Pergunta 1. Contabilidade de custos. Fazer teste: AS_I. Pergunta 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pergunta 1. Contabilidade de custos. Fazer teste: AS_I. Pergunta 2"

Transcrição

1 Contabilidade de custos. Fazer teste: AS_I Pergunta 1 Podemos dizer que o preço de um produto ou serviço oferecido por uma empresa deve atender tanto às necessidades financeiras do negócio, quanto o consumidor no mercado. Assim, é CORRETO afirmar que: a. O preço do bem ou serviço deve ser suficiente para cobrir todos os custos inerentes à sua produção, todas as despesas da empresa, e gerar lucros. Ao mesmo tempo, estar acima da renda e do poder de compra dos consumidores. b. Os preços podem ser muito altos ou baixos, independentemente da renda disponível do consumidor, que sempre comprará o produto ou serviço caso deseje muito fazê-lo. c. O preço do bem ou serviço deve ser suficiente para cobrir todos os custos inerentes à sua produção, todas as despesas da empresa, e gerar lucros. Ao mesmo tempo, estar em linha com a renda e poder de compra dos consumidores. d. O preço do bem ou serviço não se relaciona com os custos inerentes à sua produção, nem a todas as despesas da empresa e à geração de lucros. Muito menos se encontra relacionado com a renda ou o poder de compra dos consumidores. e. O preço do bem ou serviço deve ser suficiente apenas para cobrir os custos diretos inerentes à sua produção. Ao mesmo tempo, estar em linha com a renda e poder de compra dos consumidores. Pergunta 2 Podemos definir Investimento como sendo: a. Todo o gasto ocorrido na aquisição de bens PAGOS A PRAZO apenas, e que serão estocados pela empresa até o momento de sua utilização, ou seja, de seu consumo. Somado a isso, são também investimentos os bens patrimoniais como marcas e patentes. b. Todo o gasto ocorrido e PAGO A VISTA na aquisição de bens que serão estocados pela empresa até o momento de sua utilização, ou seja, de seu consumo. Somado a isso, são também investimentos os bens patrimoniais como despesas de vendas. c. Todo o gasto ocorrido na aquisição de bens que serão estocados pela empresa até o

2 momento de sua utilização, ou seja, de seu consumo. Somado a isso, são também investimentos os bens patrimoniais como máquinas, equipamentos e instalações. d. Todo o gasto ocorrido na ALIENAÇÃO de bens que serão estocados pela empresa concorrente até o momento de sua utilização, ou seja, de seu consumo. Somado a isso, são também investimentos os bens patrimoniais como receita de vendas. e. Um conceito irrelevante, pois nada representa no balanço patrimonial das empresas. Mas pode ser definido como sendo todo o gasto ocorrido na venda de bens que serão estocados pela empresa após o momento de sua utilização, ou seja, de seu consumo. Pergunta 3 O Princípio da Competência (da Realização) como ferramenta na gestão dos custos afirma que: a. A receita de vendas deve ser reconhecida exatamente no momento da troca de mercadorias, bens ou serviços por elementos do ativo. Assim, o lucro (ou prejuízo) ocorre somente no ato da venda. b. O Princípio da Competência não é mais utilizado pelas firmas, pois a contabilidade é feita por sistemas que levam em conta apenas entradas e saídas de estoques na fábrica. c. A receita de vendas deve ser reconhecida apenas depois da contabilização das mercadorias no estoque. Assim, o lucro (ou prejuízo) ocorre somente no ato da venda, caso haja baixa dos estoques. d. A receita de vendas nunca é relevante no processo produtivo. Para o gestor financeiro, são os custos os únicos indicadores relevantes; podemos ter custos altos e crescentes sempre e sem preocupação com os lucros. e. A receita de vendas será sempre igual ao lucro da empresa em razão dos custos serem sempre nulos nas empresas modernas, devido à alta tecnologia empregada no processo produtivo. Pergunta 4 O consumidor somente adquire um produto ou serviço caso perceba existir neste um valor, uma utilidade, que atendam às suas necessidades. Portanto, é CORRETO afirmar que: a. Muitas vezes, o consumidor está adquirindo um produto ou serviço pensando em valores não mensuráveis, ou seja, não passíveis de serem medidos apenas pelo preço de venda. Assim sendo, apesar do preço ser importante fator na aquisição, o

3 consumidor considera também outros benefícios e valores no momento da compra. b. Apesar do preço de venda ser importante fator na aquisição, o consumidor considera também outros benefícios e valores no momento da compra, como, por exemplo, o lucro que este bem gerará para a firma e a rotatividade dos estoques na fábrica. c. O consumidor adquire um produto ou serviço pensando apenas no preço de venda. Assim sendo, apesar de outros valores e benefícios serem importantes, o consumidor considera apenas o dinheiro que tem no bolso no momento da compra. d. Os conceitos de valor e benefício existentes ao adquirirmos um bem são a mesma coisa. Ou seja, tudo se resume ao preço de venda como única variável importante em razão de nossa renda e disponibilidade de caixa. e. Na verdade, nunca devemos pensar em valor ou benefício ao adquirir um bem, pois o seu preço é a única variável importante em razão de nossa renda e disponibilidade de caixa. Pergunta 5 Segundo nossos estudos nesta Unidade, podemos definir Gastos e Dispêndios como sendo: a. O sacrifício financeiro de uma empresa necessário somente para fabricar um produto, nunca para a prestação de um serviço (que seria despesa), mesmo nas empresas prestadoras de serviço. Esses gastos e dispêndios devem ser contabilizados na Contabilidade como sendo despesas de estoques. b. O sacrifício financeiro de uma empresa necessário somente para estocar um produto. Esses gastos e dispêndios devem ser contabilizados na Contabilidade como sendo despesas de estoques. c. O sacrifício financeiro de uma empresa necessário para a fabricação de um produto ou prestação de um serviço. Esses gastos e dispêndios devem ser contabilizados na Contabilidade como sendo custos ou despesas, dependendo do seu tipo. d. O montante financeiro que a empresa obtém de lucro no momento da fabricação de um produto ou prestação de um serviço. Esses lucros devem ser contabilizados na Contabilidade imediatamente. e. O montante de lucro obtido na linha de montagem face aos desembolsos de caixa realizados na compra de matérias primas, pagamento de MDO e CIF s. Fazer teste: AS_II -

4 Pergunta 1 Os Custos Indiretos de Fabricação CIF são todos os gastos referentes à produção do bem ou prestação do serviço que não podem ser alocados (associados) diretamente aos processos no momento da apuração de custos. Assim, é verdadeiro afirmar que: a. Todas as despesas de depreciação da planta produtiva devem ser alocadas como sendo CIF, especialmente do maquinário de fabricação. b. Os CIF sempre serão os componentes dos custos totais de produção mais relevantes para as empresas, independentemente do total dos custos diretos. c. As empresas modernas não se preocupam em alocar os CIF em razão desses serem fixos e determinados, a priori, no início do ano fiscal. d. Muitas vezes as despesas de depreciação, alguns salários de pessoal de fábrica, e alguns casos (despesas) específicos ligados a serviços de terceiros, podem ser alocados como sendo CIF. e. Os CIF nunca podem ser incluídos como componentes dos custos totais de produção. Assim, devem ser contabilizados separadamente e aplicados ao resultado final do período fiscal. Pergunta 2 Quando nos referimos ao conceito de Mão de Obra Direta MDO, temos que lembrar sempre de sua enorme importância como integrante na apuração dos custos de produção. Portanto, é verdadeiro afirmar que: a. A MDO representa os esforços produtivos das equipes alocadas à produção dos bens produzidos ou dos serviços prestados pela firma em um determinado período de tempo, normalmente o ano fiscal. b. A MDO representa os esforços produtivos das equipes alocadas ao departamento administrativo da empresa em um determinado período de tempo, normalmente o ano fiscal. c. O cálculo da MDO exige conhecimento dos custos financeiros nela incorridos nos empréstimos bancários de um determinado período de tempo, normalmente o ano fiscal. d. A MDO representa os esforços produtivos das equipes alocadas, mas apenas nos casos dos serviços prestados e nunca nas linhas de produção da firma, em um determinado período de tempo. e. O estabelecimento da MDO soma todos os esforços produtivos das equipes alocadas à produção dos bens produzidos pela firma no primeiro trimestre do ano fiscal, pois

5 nos 9 meses restantes a Receita Federal proíbe alocações. Pergunta 3 Como devemos definir e diferenciar o Departamento de Serviços do Departamento de Produção de uma empresa? a. O Departamento de Serviços assessora os departamentos ou as unidades produtivas da empresa, não participando do processo fabril ou da prestação de serviços. Enquanto que o Departamento de Produção é parte integrante do processo transformador da firma,modificando fisicamente as unidades em processamento, sendo que o custo total de produção incorporará necessariamente os custos incorridos nos departamentos de produção e de serviços b. O Departamento de Serviços é parte integrante do processo transformador da firma. O Departamento de Produção conclui o efetuado no de serviços. c. O Departamento de Serviços é responsável pela apuração dos custos totais. Enquanto que o Departamento de Produção é parte integrante do processo transformador da firma. d. Tanto o Departamento de Serviços quanto o Departamento de Produção são partes integrantes do processo transformador da firma. e. O investimento efetuado no Departamento de Serviços serve de suporte ao trabalho efetuado no Departamento de Produção, ajudando na apuração dos custos. Pergunta 4 O processo de departamentalização resulta do fato das empresas sempre procederem com diversas subdivisões de sua estrutura interna de operação como instrumento de controle e gestão. Assim sendo, poderíamos definir como exemplos dessas subdivisões: a. toda a atividade dentro do departamento de finanças que esteja ligado ao trabalho de rateio de custos entre as diversas divisões contábeis da empresa fabril. b. todos os departamentos direta e indiretamente relacionados à produção de mercadorias e que não tenham relação com a prestação de serviços executada pela firma. c. os departamentos de produção, de armazenamento e de despacho de mercadorias e de planejamento e controle financeiro, por exemplo. d. segundo as definições contábeis clássicas, essas subdivisões seriam apenas possíveis na contabilidade, entre custos e despesas. e. apenas, única e exclusivamente, os departamentos de produção e de armazenamento

6 de mercadorias das empresas. Pergunta 5 Em referência ao estudo do Material Direto MD, é importante que o gestor se mantenha atento a três atividades essenciais no seu dia a dia de trabalho, a saber: a. Primeira, definir o preço do bem ou serviço. Segunda, definir os valores de compras. Terceira, estipular os preços de vendas. b. Primeira, proceder com a avaliação dos materiais. Segunda, proceder com o controle das atividades. Terceira, efetuar a programação dos lotes de produção. c. Primeira, proceder com a avaliação das contas a pagar. Segunda, proceder com a análise do endividamento. Terceira, efetuar a programação dos custos gerais de produção. d. Primeira, proceder com a avaliação dos estoques de produtos acabados. Segunda, proceder com o controle das atividades do mês anterior. Terceira, efetuar a programação dos lotes de produção do ano futuro. e. Primeira, definir o preço do bem ou serviço. Segunda, cortar custos de produção. Terceira, planejar as vendas futuras. Fazer teste: AS_III Pergunta 1 O CPV Custo do Produto Vendido representa a soma de todos os custos necessários para a fabricação do produto pela fábrica. Assim, é verdadeiro AFIRMAR que: a. Não há uma fórmula de cálculo do CPV, pois cada empresa utiliza metodologia própria adequada ao seu caso. b. A fórmula de cálculo do CPV é composta pelo estoque inicial de produto acabado EIPA, reduzido do custo de produção do produto CP e do estoque final de produto acabado EFPA. c. A fórmula de cálculo do CPV é composta pelo estoque inicial de produto acabado EIPA, somado ao custo de produção do produto CP. d. A fórmula de cálculo do CPV é composta pelo custo de produção do produto CP, reduzido do estoque final de produto acabado EFPA.

7 e. A fórmula de cálculo do CPV é composta pelo estoque inicial de produto acabado EIPA, somado ao custo de produção do produto CP, reduzidos do estoque final de produto acabado EFPA. Pergunta 2 Podemos dizer que o Custeio Direto se diferencia do Custeio Padrão por: a. No custeio direto, não há alocação de custos variáveis aos produtos fabricados, mantendo, assim, os custos fixos em separado, enquanto no custeio padrão, os custos são fixados posteriormente. b. No custeio direto, ocorre a alocação apenas de custos variáveis aos produtos fabricados, mantendo, assim, os custos fixos em separado, enquanto no custeio padrão, os custos são cuidadosamente predeterminados e a empresa procura atingir as metas por meio de uma operação eficiente. c. No custeio direto e no custeio padrão, todos os custos são cuidadosamente predeterminados e a empresa procura atingir as metas por meio de uma operação eficiente. d. No custeio direto, os custos são cuidadosamente predeterminados e a empresa procura atingir as metas por meio de uma operação eficiente, enquanto no custeio padrão, a alocação considera apenas os custos variáveis. e. Basicamente, não há diferença entre Custeio Direto e Padrão, pois ambos se valem dos dados contábeis apenas das empresas. Pergunta 3 Podemos definir o Custo por Ordem de Produção como sendo: a. Um sistema no qual, independentemente do pedido do cliente, a firma produz dentro de suas capacidades, sem exceder suas metas. b. Um sistema no qual nenhum produto é elaborado a partir de especificações do cliente, fazendo com que cada ordem de pro dução ou lote de fabricação seja definida apenas pelo engenheiro de produção. c. Um sistema no qual cada produto é elaborado a partir de ordens do departamento de produção, fazendo com que cada ordem de pro dução ou lote de fabricação seja padronizada pela empresa, apenas. d. Um sistema no qual cada produto é elaborado a partir de especificações do cliente, fazendo com que cada ordem de pro dução ou lote de fabricação seja diferente, ou

8 seja, único. e. Um sistema no qual a OP é definida pelo comprador e, assim, a firma define sua produção segundo estas especificações rígidas. Pergunta 4 Como parte do conceito e terminologias empregadas no cálculo do Custo Integral, podemos afirmar que o Custo Primário se diferencia do Custo de Transformação em razão de: a. O Custo Primário (ou Direto) é composto apenas pelo material direto, enquanto o Custo de Transformação é composto apenas pelos Custos Indiretos de Fabricação CIF. b. Os Custos Primários e de Transformação são a mesma coisa, sem diferenças conceituais relevantes. E são compostos pelo Material Direto e Mão de Obra Direta. c. O Custo Primário é composto pela soma do material direto, enquanto o Custo de Transformação é composto pela Mão de Obra Direta. d. O Custo Primário é composto pela mesma MDO Direta e os Custos Indiretos de Fabricação CIF. E o Custo de Transformação pela soma dos gastos com pessoal de fábrica. e. O Custo Primário (ou Direto) é composto pela soma do material direto e Mão de Obra Direta, enquanto o Custo de Transformação é composto pela mesma Mão de Obra Direta e os Custos Indiretos de Fabricação CIF Pergunta 5 Com referência à Classificação de Custeio, podemos AFIRMAR que o Critério por Mecânica de Acumulação se divide entre: a. A classificação por Ordem Específica é menos adequada para as empresas que produzem bens ou serviços sem produção constante. Já a Classificação por Processo é ideal para as fábricas de veículos. b. Para a Contabilidade, é indiferente a classificação por Ordem Específica ou a Classificação por Processo. Logo, este debate é desnecessário para a análise de custos. c. A classificação por Ordem Específica é mais adequada para as empresas que produzem bens ou serviços de forma intermitente, ou seja, com a produção constante ao longo do ano; enquanto a Classificação por Processo é mais adequada para as empresas que apresentam ritmo constante de produção, que se modifica ao longo do ano.

9 d. A classificação por Ordem Específica é mais adequada para as empresas que produzem bens ou serviços de forma intermitente, ou seja, sem produção constante; enquanto a Classificação por Processo é mais adequada para as empresas que apresentam um ritmo constante de produção. e. Na verdade, não há diferenças entre Ordem Específica e Processo, mas sim, apenas uma forma de mostrar que todas as empresas operam semelhantemente, independentemente de seu ritmo de produção e mercado consumidor. Pergunta 6 Estudamos o Custo Total e aprendemos que a sua composição obedece à classificação e critério normalmente adotados pelas mais diversas empresas, a saber: a. Como parte do Custo Total, podemos enxergar os Custos Diretos, compostos pelos itens Material Direto e Mão de Obra Direta, bem como os Custos Indiretos de Fabricação. b. Como parte do Custo Total, podemos enxergar os Custos Diretos, compostos pelos itens Material Direto e Mão de Obra Direta, que devem ser subtraído dos Custos Indiretos de Fabricação. c. Como parte do Custo Total, podemos enxergar APENAS os Custos Indiretos de Fabricação. d. Definir Custo Total é impossível, já que as empresas não podem separar Custos Diretos de Custos Indiretos por inexistência de contas contábeis separadas. e. Como parte do Custo Total, podemos enxergar APENAS os Custos Diretos, compostos pelos itens Material Direto e Mão de Obra Direta. Fazer teste: AS_IV Pergunta 1 Qual a desvantagem do uso da Metodologia ABC nas organizações? a. O principal entrave na implantação e uso do método ABC deve-se ao fato de ser item importado, de tecnologia sem similar nacional e que exige diversas adaptações para as empresas locais. b. A metodologia ABC tem suas restrições nas plantas fabris sendo apenas ideal para o custeio do comércio e do setor de serviços. c. Na verdade não há entraves na implantação e uso do método ABC, por ser de baixo

10 custo e de fácil uso pelos contadores. d. nem sempre encontrado nas empresas. e. Por ser ultrapassado tecnologicamente, o método ABC vem sendo substituído por ferramentas da internet. Pergunta 2 Como parte do conceito da Metodologia ABC, podemos destacar alguns benefícios de sua implantação nas empresas: a. Os métodos de custeio ABC ou de rateios em geral são equivalentes, não havendo diferenciações ou vantagens entre eles. b. O Método ABC somente é vantajoso por ser de baixo custo de implantação e utilização. c. O Método ABC é considerado inadequado para as empresas industriais ou prestadoras de serviços. É razoável ferramenta de planejamento estratégico e de fonte de informações gerenciais. d. O Método ABC é considerado ideal apenas para as empresas industriais, nunca para prestadoras de serviços. É mediana ferramenta de planejamento estratégico e de fonte de informações gerenciais. e. O Método ABC é considerado ideal para as empresas industriais ou prestadoras de serviços cujas estruturas organizacionais sejam bem organizadas. É excelente ferramenta de planejamento estratégico e fonte de informações gerenciais. Pergunta 3 Os Direcionadores de Custos são classificados como sendo de primeiro e de segundo estágio. Como podemos definir cada um desses direcionadores? a. No custeio direto, não ocorre diferença entre os direcionadores de primeiro estágio e de segundo estágio. b. Na verdade, podemos definir de forma bem simples os direcionadores independentemente de serem de primeiro ou segundo estágio. E essa definição exige compreender como são feitos os rateios de custos fixos nas empresas. c. Tanto os direcionadores de primeiro estágio, quanto os direcionadores de segundo estágio identificam a maneira como as empresas e os produtos consomem recursos, custeando apenas as atividades.

11 d. Os direcionadores de primeiro estágio identificam a maneira como as empresas consomem recursos, custeando as atividades. Os direcionadores de segundo estágio identificam a maneira como os produtos consomem as atividades, custeando os produtos. e. Os direcionadores de primeiro estágio e os direcionadores de segundo estágio identificam a maneira como os gestores mensuram os custos indiretos de produção. Pergunta 4 Na manutenção do sistema de custeio ABC, o contador ou responsável pelas entradas de dados no sistema tem algumas responsabilidades, dentre as quais, poderíamos destacar: a. Primeiro, terceirizar a mensuração dos custos de prevenção e de acompanhamento dos defeitos de cálculo através de uma abordagem fragmentada por atividades. b. Primeiro, mensurar os custos de prevenção (para redução ou eliminação de defeitos). Segundo, acompanhar e identifi car os defeitos no momento e local da sua ocorrência, e sempre por meio de uma abordagem fragmentada por atividades. c. Apenas mensurar os custos de prevenção (para redução ou eliminação de defeitos) por meio de uma abordagem fragmentada por atividades. d. Nunca mensurar os custos de prevenção ou acompanhar e identifi car os defeitos no momento e local da sua ocorrência por meio de uma abordagem fragmentada por atividades. e. Na verdade, não há atividades de responsabilidade do contador ou financista, pois o sistema ABC é totalmente sistematizado e automatizado. Pergunta 5 No Método de Custeio ABC, reconhece-se alguns níveis de centros de atividades. Quais são eles? a. Apenas a Atividade de Unidade de Produto e a Atividade de Lotes. b. Os conceitos de centros de atividades não têm relação com o Método do Custeio ABC. c. Atividade de Unidade de Produto; Atividade de Lotes; Atividades de Produção Global; Atividades de Sustentação. d. Apenas as Atividades de Produção Global e as Atividades de Sustentação. e. Na verdade, o Custeio ABC apenas reconhece a Atividade da Unidade de Produto, por exemplo, o tempo de processo da unidade de solda de uma máquina.

12 Pergunta 6 O Custeio ABC tem seu nome derivado do inglês, Activity Based Costing. Dentre as principais características e vantagens de sua utilização, podemos destacar como verdadeira a seguinte afirmação: a. O Método de Custeio ABC evita as distorções provocadas pelo rateio indiscriminado dos custos indiretos de fabricação CIF, mas não oferece mais detalhes a repeito dos custos incorridos no processo, sendo assim, facilmente substituído pelos métodos de rateio. b. O Método de Custeio ABC evita as distorções provocadas pelo rateio indiscriminado dos custos indiretos de fabricação CIF, além de oferecer uma visão mais detalhada dos custos incorridos no processo. Um defeito é não oferecer informações para serem utilizadas na gestão corporativa. c. O Método de Custeio ABC evita as distorções provocadas pelo rateio indiscriminado dos custos indiretos de fabricação CIF, além de oferecer uma visão mais detalhada dos custos incorridos no processo. O sistema ABC também oferece informações que podem ser utilizadas como instrumentos de gestão corporativa. d. O Método de Custeio ABC vem sendo pouco utilizado pelas empresas, especialmente no Brasil, devido ao seu alto custo de implantação e a pouca vantagem em termos de informações gerenciais geradas através de suas metodologias de cálculo dos custos. e. O Método de Custeio ABC não pode ser utilizado visando reduzir distorções provocadas pelo rateio indiscriminado dos custos indiretos de fabricação CIF, mas sim como ferramenta adicional e de suporte aos tradicionais rateios de custos. Fazer teste: AS_V Pergunta 1 Podemos conceituar Custo Marginal como sendo: a. O Custo Total obtido pela soma dos custos extras do processo de produção fabril. b. O custo marginal representa a soma dos CIFs com a MDO durante o processo fabril de uma firma. c. Segundo os autores estudados nesta Unidade, podemos afirmar que o custo marginal poderia ser conceituado como o incremento de custo correspondente à produção de uma unidade adicional de produto. Assim, corresponde aos custos que não seriam incor ridos se um produto fosse eliminado ou não produzido. d. O conceito de Custo Marginal está desatualizado e seu uso tem pouca utilidade nos dias atuais sendo praticamente sem importância em nossa análise. e. O custo marginal poderia nunca pode ser conceituado como o incremento de custo

13 correspondente à produção de uma unidade adicional de produto, nem corresponder aos custos incor ridos se um produto fosse eliminado ou não produzido. Pergunta 2 Segundo os nossos estudos, quais seriam as críticas e limitações ao uso do método do Custo Marginal? a. O principal problema da formação de preços com base no Custo Marginal decorre da ausência de informações contábeis nas empresas para alimentar os sistemas de custeio baseado nesta metodologia. b. O principal problema da formação de preços com base no Custo Marginal decorre do preço de venda não ser alto o suficiente para cobrir os custos calculados. c. O principal problema da formação de preços com base no Custo Marginal decorre da obrigatoriedade da empresa trabalhar para cobrir seus custos MÉDIOS com suas vendas, o que pode tornar-se insustentável no longo prazo. d. Na verdade, não há limitações ao uso de Custos Marginais para a determinação de preços, apenas vantagens. e. O principal problema da formação de preços com base no Custo Marginal decorre da obrigatoriedade da empresa trabalhar para cobrir seus custos integrais (CF + CV + Des pesas) com suas vendas, o que pode tornar-se insustentável no longo prazo, caso o preço de venda não consiga ser alto o suficiente para cobri-los. Pergunta 3 Devemos sempre lembrar que, no que se refere ao processo de formação de preços, as atenções dos empresários devem estar sempre direcionadas ao alcance de alguns objetivos. Entre estes objetivos, poderíamos destacar, por exemplo: a. Apenas a obtenção do maior lucro possível, sempre, independentemente do nível de preços. b. O ganho de market share por meio do aumento dos preços relativos de venda ao consumidor. c. A obtenção do maior lucro possível, o ganho de market share, o aumento da capacidade produtiva e a remuneração dos acionistas. d. A obtenção do maior lucro possível, mas nunca o ganho de market share, ou o aumento da capacidade produtiva e a remuneração dos acionistas. e. A obtenção do menor lucro possível, visando apenas a atender à demanda dos consumidores por preços menores.

14 Pergunta 4 Leia a frase a seguir: Podemos dizer que o preço do bem atende a duas exigências do lado dos empresários: a soma dos custos de produção e o lucro esperado proveniente da venda do bem ou serviço prestado. Portanto, podemos AFIRMAR que: a. O preço do produto é aquele que nunca cobre os custos de produção da indústria e a rentabilidade exigida pelo empre sário de forma a exercer a sua atividade fabril. E, por outro lado, é visto como razoável pelo mercado consumidor. b. O preço do produto pode ou não cobrir os custos de produção da indústria, pois nem sempre a empresa fabrica para obter lucros. c. O Método de Custeio ABC não pode ser utilizado visando a definir preços de vendas. d. O preço do produto é aquele que, por um lado, cobre os custos de produção da indústria e a rentabilidade exigida pelo empre sário de forma a exercer a sua atividade fabril. Por outro lado, é visto como razoável pelo produto ofertado ou serviço prestado. e. O preço do produto nunca pode cobrir os custos de produção da indústria. Este papel cabe ao responsável pelo cálculo do markup da firma. Pergunta 5 Quais são as metodologias mais utilizadas para as análises das políticas de preços utilizadas pelas empresas? a. Apenas a formação de preços com base na taxa de retorno exigida. b. Por meio do Método ABC, considerado o mais adequado para a análise de preços. c. A formação de preços pelos custos plenos que trazem informações completas sobre os gastos da empresa no ano fiscal e permitem definir preços com maior precisão. d. A formação de preços pelos custos plenos e a formação de preços nos custos de transformação. e. A formação de preços pelos custos plenos, a formação de preços nos custos de transformação, a forma ção de preços pelo custo marginal e a formação de preços com base na taxa de retorno exigida. Pergunta 6 Sabemos que as empresas podem definir muitas e diferentes metodologias para estabelecerem estratégias de definição de preços de vendas. Assim sendo, é verdade afirmar que: a. Toda metodologia escolhida deve sempre ser voltada a reduzir os custos de forma a

15 posicionar os preços o mais baixo possível. b. Não há como estabelecermos uma ligação entre preços, lucros, e posicionamento das empresas nos mercados consumidores da atualidade. c. Toda metodologia escolhida deve sempre ser viável economi camente. Ou seja, permitir que a empresa consiga vender sua produção a um preço bem alto, gerando o maior lucro. Caso contrário, nas economias competitivas e altamente dinâmicas da atuali dade, a sua sobrevivência ficará comprometida. d. Toda metodologia escolhida deve sempre ser viável economi camente. Ou seja, permitir que a empresa consiga vender sua produção a um preço que, no mínimo, seja válido do ponto de vista econômico. Caso contrário, nas economias competitivas e altamente dinâmicas da atuali dade, a sua sobrevivência ficará comprometida. e. Na verdade, não há como relacionar preços e custos, muito menos nível de produção de uma empresa, a despeito das metodologias escolhidas. Pergunta 7 Segundo os nossos estudos, quais seriam as críticas e limitações ao uso do método do Custo Marginal? a. O principal problema da formação de preços com base no Custo Marginal decorre da obrigatoriedade da empresa trabalhar para cobrir seus custos MÉDIOS com suas vendas, o que pode tornar-se insustentável no longo prazo. b. Na verdade, não há limitações ao uso de Custos Marginais para a determinação de preços, apenas vantagens. c. O principal problema da formação de preços com base no Custo Marginal decorre da obrigatoriedade da empresa trabalhar para cobrir seus custos integrais (CF + CV + Des pesas) com suas vendas, o que pode tornar-se insustentável no longo prazo, caso o preço de venda não consiga ser alto o suficiente para cobri-los. d. O principal problema da formação de preços com base no Custo Marginal decorre da ausência de informações contábeis nas empresas para alimentar os sistemas de custeio baseado nesta metodologia. e. O principal problema da formação de preços com base no Custo Marginal decorre do preço de venda não ser alto o suficiente para cobrir os custos calculados. Fazer teste: AS_VI Pergunta 1 Podemos definir Margem de Contribuição como:

16 a. A diferença entre a receita e o custo variável de cada produto. Ou seja, trata-se do montante que é mantido pela empresa sobre a forma de Margem (sobra) entre as receitas obtidas com as vendas e os custos exigidos para a sua produção. b. A diferença entre a receita e o custo fixo de cada produto. Este conceito é utilizado na definição dos preços de vendas. c. A que nunca pode ser definida como sendo a sobra entre as receitas de vendas e os custos exigidos para a sua produção, mas a diferença entre o preço interno e externo da firma. d. A metodologia utilizada para definir o nível de lucro possível, o ganho de market share, o aumento da capacidade produtiva e a remuneração dos acionistas. e. A diferença entre os custos fixos e variáveis. Este conceito é utilizado na definição dos preços de vendas. Pergunta 2 De que forma devemos pensar a questão da definição de preços face à estratégia e às decisões empresariais? a. Não há uma relação direta entre a definição de preços e as estratégias empresariais. b. Toda decisão empresarial deve estar desvinculada da sua política de preços, em razão de se tratarem de conceitos diferentes e não conflitantes. c. É importante conseguir relacionar toda decisão empresarial a seu reflexo na gestão financeira, mensurando os custos incorridos e preços possíveis de serem praticados. A manutenção do negócio exige a prática de preços superiores aos custos incorridos, mas delimitados pelo mercado. d. Em razão das características e particularidades do mercado globalizado em que as empresas atualmente operam, a definição de preços é completamente definida externamente pelo mercado. e. A estratégia empresarial é definida pela Alta Administração enquanto a política de preços é definida pelo Gestor de Custos. Pergunta 3 Podemos definir valor intrínseco do mercado como sendo: a. Um conceito que busca dar ênfase aos aspectos do preço definido matematicamente, sem nenhuma análise subjetiva ou mercadológica. b. Um conceito que relaciona o preço de venda ao preço do concorrente e os valores

17 internos de cada bem vendido. c. Na verdade, uma análise e um conceito que gera problemas de caixa para as empresas por ser redutor de receita em razão da aproximação do preço da firma com o preço da concorrência. d. Um conceito ultrapassado que auxilia o gestor a definir o preço de venda de seu produto via corte de custos. e. Um conceito que auxilia o gestor a definir o preço de venda de seu produto. Trata-se do preço sendo definido se gundo critérios menos quantitativos e mais qualitativos. Faz-se necessário observar, além de custos e gastos em geral, o preço juntamente com o valor do bem ofertado. Pergunta 4 Quando nos referimos a aspectos quantitativos e qualitativos dos produtos, queremos enfatizar que: a. O preço pode ser livremente definido pela empresa e a despeito das percepções de valor nele imputadas pelos seus consumidores potenciais. b. Os aspectos quantitativos e qualitativos dos produtos nunca afetam seu preço ou a sua demanda pelo mercado consumidor. c. O preço nunca pode ser livremente definido pela empresa, e ser sempre definido pelos seus consumidores potenciais. d. O principal problema da formação de preços é saber explicitar o que chamamos de custos fixos e custos variáveis e como refleti-los no preço de venda. e. O mercado será sempre o grande deline ador de preços dado à realidade cada vez mais clara de forte concorrência, competição e globalização em que as empresas hoje convivem no século XXI. E que os preços devem refletir um equilíbrio entre o bem da empresa e os desejos dos seus mercados consumidores. Pergunta 5 Quando afirmamos que um preço precisa ser competitivo estamos, na realidade, afirmando que: a. O preço de venda definido pelo empresário atende às suas necessidades de cobrir seus custos totais e despesas, bem como atende às suas expectativas de margens de contribuição (lucros) e se trata de um preço que atende às demandas dos consumidores e posiciona a empresa competitivamente no mercado. b. O preço competitivo objetiva fixar a empresa no seu mercado consumidor, sem nenhuma ligação com seus custos totais de produção ou margens de contribuição.

18 c. O preço de venda atende prontamente ao mercado consumidor e para combater a concorrência, mas sem preocupação com margens de lucros ou demais resultados. d. O preço de venda atende apenas às necessidades internas de caixa da firma, independentemente das suas exigências de lucros. e. Trata-se de um preço médio de mercado, que não é caro nem barato comparativamente aos seus concorrentes diretos. Pergunta 6 Podemos definir mark-up como sendo: a. O Método de Custeio ABC é a base dos dados para o uso do Mark-up visando a definir preços de vendas. b. Uma for ma de precificação com o objetivo prioritário de definir um índice sobre os gastos totais incorridos no processo fabril como forma de garantir uma margem (um resultado) no momento da venda sobre estes mesmos gastos. c. Uma forma de definir preços em linha com os preços da concorrência no mercado consumidor sem se preocupar com os custos ou despesas da firma. d. O mark-up é um índice subtraído dos gastos totais incorridos no processo fabril como forma de garantir uma margem (um resultado) no momento da venda sobre estes mesmos gastos. e. Uma forma de definir o preço com base nos custos fixos e variáveis divididos pelo total da quantidade de produtos vendidos.

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a 16 1 Introdução Este trabalho visa apresentar o serviço oferecido pelas administradoras de cartões de crédito relacionado ao produto; propor um produto cartão de crédito calcado na definição, classificação

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS. Professora Ludmila Melo

CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS. Professora Ludmila Melo CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS Professora Ludmila Melo Conteúdo Programático INTRODUÇÃO Agenda Aula 1: Conceitos, objetivos e finalidades da Contabilidade de Custos Aula 2: Classificação e Nomenclatura

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula

MBA em Gerenciamento de Projetos. Teoria Geral do Planejamento. Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula MBA em Gerenciamento de Projetos Teoria Geral do Planejamento Professora: Maria Erileuza do Nascimento de Paula SOBRAL - CE 2014 O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 6º Encontro - 05/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - SISTEMAS DE PRODUÇÃO - VÍDEOS PARA DEBATE

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Mintzberg Define planejamento estratégico como sendo processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido pela empresa, com vistas a obter um nível

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL. Coordenação-Geral de Contabilidade. Paulo Henrique Feijó SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTOS DO GOVERNO FEDERAL Coordenação-Geral de Contabilidade Paulo Henrique Feijó Legislação: Exigência de apuração de custos Lei nº 4.320/1964 Art. 99. Os serviços públicos industriais,

Leia mais

Dicas Gerenciais Como devo definir o preço de venda de cada produto? Processo de Formação de Preços em uma Loja de Varejo de Alimentos.

Dicas Gerenciais Como devo definir o preço de venda de cada produto? Processo de Formação de Preços em uma Loja de Varejo de Alimentos. Como devo definir o preço de venda de cada produto? Processo de Formação de Preços em uma Loja de Varejo de Alimentos. O cálculo de custo de produtos em uma loja de varejo pode seguir 02 fórmulas. A 1ª

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009.

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009. POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011 Vitória, 26 de agosto de 2009. ÍNDICE 1. OBJETIVO.... 3 2. ORIENTAÇÃO DA GESTÃO DOS INVESTIMENTOS E PRÁTICAS DE GOVERNANÇA....

Leia mais

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS

PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS PEQUENAS EMPRESAS E PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS TENDÊNCIAS E PRÁTICAS ADOTADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS EMENTA O presente estudo tem por finalidade abordar o comportamento recente das pequenas empresas na

Leia mais

AULA 4 BDI E PREÇO DE VENDA. CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Leonardo F. R. Miranda

AULA 4 BDI E PREÇO DE VENDA. CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Leonardo F. R. Miranda AULA 4 BDI E PREÇO DE VENDA Leonardo F. R. Miranda 1 ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO ORÇAMENTO DE VENDA Determinação Conforme métodos orçamentários estudados 2 ORÇAMENTO EMPRESARIAL: Composto

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Princípio da competência O princípio da competência determina que todas as vendas, os custos e as despesas devem ser considerados na apuração do resultado da empresa no período em que ocorrerem, independentemente

Leia mais

Caderno de Exercícios*

Caderno de Exercícios* CONTABILIDADE E CONTROLO DE GESTÃO (5.º Semestre) Caderno de Exercícios* DOCENTE: Gustavo Dias * Exercícios adaptados de bibliografia diversa Elaborado por: Conceição Gomes EXERCÍCIO 1 Considere os seguintes

Leia mais

A importância dos Indicadores de Atividade dentro da Empresa

A importância dos Indicadores de Atividade dentro da Empresa A importância dos Indicadores de Atividade dentro da Empresa Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Heber Lavor Moreira Professor Trabalho da Disciplina Análise dos Demonstrativos Contábeis

Leia mais

Custo de Oportunidade do Capital

Custo de Oportunidade do Capital Custo de Oportunidade do Capital É o custo de oportunidade de uso do fator de produção capital ajustado ao risco do empreendimento. Pode ser definido também como a taxa esperada de rentabilidade oferecida

Leia mais

Tema Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição

Tema Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição Tema Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professor(a) Pós-Graduação Engenharia da Produção Custos Industriais Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição Luizete Fabris

Leia mais

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas Autora: Begail da Silva Casagrande (UNIC) * Co-autor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: Administrar uma empresa não é uma tarefa fácil.

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AÇÕES ESTRATÉGICAS Ações que objetivam, basicamente, o aproveitamento das oportunidades, e potencialidades, bem como a minimização do impacto das ameaças e fragilidades.

Leia mais

MODELAGENS. Modelagem Estratégica

MODELAGENS. Modelagem Estratégica Material adicional: MODELAGENS livro Modelagem de Negócio... Modelagem Estratégica A modelagem estratégica destina-se à compreensão do cenário empresarial desde o entendimento da razão de ser da organização

Leia mais

CUSTO/ALUNO NA UNIVERSIDADE : CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS. Por que a preocupação com o custo do aluno numa universidade?

CUSTO/ALUNO NA UNIVERSIDADE : CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS. Por que a preocupação com o custo do aluno numa universidade? CUSTO/ALUNO NA UNIVERSIDADE : CONSIDERAÇÕES METODOLÓGICAS Prof. José Newton Cabral Carpintéro Instituto de Economia - Unicamp Por que a preocupação com o custo do aluno numa universidade? Antes de tudo,

Leia mais

Custos no Setor Público: Ferramenta da Melhoria da Qualidade do Gasto Público. Florianópolis 17 de Abril 2015

Custos no Setor Público: Ferramenta da Melhoria da Qualidade do Gasto Público. Florianópolis 17 de Abril 2015 Custos no Setor Público: Ferramenta da Melhoria da Qualidade do Gasto Público Florianópolis 17 de Abril 2015 1 Qualidade do Gasto Público Conceito visualiza duas Dimensões : (em construção *) Macro (Estratégico)

Leia mais

Módulo 1 - Mês 1- Aula 3

Módulo 1 - Mês 1- Aula 3 PLANEJAMENTO BÁSICO Módulo 1 - Mês 1- Aula 3 PLANEJAMENTO BÁSICO Como construir renda estável em cada etapa 1. Etapas de Faturamento Para construir um rendimento estável, existe uma ordem a seguir. Na

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências Gestão de Pessoas e Avaliação por competências quer a empresa que não existe! Funcionário quer o profissional que não existe! Empresa A visão evolutiva da área de Gestão de Pessoas... 1930 Surgem departamentos

Leia mais

Auxiliar empresários dos mais variados segmentos a encontrar soluções para gerir seus negócios nas áreas administrativa, financeira e de custos.

Auxiliar empresários dos mais variados segmentos a encontrar soluções para gerir seus negócios nas áreas administrativa, financeira e de custos. NOSSO OBJETIVO Auxiliar empresários dos mais variados segmentos a encontrar soluções para gerir seus negócios nas áreas administrativa, financeira e de custos. CONSULTORIA EMPRESARIAL Assessoria Quando

Leia mais

Evolução do Orçamento Público

Evolução do Orçamento Público Evolução do Público Evolução do Público Clássico ou Tradicional Desempenho ou Realizações Programa Pode-se dizer que foi na Inglaterra em 1217 que começou a surgir o orçamento público. Desde então as técnicas

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Rabobank International Brazil

Rabobank International Brazil Rabobank International Brazil Política de Gerenciamento de Capital Resolução 3.988/2011 Conteúdo 1. Introdução... 3 Patrimônio de Referência Exigido (PRE)... 3 2. Princípios... 4 3. Papéis e Responsabilidades...

Leia mais

Fundo de Investimento em Ações - FIA

Fundo de Investimento em Ações - FIA Renda Variável Fundo de Investimento em Ações - FIA Fundo de Investimento em Ações O produto O Fundo de Investimento em Ações (FIA) é um investimento em renda variável que tem como principal fator de risco

Leia mais

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade -

LFG MAPS. 2 - ( Prova: CESPE - 2012 - Polícia Federal - Agente da Polícia Federal / Contabilidade Geral / Contabilidade - Escrituração Contábil 05 questões Noções Gerais; Escrituração Contábil ) Considere os eventos de I a V listados abaixo. I aquisição de veículo à vista para uso na atividade operacional II baixa de bem

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques. Prof. Ruy Alexandre Generoso

Conceitos de Gestão de Estoques. Prof. Ruy Alexandre Generoso Conceitos de Gestão de Estoques Análise Numérica Prof. Ruy Alexandre Generoso Cálculo do Nível N de Serviço Ótimo Nível de Serviço o (NS): Determinado nível n de estoque E. É a probabilidade de que a demanda

Leia mais

Professor Responde. Dúvidas mais comuns relacionadas a Segurança e Medicina do Trabalho NR01 ORDEM DE SERVIÇO

Professor Responde. Dúvidas mais comuns relacionadas a Segurança e Medicina do Trabalho NR01 ORDEM DE SERVIÇO Professor Responde Dúvidas mais comuns relacionadas a Segurança e Medicina do Trabalho NR01 ORDEM DE SERVIÇO Saiba exatamente tudo sobre o assunto SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Quem é PROFESSOR Hoje

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia Pobreza e Desigualdade 1) Que é pobreza? Inicio dos anos 1970: percepção de que as desigualdades sociais e a pobreza não estavam sendo equacionadas como resultado do crescimento econômico. Países ricos:

Leia mais

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS

Profa. Cleide de Freitas. Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS Profa. Cleide de Freitas Unidade II PLANO DE NEGÓCIOS O que vimos na aula anterior Ideias e Oportunidades Oportunidades x Experiência de mercado O que é um plano de negócios? Identificação e análise de

Leia mais

Visão Geral da Contabilidade de Custos

Visão Geral da Contabilidade de Custos 3 Visão Geral da Contabilidade de Custos Objetivos de aprendizagem Este capítulo desenvolve: um painel básico da contabilidade de custos; uma introdução aos métodos, formas e sistemas de acumulação; o

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS Disciplina: Matemática Financeira 10 h/a Ementa: O valor do dinheiro no tempo. Conceitos de juros, taxas de juros, principal,

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

BUSCA DE FIDELIZACÃO DOS CLIENTES ATRAVES DA QUALIDADE NO ATENDIMENTO

BUSCA DE FIDELIZACÃO DOS CLIENTES ATRAVES DA QUALIDADE NO ATENDIMENTO BUSCA DE FIDELIZACÃO DOS CLIENTES ATRAVES DA QUALIDADE NO ATENDIMENTO Taynná BECKER 1 Priscila GUIDINI 2 RESUMO: O artigo apresenta a importância da fidelização de clientes para as empresas, e como a qualidade

Leia mais

Índice. Conteúdo. Planilha Profissional Para Cálculo de Preços de Artesanato

Índice. Conteúdo. Planilha Profissional Para Cálculo de Preços de Artesanato Índice Conteúdo Índice... 2 A Importância do Preço Correto... 3 Como chegar ao preço de venda adequado do meu produto?... 3 Como calcular o preço de venda lucro... 5 Como vender meus produtos pela internet...

Leia mais

Regulamento básico: finanças e controladoria

Regulamento básico: finanças e controladoria Regulamento básico: finanças e controladoria Diretoria de Administração e Planejamento Abril de 2002 Este regulamento estabelece as diretrizes a serem adotadas pela RNP na gestão de seus recursos financeiros,

Leia mais

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo

Gestão da Qualidade. Aula 5. Prof. Pablo Gestão da Qualidade Aula 5 Prof. Pablo Proposito da Aula 1. Gestão da Qualidade Total; 2. Planejamento; Gestão da Qualidade Total Gestão da Qualidade Total Como vimos na última aula a Gestão da Qualidade

Leia mais

Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues². Introdução

Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues². Introdução 99 BALANCED SCORECARD COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Marli de Oliveira Macedo¹, Michele Rodrigues² Resumo: O planejamento estratégico é o processo administrativo que estabelece a melhor direção

Leia mais

Tipologia dos Escritórios de Projeto

Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Projeto Tipologia dos Escritórios de Negócio Todos sabemos que conduzir projetos é muito mais do que uma arte e que ao Gerente de Projetos cabe a responsabilidade de gerenciar

Leia mais

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Opções Estratégicas Para a Implantação de Novas Políticas Educacionais ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Bob Verhine Universidade Federal da Bahia verhine@ufba.br A divulgação desta

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM ANEXO À PD.CA/BAK-37/2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA BRASKEM Aprovada pelo Conselho de Administração da Braskem S.A. em 29 de Novembro de 2010 1 XX/XX/10 RAE Inventimentos LE Braskem Revisão Data da

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

Mecken Golden Corporation 1439 S Ocean Blvd, FL 33062 Phone: 954 5547138

Mecken Golden Corporation 1439 S Ocean Blvd, FL 33062 Phone: 954 5547138 Consultoria Empresarial, Financeira e Jurídica. Equipe de profissionais altamente qualificada e comprometida com o cliente. Porque abrir uma empresa nos Estados Unidos Porque escolher a Flórida Vistos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan FACULDADE EVANGÉLICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL TURMA: 3º, 4º e 5º PERÍODOS BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan Considere os fatos contábeis

Leia mais

NABARRETE, Tatiane Souza 1 <fabrimana@gmail.com> BARELLA, Lauriano Antonio² <barella28@hotmail.com> 1 INTRODUÇÃO

NABARRETE, Tatiane Souza 1 <fabrimana@gmail.com> BARELLA, Lauriano Antonio² <barella28@hotmail.com> 1 INTRODUÇÃO 125 UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA A TOMADA DE DECISÃO NAS EMPRESAS DO RAMO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS NO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 INTRODUÇÃO NABARRETE, Tatiane Souza 1

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS. josé.carlos@tre-go.gov.br/hamilton@tre-go.gov.br ALMOXARIFADO MODELO PLANEJAR E CONSUMIR COM RESPONSABILIDADE

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS. josé.carlos@tre-go.gov.br/hamilton@tre-go.gov.br ALMOXARIFADO MODELO PLANEJAR E CONSUMIR COM RESPONSABILIDADE TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE GOIÁS josé.carlos@tre-go.gov.br/hamilton@tre-go.gov.br ALMOXARIFADO MODELO PLANEJAR E CONSUMIR COM RESPONSABILIDADE Gestão Estratégica Responsável José Carlos da Silva Delimitação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL)

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ONTEM (MERCADO FECHADO E PROTEGIDO): CUSTOS + LUCRO = PREÇO DE VENDA A PROTEÇÃO AMBIENTAL é vista como um fator de

Leia mais

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy

P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy P24 Criar Plano Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação 2011/2012 Líder: Maria Cecília Badauy Brasília, 13 de Julho de 2011 Perspectiva: Aprendizado e Crescimento Planejamento Estratégico Objetivo

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados DIFERENÇA ENTRE CONTRATO DE AGÊNCIA E DE DISTRIBUIÇÃO por Jacqueline Gottschalk Advogada de Almeida Guilherme Advogados Associados Podemos dizer que em função do fenômeno da globalização, cada vez mais

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL 1 CONCEITO Orçamento é um instrumento de natureza econômica elaborada com objetivo de prever determinadas quantias que serão utilizadas para determinados fins. Ele consiste em um resumo sistemático, ordenado

Leia mais

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto

Lógica de Programação. Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto Lógica de Programação Profas. Simone Campos Camargo e Janete Ferreira Biazotto O curso Técnico em Informática É o profissional que desenvolve e opera sistemas, aplicações, interfaces gráficas; monta estruturas

Leia mais

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem:

Entretanto, este benefício se restringe a um teto de 12% da renda total tributável. O plano VGBL é vantajoso em relação ao PGBL para quem: 2 1 3 4 2 PGBL ou VGBL? O plano PGBL, dentre outras, tem a vantagem do benefício fiscal, que é dado a quem tem renda tributável, contribui para INSS (ou regime próprio ou já aposentado) e declara no modelo

Leia mais

GESTÃO DO AGRONEGÓCIO

GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Pós-Graduação em GESTÃO DO AGRONEGÓCIO Ingresso agosto de 2016 Informações: (51) 3218-1355 ernani.neto@espm.br O Curso tem por objetivo capacitar os participantes na utilização de práticas contemporâneas

Leia mais

Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013

Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013 Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013 Há três dimensões que apoiam a construção de conhecimento aplicável para empresas e seus gestores formando a base para o desenvolvimento de ferramentas

Leia mais

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%)

Tabela 1 Taxa de Crescimento do Produto Interno Bruto no Brasil e em Goiás: 2011 2013 (%) 1 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A Tabela 1 mostra o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e de Goiás no período compreendido entre 211 e 213. Nota-se que, percentualmente, o PIB goiano cresce relativamente

Leia mais

ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial

ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial Credenciais dos patrocinadores Análise de risco do país Credibilidade do estudo de viabilidade e plano de negócios (incluindo

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO, SE HOUVER ANDRADINA/SP 2016 NOME DO(S) AUTOR(ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

Estudo aponta influência do código de barras e da tecnologia na decisão de compra do consumidor e na estratégia do varejo

Estudo aponta influência do código de barras e da tecnologia na decisão de compra do consumidor e na estratégia do varejo Estudo aponta influência do código de barras e da tecnologia na decisão de compra do consumidor e na estratégia do varejo Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil revela resultado da terceira edição

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Previdência Complementar no Brasil e seu Potencial de Crescimento VOCÊ

Previdência Complementar no Brasil e seu Potencial de Crescimento VOCÊ Previdência Complementar no Brasil e seu Potencial de Crescimento VOCÊ José Edson da Cunha Júnior Secretaria de Políticas de Previdência Complementar Sumário I Cenário Atual da Previdência Complementar

Leia mais

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08.

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. Atualização da obra Contabilidade de Custos 9ª para a 10ª edição Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. (Especialista/Anatel/2014) Com relação aos custos, julgue os itens de 09 a 11.

Leia mais

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios

Anexo 4. Termo de Referência do Plano de Negócios Anexo 4 Termo de Referência do Plano de Negócios I. Introdução 1.1. Este Termo de Referência tem por objetivo orientar as Proponentes na elaboração de seu Plano de Negócios, conforme definido no Edital,

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI. Questão 33 Prova de Inspetor (Questão 29 Prova de Analista de Mercado de Capitais)

CURSO ON-LINE PROFESSOR: FRANCISCO MARIOTTI. Questão 33 Prova de Inspetor (Questão 29 Prova de Analista de Mercado de Capitais) Questão 33 Prova de Inspetor (Questão 29 Prova de Analista de Mercado de Capitais) A lógica da composição do mercado financeiro tem como fundamento: a) facilitar a transferência de riscos entre agentes.

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Introdução Slide 1 Nielsen C. Damasceno Introdução Tanenbaum (2007) definiu que um sistema distribuído é aquele que se apresenta aos seus usuários como um sistema centralizado, mas

Leia mais

Contabilidade Pública e Governamental

Contabilidade Pública e Governamental Contabilidade Pública e Governamental Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público Conceito Estrutura e critérios de classificação das contas. Sistemas de contas Sistema Orçamentário

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE EM ESPAÇO PÚBLICO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte em Espaço Público. Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 21 Margem de Transporte e Comércio (versão para informação e

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA:

Leia mais

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO DRAWBACK 1. CONCEITO Drawback é o regime especial que consiste na importação com suspensão, isenção ou restituição dos tributos, de insumos destinados a integrar produtos

Leia mais

Inovação no Processo de Distribuição de Peças para Manutenção e Logística Reversa

Inovação no Processo de Distribuição de Peças para Manutenção e Logística Reversa Como resultados, podemos auferir aumento do nível de serviço, redução de lead time, reconhecimento formal de performance (Best Supplier Award), confi ança de vendas e mudança cultural e de gestão. Crescimento

Leia mais

Soluções Inovadoras. FlyFlex. Fly Solution

Soluções Inovadoras. FlyFlex. Fly Solution Soluções Inovadoras FlyFlex Versão 1.00 Fly Solution O Software FlyFlex 1.00 FlyFlex é um software desenvolvido pela empresa Fly Solution para atender a necessidade de gestão de negócios de pequenas e

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas Novo Mercado de Renda Fixa CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Novo Mercado

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

Resolução da Lista de Exercício 6

Resolução da Lista de Exercício 6 Teoria da Organização e Contratos - TOC / MFEE Professor: Jefferson Bertolai Fundação Getulio Vargas / EPGE Monitor: William Michon Jr 10 de novembro de 01 Exercícios referentes à aula 7 e 8. Resolução

Leia mais

ondagem Industrial Edição Especial Falta Trabalhador FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA

ondagem Industrial Edição Especial Falta Trabalhador FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Edição Especial Falta Trabalhador ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins abril de 2014 FALTA DE TRABALHADOR QUALIFICADO NA INDÚSTRIA Análise Econômica A conjuntura econômica recente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC RENDA FIXA SIMPLES 22.918.245/0001-35 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC RENDA FIXA SIMPLES 22.918.245/0001-35 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC RENDA FIXA SIMPLES 22.918.245/0001-35 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE III): GERENCIAMENTO DE CENÁRIOS! Criando cenários a partir do Solver! Planilha entregue para a resolução de exercícios! Como alterar rapidamente

Leia mais

Odebrecht Serviços e Participações S.A. CNPJ/MF n. 10.904.193/0001-69. Companhia Fechada FATO RELEVANTE

Odebrecht Serviços e Participações S.A. CNPJ/MF n. 10.904.193/0001-69. Companhia Fechada FATO RELEVANTE Odebrecht S.A. CNPJ/MF n. 11.105.588/0001-15 Companhia Fechada Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras CNPJ/MF n. 33.000.167/0001-01 Companhia Aberta Braskem S.A. CNPJ/MF n. 42.150.391/0001-70 Companhia Aberta

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

GUIA DO CRÉDITO CONSCIENTE

GUIA DO CRÉDITO CONSCIENTE GUIA DO 1 FAMILIAR GUIA DO 2 Existem várias maneiras de usar o dinheiro de forma consciente. Uma delas é definir suas necessidades e planejar todos os seus gastos levando em conta a renda disponível. Para

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Não existem regras ou leis para gestão; Não existem países pobres ou ricos, mas simplesmente países mal e bem administrados, que sabem extrair o máximo dos recursos

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll! Investimento pré-operacional! Investimento em giro! Liberação do investimento em giro! Sunk Cost Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.8 - Derivativos

Conhecimentos Bancários. Item 3.8 - Derivativos Conhecimentos Bancários Item 3.8 - Derivativos Conhecimentos Bancários Item 3.8 - Derivativos São instrumentos financeiros que têm seus preços derivados (daí o nome) do preço de mercado de um bem ou de

Leia mais