MODELAGEM DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS UTILIZANDO O BPM E O DFSS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAGEM DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS UTILIZANDO O BPM E O DFSS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS"

Transcrição

1 MODELAGEM DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS UTILIZANDO O BPM E O DFSS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE PEDRAS SEMIPRECIOSAS William Jacobs (UNIVATES) Manfred Costa (UNIVATES) O Processo de Desenvolvimento de Produtos (PDP) nas organizações é um dos processos de maior importância destas, na medida em que as decisões tomadas naquele irão impactar de diversas formas e, possivelmente, por um tempo significativo todaas as operações da empresa. Fatores como qualidade e custos são, principalmente e inevitavelmente, constituídos, em sua maior parte, na etapa de desenvolvimento do produto. Neste sentido, o estabelecimento de uma adequada modelagem do PDP irá colaborar para que os esforços despendidos no PDP estejam alinhados às necessidades dos clientes e consumidores. Desta forma, o presente artigo apresenta a modelagem de um PDP em uma empresa de pedras semipreciosas, desenvolvido com base nos conceitos de Business Process Management (BPM) e da metodologia Design For Six Sigma (DFSS), tendo como objetivo a proposição de um modelo de PDP baseado nos preceitos de tais abordagens. A presente pesquisa foi conduzida através de um estudo de caso, sendo este estudo aplicado quanto à natureza, descritivo quanto aos objetivos e qualitativo quanto à abordagem. Quanto aos resultados, a pesquisa demonstrou sua viabilidade, porém haverá a necessidade de implantação e monitoração dos indicadores de desempenho propostos para que possa ser avaliada a viabilidade em termos quantitativos. Palavras-chaves: Processo de Desenvolvimento de Produtos, Business Process Management, Design for Six Sigma, Indústria de Pedras Semipreciosas.

2 1. Introdução O desenvolvimento de produtos é estratégico não somente às empresas manufatureiras ou de prestação de serviços. É uma área estratégica para o desenvolvimento do país como um todo. Segundo Rozenfeld et al. (2006), o Brasil necessita, para a geração de superávits, exportar produtos de maior valor agregado, ao invés de matérias-primas ou produtos semi-processados. Além disto, os autores citam que para os produtos brasileiros concorrerem no mercado local com os produtos importados, é necessário capacitar o corpo técnico e gerencial das empresas em gestão do PDP, bem como a elevação de seu nível de conhecimento sobre as boas práticas de estruturação e gerenciamento. Assim, a excelência no desenvolvimento de produtos tornou-se um ponto estratégico a ser seguido pelas empresas. Esta situação ocorre em função do ciclo de vida dos produtos serem cada vez mais curtos, das frequentes inovações realizadas pelos concorrentes e pelo maior número de opções e disponibilidade dos produtos (FIORAVANTI, 2005). Aliado a isto, a necessidade pela crescente redução dos custos produtivos, viabilizados pela eliminação dos desperdícios e redução da variabilidade nos processos de negócio da empresa, caracteriza-se como um meio vital para o atendimento aos objetivos estratégicos de muitas organizações (SANTOS; MARTINS, 2008). Considerando estes aspectos estratégicos, tanto para o desenvolvimento do país como um todo, como para a indústria, o presente artigo visa apresentar um modelo conceitual para o PDP desenvolvido e aplicado em uma empresa beneficiadora de pedras semipreciosas, utilizando como base, a combinação de duas ferramentas: o BPM e o DFSS. O trabalho será desenvolvido por intermédio de um estudo de caso, realizado em uma empresa do ramo de pedras semipreciosas, localizada no interior do Estado do Rio Grande do Sul. A motivação da realização do presente estudo é em função da frequente e crescente devolução de pedidos por parte de clientes, em função da inadequada identificação daquilo que este deseja. Ainda, por questões estratégicas, o nome da empresa não será aqui revelado, sendo que, quando for necessário fazer menção a esta, utilizar-se-á o termo Empresa X. O presente artigo encontra-se dividido em cinco seções. A primeira seção abordou a introdução, objetivos e delimitação do estudo. A segunda abordará a fundamentação teórica sobre a seguinte temática: PDP, BPM, Seis Sigma (SS) e DFSS. A terceira seção abordará a metodologia de pesquisa adotada, onde será apresentado o planejamento do método e a classificação da presente segundo as doutrinas apresentadas na literatura sobre metodologia de pesquisa. Na quarta seção será apresentado o estudo de caso realizado e, na quinta, as considerações finais do trabalho, bem como sugestões que se fizerem necessárias. 2. Fundamentação Teórica Nesta seção, serão delineados os conceitos envolvendo o PDP, BPM, SS e o DFSS. Serão destacados os aspectos metodológicos envolvendo estas disciplinas, com um nível de profundidade adequado aos propósitos do presente trabalho. 2.1 Processo de Desenvolvimento de Produtos (PDP) O PDP trata-se de um conjunto de atividades onde se busca, a partir das necessidades do mercado, considerando os aspectos relacionados à estratégia da empresa (competitiva e de 2

