Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas"

Transcrição

1 Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas São Paulo, 01/12/2008

2 Neuto Gonçalves dos Reis Mestre em Engenharia de Transportes (EESC-USP) Pós-graduado em Administração de Empresas (FGV) Pós-graduado em Engenharia Econômica (IPUC-MG) Extensão em Logística e Distribuição pela FGV Engenheiro Civil pela EEUFMG Jornalista especializado em Transportes Consultor Técnico da NTC&Logística Professor de Custos Logísticos da FAAP Membro da Câmara Temática de Assuntos Veiculares do CONTRAN Coordenador das JARI do DER SP Medalhas de mérito da CNT/NTC/SETCEPAR

3 Componentes do Custo Custo-peso Custos relacionados com a atividade de transporte (peso/volume e distância). Geralmente, o mais importante. Custo-valor Custos relacionados com o valor da mercadoria e a responsabilidade do transportador por acidentes e avarias Gerenciamento de Riscos Custos relacionados com o gerenciamento de riscos e roubos de carga

4 Componentes do Custo Taxas (generalidades) Custos específicos não previstos no custo peso Serviços adicionais/acréscimos Exemplo: cubagem, paletização, armazenagem etc Pedágio Destacado do conhecimento (vale-pedágio) Impostos diretos PIS/COFINS, ICMS

5 Componentes do Custo Peso CUSTOS DIRETOS (em relação ao veículo) - Despesas Operacionais de Transferência (DOT) Custos fixos (CF) independem do percurso Custos variáveis (Cv) proporcionais ao percurso - Despesas Operacionais de Coleta e Entrega (DOCE) Custos fixos (CF) Custos variáveis (Cv)

6 Componentes do Custo Peso DESPESAS INDIRETAS (em relação ao veículo) - Despesas Administrativas e de Terminais (DAT ou DA) (Exigem rateio/incluem impostos indiretos)

7 Componentes das Despesas Operacionais CUSTO FIXO Depreciação do veículo Remuneração do capital empatado Licenciamento e IPVA Seguro obrigatório (DPVAT) Seguro RCF contra danos materiais (DM) e pessoais (DP) a terceiros (facultativo) Seguro contra colisão, incêndio e roubo (facultativo) Salário e encargos motoristas/ajudantes Salários e encargos de pessoal de oficina

8 Componentes das Despesas Operacionais CUSTO VARIÁVEL Combustível (Principal) Pneus, câmaras, recapagens e protetores (Importante) Peças e material de oficina (Importante) Óleo de cárter Óleo de cambio e diferencial Lavagens e graxas - Pedágio não entra!

9 Componentes das Despesas Administrativas e de Terminais SALÁRIOS, ORDENADOS E PRO-LABORE ALUGUÉIS TARIFAS PÚBLICAS SERVIÇOS PROFISSIONAIS TAXAS E IMPOSTOS INDIRETOS DEPRECIAÇÕES OUTROS CUSTOS Muito importantes nas cargas fracionadas e nas distâncias curtas. Rateadas pela tonelagem transportada

10 Variáveis que interferem no custo peso Percurso (pouco controle) Custo fixo por mês Custo variável por quilômetro Despesas administrativas e de terminais por tonelada Uso de frota própria ou carreteiro Tempo de carga, espera e descarga Disponibilidade mensal do veículo (horas ou turnos) Velocidade média do veículo na estrada Capacidade de carga útil de veículo Existência ou não de carga de retorno

11 Fatores que oneram o custo peso Tempo de carga/espera/descarga (paletização, siders, informatização etc). Carga espera o caminhão. Obstáculos Falta de IE (terminais, filas) Fiscalização Cultura dos clientes Exemplos: Paranaguá Manaus Barreiras fiscais Canal vermelho da aduana

12 Peso sobre o frete (%) 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 Impacto do tempo de carga e descarga sobre o frete (%) 0,00 35,10 10,33 6,34 5,13 23,12 18,72 11,92 7,42 31,09 25,68 16,87 10,73 37,56 31,54 21,30 13,82 42,92 36,54 25,27 16,69 47,43 40,86 28,87 19,39 50 km km 54,61 51, km 47,95 44, km 35,11 32, km 21, Tempo de carga e descarga (h) km km 24,28

13 Impacto do tempó de carga e descarga sobre o número de viagens 350 Número de viagens km 100 km 250 km 500 km 2000 km 5000 km Tempo de carga e descarga (h)

14 Impacto do tempo de carga e descarga sobre as horas paradas (%) Peso sobre horas totais (%) km 100 km 250 km 500 km 2000 km 5000 km Horas paradas (h)

15 Fatores que oneram o custo peso Lei no /07 Parágrafo 5 o - O prazo máximo para carga e descarga do veículo de Transporte Rodoviário de Cargas será de cinco horas, contadas da chegada do veículo ao endereço de destino; após este período será devido ao TAC ou à ETC o valor de R$ 1,00 (um real) por tonelada/hora ou fração. Parágrafo 6 o (lei n o /07): O disposto no 5º, deste artigo, não se aplica aos contratos ou conhecimentos de transportes em que houver cláusula ou ajuste dispondo sobre o tempo de carga ou descarga.

16 Fatores que oneram o custo peso -Velocidade dos veículos Frota velha, de baixa potência

17 Impacto da velocidade sobre o frete Índice 102,00 100,00 98,00 96,00 94,00 92,00 90,00 88,00 86,00 84,00 100,00 50 km/h 60 km/h 70 km/h 92,01 86, Percurso (km)

18 Fatores que oneram o custo peso - Estado de conservação das rodovias Estado geral km % % acumulada Péssimo ,0 11,0 Ruim ,1 33,1 Regular ,8 73,9 Bom ,6 89,5 Ótimo ,5 100,0 Total ,0

19 R $ / k m CUSTOS OPERACIONAIS DOS VEÍCULOS EM FUNÇÃO DA QUALIDADE DO PAVIMENTO ótimo bom regular ruim péssimo RUGOSIDADE (mm/m) Cavalo+ semi-reboque Caminhão pesado Caminhão médio Caminhão leve

20 Variação do custo/km com o estado da rodovia para Scania 4x2 tracionando carreta de 3 eixos 4,00 3,62 3,50 3,13 R$/km rodado 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 1,89 2,25 2,67 0,50 0,00 Bom Deficiente Ruim Estado da rodovia

21 Fatores que oneram o custo peso - Veículos de baixa capacidade de carga Carretas mais leves Rodas de alumínio, pneus radiais sem câmaras, Carretas de maior capacidade cúbica Terceiro eixo distanciados, Vanderléias, bitrens, rodotrens etc) Obstáculos: maiores investimentos, legislação de CVCs - Carregar o veículo o mais próximo possível da plena carga Obstáculo: baixa demanda, concorrência, prazos, limites de riscos

22 Fatores que oneram o custo peso - Poucas horas trabalhadas/mês pelo veículo: motorista é dono do caminhão (pontes rodoviárias, hoat-seats. Sistema de duplas) exigem rota fixa e operação dedicada. Obstáculo: segurança rodoviária é menor à noite. - Perda de tempo parados para manutenção (ausência de preventiva) - Ausência de rastreamento dos veículos

23 Impacto da jornada sobre o frete Lotação cavalo + carreta ,00 Ín d ic e ,36 79,14 85,48 85,59 85,63 85,65 85,67 85,68 80,64 80,79 80,84 80,87 80,89 80, h 440 h 660 h Percurso (km)

24 Fatores que oneram o custo peso - Alto índice de retornos vazios Desequilíbrios de fluxo Concorrência Sugestão: pool de cargas, alianças Transporte colaborativo

25 Custo x índice de retorno vazio Custo (R$/km) 1000,00 900,00 800,00 700,00 600,00 500,00 400,00 300,00 200,00 100,00 0,00 100% 75% 50% 25% 0% Percurso (km)

26 Fatores que oneram o custo peso - Elevadas despesas indiretas (DAT): muito importante no caso de cargas fracionadas - Falta de controle dos custos variáveis importantes, como combustível, pneus e manutenção.

27 Fatores que oneram o custo peso: mau gerenciamento Avaliar o desempenho pelo volume de carga movimentado e não peso resultado financeiro. Fechar filiais e abandonar linhas ou clientes deficitários. Isto é mais fácil para serviços com baixa despesa indireta e pouca frota própria (lotações). Em serviços com altas despesas indiretas (carga fracionada) e muita frota própria, nem sempre a extinção da atividade elimina seus custos (custos afundados). Os custos indiretos passam a ser rateados por uma tonelagem menor. Muitas empresas não têm bom controle de custos

28 Fatores que oneram o custo peso: mau gerenciamento Cada cliente gera estrutura própria de custos. Uso de valores médios pode levar a conclusões erradas. Cada cliente exige atividades e consome recursos de forma diferente dos outros. Importante analisar os custos com base nas atividades (custeio ABC). É importante avaliar não apenas o custo, mas a rentabilidade de cada cliente. Uso inadequado de carreteiros

29 C r u s to (R $ /to n e la d a ) 600,00 500,00 400,00 300,00 200,00 100,00 0,00 Frota própria x carreteiro 100% FP 505,23 50% FP 428,00 0% FP 405,41 343,26 342,10 305,59 263,00 275,03 256,20 210,21 206,81 181,00 144,51 157,42 99,87 108,02 79,25 58,63 11,71 17,25 22, Percurso (km)

30 VANTAGENS Redução de custos Uso de carreteiros Reduzir investimentos e evitar ociosidade da frota, especialmente nos períodos de baixa demanda. Evitar retorno vazio e movimentar com maior facilidade cargas para locais onde a empresa não tem filial (independente). Reduz despesas com salários de motoristas, ajudantes e encargos sociais, mesmo com recolhimento de INSS sobre serviços. PIS/Cofins (resolvido) Redução do trabalho de gerenciamento e manutenção de frotas.

31 DESVANTAGENS Uso de carreteiros Risco de vínculo empregatício (agregado) Terceirização de atividade fim. Risco de escassez de oferta de carreteiros Aumento na gestão de tráfego Clientes que exigem frota própria Veículos mais antigos, mais lentos, mais sujeitos a avarias e acidentes Recrutamento, seleção e admissão trabalhosos Aumento do risco de desvios de cargas O carreteiro não tem responsabilidade sobre faltas, roubos e avarias (preposto)

32 FRETE VALOR Destina-se cobrir os custos com seguro obrigatório RCTR-C e seguros das instalações, além da administração desses seguros, bem como as despesas com indenizações de mercadoria não cobertas por seguros (avarias de manuseio, violações, extravios, greves, etc) e os custos da mão de obra utilizada nestas atividades. Sua necessidade foi reforçada pelas Resoluções CNSP 123/05 e 134/05. Pode representar uma boa receita adicional.

33 FRETE VALOR a valor do frete sobre o produto (%) b = alíquota de frete-valor (%) a b =0,2 b=0,4 b=0,6 b=0,8 b=1,0 b=1,2 6,0 3,44 6,06 11,11 15,38 20,00 25,00 5,0 4,17 7,14 13,63 19,05 25,00 31,58 4,0 5,26 11,11 17,65 25,00 33,33 42,86 3,0 7,14 15,38 25,00 36,36 50,00 66,67 2,0 11,11 25,00 42,85 66,67 100,00 150,00

34 GERENCIAMENTO DE RISCOS (GRIS) Destina-se a cobrir especificamente os custos resultantes das medidas de combate ao roubo de carga, especialmente as de prevenções de risco (escolta, segurança, patrimonial, rastreamento de veículos). A NTC recomenda cobrança de 0,30% sobre o valor da mercadoria.

35 TAXAS OU GENERALIDADES: As taxas destinam-se a cobrir custos não previstos no cálculo do frete peso e prestação de serviços adicionais. TAS TDE Despacho TRT Etc.

36 PEDÁGIOS CARGA FRACIONADA Se a carga provêm de vários embarcadores, a obrigação de fornecer o vale pedágio é do transportador. A transportadora pode ratear o pedágio entre os vários embarcadores, lançando o seu valor no campo próprio doe conhecimento de carga.

37 PEDÁGIOS: LOTAÇOES Cabe ao embarcador fornecer, antes do início de cada viagem, o vale-pedágio ao carreteiro que contratar diretamente ou à transportadora que utiliza frota própria. Se a transportadora sub-contrata carreteiros, cabe a ela fornecer o vale aos autônomos, lançando seu valor no campo próprio do conhecimento, para efeito de reembolso. É permitida a dispensa da obrigatoriedade da entrega do vale pedágio pelo embarcador à transportadora que utilize frota própria, mediante contrato de prestação de serviços, do qual conste expressamente a obrigação do embarcador de ressarcir integralmente o pedágio, com valor desvinculado do frete.

38 PEDÁGIOS: LOTAÇOES Comunicado site ANTT 11/11/ a Agência optou por extinguir o Regime Especial para o Vale-Pedágio obrigatório (...), já que se trata de relação entre empresas. Trata-se de afastamento da tutela da Agência de relação que não envolve interesses vulneráveis. Portanto, não há impedimento para as empresas que operam em regime de exclusividade renunciem ao benefício do adiantamento do valor referente ao pedágio por via contratual. Esse contrato deve ser apresentado nas fiscalizações.

39 TRIBUTOS DIRETOS Incidem diretamente sobre o frete: ICMS (7%, 12%, 18%), exceto quando existe Substituição Tributária (interurbano) ISS (urbano) Sobre os dois: COFINS: 7,6% sobre a base de cálculo (lucro real) 3,0% sobre receitas (lucro presumido) PIS: 1,65% sobre base de cálculo (lucro real) 0,65% sobre receitas (lucro presumido)

40 FINAL DA PALESTRA Obrigado pela atenção e pela paciência! Cópias desta palesta podem ser solicitadas pelo

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros CUSTOS Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros O modelo de cálculo da NTC&Logística parte do pressuposto de que a transportadora usa apenas veículos próprios. L F = ( A + Bp + DI)(1 + ) 100

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

Fonte: Departamento de Custos Operacionais e Pesquisas Econômicas - Decope/NTC&Logística

Fonte: Departamento de Custos Operacionais e Pesquisas Econômicas - Decope/NTC&Logística Fonte: Departamento de Custos Operacionais e Pesquisas Econômicas - Decope/NTC&Logística JUNHO/12 Multiplicador 3,50 2,30 1,75 1,40 1,25 1,12 1,05 1,00 de 1 a 10 kg de 11 a 20 kg de 21 a 30 kg de 31 a

Leia mais

Resolução nº, de 2015

Resolução nº, de 2015 Resolução nº, de 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros. O Diretor-Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2015 Estabelece metodologia e publica parâmetros de referência para cálculo dos custos de frete do serviço de transporte rodoviário remunerado de cargas por conta de terceiros A Diretoria da Agência Nacional

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS

RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL DE CARGAS Metodologia de Cálculo Referencial de Custos de Fretes do Transporte Rodoviário Remunerado de Cargas RESULTADOS DA AUDIÊNCIA PÚBLICA SUROC - SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO E MULTIMODAL

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL)

Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL) Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL) A planilha referencial de cargas secas fracionadas (mercadorias de vários embarcadores para vários destinatários, geralmente incluindo

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE DEZEMBRO/12 À DEZEMBRO/13

INCT-F DECOPE/NTC DE DEZEMBRO/12 À DEZEMBRO/13 2013 INCT-F DECOPE/NTC DE DEZEMBRO/12 À DEZEMBRO/13 DECOPE NTC & LOGÍSTICA 31/12/2013 Comunicado A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que a variação média do Índice Nacional da de Custos do Transporte

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE NOVEMBRO/12 À NOVEMBRO/13

INCT-F DECOPE/NTC DE NOVEMBRO/12 À NOVEMBRO/13 2013 INCT-F DECOPE/NTC DE NOVEMBRO/12 À NOVEMBRO/13 DECOPE NTC & LOGÍSTICA 30/11/2013 Comunicado A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que a variação média do Índice Nacional da de Custos do Transporte

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas

Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America. Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Jorge Carrer Gerente Executivo Serviços e Ass. Técnica MAN Latin America Serviços e Pós Vendas no auxílio à gestão e eficiência de frotas Importância do Custo Operacional TCO (Total Cost of Ownership)

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que por conta da Resolução CONAMA 403/2008, a partir de 1º de janeiro de 2012, entrou em vigor a Fase P-7 do Programa

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA

METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA METODOLOGIA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA ÍNDICE 1. QUILOMETRAGEM 2. PASSAGEIROS 3. IPK 4. CUSTOS DEPENDENTES OU VARIÁVEIS 4.1. Combustível 4.2. Lubrificantes 4.3. Rodagem 4.4. Peças e acessórios e serviços

Leia mais

TABELA REFERÊNCIAL DE CUSTOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS QUÍMICOS A GRANEL - LOTAÇÃO (FTL)

TABELA REFERÊNCIAL DE CUSTOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS QUÍMICOS A GRANEL - LOTAÇÃO (FTL) TABELA REFERÊNCIAL DE CUSTOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS QUÍMICOS A GRANEL - LOTAÇÃO (FTL) Distância = origem ao destino Percurso da viagem redonda = 2 x distância Mês de referência: JULHO/11 Distância Carreta

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG

Planilha de Apropriação de Custos - Uberaba / MG 1 Determinação do Preço Relativo aos Custos Variáveis 1.1 Óleo Diesel Índice de Consumo Preço Custo / Km 1.1.1 Convencional 0,3500 (l/km) x 1,7000 /l = 0,5950 /km 1.1.2 Micro Ônibus 0,2600 (l/km) x 1,7000

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística e Distribuição

Leia mais

Política Comercial. DISTRIBUIDOR: Setor Comercial e Qualidade. ED. DATA DESCRIÇÃO DA REVISÃO ELAB. VERIF. APR.

Política Comercial. DISTRIBUIDOR: Setor Comercial e Qualidade. ED. DATA DESCRIÇÃO DA REVISÃO ELAB. VERIF. APR. Folha: 1 de 7 RELAÇÃO DE CARGAS COM RESTRIÇÃO DE TRANSPORTE Tendo em vista os transtornos e prejuízos constantes na nossa rotina, estamos determinando que: não negociem, não coletem e nem recepcionem mercadorias

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS.

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira

Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira Anexo IV.2 Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-financeira PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO... 2 1.1Planilha 1 Demonstração

Leia mais

Recomendações para as Empresas Transportadoras de Medicamentos (Produtos Farmacêuticos)

Recomendações para as Empresas Transportadoras de Medicamentos (Produtos Farmacêuticos) Recomendações para as Empresas Transportadoras de Medicamentos (Produtos Farmacêuticos) Estudo da NTC juntamente com a empresa Jogsolutions indica que o transporte de medicamentos no Brasil sofreu grandes

Leia mais

Apostila de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas

Apostila de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas FBV Cursos Online com Certificado Apostila de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Inclui o Manual de Acréscimos e Decréscimos contato@fbvcuros.com.br www.fbvcursos.com.br

Leia mais

DECOPE Possíveis Impactos da Lei 12.619

DECOPE Possíveis Impactos da Lei 12.619 Possíveis Impactos da Lei 12.619 Introdução Custos do TRC Comportamento dos Custos Produtividade no TRC Exemplos COMPLEXIDADE da escolha de um Preço FRETE $ FRETE x Qtde Vendida CUSTOS RECEITA Concorrentes

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC J uiz de Fora, 04 de Março de 2015. Prezado Associado: ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC O SETCJ F informa as principais alterações introduzidas na Lei 12.619/12 (Lei do Motorista), na Lei 11.442/07

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como

Leia mais

Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas

Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Associação Nacional do Transporte de Cargas Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Inclui o Manual de Acréscimos e Decréscimos Publicado em outubro de 1.990

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas

Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Associação Nacional do Transporte de Cargas Manual de Cálculo de Custos e Formação de Preços do Transporte Rodoviário de Cargas Inclui o Manual de Acréscimos e Decréscimos Publicado em outubro de 1.990

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS.

Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. Programa de Ação Profissional: Transporte de um Vaso de Pressão São Paulo SP a Marau RS. UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA GESTÃO LOGÍSTICA

Leia mais

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 Ângelo Monteiro GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE

Leia mais

Manual para usuários site Lucrei no Frete

Manual para usuários site Lucrei no Frete Manual para usuários site Lucrei no Frete Para login clicar no endereço abaixo ou copiar e colar no navegador. http://lucreinofrete.a3sistemas.com.br/minha_conta/login.php Clicar em Registrar Preencher

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

APRENDA A CALCULAR CORRETAMENTE O FRETE NO SEU E-COMMERCE E VENDA MAIS!

APRENDA A CALCULAR CORRETAMENTE O FRETE NO SEU E-COMMERCE E VENDA MAIS! APRENDA A CALCULAR CORRETAMENTE O FRETE NO SEU E-COMMERCE E VENDA MAIS! INTRODUÇÃO As tabelas de frete são as referências das transportadoras para definir seus preços. Elas contêm inúmeras variáveis (as

Leia mais

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês

Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP. 10.517.242 / mês Diretoria de Planejamento e Projetos Gerência de Gestão do Transporte Público Departamento de e Indicadores do Transporte Público Estudo Tarifário do Transporte Público Coletivo Urbano Municipal - INTERCAMP

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DOS FRETES RODOVIÁRIOS DE CARGA FRACIONADA

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DOS FRETES RODOVIÁRIOS DE CARGA FRACIONADA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DOS FRETES RODOVIÁRIOS DE CARGA FRACIONADA Autores ANA CRISTINA DE FARIA Universidade Regional de Blumenau ANTÔNIO CARLOS SCHLINDWEIN Universidade Regional de Blumenau ROBERTO

Leia mais

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE O diferencial que sua empresa busca para os negócios Índice APRESENTAÇÃO 03 CAPÍTULO 1 MOTIVOS DE SOBRA PARA TERCERIZAR SUA FROTA! 05 CAPÍTULO 2 POR QUE A TRANSMIT?

Leia mais

ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Alessandro Dessimoni

ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Alessandro Dessimoni ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. CENÁRIO ATUAL DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL; 2. ENTRAVES E PROBLEMAS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO RELACIONADOS

Leia mais

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO

ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO XIII PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO ANEXO - PLANILHAS MODELO PARA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA ECONÔMICO - Página 1 ÍNDICE DOS QUADROS Parte I - Informações do Sistema

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2552 Dispõe sobre o ressarcimento de diárias e transporte aos Senhores Funcionários, quando em viagem a serviço, reuniões, eventos e treinamentos dentro e fora do Estado, formalmente convocados

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Como Reduzir os Custos em Transportes

Como Reduzir os Custos em Transportes Como Reduzir os Custos em Transportes Marco Antonio Oliveira Neves Diretor da Tigerlog Consultoria e Treinamento em Logística Ltda marcoantonio@tigerlog.com.br www.tigerlog.com.br Setembro/2013 A difícil

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE CÁLCULO DO CUSTO DO PASSAGEIRO TRANSPORTADO - ENSAIO TÉCNICO Sistema Regular Convencional I - Preços dos Insumos Básicos SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,7150 R$/L Passagem Antecipada 2,30 R$/Pass Composição I Pneu

Leia mais

LEI DOS CAMINHONEIROS (LEI 13.103/2015)

LEI DOS CAMINHONEIROS (LEI 13.103/2015) LEI DOS CAMINHONEIROS (LEI 13.103/2015) Seguem comentários sobre as principais matérias tratadas na Lei dos Caminhoneiros, com dispositivos aplicáveis aos Transportadores Autônomos, às Transportadoras

Leia mais

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Fernanda Hashimoto e Celso Hino O presente trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do melhor modelo de distribuição

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE JOINVILLE SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 2,3178 R$/L Passagem Antecipada 3,00 R$/Pass Composição I Pneu - I 686,38 Ud Passagem Embarcada 3,50 R$/Pass Material

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO

ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO ANEXO I PLANO DE CONTAS BÁSICO Conta do ATIVO 1 ATIVO 1. Circulante 1.. Disponível 1.. Realizável 1... Créditos 1... Estoques 1... Combustíveis 1... Lubrificantes 1... Peças, Acessórios, Materiais 1...

Leia mais

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013

Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público. Tema: Planilha Tarifária. Agosto/2013 Painel: Custo, Qualidade, Remuneração e Tarifa do Transporte Público Tema: Planilha Tarifária Agosto/2013 Planilha Tarifária São Paulo Abrangência: Sistema de transporte sobre pneus no município de São

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE ATUALIZAÇÃO DO MANUAL DE CÁLCULO DE CUSTO OPERACIONAL RODOVIARIO E O MODELO DE INSERÇÃO DO PREÇO DE MERCADO

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE ATUALIZAÇÃO DO MANUAL DE CÁLCULO DE CUSTO OPERACIONAL RODOVIARIO E O MODELO DE INSERÇÃO DO PREÇO DE MERCADO FOLHA DE DESPACHO 1. Documento/Origem: SULOG 2. N.º /Ano 3. Folha 4. Rubrica DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO DE ATUALIZAÇÃO DO MANUAL DE CÁLCULO DE CUSTO OPERACIONAL RODOVIARIO E O MODELO DE INSERÇÃO DO PREÇO

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA ORÇAMENTO BÁSICO DO PROJETO (PLANILHA DE REFERÊNCIA) 1. TARIFA DE REFERÊNCIA. 1.1. PASSAGEIROS ECONÔMICOS MENSAIS Observando-se as correspondências da operadora à Prefeitura de Itabuna, constam os seguintes

Leia mais

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE I - Preços dos Insumos Básicos Insumos Preço (R$) Tarifa Vigente - Combustível Óleo Diesel 1,8982 R$/L Passagem Antecipada 2,05 R$/Pass Composição I Pneu - I 526,74 Ud Passagem Embarcada 2,50 R$/Pass Material

Leia mais

06/09/2010 17:40:53 1 Filtro: GOIANIA 79 GÁS DE COZINHA 0 0,00 14 PÃES 0 0,00 12 REFEIÇÕES 0 0,00 13 REFRIGERANTE 0 0,00

06/09/2010 17:40:53 1 Filtro: GOIANIA 79 GÁS DE COZINHA 0 0,00 14 PÃES 0 0,00 12 REFEIÇÕES 0 0,00 13 REFRIGERANTE 0 0,00 IANIA 1 Hiper Mega Super 5 ADMINISTRATIVO 5 ADMINISTRATIVO 5 ALIMENTAÇÃO 5 ALIMENTAÇÃO Item: 88 ALIMENTAÇAO 0,00 79 GÁS DE COZINHA 0 0,00 Item: 8 PÃES 0,00 14 PÃES 0 0,00 Item: 9 REFEIÇÕES 0,00 12 REFEIÇÕES

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

05/09/2012 15:30:39 1 Filtro: GOIANIA 79 GÁS DE COZINHA 0 0,00 14 PÃES 0 0,00 12 REFEIÇÕES 0 0,00 13 REFRIGERANTE 0 0,00

05/09/2012 15:30:39 1 Filtro: GOIANIA 79 GÁS DE COZINHA 0 0,00 14 PÃES 0 0,00 12 REFEIÇÕES 0 0,00 13 REFRIGERANTE 0 0,00 1 Hiper Mega Super 5 ADMINISTRATIVO 5 ADMINISTRATIVO 5 ALIMENTAÇÃO 5 ALIMENTAÇÃO Item: 88 ALIMENTAÇAO 0,00 79 GÁS DE COZINHA 0 0,00 Item: 8 PÃES 0,00 14 PÃES 0 0,00 Item: 9 REFEIÇÕES 0,00 12 REFEIÇÕES

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.442, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. Mensagem de veto Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais

ENCARGOS SOCIAIS. Grupo A. Subtotal. Grupo B. Subtotal. Grupo C. Subtotal Grupo D. Total de Encargos Sociais ENCARGOS SOCIAIS 1 INSS 20,00% 2 SESI ou SESC 1,50% 3 SENAI ou SENAC 1,00% 4 INCRA 0,20% 5 Salário Educação 2,50% 6 FGTS 8,00% 7 Seguro Acidente do Trabalho/SAT/INSS 3,00% 8 SEBRAE 0,60% 9 SECONCI 1,00%

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira Anexo VI B Instruções para Elaboração do Estudo de Viabilidade Econômico-Financeira

Leia mais

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total

Quant. Vr. Unitário Vr.Total. Percentual. Quant. Vr. Unitário Vr. Total ANEXO... PLANILHA DE CUSTOS 2º TURNO Quantidades (veículos/diárias): Tipo da contratação: ( ) Terceirizada ( ) Regime da CLT ( ) Cooperativa (Lei nº 5.764/71) ( ) Regime Tributário: ( ) Lucro Real ( )

Leia mais

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...]

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...] Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) - Também será admitido o CRLV contendo o número do RNTRC ; (Art. 39 da Res. 3.056/09/ANTT, alterada pela 3.658/11) -

Leia mais

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Transparlog é uma empresa nova no mercado, com profissionais que vieram do setor de Transporte Rodoviário de Carga, tanto como contratante quanto contratado do serviço. Onde foi possível

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista 1. Introdução Este documento tem por objetivo apresentar a solução de software e serviço que atenderá a Lei nº 12.619 de 30 de abril de 2012,publicada no Diário

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM TRANSPORTES 2 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL 3 SEGURO DE TRANSPORTES NO BRASIL POUCAS SEGURADORAS OPERANDO POUCOS CORRETORES ESPECIALIZADOS SINISTRALIDADE ALTA TAXAS CADA

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos

a.) Dados de Preços de Insumos PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Ano Vigente - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano 365 Período Referencial de Custos - Total

Leia mais

Custos operacionais e formação de preço de frete no transporte rodoviário de cargas um estudo de caso

Custos operacionais e formação de preço de frete no transporte rodoviário de cargas um estudo de caso Custos operacionais e formação de preço de frete no transporte rodoviário de cargas um estudo de caso Roberto Vatan dos Santos Resumo: Este trabalho tem como objetivo principal demonstrar através de estudo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011)

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) Dispõe sobre a obrigatoriedade de existência de Pontos de Apoio nas rodovias e dá outras providências.

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 Uma boa fatia dos custos de produção é atribuída ao transporte de materiais dentro da empresa, no abastecimento das linhas de produção, no armazenamento de matéria primas

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa

A Carreira Muller. As melhores soluções para sua empresa ABRIL 2.013 A Carreira Muller ESTUDO REEMBOLSO QUILOMETRAGEM ABRIL 2013 As melhores soluções para sua empresa A Carreira Muller é uma empresa de consultoria empresarial que desenvolve e implanta soluções

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

Apresentação Raro Logistica

Apresentação Raro Logistica Apresentação Raro Logistica A Raro Logistica e uma empresa do Grupo RARO LOGISTICA e atua na área de organização logística de Transporte e outras atividades terceirizadas de prestação de serviços em Geral.

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

CNPJ: 01.052.752/0001-69 Número livro: Emissão: Hora: DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2011

CNPJ: 01.052.752/0001-69 Número livro: Emissão: Hora: DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2011 Empresa: ASAS DE SOCORRO Folha: CNPJ: 01.052.752/0001-69 Número livro: CONSOLIDADO Emissão: Hora: 0001 0042 01/11/2012 11:36:58 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO EM 31/12/2011 Descrição Receita Operacional

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS CUSTOS E FRETES PARA AUTÔNOMOS E EMPRESAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS CUSTOS E FRETES PARA AUTÔNOMOS E EMPRESAS TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS CUSTOS E FRETES PARA AUTÔNOMOS E EMPRESAS Maria da Penha S. Araújo Vânia Barcellos Gouvêa Campos Renata Albergaria de Mello Bandeira Instituto

Leia mais