JOELHO. A maior articulação do corpo humano

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOELHO. A maior articulação do corpo humano"

Transcrição

1 JOELHO A maior articulação do corpo humano

2 Sinopse Partes Ósseas Articulações Músculos Ligamentos Meniscos Lesões mais comuns Instabilidade Fêmuro - patelar Luxação Plica Sinovial Condromalácia

3 Partes Ósseas

4 O Paradoxo do Joelho ESTÁVEL EM EXTENSÃO COMPLETA X MÓVEL EM FLEXÃO Solução : dispositivos mecânicos complexos ( músculos, ligamentos, meniscos ) e encaixes frágeis das superfícies articulares.{na flexão : problemas ligamentares e meniscais. Problemas : Na extensão : fraturas articulares e rupturas ligamentares.

5 Marcos Ósseos Anatômicos Fêmur Côndilos femurais ( Medial e Lateral ) Sulco Troclear ou Fossa Intercondiliana Epicôndilos femurais ( Medial e Lateral ) Tubérculo Adutor Tíbia Platôs tibiais ( Medial e Lateral ) Côndilos tibiais ( Medial e Lateral ) Tuberosidade ( ou tubérculo ) lateral Tuberosidade ( ou tubérculo ) tibial Cabeça da fíbula

6 Marcos Ósseos Anatômicos Platô Tibial Epicôndilo femural Tendão Patelar Côndilo Femural Tuberosidade Tibial Côndilo Tibial

7 Bursas Bursite mais comum : Prepatelar ( bursite de faxineira )

8 A Cápsula Articular Estrutura fibrosa protetora que envolve a articulação. Seu interior é revestido com um tecido fino e macio : a sinóvia. A cápsula fibrosa é bastante inervada e pouco vascularizada. A sinóvia é bastante vasculariza da e pouco inervada. Funções : a cápsula minimiza o atrito e o desgaste entre as superfícies ósseas, além de distribuir as forças que atuam na articulação. A sinóvia contém o líquido sinovial, responsável pela lubrificação da articulação e pela nu trição e excreção das partes avasculares da articulação.

9 Articulações do Joelho Articulação femorotibial Articulação femoropatelar Articulação tíbiofibular ( alguns autores )

10 Articulação femorotibial Flexão Extensão Rotação tibial : na extensão a tíbia roda externamente sobre o fêmur ( mecanismo de trava ou parafuso ).

11 Articulação femoropatelar

12 Músculos extensores do joelho Quadríceps Reto femural Vasto medial Vasto intermédio Vasto lateral Vasto lateral oblíquo Vasto medial oblíquo Articular do joelho ( sub-crural ou tensor da cápsula ) Obs. : O grupo quadríceps atua como extensor contra a gravidade, mas também controla o movimento de flexão do joelho quando o mesmo é feito a favor da gravidade.

13 Músculos flexores do joelho Principais ( Isquios Tibiais ) Bíceps femural Semimembranoso Semitendíneo ( ou semitendinoso ) Secundários Adutor grácil Sartório Gastrocnêmio Plantar Poplíteo Tensor da fáscia lata Pata de Ganso

14 Ligamentos do Joelho Ligamentos colaterais Ligamento colateral lateral ( ou fibular ) Ligamento colateral medial ( ou tibial ) Ligamentos cruzados Ligamento cruzado anterior Ligamento cruzado posterior

15 Ligamentos Colaterais Estabilidade transversal Limitam os movimentos de valgo/varo Reforço lateral da cápsula articular Limitam a rotação externa na extensão Lig. Colat.. Lateral : prende-se ao epicôndilo femural lateral e à cabeça da fíbula Lig. Colat.. Medial : prende-se ao epicôn- dilo femural medial e à tíbia. Uma de suas porções prende-se ao menisco medial ( folhe- tos fêmuro-meniscal meniscal e menisco-tibial ).

16 Lesão do Ligamento Colateral

17 Ligamentos Cruzados Estabilidade ântero-posterior Mantêm o contato das superfícies articulares na dobradiça Fazem o deslizamento dos côndilos juntamente com o seu rolamento sobre o platô tibial,, nos movimentos de flexão e extensão Limitam a rot.. interna na extensão O LCP é mais forte que o LCA O LCA limita a hiperextensão

18 Lesão do Ligamento Cruzado

19 Lesões Ligamentares Ligamentos cruzados : mais comum no LCA, devi- do a movimentos bruscos de torção em cadeia cinéti- ca fechada. A lesão do LCP é mais comum nos ca- sos de impacto direto (choques). Sintomas : instabilidade ântero-posterior ( falha ao tentar levantar-se ), estalido. Pode não causar dor. Ligamentos colaterais : mais comum no LCM, por impactos na face externa do joelho. Sintomas : instabilidade lateral, estalido, edema, dor.

20 Testes de Lesões Ligamentares Teste do bocejo articular ( lig.. colaterais ) Teste do sinal da gaveta ( lig.. cruzados ) Teste de posteriorisação da tíbial

21 Teste do Bocejo Articular Ligamentos Colaterais L.C.L. L.C.M.

22 Teste do Sinal da Gaveta Teste dos ligamentos cruzados O examinador senta sobre o dorso do pé do examinado para estabilizar a perna. Puxar o platô tibial para testar o LCA. Empurrar o platô tibial para testar o LCP Observações : Comparar com o deslocamen to do joelho não lesionado ou com o desloca - mento do mês mo joelho antes da lesão A sensibilidade deste teste não é boa se o joelho estiver inchado ou dolorido

23 Teste de Lachman Teste do Ligamento Cruzado Anterior Colocar o joelho em leve flexão com um ângulo de 20 a 30º. Segurar a coxa com uma das mãos e tentar anteriorizar a tíbia com a outra mão na sua parte posterior ( semelhante ao Teste da Gaveta ). Se houver deslocamento anterior da tíbia haverá lesão do LCA Obs.. : Este teste é útil nos casos de edema e quadro álgico.

24 Teste de Posteriorização da Tíbia Teste do Ligamento Cruzado Posterior Com o paciente em decúbito dorsal, com o joelho em flexão a 90º, observa-se uma depressão na extremida de superior da tíbia, abaixo da patela.

25 Classificação das lesões ligamentares quanto à sua gravidade Grau 1 : leve estiramento, com pequena tumefação e sem perda da estabilidade. O ligamento permanece ín - tegro.. Após o trauma, o indivíduo consegue andar. Dor somente no movimento e, em alguns casos, ao toque. Grau 2 : estiramento de cerca de 50% das fibras ; pre sença de sinais flogísticos, com grande dificuldade de movimentos. Estabilidade preservada. Grau 3 : estiramento de cerca de 75% das fibras ; pre- sença de hematoma acentuado. Perda da estabilidade com diástese de 10 mm. Grau 4 : Ruptura ligamentar total ou avulsão ; rompi - mento da cápsula; pode haver ruptura meniscal. Lesão grave.

26 Lesões ligamentares Trabalhos de fortalecimento muscular Lig.. Colateral Lateral : fortalecer todos os grupa - mentos, com prioridade para o deltóide - glúteo ( tensor da fáscia lata e glúteo ),vasto lateral, tibial anterior e fibulares, com o objetivo de reduzir o bocejo articular. Lig.. Colateral Medial : priorizar o fortalecimento do vasto medial, da pata de ganso ( sartório, grácil e semitendinoso ) e do tibial posterior. Lig.. Cruzado Anterior : fortalecer o semitendinoso, semimembranoso,, bíceps femural e panturriha. Lig.. Cruzado Posterior : total prioridade para o quadríceps. Obs.. : Complementar o trabalho com propriocepção

27 Prescrição de exercícios para LCP e LCA Em lesões LCA, os pesquisadores concordam que tanto os exercícios de CCF e CCA podem ser utilizados, ( leg, agachamento sem restrições, devido a co-contração contração (0 a 50g), cad. extensora de 90 a 25 graus.(tendência atual e de 90 a 60 graus) Em lesões no LCP os execícios de CCF, devem ser evitados, devido a co-contração contração (leg( e agachamento,, salvo leg horiz.) CCA cad. Ext.. de 60 a 90 graus (atualmente de 0 a 60 graus). (Escamilla( 1998)

28 Meniscos Estrutura Função Tipos de lesões Testes de identificação Quadro Clínico Como trabalhar

29 Meniscos Cornos posteriores Medial Cornos anteriores Lateral Ligamento Transverso

30 Funções dos Meniscos Aumentar a congruência articular Estabilizar a articulação Nutrição da articulação Absorver choques Lubrificar a cartilagem articular Limitar movimentos anormais Distribuir e transmitir as cargas

31 Lesões meniscais Mais comuns no menisco medial Tipos Ruptura suturada ( artificial ou horizontal ) Cauda pendulada ( vertical ) Alça de balde Quadro Clínico Dor O joelho pode travar em flexão ( impossibilidade de extensão do joelho ) Ressalto com crepitação na extensão ( lesão tardia ) Se o menisco saltar do platô tibial haverá imobilização em extensão.

32 Tipos de Lesões Meniscais

33 Teste de Compressão de Apley Teste dos Meniscos Compressão do tornozelo c/ rotação interna e externa da tíbia

34 Teste de Mc Murray ( Meniscos ) Paciente em decúbito dorsal Forçar a flexão do joelho Para o menisco medial : Aplicar rotação externa máxima Estender lentamente Um estalido será ouvido ou sentido palpando-se a linha meniscal pósteromedial Haverá relato de dor Obs. : Alguns recomendam uma tensão em valgo c/ a rotação externa. Para o menisco lateral : ídem com rotação interna. Obs. : Alguns recomendam uma tensão em varo c/ a rot. interna.

35 Instabilidade Patelofemural CAUSAS: Genovalgo acentuado Tendão patelar alongado Desequilibrio dos vastos Torção tibial externa Sulco intercondiliano raso Deformidade da patela Patela alta

36 Instabilidade Fêmuro-patelar Complicações Luxação Condromalácia Exame Físico Patela lateralizada Hipotonia do vasto medial Crepitação Teste de Apreensão e subluxação positivo Teste de Ober positivo Cinesioterapia

37 Esforços na Patela TENSÃO DO QUADRÍCEPS FORÇA RESULTANTE TENSÃO DO TENDÃO PATELAR

38 Teste de Ober

39 Exercícios para dor patelofemural Nos exercícios de CCF, a área de contato patelofemural é maior quanto maior é flexão, também maior dissipação da força compressiva. Mesmo assim não é relevante a nível de diminuir a compressão. Para estes exercícios CCf a angulação deverá ser de 0 a 50 graus, já que a compressão aumenta com a flexão. Atenção não existe um consenso na literatura quanto a angulação nos exercícios de CCA, sendo importante usar as angulações livres de algias.

40 Condromalácia Joelho de Corredor Amolecimento ou desgaste da cartilagem arti - cular sob a patela,, provocando dor e inflamação Causas : atrito repetitivo das superfícies articula res da patela e do fêmur sob condições de desa- linhamento patelar ou de biomecânica anormal do joelho. Incidência

41 Condromalácia Sintomas Dor difusa na região anterior do joelho ao caminhar, correr, saltar, subir e descer escadas, agachamento Inflamação Crepitação na flexão/extensão do joelho Mecanismo da articulação patelo-femural Função da patela Alinhamento Forças de reação

42 Condromalácia Fatores que prejudicam o alinhamento patelar Aumento do ângulo Q Patela alta Insuficiência do Vasto Medial Oblíquo Desequilíbrios articulares Tratamento Objetivos Trabalho mais eficaz : Vasto Medial Oblíquo Posição do fêmur Origem das fibras do Vasto Medial Oblíquo Dor na contração Trabalho excêntrico / Trabalho dinâmico Alongamentos

43 O ângulo Q ( Ângulo do Quadriceps ) Linha Média da Coxa Tubérculo Tibial Ângulo Q Centro da Patela

44 Testes de Condromalácia Compressão Patelar Mobilizar a patela exercendo pressão sobre ela : haverá crepitação e/ ou dor. Contração do Quadríceps Pedir ao paciente para con trair o quadríceps, seguran do a patela dentro do sulco

45 Testes de Condromalácia Descolamento Patelar Fazer a palpação das bordas e da face inferior da patela, descolando-a do sulco. Será sentido o amolecimento da cartilagem articular.

46 Exercício para dor patelofemural (condromalacia) Muito importante o fortalecimento de quadriceps, ísquios glúteos e panturrilhas Atualmente na luz da ciência, não existe exercício ou movimento angular especialnas contrações isotonicas para a estimulação do VMO Exercícios de CCF estimulam mais o VMO em 20%. Exercícios de CCA estimulam mais em45% o reto femural (Johnson 1998)

47 Plica Sinovial Plicas sinoviais : dobras na membrana sinovial para permitir o movimento do joelho. Há 4 plicas sinoviais,, mas a plica medial é a mais susceptível a complicações. Síndrome da plica medial : irritação da plica sinovial medial por atrito com o côndilo femural medial.

48 Plica Sinovial Causas : Traumas diretos Esforços repetitivos ou atividades cíclicas Processos inflamatórios Espessamentos / cicatrizes da plica Vasto lateral fraco Vasto medial encurtado

49 Síndrome da Plica Sinovial

50 Plica Sinovial Sintomas : Dor ( sentado ou após atividade física ) Edema Crepitação Falhas na deambulação Bloqueio articular Diagnóstico : Difícil. Normalmente confundido com outros problemas. Teste : estando o paciente sentado, com os membros inferiores pen - dentes, solicitar-lhe lhe que realize a extensão do joelho contra a resistên- cia manual do examinador, que deverá apoiar a outra mão a nível ânteromedial patelar. Entre 30 º e 20 º de extensão a patela apresen- tará um ressalto, podendo haver dor.

51 Plica Sinovial Cinesioterapia : Medicação anti-inflamatória inflamatória e gelo para reduzir a inflamação e o edema na área da plica. Na ausência de quadro álgico : fortalecimento geral da muscula- tura ( anterior e posterior ) Mobilização cuidadosa da patela para retirar aderências Evitar adução resistida

52 Reeducação Sensório-motora Receptores Sensoriais Exteroceptores Interoceptores Próprioceptores : conscientes e inconscientes Próprioceptores Articulares e Periarticulares Órgãos tendinosos de Golgi Fusos musculares Receptores de Rufini Cápsulas de Golgi - Mazzoni Cápsulas de Pacini

53 Reeducação Sensório-motora Fases do Trabalho Proprioceptivo Fase do leito Fase do deslizamento Fase da distribuição de peso Fase do giroplano Fase do solo Fase das espumas Fase do solo com obstáculos Fase do circuito }Fisioterapeuta Prof. Educação Física

54 Teste de Tração de Apley Teste dos Ligamentos Colaterais Tração para cima do tornozelo c/ rotação interna e externa da tíbia

55

JOELHO. Partes Ósseas

JOELHO. Partes Ósseas JOELHO A maior articulação do corpo humano Sinopse Partes Ósseas Articulações Músculos Ligamentos Meniscos Lesões mais comuns Instabilidade Fêmuro - patelar Luxação Plica Sinovial Condromalácia Partes

Leia mais

Anatomia do joelho. Introdução

Anatomia do joelho. Introdução Introdução Didaticamente o joelho é dividido em duas articulações distintas: uma entre o fêmur e a tíbia chamada de fêmoro-tibial (AFT) e outra entre o F6emur e a patela denominada fêmoro-patelar. É a

Leia mais

ANATOMIA DO JOELHO. ESTRUTURAS IMPORTANTES - Ossos e articulações - Ligamentos e tendões

ANATOMIA DO JOELHO. ESTRUTURAS IMPORTANTES - Ossos e articulações - Ligamentos e tendões ANATOMIA DO JOELHO INTRODUÇÃO Para uma melhor compreensão de como os problemas ocorrem é importante algum conhecimento da anatomia da articulação do joelho e como as partes se relacionam para manter uma

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões de Partes Moles: Lesão Meniscal: Medial e Lateral Lesão Ligamentar: o Ligamentos Cruzados: Anterior e Posterior o

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

EXAME DO JOELHO. Inspeção

EXAME DO JOELHO. Inspeção EXAME DO JOELHO Jefferson Soares Leal O joelho é a maior articulação do corpo e está localizado entre os dois maiores ossos do aparelho locomotor, o fêmur e a tíbia. É uma articulação vulnerável a lesões

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR www.cesarmar)ns.com.br INCIDÊNCIA - 5-10% (Harner, 1997) - Freq. não diagnosticada ( Shelbourne, 1997) - + de 90% são associadas a outros lig. - Lesões LCM afastar

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Movimentos da articulação do joelho. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Movimentos da articulação do joelho. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Movimentos da articulação do joelho Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Introdução Uma das mais complexas articulações do corpo humano. É composta por 3 articulações: 1. entre os côndilos mediais

Leia mais

LESOES MENISCAIS Ricardo Yabumoto Curitiba, 09 de Abril de 2007 Introdução Forma aproximada de C Integram o complexo biomecânico do joelho Servem de extensões da tíbia para aprofundar as superfícies articulares,

Leia mais

André Corrêa de Araújo *, Alexandre Figueiredo Zabot ** _

André Corrêa de Araújo *, Alexandre Figueiredo Zabot ** _ REVISÃO ESTRATÉGIA DE RACIOCÍNIO CLÍNICO DE UM SOFTWARE DE AVALIAÇÃO DE LESÕES ESPORTIVAS UTILIZANDO O COMPARTIMENTO MEDIAL DO JOELHO COMO MODELO DE TRABALHO André Corrêa de Araújo *, Alexandre Figueiredo

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES DEISE SANTOS 1 MARCIA JOSIANE CARDOSO 2 VALTER ANTUNES NEUMANN 3 LUCIANO LEAL LOUREIRO 4 RESUMO O joelho é uma das articulações mais importantes

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia Joelho O joelho é a articulação intermédia do membro inferior, é formado por três ossos:

Leia mais

ANATÔMIA RADIOLÓGICA SECCIONAL DO ESQUELETO APENDICULAR

ANATÔMIA RADIOLÓGICA SECCIONAL DO ESQUELETO APENDICULAR Disciplina: Anatomia e Fisiologia ANATÔMIA RADIOLÓGICA SECCIONAL DO ESQUELETO APENDICULAR Rafael Carvalho Silva Ombro Visão Coronal (anterior/posterior) Módulo I Trapézio Clavícula Ligamento coracoacromial

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

Clínica Universitária de Radiologia Reunião Temática RM do Joelho

Clínica Universitária de Radiologia Reunião Temática RM do Joelho Clínica Universitária de Radiologia Reunião Temática RM do Joelho Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 02/02/2015 Protocolo: Sagitais ponderadas em DP e T2 com saturação de gordura

Leia mais

Testes para o Joelho

Testes para o Joelho Testes para o Joelho Teste de compressão de Apley Pcte em dec. ventral, fletir a perna a 90º. Segurar o tornozelo, aplicar pressão para baixo e girar a perna lateral//e emedial//e. Teste de compressão

Leia mais

01 - BRANCA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME:

01 - BRANCA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) A luxação

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica André Montillo UVA Anatomia do Quadril Anatomia do Quadril Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica Definição: Bursite Trocanteriana É o Processo Inflamatório da Bursa

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL:

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) Na

Leia mais

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML Patologia do Joelho EXAME CLÍNICO DOR Difusa no processo inflamatório e degenerativo; localizada quando o problema é mecânico RIGIDEZ Comum, podendo causar claudicação AUMENTO DE VOLUME - Localizado ou

Leia mais

FRATURAS DA PATELA. ANATOMIA: É o maior sesamóide do corpo. O centro de ossificação surge com 2-3 anos

FRATURAS DA PATELA. ANATOMIA: É o maior sesamóide do corpo. O centro de ossificação surge com 2-3 anos FRATURAS DE JOELHO FRATURAS DA PATELA ANATOMIA: É o maior sesamóide do corpo O centro de ossificação surge com 2-3 anos Anomalioas da ossificação estão relacionadas a um centro acessório localizado no

Leia mais

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR TRATAMENTO FISIOTERÁPICO 1 Físiodiagnóstico Déficit orgânico e

Leia mais

Antigos conceitos são modernos no tratamento das doenças ligamentares do joelho

Antigos conceitos são modernos no tratamento das doenças ligamentares do joelho ANTIGOS CONCEITOS SÃO MODERNOS NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS LIGAMENTARES DO JOELHO ARTIGO DE ATUALIZAÇÃO Antigos conceitos são modernos no tratamento das doenças ligamentares do joelho MARCO M. AMATUZZI 1

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR Anatomia O ligamento cruzado anterior (LCA) é um dos ligamentos mais importantes para a estabilidade do joelho. Considerado um ligamento intra-articular, sua função

Leia mais

Instabilidade Femuropatelar

Instabilidade Femuropatelar www.medsports.com.br Instabilidade Femuropatelar Dr. Rogério Teixeira da Silva Médico Assistente - CETE UNIFESP/EPM Introdução Patela - sesamóide 3 facetas (lateral, medial, odd facet - med) 3 tipos (Wiberg)

Leia mais

Com muita história. Nasceu a tecnologia.

Com muita história. Nasceu a tecnologia. Com muita história. Nasceu a tecnologia. Mesmo sendo revolucionário em princípios e design, o Scorpio baseia-se em uma diversidade de princípios biomecânicos da anatomia e fisiologia do joelho. O ponto

Leia mais

LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO LESÕES DOS MENISCOS. Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch

LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO LESÕES DOS MENISCOS. Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO LESÕES DOS LIGAMENTOS LESÕES DOS MENISCOS Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch JOELHO TRAUMÁTICO-LESÕES MENISCAIS SUMÁRIO I. Aspectos anatômicos e biomecânicos II. Mecanismo de lesão

Leia mais

Residência em Ortopedia e Traumatologia

Residência em Ortopedia e Traumatologia Residência em Ortopedia e Traumatologia FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG NOVO COLEGA DR. ARTUR CRUZ 05 MAIO - 2008 CURSO AO RIO GRANDE 27º NÚMERO UNIDADE DO TRAUMA TELEFONES DA URGENCIA

Leia mais

Patologias dos membros inferiores

Patologias dos membros inferiores Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Doenças do quadril Doenças do joelho Doenças do pé e tornozelo Introdução Doenças

Leia mais

Afecções do Joelho. Introdução

Afecções do Joelho. Introdução C a p í t u l o 13 Afecções do Joelho Nilson Roberto Severino Ricardo de Paula Leite Cury Victor Marques de Oliveira Osmar Pedro Arbix de Camargo Tatsuo Aihara Introdução O joelho é considerado uma articulação

Leia mais

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO (A) OBJETIVOS GERAIS - Independência na marcha e nos cuidados pessoais - Adequação física e emocional quanto ao uso da prótese OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Cicatrização

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR

ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO QUADRIL FÊMUR

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

Sobre as propriedades da laserterapia de baixa potência, relacione as colunas abaixo: I. Monocromaticidade. II. Colimação. III. Coerência.

Sobre as propriedades da laserterapia de baixa potência, relacione as colunas abaixo: I. Monocromaticidade. II. Colimação. III. Coerência. LASER Sobre as propriedades da laserterapia de baixa potência, relacione as colunas abaixo: I. Monocromaticidade. II. Colimação. III. Coerência. ( ) A luz emitida pelos aparelhos laser apresenta a mesma

Leia mais

Intodução Como um joelho normal funciona?

Intodução Como um joelho normal funciona? Intodução É natural termos dúvidas e questionamentos antes de nos submetermos a uma cirurgia. Foi pensando nisso que elaboramos esse manual. Nosso objetivo é ajudá-lo a entender melhor o funcionamento

Leia mais

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo Articulação sinovial do tipo gínglimo As extremidades inferiores da Tíbia e Fíbula formam um entalhe onde se ajusta a tróclea do Tálus, que tem forma de roldana. Tálus

Leia mais

ARTIGO DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO

ARTIGO DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO ARTIGO DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO Reabilitação do joelho Pérola Grinberg Plapler 1 Descritores Joelho. Reabilitação. Key words Knee. Rehabilitation. INTRODUÇÃO Os conhecimentos sobre as patologias do joelho

Leia mais

LABRUM ACETABULAR MARQUES, R. M. (2007) 1 O LABUM ACETABULAR.

LABRUM ACETABULAR MARQUES, R. M. (2007) 1 O LABUM ACETABULAR. LABRUM ACETABULAR MARQUES, R. M. (2007) 1 LABRUM ACETABULAR O Labrum Acetabular é uma espécie de moldura que reveste as bordas da cavidade acetabular do quadril e a mantém firmemente articulada à cabeça

Leia mais

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO ORTOPÉDICA PARA O JORNALISTA ESPORTIVO AGRADECIMENTOS Secretaria Municipal de Esporte e Lazer Agradecemos o apoio imprescindível do presidente da Associação Brasileira de Traumatologia Desportiva e médico

Leia mais

FLEXIBILIDADE É A AMPLITUDE DE MOVIMENTO DISPONÍVEL AO REDOR DE UMA ARTICULAÇÃO OU DE UMA SÉRIE DE ARTICULAÇÕES. A FLEXIBILIDADE É IMPORTANTE NÃO

FLEXIBILIDADE É A AMPLITUDE DE MOVIMENTO DISPONÍVEL AO REDOR DE UMA ARTICULAÇÃO OU DE UMA SÉRIE DE ARTICULAÇÕES. A FLEXIBILIDADE É IMPORTANTE NÃO FLEXIBILIDADE É A AMPLITUDE DE MOVIMENTO DISPONÍVEL AO REDOR DE UMA ARTICULAÇÃO OU DE UMA SÉRIE DE ARTICULAÇÕES. A FLEXIBILIDADE É IMPORTANTE NÃO APENAS PARA O SUCESSO NO DESEMPENHO FÍSICO, MAS TAMBÉM

Leia mais

BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO

BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO O pé é considerado como uma das mais importantes articulações do corpo, pois além de possuir importantes funções no suporte de peso e na marcha, ele é causa de várias patologias,

Leia mais

DEDOS ABDUZIDO E EM FORMA DE GARRA

DEDOS ABDUZIDO E EM FORMA DE GARRA DEDOS HÁLUX ADUZIDO HÁLUX HÁLUX ADUZIDO HÁLUX ABDUZIDO E EM FORMA DE GARRA Tornozelo: Observa-se a posição relativa dos maléolos tibial e fibular e a relação destes dois acidentes ósseos em conjunto com

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA QUESTÃO 21 Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: a) O politrauma é a uma das principais causas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE GENERAL CARNEIRO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE GENERAL CARNEIRO CADERNO DE PROVAS Cargo Nº. DE INSCRIÇÃO DO CANDIDATO Domingo, 4 de dezembro de 2011. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 ANTES

Leia mais

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro Quais as características do Treinamento Funcional? Desenvolver e melhorar as capacidades físicas através de estímulos que proporcionam

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

FERNANDO LAZZARIN BAVARESCO EVOLUÇÃO DE UM PACIENTE SUBMETIDO À MENISCECTOMIA PARCIAL: ESTUDO DE CASO

FERNANDO LAZZARIN BAVARESCO EVOLUÇÃO DE UM PACIENTE SUBMETIDO À MENISCECTOMIA PARCIAL: ESTUDO DE CASO FERNANDO LAZZARIN BAVARESCO EVOLUÇÃO DE UM PACIENTE SUBMETIDO À MENISCECTOMIA PARCIAL: ESTUDO DE CASO Cascavel 2003 FERNANDO LAZZARIN BAVARESCO EVOLUÇÃO DE UM PACIENTE SUBMETIDO À MENISCECTOMIA PARCIAL:

Leia mais

TÍTULO: INCIDÊNCIA DE LESÕES NO JOELHO NA POPULAÇÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ENCAMINHADA PARA REABILITAÇÃO

TÍTULO: INCIDÊNCIA DE LESÕES NO JOELHO NA POPULAÇÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ENCAMINHADA PARA REABILITAÇÃO TÍTULO: INCIDÊNCIA DE LESÕES NO JOELHO NA POPULAÇÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ENCAMINHADA PARA REABILITAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Coluna e Membros Inferiores

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Coluna e Membros Inferiores CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Coluna e Membros Inferiores Músculos da Coluna Mul-.deo Eretor da Espinha Iliocostal Mul-.deo Mul-fideo Origem: Processos espinhosos das vértebras da coluna

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS CURITIBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS CURITIBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS CURITIBA Orto-Hemo HC-UFPR LUCIANO DA ROCHA LOURES PACHECO HC-UFPR Luciano Rocha Loures Pacheco COMPLICAÇÕES MUSCULOESQUELÉTICAS E ALTERNATIVAS TERAPÊUTICAS

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

UNESP. Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá

UNESP. Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá UNESP Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá PEDRO DEL MÔNACO MONTEIRO Modelagem em 3D de uma patela humana e análise de esforços utilizando o método dos elementos finitos Guaratinguetá 2011

Leia mais

DESPORTO LESÕES DESPORTIVAS SE TEM UMA LESÃO. Lesões Desportivas. Não Deve Fazer. Deve Fazer

DESPORTO LESÕES DESPORTIVAS SE TEM UMA LESÃO. Lesões Desportivas. Não Deve Fazer. Deve Fazer DESPORTO LESÕES DESPORTIVAS Vem descobrir quais as lesões mais comuns e o que fazer em cada uma delas Carlos Cruz Perde-se no tempo o conselho à prática desportiva. Quer sejamos velhos ou novos a actividade

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº003/2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CARGO: FISIOTERAPEUTA Nome do candidato: Doc. Identificação: Prova de Conhecimentos Específicos 1) Modo ventilatório é a forma como

Leia mais

Fraturas Osteocondrais. Dr. Paulo Rockett

Fraturas Osteocondrais. Dr. Paulo Rockett Fraturas Osteocondrais Dr. Paulo Rockett Freqüentes 80% das lesões do LCA apresentam lesões condrais ou osteocondrais Atingem a estrutura mais importante da articulação: CARTILAGEM Geralmente são negligenciadas

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR Protocolo: Nº 72 Elaborado por: Antônio Osmar Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

Lesões no esporte. Lesões tendíneas. Lesões musculares

Lesões no esporte. Lesões tendíneas. Lesões musculares UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Centro ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA CENTRO DE ESTUDOS DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Lesões tendíneas Lesões no esporte Profa. Dra. Marilia dos Santos Andrade Lesões tendíneas

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PONTO-FINAL CUO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DERIÇÃO: Cursos presenciais Vale 3,0 pontos para a Revalidação do TEOT PROGRAMAÇÃO: OSTEONECROSE DA CABEÇA BELÉM/ PA 18.05.2007 SEXTA-FEIRA 20:00-20:20

Leia mais

Estrutura e Função da Medula Espinhal

Estrutura e Função da Medula Espinhal FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Estrutura e Função da Medula Espinhal Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Introdução A cintura pélvica é composta pela articulação sacro-ilíaca, pela sínfise púbica e pela articulação coxo-femoral. Esta última corresponde à articulação

Leia mais

Reabilitação funcional do joelho pós ligamentoplastia do ligamento cruzado anterior do joelho. Um Estudo de Caso.

Reabilitação funcional do joelho pós ligamentoplastia do ligamento cruzado anterior do joelho. Um Estudo de Caso. 6 Reabilitação funcional do joelho pós ligamentoplastia do ligamento cruzado anterior do joelho. Um Estudo de Caso. Jorge, Matheus da Cunha*; Duarte, Marcelo Silva** * Fisioterapeuta, Pós-graduado em anatomia

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Retropé: Articulação Tibiofibular

Leia mais

Vias de acesso ao membro inferior 82

Vias de acesso ao membro inferior 82 Vias de acesso ao membro inferior 82 IVO SCHMIEDT CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN SUMÁRIO Quadril... 1591 Coxa... 1597 Joelho... 1600 Perna... 1612 Pé... 1614 Referências bibliográficas... 1620 O objetivo

Leia mais

UVA Universidade Veiga de Almeida Curso de Fisioterapia

UVA Universidade Veiga de Almeida Curso de Fisioterapia UVA Universidade Veiga de Almeida Curso de Fisioterapia FERNANDA MARIA RAMOS DO NASCIMENTO CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA NO POS- OPERATÓRIO DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR RIO DE JANEIRO 2009 FERNANDA

Leia mais

FELIPE FERRARI VANNI TÉCNICA CIRÚRGICA EXTRA-ARTICULAR DE RUPTURA DE LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃES: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA.

FELIPE FERRARI VANNI TÉCNICA CIRÚRGICA EXTRA-ARTICULAR DE RUPTURA DE LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃES: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. FELIPE FERRARI VANNI TÉCNICA CIRÚRGICA EXTRA-ARTICULAR DE RUPTURA DE LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃES: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Porto Alegre 2012 1 FELIPE FERRARI VANNI TÉCNICA CIRÚRGICA EXTRA-ARTICULAR

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

LEONARDO DAS NEVES A INCIDÊNCIA DE LESÕES E INSTABILIDADE ARTICULAR NO JOELHO DE SURFISTAS PROFISSIONAIS FLORIANÓPOLIS SC

LEONARDO DAS NEVES A INCIDÊNCIA DE LESÕES E INSTABILIDADE ARTICULAR NO JOELHO DE SURFISTAS PROFISSIONAIS FLORIANÓPOLIS SC LEONARDO DAS NEVES A INCIDÊNCIA DE LESÕES E INSTABILIDADE ARTICULAR NO JOELHO DE SURFISTAS PROFISSIONAIS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Leia mais

CENTER FISIO - IMES R INSTITUTO MINEIRO DE ESTUDOS SISTÊMICOS ACUPUNTURA COM FITAS - SPIRAL TAPING -

CENTER FISIO - IMES R INSTITUTO MINEIRO DE ESTUDOS SISTÊMICOS ACUPUNTURA COM FITAS - SPIRAL TAPING - CENTER FISIO - IMES R INSTITUTO MINEIRO DE ESTUDOS SISTÊMICOS ACUPUNTURA COM FITAS - SPIRAL TAPING - INTRODUÇÃO Em 1980, surgiram as primeiras experiências com o Spiral Taping, esta técnica terapêutica,

Leia mais

Formação Interna Ortopedia Técnica

Formação Interna Ortopedia Técnica Formação Interna Ortopedia Técnica Maria Martins Costa 17 de Setembro de 2013 Tronco Dor lombar insuficiência muscular; Disturbios ligamentosos Dor lombar disturbios das articulações; Desequilibrio do

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO QUADRIL

AVALIAÇÃO DO QUADRIL AVALIAÇÃO DO QUADRIL 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação sinovial esferóidea com 3 graus de liberdade; Posição de repouso: 30 de flexão, 30 de abdução, ligeira rotação lateral;

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

FISIOTERAPIA. " Orientações sobre a fisioterapia para pais de crianças com epidermólise bolhosa "

FISIOTERAPIA.  Orientações sobre a fisioterapia para pais de crianças com epidermólise bolhosa FISIOTERAPIA " Orientações sobre a fisioterapia para pais de crianças com epidermólise bolhosa " http://blog.ebinfoworld.com/?p=80 Traduzido e adaptado por Gisele Malaquias, fisioterapeuta em Cerqueira

Leia mais

Radiologia Brasileira ISSN 0100-3984 versão impressa

Radiologia Brasileira ISSN 0100-3984 versão impressa Radiologia Brasileira ISSN 0100-3984 versão impressa Radiol Bras v.37 n.3 São Paulo maio/jun. 2004 RELATO DE CASO Resolução espontânea de lesão em alça de balde do menisco medial: relato de caso e revisão

Leia mais

Complexo do cotovelo. Diogo Barros de Moura Lima

Complexo do cotovelo. Diogo Barros de Moura Lima Complexo do cotovelo Diogo Barros de Moura Lima Anatomia Complexo do cotovelo Articulação umeroulnar Cotovelo Articulação umerorradial Articulação radiulnar proximal (pronação/supinação) flexão/extensão

Leia mais

MMII: Perna Tornozelo e Pé

MMII: Perna Tornozelo e Pé MMII: Perna Tornozelo e Pé Perna:Estruturas anatômicas Articulações visualizadas Incidências 1- AP Indicação Patologias envolvendo fraturas, corpos estranhos ou lesões ósseas. Perfil Indicação - Localização

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart Dados Pessoais: História Clínica: Nome: P.R. Idade: 54 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Fisioterapeuta Diagnóstico Médico: Fratura comitiva da rótula Utente de raça caucasiana, Fisioterapeuta,

Leia mais

ARES KINESIOLOGY TAPE

ARES KINESIOLOGY TAPE Guia de Aplicações ARES KINESIOLOGY TAPE > Instruções Gerais > Instruções de Aplicações Básicas > Aplicações Clínicas Conteúdo O que é ARES TAPE Como funciona? Instruções gerais 8 9 10 Pescoço / Ombro

Leia mais

CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1

CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1 CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1 CAMPIOLI, Carlos Gustavo Mendes 1 ; FERREIRA, Iuri Armstrong de Freitas 2 ; VALADÃO, Francielly Costa 3 ; OLIVEIRA, Luan Tavares de 4 ; GOMES, Bianca

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais