Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri."

Transcrição

1 Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

2 Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde a menarca até a menopausa.

3 CICLO MENSTRUAL. É o intervalo entre o primeiro dia de menstruação até o primeiro dia da menstruação seguinte. Ciclo Eumenorreico: É o ciclo menstrual normal com intervalo menstrual de 24 a 30 dias. Característica do ciclo Menstrual Normal: - Intervalo: 24 a 30 dias. - Duração: 03 a 7 dias.

4 COMPOSIÇÃO DO SANGUE. Vermelho escuro; Aspecto devido a presença de decomposição de elementos sanguíneos e secreções de glândulas sebáceas vulvares; Possui hemácias, tecido endometrial, muco cervical, células cervicais e vaginais, bactérias e enzimas. A perda sanguínea é de 30 a 60ml.

5 ALTERAÇÕES DO CICLO MENSTRUAL. Alterações quanto a Duração: - Hipomenorréia: Diminuição da duração do ciclo. - Hipermenorréia: É o aumento da duração do ciclo. Alterações quanto a Quantidade: - Oligomenorréia: Diminuição da quantidade do fluxo menstrual, e o período pode não se alterar. - Menorragia: Aumento do fluxo menstrual, período de duração não alterou.

6 Alteração quanto ao Intervalo: - Proiomenorréia: ciclo menstrual a cada 25 a 25 dias. - Poli menorreia: Ciclo menstrual a cada 15 dias. - Opsomenorréia: Ciclo menstrual a cada 30 a 40 dias. - Espaniomenorréia: Ciclo menstrual a cada 02 a 03 meses.

7 Menostase: Parada brusca da menstruação; Causas: Influência de emoções captadas pelo SNC e transmitidas ao sistema endócrino.

8 Metrorragia. É a perda atípica de sangue genital, em qualquer época do período, que vai de uma menstruação á outra. Pode prolongar dias ou meses, e pode cessar ou reaparecer sem a menstruação da periodicidade do ciclo menstrual.

9 Outros Distúrbios. 1. Dismenorreia: Menstruação dolorosa (cólicas) Primária: intrínseca, idiopática, não relacionada etiologicamente a qualquer distúrbio orgânico. - Causas: Psicogênica. Secundária: adquirida, extrínseca, a dor é produzida por doença pélvica orgânica, que desaparece entre os períodos. - Causas: Endometriose, salpingite, fibroma uterino, etc...

10 Tratamento. Primária: Uso de alguns analgésicos e anticoncepcional. Secundária: Tratar a causa.

11 TENSÃO PRÉ- MENSTRUAL. Conjunto variável de sintomas, que se iniciam após a ovulação e que atinge o máximo de intensidade nos dias que antecedem a menstruação.

12 SINTOMAS: Irritabilidade; Ansiedade; Depressão; Cefaléia; Distensão abdominal; Anorexia; Náusea; Insônia; Edema em MMII; Aumento de peso. Dor mama.

13 Etiologia. É desconhecida, o que se tem de palpável, e que há retenção hídrica, pelo aumento de estrógeno e progesterona na segunda fase do ciclo, e estes estimulam a liberação de aldosterona que leva a reter líquido. Fatores Ambientais.

14 Dieta hipossódica; Tratamento Psicoterapia; Anticoncepcionais;

15 Ausência da menstruação no período compreendido entre a menarca e a menopausa. Primária: Quando a mulher nunca menstruou. Secundária: Aparece após a menarca e os ciclos se interrompem por pelo menos 03 meses. Causas: Amenorréia. - Fisiológicas: gravidez e lactação. - Patológica: alteração orgânica funcional dos órgãos: útero, ovário, hipófise e hipotálamo.

16 Amenorréia Uterina Ausência do útero; Útero rudimentar; Infecções do endométrio.

17 Amenorreia Ovariana Ausência de ovários; Ovários hipofuncionantes ou policístico; Tumor Ovariano.

18 Mioma Uterino Mioma uterino é um tumor benigno de evolução lenta que se desenvolve no miométrio, constituído de fibras musculares lisas e tecidos conjuntivo.

19 INCIDÊNCIA O mioma acomete até 30% das mulheres em idade fértil. É mais frequente em mulheres de raça negra, com antecedente familiar e nulíparas. Os miomas não são menos comuns em mulheres que já tiveram filhos ou usaram pílulas anticoncepcionais.

20 CLASSIFICAÇÃO. Conforme sua localização em relação ao miométrio pode ser classificada em: - Submucoso, subjacente ao endométrio. - Intramurais, na espessura do endométrio. - Subserosos, na superfície externa do útero recoberta por peritônio.

21 Os sintomas dos miomas costumam estar mais relacionados à localização do que ao tamanho.

22

23

24

25 ANAMNESE. Metade das mulheres com miomas são assintomáticas e o diagnóstico é achado causal de exame físico ou ultrassonográfico (USG). Nas pacientes sintomáticas, as queixas mais comuns são:

26 ANAMNESE. Distúrbios Menstruais / Dismenorreía Dor pélvica. Aumento do Volume Abdominal. Infertilidade. Compressão de Órgãos. Anemia, fraqueza, tontura, hipotensão.

27 EXAME FÍSICO. Mucosas. Hipotensão. Taquicardia. Massa palpável, fibrosa e endurecida. Exame toque.

28 Conduta Terapêutica - Pacientes assintomáticos não necessitam de tratamento, exceto se o tumor for volumoso. Nesse caso, recomenda-se controle clínico e USG para acompanhamento do crescimento e diagnóstico de neoplasia maligna do útero. A terapêutica depende de fatores como: manifestações clínicas do mioma, idade e paridade da paciente, características e localização do tumor e desejos de menstruar ou gravidez.

29 TRATAMENTO CLÍNICO. - Anti-inflamatórios: Para a redução do fluxo menstrual e dor pélvica. Progestogênicos: Usados para controle do ciclo menstrual e redução do sangramento. Há suspeita de que a progesterona aumente os miomas, mas algumas pacientes se beneficiam do uso contínuo de progestogênicos em baixas doses devido amenorreia decorrente.

30 Acetato de Medroxiprogesterona (Depo Provera Contracep) Reduz o sangramento. Análogos do GnRH(Lupron Depot): causam redução do tamanho do mioma em cerca de 50%, e do sangramento intra-operatório. Devem ser usados por 3 meses antes da cirurgia.

31 TRATAMENTO CIRÚRGICO MIOMECTOMIA. HISTERECTOMIA.

32 Referência Bibliográfica. - Manual de Genecologia / Patrícia de Rossi, Ricardo Muniz Ribeiro e Edmund C. Baracat São Paulo: Atheneu, 2007.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

GUIA PARA PACIENTES. Anotações

GUIA PARA PACIENTES. Anotações Anotações ENTENDENDO DO OS MIOMAS MAS UTERINOS GUIA PARA PACIENTES 1620641 - Produzido em maio/2010 AstraZeneca do Brasil Ltda. Rodovia Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 - Cotia/SP ACCESS net/sac 0800

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA Protocolo de Pesquisa Joselma Lira Alves Maisa Homem de Mello Romeu Carillo Jr Clínica de Homeopatia do HSPM-SP LEIOMIOMA UTERINO Sinonímia

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco Amenorréia Induzida: Indicações XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco I. Amenorréia Amenorréia secundária é um distúrbio que se

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano)

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano) CICLO MENSTRUAL Ciclo Menstrual A maioria das mulheres passará por 300 a 400 ciclos menstruais durante sua vida Os ciclos variam entre 21 a 36 dias, em média 28 dias O sangramento dura de 3 a 8 dias A

Leia mais

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma.

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma. SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

Maria da Conceição Muniz Ribeiro

Maria da Conceição Muniz Ribeiro Maria da Conceição Muniz Ribeiro Os miomas são a principal causa de histerectomia em nosso meio, sendo responsável por um terço do total de indicações de histerectomia. Aproximadamente 30 a 50% de todas

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

A ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) E SUA RELAÇÃO COM O MIOMA

A ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) E SUA RELAÇÃO COM O MIOMA A ESTAGNAÇÃO DO QI DO FÍGADO (GAN) E SUA RELAÇÃO COM O MIOMA Frederico César Especialista em Acupuntura e Farmacologia Chinesa Mestrando em Patologia pela UFMG Útero e seus aspectos sociais. A menarca,

Leia mais

Avaliação da Infertilidade

Avaliação da Infertilidade Avaliação da Infertilidade Dr. Eduardo Camelo de Castro Ginecologista e Obstetra Professor do Curso de Pós Graduação em Reprodução Humana da PUC-GO Experiência devastadora, comparanda ao divórcio e ao

Leia mais

TRATAMENTO PARA MIOMA. INSTITUTO Long Tao

TRATAMENTO PARA MIOMA. INSTITUTO Long Tao TRATAMENTO PARA MIOMA INSTITUTO Long Tao Mioma Uterino DEFINIÇÃO: É UM TUMOR BENIGNO QUE SURGE QUANDO UMA CÉLULA DO ÚTERO DA MULHER COMEÇA A SE MULTIPLICAR DE FORMA DESORDENADA. Definição na MTC: O mioma

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Diagnóstico de endometriose

Diagnóstico de endometriose Diagnóstico de endometriose Endometriose se caracteriza pelo achado de glândulas e/ou estroma endometrial em locais anormais. Acomete aproximadamente 15% das mulheres em idade fértil tornando-se uma doença

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis.

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. REPRODUÇÃO HUMANA APARELHO REPRODUTOR MASCULINO É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. TESTÍCULO O testículo produz espermatozóides e hormônio masculino e localiza-se

Leia mais

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher.

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher. Cistos de Ovário Os ovários são dois pequenos órgãos, um em cada lado do útero. É normal o desenvolvimento de pequenos cistos (bolsas contendo líquidos) nos ovários. Estes cistos são inofensivos e na maioria

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa?

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários, ou seja, os ovários deixam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS

PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Projeto PIBID - UNICAMP Projeto Licenciatura em Química Instituto de Química IQ Unicamp PÍLULAS ANTICONCEPCIONAIS Bolsista ID: Juliana Mukai de Mattos Supervisora: Profª.

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

Farlutal acetato de medroxiprogesterona

Farlutal acetato de medroxiprogesterona Farlutal acetato de medroxiprogesterona I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Farlutal Nome genérico: acetato de medroxiprogesterona APRESENTAÇÕES Farlutal 10 mg em embalagens contendo 10 ou

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL DEFINIÇÃO Infertilidade é a incapacidade do casal engravidar, após um ano de relações sexuais regulares, sem uso de método contraceptivos. A chance de um casal normal engravidar

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual Fisiologia O ciclo menstrual para ocorrer depende de uma série de intercomunicações entre diversos compartimentos femininos. Todo o ciclo menstrual

Leia mais

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Maria da Conceição Muniz Ribeiro O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, demora muitos anos para se desenvolver. As alterações das células que podem desencadear o

Leia mais

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 EMBRIOLOGIA HUMANA -Disciplina: Genética e Embriologia -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 ÚTERO * Compreender a estrutura do tero é base para compreensão dos ciclos reprodutivos e da implantação do

Leia mais

06/02/2012. Sinais e Sintomas SINAIS E SINTOMAS APARELHO REPRODUTOR FEMININO SEMIOLOGIA. Anamnese Sistema Genital Feminino

06/02/2012. Sinais e Sintomas SINAIS E SINTOMAS APARELHO REPRODUTOR FEMININO SEMIOLOGIA. Anamnese Sistema Genital Feminino CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNA CURSO: ENFERMAGEM APARELHO REPRODUTOR FEMININO SEMIOLOGIA Anamnese Sistema Genital Feminino Idade da menarca Duração do fluxo Periodicidade ou intervalo entre as menstruações.

Leia mais

A neurohipófise tem comunicação

A neurohipófise tem comunicação A aula de hoje é sobre o eixo hipotálamohipófise - ovário. Porque que nós vamos falar desse eixo? Porque é ele que rege toda a fisiologia hormonal feminina, então pra nós falarmos do ciclo menstrual, nós

Leia mais

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE A Fertilidade é o termo empregado para categorizar a capacidade de produzir vida. Ao longo do tempo o Homem tem vindo a demonstrar interesse em controlá-la, arranjando para isso

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral

Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Cirurgia Laparoscópica como Opção para o Ginecologista Geral Francisco J. Candido dos Reis Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMRP-USP Um Breve Histórico Diagnóstico Principais Indicações Dor

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg acetato de gosserrelina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha APRESENTAÇÃO Depot de 3,6

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares

Leia mais

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina)

ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg (acetato de gosserrelina) I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ZOLADEX acetato de gosserrelina APRESENTAÇÃO Atenção: seringa com sistema de proteção da agulha Depot de 3,6

Leia mais

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Universidade Federal do Pampa Campus Uruguaiana - Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Histologia e Embriologia Animal II Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Daniela dos Santos

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia. Amenorréia Primária. Diagnóstico Etiológico

Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia. Amenorréia Primária. Diagnóstico Etiológico Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia Amenorréia Primária Diagnóstico Etiológico Prof. Sabino Pinho Otto Dix (1891 1969) Amenorréia Conceito: É a ausência temporária ou definitiva

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional

Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional Centro Brasileiro de Acupuntura Acupuntura Aplicada a Ginecologia e Obstetrícia Prof.: Marcelo Brum Elementos de Fisiologia Feminina Tradicional Aparelho Genital Feminino: Abrange: Útero; Ovários; Trompas

Leia mais

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL!

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Um guia para usar o Método de Ovulação AMAMENTAÇÃO Billings durante QUE a amamentação COISA NATURAL DE SE FAZER! Julyanne White, SRN AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Amamentação

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais