COMO CALCULAR CUSTOS E FRETES CUSTOS OPERACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO CALCULAR CUSTOS E FRETES CUSTOS OPERACIONAIS"

Transcrição

1 Cursos NTC COMO CALCULAR CUSTOS E FRETES CUSTOS OPERACIONAIS 001

2 Neuto Gonçalves dos Reis Mestre em Engenharia de Transportes pela EESC-USP Pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV Pós-graduado em Engenharia Econômica pelo IPUC-MG Extensão em Logística e Distribuição pela FGV Engenheiro Civil pela EEUFMG Jornalista especializado em Transportes Ex-Diretor de Transporte Moderno Ex-Professor da Mauá e FMU Consultor Técnico da NTC Grande experiência em custos e fretes Medalha JK Ordem do Mérito do Transporte, da CNT Medalha NTC do Mérito do Transporte Tel 11 XX

3 Objetivos e requisitos 1. Apresentar, conceitos, critérios e fórmulas para cálculo (previsões, orçamentos, estimativas) de custo operacional padrão ou custo de referência por veículo ou por unidade de peso ou volume. 2. Apresentar critérios e fórmulas para a formação de tabelas de fretes pelas empresas (referências interna) e pela NTC/Fipe (referência institucional). 3. Apresentar noções de gerenciamento e de operação de transportes relacionadas com a formação de custos Não constitui objetivo do curso discutir comercialização e mercado de fretes (referência externa) Serão apresentadas, no entanto, maneiras de reduzir custos. 4. Requisito: conhecimentos básicos de matemática; noções de resoluções de expressões, álgebra, potenciação etc.

4 Plano de trabalho CUSTOS OPERACIONAIS Despesas Operacionais de Transferência (DOT) Introdução e histórico Esquemas operacionais/fluxogramas do processo Componentes do frete Custos fixos Custos variáveis Planilha do Decope/NTC Esclarecimento de dúvidas Discussão em grupo 004

5 Despesas Administrativas e de Terminais (DAT) Cálculo do frete-peso Exercícios Custos de coleta e entrega Frete valor Gerenciamento de riscos (GRIS) Taxas Pedágios Acréscimos e decréscimos Planilha referencial Fipe Esclarecimento de dúvidas Discussão em grupo 005 Plano de trabalho FRETES

6 Material contido no CD ROM PPWs do roteiro: a) Custos Operacionais b) Fretes Manual do Sistema Tarifário da NTC/Acréscimos e Decréscimos Como Calcular Custos e Fretes Planilha Referencial Fipe Carga Fracionada Planilha de Custos da NTC Pesos dos componentes no frete rodoviário (INCTA) Relatório Fipe do INCTA Planilha de encargos sociais 006

7 Introdução CUSTOS LOGÍSTICOS D = T + CLF + CLV + VP D = Custo total de distribuição do sistema proposto T = Custo de transporte (frete) = 70% de D CLF = Custos logísticos fixos (armazenagem, embalagem de transporte, preparação de pedidos, etiquetagem, embalagem, emissão de notas fiscais, fracionamento de carga, atendimento ao cliente etc.) CLV= Custo logísticos variáveis VP = Custo total de perdas de vendas, devido à demora das entregas 007

8 Introdução CARACTERÍSTICAS DO RODOVIÁRIO POSITIVAS Custos fixos (baixos) Rapidez (alta) Confiabilidade, pontualidade ou consistência (alta) Disponibilidade (alta) Freqüência (alta) Velocidade (alta) Capacidade para diferentes volumes (media) NEGATIVAS Custo variável alto Escala média 008

9 Introdução COMPARAÇÃO DOS MODAIS - + Velocidade Duto Aquav Ferro Rodo Aéreo Confiabilidade Aéreo Aquav Ferro Rodo Duto Capacidade Duto Aéreo Rodo Ferro Aquav Disponibilidade Duto Aquav Aéreo Ferro Rodo Freqüência Aquav Aéreo Ferro Rodo Duto LEITURA RECOMENDADA Logística Empresarial, a Perspectiva Brasileira Capítulo 4 Administração do Transporte Vários autores, Coppead, Editora Atlas

10 Introdução Importância dos custos e fretes rodoviários - Excesso de oferta, diesel barato, fretes baixos - Caminhão movimenta 60,5% das t.km - Fretes rodoviários são baixos Frete (US$/1.000 t. km) Brasil EUA Rodoviário 18,00 56,00 Ferroviário 11,00 14,00 Fonte: CEL - Profissionais de transporte e de logística precisam dominar as técnicas de formação de custos: a) Custo real b) Discutir planilhas 010

11 Introdução Por que calcular custos em vez de usar tabelas de revistas e entidades? Variáveis e peculiaridades são muitas: Quilometragem percorrida Tipo de operação Tipo manutenção Tipo de estrada Local de operação Tipo de carga Tipo de tráfego Porte do veículo Velocidade Tempo de carga e descarga Existência ou não de carga de retorno 011

12 Introdução Por que calcular custos (cont.) Fixação de preços CIF (x) Fim da publicação de tabelas Conet Avanço da informática Estabilização econômica Estreitamento das margens de lucro Panilhas abertas x 012

13 Introdução Custos x decisões empresariais Investimentos alternativos Arrendar ou comprar (x) Renovação de frotas Padrões de desempenho Benchmarking Avaliações econômico/financeiras Outras decisões 013

14 Histórico 1968 Controle de preços pelo CIP - Tabelas de fretes empíricas da NTC - NTC começa a calcular custos - Revista Transporte Moderno começa a publicar custos 1980 Manual do sistema Tarifário NTC 1982 NTC cria tarifas por tipos de serviços. - Valores em R$/t eram superestimados - Percentuais de aumento ratificados pelo CIP serviam para reajustar fretes 014 D

15 Histórico 1990 Tabelas abolidas. Voltam a ser publicadas mais tarde Deixam novamente de ser publicadas Perda da referência institucional Enfraquecimento do frete valor Proliferação do frete integrado É lançado o software Custo Real 2001 Planilha referencial de custos Fipe D 015

16 Histórico (cont.) D INCT - Lançado em 1983, com no nome de INPT - Mais tarde, muda de nome para INCT - A partir de 1994, passa a ser calculado pela Fipe - Em fev , é feita uma reponderação INCT passa a se chamar INCTA. São criados o INCTR e o INCTCE.

17 Gastos, custos e despesas Gasto = termo geral Custo = relacionado com a produção Despesa = gastos não relacionados com a produção Investimentos = gastos que derivam do ativo Custos diretos - Podem ser atribuídos a um produto ou serviço Custos indiretos - Exigem rateio entre produtos ou serviços 017

18 Custos fixos e variáveis Custos fixos (R$/mês) Cargas de estrutura, independem da quilometragem rodada. Necessárias para criar a capacidade de transporte. Anteriores ao transporte. Relacionados com o tempo de uso do equipamento. Custos variáveis (R$/km) Proporcionais ao percurso Realizadas durante o transporte Custos semi-variáveis Custos em degraus (fixo e variável) Custos afundados 018

19 Sistemas de Custeios Custos total Custo unitário resulta da soma de todos os custos dividida pelo volume (flutuações) Custo por rateio ou absorção Rateia os custos indiretos (over-head) segundo critérios subjetivos (geralmente, pelos volume de vendas) Custeio direto Separa custos fixos dos variáveis Trabalha com o conceito margem de contribuição = preço unitário custo variável unitário Trabalha com o custo fixo agregado, sem rateio 019

20 Sistemas de Custeios Custo baseado em atividade (ABC) Os recursos são atribuídos às atividades e estas aos produtos. Os recursos diretos são atribuídos diretamente a cada produto. As atividades indiretas são atribuídas a cada classe de produto ou a cada produto conforme o grau de sua utilização. Este conceito elimina as distorções de rateio por volume e por centro de custos (departamentos). O rateio por volume, muitas vezes, eleva os custos dos produtos mais vendidos e baixa os custos dos produtos menos vendidos. Recursos/ Atividades/ Produtos São estabelecidos direcionadores ou geradores (cost drivers) de recursos e direcionadores ou geradores de atividades 020

21

22 Sistemas de Custeios Exemplo de Custeio ABC: CD com classes diferentes de produtos Recursos Mão-de-obra Supervisão Equipamentos Instalações Atividades básicas Recebimentos Armazenagem Inspeção e controle Expedição Direcionador ou gerador Número de empregados % de tempo Locação direta Área ocupada pelo setor Direcionador ou gerador Número de notas Número de posições Fator de complexidade x n o notas Número de caixas despachadas 021

23 Atividades do transporte Fluxograma do processo Coleta de mercadorias Solicitação de coleta Verificação da disponibilidade de veículos - Roteirização Apanha da carga Transporte até o armazém do transportador 022

24 Atividades do transporte Manuseio nos terminais - Recepção, descarga e conferência das mercadorias - Triagem e classificação das mercadorias recebidas, por praça de destino - Transporte interno até os boxes reservados para cada praça - Transporte interno dos boxes até a plataforma de embarque (outra conferência) - Carregamento dos veículos por destino - Conferência e arrumação das cargas nos veículos 023

25 Atividades do transporte Transferência (expedição de cargas) - Programação de veículos - Transporte da carga da origem ao destino (transferência) - Descarga da mercadoria no terminal de destino - Rotas mistas 024

26 Atividades do transporte Entrega - Programação de entregas por rota - Seleção dos veículos disponíveis - Seleção por destinatário - Carregamento - Conferência e arrumação nos veículos - Transporte até os destinatários - Descarga nas casas dos destinatários - Registro de controle de entrega, processamento da documentação fiscal, informação e cobrança do embarcador 025

27 Esquemas operacionais - - Entrega e coleta - - Lotação ou carga direta - - Carga fracionada, distribuição local - - Carga fracionada via terminais (consolidação) Quanto mais complexo o transporte, maior o número de operações de manuseio. Portanto, maiores os custos. 026

28 Componentes do frete Frete não é só custo do caminhão Frete-peso Custos relacionados com a atividade de transporte (peso/volume e distância). Frete-valor Custos relacionados com o valor da mercadoria e a responsabilidade do transportador por acidentes e avarias GRIS Custos relacionados com o gerenciamento de riscos e roubos de carga Taxas (generalidades) Valores específicos não previstos no frete (coleta, entregas e outras). Pedágio Destacado do conhecimento (vale-pedágio) Lucro 027

29 Componentes do frete-peso - Despesas Operacionais de Transferência (DOT) - - Custos fixos - - Custos variáveis - Despesas Administrativas e de Terminais (DAT) - - Custos indiretos - - Lucro 028

30 Despesas operacionais de transporte (DOT) CT = CF + Cv.q C/km = (CF/q) + Cv q = quilometragem mensal CF = custo fixo mensal Cv = Custo variável/km Se q tender para infinito, o custo/km tende para o custo variável 029

31 Despesas operacionais de transporte (DOT) Margem de contribuição m c = p c v P = preço unitário de venda Lucro = L = pq CF - c v.q = q(p C v ) - CF Lucro = q. m c - CF Ponto de equilíbrio (L = 0) q.m c CF = 0 q = CF/m c 030

32

33 Despesas operacionais de transporte (DOT) Exemplo: 031 CF = 8.550,00 por mês Cv = 0,7297/km p = 2,15/km PE = 8550/(2,1500 0,7297) = 8550/1,4203 = km (a) (b) =CF/km (c) = (d)=(b)+(c) (e)= (a)x(c) (f)= CT/mês km/mês 8.550,00/(a) Cv/km CT/km CV/mês = 7.150,00 + (e) ,5500 0,7297 9, , , ,8500 0, , , ,7100 0,7297 2, , , ,2214 0,7297 1, , , ,9500 0,7297 1, , , ,7773 0,7297 1, , ,20

34 R$/km Variação do custo/km com a quilometragem mensal 10,0000 9,0000 8,0000 7,0000 6,0000 5,0000 4,0000 3,0000 2,0000 1,0000 0,0000 R$/km km/mês

35 R$/mês Quilômetros rodados por mês Ponto de equilíbrio , , , , ,00 Custo fixo Custo varável Custo total Receita 5.000,00 0,

36 Despesas operacionais de transporte (DOT) Exercício: Mercedes 1620 trucado com furgão alumínio Cv = CF = 6.320,00 Cv = 0,61 por quilômetro p = 1,76 Calcule: - Custo fixo por quilômetro (quatro decimais) - Custo total por quilômetro (quatro decimais) - Custo variável por mês (duas decimais) - Custo total por mês (duas decimais) Para: 1.000/ / 5.000/ /9.000/ km/mês 034

37 Despesas operacionais de transporte (DOT) Esquema de cálculos 035 CF = 6.320,0 por mês Cv = 0,61 por quilômetro PE = CF/(p-Cv) = (a) (b) =CF/km (c)=cv/km (d)=(b)+(c) (e)= (a)x(c) (f)= CT/mês km/mês 6.320/(a) 0,6100 CT/km CV/mês = 6.320,00 + (e) ,3200 0,

38 Despesas operacionais de transporte (DOT) Exercício resolvido 036 CF = 6.320,00 por mês Cv = 0,6100 por quilômetro P = 1,76 PE =6.320/(1,76-0,61) = 6.320/1,16 = km (a) (b) =CF/km (c)=cv/km (d)=(b)+(c) (e)= (a)x(c) (f)= CT/mês km/mês 6.320,00/(a) 0,6100 CT/km CV/mês = (e) ,3200 0,6100 6, , , ,2640 0,6100 1, , , ,7022 0,6100 1, , ,00

39 Custos operacionais de transporte (DOT) Custos fixos (R$/mês) Depreciação do veículo Remuneração do capital empatado Licenciamento e IPVA Seguro obrigatório (DPVAT) Seguro contra danos materiais e pessoais a terceiros (facultativo). Seguro contra colisão, incêndio e roubo (facultativo) - Salário e encargos motoristas/ajudantes - Salários e encargos de pessoal de oficina 037

40 Custos operacionais de veículos Custos variáveis (R$/km) Combustível Pneus, câmaras, recapagens e protetores Peças e material de oficina Óleo de cárter Óleo de cambio e diferencial Lavagens e graxas 038

41 x Operacional Depreciação Perda de valor comercial no mercado Econômica Retorno do capital investido Legal Necessidades contábeis e fiscais 036\9

42 DEPRECIAÇÃO OPERACIONAL Taxa média anual Usado nas planilhas NTC/Fipe QUANDO USAR - - Distribuição da frota por idade equilibrada - - Não há interesse na variação do custo com a idade D = (P L)/n D = Depreciação por ano (ou por mês) P = Preço de compra do veículo ou implemento L = Valor residual n = Vida útil em anos (ou meses) Fazendo-se (L/P) = k, tem-se: D = P(1 k)/n se r = (1 k)/n, vem D = r.p Se n = 6 e k = 0,20: r = (1,00 0,20)/6 = 0,80/6 = 0,1333 ano ano r = (0,1333/12) = 0,0111 ao mês Preço exclui pneus, câmaras e protetores, mas inclui terceiro-eixo rodoar e outros equipamentos. 040

43 Taxa média anual Exercício 1. MBB 1620 trucado...r$ ,00 2,,Quantidade do pneus (veículo) Valor do pneu... R$ 775,79 4, Valor da câmara... R$ 63,37 5. Valor do protetor... R$ 26,83 6. Valor pneu completo... R$ 865,99 7. Valor do jogo de pneus = 10 x(6)... R$ 8.659,90 8. Rodoar... R$ 663, Valor do veículo sem pneus (1)+(8)+(9) (7)... R$ ,50 1. Coeficiente mensal de depreciação 2. Custo médio mensal da depreciação No prazo de 108 meses, com residual de 20%. 041

44 Taxa média anual Exercício resolvido Prazo de depreciação meses Valor residual... 20% Valor do veículo sem pneus (1) + (7) + (8) 6 x (2)... R$ ,50 1. Coeficiente mensal de depreciação 0,80/108 = 0, Custo médio mensal da depreciação 0,00741 x ,50 = R$ 808,28/mês 042

45 Depreciação operacional: métodos decrescentes Refletem melhor a realidade: - Perda grande no início, decresce com o tempo; - - Transportadora espera retorno rápido; - A eficiência reduz-se com o tempo. - Veículos mais modernos e eficientes - Compensar aumento de manutenção com redução da - depreciação; -. Evita erros na distribuição dos custos ao longo do tempo 043

46 Depreciação Operacional (mercado) 044 Ano Valor (R$) Perda (R$) Perda (%) Índice , ,66 68, ,56 67, ,28 61, ,56 58, ,68 56, ,28 52, ,87 50, ,73 47,38

47 Modelo exponencial V n = (1 r) n.c C = Custo de reposição do equipamento (sempre igual a V o ) V n = Valor no fim do ano n r = Taxa de valor residual ao fim do último ano Dados C e V n, pode-se calcular (1 r): ( 1 r ) n = V n /C (1 r) = (V n /C) (1/n) 045

48 Modelo exponencial - exemplo 1 r = 0,9109 (1 - r) 8 = 0,4738 r = 0,0891 N 0,9109 n Valor (R$) Perda (R$) Perda (%) Índice 0 1, ,00 1 0, ,913 8,91 91,09 2 0, ,12 82,97 3 0, ,40 75,57 4 0, ,74 68,83 5 0, ,14 62,70 6 0, ,59 57,11 7 0, ,09 52,02 8 0, ,64 47,38

49 Valor do veículo Depreciação de mercado versus exponencial versus linear Mercado Exponencial Linear

50 Exponencial - Exercício n = 5 C = V 5 = Calcular valores e perdas anuais Usar quatro decimais para os coeficientes Não usar decimais no valor do veículo. (1-r) 5 = 0,45 1 r = 0,45 1/5 = 0,45 0,20 = 0,8524 log[(1 r)5] = log 0,45 5log (1 r) = - 0,34679 log ( 1 r) = (- 0,34679/5) = 0,06936 (1 - r) = antilog (- 0,06936) = 0,

51 Exponencial - Exercício n = 5 C = V 5 = (1-r) 5 = 0,45 1 r = 0,8524 n Valor (R$) Perda (R$) Perda 0,8524 n (%) Índice 0 1, ,00 1 0, , ,00

52 Exponencial Solução n 0,8524 n Valor (R$) Perda (R$) Perda (%) Índice 0 1, ,00 1 0, ,76 85,24 2 0, ,58 72,66 3 0, ,724 10,72 61,93 4 0, ,14 52,79 5 0, ,79 45,00

53 Método dos dígitos dos anos r = (n N + 1)(1 - k)/ n n = n (a n + a 1 )/2 n = n(n + 1)/2 r = Fator de depreciação anual N = Idade do veículo n = Vida útil total n N + 1 = Vida útil remanescente k = Fator de valor residual = L/P - Método usado pela ANTP/extinta EBTU - Site (custos de ônibus urbanos) - Grupar a frota por idade e multiplicar número de veículos de cada faixa pelo coeficiente acima 051

54 Método dos dígitos do anos (exemplo numérico) Ano n-n+1 n Quociente Quoc. x0, =6 21 (6/21) = 0,286 0, =5 21 (5/21) = 0,238 0, =4 21 (4/21) = 0,190 0, =3 21 (3//21)= 0,143 0, =2 21 (2/21) = 0,095 0, =1 21 (1/21) = 0,048 0,039 Soma (21/21) =1,000 0,

55 Valor relativo Dígito dos anos versus linear 1,200 1,000 0,800 0,600 Dígito ano Linear 0,400 0,200 0, Anos

56 Método dos dígitos do anos (exercício ) Calcular os coeficientes de depreciação anuais e acumulados pelo método do dígito dos anos, com prazo de sete anos e residual de 20%. Usar quatro decimais. Soma dos 7 primeiros números inteiros: S n = n(n + 1)/2 S 7 = (7x8/2) =

57 Método dos dígitos do anos (Esquema de cálculos) Ano (N) 7 N +1 7 Q = (7-N+1)/ Soma 28 Q x 0,8 Acum. 055

58 056 Método dos dígitos do anos (exercício resolvido) Ano (N) n-n+1 n Quociente Quoc.x0,8 Acum =7 28 (7/28) = 0,2500 0,2000 0, =6 28 (6/28) = 0,2143 0,1714 0, =5 28 (5/28) = 0,1786 0,1429 0, =4 28 (4/28) = 0,1429 0,1143 0, =3 28 (3/28) = 0,1071 0,0857 0, =2 28 (2/28) = 0,0714 0,0571 0, =1 28 (1/28) = 0,0357 0,0286 0,8000 Soma (28/28) =1,000 0,8000

59 Depreciação de uma frota pelo método do dígito dos anos 20 veículos de R$ 100 mil cada 048 Ano (a) Frota (b) Depreciação anual por veículo (c) (Tb. ant.) Depreciação anual da Frota (d) (b)x(c) Depreciação acumulada por veículo (e) Soma (c) Depreciação acumulada da frota (f) (b)x(e) Valor residual da frota (b) - (f) 1 2 0,229 0,457 0,229 0,457 1, ,190 0,571 0,419 1,257 1, ,152 0,914 0,571 3,429 2, ,114 0,457 0,686 2, ,076 0,152 0,762 1,524 0, ,038 0,114 0,800 2,400 0, ,800 2,667 11,810 8,190 Valor R$ mil 266, ,0 819,0

60 Coeficientes de depreciação pelo método do dígito dos anos 049 n ,2000 0,1857 0,1750 0,1667 0,1600 0,1545 0, ,1600 0,1548 0,1500 0,1458 0,1422 0,1391 0, ,1200 0,1238 0,1250 0,1250 0,1244 0,1263 0, ,0800 0,0929 0,1000 0,1042 0,1067 0,1082 0, ,0400 0,613 0,0750 0,0833 0,0889 0,0927 0, ,310 0,0500 0,0625 0,0711 0,0773 0, ,0250 0,0417 0,0533 0,0618 0, ,0208 0,0356 0,0464 0, ,0178 0,0309 0, ,0155 0, , ,0231 Soma 0,6000 0,6500 0,7000 0,7500 0,8000 0,8500 0,9000

61 Depreciação legal ou contábil - Rateio correspondente à perda de valor contábil: - desgaste pelo uso - ação da natureza - desgaste natural. - Não tem relação com o valor de mercado - Não há desencaixe - Taxa % é constante - Quanto maior a taxa, maior a recuperação fiscal - RF depende da atividade da empresa IR sobre lucro: 15% mais 10% sobre o que excede R$ 20 mil CSSL = 12% sobre 9% = 1,08% sobre lucro Órgão do governo não tem RF - Prazo: vida útil econômica do bem - Desgaste e obsolescência l afetam capacidade de produção 059

62 Depreciação legal Exemplo - Veículo de R$ , depreciado em 5 anos, gera despesa anual de R$ ,00, creditados na conta Depreciação - Pelo processo das partidas dobradas, a cada ano, serão debitados R$ ,00 na conta Veículos. - No fim de cinco anos, zera-se a conta Veículos. - A venda do veículo usado gerará lucro tributável. - Com IR de 15% e Contribuição Social de 1%, a recuperação fiscal será de R$ 3,2 mil por ano, totalizando R$ 16 mil em cinco anos de economia de impostos

63 Depreciação legal Exercício Calcular, sem decimais: - depreciação legal anual, - depreciação acumulada - recuperação fiscal anual - recuperação fiscal acumulada para um veículo adquirido por R$ ,00. Supor taxa de depreciação de 20% e recuperação fiscal de 16% ao ano sobre as despesas. 061

64 Depreciação legal Exercício resolvido 055 Ano. Valor inicial Deprec anual Deprec. Acum. Rec.Fisc, anual Rec.Fisc. acum

65 Depreciação legal Exercício resolvido 060 Ano. Valor inicial Deprec anual Deprec. Acum. Rec.Fisc, anual Rec.Fisc. acum

66 Depreciação econômica = Custo de propriedade - Não existe relação entre depreciação, valor do veículo, vida útil ou serviço prestado - Velocidade de recuperação do capital - Taxas podem ser altas: - Instabilidade econômica - Risco de obsoletismo - Riscos técnicos ou mercadológicos elevados - Depreciação econômica engloba Custos de Propriedade (depreciação mais remuneração) - 064

67 Remuneração do capital próprio ARGUMENTOS A FAVOR Remuneração mínima; A inflação aumenta valor nominal do retorno Abrir mão de embolsar lucro Custo de oportunidade Risco 065

68 Remuneração do capital próprio ARGUMENTO CONTRÁRIO - Preço cobrado já inclui a depreciação - Aplicação do fundo de reserva assegura renovação - Remuneração não é custo, mas parte do lucro FÓRMULAS DE CÁLCULO = Que taxa adotar? = Sobre que base aplicar esta taxa? 066

69 Remuneração do capital próprio TAXA Taxas e bases = Taxa de retorno médio da empresa = Rentabilidade média dos produtos mais lucrativos = Mercado competitivo = Empresário é o juíz = NTC usa 12% a/a mais 1% a/a sobre estoques de peças = Revistas especializadas usam 18% sobre inversão média anual BASE OU MÉTODO DE CÁLCULO = Método da prestação equivalente (custo de propriedade = depreciação + remuneração) = Valor do veículo novo = Valor do investimento médio anual = Dígito dos anos = Exponencial = Etc 067

70 Remuneração do capital próprio TAXA SOBRE VALOR INICIAL Método adotado pela NTC/Fipe C = P. i C = Prestação anual (ou mensal) i = Taxa anual (mensal) de retorno P = Preço do veículo novo, incluindo pneus, câmaras, protetores, terceiro eixo, rodoar, quinta-roda etc. Exemplo: Veículo de R$ ,00 a 1% ao mês: C = x 0,01 = R$ 1.000,00 mês Remuneração constante com a idade do veículo 068

71 Remuneração do capital próprio TAXA SOBRE VALOR INICIAL Exercício Adotar taxa de 13% ao ano (1% para estoque de peças) 1. MBB 1620 truicado (Fipe) R$ ,00 2. Preço do Rodoar R$ 663,40 3. Preço do furgão R$ ,00 Preço do veículo completo: (1) +2) + (3) Custo médio mensal da reumeração do capital: = R$ ,40 123; x( 0,13/12) = R$ 1.338,61 por mês 069

72 Remuneração do capital próprio pelo investimento médio anual Se cada ano existe a desimobilização de uma parcela do investimento correspondente a Desimobilização anual = (P L)/n Investimento médio anual = [(P L)(n + 1)/2n] + L JUROS ANUAIS = [(P L)(n + 1)/2n]i + Li P = Preço do veículo novo mais implementos L = Valor residual n = Vida útil em anos i = Taxa anual de juros k = L/P Coeficiente de juros mensais: r = {[2 + (n 1)(k +1)]/24n}i 070

73 Remuneração do capital próprio pelo investimento médio anual Admitindo-se n = 5 anos, resulta: r = {[1 + 2(k +1)]/60}i Se i = 18% ao ano, vem: r = {[1 + 2(k + 1)]/60}18/100 r = 3 [1 + 2(k + 1)]/1000 Se k = 0,35, vem r = 3 (1 + 2x1,35)/1000 = 0,0111 ao mês Para um veículo de R$ 100 mil de valor, a remuneração mensal do capital seria: R = x 0,0111 = R$ 1.110,00. X 071

74 Remuneração do capital próprio pelo investimento médio anual Exercício Calcular a remuneração do capital pelo método do investimento médio anual para os seguintes valores: P = R$ ,40 (MBB 1620 trucado furgão) n = 6 anos k = 20% = 0,20 j = 1% ao mês = (1, ) = 12,6825% ao ano Comparar o resultado com o obtido pelo método NT/Fipe r = {[2 + (n 1)(k +1)]/24n}i 072

75 Remuneração do capital próprio pelo investimento médio anual Exercício resolvido P = R$ ,17 (L 1620 trucado) n = 7 L =10% k = 0,20 j = 1% ao mês = 1, = 12,6825% ao ano Coeficiente de juros mensais: r = {[2 + (n 1)(k +1)]/24n}i r = [2 + (6x1,20)]/24x7)]x0, r = (9,20/168)x0, = 0,00604 Juros mensais = ,40 x 0,00604 Juros mensais = R$ 746,33 por mês Juros mensais = R$ 1.338,61 (método Fipe) Redução = 44,25% 073

76 Ano (a) Remuneração do capital próprio pelo método do dígito dos anos Valor = R$ ; Residual 20%; 6 anos; j = 12% 074 Depreciação Anual (b) Depreciação Acumulada (c ) Valor Inicial (d) Remuneração do capital (e) = 0,12x x(d) 1 0,229 0,229 1, ,00 2 0,190 0,419 0, ,00 3 0,152 0,571 0, ,00 4 0,114 0,686 0, ,00 5 0,076 0,762 0, ,00 6 0,038 0,800 0, ,00

77 Remuneração do capital próprio pelo método do dígito dos anos Exercício Calcular a remuneração pelo método do dígito dos anos para o caminhão MBB 1620 trucado P = ,40 n = 7 anos k = 0,8 j = 12% ao mês 0,12 x ,40 = ,00 075

78 Remuneração do capital próprio pelo método do dígito dos anos Ano (a) Dep. Anual (b) Dep. acum. (c) Esquema de cálculo 076 Valor inicial (d) Remuneração do capital (e) = (d) 1 0,8x(7/28 )= 0,

79 Ano (a) Remuneração do capital próprio pelo método do dígito dos anos Exercício resolvido 077 Dep. Anual (b) Dep. acum. (c) Valor inicial (d) Remuneração do capital (e) = x(d) 1 0,8x(7/28 )= 0,2000 0,2000 1, ,00 2 0,8x(6/28 )= 0,1714 0,3714 0, ,00 3 0,8(5/28) = 0,1429 0,5143 0, ,00 4 0,8x(4/28) = 0,1143 0,6286 0, ,00 5 0,8x(3/28) = 0,0857 0,7143 0, ,00 6 0,8x(2/28) = 0,0571 0,7714 0, ,00 7 0,8x(1/28) = 0,0286 0,8000 0, ,00

80 Remuneração pelo método exponencial F-4000 (1 - r) = 0,9109 (1-r) (1/8) = 0,4739 V o = ,00 i = 12% ao ano 078 Ano (a) Valor Inicial (R$) (b) Remuneração (R$/ano) 0,12 x (b) Ano (a) Valor (R$) (b) Remu -neração (R$/mês) 0,12 x (b) , , , , , , , , , , , , , ,52

81 Remuneração pelo método exponencial caminhão trucado Ano (a) 12% de ,40= , Valor inicial (b) a multiplicar por por R$ ,00 Remuneração Anual (R$) x (b) 1 0, = 1, ,00 2 0, = 0, ,00 3 0, = 0, , , = 0, ,00 5 0, = 0, ,00 6 0, = 0, ,00 7 0, = 0, ,00

82 Custos de propriedade (Remuneração mais depreciação) Elementos de matemática financeira 1. Montante L de um empréstimo L o, após n períodos à taxa de juros i: L = L o (1 + i) n = L o.v n (fez-se 1 + i = v) 2. Valor presente Lo de um montante L, a ser recebido após n períodos à taxa de juros i: L o = L/(1 + i) n = L/v n Exemplo: L = ,00 i = 2% n = 60 meses v n = (1 + i) n = (1 + 0,02) 60 =(1,02 60 ) = 3,2810 L o = (30.000,00/3,2810) = 9.144,00 080

83 Custos de propriedade (Remuneração mais depreciação) Elementos de matemática financeira 3. Fator que converte um valor presente VP em n prestações à taxa de juros i: FP = [(iv n /(v n 1)] = fator de prestação Exemplo: n = 60 meses, i = 2% v = 1,02 iv n = 0,02 x 1,02 60 = 0,02 x 3,2810 = 0,06562 v n 1 = 1, = 3, = 2,2810 FP = 0,06562/2,2810 FP = 0,02877 Um caminhão cujo preço à vista fosse de R$ ,00 Seria pago em 60 prestações de R$ 2.877,00, à taxa de 2% ao mês. 081

84 Remuneração do capital Cálculo do custo de propriedade P = Preço de compra = valor presente do veículo L = Valor residual após n anos (ou meses) R = Prestação anual (ou mensal) i = Taxa anual (mensal) de retorno v = 1 + i n = Período de depreciação em anos (ou meses) Valor presente do residual: Lo = L/v n VP líquido da compra à vista = P (L/v n ) Fator de prestação = iv n /(v n 1) Multiplicando-se um pelo outro: R = [(P (L/v n )] [(iv n /(v n 1)] R = Valor presente x fator de prestação 082

85 Remuneração do capital Exemplo Caminhão no valor de R$ 100 mil, utilizado durante cinco anos, com valor residual de 35%, e taxa de retorno de 20% ao ano (já embutida a inflação), terá como custo de capital: Valor presente do residual: L o = (35.000/1,20 5 ) = (35.000/2,4883) = ,72 Valor presente líquido a amortizar P L o = ,72 = ,28 Fator de prestação iv n = 0,20x1,20 5 = 0,4977 v n 1 = 1, = 1,4883 (0,4977/1,4883) = 0,3344 Valor da prestação anual ,28 x 0,3344 = ,68 por ano 083

86 Remuneração do capital Exemplo (cont.) 084 Para calcular a prestação mensal, usar a taxa mensal equivalente: 1,20 (1/12 ) - 1 = 0,01531 = 1,531% a/m em 60 meses. Valor presente do residual: L o = (35.000/1, ) = (35.000/2,4883) = ,72 Valor presente a amortizar P L o = ,72 = ,28 Fator de prestação iv n = 0,01531x1, = 0, v n 1 = 1, = 1,4883 (0,038395/1,4883) = 0,02596 Valor da prestação anual ,28 x 0,02596 = 2.199,96 por mês Média = (28.734,68/12) = 2.394,56 por mês

87 Remuneração do capital Exemplo Caminhão no valor de R$ 100,000,00, durante três anos mediante leasing, com taxa de 2% ao mês e valor residual de 40%. - VP = (40.000/1,02 36 ) = (40.000,00/2,0399) - VP = ,07 - Fator de prestação = (0,02x1,02 36 )/(1, ) - Numerador = 0,02 x 2,0399 = 0, Denominador = (1, ) = 2, = 1, Fator de prestação = (0,04080/1,03988) = 0, Custo do leasing = 0,03923 x ,07 - Custo do leasing = R$ 3.153,97 por mês 085

88 Remuneração do capital Exercício Caminhão MBB 1620 trucado P = ,00 i = 1% ao mês n = 72 meses k = 0,20 L = 0,20 x ,40 = ,00 Precisão: unidades de Reais 1. Calcular Lo = L/iv n = ,00/1, Calcular P Lo 3. Calcular iv n = 0,01 x 1, Calcular v n 1 = 1, Calcular iv n /(v n 1) = Coeficiente 6. Multiplicar o coeficiente por P Lo 086

89 Remuneração do capital Exercício - Esquema Variável Fórmula Cálculo Resultado 1.Preço à vista P ,00 2. Valor residual L 0,2 x (1) ,00 3. Vida útil (meses N Taxa de juros i 0,01 5. V n (1 + i) n 1, L o L/v n /(5) 7. Valor presente P - Lo (1) (6) 8. Numerador Iv n 0,01x(5) 9. Denominador v n - 1 (5) Coeficiente FP (8)/(9) 11. Prestação mensal (10)x(7)

90 Remuneração do capital Exercício resolvido Valor presente do valor residual L = ,00 L o = ,00/(1,01 72 ) = (24.173,00/2,0471= ,00 Valor presente do fluxo de caixa P - L o = , ,00 = ,00 Coeficiente de prestação iv n = 0,01x1,01 72 = 0,01x 2,0471 = 0,02047 v n 1 = 2, = 1,0471 [iv n /(v n 1)] = (0,02047/1,0471) = 0,01955 Prestação mensal ,00 x 0,01955 = R$ 2.188,00 088

91 Salários de motorista e encargos sociais - Variam como tipo de serviço: rodoviário, urbano, carga perigosa etc. - Variam com o porte do veículo. - Devem sofrer acréscimo para cobrir refeições, uniformes, motoristas de reserva e motoristas locais (de manobras) - Horas extras são pagas com acréscimo. - Se são usados mais de um motorista (pontes rodoviárias ou operações 24 horas), eles devem ser incluídos na planilha. - Veículos urbanos geralmente têm baixa quilometragem - Veículos rodoviários geralmente rodam altas quilometragens. 089

92 Salários de motorista e encargos sociais Incidência dos encargos sobre a folha de pagamentos: 99,18% NTC 102,06% Pastore & Gandra Tipos de encargos sociais: Grupo A - Obrigações sociais Grupo B - Tempo não trabalhado, com reincidência Grupo C Tempo não trabalhado, sem reincidência Grupo D - Reincidências de A sobre B Hipóteses de cálculo: Dias trabalhados: 250 dias Feriados: 11 dias Dias úteis de férias: 25 Domingos: 53 Sábados: 52 ½ dias 090

93 Salários de motorista e encargos sociais Grupo A Obrigações sociais Previdência social 20,00 2. FGTS 8,50 3. Salário Educação 2,50 4. Acidentes de trabalho (estimativa) 3,00 5. Sest 1,50 6. Senat 1,00 7. Sebrae 0,60 8. Incra 0,20 9. INSS sobre décimo-terceiro salário 2,40 Total Grupo A 39,70

94 Salários de motorista e encargos sociais Grupo B Tempo não trabalhado, com reincidência Repouso semanal remunerado (53/250)x100 21, Férias (25 x 1,33/250)x100 13, Feriados (11/250)x100 4, Aviso Prévio trabalhado [(12/44)(30/250)]x100 (2 horas por dia = 12 horas por semana) 3, Auxílio-enfermidade (15/250)x100 0, Auxílio patermidade [(5/250) x0,5] x 100 0, Semana de 44 horas (26/250)x100 10,40 Total Grupo B 53,27 Total Grupo B (10) (12) 27,67

95 Salários de motorista e encargos sociais 090 Grupo C Tempo não trabalhado, sem reincidências 17. Décimo terceiro salário (30/250)x100 12, FGTS por rescisão (8,5x1,5327x0,50) 6,51 Total do Grupo C 18,51 Grupo D Reincidências 19. FGTS sobre 13o. Salário (8,5x0,12) 1, Reincidências de A sobre B (39,70% x 0,5327) 21,15 Total do Grupo D Total geral sobre dias trabalhados 22,17 133,65

96 Salários de motorista e encargos sociais Total de encargos sobre a folha de pagamentos Grupo A 39,70 Grupo B 27,67 Grupo C 18,51 Reincindências A sobre B (39,70x0,2767) 10,98 FGTS sobre 13o. Salário 1,02 Subtotal 97,88 Vale-transporte 1,30 Total sobre a folha 99,18 094

97 Salários de motorista e encargos sociais EXERCÍCIO Fipe MBB Salário médio mensal...r$ ,00 2. Taxa de encargos sociais (%) 99,18 Salário de motorista = (1)x[ 1+ (2)/100)] = ,00 x 1,9918 = R$ 2.295,00 por mês 095

98 Salários e encargos de pessoal de oficina Custos devem ser levantados a partir das ordens de serviço e apropriados por categoria e idade. Na ausência de dados, podem ser estimados a partir do salário médio de oficinas e da relação veículos/funcionário de oficina - Custo mensal = S. (1 + e/100)/n S = Salário médio mensal e = encargos sociais em % sobre salário n = número de veículos atendidos por funcionário 096 x Categoria n Categoria n Pesado 3 Médio toco 4 Sempesado 4 Leves 5 Médio trucado 4 Furgões (Kombi) 6

99 Salários e encargos de pessoal de oficina - Exercício MBB 1620, Fipe Salário de oficina... R$ 925, Encargos sociais (%)... 99,18 3. Veículos atendidos por mecânico... 2,00 Custo mensal = (1) x (2)/[100x (3)] = 925,00x1,9918/2,00 Custo mensal = R$ 921,20 por mês 097

100 Imposto sobre Veículos Automotores (IPVA) Alíquota anual sobre o valor do do veículo IPVA/mês = P.a/12 P = valor do veículo a = alíquota anual = 1,0% no PR, PE, MG, DF. RJ, SC, RS e RN = 1,5% em São Paulo = 2,0% no Espírito Santo Opcionalmente, pode ser usada a tabela de valores publicada pelos jornais no final de cada ano e disponível no site da Secretaria da Fazenda: 098

101 Valores do IPVA em São Paulo (%) 6,0 automóveis de passeio movidos a diesel; 5,0 embarcações, aeronaves e automóveis de corrida a gasolina/diesel; 4,0 automóveis de passeio e camionetas de cabine dupla. 3,0 automóveis de passeio, de esporte, de corrida, camionetas, exceto utilitários, movidos a álcool, álcool/gnc, elétrico, gasolina/gnc e gás metano; 2,0 camionetas de carga, motocicletas, ciclomotores e similares, ônibus/microônibus e tratores; 1,5 caminhões com capacidade de carga superior a 1 tonelada. 1,0 embarcações com mais de 20 anos de fabricação. 099

102 Exemplo de cálculo do IPVA 100 Ano Valor IPVA anual IPVA mensal ,00 153, ,00 143, ,50 129, ,00 115, ,50 109,38 Média 130,00

103 Licenciamento e DPVAT LICENCIAMENTO Pequena taxa por ano Pode ser acrescida ao IPVA, para simplificar os cálculos. DPVAT DANOS PESSOAIS VEÍCULOS AUTOMOTORES Cobre riscos contra terceiros em acidentes. Cobrado junto com o IPVA. Valor: R$ 55,43, já incluído IOF. Também pode ser acrescida ao IPVA 101

104 Licenciamento e DPVAT Exercício LICENCIAMENTO MBB 1620 Fipe 1. Taxa de IPVA em São Paulo...R$ 1.756,72 2. DPVAT... R$ 55,43 3. Taxa de licenciamento R$ 13,86 Licenciamento por mês = [ (1) +( 2) +(3)]/12 = (1.826,01/12) Licenciamento por mês = R$ 152,17 por mês 102

105 Seguro de responsabilidade civil facultativo - - RCF-DM Cobre danos materiais contra terceiro x - - RCF DP Cobre danos pessoais contra terceiros Os valores do prêmios (PR) são fornecidos pelas seguradoras em função da importância segurada. O cálculo usa a fórmula: RCF = [ PRDP + PRDM + CA)x1,07]/12 RCF = Seguros de responsabilidade civil facultativo por mês PRDP = Prêmio de dados pessoais PRDM = Prêmio de danos materiais CA = Custo da apólice = R$ 60,00 1,07 = Inclusão do IOF 0103

106 Seguro de responsabilidade civil facultativo MBB 1620 trucado Danos materiais...r$/ano 449,17 Danos pessoais...r$/ano 367,51 Apólice... R$/ano 60,00 Soma...R$/ano 876,68 IOF...% 7,00 Custo mensal = 1,07 x 876,68/12 = 78,17 104

107 Seguro do casco - Cobre colisão, incêndio e roubo x - É facultativo. - Taxa varia, mas é elevada. - Inclui um percentual alto sobre o valor ideal (VI) e outro menor sobre a importância segurada (IS). - Inclui ainda IOF e custo da apólice - Custo total pode chegar a 10% do valor do veículo - Exige franquia. - Despesa só se justificaria se houvesse uma perda total por ano a cada 10 veículos. - Maioria das transportadoras retém este risco. - Mas o custo deve ser incluído na planilha - 105

108 Seguro do casco Fórmula de cálculo - SV = (PRxC 1 + ISxC2 + CA)x1,07/12 - SV = Seguro do veículo - PR = Prêmio de referência - IS = Importância segurada - C 1 e C 2 = Coeficientes técnicos - CA = Custo da apólice - 1,07 = Fator de IOF - 106

109 Seguros - Exercício MBB 1620 trucado 1, Valor total do veículo ,00 2. Valor do rodoar ,00 3. Valor do veículo ,00 4. Valor total do furgão ,00 5. Taxa de seguro do veículo... 6,60% 6. Taxa de seguro do furgão... 9,97% 7. RCF-DP do veículo., ,17 8. RCF-DM do veículo ,51 9. Custo da apólice... 60, IOF... 7% Seguro mensal veículo = (3) x(5)/(100x12) = 648,18 Seguro mensal furgão = (4) x (6)/(100x12) = 97,91 Seguro RCF-DP = (6)/12 = 37,43 Seguro RCF-DM = (7)/12 = 30,62 Custo mensal da apólice = (9)/12 5,00 11.Custo total mensal (soma x 1,07) 772,21 Custo mensal com IOF = [(11)x (um + (10)] = 826,15 107

110 Custos variáveis - Combustível - Pneus, câmaras, recapagens e protetores - Peças e material de oficina - Óleo de cárter Óleo de cambio e diferencial Lavagens e graxas 108

111 Combustíveis DC = PC/RM DC = Despesa com combustível PC = Preço médio do combustível por litro RM = Rendimento médio, em km/litro EXEMPLO PC = R$ 1,51/litro RM = 2,50 km/litro DC = (1,51/2,5) = R$ 0, 604/ km EXERCÍCIO MBB 1620 PC = R$ 1,3551litro RM = 3,58 km/litro DC = (1,355/3.56) = R$ 0,3785/km 109

112 Combustíveis Alguns fatores que influem no consumo: - Maneira de dirigir - Tecnologia do motor - Regulagem do motor e da bomba - Estado dos pneus - Qualidade do combustível - Tipo de rodovia - Velocidade - Rampa (greide) - Carga (carregado, meia carga, vazio) 110

113 Combustíveis A equação de consumo pode ser determinada por regressão linear levando-se em conta as variáveis: G = Greide (%) V = velocidade L = Carga F = Consumo ml por segundo F = A o + (A 1 + A 2 C+ A 3 I) A 4 V A o, A 1, A 2, A 3 e A 4 = coeficientes C=0 para veículo vazio C =1 para veículo carregado Consumo do Scania, estrada pavimentada, aclives: C = 1,35 0,403L+ 0,054)L + 1 ) 1,32 V + 0,026(L+1) 1,32 GV Consumo do Scania, estrada não pavimentada, aclives: C = 1,02 0.3L + 0,072(L +1)V + 0,03(L + 1) 1,45 GV 11Fonte: PICR, Geipot. 111

114 CONSUMOS (litros/hora) 60,00 50,00 40,00 INFLUÊNCIA DO GRADE POSITIVO E DA VELOCIDADE NO CONSUMO - SCANIA CARREGADO Fonte: PICR, Geipot 0% 2% 4% 30,00 20,00 10,00 0, VELOCIDADES (km/h)

115 Consumo (litros/hora) INFLUÊNCIA DO GREIDE NEGATIVO E DA VELOCIDADE NO CONSUMO - SCANIA - Fonte: PICR, Geipot 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 0% -2% -6% -7% 5,00 0, Velocidade (km/h)

116 Consumo (litro/hora) INFLUÊNCIA DA CARGA NO CONSUMO SCANIA - Fonte: PICR, Geipot 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 Carregado Vazio Velocidade (km/h)

117 Combustíveis Controle e redução de consumo D - -Escolha de motores - -Ajuste da bomba injetora, manutenção dos bicos - -Ao abastecer, complete o tanque e anote os dados - - Convênios com postos - - Sistemas eletrônicos de controle (CTF) - - Evita desvios de rotas - Reduz papelada (NF) - - Dispensa dinheiro vivo - Elimina fraudes - -Relatórios mensais de consumo por veículo - - Tanques sobressalentes (ida e volta)- - - Roteiros para entregas urbanas, planejamento do itinerário, de - forma a evitar vias congestionadas, mesmo com percurso maior. - - Treinamento de motoristas - - Controle da pressão dos pneus - 115

118 Combustíveis Controle e redução de consumo D - - Dirigir com vidros fechados - - Não ficar parado com motor ligado - - Regular motor periodicamente em função da altitude; - - Instalar conta-giros e dirigir na faixa econômica (verde) - Realizar manutenção do motor de acordo com as instruções do manual; - Verificar periodicamente a cor da mistura ar-combustível fumaça cinza clara = combustão perfeita fumaça preta, branca ou azul = desperdício - Manter em ordem as válvulas termostáticas, para permitir ao motor funcionar na temperatura ideal - Instalar bomba própria 116

119 Combustíveis Controle e redução de consumo D - - Evitar arrancadas e freada bruscas - - Dirigir acelerando suavemente e usando o freio o mínimo - possível - - Usar freio-motor nas descidas (marcha engrenada) - - Evitar altas velocidades, para reduzir a resistência - aerodinâmica; - - Evitar sobrecargas - - Reduzir ao mínimo possível as trocas de marchas - - Uso de defletores de ar - 117

120 Pneus e recauchutagens PR ={[1,2(P + C +PP)xNP] + RxNPxn)}/VP PR = Custo dos pneus/km 1.2 = Coeficiente que inclui 20% de perda P = Preço do pneu novo C = Preço da câmara PP = Preço do protetor NP = Número de pneus do veículo (exceto estepe) R = Preço da recuperação de um pneu VP = Vida útil total do pneu n = número médio de recuperações x 118

121 Pneus e recauchutagens Exemplo de cálculo Cavalo 4x2 tracionando carreta de 3 eixos, com pneus 11.00Rx22 P = R$ 1.094,09 C = R$ 72,27 PP = R$ 38,38 P + C + PP = 1.204,74 NP = 18 R = R$ 250,00 VP = = km n = número médio de recuperações = 2 PR ={[1,2(P + C +PP)xNP] + RxNPxn)}/VP PR = {[1,2x (1.94, , ,38)x18] + (250,00x18x2)]}/ PR + (1,2x18x1.204, ,00)/ PR = (26.022, ,00)/ = ,38/ PR = R$ 0,1751/km 119

122 Pneus e recauchutagens Exercício Caminhão MBB L 1620 trucado pneus 10.00Rx22 (Planilha Fipe janeiro 2.002) P = R$ 775,79 C = R$ 63,37 PP = R$ 26,83 P + C + PP = 865,99 NP = 10 R = R$ 232,40 VP = km n = número médio de recuperações = 1 Coeficiente de perdas prematura de carcaças = 20% PR ={[1,2(P + C +PP)xNP] + RxNPxn)}/VP 120

123 Pneus e recauchutagens Exercício resolvido PR ={[1,2(P + C +PP)xNP] + RxNPxn)}/VP PR = (1,2 x10 x 865, ,40 x 10)/ PR = (9.632, ,80)/ = (10.391, ,00)/ PR =12.715,88/ PR = 0,0522/km

124 Pneus e recauchutagens Regras de otimização - Evitar velocidades excessivas - Evitar partidas rápidas, derrapagens e travamento de rodas - Evitar raspadas nas guias - Manter a pressão correta - Fazer rodízio periódico para uniformizar desgaste - e detectar cortes, rachaduras, sobrecargas etc - Alinhar e balancear rodas, regular freios, casar bem os pneus. - Não deixar pneus desgastados nos eixos de tração e direcionais.

125 Pneus e recauchutagens Regras de otimização - Radiais sem câmara, de baixo perfil, com rodas de D alumínio, embora com maior valor inicial, são muito mais duráveis e vantajosos: - Menor aquecimento - Maior rendimento quilométrico - Menor deformação em altas velocidades - Maior aderência ao solo - Maior estabilidade do veículo - Menor espaço de frenagem - Melhor resposta à potência do motor - Menor custo por quilômetro rodado Desvantagens - Exige suspensão apropriada - Mais duro, transmite para a suspensão todas as deficiências da rua e estrada, o que limita seu uso no Brasil. 123

126 Pneus e recauchutagens Regras de otimização - Remolde permite maior aproveitamento da carcaça e é D solução ecologicamente correta. - Máquinas substituem as mãos na montagem e desmontagem - Fazer uma boa manutenção do veículo Acertar bem a suspensão Evitar jogo nos terminais da barra de direção Evitar folgas nos rolamentos de rodas Evitar deformações do chassi Substituir molas avariadas Substituir amortecedores em mau estado Evitar eixos deformados Não usar pino-mestre com desgaste - Distribuir bem a carga e evitar sobrecargas - 124

127 Pneus e recauchutagens Estrada, temperatura e acidentes ESTRADA - Pavimentação irregular aumenta abrasão e choques contra o piso - Curvas fechadas sobrecarregam rodas externas, devido à força centrífuga - Tipo de piso influi na vida útil: terra, macadame, asfalto etc. - Ondulações, montanhas e lombadas TEMPERATURA - Temperaturas elevadas dificultam a dissipação do calor - Quando combinadas com altas velocidades, levam ao descolamento da banda de rodagem ou das lonas, neste último caso, com risco de rompimento dos cordonéis. - Vida da banda reduz-se 50% em regiões sujeitas a grande variações de temperaturas ACIDENTES - Pregos e materiais metálicos - Choques contra obstáculos (trilhos, pedras, buraco, meio-fio etc). CONFIGURAÇÃO (Arraste) - Eixos distanciados (varões) x bitrens D 125

128 Pneus e recauchutagens TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO Recapagem x recauchutagem Recuperação Recuperação a quente x a frio (premoldado) Remanufatura do pneu ECONOMIA x SEGURANÇA - Do ponto de vista econômico, a recuperação é sempre vantajosa, pois reaproveita a carcaça, que representa mais de 70% do custo -Para conciliar este aspecto com a segurança, é preciso selecionar com critério o prestador de serviço. -É preciso selecionar com critério também as carcaças que serão recuperadas severas (estradas ruins e sobrecargas) não são bons candidatos à recuperação

129 Pneus e recauchutagens Recuperação PNEUS QUE NÃO DEVEM SER RECUPERADOS - Desagregação na zona do flanco, com levantamento ou queima dos cordonéis (sobrecarga ou baixa pressão). -Avaria no talão (baixa pressão, sobrecarga, aros inadequados, montagem ou desmontagem inadequadas). - Cortes extensos na carcaça. - Deslocamento entre as lonas e a banda de rodagem (baixa pressão, sobrecarga, velocidade excessiva, infiltração de pedras) -Banda de rodagem excessivamente desgastada (90% dos acidentes com pneus ocorrem nos 10% finais de uso. Deve-se retirar o pneu com sulco de 1,6 mm. - Retirada dentro desse limite evita acidentes, evita comprometimento das lonas e permite a raspagem necessária para a reforma. D - 127

130 Pneus e recauchutagens Controle - Maneiras de controlar custos para escolher modelos D - mais adequados para cada serviço: fichas e softwares - Pneus devem ser identificados (chips, marcação a fogo). - SISTEMA DE FICHAS - - Cartão de troca de pneus (com desenho) - - Registro do veículo Pneus do veículo e sua posição - - Ficha de quilometragem do pneu (ativos, em reparados, - no estoque e mortos) - - Registro diário de quilometragem do veículo Cavalo e - carreta devem ter fichas separadas. - SOFTWARES - RD TALENTUM, Produsoft, Vipal, Softran, Ad Hoc etc

131 Peças e material de oficina - PM = P.k/DM - PM = Custo/km de peças e material de oficina - P = Preço do veículo novo sem pneus - k = Coeficiente mensal de consumo (entre 0,9 e 1,4%) - DM = Quilometragem média mensal. - EXEMPLO - P = R$ ,00 - k = 1,2% - DM = km por mês - PM = x 0,012/ = R$ 0,1200 km - ALTERNATIVA - Usar os dados da própria empresa - 129

132 Peças e material de oficina Exercício MBB 1620 trucado Fipe Valor do veículo completo sem pneus ,50 Taxa mensal de consumo de peças... 1,35% Quilometragem mensal Custo/km = ,00x 1,35/(100 x 9.553) Custo/km = 0,1722

133 - 131 Peças e material de oficina Noções de manutenção - MANUTENÇÃO DE OPERAÇÃO (motorista) D Condução adequada - - Observação constante do veículo, recorrendo à oficina - sempre que constatar alguma irregularidade - - Verificação constante dos instrumentos, indicadores, - níveis de óleo, nível de água do radiador, - - Limpeza geral - - Guarda do veículo

134 132 Peças e material de oficina Noções de manutenção - MANUTENÇÃO PREVENTIVA D - - Prolongar a vida e reduzir paradas através de troca - antecipada de peças ou conjuntos - - Vistoria do veículo a partir de planos progressivos - baseados em quilometragem ou tempo (horas) - - Aumenta a produtividade e melhora a qualidade - (especialização) - Melhora o desempenho do veículo e aumenta sua vida - Permite padronização dos tempos dos troca e melhor controle da vida de peças e conjuntos.

135 Peças e material de oficina Noções de manutenção MANUTENÇÃQ CORRETIVA (de emergência) D - Consertos provocados por quebra de peças, desgaste anormal, curtos circuitos, estradas ruins, freadas bruscas, choques etc. - Além de reparar o veículo, é preciso identificar as causas, para que o defeito não se repita; - Exige mão-de-obra qualificada e experiente, para identificar e corrigir os defeitos

136 Peças e material de oficina Noções de manutenção MANUTENÇÃO DE CONJUNTOS D - Recuperação dos conjuntos fora do veículo, em bancadas apropriadas, a base de troca - Reduz horas ociosas do veículo e dos mecânicos - Melhora a qualidade do serviço - Exemplos: motor, câmbio, diferencial, motor de arranque, alternador, bateria, pneus, caixa de direção, panela de freios etc. CONTROLE DA MANUTENÇÃO - - Essencial para determinar a vida útil econômica - - Levantados a partir das ordens de serviços, documento - onde se registram custos das peças e mão-de-obra 134

137 Óleo de cárter L M = [PLM x (VC + VR)]/QM LM = Custo do óleo do motor por quilômetro PLM = Preço por litro do óleo de motor VC = Capacidade do cárter (em litros) VR = Reposição entre trocas (remonte) em litros (pode ser estimada em 0,5% do consumo de diesel). QM = Quilometragem entre trocas EXEMPLO: MBB L 1620 Fonte: Fipe PLM = 4,74 QT = km x Capacidade do cárter = 15 litros Reposição entre trocas = 9 litros LM = [4,74 x (15 + 9)]/ = 4,74/ LM = R$ 0,

138 Óleo de câmbio e diferencial LCD = (PLC x VC)/QT LCD = Custo do óleo de câmbio e diferencial por quilômetro PLC = Preço por litro do óleo de câmbio e diferencial VC = Capacidade do câmbio e diferencial (em litros) QT = Quilometragem entre trocas EXEMPLO: MBB L 1620 Fonte: Fipe PLC = 9,27 QT = km Capacidade do câmbio e diferencial = 10,25 litros LCD = [9,27 x 10,25]/ LCD = R$ 0,0021/km x 136

139 Lavagem e graxas LG = PL/PQ LG = Custo de lavagem e graxas por quilômetro PL = Preço de uma lavagem (postos de serviço) PQ = Quilometragem entre duas lavagens EXEMPLO: MBB L 1620 Fonte: Fipe PL = 89,48 QL = km LG = 89,48/4.536 LG = R$ 0,0197/km 137

140 Planilha NTC de custos - Banco de dados com cálculos vinculados - Residual fixo - Remuneração sobre preço zero: 12% mais 1% para peças; - Depreciação exclui pneus - Pneus com 2 recapagens, perda de 20% - Seguro de casco - RCFDP e DM - Outras características 138

141 Plano de trabalho FRETES Despesas Administrativas e de Terminais (DAT) Cálculo do frete-peso Exercícios Custos de coleta e entrega Custo Valor Custo de Gerenciamento de Riscos (GRIS) Taxas Pedágios Acréscimos e decréscimos Esclarecimento de dúvidas Discussão em grupo 139

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas

Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas São Paulo, 01/12/2008 Neuto Gonçalves dos Reis Mestre em Engenharia de Transportes (EESC-USP) Pós-graduado em Administração de Empresas (FGV) Pós-graduado

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

TERMO DE GARANTIA PARA CÂMARAS DE AR E PROTETORES PARA VEÍCULOS DE PASSEIO, CAMIONETAS, VEÍCULOS DE CARGA (CAMINHÕES E ÔNIBUS) E AGRÍCOLAS

TERMO DE GARANTIA PARA CÂMARAS DE AR E PROTETORES PARA VEÍCULOS DE PASSEIO, CAMIONETAS, VEÍCULOS DE CARGA (CAMINHÕES E ÔNIBUS) E AGRÍCOLAS AS CONDIÇÕES DESTA GARANTIA PASSAM A VALER PARA PRODUTOS COMERCIALIZADOS PELA TORTUGA CÂMARAS DE AR ADQUIRIDOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2011. Além da garantia legal, a Tortuga Câmaras de Ar, garante

Leia mais

Leia com atenção este termo de garantia, mantenha-o ao seu alcance e consulte-o sempre que surgir dúvidas. TERMO DE GARANTIA

Leia com atenção este termo de garantia, mantenha-o ao seu alcance e consulte-o sempre que surgir dúvidas. TERMO DE GARANTIA Leia com atenção este termo de garantia, mantenha-o ao seu alcance e consulte-o sempre que surgir dúvidas. TERMO DE GARANTIA A Maggion Inds. de Pneus e Máquinas Ltda. garante, por um período de 5 ( cinco

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz

Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais. Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Contratos de Manutenção Mercedes-Benz para Veículos Comerciais Bom para o seu veículo, rentável para o seu negócio. Mercedes-Benz Em um cenário competitivo, o sucesso não é determinado apenas pela oferta

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS: A AVALIAÇÃO DO CUSTO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS DE CARGA

GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS: A AVALIAÇÃO DO CUSTO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS DE CARGA GESTÃO ESTRATÉGICA DOS CUSTOS LOGÍSTICOS: A AVALIAÇÃO DO CUSTO DE TRANSPORTE DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS DE CARGA Daniel de Castro Feijo (UFC) danielcfeijo@gmail.com Rogerio Teixeira Masih (UFC) rogeriomasih@gmail.com

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

Termos e Condições de Garantia Limitada dos Pneus Kumho

Termos e Condições de Garantia Limitada dos Pneus Kumho Termos e Condições de Garantia Limitada dos Pneus Kumho O presente Termo de Garantia Limitada cobre os pneus da marca Kumho, Marshal e Zetum comercializados no Brasil, pela Kumho Tire do Brasil, bem como

Leia mais

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br

Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br Rua Estela, 515 Bloco B Cj. 81 - CEP 04011-002 - São Paulo / SP 5087-4242 - ettl@ettl.com.br - www.ettl.com.br CÁLCULO DE TARIFA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR AVALIAÇÃO DE LONGO PRAZO Stanislav Feriancic /

Leia mais

CUSTOS OPERACIONAIS, FRETES E RENOVAÇÃO DE FROTAS

CUSTOS OPERACIONAIS, FRETES E RENOVAÇÃO DE FROTAS 1 NTC Associação Nacional do Transporte de Cargas CUSTOS OPERACIONAIS, FRETES E RENOVAÇÃO DE FROTAS (Atualizado em agosto 2.001) NEUTO GONÇALVES DOS REIS Mestre em Engenharia de Transportes pela EESC-USP

Leia mais

Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte - Estudo de caso aplicado ao mercado GLP

Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte - Estudo de caso aplicado ao mercado GLP Análise dos impactos operacionais e financeiros da lei 12.619/12 sob o custo de transporte Estudo de caso aplicado ao mercado GLP Davidson de Almeida Santos, MSC. 1 Telmo Roberto Machry, MSC. 2 Resumo.

Leia mais

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros CUSTOS Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros O modelo de cálculo da NTC&Logística parte do pressuposto de que a transportadora usa apenas veículos próprios. L F = ( A + Bp + DI)(1 + ) 100

Leia mais

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS

TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG DADOS TÉCNICOS DO CTA ESTATÍSTICAS TARIFA SIMPLIFICADA METODOLODIA DE UBERLÂNDIA-MG SETTRAN - secretaria Municipal de Trânsito e Transportes CTA - Controle de tráfego em área Autor: Aílton Borges SETTRAN- - Tarifa simplificada metodologia...

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

Como Reduzir os Custos em Transportes

Como Reduzir os Custos em Transportes Como Reduzir os Custos em Transportes Marco Antonio Oliveira Neves Diretor da Tigerlog Consultoria e Treinamento em Logística Ltda marcoantonio@tigerlog.com.br www.tigerlog.com.br Setembro/2013 A difícil

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 Uma boa fatia dos custos de produção é atribuída ao transporte de materiais dentro da empresa, no abastecimento das linhas de produção, no armazenamento de matéria primas

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

Apostila de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas

Apostila de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas FBV Cursos Online com Certificado Apostila de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Inclui o Manual de Acréscimos e Decréscimos contato@fbvcuros.com.br www.fbvcursos.com.br

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

SOLUÇÕES PARA O TRANSPORTADOR AUTÔNOMO:

SOLUÇÕES PARA O TRANSPORTADOR AUTÔNOMO: SOLUÇÕES PARA O TRANSPORTADOR AUTÔNOMO: Nesta categoria de transportador o motorista é o proprietário do caminhão, desta forma, sente na pele as decisões de compras em todas as áreas do seu veículo. Nos

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XII INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO 1. APRESENTAÇÃO Neste anexo são apresentadas as instruções para o preenchimento dos quadros para as projeções econômico-financeiras. Os modelos dos

Leia mais

Estimativa do Comportamento dos Preços dos Insumos do TRC para 2008

Estimativa do Comportamento dos Preços dos Insumos do TRC para 2008 Estimativa do Comportamento dos Preços dos Insumos do TRC para 2008 Estimativa é método de cálculo da facturação, utilizado na ausência de leituras reais, que consiste na determinação de valores de consumo

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS. Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS. Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A.- CERON PROGRAMA LUZ PARA TODOS Anexo I - Planilha Orçamentária - Composição de Custos -DOC/DOCA Objeto: Referência: PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística

Leia mais

Gerencie adequadamente os custos da sua frota

Gerencie adequadamente os custos da sua frota Gerencie adequadamente os custos da sua frota O que é gestão de Frota? De acordo com definição encontrada no livro Gerenciamento de Transporte e Frota, o termo gestão de frota representa a atividade de

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

Fiscalização e controle do excesso de peso nos veículos de carga nos aspectos relacionados

Fiscalização e controle do excesso de peso nos veículos de carga nos aspectos relacionados Palestra CEDATT Fiscalização e controle do excesso de peso nos veículos de carga nos aspectos relacionados com a segurança viária Eng. Rubem Penteado de Melo, MSc rubem@transtech.com.br 41 30333033-8700

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/15 Ano Vigente - Ano Vigente 2015 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas

Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Associação Nacional do Transporte de Cargas Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Inclui o Manual de Acréscimos e Decréscimos Publicado em outubro de 1.990

Leia mais

Segurança dos Pneus. Data de validade

Segurança dos Pneus. Data de validade Segurança dos Pneus Dirigimos diariamente e quase nunca prestamos atenção a uma das partes mais importantes do automóvel, O PNEU. Veja a seguir como ler e entender a fabricação e o uso correto de um pneu.

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 57 AGOSTO/79 GASOGÊNIO NO TRANSPORTE FLORESTAL: ANÁLISE EXPLORATÓRIA

CIRCULAR TÉCNICA N o 57 AGOSTO/79 GASOGÊNIO NO TRANSPORTE FLORESTAL: ANÁLISE EXPLORATÓRIA IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 57 AGOSTO/79 PBP/3.1.6.3 GASOGÊNIO NO TRANSPORTE FLORESTAL: ANÁLISE EXPLORATÓRIA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL)

Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL) Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL) A planilha referencial de cargas secas fracionadas (mercadorias de vários embarcadores para vários destinatários, geralmente incluindo

Leia mais

Programa de Garantia Estendida Bandag

Programa de Garantia Estendida Bandag Programa de Garantia Estendida Bandag Introdução... 03 Política da Garantia Estendida Bandag... 04 1. Condições gerais de garantia... 04 Objetivo... 04 2. O que pode ser garantido... 04 Os 3 níveis da

Leia mais

Programas de Manutenção Scania.

Programas de Manutenção Scania. . Melhor performance, maior economia. SCAN1112_0857_Folheto_210x297mm.indd 1 A alta produtividade que somente um Scania pode apresentar é potencializada com os Programas de Manutenção Scania. Para oferecer

Leia mais

Caminhoneiros no Brasil RELATÓRIO SÍNTESE DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS. Autônomos e Empregados de Frota

Caminhoneiros no Brasil RELATÓRIO SÍNTESE DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS. Autônomos e Empregados de Frota Caminhoneiros no Brasil RELATÓRIO SÍNTESE DE INFORMAÇÕES AMBIENTAIS e Empregados de Frota Relatório síntese de informações ambientais ÍNDICE Apresentação... 1. Dados da Pesquisa... 3. Perfil do Caminhoneiro.1

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS.

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

12 DICAS IMPORTANTES PARA MELHORAR O DESEMPENHO DOS PNEUS DO SEU CAMINHÃO

12 DICAS IMPORTANTES PARA MELHORAR O DESEMPENHO DOS PNEUS DO SEU CAMINHÃO 12 DICAS IMPORTANTES PARA MELHORAR O DESEMPENHO DOS PNEUS DO SEU CAMINHÃO COMEÇANDO PELOS JÁ FAMOSOS 5 LADRÕES DE KM O custo com pneus é um dos itens mais pesados na planilha de custo de um transportador,

Leia mais

Dirigir ecologicamente com

Dirigir ecologicamente com Global Training. The finest automotive learning rpm x 100 Dirigir ecologicamente com PREFÁCIO Convidamos você para participar: - Treinamento de Condução Econômica, transmitindo-lhe conhecimento sobre uma

Leia mais

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS

METODOLOGIA APLICADA CONSIDERAÇÕES INICIAIS METODOLOGIA APLICADA Os critérios metodológicos adotados para o cálculo tarifário tiveram como parâmetro o Manual de Instruções Práticas Atualizadas IPA, instituído pela Portaria Nº 644/MT, de 09 de julho

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES. 06 de Junho de 2013

1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES. 06 de Junho de 2013 01 1º. Seminário Internacional Sobre Eficiência Energética de Veículos Pesados DESPOLUIR/CNT PNEUS VERDES 06 de Junho de 2013 02 Índice A Indústria Brasileira de Pneus ANIP pg 03-09 Pneus Verdes ou Biopneus

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que por conta da Resolução CONAMA 403/2008, a partir de 1º de janeiro de 2012, entrou em vigor a Fase P-7 do Programa

Leia mais

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Leonardo Maluta (POLI-USP) leonardo.maluta@poli.usp.br Enrico Barnaba Ferri (POLI-USP) enrico.ferri@poli.usp.br Hugo Yoshizaki (POLI-USP)

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas

Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Associação Nacional do Transporte de Cargas Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Inclui o Manual de Acréscimos e Decréscimos Publicado em outubro de 1.990

Leia mais

SOLUÇÕES PARA A TRANSPORTADORA:

SOLUÇÕES PARA A TRANSPORTADORA: SOLUÇÕES PARA A TRANSPORTADORA: O transportador de cargas e passageiros, tem uma frota a administrar e precisa conhecer todos os custos da empresa, pois todos eles compõe o custo do frete que vende aos

Leia mais

4a. Depreciação do Ativo Imobilizado

4a. Depreciação do Ativo Imobilizado 4a. Depreciação do Ativo Imobilizado 4a. Depreciação do Ativo Imobilizado Balanço Patrimonial: ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Realiz. Longo Prazo Exigível a Longo Prazo Permanente Patrimônio Líquido

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE DEZEMBRO/12 À DEZEMBRO/13

INCT-F DECOPE/NTC DE DEZEMBRO/12 À DEZEMBRO/13 2013 INCT-F DECOPE/NTC DE DEZEMBRO/12 À DEZEMBRO/13 DECOPE NTC & LOGÍSTICA 31/12/2013 Comunicado A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que a variação média do Índice Nacional da de Custos do Transporte

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE ATUALIZAÇÃO DO MANUAL DE CÁLCULO DE CUSTO OPERACIONAL RODOVIARIO E O MODELO DE INSERÇÃO DO PREÇO DE MERCADO

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE ATUALIZAÇÃO DO MANUAL DE CÁLCULO DE CUSTO OPERACIONAL RODOVIARIO E O MODELO DE INSERÇÃO DO PREÇO DE MERCADO FOLHA DE DESPACHO 1. Documento/Origem: SULOG 2. N.º /Ano 3. Folha 4. Rubrica DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE ATUALIZAÇÃO DO MANUAL DE CÁLCULO DE CUSTO OPERACIONAL RODOVIARIO E O MODELO DE INSERÇÃO DO PREÇO

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

Inspeção Técnica Veicular

Inspeção Técnica Veicular Inspeção Técnica Veicular Paulo Cezar Gottlieb Engenheiro Mecânico Campanha de Segurança no Trânsito Fatores que causam acidentes Veículo Motorista - Falhas em componentes de segurança - Recall não realizado

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE NOVEMBRO/12 À NOVEMBRO/13

INCT-F DECOPE/NTC DE NOVEMBRO/12 À NOVEMBRO/13 2013 INCT-F DECOPE/NTC DE NOVEMBRO/12 À NOVEMBRO/13 DECOPE NTC & LOGÍSTICA 30/11/2013 Comunicado A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que a variação média do Índice Nacional da de Custos do Transporte

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida CONCORRÊNCIA PÚBLICA N ##/2013 CONCESSÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida novembro-13 A presente

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala

Regras de ouro: Dediquem-se aos estudos! Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se aos estudos! Nossos encontros 2 Nossos encontros AULÃO 3 Materiais

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA TABELA REFERÊNCIA DE PREÇOS 1. DIMENSIONAMENTO DE CUSTOS DE OBRAS E INSTALAÇÕES DA GARAGEM Par0a o dimensionamento dos custos de Obras e Instalações de Garagem foram adotados os seguintes parâmetros baseados

Leia mais

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1

LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA. Lista de Exercício - 1 LISTAS DE EXERCÍCIOS ENGENHARIA ECONÔMICA Lista de Exercício - 1 1- A que taxa de juros simples : a) $ 20.000,00 se elevarão a $ 21.100,00 em um ano? (Resp. 5,5%aa). b) $ 720.000,00 se elevarão a $ 744.000,00

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICO CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais