AULA 4 BDI E PREÇO DE VENDA. CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Leonardo F. R. Miranda

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 4 BDI E PREÇO DE VENDA. CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Leonardo F. R. Miranda"

Transcrição

1 AULA 4 BDI E PREÇO DE VENDA Leonardo F. R. Miranda 1

2 ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO ORÇAMENTO DE VENDA Determinação Conforme métodos orçamentários estudados 2

3 ORÇAMENTO EMPRESARIAL: Composto pelos custos empresariais que são os custos decorrentes da operação da empresa construtora, custos estes que são rateados como custos indiretos pelos diversos projetos que a empresa executa somado à taxa de BDI adotada. 3

4 ORÇAMENTO EMPRESARIAL: É necessário entender conceitualmente o que representam os Grupos acima e diferenciar "custo" de "venda", ou seja, saber que se aplicando as Taxa do BDI sobre a somatória dos Custos Diretos e Indiretos, encontraremos o Preço de Venda. 4

5 Algumas empresas definem o BDI como sendo Bonificação e Despesas Indiretas, representando a somatória das despesas INDIRETAS que convertidos em taxa, deverá ser lançada sobre as Composições de Custos para se obter o Preço de Venda. 12:42 5

6 Outras empresas utilizam o termo para definir tão somente a somatória dos lucros com alguns impostos, aplicando a taxa encontrada sobre os orçamentos Empresarial e Orçamento de Produção. 6

7 O BDI também pode ser definido como LDI = Lucro e despesas indiretas ou ARL Administração, riscos e Lucro (Limmer 1997) 7

8 Diferentes considerações O cálculo do BDI depende de uma série de variáveis entre as quais pode-se apresentar algumas mais importantes. - Tipo de obra; - Valor do Contrato; - Prazo de execução. - Volume de faturamento da empresa; - Local de execução da obra. Para a execução de obras com projetos especiais, complexos ou de maior porte recomenda-se calcular o BDI especificamente para cada situação, observadas as peculiaridades físicas e técnicas de cada uma delas 8

9 ORÇAMENTO EMPRESARIAL Como é calculado o BDI? CUSTOS INDIRETOS EMPRESARIAIS BDI ORÇAMENTO EMPRESARIAL Quais são e como são calculados? 12:42 9

10 Relacionam-se com as atividades necessárias ao funcionamento da empresa como um todo, custos esses que deverão ser RATEADOS entre todas as obras que a empresa tem em andamento. CLASSIFICAÇÃO: Custos Adminstrativos; Custos comerciais; Custos tributários Custos financeiros e taxa de risco * 10

11 CLASSIFICAÇÃO Custos Adminstrativos: Relacionados à administração da empresa Salários da direção, pessoal técnico, administrativo; Despesas de representação; Amortização da compra ou aluguel de imóvel sede da empresa; Material de consumo de escritório; Auditores e consultores; Manutenção do escritório, oficinas 11

12 DESPESAS ADMINISTRATIVAS - CÁLCULO Podem ser obtidos a partir de: Mapas mensais de custos da administração central da empresa Dados Trimestrais Obtenção do custo anual de operação. 12

13 CÁLCULO - Mapas mensais de custos da administração central da empresa MAPA TRIMESTRAL DE CUSTOS INDIRETOS DE EMPRESA id Custos Jan. Fev. Mar. Total Anual (4x) 1. Administrativos 1.1 Salários 3.000, , , , ,0 1.2 Alugueis 1.200, , , , ,0 1.3 Telefone 500,0 600,0 700, , ,0 1.4 Suprimentos 400,0 500,0 400, , ,0 1.5 Energia 200,0 190,0 220,0 610, ,0 2 Comerciais 2.1 Propaganda 300,0 250,0 300,0 850, ,0 2.2 Assessoria tecnica 250,0 400,0 500, , ,0 2.3 Elaboração de propostas 400,0 400,0 300, , ,0 Totais 6.250, , , , ,0 13

14 CÁLCULO Qual a taxa de rateio dos custos da adminstração central? Depende do custo anual de construções que irá realizar! Ex.: Sendo o custo anual estimado em $ ,00, qual a taxa de custo indiretos empresariais? Taxa = Custos Inidretos empresariais / Custos de produção Taxa = / = 7,9% 14

15 CLASSIFICAÇÃO Custos Comerciais: Incoridos na comercialização dos produtos da empresa: Promoção e propaganda comercial, salário e comissão de vendedores; Assessoria técnica para vendas ou licitações; Comunicações; Assessoria jurídica a contratos; Elaboração de propostas e estudos; Direito de propriedade ou patentes. 15

16 DESPESAS COMERCIAIS - CÁLCULO Idem ao cálculo das despesas administrativas ou taxa adotada. 16

17 CLASSIFICAÇÃO Custos Tributários: Decorrentes de disposições legais, compreendendo tributos, taxas, emolumentos e tarifas: PIS COFINS IRPJ CSLL ISS IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTO MUNICIPAL ALÍQUOTAS VARIÁVEIS Em Curitiba, a alíquota do ISS varia de 2% a 5%, de acordo com o tipo de serviço prestado. 17

18 IMPOSTOS: Na opção pelo Lucro Real o IRPJ e a CSLL a base de cálculo é o lucro líquido efetivamente havido estando impossibilitado de estabelecer de antemão as taxas desses tributos. Como a Lei nº 8666/93 exige que os dados na licitação sejam objetivos e transparentes, para o efeito da composição do BDI, serão utilizados os tributos do Lucro Presumido incidindo sobre o faturamento da obra. 18

19 Em Curitiba, a alíquota do ISS varia de 2% a 5%, de acordo com o tipo de serviço prestado. 19

20 CLASSIFICAÇÃO Custos Financeiros: O custo financeiro é pago para pagamentos à prazo e compreende, uma parte pela perda monetária decorrente da defasagem entre a data do efetivo desembolso e a data da receita correspondente e, a outra parte, de juros correspondentes ao financiamento da obra paga pelo executor. Cálculo: 20

21 CLASSIFICAÇÃO Custos Financeiros: Cálculo: 21

22 CLASSIFICAÇÃO * Taxa de risco: Aplicável aos contratos de Empreitada por Preços Unitários, Preço Fixo, Global ou Integral. DEFINIÇÃO : Taxa que se aplica para empreitadas por preço unitário, preço fixo, global ou Integral, para cobrir eventuais incertezas decorrentes de omissão de serviços, quantitativos irrealistas ou insuficientes, projetos mal feitos ou indefinidos, especificações deficientes, inexistência de sondagem do terreno, etc. Essa taxa é determinada em percentual sobre o custo direto da obra e depende de uma análise global do risco do empreendimento em termos orçamentários. 22

23 Lucro = Objetivo principal de um empreendimento Projeto!!! DEFINIÇÃO: Lucro ou margem é uma parcela destinada a remunerar, o custo de oportunidade do capital aplicado, capacidade administrativa, gerencial e tecnológico adquirida ao longo de anos de experiência no ramo, responsabilidade pela administração do contrato e condução da obra através da estrutura organizacional da empresa e investimentos na formação profissional do seu pessoal e criar a capacidade de reinvestir no próprio negócio. 23

24 Observar se os custos indiretos de produção são ou não considerados nos custos administrativo 24

25 25

26 26

27 27

28 Sinduscon-PR Limmer, Carl Vicente. Planejamento, Orçamentação e Controle de projetos e Obras. Rio de Janeiro: Livros Tecnicos e Científicos Editora S.A., Gasnier, Daniel G. Guia prático para gerenciamento de projetos. Manual de sobrevivência para os profissionais de projetos. 2ª. Edição. São Paulo: IMAM, Maximiano, Antonio Cesar Amaru. Adm. De projetos: Como transformar idéias em resultados. 2ª. Edição. São Paulo: Atlas, 2002 NBR12.721/

28/10/2015 AULA 4 BDI E PREÇO DE VENDA. CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Leonardo F. R. Miranda

28/10/2015 AULA 4 BDI E PREÇO DE VENDA. CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Leonardo F. R. Miranda AULA 4 BDI E PREÇO DE VENDA Leonardo F. R. Miranda 1 1 ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO ORÇAMENTO DE VENDA Determinação Conforme métodos orçamentários estudados 2 2 3 3 * Adotado. ** Itens que

Leia mais

AULA 4. CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Leonardo F. R. Miranda ENCARGOS SOCIAIS, BDI E PREÇO DE VENDA 1

AULA 4. CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Leonardo F. R. Miranda ENCARGOS SOCIAIS, BDI E PREÇO DE VENDA 1 AULA 4 Leonardo F. R. Miranda ENCARGOS SOCIAIS, BDI E PREÇO DE VENDA 1 4,5% Rogerio Lemos 2 * Adotado. ** Itens que devem ser calculados segundo critério de cada empresa. *** Conforme decreto 6727/09 que

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL IV FRENTE ORÇAMENTOS BDI E PREÇO DE VENDA

CONSTRUÇÃO CIVIL IV FRENTE ORÇAMENTOS BDI E PREÇO DE VENDA CONSTRUÇÃO CIVIL IV FRENTE ORÇAMENTOS Material baseado na aula do Profº. Rogério Lemos CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Leonardo F. R. Miranda BDI E PREÇO DE VENDA 1 MACRODIVISÃO DE UM ORÇAMENTO ORÇAMENTO

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS BDI Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. Definições BDI: Uma taxa que se adiciona ao custo de uma obra para cobrir as despesas indiretas que tem o construtor, mais

Leia mais

Elaborado por Renato Andrino Fanaya

Elaborado por Renato Andrino Fanaya ÍNDICES DE BDI EM VIGÊNCIA NO DMAE OBJETIVO Os índices abaixo descritos foram homologados pela Direção Geral após reunião com os representantes das diversas áreas do DMAE, tais como: COJ, SD, DVL, DVF,

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos International Cost Engeneering Council Estrutura Mundial da Engenharia de Custos Participação do IBEC O IBEC é membro do ICEC desde 1981. MEMBER Portanto o

Leia mais

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS ENTRADA DE DADOS - Convenção Coletiva de Trabalho 2013/2014 DATA BASE DA CATEGORIA: 01 de março I - REMUNERAÇÃO

Leia mais

ASPECTOS POLEMICOS DO BDI

ASPECTOS POLEMICOS DO BDI Eng. MAÇAHICO TISAKA AGOSTO 2017 ASPECTOS POLEMICOS DO BDI PROJETO DE NORMA TÉCNICA ABNT - NBR 16633/04 ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTO E FORMAÇÃO DE PREÇOS DE EMPREENDIMENTOS DE INFRAESTRUTURA Entra em vigor

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 Conceitos Introdutórios Receita produto da venda Gasto sacrifício financeiro Investimento gasto ativado em

Leia mais

Projeto de Lei Alterações Imposto de Renda. 06 de maio de 2016

Projeto de Lei Alterações Imposto de Renda. 06 de maio de 2016 1 Projeto de Lei Alterações Imposto de Renda 06 de maio de 2016 Correção na tabela do IRPF 2 Alteração em 5% da tabela progressiva mensal, nas deduções e limites de isenção Validade a partir de janeiro

Leia mais

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI

1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1- METODOLOGIA DE ORÇAMENTO DE OBRAS. NOVO CONCEITO PARA O BDI 1.1- INTRODUÇÃO Para a elaboração de orçamentos consistentes de serviços de engenharia, entende-se que algumas premissas devam prevalecer.

Leia mais

EIRELI SOCIEDADE EMPRESÁRIA

EIRELI SOCIEDADE EMPRESÁRIA MEI PESSOA FÍSICA RESP. ILIMITADA INDIVIDUAL EI PESSOA FÍSICA RESP. ILIMITADA ATIVIDADE EMPRESÁRIA EIRELI PESSOA JURÍDICA Art. RESP LIMITADA COLETIVA SOCIEDADE EMPRESÁRIA PESSOA JURÍDICA Art. 44 RESP LIMITADA

Leia mais

Trabalho Semestral 18/05/2018. Orientações: Construção Civil 2. Obs: Vedações: Planta das primeira e segunda fiadas.

Trabalho Semestral 18/05/2018. Orientações: Construção Civil 2. Obs: Vedações: Planta das primeira e segunda fiadas. Trabalho Semestral Construção Civil 2 Orientações: Grupo de 4 a 5 alunos; Planta baixa de um sobrado de no mínimo 100m²; Projeto executivo em alvenaria estrutural de cada item da casa (em relação ao que

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA

PLANO DE NEGÓCIOS. Plano de Negócios Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA PLANO DE NEGÓCIOS "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA Março/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores 1.3 Empreendimento

Leia mais

Mini Currículo do professor

Mini Currículo do professor PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO Profº. Arnóbio N. Araujo Durães Outubro/2018 Aula 2/2 Mini Currículo do professor Arnóbio Neto Araújo Durães Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica, Pós-Graduado

Leia mais

MATERIAL DE APOIO À CONSULTA PÚBLICA DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

MATERIAL DE APOIO À CONSULTA PÚBLICA DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS MATERIAL DE APOIO À CONSULTA PÚBLICA DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO 08 - MINUTA DO CONTRATO DE LOCAÇÃO DE EDIFICAÇÃO COM CONSTRUÇÃO AJUSTADA (BUILT TO SUIT) 1/7 SUMÁRIO 1. PREMISSAS...

Leia mais

CONTABILIDADE EM TEMPO REAL

CONTABILIDADE EM TEMPO REAL CONTABILIDADE EM TEMPO REAL A EMPRESA A SINC CONTABILIDADE é uma organização especialista em assessoria nas áreas: CONTÁBIL, FISCAL, SOCIETÁRIA e TRABALHISTA. Contamos com uma equipe de profissionais qualificados

Leia mais

A Importância do Projeto de Engenharia e A Fase Atual do BDI nas Licitações Públicas

A Importância do Projeto de Engenharia e A Fase Atual do BDI nas Licitações Públicas ARTIGO A Importância do Projeto de Engenharia e A Fase Atual do nas Licitações Públicas Paulo Roberto Vilela Dias A adequada fixação do Preço de Referência de uma licitação pública e, via de consequência,

Leia mais

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Roteiro Distorções do Sistema Tributário 2 Carga Tributária

Leia mais

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Roteiro Distorções do Sistema Tributário 2 Carga Tributária

Leia mais

BDI Benefício e Despesas Indiretas em Obras e Serviços de Engenharia: uma revisão

BDI Benefício e Despesas Indiretas em Obras e Serviços de Engenharia: uma revisão BDI Benefício e Despesas Indiretas em Obras e Serviços de Engenharia: uma revisão Orçamento: Fatores determinantes na elaboração de um orçamento: Localização, porte e características especiais da obra

Leia mais

Tema Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição

Tema Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição Tema Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição Projeto Curso Disciplina Tema Professor(a) Pós-Graduação Engenharia da Produção Custos Industriais Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição Luizete Fabris

Leia mais

CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR. Parâmetros

CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR. Parâmetros CONFIGURAçÃO E GERAÇÃO DO LALUR Parâmetros *O campo Limite para compensação de prejuízos anteriores, é utilizado pelas empresas que em um determinado período de apuração, obtiveram prejuízo, e sobre esse

Leia mais

DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA DEPARTAMENTO DE CONSTRUC A O CIVIL GERENCIAMENTO DE PROJETOS

DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA DEPARTAMENTO DE CONSTRUC A O CIVIL GERENCIAMENTO DE PROJETOS SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL GESTÃO DE CUSTOS Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2018 2 Custo Valor dos bens e serviços consumidos na produção de

Leia mais

Simples Nacional: Saiba quais suas implicações e benefícios para a advocacia.

Simples Nacional: Saiba quais suas implicações e benefícios para a advocacia. Simples Nacional: Saiba quais suas implicações e benefícios para a advocacia. A Lei Complementar nº 147, de 8 de agosto 2014, incluiu a advocacia no SIMPLES após inovações de diversos pontos na Lei Complementar

Leia mais

Reunião 9. O Plano Financeiro

Reunião 9. O Plano Financeiro Reunião 9 O Plano Financeiro Pauta O que é um plano financeiro? Como construir um plano financeiro? Plano Financeiro Investimento inicial Projeções Demonstrativo de Resultados Fluxo de Caixa Análise financeira

Leia mais

PONTO SEIS O REGIME JURÍDICO DA EMPRESA

PONTO SEIS O REGIME JURÍDICO DA EMPRESA PONTO SEIS O REGIME JURÍDICO DA EMPRESA SOCIEDADES NÃO PERSONALIZADAS SOCIEDADE EM COMUM SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO PERSONALIZADAS SIMPLES SOCIEDADE SIMPLES SOCIEDADE COOPERATIVA EMPRESÁRIAS SOCIEDADE

Leia mais

Custos, Despesas e Resultado Financeiro

Custos, Despesas e Resultado Financeiro Custos, Despesas e Resultado Financeiro 2015 Custos 1 - Custos dos serviços prestados 1.1. Fios Folha de Pagamento dos empregados dos serviços 1, 2 e 3 Treinamento dos empregados dos serviços 1, 2 e 3

Leia mais

Cálculos Simples Nacional

Cálculos Simples Nacional Cálculos Simples Nacional VIGÊNCIA 2018 Finalizaremos o presente informativo, com alguns cálculos comparativos do Simples Nacional, comparando-se o modelo vigente até 31.12.2017, com o próximo de 2018,

Leia mais

Curitiba, 15 de Março de 2016

Curitiba, 15 de Março de 2016 Curitiba, 15 de Março de 2016 1 PROGRAMAÇÃO DA AULA 1ª PARTE: PROFESSORA Teoria sobre Escopo Montagem de EAP 2 PROGRAMAÇÃO DA AULA 2ª PARTE: ALUNOS Montagem de Mapa Mental p/ criação de uma EAP 3 O que

Leia mais

PCC-3506 Planejamento e Custos de Construção. Custos Conceitos. Preço - BDI

PCC-3506 Planejamento e Custos de Construção. Custos Conceitos. Preço - BDI PCC-3506 Planejamento e Custos de Construção Custos Conceitos Preço - BDI Prof. Dr. Luiz Reynaldo A. Cardoso Básica Bibliografia MATTOS, A. D. Como preparar orçamentos de obras. São Paulo, PINI, 2007.

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL Unidade Orçamento Empresarial Valor: 1,0 /

ORÇAMENTO EMPRESARIAL Unidade Orçamento Empresarial Valor: 1,0 / 1. Orçamento de Vendas Elabore o Orçamento Empresarial da Empresa Tenho Dono S.A. A empresa Tenho Dono estima um volume de vendas de 5.000 unidades no primeiro mês, com um histórico de incremento de 500

Leia mais

BDI CRÍTICO: CRITÉRIO PARA INEXEQUIBILIDADE DE OBRAS PÚBLICAS

BDI CRÍTICO: CRITÉRIO PARA INEXEQUIBILIDADE DE OBRAS PÚBLICAS Encontro Técnico Nacional de Auditoria de Obras Públicas ENAOP - Palmas/TO, 202 BDI CRÍTICO: CRITÉRIO PARA INEXEQUIBILIDADE DE OBRAS PÚBLICAS Erieldon Bezerra Leão / Caixa Econômica Federal /erieldon@bol.com.br

Leia mais

Lite. Custos, Despesas e Resultado Financeiro

Lite. Custos, Despesas e Resultado Financeiro Lite Custos, Despesas e Resultado Financeiro 2015 Custos 1 - Custos dos serviços prestados 1.1. Fios Folha de Pagamento dos empregados dos serviços 1 e 2 Treinamento dos empregados dos serviços 1 e 2 Aluguel

Leia mais

Módulo 4. Formação do Preço de Venda. Unidade 1: Preço de venda pelo método do custeio direto. Unidade 2: Custo da matéria-prima ou produto vendido

Módulo 4. Formação do Preço de Venda. Unidade 1: Preço de venda pelo método do custeio direto. Unidade 2: Custo da matéria-prima ou produto vendido Módulo 4 Formação do Preço de Venda Unidade 1: Preço de venda pelo método do custeio direto Unidade 2: Custo da matéria-prima ou produto vendido 1 Unidade 1: Preço de venda pelo método do custeio direto

Leia mais

BALANCETE MENSAL Janeiro/2008. 0. SALDO INICIAL 21.166,00 1. Caixa 43,81 2. Bancos 21.122,19

BALANCETE MENSAL Janeiro/2008. 0. SALDO INICIAL 21.166,00 1. Caixa 43,81 2. Bancos 21.122,19 Janeiro/2008 0. SALDO INICIAL 21.166,00 1. Caixa 43,81 2. Bancos 21.122,19 1. RECEITAS 15.586,36 01. Receitas de Associados 6.350,56 01. Mensalidades de Associados 6.133,96 02. Mensalidades de CEDASC 216,60

Leia mais

Massa Falida da Varig Logística S.A.

Massa Falida da Varig Logística S.A. Anexo I Demonstrativo Consolidado 30/04/2017 Data Falência 27/09/2012 Dias Transcorridos - ( 4 anos, 7 meses e 3 dias) 1.653 Quantidade Valores em R$ mil Part. % Passivos 1.593 554.460 198,22% 1. Créditos

Leia mais

MÉTODO QUANTITATIVO COMPOSIÇÕES DE PREÇOS UNITÁRIOS (CPU) Professores : Leonardo Miranda e Barbara V. Bôas

MÉTODO QUANTITATIVO COMPOSIÇÕES DE PREÇOS UNITÁRIOS (CPU) Professores : Leonardo Miranda e Barbara V. Bôas MÉTODO QUANTITATIVO COMPOSIÇÕES DE PREÇOS UNITÁRIOS (CPU) Professores : Leonardo Miranda e Barbara V. Bôas 1 CPU : COMPOSIÇÃO DE PREÇO UNITÁRIO 2 Lista de todos os insumos que entram na execução do serviço,

Leia mais

Boletim Mensal - Dezembro/2015

Boletim Mensal - Dezembro/2015 Boletim Mensal - Dezembro/2015 Fiscal Contábil RH Notícias Calendário Obrigações Fiscal Receita abre consulta ao último lote de restituição do IR. Para fazer a consulta, o contribuinte deve acessar a página

Leia mais

Incidência do IRPJ, CSLL, PIS-Cofins sobre créditos presumidos de ICMS e de IPI: disciplina legal e entendimento jurisprudencial.

Incidência do IRPJ, CSLL, PIS-Cofins sobre créditos presumidos de ICMS e de IPI: disciplina legal e entendimento jurisprudencial. Incidência do IRPJ, CSLL, PIS-Cofins sobre créditos presumidos de ICMS e de IPI: disciplina legal e entendimento jurisprudencial Solon Sehn CRÉDITOS PRESUMIDOS DE PIS/COFINS E DE IPI PARA FINS DE INCENTIVO

Leia mais

Auxiliar empresários dos mais variados segmentos a encontrar soluções para gerir seus negócios nas áreas administrativa, financeira e de custos.

Auxiliar empresários dos mais variados segmentos a encontrar soluções para gerir seus negócios nas áreas administrativa, financeira e de custos. NOSSO OBJETIVO Auxiliar empresários dos mais variados segmentos a encontrar soluções para gerir seus negócios nas áreas administrativa, financeira e de custos. CONSULTORIA EMPRESARIAL Assessoria Quando

Leia mais

Destina-se ao fornecimento de dados pessoais do proponente e de suas atribuições no projeto proposto.

Destina-se ao fornecimento de dados pessoais do proponente e de suas atribuições no projeto proposto. Introdução INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO Este é um plano de negócio simplificado com o objetivo exclusivo de permitir a avaliação de projetos para incubação. Procure ser objetivo e coerente

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CÂMARA N. 125/2015 EMENDA MODIFICATIVA N

PROJETO DE LEI DA CÂMARA N. 125/2015 EMENDA MODIFICATIVA N PROJETO DE LEI DA CÂMARA N. 125/2015 EMENDA MODIFICATIVA N O caput e 1º a 3º do artigo 18 e os Anexos I a V da Lei Complementar nº 123, de 2006, na forma prevista no art. 1º e Anexos I a VI do PLC 125/2015,

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

Massa Falida da Varig Logística S.A.

Massa Falida da Varig Logística S.A. Anexo I Demonstrativo Consolidado 31/05/2017 Data Falência 27/09/2012 Dias Transcorridos - ( 4 anos, 8 meses e 4 dias) 1.683 Quantidade Valores em R$ mil Part. % Passivos 1.601 555.562 198,23% 1. Créditos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS SABOARIA ARTESANAL "SABOARIA ARTESANAL" Empreendedor(a): SHISMEXSANDRO CAETANO DA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS SABOARIA ARTESANAL SABOARIA ARTESANAL Empreendedor(a): SHISMEXSANDRO CAETANO DA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS SABOARIA ARTESANAL "SABOARIA ARTESANAL" Empreendedor(a): SHISMEXSANDRO CAETANO DA SILVA Maio/2016 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PARANÁ EFMP

COLÉGIO ESTADUAL PARANÁ EFMP COLÉGIO ESTADUAL PARANÁ EFMP Prof. Adm. Ademir Antonio Saravalli Alunos (as): LOANDA/PR 2009 1. SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 - Descrição do Projeto Lucratividade: Rentabilidade: Prazo de Retorno: Ponto de Equilíbrio:

Leia mais

OS IMPACTOS DOS REGIMES TRIBUTÁRIOS SOBRE O RESULTADO DOS EXERCÍCIOS

OS IMPACTOS DOS REGIMES TRIBUTÁRIOS SOBRE O RESULTADO DOS EXERCÍCIOS OS IMPACTOS DOS REGIMES TRIBUTÁRIOS SOBRE O RESULTADO DOS EXERCÍCIOS Edilson Cardoso de SOUZA 1 RESUMO: O presente artigo discorre sobre os impactos causados pelos regimes tributários sobre os resultados

Leia mais

Massa Falida da Varig Logística S.A.

Massa Falida da Varig Logística S.A. Anexo I Demonstrativo Consolidado 28/02/2017 DATA FALÊNCIA 27/09/2012 DIAS TRANSCORRIDOS - ( 4 anos, 5 meses e 1 dia) 1.593 Quantidade Valores em R$ mil Part. % PASSIVOS 1.592 546.341 198,19% 1. Créditos

Leia mais

CÁLCULO DA TAXA DO BDI BENEFÍCIO E DESPESAS INDIRETAS

CÁLCULO DA TAXA DO BDI BENEFÍCIO E DESPESAS INDIRETAS Eng. Maçahico Tisaka PRELIMINARES Quando é solicitado a um profissional ou a uma empresa construtora orçamento para a execução de obra, seja residencial, comercial ou industrial, a primeira providência

Leia mais

Gestão Financeira: Conhecimento e Aplicação nas Micro e Pequenas Empresas de Francisco Beltrão

Gestão Financeira: Conhecimento e Aplicação nas Micro e Pequenas Empresas de Francisco Beltrão 1 Gestão Financeira: Conhecimento e Aplicação nas Micro e Pequenas Empresas de Francisco Beltrão Márcia Bonifácio Stooc 1 Edson Santos Melo 2 Marta Paiz 3 Área de conhecimento: Administração. Eixo Temático:

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO FINANÇAS E CONTROLADORIA

PÓS GRADUAÇÃO FINANÇAS E CONTROLADORIA PÓS GRADUAÇÃO FINANÇAS E CONTROLADORIA Prof Arnóbio Durães Novembro/2018 Aula 3/3 ArnóbioNeto Araújo Durães Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica, Pós-Graduado em Contabilidade Avançada,

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO FINANÇAS E CONTROLADORIA

PÓS GRADUAÇÃO FINANÇAS E CONTROLADORIA PÓS GRADUAÇÃO FINANÇAS E CONTROLADORIA Junho/2018 1 PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS E CONTROLADORIA ANÁLISE DE TRIBUTO E FORMAÇÃO DE PREÇO Prof. Arnóbio Durães Junho / 2018 2 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Geral: Expor

Leia mais

O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Instituído pela Constituição Federal de 1988. Prevê competências tributárias distintas para cada uma das pessoas políticas: UNIÃO, ESTADOS e MUNICÍPIOS. Cria grande complexidade,

Leia mais

Acer Consultores em Imóveis S/A

Acer Consultores em Imóveis S/A Acer Consultores em Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e 31 de Dezembro de 2006 e 2005 Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

A DEFASAGEM NA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA

A DEFASAGEM NA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA A DEFASAGEM NA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. Marco Legal Vigente Em 25 de março de 2011 o Governo Federal editou a MP 528 que foi convertida na Lei nº 12.469, de 26 de agosto

Leia mais

CARTILHA NACIONAL SIMPLES. Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa.

CARTILHA NACIONAL SIMPLES. Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa. CARTILHA NACIONAL SIMPLES Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa. O que é Simples Nacional? Como enquadro minha empresa no Nacional Simples? O Simples Nacional é um regime tributário

Leia mais

Guia de. Tributação GUIA DA FARMÁCIA

Guia de. Tributação GUIA DA FARMÁCIA Guia de Tributação A tributação tem sido um campo não muito amigável de muitos empresários no Brasil, mas é preciso dominar o assunto, para que a saúde do negócio não fique comprometida. Veja a seguir

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll! Investimento pré-operacional! Investimento em giro! Liberação do investimento em giro! Sunk Cost Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Custos Industriais. Fixação do preço de venda. Fixação do preço de venda. Fixação do preço de venda e decisão sobre compra ou produção

Custos Industriais. Fixação do preço de venda. Fixação do preço de venda. Fixação do preço de venda e decisão sobre compra ou produção Custos Industriais e decisão sobre compra ou produção Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Os preços podem ser fixados segundo três critérios: Com base nos custos; Com base no mercado; Com base em uma combinação

Leia mais

FECG-SP GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO

FECG-SP GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO FECG-SP GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 2016 PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 GESTÃO DE CUSTOS 4 2.1 Terminologia Usual 4 2.2 Classificação dos custos

Leia mais

Boa noite! Flavio Dondoni Junior.

Boa noite! Flavio Dondoni Junior. Boa noite! Boa noite! Flavio Dondoni Junior. Qual o melhor modelo tributário para minha empresa? Simples Nacional? Limitada (LTDA)? Microempresa? EIRELI? Lucro Real? Individual? Lucro Presumido? Empresa

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS LUCRO PRESUMIDO. 1) Com base nos conteúdos estudados calcule o IRPJ e CSLL, com base no Lucro Presumido Abaixo:

ATIVIDADES PRÁTICAS LUCRO PRESUMIDO. 1) Com base nos conteúdos estudados calcule o IRPJ e CSLL, com base no Lucro Presumido Abaixo: CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO SEMESTRE: 2017 PERÍODO: 6 DATA: 08/11/2017 PROFESSOR: DANILO SILVA DE OLIVEIRA ACADÊMICO (A): ATIVIDADES PRÁTICAS LUCRO PRESUMIDO

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. Tributos Federais IRPJ Parte X. Prof. Marcello Leal

DIREITO TRIBUTÁRIO. Tributos Federais IRPJ Parte X. Prof. Marcello Leal DIREITO TRIBUTÁRIO Tributos Federais IRPJ Parte X Prof. Marcello Leal 1 Art. 1º A partir do ano-calendário de 1997, o imposto de renda das pessoas jurídicas será determinado com base no lucro real, presumido,

Leia mais

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS - PARTE I! Imposto de Renda! Lucro Presumido! Lucro Arbitrado! Lucro Real por apuração mensal! COFINS Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL As empresas tributadas pelo lucro real, que optaram pela apuração anual, deverão recolher mensalmente antecipações de IRPJ e CSLL com base em lucro estimado

Leia mais

Abri minha empresa. E agora?

Abri minha empresa. E agora? M I C R O E M P R E E N D E D O R Abri minha empresa. E agora? M I C R O E M P R E E N D E D O R Acabou de abrir sua empresa e ainda está um pouco perdido com as rotinas do dia a dia de um microempresário?

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO. Talita Caetano da Silva Vanessa Barros Bregantin

FORMAÇÃO DE PREÇO. Talita Caetano da Silva Vanessa Barros Bregantin FORMAÇÃO DE PREÇO Talita Caetano da Silva Vanessa Barros Bregantin SUMÁRIO 1. Introdução 2. Formação de preço baseado em custo. 3. Formação de preço baseado em mercado. 3.1 Alguns métodos de formação de

Leia mais

Custos, Despesas e Resultado Financeiro

Custos, Despesas e Resultado Financeiro Custos, e Resultado Financeiro 2015 1 - Custos das Mercadorias Vendidas (CMV) 2 - de Vendas Custos e 2.1. Fias Salário dos vendedores Treinamento dos vendedores Salários dos empregados operacionais Treinamento

Leia mais

Instituto Acende Brasil

Instituto Acende Brasil www.pwc.com Instituto Acende Brasil Estudo sobre a Carga Tributária & Encargos do setor elétrico brasileiro ano base 2014 Dezembro 2015 Sumário Item Descrição Página - Sumário Executivo 3 1. O setor 4

Leia mais

Fluxo de caixa, valor presente líquido e taxa interna de retorno 1

Fluxo de caixa, valor presente líquido e taxa interna de retorno 1 Fluxo de caixa, valor presente líquido e taxa interna de retorno 1 Métodos de análise de investimentos Os chamados métodos exatos são os mais aceitos no mercado para avaliar investimentos. Serão analisados

Leia mais

ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO

ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO ANEXO 4.1 MODELO DE DECLARAÇÃO DE PROPOSTA DE DESCONTO À Secretaria Municipal de Obras, Infraestrutura e Transporte do Município de São Mateus Comissão Especial de Licitação Ref. Concorrência nº 002/2016

Leia mais

Conversão de transações e demonstrações em moeda estrangeira.

Conversão de transações e demonstrações em moeda estrangeira. Aula 2 CONVERSÃO EM MOEDA ESTRANGEIRA CPC 02 PRÁTICAS CONTÁBEIS Profº Dr. José Carlos Marion MARION, J. Carlos Contabilidade Empresarial. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2003. 18/08/2013 1 Conversão em Moeda

Leia mais

AULA 3 RATEIO dos GASTOS GERAIS de FABRICAÇÃO. TECNOLÓGICOS FUNDAMENTOS de CUSTOS Prof. LUIZ JANUÁRIO 1/23

AULA 3 RATEIO dos GASTOS GERAIS de FABRICAÇÃO. TECNOLÓGICOS FUNDAMENTOS de CUSTOS Prof. LUIZ JANUÁRIO 1/23 AULA 3 RATEIO dos GASTOS GERAIS de FABRICAÇÃO TECNOLÓGICOS FUNDAMENTOS de CUSTOS Prof LUIZ JANUÁRIO 1/23 Rateio dos GGF (Gastos Gerais de Fabricação) Centros de Custos: Administrativos (Despesas ) Apoio

Leia mais

Estudo regime tributário Empresas de Arquitetura e Urbanismo

Estudo regime tributário Empresas de Arquitetura e Urbanismo www.caubr.gov.br Estudo regime tributário Empresas de Arquitetura e Urbanismo Histórico A Lei Complementar nº 147, de 7 de agosto de 2014, alterou a Lei Complementar nº 123, de 2006,que institui o Estatuto

Leia mais

Mini Currículo do professor

Mini Currículo do professor Mini Currículo do professor ArnóbioNeto Araújo Durães Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica, Pós-Graduado em Contabilidade Avançada, Gerência Financeira e Auditoria/Controladoria, Bacharel

Leia mais

D C T F MENSAL - 2.4

D C T F MENSAL - 2.4 CNPJ: 43.018.225/0001-88 Mês/Ano: DEZ 2012 Dados Iniciais Período: 01/12/2012 a 31/12/2012 Declaração Retificadora: NÃO Situação: Normal Meses com ausência de débito a declarar: Qualificação da Pessoa

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 3/2009 SCI ATUALIZADA EM 18/03/2010 Brasília, 19 de agosto de 2009.

NOTA TÉCNICA Nº 3/2009 SCI ATUALIZADA EM 18/03/2010 Brasília, 19 de agosto de 2009. NOTA TÉCNICA Nº 3/2009 SCI ATUALIZADA EM 18/03/2010 Brasília, 19 de agosto de 2009. Assunto: definição de limites para Bonificações e Despesas Indiretas - BDI diferenciados para materiais, serviços e equipamentos

Leia mais

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS

REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA I ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGIMES CONTÁBEIS RECEITAS E DESPESAS Prof. Emanoel Truta ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Os Elementos das Demonstrações Contábeis

Leia mais

Prof. Marcos Roberto Rosa

Prof. Marcos Roberto Rosa Prof. Marcos Roberto Rosa marcosrrosa@gmail.com (48) 9941-4114 Aula 08 - Formação de Preços Mark-ups Efeito dos Tributos sobre Custos e Preços Aspectos Quantitativos Aspectos Qualitativos Mark-ups Conceitos:

Leia mais

TABELA DO SIMPLES NACIONAL. ANEXO IV (Vigência a Partir de 01.01.2012)

TABELA DO SIMPLES NACIONAL. ANEXO IV (Vigência a Partir de 01.01.2012) TABELA DO SIMPLES NACIONAL ANEXO IV (Vigência a Partir de 01.01.2012) Alíquotas e Partilha do Simples Nacional - Receitas decorrentes da prestação de serviços Receita Bruta em 12 meses (em R$) Alíquota

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara X DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2017 Questões de Contabilidade Internacional Prof. Oscar Scherer QUESTÃO 01 Uma Sociedade Empresária, no seu Balanço Patrimonial em 1º.1.2016, possui

Leia mais

Massa Falida da Varig Logística S.A.

Massa Falida da Varig Logística S.A. Anexo I Demonstrativo Consolidado 31/01/2017 DATA FALÊNCIA 27/09/2012 DIAS TRANSCORRIDOS - ( 4 anos, 4 meses e 4 dias) 1.563 Quantidade Valores em R$ mil Part. % PASSIVOS 808 579.456 198,46% 1. Créditos

Leia mais

AS DESVANTAGENS DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL NÃO LEGALIZADO

AS DESVANTAGENS DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL NÃO LEGALIZADO AS DESVANTAGENS DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL NÃO LEGALIZADO Eduardo Pimenta BERNARDES 1 ¹ Nathalia de Mello MENDONÇA ² Everson José JUAREZ ³ RESUMO: O presente trabalho enfoca a problemática existente

Leia mais

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho pedro.carvalho@fmu.br Finanças para Empreendedores Prof. Simulação de um orçamento para o fornecimento de materiais e serviços para uma rede LAN, em uma empresa.

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-08/irpj_consorcio_empresas.php Page 1 of 5 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA CONSÓRCIO DE EMPRESAS Considerações Gerais 1. INTRODUÇÃO 2. PROIBIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DE CONSÓRCIOS 3. PERSONALIDADE JURÍDICA E RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

Leia mais

Alíquotas e Partilha do Simples Nacional - Receitas decorrentes da prestação de serviços

Alíquotas e Partilha do Simples Nacional - Receitas decorrentes da prestação de serviços Tabela V - Simples Nacional 2012 Receitas decorrentes da prestação de serviços - S & W Contabilidade TABELA DO SIMPLES NACIONAL ANEXO V (Vigência a Partir de 01.01.2012) Alíquotas e Partilha do Simples

Leia mais

GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Silvério das Neves Graduado em Contabilidade e Administração pela Universidade Mackenzie. MBA Executivo em Gestão de Negócios pelo INPG. Participou da

Leia mais

EAC 0111 Fundamentos de Contabilidade

EAC 0111 Fundamentos de Contabilidade EAC 0111 Fundamentos de Contabilidade Prof. Jerônimo Antunes DEFINIÇÃO Demonstração contábil que evidencia, o valor e a composição da riqueza criada (ou gerada) pela entidade, bem como a maneira como foi

Leia mais

BB Crédito Imobiliário

BB Crédito Imobiliário Selecione a Linha de Crédito Aquisição PF PMCMV Aquisição PF PMCMV Convênios Aquisição PF FGTS Pró-Cotista Aquisição FGTS PF Aquisição PF FGTS Convênios Dados da Agência acolhedora / condutora da Operação

Leia mais

A LÓGICA ECONÔMICA APLICADA NO REAJUSTE DE PREÇOS DE PRODUTOS E SERVIÇOS

A LÓGICA ECONÔMICA APLICADA NO REAJUSTE DE PREÇOS DE PRODUTOS E SERVIÇOS A LÓGICA ECONÔMICA APLICADA NO REAJUSTE DE PREÇOS DE PRODUTOS E SERVIÇOS! Margem de contribuição ou de lucro! Em valor ou em percentual Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

ATIVIDADE 05 CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO (RESPOSTAS)

ATIVIDADE 05 CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO (RESPOSTAS) ATIVIDADE 05 CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO (RESPOSTAS) 1. Determinada empresa apurou prejuízo fiscal de R$ 360.000,00 no ano de 2012. Em 2013, obteve um resultado positivo no valor de R$ 850.000,00,

Leia mais

Consultoria tributária

Consultoria tributária Consultoria tributária Cliente: GIZ German Cooperation Elaborado por: Adriano Gonçalves Daniela Moreira Agosto/2015 Sumário 1. Introdução 3 2. Desenvolvimento 5 3. Planejamento Tributário 6 3.1-1º Cenário:

Leia mais

FECG-SP. Curso de Gestão Financeira E Orçamentária PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO

FECG-SP. Curso de Gestão Financeira E Orçamentária PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO FECG-SP Curso de Gestão Financeira E Orçamentária 2016 PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. CUSTEIO POR ABSORÇÃO 5 3. CUSTEIO VARIÁVEL 4. BIBLIOGRAFIA 7 8 5. SLIDES 9 2 CURSO

Leia mais

AULA 6 Marketing de Serviços

AULA 6 Marketing de Serviços AULA 6 Marketing de Serviços Por que a estratégia de determinação de preços de serviços é diferente (e difícil)? Não existe propriedade de serviços: é difícil para as empresas calcular os custos financeiros

Leia mais

ANEXO III LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS OBSERVAÇÕES QUANTO À LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS:

ANEXO III LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS OBSERVAÇÕES QUANTO À LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS: ANEXO III LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS OBSERVAÇÕES QUANTO À LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS: Esta listagem estruturada de contas é de caráter meramente didático e tem por

Leia mais

ANEXO IV LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS OBSERVAÇÕES QUANTO À LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS:

ANEXO IV LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS OBSERVAÇÕES QUANTO À LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS: ANEXO IV LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS OBSERVAÇÕES QUANTO À LISTAGEM ESTRUTURADA DE CONTAS: Esta listagem estruturada de contas é de caráter meramente didático e tem por

Leia mais

O Custo Tributário e seu Impacto no Fluxo de Caixa das Empresas de Pequeno Porte

O Custo Tributário e seu Impacto no Fluxo de Caixa das Empresas de Pequeno Porte O Custo Tributário e seu Impacto no Fluxo de Caixa das Empresas de Pequeno Porte Luiz Antônio Abrantes Jailson Oliveira Arieira Sérgio Reis Andrade Resumo: Pretendeu-se, com este estudo, analisar o impacto

Leia mais