CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTEÚDO PROGRAMÁTICO"

Transcrição

1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO ECONOMIA E MERCADO DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL COORDENADOR GERAL: PROF. MARCELO IKEDA DURAÇÃO: 360 HORAS PERÍODO: 06/AGOSTO A 12/DEZEMBRO LOCAL: PORTO IRACEMA

2 DESCRIÇÃO DOS MÓDULOS MÓDULO I ECONOMIA E MERCADO DO AUDIOVISUAL: ASPECTOS GERAIS CARGA HORÁRIA: 112 HORAS AULA 1 ABERTURA Apresentação do curso e de sua metodologia. Apresentação individual dos alunos e suas expectativas para o curso. AULA 2 e 3 MASTERCLASS: DESAFIOS DO PRODUTOR NO CEARÁ Como aula introdutória do curso, haverá uma palestra de 4hs de dois experientes produtores cearenses que apresentarão para os alunos sua trajetória pessoal e profissional, descrevendo casos de seu envolvimento na produção, apontando para os desafios atuais da produção no estado. AULA 4 e 5 MASTERCLASS 2: O PRODUTOR NO BRASIL DE HOJE Como uma masterclass, haverá uma palestra de 8hs com um renomado produtor a nível nacional, que apresentará para os alunos sua trajetória pessoal e profissional, descrevendo casos de seu envolvimento na produção, apontando para os desafios atuais da produção no país. AULA 6 a 10 ECONOMIA DO AUDIOVISUAL CARGA HORÁRIA: 20 HORAS Características econômicas dos produtos audiovisuais. Noções de Economia do Audiovisual. Entre o capital e o trabalho. Oferta: bens de protótipos (patentes), consumo comum, descontos culturais. Sunk costs. Influência de marca. Demanda. Experience goods, one-off purchase. Instabilidade dos padrões de demanda. Estratégias de redução das incertezas e dos riscos. A importância do marketing. Studio system. Integração vertical e horizontal. Star system e cinema de gênero. Teaser e trailer. Screen tests. Referência prévia de qualidade: adaptações e pre/sequels. As estratégias do ponto de vista do negócio. Tendências à concentração: oportunidades e riscos. Aplicação de conceitos da economia do audiovisual: externalidades positivas e negativas; barreiras à entrada, as economias de escala e de escopo. Definição e características do cinema hegemônico : aspectos históricos, econômicos, estéticos e ideológicos. Características do studio system. O cinema hegemônico e os cinemas nacionais. Razões para o domínio do cinema

3 hegemônico. Razões em defesa dos cinemas nacionais. Razões para a intervenção do Estado. Entre o cinema industrial e o cinema de autor. Convergência. A convergência tecnológica e o impacto das novas tecnologias. O impacto da digitalização e da internet. Da convergência tecnológica à convergência de serviços e terminais. As transformações no mercado audiovisual contemporâneo com o acirramento do processo de convergência. Reestruturação produtiva dos mercados de informação e do entretenimento sob a égide da competitividade global e da aceleração tecnológica. Efeitos da globalização econômica, da mundialização cultural e da convergência multimídia nos produtos e negócios da mídia. Os fatores políticos, econômicos e tecnológicos na configuração dos atuais sistemas e meios de comunicação. As corporações midiáticas e suas formas de domínio e influência no mercado de bens simbólicos. A formação dos grandes conglomerados mundiais. O cinema hegemônico como um oligopólio global. Desafios para a intervenção do Estado. AULA 11 A 15 A CADEIA PRODUTIVA DO AUDIOVISUAL CARGA HORÁRIA: 20 HORAS A cadeia produtiva do audiovisual e sua transformação das últimas décadas. Repartição de receita. Repartição de receita entre exibidores, distribuidores e produtores nos diversos segmentos de mercado. Comissão de distribuição. Retenção prioritária do P&A. Mecanismos de crosscolaterização. Receita líquida do produtor. O Windowing e a importância das janelas. Receitas dos agentes dos segmentos de mercado: receitas diretas e indiretas. Produção, distribuição e exibição. Segmentos de mercado: cinema (theatrical), vídeo doméstico (homevideo), Tv por Assinatura (Pay-TV), TV Aberta (Free- TV), Outros mercados. AULA 16 A 19 O PRODUTOR: DO DESENVOLVIMENTO AO LANÇAMENTO COMERCIAL Apresentação do papel do produtor durante todas as etapas de progressão de um projeto audiovisual, iniciando pelo desenvolvimento do projeto, passando pela contratação da equipe, escolha das locações, préprodução, desafios durante as gravações/filmagens, escolhas de pós-produção e processos de finalização, até o acompanhamento da estratégia de exibição em mostras/festivais e posterior lançamento comercial, com a distribuidora.

4 AULA 20 A 23 PRODUÇÃO EXECUTIVA: CONTRATOS E DIREITOS O papel do produtor executivo. A relação do produtor executivo com os demais membros da produção. Aquisição de direitos. Contratos. Opções de compra: first look deal, last refusal. Conceitos de obra original, obras derivadas, remakes, seqüências. Seguros. Controle financeiro e prestação de contas. AULA 24 A 28 ESTUDOS DE CASO: DA CONCEPÇÃO AO LANÇAMENTO COMERCIAL Nesse módulo, produtores apresentarão, a cada aula, cinco cases específicos de suas empresas produtoras, descrevendo a realização de um projeto audiovisual de sua concepção até o seu lançamento comercial. Como o projeto foi desenvolvido? Quais foram as fontes de financiamento? Quanto tempo durou sua execução? Como foram as negociações de direitos e talentos? Quais foram os principais desafios nas etapas de filmagem e de pósprodução? Como foi o lançamento comercial da obra? MÓDULO II: A CADEIA PRODUTIVA DO AUDIOVISUAL E OS SEGMENTOS DE MERCADO CARGA HORÁRIA: 116 HORAS AULA 1 A 4 MERCADO DE SALAS DE EXIBIÇÃO O funcionamento de uma sala de cinema. A relação do exibidor com o distribuidor. Impostos pagos pelo setor exibidor. Receitas da sala de cinema. Posicionamento das peças publicitárias (banners, displays, trailler). A transformação do circuito com o multiplex. Programação em multissalas. Exibição no mercado brasileiro: principais agentes e tendências. A importância do circuito de arte e do circuito não-comercial (os cineclubes). Panorama Do Mercado Cinematográfico Brasileiro. Dados e estatísticas sobre o mercado cinematográfico brasileiro. Principais agentes. Evolução do número de salas de cinema, público, renda e número de lançamentos de filmes nacionais e estrangeiros. Ranking de estados e municípios brasileiros por renda. Principais exibidores no Brasil. Dados sobre 3D. Digitalização. Padrões digitais, o DCP. O impacto da digitalização na produção, distribuição e exibição cinematográfica. O papel do integrador. Modelo de transição para a digitalização das salas: o Virtual Print Fee (VPF). A Lei /12 e as políticas da ANCINE para aceleração da transição digital (RECINE, Programa Cinema Perto de Você e Programa Cinema da Cidade). Conflitos entre majors e independentes no Brasil em decorrência da aplicação do modelo VPF. O termo de compromisso entre a ANCINE e os exibidores para a limitação no número de salas de lançamento. A Cota de Tela.

5 AULA 5 A 8 DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA O papel do distribuidor. Decisões do distribuidor. Estratégias de lançamento. Lançamento de obras cinematográficas no Brasil: abertura, semana cinematográfica. A importância decisiva da abertura. Estratégias de distribuição: estreia maciça, lançamento exclusivo, lançamento restrito ou em plataforma. Custos de comercialização: o P&A. Distribuição física. Estratégias de comercialização. Filmes de nicho. O contrato de distribuição. Relação entre distribuidor-exibidor e entre produtor-distribuidor. Revenue share, mínimo garantido e a preço fixo. O P&A como adiantamento. O caso brasileiro: majors, distribuidoras independentes, distribuidora estatal, distribuição própria. Principais agentes no Brasil. Estudos de caso. O modelo de negócio da Globo Filmes e seu papel no cinema de mercado brasileiro. AULA 9 E 10 DISTRIBUIÇÃO E EXIBIÇÃO NO NORDESTE E HOME VIDEO Como distribuir e exibir uma obra audiovisual no Nordeste? Qual o desafio de consolidação de um mercado regional? Quais são os principais players desse mercado? É possível um agente estabelecer-se como distribuir e exibidor independente no Nordeste? Quais são as oportunidades para o produtor independente? AULA 11 E 12 VÍDEO DOMÉSTICO O mercado do homevideo como complementar ao cinema: características gerais. Razões para o declínio do homevideo. Rental (aluguel) e Sell-Through (varejo). A relação entre o distribuidor e a locadora ou o ponto de venda. Comissões de distribuição. Impostos no homevideo. A replicação das cópias. A armazenagem. Desafios com a concorrência do VOD. AULA 13 E 14 A TV POR ASSINATURA A cadeia de valor da Tv por assinatura. Tecnologias de transmissão na Tv por assinatura: Cabo, DTH, MMDS. Panorama do mercado no Brasil: principais agentes e tendências. A tv por assinatura e a segmentação. PPV, Canais à la carte. Produção para televisão. Características de produção das obras seriadas. Produção própria, terceirização, coprodução e aquisição. Conteúdos de fluxo e de estoque. Relação entre emissoras e produtoras independentes. Conceito de pitching. Panorama da Tv por assinatura no Brasil: principais programadoras, canais e agentes.

6 AULA 15 E 16 A TV ABERTA A função social da televisão. O papel do governo. A complementaridade entre os regimes público, privado e estatal. Desafios da televisão pública. Estruturação do sistema econômico da televisão aberta brasileira e o CBT. A estrutura de cabeças-de-rede e os governos militares. Os princípios constitucionais (Arts. 220 a 224 da CF). A produção independente e as lutas pela democratização da comunicação no Brasil. Relação entre cabeças-derede, afiliadas e retransmissoras. Produção independente na TV aberta: desafios e possibilidades. AULAS 17 A 20 OUTROS MERCADOS: NOVAS MÍDIAS E PRODUTOS TRANSMÍDIA Outros mercados. A flexibilização e a personalização do consumo do audiovisual. VOD, WebTV, IPTV. O desafio do quadruple play. Obras e narrativas transmidiáticas. O potencial econômico dos licenciamentos (tie-ins). Os desafios da convergência. Narrativas transmidiáticas. Cinema, vídeo, internet e telecomunicações. Games e audiovisual. Oportunidades para as obras de novas mídias no mercado audiovisual brasileiro. Principais agentes. AULA 21 TELEVISÃO NO CEARÁ A televisão no Ceará. Principais canais. Canais públicos e privados. A relação entre as cabeças-de-rede e os canais locais. Estrutura tecnológica. A relação com a publicidade local. Produção própria. Oportunidades para a produção independente. AULA 22 E 23 MERCADO AUDIOVISUAL INTERNACIONAL e COPRODUÇÕES INTERNACIONAIS A operação das empresas transnacionais no Brasil. A operação das distribuidoras independentes na compra de filmes estrangeiros. O papel das feiras e mercados internacionais. O papel do sales agent. O caso brasileiro: a APEX e o Cinema do Brasil. Dificuldades e desafios da inserção do produto brasileiro no mercado internacional. O papel dos festivais internacionais. Coproduções internacionais. As vantagens e desvantagens das coproduções internacionais. Custos de transação e custos de transporte. Os acordos de coprodução internacionais. A definição de obras brasileira segundo a MP /01. Editais de coprodução internacionais: editais ANCINE, IBERMEDIA, etc.

7 AULA 24 E 25 PRODUÇÃO INDEPENDENTE PARA TV A RELAÇÃO COM OS CANAIS A relação entre os canais e a produção independente. Aquisição. Terceirização. Produção independente. Contratos: direitos e deveres. Estudos de caso. AULA 26 E 27 MARKETING E PLANO DE NEGÓCIOS Como estruturar um projeto de obra audiovisual como um produto financeiro? O plano de negócios: características. Estruturação financeira de um projeto. Coproduções, pré-venda, possíveis parceiros. Aspectos do marketing ligados ao produto audiovisual. Licenciamentos. Publicidade. Acordos e estratégias de promoção dos produtos. AULA 28 E 29 FORMATAÇÃO DE PROJETOS PARA TV Formatação de um projeto de obra seriada: sinopse, escaleta. A Bíblia nos projetos de TV. A importância do piloto. A apresentação para os canais e programadores de TV. As feiras e rodadas de negócios. O pitching. MÓDULO III: A RELAÇÃO COM O ESTADO E AS POLÍTICAS PÚBLICAS CARGA HORÁRIA: 72 HORAS AULA 1 AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O AUDIOVISUAL A PARTIR DA RETOMADA: PANORAMA GERAL A retomada do cinema brasileiro. O restabelecimento da ação do Estado através do fomento indireto. A Lei Rouanet. A Lei do Audiovisual. A MP /01 e a formação do tripé institucional. A criação da Agência Nacional do Cinema (ANCINE) no governo FHC. O Estado regulador: entre o estado intervencionista e o estado neoliberal. Mudanças com os governos Lula e Dilma. Divisão de atribuições entre SAv e ANCINE. O fracasso do projeto ANCINAV. A lei /06 (Fundo Setorial do Audiovisual) e a Lei /11 (TV por assinatura). Desafios e perspectivas.

8 AULA 2 A LEI /11 COTAS PARA A TV POR ASSINATURA A cadeia produtiva da Tv por assinatura. Repartição das atribuições entre ANCINE e ANATEL. Obrigações gerais. Cotas de programação brasileira na TV por assinatura: as cotas de canal. A definição de espaço qualificado. Os canais de espaço qualificado. Cotas de programação brasileira na TV por assinatura: as cotas de pacote. Canal brasileiro de espaço qualificado. Os requisitos dos canais brasileiros previstos nos Arts. 17 4º e 5º. Canais jornalisticos brasileiros. Canais de distribuição obrigatória. Outras obrigações. O impacto da nova lei de TV por assinatura no mercado audiovisual brasileiro. AULA 3 A 7 AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA (ANCINE): ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO CARGA HORÁRIA: 20 HORAS Características gerais. Características e objetivos. A diretoria colegiada. Organograma. O Certificado de Produto Brasileiro (CPB). Cobrança da CONDECINE e Certificado de Registro de Título (CRT). Registro de Empresa produtora. Tipos de empresa produtora. Definição de produtora brasileira independente. Fomento indireto: Lei do Audiovisual, Funcines, Art. 39 MP /01. Fomento direto: PAR e PAQ. Apoio à participação em festivais internacionais. O Fundo Setorial do Audiovisual: regulamento geral do PRODAV, modalidades de apoio e características. Pesos e critérios. AULA 8 E 9 POLÍTICAS REGIONAIS: FUNCULTURA (PE) Apresentação do modelo institucional do Funcultura e sua exitosa trajetória no auxílio ao desenvolvimento do audiovisual nordestino. AULA 10 E 11 POLÍTICAS REGIONAIS: RIOFILME Apresentação do modelo institucional da RioFilmes. A formação da RioFilme e suas diversas fases. Fase atual. Carteira de investimentos. Investimentos automáticos. Editais anuais. Retorno do investimento.

9 AULA 12 E 13 POLÍTICAS REGIONAIS: CEARÁ (SECULT) A Secretaria de Cultura do Ceará e seu projeto de desenvolvimento do audiovisual cearense. Os Editais de Cinema e Vídeo. O Mecenato estadual. Demanda espontânea. Os espaços culturais: o IACC e o Dragão do Mar. Estrutura organizacional da SECULT. Desafios. AULA 14 POLÍTICAS REGIONAIS: FORTALEZA (SECULTFOR) A Secretaria de Cultura de Fortaleza e seu projeto de desenvolvimento do audiovisual de Fortaleza. O audiovisual no Plano Municipal de Cultura. Política de difusão. Estrutura organizacional da SECULTFOR. Desafios. AULA 15 E 16 A SECRETARIA DO AUDIOVISUAL (SAV) A missão da Sav. Editais de fomento direto. A Lei Rouanet. Fomento indireto: Art. 18 e 25. O Fundo Nacional de Cultura. Demanda espontânea. Outras ações. Estrutura organizacional da SAV. Desafios. AULA 17 E 18 BNDES O papel do BNDES na economia brasileira. Apresentação e histórico dos mecanismos de apoio do BNDES ao audiovisual brasileiro. Seleção Pública de Projetos Cinematográficos. A criação do departamento de economia da cultura. O BNDES Procult. O Cinema Perto de Você. Funcines. O apoio do BNDES às micro e pequenas empresas. MÓDULO IV: ASPECTOS JURÍDICOS E FINANCEIROS CARGA HORÁRIA: 60 HORAS AULA 1 A 4 DIREITOS AUTORAIS Lei 9.610/98. Direitos de autor versus propriedade industrial. Direitos de autor versus direitos da personalidade. Direitos conexos. Direitos morais e direitos patrimoniais. Coautoria da obra audiovisual. A anterioridade. Domínio público. Obras anônimas e pseudônimas. O papel do produtor. Direitos autorais no documentário.

10 AULA 5 ASPECTOS TRABALHISTAS SINDICATOS Aspectos legais relacionados aos contatos de trabalho. Carga horária. Contrato de trabalho. Riscos e limites. Os sindicatos STIC/SATED. Pisos salariais. Convenções coletivas de trabalho. AULA 6 A 10 A EMPRESA PRODUTORA: ASPECTOS LEGAIS CARGA HORÁRIA: 20 HORAS Tipos de empresa produtora. Entidades sem fins lucrativos. O Simples e o supersimples. O Microempreendedor Individual (MEI), a microempresa (ME), e a Empresa de pequeno porte (EPP). Questões administrativas. Procedimentos legais. Classe CNAE. Estrutura de custos. Aspectos legais: estatuto da microempresa, o regime simples, constituição ME e legislação fiscal. Desenho de uma micro e pequena empresa: planejamento (projeto), início, consolidação e desenvolvimento. Políticas e programas de apoio para as MPE s Micro e Pequenas Empresas. O contrato social. Objeto social. AULA 11 A 15 COMO ABRIR E MANTER UMA EMPRESA? CARGA HORÁRIA: 20 HORAS Noções de empreendedorismo. Como abrir uma empresa produtora? Procedimentos formais: consultas prévias, nome da empresa (registro de marca), registro do contrato social, CNPJ, inscrição estadual e municipal, alvará, sindicatos. Obrigações anuais. O papel do contador. Custos administrativos. QUESTÕES TRIBUTÁRIAS IMPOSTOS E TAXAS. Aspectos tributários sobre as atividades audiovisual, impostos federais, estaduais e municipais. IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, ISSQN, INSS. ICMS. ISS, IPTU. Fato gerador. Alíquotas. Casos de isenção ou redução. Procedimentos administrativos.

Pós-Graduação em Produção Audiovisual

Pós-Graduação em Produção Audiovisual Produção Audiovisual Pós-Graduação em Produção Audiovisual Aula Inaugural - 28 de abril de 2015 Aulas aos sábados, das 8h às 15h Valor do curso: R$ 15.698,00 À vista com desconto: R$ 14.913,00 Consultar

Leia mais

Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica

Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica Audiência Pública SENADO FEDERAL Brasília, 11 de julho de 2007 Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica APG17 LEOPOLDO NUNES Diretor Slide 1 APG17 ou "na convergência" ou ainda no "cenário

Leia mais

FGV Empresarial FILM & TELEVISION BUSINESS FORMAÇÃO EXECUTIVA EM CINEMA E TV

FGV Empresarial FILM & TELEVISION BUSINESS FORMAÇÃO EXECUTIVA EM CINEMA E TV FGV Empresarial FILM & TELEVISION BUSINESS FORMAÇÃO EXECUTIVA EM CINEMA E TV EMENTAS Aula Inaugural Apresentação do programa do curso e do conteúdo das disciplinas. Apresentação dos alunos, sua formação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011 Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. Premissas para a Construção do Planejamento Estratégico Início

Leia mais

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult IMPORTANTE O programa BNDES PSI reduziu as taxas de juros no apoio a bens de capital, inovação e exportação. Verifique se o seu

Leia mais

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL.

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. A CLASSE C IDENTIFICA CINEMA, INTERNET E TV POR ASSINATURA COMO

Leia mais

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de Financiamento Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de financiamento Polí:cas públicas Mercado Internacional Federais Locais Indireto/Incen:vos Direto Incen:vos/Direto Ar:go 1 PAR ICMS Co- produções

Leia mais

Mais cinemas para mais brasileiros.

Mais cinemas para mais brasileiros. Mais cinemas para mais brasileiros. ...NUM CINEMA PERTO DE VOCÊ! O Brasil já teve uma grande e descentralizada rede de salas de cinema. Em 1975, eram quase 3.300 salas, uma para cada 30 mil habitantes,

Leia mais

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet XXXIV Congresso Internacional de Propriedade Intelectual - ABPI Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet Rosana Alcântara Diretora Agosto de 2014 Agenda Atuação da ANCINE

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Seminário SIAESP Agosto de 2013 andre.marques@ancine.gov.br Principais Atribuições Promover o registro e a classificação de agentes econômicos e obras

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os próximos itens, relativos aos processos narrativos e à linguagem cinematográfica. 61 No documentário, legitimou-se o uso de imagens animadas por computadores, desenhadas

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL Questões Centrais Manoel Rangel, Diretor da Agência Nacional do Cinema. Esta apresentação: De que maneira a tecnologia deve ser ponderada na decisão? O uso do espectro

Leia mais

Introdução ao Film Business com Leonardo Monteiro de Barros

Introdução ao Film Business com Leonardo Monteiro de Barros CURSO INÉDITO EM SANTA CATARINA Introdução ao Film Business com Leonardo Monteiro de Barros Florianópolis, dias 22 e 23 de Janeiro de 2010 INSCRIÇÕES ATÉ 15 de Janeiro de 2010 25 vagas (até 2 profissionais

Leia mais

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Porque Investir? 20,3 x 4,9 x R$ 540 Milhões 8.340 Postos de Trabalho R$ 26.5 Milhões R$ 113 Milhões 32 filmes investidos e lançados pela RioFilme entre

Leia mais

TV POR ASSINATURA E REGULAÇÃO: DESAFIO À COMPETITIVIDADE

TV POR ASSINATURA E REGULAÇÃO: DESAFIO À COMPETITIVIDADE TV POR ASSINATURA E REGULAÇÃO: DESAFIO À COMPETITIVIDADE E AO ESTÍMULO À PRODUÇÃO LOCAL João Maria de Oliveira* Carolina Teixeira Ribeiro** 1 INTRODUÇÃO A evolução das tecnologias de produção, empacotamento,

Leia mais

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora ABAR, Agosto de 2013 Agenda Contexto do mercado de TV por Assinatura Panorama econômico

Leia mais

FENEEC Entidade sindical que congrega todos os Sindicatos brasileiros que representam as empresas exibidoras cinematográficas

FENEEC Entidade sindical que congrega todos os Sindicatos brasileiros que representam as empresas exibidoras cinematográficas FENEEC Entidade sindical que congrega todos os Sindicatos brasileiros que representam as empresas exibidoras cinematográficas Atua na defesa dos interesses coletivos dos exibidores há várias décadas Representa:

Leia mais

Câmara dos Deputados

Câmara dos Deputados Substitutivo ao PL 29/07 e apensos Descrição da Proposta Dep. Jorge Bittar Brasília - Maio de 2008 Agenda Premissas do Substitutivo ao PL 29/07 Escopo do Substitutivo Descrição do Substitutivo Propostas

Leia mais

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014

Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014 Fundo Setorial do Audiovisual - FSA Débora Ivanov Agosto/2014 As chamadas - produção, comercialização e desenvolvimento - Chamadas SELETIVO Longas Produção Prodecine 1 Distribuidor Prodecine 2 FSA Produção

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

DEMOCRACIA E CULTURA. 4º encontro regional da CNTU: Democracia, comunicação e cultura

DEMOCRACIA E CULTURA. 4º encontro regional da CNTU: Democracia, comunicação e cultura DEMOCRACIA E CULTURA 4º encontro regional da CNTU: Democracia, comunicação e cultura SUMÁRIO 1. O marco legal: a criação do Ministério da Cultura e a Constituição de 1988 2. A Política Nacional de Cultura

Leia mais

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses.

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. Estamos preparando a reedição do manual com as alterações.

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Mais de 8,5 milhões de assinantes; Concentração de operadoras de TV por Assinatura; Poucas Programadoras Brasileiras;

Mais de 8,5 milhões de assinantes; Concentração de operadoras de TV por Assinatura; Poucas Programadoras Brasileiras; Mais de 8,5 milhões de assinantes; Concentração de operadoras de TV por Assinatura; Poucas Programadoras Brasileiras; Concentração de programadoras brasileiras; Pouco investimento na produção audiovisual.

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

MERCADO DE TV POR ASSINATURA EVOLUÇÃO DOS ÚLTIMOS ANOS. Fonte: ABTA

MERCADO DE TV POR ASSINATURA EVOLUÇÃO DOS ÚLTIMOS ANOS. Fonte: ABTA MERCADO DE TV POR ASSINATURA EVOLUÇÃO DOS ÚLTIMOS ANOS Fonte: ABTA TV POR ASSINATURA QUEM SÃO AS EMPRESAS QUE OPERAM? Pouco mais de 100 empresas operando Cerca de 90% delas controladas por Empreendedores

Leia mais

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Nossa equipe atende empresas que investem em responsabilidade

Leia mais

REGULAMENTO 2015. A 7ª edição do Festival será realizada em São Paulo, de 01/05/2015 a 10/05/2015.

REGULAMENTO 2015. A 7ª edição do Festival será realizada em São Paulo, de 01/05/2015 a 10/05/2015. I - SOBRE O FESTIVAL DESCRIÇÃO E OBJETIVOS O IN- EDIT~BRASIL - Festival Internacional do Documentário Musical - é um evento cinematográfico que tem como objetivo fomentar a produção e a difusão de filmes

Leia mais

Perguntas freqüentes - FAQ

Perguntas freqüentes - FAQ Perguntas freqüentes - FAQ CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2008 COMERCIALIZAÇÃO 1) Como faço para enviar meu projeto? O primeiro passo para inscrever um projeto em qualquer uma das seleções

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

MBA CONTROLADORIA, FINANÇAS E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

MBA CONTROLADORIA, FINANÇAS E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO MBA CONTROLADORIA, FINANÇAS E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO 1. APRESENTAÇÃO O curso de MBA em Controladoria, Finanças e Planejamento Tributário desenvolvido pela FAACZ visa oferecer aos participantes instrumentais

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

assinatura no Brasil junho de 2011 Manoel Rangel

assinatura no Brasil junho de 2011 Manoel Rangel O PLC 116 e os serviços de televisão por assinatura no Brasil Audiência no Senado Federal junho de 2011 Manoel Rangel Diretor-presidente id t Tópicos desta apresentação A evolução da proposta do PLC 116

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

I Fórum Lusófono das Comunicações MARCOS TAVOLARI. Associação de Reguladores de Comunicações e Telecomunicações da CPLP Brasília, 30/04/2010

I Fórum Lusófono das Comunicações MARCOS TAVOLARI. Associação de Reguladores de Comunicações e Telecomunicações da CPLP Brasília, 30/04/2010 Futuro das (Tele)Comunicações e a Regulação na Convergênica: ponderando interesses, estimulando negócios e promovendo o acesso à informação e ao bem cultural diversificado. I Fórum Lusófono das Comunicações

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios

Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Audiência Pública Alexandre Annenberg 21/maio/2007 Os marcos regulatórios vigentes para a oferta de serviços de TV por Assinatura são baseados

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 19-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE MARÇO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Mercados Emergentes em Comunicação, modalidade modular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema Assuntos abordados nesta apresentação Visão geral sobre

Leia mais

Economia do audiovisual Direito do entretenimento / UERJ / 2011

Economia do audiovisual Direito do entretenimento / UERJ / 2011 Economia do audiovisual Direito do entretenimento / UERJ / 2011 Economia? Economia! Conjunto de a=vidades geradoras de valor > Mercadorias com valor econômico (material) e cultural (simbólico) > Indústria

Leia mais

MERCADO AUDIOVISUAL. Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento

MERCADO AUDIOVISUAL. Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento MERCADO AUDIOVISUAL Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento Índice Apresentação I. PERFIL DOS AGENTES ECONÔMICOS II. III. VOCAÇÕES DE PRODUÇÕES REGIONAIS LINHAS DE DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO

Leia mais

Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil

Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil Metodologia de pesquisa Diagnóstico Contexto histórico Transversalidade Panorama brasileiro Marcos legais e regulatórios Gargalos Interfaces

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

ANCINE Assessoria Internacional

ANCINE Assessoria Internacional ANCINE Assessoria Internacional Principais Atribuições da Assessoria Internacional Participar do desenvolvimento e de revisões de acordos internacionais de coprodução cinematográfica/audiovisual; Negociar

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO)

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) A Superintendência de Fomento é o setor responsável na ANCINE pela análise, aprovação e acompanhamento dos projetos audiovisuais que pretendem utilizar recursos oriundos

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Economia da cultura e desenvolvimento

Economia da cultura e desenvolvimento Economia da cultura e desenvolvimento 2008 Economia Dimensão da vida Campo de conhecimento Área de atuação do Estado e da sociedade Relações e práticas sociais Geração de valor Oferta e demanda Cultura

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Apresentação A emergência de novas tecnologias de informação e comunicação e sua convergência exigem uma atuação de profissionais com visão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Altera a destinação de receitas decorrentes da Contribuição para o Desenvolvimento

Leia mais

FAQ SADIS (Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas)

FAQ SADIS (Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas) FAQ SADIS (Sistema de Acompanhamento da Distribuição em Salas) 1. Quem deve prestar as informações? 2. Quem pode acessar o sistema? 3. Uma empresa distribuidora pode autorizar outra empresa a prestar as

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

a questão das leis de incentivo à cultura

a questão das leis de incentivo à cultura a questão das leis de incentivo à cultura 25/10/2004 Dia 25/10 - das 8h30 às 11h Tema: A questão das leis de incentivo à cultura Palestrante: Gilberto Gil Ministro da Cultura a questão das leis de incentivo

Leia mais

Regulação do audiovisual no cenário da convergência

Regulação do audiovisual no cenário da convergência Regulação do audiovisual no cenário da convergência Rio de Janeiro, 9/11/2007 Alex Patez Galvão Mestre em Economia, Doutor pelo PPGCI IBICT/ECO UFRJ Assessor Núcleo de Assuntos Regulatórios ANCINE Tópicos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Resenha. Flávio Júnior Freitas FERREIRA 1

Resenha. Flávio Júnior Freitas FERREIRA 1 Resenha Cinema e Mercado (AUTRAN, Arthur. MATTA, João Paulo Rodrigues. DE LUCA, Luiz Gonzaga. LEAL, Antônio. MATTOS, Tetê. NUDELIMAN, Sabrina. PFEIFFER, Daniela. MASSAROLO, João Carlos. DE ALVARENGA, Marcus

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações cometidas

Leia mais

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto

9 Plano de Marketing 9.1 Estratégias de Produto 1 Sumário Executivo (O que é o plano de negócios) 2 Agradecimentos 3 Dedicatória 4 Sumário ( tópicos e suas respectivas páginas) 5 Administrativo - Introdução (O que foi feito no módulo administrativo)

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014. Apresentação

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014. Apresentação 2013 2014 PORTFÓLIO INSTITUCIONAL GRUPO ASSETS - 2013 2014 Apresentação Assets Contadores e Consultores Associados, fundada ano 2000, é uma empresa jovem e totalmente dinâmica, que busca sempre o melhor

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE SIGA: TMBAES*06/26 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua Almirante Protógenes,

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

Produção Para Cinema e Televisão

Produção Para Cinema e Televisão Produção Para Cinema e Televisão O curso tem como objetivo a formação ou capacitação aprofundada dos participantes como produtores audiovisuais para cinema e televisão. Constatamos que o mercado brasileiro

Leia mais

MANUAL DO EMPRESÁRIO

MANUAL DO EMPRESÁRIO MANUAL DO EMPRESÁRIO ÍNDICE GERAL Pagina CAPITULO I VOCÊ, COMO EMPRESÁRIO E SUA EMPRESA 012 PARTE I TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER 012 ITEM I O QUE VOCÊ DEVE SER E TER 012 PARTE II O PLANEJAMENTO DA SUA

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PDP FIEAM.ORG.BR/IEL

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PDP FIEAM.ORG.BR/IEL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL FIEAM.ORG.BR/IEL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL A sua inserção no mercado de trabalho merece uma qualificação estratégica para conquistar as melhores

Leia mais

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Cenário do comércio exterior de serviços: Déficits crescentes na conta de serviços do balanço de pagamentos Carência de informações detalhadas

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de bens e serviços 1. Investimento Direto Estrangeiro Constituição de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 1962 Lei nº 4.117, de 27 de agosto de 1962 Institui o Código Brasileiro de Telecomunicações CBT. 1963 Decreto

Leia mais

Regulamento 2015. Objetivos

Regulamento 2015. Objetivos Regulamento 2015 Objetivos O É Tudo Verdade Festival Internacional de Documentários tem por objetivo promover o documentário e proporcionar uma maior reflexão sobre o gênero. Período A 20ª edição do festival

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Permite o apoio financeiro a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Cultura de São Paulo, alcançando todo o estado. Segundo a Secretaria, o Proac visa a: Apoiar

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes Coordenação Acadêmica: Ana Ligia Nunes Finamor CÓDIGO: 1 OBJETIVO Desenvolver visão estratégica, possibilitando ao

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Área Industrial Dezembro/2013 nº 31. O BNDES e a economia da cultura

Área Industrial Dezembro/2013 nº 31. O BNDES e a economia da cultura Informe Setorial Área Industrial Dezembro/213 nº 31 2ª Edição Fevereiro/214 O BNDES e a economia da cultura O início da atuação do BNDES na economia da cultura remonta ao ano de 199, quando, com um enfoque

Leia mais

A nova regulação da TV paga e seu impacto no mercado de conteúdo audiovisual 3,43 3,55 3,52 3,54 3,76 2,8

A nova regulação da TV paga e seu impacto no mercado de conteúdo audiovisual 3,43 3,55 3,52 3,54 3,76 2,8 INFORME SETORIAL Área Industrial Agosto/2012 n o 24 A nova regulação da TV paga e seu impacto no mercado de conteúdo audiovisual A Lei 12.485, de dezembro de 2011, regulamentada em 4 de junho de 2012 pelas

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais