Matemática e Astronomia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matemática e Astronomia"

Transcrição

1 Título: Matemática e Astronomia Descrição: Construção de um autómato METADATA Keywords: autómato, adição, estrelas, estrela cadente, Sol, movimento. Classificação Área Disciplinar Matemática e Ciências Físico-químicas Tópicos Abordados: Adição, estrelas, estrela cadente, sucessão dos dias e das noites Autor: Fátima da Conceição Lucas da Silva Barros Data: Abril de 2013 Requisitos Técnicos Software Hardware Formato (pdf, doc, texto, xls, ppt etc ): texto Browser (IE, Chrome, any, etc): Sistema Operativo (Windows, Linux, any, etc) :Windows Tamanho: Tipo de Atividade(Inquiry, Aprendizagem baseada em problemas, exercício, experiência, simulação, gráfico, etc): Inquiry e experiência Nível de Interatividade (Alto, médio, baixo): Alto Grau de dificuldade: Médio Tempo necessário: 8 horas Utilizador final (Professor, estudante, etc): Estudante Contexto (Escola, Museu de Ciência, etc): Escola Idades: 8 a 10 anos Custo(sim, não): não Copyright(sim, não):

2 Índice: 1- Apresentação do autómato e leitura do texto. 2- Descobrir as causas do movimento. 3- Inventar histórias com o movimento, a arte e a astronomia. 4- Inventar problemas com o movimento, a arte e a astronomia. 5- Construir um autómato. Conceitos: Estrelas, estrelas cadentes, movimento, sucessão dos dias e das noites, Sol, Adição. Competências: Comunicação na língua materna Competência matemática e competências básicas em ciências e tecnologia Aprender a aprender Competências sociais e cívicas Espírito de iniciativa e empreendedorismo Pré-requisitos: Resolver problemas que envolvam as operações em contextos diversos. Verificar as posições do Sol ao longo do dia (nascente/sul/poente). Observar as estrelas. Informação para professores Os Autómatos são brinquedos com movimento em contexto de aula, de fácil construção em sala de aula e que ajudam os alunos a desenvolver competências em várias áreas. São esculturas mecânicas construídas a partir de histórias desenvolvidas pelos alunos. Informação para estudantes Os autómatos são brinquedos com movimento que os alunos decidem como fazer, e quem são os personagens da história ou problema por ele inventados ou de um texto conhecido.

3 Oportunidades de interações entre disciplinas Matemática e Ciências Físico-químicas. Estudo do meio e Ciências Físico-químicas. Português e Ciências Físico-químicas. Avaliação Formativa Escrita de textos e formulação de problemas. Avaliação Sumativa Questionário e/ou diálogo com os alunos de percepção da atividade. Apresentação dos trabalhos que desenvolveram. Recursos desta atividade Caixas de cartão, rolhas de plástico ou de cortiça, varas de madeira (por exemplo de espetadas), cartão, papel de embrulho, cola, furador, faca, fita cola. Recursos para professores Consultar o site: Ciclo de Inquiry Fase 1 Despertar a curiosidade dos estudantes Levar para a aula o texto e os autómatos e mostrar o seu movimento.

4 Fase 2 Planeamento da Investigação Colocar os alunos a imaginar e desenhar o mecanismo dos autómatos (como se podem mover?). Imaginar uma história ou um problema relacionado com os autómatos apresentados. Fase 3 Aquisição de dados Mostrar aos alunos o funcionamento dos autómatos construídos e deixa-los mexer. Mostrar os materiais disponíveis para a construção de novos autómatos. Fase 4 Análise e descrição dos dados (processamento de informação e propostas de soluções) Projetar a estrutura mecânica e os materiais a usar para construir o autómato. Montar a estrutura mecânica, das componentes e das partes artísticas superiores. Testar o movimento do autómato e, introduzir alterações à construção, caso seja necessário. Fase 5 Explicação dos resultados e conclusões (Partilha de experiências e ideias) Cada aluno mostra à turma o seu autómato e refere o mecanismo subjacente. Os alunos concluem que com materiais do dia a dia e com estruturas mecânicas simples podem construir brinquedos com movimento. Estes brinquedos ajudam a adquirir competências em diversas áreas fundamentais relacionando-as entre si. Fase 6 Comunicação Os alunos contam as histórias por eles elaboradas ou os problemas bem como a sua resolução, juntamente com a mostra do movimento do respectivo autómato.

5 Fase 7 Avaliação Questionário sobre a atividade. Ficha de trabalho.

Formação de professores para a construção de autómatos

Formação de professores para a construção de autómatos Formação de professores para a construção de autómatos 1. Introdução Esta é uma proposta de um currículo de formação de professores para a construção de autómatos em contexto de sala de aula. A oficina

Leia mais

Autómatos: Brinquedos que mexem na sala de aula. Guia passo a passo para o professor

Autómatos: Brinquedos que mexem na sala de aula. Guia passo a passo para o professor Autómatos: Brinquedos que mexem na sala de aula Guia passo a passo para o professor 1. Introdução Este documento destina-se a todos os professores que pretendam implementar, na escola, no contexto da aula,

Leia mais

I Competências / Domínios a avaliar

I Competências / Domínios a avaliar O trabalho desenvolvido na disciplina de Português 2º ciclo visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos dois as do ciclo, metas linguísticas s domínios do oral e do escrito, competências de leitura

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

Projeto Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar. Agrupamento de Escolas de Arganil Escola Básica 1 de Arganil Turma 3º A

Projeto Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar. Agrupamento de Escolas de Arganil Escola Básica 1 de Arganil Turma 3º A Projeto Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas de Arganil Escola Básica 1 de Arganil Turma 3º A Área de Trabalho: Literacia de Informação Atividades: 7 Dicas para evitar o

Leia mais

1º Seminário Topologias. Oradora: Margarida Gonçalves

1º Seminário Topologias. Oradora: Margarida Gonçalves 1º Seminário Topologias Oradora: Margarida Gonçalves 1 Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Modalidade de Ensino Profissional Secundário Ano: Área: 10º Ano Informática Disciplina:

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

Plano de Ensino. Unidade Escolar Interdisciplinar. Ensino Fundamental (8 a 12 anos) - Programação com Scratch

Plano de Ensino. Unidade Escolar Interdisciplinar. Ensino Fundamental (8 a 12 anos) - Programação com Scratch Plano de Ensino Ensino Fundamental (8 a 12 anos) - Programação com Scratch Objetivo geral: Ensinar conceitos básicos da computação relacionados à prática da computação e, colaboração e pensamento computacional

Leia mais

Educação Pré-Escolar

Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar Sendo a primeira etapa na educação básica, as competências gerais para a Educação Pré Escolar constituem um conjunto de princípios para apoiar o Educador de Infância na sua prática,

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3ºciclo Geografia 7ºano

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3ºciclo Geografia 7ºano CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3ºciclo Geografia 7ºano Metas de Aprendizagem Conteúdos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de Avaliação Domínio I A TERRA : Estudos

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano

Critérios de Avaliação de Francês 2016 / ºano Critérios de Avaliação de Francês 2016 / 2017 7ºano A avaliação certifica as aprendizagens e tem como objetivo a melhoria dessas aprendizagens. Os conteúdos programáticos serão trabalhados, desenvolvendo

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER PROJETO HISTÓRIA DA MATEMÁTICA: NOME DOS NÚMEROS DIEGO DA SILVA NANTES

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER PROJETO HISTÓRIA DA MATEMÁTICA: NOME DOS NÚMEROS DIEGO DA SILVA NANTES ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER PROJETO HISTÓRIA DA MATEMÁTICA: NOME DOS NÚMEROS DIEGO DA SILVA NANTES Angélica/MS Abril/2012 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER PROJETO HISTÓRIA DA MATEMÁTICA:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DO ESTORIL Departamento 1º Ciclo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DO ESTORIL Departamento 1º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DO ESTORIL Departamento 1º Ciclo ELEMENTOS DE AVALIAÇÃO Serão tidos em consideração os elementos de avaliação a seguir enumerados, essenciais para o desenvolvimento do

Leia mais

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO ATITUDES E VALORES (5%) CONHECIMENTOS E CAPACIDADES (95%) Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN 2016/2017 Português Leitura/ Educação Literária Componente escrita: Compreensão de textos escritos

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré Atividade de Enriquecimento Curricular TIC Pré-Escolar Nenúfares Docente: Telma Sá Ano Letivo: 2015/2016 1 O saber é um processo, não é um produto. Jerome

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS OPERATIVOS Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SISTEMAS OPERATIVOS Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular SISTEMAS OPERATIVOS Ano Lectivo 200/20. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO INTERNA A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa que permite a recolha

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 2 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 MUITO PRAZER, EU SOU CRIANÇA. *Conhecer e estabelecer relações entre a própria história e a de outras pessoas,refletindo sobre diferenças e semelhanças. *Respeitar e valorizar a diversidade étnico

Leia mais

Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores

Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores Ano Letivo 2013/2014 Planificação Anual Resumida Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores 12ºAno João Paulo Portela Araújo Elenco Modular e Cronograma Geral Sistemas Digitais e Arquitetura de Computadores

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A lectivo:2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Inglês,, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos cinco as dos dois Ciclos, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1. CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1. CICLO Domínios Disciplinas Domínios de referência Parâmetros Ponderação% 1º 2º 3º 4º ano Instrumentos de Avaliação Oralidade Leitura Português Escrita Educação literária Conhecimento Explicito/gramática Resolução

Leia mais

Escola Secundária Jaime Moniz Avaliação dos Alunos

Escola Secundária Jaime Moniz Avaliação dos Alunos Escola Secundária Jaime Moniz Avaliação dos Alunos Quadriénio letivo 2014-2018 Índice RECOMENDAÇÕES 1. AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. AVALIAÇÃO DOS ALUNOS... 1 1.1. RECOMENDAÇÕES GERAIS... 2 1.2. RECOMENDAÇÕES

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DO 1º E 2º CICLOS. PLANO DE AULA ASSISTIDA (Síntese)

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DO 1º E 2º CICLOS. PLANO DE AULA ASSISTIDA (Síntese) PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DO 1º E 2º CICLOS PLANO DE AULA ASSISTIDA (Síntese) Formador: Dr. Miguel Silva Formanda: Conceição Aguiar Sernancelhe Fevereiro de 2007 Temas

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR SHOW ATÔMICO

GUIA DO PROFESSOR SHOW ATÔMICO Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Modelos atômico Uma aula de 50 minutos SHOW ATÔMICO Apresentar a evolução dos modelos atômicos até o aceito atualmente. Filósofos e cientistas

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO LÚDICO AO ENSINO DA TABELA PERIÓDICA (TP)

A IMPLANTAÇÃO DO LÚDICO AO ENSINO DA TABELA PERIÓDICA (TP) A IMPLANTAÇÃO DO LÚDICO AO ENSINO DA TABELA PERIÓDICA (TP) ALMEIDA, Cristine Nachari Moura 1 - UEPB Subprojeto: Química Resumo Este trabalho tem como objetivo apresentar, detalhar e discutir o projeto

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento 1º Ciclo Grupos: 110 2016/2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEL CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO UTILIZADOR Critérios

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios/Competências Fatores de ponderação (testes/cotações) Instrumentos de avaliação Avaliação Global (avaliação sumativa) Compreensão oral

Leia mais

DISCIPLINA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO GUIÃO PROGRAMÁTICO Unidade de Ensino Aprendizagem SISTEMA OPERATIVO LINUX 1º PERÍODO

DISCIPLINA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO GUIÃO PROGRAMÁTICO Unidade de Ensino Aprendizagem SISTEMA OPERATIVO LINUX 1º PERÍODO DISCIPLINA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO GUIÃO PROGRAMÁTICO Unidade de Ensino Aprendizagem SISTEMA OPERATIVO LINUX 1º PERÍODO Aula nº 1 (90 minutos) do sistema operativo Linux Característica:

Leia mais

Componente Curricular: Ciências da Natureza

Componente Curricular: Ciências da Natureza Componente Curricular: Ciências da Natureza Base Nacional Comum Curricular 2ª Versão souzahv@gmail.com Componente Curricular: Ciências da Natureza Mudanças Específicas... Ciências da Natureza Eixos formativos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

02/05/14. Para início de Conversa. Tema 1 - A importância das Artes na Infância. Objetivos

02/05/14. Para início de Conversa. Tema 1 - A importância das Artes na Infância. Objetivos Tema 1 - A importância das Artes na Infância Para início de Conversa Objetivos Conhecer a importância do ensino das artes na educação infantil. Compreender a diferença das abordagens inatista e pragmática

Leia mais

CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES

CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES DEFINIÇÃO DO CURSO A Portugal Football School (PFS) faz parte da Unidade de investigação e desenvolvimento da Federação Portuguesa de Futebol onde fica concentrada

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Gratidão e celebração Mês: Dezembro Habilidade Sócio emocional: Este projeto visa promover o encerramento do ano de 2016, em que os alunos terão a oportunidade de resgatar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: Prof.ª Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente

Leia mais

O USO DO MATERIAL MANIPULATIVO NO ENSINO DA ADIÇÃO

O USO DO MATERIAL MANIPULATIVO NO ENSINO DA ADIÇÃO ISSN 2316-7785 O USO DO MATERIAL MANIPULATIVO NO ENSINO DA ADIÇÃO Elizete Maria Possamai Ribeiro elizete@ifc-sombrio.edu.br Marleide Coan Cardoso marleide@ifc-sombrio.edu.br Ivonete de Oliveira Generoso

Leia mais

Programa de Português 2º Ano

Programa de Português 2º Ano Programa de Português 2º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

Projeto Jogos. A importância de conhecer a história dos Jogos

Projeto Jogos. A importância de conhecer a história dos Jogos Projeto Jogos A importância de conhecer a história dos Jogos Introdução Este projeto consiste em um desenvolvimento de comunicação entre jogos e computadores voltado para entretenimento e aprendizagem.

Leia mais

Planificação Anual GR Disciplina Aplicações Informáticas B 12ºAno

Planificação Anual GR Disciplina Aplicações Informáticas B 12ºAno Planificação Anual GR 550 - Disciplina Aplicações Informáticas B 12ºAno 1º Identificar as componentes essenciais de uma estrutura de programação Compreender o funcionamento das estruturas de controlo Criar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR 2017 Baby visto Márcia/CPS. Unidade de Aprendizagem

PLANO DE AÇÃO DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR 2017 Baby visto Márcia/CPS. Unidade de Aprendizagem Material *itens da lista anexa Quantidade PLANO DE AÇÃO DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL ESCOLAR 2017 Baby visto Márcia/CPS Data de utilização Unidade de Aprendizagem Descrição da atividade didática Livros de

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 DOMÍNIOS DE AVALIAÇÃO. Assiduidade/Pontualidade (2%) Comportamento / Relação com os outros (6%) PORTUGUÊS DOMÍNIOS DE Leitura / Educação literária (25) Escrita (25) Gramática (15) Oralidade (15) 80 Assiduidade/Pontualidade (2) Comportamento / Relação com os outros (6) Organização do material (2)

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2012/13

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2012/13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2012/13 Quadro de síntese 2º Ciclo Domínios da Avaliação 0 Saber / 0 Saber Fazer 70% "0 Ser / Saber Ser" 25% Língua Portuguesa Inglês "0 Ser / 5% /Saber Ser" " O Saber /

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 2ª versão A ÁREA DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 2ª versão A ÁREA DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR 2ª versão A ÁREA DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Professor fabriciolassi@gmail.com MATEMÁTICA na BNCC COMPLEXIDADE crescente Resolução de Problemas Situações desafiadoras

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 203/204 Planificação a Longo Prazo Matemática 9º ano Finalidades, avaliação e organização temporal Grupo Disciplinar 500 Departamento de Matemática e

Leia mais

COMUNICAÇÕES ORAIS - ARTE E ENSINO DE MATEMÁTICA O MISTÉRIO DOS NÚMEROS

COMUNICAÇÕES ORAIS - ARTE E ENSINO DE MATEMÁTICA O MISTÉRIO DOS NÚMEROS COMUNICAÇÕES ORAIS - ARTE E ENSINO DE MATEMÁTICA O MISTÉRIO DOS NÚMEROS FLAVÍO BRITO DA SILVA, VALFRIDO COSTA DA SILVA. A amostra O mistério dos números (conjuntos numéricos), é um evento de cunho apresentativo

Leia mais

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

ESTÁGIO DE PORTUGUÊS II. Aula

ESTÁGIO DE PORTUGUÊS II. Aula ESTÁGIO DE PORTUGUÊS II Aula 5 Estágio Supervisionado em Ensino de Letras Geral OBJETIVOS - Exercitar a prática docente do ensino de língua portuguesa em escolas do ensino fundamental e médio. Específicos

Leia mais

Condições de relacionar as duas situações: equações lineares e sistemas de equações lineares; A compreensão de conceitos de matrizes e determinantes.

Condições de relacionar as duas situações: equações lineares e sistemas de equações lineares; A compreensão de conceitos de matrizes e determinantes. GUIA DO PROFESSOR DO MÓDULO 6 TÍTULO DO OA: ESCALONADOR CATEGORIA: MATEMÁTICA SUB-CATEGORIA: ESCALONAMENTO DE MATRIZES PARA RESOLUÇÃO DE SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES PÚBLICO ALVO: ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESPAÇO NA CRIAÇÃO DE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM DE ALTA QUALIDADE. Pedro Nuno Moreira da Silva

A INFLUENCIA DO ESPAÇO NA CRIAÇÃO DE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM DE ALTA QUALIDADE. Pedro Nuno Moreira da Silva A INFLUENCIA DO ESPAÇO NA CRIAÇÃO DE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM DE ALTA QUALIDADE. Pedro Nuno Moreira da Silva psilva@est.ipcb.pt Apresentação do Trabalho Phd. Universidade de Évora Doutoramento em Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PROTOTIPAGEM Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Design 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular PROTOTIPAGEM (L5020) 5.

Leia mais

GUIA DO CURSISTA Coordenador: Fernando Teubl Ferreira

GUIA DO CURSISTA Coordenador: Fernando Teubl Ferreira O presente texto faz parte do curso de Produção de Vídeo e é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição Não Comercial 3.0. Não Adaptada. Permissões além do escopo dessa licença podem estar

Leia mais

Universidade sem Fronteiras GIED Grupo de Informática Educativa. Resumo Iconográfico. Pré-requisitos técnicos

Universidade sem Fronteiras GIED Grupo de Informática Educativa. Resumo Iconográfico. Pré-requisitos técnicos Movimentos da Terra Resumo Iconográfico Duração Pré-requisitos Pré-requisitos técnicos Estratégias Avaliação LEGENDA Uma hora-aula de 45 minutos Conhecimentos adquiridos em aulas passadas Conhecimentos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS (12º Ano Turma:F)

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS (12º Ano Turma:F) PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS (12º Ano Turma:F) UFCD s: 0773 - Rede local - instalação 0776 - Sistema de informação da empresa 0790 - Programação em JAVA applets (UFCD não letiva) 0791 - Programação

Leia mais

Critérios de Avaliação 1º Ciclo

Critérios de Avaliação 1º Ciclo Departamento Curricular do 1º Ciclo Critérios 1º Ciclo Setembro de 2015 1º Ano de escolaridade Todas as componentes do currículo serão avaliadas com 80% para a aquisição de conhecimentos e desenvolvimento

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Cozinha/Pastelaria. Competências

PLANIFICAÇÃO ANUAL TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Cozinha/Pastelaria. Competências Agrupamento Vertical de Escolas Dr. João Lúcio Competências Tratamento de Informação Rentabilizar as Tecnologias da Informação e Comunicação nas tarefas de construção do conhecimento em diversos contextos

Leia mais

Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo. Ano letivo 2016/17. Domínios Indicadores VALOR

Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo. Ano letivo 2016/17. Domínios Indicadores VALOR Critérios de Avaliação Departamento do 1º Ciclo Ano letivo 2016/17 Os critérios de avaliação constituem referenciais comuns, no Agrupamento, sendo operacionalizados pelos professores da turma 1. Áreas

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO O trabalho desenvolvido na disciplina de,, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências linguística-comunicativas s domínios do oral e do escrito, competências de

Leia mais

Cátia Rebelo de Sousa

Cátia Rebelo de Sousa Curriculum vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Cátia Rebelo de Sousa Rua da Calçada, 7A, 2460-781 Vimeiro ACB 918422946 catia.r.sousa@gmail.com http://www.catiasousa.com Sexo Feminino Data de nascimento 10/08/1981

Leia mais

MOVIMENTO DA ESCOLA MODERNA

MOVIMENTO DA ESCOLA MODERNA e-mail: mem@mail.telepac.pt Índice ordinal (2005-2011) (2005) Niza, S. (2005). Editorial. Escola Moderna, 23 (5), 3-4. Mata Pereira, M. (2005). O Currículo por Competências: A construção de um instrumento

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A letivo: 2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Francês, 3º Ciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

2.º. A estrutura dos conteúdos curriculares

2.º. A estrutura dos conteúdos curriculares A estrutura dos conteúdos curriculares Os conteúdos da Escola Virtual abrangem todo o programa curricular e estão distribuídos em cinco temas, sendo cada um deles constituído por um conjunto de aulas.

Leia mais

Departamento de Matemática. Didáctica de Matemática III

Departamento de Matemática. Didáctica de Matemática III Departamento de Matemática Didáctica de Matemática III Elementos do Grupo de Estudantes: Alson José Muiambo, António Bejamim Maússe, Carlos Zacarias Chihuho, Euclides Julião Zunguze, Eufrásia Genifa Bila

Leia mais

A FÍSICA ALÉM DO QUADRO NEGRO

A FÍSICA ALÉM DO QUADRO NEGRO A FÍSICA ALÉM DO QUADRO NEGRO Willian Carvalho da Silva¹ Jaqueline Ferreira da Silva² ¹Estudante Bolsista do Curso de Matemática da UEMS, Unidade Universitária de Cassilândia; Endereço Institucional: Rodovia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 1º CICLO 1. Critérios Gerais Evolução da aquisição das aprendizagens; Utilização correta da língua

Leia mais

EB1 com PE e Creche da Quinta Grande

EB1 com PE e Creche da Quinta Grande EB1 com PE e Creche da Quinta Grande Ano letivo 2016/17 Critérios de Avaliação para o 1.º Ciclo As fichas de avaliação das áreas curriculares disciplinares são cotadas de forma quantitativa, numa escala

Leia mais

Centro Escolar de Anta - Espinho Associação de pais PROJETO TERRACOTA

Centro Escolar de Anta - Espinho Associação de pais PROJETO TERRACOTA Centro Escolar de Anta - Espinho Associação de pais PROJETO TERRACOTA Ano de escolaridade: 1 º ciclo básico (1ª / 2º / 3º / 4º ano) Objetivo do projeto: utilizar o barro como recurso didático, no despertar

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas Era uma vez um processo de investigação Agora vão a www.pensamentocritico.com e clicam em Respostas!!! AVALIAÇÃO FORMATIVA E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANADIA Critérios Gerais de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 2011/2012. Critérios Gerais de Avaliação 1º CEB

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANADIA Critérios Gerais de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 2011/2012. Critérios Gerais de Avaliação 1º CEB Critérios Gerais de Avaliação 1º CEB 0 Introdução No Ensino Básico A avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certificador das diversas aquisições realizadas

Leia mais

Competências Digitais para Professores. 3ª Edição. Ana Reto

Competências Digitais para Professores. 3ª Edição. Ana Reto Competências Digitais para Professores 3ª Edição Ana Reto Artefacto 2 Resolução de situações Problemáticas aplicadas ao dia-a-dia. PROBLEMA DO MÊS Resolução de situações Problemáticas na disciplina de

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a M a n u a l e

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Profª Lourdes Sufredini Profª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio João

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:10:26 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

EBI/JI FIALHO DE ALMEIDA, CUBA

EBI/JI FIALHO DE ALMEIDA, CUBA EBI/JI FIALHO DE ALMEIDA, CUBA DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXACTAS E DA NATUREZA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2007/2008 INTRODUÇÃO A avaliação é um processo contínuo que implica uma recolha sistemática

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO Tecnológica em Intervenção em Toxicodependências

CURSO DE EDUCAÇÃO Tecnológica em Intervenção em Toxicodependências CURSO DE EDUCAÇÃO Tecnológica em Intervenção em Toxicodependências 1 Caracterização geral do curso de especialização tecnológica 1. Instituição de formação: Universidade dos Açores - Departamento de Ciências

Leia mais

BINGO DOS POLINÔMIOS. Apresentação: Jogo matemático

BINGO DOS POLINÔMIOS. Apresentação: Jogo matemático BINGO DOS POLINÔMIOS Apresentação: Jogo matemático Gabriel Jorge dos Santos 1 ; Jorge Luiz de Freitas 2 ; Sara Katiana Vieira da Silva 3 ; Taíse Barbosa Santos 4 Introdução Este jogo é voltado para a educação

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

Documento de critérios de avaliação

Documento de critérios de avaliação Disciplina - PORTUGUÊS Metas curriculares (Despacho n.º 5122/2013, de 16 de abril) As Metas Curriculares identificam a aprendizagem essencial a realizar, tendo por base os conteúdos do programa em vigor.

Leia mais

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS

FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA (4º E 5º ANOS) PROFESSORA ANDRESSA CESANA CEUNES/UFES/DMA FIGURAS PLANAS E ESPACIAIS AGOSTO DE 2015 A PEDAGOGIA DO TEXTO é

Leia mais

ANÁLISE COMBINATÓRIA - ASPECTOS HISTÓRICOS E ATIVIDADES INVESTIGATIVAS

ANÁLISE COMBINATÓRIA - ASPECTOS HISTÓRICOS E ATIVIDADES INVESTIGATIVAS ANÁLISE COMBINATÓRIA - ASPECTOS HISTÓRICOS E ATIVIDADES INVESTIGATIVAS Aluna: Cristiane Maria Roque Vazquez Programa de Pós-Graduação no Ensino de Ciências Exatas PPGECE UFSCar (2010) Orientador: Prof.

Leia mais

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 8º ANO A Ano Letivo: 2012/2013 Introdução /Metas Consigna-se no Despacho n.º 5306/2012, de 18 de abril de 2012, que o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular PREPARAÇÃO DISSERTAÇÃO NATUREZA CIENT./PROJ.TRABALHO (ESTUDO DE CASO) Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Direito 3. Ciclo de

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância da Lezíria Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Jardim de Infância do Centro Escolar de Porto Alto Jardim de Infância

Leia mais

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 Planificações 1º PERÍODO - 3/4 anos Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES OBJETIVOS ATIVIDADES/ESTRATÉGIAS ÁREA DA FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIA Construção da identidade e da auto estima

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLA DE ARCOZELO CRITÉRIOS/INDICADORES DE AVALIAÇÃO 1º CICLO. Ano Letivo 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLA DE ARCOZELO CRITÉRIOS/INDICADORES DE AVALIAÇÃO 1º CICLO. Ano Letivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLA DE ARCOZELO 152640 CRITÉRIOS/INDICADORES DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Ano Letivo 2015/2016 Agrupamento de Arcozelo Telef: 258 909 060 - Fax: 258 909 062 www.aearcozelo.pt Vilar Arcozelo

Leia mais

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h Ciência da Computação CÂMPUS LAGES Instrumentos Regulatórios (Resolução CEPE e CONSUP ou Portaria de reconhecimento do curso pelo MEC) RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 39, DE 13 DE AGOSTO DE 2014. RESOLUÇÃO CONSUP/IFSC

Leia mais

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros:

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros: 3º ciclo Oferta Complementar: Apoio ao estudo da disciplina de Português Domínios Ponderação Componente cognitiva (capacidades e conhecimentos) Oralidade Leitura Escrita Gramática 80% Componente socioafetiva

Leia mais

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL 7.º Ano Unidade Temática e Conteúdos Domínios/Subdominios Descritores (objetivos Especificos) Estratégias de Aprendizagem N.º

Leia mais

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS

ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS ANEXO B INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome: Telefone: e-mail: 1. Sexo: a.( ) Masculino b. ( ) Feminino 2. Idade: a. ( ) 21 30 anos b. ( ) 31 40 anos c. ( ) 41 50 anos d. ( ) Mais de 50 anos FORMAÇÃO. Obs.: Caso

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO ANO LETIVO 2014 /15. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2014/15

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO ANO LETIVO 2014 /15. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2014/15 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2014/15 Quadro de síntese 2º Ciclo Domínios da Avaliação Ponderação 0 Saber / 0 Saber Fazer 70% Português Inglês "0 Ser / Saber Ser" 25% "0 Ser / 5% /Saber Ser" " O Saber

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO viver fazer MÓDULO 1 Conhecimentos / Capacidades Instrumentos de Avaliação Conhecer o funcionamento lógico de um programa, estimulando o raciocínio lógico para a resolução de problemas de programação (algoritmos)

Leia mais