3 produtos) e restrições tecnológicas, chegar às especificações de projeto de um produto e de seu processo de produção (ROZENFELD et al., 2006). Para Rotondaro, Miguel e Gomes (2010, p.7), o PDP é composto por um conjunto de atividades de natureza predominantemente técnica com o intuito de fazer a idéia inicial para um novo produto florescer em funcionalidade, detalhamento e incorporação de tecnologia visando atender aos requisitos e expectativas dos futuros usuários. Complementam Kaminski apud Fioravanti (2005) que o PDP envolve quase todos os departamentos de uma empresa, de forma a transformar as necessidades de mercado em produtos ou serviços economicamente viáveis. Neste sentido, existem diversos conceitos existentes na literatura que trata a respeito do PDP. Em Romeiro Filho et al. (2010) são apresentados os conceitos de diversos autores desta área do conhecimento, tais como: Clark e Fujimoto (1991); Ulrich e Eppinger (2000); Rozenfeld e Amaral (2001); Pahl e Beitz (1996); Roozenburg e Eekels (1995); Urban e Hauser (1993); e, Clark e Wheelwright (1993). Nas abordagens descritas e citadas neste artigo, podem-se verificar aspectos em comum entre todos estes autores citados, que são: (i) identificação e incorporação dos requisitos dos clientes; (ii) recursos e restrições; (iii) transformação das idéias em produtos e (iv) acompanhamento do produto no mercado. Em relação aos aspectos cronológicos do presente assunto, enfatiza Amaral (2002) que até a década de 90 os trabalhos científicos envolvendo o desenvolvimento de produtos eram abordados de forma fragmentada, abordando, cada autor, assuntos específicos de sua área, tais como: engenharia, administração, design, etc.. Ainda segundo o autor, esta situação começou a mudar a partir da década de 90, quando alguns autores buscaram transpor estas barreiras e considerar outros aspectos no desenvolvimento de produtos, para tanto, cita os seguintes como importantes para esta nova tendência surgida: Pugh (1978, 1996), Clausing (1994), Brown e Eisendarth (1995), entre outros. Desta forma, o PDP como processo estruturado e multidisciplinar começa a surgir a partir desta década. Porém, com o passar dos anos e com a evolução dos conceitos de PDP, outros desafios começaram a surgir, entre eles, os seguintes: a representação do PDP e a forma de armazenar e integrar os conhecimentos gerados neste processo. Neste contexto, Amaral (2002, p. 14) apresenta os principais fatores que afetam a eficácia e eficiência do PDP (o leitor interessado pode verificar o texto original), sendo que o autor apresenta, além dos fatores e seu significado, a quantidade de fontes científicas que evidenciam tais afirmações, confirmando a importância de cada tema. Ressalta Fioravanti (2005) que o modelo de desenvolvimento de produtos desenvolvido por Pugh (1978, 1996) e já citado anteriormente por Amaral (2002), vem ganhando credibilidade ao longo do tempo, pois está intimamente ligado com o DFSS. Tal situação deve-se ao fato de que o modelo supracitado proporciona ênfase à fase inicial do projeto, citando o autor as seguintes: (i) a de captação e transformação das necessidades e aspirações dos clientes em requisitos de projeto; e, (ii) a escolha da melhor opção a ser desenvolvida. Desta forma, tendo sido apresentados os conceitos a respeito do PDP, a seção 2.2 apresentará os conceitos envolvendo o BPM. 2.2 Business Process Management (BPM) O BPM consiste num conjunto de atividades que são desenvolvidas de forma coordenada entre o ambiente técnico e o ambiente organizacional. Estas atividades, realizadas conjuntamente, fazem com que a organização atinja suas metas. Cada processo de negócio é representado como uma simples organização que interage com os processos de negócio 3

4 desenvolvidos pelas outras organizações (WESKE, 2007). Um processo de negócio pode ser definido como um conjunto de atividades estruturadas destinadas a resultar num produto especificado para um determinado cliente ou mercado (MACEDO; SCHIMITZ apud JACOSKI; GRZEBIELUCHAS, 2011, p. 30). Argumentam Jacoski e Grzebieluchas (2011) com base na NBR ISO 9001 (2000) que para uma empresa trabalhar de maneira dinâmica e eficiente, a mesma deve identificar e coordenar diversas atividades interligadas. Estas atividades possibilitam a transformação de entradas em saídas e, utilizando uma abordagem de processos, a vantagem que a organização terá será no controle individual e contínuo dos processos dentro do sistema, considerando ainda a melhor interação e combinação entre os mesmos. Assim, segundo Benedete (2007, p.13) a Gestão de Processos de Negócio (BPM) visa mapear e melhorar os processos de negócio da empresa, através de uma abordagem baseada em um ciclo de vida de modelagem, desenvolvimento, execução, monitoração, análise e otimização dos processos de negócio. A Figura 1 apresenta os macros elementos do BPM. Figura 1 Macro elementos do BPM Fonte: Benedete (2007, p.13) A etapa de modelagem de processos no BPM é a sua fase mais perceptível. Nesta etapa, cada autor apresenta uma determinada técnica ou metodologia de otimização, constituindo como etapa relevante a identificação daquela que mais se adapte ao processo em estudo. Os dois modelos possíveis para a modelagem dos processos referem-se à modelagem de como o processo ocorre atualmente (denominada pelos autores como as is) e a projeção, com base na otimização desejada, de como o processo ocorrerá (denominada pelos autores como to be) (BALDAM et al. apud JACOSKI; GRZEBIELUCHAS, 2011). Feitas as considerações necessárias a respeito do BPM, a seção seguinte abordará a temática SS e o DFSS. 2.3 Seis Sigma e o Design for Six Sigma O SS é uma prática de gestão que, por intermédio da redução contínua da variabilidade do processo, objetiva aumentar a lucratividade de organizações de qualquer porte, seja ela manufatureira ou prestadora de serviços, utilizando estratégias e técnicas que reduzam os custos e aperfeiçoem os processos (LINDERMAN et al.; HAHN et al.; WESSEL; BURCHER; BREYFOGLE et al. apud ANDRIETTA; MIGUEL, 2007). O SS é um programa voltado à área de qualidade, sendo os seus principais objetivos o aumento da confiabilidade do produto final e a redução de perdas (MIGUEL; FERREIRA, 2010). Portanto, é uma 4

5 abordagem tipicamente destinada à melhoria dos processos e não de seus produtos, mas que, por consequência, melhora também a qualidade dos produtos ofertados ao mercado. Para o aproveitamento dos benefícios oriundos desta abordagem também ao PDP, foi criada a metodologia DFSS, originada e estruturada do SS, porém com ferramentas dedicadas ao PDP (FIORAVANTI, 2005). Complementam Santos e Martins (2008) que o DFSS possui um enfoque mais preventivo e direcionado para a inovação e otimização do processo, reduzindo ocorrências indesejáveis e inconveniências associadas ao lançamento e desenvolvimento de novos produtos. Assim, o DFSS é uma extensão do SS para o projeto de novos produtos e processos, surgido na General Eletric na década de 90 (WERKEMA, 2005). A definição de DFSS é dada por Werkema (2005), conforme apresentado a seguir: O DFSS pode ser definido como uma abordagem metodológica sistemática, caracterizada pela utilização conjunta de métodos estatísticos e de engenharia, que, quando adequadamente empregada, permite que a empresa lance no mercado o produto certo, no prazo mais curto possível e com custos mínimos (WERKEMA, 2005, p. 13). Na definição de Werkema (2005) observam-se claramente as principais vantagens auferidas com a utilização de tal abordagem, são: (i) qualidade, quando se faz menção a lançar o produto certo, ou seja, conforme os consumidores necessitam; (ii) tempo, quando se faz menção a lançar o produto no prazo mais curto possível; e, (iii) custos, pois tal metodologia reduz custos na medida em que visa desenvolver produtos que sejam aceitos pelos consumidores. O DFSS é uma metodologia aplicada a processos que necessitam ser concebidos para, no momento em que estejam em funcionamento, sejam aptos a atingir níveis seis sigma de desempenho (FIORAVANTI, 2005). Mas, segundo entendido das afirmações de Braz apud Fioravanti (2005) o DFSS é aplicável ao projeto de produtos mesmo para aquelas empresas que não possuam o SS efetivamente implantado em seus processos, fator este que pode ser considerado determinante para a utilização e disseminação de tal ferramenta. Assim como o SS utiliza o método DMAIC para a sua implantação, o método utilizado na implantação do DFSS é o: Define, Measure, Analyze, Design e Verify (DMADV) apresentado na Figura 2; ou, traduzindo para a língua portuguesa: Definir, Medir, Analisar, Projetar e Verificar (DMAPV) (WERKEMA, 2005). Figura 2 Metodologia do DFSS Fonte: Adaptado pelos autores (2011) com base em Werkema (2005) Para tanto, a Tabela 1 apresenta a descrição de cada etapa do método DMADV (utilizar-se-á nesta pesquisa o acrônimo original, provindo da língua inglesa), os objetivos a serem atingidos em cada uma delas e as ferramentas possíveis de serem utilizadas para a 5

6 concretização de cada uma das etapas (as ferramentas utilizadas tratam-se apenas de exemplos). Etapa Objetivos Ferramentas Definir Medir Analisar Projetar Verificar Definir claramente o novo produto ou novo processo a ser projetado Identificar as necessidades dos clientes/consumidores e traduzi-las em Criticals To Quality (CTQs) Selecionar o melhor conceito dentre as alternativas desenvolvidas e gerar o Design Charter do projeto Desenvolver o projeto detalhado, realizar os testes necessários e preparar para a produção em pequena e larga escala Testar e validar a viabilidade do projeto e lançar o novo produto no mercado - Análise de regressão/fatorial: definir e avaliar os mercados alvo; - Diagrama de relações/matriz: avaliar a viabilidade técnica; - Diagrama de Gantt: elaborar um cronograma detalhado do projeto; - Plano de coleta de dados: estudar as necessidades dos clientes; - Benchmarking: analisar os principais concorrentes; - Diagrama de causa e efeitos/qfd: estabelecer as características críticas para a qualidade do produto a ser projetado; - Análise de Pugh / TRIZ / DFM / DFA: identificar as funções, gerar os conceitos e selecionar o melhor deles para o produto; - Fluxo de caixa projetado: analisar a viabilidade econômica; - Diagrama de Gantt: planejar as próximas etapas da metodologia; - Design Charter: resumir as informações destas duas etapas já realizadas; - FMEA/Planejamento de experimentos: desenvolver o projeto detalhado do produto, construindo protótipos; - Testes de vida acelerados: realizar testes funcionais; - Carta de controle / Índice de capacidade de processo: planejar a produção; - Métricas do SS: iniciar a produção; - Plano de Marketing: lançar o produto no mercado; - Avaliação dos sistemas de medição: sumarizar o que foi aprendido e registrar recomendações para trabalhos futuros; Fonte: Adaptado pelo autor (2001) de Werkema (2005) e Fioravanti (2005) Tabela 1 Definições da metodologia DMADV utilizada no DFSS Continua... A seção 2 apresentou a pesquisa bibliográfica realizada para a aplicação do presente estudo de caso. A seção 3 apresentará a metodologia de pesquisa a ser adotada para atender aos objetivos propostos na seção introdutória do presente trabalho (Seção 1). 3. Metodologia de pesquisa A seção 3 visa demonstrar como a presente pesquisa foi conduzida, através do planejamento de seu método, bem como, em seguida, descrever a classificação desta segundo as doutrinas da metodologia de pesquisa. Então primeiramente, por questões de simplicidade e melhor apresentação da sequência das etapas do estudo realizado, o planejamento do método de pesquisa será apresentado através de um diagrama de blocos (Figura 3). 6

7 Identificar os processos Identificar os processos organizacionais de desenvolvimento organizacionais de desenvolvimento de produtos da Empresa X de produtos da Empresa X Modelar os processos Modelar os processos organizacionais identificados na organizacionais identificados na etapa anterior (as is) etapa anterior (as is) Reavaliar a modelagem realizada Reavaliar modelagem realizada conforme a etapa anterior para conforme a etapa anterior para certificá-la certificá-la Definir os objetivos do PDP e os Projetar o modelo de PDP para a Definir os objetivos do PDP e os Projetar o modelo de PDP para a grupos de indicadores de Empresa X com base no BPM e no grupos de indicadores de Empresa X com base no BPM e no desempenho DFSS (to be) desempenho DFSS (to be) Figura 3 Planejamento do método de pesquisa Analisar a aplicabilidade prática do Analisar a aplicabilidade prática do modelo de PDP proposto para a modelo de PDP proposto para a Empresa X, propondo melhorias e Empresa X, propondo melhorias e sugestões de pesquisas futuras sugestões de pesquisas futuras A primeira etapa consistiu-se na identificação de como atualmente é realizado o PDP na Empresa X. Para isso, foram realizadas entrevistas estruturadas com o empresário, com a gestora responsável pelo setor comercial e de compras e com o gestor do setor de produção e logística. Em seguida, foi realizada a modelagem dos processos organizacionais identificados na etapa anterior, utilizando o software Microsoft Visio versão Na terceira etapa foi apresentado aos profissionais supracitados a modelagem realizada pelos autores, tendo como objetivo confirmar a percepção obtida quando da etapa de entrevista. Então foram definidos os objetivos organizacionais do PDP e indicadores de desempenho para que seja realizado o seu monitoramento. Na quinta etapa os autores realizaram a modelagem do PDP para a Empresa X conforme objetivos e pesquisa bibliográfica anteriormente apresentados. E por último, foi analisada juntamente com os profissionais supracitados, a aplicabilidade do modelo proposto. Assim, quanto à metodologia de pesquisa empregada, a presente pesquisa caracteriza-se como sendo aplicada quanto à sua natureza, pois há interesse na utilização dos resultados gerados por esta e que estes passem a auxiliar na solução de problemas que ocorram na realidade (ANDER-EGG apud MARCONI; LAKATOS, 2002). Descritiva quanto aos objetivos, pois busca especificar as características e perfis importantes do fenômeno desenvolvimento de produtos em uma organização industrial (DANHKE apud SAMPIERI; COLLADO; LUCIO, 2006). Qualitativa quanto à abordagem, pois tem o objetivo de traduzir e expressar o sentido do fenômeno observado (MAANEN apud NEVES, 1996). Estudo de caso quanto aos procedimentos técnicos, pois busca-se representar o caso no que tange à teoria formulada dado que o problema trata-se de um caso da empresa, sendo que satisfeita todas as condições, pode-se confirmar, contestar ou estender a teoria (YIN; GRASSI, 2005). A seção 3 visou resumir as informações necessárias para o entendimento de como a presente pesquisa foi conduzida, bem como apresentou a classificação da pesquisa. A seção 4 apresentará então o estudo de caso realizado na Empresa X que, conforme anteriormente citado, trata-se de uma empresa do ramo de beneficiamento de pedras semipreciosas. 4. Estudo de caso Na seção 4 será apresentado o estudo de caso realizado na Empresa X. Para atender aos objetivos descritos para o presente trabalho, esta seção encontra-se dividida em quatro assuntos principais, que são: (i) a apresentação do problema de qualidade que está relacionado com o PDP; (ii) o modelo de PDP atual (as is); (iii) o modelo de PDP proposto (to be); e, (v) a análise da aplicabilidade prática do PDP proposto. 4.1 O problema de qualidade relacionado ao PDP A Empresa X localiza-se em uma cidade do interior do Estado do Rio Grande do Sul e atua no ramo de pedras semipreciosas há quase duas décadas. A empresa possui um vasto portfólio de 7

8 produtos (anéis, braceletes, brincos, chaveiros, colares, etc.), sendo que uma das características do segmento de atuação da empresa é a frequente customização de seus pedidos. A segmentação de mercado da empresa é cerca de 10% de vendas para o mercado nacional e 90% para importação (Europa). A realização de um estudo para a modelagem do PDP da Empresa X justifica-se em função dos crescentes problemas observados na qualidade de seus produtos e no custo que a falta desta representa. Segundo os profissionais entrevistados, os principais problemas relacionados à qualidade dos produtos são: a tonalidade das peças processadas e a conformação das peças não estar em conformidade com a solicitação do cliente, além de trincas e veias nas peças usinadas que não estariam relacionadas diretamente com o PDP. A matéria-prima principal utilizada no processo produtivo dos produtos é a pedra ágata sendo que, conforme dados históricos de aproveitamento desta, apenas 10% da quantidade comprada é aproveitada ao final do processo. Segundo os entrevistados, esse grande volume de perda é inerente ao processo, sendo muito difícil a sua otimização. Dos 10% da matéria-prima aproveitada, os entrevistados estimaram uma perda de 30 a 40% em função dos problemas apresentados no parágrafo anterior. Trata-se de estimativas, tendo em vista que os dados gerados em termos de descarte, retrabalho ou devolução não são registrados e controlados nos processos da empresa. A estimativa da distribuição percentual das perdas (dos 30 a 40% de perdas) segue o seguinte: 40% relacionados à tonalidade da peça; 20% relacionados à conformação das peças; e os demais 40% são subdivididos em outras categorias de perdas. O principal problema enfrentado pela empresa é quanto à previsão da variabilidade de tonalidade que existirá no lote a ser produzido. Conforme um dos entrevistados expôs, a identificação da tonalidade que o cliente quer não é algo de difícil mensuração, porém, a variabilidade do lote em termos de tonalidade, que o cliente aceitará como dentro de seu padrão, é algo de difícil mensuração, tendo em vista esta avaliação ser bem subjetiva. Este problema torna-se sério na medida em que a empresa produz o pedido realizado, incorrendo em todas as perdas e demais custos do processo, envia o produto ao cliente e em seguida este é devolvido pelo cliente por considerar excessiva a variação do padrão de tonalidade. Segundo os entrevistados, este problema ocorre com relativa frequência. Por sua vez, a variabilidade na tonalidade dos lotes é algo de difícil controle no processo produtivo, tendo em vista que são diversos os fatores que as influenciam (tempo de cozimento da peça, temperatura média de aquecimento, classificação da matéria-prima, análises do operador, etc.). O processo de tingimento das peças é realizado em batelada, sendo que a quantidade de peças utilizadas em cada ciclo varia de 500 a 700 peças. O lote para importação geralmente é constituído de a peças. Para ilustrar, o processo produtivo da empresa ocorre conforme apresentado na Figura 4. Selecionar Selecionar matériaprima matériaprima Pesar Pesar matériaprima matériaprima Cortar Cortar Tornear Tornear peça peça Lavar peça Lavar peça Tingir peça Tingir peça Polir peça Polir peça Selecionar Selecionar peça peça Furar peça Furar peça Montar Montar produto produto Embalar Embalar produto produto acabado acabado Cortar matériaprima em serra prima em serra de carbureto de Lixar com lixa Cortar matéria- Lixar com lixa Cortar matériaprima em serra prima em serra de carbureto de polimil Cortar matéria- Lixar com lixa Lixar com lixa grande manual silício polimil grande manual silício Figura 4 Macro processo de produção da empresa Lixar com lixa Lixar com lixa tipoli tipoli O processo de produção da empresa inicia-se com a classificação e seleção da matéria-prima adequada. Em seguida, estas são pesadas para que seja possível a verificação de perdas em 8

9 todo o processamento. O próximo processo é o de cortar e é realizado em duas etapas e com objetivos diferentes. Conforme já apresentado, apenas 10% da matéria-prima é aproveitada em todo o processo sendo o de corte onde está localizada grande parte desta perda. O próximo processo é o torneamento, que visa retirar material, conferindo formato à peça. Então as peças são lavadas para a remoção de óleos e demais sujidades para que, na sequência, seja realizado o tingimento, processo este que visa conferir cor à peça. Em seguida, por intermédio de três processos distintos é realizado o polimento da peça. Então estas são selecionadas e agrupadas conforme características de cor e são enviadas ao processo de furação para que sejam realizados os devidos furos (quando necessário). Logo o produto é montado, embalado e expedido aos clientes. 4.2 O modelo de PDP atual (As is) A empresa não possui um PDP estruturado e formalizado. A maneira pela qual os pedidos de novos produtos são processados foi identificada pelos autores nas entrevistas realizadas e pode ser visualizada na Figura 5. Comercial e Logística Produção Cliente compras Pedido de compra Receber informações do cliente Verificar detalhes do produto (cores, furos, montagens, etc.) 4 Transportar matéria-prima do fornecedor à empresa Características do pedido Verificar a capacidade técnica para fabricar pedido 2 1 A empresa possui capacidade técnica? 5 Informar ao cliente quanto a indisponibilidade de realizar o pedido Sim Verificar disponibilidade de matériaprima Transportar produto até o cliente Não 1 Há matéria-prima suficiente? Encerrar pedido Sim Não Negociar a compra de matéria-prima 2 3 Classificar matéria-prima 4 Definir prazo de entrega ao cliente Produzir pedido 5 Figura 5 Processo de desenvolvimento de produto atual (as is) O processo inicia com um pedido de compra gerado pelo cliente. Este pedido gera um documento com a descrição das características e atributos que o produto deverá possuir. Após, o setor comercial e compras da empresa recebe e processa o pedido, verificando, em conjunto com o setor de produção, a capacidade técnica que é necessária e se a empresa dispõe desta naquele momento. Caso a empresa não possua a capacidade técnica, o cliente é informado de tal situação. Caso contrário, verifica-se a necessidade de matéria-prima para sua fabricação. Se não houver matéria-prima o suficiente, estas são negociadas e a empresa as busca em seu fornecedor. Sendo a quantidade de matéria-prima suficiente, esta é classificada quanto às características de interesse e só então é verificada a demanda necessária de tempo para a produção do pedido. O cliente é informado do tempo necessário para a produção e o pedido é processado. Assim que pronto, o lote é embalado e enviado ao cliente. 9

10 4.3 O modelo de PDP proposto (To be) A seção 4.3 apresentará o modelo de PDP proposto conforme as abordagens do BPM e do DFSS. Tendo em vista a necessidade de estruturação do PDP, a primeira etapa da presente seção apresentará o modelo conceitual definido pelos autores conforme as entrevistas, visitas técnicas realizadas, problemas de qualidade identificados e conforme a abordagem do DFSS. O modelo conceitual, ao contrário do apresentado na seção 4.2, será apresentado através de uma tabela (Tabela 2), onde serão então explanadas as ações a serem tomadas em cada etapa. Etapa O que fazer Como fazer Definir Medir Analisar Projetar Verificar 1. Avaliar a solicitação realizada pelo cliente em termos de viabilidade técnica e econômica 2. Identificar e estabelecer as CTQs para o lote a ser produzido 3. Analisar todos os requisitos solicitados pelo cliente e sua viabilidade 4. Projetar o produto conforme especificações 5. Produzir o produto conforme definições anteriores e aprovação do cliente 1.1 Analisar os pedidos anteriores realizados pelo cliente e identificar problemas ocorridos; 1.2 Utilizar de análise de regressão para estimar a quantidade de perdas que ocorrerão para este cliente; 1.3 Estimar então a quantidade real a ser fabricada, considerando as estimativas de perdas; 1.4 Avaliar a capacidade técnica disponível para o período; 1.5 Estimar os custos de produção do pedido solicitado, avaliando através de um paybak a quantidade mínima a ser fabricada para a cobertura de todos os gastos; 1.6 Elaborar o cronograma para o desenvolvimento do pedido; 2.1 Estabelecer contato com o cliente através de formulário estruturado, onde este irá responder, de modo que seja possível identificar as CTQs; 2.2 Utilizar do Quality Function Deployment (QFD) para projetar a qualidade requerida; 2.3 Reunir os requisitos de qualidade que tenham maior peso, bem como as especificações que o processo deverá ter, analisando a capacidade técnica da empresa para o seu adequado atendimento; 3.1 Estimar novamente os custos de produção do pedido, verificando se houveram alterações significativas em relação à primeira etapa; 3.2 Elaborar o Design Charter que traz todos os conceitos e requisitos até então levantados para que o produto possa ser projetado; 3.3 Produzir lotes pilotos a serem enviados e validados pelo cliente; 3.4 Utilizar então de procedimentos estatísticos para determinar o número de lotes mínimos e respectivas quantidades; 4.1 Rodar projetos de experimentos para definir os níveis ótimos dos parâmetros de tingimento para atendimento aos requisitos do cliente; 4.2 Registrar em formulário todos os processos realizados para que estes possam ser replicados quando da efetivação do pedido; 4.3 Atualizar a análise financeira do projeto; 5.1 Utilizar do Controle Estatístico de Processo para controle dos requisitos do cliente; 5.2 Verificar se a análise financeira projetada está em conformidade; 5.3 Registrar dados de medições realizadas e demais informações Continua... 10

11 Etapa O que fazer Como fazer pertinentes, armazenando-as em banco de dados. Fonte: Elaborado pelos autores (2011) com base Miguel e Ferreira (2010) e Werkema (2005). Tabela 2 Processos de projetação e produção dos produtos conforme abordagem do DFSS Assim, a Tabela 2 apresentou cada etapa conforme descrito pela abordagem DFSS (Definir, Medir, Analisar, Projetar e Verificar) explanando a respeito do que deve ser feito em cada uma destas e como esta deverá ser realizada. Trata-se da primeira etapa a ser realizada para a melhoria do PDP e para a redução dos principais problemas de qualidade observados. Desta forma, conforme a abordagem do BPM, na sequência apresentar-se-á como o PDP modelado na etapa anterior poderá ser melhorado (Tabela 3). Etapa Objetivos do negócio Modelar processos Executar processos Monitorar processos Analisar processos Otimizar processos Definições e ações O objetivo do PDP da empresa foi definido da seguinte forma: atender às necessidades e desejos dos clientes de forma a identificar seus anseios e traduzi-los em requisitos para os produtos, que serão atendidos de forma eficiente e eficaz. A primeira etapa para a estruturação do PDP foi realizada na Tabela 2, assim que tal processo começar a ser executado na empresa será incorporado outras ferramentas e/ou substituídas àquelas apresentadas. A execução consiste em realizar o processo propriamente dito (conforme descrito na Tabela 2), registrando todos os fatos relevantes no decorrer deste. O monitoramento do PDP necessitará ser realizado através de indicadores de desempenho, analisando constantemente a necessidades de ajustes no PDP. Na etapa de análise, será verificado como está o comportamento dos indicadores de desempenho anteriormente mencionados. Serão realizadas também, projeções futuras para a proposição de melhorias no PDP, confrontando os dados atuais (indicadores) com o cenário futuro modelado. Na otimização do processo de PDP, serão realizadas todas as alterações estudadas na etapa de análise do processo, sendo necessário registrar as alterações realizadas. Fonte: Elaborado pelos autores (2011) com base em Benedete (2007) e nas entrevistas realizadas Tabela 3 Modelagem do PDP conforme a abordagem do BPM Continua... A Tabela 3 apresentou as etapas da abordagem BPM aplicada ao PDP do presente estudo de caso. Além das etapas, foram descritas definições e as ações realizadas e/ou que deverão ser realizadas para a otimização do processo como um todo. Na etapa de monitorar o processo de PDP serão estabelecidos indicadores de desempenho para o adequado gerenciamento deste processo. Os três principais grupos de indicadores de desempenho a serem utilizados neste processo são os seguintes (para a definição dos indicadores adequados faz-se necessário um estudo à parte): Indicadores de qualidade, onde serão verificadas as melhorias obtidas com cada rodada do 11

12 BPM (exemplo: índices de quantidade pedida versus quantidade devolvida); Indicadores de custo, para verificar a melhoria em termos de custo em cada rodada do BPM (exemplo: índice de redução de custo na rodada r em relação à rodada r-1); Indicadores de produtividade, onde serão verificadas melhorias na produtividade obtidas com cada rodada do BPM (exemplo: índice de produtividade na rodada r em relação à rodada r-1). A seção 4.3 apresentou a modelagem do PDP para a Empresa X utilizando a abordagem do DFSS e do BPM. A seção 4.4 apresentará a análise da aplicabilidade prática do PDP proposto. 4.4 Análise da aplicabilidade prática do PDP proposto O objetivo deste trabalho consistiu em propor um modelo de PDP integrando o BPM e o DFSS para a redução dos problemas de qualidade da Empresa X. Não foi objetivo aplicar e validar tal processo (em termos quantitativos), portanto, os autores não dispõem de dados para validar o modelo de PDP proposto neste artigo. Portanto, a validação do modelo proposto foi realizada através da apresentação deste ao proprietário, à gestora do setor comercial e de compras e ao gestor de produção da empresa em estudo, discutindo questões relacionadas e por fim, realizando a sua validação. Segundo a análise dos entrevistados, não haverá dificuldades na implantação do modelo proposto, tendo em vista que não serão necessários investimentos em termos financeiros. Para a gestora do setor comercial e de compras, tal modelo facilitará a identificação daquilo que o cliente realmente pede, na medida em que a sistemática proposta visa produzir lotes pilotos e enviá-los ao cliente, sendo que este poderá verificar e analisar a variabilidade existente em termos de tonalidade presente em cada lote. Além disto, a gestora ressaltou a importância do modelo, tendo em vista que este deverá ser constantemente monitorado e otimizado. Conforme o gestor de produção, além dos benefícios descritos pela gestora supracitada, a implantação deste modelo fará com que haja maior controle no processo produtivo, tendo em vista que este deverá responder prontamente, de forma eficiente e eficaz os requisitos dos identificados juntamente com os clientes. 5. Considerações finais Este artigo apresentou a modelagem do PDP de uma empresa do ramo de beneficiamento de pedras semipreciosas, integrando a abordagem do BPM com a do DFSS. A demanda que o originou foi em função de um problema de qualidade que vem apresentando altos custos à Empresa X, custos estes de grande relevância tendo em vista não só a perda de matéria-prima e do valor agregado ao produto, mas também o custo intangível e imensurável de não atender as necessidades de seus clientes. Observaram-se grandes perdas de matéria-prima no processo produtivo. Primeiro em relação ao não aproveitamento integral da matéria-prima bruta (cerca de 90% desta é desperdiçada), segundo, em relação ao desperdício ocorrido em função da não identificação dos requisitos do cliente e da falta de parâmetros a serem controlados no processo produtivo (cerca de 40% da matéria-prima aproveitada). Portanto, a adoção de práticas que visam reduzir a geração destes desperdícios é algo de grande relevância neste tipo de processo produtivo, tendo em vista que a principal matéria-prima utilizada no processo trata-se de um recurso já escasso e competido. 12

13 A Empresa X não possuía uma adequada gestão do seu PDP, tendo em vista que não foram verificadas atividades neste processo que visam alinhar os requisitos do cliente àquilo que a empresa tem capacidade de produzir. Desta forma, segundo as avaliações dos profissionais entrevistados, bem como do proprietário da empresa, o modelo proposto integrando o BPM e o DFSS será muito útil para a estruturação deste processo, para a redução dos problemas de qualidade, consequentemente reduzindo também os custos incorridos e, o mais importante, atendendo adequadamente às necessidades dos seus clientes. Como sugestão de pesquisa futura, os autores indicam a implantação do DFSS alinhado com o Seis Sigma aproveitando desta forma, todos os benefícios da ferramenta voltada do PDP (DFSS) com a ferramenta voltada ao processo de produção (SS), avaliando os impactos provocados nos processos da empresa e a melhoria nos indicadores de desempenho monitorados. Referências AMARAL, D. C.. Arquitetura para Gerenciamento de Conhecimentos Explícitos sobre o Processo de Desenvolvimento de Produto Tese de Doutorado em Engenharia Mecânica. São Carlos: USP, ANDRIETTA, J. M.; MIGUEL, P. A. C.. A Importância do Método Seis Sigma na Gestão da Qualidade Analisada sobre uma Abordagem Teórica. Revista de Ciência & Tecnologia. Vol. 11, número 20, p , BENEDETE, A. C. Roteiro para a definição de uma arquitetura SOA utilizando BPM. Monografia (MBA) em Tecnologia da Informação. São Paulo: USP, FIORAVANTI, A. Aplicação da metodologia Design for Six Sigma (DFSS) em projetos automotivos Dissertação de Mestrado em Engenharia de Automotiva. São Paulo: USP, JACOSKI, C. A.; GRZEBIELUCHAS, T.. Modelagem na contratação de projetos utilizando os conceitos de BPM gerenciamento de processos de negócio. Revista Produto & Produção. Vol. 12, número 3, p , MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M.. Técnicas de Pesquisa. 5 ed. São Paulo: Ed. Atlas, MIGUEL, P. A. C.; FERREIRA, C. V.; Projeto para Seis Sigma Design for Six Sigma. In: ROMEIRO FILHO, E. Rio de Janeiro: Campus, NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa: Características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em Administração. Vol. 1, número 3, p. 1-5, ROMEIRO FILHO, E.; NAVEIRO, R. M.; MIGUEL, P. A. C.; FERREIRA, C. V.; GOUVINHAS, R. P. Desenvolvimento de Produtos: modelos e metodologias. In: ROMEIRO FILHO, E. Rio de Janeiro: Campus, ROTONDARO, R. G.; MIGUEL, P. A. C.; GOMES, L. A. V. Projeto do produto e do processo. São Paulo: Atlas, ROZENFELD, H.; FORCELLINI, F. A.; AMARAL, D. C.; TOLEDO, J. C.; SILVA, S. L.; ALLIPRANDINI, D. H.; SCALICE, R. K. Gestão de Desenvolvimento de Produtos: Uma referência para a melhoria do processo. São Paulo: Saraiva, SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B.. Metodologia de Pesquisa. 3 ed. São Paulo: Ed. McGraw Hill Book Company, SANTOS, A. B.; MARTINS, M. F. Modelo de referência para estruturar o seis sigma nas organizações. Revista Gestão & Produção. Vol. 15, número 1, p.43-56, WERKEMA, C.. Design For Six Sigma: Ferramentas básicas usadas nas etapas D e M do DMADV. Belo Horizonte: Werkema:

14 WESKE, M.. Business Process Management: Concepts, languages, architectures. Berlin: Springer-Verlag: YIN, R. K.; GRASSI, D. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Ed. Bookman,

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Fábio Favaretto (PUCPR) fabio.favaretto@pucpr.br Rosana Adami Mattioda (PUCPR) mattioda@brturbo.com Resumo O

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1

A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 A GESTÃO DA QUALIDADE ORGANIZACIONAL 1 FRANCESCHI, Franciéli Rosa de 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 2 ; NEUHAUS, Mauricio 3 ; COSTA, Vanessa de Matos da 2 ; ROSSATO, Marivane Vestena 2 ; PEGORARO, Delvan

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

INCUBADORA DE PROJETOS INOVADORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

INCUBADORA DE PROJETOS INOVADORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INCUBADORA DE PROJETOS INOVADORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Cristhian Maduro Luiz Henrique Zanforlin Pereira Milla Fernandes

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS

GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS Diogo de Hercule Analista de Negócios em Design SENAI Edson Augusto Lopes Analista de Negócios - SENAI Atualmente, as indústrias de móveis e estofados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional

MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional MBA em Gestão Empresarial com Ênfase na Transformação Organizacional Coordenação Acadêmica: Wankes da Silva Ribeiro Coordenação da Ênfase: Wankes Leandro Ribeiro JUSTIFICATIVA O MBA em Gestão Empresarial

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Anais do VIII Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - SIMPOI 2005 - FGV-EAESP

Anais do VIII Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais - SIMPOI 2005 - FGV-EAESP Processos de Gestão de Incubadoras de s: As Melhores Práticas da Rede de Incubadoras do Rio de Janeiro Juliana Calfa de Assis Graduando em Engenharia de Produção Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Treinamentos em Gestão por Processos Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Da modelagem e análise ao monitoramento da execução de processos automatizados: tudo o que você precisa saber para fazer a Gestão

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Tipos de Sistemas de Informação

Tipos de Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Parte 2 Aula 5 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr Classificação dos sistemas de informação? Cada sistema de informação é específico para desempenhar uma

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Corneli Gomes Furtado Júnior 1, Thiago Ferraz 1, Rossana Maria de Castro Andrade 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DA MATRIZ QFD (QUALITY FUNCTION DEPLOYMENT)

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DA MATRIZ QFD (QUALITY FUNCTION DEPLOYMENT) 58 BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DA MATRIZ QFD (QUALITY FUNCTION DEPLOYMENT) NO PROJETO INFORMACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO: UMA SIMULAÇÃO DE APLICAÇÃO EM PUXADORES DA LINHA BRANCA BENEFITS OF IMPLEMENTING

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA PARA INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO - ATENDIMENTO A REQUISITOS E MELHORES PRÁTICAS GERENCIAIS Daniel Gueiber (UTFPR) gueiber@copel.com Cezar Augusto

Leia mais

BPM, ISO 9000 e ISO 14000: uma abordagem teórica sobre sinergias entre iniciativas de gestão

BPM, ISO 9000 e ISO 14000: uma abordagem teórica sobre sinergias entre iniciativas de gestão BPM, ISO 9000 e ISO 14000: uma abordagem teórica sobre sinergias entre iniciativas de gestão Karen Vassoler Martins (IFES) karenvmartins@gmail.com Roquemar de Lima Baldam (IFES) roquemar.baldam@iconenet.com.br

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Medição de Desempenho de Processos

Medição de Desempenho de Processos Medição de Desempenho de Processos Leandro Jesus VP Associações ABPMP Brasil as.abpmp.br@gmail.com 21 25615619 21 99790945 O Palestrante Leandro Jesus: Sócio-Diretor da ELO Group, consultoria especializada

Leia mais

6. Planejamento do Negócio

6. Planejamento do Negócio 6. Planejamento do Negócio Conteúdo 1. O que é um Plano de Negócios 2. Elaboração de um Plano de Negócios 3. Sessões Propostas para um Plano de Negócios 4. Idéias para um Plano de Negócios 5. Sites para

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

Utilização do QFD como ferramenta para hierarquizar requisitos de projeto

Utilização do QFD como ferramenta para hierarquizar requisitos de projeto Utilização do QFD como ferramenta para hierarquizar requisitos de projeto Magnos R. Klein (FAHOR) mk000856@fahor.com.br Luciano Schaedler (FAHOR) ls000859@fahor.com.br Cristiano Eich (FAHOR) ce000701@fahor.com.br

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006

XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de Novembro de 2006 Investigação do processo de desenvolvimento do produto de uma média empresa de base tecnológica e definição do seu nível de maturidade segundo Modelo Unificado de Referência Rafaela Fernandes Amado (USP)

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

A Área de Engenharia do Produto: apresentação de definições e conceitos e discussões do mercado de trabalho

A Área de Engenharia do Produto: apresentação de definições e conceitos e discussões do mercado de trabalho A Área de Engenharia do Produto: apresentação de definições e conceitos e discussões do mercado de trabalho Isabela Korczovei Lemes 1 (EPA, DEP, UEPR/Campus Campo Mourão) isa_bela_kl@hotmail.com Lorena

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS. Realização:

GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS. Realização: GESTÃO DE SERVIÇOS DE TI: OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E PROCESSOS Realização: Ademar Luccio Albertin Mais de 10 anos de experiência em Governança e Gestão de TI, atuando em projetos nacionais e internacionais

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA

AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON NATAN BORGES DE SOUZA TÍTULO: INSPEÇÃO E RASTREABILIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA AUTOR(ES): GISELE APARECIDA NEGREIRO ALVES, EVERTON

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE)

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE) ISSN 1984-9354 OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS MEDIANTE USO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO SOBRE A NECESSIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA EMPRESA DE ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS NA CIDADE DE

Leia mais