SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL"

Transcrição

1 SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL Questões Centrais Manoel Rangel, Diretor da Agência Nacional do Cinema.

2 Esta apresentação: De que maneira a tecnologia deve ser ponderada na decisão? O uso do espectro eletromagnético com a questão central do SBTVD A transição das atividades televisivas relacionadas à indústria audiovisual Os modelos de exploração e os impactos para o desenvolvimento da indústria audiovisual brasileira Por uma política pública de desenvolvimento da indústria audiovisual brasileira

3 O cerne do projeto SBTVD não é o sistema tecnológico a ser adotado Tecnologias desenvolvidas no Brasil deixam os três sistemas homologados pela UIT muitos próximos entre si Todos os sistemas para TV digital atendem satisfatoriamente aos requisitos técnicos do Decreto do SBTVD (n 4.901, de 2003)

4 De que maneira a tecnologia deve ser ponderada na decisão? Brasil deve optar por sistema tecnológico que apresente adequada ponderação de fatores, tais como: Autonomia tecnológica Custo de aquisição e manutenção Produção nacional Escolha do sistema tecnológico não é responsável por limitações na forma de explorar o serviço (modelo de negócios)

5 Questão central do projeto SBTVD: o uso do espectro eletromagnético Espectro eletromagnético é um bem público, escasso, de elevado valor econômico Qual uso se fará do espectro com a TV digital? Quem passa a ter acesso ao espectro de TV? Quais serviços serão explorados e por quem? Quais condições o Estado determinará para o a exploração dos diversos serviços associados à TV digital. Qual arranjo regulatório para a implantação da TV digital responderá às questões acima?

6 A questão central: apresentando o problema Cada canal de televisão ocupa 6 MHz do espectro de radiofreqüência Cada canal de 6 MHz comporta a transmissão de 1 programação analógica ou a transmissão de até 8 programações digitais 63 novos canais, ocupando cada um 6 MHz, serão alocados para a TV Digital Em tese, até 504 programações poderão ser transmitidas em cada localidade

7 A questão central: apresentando o problema Figura 1 prioridade à definição padrão Todas as programações em definição padrão (SDTV), compressão de vídeo MPEG4 63 canais de 6 MHz x 8 programações = 504 novas programações

8 A questão central: apresentando o problema Figura 2 prioridade para a alta definição Alta definição (HDTV) e definição padrão (SDTV), compressão de vídeo MPEG4 63 canais de 6 MHz x 1 programação HDTV = 63 novas programações em HDTV 63 canais de 6 MHZ x 4 programações SDTV = 252 novas programações em SDTV

9 TV digital: o deslocamento do paradigma Na televisão digital, não há mais sentido em se falar de canal de televisão Cada canal comporta várias programações e vários serviços Paradigma analógico dos CANAIS Paradigma digital das PROGRAMAÇÕES

10 A lógica econômica do modelo de exploração da TV aberta no mundo analógico Dois negócios distintos: Atividade de telecomunicações (radiodifusão) rede de telecomunicação, formada por geradoras, repetidoras, retransmissoras intensiva em capital atividade regulada pelo Estado (depende de concessão) Atividade da indústria audiovisual rede de negócios, envolvendo a programação, formada por afiliadas e cabeça-de-rede baseada na programação de conteúdos audiovisuais (próprios ou de terceiros) financiada por receitas publicitárias

11 A lógica econômica do negócio de TV aberta Dois negócios distintos: Atividade de telecomunicações (radiodifusão) Atividade da indústria audiovisual Dois negócios foram historicamente tratados como um único negócio, fruto de concessão pelo uso do espectro eletromagnético (6 MHz) A transmissão digital permite a separação entre negócios de produção, programação, distribuição de sinais e operação da rede de telecomunicações Separação entre distintas atividades implica redução dos custos de implantação, maior rapidez na cobertura do país, racionalidade no uso do espectro eletromagnético

12 Possibilidades do modelo de exploração da TV digital brasileira Operador(es) de rede, facilitando compartilhamento da infra-estrutura ente público ente(s) privado(s) Sem operador de rede atuais emissoras disporão integralmente dos 6 MHz emissoras disporão parte da capacidade dos 6 MHz para: unbundling: emissoras colocam no mercado, em termos isonômicos, a capacidade ociosa dos 6 MHz, para outros programadores must carry: emissoras obrigadas a carregar programação de interesse público

13 Possibilidades do modelo de exploração da TV digital brasileira Modelo híbrido : Algumas emissoras, com recursos financeiros, dispondo de 6 MHz com obrigações de unbundling e must carry, remunerando o Estado pelo uso privado da capacidade restante do espectro Operador de rede, do qual fariam uso: Redes públicas Emissoras/programadoras regionais comerciais Parte considerável da atuais retransmissoras (desafogando o espectro nas grande regiões metropolitanas) Políticas públicas para levar, rapidamente, as transmissões digitais para todo país

14 A transição das atividades televisivas relacionadas à indústria audiovisual

15 A transição das atividades televisivas relacionadas à indústria audiovisual Mudanças das atividades televisivas relacionadas às telecomunicações (radiodifusão) são fundamentais para o desenvolvimento da indústria audiovisual brasileira O paradigma digital das programações, em oposição ao paradigma dos canais, precisa ser contemplado

16 Indústria audiovisual e a transição da TV digital A indústria audiovisual brasileira frente ao mercado audiovisual mundial: Faturamento do mercado audiovisual em 2002 foi de cerca de 255 bilhões, apenas nos países desenvolvidos (dados do IDATE) Mercado audiovisual brasileiro de 2003, da ordem de US$ 3,8 bilhões (1 US$ = R$ 2,89) Em 2002 os dois maiores conglomerados mundiais de mídia, obtiveram faturamento superior a US$ 20 bilhões apenas com vendas de produtos audiovisuais. Todo o faturamento do mercado brasileiro é menor do que o faturamento da 18ª empresa mundial do setor audiovisual Programadoras estrangeiras de tv por assinatura (com apenas 4 milhões de assinantes) foram responsáveis, em 2005, pela remessa ao exterior do equivalente a R$ 475 milhões

17 Indústria audiovisual e a transição da TV digital Em relação à indústria audiovisual, 3 princípios básicos precisam guiar o processo de digitalização da TV aberta brasileira: Aumento da competição Maior diversidade de fontes de informação e entretenimento Soberania cultural e econômica brasileira

18 A importância do compartilhamento da infra-estrutura A existência do operador de rede seja no modelo puro ou no modelo híbrido é fundamental para maior competição e para a maior diversidade na TV aberta brasileira A ampliação das programações (do número de emissoras) criará maior demanda por conteúdos audiovisuais brasileiros

19 Uma política pública para o desenvolvimento da indústria audiovisual brasileira Deve contemplar: Oportunidades decorrentes da digitalização da TV aberta brasileira Abertura de novas concessões, de modo a criar mercado para conteúdos audiovisuais nacionais, resguardando a saúde financeira dos atuais grupos de radiodifusão Estímulo produção independente voltada para a produção televisiva, sem a qual a indústria audiovisual brasileira não terá competitividade sistêmica

20 Uma política pública para o desenvolvimento da indústria audiovisual brasileira Algumas iniciativas, em andamento, de promoção da produção independente: DocTV Política de descentralização de recursos das empresas estatais para projetos de produção audiovisual Projeto de lei, a ser enviado ao Congresso Nacional: Cria o Fundo Setorial do Audiovisual (cerca de R$ 35 milhões) Emissoras de TV poderão investir em co-produções de obras audiovisuais brasileiras de produção independente, parte do imposto de renda devido sobre a remessa de recursos enviados ao exterior derivados da exploração de conteúdos audiovisuais estrangeiros.

21 Sobre a posição do MinC a respeito da TV digital brasileira:

22 Obrigado pela atenção 22

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações JARBAS JOSÉ VALENTE Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 4 de junho de 2013 Agenda Lei da Comunicação Audiovisual de Acesso Condicionado (Lei n. 12.485, de 11/09/2012);

Leia mais

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet XXXIV Congresso Internacional de Propriedade Intelectual - ABPI Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet Rosana Alcântara Diretora Agosto de 2014 Agenda Atuação da ANCINE

Leia mais

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão

Audiência Pública. Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Audiência Pública Agência Nacional de Telecomunicações Impacto da Digitalização dos Serviços de Radiodifusão nos Procedimentos de Outorga de Rádio e Televisão Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 2 MOURA LACERDA A TV digital O surgimento da TV digital se deu em função do desenvolvimento da TV de alta definição (HDTV) no Japão e na Europa, há mais de duas décadas,

Leia mais

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Regulamento de Convivência SBTVD x 4G LTE Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 737ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 09/04/2014 Atribuição e Destinação Condições

Leia mais

A Tecnologia Digital na Radiodifusão

A Tecnologia Digital na Radiodifusão A Tecnologia Digital na Radiodifusão Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO/XERÉM-RJ 27 de outubro de 2006 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são s o aqueles que no passado, perderam

Leia mais

Espectro de Radiofreqüências TV Digital

Espectro de Radiofreqüências TV Digital QUESTÕES REGULATÓRIAS Espectro de Radiofreqüências TV Câmara dos Deputados Seminário Internacional TV - obstáculos e desafios para uma nova comunicação Brasília - 16/05/2006 Regulamentação Pertinente LGT

Leia mais

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro O conteúdo deste tutorial foi obtido do trabalho elaborado pelos autores Aldilenice e Rodrigo para a etapa de classificação do III Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

CONTENIDOS de TV DIGITAL y FORO TDT-OTT. La Televisión Universitaria. Experiencias internacionales

CONTENIDOS de TV DIGITAL y FORO TDT-OTT. La Televisión Universitaria. Experiencias internacionales CONTENIDOS de TV DIGITAL y FORO TDT-OTT La Televisión Universitaria. Experiencias internacionales Valderez de Almeida Donzelli Leite 01/10/2014 La Televisión Universitaria - SET Sociedade Brasileira de

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

Brasília - DF, 18 de setembro de 2012. Excelentíssimo Senhor PAULO BERNARDO D.D. Ministro de Estado das Comunicações Esplanada dos Ministérios Nesta

Brasília - DF, 18 de setembro de 2012. Excelentíssimo Senhor PAULO BERNARDO D.D. Ministro de Estado das Comunicações Esplanada dos Ministérios Nesta Brasília - DF, 18 de setembro de 2012. Excelentíssimo Senhor PAULO BERNARDO D.D. Ministro de Estado das Comunicações Esplanada dos Ministérios Nesta Excelentíssimo Senhor Ministro, A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

Conteúdos audiovisuais na era da Convergência

Conteúdos audiovisuais na era da Convergência Conteúdos audiovisuais na era da Convergência 52º Painel TELEBRASIL Costa do Sauípe, 5 de junho de 2008 Manoel Rangel Diretor Presidente da Agência Nacional de Cinema - ANCINE Apresentação em três partes:

Leia mais

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL.

O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 O AUMENTO DA RENDA DA POPULAÇÃO TEM EFEITO DIRETO SOBRE O AUDIOVISUAL. A CLASSE C IDENTIFICA CINEMA, INTERNET E TV POR ASSINATURA COMO

Leia mais

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult IMPORTANTE O programa BNDES PSI reduziu as taxas de juros no apoio a bens de capital, inovação e exportação. Verifique se o seu

Leia mais

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Porque Investir? 20,3 x 4,9 x R$ 540 Milhões 8.340 Postos de Trabalho R$ 26.5 Milhões R$ 113 Milhões 32 filmes investidos e lançados pela RioFilme entre

Leia mais

Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica

Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica Audiência Pública SENADO FEDERAL Brasília, 11 de julho de 2007 Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica APG17 LEOPOLDO NUNES Diretor Slide 1 APG17 ou "na convergência" ou ainda no "cenário

Leia mais

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD)

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Início das transmissões 100% digitais Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 07 de abril

Leia mais

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora ABAR, Agosto de 2013 Agenda Contexto do mercado de TV por Assinatura Panorama econômico

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

I FÓRUM NACIONAL DE TVS PÚBLICAS DIAGNÓSTICO SETORIAL ABCCOM

I FÓRUM NACIONAL DE TVS PÚBLICAS DIAGNÓSTICO SETORIAL ABCCOM I FÓRUM NACIONAL DE TVS PÚBLICAS DIAGNÓSTICO SETORIAL ABCCOM Histórico da Associação Brasileira de Canais Comunitários (ABCCOM). 1 - Apresentação Os canais comunitários foram criados pela Lei Federal 8.977/95

Leia mais

PUBLIC BROADCASTERS INTERNATIONAL CONFERENCE

PUBLIC BROADCASTERS INTERNATIONAL CONFERENCE PUBLIC BROADCASTERS INTERNATIONAL CONFERENCE Sintra, Portugal October 28th, 2010 PUBLIC SERVICES IN EMERGING COUNTRIES Brasil and Latin America EBC: sociedade anônima; Estado brasileiro como único acionista.

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 332, DE 2014 Altera a Lei nº 12.485, de 12 de setembro de 2011, para inserir o conceito de Rede Nacional e Estação de Abrangência Nacional e estabelecer obrigação de carregamento

Leia mais

BRASIL 4D. A REALIDADE DA TV DIGITAL INTERATIVA

BRASIL 4D. A REALIDADE DA TV DIGITAL INTERATIVA BRASIL 4D. A REALIDADE DA TV DIGITAL INTERATIVA Prof. Dr. André Barbosa Filho Quando iniciamos, em 2012, a trajetória em busca de soluções para a introdução de vídeos interativos no projeto de TV Digital

Leia mais

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 1962 Lei nº 4.117, de 27 de agosto de 1962 Institui o Código Brasileiro de Telecomunicações CBT. 1963 Decreto

Leia mais

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária

Audiência Pública PLS nº 483/2008. Serviço de Televisão Comunitária Audiência Pública PLS nº 483/2008 Agência Nacional de Telecomunicações Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa Serviço de Televisão Comunitária Senado Federal Comissão de

Leia mais

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim

O Panorama da TV Digital no Brasil. Leandro Miller Leonardo Jardim O Panorama da TV Digital no Brasil Leandro Miller Leonardo Jardim Tópicos Abordados TV Aberta no Brasil Vantagens da TV Digital Padrões de TV Digital Sistema Brasileiro de TV Digital Oportunidades na TV

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 29, DE 2007 (APENSOS OS PROJETOS DE LEI Nº 70, DE 2007, Nº 332, DE 2007 E Nº 1908, DE 2007) Dispõe sobre a comunicação audiovisual eletrônica

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

A TV Digital no Brasil

A TV Digital no Brasil Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa A TV Digital no Brasil 30 de março de 2007 Ara Apkar Minassian Superintendente SET- São Paulo/SP 30 de março e

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga

Programa Nacional de Banda Larga Programa Nacional de Banda Larga Metas e eixos de ação Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 31 de agosto de 2011 Dados de acesso à Internet em

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

MULTIPROGRAMAÇÃO NO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS

MULTIPROGRAMAÇÃO NO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS ESTUDO MULTIPROGRAMAÇÃO NO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS José de Sousa Paz Filho e Walkyria Menezes Leitão Tavares Consultores Legislativos da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações,

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito Banda Larga TV por Assinatura Telefonia Fixa Respeito APIMEC RIO Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 2013 A GVT é uma empresa autorizada pela Anatel a prestar serviços em todo o país A GVT tem licença STFC

Leia mais

SBTVD e Operador Nacional: perspectivas e entraves para a convergência digital nos canais públicos de TV¹. Carine Felkl PREVEDELLO 1

SBTVD e Operador Nacional: perspectivas e entraves para a convergência digital nos canais públicos de TV¹. Carine Felkl PREVEDELLO 1 SBTVD e Operador Nacional: perspectivas e entraves para a convergência digital nos canais públicos de TV¹ Carine Felkl PREVEDELLO 1 Resumo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, UFRGS

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC Encontro NEOTV 2012 Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC José Mares Guia Junior Gerente-Geral de Regulamentação, Outorga e Licenciamento de Serviços por Assinatura Ângela Beatriz Cardoso de Oliveira

Leia mais

Regulação do audiovisual no cenário da convergência

Regulação do audiovisual no cenário da convergência Regulação do audiovisual no cenário da convergência Rio de Janeiro, 9/11/2007 Alex Patez Galvão Mestre em Economia, Doutor pelo PPGCI IBICT/ECO UFRJ Assessor Núcleo de Assuntos Regulatórios ANCINE Tópicos

Leia mais

Trilha TV Digital. Plataformas Interoperáveis de TV Interativa: o projeto Global ITV. Dr. Alan Angeluci

Trilha TV Digital. Plataformas Interoperáveis de TV Interativa: o projeto Global ITV. Dr. Alan Angeluci Trilha TV Digital Plataformas Interoperáveis de TV Interativa: o projeto Global ITV Dr. Alan Angeluci Centro Interdisciplinar em Tecnologias Interativas da USP CITI-USP São Paulo, SP, Brasil. 2014 Agenda

Leia mais

Mais cinemas para mais brasileiros.

Mais cinemas para mais brasileiros. Mais cinemas para mais brasileiros. ...NUM CINEMA PERTO DE VOCÊ! O Brasil já teve uma grande e descentralizada rede de salas de cinema. Em 1975, eram quase 3.300 salas, uma para cada 30 mil habitantes,

Leia mais

Sistemas de comunicação e novas tecnologias

Sistemas de comunicação e novas tecnologias Sistemas de comunicação e novas tecnologias Módulo 3: Capitalismo informacional 3.3: Ascensão da TV paga Esta obra estálicenciada sob umalicença CreativeCommons. Prof. Dr. Marcos Dantas 1948 Pequenos empreendedores

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil

MDD Mídias Interativas. TV Digital no Brasil Pós-Graduação MDD Mídias Interativas TV Digital no Brasil Apresentações Profª. Graciana Simoní Fischer de Gouvêa Email: graciana.fischer@prof.infnet.edu.br COMO FUNCIONAVA A TV NO BRASIL? Analógico Analógico

Leia mais

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002

Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações. Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Telecom Televisão Digital Jornadas sobre Regulação dos Mercados de Telecomunicações Lisboa, 6 de Novembro de 2002 Televisão Digital Terrestre na Europa Aposta clara da UE na Televisão Digital Terrestre

Leia mais

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Encontro da Qualidade e Produtividade em Software - EQPS Manaus, novembro/2007 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da

Leia mais

assinatura no Brasil junho de 2011 Manoel Rangel

assinatura no Brasil junho de 2011 Manoel Rangel O PLC 116 e os serviços de televisão por assinatura no Brasil Audiência no Senado Federal junho de 2011 Manoel Rangel Diretor-presidente id t Tópicos desta apresentação A evolução da proposta do PLC 116

Leia mais

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television

TV Digital : Convergência e Interatividade. 2010 HXD Interactive Television TV Digital : Convergência e Interatividade. A TELEVISÃO. A Televisão... o mais subversivo instrumento da comunicação deste século!" Assis Chateaubriand (1950). A Televisão Sem TV é duro de dizer quando

Leia mais

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Por Marcus Manhães e Pei Jen Shieh 1. Introdução O Decreto Presidencial [1] 4.901, de 26 de novembro de 2003, instituiu o Projeto do Sistema

Leia mais

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT)

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) Audiência Pública "Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica" Proposta de Agenda Temática Cesar

Leia mais

Advogada do Idec. São Paulo, 02 de junho de 2014. Ilmo. Sr. João Batista de Rezende. Presidente. ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações

Advogada do Idec. São Paulo, 02 de junho de 2014. Ilmo. Sr. João Batista de Rezende. Presidente. ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações São Paulo, 02 de junho de 2014. Ilmo. Sr. João Batista de Rezende Presidente ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações Prezado Senhor, O Idec Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor - vem apresentar

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000 Modifica a Lei n.º 8.977 de 6 de janeiro de 1995. Autor: Deputado JOSÉ CARLOS MARTINEZ Relator: Deputado IRIS

Leia mais

0505 - Financiamento a Projetos de Desenvolvimento de Tecnologias nas Telecomunicações

0505 - Financiamento a Projetos de Desenvolvimento de Tecnologias nas Telecomunicações Programa 2025 - Comunicações para o Desenvolvimento, a Inclusão e a Democracia Número de Ações 14 Tipo: Operações Especiais 0505 - Financiamento a Projetos de Desenvolvimento de Tecnologias nas Telecomunicações

Leia mais

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema

O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente. Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema O mercado audiovisual brasileiro e os desafios para uma regulação convergente Manoel Rangel Diretor-Presidente ANCINE Agência Nacional de Cinema Assuntos abordados nesta apresentação Visão geral sobre

Leia mais

Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios

Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Audiência Pública Alexandre Annenberg 21/maio/2007 Os marcos regulatórios vigentes para a oferta de serviços de TV por Assinatura são baseados

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Uma chance (quase) perdida

Uma chance (quase) perdida tv digital BRASIL Todas as imagens: Divulgação Uma chance (quase) perdida Leandro Saraiva O padrão japonês definido pelo governo beneficia as redes existentes e reduz a oportunidade de a TV digital contribuir

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

A Faixa de 700 MHz Para Serviços Públicos. Brasília, 29 de Abril de 2014

A Faixa de 700 MHz Para Serviços Públicos. Brasília, 29 de Abril de 2014 A Faixa de 700 MHz Para Serviços Públicos Brasília, 29 de Abril de 2014 Happy 50 th Birthday in 2014! IDC tem posição única na indústria de TI e Telecom da América Latina Provedores Canais 16,903 Menções

Leia mais

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Caio Mário da Silva Pereira Neto Fundação Getulio Vargas - Março 2007 caio.pereira@fgv.br Estrutura da Apresentação Convergência

Leia mais

TV Digital: O vértice é o interesse público 1

TV Digital: O vértice é o interesse público 1 TV Digital: O vértice é o interesse público 1 Juliano Maurício de Carvalho 2 Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação Estamos vivendo um momento singular na história das políticas públicas de

Leia mais

1º Simpósio Internacional de Televisão Digital (SIMTVD) 18 a 20 de novembro, Bauru/SP

1º Simpósio Internacional de Televisão Digital (SIMTVD) 18 a 20 de novembro, Bauru/SP Cenários e Desafios da Digitalização para as TVS Públicas SILVA, Diolinda Madrilena Feitosa GOBBI, Maria Cristina RESUMO Este artigo propõe discutir algumas questões mais proeminentes no debate sobre os

Leia mais

APACI - ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CINEASTAS

APACI - ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CINEASTAS À Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. Excelentíssimos Senhores, Senador Wellington Salgado, presidente desta Comissão, Senador Flexa Ribeiro, autor do PLS 280/2007, demais

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Audiência Pública CCTCI/Câmara dos Deputados PROJETOS E AÇÕES DO MINISTÉRIO PARA O ANO DE 2013 Paulo Bernardo Silva Ministro de Estado das Comunicações Brasília, 24 de abril de 2013 Dados setoriais 2 O

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS 366 ESPELHO DE AUTOR DA Chico D'angelo 24970001 Compartilhamento de infra estrutura para banda larga (unbundling) 0751 - Expandir a infraestrutura e os

Leia mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais

Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais Nova Lei da TV Paga estimula concorrência e liberdade de escolha Preços de pacotes devem cair e assinantes terão acesso a programação mais diversificada A Lei 12.485/2011 destrava a concorrência no setor,

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO 27 de outubro de 2006 Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 13/98, de 17 de Abril Segundo Protocolo Adicional de Cooperação no Domínio da Comunicação Social entre a República Portuguesa e a República de Moçambique, assinado em Maputo aos 28 de Novembro

Leia mais

Uso do dividendo digital para aplicações comunitárias e universalização da banda larga: oportunidades e desafios

Uso do dividendo digital para aplicações comunitárias e universalização da banda larga: oportunidades e desafios Uso do dividendo digital para aplicações comunitárias e universalização da banda larga: oportunidades e desafios C.A.Afonso março 2013 CGI.br Instituto Nupef www.nupef.org.br Sudeste e Sul: população,

Leia mais

ATSC - O melhor padrão para a TV DIGITAL do Brasil

ATSC - O melhor padrão para a TV DIGITAL do Brasil ATSC - O melhor padrão para a TV DIGITAL do Brasil Câmara dos Deputados Seminário Internacional TV Digital obstáculos e desafios para uma nova comunicação Sávio Pinheiro Brasília-DF 16 de Maio de 2006

Leia mais

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast)

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Yapir Marotta Gerente Geral

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA A, órgão do MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, neste ato representada pelos Procuradores da República integrantes do Grupo de Trabalho de Comunicação Social da PFDC,

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 5.409, DE 2013

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 5.409, DE 2013 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 5.409, DE 2013 Altera o 5º do art. 32 da Lei nº 12.485, de 12 de setembro de 2011, que dispõe sobre a comunicação audiovisual

Leia mais

Diversidade Cultural e Conteúdo

Diversidade Cultural e Conteúdo Diversidade Cultural e Conteúdo I Fórum da Internet no Brasil Comitê Gestor da Internet Expo Center Norte Outubro/2011 Oona Castro Instituto Overmundo Overmundo Missão: difundir a cultura brasileira em

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

TV POR ASSINATURA E REGULAÇÃO: DESAFIO À COMPETITIVIDADE

TV POR ASSINATURA E REGULAÇÃO: DESAFIO À COMPETITIVIDADE TV POR ASSINATURA E REGULAÇÃO: DESAFIO À COMPETITIVIDADE E AO ESTÍMULO À PRODUÇÃO LOCAL João Maria de Oliveira* Carolina Teixeira Ribeiro** 1 INTRODUÇÃO A evolução das tecnologias de produção, empacotamento,

Leia mais

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015 Perspectiva Regulatória Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2 milhões de assinantes R$ 204 bi RECEITA

Leia mais

Modelos de Licenciamento de Freqüências

Modelos de Licenciamento de Freqüências Modelos de Licenciamento de Freqüências Este tutorial apresenta um panorama dos modelos utilizados em vários países do mundo no licenciamento de frequências. Carlos Pingarilho Doutor em Eletrônica e Comunicações

Leia mais

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Razões para mudar a legislação Antes de mudar, definir

Leia mais

A nova regulação da TV paga e seu impacto no mercado de conteúdo audiovisual 3,43 3,55 3,52 3,54 3,76 2,8

A nova regulação da TV paga e seu impacto no mercado de conteúdo audiovisual 3,43 3,55 3,52 3,54 3,76 2,8 INFORME SETORIAL Área Industrial Agosto/2012 n o 24 A nova regulação da TV paga e seu impacto no mercado de conteúdo audiovisual A Lei 12.485, de dezembro de 2011, regulamentada em 4 de junho de 2012 pelas

Leia mais

TÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES Das (EGETS) Empresas Geradoras, Emissoras, Transmissoras de Sinais

TÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES Das (EGETS) Empresas Geradoras, Emissoras, Transmissoras de Sinais IV- Entidades Geradoras, Emissoras e Transmissoras de Sinais (*EGETS): Empresas legalmente constituídas em conformidade com a Anatel que atuem como geradoras, emissoras, transmissoras, retransmissoras

Leia mais

Implantação e Gestão do Sistema Público de Comunicação

Implantação e Gestão do Sistema Público de Comunicação Implantação e Gestão do Sistema Público de Comunicação Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 21 de Outubro de 2009 Retrospectiva Marcos regulatórios/legislativos

Leia mais

Princípios para garantir a diversidade e a pluralidade na radiodifusão e nos serviços de comunicação audiovisual

Princípios para garantir a diversidade e a pluralidade na radiodifusão e nos serviços de comunicação audiovisual Princípios para garantir a diversidade e a pluralidade na radiodifusão e nos serviços de comunicação audiovisual Programa de Legislação e direito à comunicação Associação Mundial de Rádios Comunitárias

Leia mais

Estratégia Nacional da Migração da Radiodifusão Analógica para a Digital - Moçambique

Estratégia Nacional da Migração da Radiodifusão Analógica para a Digital - Moçambique Estratégia Nacional da Migração da Radiodifusão Analógica para a Digital - Moçambique Maputo, Abril de 2013 Autoria: COMISSÃO NACIONAL DE MIGRAÇÃO DIGITAL - COMID Página 1 de 21 ÍNDICE 1. Introdução...

Leia mais

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações 29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17de abril de 2012 Agenda Serviços de Telecomunicações: Convergência de Plataformas, Redes e Outorgas Premissas

Leia mais