mais

5 Circuitos Equivalentes

5 Circuitos Equivalentes 5 Circuitos Equivalentes 5.1 Circuitos Equivalentes Nos capítulos anteriores já se apresentaram diversos exemplos de circuitos equivalentes, por exemplo, resistências em série e em paralelo ou a chamada

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO Nº 5 DTMNÇÃO D SSTÊNC NTN D UM PLH Objectivo - ste trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNA LABORATÓRIO DE ELETRÔNA ANALÓGA I Prática: 6 Assunto: Transistor Bipolar 1 Objetivos: Testar as junções e identificar o tipo de um transistor com o multímetro.

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM 1. RESUMO GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM Validação, por parte dos alunos, da expressão R = ρ RLApara o cálculo da resistência de um condutor cilíndrico. Determinação da resistência total

Leia mais

LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor PARTE 1. ANÁLISE DO CONTROLE DE VELOCIDADE

LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor PARTE 1. ANÁLISE DO CONTROLE DE VELOCIDADE LABORATÓRIO 3 Análise dinâmica do controle do motor OBJETIVOS: - analisar a resposta transitória a mudanças degrau pelas variações de ganho, pela inclusão de atraso e pelo aumento do momento de inércia;

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE IÊNIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Apontamentos sobre Osciladores e Malhas de aptura de Fase IRUITOS E SISTEMAS ELETRÓNIOS APONTAMENTOS SOBRE OSILADORES E MALHAS DE APTURA DE FASE Índice

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Introdução à Algebra de Boole Em lógica tradicional, uma decisão é tomada

Leia mais

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422)

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉCTRICOS EM REGIME FORÇADO

Leia mais

Sistema de excitação

Sistema de excitação Sistema de excitação Introdução Introdução A função do sistema de excitação é estabelecer a tensão interna do gerador síncrono; Em consequência,o sistema de excitação é responsável não somente pela tensão

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 2000

Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 2000 Laboratório de Sistemas Digitais /0 Exercício Opcional: FAMILIARIZAÇÃO COM O SOFTWARE CIRCUIT MAKER 000 OBJETIVO Aprender a utilizar o Editor de Esquemáticos e o Simulador Lógico Criar e simular os esquemáticos

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

ELECTRÓNICA DAS TELECOMUNICAÇÕES

ELECTRÓNICA DAS TELECOMUNICAÇÕES LTRÓNA DAS TLOMUNAÇÕS Projecto de um oscilador controlado por cristal de quartzo Trabalho Prático Trabalho realizado em 6/03/00 Joaquim Milagre Júnior Jorge André da Rocha Leitão José Ângelo Rebelo Sarmento

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito (Unicamp-999 Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem

p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem Introdução Os primeiros filtros construídos eram circuitos LC passivos.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução de Eletrônica Analógica Laboratório No.

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa.

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa. Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais Introdução ao Ambiente de Projecto da Xilinx Paulo Lopes, Horácio

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Conversores de sinais (I/V e V/I)

Conversores de sinais (I/V e V/I) INSTUMENTAÇÃO E CONTOLO CAPÍTULO II Condicionamento de sinais 0/03 Índice do capítulo Conceitos básicos Pontes de Wheatstone Filtros C passivos e activos Amplificadores operacionais Amplificadores de instrumentação

Leia mais

² Servomecanismo: Sistema de controle realimentado para controle automático de posição, velocidade ou aceleração. Muito empregado na indústria.

² Servomecanismo: Sistema de controle realimentado para controle automático de posição, velocidade ou aceleração. Muito empregado na indústria. 1. Introdução 1.1. De nições Básicas ² Sistema: Interconexão de dispositivos e elementos para cumprir um objetivo desejado. ² Processo: Um sistema ou dispositivo a ser controlado. ² Sistema de controle:

Leia mais

Potência e rendimento de geradores e receptores

Potência e rendimento de geradores e receptores Potência e rendimento de geradores e receptores 1 Fig.26.1 26.1. No circuito da Fig. 26.1, a potência transformada em calor é igual a: A) 15 watts. B) 36 watts. C) 51 watts. D) 108 watts. E) 121 watts.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Curso Profissional de Técnico de Inst. Elétricas 2012/2013 Eletricidade e Eletrónica (117 h 156t)

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Curso Profissional de Técnico de Inst. Elétricas 2012/2013 Eletricidade e Eletrónica (117 h 156t) Eletricidade e Eletrónica (117 h 1t) Total de Aulas Previstas ( min) 1 1º Período - 13 SET / 1 DEZ 2º Período - 3 JAN / 1 MAR 1 3º Período - 2 ABR / 0 Módulo : - Transístor Bipolar - (27h / 3t) Conhecer

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações Translação de Frequências A utilização eficaz de um canal de transmissão pode requerer por vezes a utilização de uma banda de frequências diferente da frequência original

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

Análise de Circuitos com Díodos

Análise de Circuitos com Díodos Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica 1 Análise de Circuitos com Díodos Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica T.M.Almeida IST-DEEC- ACElectrónica

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

Corrente Alternada Trifásica

Corrente Alternada Trifásica Corrente Alternada Trifásica 1- Sistemas trifásicos A utilização dos sistemas trifásicos em toda a cadeia de energia tem um carácter praticamente exclusivo. Somente a nível da utilização vamos encontrar

Leia mais

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I AULA PRÁTICA MODULAÇÃO POR AMPLITUDE DE PULSOS 1. Introdução Como o sinal

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

Biblioteca de aplicações

Biblioteca de aplicações Biblioteca de aplicações Observação: as descrições que se seguem mostram as ligações que permitem aceder à aplicação correspondente. Se o software Zelio Soft 2 estiver instalado, clique uma vez na ligação

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

CIRCUITOS ELÉCTRICOS

CIRCUITOS ELÉCTRICOS CICUITOS ELÉCTICOS. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Conceito de resistência interna de um aparelho.. INTODUÇÃO O multímetro digital que vai utilizar pode realizar

Leia mais

Sistemas e Circuitos Eléctricos

Sistemas e Circuitos Eléctricos Sistemas e Circuitos Eléctricos 1º Ano/1º Semestre EACI 1º Laboratório: Introdução ao Material de Laboratório Pretende-se nesta aula de laboratório que o aluno se familiarize com o material/equipamento

Leia mais