Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :"

Transcrição

1 JOELHO

2 JOELHO

3 RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso ) osso esponjoso OBS: Os ligamentos cruzado anterior e posterior são melhor observados em corte sagital.

4 T1 Joelho Utilizada para verificar anatomia muscular, óssea e principalmente dos meniscos. A gordura fica branca fornecendo contraste para o tendão e o músculo.

5 T2 Joelho Utilizado para verificar lesões com preenchimento de líquido, apresentando bom contraste entre o tecido muscular. A gordura fica branca, fornecendo contraste para tendão e músculo.

6 Joelho/ Corte Sagital Corpo adiposo Da fossa poplitea patela Corno posterior do menisco medial Corpo Adiposo infrapatelar

7 Sagital

8 Joelho/ Corte Sagital Tendão do quadríceps Ligamento da patela LCP Corpo Adiposo infrapatelar

9 Joelho/ Corte Coronal Trato iliotibial Ligamento cruzado anterior Ligamento colateral medial Menisco medial Menisco lateral

10

11

12 LCA e RM O LCA é melhor observado em imagens obliquas sagitiais obtidas por rotação externa do membro inferior em cerca de 10º a 15 º. O joelho deve estar estendido durante o exame e portanto deve apresentar-se tenso, formando um ângulo de 60º com o platô tibial. Se o joelho estiver fletido em mais de 5 º, pode apresentar-se frouxo. Geralmente, o LCA pode apresentar-se como uma faixa com sinal de intensidade baixa. T1: Sinal de intensidade aumentada. A fixação tibial é melhor observada que a fixação femoral.

13 LCA Corte coronal Corte sagital M L Fixa-se na porção posterior da superfície medial do côndilo femoral lateral até a região intercondilar da tíbia

14 LCA

15 LCA

16 LCA T1 T2

17 LCP T1 T2 Origina-se na superfície lateral do côndilo femoral medial e estende-se até a superfície posterior da região intercondilar, abaixo do nível do platô articular.

18 Ligamento Colateral Medial O LCM estende-se do epicôndilo medial do fêmur até a tíbia, fixando-se cerca de 2 cm da linha articular e a seguir estendendo-se 3 a 4 cm mais distalmente através da concavidade medial da tíbia proximal.

19 LCM e RM O LCM é melhor observado em cortes coronais. RM: Estrutura com sinal homogeneamente baixo

20 Ligamento Colateral Lateral Origina-se no epicôndilo lateral do fêmur acima do sulco poplíteo, estendendo-se para baixo e para trás até a cabeça da fíbula, onde se une à inserção do bíceps femoral.

21 Ligamento Colateral Lateral e RM É melhor observado em imagens coronais. Apresenta-se como um cordão com sinal de intensidade uniformemente baixa em T1 e T2.

22 Meniscos Sãos dois discos fibrocartilaginosos em forma de C, semilunares, que se situam nas margens periféricas do platô tibial. As superfícies superiores são côncavas e articulam-se com os côndilos femorais convexos. Medial Lateral

23 Menisco Medial e RM: Corte Sagital Corno Posterior Corno Anterior Aspect o Forma de um triangulo isósceles, com o comprimento dos lados correspondendo a quase o dobro do comprimento da base. Possui quase a metade da largura do corno posterior, parecendo um triangulo eqüilátero. Pode ter forma arredondada ou em ponta de seta.

24 Menisco Medial e RM: Corte Sagital/ Corno Anterior Ligamento transverso Corno anterior

25 Menisco medial e RM: Corte sagital/corno Posterior

26 Menisco Lateral e RM: Corte sagital Aspect o Corno Posterior Forma de um triângulo isósceles Corno Anterior Ligeiramente menor Forma de um triangulo isósceles * Em cortes mais centrais, os meniscos apresentam um aspecto de gravata- borboleta.

27 Menisco Lateral e RM: Corte sagital/corno anterior e posterior Corno posterior Corno anterior

28 Meniscos e RM: Corte Coronal Cortes na porção média do joelho mostram melhor os corpos de ambos os meniscos. Forma: triangular. Tamanho: o lateral é ligeiramente maior que o medial. OBS: Uma pequena fixação de gordura pode estar interposta entre o corpo do menisco medial e a cápsula.

29 Meniscos: Corte Coronal

30 Indicações - Ruptura de LCA - Ruptura de LCP - Ruptura do LCL - Ruptura do LCM - Lesões Meniscais - Codromalácea Patelar - Lesões ósseas - Lesões Musculares - OBS: A grande maioria dos casos que que exige Rm é de natureza traumática. - TC: papel limitado devido a sua incapacidade de analisar tecidos moles.

31 Trauma do LCA As lacerações do LCA são mais comuns em sua porção proximal. Avulsões completas ou parciais: mais comum na origem femoral. Fraturas por avulsão: inserção tibial. Laceração aguda: edema e hemorragia. T1: Sinal de baixa intensidade. T2: Sinal de intensidade muito alta.

32 Ruptura do Ligamento Cruzado Anterior

33 Lacerações incompletas maiores e completas: Sinais diretos: 1- Presença de massa de edema e hemorragia geralmente na porção proximal. 2- Alteram a posição do ligamento, produzindo frouxidão ou curvatura posterior. Numa ruptura completa, o ligamento pode situar-se horizontalmente na incisura intercondilar ou pode apresentar um ligamento normalmente posicionado, sendo observado aumento de sinal no local da lesão (edema e hemorragia).

34 Sinais indiretos: 1- Deformação do LCP. 2- Deslocamento posterior do menisco lateral em relação ao platô tibial. Laceração incompleta crônica: 1- Aumento moderado de sinal, não homogêneo em T1. 2- O ligamento pode não ser observado. OBS: Se o LCA não for observado em no mínimo uma imagem após tentativas de representa-lo, deve ser considerado roto.

35 Ruptura do Ligamento Cruzado Anterior (LCA) T1 Perda da definição das fibras do ligamento, com perda da orientação normal.

36 Ruptura de LCA Sinal indireto da ruptura do LCA: frouxidão do LCP

37 RUPTURA DE LCA

38

39 Reparo do LCA Reconstrução artroscópica (procedimento cirúrgico minimamente invasivo para examinar tratar lesões no interior de articulações) com auto-enxerto. RM: Mostra auto-exerto com sinal de intensidade baixa bem definida. Deve-se avaliar a continuidade do enxerto. OBS: Após 4 a 9 meses pode ocorrer aumento de sinal, levando a isosinal em relação ao espaço articular, devido ao retorno da revascularização.

40 Reparo do LCA

41 Reparo do LCA

42 Ruptura de LCA

43 Trauma do LCP As lacerações do LCP são incomuns. LCA/ LCP = 50:1 As lacerações incompletas são as mais comuns e ocorrem na porção média do ligamento. Quando ocorre na inserção tibial, geralmente estão associadas a avulsão. Corte sagital: melhor visualização. Lacerações agudas/ com ruptura: aumento de sinal secundária a edema e hemorragia.

44 Ruptura do Ligamento Cruzado Posterior/ corte sagital Ruptura completa/ T2 LCP normal/ T1

45 RUPTURA DE LCP

46 Ruptura do Ligamento Colateral Medial As lesões traumáticas do LCM são comuns. Classificação: A- Entorse grau 1: lacerações. Característica: 1- Sinal aumentado dentro do ligamento secundário ao edema intrasubstância. 2- Observação de liquido em ambos os lados do ligamento. B- Entorse grau 2: laceração incompleta. Característica: 1- O sinal estende-se a nível superficial ou profundo do ligamento. 2- Espessamento do ligamento.

47 C- Entorse grau 3: ruptura completa. Característica: 1- Interrupção da faixa de baixo sinal. 2- O ligamento pode destacar-se de suas fixações femoral e tibial, caso em que a hemorragia e edema são observados (sinal aumentado). 3- Aumento de sinal no local da ruptura.

48 Ruptura do Ligamento Colateral Medial Grau 2

49 Ruptura do Ligamento Colateral Medial Ruptura parcial Grau 2

50 Ruptura Completa do LCM

51 Trauma do LCL Geralmente dão devido a trauma grave envolvendo força em varo. Pode haver hemorragia e edema com ou sem ruptura do ligamento (alteram o sinal).

52 Ruptura do Ligamento Colateral MEDIAL edema ruptura

53 Trauma do Menisco Geralmente as lacerações são longitudinais, produzidas quando o côndilo femoral comprime o menisco. Podem estender-se por todo o menisco ou apenas estar localizadas em um segmento, geralmente o corno posterior. As lacerações podem resultar em sinal anormal no menisco, tamanho e formato anormais e posições anormais dos fragmentos do menisco. Lesão: sinal de intensidade aumentada em T1, podendo não ser observado em T2. Porém, quando há presença de liquido sinovial dentro da laceração, a seqüência T2 visualiza melhor a lesão. As lacerações são representadas por aumento de sinal observado na superfície articular superior ou inferior.

54 Etiologia Traumática: Traumas rotacionais ou axiais. Degenerativa: Decorrente do envelhecimento ou de seqüelas traumáticas ou inflamatórias. Congênita: meniscos congenitamente mal formados.

55 Menisco Discóide O menisco discóide é uma condição na qual a estrutura fibrocartilagínea do joelho tem a forma discóidea ao invés de semilunar ( formato em C), cobrindo a maior parte do platô tibial. Ocorre mais freqüentemente no compartimento lateral do joelho, podendo também se verificar no medial. Possui tendência a laceração e geralmente é observado em crianças e adolescentes. Podem ser assintomáticos. Apresenta mais de 2 segmentos.

56 Menisco Discóide

57 Alterações degenerativas no corno Anterior. Menisco Discóide

58 Menisco Discóide

59 Menisco Discóide

60 Ruptura Meniscal Superfície articular do menisco com sinal alto.

61 Lesão Tipo Alça de Balde Caracteriza-se por uma laceração extensa com deslocamento central da borda livre. A alça representa a borda livre deslocada. Ocorre com uma força de torção com o joelho fletido ou em semi-flexão. Estão associadas a lesão no LCA.

62

63 Lesão tipo Alça de Balde

64 Ruptura do Menisco Medial Ruptura do corno posterior do menisco Medial Ruptura obliqua

65 RUPTURA DE MENISCO LATERAL CISTO

66 Lesão Meniscal Significativa alteração na morfologia do corno posterior do menisco medial, com fragmentação.

67 LESÃO DE MENISCO Fragmento de menisco

68 Fragmento meniscal adjacente ao corno anterior do menisco medial

69 Osteoartrose Fêmuro-tibial

70 Tendão Patelar

71 Músculos/Tendões/Bursas

72 Tendão do Quadríceps e Ligamento Patelar Ambos são caracterizados por serem uma estrutura com hipo-sinal homogêneo, retilínea e de espessura uniforme.

73 Tendinopatia Pode ser representada por degeneração e ruptura parcial. Sinais característicos: 1- Espessamento do tendão. 2- Aumento de sinal. OBS: Alguns autores caracterizam estas alterações podem ser observadas em indivíduos assintomáticos.

74 Ruptura Total Na ruptura total há descontinuidade e retração do ligamento.

75 Tendão Patelar com alteração Área de hiper-sinal na porção proximal do tendão. Espessamento do tendão patelar. Tendinopatia Leve: discreto espessamento do tendão. Grave: maior espessamento, calcificações e Rupturas parciais. Joelho do saltador

76 Tendão Patelar com alteração Marcado espessamento do ligamento patelar, heterogêneo, com áreas de hiper-sinal intra-substancial.

77 Ruptura parcial Ruptura do Tendão Patelar

78 Condromalácia Patelar Lesão na cartilagem articular até a superfície óssea devido ao excesso de forças de cisalhamento entre a patela e a porção distal do fêmur durante ou após esforços repetitivos de flexão do joelho. Comum em jovens e adultos.

79 Condromalácia Patelar Cartilagem articular: sinal de intensidade baixa em T1 e T2. Lesão: Alteração do sinal da cartilagem articular.

80 T2 Cartilagem Articular da Patela

81 Condromalácia Patelar contraste Degeneração Da cartilagem articular

82 Condromalácia Patelar

83 Condromalácia Patelar

84 Luxação Patelar

85 Caracteriza-se por uma hipertrofia(acúmulo de líquido) da bolsa sinovial que separa o tendão da porção medial do gastrocnênio do tendão do semimembranoso. Causa da hipertrofia: atrito dos tendões. Cisto de Baker

86 Cisto de Baker

87 Bursite Pré-patelar

88 Bursite Infra-patelar

LESOES MENISCAIS Ricardo Yabumoto Curitiba, 09 de Abril de 2007 Introdução Forma aproximada de C Integram o complexo biomecânico do joelho Servem de extensões da tíbia para aprofundar as superfícies articulares,

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões de Partes Moles: Lesão Meniscal: Medial e Lateral Lesão Ligamentar: o Ligamentos Cruzados: Anterior e Posterior o

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

Clínica Universitária de Radiologia Reunião Temática RM do Joelho

Clínica Universitária de Radiologia Reunião Temática RM do Joelho Clínica Universitária de Radiologia Reunião Temática RM do Joelho Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 02/02/2015 Protocolo: Sagitais ponderadas em DP e T2 com saturação de gordura

Leia mais

EXAME DO JOELHO. Inspeção

EXAME DO JOELHO. Inspeção EXAME DO JOELHO Jefferson Soares Leal O joelho é a maior articulação do corpo e está localizado entre os dois maiores ossos do aparelho locomotor, o fêmur e a tíbia. É uma articulação vulnerável a lesões

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES DEISE SANTOS 1 MARCIA JOSIANE CARDOSO 2 VALTER ANTUNES NEUMANN 3 LUCIANO LEAL LOUREIRO 4 RESUMO O joelho é uma das articulações mais importantes

Leia mais

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR www.cesarmar)ns.com.br INCIDÊNCIA - 5-10% (Harner, 1997) - Freq. não diagnosticada ( Shelbourne, 1997) - + de 90% são associadas a outros lig. - Lesões LCM afastar

Leia mais

LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO LESÕES DOS MENISCOS. Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch

LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO LESÕES DOS MENISCOS. Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO LESÕES DOS LIGAMENTOS LESÕES DOS MENISCOS Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch JOELHO TRAUMÁTICO-LESÕES MENISCAIS SUMÁRIO I. Aspectos anatômicos e biomecânicos II. Mecanismo de lesão

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

01 - BRANCA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME:

01 - BRANCA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) A luxação

Leia mais

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML Patologia do Joelho EXAME CLÍNICO DOR Difusa no processo inflamatório e degenerativo; localizada quando o problema é mecânico RIGIDEZ Comum, podendo causar claudicação AUMENTO DE VOLUME - Localizado ou

Leia mais

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia Joelho O joelho é a articulação intermédia do membro inferior, é formado por três ossos:

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL:

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) Na

Leia mais

FRATURAS DA PATELA. ANATOMIA: É o maior sesamóide do corpo. O centro de ossificação surge com 2-3 anos

FRATURAS DA PATELA. ANATOMIA: É o maior sesamóide do corpo. O centro de ossificação surge com 2-3 anos FRATURAS DE JOELHO FRATURAS DA PATELA ANATOMIA: É o maior sesamóide do corpo O centro de ossificação surge com 2-3 anos Anomalioas da ossificação estão relacionadas a um centro acessório localizado no

Leia mais

DENSIDADE. Aspecto Anatômico

DENSIDADE. Aspecto Anatômico Prof André Montillo O Fator Determinante para Definir uma Imagem DENSIDADE São as Variadas Densidades dos Tecidos Orgânicos que Reproduzem as Diferentes Imagens nos Exames por Imagem Aspecto Anatômico

Leia mais

Patologias dos membros inferiores

Patologias dos membros inferiores Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Doenças do quadril Doenças do joelho Doenças do pé e tornozelo Introdução Doenças

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

Características Gerais. Anatomia do Joelho INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO MOVIMENTOS. Curso Reabilitação nas Lesões do Joelho

Características Gerais. Anatomia do Joelho INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO MOVIMENTOS. Curso Reabilitação nas Lesões do Joelho INTRODUÇÃO Anatomia do Joelho Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz O complexo do joelho localiza-se na transição entre a coxa e a perna e é considerado a mais complexa articulação

Leia mais

RM do Tornozelo. Revisão Temática, 9 Março 2011. Lara Rodrigues Moderador: Dr. Alfredo Gil Agostinho. Clínica Universitária de Radiologia

RM do Tornozelo. Revisão Temática, 9 Março 2011. Lara Rodrigues Moderador: Dr. Alfredo Gil Agostinho. Clínica Universitária de Radiologia RM do Tornozelo Revisão Temática, 9 Março 2011 Lara Rodrigues Moderador: Dr. Alfredo Gil Agostinho Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Introdução Ressonância Magnética

Leia mais

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Clique para adicionar texto

AVALIAÇÃO DO JOELHO. Clique para adicionar texto AVALIAÇÃO DO JOELHO Clique para adicionar texto ANATOMIA PALPATÓRIA Fêmur Côndilos femurais ( Medial e Lateral ) Sulco Troclear ou Fossa Intercondiliana Epicôndilos femurais ( Medial e Lateral ) Tíbia

Leia mais

Uma Ontologia para Estruturação da Informação Contida em Laudos Radiológicos

Uma Ontologia para Estruturação da Informação Contida em Laudos Radiológicos Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Uma Ontologia para Estruturação da Informação Contida em Laudos Radiológicos

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA ORTOCURSO JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 30 de Abril de 2016

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA ORTOCURSO JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 30 de Abril de 2016 PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA ORTOCURSO JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 30 de Abril de 2016 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) Na fratura supracondiliana

Leia mais

Movimentos da articulação do joelho. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Movimentos da articulação do joelho. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Movimentos da articulação do joelho Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Introdução Uma das mais complexas articulações do corpo humano. É composta por 3 articulações: 1. entre os côndilos mediais

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA ORTOCURSO JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 30 de Abril de 2016

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA ORTOCURSO JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 30 de Abril de 2016 PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA ORTOCURSO JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 30 de Abril de 2016 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) Na fratura da patela,

Leia mais

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica André Montillo UVA Anatomia do Quadril Anatomia do Quadril Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica Definição: Bursite Trocanteriana É o Processo Inflamatório da Bursa

Leia mais

Com muita história. Nasceu a tecnologia.

Com muita história. Nasceu a tecnologia. Com muita história. Nasceu a tecnologia. Mesmo sendo revolucionário em princípios e design, o Scorpio baseia-se em uma diversidade de princípios biomecânicos da anatomia e fisiologia do joelho. O ponto

Leia mais

Intodução Como um joelho normal funciona?

Intodução Como um joelho normal funciona? Intodução É natural termos dúvidas e questionamentos antes de nos submetermos a uma cirurgia. Foi pensando nisso que elaboramos esse manual. Nosso objetivo é ajudá-lo a entender melhor o funcionamento

Leia mais

TÍTULO: INCIDÊNCIA DE LESÕES NO JOELHO NA POPULAÇÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ENCAMINHADA PARA REABILITAÇÃO

TÍTULO: INCIDÊNCIA DE LESÕES NO JOELHO NA POPULAÇÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ENCAMINHADA PARA REABILITAÇÃO TÍTULO: INCIDÊNCIA DE LESÕES NO JOELHO NA POPULAÇÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ENCAMINHADA PARA REABILITAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO

Leia mais

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR Anatomia O ligamento cruzado anterior (LCA) é um dos ligamentos mais importantes para a estabilidade do joelho. Considerado um ligamento intra-articular, sua função

Leia mais

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO ORTOPÉDICA PARA O JORNALISTA ESPORTIVO AGRADECIMENTOS Secretaria Municipal de Esporte e Lazer Agradecemos o apoio imprescindível do presidente da Associação Brasileira de Traumatologia Desportiva e médico

Leia mais

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Músculos do Quadril e Coxa Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Movimentos da Articulação do Quadril (ou Coxa) -Flexão e Extensão -Adução e Abdução -Rotação Medial e Rotação

Leia mais

JOELHO INTRODUÇÃO ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA 28/08/2015. Mais complexa articulação do corpo

JOELHO INTRODUÇÃO ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA ESTRUTURA ÓSSEA 28/08/2015. Mais complexa articulação do corpo INTRODUÇÃO Mais complexa articulação do corpo JOELHO PROF. DR. Wouber Hérickson de B. Vieira DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA - UFRN hericksonfisio@yahoo.com.br Local mais comum de lesões desportivas Resiste

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

FELIPE FERRARI VANNI TÉCNICA CIRÚRGICA EXTRA-ARTICULAR DE RUPTURA DE LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃES: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA.

FELIPE FERRARI VANNI TÉCNICA CIRÚRGICA EXTRA-ARTICULAR DE RUPTURA DE LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃES: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. FELIPE FERRARI VANNI TÉCNICA CIRÚRGICA EXTRA-ARTICULAR DE RUPTURA DE LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃES: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Porto Alegre 2012 1 FELIPE FERRARI VANNI TÉCNICA CIRÚRGICA EXTRA-ARTICULAR

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA CARTILAGEM

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA CARTILAGEM CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA CARTILAGEM Radiológicos Classificação de Tönnis de osteoartrose da anca Grau 0 Sem sinais de osteoartrose Grau I Esclerose aumentada, ligeira diminuição do espaço articular, sem

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM)

Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem da Semana: Radiografia e Ressonância Magnética (RM) Imagem 01. Radiografia anteroposterior do terço proximal da perna esquerda. Imagem 02. Ressonância magnética do mesmo paciente, no plano coronal

Leia mais

Cinesioterapia no tratamento de pacientes com Osteoartrite de joelho

Cinesioterapia no tratamento de pacientes com Osteoartrite de joelho 1 Cinesioterapia no tratamento de pacientes com Osteoartrite de joelho Elissandra Maia Silva 1 elisandramaia30@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós-Graduação em Fisioterapia em Ortopedia e Traumatologia_

Leia mais

MMII: Perna Tornozelo e Pé

MMII: Perna Tornozelo e Pé MMII: Perna Tornozelo e Pé Perna:Estruturas anatômicas Articulações visualizadas Incidências 1- AP Indicação Patologias envolvendo fraturas, corpos estranhos ou lesões ósseas. Perfil Indicação - Localização

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR Protocolo: Nº 72 Elaborado por: Antônio Osmar Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha

Leia mais

Biomecânica do. Complexo Articular do Joelho 08/08/2016. COMPLEXO ARTICULAR do JOELHO. Isabel Sacco

Biomecânica do. Complexo Articular do Joelho 08/08/2016. COMPLEXO ARTICULAR do JOELHO. Isabel Sacco Biomecânica do Complexo Articular do Joelho Isabel Sacco COMPLEXO ARTICULAR do JOELHO Atividades Vida Diária Atividade Física Atividades Esportivas Reabilitação Complexo Articular do Joelho Femorotibial

Leia mais

Afecções do Joelho. Introdução

Afecções do Joelho. Introdução C a p í t u l o 13 Afecções do Joelho Nilson Roberto Severino Ricardo de Paula Leite Cury Victor Marques de Oliveira Osmar Pedro Arbix de Camargo Tatsuo Aihara Introdução O joelho é considerado uma articulação

Leia mais

Cisto Poplíteo ANATOMIA

Cisto Poplíteo ANATOMIA Cisto Poplíteo O Cisto Poplíteo, também chamado de cisto de Baker é um tecido mole, geralmente indolor que se desenvolve na parte posterior do joelho. Ele se caracteriza por uma hipertrofia da bolsa sinovial

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição V setembro de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR

ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br OSSOS DO MEMBRO INFERIOR OSSOS DO QUADRIL FÊMUR

Leia mais

O Grupo de Cirurgia do Joelho tem como objetivo principal ajudar e tratar os pacientes com patologias do joelho a restabelecer a sua função com foco

O Grupo de Cirurgia do Joelho tem como objetivo principal ajudar e tratar os pacientes com patologias do joelho a restabelecer a sua função com foco 1 O Grupo de Cirurgia do Joelho tem como objetivo principal ajudar e tratar os pacientes com patologias do joelho a restabelecer a sua função com foco na sua qualidade de vida. O grupo é composto por uma

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão Fratura Distal do Úmero Fratura da Cabeça do Rádio Fratura do Olecrâneo

Leia mais

UNESP. Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá

UNESP. Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá UNESP Faculdade de Engenharia do Campus de Guaratinguetá PEDRO DEL MÔNACO MONTEIRO Modelagem em 3D de uma patela humana e análise de esforços utilizando o método dos elementos finitos Guaratinguetá 2011

Leia mais

Residência em Ortopedia e Traumatologia

Residência em Ortopedia e Traumatologia Residência em Ortopedia e Traumatologia FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG NOVO COLEGA DR. ARTUR CRUZ 05 MAIO - 2008 CURSO AO RIO GRANDE 27º NÚMERO UNIDADE DO TRAUMA TELEFONES DA URGENCIA

Leia mais

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004

Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Fraturas C1 / C2 Lucienne Dobgenski 2004 Anatomia Atlas Axis Anatomia AP Perfil Mecanismo de Trauma Trauma axial em flexão Trauma axial - neutro Fraturas do Côndilo Occipital Os côndilos occipitais são

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA QUESTÃO 21 Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: a) O politrauma é a uma das principais causas

Leia mais

Formação Interna Ortopedia Técnica

Formação Interna Ortopedia Técnica Formação Interna Ortopedia Técnica Maria Martins Costa 17 de Setembro de 2013 Tronco Dor lombar insuficiência muscular; Disturbios ligamentosos Dor lombar disturbios das articulações; Desequilibrio do

Leia mais

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério grupoquadrilhuc@hotmail.com Conceito É uma doença degenerativa crônica caracterizada

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior O joelho é estabilizado por quatro ligamentos principais: 2 ligamentos colaterais (medial e lateral) e 2 ligamentos cruzados - anterior (frente) e posterior (costas). Os ligamentos cruzados originam-se

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO EM RADIOLOGIA

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO EM RADIOLOGIA CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO EM RADIOLOGIA RIVALDAR JIENTAIA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM LESÃO DE MENISCO CASCAVEL PR 2010 2 RIVALDAR JIENTAIA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM LESÃO DE MENISCO Artigo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO ESPECIALIDADES COM PRÉ-REQUISITO DE 2 ANOS DE ORTOPEDIA OU CIRURGIA PLÁSTICA 1 QUESTÃO 1 - Na figura abaixo:

Leia mais

Testes para o Joelho

Testes para o Joelho Testes para o Joelho Teste de compressão de Apley Pcte em dec. ventral, fletir a perna a 90º. Segurar o tornozelo, aplicar pressão para baixo e girar a perna lateral//e emedial//e. Teste de compressão

Leia mais

MENISCOS :

MENISCOS : http://traumatologiaeortopedia.com/ http://ortopediabrasil.blogspot.com.br/ MENISCOS : - Lateral : circular c/ largura antero-posterior uniforme - Medial : formato de meia lua - Ligamento cruzado anterior:

Leia mais

DIVINA QUEIROZ DA SILVA A IMPORTÂNCIA DA ARTRO RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR - LCA

DIVINA QUEIROZ DA SILVA A IMPORTÂNCIA DA ARTRO RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR - LCA DIVINA QUEIROZ DA SILVA A IMPORTÂNCIA DA ARTRO RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR - LCA Brasília/DF 2013 DIVINA QUEIROZ DA SILVA A IMPORTÂNCIA DA ARTRO-RESSONÂNCIA

Leia mais

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PONTO-FINAL CUO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DERIÇÃO: Cursos presenciais Vale 3,0 pontos para a Revalidação do TEOT PROGRAMAÇÃO: OSTEONECROSE DA CABEÇA BELÉM/ PA 18.05.2007 SEXTA-FEIRA 20:00-20:20

Leia mais

ANATOMIA DO JOELHO. ESTRUTURAS IMPORTANTES - Ossos e articulações - Ligamentos e tendões

ANATOMIA DO JOELHO. ESTRUTURAS IMPORTANTES - Ossos e articulações - Ligamentos e tendões ANATOMIA DO JOELHO INTRODUÇÃO Para uma melhor compreensão de como os problemas ocorrem é importante algum conhecimento da anatomia da articulação do joelho e como as partes se relacionam para manter uma

Leia mais

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular Luxação da Articulação Acrômio Clavicular INTRODUÇÃO As Luxações do ombro são bem conhecidas especialmente durante a prática de alguns esportes. A maior incidencia de luxção do ombro são na verdade luxação

Leia mais

Nota técnica 16/2015. Parafuso absorvível em cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior no joelho

Nota técnica 16/2015. Parafuso absorvível em cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior no joelho 17/04/2015 Nota técnica 16/2015 Parafuso absorvível em cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior no joelho SOLICITANTE : MM. Juiz de Direito Carlos José Cordeiro, de Uberlândia NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

10/17/2011. Conhecimento Técnico. Construir Argumentos

10/17/2011. Conhecimento Técnico. Construir Argumentos Conhecimento Técnico Construir Argumentos 1 Manhã (9:00 12:00) 04/10 (terça-feira) Principais 05/10 Lesões das 06/10 (quarta-feira) Modalidades Esportivas (quinta-feira) (Corrida e Futebol) Ms Andrea Bloco

Leia mais

Trauma do Sistema Nervoso Central

Trauma do Sistema Nervoso Central Trauma do Sistema Nervoso Central Técnica WWW.FISIOKINESITERAPIA.BIZ Fraturas A demonstração de uma fratura em imagens do crânio indica que foi aplicada uma força significativa à abóboda boda óssea. Entretanto,

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões Ósseas: Fratura Distal do Fêmur Fratura da Patela Fratura Proximal da Tíbia: Platô Tibial Anatomia: Lesões Traumáticas

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO. Anatomia das lesões em alça de balde dos meniscos em imagens em Ressonância Magnética: Revisão de literatura.

ARTIGO CIENTÍFICO. Anatomia das lesões em alça de balde dos meniscos em imagens em Ressonância Magnética: Revisão de literatura. CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ANATOMIA FUNCIONAL E CLINICA ARTIGO CIENTÍFICO Anatomia das lesões em alça de balde dos meniscos em imagens em Ressonância Magnética: Revisão de literatura. Marcos José Paranaguá

Leia mais

LEONARDO DAS NEVES A INCIDÊNCIA DE LESÕES E INSTABILIDADE ARTICULAR NO JOELHO DE SURFISTAS PROFISSIONAIS FLORIANÓPOLIS SC

LEONARDO DAS NEVES A INCIDÊNCIA DE LESÕES E INSTABILIDADE ARTICULAR NO JOELHO DE SURFISTAS PROFISSIONAIS FLORIANÓPOLIS SC LEONARDO DAS NEVES A INCIDÊNCIA DE LESÕES E INSTABILIDADE ARTICULAR NO JOELHO DE SURFISTAS PROFISSIONAIS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior

ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior ROTEIRO DE ESTUDO Membro inferior OSSOS Os membros inferiores são mais estáveis, devido a fixação de duas fortes articulações, anteriormente, a sínfise púbica (é uma articulação cartilagínea) e posteriormente

Leia mais

Radiologia Brasileira ISSN 0100-3984 versão impressa

Radiologia Brasileira ISSN 0100-3984 versão impressa Radiologia Brasileira ISSN 0100-3984 versão impressa Radiol Bras v.37 n.3 São Paulo maio/jun. 2004 RELATO DE CASO Resolução espontânea de lesão em alça de balde do menisco medial: relato de caso e revisão

Leia mais

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo

INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo INTRODUÇÃO A ar.culação do tornozelo Articulação sinovial do tipo gínglimo As extremidades inferiores da Tíbia e Fíbula formam um entalhe onde se ajusta a tróclea do Tálus, que tem forma de roldana. Tálus

Leia mais

Curso de Fisioterapia. Camila Ribeiro Monteiro PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PÓS-CIRURGICO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR

Curso de Fisioterapia. Camila Ribeiro Monteiro PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PÓS-CIRURGICO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR 0 Curso de Fisioterapia Camila Ribeiro Monteiro PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PÓS-CIRURGICO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR Rio de Janeiro 2008.2 1 CAMILA RIBEIRO MONTEIRO PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO EM PÓS-CIRURGICO

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc.

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc. MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO INFERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Iliopsoas MÚSCULOS QUE ACIONAM A COXA Psoas maior

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

Artroplastia total do joelho conceitos e indicações

Artroplastia total do joelho conceitos e indicações Fernando Fonseca, MD PhD Hospitais da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências da Saúde / Universidade da Beira Interior fm.fonseca@sapo.pt 1860 Ferguson Artroplastia de ressecção 1890 Th. Gluck

Leia mais

Antigos conceitos são modernos no tratamento das doenças ligamentares do joelho

Antigos conceitos são modernos no tratamento das doenças ligamentares do joelho ANTIGOS CONCEITOS SÃO MODERNOS NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS LIGAMENTARES DO JOELHO ARTIGO DE ATUALIZAÇÃO Antigos conceitos são modernos no tratamento das doenças ligamentares do joelho MARCO M. AMATUZZI 1

Leia mais

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária

Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária Unic - Universidade de Cuiabá Faculdade de medicina veterinária - 1 - Disciplina de Ciências Morfofuncionais Aplicadas a Medicina Veterinária I Exercícios Práticos de Anatomia Veterinária SUMÁRIO - 2 -

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DO ESPORTE

ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DO ESPORTE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DO ESPORTE Lesões da cartilagem articular Lesões meniscais do joelho Lesões do ligamento cruzado anterior do joelho Dr. Cristiano Frota de Souza Laurino Mestre

Leia mais

Conteúdo do curso de massagem desportiva

Conteúdo do curso de massagem desportiva Conteúdo do curso de massagem desportiva Massagem desportiva Vamos fazer uma massagem desportiva na pratica. A massagem desportiva pode denotar dois tipos diferentes de tratamento. Pode ser utilizada como

Leia mais

Patologias do sistema musculoesquelético: achados de imagem

Patologias do sistema musculoesquelético: achados de imagem Patologias do sistema musculoesquelético: achados de imagem Neysa Aparecida Tinoco Regattieri 1 Rainer Guilherme Haetinger 2 1 INTRODUÇÃO As modalidades diagnósticas utilizadas para o estudo do sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO ESPORTIVO VALDOMIRO ANDRÉ VAZ FRANCO

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO ESPORTIVO VALDOMIRO ANDRÉ VAZ FRANCO 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO ESPORTIVO VALDOMIRO ANDRÉ VAZ FRANCO O PAPEL DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREVENÇÃO DAS

Leia mais

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral

METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO. Vista Ventral METADE CAUDAL DA BASE DO CRÂNIO Vista Ventral 7 0 9 8 7. Côndilo do occipital;. Forame Magno;. Processo Paracondilar;. Temporal;. Forame Supraorbital;. Bula Timpânica; 7. Vômer; 8. Zigomático; 9. Asa do

Leia mais

Raízes Meniscais: Anatomia e Avaliação por Meio da Ressonância Magnética

Raízes Meniscais: Anatomia e Avaliação por Meio da Ressonância Magnética Vinheta Imagenológica Imagenologic Vignette Responsáveis: Jamil Natour e rtur da Rocha Fernandes INTRODUÇÃO Raízes Meniscais: natomia e valiação por Meio da Ressonância Magnética Meniscal Roots: natomy

Leia mais

Anatomia do joelho. Introdução

Anatomia do joelho. Introdução Introdução Didaticamente o joelho é dividido em duas articulações distintas: uma entre o fêmur e a tíbia chamada de fêmoro-tibial (AFT) e outra entre o F6emur e a patela denominada fêmoro-patelar. É a

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

Bursite e Lesão de Manguito Rotador

Bursite e Lesão de Manguito Rotador Bursite e Lesão de Manguito Rotador Oque é Bursite? Bursite é o nome dado à inflamação da bursa. A bursa (que em latim quer dizer bolsa) é um tecido responsável por diminuir o atrito entre um tendão e

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo Cinesiologia Aplicada Quadril, Joelho e tornozelo Cintura Pélvica - Ossos Ossos Pélvicos: Ílio Isquio Púbis Femúr Cintura Pélvica - Movimentos Movimentos da Cintura Pélvica Rotação Pélvica posterior Retroversão

Leia mais

DESPORTO LESÕES DESPORTIVAS SE TEM UMA LESÃO. Lesões Desportivas. Não Deve Fazer. Deve Fazer

DESPORTO LESÕES DESPORTIVAS SE TEM UMA LESÃO. Lesões Desportivas. Não Deve Fazer. Deve Fazer DESPORTO LESÕES DESPORTIVAS Vem descobrir quais as lesões mais comuns e o que fazer em cada uma delas Carlos Cruz Perde-se no tempo o conselho à prática desportiva. Quer sejamos velhos ou novos a actividade

Leia mais