Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundo Setorial do Audiovisual - FSA. Débora Ivanov Agosto/2014"

Transcrição

1 Fundo Setorial do Audiovisual - FSA Débora Ivanov Agosto/2014

2 As chamadas - produção, comercialização e desenvolvimento -

3 Chamadas SELETIVO Longas Produção Prodecine 1 Distribuidor Prodecine 2 FSA Produção Complement. Relev. ArBst. Prodecine 4 Prodecine 5 Arranjos TV Produção Prodav 1 Programação Prodav 2 Desenvolvim. Arranjos Longas/TV Projetos Núcleos Laboratórios Prodav 3 Prodav 4 Prodav 5 Comercializ. Prodecine 3

4 Chamadas SELETIVO Longas Produção Distribuidor AUTOMÁTICO Longas TV FSA Produção Desenvolvim. Comercializ. Complement. Relev. ArBst. Arranjos TV Produção Programação Arranjos Longas/TV Projetos Núcleos Laboratórios

5 Principais Novidades

6 Novas linhas Desenvolvimento Suporte Automático Arranjos Regionais Grade de Programação Filme de relevância artística Comercialização para filmes de menor porte

7 Principais alterações Desembolso em uma só parcela (100%) Projetos de Relevância Artística sem a obrigatoriedade de apresentar Distribuidor Defesa oral somente em algumas linhas Projetos que já contam com FSA pulam etapas Comercialização agora tem contrapartida de apenas 10% TVs sem sede no país poderão participar Desenvolvimento passa a ser financiável

8 Principais alterações Orçamento referência para cálculos de participação do fundo agora inclui Gerenciamento Fundo participa da RBD (Comissão de Distribuição) Deduções de P&A são pré-estabelecidas Participação em produtos derivados tem valor fixo de 5% Lembrete - Projetos não precisam estar aprovados na ANCINE para participar Alerta Não haverá prorrogações de prazos de inscrição para garantir celeridade nas contratações

9 Os valores das chamadas anunciadas (Definidos pelo Comitê Gestor)

10 LONGA-METRAGEM - PRODECINE PRODECINE 1 PRODUÇÃO R$ PRODECINE 2 PRODUÇÃO através do Distribuidor R$ PRODECINE 3 COMERCIALIZAÇÃO R$ PRODECINE 4 PRODUÇÃO - Complementação R$ PRODECINE 5 PRODUÇÃO - Relevância arisjca R$ R$

11 TV - PRODAV PRODAV 1 PRODUÇÃO R$ PRODAV 2 PRODUÇÃO - Grade de Programação R$ R$

12 DESENVOLVIMENTO - PRODAV Cinema e TV PRODAV 3 Núcleos criajvos R$ PRODAV 4 Laboratórios R$ PRODAV 5 Projetos R$ R$

13 RECÉM LANÇADOS Mecanismo AutomáJco Arranjos regionais Cinema mais perto de você R$ R$ R$ R$

14 Participação dos Estados

15 Participação dos Estados no FSA 2008/ / / /2013 Total RJ 66% 44% 58% 43,10% 53,30% SP 33% 48% 28,00% 50,10% 37,30% RS 0,20% 3,10% 4,80% 1,20% 3,30% PR 0,00% 3,10% 2,50% 1,00% 2,40% BA 0,00% 0,80% 1,70% 1,60% 1,10% MG 0,00% 0,50% 1,80% 0,70% 1,00% DF 1,00% 0,70% 0,60% 2,10% 0,70% PB 0,00% 0,00% 1,10% 0,00% 0,50% PE 0,00% 0,00% 0,90% 0,30% 0,40% CE 0,00% 0,20% 0,00% 0,00% 0,10%

16 As Chamadas - Principais quesitos -

17 LONGA-METRAGEM

18 Inscrições encerradas PRODECINE 1 PRODUÇÃO R$ Proponente - Produtora brasileira independente Produtora poderá também ser a distribuidora, mas sem comissão Limites - inscrição de até 3 projeto por proponente Proponente pode receber até 10% = R$ Vedado - Projetos já contratados pelo ou concorrendo em outras chamadas Seleção para defesa oral serão 40 projetos Contratação com interveniência do Distribuidor Conclusão da obra (CPB) após Desembolso - ficção e documentário 18 meses / animação 30 meses

19 Fluxo contínuo 15/01 PRODECINE 2 PRODUÇÃO via Distribuidor R$ Proponente - Distribuidora brasileira independente Vedado - Projetos já contratados ou concorrendo em outras chamadas Limite - Investimento por proponente - até 25%, podendo chegar a 35% obras fora do eixo RJ/SP Análise - Mínimo de 90 dias. Sem Defesa Oral. Pode haver reunião. Conclusão da obra (CPB) após desembolso 18 meses para longa de ficção e documentário / 30 meses para animação

20 Fluxo contínuo 15/01 PRODECINE 3 COMERCIALIZAÇÃO R$ Proponente - Produtora brasileira independente Limite - R$ por projeto - Até 3 projetos por proponente - Valor máximo de produção R$ 4 M Condição Precisa de contrato com distribuidor nacional - Contrapartida do distribuidor de 10% do investimento do FSA (R$ ) - Mínimo de 10 salas de exibição de programação regular - Comissão de distribuição máximo de 25% da RDB incluindo FSA Itens não financiáveis eventos de lançamento, gerenciamento, produção, despesas administrativas, classificação indicativa e custeio da produtora Análise Direto pelo Comitê de Investimentos (sem necessidade de análise/ pontuação, defesa oral) Pode haver reunião. Lançamento comercial - Até 12 meses do desembolso

21 Fluxo contínuo 15/01 PRODECINE 4 PRODUÇÃO - Complementação R$ Proponente Produtora brasileira independente Pode participar projetos que tenham outras linhas do FSA Condição Projeto deve contar coma captação mínima de 40% dos itens financiáveis. Necessário contrato de distribuição Limite Máximo de 50% dos itens financiáveis Proponente pode receber até 10% dos recursos = R$ Vedado captação adicional Análise Prazo mínimo de 90 dias. Sem Defesa Oral. Pode haver reunião. Conclusão da obra (CPB) - a partir do desembolso 12 meses para longa de ficção e documentário e 30 meses para animação

22 Inscrições encerradas PRODECINE 5 PRODUÇÃO relevância arisjca R$ Proponente - Produtora brasileira independente Produtor pode ser também o distribuidor, mas sem comissão Projeto em qualquer etapa Limite Inscrição de 1 projeto por proponente Seleção 20 propostas para defesa oral Itens financiáveis máximo de R$ p/ficção e R$ p/doc Financiável = Desenvolvimento, produção, gerenciamento Não financiável = agenciamento, comercialização, custeio da empresa Vedado - Projetos já contratados com FSA ou concorrendo em outras chamadas - Captação adicional Aporte FSA deve fechar ítens financiáveis Conclusão da obra (CPB) a partir de desembolso, 18 meses para ficção e documentário e 30 para animação

23 TV

24 Fluxo contínuo 15/01 PRODAV 1 PRODUÇÃO TV R$ Proponente - Produtoras brasileiras independentes Destinação - R$ ,00 para telefilme documental Vedado - Projetos que já contratados no FSA ou concorrendo em outras chamadas Limite Proponente pode receber até a 10% dos recursos = R$ Programadora ou emissora pode receber até 25% dos recursos = R$ Condição Para inscrição necessário contrato firmado com TV. É permitida programadoras não tenham sede no Brasil. Análise - Prazo mínimo de 90 dias Conclusão da obra (CPB) após desembolso 12 meses para telefilme documental, 18 meses para série de ficção e documental e 30 meses para série de animação.

25 Fluxo contínuo 15/01 PRODAV 2 PRODUÇÃO - Grade de Programação R$ Proponente Canais de Tv aberta ou por assinatura Limite Até R$ por programadora Cada programadora poderá apresentar apenas uma única proposta, limitado o investimento a R$ ,00 por canal Modelagem Carteira de projetos indicados em de processo de seleção pública Vedado - a projetos que já contratados ou concorrendo em outras chamadas Conclusão da obra (CPB) após 1ª parcela 12 meses para telefilmes documentais, 18 meses para obras seriadas de ficção e documentário e 30 meses Para obras seriadas de animação Exibição Até 12 meses após a emissão do CPB

26 Desenvolvimento

27 Inscrições encerradas PRODAV 3 DESENVOLVIMENTO Núcleos criajvos R$ Proponente Produtoras brasileiras independentes INCUBADORA DE 18 núcleos criativos ao menos 90 projetos Tv e longa-metragem Limite 1 proposta por proponente com no mínimo 5 projetos Cada núcleo poderá receber até R$ Vedado Não poderá participar de outra linha de Desenvolvimento Conclusão 18 meses a partir do desembolso de 1ª parcela

28 Inscrições encerradas PRODAV 4 DESENVOLVIMENTO Laboratórios R$ Proponente Produtoras brasileiras independentes Meta apoio mínimo de 58 projetos Tv e longa-metragem Limite 1 proposta por proponente Obra seriada de ficção ou animação R$ Obra seriada de documentário ou formato R$ Longa-metragem de ficção ou animação R$ Vedado Não poderá participar de outra linha de Desenvolvimento Sem defesa oral Conclusão 18 meses a partir do desembolso de 1ª parcela

29 Inscrições encerradas PRODAV 4 DESENVOLVIMENTO R$ Proponente Produtoras brasileiras independentes ou Desenvolvedores Meta apoio mínimo de 26 projetos Tv e longa-metragem Limite 2 propostas por proponente Obra seriada de ficção ou animação R$ Obra seriada de documentário ou formato R$ Longa-metragem de ficção ou animação R$ Vedado Não poderá participar de outra linha de Desenvolvimento Sem defesa oral Conclusão 18 meses a partir do desembolso de 1ª parcela

30 Retornos ao FSA

31 Retornos não financeiros Cópia para arquivo na Cinemateca Copia digital com legendagem e audio-descrição (cinema) Autorização de retprodução e distribuição para ações promocionais do FSA e da ANCINE Inserção de marcas no FSA e ANCINE Cessão de espaço para veiculação de mensagens publicitárias de utilidade pública e promoção do audiovisual

32 Retornos financeiros por 7 anos PRODECINE 1 (Produção) - % RBD + % RLP PRODECINE 2 (Produção através do Distribuidor) % RBD + % RLP PRODECINE 3 (Comercilização) 2% RBD + Retenção prioritária PRODECINE 4 (Complementação) % RDB + % RLP PRODECINE 5 (Produção Relevância Artistica) % RDB + % RLP PRODAV 1(Produção TV) RLP PRODAV 2 (Produção TV Grade Programação) RLP Obras derivadas 5% fixo

33 Pré-licenciamento para TV 5% para documentários (longa-mentragem ou telefilme) 7% para longa-metragem de ficção ou animação 15% para demais séries

34 Cálculos de Participação do FSA FSA (Vide simulador no site do BRDE)

35 Novos investimentos anunciados em Julho de 2014

36 01 Julho FSA = 1,2 Bi em 2013/2014 Em 2013 = R$ R$ 310 milhões (para ampliação do parque exibidor) Em 2014 = R$ 480 milhões

37 EIXO 1: Desenvolvimento de projetos, roteiros, marcas e formatos R$ 94 milhões Três linhas financeiras focalizam o desenvolvimento de projetos e formatos de obras audiovisuais, estimulando a criação de parcerias entre empresas e profissionais responsáveis pela criação, produção, agregação e comunicação pública de conteúdos: Núcleos Criativos, Desenvolvimento de Projetos e Laboratórios de Desenvolvimento. São R$ 61 milhões novos que se somam aos R$ 33 milhões já em processo de seleção. Com essas ações esperase promover o desenvolvimento de 450 projetos para cinema e TV e a formação de 54 núcleos de criação em todas as regiões do país.

38 EIXO 2: Capacitação e formação profissional O PRONATEC Audiovisual focaliza os gargalos de mão de obra e visa a melhor capacitação técnica dos profissionais da área por meio de cursos de atualização e, em especial, à capacitação de jovens para funções técnicas da produção audiovisual. É um capítulo especial do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego, do Ministério da Educação. Serão ofertadas 5 mil bolsas para 20 cursos, em 12 capitais: Belém, Manaus, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte,Brasília, São Paulo, Rio de janeiro, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.

39 EIXO 3: Produção e difusão de conteúdos brasileiros R$ 700 milhões As ações desse eixo envolvem diversos agentes econômicos - produtores, distribuidores, programadores, TVs públicas e parceiros internacionais e diferentes modalidades de operação financeira. São R$ 375 milhões novos que se somam aos R$ 325 milhões já em processo de seleção de projetos. Metas: 300 longas-metragens/ 400 obras seriadas de televisão/ 2 mil horas de conteúdo. Os recursos deste eixo serão divididos assim: R$ 439 milhões para investimento em produção e difusão de projetos de cinema e televisão; R$ 179 milhões para ações que visam o desenvolvimento de pólos regionais de produção, em parceria com TVs públicas (comunitárias, universitárias, educativas e culturais) e governos estaduaise municipais; R$ 70 milhões para o Sistema Financeiro de Suporte Automático, cujo investimento é baseado no desempenho das empresas, e R$ 12 milhões para ações internacionais.

40 EIXO 4: O Programa Cinema Perto de Você - R$ 350 milhões Os recursos do Brasil de Todas as Telas também abrangem a operação do Programa Cinema Perto de Você, um conjunto de mecanismos voltados à abertura e a modernização de salas de cinema em todo o Brasil, com ênfase na digitalização.cerca de 250 salas já receberam financiamento público desde o início do programa. Serão destinados R$ 350 milhões para investimento e crédito para abertura de novas salas, digitalização do parque exibidor e investimentos do projeto Cinema da Cidade.

41 Breve resumo do FSA

42 PolíJca pública federal ii. Apoio Direto Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) Trata- se de um fundo des\nado ao desenvolvimento de toda a cadeia produ\va do audiovisual, criado pela Lei /06, e regulamentado pelo Decreto 6.299/07. Seus recursos são oriundos da própria ajvidade econômica, de contribuições recolhidas pelos agentes do mercado, principalmente da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional CONDECINE - e do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações - FISTEL. O BNDES é o agente financeiro do FSA, responsável pela administração dos recursos e contratação, repasse e coordenação dos serviços junto a bancos públicos. A ANCINE atua como interveniente nos contratos, definindo os parâmetros da operação e acompanhando a execução operacional das linhas de ação do FSA junto com o agente financeiro. O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE opera as linhas de produção e distribuição de obras audiovisuais para cinema e televisão. As modalidades financeiras são a Btulo de: - InvesJmento aplicação de recursos com par\cipação do FSA nos resultados comerciais dos projetos; - Apoio subvenção econômica não reembolsável. 42

43 PolíJca pública federal ii. Apoio Direto PRODECINE 01/2013 Investimento na Produção de longa-metragens Seleção, em regime de concurso público, de projetos de produção independente de obras cinematográficas brasileiras de longa-metragem de ficção, documentário ou de animação, com destinação e exibição inicial no mercado de salas de exibição, visando à contratação de operações financeiras, exclusivamente na forma de investimento. PRODECINE 02/2013 Investimento na Produção via Distribuidoras Seleção, em regime de fluxo contínuo, de propostas de obras cinematográficas brasileiras de produção independente de longa-metragem de ficção, documentário ou de animação, apresentando por meios de distribuidoras brasileiras independentes, visando à contratação de operações financeiras, exclusivamente na forma de investimento. PRODECINE 03/ Investimento na Comercialização Seleção, em regime de fluxo contínuo, de projetos de comercialização de obras cinematográficas brasileiras de produção independente de longa-metragem de ficção, documentário ou de animação, para exploração em todos os segmentos de mercado, com destinação inicial ao mercado de salas de exibição visando à contratação de operações financeiras, exclusivamente na forma de investimento. 43

44 PolíJca pública federal ii. Apoio Direto PRODECINE 04/ Investimento na Complementação à Produção Seleção, em regime de fluxo contínuo, de projetos de produção independente de obras cinematográficas brasileiras de longa-metragem de ficção, ou de animação, na modalidade de complementação de recursos, visando à contratação de operações financeiras, exclusivamente na forma de investimento. PRODECINE 05/2013 -Investimento em Projetos de produção de longasmetragens com propostas de linguagem inovadora e relevância artística Seleção, em regime de concurso público, de projetos de produção independente de obras cinematográficas brasileiras de longa-metragem de ficção, documentário ou de animação, visando à contratação de operações financeiras, exclusivamente na forma de investimento, destinada prioritariamente a projetos com propostas de linguagem inovadora e relevância artística, com potencial de participação e premiação em festivais, que apontem para a experimentação e a pesquisa de linguagem, que sejam capazes de dialogar com seu público-alvo e de realizar seu potencial comercial na fatia de mercado específica que almejam. 44

45 PolíJca pública federal ii. Apoio Direto PRODAV 03/2013 Apoio a Núcleos Criativos Seleção, em regime de concurso público, de propostas de Núcleos Criativos para o desenvolvimento de Carteira de Projetos de obras audiovisuais seriadas e não seriadas, e de formatos de obra audiovisual, brasileiros de produção independente, destinados aos segmentos de televisão aberta e por assinatura, salas de exibição e vídeo por demanda, visando à contratação de operações financeiras. PRODAV 04/ Apoio a Laboratórios de desenvolvimento Seleção, em regime de concurso público, de propostas de Desenvolvimento de Projetos de obras audiovisuais seriadas e não seriadas, e de formatos de obra audiovisual, brasileiros de produção independente, destinados aos segmentos de televisão aberta e por assinatura, salas de exibição e vídeo por demanda, visando à contratação de operações financeiras. 45

46 PolíJca pública federal ii. Apoio Direto PRODAV 05/ Apoio a Desenvolvimento de projetos Seleção, em regime de concurso público, de propostas de Desenvolvimento de Projetos de obras audiovisuais seriadas e não seriadas, e de formatos de obra audiovisual, brasileiros de produção independente, destinados aos segmentos de televisão aberta e por assinatura, salas de exibição e vídeo por demanda, por empresas produtoras e desenvolvedoras de projetos, visando à contratação de operações financeiras. 46

47 PolíJca pública federal ii. Apoio Direto PRODAV 01/2014 Investimento na Suplementação de Recursos Regionais Suplementar recursos financeiros aportados por órgãos da administração pública direta ou indireta estadual, do Distrito Federal e das capitais com investimentos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) para financiamento de projetos de produção de conteúdos audiovisuais brasileiros independentes não publicitários. Os investimentos do FSA serão aplicados exclusivamente na modalidade participação nos resultados. A suplementação de recursos do FSA será proporcional ao aporte do órgão ou entidade e seguirá os seguintes parâmetros: Serão contemplados projetos para produção de longas-metragens, telefilmes ou obras seriadas de ficção, animação ou documentários, com a finalidade de exploração comercial da obra. PRODAV 01/2014 Investimento em Mecanismo Automático O Mecanismo Automático, anunciado em julho de 2014, irá aportar à empresas brasileiras produtoras independentes de obras cinematográficas de longametragem ou de conteúdos para a TV, recursos de acordo com o desempenho das obras no mercado, tomando como base a Receita auferida pela produtora nos últimos 2 anos. Os investimentos do FSA serão aplicados na modalidade 47 participação nos resultados.

Seminário FSA CHAMADAS 2013/14

Seminário FSA CHAMADAS 2013/14 Seminário FSA CHAMADAS 2013/14 REGULAMENTO GERAL DO PRODAV NOÇÕES SOBRE O REGULAMENTO GERAL DO PRODAV O PRODAV é um programa de ação governamental organizado com base nos recursos do Fundo Setorial do

Leia mais

MERCADO AUDIOVISUAL. Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento

MERCADO AUDIOVISUAL. Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento MERCADO AUDIOVISUAL Paulo Alcoforado Secretário de Políticas de Financiamento Índice Apresentação I. PERFIL DOS AGENTES ECONÔMICOS II. III. VOCAÇÕES DE PRODUÇÕES REGIONAIS LINHAS DE DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO

Leia mais

1. Posso inscrever meu projeto de curta ou média-metragem nesta Chamada?

1. Posso inscrever meu projeto de curta ou média-metragem nesta Chamada? CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE - 05/2013 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de produção de obras audiovisuais cinematográficas de longa-metragem

Leia mais

Perguntas freqüentes FAQ

Perguntas freqüentes FAQ Perguntas freqüentes FAQ CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODAV 01/2008 PRODUÇÃO PARA TELEVISÃO 1) Como faço para enviar meu projeto? O primeiro passo para inscrever um projeto em qualquer uma das seleções

Leia mais

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL.

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. A CLASSE C IDENTIFICA CINEMA, INTERNET E TV POR ASSINATURA COMO

Leia mais

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Porque Investir? 20,3 x 4,9 x R$ 540 Milhões 8.340 Postos de Trabalho R$ 26.5 Milhões R$ 113 Milhões 32 filmes investidos e lançados pela RioFilme entre

Leia mais

Perguntas freqüentes - FAQ

Perguntas freqüentes - FAQ Perguntas freqüentes - FAQ CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2008 COMERCIALIZAÇÃO 1) Como faço para enviar meu projeto? O primeiro passo para inscrever um projeto em qualquer uma das seleções

Leia mais

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014

Fontes de Financiamento. Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de Financiamento Débora Ivanov Agosto/2014 Fontes de financiamento Polí:cas públicas Mercado Internacional Federais Locais Indireto/Incen:vos Direto Incen:vos/Direto Ar:go 1 PAR ICMS Co- produções

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Altera a destinação de receitas decorrentes da Contribuição para o Desenvolvimento

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 06/2013-2014 CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV - 06/2013-2014 SUPORTE FINANCEIRO AUTOMÁTICO

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 06/2013-2014 CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV - 06/2013-2014 SUPORTE FINANCEIRO AUTOMÁTICO CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV - 06/2013-2014 SUPORTE FINANCEIRO AUTOMÁTICO A ANCINE, na condição de secretaria-executiva do Fundo Setorial do Audiovisual, e o BRDE, como seu agente financeiro, fazem

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO)

SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO (SFO) A Superintendência de Fomento é o setor responsável na ANCINE pela análise, aprovação e acompanhamento dos projetos audiovisuais que pretendem utilizar recursos oriundos

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA Chamada Pública FSA nº 01/2014 Suplementação regional

MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA Chamada Pública FSA nº 01/2014 Suplementação regional CONTRATO DE INVESTIMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL BRDE E A PRODUTORA [NOME], SOB A INTERVENIÊNCIA DA DISTRIBUIDORA [NOME], PARA OS FINS QUE ESPECIFICA. BANCO

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 06/2015 Suporte Automático/ Linha de Desempenho Comercial

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 06/2015 Suporte Automático/ Linha de Desempenho Comercial CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV 06/2015 Suporte Automático/ Linha de Desempenho Comercial O FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL (FSA) torna público que receberá inscrições para o processo de seleção da Chamada

Leia mais

ANCINE FOMENTO : E PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANCINE FOMENTO : E PRESTAÇÃO DE CONTAS DIREITO DO ENTRETENIMENTO ANCINE e Prestação de Contas 23.10.2010 Professor: Lúcio Aguiar ANCINE : FOMENTO E PRESTAÇÃO DE CONTAS Lúcio Aguiar Micro-história - Ação do III CBC (2000) - MP 2228-1 - Conclui

Leia mais

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993

DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 DECRETO N 974, DE 8 DE NOVEMBRO DE 1993 Regulamenta a Lei n 8.685, de 20 de julho de 1993, que cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

Os recursos investidos deverão ser aplicados exclusivamente na produção das obras audiovisuais.

Os recursos investidos deverão ser aplicados exclusivamente na produção das obras audiovisuais. CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE - 04/2012 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de produção de obras audiovisuais cinematográficas de longa-metragem

Leia mais

5) Quem pode participar? Empresas distribuidoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais.

5) Quem pode participar? Empresas distribuidoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais. CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE - 02/2012 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de aquisição de direitos de obras audiovisuais cinematográficas de

Leia mais

Comitê de Investimento do Fundo Setorial do Audiovisual Título do Projeto Proponente

Comitê de Investimento do Fundo Setorial do Audiovisual Título do Projeto Proponente Comitê de Investimento do Fundo Setorial do Audiovisual Ata da avaliação da Defesa Oral e Decisão Final da Chamada Pública BRDE/FSA PRODECINE Produção Cinema 01/2014 Entre os dias compreendidos entre vinte

Leia mais

5) Quem pode participar? Empresas produtoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais.

5) Quem pode participar? Empresas produtoras brasileiras independentes registradas na ANCINE e nas respectivas Juntas Comerciais. CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV - 01/2012 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) em projetos de produção de obras audiovisuais destinadas ao mercado de televisão

Leia mais

FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL PRODAV 2013

FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL PRODAV 2013 FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL PRODAV 2013 ESTRUTURAÇÃO Esta apresentação está dividida em três etapas: 1ª. Regulamento Geral do PRODAV Visão geral, definições e divisão de direitos sobre conteúdos audiovisuais

Leia mais

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE

Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Apresentação da Superintendência de Registro - SRE Seminário SIAESP Agosto de 2013 andre.marques@ancine.gov.br Principais Atribuições Promover o registro e a classificação de agentes econômicos e obras

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2009

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2009 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODECINE 03/2009 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual em projetos de comercialização de obras audiovisuais cinematográficas de longa-metragem

Leia mais

Acesso Público. Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS

Acesso Público. Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS Acesso Público Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS Sumário Definição e objetivos 4 Comitê 5 Política de aprovação 7 Premissas para seleção 8 Critérios de avaliação

Leia mais

XIII Simpósio Brasileiro de Desenvolvimento de Jogos e Entretenimento Digital. Cerimônia de Premiação do Concurso INOVApps

XIII Simpósio Brasileiro de Desenvolvimento de Jogos e Entretenimento Digital. Cerimônia de Premiação do Concurso INOVApps XIII Simpósio Brasileiro de Desenvolvimento de Jogos e Entretenimento Digital Cerimônia de Premiação do Concurso INOVApps Política Nacional de Conteúdos Digitais Criativos Objetivo Integrar e estimular

Leia mais

Área Industrial Dezembro/2013 nº 31. O BNDES e a economia da cultura

Área Industrial Dezembro/2013 nº 31. O BNDES e a economia da cultura Informe Setorial Área Industrial Dezembro/213 nº 31 2ª Edição Fevereiro/214 O BNDES e a economia da cultura O início da atuação do BNDES na economia da cultura remonta ao ano de 199, quando, com um enfoque

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE FILMES S/A - RIOFILME PROGRAMA DE INVESTIMENTO AUTOMÁTICO REEMBOLSÁVEL LINHA: PRODUÇÃO DE LONGAS-METRAGENS

DISTRIBUIDORA DE FILMES S/A - RIOFILME PROGRAMA DE INVESTIMENTO AUTOMÁTICO REEMBOLSÁVEL LINHA: PRODUÇÃO DE LONGAS-METRAGENS DISTRIBUIDORA DE FILMES S/A - RIOFILME PROGRAMA DE INVESTIMENTO AUTOMÁTICO REEMBOLSÁVEL LINHA: PRODUÇÃO DE LONGAS-METRAGENS REGULAMENTO Nº 01/2014 DE HABILITAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PROJETOS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PRODAV PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DO AUDIOVISUAL BRASILEIRO REGULAMENTO GERAL

PRODAV PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DO AUDIOVISUAL BRASILEIRO REGULAMENTO GERAL PRODAV PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DO AUDIOVISUAL BRASILEIRO Versão atualizada em 27/02/2014 SUMÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES (ITENS 1 A 9) 4 CAPÍTULO II OBJETIVOS E METAS (ITENS 10

Leia mais

PROJETO DE LEI. II - as dotações consignadas no Orçamento Geral da União, créditos especiais, transferências e repasses que lhe forem conferidos;

PROJETO DE LEI. II - as dotações consignadas no Orçamento Geral da União, créditos especiais, transferências e repasses que lhe forem conferidos; PROJETO DE LEI Altera a destinação de receitas decorrentes da Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional - CONDECINE, criada pela Medida Provisória n o 2.228-1, de 6 de setembro

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA FISH TV PROJETO NOVOS HORIZONTES

CHAMADA PÚBLICA FISH TV PROJETO NOVOS HORIZONTES CHAMADA PÚBLICA FISH TV PROJETO NOVOS HORIZONTES A Fish TV, Programadora registrada na ANCINE Agência Nacional de Cinema, visando agregar à sua grade de programação conteúdos de produtoras independentes

Leia mais

Audiência Pública O setor de jogos eletrônicos e digitais no Brasil. CCTCI e CCULT

Audiência Pública O setor de jogos eletrônicos e digitais no Brasil. CCTCI e CCULT Audiência Pública O setor de jogos eletrônicos e digitais no Brasil CCTCI e CCULT Política Nacional de Conteúdos Digitais Criativos Objetivo Integrar e estimular o potencial econômico das cadeias produtivas

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BOX BRAZIL Nº 001/2014

CHAMADA PÚBLICA BOX BRAZIL Nº 001/2014 Box Brazil Avenida Ipiranga, nº 6681 Tecnopuc, prédio 99A, 15º andar, sala 1501A - Bairro Partenon Porto Alegre Rio Grande do Sul CEP: 90619-900 Tel.: (55) 51 3021.6161 e-mail: projetos@boxbrazil.tv.br

Leia mais

Edital PROCINE Palmas nº 003/2015/FCP/FSA

Edital PROCINE Palmas nº 003/2015/FCP/FSA Edital PROCINE Palmas nº 003/2015/FCP/FSA PREÂMBULO NOME DO EDITAL: PROCINE Palmas nº 003/2015/ FCP/ FSA VALIDADE ATÉ: 30/12/2016 FONTES DOS RECURSOS: Fundo Municipal de Apoio à Cultura Programa Municipal

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.1

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.1 CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.1 1. Onde posso encontrar as chamadas públicas da Linha de Produção de Conteúdos destinados às TVs Públicas? As Chamadas Públicas

Leia mais

Educação Ambiental em apoio à Nova Lei Florestal. Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente

Educação Ambiental em apoio à Nova Lei Florestal. Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente Educação Ambiental em apoio à Nova Lei Florestal Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente Contextualização O Decreto Nº 7.029/09, que instituía o Programa Mais Ambiente foi revogado

Leia mais

Luiz Carlos Bueno de Lima

Luiz Carlos Bueno de Lima A política nacional de transporte t e da mobilidade urbana Luiz Carlos Bueno de Lima Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e

Leia mais

Editais Abertos. Chamada Pública MEC/MDIC/MCT Link: http://www.capes.gov.br/editais/abertos/2292-chamada-publicamecmdicmct

Editais Abertos. Chamada Pública MEC/MDIC/MCT Link: http://www.capes.gov.br/editais/abertos/2292-chamada-publicamecmdicmct A Diretoria de Desenvolvimento e Integração Regional-DEX tem como missão pesquisar e divulgar editais de fomento à extensão, visando estimular e apoiar institucionalmente propostas de programas, projetos

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Meio Ambiente

Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria de Meio Ambiente REGULAMENTO 2º FESTIVAL REGIONAL DE VÍDEOS AMBIENTAIS I DA DATA E LOCAL Art. 1º O 2º Festival Regional de Vídeos Ambientais se realizará na Cidade de São José dos Campos SP, organizado pela do município

Leia mais

FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL FSA INTRODUÇÃO

FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL FSA INTRODUÇÃO FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL FSA INTRODUÇÃO LEI Nº 11.437, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006 CRIAÇÃO DO FUNDO SETORIAL DO AUDIOVISUAL (FSA), CATEGORIA DE PROGRAMAÇÃO ESPECÍFICA DO FUNDO NACIONAL DE CULTURA (FNC)

Leia mais

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses.

O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. O MANUAL DO PRODUTOR DA ANCINE, publicado em 2005, sofreu algumas alterações em função de novas Instruções Normativas editadas nos últimos meses. Estamos preparando a reedição do manual com as alterações.

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL AO ENSINO MÉDIO NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROEJA Síntese dos

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA NÚCLEOS CRIATIVOS PRODAV 03/2014

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA NÚCLEOS CRIATIVOS PRODAV 03/2014 CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA NÚCLEOS CRIATIVOS PRODAV 03/2014 Seleção de propostas de desenvolvimento de projetos de obras audiovisuais seriadas e não seriadas de longa-metragem, e de formatos de obra audiovisual

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 55/2012 de 6 de setembro. CAPÍTULO I Disposições gerais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 55/2012 de 6 de setembro. CAPÍTULO I Disposições gerais Lei n.º 55/2012, de 6 de setembro - Lei do cinema e das atividades cinematográficas e audiovisuais ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 55/2012 de 6 de setembro Estabelece os princípios de ação do Estado no

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa

Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa Instituto de Economia - UFRJ Inovação e Empreendedorismo na Economia Criativa Ary V. Barradas Email: ary@ie.ufrj.br Empreendedorismo o empreendedor é aquele que destrói a ordem econômica existente pela

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

Programa de Apoio a Vendas de Obras Audiovisuais

Programa de Apoio a Vendas de Obras Audiovisuais Programa de Apoio a Vendas de Obras Audiovisuais O Programa de Apoio a Vendas de Obras Audiovisuais visa incentivar a venda de obras audiovisuais brasileiras a compradores internacionais, em todas as janelas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações cometidas

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA AUDIOVISUAL

POLÍTICA PÚBLICA AUDIOVISUAL POLÍTICA PÚBLICA AUDIOVISUAL OPORTUNIDADES E DESAFIOS PARA A PRODUÇÃO REGIONAL ROSANA ALCÂNTARA AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA MERCADO AUDIOVISUAL CEARENSE 2015 AGENDA Panorama do Audiovisual no Brasil Contribuição

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

DIAGNÓSTICO, AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS DO FSA

DIAGNÓSTICO, AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS DO FSA DIAGNÓSTICO, AVALIAÇÃO E PERSPECTIVAS DO FSA AUDIOVISUAL BRASILEIRO Ø 0,46% DO PIB Ø 0,58% DO VALOR AGREGADO Ø 94.972 EMPREGOS DIRETOS Ø 240.965 EMPREGOS INDIRETOS Ø 6.560 ESTABELECIMENTOS EMPREGADORES

Leia mais

CINEMA, AO FIM E AO CABO. PRIMEIRAS IMPRESSÕES SOBRE O IMPACTO DA LEI 12.485/11, A LEI DA TV A CABO, NO BRASIL

CINEMA, AO FIM E AO CABO. PRIMEIRAS IMPRESSÕES SOBRE O IMPACTO DA LEI 12.485/11, A LEI DA TV A CABO, NO BRASIL CINEMA, AO FIM E AO CABO. PRIMEIRAS IMPRESSÕES SOBRE O IMPACTO DA LEI 12.485/11, A LEI DA TV A CABO, NO BRASIL GT6: Economia Política das Comunicações Mannuela Ramos da Costa 1 Objetivos y/o tema central

Leia mais

ACORDO DE CO-PRODUÇÃO AUDIOVISUAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DO CANADÁ

ACORDO DE CO-PRODUÇÃO AUDIOVISUAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DO CANADÁ CANADÁ / CANADA Acordo de Co-Produção Brasil - Canadá - 27/01/1995 Decreto Nº 2.976 de 01/03/1999 Audiovisual Co-Production Agreement (English) Accord de Coproduction Audiovisuelle (Français) Arquivos

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PIRACICABA Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Realização de Convênios Convênios São acordos firmados por entidades públicas, ou entre estas e organizações particulares para

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

EDITAL/ INFORMAÇÕES ÓRGÃO FINANCIADOR DATA LIMITE DE ENVIO QUEM PODE PROPOR

EDITAL/ INFORMAÇÕES ÓRGÃO FINANCIADOR DATA LIMITE DE ENVIO QUEM PODE PROPOR MINC O Edital Mais Cultura Microprojetos Rio São Francisco foi publicado no Diário Oficial da União, nesta quinta-feira, 10 de novembro. O Programa integra o conjunto de ações desenvolvidas pela Fundação

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE CULTURA. INVESTIMENTOS 2012 (1 a reunião)

FUNDO NACIONAL DE CULTURA. INVESTIMENTOS 2012 (1 a reunião) FUNDO NACIONAL DE CULTURA INVESTIMENTOS 2012 (1 a reunião) SEC Secretaria da Economia Criativa PROJETO CRIATIVA BIRÔ Financia a implantação de 9 dos 16 escritórios de Economia Criativa nas cidades-sede

Leia mais

NORMA PARA PARCERIAS E DEMAIS ATIVIDADES DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE CONTEÚDO INFORMATIVO NOR 215

NORMA PARA PARCERIAS E DEMAIS ATIVIDADES DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE CONTEÚDO INFORMATIVO NOR 215 MANUAL DE ORGANIZAÇÃO COD. 200 ASSUNTO: PARCERIAS E DEMAIS ATIVIDADES DE COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE CONTEÚDO INFORMATIVO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 89, de 14/09/2015. VIGÊNCIA:

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

TV Digital no Brasil

TV Digital no Brasil APRESENTAÇÃO FINAL PROGRAMA DE IMERSÃO RÁPIDA EM CONSULTORIA TV Digital no Brasil Impactos para as Emissoras e Consumidores EQUIPE DE PROJETO Caio Taborda Gregor Matsuda Tavares Nelson Gramacho Thiago

Leia mais

Marco Regulatório e Planos de Governo

Marco Regulatório e Planos de Governo Marco Regulatório e Planos de Governo 1999: Criação dos Fundos setoriais 2004: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) 2004: Lei da Inovação Nova Lei de Informática Lei de criação

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

MULTIPLICAÇÃO DOS MECANISMOS

MULTIPLICAÇÃO DOS MECANISMOS À MULTIPLICAÇÃO DOS MECANISMOS UM TRAJETO DE DISCUSSÃO QUE CHEGA A SUA ETAPA DECISIVA Foram seis anos de debate com os setores artísticos, acúmulo interno e gestão do atual modelo de fomento à cultura.

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.4 (em 18/03/2015)

CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.4 (em 18/03/2015) CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODAV TVS PÚBLICAS PERGUNTAS FREQUENTES Versão 1.4 (em 18/03/2015) 1. Onde posso encontrar as chamadas públicas da Linha de Produção de Conteúdos destinados às TVs Públicas? As

Leia mais

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Constituição Federal - CF - 1988 Título VIII Da Ordem Social Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação Art. 205 - A educação, direito de todos e dever do Estado e da família,

Leia mais

Ações do Ministério das Comunicações

Ações do Ministério das Comunicações Ações do Ministério das Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Brasília, março de 2012. Crescimento do setor alguns destaques Serviço Número de Acessos Taxa de Crescimento

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA OLINDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA OLINDA LEI N 274/2013 Nova Olinda - TO, 23 de outubro de 2013 "Institui e cria o Fundo Municipal do Meio Ambiente - FMMA do Município de Nova Olinda -TO e dá outras providências." O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você LINHAS GERAIS DA NOVA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Ampliação do Financiamento da AB Programa de Requalificação das UBS Ampliação do Acesso Melhoria da Qualidade da AB Ações

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

Coordenação de (CAC) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO SFO

Coordenação de (CAC) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO SFO Coordenação de Acompanhamento de Projetos (CAC) SUPERINTENDÊNCIA DE FOMENTO SFO Coordenação de Acompanhamento de Projetos - CAC Prorrogação do Prazo de Captação Controle do Prazo de conclusão/execução

Leia mais

2. QUEM PODE PARTICIPAR 2.1. PROPONENTES

2. QUEM PODE PARTICIPAR 2.1. PROPONENTES CHAMADA PÚBLICA BRDE/FSA PRODECINE - 03/2013 Seleção de propostas para investimento do Fundo Setorial do Audiovisual FSA em projetos de comercialização de obras cinematográficas de longa-metragem com destinação

Leia mais

Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia. Regiões de Influência das Cidades

Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia. Regiões de Influência das Cidades Diretoria de Geociências Coordenação de Geografia Regiões de Influência das Cidades 2007 Objetivos Gerais Hierarquizar os centros urbanos Delimitar as regiões de influência associadas aos centros urbanos

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA Chamada Pública FSA nº 01/2014

MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA Chamada Pública FSA nº 01/2014 CONTRATO DE INVESTIMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL BRDE E A PRODUTORA [NOME], PARA OS FINS QUE ESPECIFICA. BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL

Leia mais

SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA SEC. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília, 3 de dezembro de 2014

SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA SEC. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília, 3 de dezembro de 2014 SECRETARIA DA ECONOMIA CRIATIVA SEC 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília, 3 de dezembro de 2014 Ações 2013 Editais de Economia Criativa Prêmio Economia Criativa: Edital de fomento a iniciativas

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Financiamento para Inovação em Saúde Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde Política Industrial para o Complexo

Leia mais

A N C I N E. ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE

A N C I N E. ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE A N C I N E ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria cinematográfica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE 1 ANCINE e a nova lei de incentivo ao desenvolvimento da indústria

Leia mais

ALDEIA SOLIDÁRIA REGULAMENTO

ALDEIA SOLIDÁRIA REGULAMENTO ALDEIA SOLIDÁRIA REGULAMENTO 1. Apresentação 1.1. Conceitos Gerais O projeto Aldeia Solidária é uma ação de Responsabilidade Social do Aldeia das Águas Park Resort. A empresa entende a necessidade de promover

Leia mais

REDE DE VENDAS E SERVIÇOS MARCOPOLO

REDE DE VENDAS E SERVIÇOS MARCOPOLO REDE DE VENDAS E SERVIÇOS MARCOPOLO * Área de Atuação BELÉM - PA (AP - MA)* Fone: 91 3039 1800 Fax: 91 3039 1807 vendas@marconorte.com.br BELO HORIZONTE - MG Fone: 31 3201 1971 Fax: 31 3201 1131 marcobus@marcobus.com.br

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema Assuntos abordados nesta apresentação Visão geral sobre

Leia mais

ANEXO 7 - MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA. Projetos de Distribuição de obras cinematográficas

ANEXO 7 - MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA. Projetos de Distribuição de obras cinematográficas ANEXO 7 - MINUTA DE CONTRATO DE INVESTIMENTO DO FSA Projetos de Distribuição de obras cinematográficas CONTRATO DE INVESTIMENTO QUE ENTRE SI CELEBRAM O BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO SUL

Leia mais

FENEEC Entidade sindical que congrega todos os Sindicatos brasileiros que representam as empresas exibidoras cinematográficas

FENEEC Entidade sindical que congrega todos os Sindicatos brasileiros que representam as empresas exibidoras cinematográficas FENEEC Entidade sindical que congrega todos os Sindicatos brasileiros que representam as empresas exibidoras cinematográficas Atua na defesa dos interesses coletivos dos exibidores há várias décadas Representa:

Leia mais

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação São Paulo, Junho de 2009 FINEP Agência Brasileira da Inovação Empresa pública vinculada ao

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA. I DEMOCRACINE Festival Internacional de Cinema de Porto Alegre REGULAMENTO GERAL

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA. I DEMOCRACINE Festival Internacional de Cinema de Porto Alegre REGULAMENTO GERAL PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA I DEMOCRACINE Festival Internacional de Cinema de Porto Alegre REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º: O I Democracine Festival Internacional

Leia mais

Secretaria de Acompanhamento Econômico. Contribuição à consulta pública "MINUTA DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE

Secretaria de Acompanhamento Econômico. Contribuição à consulta pública MINUTA DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Brasília, de agosto de 2006. Contribuição à consulta pública "MINUTA DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE REGULAMENTA A ELABORAÇÃO, A APRESENTAÇÃO E O

Leia mais

LINHA INOVACRED EXPRESSO

LINHA INOVACRED EXPRESSO LINHA INOVACRED EXPRESSO A Linha INOVACRED EXPRESSO tem por objetivo financiar atividades inovadoras em empresas e outras instituições cuja receita operacional bruta anual ou anualizada seja de até R$

Leia mais

CULTURA OBJETIVOS E METAS

CULTURA OBJETIVOS E METAS CULTURA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração das políticas públicas na área de cultura com a participação de mais entidades e partidos políticos, via projetos e via mobilização

Leia mais

PROGRAMA CAPES-CONICYT. Cooperação Brasil-Chile

PROGRAMA CAPES-CONICYT. Cooperação Brasil-Chile PROGRAMA Cooperação Brasil-Chile Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Coordenadoria de Cooperação e Intercâmbio Ministério da Educação e do Desporto Anexos I e II 2º andar Caixa

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário - FII

Fundo de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Fundo de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário O produto O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) é uma comunhão de recursos destinados à aplicação em ativos

Leia mais

ORÇAMENTO DA NACIONAL 2002 1

ORÇAMENTO DA NACIONAL 2002 1 ORÇAMENTO DA NACIONAL 2002 1 ORÇAMENTO NACIONAL ANO FISCAL 2002 I. Introdução A Assembléia Ordinária e Extraordinária de 30.10.2001 aprovou o Orçamento para Exercício Financeiro de 2.002, conforme determinam

Leia mais

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências

Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras providências LEI Nº 8.685, de 20 de Julho de 1993 ("Lei do Audiovisual") -------------------------------------------------------------------------------- Cria mecanismos de fomento à atividade audiovisual, e dá outras

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DO AUDIOVISUAL EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO/TV BRASIL EDITAL DE CONCURSO Nº 07

MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DO AUDIOVISUAL EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO/TV BRASIL EDITAL DE CONCURSO Nº 07 MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DO AUDIOVISUAL EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO/TV BRASIL EDITAL DE CONCURSO Nº 07 A União, por intermédio do Ministério da Cultura, neste ato representado pela Secretaria

Leia mais