Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular"

Transcrição

1 Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado o terapeuta sentirá esboço de contração muscular à palpação,porém,o paciente será incapaz de realizar movimentos. Grau 2:o paciente será capaz de realizar o movimento ativamente com amplitude de movimento completa sem a ação da gravidade,ou amplitude me movimento incompleta com a ação da gravidade(paciente incapaz de ficar na posição da prova de função) Grau 3:O paciente mantém a posição de prova sob a ação da gravidade de 3 à 5 segundos,mas não consegue resistir a outras forças. Grau 4:O paciente consegue manter a posição de prova sob a ação da gravidade e resiste a pressão manual do terapeuta(submáxima de 60-70%) de 3 à 5 segundos) Grau 5:O paciente consegue manter a posição de prova sob a ação da gravidade e resiste a pressão manual do terapeuta(máxima 100%) de 3 à 5 segundos. Adutores da Coxa Adutor Longo Origem:Corpo do púbis Inserção:Linha áspera do fêmur Ação:Adução,flexão e rotação lateral da coxa Inervação:Nervo Obturatório Pcte: em DL com ABD da coxa a não ser testado. O membro a ser testado faz ADD e pede para o pcte manter Fisio: aplica pressão, próximo ao joelho, no sentido da ABD. Adutor Curto Origem:Corpo e ramo inferior do púbis Inserção:Linha áspera do fêmur Ação:Adução,flexão e rotação lateral da coxa Inervação:Nervo Obturatório 1

2 Adutor Magno Origem:Túber isquiático Inserção:Linha áspera e tubérculo do adutor do fêmur Ação:Adução e extensão da coxa Inervação:Parte tibial do nervo isquiático Adutor Mínimo Origem:Ramos inferiores do púbis e do ísquio Inserção:Tuberosidade glútea e linha áspera do fêmur Ação:Adução e rotação lateral da coxa Inervação:Nervo Obturatório Músculo Grácil Origem:Corpo e ramo inferior do púbis Inserção:Medialmente a tuberosidade da tíbia Ação:Flexão,rotação medial da perna e adução da coxa Inervação:Nervo obturatório Músculo Pectíneo Origem:Linha pectínea do púbis Inserção:Linha pectínea do fêmur Ação:Adução,flexão e rotação lateral da coxa Inervação:Nervo femoral e nervo obturatório Glúteo Máximo Glúteo máximo Origem:Face glútea do osso do quadril(linha glútea posterior);e tuberosidade sacral Inserção:Trato iliotibial e tuberosidade glútea Pcte: em DV com flexão de 90º da perna a ser testada e extensão da coxa. Ação:Extensão e rotação lateral da coxa;fibras inferiores: Adução da coxa;fibras superiores:abdução da coxa Fisio: estabiliza a pelve ipsilateral e aplica pressão no terço distal da coxa no sentido da flexão. Inervação:Nervo glúteo inferior 2

3 Glúteo Médio (fibras posteriores) Glúteo Médio (fibras anteriores) Pcte: em DL com ABD da coxa e rotação medial. Pcte: em DL com ABD da coxa e rotação lateral. Fisio: aplica pressão no terço distal da perna no sentido da ADD. Estabiliza a pelve. Fisio: aplica pressão no terço distal da perna no sentido da ADD. Estabiliza a pelve. Glúteo Médio Glúteo Mínimo Origem:Face glútea do osso do quadril(entre as linhas glúteas anterior e posterior) Inserção:Trocanter maior do fêmur Ação:Abdução e rotação medial da coxa Inervação:Nervo glúteo superior Pcte: em DL com ABD da coxa. Fisio: aplica pressão no terço distal da perna no sentido da ADD. Estabiliza pelve. 3

4 Glúteo Mínimo Iliopsoas (DD) Origem:Face glútea do osso do quadril(entre as linhas glúteas anterior e inferior) Inserção:Trocanter maior do fêmur Ação:Abdução e rotação medial da coxa Inervação:Nervo glúteo superior Pcte: DD,flexão e abdução de aproximadamente 45º,com a perna estendida Fisio: estabiliza a pelve contralateral e aplica pressão no terço distal da perna no sentido da extensão. Iliopsoas (sentado) Psoas Maior Origem:Corpos e processos transversos de T12 à L4 Inserção:Trocanter menor do fêmur Ação:Flexão da coxa e elevação da pelve (Quando a coxa está fixa,flexão e inclinação lateral do tronco) Inervação:Ramos ventrais dos nervos lombares Pcte: sentado com flexão da coxa e da perna. Fisio: aplica pressão no terço distal da coxa no sentido da extensão. Estabiliza o tronco. Psoas Menor Origem:Corpo de T12 e L1 Inserção:Arco iliopectíneo Ação:Auxilia o psoas maior na elevação da pelve e na flexão e na inclinação lateral do tronco quando a coxa está fixa Inervação:Ramos musculares do plexo lombar 4

5 Quadrado do Lombo Quadrado do Lombo Origem:Crista ilíaca e processos transversos das 3 últimas vértebras lombares Inserção:12ª costela e face posterior de todas as vértebras lombares Pcte: em DD,elevação da hemipelve a ser testada,com abdução e extensão da coxa, perna estendida. Fisio: aplica pressão no tornozelo (tração) no sentido da depressão da pelve. Ação:Unilateral- inclina a coluna para o mesmo lado;bilateral- atua na inspiração Inervação:Ramo anterior(nervo intercostal) do 12º nervo torácico e ramos anteriores dos 3 primeiros nervos lombares Rotadores Laterais da Coxa Rotadores Laterais Os músculos rotadores laterais da coxa são:glúteo máximo,sartório,pectíneo,adutor longo,curto e mínimo,bíceps Femoral (já citados) e, Ilíaco,Piriforme,Obturador interno,externo,gêmeo superior,inferior,quadrado Femoral (que serão citados a seguir). Pcte: sentado com rotação lateral da coxa. Fisio: aplica pressão no terço distal e medial da perna no sentido da rotação medial. Ilíaco Origem:Fossa ilíaca Inserção:Trocanter menor do fêmur Ação:Flexão e rotação lateral da coxa e quando a coxa está fixa faz anteversão da pelve Inervação:Ramos ventrais dos nervos lombares 5

6 Piriforme Origem:Face anterior do sacro Inserção:Trocanter maior do fêmur Ação:Rotação lateral e abdução da coxa Inervação:Ramos ventrais dos nervos sacrais Obturador Interno Origem:Contorno ósseo do forame obturado Inserção:Fossa trocantérica e trocanter maior do fêmur Ação:Rotação lateral da coxa Inervação:Nervo obturatório interno Obturador Externo Origem:Contorno ósseo do forame obturado Inserção:Fossa trocantérica Ação:Rotação lateral da coxa Inervação:Nervo obturatório Gêmeo Superior Origem:Espinha isquiática Inserção:Fossa trocantérica (através do tendão do músculo obturador interno) Ação:Rotação lateral da coxa Inervação:Nervo obturatório interno Gêmeo Inferior Origem:Túber isquiático Inserção:Fossa trocantérica (através do tendão do músculo obturador interno) Ação:Rotação lateral da coxa Inervação:Nervo para o músculo quadrado femoral Rotadores Mediais da Coxa Quadrado Femoral Origem:Túber isquiático Inserção:Crista intertrocantérica do fêmur Ação:Rotação lateral e adução da coxa Inervação:Nervo para o músculo quadrado femoral Pcte: sedestação com rotação medial da coxa, perna em flexão de 90º. Fisio: aplica pressão no terço distal e lateral da perna no sentido da rotação lateral. 6

7 Rotadores Mediais Tensor da Fáscia Lata Os músculos rotadores mediais da coxa são:glúteo médio,mínimo(fbs anteriores),tensor da Fáscia Lata,Adutor longo,curto,pectíneo,semitendíneo e Semimembranáceo(já citados anteriormente) Pcte: em DD com flexão da coxa de aproximadamente 30º a 40º + rotação medial da coxa. Fisio: aplica pressão no terço distal da perna no sentido da extensão. Tensor da Fáscia Lata Sartório Origem:Espinha ilíaca ântero-superior e crista ilíaca Inserção:Tuberosidade da tíbia(através do trato iliotibial) Ação:Tensiona a fáscia lata;flexão,abdução e rotação medial da coxa Inervação:Nervo glúteo superior Pcte: em DD com flexão, rotação lateral e ABD da coxa, e flexão da perna. Fisio: aplica dupla pressão: 1) No terço distal da coxa na região anterior no sentido da ADD, extensão e rotação medial. 2) No terço distal da perna (região posterior) no sentido da extensão da perna. 7

8 Sartório Quadríceps Pata de ganso (é uma região comum de inserção dos músculos desse grupo) Origem:Espinha ilíaca ântero-superior Inserção:Medialmente à tuberosidade da tíbia Ação:Na coxa- flexão,abdução e rotação lateral;na pernaflexão e rotação medial Inervação:Nervo femoral Pcte: em sedestação com perna em extensão. Fisio: aplica pressão no terço distal da tíbia no sentido da flexão. Reto Femoral Origem:Espinha ilíaca ântero-inferior Inserção:Tuberosidade da tíbia(através do ligamento patelar) Ação:Flexão da coxa e extensão da perna Inervação:Nervo femoral Vasto Lateral Origem:Linha áspera do fêmur Inserção:Tuberosidade da tíbia(através do ligamento patelar) Ação:Extensão da perna Inervação:Nervo femoral Vasto Medial Origem:Linha áspera do fêmur Inserção:Tuberosidade da tíbia(através do ligamento patelar) Ação:Extensão da perna Inervação:Nervo femoral Vasto intermédio Origem:Face anterior da diáfise do fêmur Inserção:Tuberosidade da tíbia(através do ligamento patelar) Ação:Extensão da perna Inervação:Nervo femoral 8

