Análise de Circuitos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Circuitos"

Transcrição

1 Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise de Circuitos 1º Trabalho de Laboratório Circuitos resistivos lineares e não lineares Leis de Kirchhoff e amplificador operacional Setembro de 2006 Elaborado por: António Serralheiro Revisto por: João Costa Freire Teresa Mendes de Almeida Turno Grupo Aluno Nº Nome Aluno Nº Nome Aluno Nº Nome Data da 1ª Sessão Data da 2ª Sessão Docente: Nota

2 CIRCUITOS RESISTIVOS LINEARES E NÃO LINEARES Leis de Kirchhoff e amplificador operacional Planificação e Preparação do Trabalho de Laboratório Este trabalho está dimensionado para 3,5 horas (2 sessões laboratoriais), sendo a última meia-hora destinada, essencialmente, à elaboração dos comentários. Os alunos deverão, antes da 1ª sessão de laboratório, realizar cuidadosamente todos os pontos deste guia assinalados com T (desenvolvimento teórico) e com S (simulação do funcionamento dos circuitos). Os pontos E (realização experimental) são de execução exclusivamente laboratorial e os assinalados com C (comentários aos resultados obtidos) respondidos após as medições práticas ou as simulações. Na página seguinte inclui-se uma tabela com indicação de todos os pontos deste trabalho, apresentando-se na primeira coluna a nossa sugestão relativamente à sua distribuição nas duas sessões laboratoriais. Utilize unicamente os espaços indicados para as suas respostas. Lista de Material Para realizar o trabalho de laboratório vai necessitar dos seguintes componentes: 2 resistências de 1kΩ 1 resistência de 3,3kΩ 1 resistência de 22kΩ 6 resistências de 33kΩ 1 resistência de 110kΩ 1 amplificador operacional 741 IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 2

3 Utilize esta tabela para aferir a evolução do seu trabalho e tenha especial cuidado em realizar TODAS as questões teóricas e de simulação ANTES da sua sessão de laboratório: Sessão Pontos / alíneas Laboratorial Teórica Simulação Experimental Comentários NOTA Tenha o cuidado de, durante os ensaios a realizar no laboratório, COLOCAR AS ENTRADAS DO OSCILOSCÓPIO NO MODO «DC». IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 3

4 1. CIRCUITOS RESISTIVOS LINEARES: LEI DE KIRCHHOFF DAS TENSÕES 1.1 INTRODUÇÃO Na figura 1-a) apresenta-se um circuito divisor de tensão constituído por um gerador de tensão contínua e duas resistências de igual valor. Por razões que serão óbvias mais adiante, far-se-á R 1 = R 2 = 2R. v S - R 1 a v R1 - v R1 - v R2 - R 2 v S - R 1 v R2 - R 2 a v ab R in - b b a) b) Figura 1 - Circuito divisor de tensão: a) com os nós a-b em aberto; b) com uma resistência R in ligada aos nós a-b. Sendo as duas resistências da figura 1-a) de igual valor, R 1 = R 2 = 2R, facilmente se notará que a tensão eléctrica entre os nós a e b, v ab, é dada por: vs vr 2 = (eq. 1) 2 Contudo, ao ligarmos um equipamento de medida aos nós a-b, a sua resistência interna, R in, irá afectar o circuito em análise, pelo que a equação 1 deixará de ser válida. Efectivamente, teremos nestas condições o circuito da figura 1- b), donde se pode escrever: vab vs R in vr2 = 2 R R in = (eq. 2a) Reparemos, no entanto, que se a resistência interna R in for consideravelmente maior que R, R in >> R, então vs vab = v R2 (eq. 2b) 2 Nesta primeira parte, analisaremos este circuito que é dimensionado por forma a que a resistência de entrada do aparelho de medida (o osciloscópio, neste caso) seja muito superior a R, evitando-se, desta forma, o efeito de «carga» da malha divisora por uma resistência externa. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 4

5 Nos ensaios que efectuará no laboratório, R in será cerca de duas ordens de grandeza superior a R, R in 100 R, pelo que a equação 2b será adequada aos fins em vista, como poderá verificar. 1.2 CIRCUITO DIVISOR DE TENSÃO T ANÁLISE TEÓRICA DA MALHA DIVISORA DE TENSÃO Comece por verificar a validade da equação 2b para o circuito da figura 1b), com R = 1kΩ e R in = 100R. Para o efeito, calcule o erro cometido ao usar a equação 2b em vez da equação 2a: va b (eq.2b) v a b (eq.2a) ε = 100% (eq. 3) v (eq.2a) a b ε = % Analise o resultado obtido: IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 5

6 1.2.2 E, T, C ANÁLISE EXPERIMENTAL Monte o circuito da figura 1-a) usando para R 1 e R 2 resistências de 1kΩ, ou seja, R 1 = R 2 = 1kΩ. O gerador de tensão v S pode ser substituído por uma fonte de tensão contínua de 12V ou de 15V 1. T A partir das equações da alínea 1.2.1, preencha a 2ª coluna da tabela 1. E Usando um voltímetro, meça as diferenças de potencial aos terminais de cada uma das resistências bem como aos terminais do gerador de tensão e preencha a 3ª e 4ª colunas da tabela 1. Utilizando o multímetro, meça os valores das resistências R1 e R2. Resistências Valor nominal Valor Real Erro (%) R1 Ω Ω R2 Ω Ω Potencial Valor Teórico Valor Experimental Erro (%) v s V V v R1 V V v R2 V V Tabela 1 - Tensões na malha divisora de tensão da figura 1-a). C Comente o erro obtido entre os valores previstos (teóricos) e experimentais (medidos). Qual a sua origem? Para o efeito tenha em atenção a tolerância de fabrico das resistências que utiliza, a resistência não infinita na entrada do voltímetro, a sua precisão, etc. 1 O valor da tensão a utilizar é dependente do equipamento disponível em cada laboratório. Deverá indicar explicitamente qual o valor utilizado nestes ensaios. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 6

7 1.2.3 E C VERIFICAÇÃO EXPERIMENTAL DA LEI DE KIRCHHOFF DAS TENSÕES A lei de Kirchhoff das tensões, aplicada ao circuito da figura 1-a) resulta em: - v v 0 (eq. 4) vs R1 R2 = Pretende-se, agora, dentro dos erros experimentais, verificar a validade da equação 4. Para o efeito, meça as diferenças de tensão eléctrica v S, v R1 e v R2, e preencha o espaço que segue. v S = V v R1 = V v R2 = V KVL é verificada de modo exacto ou aproximado? Justifique a sua resposta T C ATENUAÇÃO BASEADA NO CIRCUITO DIVISOR DE TENSÃO T Considere que no circuito divisor de tensão indicado na figura 1b R in =1MΩ representa um dispositivo de aquisição de dados cuja tensão máxima de entrada é limitada a 5V, i.e. v a-b 5V. Dimensione R 1 e R 2 tal que: i) v S = N*5 sendo N = nº do grupo de laboratório nº do horário de laboratório (consultar página Internet da cadeira) ii) a potência dissipada em R 1 e R 2 é menor que 0.5W. Nota: considere que R 2 << R in. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 7

8 C Sabendo que v a-b 5V também pode ser obtido retirando R 2 do circuito e redimensionando R 1 de acordo com v S = N*5, comente a seguinte afirmação: Se o valor de R in aumentar significativamente (por exemplo 20%) então no circuito composto somente por R 1 e R in o valor de v a-b também aumenta significativamente apesar de v S se manter constante. No entanto, utilizando o divisor da figura 1b, baseado em R 1 e R 2, é possível, com um dimensionamento adequado destas resistência, manter a tensão v a-b aproximadamente constante, mesmo quando R in varia significativamente (v a-b v S R 2 / (R 1 R 2 )). 1.3 CIRCUITO RESISTIVO R-2R COM DOIS GERADORES DE TENSÃO T ANÁLISE TEÓRICA Repare no circuito da figura 2: trata-se da interligação, através de uma resistência (R 4 ), de duas malhas divisoras de tensão, (v S1, R 1, R 3 ) e (v S2, R 2, R 5 ), iguais à que foi analisada nas alíneas anteriores. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 8

9 v B v A R 3 R 1 R 4 R 2 R 5 D v S1 - C E v S2 - Figura 2 - Malha resistiva com dois geradores de tensão. T Mostre que, sendo R 1 = R 2 = R 3 = R 5 = 2R e R 4 = R, a tensão do nó A em relação ao nó de referência C («massa»), é dada por: 1 va = (2vS2 vs1 ) (eq. 5) 6 Nesta demonstração, use o princípio da sobreposição de fontes independentes e circuitos equivalentes de Thévenin. 1º Considere 0V v S 1 = v A ' = 2º Considere 0V v S 2 = IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 9

10 v A '' = 3º v A = v s1 v s S ANÁLISE POR SIMULAÇÃO Simule o funcionamento do circuito da figura 2, usando, para tal, o programa PSPICE. Nota: deverá trazer para a sessão de laboratório todos os seus ficheiros de simulação e mostrar ao docente os seus resultados. Deverá ainda anexar a este relatório impressões dos resultados das suas simulações, conforme é indicado mais à frente. Para simular o funcionamento do circuito, crie um ficheiro de texto (sem qualquer tipo de formatação) com a extensão «.CIR», com as seguintes instruções: *MONTAGEM 1 - Malha R-2R R k R k R k R k R k Vs1 1 0 DC 12 IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 10

11 * Vs1 1 0 DC 0 Vs2 2 0 DC 12 *Vs2 2 0 DC 0.END * INDICAÇÕES RELEVANTES SOBRE ESTES DISPOSITIVOS * R K Resistência de 20K ligada aos nós 1 e 3 *Vs1 1 0 DC 5 Fonte de tensão contínua de 5 V ligada do nó 1 (positivo) ao nó 0 (nó de referência) As linhas iniciadas por * são comentários e não descrição do circuito. Verifique a relação entre a designação dos nós da figura 2 (letras A a E) e a usada no ficheiro «.CIR» (números 0 a 4): A = B = C = D = E = Analisando o ficheiro de extensão «.OUT», que é criado pelo PSPICE com o mesmo nome do «.CIR», anote o valor obtido para a tensão do nó 3: V(3) = v B = V Repare que, para esta simulação os dois geradores de tensão, v S1 e v S2, se encontram ambos activados. Troque o comentário (*) da 9ª linha para a 8ª linha por forma a ter agora: *Vs1 1 0 DC 12 Vs1 1 0 DC 0 Vs2 2 0 DC 12 *Vs2 2 0 DC 0 Está, desta forma a anular o gerador v S1, mantendo o gerador v S2 activado. Registe o novo valor para o potencial no nó 3 (veja o ficheiro de extensão «.OUT»). V(3) = v B = V Reponha o comentário na linha 9 e troque o comentário (*) da linha 12 para a linha 11 por forma a ter: IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 11

12 Vs1 1 0 DC 12 *Vs1 1 0 DC 0 *Vs2 2 0 DC 12 Vs2 2 0 DC 0 Desta forma, está a anular o gerador v S2, activando novamente o gerador v S1. Registe o novo valor para o potencial no nó 3 (veja o ficheiro de extensão «.OUT»), cuja impressão deve colocar como anexo a seguir a esta página, escrevendo no cimo à direita -ANEXO 1.3.2: V(3) = v B = V C A partir das três simulações anteriores, verifique o teorema da sobreposição e analise a simetria do circuito, comparando os seus resultados para v B com o cálculo teórico de v A : v B = v B v B = V V = V Verifica-se a sobreposição linear dos geradores? Porquê? E T S C ANÁLISE EXPERIMENTAL E Monte na sua placa de montagem, o circuito da figura 2, tendo o cuidado de utilizar apenas resistências de 33kΩ, ou seja, R 1 = R 2 = R 3 = R 5 = 2R = 33kΩ e, R 4 = R = 16,5kΩ será obtida através do paralelo de duas resistências de 33kΩ. Tenha ainda o cuidado de substituir os geradores (fontes de alimentação DC) que irá anular, por curto-circuitos mas sem os curto-circuitar! Primeiro retire as ligações aos geradores, só depois os substitui por curto circuitos. Antes de ligar o seu circuito, certifique-se que não irá curto-circuitar a fonte de alimentação que fornece v S1 e v S2! IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 12

13 Meça o valor desta tensão (v S1 = v S2 ). Calcule o erro em relação ao valor teórico pretendido. Teórico: v S1 = v S2 = V Experimental: v S1 = v S2 = V ε = % Nas condições assinaladas preencha as diferentes colunas da tabela 2: a 3ª coluna a partir dos valores obtidos em 1.3.1, a 4ª coluna a partir de Na 5ª, e última coluna, registe os valores experimentais, obtidos a partir de medidas efectuadas no circuito agora montado. Geradores T S E v S1 (V) v S2 (V) V B teórico (V) V B simulado (V) V B experimental (V) Tabela 2 - Malha R-2R, verificação do princípio de sobreposição de fontes independentes. C Comente sobre a verificação experimental do princípio da sobreposição de fontes independentes e a precisão das suas medidas, face aos valores previstos pela teoria e pela simulação. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 13

14 1.4 CONVERSÃO DIGITAL-ANALÓGICA (D/A) A equação 5 mostra que a tensão no nó A é uma combinação linear das tensões dos geradores 1 e 2, cujos pesos obedecem a uma progressão geométrica de razão 2. Estamos, pois, face a um conversor D/A (digital/analógico) de dois bits, aqui representados pelos dois geradores de tensão, em que o valor lógico zero corresponde à tensão nula e o valor lógico 1 ao potencial de 5 V, ou seja: «0» 0V «1» 5V Normalmente, uma conversão D/A de dois bits é insuficiente para aplicações práticas, pelo que se torna necessário diminuir a granularidade da conversão. No circuito que temos vindo a analisar, é muito fácil efectuar esta expansão. Assim, na figura 3 apresenta-se um malha conversora D/A de 4 bits. 2R 2R R R R 2R 2R 2R 2R A v S1 - v S2 - v S3 - saída v S4 - O Figura 3 - Malha R-2R, conversão D/A de 4 bits. Dada a configuração específica deste circuito é fácil mostrar que: 1 va = (8vS4 4vS3 2vS2 vs1 ) (eq. 6) 24 É, também fácil, por inspecção do circuito da figura 3, entender o porquê da designação de malha R-2R. Em muitas aplicações, esta malha é parte do subcircuito de conversão D/A. Um inconveniente desta malha, é o facto de a equação 6 não ser válida senão para uma resistência de carga (entre o nó de referência O e o nó A) infinita (malha não-carregada). Ou seja, a tensão no nó A depende da resistência de entrada do circuito que se ligue nos nós A-O (saída). Um modo de ultrapassar este óbice é através da utilização de um amplificador operacional, como se analisará em 2.4. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 14

15 2. CIRCUITOS RESISTIVOS NÃO LINEARES: INTRODUÇÃO AO AMPLIFICADOR OPERACIONAL. 2.1 AMPLIFICADOR INVERSOR Na figura 4 apresenta-se o símbolo (a) e um esquema equivalente muito simplificado (b), do denominado amplificador operacional (Ampop), que é um amplificador integrado monolítico. A figura 5 apresenta uma montagem de um circuito de amplificação utilizando um amplificador operacional, denominada «amplificador inversor». R o v v - _ v o v in _ R in _ A v in vo _ v = v in - v - a) b) Figura 4 - Amplificador Operacional: a) símbolo eléctrico, b) modelo linear simplificado. R i 1 R i 1 1 v - _ v - 1 v in - v s v o _ R c Figura 5 - Montagem «amplificador inversor» usando um Amplificador Operacional. Um amplificador operacional é dito ideal quando o seu funcionamento linear pode ser descrito pelo modelo simplificado da figura 4-b) com R in =, R o = 0 e A. Estas condições correspondem respectivamente a: i) a corrente nas entradas e - ser nula; ii) o gerador de tensão comandado estar ligado directamente ao nó de saída; e iii) IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 15

16 a tensão de entrada v in ser nula (a tensão na entrada e igual à da entrada ), em virtude da tensão de saída v o ter de ser finita (v in = v o / A). 2.2 T ANÁLISE DO CIRCUITO AMPLIFICADOR INVERSOR T ANÁLISE TEÓRICA Mostre que, ao se considerar o Ampop ideal (R in =, R o = 0 e A ) a tensão de saída v o do circuito da figura 5, não depende do valor da resistência R c. Verifique ainda que, nestas condições, o ganho de tensão do circuito da figura 4 é dado por: G = v o v s = - R R 1 (eq.7) É por o ganho ser negativo, que este amplificador é denominado inversor. T Mostre ainda que, nas mesmas condições (ampop ideal,) a tensão v in é nula. a) Considere o Ampop com ganho finito: R in =, R o = 0 e A. Apresente o esquema eléctrico do circuito, com o modelo do Ampop incluído, e determine as equações que representam v in /v s e v o /v s. Calcule G. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 16

17 v in /v s = v o /v s = G = b) Faça agora A nas equações que determinou e confirme a validade da equação 7. Verifique que para o ampop ideal se tem v in =0V. G (A )= v in (A )= S C ANÁLISE POR SIMULAÇÃO Simule o funcionamento do circuito da figura 4, usando, para tal, o programa PSPICE. Para o efeito, crie um ficheiro com a extensão «.CIR» com as seguintes instruções: *MONTAGEM 2 - Amplificador inversor * (AMPOP - MODELO sem SATURAÇÃO) * INICIO DA DEFINIÇÃO DO SUBCIRCUITO (AMPOP) * AMPOP: 1(), 2(-) 3(Vo) *.SUBCKT AMPOP * * ESTE SUBCIRCUITO REPRESENTA UM MODELO LINEAR DE UM AMPOP * RI 1 2 2MEG R C U EA *.ENDS AMPOP * FIM DA DEFINIÇÃO DO SUBCIRCUITO AMPOP X AMPOP R K R K IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 17

18 VI 1 0 SIN( K).TRAN.01M 3M.PROBE.END Da linha 6 à 15 é descrito um subcircuito com um modelo para o amplificador operacional um pouco mais completo que o da figura 4-b). Desenhe-o no quadro seguinte. Repare que a numeração dos nós do subcircuito «modelo do ampop» é independente da dos nós do circuito global descrito a partir da linha 16. Desenhe também o circuito global, usando para o subcircuito «modelo do ampop» o símbolo da figura 4-a). Identifique todos os componentes, nós, etc. Subcircuito Circuito Global S C Analisando o resultado da simulação no PROBE, verifique que, efectivamente, se trata de um circuito amplificador inversor. Para o efeito preencha o quadro seguinte. Anexe o resultado da simulação, na página seguinte a esta, indicando ANEXO Porquê amplificador? IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 18

19 Porquê inversor? Qual o ganho do circuito? G = v o v s = Pode confirmar os valores dados no ficheiro.out com as curvas obtidas com o PROBE. Para o efeito tem de carregar as variáveis que pretende visualizar. 2.3 E C ESTUDO EXPERIMENTAL DO CIRCUITO AMPLIFICADOR INVERSOR E C AMPOP NÃO-SATURADO Realize na régua de montagem da sua bancada de trabalho, o circuito da figura 5, usando os seguintes valores para os componentes: R = 110kΩ, R 1 = 22kΩ, R c = 3,3kΩ. A ligação do circuito integrado (CI) µa741, o Ampop, é feita de acordo com o diagrama da figura 6. V alim 15V V -V alim Figura 6 - Diagrama de ligações do CI µa741. As tensões de alimentação positiva e negativa V alim (pino 7) e -V alim (pino 4) serão, consoante o equipamento disponível nos Laboratórios de Análise de Circuitos, de 12V e - 12V ou 15V e -15V. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 19

20 Antes de colocar o CI µa741 na régua de montagem, tenha o cuidado de confirmar que as fontes de alimentação estão desligadas! Antes de ligar as alimentações, peça ao docente que verifique as ligações que efectuou. A incorrecta ligação das tensões de alimentação pode destruir o circuito integrado. Ligue agora a fonte de alimentação e ligue na entrada do circuito uma tensão sinusoidal de 1 V pico-a-pico (500 mv de amplitude) e de frequência 1 khz (gerador v s ). E Observe no osciloscópio as formas de onda das tensões de entrada, v s, e de saída, v o, esboçando-as no quadro seguinte (não se esqueça de registar as escalas utilizadas: escala horizontal de tempo e escalas verticais para ambos os canais, assim como o respectivo nível de referência, 0V). Utilize o canal 1 (X) do osciloscópio para visualizar a tensão v s e o canal 2 (Y) para visualizar a tensão v o. Escalas Canal 1 : Volt / div Canal 2 : Volt / div Tempo: ms /div E C Repare que, se retirar a resistência R c do circuito, a tensão de saída não sofre qualquer alteração. Porquê? E Utilize o canal 1 (X) do osciloscópio para visualizar a tensão v s e o canal 2 (Y) para visualizar a tensão v o. Coloque agora o seu osciloscópio no modo XY e represente de seguida a figura obtida no mostrador do osciloscópio (característica de transferência v O (v S )). Não se esqueça, mais uma vez, de registar as escalas (neste caso, ambas em IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 20

21 Volt). Repare que se trata de uma recta (relação linear entre a entrada e a saída) cujo declive representa o ganho do circuito. Qual é o valor do ganho obtido a partir desta figura? Escalas Canal 1 : Volt / div Canal 2 : Volt / div Ganho = E TERRA VIRTUAL E C Tenha agora o cuidado de retirar o osciloscópio do modo XY. Qual a tensão no terminal inversor (-) do Ampop (terminal 2 do circuito integrado ver figura 6)? Meça esta grandeza com o osciloscópio e com um voltímetro. Comente a experiência efectuada e registe os valores obtidos no quadro seguinte. Qual dos dois aparelhos deve ser utilizado como aparelho de medida e qual deve ser usado como aparelho de visualização? Justifique a sua resposta. Osciloscópio: V max = Voltímetro: V max = Como verificou, a tensão no terminal inversor do Ampop é praticamente nula, apesar de não se encontrar ligada ao terminal de massa (referência) do circuito. Por este facto, na montagem inversora, a entrada inversora é denominada IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 21

22 de terra virtual, dizendo-se que existe entre as duas entradas do Ampop ( e -) um curto-circuito virtual (v = 0 mas com i = 0) E C AMPOP NA SATURAÇÃO E C Aumente a tensão de entrada para 4V de valor máximo (amplitude máxima), mantendo a frequência igual a 1kHz. Observe no osciloscópio as formas de onda das tensões de entrada e de saída, esboçando-as no quadro seguinte, assinalando as escalas e os níveis de referência (0V) utilizados. Não se esqueça que já retirou o osciloscópio do modo XY! Escalas Canal 1 : Volt / div Canal 2 : Volt / div Tempo: ms /div Deve ter reparado que a forma de onda de saída apresenta certos troços lineares (constantes). Este facto é consequência da tensão de saída do Ampop deixar de acompanhar a tensão de entrada, assumindo um valor praticamente constante. Diz-se então que o Ampop se encontra a funcionar num modo não linear, estando saturado ou a operar na saturação. Repita no quadro seguinte o esboço da forma de onda da tensão de saída e acrescente a forma de onda da tensão no terminal (-) do amplificador operacional. Comente o que observa. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 22

23 Escalas Canal 1 : Volt / div Canal 2 : Volt / div Tempo: ms /div Comentário: E Utilizando novamente o canal 1 (X) do osciloscópio para visualizar a tensão v s e o canal 2 (Y) para visualizar a tensão v o, coloque novamente o seu osciloscópio no modo XY e represente de seguida a figura obtida (característica de transferência, v O (v S ), do circuito). Escalas Canal 1 : Volt / div Canal 2 : Volt / div IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 23

24 C Dê uma explicação para a forma que obteve para v O (v S ). 2.4 C T CÁLCULO ANALÓGICO Proponha um circuito de 3 entradas (v S1, v S2, v S3 ), composto por dois amplificadores operacionais e um número de resistências à sua escolha, que realize a seguinte equação: v O = x (v S1 v S2 ) - y v S3 (eq.7) onde: x = nº do grupo do laboratório y = nº do horário de laboratório (consultar página de Internet da cadeira) T Apresente o esquema eléctrico do circuito proposto: IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 24

25 T Mostre que o circuito realiza a função pretendida, identificando as relações entre os coeficientes de ganho x e y e os valores das resistências (apresente equações simbólicas): T Dimensione o circuito admitindo que as resistências de menor valor são de 1 kω. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 25

26 T Se os amplificadores operacionais estiverem alimentados com ±15V, qual o valor máximo de v S = v S1 = v S2 = -v S3, para o qual ainda não há saturação de qualquer um dos amplificadores? Justifique a resposta. 2.5 C T CONVERSÃO DIGITAL-ANALÓGICA (D/A) O circuito apresentado em 1.4 (figura 3), constitui uma malha de conversão digital-analógica (D/A) de 4 bits, pelas razões expostas. Pretendemos agora utilizar um Ampop para obter um circuito de conversão D/A que não apresente o inconveniente anteriormente apresentado (veja o último parágrafo de 1.4). T Apresente o circuito eléctrico de um conversor D/A de 3 bits, utilizando um Ampop e uma malha R-2R do tipo da apresentada em 1.4. IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 26

27 T Prove que o circuito que apresentou é um conversor D/A de 3 bits apresentando a equação simbólica que relaciona a saída com as entradas (apresente os passos principais dos cálculos realizados). T Porque razão é utilizado um Amplificador operacional? IST DEEC Set 2006 Análise de Circuitos 27

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

CIRCUITOS ELÉCTRICOS

CIRCUITOS ELÉCTRICOS CICUITOS ELÉCTICOS. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Conceito de resistência interna de um aparelho.. INTODUÇÃO O multímetro digital que vai utilizar pode realizar

Leia mais

Automação e Instrumentação

Automação e Instrumentação Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Engenharia e Gestão Industrial Automação e Instrumentação Trabalho Prático Nº 3 Acondicionamento do sinal de sensores. Introdução A maior parte dos sensores

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência GUIA DE LABORATÓRIO Análise de Circuitos - LEE TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO Nº 5 DTMNÇÃO D SSTÊNC NTN D UM PLH Objectivo - ste trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

Amplificador Operacional

Amplificador Operacional Amplificador Operacional Os modelos a seguir, referem-se a modelos elétricos simplificados para os amplificadores de tensão e de corrente sem realimentação. Os modelos consideram três elementos apenas:

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Secção de Sistemas e Controlo Análise de Circuitos 1º Trabalho de Laboratório Março de 2002 Elaborado por: António

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II Osciladores Trabalho prático nº 2 Paulo Chaves 1/7 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES 1. RESUMO Verificação das relações entre tensões e correntes no circuito primário e secundário de um transformador ideal. Realização da experiência do

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM 1. RESUMO GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM Validação, por parte dos alunos, da expressão R = ρ RLApara o cálculo da resistência de um condutor cilíndrico. Determinação da resistência total

Leia mais

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422)

SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS (M422) TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉCTRICOS EM REGIME FORÇADO

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO DETEMNÇÃO D ESSTÊNC NTEN DE UM PLH Objectivo Este trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

LEE 2006/07. Guia de Laboratório. Trabalho 3. Circuitos Dinâmicos. Resposta no Tempo

LEE 2006/07. Guia de Laboratório. Trabalho 3. Circuitos Dinâmicos. Resposta no Tempo Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 3 Circuitos Dinâmicos Resposta no Tempo INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores

Leia mais

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal 2º Laboratório de Bases de Engenharia II 2005/2006 Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal Para este laboratório, as alíneas a) da Experiência 1 e da Experiência 2 devem ser calculadas préviamente,

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um O Díodo Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um componente, a intensidade da corrente eléctrica que o percorre também

Leia mais

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Engenharia Ambiental Prof. Marcio Kimpara data: ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 Resistores e Tensão Alternada Senoidal Objetivos: Familiarização com os osciloscópios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III 1. OBJETIVOS CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR a) Levantar, em um circuito RC, curvas de tensão no resistor

Leia mais

Introdução Teórica Aula 3: Leis de Kirchhoff

Introdução Teórica Aula 3: Leis de Kirchhoff Introdução Teórica Aula 3: Leis de Kirchhoff Gustav Kirchhoff Gustav Kirchhoff (1824-1887) foi um físico alemão que juntamente com o químico alemão Robert Wilhelm Bunsen, desenvolveu o espectroscópio moderno

Leia mais

Sistemas de Instrumentação esi Engenharia de Sistemas e Informática

Sistemas de Instrumentação esi Engenharia de Sistemas e Informática Departamento de Informática Guia do Trabalho 4 Sistemas de Instrumentação esi Engenharia de Sistemas e Informática Data de Entrega: 2005/2006 2.º Ano/ 1.º Semestre Título: Condicionamento de Sinal Montagens

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA Departamento de Física da Faculdade de iências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo 2007/08 IRUITOS DE ORRENTE ONTÍNU 1. Objectivo Verificar as leis fundamentais de conservação da energia e da carga

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do multímetro nas funções: voltímetro, amperímetro e ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

5 Circuitos Equivalentes

5 Circuitos Equivalentes 5 Circuitos Equivalentes 5.1 Circuitos Equivalentes Nos capítulos anteriores já se apresentaram diversos exemplos de circuitos equivalentes, por exemplo, resistências em série e em paralelo ou a chamada

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2 Experiência N o 02: Medidas C I - Objetivos Familiarização com os equipamentos de laboratório: gerador de funções, osciloscópio e multímetro. II - Introdução

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

As figuras a seguir mostram como conectar o instrumento corretamente ao circuito para fazer as medidas de tensão nos resistores.

As figuras a seguir mostram como conectar o instrumento corretamente ao circuito para fazer as medidas de tensão nos resistores. EXPERÊNCA CRCUTOS EM CORRENTE CONTNUA NTRODUÇÃO TEÓRCA. O MULTÍMETRO O multímetro é um instrumento com múltiplas funções utilizado frequentemente nas bancadas de trabalho em eletrônica. Permite medir tensões

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a Electrónica P1 - Osciloscópio. Objectivo Iniciação ao osciloscópio Material necessário 1 osciloscópio, 1gerador de sinais, 1 fonte de tensão. Procedimento experimental Siga o procedimento para cada uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório ula 02 UNIERSIDDE FEDERL DE SNT CTRIN DEPRTMENTO DE ENGENHRI ELÉTRIC EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UL 02 OLTÍMETRO E MPERÍMETRO DE CORRENTE CONTÍNU 1 INTRODUÇÃO Na primeira aula de laboratório

Leia mais

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Disciplina de Eletricidade e Eletrónica Módulo 1 Corrente Contínua Trabalho Prático nº 2 Verificação da lei de Ohm Trabalho realizado por:

Leia mais

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Alunos: António Azevedo António Silva Docente: Paulo Portugal Objectivos Este trabalho prático tem como finalidade implementar uma montagem

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M224 ELECTRÓNICA I TRABALHO LABORATORIAL Nº 1

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M224 ELECTRÓNICA I TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M224 ELECTRÓNICA I TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 REVISÃO SOBRE CIRCUITOS ELÉCTRICOS Por: Prof. Luís Filipe Baptista Eng. Carlos Santos

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

Usar o Multímetro O Multímetro:

Usar o Multímetro O Multímetro: Usar o Multímetro Usar um multímetro é algo muito importante para quem trabalha em informática, na área da electrotecnia e electrónica, é um aparelho que nos permite fazer medições de grandezas eléctricas.

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Aula 05 Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Circuito Elétrico Básico e suas componentes. \ Resistores em Série Em uma associação de resistores em série, a corrente elétrica ( contínua)

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA ELECTRÓNIC DE POTÊNCI PRTE CONVERSOR C/CC MONOFÁSICO COMNDDO DE MEI OND Rectificador de meia onda com carga RL, e de meia onda e diodo de roda livre GRUPO: TURNO: DI: HORS: LUNO: LUNO: LUNO: LUNO: Nº:

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº2

TRABALHO LABORATORIAL Nº2 ECOLA UERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIUE DEARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 ITEMA E INTALAÇÕE ELÉCTRICA DE NAVIO TRABALHO LABORATORIAL Nº2 ENAIO DE UM CIRCUITO ELÉCTRICO TRIFÁICO (ETRELA/TRIÂNGULO)

Leia mais

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A AD / DA M-1116A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Objetivos 3 2. Experiência

Leia mais

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS 1. RESUMO Determinação da dependência espectral da atenuação numa fibra óptica de plástico. Verificação do valor da abertura numérica da fibra. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2 Introdução Teórica Aula 2: Lei de Ohm e Associação de Resistores Georg Simon Ohm Georg Simon Ohm (789-854) foi um físico e matemático alemão. Entre 826 e 827, Ohm desenvolveu a primeira teoria matemática

Leia mais

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente 1 Primário 220 V c 55 V 55 V 55 V 55 V Secundário Figure

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1. Objetivos Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; Determinar a máxima potência dissipada pelo resistor por meio de suas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 03 MEDIDAS DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA 1 INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores teve-se como

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

TRABALHO 1 Leis de Kirchhoff, Equivalente de Thévenin e Princípio de Sobreposição

TRABALHO 1 Leis de Kirchhoff, Equivalente de Thévenin e Princípio de Sobreposição GUIA DE LABORATÓRIO Análise de Circuitos - LEE TRABALHO 1 Leis de Kirchhoff, Equivalente de Thévenin e Princípio de Sobreposição INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

Par Diferencial com Transístores Bipolares

Par Diferencial com Transístores Bipolares Resumo Par Diferencial com Transístores Bipolares Operação para grandes sinais Resistência diferencial de Entrada e Ganho Equivalência entre Amplificador diferencial e Amplificador em Emissor Comum Ganho

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos INSTITUTO SUPEIO TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Secção de Electrónica Análise de Circuitos Enunciados dos Problemas Setembro de 2006 Elaborado por: João Costa Freire

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos Receptor elétrico é qualquer dispositivo que transforma energia elétrica em outra forma de energia que não seja exclusivamente térmica,se lembre que os resistores são os dispositivos

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 1: Código de cores e associação de resistores. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 1: Código de cores e associação de resistores. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Turma: AM1 Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Período: 2012-1 Roteiro para

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS II

CIRCUITOS ELÉTRICOS II CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Corrente Elétrica Quantidade de carga elétrica deslocada por unidade de tempo As correntes elétricas

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

MicroElectrónica. Trabalho de Laboratório. Desenho de um Amplificador Operacional

MicroElectrónica. Trabalho de Laboratório. Desenho de um Amplificador Operacional MicroElectrónica Ano Lectivo 2004/2005 Trabalho de Laboratório Desenho de um Amplificador Operacional Marcelino Santos, F. Gonçalves, J. P. Teixeira Abril, 2005 1 1 Introdução Pretende-se com este trabalho

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 555 M-1108A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A (1) CONVERSOR A/D APROXIMAÇÃO SUCESSIVA (SAR) A figura

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS 4º Ano da Licenciatura em Engenharia de Máquinas Marítimas ºTESTE DE INTRUMENTAÇÃO (M42) Data -.2.2006 Duração - 2.5 horas ª Parte

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA ELECTRÓNIC DE POTÊNCI CIRCUITO DE DISPRO DE UM TIRISTOR CIRCUITO COM CRG RESSONNTE COMUTÇÃO PEL CRG GRUPO: DI: TURNO: HORS: LUNO: LUNO: LUNO: LUNO: Nº: Nº: Nº: Nº: IST DEEC 2003 Profª Beatriz Vieira Borges

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental III - Medidas Elétricas Objetivo O objetivo desta prática é aprender a fazer medições de resistência, tensão

Leia mais

Casamento de Impedância

Casamento de Impedância Disciplina: Ondas e ropaação Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnolóicas CCT Departamento de Enenharia Elétrica aboratório de Eletromanetismo E-3 Casamento de Impedância O casamento

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

Problemas sobre DACs

Problemas sobre DACs Problemas sobre DACs Problema Considere um DAC de entradas ponderadas de bits, e determine a razão entre as resistências correspondentes ao LSB e MSB, respectivamente. Soluções: a) 048 Problema Assuma

Leia mais

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores GUIAS DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS (LIC. ENGENHARIA AEROESPACIAL) Funcionamento motor da máquina de corrente contínua: características

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

Física Experimental B Turma G

Física Experimental B Turma G Grupo de Supercondutividade e Magnetismo Física Experimental B Turma G Prof. Dr. Maycon Motta São Carlos-SP, Brasil, 2015 Prof. Dr. Maycon Motta E-mail: m.motta@df.ufscar.br Site: www.gsm.ufscar.br/mmotta

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos

Laboratório de Circuitos Elétricos Laboratório de Circuitos Elétricos 3ª série Mesa Laboratório de Física Prof. Reinaldo / Monaliza Data / / Objetivos Observar o funcionamento dos circuitos elétricos em série e em paralelo, fazendo medidas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA OBJECTIVO Familiarização com os instrumentos a usar nos trabalhos práticos posteriores (osciloscópio, painel didáctico, gerador de sinais, fonte de alimentação

Leia mais

Electrónica para Telecomunicações

Electrónica para Telecomunicações Dept. de Engenharia Electrotécnica e Computadores Fac. de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Electrónica para Telecomunicações Trabalho Prático Nº2 Amplificador Cascódico 1. INTRODUÇÃO Neste

Leia mais

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V...

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V... 1 Considere o sinal periódico indicado na fig. 1: +30-10 -30 0 1 2 3 4 5 6 7 Fig. 1. a) Esboce a imagem que observaria num osciloscópio com ecrã de 10 10 divisões, utilizando uma ponta de prova atenuadora

Leia mais

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito (Unicamp-999 Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos

Leia mais