METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral"

Transcrição

1 METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral Côndilo do occipital;. Forame Magno;. Processo Paracondilar;. Temporal;. Forame Supraorbital;. Bula Timpânica; 7. Vômer; 8. Zigomático; 9. Asa do Vômer; 0. Osso Palatino;. Forame alar caudal;. Forame jugular;. Dentes molares;. Processo muscular;. Abertura das Coanas;. Forame Palatino Maior; 7.Fossa Mandibular METADE ROSTRAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral. Sutura Palatina Mediana;. Fissura Palatina;. Canal Interincisivo;. Processo Palatino da Maxila;. Forame Palatino Maior;. Dentes Incisivos; 7. Processo Palatino do Osso Incisivo; 8. Dentes Pré-Molares; 9. Processo Palatino da Maxila; 0. Sutura Palatina Transversa.

2 Vista Caudal Forame Magno;. Condilo do Occipital;. Pruteberância Occipital;. Pariental;. Crista Sargital Externa;. Processo Paracondilar; 7. Arco Zigomático; 8. Crista Nucal; 9. Protuberância Occiptal Externa. CORTE TRANSVERSAL DA CAVIDADE CRANIANA. Vista Rostral. Crista Galli;. Lâmina Crivosa do Osso Etmóide.

3 Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Ciências Biológicas e da Natureza CCBN Laboratório de Anatomia Animal Aulas Práticas: Ossos Disciplina: Anatomia Descritiva Animal I Docente: Prof. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Rio Branco, 0

4 Sumário CRÂNIO... Crânio... Mandíbula... MEMBROS TORÁCICOS... Escápula... Úmero...8 Rádio Ulna... Metacarpos... Carpos...7 MEMBROS PÉLVICOS...8 Fêmur...8 Sesamóide Proximal...0 Sesamóide Distal... Tíbia... Metatarsos... Tarsos... VÉRTEBRA SACRAL...8

5 Vista Caudal. Processo coronóide;. Processo condilar;. Forame mandibular;. Sínfise mandibular. Vista Lateral 8 9. Processo condilar;. Processo coronóide;. Forame mandibular;. Dentes molares;. Margem interalveolar (diastema);. Forame mentoniano/mentual; 7. Ângulo da mandíbula; 8-Fossa massetérica.

6 Nome técnico: Mandíbula (Demonstração em equino) Nome Vulgar: -- Porção do esqueleto: Axial Conexões ósseas: Osso temporal (crânio) Classificação do osso: Osso irregular Diferenciação entre as espécies domésticas: O forame mentoniano, margem interalveolar (diastema), fossa massetérica, forame mandibular, ramo da mandíbula (vertical), corpo da mandíbula (horizontal), processo condilar, processo coronóide, sínfise e incisura mandibular estão presentes no equino, cão, suíno e bovino. No cão, a fossa massetérica é mais profunda que a das espécies anteriores. O ângulo da mandíbula do suíno é maior e seu processo coronóide é menor que o das outras espécies domésticas. A margem interalveolar do bovino é a maior, pois este não apresenta os dentes caninos. Vista Rostral. Processo condilar;. Processo coronóide;. Dentes molares;. Dentes incisivos;. Forame mentoniano/mentual.

7 Nome Técnico: Escápula Porção do Esqueleto: Apendicular Nome Vulgar: Pá Conexões Ósseas: Está presa obliquamente ao pescoço e à porção cranial do tórax por meio de diversos músculos. Articula-se distalmente com o úmero. Classificação do Osso: É um osso plano, de contorno triangular. Diferenciação entre as espécies domésticas: Equino: É o único que não apresenta acrômio na parte ventral da espinha. A fossa supraespinhosa estende-se até a parte ventral. Bovino: A fossa supra-espinhosa está voltada mais cranialmente. Suíno: A espinha é triangular e apresenta sua tuberosidade bastante desenvolvida e inclinando-se caudalmente. Canino: A espinha da escapula divide-a em duas fossas semi-idênticas. M E M B R O Vista Cranial/ Face Lateral 0 T O R Á C I C O Cartilagem da escápula;. Ângulo Cranial;. Fossa supraespinhosa;. Borda cranial;. Espinha da escápula;. Colo da escápula; 7. Tuberosidade da escápula; 8 Cavidade glenóide; 9. Forame nutrício; 0. Linhas musculares;. Fossa infraespinhosa;. Tuberosidade da espinha da escápula;. Ângulo caudal;.borda caudal.

8 Vista caudal/ Face costal Cartilagem da escápula;. Ângulo cranial;. Borda cranial;. Sulco vascular;. Tuberosidade da escápula;. Processo coracóide; 7. Cavidade glenóide; 8. Colo da escápula; 9. Borda caudal; 0. Fossa subescapular;. Face serrátil;. Ângulo caudal. Vista da extremidade. Tuberosidade da escápula;. Processo coracóide;. Cavidade glenóide. 7

9 Nome Técnico: Úmero Nome Vulgar: -- Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Articula-se com a escápula na articulação do ombro e com o rádio e a ulna, na articulação do cotovelo. Classificação do Osso: Osso longo Diferenciação entre as espécies domésticas: Tubérculo Intermédio só existe em equinos. Vista Distal 7. Área para inserção de músculos flexores do carpo e dedos ;. Fossa do Olécrano;. Epicôndio Medial;. Depressão para inserção do ligamento colateral lateral;. Área de inserção de músculos flexores do carpo e dedos;. Tróclea do Úmero; 7. Capítulo. Vista Proximal. Cabeça do úmero;. Tubérculo maior;. Tubérculo Intermediário;. Fossa;. Tubérculo Menor. 8

10 Vista Cranial Tubérculo maior;. Tubérculo intermédio;. Tubérculo menor;. Sulco intertuberal ou bicipital;. Tuberosidade deltoide;. Tuberosidade redonda maior; 7. Crista do úmero; 8. Fossa radial; 9. Capítulo; 0. Tróclea. Vista Caudal. Cabeça do úmero;. Cólo da cabeça do úmero;. Tuberosidade redonda maior;. Tuberosidade deltoide;. Fossa do olécrano. 9

11 Vista Lateral 7 8. Tubérculo maior;. Tuberosidade deltoide;. Sulco musculoespiral.. Crista do úmero;. Fossa radial;. Tróclea; 7. Epicôndilo lateral; 8. Capítulo. Vista Medial. cabeça do úmero;. Tuberosidade redonda maior;. Forame nutrício;. Epicôndilo medial;. Crista do epicôndilo lateral. 0

12 Nome Técnico: Rádio Ulna Nome Vulgar: Canela Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Úmero e Osso Carpiano Classificação do Osso: Osso Longo Diferenciação entre as espécies domésticas: Em cães as fraturas no rádio/ulna é mais frequente Vista Cranial Vista Caudal Tubérculo do olecrano;. Processo ancône;. Incisura Troclear;. Processo Coronóide Lateral;. Processo Coronóide Medial;. Tuberosidade do Radio; 7. Corpo do Radio; 8. Processo Estilóide Lateral; 9. Processo Estilóide Medial..Tubérculo do Olécrano;.Corpo do Ulna;.Espaço Interósseo;.Corpo do Rádio;.Crista Transversa;.Processo Estilóide Medial; 7.Processo Estilóide Lateral.

13 Vista Cranial.Sulco para Tendão do Músculo Oblíquo do Carpo;.Sulco para Tendão do Músculo Extensor Radial do Carpo;.Sulco para Tendão do Músculo Extensor Digital Comum;.Processo Estilóide Lateral;.Processo Estilóide Medial;.Sulco para Tendão do Músculo Extensor Digital Lateral Vista Caudal.Fossa Coronóide;.Processo Estiloide da Ulna;.Processo Estiloide do Rádio;.Face Articular do Carpo.

14 Vista Lateral.Tuberosidade do Olécrano;.Processo Ancôneo;.Incisura Troclear;.Espaço Interósseo;.Crista Transversa Extremidade Proximal. Superfície Articular do Úmero;. Fóvea da Cabeça do Rádio;. Processo Coronóide Lateral;. Processo Coronóide Medial;. Incisura Troclear;.Processo Ancôneo.

15 Vista Medial Tuberosidade do Olécrano;.Margem Cranial do Olécrano;.Processo Ancôneo;.Incisura Troclear;.Margem Semiulnar;.Tuberosidade Radial; 7.Superfície Articular Umeral; 8.Espaço Interósseo Antebraquial; 9.Ólecrano

16 Nome Técnico: Metacarpo Nome Vulgar: Canela Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Carpo e falange Classificação do Osso: Osso longo Diferenciação entre as espécies doméstica:equinos: I e V ausentes; II e IV reduzidos; III carrega a falange proximal. Bovinos, ovinos e caprinos: III e IV são fusionados e os principais. Suínos: III e IV são os principais; II e V são acessórios. Caninos e felinos: Estão presentes os cinco metacárpicos. Vista Dorsal Vista Palmar Terceiro Metacárpico(corpo do metacarpo);.quarto metacárpico;.segundo Metacárpico;.Tuberosidade do Terceiro Metacárpico;. Crista Troclear ou Crista Sagital;.Tróclea Medial;7. Epicôndilo Medial; 8. Tróclea Lateral; 9.picôndilo Lateral; 0. Superfície Articular para Fileira Distal dos Ossos do Carpo..Terceiro Metacárpico;.Segundo Metacárpico;.Quarto Metacárpico;.Forame Nutrício;.Tróclea Medial;.Crista Troclear ou Crista Sagital; 7.Tróclea Lateral; 8.Superfície Articular para Fileira Distal dos Ossos do Carpo; 9.Área para Inserção do Músculo Inter ósseo

17 Vista Proximal. Terceiro Metacarpico;. Segundo Metacárpico;.Quarto Metacárpico. Vista Distal.Tróclea Lateral;. Crista Troclear ou Crista Sagital;.Tróclea Media.

18 Nome Técnico: Carpo Nome Vulgar: Punho Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Rádio e Ulna, Metacarpo Classificação do Osso: Osso curto Diferenciação entre as espécies domésticas: No cão o capo radial e intermédio são fusionados. No bovino o segundo e terceiro carpianos são fusionados. No cão e no suíno há presença do primeiro osso carpiano. Vista Dorsal Vista Proximal.Osso Radial do Carpo; -.Osso Intermédio do Carpo;.Osso Ulnar do Carpo;.Segundo Carpiano;.Terceiro Carpiano;.Quarto Carpiano; 7.Carpo Acessório..Osso Radial do Carpo;.Osso Intermédio do Carpo;.Osso Ulnar do Carpo;. Carpo Acessório. 7

19 Nome Técnico: Fêmur (Demonstração em Equino) Nome Vulgar: -- Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Pelve, Patela, Tíbia e Fíbula. Classificação do Osso: Osso Longo. Diferenciação entre as espécies domésticas:nos carnívoros a fóvea da cabeça do fêmur é circular e se localiza no centro, enquanto nos equinos ela apresenta formato de cunha e é aberta medialmente em direção a periferia. Nos carnívoros e nos suínos o colo do fêmur e mais distinto. O trocanter maior se prolonga além do limite dorsal da cabeça do fêmur em animais de grande porte, mas permanece na mesma altura nos animais de pequeno porte e no suíno. No restante ele se apresenta semelhante para todas as espécies domesticas. M E M B R O Vista Cranial Vista Caudal P É L V I C O. Cabeça do fêmur;. Trocanter maior;. Fóvea da cabeça do fêmur;. Colo da cabeça do fêmur;. Linha intertrocantérica;. Terceiro trocanter; 7. Trocanter menor; 8. Corpo do fêmur; 9. Epicôndilo medial; 0. Epicôndilo lateral;. Côndilo medial;. Côndilo lateral;. Tróclea do fêmur.. Trocanter maior;. Cabeça do fêmur;. Crista intertrocanteríca;. Fóvea da cabeça do fêmur;. Fossa trocanteríca;. Terceiro trocanter; 7. Trocanter menor; 8. Forame nutrício; 9. Corpo do fêmur; 0. Fossa supracondilar;. Epicóndilo medial;. Côndilo lateral;. Côndilo medial;. Fossa intercondilar. 8

20 l Vista Medial trocantérica;. ça do fêmur;. fêmur; 7. Fossa do fêmur; 9.. Trocanter maior;. Cabeça do fêmur;. Fóvea da cabeça do fêmur;. Trocanter menor;. Corpo do fêmur;. Forame nutrício; 7. Lábio medial da tróclea; 8. Côndilo lateral; 9. Epicôndilo medial; 0. Côndilo medial. mal Vista da Face Distal aior;. Fóvea da nteríca;. Fossa. Côndilo medial;. Côndilo lateral;. Fossa intercôndilar;. Epicôndilo medial;. Epicôndilo lateral. 9

21 Nome Técnico: Osso sesamóide proximal ou patela Nome Vulgar: Rotula Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Tróclea do Fêmur, Base da Falange Proximal Classificação do Osso: Osso Curto Diferenciação entre as espécies domésticas: É ovoide em cães, mas prismático em equinos e bovinos. No suíno, a base é mais arredondada. Vista Cranial Vista Caudal.Base da Patela;.Processo cartilaginoso;.inserção para o ligamento patelar médio;.ápice da Patela;.Inserção para o ligamento lateral;.borda Lateral.Base da Patela;.Face articular medial;.face articular lateral;.ângulo medial;.ângulo lateral;.ápice da Patela 0

22 Nome Técnico: Falanges ou dígitos Nome Vulgar: Dedos Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Depende da Falange Classificação do Osso: Diferenciação entre as espécies domésticas: No equino, o osso sesamóide distal, conhecido como osso navicular, apresenta uma forma laminar para adaptar-se às superfícies articulares das falanges média e distal, respectivamente. Nos Bovinos, há em cada dedo principal, um sesamóide distal, que é alongado no sentido transversal e se articula com a cabeça da falange média e com a falange distal. Vista Cranial Vista Caudal.Falange proximal;.falange média;.apófise dos extensores;.falange distal..falange Proximal;.Falange Média;.Sesamóide Distal/Navicular;.Face Articular;.Forame Palmar;.Incisura Semilunar; 7.Área Flexora; 8.Falange Distal; 9.Face Palmar ou Plantar

23 Nome técnico: Tíbia Nome Vulgar: -- Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Fêmur, Patela, Fíbula e Ossos tarsais Classificação do Osso: Osso longo Diferenciação entre as espécies domésticas: Nos ruminantes, os vestígios da fíbula se fundem a fóvea articular na tíbia. No equino, a face caudal do corpo da Tíbia é marcada por vários sulcos. Na maioria das espécies domesticas a crista central, orienta-se na direção sagital, mas o equino ela se orienta crânio lateralmente. Em carnívoros e no suíno, a cóclea apresenta uma incisura lateral, no bovino, o aspecto lateral da cóclea possui uma fóvea articular, no equino o maléolo lateral é formado pela fusão da extremidade distal da fíbula para a tíbia. Vista Cranial Vista Caudal. Eminência intercondilar;. Côndilo lateral;. Côndilo medial;.tuberosidade da tíbia;. Sulco da tuberosidade;. Sulco extensor; 7. Corpo da tíbia; 8. Maléolo medial com sulco do tendão (sulco maleolar); 9. Maléolo lateral; 0. Cóclea.. Eminência intercondilar;. Área intercondilar central;. Área intercondilar caudal;. Côndilo medial;. Côndilo lateral;. Incisura poplítea; 7. Forame para a artéria nutrícia; 8. Linha poplítea; 9. Linhas musculares; 0. Maléolo lateral;. Maléolo medial.

24 Vista Lateral Vista Medial. Eminência Intercondilar;. Côndilo lateral;. Tuberosidade da tíbia;. Sulco Extensor;. Corpo da tíbia;. Incisura fibular; 7. Maléolo lateral; 8. Cóclea da tíbia. Eminência Intercondilar;. Tuberosidade da tíbia;. Côndilo lateral;. Corpo da tíbia;. Maléolo lateral;. Maléolo medial; 7. Cóclea da tíbia Vista da Face Proximal Vista da Face Distal. Côndilo medial;. Área intercondilar cranial;. Tubérculo intercondilar medial;. Área intercondilar caudal;. Área intercondilar central;. Incisura poplítea; 7. Tubérculo intercondilar lateral; 8. Área intercondilar cranial; 9. Sulco extensor; 0. Tuberosidade da tíbia;. Côndilo lateral. Maléolo lateral;. Cóclea;. Sulco do tendão;. Maléolo medial

25 Nome Técnico: Metatarso (Demonstração em Equino) Nome Vulgar: Canela Porção do Esqueleto: Apendicular Conexões Ósseas: Ossos do Tarso e Falanges Proximais Classificação do Osso: Osso Longo Diferenciação entre as espécies domésticas: Equino: Apresenta ossos metatarsianos. O grande metatarsiano é o º. O º e o º estão ausentes, e o º e º têm uma regressão parcial. Bovino: O º e º metatarsianos são fundidos, e formam o grande metatarsiano; Suíno: Possui ossos metatársicos (º, º, º e º). O º e º mais desenvolvidos, e º e º menos desenvolvidos. Canino: Todos os ossos metatársicos estão presentes. Vista Dorsal Vista Plantar 8.Terceiro Metatarsiano;.Fossa do Ligamento;.Côndilo Medial;.Côndilo Lateral;.Crista Sagital;.Tróclea 7.Segundo Metatarsiano;.Terceiro Metatarsiano;.Quarto Metatarsiano;.Forame Nutrício;.Côndilo Medial;.Côndilo Lateral; 7.Tróclea; 8. Crista Sagital

26 Nome Técnico: Crânio (demonstração em equino) Nome Vulgar: Cabeça Porção do Esqueleto: Axial Classificação do Osso: Osso Irregular Diferenciação entre as espécies domésticas: Conforme Konig há diferenças do osso não apenas entre as espécies mas também entre raças diferentes. Esta diferença, se dá principalmente na nomenclatura dos ossos, sendo na dimensão e formato do Crânio. Como exemplo, podemos demostrar o osso zigomático, diferente em seu tamanho e forma no Canino, equino, bovino e suíno. Assim, se dá com o Osso Temporal, a Maxila, o Incisivo, o Occipital, e os demais. Podemos apontar uma diferença significativa entre as espécies é o processo paracondilar, que são alongados no suínos, mais curtos nos ruminantes e no equino, e em formato de botão entre os carnívoros. Vista Lateral.Processo Rostral do Osso Nasal ;. Forame Infra-orbital;. Crista facial;. Processo Paracondilar;.Côndilo do occipital;. Fossa Troclear; 7. Fossa do Saco Lacrimal; 8. Meato Acústico Externo; 9. Crista Nucal; 0. Processo Zigomático do Osso Temporal;. Processo Temporal do Osso Zigomático;. Basisfenóide;.Processo Muscular;. Parte Basilar do Occiptal;.Processo Estilóide;. Processo Mastóide ; 7. Forame Etmoidal. C R Â N I O Vista Dorsal.Linha Temporal;. forame Supraorbital;. Crista Sagital externa;. Crista Nucal;. Fissura Palatina;. Processo Palatino do Osso Incisivo;7. Forame Infra-Orbitário; 8. Sutura Internasal.

27 Vista Dorsal Vista Plantar Calcâneo;.Tuberosidade Calcânea;.Tálo;.Tróclea do Tálo;.Osso Társico Central;.Társico III; 7.Társico IV.Corpo do Tálo;.Sustentáculo do Tálos;.Calcâneo;.Tuberosidade Calcânea;.Tróclea do Tálos;.Osso Central do Tarso; 7.Társico I + II; 8.Társico III; 9.Társico IV Vista Lateral Vista Medial.Tuberosidade Calcânea;.Calcâneo;.Tálo;.Depressão Lateral para Fixação de Ligamento;.Tróclea do Tálos;.Base do Calcâneo; 7.Osso Central do Tarso; 8.Társico III; 9.Társico IV.Tuberosidade Calcânea;.Calcâneo;.Sustentáculo do Tálo;.Tróclea do Tálos;.Corpo do Tálo;.Proeminência para Fixação de Ligamento; 7.Osso Central do Tarso; 8.Társico III; 9.Társico I + II 7

28 Vista Cranial.Canal Sacral;. Promontório Vista Caudal.Processo Transverso;.Canal Sacral 9

29 Vista Lateral.Processo Espinhoso;. Crista Sacral Lateral;.Processo Auricular Cranial. 0

30 Nome Técnico: Vértebra Sacral Nome Vulgar: -- Porção do Esqueleto: Axial Conexões Ósseas: Se articula com a pelve e as vertebras lombares Classificação do Osso: Osso Irregular Diferenças entre as espécies domésticas: O número de vértebras fundidas que formam o sacro varia, por exemplo, os carnívoros possuem, os ruminantes possuem, os ovinos possuem (por vezes ou ) e os equinos possuem. Nos carnívoros o sacro é quadrangular; As asas orientadas verticalmente; Apófises espinhosas parcialmente soldadas; Não possui crista sacral intermédia. Nos ruminantes o sacro é maior do que o do equino; Curvado dorsalmente; Possui crista sacral intermédia e crista sacral média; Os orifícios sagrados dorsais e ventrais aumentam de tamanho em sentido caudal. Vista Ventral Vista Dorsal V É R T E B R A S A C R A L.Promontório;.Forames Sacrais Ventrais;.Processo Transverso;.Ápice do Sacro;.Linhas Transversais;.Asa do Sacro..Face Auricular;.Processo Auricular Cranial;.Incisura Sacral Cranial;.Forame Sacral Dorsal;.Processo Transverso. 8

31 Nome Técnico: Ossos do tarso (Demonstração em Equino) Nome Vulgar: Jarrete. Porção do Esqueleto: Apendicular. Conexões Ósseas:Porção proximal com a Tíbia (Tarsocrural) e distal com o Metatarso (Tarsometarsal). Classificação do Osso:Ossos Curtos. Diferenciação entre as espécies domésticas: Nas espécies domésticas os ossos társicos se dispõem em três fileiras; Proximal: Calcâneo e Talos; Média: Osso central; Distal: Ossos társicos I, II, III, IV, sendo que o osso társico IV também ocupa parte da fileira média. Abaixo, um quadro comparativo das principais diferenças de tarso entre os animais domésticos. Canino, Felino e Suíno Bovino Equino Possui todos os társicos, não há presença de ossos fusionados. Osso central e társico IV são fusionados. Ossos társicos II e III também fusionados. Somente os társicos I e II são fusionados.

32 Vista Medial Vista Lateral.Segundo Metatarsiano;.Terceiro Metatarsiano;.Côndilo Medial;.Fossa do ligamento;.crista Sagital..Quarto Metatarsiano;.Terceiro Metatarsiano;.Epicôndilo Lateral;.Crista sagital;.côndilo lateral

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR

ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA Apostila de Exercícios de Fixação Sistema Esquelético ESQUELETO AXIAL ESQUELETO APENDICULAR ASSOCIAÇÃO PESTALOZZI DE NITERÓI CURSO TÉCNICO ALMIR MADEIRA Estrada Caetano Monteiro, 857 Pendotiba. Niterói- RJ Tel: 21994400/21.26202173 (Centro) CURSO: DISCIPLINA: Anatomia e Fisiologia Humana DOCENTE:

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos

ANATOMIA HUMANA I. Acidentes Ósseos. Prof. Me. Fabio Milioni. Características Anatômicas de Superfície dos Ossos ANATOMIA HUMANA I Acidentes Ósseos Prof. Me. Fabio Milioni Características Anatômicas de Superfície dos Ossos As superfícies dos ossos possuem várias características estruturais adaptadas a funções específicas.

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

Esqueleto. Axial. Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I. Objetivos da Aula. Conhecer a constituição do Esqueleto Axial

Esqueleto. Axial. Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I. Objetivos da Aula. Conhecer a constituição do Esqueleto Axial Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Esqueleto Axial Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Definir Esqueleto Axial Conhecer a constituição

Leia mais

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot.

APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA. TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: http://estudandoanatomia.blogspot. APOSTILA BÁSICA DE ANATOMIA TERMINOLOGIA ANATÔMICA ATUALIZADA Revisada em: MARÇO/2011 CRÂNIO NOME: CURSO: Daniel Moreira Monitor Virtual de Anatomia http://estudandoanatomia.blogspot.com APOSTILAS, JOGOS,

Leia mais

21/08/2013 *INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS *OSTEOLOGIA. Conceito. Tipos de Anatomia. Tipos de Anatomia

21/08/2013 *INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS *OSTEOLOGIA. Conceito. Tipos de Anatomia. Tipos de Anatomia *INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS *OSTEOLOGIA Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Conceito Anatomia é o ramo da ciência que trata da forma e estrutura dos organismos. Etmologicamente,

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

Esqueleto apendicular

Esqueleto apendicular 2010 Esqueleto apendicular http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo enfoca os ossos que formam os esqueletos apendiculares superiores, inferiores e seus respectivos cíngulos.. No final do capítulo,

Leia mais

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO

OSSOS DA CABEÇA CRÂNIO COMO UM TODO OSSOS DA CABEÇA O crânio é o esqueleto da cabeça; vários ossos formam suas duas partes: o Neurocrânio e o Esqueleto da Face. O neurocrânio fornece o invólucro para o cérebro e as meninges encefálicas,

Leia mais

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral.

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral. Osteologia da Coluna Vertebral Anatomia dosanimais Domésticos I Prof. Paulo Junior 1/8 OSTEOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL 1) Formação Vértebras desde o crânio até a ponta da cauda. 2) Funções Movimentos: flexão,

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL

DESCRIÇÃO ANATÔMICA E RADIOGRÁFICA DAS ESTRUTURAS OBSERVADAS EM RADIOGRAFIAS INTRA E EXTRABUCAIS DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL: UMA ABORDAGEM INTERATIVA NA WEB III Programa de Bolsas de Iniciação Científica AUTORA: Renata Vasconcelos Pavan CO-AUTORAS: Paula Ribeiro Borges Vanessa

Leia mais

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO

SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO SISTEMA OSTEOARTICULAR II ESQUELETO AXIAL: COLUNA VERTEBRAL E CAIXA TORÁCICA SUMÁRIO I COLUNA VERTEBRAL 1 Os constituintes da coluna vertebral: 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089)

ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) ANATOMIA TOPOGRÁFICA DA CABEÇA E PESCOÇO (FCB00089) Músculos e Trígonos do Pescoço Platisma Lâmina de músculo fina e larga, situada no tecido subcutâneo do pescoço. Recobre a face anterolateral do pescoço.

Leia mais

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires

Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Anatomia Radiológica (MMSS) Prof.: Gustavo Martins Pires Membros Superiores (MMSS) Membros Superiores (MMSS) A escápula está mergulhada na massa muscular do dorso do indivíduo, sem qualquer fixação direta

Leia mais

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA 1 MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO REGIÃO ANTERIOR (flexores do punho e dos dedos e pronadores) GRUPO SUPERFICIAL MÚSCULO PRONADOR REDONDO cabeça umeral: epicôndilo medial do úmero cabeça

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira

Anatomo-Histo-Fisiologia I 2008-2009 Cristina Teixeira 1 SISTEMA OSTEOARTICULAR III ESQUELETO AXIAL CABEÇA ÓSSEA SUMÁRIO I DIVISÕES DA CABEÇA ÓSSEA Crânio: calote e base Face II - OSSOS DO CRÂNIO 1 Parietal Faces interna e externa Bordos superior ou sagital,

Leia mais

Artrologia. Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em:

Artrologia. Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em: 58 Artrologia Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em: Fibrosas (Sinartrose) As articulações fibrosas incluem todas as articulações nas quais os ossos são mantidos por tecido conjuntivo

Leia mais

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS

POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS POSICIONAMENTO RADIOGRÁFICO E ANATOMIA RADIOGRÁFICA EM PEQUENOS ANIMAIS Nomenclatura para os posicionamentos Ao posicionarmos o paciente com o propósito de efetuar radiografias, deve-se dar nome a este

Leia mais

Anatomia Humana. Prof. Adriano

Anatomia Humana. Prof. Adriano ANATOMIA HUMANA 2 Caro(a) Aluno (a), este material serve apenas como roteiro de aula e material de apoio, não substitui os livros didáticos relacionados no plano de ensino da disciplina. Portanto, para

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1. convexidade e seio sagital superior 1 de 37 PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1 1. RM Crânio Isquemia Aguda Sequências Mínimas Obrigatórias Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial Sagital T1

Leia mais

Sistema Esquelético CAPÍTULO OBJETIVOS

Sistema Esquelético CAPÍTULO OBJETIVOS CAPÍTULO 2 Sistema Esquelético OBJETIVOS Conceituar osso do ponto de vista de sua constituição, discriminando os elementos formadores Conceituar osso desde o ponto de vista biomecânico, sem deixar de se

Leia mais

Sistema ósseo. Funções

Sistema ósseo. Funções Anatomia comparada INTRODUÇÃO Conceito:Anatomia é o ramo da ciência que trata da forma e estrutura dos organismos. Etmologicamente,, Anatomia significa cortar separando ou dissociando as partes do corpo.

Leia mais

Osteologia. denominam cervicais; a primeira se chama atlas e a segunda áxis.

Osteologia. denominam cervicais; a primeira se chama atlas e a segunda áxis. 23 Osteologia denominam cervicais; a primeira se chama atlas e a segunda áxis. O Esqueleto A função mais importante do esqueleto é sustentar a totalidade do corpo e dar-lhe forma. Torna possível a locomoção

Leia mais

Medula Espinhal e Nervos

Medula Espinhal e Nervos Medula Espinhal e Nervos Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br MEDULA ESPINHAL É uma estrutura alongada, mais ou menos cilíndrica, com achatamentos dorso ventral

Leia mais

Anatomia e Histologia

Anatomia e Histologia Tecnologia da Carne Anatomia e Histologia 1 Anatomia e Histologia Anatomia 2 Índice Generalidades Osteologia Miologia Esplancnologia 3 Anatomia Generalidades Anatomia Ciência que estuda a estrutura do

Leia mais

Anatomia - Coluna Cervical

Anatomia - Coluna Cervical Anatomia - Coluna Cervical C1 e C2 diferem das demais vértebras da coluna por particularidades anatômicas. Massas laterais. Dente do áxis. Coluna Cervical Alta Ligamento do ápice do dente Ligamento alar

Leia mais

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço

Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Ossos, músculos e ligamentos da cabeça e do pescoço Prof. Dr. Caio Maximino Marabá Maio/2015 Cabeça é composta por crânio, face, escalpo, dentes, encéfalo, nervos cranianos, meninges, órgãos dos sentidos

Leia mais

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Crânio e Face: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de crânio e face são realizadas

Leia mais

INCIDÊNCIA DE LESÕES LOCOMOTORAS NO CAVALO, DIAGNOSTICADAS POR RAIO-X

INCIDÊNCIA DE LESÕES LOCOMOTORAS NO CAVALO, DIAGNOSTICADAS POR RAIO-X MARIA HORTA E COSTA GOMES DA COSTA INCIDÊNCIA DE LESÕES LOCOMOTORAS NO CAVALO, DIAGNOSTICADAS POR RAIO-X Orientador Dr. Henrique Cruz Co-Orientador Professora Dra. Rita Fonseca Universidade Lusófona de

Leia mais

Osteologia das aves. Texto de apoio às aulas de Anatomia I Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Évora

Osteologia das aves. Texto de apoio às aulas de Anatomia I Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Évora Osteologia das aves Texto de apoio às aulas de Anatomia I Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Évora Ricardo Romão rjromao@uevora.pt Universidade de Évora Departamento de Zootecnia Apartado

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires

ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII. Prof.: Gustavo Martins Pires ANATOMIA RADIOLÓGICA DOS MMII Prof.: Gustavo Martins Pires OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO MEMBRO INFERIOR Tem por principal função de locomoção e sustentação do peso. Os ossos do quadril, constituem

Leia mais

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro Quais as características do Treinamento Funcional? Desenvolver e melhorar as capacidades físicas através de estímulos que proporcionam

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

Caderno de Prova. Anatomia Animal. Universidade Federal Fronteira Sul. Edital n o 006/UFFS/2010. 23 de maio. das 14 às 17 h. 3 h*

Caderno de Prova. Anatomia Animal. Universidade Federal Fronteira Sul. Edital n o 006/UFFS/2010. 23 de maio. das 14 às 17 h. 3 h* Universidade Federal Fronteira Sul Edital n o 006/UFFS/2010 Caderno de Prova 23 de maio das 14 às 17 h 3 h* E6P34 Anatomia Animal Confira o número que você obteve no ato da inscrição com o que está indicado

Leia mais

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará

Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Módulo: Morfológicas I Disciplina: Histologia Curso: Odontologia Profa. Dra. Iêda Guedes Depto Histologia e Embriologia - CCB Universidade Federal do Pará Vista de embrião com 22 dias Primeiro Arco

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Constituição do Esqueleto

Constituição do Esqueleto O ESQUELETO HUMANO Funções do Esqueleto O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular.

Leia mais

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA

ANATOMIA DA CABEÇA ÓSSEA ESTUDO RADIOLOGICA DA CABEÇA INTRODUÇÃO Na interpretação de qualquer imagem radiológica, sendo ela adquirida em qualquer método, o bom entendimento do profissional realizador é essencial para manter um

Leia mais

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano A articulação é formada pela coaptação de dois ossos com o auxílio de músculos esqueléticos, ligamentos e cápsula articular. Para uma melhor compreensão é necessário

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO

SISTEMA LOCOMOTOR 15/02/2011. Crânio. Composição óssea CABEÇA E PESCOÇO SISTEMA LOCOMOTOR CABEÇA E PESCOÇO Crânio O crânio forma uma caixa óssea que tem a função primordial de abrigar e proteger o encéfalo. Outras funções importantes como: possui cavidades para órgãos da sensibilidade

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

Anatomia óssea do pé. http://www.imagingonline.com.br/

Anatomia óssea do pé. http://www.imagingonline.com.br/ 2010 Anatomia óssea do pé http://www.imagingonline.com.br/ A estrutura óssea do pé é composta de diversos ossos e articulações, facilitando sua adaptação aos diferentes tipos de terrenos. Sua construção

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO P1 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 P2 P3 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCICA ANTERIOR, ACIMA DA

Leia mais

THE PHYSIOTHERAPIST S POCKET BOOK ESSENTIAL FACTS AT YOUR FINGERTIPS

THE PHYSIOTHERAPIST S POCKET BOOK ESSENTIAL FACTS AT YOUR FINGERTIPS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LINGUISTICA GERAL E ROMÂNICA ANEXOS AO RELATÓRIO DE PROJECTO DE TRADUÇÃO ASPECTOS LINGUÍSTICOS NA TRADUÇÃO DE THE PHYSIOTHERAPIST S POCKET BOOK

Leia mais

UND 1 R$ 8.850,000 R$ 8.850,00 23402.002009/2010-16 MICROLLAGOS MICROSCOPIA CIENTIFICA LTDA 3B 3B

UND 1 R$ 8.850,000 R$ 8.850,00 23402.002009/2010-16 MICROLLAGOS MICROSCOPIA CIENTIFICA LTDA 3B 3B FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO SECRETÁRIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO Visando a aquisição de equipamentos para laboratório - Pregão 56/2010 Processo nº 23402.001770/2010-22 Empenho Entrega

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA 01 Posição do braço em abdução significa a) com rotação interna b) com rotação externa c) braço

Leia mais

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Bases Biomecânicas do Treinamento Osteogênico Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Questão Qual é a melhor atividade física para o aumento da densidade óssea em todo o corpo? Natação? Corrida? Tênis?

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

24/11/2009. Membros dos equinos AFECÇÕES DOS MEMBROS DOS EQÜINOS. TÉCNICAS E DIAGNÓSTICO RADIOLÓGICOS. Exame radiográfico.

24/11/2009. Membros dos equinos AFECÇÕES DOS MEMBROS DOS EQÜINOS. TÉCNICAS E DIAGNÓSTICO RADIOLÓGICOS. Exame radiográfico. Membros dos equinos AFECÇÕES DOS MEMBROS DOS EQÜINOS. TÉCNICAS E DIAGNÓSTICO RADIOLÓGICOS Exame radiográfico ainda é o mais utilizado no Brasil Confirma o diagnóstico, contribui para o prognóstico e para

Leia mais

Vias de acesso ao membro superior 81

Vias de acesso ao membro superior 81 1566 Vias de acesso ao membro superior 81 CELSO RICARDO FOLBERG MILTON BERNARDES PIGNATARO SUMÁRIO Ombro... 1567 Úmero... 1572 Cotovelo... 1576 Antebraço... 1582 Punho... 1586 Mão... 1589 Referências bibliográficas...

Leia mais

2. Biomecânica do ombro

2. Biomecânica do ombro 2. Biomecânica do ombro Devido ao elevado número de elementos anatómicos intervenientes na biomecânica do ombro, a sua análise torna-se bastante complexa. Como se sabe, a função da cintura escapular requer

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE GENERAL CARNEIRO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE GENERAL CARNEIRO CADERNO DE PROVAS Cargo Nº. DE INSCRIÇÃO DO CANDIDATO Domingo, 4 de dezembro de 2011. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 ANTES

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

Aparelho Respiratório

Aparelho Respiratório Aparelho Respiratório Organização Geral Pulmões: órgãos de troca gasosa. Órgão auxiliares: apenas passagem de ar. o Nariz: nariz externo, cavidade nasal e seios paranasais. o Faringe (nasofaringe) o Laringe

Leia mais

CRÂNIO. Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD

CRÂNIO. Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD CRÂNIO Dr. Peter Reher, CD, CD, MSc, PhD PhD Especialista e Mestre em CTBMF - UFPel-RS Doutor (PhD) em CTBMF - University of London Professor Adjunto da UFMG Professor Adjunto da PUC-Minas Roteiro Roteiro

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS MUSCULOS DO OMBRO E BRAÇO DO CACHORRO DO MATO (Cerdocyon thous)

DESCRIÇÃO DOS MUSCULOS DO OMBRO E BRAÇO DO CACHORRO DO MATO (Cerdocyon thous) DESCRIÇÃO DOS MUSCULOS DO OMBRO E BRAÇO DO CACHORRO DO MATO (Cerdocyon thous) DESCRIBE THE ARM AND SHOULDER MUSCLES OF THE DOG EATING FOX CERDOCYON THOUS. RODRIGUES, Raquel Granato Alves Acadêmica do curso

Leia mais

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução Ossos - órgãos passivos do movimento Músculos - órgãos ativos do movimento Introdução Organização dos músculos esqueléticos Sistema muscular: anatomia microscópica Porção ativa ventre muscular Porções

Leia mais

4 TERMO ADITIVO AO EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 0001/2012 FMS

4 TERMO ADITIVO AO EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 0001/2012 FMS ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE FRAIBURGO 4 TERMO ADITIVO AO EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 0001/2012 FMS OBJETO: Credenciamento de empresas do ramo interessadas na prestação de serviços de consultas

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1

PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1 Consulta Pública 1 de 37 PROTOCOLOS INICIAIS DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NEURO PADI NORMA 1 1. RM Crânio Isquemia Aguda Sequências Mínimas Obrigatórias Contraste da imagem Cobertura anatômica Resolução espacial

Leia mais

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL

ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL ANATOMIA RADIOLÓGICA DA REGIÃO CERVICAL INTRODUÇÃO A Anatomia da região cervical, divide-se em duas partes, coluna vertebral segmento cervical e ou pescoço. Esta região pode ser bem estudada pelos métodos

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL

COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 5 28/10/2009 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL

ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL ANATOMIA BUCOMAXILOFACIAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO O complexo bucomaxilofacial se localiza na face, sendo formado por elementos anatômicos do esqueleto cefálico, articulação temporomandibular,

Leia mais

Imaginologia Por radiografias. Profº Claudio Souza

Imaginologia Por radiografias. Profº Claudio Souza Imaginologia Por radiografias Profº Claudio Souza Imaginologia Imaginologia O sufixo logia é derivado do grego e significa ciência, estudo, sendo assim imagi+logia nada mais é que a ciência que estuda

Leia mais

COCKER SPANIEL INGLÊS

COCKER SPANIEL INGLÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 5 28/11/2003 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE

Leia mais

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO)

OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) OSSOS TEMPORAIS(OUVIDO) A avaliação de perda auditiva ou tiníto quase sempre inclui a investigação do osso temporal através de imagens. Há uma grande variedade de processos de doenças congênitas e adquiridas

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

17/02/2012. Diafragma

17/02/2012. Diafragma Diafragma Topografia Repouso - linha retilínea da 7º costela à 13º costela. Inspiração - linha ligeiramente convexa da 7º costela à 3º vértebra lombar. Expiração - linha convexidade cranial da 7º costela

Leia mais

ANATOMIA DA EXTREMIDADE DISTAL DOS BOVINOS

ANATOMIA DA EXTREMIDADE DISTAL DOS BOVINOS I CURSO DE PODOLOGIA BOVINA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA 5, 6 e 7 de Maio de 2006 HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA (Lagny et Gobert, 1902) ANATOMIA DA EXTREMIDADE DISTAL DOS BOVINOS RICARDO ROMÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR

ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO QUADRIL FÊMUR

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

Radiografias Extra-Orais

Radiografias Extra-Orais Unidade Clínica I Radiografias Extra-Orais 25.10.2012 1 Introdução Nos exames radiográficos extra-orais, quer a fonte de raio-x, quer o receptor de imagem (película ou sensores electrónicos) estão colocados

Leia mais

ANATOMIA DA MÃO SISTEMA OSTEOARTICULAR. A descrição associada às figuras anatômicas. será feita analisando os sistemas ostearticular,

ANATOMIA DA MÃO SISTEMA OSTEOARTICULAR. A descrição associada às figuras anatômicas. será feita analisando os sistemas ostearticular, ANATOMIA DA MÃO Edie Benedito Caetano 1, João José Sabongi Neto 2, Luiz Angelo Vieira 3, Mauricio Ferreira Caeno 4 A descrição associada às figuras anatômicas será feita analisando os sistemas ostearticular,

Leia mais

Esqueleto axial. http://www.imagingonline.com.br/

Esqueleto axial. http://www.imagingonline.com.br/ 2010 Esqueleto axial http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve sucintamente os ossos do esqueleto axial. No final do capítulo, encontras-se um mini-atlas e exercícios de memorização a partir

Leia mais

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões.

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões. Programa de Certificação de Qualidade O Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) disponibiliza os Protocolos de Tomografia Computadorizada elaborados pela Comissão e que podem ser consultados através do

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

Manual de Estrutura e Dinâmica do Cão

Manual de Estrutura e Dinâmica do Cão Qualquer reprodução, total ou parcial, dos textos e ilustrações deste Manual de Estrutura e Dinâmica do Cão somente pode ser feita por autorização formal da (CBKC). Editado pela Confederação Brasileira

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

APOSTILA DE ANATOMIA I

APOSTILA DE ANATOMIA I FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS - FUNORTE MEDICINA VETERINÁRIA APOSTILA DE ANATOMIA I PROF. DANIEL HERBERT DE MENEZES ALVES MEDICO VETERINÁRIO MONTES CLAROS/MG Oração do Cadáver Ao curvar-se sobre

Leia mais

GRUPO 7 Padrão FCI N o 1 28/10/2009

GRUPO 7 Padrão FCI N o 1 28/10/2009 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI N o 1 28/10/2009 Padrão Oficial da Raça POINTER INGLÊS (ENGLISH POINTER) M.Davidson, illustr. NKU Picture Library

Leia mais

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO.

ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. ALTURA TOTAL (ALT) - DISTÂNCIA DO VERTEX AO SOLO. - Indivíduo descalço e usando pouca roupa, na posição antropométrica sobre uma superfície lisa e perpendicular ao antropómetro. - Calcanhares juntos e

Leia mais

4. Estimativa do número de indivíduos

4. Estimativa do número de indivíduos 4. Estimativa do número de indivíduos 4.1. Número mínimo de indivíduos Num enterramento secundário, no qual frequentemente os ossos estão desarticulados, o esqueleto perde a sua individualidade misturando-se

Leia mais

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano.

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano. Anatomia Humana Sistema Esquelético Ed. Física Prof. Cláudio Costa Osteologia: É o estudo dos ossos. Composição do Sistema Ósseo: 206 peças duras, resistentes e flexíveis chamadas ossos, pelas cartilagens

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2. Padrão FCI 147 19/06/2000. Rottweilers Apodi

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2. Padrão FCI 147 19/06/2000. Rottweilers Apodi CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI 147 19/06/2000 Padrão Oficial da Raça ROTTWEILER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia

ANATOMIA HUMANA I. Educação Física. Prof. Me. Fabio Milioni. Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia ANATOMIA HUMANA I Educação Física Prof. Me. Fabio Milioni Introdução à anatomia Principais formas de estudar a anatomia Anatomia Sistêmica Estudo macroscópico dos sistemas do organismo Anatomia Topográfica

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8. Padrão FCI 167 22/01/1999

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8. Padrão FCI 167 22/01/1999 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 167 22/01/1999 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL AMERICANO AMERICAN COCKER SPANIEL Classificação F.C.I.:

Leia mais

Conteúdo do curso de massagem sueca na Bergqvist Massagem e Treinamento

Conteúdo do curso de massagem sueca na Bergqvist Massagem e Treinamento Conteúdo do curso de massagem sueca na Bergqvist Massagem e Treinamento Prática Massagem sueca Per Henrik Ling fundou a massagem sueca no século 19 depois de estudar as massagens antigas da Grécia e do

Leia mais