9 Semitendíneo e Semimembranáceo Semitendíneo Origem:Túber isquiático Inserção:Medialmente a tuberosidade da tíbia Ação:Flexão e rotação medial da perna;extensão da coxa Inervação:Parte tibial do nervo isquiático Pcte: em DV com flexão da perna de 45º e rotação medial da coxa. Semimembranáceo Origem:Túber isquiático Inserção:Côndilo medial da tíbia Ação:Flexão e rotação medial da perna;extensão da coxa Inervação:Parte tibial do nervo isquiático Fisio: estabiliza a pelve e faz pressão no terço distal da perna no sentido da extensão. Bíceps Femoral Bíceps Femoral Origem:Cabeça Longa- Túber isquiático;cabeça Curta- Linha áspera do fêmur Inserção:Cabeça da fíbula Ação:Flexão e rotação lateral da perna;extensão da coxa Pcte: em DV com flexão da perna de 45º e rotação lateral da coxa. Fisio: estabiliza a pelve e faz pressão no terço distal da perna no sentido da extensão. Inervação:Cabeça Longa- Parte tibial do nervo isquiático;cabeça Curta- Parte fibular comum do nervo isquiático 9

10 Poplíteo Poplíteo Origem:Côndilo lateral do fêmur- sulco poplíteo Inserção:Acima da linha do músculo sóleo na tíbia Ação:Rotação medial e flexão da perna Pcte: sentado com flexão da coxa e perna de 90º e com os pés apoiados no chão. Inervação:Nervo tibial Fisio: posiciona a perna em rotação lateral e pede-se para o pcte fazer rotação medial. Gastrocnêmio Gastrocnêmio Origem:Cabeça Lateral- acima do côndilo lateral do fêmur;cabeça Medial- acima do côndilo medial do fêmur Inserção:Tuberosidade do calcâneo (através do tendão do calcâneo) Pcte: em DV com os pés fora da maca em flexão plantar. Ação:Flexão plantar,e auxilia a flexão da perna se o pé estiver em dorsiflexão Fisio: aplica pressão com uma mão no calcâneo e a outra na planta do antepé no sentido da dorsiflexão. Inervação:Nervo tibial 10

11 Sóleo Sóleo Origem:Linha do músculo sóleo na tíbia Inserção:Tuberosidade do calcâneo(através do tendão do calcâneo) Ação:Flexão plantar Pcte: em DV com flexão da perna de 90º e flexão plantar do pé. Inervação:Nervo tibial Fisio: aplica pressão na região do calcâneo no sentido da dorsiflexão e estabiliza a perna. Tibial Anterior Tibial anterior Origem:Côndilo e face lateral da tíbia e membrana interóssea Inserção:Osso cuneiforme medial e base do 1º osso metatarsal Pcte: em DD ou sentado com dorsiflexão e inversão do pé Fisio: estabiliza 1/3 distal da perna e aplica pressão no 1º metatarsal no sentido da flexão plantar e eversão. Ação:Dorsiflexão e inversão(auxilia a sustentar o arco longitudinal medial do pé) Inervação:Nervo fibular profundo 11

12 Fibular Terceiro Fibular Terceiro Origem:Fibras oriundas do músculo extensor longo dos dedos Inserção:Base do 5º osso metatarsal Pcte: em DD ou sentado com dorsiflexão e eversão. Fisio: estabiliza 1/3 distal da perna e aplica pressão no 5º. metatarsal no sentido da flexão plantar e inversão. Ação:Dorsiflexão e eversão do pé Inervação:Nervo fibular profundo Fibulares Longo e Curto Fibular Longo Origem:Cabeça e colo da fíbula Inserção:Osso cuneiforme medial e base do 1º osso metatarsal Ação:Flexão Plantar,eversão e auxilia a sustentar o arco longitudinal medial do pé Inervação:Nervo fibular superficial Pcte: em DD ou sentado com flexão plantar e eversão do pé. Fisio: estabiliza 1/3 distal da perna e aplica pressão no 5º. metatarsal no sentido da dorsiflexão com inversão. Fibular Curto Origem:Parte inferior da face lateral da fíbula Inserção:Tuberosidade do 5º osso metatarsal Ação:Flexão plantar e eversão Inervação:Nervo fibular superficial 12

13 Tibial Posterior Tibial Posterior Origem:Face posterior da tíbia e fíbula, e membrana interóssea Inserção:Ossos navicular,cuneiformes e cubóide;2º,3º e 4º ossos metatarsais Pcte: em DD ou sentado com flexão plantar e inversão. Fisio: estabiliza 1/3 distal da perna e aplica pressão na região medial e anterior do pé no sentido da dorsiflexão e eversão. Ação:Flexão plantar,inversão e auxilia na sustentação do arco longitudinal do pé Inervação:Nervo tibial Extensores do Hálux Extensor Longo do Hálux Origem: Porção média da diáfise da fíbula e membrana interóssea Inserção:Base da falange distal do hálux Pcte: em DD ou sentado com o pé em posição neutra, e extensão do hálux. Fisio: Com uma mão estabiliza em flexão os outros dedos e com a outra aplica pressão no sentido da flexão do hálux Ação:Extensão da primeira articulação metacarpofalangeana e interfalangeana e dorsiflexão Inervação:Ramo do nervo fibular profundo(l4-s1) 13

14 Flexores do Hálux Flexor Longo do Hálux Origem: Face posterior da fíbula e membrana interóssea Inserção: Falange distal do hálux Pcte: em DD ou sentado como pé em posição neutra e flexão do hálux. Fisio: Com uma mão estabiliza os outros dedos em flexão e com a outra, aplica pressão no hálux, no sentido da extensão. Ação:Flexão do hálux,flexão plantar e auxilia na sustentação do arco longitudinal do pé Inervação:Nervo tibial Extensor dos Dedos Extensor dos Dedos Origem: Porção média da diáfise da fíbula e membrana interóssea Inserção: Falange distal do 2º ao 5º dedos Ação:Extensão do 2º ao 5º dedos Pcte: em DD ou sentado com o pé em posição neutra e extensão dos dedos. Fisio:Com uma mão estabiliza o pé e com a outra realiza pressão no sentido da flexão dos dedos Inervação:Nervo fibular profundo 14

15 Flexores dos Dedos Flexor Longo dos Dedos Origem:Face posterior da tíbia e membrana interóssea Inserção:Falange distal do 2º ao 5º dedos Ação:Flexão do 2º ao 5º dedos,flexão plantar e auxilia na sustentação do arco longitudinal do pé Inervação:Nervo tibial Pcte: em DD ou sentado com o pé em posição neutra e flexão dos dedos. Fisio: estabiliza o pé e com a outra mão realiza pressão no sentido da extensão dos dedos. Flexor Curto dos dedos Origem:Tuberosidade do calcâneo,cuneiformes e cubóide Inserção:Falanges médias do 2º ao 5º dedos Ação:Flexão do 2º ao 5º dedos Inervação:Nervo plantar medial Flexores do Tronco Reto do Abdome - Supra umbilical Origem:Crista púbica Inserção:Processo xifóide e da 5ª à 7ª cartilagens costais Ação:Flexão e inclinação ipsilateral do tronco.comprime o abdome durante a expiração forçada Inervação:Ramos ventrais dos nervos espinais de T7 à T12 15

16 Regular Bom Pcte: em DD, braços cruzados no tórax e pede-se para o pcte fazer a flexão do tronco, deve retirar as costas até o ângulo inferior da escapula, manter por 5 segundos. Fisio: deve estabilizar os membros inferiores. Pcte: em DD, com flexão do braço de 45º e pede-se para o pcte fazer a flexão do tronco, deve retirar as costas até o ângulo inferior da escapula, manter por 5 segundos. Fisio: deve estabilizar os membros inferiores. Ótimo Reto do Abdome Infra abdominal Regular 60º Bom 30º Ótimo 10º Pcte: em DD, com as mãos na região da nuca pede-se para o pcte fazer a flexão do tronco, deve retirar as costas até o ângulo inferior da escapula, manter por 5 segundos. Fisio: deve estabilizar os membros inferiores. Pcte: em DD com flexão da coxa e extensão da perna. Pcte deve manter por 5 segundos. Fisio: deve observar a curvatura lombar, ao aumentar a lordose será determinada a graduação da força. 16

17 Extensores do Tronco Regular Pcte: em DV com as mãos na região da nuca esboça a elevação, mas não consegue fazer. Fisio: estabiliza MMII. Bom Ótimo Pcte: em DV com as mãos na região da nuca consegue elevar até a região dos mamilos. Pcte deve manter por 5 segundos. Fisio: estabiliza MMII. Pcte: em DV com as mãos na região da nuca consegue realizar o movimento até a cicatriz umbilical. Pcte deve manter por 5 segundos. Fisio: estabiliza MMII. 17

18 Inclinadores Laterais Rotadores do Tronco Pcte em DL com membro superior ao longo do corpo (do lado que está para cima) e o outro membro na altura do ombro, deve movimentar o tronco lateralmente deslizando o membro superior ao longo do corpo. Pcte deve manter por 5 segundos. Fisio: deve estabilizar o membro inferior. Pcte: em DD deve fazer flexão com rotação com as mãos na nuca e deve manter por 5 segundos. Fisio: Estabiliza membros inferiores. Heitor, já tem OOOOOITO dentes!!! 18

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc.

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc. MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO INFERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Iliopsoas MÚSCULOS QUE ACIONAM A COXA Psoas maior

Leia mais

Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores

Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores Profª Esp.Flávia Medeiros M. Oblíquo Externo Origem: Margem inferior e face anterior da 5ª à 12ª costela Inserção: lábio externo da

Leia mais

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro Quais as características do Treinamento Funcional? Desenvolver e melhorar as capacidades físicas através de estímulos que proporcionam

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Profa. Elen H. Miyabara

Profa. Elen H. Miyabara UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia MÚSCULOS DO QUADRIL E COXA Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Movimentos da Articulação do Quadril (ou Coxa) -Flexão

Leia mais

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro MÚSCULOS DO OMBRO Músculos do Ombro Deltóide Supra-espinhal Infra-espinhal Redondo Menor Redondo Maior Subescapular DELTÓIDE Ombro Inserção Proximal: 1/3 lateral da borda anterior da clavícula, acrômio

Leia mais

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Músculos do Quadril e Coxa Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Movimentos da Articulação do Quadril (ou Coxa) -Flexão e Extensão -Adução e Abdução -Rotação Medial e Rotação

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo Cinesiologia Aplicada Quadril, Joelho e tornozelo Cintura Pélvica - Ossos Ossos Pélvicos: Ílio Isquio Púbis Femúr Cintura Pélvica - Movimentos Movimentos da Cintura Pélvica Rotação Pélvica posterior Retroversão

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1

CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1 CATIRA OU CATERETÊ- DANÇA DO FOLCLORE BRASILEIRO 1 CAMPIOLI, Carlos Gustavo Mendes 1 ; FERREIRA, Iuri Armstrong de Freitas 2 ; VALADÃO, Francielly Costa 3 ; OLIVEIRA, Luan Tavares de 4 ; GOMES, Bianca

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA 6MOD205 LOCOMOÇÃO E PREENSÃO MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR OMBRO MANGUITO ROTADOR 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA TUBÉRCULO > DO 3 SUBESCAPULAR

Leia mais

MEMBROS INFERIORES. Anatomia Humana Segmentar Profª. Kátia Nóbrega Profª. Terezinha Nóbrega

MEMBROS INFERIORES. Anatomia Humana Segmentar Profª. Kátia Nóbrega Profª. Terezinha Nóbrega MEMBROS INFERIORES Anatomia Humana Segmentar Profª. Kátia Nóbrega Profª. Terezinha Nóbrega INTRODUÇÃO A Anatomia Segmentar divide o corpo humano em diferentes segmentos para melhor analisá-los. Considerando

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

THE PHYSIOTHERAPIST S POCKET BOOK ESSENTIAL FACTS AT YOUR FINGERTIPS

THE PHYSIOTHERAPIST S POCKET BOOK ESSENTIAL FACTS AT YOUR FINGERTIPS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LINGUISTICA GERAL E ROMÂNICA ANEXOS AO RELATÓRIO DE PROJECTO DE TRADUÇÃO ASPECTOS LINGUÍSTICOS NA TRADUÇÃO DE THE PHYSIOTHERAPIST S POCKET BOOK

Leia mais

Músculos da Perna e Pé

Músculos da Perna e Pé UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos da Perna e Pé Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Dorsiflexão Flexão plantar Dorsiflexão Flexão Plantar Art.

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFTMT12 RESUMO PROPOSTA DE FICHA DE AVALIAÇÃO GONIOMÉTRICA E DE TESTE DE FORÇA MUSCULAR PARA A CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA. Wínea Leila Ribeiro Vasconcelos 1 ; Ana Paula de Jesus Tomé-Pereira 4

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior OSSOS Os membros inferiores são mais estáveis, devido a fixação de duas fortes articulações, anteriormente, a sínfise púbica (é uma articulação cartilagínea) e posteriormente

Leia mais

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES 2 SISTEMA MUSCULAR MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR 3 MÚSCULOS MOVIMENTOS OMOPLATA 4 MÚSCULOS TRAPÉZIO MOVIMENTOS OMOPLATA 5 ELEVADOR DA OMOPLATA Origem: Apófises transversas

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação 12) Abdução do quadril - músculos comprometidos da articulação do quadril: glúteo médio, glúteo mínimo, tensor da fascia lata e os seis rotadores externos; da articulação do joelho: quadríceps (contração

Leia mais

Anatomia - Coluna Cervical

Anatomia - Coluna Cervical Anatomia - Coluna Cervical C1 e C2 diferem das demais vértebras da coluna por particularidades anatômicas. Massas laterais. Dente do áxis. Coluna Cervical Alta Ligamento do ápice do dente Ligamento alar

Leia mais

Movimentos da articulação do joelho. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Movimentos da articulação do joelho. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Movimentos da articulação do joelho Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Introdução Uma das mais complexas articulações do corpo humano. É composta por 3 articulações: 1. entre os côndilos mediais

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII Prof.: Gustavo Martins Pires OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO MEMBRO INFERIOR Tem por principal função de locomoção e sustentação do peso. Os ossos do quadril, constituem

Leia mais

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR ELEVAÇÃO: TRAPÉZIO PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE), ELEVADOR (LEVANTADOR) DA ESCÁPULA, ROMBÓIDES. DEPRESSÃO:

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica André Montillo UVA Anatomia do Quadril Anatomia do Quadril Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica Definição: Bursite Trocanteriana É o Processo Inflamatório da Bursa

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

OSSOS DO MEMBRO INFERIOR

OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO MEMBRO INFERIOR ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR Articulação SacroiIíaca: Ligamento sacrotuberal Lig. sacroespinal Lig. Sacroilíacos post. e ant. Lig. Sacroilíacos interósseos Articulação

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

Esqueleto apendicular

Esqueleto apendicular 2010 Esqueleto apendicular http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo enfoca os ossos que formam os esqueletos apendiculares superiores, inferiores e seus respectivos cíngulos.. No final do capítulo,

Leia mais

Os membros inferiores são formados por cinco segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares.

Os membros inferiores são formados por cinco segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares. ESQUELETO APENDICULAR INFERIOR OSTEOLOGIA DOS MEMBROS INFERIORES Os membros inferiores são formados por cinco segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares. Cintura

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

Músculos da Perna e Pé. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo

Músculos da Perna e Pé. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo Músculos da Perna e Pé Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Ferreira Departamento de Anatomia Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo Movimentos Angulares do Tornozelo e Pé Dorsiflexão Flexão

Leia mais

10/17/2011. Conhecimento Técnico. Construir Argumentos

10/17/2011. Conhecimento Técnico. Construir Argumentos Conhecimento Técnico Construir Argumentos 1 Manhã (9:00 12:00) 04/10 (terça-feira) Principais 05/10 Lesões das 06/10 (quarta-feira) Modalidades Esportivas (quinta-feira) (Corrida e Futebol) Ms Andrea Bloco

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior NERVOS Os nervos que inervam o membro inferior originam-se do plexo lombar, situado no abdome, e do plexo sacral, situado na pelve. Plexo Lombar: Plexo Sacral: Nervos

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

28/08/2015 CINTURA PÉLVICA E QUADRIL INTRODUÇÃO. Transmissão do peso da cabeça, tronco e MMSS para os MMII INTRODUÇÃO ÍNDICE DE ASSUNTOS

28/08/2015 CINTURA PÉLVICA E QUADRIL INTRODUÇÃO. Transmissão do peso da cabeça, tronco e MMSS para os MMII INTRODUÇÃO ÍNDICE DE ASSUNTOS ÍNDICE DE ASSUNTOS CINTURA PÉLVICA E QUADRIL PROF. DR. Wouber Hérickson de B. Vieira DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA - UFRN hericksonfisio@yahoo.com.br INTRODUÇÃO ANATOMIA FUNCIONAL Estrutura óssea Estrutura

Leia mais

AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO.

AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO. AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO. Orientar o membro em relação a sua posição in vivo. Usando os esqueletos da sala de dissecação, como auxílio, orientar o membro e decidir se você

Leia mais

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO (A) OBJETIVOS GERAIS - Independência na marcha e nos cuidados pessoais - Adequação física e emocional quanto ao uso da prótese OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Cicatrização

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

Fémur Acidentes Anatómicos

Fémur Acidentes Anatómicos Fémur Acidentes Anatómicos Osso mais longo e mais pesado do corpo Transmite o peso do corpo do osso do quadril para a tíbia quando a pessoa está de pé Comprimento osso = ¼ Comprimento do indivíduo Possui

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

QUADRIL / PELVE. Prof. Gabriel Paulo Skroch

QUADRIL / PELVE. Prof. Gabriel Paulo Skroch QUADRIL / PELVE Prof. Gabriel Paulo Skroch 1. ANATOMIA Mulher Homem Ilíaco e extremidade superior do fêmur Vista anterior Vista posterior Superfícies articulares da articulação coxo-femural, cápsula e

Leia mais

CIRCO DE RUA 1. Palavras-chave: músculos, anatomia do movimento, circo

CIRCO DE RUA 1. Palavras-chave: músculos, anatomia do movimento, circo CIRCO DE RUA 1 LIMA, Amanda Fonseca de 1 ; CUNHA, Maycon Vasconcelos 2 ; CRUZ, Mauricio Antonio da 3 ; MELO, Victória Souza 4 ; Reis, Luciana Machado Vieira 5 ; BATISTA, Ana Carla Ribeiro 6 ; CARDOSO,

Leia mais

EXAME DO JOELHO. Inspeção

EXAME DO JOELHO. Inspeção EXAME DO JOELHO Jefferson Soares Leal O joelho é a maior articulação do corpo e está localizado entre os dois maiores ossos do aparelho locomotor, o fêmur e a tíbia. É uma articulação vulnerável a lesões

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Testes para o Joelho

Testes para o Joelho Testes para o Joelho Teste de compressão de Apley Pcte em dec. ventral, fletir a perna a 90º. Segurar o tornozelo, aplicar pressão para baixo e girar a perna lateral//e emedial//e. Teste de compressão

Leia mais

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral 7 0 9 8 7. Côndilo do occipital;. Forame Magno;. Processo Paracondilar;. Temporal;. Forame Supraorbital;. Bula Timpânica; 7. Vômer; 8. Zigomático; 9. Asa do

Leia mais

MEMBROS INFERIORES: OSSOS. Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP

MEMBROS INFERIORES: OSSOS. Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP MEMBROS INFERIORES: OSSOS Profa. Dra. Cecília Helena A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB-USP FUNÇÃO DOS MMII LOCOMOÇÃO SUSTENTAÇAO DE PESO OSSOS DO MEMBRO INFERIOR (62) OSSO DO QUADRIL (ILÍACO) (2)

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA O homem que se esvazia do orgulho, dá espaço ao conhecimento. ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

FISIOTERAPIA NA ARTROPLASTIA DE QUADRIL: RELATO DE UM CASO Clínica de Reabilitação Física Dom Bosco

FISIOTERAPIA NA ARTROPLASTIA DE QUADRIL: RELATO DE UM CASO Clínica de Reabilitação Física Dom Bosco 1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Fisioterapia Letícia Didomenico Mayra Battistini Paes FISIOTERAPIA NA ARTROPLASTIA DE QUADRIL: RELATO DE UM CASO Clínica de Reabilitação

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro Avaliação Integrada slpecoraro@yahoo.com.br Prof. Silvio Pecoraro Corrente cinética: sistema muscular + sistema articular + sistema neural. Anatomia Funcional Biomecânica Funcional Educação Motora Definições

Leia mais

Curso de Fisioterapia. Monique Fernandes Teixeira A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL UNILATERAL

Curso de Fisioterapia. Monique Fernandes Teixeira A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL UNILATERAL 0 Curso de Fisioterapia Monique Fernandes Teixeira A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PACIENTE COM AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL UNILATERAL Rio de Janeiro 2008.2 1 MONIQUE FERNANDES TEIXEIRA A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA Raul Oliveira 2º ano 2007-2008 músculos monoarticulares músculos multiarticulares Músculos bi-articulares 1 LINHA DE TRACÇÃO DO MÚSCULO

Leia mais

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares)

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares) SACRO CBES ANATOMIA Osso O sacro é formado por 5 vértebras fundidas. Os forâmens de conjugação se transformam em forâmens sacrais anteriores e posteriores. Sua face anterior é côncava e lisa Sua face posterior

Leia mais

MMII: Perna Tornozelo e Pé

MMII: Perna Tornozelo e Pé MMII: Perna Tornozelo e Pé Perna:Estruturas anatômicas Articulações visualizadas Incidências 1- AP Indicação Patologias envolvendo fraturas, corpos estranhos ou lesões ósseas. Perfil Indicação - Localização

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

É importante compreender a biomecânica do joelho (fêmoro tibial e patelo femoral ao prescrever exercícios para o joelho em um programa de

É importante compreender a biomecânica do joelho (fêmoro tibial e patelo femoral ao prescrever exercícios para o joelho em um programa de É importante compreender a biomecânica do joelho (fêmoro tibial e patelo femoral ao prescrever exercícios para o joelho em um programa de reabilitação, seja qual for o diagnóstico Fêmur Tíbia Fíbula Patela

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA Ossos da Cabeça ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz Cabeça MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça Ossos e Músculos MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça 1 ATM

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Introdução A cintura pélvica é composta pela articulação sacro-ilíaca, pela sínfise púbica e pela articulação coxo-femoral. Esta última corresponde à articulação

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: MÚSCULOS QUE ACIONAM A CINTURA ESCAPULAR Trapézio

Leia mais

Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular

Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular Ciências Morfofuncionais- I Sistema Muscular HISTOLOGIA EMBRIOLOGIA ANATOMIA FISIOLOGIA Professores: Andreza, Clarissa, Lillian, Lucinda e Ricardo Organização estrutural do Sistema Muscular Célula célula

Leia mais

Vias de acesso ao membro inferior 82

Vias de acesso ao membro inferior 82 Vias de acesso ao membro inferior 82 IVO SCHMIEDT CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN SUMÁRIO Quadril... 1591 Coxa... 1597 Joelho... 1600 Perna... 1612 Pé... 1614 Referências bibliográficas... 1620 O objetivo

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

EHFA Estratégia de Avaliação (EAD 03) Nome da Organização de Formação:

EHFA Estratégia de Avaliação (EAD 03) Nome da Organização de Formação: EHFA Estratégia de Avaliação (EAD 03) Nome da Organização de Formação: Introdução Normas da Associação Europeia de Saúde e Fitness (EHFA) Estão actualmente disponíveis as seguintes normas EHFA: Instrutor

Leia mais

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Uma fixação é no esqueleto e outra na parte mais profunda da Pele Podem movimentar a pele do couro cabeludo e da face modificando

Leia mais

TERAPIA MANUAL APLICADA AO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES DAS EXTREMIDADES INFERIORES

TERAPIA MANUAL APLICADA AO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES DAS EXTREMIDADES INFERIORES TERAPIA MANUAL APLICADA AO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES DAS EXTREMIDADES INFERIORES A articulação do quadril é composta pelo acetábulo (côncavo) e a cabeça do fêmur (convexa). Repouso articular: 30º flex,

Leia mais

Odirlei J. Titon e André Luis David

Odirlei J. Titon e André Luis David Odirlei J. Titon e André Luis David Manobras prova prática de Ortopedia Coluna Cervical - Roger Bikelas semelhante ao Lasegué de membro inferior, dor irradiada para membros. Cervicobraquialgia. - Nafziger

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

SEBENTA DE MÚSCULOS. Nuno Matos nunomatos@gtmmi.pt

SEBENTA DE MÚSCULOS. Nuno Matos nunomatos@gtmmi.pt SEBENTA DE MÚSCULOS Nuno Matos nunomatos@gtmmi.pt MÚSCULOS DO DORSO E COLUNA VERTEBRAL Nuno Matos nunommatos@gmail.com FÁSCIA TÓRACO-LOMBAR A fáscia tóraco-lombar é uma importante estrutura aponevrótica

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz 1 Segmento Cintura Escapular E CLAVÍCULA Membro Superior Sistema Esquelético CLAVÍCULA Membro Superior 1 Segmento - Cintura

Leia mais

Anatomia Humana. A- Anatomia Geral e do Aparelho Locomotor. B- Anatomia do Aparelho Cardiorespiratório

Anatomia Humana. A- Anatomia Geral e do Aparelho Locomotor. B- Anatomia do Aparelho Cardiorespiratório Anatomia Humana A- Anatomia Geral e do Aparelho Locomotor B- Anatomia do Aparelho Cardiorespiratório C- Anatomia dos Sistemas Endócrino e Digestório D- Anatomia do Aparelho Genitourinário E- Anatomia do

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução Ossos - órgãos passivos do movimento Músculos - órgãos ativos do movimento Introdução Organização dos músculos esqueléticos Sistema muscular: anatomia microscópica Porção ativa ventre muscular Porções

Leia mais

CASO CLÍNICO BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO O pé é considerado como uma das mais importantes articulações do corpo, pois além de possuir importantes funções no suporte de peso e na marcha, ele é causa

Leia mais

Análise do movimento Parafuso

Análise do movimento Parafuso Análise do movimento Parafuso 1 Projeto de Pesquisa Trançados musculares saúde corporal e o ensino do frevo Análise do movimento Observador: Giorrdani Gorki Queiroz de Souza (Kiran) Orientação para realização

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO.

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. - Indivíduo descalço e usando pouca roupa, na posição antropométrica sobre uma superfície lisa e perpendicular ao antropómetro. - Calcanhares juntos e

Leia mais

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano A articulação é formada pela coaptação de dois ossos com o auxílio de músculos esqueléticos, ligamentos e cápsula articular. Para uma melhor compreensão é necessário

Leia mais

CEF Resist - Resumo CEF CEF RESIST. Planos de Movimento (revisão) Funções Muscúlos (revisão) Coluna. Técnica de Execução dos Exercícios

CEF Resist - Resumo CEF CEF RESIST. Planos de Movimento (revisão) Funções Muscúlos (revisão) Coluna. Técnica de Execução dos Exercícios CEF CEF RESIST CEF Resist - Resumo Planos de Movimento (revisão) Funções Muscúlos (revisão) Coluna Anatomia Funcional da Coluna Vertebral Precauções Técnica de Execução dos Exercícios 1 Planos de Movimento

Leia mais

MANUAL DE GONIOMETRIA MEDIÇÃO DOS ÂNGULOS ARTICULARES

MANUAL DE GONIOMETRIA MEDIÇÃO DOS ÂNGULOS ARTICULARES MANUAL DE GONIOMETRIA MEDIÇÃO DOS ÂNGULOS ARTICULARES Apresentação A goniometria é a medição dos ângulos articulares presentes nas articulações humanas. Este manual tem como objetivo, esclarecer e orientar

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo Articulação sinovial do tipo gínglimo As extremidades inferiores da Tíbia e Fíbula formam um entalhe onde se ajusta a tróclea do Tálus, que tem forma de roldana. Tálus

Leia mais

Anatomia de superfície e palpatória da coxa e joelho

Anatomia de superfície e palpatória da coxa e joelho 2010 Anatomia de superfície e palpatória da coxa e joelho http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve a anatomia de superfície e procedimentos palpatórios simples para a coxa e articulação

Leia mais