METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral"

Transcrição

1 METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral Côndilo do occipital;. Forame Magno;. Processo Paracondilar;. Temporal;. Forame Supraorbital;. Bula Timpânica; 7. Vômer; 8. Zigomático; 9. Asa do Vômer; 0. Osso Palatino;. Forame alar caudal;. Forame jugular;. Dentes molares;. Processo muscular;. Abertura das Coanas;. Forame Palatino Maior; 7.Fossa Mandibular METADE ROSTRAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral. Sutura Palatina Mediana;. Fissura Palatina;. Canal Interincisivo;. Processo Palatino da Maxila;. Forame Palatino Maior;. Dentes Incisivos; 7. Processo Palatino do Osso Incisivo; 8. Dentes Pré-Molares; 9. Processo Palatino da Maxila; 0. Sutura Palatina Transversa.

2 Vista Caudal Forame Magno;. Condilo do Occipital;. Pruteberância Occipital;. Pariental;. Crista Sargital Externa;. Processo Paracondilar; 7. Arco Zigomático; 8. Crista Nucal; 9. Protuberância Occiptal Externa. CORTE TRANSVERSAL DA CAVIDADE CRANIANA. Vista Rostral. Crista Galli;. Lâmina Crivosa do Osso Etmóide.

3 Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Ciências Biológicas e da Natureza CCBN Laboratório de Anatomia Animal Aulas Práticas: Ossos Disciplina: Anatomia Descritiva Animal I Docente: Prof. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Rio Branco, 0

4 Sumário CRÂNIO... Crânio... Mandíbula... MEMBROS TORÁCICOS... Escápula... Úmero...8 Rádio Ulna... Metacarpos... Carpos...7 MEMBROS PÉLVICOS...8 Fêmur...8 Sesamóide Proximal...0 Sesamóide Distal... Tíbia... Metatarsos... Tarsos... VÉRTEBRA SACRAL...8

5 Vista Caudal. Processo coronóide;. Processo condilar;. Forame mandibular;. Sínfise mandibular. Vista Lateral 8 9. Processo condilar;. Processo coronóide;. Forame mandibular;. Dentes molares;. Margem interalveolar (diastema);. Forame mentoniano/mentual; 7. Ângulo da mandíbula; 8-Fossa massetérica.

6 Nome técnico: Mandíbula (Demonstração em equino) Nome Vulgar: -- Porção do esqueleto: Axial Conexões ósseas: Osso temporal (crânio) Classificação do osso: Osso irregular Diferenciação entre as espécies domésticas: O forame mentoniano, margem interalveolar (diastema), fossa massetérica, forame mandibular, ramo da mandíbula (vertical), corpo da mandíbula (horizontal), processo condilar, processo coronóide, sínfise e incisura mandibular estão presentes no equino, cão, suíno e bovino. No cão, a fossa massetérica é mais profunda que a das espécies anteriores. O ângulo da mandíbula do suíno é maior e seu processo coronóide é menor que o das outras espécies domésticas. A margem interalveolar do bovino é a maior, pois este não apresenta os dentes caninos. Vista Rostral. Processo condilar;. Processo coronóide;. Dentes molares;. Dentes incisivos;. Forame mentoniano/mentual.

7 Nome Técnico: Escápula Porção do Esqueleto: Apendicular Nome Vulgar: Pá Conexões Ósseas: Está presa obliquamente ao pescoço e à porção cranial do tórax por meio de diversos músculos. Articula-se distalmente com o úmero. Classificação do Osso: É um osso plano, de contorno triangular. Diferenciação entre as espécies domésticas: Equino: É o único que não apresenta acrômio na parte ventral da espinha. A fossa supraespinhosa estende-se até a parte ventral. Bovino: A fossa supra-espinhosa está voltada mais cranialmente. Suíno: A espinha é triangular e apresenta sua tuberosidade bastante desenvolvida e inclinando-se caudalmente. Canino: A espinha da escapula divide-a em duas fossas semi-idênticas. M E M B R O Vista Cranial/ Face Lateral 0 T O R Á C I C O Cartilagem da escápula;. Ângulo Cranial;. Fossa supraespinhosa;. Borda cranial;. Espinha da escápula;. Colo da escápula; 7. Tuberosidade da escápula; 8 Cavidade glenóide; 9. Forame nutrício; 0. Linhas musculares;. Fossa infraespinhosa;. Tuberosidade da espinha da escápula;. Ângulo caudal;.borda caudal.

8 Vista caudal/ Face costal Cartilagem da escápula;. Ângulo cranial;. Borda cranial;. Sulco vascular;. Tuberosidade da escápula;. Processo coracóide; 7. Cavidade glenóide; 8. Colo da escápula; 9. Borda caudal; 0. Fossa subescapular;. Face serrátil;. Ângulo caudal. Vista da extremidade. Tuberosidade da escápula;. Processo coracóide;. Cavidade glenóide. 7

9 Nome Técnico: Úmero Nome Vulgar: -- Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Articula-se com a escápula na articulação do ombro e com o rádio e a ulna, na articulação do cotovelo. Classificação do Osso: Osso longo Diferenciação entre as espécies domésticas: Tubérculo Intermédio só existe em equinos. Vista Distal 7. Área para inserção de músculos flexores do carpo e dedos ;. Fossa do Olécrano;. Epicôndio Medial;. Depressão para inserção do ligamento colateral lateral;. Área de inserção de músculos flexores do carpo e dedos;. Tróclea do Úmero; 7. Capítulo. Vista Proximal. Cabeça do úmero;. Tubérculo maior;. Tubérculo Intermediário;. Fossa;. Tubérculo Menor. 8

10 Vista Cranial Tubérculo maior;. Tubérculo intermédio;. Tubérculo menor;. Sulco intertuberal ou bicipital;. Tuberosidade deltoide;. Tuberosidade redonda maior; 7. Crista do úmero; 8. Fossa radial; 9. Capítulo; 0. Tróclea. Vista Caudal. Cabeça do úmero;. Cólo da cabeça do úmero;. Tuberosidade redonda maior;. Tuberosidade deltoide;. Fossa do olécrano. 9

11 Vista Lateral 7 8. Tubérculo maior;. Tuberosidade deltoide;. Sulco musculoespiral.. Crista do úmero;. Fossa radial;. Tróclea; 7. Epicôndilo lateral; 8. Capítulo. Vista Medial. cabeça do úmero;. Tuberosidade redonda maior;. Forame nutrício;. Epicôndilo medial;. Crista do epicôndilo lateral. 0

12 Nome Técnico: Rádio Ulna Nome Vulgar: Canela Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Úmero e Osso Carpiano Classificação do Osso: Osso Longo Diferenciação entre as espécies domésticas: Em cães as fraturas no rádio/ulna é mais frequente Vista Cranial Vista Caudal Tubérculo do olecrano;. Processo ancône;. Incisura Troclear;. Processo Coronóide Lateral;. Processo Coronóide Medial;. Tuberosidade do Radio; 7. Corpo do Radio; 8. Processo Estilóide Lateral; 9. Processo Estilóide Medial..Tubérculo do Olécrano;.Corpo do Ulna;.Espaço Interósseo;.Corpo do Rádio;.Crista Transversa;.Processo Estilóide Medial; 7.Processo Estilóide Lateral.

13 Vista Cranial.Sulco para Tendão do Músculo Oblíquo do Carpo;.Sulco para Tendão do Músculo Extensor Radial do Carpo;.Sulco para Tendão do Músculo Extensor Digital Comum;.Processo Estilóide Lateral;.Processo Estilóide Medial;.Sulco para Tendão do Músculo Extensor Digital Lateral Vista Caudal.Fossa Coronóide;.Processo Estiloide da Ulna;.Processo Estiloide do Rádio;.Face Articular do Carpo.

14 Vista Lateral.Tuberosidade do Olécrano;.Processo Ancôneo;.Incisura Troclear;.Espaço Interósseo;.Crista Transversa Extremidade Proximal. Superfície Articular do Úmero;. Fóvea da Cabeça do Rádio;. Processo Coronóide Lateral;. Processo Coronóide Medial;. Incisura Troclear;.Processo Ancôneo.

15 Vista Medial Tuberosidade do Olécrano;.Margem Cranial do Olécrano;.Processo Ancôneo;.Incisura Troclear;.Margem Semiulnar;.Tuberosidade Radial; 7.Superfície Articular Umeral; 8.Espaço Interósseo Antebraquial; 9.Ólecrano

16 Nome Técnico: Metacarpo Nome Vulgar: Canela Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Carpo e falange Classificação do Osso: Osso longo Diferenciação entre as espécies doméstica:equinos: I e V ausentes; II e IV reduzidos; III carrega a falange proximal. Bovinos, ovinos e caprinos: III e IV são fusionados e os principais. Suínos: III e IV são os principais; II e V são acessórios. Caninos e felinos: Estão presentes os cinco metacárpicos. Vista Dorsal Vista Palmar Terceiro Metacárpico(corpo do metacarpo);.quarto metacárpico;.segundo Metacárpico;.Tuberosidade do Terceiro Metacárpico;. Crista Troclear ou Crista Sagital;.Tróclea Medial;7. Epicôndilo Medial; 8. Tróclea Lateral; 9.picôndilo Lateral; 0. Superfície Articular para Fileira Distal dos Ossos do Carpo..Terceiro Metacárpico;.Segundo Metacárpico;.Quarto Metacárpico;.Forame Nutrício;.Tróclea Medial;.Crista Troclear ou Crista Sagital; 7.Tróclea Lateral; 8.Superfície Articular para Fileira Distal dos Ossos do Carpo; 9.Área para Inserção do Músculo Inter ósseo

17 Vista Proximal. Terceiro Metacarpico;. Segundo Metacárpico;.Quarto Metacárpico. Vista Distal.Tróclea Lateral;. Crista Troclear ou Crista Sagital;.Tróclea Media.

18 Nome Técnico: Carpo Nome Vulgar: Punho Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Rádio e Ulna, Metacarpo Classificação do Osso: Osso curto Diferenciação entre as espécies domésticas: No cão o capo radial e intermédio são fusionados. No bovino o segundo e terceiro carpianos são fusionados. No cão e no suíno há presença do primeiro osso carpiano. Vista Dorsal Vista Proximal.Osso Radial do Carpo; -.Osso Intermédio do Carpo;.Osso Ulnar do Carpo;.Segundo Carpiano;.Terceiro Carpiano;.Quarto Carpiano; 7.Carpo Acessório..Osso Radial do Carpo;.Osso Intermédio do Carpo;.Osso Ulnar do Carpo;. Carpo Acessório. 7

19 Nome Técnico: Fêmur (Demonstração em Equino) Nome Vulgar: -- Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Pelve, Patela, Tíbia e Fíbula. Classificação do Osso: Osso Longo. Diferenciação entre as espécies domésticas:nos carnívoros a fóvea da cabeça do fêmur é circular e se localiza no centro, enquanto nos equinos ela apresenta formato de cunha e é aberta medialmente em direção a periferia. Nos carnívoros e nos suínos o colo do fêmur e mais distinto. O trocanter maior se prolonga além do limite dorsal da cabeça do fêmur em animais de grande porte, mas permanece na mesma altura nos animais de pequeno porte e no suíno. No restante ele se apresenta semelhante para todas as espécies domesticas. M E M B R O Vista Cranial Vista Caudal P É L V I C O. Cabeça do fêmur;. Trocanter maior;. Fóvea da cabeça do fêmur;. Colo da cabeça do fêmur;. Linha intertrocantérica;. Terceiro trocanter; 7. Trocanter menor; 8. Corpo do fêmur; 9. Epicôndilo medial; 0. Epicôndilo lateral;. Côndilo medial;. Côndilo lateral;. Tróclea do fêmur.. Trocanter maior;. Cabeça do fêmur;. Crista intertrocanteríca;. Fóvea da cabeça do fêmur;. Fossa trocanteríca;. Terceiro trocanter; 7. Trocanter menor; 8. Forame nutrício; 9. Corpo do fêmur; 0. Fossa supracondilar;. Epicóndilo medial;. Côndilo lateral;. Côndilo medial;. Fossa intercondilar. 8

20 l Vista Medial trocantérica;. ça do fêmur;. fêmur; 7. Fossa do fêmur; 9.. Trocanter maior;. Cabeça do fêmur;. Fóvea da cabeça do fêmur;. Trocanter menor;. Corpo do fêmur;. Forame nutrício; 7. Lábio medial da tróclea; 8. Côndilo lateral; 9. Epicôndilo medial; 0. Côndilo medial. mal Vista da Face Distal aior;. Fóvea da nteríca;. Fossa. Côndilo medial;. Côndilo lateral;. Fossa intercôndilar;. Epicôndilo medial;. Epicôndilo lateral. 9

21 Nome Técnico: Osso sesamóide proximal ou patela Nome Vulgar: Rotula Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Tróclea do Fêmur, Base da Falange Proximal Classificação do Osso: Osso Curto Diferenciação entre as espécies domésticas: É ovoide em cães, mas prismático em equinos e bovinos. No suíno, a base é mais arredondada. Vista Cranial Vista Caudal.Base da Patela;.Processo cartilaginoso;.inserção para o ligamento patelar médio;.ápice da Patela;.Inserção para o ligamento lateral;.borda Lateral.Base da Patela;.Face articular medial;.face articular lateral;.ângulo medial;.ângulo lateral;.ápice da Patela 0

22 Nome Técnico: Falanges ou dígitos Nome Vulgar: Dedos Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Depende da Falange Classificação do Osso: Diferenciação entre as espécies domésticas: No equino, o osso sesamóide distal, conhecido como osso navicular, apresenta uma forma laminar para adaptar-se às superfícies articulares das falanges média e distal, respectivamente. Nos Bovinos, há em cada dedo principal, um sesamóide distal, que é alongado no sentido transversal e se articula com a cabeça da falange média e com a falange distal. Vista Cranial Vista Caudal.Falange proximal;.falange média;.apófise dos extensores;.falange distal..falange Proximal;.Falange Média;.Sesamóide Distal/Navicular;.Face Articular;.Forame Palmar;.Incisura Semilunar; 7.Área Flexora; 8.Falange Distal; 9.Face Palmar ou Plantar

23 Nome técnico: Tíbia Nome Vulgar: -- Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Fêmur, Patela, Fíbula e Ossos tarsais Classificação do Osso: Osso longo Diferenciação entre as espécies domésticas: Nos ruminantes, os vestígios da fíbula se fundem a fóvea articular na tíbia. No equino, a face caudal do corpo da Tíbia é marcada por vários sulcos. Na maioria das espécies domesticas a crista central, orienta-se na direção sagital, mas o equino ela se orienta crânio lateralmente. Em carnívoros e no suíno, a cóclea apresenta uma incisura lateral, no bovino, o aspecto lateral da cóclea possui uma fóvea articular, no equino o maléolo lateral é formado pela fusão da extremidade distal da fíbula para a tíbia. Vista Cranial Vista Caudal. Eminência intercondilar;. Côndilo lateral;. Côndilo medial;.tuberosidade da tíbia;. Sulco da tuberosidade;. Sulco extensor; 7. Corpo da tíbia; 8. Maléolo medial com sulco do tendão (sulco maleolar); 9. Maléolo lateral; 0. Cóclea.. Eminência intercondilar;. Área intercondilar central;. Área intercondilar caudal;. Côndilo medial;. Côndilo lateral;. Incisura poplítea; 7. Forame para a artéria nutrícia; 8. Linha poplítea; 9. Linhas musculares; 0. Maléolo lateral;. Maléolo medial.

24 Vista Lateral Vista Medial. Eminência Intercondilar;. Côndilo lateral;. Tuberosidade da tíbia;. Sulco Extensor;. Corpo da tíbia;. Incisura fibular; 7. Maléolo lateral; 8. Cóclea da tíbia. Eminência Intercondilar;. Tuberosidade da tíbia;. Côndilo lateral;. Corpo da tíbia;. Maléolo lateral;. Maléolo medial; 7. Cóclea da tíbia Vista da Face Proximal Vista da Face Distal. Côndilo medial;. Área intercondilar cranial;. Tubérculo intercondilar medial;. Área intercondilar caudal;. Área intercondilar central;. Incisura poplítea; 7. Tubérculo intercondilar lateral; 8. Área intercondilar cranial; 9. Sulco extensor; 0. Tuberosidade da tíbia;. Côndilo lateral. Maléolo lateral;. Cóclea;. Sulco do tendão;. Maléolo medial

25 Nome Técnico: Metatarso (Demonstração em Equino) Nome Vulgar: Canela Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Ossos do Tarso e Falanges Proximais Classificação do Osso: Osso Longo Diferenciação entre as espécies domésticas: Equino: Apresenta ossos metatarsianos. O grande metatarsiano é o º. O º e o º estão ausentes, e o º e º têm uma regressão parcial. Bovino: O º e º metatarsianos são fundidos, e formam o grande metatarsiano; Suíno: Possui ossos metatársicos (º, º, º e º). O º e º mais desenvolvidos, e º e º menos desenvolvidos. Canino: Todos os ossos metatársicos estão presentes. Vista Dorsal Vista Plantar 8.Terceiro Metatarsiano;.Fossa do Ligamento;.Côndilo Medial;.Côndilo Lateral;.Crista Sagital;.Tróclea 7.Segundo Metatarsiano;.Terceiro Metatarsiano;.Quarto Metatarsiano;.Forame Nutrício;.Côndilo Medial;.Côndilo Lateral; 7.Tróclea; 8. Crista Sagital

