O Grupo de Cirurgia do Joelho tem como objetivo principal ajudar e tratar os pacientes com patologias do joelho a restabelecer a sua função com foco

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Grupo de Cirurgia do Joelho tem como objetivo principal ajudar e tratar os pacientes com patologias do joelho a restabelecer a sua função com foco"

Transcrição

1 1

2 O Grupo de Cirurgia do Joelho tem como objetivo principal ajudar e tratar os pacientes com patologias do joelho a restabelecer a sua função com foco na sua qualidade de vida. O grupo é composto por uma equipe multidisciplinar integrada com as seguintes áreas do conhecimento: cirurgiões ortopedistas, enfermeiros e fisioterapeutas. O atendimento visa a eficiência desde os casos mais simples até os casos mais complexos, através da integralidade do atendimento, e é realizado dentro dos conceitos mais atualizados sob a óptica das evidências científicas dos dias de hoje. Os cirurgiões do Grupo de Cirurgia do Joelho possuem expertise na área de Joelho e da Medicina do Esporte e são membros da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, atuando efetiva e regularmente nas atividades científicas da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho, da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Trauma do Esporte. Eles mantêm o nível de excelência através do intercâmbio de conhecimento constante com serviços nacionais e internacionais, com especialidade na área do Joelho, demonstrada pela produção científica de capítulos de livros, artigos em revistas indexadas, apresentações em congressos e até produção científica em nível stricto sensu. Essas ações fazem parte do objetivo do grupo, que visa a busca incessante pela excelência médica e da saúde com a finalidade de proporcionar bem-estar e funcionalidade aos pacientes, sendo uma referência na prevenção, no diagnóstico e no tratamento das patologias do joelho. Caso você tenha algum acometimento articular em seu joelho, por favor, agende uma consulta conosco para que possamos melhor avaliá-lo e indicarmos um tratamento individualizado para o seu caso. 2

3 A articulação do joelho A articulação do joelho é muito importante para a sustentação do corpo e para a locomoção, e depende das estruturas óssea, ligamentar e musculotendinosa para o desempenho adequado da sua função. A articulação do joelho é composta, na parte óssea, por: fêmur distal, tíbia proximal, patela e fíbula proximal. Na superfície articular, as estruturas do fêmur, da tíbia e da patela são revestidas por cartilagem hialina, que permite que haja movimento entre essas superfícies com atrito mínimo e sem dor. A articulação apresenta no seu interior importantes estruturas que absorvem o impacto do peso corporal, conhecidas como meniscos. São estruturas fibrocartilaginosas que são sede de alterações degenerativas e lesões traumáticas, comprometendo a função do joelho, principalmente por dor e, em alguns casos, bloqueio articular. A estabilidade da articulação do joelho depende principalmente das estruturas conhecidas como ligamentos. Eles são responsáveis por manter as superfícies articulares em contato em todo o arco de movimento, e, quando lesionados, geram instabilidade, sendo necessário tratamento conservador ou, em alguns casos, tratamento cirúrgico. Os ligamentos mais lesionados são: ligamento cruzado anterior, ligamento colateral medial, ligamento colateral e ligamento cruzado posterior. Fonte: Netter 3

4 Patologias A) Osteoartrose do joelho A osteoartrose do joelho é uma condição em que há destruição da cartilagem hialina da superfície articular do fêmur, da tíbia e da patela. Essa patologia pode ocorrer como consequência de vários processos patológicos trauma, osteonecrose, artrites inflamatórias, distúrbios mecânicos e desvios de eixo (geno varo ou geno valgo), etc. A maior e mais importante consequência da destruição da cartilagem articular é a dor. Esse sintoma secundário à osteoartrose do joelho tende a ser crônico e progressivo, evoluindo normalmente no decorrer de meses a anos. É comum que haja pequenas oscilações da intensidade da dor entre as semanas e/ou meses, havendo semanas melhores e outras piores. Normalmente os sintomas são intensificados em caminhadas longas, ao escalar lances de escada e ao permanecer na posição de pé por longos períodos. A dor normalmente é sentida no joelho e apresenta associado aumento de volume, relacionado a sinovite e derrame articular. Desvios de eixo representados por geno varo e geno valgo surgem à medida que a patologia avança. É frequente também observarmos rigidez articular progressiva com dificuldades para atividades da vida diária, como amarrar os sapatos ou cortar as unhas dos pés. A confirmação do diagnóstico da osteoartrose do joelho se dá através de exame físico e exames radiográficos. Nos exames de imagem, podemos observar uma diminuição do espaço articular, cistos subcondrais, osteófitos e esclerose do osso subcondral com alterações inclusive no eixo. No exame físico, observamos diminuição do arco de movimento e dor intra-articular nas manobras provocativas. Tratamento O tratamento adequado da osteoartrose do joelho é individualizado pelo perfil do paciente, como idade e comorbidades, e depende do estágio evolutivo da doença, da intensidade dos sintomas e da incapacidade funcional apresentada pelo paciente no momento da consulta inicial. 4

5 Tratamento Conservador (Não Cirúrgico) A primeira linha de tratamento para essa patologia é o conservador, que consiste em medidas como: mudanças de hábito, utilização de anti-inflamatórios, utilização de condroprotetores orais, viscossuplementadores, fortalecimento muscular e perda de peso. O afastamento das atividades físicas que causam intensificação dos sintomas pode tornar o quadro clínico da osteoartrose do joelho tolerável para alguns pacientes. A utilização de anti-inflamatórios ajuda a diminuir o processo inflamatório que contribui com o quadro álgico. O fortalecimento através de algumas modalidades de fisioterapia (por exemplo, hidroterapia) pode ter efeitos muito satisfatórios em alguns casos. Alguns estudos demonstram que a utilização de uma bengala na mão do lado contrário ao joelho afetado durante a caminhada diminui a força através da articulação. Finalmente, a perda de peso diminui as forças reacionais através do joelho e deve sempre ser tentada. Tratamento Cirúrgico Muitos indivíduos portadores de artrose do joelho convivem com um nível de dor que os impede de participar de atividades de que gostam, restringindo também atividades físicas que melhoram a qualidade de vida e reduzem o uso de medicações como antihipertensivos (ex.: caminhada), ou que os acorda à noite ou que os impede de realizar atividades básicas da vida diária, como calçar sapatos e meias. A artroplastia total do joelho (prótese de joelho) oferece uma solução para esses indivíduos e visa, principalmente, curar a dor e restabelecer um adequado nível de atividade funcional. É importante salientar que a colocação de uma prótese nessas situações consiste no procedimento padrão ouro no manejo dessa patologia e que existe uma elevadíssima taxa de sucesso e satisfação nos pacientes tratados, baseada em dados estatísticos de todos os grandes centros de cirurgia de joelho, mundiais e brasileiros. Os pacientes que são elegíveis para o procedimento são os portadores de artrose do joelho com falha do tratamento conservador e comprometimento da função. A cirurgia deve ter como intuito o restabelecimento da qualidade de vida imposta pelas restrições ocasionadas pela artrose. Então a indicação do procedimento deve ser individualizada, para se definir o melhor momento para sua realização. O tratamento cirúrgico pode ser a melhor opção terapêutica para aqueles casos em que as medidas de tratamento conservador não se mostraram eficazes no alívio adequado dos sintomas. O exato tipo de cirurgia depende da causa da artrose (inflamatória ou mecânica), de distúrbios do eixo, da idade do paciente, da anatomia óssea e do nível de atividade física do indivíduo. 5

6 Esse procedimento, tecnicamente conhecido como Artroplastia Total do Joelho (ATJ), consiste na substituição da articulação acometida por implantes metálicos biocompatíveis (não há rejeição do organismo ao implante), que permitem que o paciente recupere, em curto período, toda a sua independência e qualidade de vida, livre da dor e da rigidez articular. Durante a cirurgia, tanto a superfície articular do fêmur distal artrósico quanto a da tíbia proximal e da patela são substituídas. Um implante femoral, um tibial e um patelar cimentados são posicionados, visando o balanço ligamentar e o alinhamento do membro, restabelecendo, então, a função. Os implantes articulam-se entre si através de um implante femoral metálico e de um componente de polietileno tibial essa combinação é extremamente durável e segura. Essa cirurgia é realizada dentro de um centro cirúrgico dotado de um sistema de fluxo laminar que diminui sensivelmente as chances de contaminação infecciosa do sítio cirúrgico. A equipe é composta por um cirurgião mais dois ou três auxiliares e um instrumentador. Todos os componentes da equipe utilizam aparatos estéreis durante todo o procedimento. A anestesia ráqui ou peridural, normalmente utilizada, é a mesma anestesia utilizada em mulheres para a realização da cesariana. O paciente fica anestesiado da cintura para baixo e é sedado com medicação venosa para que tenha maior conforto durante todo o ato cirúrgico. Para complementar e ter uma analgesia duradoura no primeiro dia pós-operatório, é realizado um bloqueio do ramo femoral. Depois da anestesia, o paciente é colocado na posição de decúbito dorsal (deitado de barriga para cima). A incisão para a artroplastia total do joelho é feita ao longo da face anterior do joelho e mede entre 9-14 cm, dependendo de sua anatomia. A cicatriz apresenta bom aspecto. O procedimento normalmente dura entre 1-2 horas. Uma radiografia do novo joelho é realizada ainda no centro cirúrgico. Os pacientes são encaminhados para uma unidade pós-operatória, onde permanecem por 24 horas sendo monitorados e acompanhados por uma equipe treinada e experiente em cuidados pós-operatórios. A maioria dos pacientes permanece internada por 3 dias após a cirurgia. Pacientes mais jovens e saudáveis podem receber alta mais rápido, dependendo da avaliação médica individualizada e se considerado seguro. 6

7 Riscos A- Osteoartrose B- Joelho com prótese Alguns dos riscos associados a esse procedimento incluem perda sanguínea, trombose venosa profunda no membro inferior operado e infecção. A incidência dessas complicações, porém, é muito baixa. Elas devem ser discutidas com seu cirurgião antes da realização do procedimento. Alguns dos riscos de se ter uma prótese total do joelho incluem: - Desgaste das partes durante os anos de uso - Possibilidade de a prótese gerar uma infecção Novamente, esses itens devem ser discutidos com seu cirurgião no pré-operatório. Longevidade da Prótese Uma prótese de joelho tem um tempo de duração como qualquer componente de um conjunto mecânico. A sua longevidade depende de vários fatores, como: - Peso corporal do paciente - Nível de atividade física - Características mecânicas do implante Algumas atividades que proporcionam maior desgaste nas próteses, como pode ser o caso de pacientes mais obesos ou mais ativos, podem reduzir a vida útil da prótese, o que deve sempre ser discutido com o seu médico para avaliar os benefícios, principalmente na qualidade de vida, e as estratégias para redução de peso. O afrouxamento e o desgaste do polietileno do implante podem levar à necessidade de cirurgia de revisão para substituir apenas os componentes gastos ou todos eles. 7

8 Evolução Pós-Operatória Imediatamente após a cirurgia, o paciente pode ser encaminhado tanto para o quarto quanto para uma unidade pós-operatória. A reabilitação já deve ser iniciada no mesmo dia da cirurgia, com incentivos para a realização de contração ativa (isometria) da musculatura antigravitacional, como quadríceps e panturrilhas, assim como da musculatura das coxas e dos glúteos, tão logo cesse o efeito da anestesia e o paciente recupere os movimentos nos membros inferiores, sempre com a orientação de uma equipe de fisioterapeutas treinados. O primeiro dia após a cirurgia é um dia bastante ativo. O paciente se encontrará novamente com nossos fisioterapeutas, que irão instruí-lo sobre mais exercícios a serem efetuados na posição deitada. A colocação do paciente em posição ereta também será estimulada, assim como pequenas caminhadas, sempre com auxílio, como do andador. Orientações sobre as posições a serem evitadas no pós-operatório, assim como pequenas dicas para uma melhor e mais agradável reabilitação, serão repassadas. Os dias seguintes fazem com que o paciente se sinta cada vez mais independente e livre para se locomover. Muitos dos pacientes já não recebem medicações venosas a partir de 24 horas da cirurgia e evoluem frequentemente para marcha com auxílio de muletas no lugar do andador. A alta do paciente é dada pelo corpo clínico em conjunto com um médico da equipe cirúrgica. O transporte domiciliar é feito por meio de ambulância, para que o paciente possa ser transferido para casa com a maior segurança e conforto possível. O retorno às atividades cotidianas vai ser guiado pela equipe cirúrgica e fisioterápica, em conjunto. Normalmente o paciente se encontra apto a caminhar pela distância que desejar por volta da 6ª semana pós-operatória. É também na 6ª semana que os pacientes são liberados para dirigir. Por volta da 8ª semana, nossos pacientes são liberados para prática de natação e, por volta da 12ª, para outras atividades. Seu cirurgião dará orientações sobre quais atividades serão retomadas. Perguntas Frequentes O que é e o que causa a osteoartrose do joelho? A osteoartrose do joelho é uma destruição da cartilagem que recobre as superfícies de carga do joelho (fêmur, tíbia e patela). A cartilagem é uma substância que é desprovida de terminações nervosas (ela não dói). Porém, quando a estrutura está danificada, há exposição do osso subcondral, este sim rico em terminações nervosas e que será responsável por grande 8

9 parte da sintomatologia dos pacientes. A osteoartrose pode ser secundária a eventos traumáticos de grande energia, infecções articulares, doenças da infância, osteonecrose do joelho, lesões ligamentares não tratadas, gerando instabilidade do joelho, meniscectomias totais e desvios de eixo (geno varo ou geno valgo, termos conhecidos respectivamente como perna de cowboy (arqueada) e em forma de tesoura). Em muitos casos, denominamos a osteoartrose como primária por não haver uma causa determinada para sua ocorrência. Se eu desenvolver osteoartrose em um joelho, também desenvolverei no outro? Depende principalmente do tipo de artrose e de sua causa. Existem algumas patologias que causam osteoartrose nos joelhos e que apresentam grande índice de bilateralidade. Pacientes portadores de osteoartrose secundária a doenças inflamatórias, como artrite reumatoide, e pacientes com desvio de eixo mecânico bilateral têm maior índice de bilateralidade. Porém, mesmo nesses grupos, quanto nos de causa traumática unilateral, pode haver acometimento apenas unilateral. Posso realizar a cirurgia dos dois lados no mesmo ato cirúrgico? Sim, pode. Porém essa estratégia cirúrgica deverá ser planejada em casos específicos, não sendo a regra, com maior cuidado. Aplica-se apenas àqueles pacientes mais jovens e em excelente estado geral, sem comorbidades. De que material é feita uma prótese de joelho? Uma prótese de joelho é usualmente composta de quatro partes: componente femoral metálico, bandeja tibial metálica, polietileno tibial e componente patelar. Meu novo joelho acionará detectores de metal em bancos e aeroportos? Normalmente esses implantes não são detectados em bancos. Em aeroportos, no entanto, aparelhos mais sofisticados e mais sensíveis são utilizados, havendo uma enorme possibilidade de a prótese ser detectada. Nesses casos, a orientação em todo o mundo é para que pacientes portadores de próteses metálicas informem ao funcionário da segurança aeroportuária a sua existência, antes de passar pelo detector de metais. É importante ressaltar que não é necessária a apresentação de documentos médicos e/ou radiografias. 9

10 Quando posso voltar a dirigir depois da cirurgia de colocação de prótese no joelho? Liberamos nossos pacientes para dirigir novamente em média de 6 semanas após a cirurgia. Fraturas Podem acometer qualquer região do fêmur distal, tíbia proximal e patela. Dependendo do local, do padrão da fratura e da idade do paciente, é feita osteossíntese com opções de tipos de implantes (fixação com placas, parafusos ou banda de tensão), com o intuito de restabelecer a anatomia do joelho. Artroscopia do Joelho É um procedimento cirúrgico para reparar algumas lesões do joelho com intuito de preservar partes moles. É realizado através de microcâmeras com um vídeo externo para visualização do procedimento, verificação das lesões e tratamento. Esse procedimento é utilizado para abordagem de um grande número de doenças do joelho, principalmente em pacientes jovens. Existe uma gama de patologias abordadas por artroscopia do joelho: lesões meniscais, corpos livres, lesões osteocondrais e lesões ligamentares, como a lesão do ligamento cruzado anterior. O menisco é responsável pela absorção de forças de até 50% do peso corporal com o joelho em extensão, serve para aumentar a área de contato articular, tem efeito secundário de estabilização articular e melhora a congruência. As lesões podem ser tanto traumáticas quanto degenerativas, sendo a decisão de tratamento artroscópico baseada principalmente na correlação clínico-radiológica e individualizada de acordo com o perfil do doente. A história pode apresentar um trauma com diversos mecanismos, porém com sinais de aumento de volume episódicos, bloqueios articulares (lesão em alça de balde ou corpos livres osteocondrais associados) e falseio (se associado a lesões ligamentares). Pacientes devem ser avaliados em relação a alterações de eixo para eventual necessidade de realizar correções do eixo com osteotomias. No diagnóstico diferencial, encontram-se: lesões osteocondrais, placas sinoviais, tendinites, corpos livres e lesões ligamentares. 10

11 Quando existem lesões associadas, como a lesão do ligamento cruzado, o tratamento deve ser também individualizado pelo nível funcional, alterações de eixo, idade e perfil do paciente, e os objetivos devem ser discutidos com o médico. Quando se opta por tratamento cirúrgico, deve-se realizar a reconstrução do ligamento cruzado anterior, sendo utilizado enxerto do próprio paciente. Existem três opções: o terço central do tendão patelar, os tendões flexores e o tendão quadricipital. A cirurgia é realizada em centro cirúrgico com ambiente estéril. A equipe é composta de um cirurgião, um auxiliar e um instrumentador. O paciente é submetido à anestesia peridural e é posicionado em uma mesa ortopédica de barriga para cima. O procedimento dura por volta de 30 minutos a 2 horas, dependendo da patologia e da gravidade, principalmente das lesões ligamentares associadas, e tem baixos índices de complicações, como infecção e trombose venosa profunda. A alta dos pacientes é dada no dia seguinte ao da cirurgia. Todos os pacientes iniciam sua reabilitação fisioterápica ainda internados e são orientados a mantê-la de uma forma intensiva após sua alta. O processo de recuperação é pouco doloroso, e o paciente mantém sua autonomia, já que é permitido que dirija precocemente e que deambule com um par de muletas desde o primeiro dia de pós-operatório, e, nos casos de lesão ligamentar, com auxílio de um brace (órtese). As principais complicações desse procedimento cirúrgico são parestesias (dormência) na região do ramo infrapatelar do nervo safeno, que normalmente se resolvem ao longo do tempo, e infecção da ferida operatória. Esses eventos são raros e normalmente tratados de maneira eficaz. Revisão de próteses Essas cirurgias utilizam técnicas de alta complexidade e próteses especiais para reparar as falhas ósseas, viabilizando a colocação de novas próteses. São utilizados enxertos ósseos reparando falhas ósseas, cunhas articulares de suporte e hastes intramedulares para receber a nova prótese, substituindo o osso do paciente. Com grande número de procedimentos realizados a cada ano, destacam-se a artroplastia primária e de revisão do joelho, as osteossínteses (correções cirúrgicas) das fraturas e os procedimentos artroscópicos. O time de especialistas do Hospitalys está preparado para diagnosticar e tratar todos os tipos de problemas que afetam a articulação de forma atualizada, sempre com o objetivo de aumentar a durabilidade das próteses e da qualidade de vida do paciente, principalmente nas técnicas artroscópicas por meio de melhorias das técnicas de fixação dos implantes no osso. Com isso, promove-se a reabilitação dos pacientes para suas atividades diárias. 11

12 Centro de Reconstrução Articular do Hospitalys DR. JOÃO ALVES GRANGEIRO NETO DR. RODRIGO RIBEIRO PINHO RODARTE DR. RICARDO BASTOS FILHO DR. TIAGO SILVA DE GOES RODRIGUES DR. WALTER ACATAUASSÚ MARTINS FILHO Equipe de Joelho 12

O grupo de cirurgia de quadril é formado por cirurgiões ortopédicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam exclusivamente a essa especialidade

O grupo de cirurgia de quadril é formado por cirurgiões ortopédicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam exclusivamente a essa especialidade 1 O grupo de cirurgia de quadril é formado por cirurgiões ortopédicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam exclusivamente a essa especialidade há vários anos. Faz parte integral da filosofia de

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML Patologia do Joelho EXAME CLÍNICO DOR Difusa no processo inflamatório e degenerativo; localizada quando o problema é mecânico RIGIDEZ Comum, podendo causar claudicação AUMENTO DE VOLUME - Localizado ou

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

Artroplastia Total do Quadril. Manual para Pacientes. Dr. Richard Prazeres Canella

Artroplastia Total do Quadril. Manual para Pacientes. Dr. Richard Prazeres Canella Artroplastia Total do Quadril Manual para Pacientes Dr. Richard Prazeres Canella Florianópolis SC Introdução O quadril, para o médico, é a junção do fêmur (osso da coxa) com a bacia. As pessoas leigas

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões de Partes Moles: Lesão Meniscal: Medial e Lateral Lesão Ligamentar: o Ligamentos Cruzados: Anterior e Posterior o

Leia mais

Artroplastia Total do Joelho. Manual para Pacientes. Dr. Richard Prazeres Canella

Artroplastia Total do Joelho. Manual para Pacientes. Dr. Richard Prazeres Canella Artroplastia Total do Joelho Manual para Pacientes Dr. Richard Prazeres Canella Florianópolis SC Introdução O joelho, para o médico, é a junção do fêmur (osso da coxa) com a tíbia (osso da perna). Também

Leia mais

Bursite e Lesão de Manguito Rotador

Bursite e Lesão de Manguito Rotador Bursite e Lesão de Manguito Rotador Oque é Bursite? Bursite é o nome dado à inflamação da bursa. A bursa (que em latim quer dizer bolsa) é um tecido responsável por diminuir o atrito entre um tendão e

Leia mais

Artroplastia (prótese) total de joelho

Artroplastia (prótese) total de joelho Artroplastia (prótese) total de joelho A prótese do joelho está indicada quando o joelho apresenta quadro de artrite (artrose) moderada à grave ou por ou por limitação de atividades simples, como caminhar

Leia mais

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

Patologias dos membros inferiores

Patologias dos membros inferiores Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Patologias dos membros inferiores Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Doenças do quadril Doenças do joelho Doenças do pé e tornozelo Introdução Doenças

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

Intodução Como um joelho normal funciona?

Intodução Como um joelho normal funciona? Intodução É natural termos dúvidas e questionamentos antes de nos submetermos a uma cirurgia. Foi pensando nisso que elaboramos esse manual. Nosso objetivo é ajudá-lo a entender melhor o funcionamento

Leia mais

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia Joelho O joelho é a articulação intermédia do membro inferior, é formado por três ossos:

Leia mais

Artroplastia total do joelho (ATJ) ou Prótese total do joelho (PTJ)

Artroplastia total do joelho (ATJ) ou Prótese total do joelho (PTJ) A dor no joelho é um sintoma extremamente freqüente. É uma articulação das mais complexas em termos de biomecânica, estando sempre sujeita a sofrer lesões, tanto traumáticas (acidentes e quedas) quanto

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

Manual de cuidados pré e pós-operatórios

Manual de cuidados pré e pós-operatórios 1. Anatomia O quadril é uma articulação semelhante a uma bola no pegador de sorvete, onde a cabeça femoral (esférica) é o sorvete e o acetábulo (em forma de taça) é o pegador. Esse tipo de configuração

Leia mais

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular Luxação da Articulação Acrômio Clavicular INTRODUÇÃO As Luxações do ombro são bem conhecidas especialmente durante a prática de alguns esportes. A maior incidencia de luxção do ombro são na verdade luxação

Leia mais

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério

Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério Alternativas da prótese total do quadril na artrose Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério grupoquadrilhuc@hotmail.com Conceito É uma doença degenerativa crônica caracterizada

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007

Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007 Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007 Dispõe sobre a duração e o conteúdo programático da Residência Médica de Cirurgia da Mão O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA, no uso das

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA QUESTÃO 21 Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: a) O politrauma é a uma das principais causas

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças

Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças INFORMAÇÃO AO PACIENTE Crescimento guiado para correção de joelhos unidos e pernas arqueadas em crianças O sistema de crescimento guiado eight-plate quad-plate INTRODUÇÃO As crianças necessitam de orientação

Leia mais

Introdução: Como o joelho normal funciona:

Introdução: Como o joelho normal funciona: Introdução: Se o seu joelho apresenta dor e sintomas como dificuldade para realizar atividades simples tais como caminhar ou subir escadas, você pode ser portador de uma patologia chamada artrose (desgaste).

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO ORTOPÉDICA PARA O JORNALISTA ESPORTIVO AGRADECIMENTOS Secretaria Municipal de Esporte e Lazer Agradecemos o apoio imprescindível do presidente da Associação Brasileira de Traumatologia Desportiva e médico

Leia mais

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR

LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR Anatomia O ligamento cruzado anterior (LCA) é um dos ligamentos mais importantes para a estabilidade do joelho. Considerado um ligamento intra-articular, sua função

Leia mais

Programa de Especialização Cirurgia do Quadril (R4) Treinamento Avançado em Cirurgia do Quadril. Goiânia GO / Maio de 2015.

Programa de Especialização Cirurgia do Quadril (R4) Treinamento Avançado em Cirurgia do Quadril. Goiânia GO / Maio de 2015. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS HOSPITAL DE URGÊNCIA DE GOIÂNIA (HUGO) / HOSPITAL GERAL DE GOIÂNIA ALBERTO RASSI () SERVIÇO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA / SERVIÇO DE CIRURGIA DO QUADRIL

Leia mais

Introdução Osteoartrite: Artrite reumatóide: Artrites traumáticas: O que é artroplastia total de quadril

Introdução Osteoartrite: Artrite reumatóide: Artrites traumáticas: O que é artroplastia total de quadril Introdução O quadril é a articulação (junta) que liga o osso da coxa (fêmur) ao osso da bacia (pélvis), permitindo os movimentos dos membros inferiores. No quadril normal a cabeça do fêmur e a pélvis são

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR Protocolo: Nº 72 Elaborado por: Antônio Osmar Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES DEISE SANTOS 1 MARCIA JOSIANE CARDOSO 2 VALTER ANTUNES NEUMANN 3 LUCIANO LEAL LOUREIRO 4 RESUMO O joelho é uma das articulações mais importantes

Leia mais

Dor no Ombro. Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo. Dr. Marcello Castiglia

Dor no Ombro. Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo. Dr. Marcello Castiglia Dor no Ombro Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O que a maioria das pessoas chama de ombro é na verdade um conjunto de articulações que, combinadas aos tendões e músculos

Leia mais

Ortopedia e Traumatologia Soluções inovadoras para Quadril

Ortopedia e Traumatologia Soluções inovadoras para Quadril Ortopedia e Traumatologia Soluções inovadoras para Quadril Zimmer (Argentina) Revisão Modular de Quadril O primeiro objetivo de uma revisão de quadril é estabelecer uma fixação, dessa maneira se alivia

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

Prof André Montillo UVA

Prof André Montillo UVA Prof André Montillo UVA Doença Articular Degenerativa Sinônimos: Osteoartrite Osteoartrose: Artrose Artrose Condramalácea Artrite Degenerativa Artrite Hipertrófica Artrite Deformante Doença Articular Degenerativa

Leia mais

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

PONTO-FINAL CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PONTO-FINAL CUO DE ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DERIÇÃO: Cursos presenciais Vale 3,0 pontos para a Revalidação do TEOT PROGRAMAÇÃO: OSTEONECROSE DA CABEÇA BELÉM/ PA 18.05.2007 SEXTA-FEIRA 20:00-20:20

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

EXAME DO JOELHO. Inspeção

EXAME DO JOELHO. Inspeção EXAME DO JOELHO Jefferson Soares Leal O joelho é a maior articulação do corpo e está localizado entre os dois maiores ossos do aparelho locomotor, o fêmur e a tíbia. É uma articulação vulnerável a lesões

Leia mais

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE)

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) DESCRIÇÃO: Aulas interativas ao vivo pela internet. Participe ao vivo, respondendo as enquetes e enviando suas perguntas. Vale pontos para a Revalidação

Leia mais

Com muita história. Nasceu a tecnologia.

Com muita história. Nasceu a tecnologia. Com muita história. Nasceu a tecnologia. Mesmo sendo revolucionário em princípios e design, o Scorpio baseia-se em uma diversidade de princípios biomecânicos da anatomia e fisiologia do joelho. O ponto

Leia mais

Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!!

Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!! Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!! Dores frequentes nos pés, calosidades e vermelhidão são os primeiros sinais de abuso do salto alto e bico fino. Bonitos, elegantes

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos:

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas do cotovelo em adultos: l As fraturas correspondem 31.8% dos traumas em cotovelo no adulto; l Freqüência: cabeça do rádio 39,4%; luxação do cotovelo

Leia mais

Cisto Poplíteo ANATOMIA

Cisto Poplíteo ANATOMIA Cisto Poplíteo O Cisto Poplíteo, também chamado de cisto de Baker é um tecido mole, geralmente indolor que se desenvolve na parte posterior do joelho. Ele se caracteriza por uma hipertrofia da bolsa sinovial

Leia mais

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica André Montillo UVA Anatomia do Quadril Anatomia do Quadril Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica Definição: Bursite Trocanteriana É o Processo Inflamatório da Bursa

Leia mais

Artroscopia. José Mário Beça

Artroscopia. José Mário Beça Artroscopia José Mário Beça A artroscopia é um procedimento utilizado pelos cirurgiões ortopédicos como meio de diagnóstico e de tratamento das patologias articulares. A palavra artroscopia deriva de duas

Leia mais

Conteúdo do curso de massagem desportiva

Conteúdo do curso de massagem desportiva Conteúdo do curso de massagem desportiva Massagem desportiva Vamos fazer uma massagem desportiva na pratica. A massagem desportiva pode denotar dois tipos diferentes de tratamento. Pode ser utilizada como

Leia mais

PARQVE Projeto Artrose Recuperando Qualidade de Vida pela Educação

PARQVE Projeto Artrose Recuperando Qualidade de Vida pela Educação PARQVE Projeto Artrose Recuperando Qualidade de Vida pela Educação Dra. Márcia Uchoa de Rezende Dr. Alexandre Felício Pailo Dr. Gustavo Constantino de Campos Dr. Renato Frucchi Dr. Thiago Pasqualin O que

Leia mais

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR.

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. Quando ocorre uma fratura envolvendo o membro inferior, a reeducação do padrão de marcha normal até o nível da função anterior à

Leia mais

DOR NA PERNA EM ATLETAS. Ricardo Yabumoto

DOR NA PERNA EM ATLETAS. Ricardo Yabumoto DOR NA PERNA EM ATLETAS Ricardo Yabumoto São raros os relatos de prevalência das fraturas de estresse por esporte específico ( 10% de todas as lesões esportivas) 4,7% a 15,6% das lesões entre corredores.

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

A ARTROSCOPIA DO OMBRO

A ARTROSCOPIA DO OMBRO A ARTROSCOPIA DO OMBRO A ARTROSCOPIA DO OMBRO A ARTROSCOPIA DO OMBRO A ARTROSCOPIA DO OMBRO O ombro é uma articulação particularmente solicitada não somente no dia-a-dia normal, mas também na vida desportiva

Leia mais

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso Introdução As fraturas e luxações do tornozelo são as lesões mais comuns do sistema músculo-esquelético 1, e dentre as articulações de carga, o tornozelo é a que apresenta maior incidência de fraturas

Leia mais

LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO LESÕES DOS MENISCOS. Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch

LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO LESÕES DOS MENISCOS. Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch LESÕES TRAUMÁTICAS DO JOELHO LESÕES DOS LIGAMENTOS LESÕES DOS MENISCOS Prof. Dr. Gabriel Paulo Skroch JOELHO TRAUMÁTICO-LESÕES MENISCAIS SUMÁRIO I. Aspectos anatômicos e biomecânicos II. Mecanismo de lesão

Leia mais

Nota técnica 16/2015. Parafuso absorvível em cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior no joelho

Nota técnica 16/2015. Parafuso absorvível em cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior no joelho 17/04/2015 Nota técnica 16/2015 Parafuso absorvível em cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior no joelho SOLICITANTE : MM. Juiz de Direito Carlos José Cordeiro, de Uberlândia NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

Traumaesportivo.com.br. Capsulite Adesiva

Traumaesportivo.com.br. Capsulite Adesiva Capsulite Adesiva Capsulite adesiva, também chamada de ombro congelado, é uma condição dolorosa que leva a uma severa perda de movimento do ombro. Pode ocorrer após uma lesão, uma trauma, uma cirurgia

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO ESPECIALIDADES COM PRÉ-REQUISITO DE 2 ANOS DE ORTOPEDIA OU CIRURGIA PLÁSTICA 1 QUESTÃO 1 - Na figura abaixo:

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

INSTABILIDADE E LUXAÇÃO DO OMBRO. A instabilidade do ombro é definida como a incapacidade para manter

INSTABILIDADE E LUXAÇÃO DO OMBRO. A instabilidade do ombro é definida como a incapacidade para manter INSTABILIDADE E LUXAÇÃO DO OMBRO Centro da Articulação gleno umeral Labrum Ligamentos gleno-umerais e capsula Primal pictures INTRODUÇÃO A instabilidade do ombro é definida como a incapacidade para manter

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA)

CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) CIRURGIA DO NARIZ (RINOPLASTIA) Anualmente milhares de pessoas se submetem a rinoplastia. Algumas destas pessoas estão insatisfeitas com a aparência de seus narizes há muito tempo; outras não estão contentes

Leia mais

CAPSULITE ADESIVA OU OMBRO CONGELADO. A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma doença de causa

CAPSULITE ADESIVA OU OMBRO CONGELADO. A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma doença de causa CAPSULITE ADESIVA OU OMBRO CONGELADO A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma doença de causa desconhecida. Por vezes os doentes associam o seu inicio a um episódio traumático. Outros doentes referiam

Leia mais

MMII: Perna Tornozelo e Pé

MMII: Perna Tornozelo e Pé MMII: Perna Tornozelo e Pé Perna:Estruturas anatômicas Articulações visualizadas Incidências 1- AP Indicação Patologias envolvendo fraturas, corpos estranhos ou lesões ósseas. Perfil Indicação - Localização

Leia mais

Implante de Silicone nos Seios. 8 Questões frequentes

Implante de Silicone nos Seios. 8 Questões frequentes Implante de Silicone nos Seios 8 Questões frequentes Dr. JOÃO CARLOS CORREA ESCHILETTI Médico formado pela UFRGS em 1980. Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, é mestre em Medicina

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Intervenções de Enfermagem à pessoa submetida a amputação

Leia mais

O que é Fisioterapia Vestibular?

O que é Fisioterapia Vestibular? O que é Fisioterapia Vestibular? Existem 02 tipos de tontura: rotatória ou vertigem, quando o paciente relata que tudo gira ao seu redor; e não-rotatória, equivalente à instabilidade postural ou desequilíbrio.

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

TÍTULO: INCIDÊNCIA DE LESÕES NO JOELHO NA POPULAÇÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ENCAMINHADA PARA REABILITAÇÃO

TÍTULO: INCIDÊNCIA DE LESÕES NO JOELHO NA POPULAÇÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ENCAMINHADA PARA REABILITAÇÃO TÍTULO: INCIDÊNCIA DE LESÕES NO JOELHO NA POPULAÇÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ENCAMINHADA PARA REABILITAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO

Leia mais

Fraturas no Idoso. Pontifícia Universidade Católica do Paraná HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAJURU Grupo de Cirurgia do Quadril

Fraturas no Idoso. Pontifícia Universidade Católica do Paraná HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAJURU Grupo de Cirurgia do Quadril Fraturas no Idoso Pontifícia Universidade Católica do Paraná HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAJURU Grupo de Cirurgia do Quadril Dr. Ademir Schuroff Dr. Marco Pedroni Dr. Mark Deeke Dr. Josiano Valério Fraturas

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

LESOES MENISCAIS Ricardo Yabumoto Curitiba, 09 de Abril de 2007 Introdução Forma aproximada de C Integram o complexo biomecânico do joelho Servem de extensões da tíbia para aprofundar as superfícies articulares,

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO O AGACHAMENTO O agachamento é um dos movimentos mais utilizados no treino desportivo, mas um dos menos compreendidos e pior utilizado. Deixo um conjunto reflexões que para alguns poderão ser um pouco polémicas

Leia mais

RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz

RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz RINOPLASTIA Cirurgia Plástica no Nariz O que é a Rinoplastia? A rinoplastia, ou cirurgia do nariz, é um procedimento estético que corrige a forma e a funcionalidade do nariz, melhorando tanto o aspecto

Leia mais

Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa

Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa Acta Ortopédica Brasileira ISSN 1413-7852 versão impressa ARTIGO ORIGINAL Ocorrência de entorse e lesões do joelho em jogadores de futebol da cidade de Manaus, Amazonas Eduardo Telles de Menezes Stewien

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais