ANTICONCEPÇÃO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DA OMS E OS MÉTODOS SEM ESTROGÊNIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANTICONCEPÇÃO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DA OMS E OS MÉTODOS SEM ESTROGÊNIO"

Transcrição

1 ANTICONCEPÇÃO CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DA OMS E OS MÉTODOS SEM ESTROGÊNIO PROFA.DRA. MARTA EDNA HOLANDA DIÓGENES YAZLLE Responsável pelo Setor de Anticoncepção do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo

2 Organização Mundial da Saúde (OMS)

3 CRITÉRIOS MÉDICOS DE ELEGIBILIDADE PARA USO DE ANTICONCEPCIONAIS Objetivo: Fornecer orientações a programas, de âmbito nacional, de planejamento familiar e saúde reprodutiva, na elaboração de diretrizes para a prestação de serviços de anticoncepção.

4 CRITÉRIOS MÉDICOS DE ELEGIBILIDADE PARA USO DE ANTICONCEPCIONAIS Critérios médicos de elegibilidade para uso de anticoncepcionais Fornecem orientação com relação a quem pode utilizar métodos anticoncepcionais com segurança Recomendações sobre práticas selecionadas para uso de anticoncepção Fornecem orientação referente a como utilizar os métodos anticoncepcionais com segurança e eficácia

5 Anticoncepção Hormonal Oral PÍLULA: 50 anos

6 ANTES MULHER E ANTICONCEPÇÃO DEPOIS

7 Anticoncepção Hormonal Oral Conhecimento sobre: Mecanismo de ação Efeitos Colaterais Restrição ao uso do método Complicações

8 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Avanços Descoberta de novos métodos Redução de Doses Novos Progestogênios Novas Vias de Administração Novas Formulações Terapêuticas

9 ANTICONCEPÇÃO Métodos Reversíveis Hormonal: oral, injetável, transdérmico, anel vaginal, implante *combinada, progestogênio exclusivo Dispositivo Intrauterino: medicado (cobre, LNG) Preservativo masculino e feminino Comportamentais Diafragma Outros Métodos definitivos: laqueadura tubária,

10 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Estrogênio Mecanismo de Ação Inibição da secreção de FSH Potencializa a ação progestagênio Interfere no crescimento folicular Mantém o padrão de sangramento cíclico

11 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Progestagênio Mecanismo de Ação Inibição da secreção de LH Alteração do muco cervical Atrofia das glândulas endometriais Alterações da motilidade e secreção das trompas Inibe ovulação Muco hostil para ascensão de SPTZ Interfere na implantação Impede o transporte do oócito / embrião

12 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Efeitos Colaterais Aparelho reprodutor Metabólicos: lipídeos, carbohidratos, sistema reninaangiotensinaaldosterona. Mecanismo de Coagulação Outros

13 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Repercussões no Aparelho Reprodutor Útero: Miométrio hipotrofia, diminuição dos receptores estrogênicos Endométrio edema do estroma, arteríolas pouco desenvolvidas, focos de necrose, modificações glandulares, atrofia Colo hiperplasia polipóide, ectopia Vulvavagina alterações no trofismo

14 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Metabolismo Lipídico Estrogênio Progestogênio Colesterol total HDL LDL Triglicerídeos * Novos progestogênios HDL LDL Colesterol Triglicerídeos } Alteração sem Significado Clínico

15 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Efeitos metabólicos lipídeos Estrógenos naturais Progestógenos androgênicos COL T HDL LDL Progesterona/PGTs não androgênicos Perfil não aterogênico Barkfeldta J, Virkkunenb A; Dieben T The effects of two progestogenonly pills containing either desogestrel (75 microg/day) or levonorgestrel (30 microg/day) on lipid metabolism.contraception Nov;64(5):2959.

16 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Metabolismo Glicídico Diminui a tolerância à glicose (EE) Aumenta o nível de insulina Reduz o número de receptores de insulina * Avanços redução desses efeitos

17 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL Sistema ReninaAngiotensina { > produção de angiotensinogênio Estrogênio > retenção hídrica

18 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Sistema de Coagulação Modificação no Metabolismo Hepático Alteração nos fatores de coagulação coagulantes anticogulantes Número e aderência de plaquetas

19 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Redução de Doses

20 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Evolução de Dose Estrogênica 1968: 99% ACO = 50 mcg 1988: 2% ACO = 50mcg

21 REDUÇÃO DA DOSE DE ESTROGÊNIO NOS CONTRACEPTIVOS Dose de EE (mcg) Tromboembolismo venoso (2X)

22 Incidência de trombose menacme X Casos / X 50 0 Gestação / Puerpério usuárias de COC nãousuárias de COC 5 ROSENDAAL, 2003; POMP et al., 2008

23 70 60 RR para TEV NU EELN G EEDSG/GS D EEAC P Gest Puerp Poder androgênico

24 AVANÇOS EM ANTICONCEPÇÃO HORMONAL Novos Progestogênios Afinidade pelos receptores hormonais Efeito sobre as lipoproteínas Efeito sobre os carboidratos

25 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL ORAL Redução de Dose Novos Progestogênios

26 PROGESTAGÊNIOS Interação com os diferentes receptores P PR ER AR GR MR

27 Atividade Biológica da Progesterona Natural e Progestagênios Progestagênio Anti Progestogênico Estrogênico Estrogênico Androgênico Anti Androgênico Glico corti cóide Anti Mineralocorticóide Progesterona Diidrogesterona Ac. de ciproterona Medroxiprogesterona Promegestona Drospirenona Norethinodrel Levonorgestrel Norgestimato Desogestrel Gestodeno Schindler et al, Maturitas 2003; S7S16.

28 Anticoncepção Hormonal Progestogênios Levonorgestrel Desogestrel Gestodeno Linestrenol Noretisterona Medroxiprogesterona Drospirenona Ciproterona Clormadinona

29 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL Progestogênio Exclusivo Ultra Baixa Dose (Minipílula) Linestrenol (0,50 mg) Noretisterona (0,35 mg) Levonorgestrel (0,030 mg) Inibição da ovulação ( 50%) Espessamento do muco cervical

30 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL Progestogênio Exclusivo Baixa Dose (75 µg DSG) Acetato de medroxiprogesterona (150 mg/3 m) Inibição da ovulação ( 97%) Espessamento do muco cervical < Motilidade tubária Atrofia endometrial

31 ANTICONCEPÇÃO HORMONAL Progestogênio Exclusivo Efeitos Colaterais Alterações do padrão de sangramento Alterações do humor Ganho de peso Diminuição do desejo sexual Cefaléia * Efeitos metabólicos: não significativos

32 Dispositivo Intrauterino Cobre Mecanismo de ação: Alterações endometriais efeito tóxico sobre o óvulo e SPTZ altera a mobilidade e capacitação do SPTZ Aumento da produção de prostaglandina contrações uterinas alteração da motilidade tubária dificulta o transporte do óvulo, SPTZ e blastocisto

33 Dispositivo Intrauterino LNG Mecanismo de ação: Espessamento do muco cervical Bloqueio da motilidade espermática Inibição da capacitação espermática Inibição da proliferação endometrial Disfunções ovulatórias

34 DISPOSITIVO INTRAUTERINO Efeitos colaterais: sangramento, dor pélvica, amenorréia (LNG) Complicações: prenhez ectópica, DIP perfuração uterina

35 IMPLANTE LIBERADOR DE ETONOGESTREL Mecanismo de Ação Inibição do pico de LH Inibição da ovulação Aumento da viscosidade do muco cervical * FSH e E 2 Normais

36 IMPLANTE LIBERADOR DE ETONOGESTREL Efeito Colateral Alteração no padrão de sangramento

37 ANTICONCEPÇÃO Participação da OMS 1966: estudo dos métodos Riscos da utilização dos métodos Risco Reprodutivo Benefícios da anticoncepção 1996: Recomendações do OMS

38 Anticoncepção com Estrogênio Evidências: A G R A V A R Doenças reumáticas Enxaqueca Hipertensão grave Diabetes com vasculopatias Doenças cardíacas Risco Cardio Vascular Obesidade Tabagismo Idade > 40 anos Cefaléia > Incidência: Mastodínea Náuseas, edema Outros Picht et al, 2003 Melo, N.R., 2007

39 ANTICONCEPÇÃO Elaboração das Recomendações (OMS) Estudo dos Métodos eficácia composição mecanismo de ação efeitos colaterais complicações

40 ANTICONCEPÇÃO Eficácia dos métodos depende: { próprio método características da usuária Eficácia { prática teórica

41 ANTICONCEPÇÃO Fatores de Risco Câncer de mama, endométrio, ovário D. cardíaca vascular complicada Diabetes insulinodependente. com nefropatia/retinopatia ou outra doença vascular ou, com > 20 de duração Ca de endométrio ou ovário Hipertensao arterial (sistólica > 160 mghg ou diastólica > 100 mmhg). DST, HIV Doença cardíaca isquêmica Doença trofoblástica gestacional maligna Tumor de fígado maligno Esquitossomose com fibrose de fígado Cirrose descompensada Anemia falsiforme Acidente vascular cerebral Tuberculose Mutações trombogênicas

42

43 ANTICONCEPÇÃO Elaboração das Recomendações (OMS) Métodos efetividade segurança aceitabilidade acessibilidade

44 ANTICONCEPÇÃO Organização Mundial de Saúde 1ª Publicação: 1996, com 151 recomendações 2ª Publicação: 2000, com 1287 recomendações 3ª Publicação: 2003, com 1705 recomendações 4ª Publicação: 2008 com 1870 recomendações

45 CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DOS MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS (OMS) CLASSIFICAÇÃO 1 USAR O MÉTODO EM QUALQUER CIRCUNSTÂNCIA EM GERAL, USAR O MÉTODO O USO DO MÉTODO NÃO É, EM GERAL RECOMENDADO, A MENOS QUE OUTROS MÉTODOS MAIS ADEQUADOS NÃO ESTEJAM DISPONÍVEIS OU NÃO SEJAM ACEITÁVEIS O MÉTODO NÃO DEVE SER USADO

46 WHO, 2004

47 Critérios Médicos De Elegibilidade Para Uso De Anticoncepcionais CONDIÇÃO AOC AIC AT/ AV ALTERAÇÕES ENDÓCRINAS DIABETES a) Antecedente de doença gestacional b) Sem doença vascular (i) não insulino dependente PP AMPD NETEN I = Início, C = Continuação Implantes NG/ETG DIUCu DIULNG (ii) insulino dependente c) Com nefropatia/ retinopatia/ neuropatia d) Com outra doença vascular ou diabetes com duração > 20 anos 3/4* 3/4* ¾* /4* 3/4* 3/4*

48 Critérios Médicos De Elegibilidade Para Uso De Anticoncepcionais CONDIÇÃO AOC AIC AT/AV PP DOENÇA CARDIOVASCULAR ANTECEDENTE DE HIPERTENSÃO NA GRAVIDEZ (em que a pressão arterial atual é medida e encontrase normal) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) / EMBOLIA PULMONAR (EP) I = Início, C = Continuação AMPD NETEN Implante s NG/ETG DIU Cu DIU LNG a) Histórico de TVP/EP b) TVP/EP atual c) Antecedente familiar de TVP/EP (parentes de primeiro grau) d) Cirurgia de grande porte (i) com imobilização prolongada (ii) sem imobilização prolongada e) Cirurgia menor sem imobilização

49 Critérios Médicos De Elegibilidade Para Uso De Anticoncepcionais CONDIÇÃO AOC AIC AT/AV PP AMPD NETEN Implante s NG/ETG DIU Cu DIU LNG I = Início, C = Continuação CARACTERÍSITCAS PESOAIS E ANTECEDENTES REPRODUTIVOS TABAGISMO a) Idade < 35 2* b) Idade > 35 (i) < 15 cigarros/dia 3* (ii) > 15 cigarros/dia 4* OBESIDADE Índice de massa corporal (IMC) > 30 kg/m

50 OBRIGADA

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Terapia hormonal de baixa dose Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Alterações endócrinas no Climatério pg/ml mui/ml mui/ml 150 FSH 80 60 100 50 0-8 -6-4 -2 0 2 4 6 8 anos Menopausa LH Estradiol 40

Leia mais

Contracepção Resumo de diretriz NHG M02 (dezembro 2011)

Contracepção Resumo de diretriz NHG M02 (dezembro 2011) Contracepção Resumo de diretriz NHG M02 (dezembro 2011) Anke Brand, Anita Bruinsma, Kitty van Groeningen, Sandra Kalmijn, Ineke Kardolus, Monique Peerden, Rob Smeenk, Suzy de Swart, Miranda Kurver, Lex

Leia mais

O rastreamento do câncer de colo uterino

O rastreamento do câncer de colo uterino PROFAM O rastreamento do câncer de colo uterino Dr. Eduardo Durante Fundación MF Para el desarrollo de la Medicina Familiar y la Atención Primaria de la Salud Objetivos Discutir o uso de métodos contraceptivos

Leia mais

Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher

Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher PROTOCOLO PARA O FORNECIMENTO DE CONTRACEPTIVOS REVERSÍVEIS NA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Métodos Contraceptivos A prática da anticoncepção é um ato a ser praticado sob supervisão médica

Métodos Contraceptivos A prática da anticoncepção é um ato a ser praticado sob supervisão médica A prática da anticoncepção é um ato a ser praticado sob supervisão médica O que são? A utilização de técnicas, dispositivos ou substâncias capazes de impedir a gestação, temporariamente ou definitivamente.

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS

PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS XXIII JORNADA PARAIBANA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA V CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR E COLPOSCOPIA PADRÕES DE SANGRAMENTO COM OS NOVOS CONTRACEPTIVOS Prof. Dr. José Maria

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS. Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS. Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano MÉTODOS CONTRACEPTIVOS Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozoides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e ocorrer a fecundação. Espermicidas

Leia mais

UNISA Núcleo de Ginecologia e Obstetrícia Dr Andre Cassiani. Chefe de núcleo: Prof Dra Lucia Hime

UNISA Núcleo de Ginecologia e Obstetrícia Dr Andre Cassiani. Chefe de núcleo: Prof Dra Lucia Hime UNISA Núcleo de Ginecologia e Obstetrícia Dr Andre Cassiani Chefe de núcleo: Prof Dra Lucia Hime O começo de tudo... 1996, O planejamento familiar é um direito assegurado na Constituição Federal. Consiste

Leia mais

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozóides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e de haver fecundação. Espermicidas (sob a forma de óvulos,

Leia mais

Progestágenos na anticoncepção: Desogestrel e Levonorgestrel

Progestágenos na anticoncepção: Desogestrel e Levonorgestrel PRO MATRE Progestágenos na anticoncepção: Desogestrel e Levonorgestrel Isabel L.A.Corrêa FARMACOLOGIA CLÍNICA Derivados da 19 Nortestosterona 1ª geração - NORENTINODREL 2ª geração NORETISTERONA e metabólitos

Leia mais

De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que:

De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que: De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que: Sou conferencista eventual para Aché, Bayer, GSK, Libbs,

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

Farlutal acetato de medroxiprogesterona

Farlutal acetato de medroxiprogesterona Farlutal acetato de medroxiprogesterona I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Farlutal Nome genérico: acetato de medroxiprogesterona APRESENTAÇÕES Farlutal 10 mg em embalagens contendo 10 ou

Leia mais

HIRSUTISMO E HIPERANDROGENISMO

HIRSUTISMO E HIPERANDROGENISMO HIRSUTISMO E HIPERANDROGENISMO Prof. Dr. Marcos Felipe Silva de Sá Setor de Reprodução Humana Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP CONCEITO Síndrome HIPERANDROGÊNICA

Leia mais

Tipos de Anticoncepcionais

Tipos de Anticoncepcionais Tipos de Anticoncepcionais Dr. Orlando de Castro Neto Métodos anticoncepcionais ou métodos contraceptivos são maneiras, medicamentos e dispositivos usados para evitar a gravidez. Muitas vezes o método

Leia mais

Previdez 2 levonorgestrel

Previdez 2 levonorgestrel Previdez 2 levonorgestrel FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Embalagem contendo 2 comprimidos. Uso Adulto Uso oral COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: levonorgestrel... 0,75 mg excipiente* q.s.p.... 1 com

Leia mais

O que é a contracepção oral de emergência, pílulas disponíveis, sua composição e aspectos práticos de utilização.

O que é a contracepção oral de emergência, pílulas disponíveis, sua composição e aspectos práticos de utilização. FARMÁCIA 29 PRÁTICA bimestral junho 10 Especial Contracepção Oral Compreender Contracepção a diabetes oral para compreender emergência a sua terapêutica Contracepção em situações especiais pág.04 pág.03

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa?

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários, ou seja, os ovários deixam

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

Depomês 25mg acetato de medroxiprogesterona 5mg cipionato de estradiol

Depomês 25mg acetato de medroxiprogesterona 5mg cipionato de estradiol Depomês 25mg acetato de medroxiprogesterona 5mg cipionato de estradiol Biolab Sanus Farmacêutica Ltda. Suspensão Injetável Depomês acetato de medroxiprogesterona cipionato de estradiol IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

A neurohipófise tem comunicação

A neurohipófise tem comunicação A aula de hoje é sobre o eixo hipotálamohipófise - ovário. Porque que nós vamos falar desse eixo? Porque é ele que rege toda a fisiologia hormonal feminina, então pra nós falarmos do ciclo menstrual, nós

Leia mais

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO O início da vida sexual é um momento marcante na adolescência. São tantas dúvidas, medos preconceitos e mitos, que as vezes ficamos confusos! O exercício da sexualidade exige

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

Biologia 12ºA Outubro 2013

Biologia 12ºA Outubro 2013 Biologia 12ºA Outubro 2013 1 VERSÂO 2 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a maturação

Leia mais

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que 01 - (Unicastelo SP) O gráfico representa os níveis de concentração dos diferentes hormônios femininos, no organismo, durante o ciclo menstrual. (www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais

Leia mais

Planeamento Familiar e Doenças Sexualmente Transmissíveis. Trabalho realizado por: Ana Filipa Sobral Diliana Rosa

Planeamento Familiar e Doenças Sexualmente Transmissíveis. Trabalho realizado por: Ana Filipa Sobral Diliana Rosa Planeamento Familiar e Doenças Sexualmente Transmissíveis Trabalho realizado por: Ana Filipa Sobral Diliana Rosa Aparelho Reprodutor Feminino O aparelho reprodutor feminino é constituído pelos órgãos genitais

Leia mais

PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS

PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Projeto PIBID - UNICAMP Projeto Licenciatura em Química Instituto de Química IQ Unicamp PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS Bolsista ID: Juliana Mukai de Mattos Supervisora: Profª.

Leia mais

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos.

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. 2 Habilidade: Compreender o funcionamento dos principais métodos contraceptivos (comportamentais, químicos, de barreira e definitivos).

Leia mais

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos contendo 1,5 mg de levonorgestrel. Embalagem contendo 1 comprimido revestido.

FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos contendo 1,5 mg de levonorgestrel. Embalagem contendo 1 comprimido revestido. POZATO UNI levonorgestrel 1,5 mg comprimidos revestidos USO ORAL USO ADULTO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos contendo 1,5 mg de levonorgestrel. Embalagem contendo 1 comprimido

Leia mais