26 Nome Técnico: Crânio (demonstração em equino) Nome Vulgar: Cabeça Porção do Esqueleto: Axial Classificação do Osso: Osso Irregular Diferenciação entre as espécies domésticas: Conforme Konig há diferenças do osso não apenas entre as espécies mas também entre raças diferentes. Esta diferença, se dá principalmente na nomenclatura dos ossos, sendo na dimensão e formato do Crânio. Como exemplo, podemos demostrar o osso zigomático, diferente em seu tamanho e forma no Canino, equino, bovino e suíno. Assim, se dá com o Osso Temporal, a Maxila, o Incisivo, o Occipital, e os demais. Podemos apontar uma diferença significativa entre as espécies é o processo paracondilar, que são alongados no suínos, mais curtos nos ruminantes e no equino, e em formato de botão entre os carnívoros. Vista Lateral.Processo Rostral do Osso Nasal ;. Forame Infra-orbital;. Crista facial;. Processo Paracondilar;.Côndilo do occipital;. Fossa Troclear; 7. Fossa do Saco Lacrimal; 8. Meato Acústico Externo; 9. Crista Nucal; 0. Processo Zigomático do Osso Temporal;. Processo Temporal do Osso Zigomático;. Basisfenóide;.Processo Muscular;. Parte Basilar do Occiptal;.Processo Estilóide;. Processo Mastóide ; 7. Forame Etmoidal. C R Â N I O Vista Dorsal.Linha Temporal;. forame Supraorbital;. Crista Sagital externa;. Crista Nucal;. Fissura Palatina;. Processo Palatino do Osso Incisivo;7. Forame Infra-Orbitário; 8. Sutura Internasal.

27 Vista Dorsal Vista Plantar Calcâneo;.Tuberosidade Calcânea;.Tálo;.Tróclea do Tálo;.Osso Társico Central;.Társico III; 7.Társico IV.Corpo do Tálo;.Sustentáculo do Tálos;.Calcâneo;.Tuberosidade Calcânea;.Tróclea do Tálos;.Osso Central do Tarso; 7.Társico I + II; 8.Társico III; 9.Társico IV Vista Lateral Vista Medial.Tuberosidade Calcânea;.Calcâneo;.Tálo;.Depressão Lateral para Fixação de Ligamento;.Tróclea do Tálos;.Base do Calcâneo; 7.Osso Central do Tarso; 8.Társico III; 9.Társico IV.Tuberosidade Calcânea;.Calcâneo;.Sustentáculo do Tálo;.Tróclea do Tálos;.Corpo do Tálo;.Proeminência para Fixação de Ligamento; 7.Osso Central do Tarso; 8.Társico III; 9.Társico I + II 7

28 Vista Cranial.Canal Sacral;. Promontório Vista Caudal.Processo Transverso;.Canal Sacral 9

29 Vista Lateral.Processo Espinhoso;. Crista Sacral Lateral;.Processo Auricular Cranial. 0

30 Nome Técnico: Vértebra Sacral Nome Vulgar: -- Porção do Esqueleto: Axial Conexões Ósseas: Se articula com a pelve e as vertebras lombares Classificação do Osso: Osso Irregular Diferenças entre as espécies domésticas: O número de vértebras fundidas que formam o sacro varia, por exemplo, os carnívoros possuem, os ruminantes possuem, os ovinos possuem (por vezes ou ) e os equinos possuem. Nos carnívoros o sacro é quadrangular; As asas orientadas verticalmente; Apófises espinhosas parcialmente soldadas; Não possui crista sacral intermédia. Nos ruminantes o sacro é maior do que o do equino; Curvado dorsalmente; Possui crista sacral intermédia e crista sacral média; Os orifícios sagrados dorsais e ventrais aumentam de tamanho em sentido caudal. Vista Ventral Vista Dorsal V É R T E B R A S A C R A L.Promontório;.Forames Sacrais Ventrais;.Processo Transverso;.Ápice do Sacro;.Linhas Transversais;.Asa do Sacro..Face Auricular;.Processo Auricular Cranial;.Incisura Sacral Cranial;.Forame Sacral Dorsal;.Processo Transverso. 8

31 Nome Técnico: Ossos do tarso (Demonstração em Equino) Nome Vulgar: Jarrete. Porção do Esqueleto: Apendicular. Conexões Ósseas:Porção proximal com a Tíbia (Tarsocrural) e distal com o Metatarso (Tarsometarsal). Classificação do Osso:Ossos Curtos. Diferenciação entre as espécies domésticas: Nas espécies domésticas os ossos társicos se dispõem em três fileiras; Proximal: Calcâneo e Talos; Média: Osso central; Distal: Ossos társicos I, II, III, IV, sendo que o osso társico IV também ocupa parte da fileira média. Abaixo, um quadro comparativo das principais diferenças de tarso entre os animais domésticos. Canino, Felino e Suíno Bovino Equino Possui todos os társicos, não há presença de ossos fusionados. Osso central e társico IV são fusionados. Ossos társicos II e III também fusionados. Somente os társicos I e II são fusionados.

32 Vista Medial Vista Lateral.Segundo Metatarsiano;.Terceiro Metatarsiano;.Côndilo Medial;.Fossa do ligamento;.crista Sagital..Quarto Metatarsiano;.Terceiro Metatarsiano;.Epicôndilo Lateral;.Crista sagital;.côndilo lateral

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico

15/03/2016 ESQUELETO APENDICULAR OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MEMBRO TORÁCICO. Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico ESQUELETO APENDICULAR Constituído por ossos dos membros torácico e pélvico OSTEOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR Ombro - Escápula Braço - Úmero Antebraço Rádio e Ulna Joelho - Carpos Canela - Metacarpos

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal

Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal Universidade Federal de Viçosa Campus UFV Florestal SISTEMA ESQUELÉTICO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: suporte, movimento, proteção, estoque de minerais e hematopoiese. O esqueleto

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM

MANUAL TÉCNICO CÓD ESQUELETO HUMANO DE 85 CM MANUAL TÉCNICO CÓD. 6065 ESQUELETO HUMANO DE 85 CM Esta é uma pequena ferramenta de aprendizagem de anatomia do Sistema Esquelético Humano. Com o Modelo Anatômico de Esqueleto de 85 cm, é possível observar

Leia mais

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia

Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho. Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Esqueleto Apendicular e Axial, e articulação do joelho Marina Roizenblatt 75 Monitora de Anatomia Coluna Vertebral Canal Vertebral Forames intervertebrais Características de uma vértebra típica Corpo vertebral

Leia mais

Esqueleto. Axial. Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I. Objetivos da Aula. Conhecer a constituição do Esqueleto Axial

Esqueleto. Axial. Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I. Objetivos da Aula. Conhecer a constituição do Esqueleto Axial Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Esqueleto Axial Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Definir Esqueleto Axial Conhecer a constituição

Leia mais

Músculo Origem Inserção Inervação Ação

Músculo Origem Inserção Inervação Ação Músculos Toracoapendiculares Anteriores Músculo Origem Inserção Inervação Ação Peitoral Maior Porção clavicular: Face anterior da metade anterior da clavícula; Porção esternocostal: face anterior do esterno

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA FACULDADE DE ENSINO E CULTURA DO CEARÁ CURSOS DE SAÚDE ANATOMIA ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Profs. Musse Jereissati, Rosi Paixão e Ana Cláudia Queiroz Ossos do membro superior: Clavícula, escápula (que constituem

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: MÚSCULOS QUE ACIONAM A CINTURA ESCAPULAR Trapézio

Leia mais

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO

OSSOS DO CRÂNIO. Prof. ROMMEL BARRETO OSSOS DO CRÂNIO Prof. ROMMEL BARRETO Crânio: lâmina externa diploe lâmina interna Crânio: Definição: Funções: Divisão Funcional: Ossos do Neurocrânio: Ossos do Viscerocrânio: Crânio: 22 ossos? Crânio

Leia mais

15/03/2016 OSTEOLOGIA GERAL E ESQUELETO AXIAL TERMINOLOGIA PARTES DE UM OSSO TERMINOLOGIA TERMINOLOGIA O SISTEMA ESQUELÉTICO EPÍFISE

15/03/2016 OSTEOLOGIA GERAL E ESQUELETO AXIAL TERMINOLOGIA PARTES DE UM OSSO TERMINOLOGIA TERMINOLOGIA O SISTEMA ESQUELÉTICO EPÍFISE O SISTEMA ESQUELÉTICO OSTEOLOGIA Estudo dos ossos que formam o esqueleto ou a estrutura do corpo Fornece a base para a estrutura externa e aparência dos vertebrados Possuem vasos sanguíneos, vasos linfáticos

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA 6MOD205 LOCOMOÇÃO E PREENSÃO MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR OMBRO MANGUITO ROTADOR 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA TUBÉRCULO > DO 3 SUBESCAPULAR

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot.

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot. APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: Daniel Moreira Monitor Virtual de Anatomia http://estudandoanatomia.blogspot.com APOSTILAS, JOGOS,

Leia mais

21/08/2013 *INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS *OSTEOLOGIA. Conceito. Tipos de Anatomia. Tipos de Anatomia

21/08/2013 *INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS *OSTEOLOGIA. Conceito. Tipos de Anatomia. Tipos de Anatomia *INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS *OSTEOLOGIA Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Conceito Anatomia é o ramo da ciência que trata da forma e estrutura dos organismos. Etmologicamente,

Leia mais

Profa. Elen H. Miyabara

Profa. Elen H. Miyabara UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia OSSOS E ARTICULAÇÕES Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br DIVISÃO DO ESQUELETO HUMANO ESQUELETO AXIAL 80 ossos CRÂNIO

Leia mais

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral.

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral. Osteologia da Coluna Vertebral Anatomia dosanimais Domésticos I Prof. Paulo Junior 1/8 OSTEOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL 1) Formação Vértebras desde o crânio até a ponta da cauda. 2) Funções Movimentos: flexão,

Leia mais

Esqueleto apendicular

Esqueleto apendicular 2010 Esqueleto apendicular http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo enfoca os ossos que formam os esqueletos apendiculares superiores, inferiores e seus respectivos cíngulos.. No final do capítulo,

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO OSSOS DA CABEÇA O crânio é o esqueleto da cabeça; vários ossos formam suas duas partes: o Neurocrânio e o Esqueleto da Face. O neurocrânio fornece o invólucro para o cérebro e as meninges encefálicas,

Leia mais

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Membros Superiores (MMSS) Membros Superiores (MMSS) A escápula está mergulhada na massa muscular do dorso do indivíduo, sem qualquer fixação direta

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA. Articulações do cotovelo, punho e da mão

CINESIOLOGIA APLICADA. Articulações do cotovelo, punho e da mão CINESIOLOGIA APLICADA Articulações do cotovelo, punho e da mão OSSOS - COTOVELO ÚMERO ULNA RÁDIO MOVIMENTOS ARTICULARES ARTICULAÇÃO DO COTOVELO: FLEXÃO EXTENSÃO ARTICULAÇÃO RÁDIO ULNAR: PRONAÇÃO SUPINAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 3: OSTEOLOGIA ANIMAL COMPARADA

CAPÍTULO 3: OSTEOLOGIA ANIMAL COMPARADA Profª Ana Cláudia Campos DZ - UFC CAPÍTULO 3: OSTEOLOGIA ANIMAL COMPARADA O MEMBRO TORÁCICO O membro torácico consiste de quatro segmentos principais, a saber: cíngulo escapular, braço, antebraço e mão.

Leia mais

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro MÚSCULOS DO OMBRO Músculos do Ombro Deltóide Supra-espinhal Infra-espinhal Redondo Menor Redondo Maior Subescapular DELTÓIDE Ombro Inserção Proximal: 1/3 lateral da borda anterior da clavícula, acrômio

Leia mais

Os membros inferiores são formados por cinco segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares.

Os membros inferiores são formados por cinco segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares. ESQUELETO APENDICULAR INFERIOR OSTEOLOGIA DOS MEMBROS INFERIORES Os membros inferiores são formados por cinco segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares. Cintura

Leia mais

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Uma fixação é no esqueleto e outra na parte mais profunda da Pele Podem movimentar a pele do couro cabeludo e da face modificando

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

Introdução à Anatomia

Introdução à Anatomia ESTRUTURA ANIMAL 1 Introdução à Anatomia : É o fundamento de todas as outras ciências médicas. Função: Fornecer noções preciosas para as aplicações na prática médico-cirúrgica Anatomia vem do grego; Significa

Leia mais

Anatomia Palpatória. Anatomia clínica. Anatomia clínica - Objetivos. Anatomia clínica. Princípios da palpação. Princípios da palpação

Anatomia Palpatória. Anatomia clínica. Anatomia clínica - Objetivos. Anatomia clínica. Princípios da palpação. Princípios da palpação Anatomia Palpatória Especialista Ortopedia e Esportes UFMG Fisioterapeuta da SPINE FISIOTERAPIA Professor da Pos Graduação Terapia Manual PUC-MG Professor do Curso de Terapia Manual da SPINE FISIOTERAPIA

Leia mais

*Ulna Rádio Carpo Metacarpo Falanges: Sesamóides

*Ulna Rádio Carpo Metacarpo Falanges: Sesamóides PUNHO E MÃO OSSOS *Ulna processo estilóide e cabeça da ulna. Rádio - processo estilóide, tubérculo de Lister e incisura ulnar do rádio. Carpo: escafóide, semilunar, piramidal, pisiforme, trapézio, trapezóide,

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

Anatomia do Membro Superior

Anatomia do Membro Superior Composição Cíngulo do Membro Superior Braço Antebraço Mão Cíngulo do Membro Superior CLAVÍCULA CULA - Extremidades: esternal e acromial - Diáfise: - 2/3 mediais convexos anteriormente - 1/3 lateral côncavo

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA 1 MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO REGIÃO ANTERIOR (flexores do punho e dos dedos e pronadores) GRUPO SUPERFICIAL MÚSCULO PRONADOR REDONDO cabeça umeral: epicôndilo medial do úmero cabeça

Leia mais

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira 1 SISTEMA OSTEOARTICULAR III ESQUELETO AXIAL CABEÇA ÓSSEA SUMÁRIO I DIVISÕES DA CABEÇA ÓSSEA Crânio: calote e base Face II - OSSOS DO CRÂNIO 1 Parietal Faces interna e externa Bordos superior ou sagital,

Leia mais

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL: UMA ABORDAGEM INTERATIVA NA WEB III Programa de Bolsas de Iniciação Científica AUTORA: Renata Vasconcelos Pavan CO-AUTORAS: Paula Ribeiro Borges Vanessa

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior OSSOS Os membros inferiores são mais estáveis, devido a fixação de duas fortes articulações, anteriormente, a sínfise púbica (é uma articulação cartilagínea) e posteriormente

Leia mais

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO MOVIMENTOS DA ESCÁPULA PROTRAÇÃO RETRAÇÃO ELEVAÇÃO DEPRESSÃO ROTAÇÃO PARA CIMA (EXTERNA) ROTAÇÃO PARA BAIXO (INTERNA) MOVIMENTOS DOS OMBROS FLEXÃO E EXTENSÃO ADBUÇÃO E ADUÇÃO

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Antebraço, Fossa Cubital e Mão Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Departamento de Ciências Morfológicas Curso de Fisioterapia DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA Antebraço, Fossa Cubital e Mão

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

OSTEOLOGIA 18/03/2014 OSTEOLOGIA

OSTEOLOGIA 18/03/2014 OSTEOLOGIA OSTEOLOGIA SISTEMA ESQUELÉTICO Na verdade quando se fala em Sistema Esquelético, temos logo em mente só os ossos, o que não está completamente correto, isso porque as articulações é que na verdade mantêm

Leia mais

Músculos do Antebraço e Mão

Músculos do Antebraço e Mão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos do Antebraço e Mão Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Flexão do Cotovelo (3) Músculos da Extensão

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS Nomenclatura para os posicionamentos Ao posicionarmos o paciente com o propósito de efetuar radiografias, deve-se dar nome a este

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

Anatomia Humana. Prof. Adriano

Anatomia Humana. Prof. Adriano ANATOMIA HUMANA 2 Caro(a) Aluno (a), este material serve apenas como roteiro de aula e material de apoio, não substitui os livros didáticos relacionados no plano de ensino da disciplina. Portanto, para

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII Prof.: Gustavo Martins Pires OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO MEMBRO INFERIOR Tem por principal função de locomoção e sustentação do peso. Os ossos do quadril, constituem

Leia mais

Artrologia. Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em:

Artrologia. Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em: 58 Artrologia Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em: Fibrosas (Sinartrose) As articulações fibrosas incluem todas as articulações nas quais os ossos são mantidos por tecido conjuntivo

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO SISTEMA LOCOMOTOR CABEÇA E PESCOÇO Crânio O crânio forma uma caixa óssea que tem a função primordial de abrigar e proteger o encéfalo. Outras funções importantes como: possui cavidades para órgãos da sensibilidade

Leia mais

Total de 11 páginas 1

Total de 11 páginas 1 SISTEMA ESQUELÉTICO O esqueleto Esqueleto grego: corpo ressecado Entretanto é um tecido vivo Endoesqueleto 206 ossos Funções Sustentação; Proteção; Reserva de minerais; Movimentação; Formação de células

Leia mais

Músculos do Cíngulo Escapular e Braço

Músculos do Cíngulo Escapular e Braço Músculos do Cíngulo Escapular e Braço 1 Músculos do Tronco ou Crânio ao Cíngulo Escapular (8) Serrátil Anterior Trapézio Rombóides Maior e Menor Peitoral Menor Levantador da Escápula Subclávio Esternocleidomastóideo

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser.

SISTEMA ESQUELÉTICO. Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO Centro Universitário Central Paulista UNICEP São Carlos Disciplina: Anatomia Humana Profa. Silvia Tesser. SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Conceito: -Ostelogia -Esquelto -Ossos Profa. Silvia

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES

ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES ANATOMOFISIOLOGIA I J. SILVA HENRIQUES 2 SISTEMA MUSCULAR MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR 3 MÚSCULOS MOVIMENTOS OMOPLATA 4 MÚSCULOS TRAPÉZIO MOVIMENTOS OMOPLATA 5 ELEVADOR DA OMOPLATA Origem: Apófises transversas

Leia mais

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo Cinesiologia Aplicada Quadril, Joelho e tornozelo Cintura Pélvica - Ossos Ossos Pélvicos: Ílio Isquio Púbis Femúr Cintura Pélvica - Movimentos Movimentos da Cintura Pélvica Rotação Pélvica posterior Retroversão

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior 1 de 37 PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1 1. RM Crânio Isquemia Aguda Sequências Mínimas Obrigatórias Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial Sagital T1

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 1 O Ombro é uma articulação de bastante importância para todos nós, visto que para fazermos até as atividades mais simples, como escovar os dentes e dirigir, precisamos dele. Devido a esta característica,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Profª. Ana Carolina Athayde Braz. Programa da Disciplina. 1. Introdução ao Estudo da Anatomia

ANATOMIA HUMANA. Profª. Ana Carolina Athayde Braz. Programa da Disciplina. 1. Introdução ao Estudo da Anatomia ANATOMIA HUMANA Profª. Ana Carolina Athayde Braz Programa da Disciplina 1. Introdução ao Estudo da Anatomia 2. Sistema Passivo de Locomoção Esqueleto e Sistema Ósseo. 2.1 Osteologia, Funções e Classificação

Leia mais

13/05/2013. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina

13/05/2013. Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina Prof.Msc.Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina professormoises300@hotmail.com Extremidade distal do rádio Extremidade distal da ulna Carpo ( escafóide, semilunar, piramidal, trapézio,

Leia mais

Sistema Esquelético CAPÍTULO OBJETIVOS

Sistema Esquelético CAPÍTULO OBJETIVOS CAPÍTULO 2 Sistema Esquelético OBJETIVOS Conceituar osso do ponto de vista de sua constituição, discriminando os elementos formadores Conceituar osso desde o ponto de vista biomecânico, sem deixar de se

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc.

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc. MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO INFERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Iliopsoas MÚSCULOS QUE ACIONAM A COXA Psoas maior

Leia mais

Sistema ósseo. Funções

Sistema ósseo. Funções Anatomia comparada INTRODUÇÃO Conceito:Anatomia é o ramo da ciência que trata da forma e estrutura dos organismos. Etmologicamente,, Anatomia significa cortar separando ou dissociando as partes do corpo.

Leia mais

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral Sistema Esquelético 213 Esqueleto Apendicular 126 Esqueleto Axial 87 Crânio e ossos associados 29 Caixa torácica 25 Coluna vertebral 33 Crânio Abrigar e proteger o encéfalo Apresenta aberturas para passagem

Leia mais

Anatomia - Coluna Cervical

Anatomia - Coluna Cervical Anatomia - Coluna Cervical C1 e C2 diferem das demais vértebras da coluna por particularidades anatômicas. Massas laterais. Dente do áxis. Coluna Cervical Alta Ligamento do ápice do dente Ligamento alar

Leia mais

Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Movimentos Articulares do Cotovelo e Radioulnar Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Articulação do Cotovelo O cotovelo (articulação rádio umeral) permite a flexão e extensão do rádio e ulna em relação

Leia mais

Estão dispostos em 6 grupos:

Estão dispostos em 6 grupos: MÚSCULOS DO TRONCO Estão dispostos em 6 grupos: Músculos do dorso Abdome Músculos suboccipitais Pelve Tórax Períneo MÚSCULOS DO DORSO Há dois grupos principais: Músculos Extrínsecos do Dorso Superficiais

Leia mais

Osteologia das aves. Texto de apoio às aulas de Anatomia I Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Évora

Osteologia das aves. Texto de apoio às aulas de Anatomia I Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Évora Osteologia das aves Texto de apoio às aulas de Anatomia I Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Évora Ricardo Romão rjromao@uevora.pt Universidade de Évora Departamento de Zootecnia Apartado

Leia mais

Osteologia Introdução

Osteologia Introdução Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Osteologia Introdução Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Composição dos ossos Função dos

Leia mais

Osteologia. denominam cervicais; a primeira se chama atlas e a segunda áxis.

Osteologia. denominam cervicais; a primeira se chama atlas e a segunda áxis. 23 Osteologia denominam cervicais; a primeira se chama atlas e a segunda áxis. O Esqueleto A função mais importante do esqueleto é sustentar a totalidade do corpo e dar-lhe forma. Torna possível a locomoção

Leia mais

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação???

18/03/2014 ARTICULAÇÃO. Funções: Movimentos Manutenção da Postura Proteção dos Órgãos Crescimento dos Ossos Longos Amortecedor. O que é Articulação??? O que é Articulação??? ARTICULAÇÃO É o conjunto dos elementos que promovem a união de dois ou mais ossos, com a finalidade de permitir maior ou menor possibilidade de movimento, entre os segmentos articulados

Leia mais

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações

Membro Superior. Sistema Esquelético. Cintura Escapular. Membro Superior. 1 Segmento ESCÁPULA E CLAVÍCULA 24/02/2016 CLAVÍCULA. CLAVÍCULA Articulações ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz 1 Segmento Cintura Escapular E CLAVÍCULA Membro Superior Sistema Esquelético CLAVÍCULA Membro Superior 1 Segmento - Cintura

Leia mais

AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO.

AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO. AVALIAR A ANATOMIA DE SUPERFÍCIE DO MEMBRO PÉLVICO DO CÃO. Orientar o membro em relação a sua posição in vivo. Usando os esqueletos da sala de dissecação, como auxílio, orientar o membro e decidir se você

Leia mais

Constituição do Esqueleto

Constituição do Esqueleto O ESQUELETO HUMANO Funções do Esqueleto O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular.

Leia mais

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

2 ossos ímpares (vômer e mandíbula) 6 ossos pares (maxilas, zigomáticos, nasais, lacrimais, palatinos, conchas nasais inferiores)

2 ossos ímpares (vômer e mandíbula) 6 ossos pares (maxilas, zigomáticos, nasais, lacrimais, palatinos, conchas nasais inferiores) ESQUELETO AXIAL O Esqueleto Axial corresponde às regiões da cabeça, coluna vertebral e tronco. Estudaremos os elementos em separado, em relação à osteologia, artrologia e miologia. OSTEOLOGIA DA CABEÇA

Leia mais

Medula Espinhal e Nervos

Medula Espinhal e Nervos Medula Espinhal e Nervos Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br MEDULA ESPINHAL É uma estrutura alongada, mais ou menos cilíndrica, com achatamentos dorso ventral

Leia mais

Anatomia e Histologia

Anatomia e Histologia Tecnologia da Carne Anatomia e Histologia 1 Anatomia e Histologia Anatomia 2 Índice Generalidades Osteologia Miologia Esplancnologia 3 Anatomia Generalidades Anatomia Ciência que estuda a estrutura do

Leia mais

Generalidades sobre Ossos

Generalidades sobre Ossos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Generalidades sobre Ossos Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br O Esqueleto Humano Divisão do Esqueleto Axial: Crânio

Leia mais

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro Quais as características do Treinamento Funcional? Desenvolver e melhorar as capacidades físicas através de estímulos que proporcionam

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

CRÂNIO. Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD

CRÂNIO. Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD CRÂNIO Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG Professor Adjunto da PUC-Minas Roteiro Roteiro

Leia mais

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Prof. Dr. Caio Maximino Marabá Maio/2015 Cabeça é composta por crânio, face, escalpo, dentes, encéfalo, nervos cranianos, meninges, órgãos dos sentidos

Leia mais

24/11/2009. Membros dos equinos AFECÇÕES DOS MEMBROS DOS EQÜINOS. TÉCNICAS E DIAGNÓSTICO RADIOLÓGICOS. Exame radiográfico.

24/11/2009. Membros dos equinos AFECÇÕES DOS MEMBROS DOS EQÜINOS. TÉCNICAS E DIAGNÓSTICO RADIOLÓGICOS. Exame radiográfico. Membros dos equinos AFECÇÕES DOS MEMBROS DOS EQÜINOS. TÉCNICAS E DIAGNÓSTICO RADIOLÓGICOS Exame radiográfico ainda é o mais utilizado no Brasil Confirma o diagnóstico, contribui para o prognóstico e para

Leia mais

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO P1 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 P2 P3 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCICA ANTERIOR, ACIMA DA

Leia mais

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano A articulação é formada pela coaptação de dois ossos com o auxílio de músculos esqueléticos, ligamentos e cápsula articular. Para uma melhor compreensão é necessário

Leia mais

UND 1 R$ 8.850,000 R$ 8.850,00 23402.002009/2010-16 MICROLLAGOS MICROSCOPIA CIENTIFICA LTDA 3B 3B

UND 1 R$ 8.850,000 R$ 8.850,00 23402.002009/2010-16 MICROLLAGOS MICROSCOPIA CIENTIFICA LTDA 3B 3B FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO SECRETÁRIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO Visando a aquisição de equipamentos para laboratório - Pregão 56/2010 Processo nº 23402.001770/2010-22 Empenho Entrega

Leia mais

Diferenças entre os ossos do esqueleto masculino e feminino:

Diferenças entre os ossos do esqueleto masculino e feminino: Diferenças entre os ossos do esqueleto masculino e feminino: A medula vermelha, tem importante função hemopoética, ou seja, é um tecido produtor de células do sangue. A medula amarela não tem essa

Leia mais

Caderno de Prova. Anatomia Animal. Universidade Federal Fronteira Sul. Edital n o 006/UFFS/2010. 23 de maio. das 14 às 17 h. 3 h*

Caderno de Prova. Anatomia Animal. Universidade Federal Fronteira Sul. Edital n o 006/UFFS/2010. 23 de maio. das 14 às 17 h. 3 h* Universidade Federal Fronteira Sul Edital n o 006/UFFS/2010 Caderno de Prova 23 de maio das 14 às 17 h 3 h* E6P34 Anatomia Animal Confira o número que você obteve no ato da inscrição com o que está indicado

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais