De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que:"

Transcrição

1 De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que: Sou conferencista eventual para Aché, Bayer, GSK, Libbs, MSD, TEVA Participo de estudo clínico subvencionado pelos Laboratórios Libbs Faço parte de Comitê Consultivo para o website medicalservices.com.br mantido por Sanofi-Aventis Não tenho participação societária em indústria farmacêutica, de equipamentos médicos ou relacionados

2 Luciano de Melo Pompei

3 Primeiro relato de caso: 1961 Mestranol 100 µg + Noretinodrel 5 mg Enfermeira TEP Jordan. Lancet 1961;2:1146

4 Lesão vascular Estase Hiperco agulabili ade Trombose

5 Frag. 1+2 Protrombina Fator VII Fator VIII Fator X Fibrinogênio Resistência à Proteína C ativada Proteína S Antitrombina III Blanco-Molina Á. Thromb Res. 2012;130(Suppl 1):S16-8

6 Dose de etinil-estradiol (mcg) Quantidade de EE ANO

7 Incidência por mulheres-anos Godsland et al. Drugs 2000;60(4):721

8 Incidência por por ano 40 RR=12 RR~ RR= RR~3, RR=1 5 0 Speroff & Fritz. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2005

9 Incidência por por ano 400 RR= RR= RR=1 RR=8 RR=12 RR~3,5 RR~7 0 Speroff & Fritz. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2005

10

11 1 em 100 pessoas ao ano Ou 100 em ,01 em 100 pessoas ao ano Ou 1 em RR=1,2 20 casos extras em 10 mil 7 casos extras em 10 mil RR=8,0 1,2 em 100 pessoas ao ano Ou 120 em ,08 em 100 pessoas ao ano Ou 8 em

12

13 Risco Relativo de TEV (ajustado) ª Geração (DSG/GST) 2ª Geração (LNG) Duração do uso (anos) Suissa et al. Contraception 1997; 56:141

14 Risco Relativo 8 Sem diferença entre si Sem diferença entre si, exceto EE+DSG Até 1 ano 1-4 anos >4 anos EE+LNG EE+GSD EE+DSG EE+ACP EE+DRSP Não-usuária (EE: g) Lidegaard Ø et al. BMJ. 2009;339:b2890. doi: /bmj.b2890.

15 Taxa de TEV por Transdérmico AHCO (EE35+NGT) Jick et al. Contraception. 2006;73:223-8.

16 TEV / mulheres-anos 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 N= mulheres-anos Lidegaard Ø et al. BMJ. 2012;344:e2990. doi: /bmj.e2990

17 TEV / mulheres-anos 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0 N= mulheres-anos Lidegaard Ø et al. BMJ. 2011;343:d6423. doi: /bmj.d6423

18

19 Risco Relativo 1,4 1,2 1,0 N= Ou mulheres-anos LNG+EE 0,8 0,6 DRSP Outros 0,4 0,2 TE TEV TEA Óbito Nenhuma diferença com significância estatística Dinger JC et al. Contraception 2007; 75:344-54

20 1 Dinger, et al. Contraception 2007;75(5):344 54; 2 Seeger, et al. Obstet Gynecol 2007;110(3):587 93; 3 Lidegaard, et al. BMJ 2009;339b2890; 4 Dinger, et al. J Fam Plann Reprod Health Care 2010;36(3): ; 5 van Hylckama Vlieg, et al. BMJ 2009;339b2921

21 Estudo Nível de Evidência RR (DRSP/LNG) IC EURAS 2 1,00 (0,60-1,80) INGENIX 2 0,90 (0,40-1,90) LASS 2 0,66 (0,56-0,78) INAS-OC 2 1,10 (0,60-1,90) BMJ (americano) BMJ (inglês) BMJ (Liedegaard) 3 2,30 (1,60-3,20) 3 3,30 (1,40-7,60) 3 1,73 (1,24-2,40)

22

23

24 Parke et al. Hum Reprod 2008;23(Suppl.1):i78 9 Parke et al. Obstet Gynecol 2008;111(4Suppl.):12 13S

25 Risco Relativo N=1.173 Primeira Segunda Terceira Todos Geração do AHCO Primeira: Linestrenol ou Noretindrona Segunda: Levonorgestrel Terceira: Desogestrel ou Gestodeno Tanis et al. NEJM 345:1787, 2001

26

27 Publicações Manuais

28 Classificação das condições Com julgamento médico Método usado sem restrição Método geralmente usado (maiores cuidados) Método geralmente não recomendado Método não usado Com julgamento de profissional de saúde não médico Sim Sim Não Não

29 Condição COC AHCI (IM) AT/A V PP IT AMP D Impl ante TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) / EMBOLIA PULMONAR (TEP) DIU- Cu DIU- LNG Antecedente de TVP TVP/TEP atual TVP/TEP atual c/ terap. anticoagulante Cirurgias de grande porte (i) Com imbobilização prolongada (ii) Sem imobilização Cirurgia menor, sem imobilização

30 Condição Parentes de 1º grau com TVP/EP COC AHCI (IM) AT/A V PP IT AMP D Impl ante DIU- Cu DIU- LNG MUTAÇÕES TROMBOGÊNICAS CONHECIDAS Fator V de Leiden, mutação de protrombina, def. prot. S, prot. C e antitrombina TROMBOSE VENOSA SUPERFICIAL Veias varicosas Tromboflebite superficial

31

32 Deficiência Antitrombina III Deficiência de Proteína S Deficiência de Proteína C Homozigose Fator V Leiden Homozigose Mut. G20210A Protrombina Heterozigose Fator V Leiden Heterozigose Mut. G20210A Protrombina Altos níveis de F.VIII Blanco-Molina Á. Thromb Res. 2012;130(Suppl 1):S16-8

33 4,5% 4,30% 4,0% 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% 0,02% 0,50% Geral Trombofilia leve Trombofilia intensa Blanco-Molina Á. Thromb Res. 2012;130(Suppl 1):S16-8

34 Fator V de Leiden Mutação do gene da protrombina Deficiência de proteína C Deficiência de proteína S Deficiência de antitrombina III Fator VIIIc elevado Hiperhomocisteinemia 3-7% na pop. geral 3% na pop. geral <1% na pop. geral Blickstein D & Blickstein I. Curr Opin Obstet Gynecol. 2007;19(4):370-6

35 Idade Síndrome antifosfolípides Doenças mieloproliferativas Malignidades Quimioterapia Síndrome nefrótica Cirurgias Imobilização Tabagismo

36 Custo muito elevado UK R$ para evitar 1 desfecho grave Rastrear quase 500 mil mulheres antes de iniciar COC para evitar 1 morte por TEP Estresse psicológico de saber-se portadora de uma trombofilia 40% das positivas nunca desenvolverão um episódio de TVP Mesmo que negativo, não há segurança absoluta

37 Teste Fator V Leiden Mutação G20210A da protrombina Custo R$ 523,64 Homocisteína R$ 233,20 Antitrombina III R$ 261,82 Proteína C funcional R$ 398,00 Proteína S livre R$ 447,32 TOTAL R$ 1863,98 Pesquisa realizada em 20/04/2013

38 Antecedente pessoal de TVP Mas pela OMS, esse antecedente já contra-indica métodos combinados Antecedente familiar Parentes de primeiro grau com TVP em idade jovem Resultados gestacionais adversos Blickstein D & Blickstein I. Curr Opin Obstet Gynecol. 2007;19(4):370-6 Lindhoff-Last E & Luxembourg B. Vasa. 2008;37(1):19-30

39 COC aumenta o risco de TVP/TEP As taxas absolutas de TVP/TEP em mulheres saudáveis em idade fértil são baixas Em mulheres sob maior risco ou com antecedente pessoal de TVP/TEP, os métodos combinados não são recomendados e a escolha deve ser por métodos de progestagênio ou DIUs As diretrizes não têm recomendado o rastreamento de trombofilias em mulheres saudáveis antes da prescrição de anticoncepcionais combinados

Simpósio Coração da Mulher: Antigo Desafio, Novos Conhecimentos. Anticoncepção. Nilson Roberto de Melo

Simpósio Coração da Mulher: Antigo Desafio, Novos Conhecimentos. Anticoncepção. Nilson Roberto de Melo Simpósio Coração da Mulher: Antigo Desafio, Novos Conhecimentos Anticoncepção Nilson Roberto de Melo Critérios Médicos de Elegibilidade para Métodos Anticoncepcionais (OMS) 3 4 Condição sem restrição para

Leia mais

Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV)

Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV) Tratamento anticoagulante a longo prazo do tromboembolismo venoso (TEV) Vânia Maris Morelli Disciplina de Hematologia e Hemoterapia Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP TEV (TVP MI e EP) ~7 dias

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU Salvador, 13 de abril de 2015 OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: 3 a promotoria de Justiça de Dias D'Àvila / Dispensação

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA TROMBOSE VENOSA PROFUNDA ARMANDO MANSILHA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO IMPORTÂNCIA DA DOENÇA < 5 casos / 100.000 / ano < 15 anos 500 casos / 100.000 / ano 80 anos Maior incidência nas

Leia mais

Anexo II. Conclusões científicas e fundamentos para a recusa apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos

Anexo II. Conclusões científicas e fundamentos para a recusa apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a recusa apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos 5 Conclusões científicas Resumo da avaliação científica do Etinilestradiol-Drospirenona 24+4

Leia mais

Progestágenos na anticoncepção: Desogestrel e Levonorgestrel

Progestágenos na anticoncepção: Desogestrel e Levonorgestrel PRO MATRE Progestágenos na anticoncepção: Desogestrel e Levonorgestrel Isabel L.A.Corrêa FARMACOLOGIA CLÍNICA Derivados da 19 Nortestosterona 1ª geração - NORENTINODREL 2ª geração NORETISTERONA e metabólitos

Leia mais

ANTICONCEPÇÃO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DA OMS E OS MÉTODOS SEM ESTROGÊNIO

ANTICONCEPÇÃO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DA OMS E OS MÉTODOS SEM ESTROGÊNIO ANTICONCEPÇÃO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DA OMS E OS MÉTODOS SEM ESTROGÊNIO PROFA.DRA. MARTA EDNA HOLANDA DIÓGENES YAZLLE Responsável pelo Setor de Anticoncepção do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo

30/07/2013. Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo Patrícia Kittler Vitório Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório - DAR Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo 4 x maior Razão incidência: 1 em 1000 gestações EP fatal: 1,1 morte/100000

Leia mais

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Terapia hormonal de baixa dose Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Alterações endócrinas no Climatério pg/ml mui/ml mui/ml 150 FSH 80 60 100 50 0-8 -6-4 -2 0 2 4 6 8 anos Menopausa LH Estradiol 40

Leia mais

Sobre o tromboembolismo venoso (TVE)

Sobre o tromboembolismo venoso (TVE) Novo estudo mostra que a profilaxia estendida com Clexane (enoxaparina sódica injetável) por cinco semanas é mais efetiva que o esquema-padrão de 10 dias para a redução do risco de Tromboembolismo Venoso

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

As Complicações das Varizes

As Complicações das Varizes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira As Complicações das Varizes Chamamos de Tipo 4 ou IVFS - Insuficiência Venosa Funcional Sintomática,

Leia mais

Trombofilias. Dr Alexandre Apa

Trombofilias. Dr Alexandre Apa Trombofilias Dr Alexandre Apa TENDÊNCIA À TROMBOSE TRÍADE DE VIRCHOW Mudanças na parede do vaso Mudanças no fluxo sanguíneo Mudanças na coagulação do sangue ESTADOS DE HIPERCOAGULABILIDADE

Leia mais

Artigo de Revisão/Review Article

Artigo de Revisão/Review Article Artigo de Revisão/Review Article Trombofilias e Contracepção Contraception and thrombophilias Ana Isabel Machado*, Jorge Lima** Maternidade Dr. Alfredo da Costa, Hospital CUF Descobertas, Lisboa Abstract

Leia mais

Caso clínico. S.A.G, 35 anos

Caso clínico. S.A.G, 35 anos Caso clínico S.A.G, 35 anos Negra, casada, prendas domésticas. Natural de Poços de Caldas - MG, Procedente de Botucatu - SP. G4 P3 A0 C0 DUM: 23/07/2014 1º US: 27/10/2014 (14s 1d DUM correta) IG: 32s 5d

Leia mais

TEMA: Enoxaparina 80mg (Clexane ou Versa) para tratamento de embolia ou trombose venosa profunda

TEMA: Enoxaparina 80mg (Clexane ou Versa) para tratamento de embolia ou trombose venosa profunda Data: 08/03/2013 NTRR 12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito: MARCO ANTONIO MACEDO FERREIRA Número do processo: 0334.14.000024-4 Impetrato: Estado de Minas Gerais

Leia mais

Trombose venosa profunda Resumo de diretriz NHG M86 (janeiro 2008)

Trombose venosa profunda Resumo de diretriz NHG M86 (janeiro 2008) Trombose venosa profunda Resumo de diretriz NHG M86 (janeiro 2008) Oudega R, Van Weert H, Stoffers HEJH, Sival PPE, Schure RI, Delemarre J, Eizenga WH traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

TEP incidental em neoplasias

TEP incidental em neoplasias Fabrício Martins Valois Teorema de Bayes 0% 100% TEP incidental TEP identificado sem suspeita clínica de embolia Prevalência de 2,5% Realização demasiada de exames... Dentali LR. Radiology, 243, 2005 1

Leia mais

Contraceção e risco de tromboembolismo venoso: um estudo caso-controlo

Contraceção e risco de tromboembolismo venoso: um estudo caso-controlo 300 estudosoriginais Contraceção e risco de tromboembolismo venoso: um estudo caso-controlo Ana Catarina Guimarães (MD), 1-2 Patrício Costa (Ph.D), 1-2 Afonso Rocha (MD), 3 Fátima Queirós (MD), 4 Ana Paula

Leia mais

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar 1- Resumo O desequilíbrio das funções normais da hemostasia sangüínea resulta clinicamente em trombose

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP)

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) Hoje o DX é feito em menos de 30%. Antigamente só fazia DX quando havia triângulo de Infarto Pulmonar: bilirrubina aumentada,

Leia mais

TEP - Evolução. Após episódio de TEP agudo, em 85 a 90% dos casos ocorre. trombólise espontânea ou farmacológica e recanalização do vaso

TEP - Evolução. Após episódio de TEP agudo, em 85 a 90% dos casos ocorre. trombólise espontânea ou farmacológica e recanalização do vaso Fabio B. Jatene Prof. Titular do Departamento de Cardiopneumologia -HC HC-FMUSP TEP Agudo 1cm TEP - Evolução Após episódio de TEP agudo, em 85 a 90% dos casos ocorre trombólise espontânea ou farmacológica

Leia mais

O rastreamento do câncer de colo uterino

O rastreamento do câncer de colo uterino PROFAM O rastreamento do câncer de colo uterino Dr. Eduardo Durante Fundación MF Para el desarrollo de la Medicina Familiar y la Atención Primaria de la Salud Objetivos Discutir o uso de métodos contraceptivos

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

DOENÇAS TROMBOEMBÓLICAS

DOENÇAS TROMBOEMBÓLICAS Aspectos laboratoriais em coagulação DOENÇAS TROMBOEMBÓLICAS Dr. João Carlos de Campos Guerra Departamento de Patologia Clínica - HIAE Centro de Hematologia de São Paulo - CHSP SISTEMAS ENVOLVIDOS NA HEMOSTASIA

Leia mais

ANTICONCEPÇÃO HORMONAL

ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ANTICONCEPÇÃO HORMONAL Aula disponível no site: www.rodrigodiasnunes.com.br Rodrigo Dias Nunes Contracepção hormonal Anticoncepção hormonal oral combinada Monofásica Bifásica Trifásica Anticoncepção hormonal

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO E L A B O R A Ç Ã O Adriana de Oliveira Sousa Gerente daterapia Integrada ISGH Ana Karine Girão Lima Assessora Técnica da Educação Permanente ISGH Braulio Matias Coordenador

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 22/2014. Xarelto

RESPOSTA RÁPIDA 22/2014. Xarelto RESPOSTA RÁPIDA 22/2014 Xarelto SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Drª. Juliana Mendes Pedrosa, Juíza de Direito 0327.13.003068-4 DATA 17/01/2014 SOLICITAÇÃO O requerente está acometido de cardiomiopatia dilatada

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

Tromboembolismo Pulmonar

Tromboembolismo Pulmonar Tromboembolismo Pulmonar SUSPEITA CLÍNICA DE TEP: Aplicar critérios de Wells para TEP (ANEXO 1) com finalidade de determinar probalidade clínica pré-testes ALTA PROBABILIDADE PROBABILIDADE INTERMEDIÁRIA

Leia mais

30 de Abril 5ª feira Algoritmo de investigação: TVP e Embolia Pulmonar. Scores de Wells

30 de Abril 5ª feira Algoritmo de investigação: TVP e Embolia Pulmonar. Scores de Wells 30 de Abril 5ª feira Algoritmo de investigação: TVP e Embolia Pulmonar. Scores de Wells António Pedro Machado Scores de Wells Doença tromboembólica venosa Cálculo da probabilidade clínica pré-teste de

Leia mais

Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP

Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP Novos an(coagulantes para tratamento da TVP e TEP Angiologia e Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Daniel Mendes Pinto Simpósio sobre Atualização em An

Leia mais

PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS

PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS XXIII JORNADA PARAIBANA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA V CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS Prof. Dr. José Maria

Leia mais

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210)

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210) Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM * Kenneth. Chest 2002;2:877 905. PIOPED (n=7) ICOPER (n=2.20) RIETE (n=3.39) Dispneia 73% 82% 83% Taquicardia 70% ND ND

Leia mais

Tradução: Regina Figueiredo REDE CE ww.redece.org

Tradução: Regina Figueiredo REDE CE ww.redece.org 24 julh 2014 EMA/440549/2014 Documento Original: http://www.ema.europa.eu/docs/en_gb/document_library/press_release/2014/07/wc50017 0056.pdf Tradução: Regina Figueiredo REDE CE ww.redece.org LEVONORGESTREL

Leia mais

PULSEIRA DE IDENTIFICAÇÃO...1 RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA...1 PREVENÇÃO DA SEPSE...2 CONSENTIMENTO INFORMADO...2

PULSEIRA DE IDENTIFICAÇÃO...1 RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA...1 PREVENÇÃO DA SEPSE...2 CONSENTIMENTO INFORMADO...2 ste guia foi desenvolvido especialmente para melhor orientá-lo durante sua permanência no hospital. Aqui serão encontradas informações sobre o nosso funcionamento. A leitura deste material é muito importante.

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Terapêutica anticoagulante oral

Terapêutica anticoagulante oral Terapêutica anticoagulante oral Quando iniciar? Quando e como suspender? Quando parar definitivamente? Eugénia Cruz e Sara Morais Serviço de Hematologia Clínica, Hospital de Santo António 1º Encontro Proximidade

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE

INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE para os médicos prescritores de PROTELOS /OSSEOR (Ranelato de estrôncio) 2 g granulado para suspensão oral Estes medicamentos estão sujeitos a monitorização adicional

Leia mais

Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como

Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como Trombólise farmacomecânica na TVP: Quando e como Daniel Mendes Pinto Angiologia e Cirurgia Vascular Hospital Mater Dei Hospital Felício Rocho Belo Horizonte - MG Encontro Mineiro de Angiologia e Cirurgia

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

20/12/2012 NOTA TÉCNICA

20/12/2012 NOTA TÉCNICA Data: 20/12/2012 NOTA TÉCNICA 56/2012 Medicamento X Material Solicitante Procedimento Juiz Almir Prudente dos Santos Cachoeira de Cobertura Minas Refere-se ao Processo nº. 009712001663-5 TEMA: interferon

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ANTICONCEPCIONAIS ORAIS ASSOCIADO AO RISCO DE TROMBOSE VENOSA PROFUNDA

UTILIZAÇÃO DE ANTICONCEPCIONAIS ORAIS ASSOCIADO AO RISCO DE TROMBOSE VENOSA PROFUNDA UTILIZAÇÃO DE ANTICONCEPCIONAIS ORAIS ASSOCIADO AO RISCO DE TROMBOSE VENOSA PROFUNDA Karen Loraine Macena Santos¹; Arthur Heynnis Diniz Barbosa² Faculdade Mauricio de Nassau: FMN-CG. Email- Karen.cgd@hotmail.com

Leia mais

Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica

Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica 2 o Curso Nacional de Circulação Pulmonar SBPT 2009 Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica Eloara Vieira Machado Ferreira Doutoranda da Disciplina de Pneumologia UNIFESP/ EPM Setor de Função Pulmonar

Leia mais

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ Larissa Fernanda Silva Borges de Carvalho Enfermeira, Especialista em Gestão de Serviços de Saúde Gerente Assistencial da Maternidade Unimed BH Unidade Grajaú Governança

Leia mais

Contracepção Hormonal e Sistema Cardiovascular

Contracepção Hormonal e Sistema Cardiovascular Contracepção Hormonal e Sistema Cardiovascular Hormonal Contraception and Cardiovascular System Milena Bastos Brito, Fernando Nobre, Carolina Sales Vieira Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Prof. Dr. Marcone Lima Sobreira Departamento de Cirurgia e Ortopedia Disciplina de Cirurgia Vascular e Endovascular FMB/UNESP

Prof. Dr. Marcone Lima Sobreira Departamento de Cirurgia e Ortopedia Disciplina de Cirurgia Vascular e Endovascular FMB/UNESP Prof. Dr. Marcone Lima Sobreira Departamento de Cirurgia e Ortopedia Disciplina de Cirurgia Vascular e Endovascular FMB/UNESP SEM CONFLITO DE INTERESSE EPIDEMIOLOGIA: EUA: > 125000 casos/ano (1:1950)

Leia mais

Veículo: Site Correio Braziliense Data: 11/11/2011

Veículo: Site Correio Braziliense Data: 11/11/2011 Veículo: Site Correio Braziliense Data: 11/11/2011 Seção: Saúde Pág.: http://bit.ly/ve3bse Assunto: Precauções necessárias Tumores no ovário atingem cerca de 220 mil mulheres a cada ano no mundo Com alto

Leia mais

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012 EM DISCUSSÃO PÚBLICA NÚMERO: 026/2012 DATA: 27/12/2012 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Profilaxia do Trombo Embolismo Venoso em Ortopedia TEV, Trombose venosa profunda, embolia pulmonar, Cirurgia

Leia mais

Guia do prescritor rivaroxabano

Guia do prescritor rivaroxabano Guia do prescritor rivaroxabano Informação importante de segurança Bayer Portugal, S.A. Rua Quinta do Pinheiro, nº 5 2794-003 Carnaxide NIF: 500 043256 Versão 4, agosto 2014 Este medicamento está sujeito

Leia mais

ANTICONCEPTIVOS MODERNOS: Quebrando velhos tabus. Maria Auxiliadora Budib UFMS

ANTICONCEPTIVOS MODERNOS: Quebrando velhos tabus. Maria Auxiliadora Budib UFMS ANTICONCEPTIVOS MODERNOS: Quebrando velhos tabus Maria Auxiliadora Budib UFMS Conflito de Interesse Conferência patrocinada pela MSD. Speaker MSD, Libbs, Biolab, Jansen, Novartis, Bayer e GSK. Ainda existem

Leia mais

Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica. Rogério Bonassi Machado

Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica. Rogério Bonassi Machado Terapia Hormonal com Hormônios Bioidênticos Abordagem Clínica Rogério Bonassi Machado Terapia Hormonal no Climatério 1942 - Estrogênios eqüinos conjugados 1950 - Uso difundido nos Estados Unidos 1970 -

Leia mais