TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA C&A *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA C&A *"

Transcrição

1 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA C&A * Carlinda Araújo (FACEQ) ** Fabiana Fernandes (FACEQ) *** Paula Cristina Maciel (FACEQ) **** Maria Clara Lopes Saboya (USP/FAFE/FACEQ) ***** Introdução 1 Origem e evolução do treinamento: a escola clássica da administração Segundo Mota e Vasconcelos (2004) a escola clássica da administração tem o foco interno e estrutural: direciona sua análise no aperfeiçoamento das regras e estruturas internas da organização, onde os teóricos viam que o importante era aperfeiçoar os sistemas de trabalho, elaborando os sistemas mais eficientes e racionais possíveis. Acreditava-se que se tivessem sistemas perfeitos e eficientes, por si só já garantiriam os resultados esperados. O ser humano era quem analisava e implantava melhores sistemas. Ainda para Mota e Vasconcelos (2004), no início do século XX surgem os pioneiros da racionalização do trabalho, Taylor e Fayol. Taylor preferia sempre a experiência e a indução ao método dedutivo e se interessava pelos métodos e sistemas de racionalização do trabalho, na linha de produção, enquanto Fayol usava a análise lógico dedutiva para, com isso, estabelecer os princípios da boa administração, * Artigo resultante do Trabalho de Conclusão do Curso de Administração da Faculdade Eça de Queirós FACEQ, apresentado em 2013, como exigência parcial para a obtenção do título de Bacharel, sob orientação da Prof. Dra Maria Clara Lopes Saboya. ** Bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade Eça de Queirós (Faceq Uniesp Jandira). *** Bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade Eça de Queirós (Faceq Uniesp Jandira). **** Bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade Eça de Queirós (Faceq Uniesp Jandira). ***** Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo, Mestre em Educação, Cientista Social e Pedagoga. Coordenadora na Faculdade Fernão Dias (FAFE). Professora da Faceq Uniesp Jandira. 1

2 dividindo as tarefas entre gerentes e executivos; é dele a divisão de funções do administrador em planejar, organizar, coordenar, comandar e controlar. 2 A escola de relações humanas Para Mota e Vasconcelos (2004, p. 52) a escola de relações humanas surgiu por meio de estudos e experiências realizadas por professores da Universidade de Harvard Western Eletric, em sua fábrica de equipamentos telefônicos de Hawthorne, a partir de Para esses autores (op. Cit.) o homem era encarado como uma unidade isolada e sua eficiência poderia ser influenciada pelos seguintes fatores: movimentos dispendiosos e ineficientes na execução do trabalho, fadiga e deficiência do ambiente físico. Segundo Silva (2005) a escola de relações humanas é um movimento que foi desenvolvido com base na teoria clássica. As organizações passam a se preocupar mais com os aspectos psicológicos e sociológicos e treinam gerentes mais sensíveis às necessidades dos empregados. 3 O Taylorismo e Fordismo Segundo Maximiano (2008), o taylorismo é a organização do trabalho sistematizada pelo engenheiro norte americano Frederick Taylor, por volta de 1900 e consiste na rígida separação do trabalho por tarefas e níveis hierárquicos (executivos e operários). Existe um controle sobre o tempo gasto em cada tarefa e um grande esforço de racionalização, de forma que a tarefa seja executada num tempo mínimo. O tempo de cada trabalhador passa a ser vigiado e cronometrado, e aqueles que produzem mais em menos tempo recebem prêmios como incentivo; com o tempo todos serão obrigados a produzir mais, em menos tempo. Ainda para Maximiano (2008) o complemento do taylorismo surgiu por volta de 1920 o fordismo que consistia em um conjunto de métodos voltados para produzir em massa, em quantidades jamais vistas. O fordismo absorve algumas técnicas do taylorismo, mas vai além: trata de organizar a linha de montagem de cada fabrica de forma a produzir mais, inclusive controlando melhor as fontes de matéria prima e de 2

3 energia, a formação da mão de obra, os transportes, o aperfeiçoamento das máquinas para ampliar a produção. O fordismo, cujo nome vem da indústria norte-americana fundada por Henry Ford, um pioneiro da indústria automobilística no início do século XX, que buscava ampliar a produção e também o consumo. Produção em massa e consumo em massa são os grandes ideais do fordismo, que marcou a supremacia industrial dos Estados Unidos ao longo do século XX, e foi adotada, praticamente, em todos os países industrializados. Em consequência dessa sistematização, a formação profissional generalizou-se como uma necessidade não só da fabrica, mas da sociedade e novas ideias apareceram, como se pode perceber em diversas iniciativas nos EUA. A partir de 1930, o treinamento ganhou novo status como atividade administrativa ao se tornar parte integral da estratégia empresarial. 4 A teoria burocrática Segundo Ferreira (et al., 2002), a teoria burocrática surgiu com o sociólogo Max Weber como um modelo em que a estrutura é organizada por meio de normas escritas e tendo como objetivo a racionalidade e igualdade de procedimentos, definição das hierarquias e regulamento de autoridade, como forma de garantir a sobrevivência da organização, em longo prazo. Ainda segundo Ferreira (et al., 2002), o modelo burocrático tem preceitos rígidos e disciplinados para que o indivíduo e a organização tenham um desempenho eficaz. A instabilidade das emoções e os comportamentos aleatórios eram vistos como prejudiciais ao desempenho da empresa, assim surgia um pretexto para que a teoria saísse em defesa de aspectos autênticos, com a visão racionalista do ser humano. 5 A Teoria Behaviorista Segundo Ferreira (et al., 2002), a escola behaviorista tem foco nas pessoas. O movimento surgiu como evolução de uma dissidência da Escola de Relações humanas, que recusava a concepção de que a satisfação do trabalhador gerava, de forma intrínseca, a eficiência do trabalho. 3

4 Esta teoria é baseada na cooperação e valorização do trabalhador, onde os trabalhadores contribuem de forma participativa nos processos decisórios, sendo reconhecido o poder da liderança, autoridade e consentimento; o homem é considerado um ser racional; com isso, tem-se maturidade dentro da empresa para se empenhar em melhorias para a organização. 6 A Teoria Estruturalista Segundo Ferreira (et al., 2002), esta teoria surge a partir da Escola Burocrática para tentar resolver conflitos entre as escola clássicas e a teoria das relações humanas. São características do estruturalismo: as submissões do individuo à socialização; desejo de se destacar dentro da sua função para refletir no ambiente onde ele vive; os conflitos inevitáveis entre os interesses dos trabalhadores e da organização; a hierarquia vista como maléfica à comunicação e os incentivos mistos, ou seja, materiais e sociais. 7 Administração na Globalização Afirma Chiavenato (1997) que com os processos de modernização das empresas, destaca-se a grande importância que deve ser dada às pessoas que nela trabalham. Dentro desse contexto, as organizações passaram a investir mais no capital humano, afinal são as pessoas que fazem a diferença para o negócio. Em outras palavras, o estímulo ao desenvolvimento do ser humano transformou-se num investimento de mão dupla: ganha a empresa que passa a contar com colaboradores mais capacitados, como também o profissional, que adquire novas competências, sejam essas técnicas ou comportamentais. Milkovich e Boudreau (2000, p. 339) apontam o treinamento como sendo um grande investimento. Marras (2001, p.153) acrescenta que o programa de treinamento é um programa de investimento, e não de despesas e que se for bem gerenciado trará o retorno esperado pela organização. Além disso, a organização tem que se adaptar constantemente às condições impostas pela inovação, com o mínimo de tempo (Chiavenato, 2003, p. 89). 4

5 A globalização tem exercido uma influencia tão significativa no comportamento organizacional, que os negócios extrapolaram as barreiras regionais e se verifica cada vez mais a adoção de estratégias mundiais. No mercado, é completamente corriqueira a instalação de filiais de grandes empresas pelo mundo, que precisam reportar resultados imediatos e diretamente às matrizes ou às regionais. Dessa troca de informações, depende a conquista de novos clientes, o lançamento de novos produtos e de uma infinidade de outros fatores que determinam a sobrevivência da companhia. Para atender a essa nova demanda corporativa, inúmeros são os treinamentos ministrados que podem ser observados no mercado. Acompanhar esse ritmo normalmente exige que as organizações contem com profissionais que tenham uma visão ampla do mercado, e a realidade demonstra ser necessário ter a presença de colaboradores que dominem mais de um idioma. A questão é como a empresa deve fazer esse investimento de maneira otimizada e que garanta resultados concretos. Por onde começar? Como não obter erros primários? Essas são apenas algumas questões levantadas por muitos profissionais de Recursos Humanos que recebem a missão de capacitar os colaboradores a dominarem um idioma estrangeiro. Afirma Chiavenato (2003, p ) que é necessária uma contínua preparação das organizações e das pessoas para o futuro e destino de ambos, pois se a empresa almeja excelência, uma das contribuições é o processo de treinamento. O trabalho em equipe e a atividade em grupo têm sido valorizados pelo processo de Treinamento e Desenvolvimento (T&D), pois as pessoas aprendem a desenvolver equipes multifuncionais e, com isso, contribuem para o sucesso da empresa. 8 Administração Participativa Para Maximiano (2008) administração participativa é uma doutrina que valoriza as pessoas no processo de tomada de decisão dentro da organização; com isso aumenta a qualidade das decisões e da administração, a satisfação e a motivação das pessoas. Administrar de forma participativa é compartilhar decisões que afetam a empresa, não apenas com funcionários, mas sim com todos os envolvidos, desde clientes até fornecedores e stakeholders. A Meta da administração participativa é construir uma organização participativa em todas as suas interfaces. 5

6 A administração participativa é uma das ideias mais antigas da administração. [...] É uma ideia que nasceu na Grécia, há mais de anos, com a invenção da democracia. Apesar disso, é uma ideia moderna, que integra as partes mais avançadas e é considerada um dos novos paradigmas da administração. (MAXIMIANO, 2004, p. 211) Ainda segundo Maximiano (2008), os modelos de administração são autoridade, obediência, liderança, disciplina e autonomia, ingredientes que se combinam para influenciar o comportamento das pessoas e da organização. Há dois modelos básicos da administração: o modelo diretivo, em que predominam autoridade, hierarquia e obediência e o modelo participativo, em que predominam autogestão, disciplina e autonomia. As empresas que seguem o modelo diretivo são chamadas de mecanicistas e as que seguem o modelo participativo são chamadas de orgânicas. Para Maximiano (2008), o modelo diretivo se consolidou nas organizações modernas com as proposições dos pioneiros: Taylor, Ford e Fayol; eles defendiam a padronização do comportamento dos funcionários e o papel dos chefes; para eles o funcionário deveria ser treinado para exercer uma única função, cada um na sua função e subordinados aos chefes. O Modelo diretivo é objeto de quatro críticas: a) Ineficiência Global do Sistema: A divisão do trabalho resulta em eficiência na linha de produção; deixa de utilizar o principal recurso dos operadores que é o potencial de autogestão; com isso, é necessário colocar especialistas para administrar e controlar o trabalho minimizado e assim gerando o aumento dos custos (Maximiano, 2008, p. 262). b) Fragilidade da Empresa: A linha de produção fragiliza a empresa, basta um trabalhador ou um grupo parar seu trabalho para que todo o sistema da empresa acompanhe; os trabalhadores aprenderam com o tempo a tirar proveito desta fragilidade para pressionar a empresa e conseguir o que querem. c) Insatisfação e d) Desmotivação: A divisão do trabalho, feita na linha de produção causa desinteresse, insatisfação, desmotivação, perda de perspectiva do cliente, fadiga e outras inconveniências; por esta razão atrasos, sabotagens e falta de qualidade são problemas crônicos da indústria e até dos serviços (Maximiano, 2008, p. 263). 6

7 9 Toyotismo Segundo Maximiano (2008), o Toyotismo é um sistema administrativo desenvolvido nas décadas de 1950 a 1970, que surgiu como uma forma de organização do trabalho, tendo como idealizador o vice-presidente Taiicho Ohno. Para o autor, o Toyotismo tem dois princípios que são a eliminação de desperdícios e fabricação com qualidade. O bom funcionamento destes princípios depende do comprometimento e envolvimento dos funcionários. Para que a Toyota se tornasse competitiva no mercado, ela colocou como elemento básico de produção a eliminação de desperdícios que significa reduzir ao mínimo a atividade que não agrega valor ao produto. Segundo a Toyota (apud MAXIMIANO, 2008, p ) os desperdícios mortais são os seguintes: a) Tempo perdido em conserto ou refugo; b) Produção além do volume necessário, ou antes do momento necessário; c) Operações desnecessárias no processo de manufatura; d) Transporte; e) Estoque; f) Movimento humano; g) Espera. Após reduzir ao mínimo estes desperdícios é necessário agregar valor ao produto (Maximiano, 2008 p.136). O autor também afirma que a Toyota aplica três principais ideias para eliminar desperdícios: Racionalização da Força de Trabalho: Para racionalização da mão de obra, a Toyota criou equipes com um líder em vez de supervisor, estas equipes recebem as tarefas de montagem e a missão de trabalhar coletivamente de modo a executar da melhor forma possível a tarefa dada, onde o líder deveria trabalhar junto com a equipe e coordenar e fazer a substituição do funcionário que faltasse; Just In Time: Produzir a partir do que for consumido, minimizar estoques; Produção Flexível: Fabricar de acordo com as encomendas do cliente, utilizar apenas uma máquina para fabricar um produto específico para que não tenha que ficar mudando de molde. 7

8 A ideia da racionalização da força de trabalho está na raiz dos conceitos que viriam a ter grande importância na moderna administração: manufatura, celular, autogestão e trabalho de equipe. Esses viriam a ser amplamente empregados em todos os sistemas de produção. Para Maximiano (2008), o segundo elemento da Toyota é a fabricação com qualidade, identificar e corrigir defeitos e eliminar sua causa. Para que a fabricação saia com qualidade, temos três elementos: fazer certo da primeira vez, corrigir os erros e suas causas fundamentais e utilizar círculos da qualidade (MAXIMIANO, 2008, p.138). Para o funcionamento dos círculos, temos que identificar os problemas prioritários, propor soluções e formas de programá-las para corrigir os problemas; duas técnicas fazem parte dessa metodologia: Princípio de Pareto e Diagrama da Espinha de Peixe. 10 Treinamento de Pessoas Segundo Chiavenato (2010), antigamente o treinamento para o RH era somente para o reconhecimento de cargos. Com o tempo, ele foi considerado como um desempenho para alcançar o cargo. Ele é o meio pelo qual a empresa obtém lucro, tendo um colaborador mais valioso e com mais competência. Com o treinamento agrega-se valor aos colaboradores, à empresa e aos clientes. Existem diferenças entre treinamento e desenvolvimento, o treinamento é para aquele momento que desenvolve e aperfeiçoa a pessoa em um cargo específico; desenvolvimento é para o futuro e para vários cargos; traz mudanças de hábitos, atitudes e conhecimento. Com o treinamento, a empresa deve mostrar sua visão, missão, valores, tudo sobre a organização, desde clientes até produtos e serviços (Chiavenato, 2010). Lacombe (2011) afirma que o treinamento é essencial em uma organização, pois é a partir dele que as pessoas se motivam a produzir. Para o autor, o RH é o setor mais importante da organização, pois será ele que orientará sobre o treinamento. O sucesso de uma organização depende muito dos líderes, pois serão eles que darão ênfase ao treinamento, verificando que tipo será mais adequado e necessário. Treinamento nada mais é que tornar a pessoa apta a exercer melhor a função atual ou nova função. 8

9 De acordo com Bohlander (2009), o treinamento tornou-se parte da coluna vertebral da implementação de estratégias; as novas tecnologias e mudanças rápidas exigem que os funcionários aperfeiçoem seus conhecimentos para lidar com novos processos e sistemas. Os cargos que exigem pouca habilidade estão sendo substituídos por cargos que exigem mais técnicas. Todos os funcionários necessitam de treinamento, mas alguns precisam de treinamento intensivo. Todos devem ter treinamentos para se manter ou se ajustar para as novas formas de trabalho, no mercado. O treinamento oferece oportunidade de adquirir conhecimento e habilidades, ser mais eficiente no que faz e até mesmo desempenhar cargos em outras áreas ou níveis superiores. 11 Processo de Treinamento Segundo Chiavenato (2010), o processo de treinamento está dividido em quatro etapas começando com o levantamento das necessidades, que são os diagnósticos das situações. Diagnóstico é o levantamento das necessidades do treinamento a serem satisfeitas. Partindo para a segunda etapa, vem a decisão; quanto à estratégia, essa seria a programação de treinamento; logo adiante se faz a implementação ou a ação, que nada mais é do que a execução do treinamento e, por fim, a avaliação e o controle, que seria a avaliação dos resultados. Estas quatro etapas são importantes e devem ser realizadas para que tenhamos um treinamento com sucesso. 12 Identificando as Necessidades de Treinamento De acordo com Bohlander (2010), é extremamente importante que os gestores fiquem atentos quanto à necessidade de treinamento, e que o Rh esteja totalmente envolvido nesta questão. Deve-se realizar uma avaliação das necessidades da empresa: o treinamento deve ser aplicado de acordo com as necessidades da organização e à medida que a organização cresce, suas necessidades mudam. Muitos fatores levam a empresa a tomar a decisão de treinar seus funcionários; hoje, mudanças como evolução tecnológica, globalização, reengenharia e gestão de qualidade, obrigam que as empresas busquem colaboradores com habilidades 9

10 específicas para o desempenho da função exercida; é necessário não somente o treinamento para colaboradores que já tenham um tempo de casa, como também para os novos. Gil (2001, p. 103) define diagnostico de necessidades e treinamentos como um processo que tem objetivo de identificar as carências de indivíduo e grupos para execução das tarefas necessárias para o alcance dos objetivos da organização. Para Chiavenato (2004, p. 345), o levantamento das necessidades abrange: Análise da Empresa: Indica onde o treinamento é feito e se, de fato, é necessário e inadiável, devemos analisar o ambiente da empresa, as estratégias e os recursos que a empresa tem disponível, verificar aspectos como missão e visão e objetivos. Análise do Trabalho: Indica como deve ser feito o trabalho do funcionário que vai ser treinado, as atividades que vão ser executadas para se determinar as qualidades necessárias para execução do trabalho. Análise do Comportamento do Funcionário a ser Treinado: caracteriza o conhecimento, habilidades e atitudes do colaborador a ser formado. Segundo Gil (2001), costuma-se definir diagnóstico de necessidades de treinamento como um processo que tem como objetivo, identificar as carências de indivíduos e grupos para a execução de tarefas necessárias ao alcance dos objetivos da organização. De acordo com Chiavenato (2008, p. 410), devemos utilizar das seguintes ferramentas para realizar o levantamento das necessidades de aplicação de um treinamento: Avaliação do desempenho: Identificar se os funcionários estão executando suas tarefas de acordo com que a empresa espera dos mesmos; Observação: Acompanhar os relatório de resultados e verificar se ocorre alguma discrepância de resultados entre departamentos, verificando se há evidências de trabalho ineficiente, e perda excessiva de matéria prima; Questionários: Pesquisas por meio de questionários e listas de verificação que coloquem em evidência as necessidades de treinamento; Solicitação de supervisores e gerentes: Quando identificada pelos próprios gestores a necessidade da aplicação do treinamento, torna-se viável a solicitação do mesmo para sua equipe de pessoal; 10

11 Reuniões interdepartamentais: Onde ocorre o levantamento dos objetivos organizacionais, problemas operacionais, planos para determinados objetivos, dentre outros assuntos. Exame de empregados: Testes empregados com a finalidade de medir o conhecimento do trabalho executado. Entrevista de saída: Quando o empregado está deixando a empresa é o momento mais apropriado para conhecer não apenas sua opinião sincera sobre a organização, mas também as razões que motivaram sua saída. Relatórios periódicos da empresa ou de produção: A partir do momento que as necessidades do treinamento foram diagnosticadas e localizadas, torna-se necessária a decisão de quem deve ser treinado (2008, p ). Para Chiavenato (2004) para programar um treinamento deve-se definir alguns critério, que podem ser respondidos com as perguntas: Figura 1: A programação de treinamento. Fonte: Chiavenato (2010, p. 376) Segundo Bohlander (2009), após termos identificadas as necessidades da aplicação de um treinamento junto aos colaboradores, será necessária elaboração do 11

12 programa e tipo de treinamento, utilizando as informações que foram levantadas na fase de identificação das necessidades deste. 13 Tipos e Técnicas de Treinamento As Técnicas orientadas para o conteúdo são formuladas para a transmissão de informações de conhecimentos como o uso da técnica de leitura, dos recursos audiovisuais, instrução programada e instrução assistida por computador (Chiavenato, 1999). De acordo com Carvalho (1998) a programação do treinamento pode ser trimestral, semestral, ou até anual, dependendo da necessidade e as variáveis da empresa. No momento da decisão quanto à programação do treinamento devem-se levar em conta os tipos variados de capacitação existentes para os funcionários, e que melhor se adequarão à necessidade da empresa. Segundo Chiavenato (1994), os níveis básicos de treinamento poderão ser separados da seguinte forma Treinamento Gerencial, Reinamento de Supervisão e Treinamento de mão de obra Executiva: 13.1 Treinamento Gerencial O treinamento gerencial visa manter seus gerentes cada vez mais atualizados, preparados e aprimorados para acompanhar as mudanças rápidas do mercado e dos profissionais da empresa. Auxiliar no planejamento da empresa com relação a novas estratégias, adaptações, custos, qualidade, equipe, comunicações e aquisições. Com a aquisição de mais conhecimento e novas técnicas, torna-se possível calcular riscos, estabelecer metas, definir planejamento e buscar oportunidades com mais precisão Treinamento de Supervisão Chiavenato (1994) define como supervisor, o chefe que está diretamente ligado a um grupo de executores de trabalho. A finalidade do treinamento de supervisão é qualificar o supervisor para que exerça sua função, que é essencial para o bom funcionamento de uma empresa. Como líder, deve estimular a equipe e desenvolver a 12

13 confiança dos trabalhadores com credibilidade, respeito e imparcialidade, dar suporte à equipe, trocar informações com as outras áreas, negociar prazos e cuidar da capacitação da mesma Treinamento de Mão de Obra Executiva Refere-se a todo aquele que produz diretamente mercadoria ou serviço; este tipo de treinamento deve ser divido em três etapas: formação básica, adaptação e aperfeiçoamento. Este treinamento visa direcionar o profissional a um processo de educação, reciclagem e alteração de comportamento. De acordo com Carvalho (1998) alguns tipos de treinamento podem ser classificados da seguinte maneira: Treinamento interno: Por formação profissional interna, entende-se o treinamento por conta e risco da empresa, utilizando suas próprias instalações. Treinamento para aperfeiçoamento de cargo: É a capacitação com características de reciclagem profissional do funcionário, geralmente é desenvolvida na própria empresa ou escola profissionalizante. Rodízio de funções: Chiavenato (2009) afirma que essa técnica possibilita ao treinando que passe por diversos cargos afins ou não ao seu, permitindo-lhe a oportunidade de conhecer e exercer atividades diversas das que executa normalmente na empresa; Treinamento à distância: Conforme Carvalho (1993, p. 215) é uma técnica baseada num programa de auto desenvolvimento, cuja principal finalidade é alcançar o treinando onde quer que se encontre. De acordo com Chiavenato (1999), o treinamento no local de trabalho propicia mais aprendizado, pois o empregado aprende enquanto trabalha; não requer acomodações ou equipamentos especiais; é o ensinamento mais comum aos empregados. Conforme Gil (2001) o método expositivo (palestra), consiste na preleção verbal dos instrutores com a finalidade de transmitir conhecimentos aos treinados. É a apresentação de um assunto específico, seguido de questionamentos e comentários por parte do público. Pode ser apresentada por funcionário da mesma empresa, de outra 13

14 empresa ou de alguma instituição contratada. O autor também indica outras modalidades de treinamento, como Workshop. Workshop: Trabalho de treinamento que utiliza a participação dos profissionais envolvidos em assuntos definidos pelas necessidades de intervenção determinadas pela empresa, buscando melhorar o desempenho e o relacionamento de equipes que trabalham em conjunto, com objetivos comuns. Por meio de discussões, jogos e vivências trabalha-se com as características das pessoas, do ambiente e da problemática a ser tratada. Integração de novos empregados: De acordo com Bohlander (2010) uma de suas finalidades é dar boas vindas a novos funcionários e fornecer informações corriqueiras sobre o local de trabalho. Esse tipo de treinamento faz uso de manuais sobre a empresa e promove a integração dos novos colegas. Coach: Foco em desenvolvimento e treinamento individualizado e personalizado, voltados a executivos em níveis gerenciais e diretores. Treinamentos Motivacionais: Desenvolvidos e aplicados de forma a gerar um nível de satisfação e integração entre as equipes com as atividades, com o Cliente e a Empresa. Treinamento Multiplicador: São desenvolvidos e voltados a capacitar lideranças na aplicação e manutenção de treinamentos operacionais. Seminário: Evento que reúnem especialistas de uma ou mais áreas de conhecimento com o objetivo de promover (ou ampliar) o debate sobre um tema específico, a partir de enfoques diferentes. Os atores de um seminário são os palestrantes, os debatedores, os coordenadores, o secretário e o público em geral Bohlander (2010). Dinâmica de grupo: Bohlander (2010) comenta que este método trata-se de uma técnica que utiliza a energia e o envolvimento grupal na preparação de pessoas. Conduzidas em ambientes planejados e controlados, as dinâmicas trazem, além do papel específico de crescimento profissional definido no programa de treinamento, também a possibilidade de crescimento pessoal dos envolvidos. 14

15 13.4 Tipos e Técnicas de Treinamento De acordo com Chiavenato (2008, p. 379) entre as diversas técnicas de treinamento, algumas delas são: Leituras: É uma das técnicas que consiste apenas em passar as informações para os ouvintes. Ela é muito utilizada nos programas de treinamento; Instrução Programada: Por serem programadas, as informações podem ser computadorizadas e os treinados obtêm o conhecimento em sua própria casa sem a presença de um instrutor; Treinamento em Classe: É feito fora do local de trabalho, os ouvintes são reunidos em uma sala, e um treinador passa as informações; Computer-based training (CBT): É o treinamento que utiliza da tecnologia, executado por CD, DVD ou disquete, com ajuda de multimídia; E-learning: Utiliza da tecnologia da internet para aumentar o desempenho e o conhecimento das pessoas, ele é baseado em três fundamentos, são eles: Autoriza a rede network; Facilidade na entrega ao usuário final; Não é restrito na transmissão de informações. O E-learning também traz os seguintes benefícios: Baixo custo; Melhora a rotatividade do negócio; Pode ser consistente ou customizado; Pode ser atualizado instantaneamente; Pode ser acessado em qualquer tempo ou lugar; Universatilidade; Escalabilidade; Constrói comunidade de prática; 15

16 Proporciona um serviço valioso para o cliente focado no e-commerce. Segundo Chiavenato (2008) as técnicas de treinamento são classificadas quanto ao uso, tempo e local de aplicação: Técnicas de treinamento orientadas para o conteúdo: Transmissão de informações utiliza da leitura, dos recursos audiovisuais e da instrução programada; Técnicas de treinamento orientadas para o processo: Desenvolvem autoavaliação e avaliação dos demais, habilidades interpessoais, relações humanas, intravisão interpessoal, melhorando atitudes e comportamentos; Técnicas de treinamento mistas: Além de transmitir conhecimentos, pretende atingir os objetivos estabelecidos para as técnicas do processo, transmitindo informações, mudando as atitudes e comportamentos. Entre as técnicas mistas, sobressaem os métodos de conferências, estudos de casos, simulações e jogos. Trabalha a consciência de si e eficácia interpessoal associando conhecimentos ou conteúdos. Treinamento de indução ou de integração à empresa: Destina-se a adaptação e ambientação inicial do novo empregado ao ambiente no qual irá trabalhar. É feito por meio de uma programação sistemática, que será conduzida por um dos funcionários ou por seu chefe imediato (CHIAVENATO, p ). 14 avaliação do Programa de Treinamento De acordo com Chiavenato (2008) é de grande importância verificar se o programa de treinamento atingiu seu objetivo, e é preciso analisar se o treinamento atingiu as necessidades da organização, das pessoas e dos clientes. O treinamento também compõe um investimento em custo, requer um retorno significativo deste investimento. É preciso analisar se o programa de treinamento atende as necessidades para as quais foi desenhado. Para estimar o treinamento, existem algumas medidas: Custo: qual o valor investido no programa de treinamento; Qualidade: como o programa atendeu as expectativas; Serviço: se o programa atendeu as necessidades dos participantes; Rapidez: como o programa se ajustou aos novos desafios oferecidos; 16

17 Resultados: quais os resultados que o programa ofereceu. Caso essas questões mencionadas tenham sido positivas é sinal que o programa de treinamento atingiu seus objetivos, caso o resultado tenha sido negativo, é sinal de que todo esforço e investimento foram inválidos e sem efeitos (CHIAVENATO, p.382). Segundo Chiavenato (2008) para obter a eficácia de um treinamento é fundamental fazer uma análise, na qual devem ser levados em consideração, dois aspectos importantes: Verificar se o comportamento dos empregados mudou de acordo com o desejado. Verificar se os resultados apresentam relação com o alcance das metas da empresa. Chiavenato (2008) afirma que também é necessário verificar se as técnicas de treinamento são eficazes no alcance dos objetivos propostos. Ele também explica que as avaliações dos resultados do treinamento podem ser feitas em três níveis: Avaliação ao nível organizacional o treinamento deve proporcionar resultados como: Aumento da eficácia organizacional; Melhoria da imagem da empresa; Melhoria do clima organizacional; Melhor relacionamento empresa x empregado; Facilidade nas mudanças e na inovação; Aumento da eficiência etc. Avaliação ao nível dos recursos humanos o treinamento deve proporcionar resultados como: Redução da rotatividade; Redução do absenteísmo; Aumento da eficiência individual dos empregados; Aumento das habilidades das pessoas; Aumento do conhecimento das pessoas; Mudanças de atitudes e de comportamentos das pessoas etc. 17

18 Avaliação ao nível das tarefas e operações o treinamento deve proporcionar resultados como: Aumento da produtividade; Melhoria da qualidade dos produtos e serviços; Redução no fluxo da produção; Melhor atendimento ao cliente; Redução do índice de acidentes; Redução do índice de manutenção de máquinas e equipamentos. (CHIAVENATO, p ). De acordo com Bohlander e Snell (2011) o Programa de Treinamento deve ser mensurado para que se possa especificar a sua efetividade. Existem vários métodos para avaliar a dimensão em que os programas de treinamento aperfeiçoam o aprendizado, afetam o comportamento no trabalho e influenciam no resultado financeiro de uma organização, mas poucas organizações avaliam adequadamente seus programas de treinamento. Segundo Bohlander e Snell (2008), existem quatro critérios sucintos para avaliar o programa de treinamento. Os quatro critérios são muito importantes, pois cada um deles proporciona informações diferentes, apesar de uns serem mais fáceis de medir do que outros. Esses quatro critérios são fundamentais para que seja possível identificar quais são as áreas problema, se é necessário modificar algum procedimento do programa, se o mesmo está sendo viável ou se é preferível que seja trocado. Os quatro critérios passam a ser explicados a seguir: 1) Reações: São mais simples e mais comuns para a avaliação da qualidade do treinamento e avaliação das reações dos participantes, onde a satisfação deles facilita na aplicação das informações no trabalho. Os participantes também podem dar sugestões, fazer critica como também podem ser feitas algumas perguntas como: Quais eram seus objetivos de aprendizagem para este programa? Você os atingiu? Você gostou deste programa? 18

19 semelhantes? Você o recomendaria aos outros que têm metas de aprendizagens Que sugestões você tem para aprimorar o programa? A empresa deve continuar a oferecê-lo? 2) Aprendizado: É importante fazer uma avaliação dos conhecimentos e habilidades dos participantes, antes e depois do treinamento, para facilitar na identificação do resultado do treinamento, comparando também com uma análise feita com as outras pessoas que ao invés do treinamento, obtém experiência, entre outros fatores que podem ser comparados com o aprendizado de um treinamento. 3) Comportamento: Em alguns casos o treinamento muda o comportamento das pessoas de maneira positiva; elas passam a agir de acordo com os conhecimentos adquiridos no treinamento, mas o fato do treinamento não alterar o comportamento, não significa que o treinamento não foi válido, pois dependendo da área de atuação, nem tudo o que é passado no treinamento é utilizado. 4) Resultados ou Retorno do Investimento: Nos dias de hoje, a maior parte das organizações avalia seu treinamento em termos de retorno de investimento (RDI), os quais, às vezes, também são chamados de utilidades e que as companhias obtêm a partir de seu investimento em treinamento, para fazer com que os gerentes demonstrem que seus programas produzem resultados efetivos, pelos quais eles têm sido pressionados. O RDI de uma companhia se refere aos benefícios derivados do treinamento relativos aos custos gerados. Os gerentes de RH calculam e apresentam esses benefícios para os executivos das companhias, que podem estar incluindo maiores rendimentos obtidos, aumento de produtividade, melhoria da qualidade, entre outros (BOHLANDER e SNELL, p ). Bohlander e Snell (2011) afirmam que os gerentes de RH devem buscar respostas para as seguintes perguntas: Qual foi a melhoria de qualidade em virtude do programa de treinamento? Quanto o programa contribui para os lucros? Qual foi a diminuição da rotatividade de funcionários e de desperdício de materiais que a companhia conseguiu depois do treinamento? Quanto aumentou a produtividade e em quanto os custos foram reduzidos? 19

20 Os gerentes de RH utilizam de várias informações de diversas áreas da empresa para poder responder a essas perguntas; utilizam também pesquisas com funcionários e grupos-controle. Os custos do programa de treinamento também necessitam ser avaliados, pois tais custos abrangem diversas despesas decorrentes como resultado do treinamento, incluindo os custos diretos e indiretos dos programas. Estreitamente associado ao cálculo do RDI do treinamento de uma companhia, o processo benchmarking compara os próprios serviços e práticas de desenvolvimento em relação às praticas de líderes reconhecidos, na indústria. Não há um modelo único de se fazer benchmarking; os modelos mais simples consistem no processo clássico de quatro etapas; segundo W. Edwards Deming (apud BOHLANDER e SNELL, 2011) tal processo favorece que: Planejem: Conduzam uma autoauditoria para definir os processos e as medidas internos; decidam as áreas onde será feito o benchmarking e escolham a organização que tomarão como comparação; Façam: Coletem dados por meio de pesquisas, entrevistas, visitas a sites e/ou registros históricos; Verifiquem: Analisem os dados para descobrirem falhas no desempenho e comunicar essas constatações e aprimoramentos sugeridos ao gerenciamento; Ajam: Estabeleçam metas, programem mudanças específicas, monitorem o progresso e redefinam benchmarks como um processo de treinamento contínuo. É necessário delinear claramente quais as medidas de competência e de desempenho e avaliar objetivamente a atual situação para que o benchmarking seja utilizado com sucesso. A maior parte dos profissionais de RH na área de treinamento e desenvolvimento considera primordial medir as três áreas amplas a seguir: Atividade de Treinamento: Quanto treinamento está sendo eficaz? Resultados de Treinamento: O treinamento e o desenvolvimento atingem suas metas? Eficiência do Treinamento: Os recursos são utilizados para se tentar realizar essa missão? (BOHLANDER e SNELL, 2011, p ). 20

21 15 Desenvolvimento de Pessoas Segundo Chiavenato (2009, p ) os processos de desenvolver pessoas apresentam as seguintes tendências: Forte ênfase em agregar valor às pessoas e a organização: O cenário atual é diferente da antiga tradição, que exigia que o funcionário tivesse todo o conhecimento para poder fazer parte da organização. Atualmente, as empresas bem sucedidas apostam em investir nos seus funcionários, consequentemente agregando valor ao funcionário e à empresa. Participação ativa dos gerentes e suas equipes: Os conteúdos dos programas de T&D estão sendo cada vez mais definidos, planejados e implementados pelos gerentes e pelas suas equipes. Esta é a presença visível da administração participativa e democrática. Intensa ligação com o negócio da empresa: Os processos de desenvolvimento de Recursos Humanos estão sendo planejados e elaborados como partes complementares do planejamento estratégico da empresa e cada vez mais, voltados para o negócio da empresa. Aprimoramento pessoal como parte da melhoria da qualidade de vida das pessoas: Por meio de contínua capacitação e do crescente desenvolvimento profissional, as pessoas trabalham e se sentem mais motivadas, com maior confiabilidade e mais facilidade, dessa maneira, melhorando a qualidade e produtividade. Contínua preparação da empresa e das pessoas para o futuro e para o destino: Os T&D s estão mais voltados para o futuro das pessoas e da empresa, é como uma inserção das pessoas e da empresa a médio ou longo prazo, ou seja, um T&D com a visão no futuro. Novas abordagens decorrentes da influência da tecnologia da informação: Em plena era da informação e a importância que tem o conhecimento, não tem como não utilizar os avanços da tecnologia nos programas de T&D. O treinamento está surgindo agora como um subproduto da tecnologia da informação. Adequação das práticas de treinamento às diferenças individuais das pessoas: Cada vez mais, os processos de desenvolvimento de RH estão levando em consideração as diferentes características das pessoas e se adaptando gradativamente a 21

22 elas. Ênfase em técnicas grupais e solidárias: Os processos de T&D estão privilegiando o trabalho em conjunto e as atividades grupais; estão contribuindo para o convívio social em grupo. Utilização de mecanismos de motivação e de realização pessoal: Os processos de desenvolvimento estão sendo apontados como um importante investimento pessoal e um meio para o alcance dos objetivos. Muitas empresas investem e incentivam o conhecimento e aprendizado constante, isso faz com que aumente o interesse das pessoas pelos programas de T&D. Busca incessante da excelência: Tudo dentro da empresa pode e deve ser melhorado continuamente. O treinamento contribui de maneira direta ou indireta para atingir os resultados do negócio da empresa. Compartilhamento da informação em substituição aos controles externos: As empresas estão constatando que os controles externos, artificiais, onerosos e custosos que, mais provocam problemas do que os resolvem, podem ser extintos e substituídos por outras maneiras mais suaves e efetivas de conduzir o comportamento das pessoas para os objetivos empresariais. Os programas de T&D estão conquistando importância para alterações organizacionais ou mudanças culturais, para implementação de novas ideias, produtos ou serviços. Permanente fonte de retroação ou retro informação: O retorno da informação favorece mudanças de rumos para o alcance de determinados objetivos. A retroação é basicamente a principal responsável pela aprendizagem, pelo estímulo positivo em relação a novos comportamentos; ela favorece a liberdade pessoal no trabalho, obtém indicações de resultados alcançados e de aspectos a serem corrigidos ou aperfeiçoados. 16 Pesquisa de Campo: Estudo de Caso na Empresa C&A Para o melhor entendimento da temática abordada neste trabalho, realizamos estudo empírico na empresa C&A. Segundo dados coletados no site da empresa (C&A, 2013), a história da empresa começa no século XVII. Nessa época, os antepassados dos 22

23 fundadores, Clements e August Brenninkmeijer (cujas iniciais fazem parte do logotipo da firma), comercializavam têxteis em toda a Europa. Duzentos anos mais tarde, esses dois irmãos vendiam tecidos principalmente na Alemanha e Países baixos, seguindo a antiga tradição de família; em 1841, na cidade de Sneek, situada na Frísia, fundaram a empresa C&A Brenninkmeijer. Vinte anos mais tarde, abriram também na Alemanha a primeira filial da C&A. Em 1911 a empresa familiar abriu o primeiro estabelecimento em Berlim, na Alemanha e mais tarde na Inglaterra. A informação é que nesta epóca a Segunda Guerra Mundial travou os planos de expansão da empresa; no entanto, no início dos anos 1970 a expansão prosseguiu, com a abertura de estabelecimentos na Bélgica, França e Suíça. Hoje, a empresa C&A, continua a ser gerida como uma empresa familiar, podendo ser encontrada em países como China, Brasil e México. A empresa, de acordo com pesquisas, est entre as principais cadeias de varejo de moda no mundo, contando com 1,8 mil unidades em 23 países da Europa, América Latina e Ásia. A empresa se instalou no Brasil em 1976, somando hoje 242 lojas em cerca de 80 cidades; a mesma conta com aproximadamente 19 mil funcionários, operando com três centros de distribuição, dois em São Paulo e um no Rio de Janeiro e sua base de apoio que é o escritório central em Alphaville - Barueri, em São Paulo. O foco da empresa hoje é comercialização de roupas, calçados, acessórios e eletrônicos, para mulhres, homens e crianças, oferecendo também produtos e serviços financeiros por meio do Cartão da empresa, que é administrado pelo Banco Ibi/ Bradesco. Faz parte do grupo C&A, a empresa Cofra holding criada em 2001, que administra os negócios do grupo; atualmente, os negócios da empresa estão divididos nos seguintes setores: varejo, incorporação imobiliária, fundos e participações privadas e energias renováveis. A sede da empresa Cofra é na Suíça, em Zug, e a empresa possui escritórios regionais que cuidam de questões tributárias, legais e financeiras em cidades como: Amsterdam, Bruxelas, Dusseldorf, Hong Kong, Londres, Madri, Nova York, Paris, São Paulo e outras. 23

24 Estratégia e público alvo Em entrevista com o diretor de operações Sergio Barbanti, no dia 10 de setembro de 2013, o mesmo afirma que o maior percentual de clientes da empresa encontra-se hoje na classe C. Declara que a estratégia da empresa nos últimos dois anos busca atingir as classes A e B, pois de acordo com pesquisas realizadas pela empresa, este tipo de público não se preocupa com valores das roupas que usa. Sergio declara, eles privilegiam a exclusividade, não querem encontrar na rua outra pessoa vestida com a mesma roupa status que a marca traz é imprescindível para essas classes. Com o pensamento de atingir essas classes, a estratégia da empresa passou a investir em peças exclusivas criadas por estilistas de renome internacional; assim a empresa busca manter a classe C em suas lojas e cria novos investimentos a fim de trazer o publico A e B por meio de coleções de grandes estilistas, com lojas exclusivas e diferenciadas das demais assim como a filial instalada no Shopping Iguatemi-SP. 17 Coleta de dados A pesquisa foi realizada na filial da empresa C&A, localizada na Rua Antonio Agú, no centro da cidade de Osasco, SP. A filial foi inaugurada em 05 de novembro de 2003 possuindo área de m², contando com três pisos de lojas, separadas por área de vendas área de SAC. A área bruta da filial é de m², sendo fracionada em área de vendas, estoques, administrativo, sala de reuniões, vestiários, refeitório. A divisão de departamento dentro da filial está divida em área de vendas, eletrônicos, financeiro, prevenção e perdas e administrativo. A filial opera com sessenta e nove funcionários, sendo a cadeira hierárquica divida da seguinte maneira: Gerente, Supervisor de varejo, Supervisor de operações, Líderes operacionais, Líder administrativo, Líder de prevenção e perdas, Operadores de caixa, Acessores Promotores. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista com os gestores dessa filial, bem como com colaboradores, utilizando questões abertas para o gerente e para os líderes e questões fechadas para os colaboradores. Após a tabulação dos dados a pesquisa revelou que as hipóteses iniciais foram confirmadas, pois de acordo com visão 24

25 dos colaboradores e gestores da empresa o treinamento é de suma importância dentro da organização, para acompanhar as mudanças que a empresa sofre com as transformações do mercado; foi possível identificar por meio dos gestores que com a aplicação do treinamento é possível diminuir a rotatividade de pessoas, conseguindo retê-las por mais tempo em suas funções, propiciando aumentar a produtividade da empresa, tornando os colaboradores mais aptos e qualificados a assumir novos cargos e responsabilidades, contribuindo também para a motivação pessoal e profissional do colaborador. Nesta pesquisa, partimos do princípio que o Treinamento e Desenvolvimento (T&D) de pessoas são fundamentais em qualquer organização. A importância do T&D no atual mercado globalizado, a cada dia, é mais necessário para que se busque estar sempre à frente, com o pensamento em inovações, qualificando e desenvolvendo seus colaboradores a fim de trazer melhores e maiores resultados organizacionais. Considerações finais Podemos dizer que o T&D, quando bem estruturado e planejado, é um excelente investimento para a organização; Porém é necessário que as empresas estejam cientes que a mensuração do retorno sobre o investimento nos programas de Treinamento e Desenvolvimento será em longo prazo. Desta forma, conseguimos alcançar nossos objetivos inicialmente propostos, onde afirmamos que o T&D se faz necessário para que a empresa atenda às necessidades geradas pelo mercado. Concluimos que a empresa que investe na área de Treinamento e Desenvolvimento estará investindo na carreira e desenvolvimento de seus funcionários, mas também aprimorando sua performace no mercado, de modo que, ajudar as pessoas a construir seu proprio projeto profissional é ajudar a construir o projeto da própria organização. Referências Bibliográficas BOHLANDER, George; SNELL, Scott. Administração de Recursos Humanos. 14º ed. Norte Americana: Cengage Learning,

26 BOHLANDER, George; SNELL,Scott. Administração de Recursos Humanos.14º ed. Norte Americana: Cengage Learning, CARVALHO, A. V; NASCIMENTO, L. P. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Pioneira, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas, o Novo Papel dos Recursos Humanos nas organizações. Rio de janeiro: Elsevier, Gestão de Pessoas, o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, Gestão de Pessoas, o novo papel dos recursos Humanos nas organizações. Rio de janeiro: Elsevier, Gestão de pessoas. Rio de janeiro: Elsevier, Recursos Humanos. 8º ed. São Paulo: Atlas, C&A EMPRESA. Conhecendo a C&A. Disponível em Acessado em 20, setembro, FERREIRA, Ademir Antônio Reis; FONSECA, Ana Carla; PEREIRA, Maria Isabel. Gestão Empresarial de Taylor aos nossos dias: evolução e tendências da moderna administração de empresa São Paulo; Pioneira Thompson Learning, GIL, A.C. Gestão de pessoas, Enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, LACOMBE, Francisco. Recursos Humanos. São Paulo: Saraiva,

27 MAXIMIANO, César Antonio Amaru. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Atlas, MILKOVICH, George T; BOUDREAU, John W. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Atlas, MOTA, Fernando Claudio Prestes; VASCONCELOS, Isabella Francisca Freitas Gouveia. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, SILVA, Reinaldo Oliveira da. Teoria da administração. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, THEODORE, Tyssen. Gerente pela primeira vez, um manual de sobrevivência. São Paulo: Nobel, TOLEDO, Flávio; MILIONI, B. Dicionário de Recursos Humanos. São Paulo: Atlas,

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

TÉCNICAS PARA O TREINAMENTO DE PESSOAS UTILIZADAS PELAS EMPRESAS

TÉCNICAS PARA O TREINAMENTO DE PESSOAS UTILIZADAS PELAS EMPRESAS TÉCNICAS PARA O TREINAMENTO DE PESSOAS UTILIZADAS PELAS EMPRESAS SERVIDONI, Renato Acadêmico da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF/ACEG Garça/SP TRECENTE, Vanessa Cristina Acadêmica da

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS "Felizaquelequetransfereo quesabee aprendeo queensina." Cora Coralina Se não sabes, aprende; se já sabes, ensina. Confúcio Tipo de Programa Objetivos Programas de Aperfeiçoamento Melhorar o nível de desempenho

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Negociação Estratégica e Gestão de Conflitos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Cassimiro Nogueira Junior PESSOAS CAPITAL HUMANO CAPITAL INTELECTUAL GRAU DE CONHECIMENTO: PRODUTIVOS E RECONHECIDOS

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento. Daniel Orlean

Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento. Daniel Orlean Avaliando Ações de Treinamento e Desenvolvimento Daniel Orlean ou... 6Ds + ROI Daniel Orlean Como você faz para aprovar um programa de T&D Na sua percepção, qual a maior barreira ao implementar um processo

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO Treinamentoéoprocessoeducacional,aplicadode maneira sistemática e organizada, pelo qual as pessoas aprendem conhecimentos, atitudes e habilidades

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial Conexão Gerencial é um programa modular de Desenvolvimento Gerencial cujos principais objetivos são: Promover um choque de cultura e competência gerencial e tornar mais efetivo o papel dos Gestores. Alinhar

Leia mais

Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web. Gestão de Pessoas. Qual o objetivo da disciplina?

Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web. Gestão de Pessoas. Qual o objetivo da disciplina? Responda as questões que orientam o sucesso na disciplina via web Quem é a professora responsável? Qual o objetivo da disciplina? Como estudar e obter nota para aprovação? Qual é a bibliografia básica?

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas AULA 3 Administração de Recursos Humanos O papel do gestor

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais