Resumo A ultrassonografia de mama é largamente utilizada na pratica clínica em

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo A ultrassonografia de mama é largamente utilizada na pratica clínica em"

Transcrição

1 revisão Ultrassonografia no rastreamento do câncer de mama Ultrasonography in breast cancer screening Carolina Oliveira Nastri 1 Wellington de Paula Martins 2 Rodrigo de Jesus Lenharte 3 Palavras-chave Ultrassonografia Câncer de mama Diagnóstico por Imagem Keywords Ultrasonography Breast Neoplasms Diagnostic Imaging Resumo A ultrassonografia de mama é largamente utilizada na pratica clínica em pacientes com alterações detectáveis ao exame físico ou à mamografia. Na presença de lesões mamográficas, a ultrassonografia auxilia não só a caracterização e a realização de biópsias, como também é capaz de identificar lesões adicionais em 14% das mulheres com mamas densas. Entretanto, o rastreamento de mulheres com exame físico e mamografia normal é uma questão controversa na literatura. Alguns autores sugerem que a ultrassonografia pode ser uma ferramenta útil, principalmente para as mulheres com mamas densas ou com alto risco de câncer de mama, por ser capaz de diagnosticar alguns tumores não identificados de outra forma. Entretanto, o rastreamento do câncer de mama com adição de ultrassonografia à mamografia eleva os custos e gera grande número de exames falsos positivos, levando a procedimentos desnecessários. Algumas técnicas aplicadas à ultrassonografia podem melhorar sua especificidade, diminuindo os casos falsos positivos. Essas ferramentas são o uso de harmônica, Doppler, agentes de contraste ultrassonográficos, ultrassonografia tridimensional, ultrassonografia automatizada e elastografia mamária. Abstract Breast ultrasound is widely used in clinical practice in patients with abnormalities on physical examination or mammography. In the presence of mammographic lesions, ultrasonography helps not only in its characterization and as biopsy guidance, but also identifies additional lesions in 14% of women with dense breasts. However, screening of women with normal physical examination and mammography is a controversial issue in literature. Some authors suggest that ultrasonography might be a useful tool, especially for women with dense breasts or at high risk of breast cancer, making it possible to diagnose some tumors not otherwise identified. However, the addition of ultrasound to mammography for breast cancer screening increases costs and generates a large number of false positives, leading to unnecessary procedures. Some techniques applied to ultrasound may improve its specificity, reducing false-positive cases. These tools are the use of harmonic, Doppler, ultrasound contrast agents, three-dimensional ultrasound, automated ultrasound and breast elastography. 1 Especialista em Ginecologia e Obstetrícia e Mastologia, Mestre e Doutoranda; Aluna de pós graduação pelo Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (DGO FMRP-USP), Ribeirão Preto (SP), Brasil; Professora na Escola de Ultra-sonografia e Reciclagem Médica de Ribeirão Preto (EURP), Ribeirão Preto (SP), Brasil. 2 Especialista em Ginecologia e Obstetrícia, Mestre e Doutor; Médico no Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (DGO FMRP-USP), Ribeirão Preto (SP), Brasil; Professor na Escola de Ultra-sonografia e Reciclagem Médica de Ribeirão Preto (EURP), Ribeirão Preto (SP), Brasil; Pesquisador no Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) de Hormônios e Saúde da Mulher, Ribeirão Preto (SP), Brasil. 3 Especialista em Ginecologia e Obstetrícia e Mastologia; Médico na Clínica Pais e Filhos, Braço do Norte (SC), Brasil. Endereço para correspondência: Wellington de Paula Martins Avenida dos Bandeirantes, 3.900, 8 andar - Campus Universitário da Universidade de São Paulo CEP , Ribeirão Preto (SP), Brasil -

2 Nastri CO, Martins WP, Lenharte RJ Introdução A alta densidade mamária constitui um problema para o mastologista, tanto em razão do elevado risco de câncer de mama quanto pela dificuldade na avaliação radiológica. De fato, as mulheres que apresentam 75% ou mais de tecido fibroglandular têm um risco quatro a seis vezes maior de desenvolver câncer de mama do que as mulheres da mesma idade com menos de 10% de tecido fibroglandular 1 (B). Embora a ressonância magnética (RM) seja um teste de grande importância para a detecção do câncer de mama em pacientes com elevado risco familiar, entende-se que, atualmente, suas indicações permanecem limitadas 2 (C), devido ao alto custo e dificuldade de acesso. Portanto, não é possível realizar a RM em todas as mulheres com mamas densas, além de não haver estudos sobre o impacto desse exame sobre a mortalidade por câncer de mama. A ultrassonografia (US) é um método diagnóstico amplamente difundido em nosso meio, utilizado como adjuvante à mamografia em casos de achado clínico ou mamográfico anormal, ou como primeira escolha em situações especiais, como na gravidez, lactação, mulheres jovens e durante os estados inflamatórios da mama. Na presença de lesões mamográficas, a US auxilia não só a caracterização e coleta de biópsias, mas também é capaz de identificar lesões adicionais em 14% das mulheres com mamas densas 2 (C). Com esta revisão sistematizada, visamos avaliar o efeito da US no rastreamento do câncer de mama. Para tal, usamos a busca eletrônica de artigos por dois autores de forma independente (CON e WPM) no período entre 16 e 31 de agosto de Essa busca foi realizada utilizando-se o PubMed e OvidSP, e inclui os seguintes bancos de dados: MedLine, Cochrane Central Register of Controlled Trials and Cochrane Database of Systematic Reviews, Cochrane Methodology Register, Database of Abstracts of Reviews of Effects and Biological Abstracts. As seguintes palavras-chave foram utilizadas (ultrasound) OR (ultrasonography) AND (breast cancer) AND (screening). Dessa busca, retornaram artigos. Para selecionar apenas 25 artigos para compor esta revisão, os dois autores buscaram, dentre os artigos que abordavam o tema desta revisão, os mais atuais e com maior força de evidência, preferencialmente estudos controlados de distribuição aleatória. Discordâncias nesse processo foram resolvidas por meio de consenso entre os autores. US no rastreamento de mulheres com exame físico e mamografia normais Apesar de ser uma questão controversa, a adição da US à mamografia parece aumentar discretamente a taxa de detecção de câncer em mamas densas 1, 3 (B). O valor da US em mamas densas foi objeto de vários estudos nos últimos anos, objetivando-se determinar a prevalência de cânceres detectados apenas pela US, o número de biópsias adicionais após a US e a relação custo/benefício de sua realização 4-6 (B). Em média, a taxa de detecção de cânceres subclínicos ocultos à mamografia é de 0,29% (0,03% para 0,46%); e a média da idade de detecção é de 52,8 anos 3, 4, 7 (C). As vantagens são tidas como insignificantes quando considerados os altos custos da realização da US de rotina em mamas densas e o aumento na realização de biópsias negativas 7 (C). O valor da ultrassonografia é particularmente maior entre as mulheres com idade inferior a 50. Nessas mulheres, a densidade da mama é maior e a taxa de câncer de intervalo também. Na série de Kolb et al. 1 (B), a US, isoladamente, detectou câncer de mama em 38% das mulheres com câncer abaixo de 50 anos, enquanto nenhuma outra técnica permitiu o diagnóstico. Isoladamente, a US é capaz de detectar 78,6% do total dos cânceres, enquanto a mamografia, por si só, é capaz de detectar 58%. A idade também está associada aos cânceres detectados apenas pela US, independentemente da densidade da mama. Da mesma forma, na série de Corsetti et al. 6 (C), a US conseguiu aumentar a detecção de câncer em 41,3% nas mulheres com menos de 50 anos comparado a um aumento de apenas 13,5% entre as mulheres com 50 anos ou mais. Embora o benefício do rastreamento sobre as taxas de mortalidade seja bastante questionável nas mulheres com menos de 50 anos, pode-se supor que a US poderia ajudar na detecção precoce desses cânceres invasivos. O maior interesse da aplicação da US como ferramenta de rastreamento parece se concentrar nas mulheres mais jovens e com alto risco familiar. Nesse grupo, a US é capaz de detectar um tumor em 0,48% das mulheres com densidade mamária 2-4, e em 0,42% com densidade mamária ente 3-4. Já nas mulheres sem fatores de risco, essa taxa cai para 0,18% 1 (B). Outro estudo relatou uma taxa de detecção de 1,3% entre mulheres com história pessoal ou familiar de primeiro grau de câncer de mama 5 (B). No entanto, a tendência comum a todos esses estudos é que a US e a mamografia não foram realizadas de forma independente, o que pode ser favorável à US. Até o presente, apenas um estudo analisou a influência do conhecimento do resultado da mamografia para a interpretação da US em mulheres sintomáticas, o qual mostrou que a confiabilidade da US foi melhorada com o conhecimento dos resultados da mamografia 8 (B). Em um grande estudo com alocação aleatória 9 (A), compararam-se os papéis da US, da mamografia e da combinação de ambos em mulheres 98 FEMINA Fevereiro 2011 vol 39 nº 2

3 Ultrassonografia no rastreamento do câncer de mama com alto risco para câncer de mama (mutação de BRCA1-2, história pessoal de câncer de mama, história de lesão de alto risco com história familiar de câncer de mama em primeiro grau, história de carcinoma lobular in situ e irradiação torácica antes dos 30 anos) e com mamas densas (as mamas foram consideradas densas quando apresentavam 25% ou mais de tecido fibroglandular). Foram incluídas mulheres, com média de idade de 55 anos, sendo que câncer de mama foi diagnosticado em 40 mulheres no período de seguimento de um ano. Desses 40 casos, oito foram detectados pelos dois métodos, 12 apenas pela ultrassonografia, 12 apenas pela mamografia e oito por nenhum dos dois. A taxa de cânceres detectados apenas com a US foi de 0,09% (12/12.637), comparável aos resultados de Kolb et al 1 (B). Entre os 12 tumores detectados apenas na US, 11 eram invasivos com um tamanho médio de 10 mm, e oito dos nove casos relatados não tinham metástase ganglionar. A acurácia da mamografia isolada foi de 78%; da US isolada foi de 80%; e da combinação de ambos os métodos foi de 91%. A maioria dos tumores detectados somente pela US (90%) foram em mamas com mais de 50% de tecido fibroglandular, mas 25% estavam em mamas com uma densidade entre 26% e 40%. Os autores concluíram que a US é uma ferramenta útil para as mamas densas em mulheres com alto risco de câncer de mama. Limitações da US Na prática clínica, seu desempenho é limitado pelo tamanho da mama, profundidade das lesões e heterogeneidade do parênquima mamário. O uso de uma frequência adequada, um bom posicionamento do paciente e a aplicação de compressão moderada podem superar essas dificuldades. A crítica mais frequentemente feita à US é de ser dependente do operador, sendo a sua reprodutibilidade objeto de alguns estudos. Em geral, a reprodutibilidade interobservador da classificação BI-RADS pela US é considerada apenas moderada 10 (C), enquanto uma melhor reprodutibilidade é encontrada para a classificação da forma, contornos e localização das lesões descritas 11 (A). A detecção dos tumores pela US também depende do tamanho da lesão: para lesões menores que 5 mm, foi de 41,7%; para lesões entre 5 e 11 mm, de 61%; e para lesões maiores que 11 mm, de 97% 11 (A). Outro problema encontrado ao expandir as indicações da US foi o aumento do risco de falsos positivos. Na verdade, quando a US bilateral foi aplicada ao rastreamento do câncer de mama, em média 11,2% das mulheres rastreadas foram submetidas à biópsia, a qual foi positiva em apenas 3,35% dos casos, sendo que essa taxa de biópsia foi superior à atualmente recomendada, de 1,5% 5 (B). Dessa forma, o valor preditivo positivo (VPP) da US (porcentagem de casos positivos no rastreamento que realmente têm câncer) é muito baixo: em um estudo com mulheres 1 (B), o VVP para uma lesão detectada na US foi de 10,3%. Nesse mesmo estudo, o VPP da mamografia foi de 44,2%. Em outro estudo, a mamografia isolada mostrou uma taxa de falso positivo de 2,7% e VPP de 22,6%, enquanto na US isolada a taxa de falso positivo foi de 8,1%, e o VPP de 8,9%. Quando ambos foram realizados, a taxa de falso positivo foi de 9,2% e o VVP foi de 11,2% 9 (A). Destaca-se que a taxa de falso positivo foi definida como a porcentagem de doentes com BI- RADS 4 ou 5, sem diagnóstico de câncer em até 12 meses. Neste estudo, uma grande proporção de falsos positivos foi atribuída à presença de cistos complexos. Alguns estudos italianos avaliaram o custo da associação sistemática da US e da mamografia em mulheres com mamas densas 6, 7 (B). O custo por mulher rastreada com US variou entre 59,00 e 62,00, e o custo por câncer detectado apenas pela US variou entre ,00 e ,36. A US levou a novas investigações em 4,9% dos pacientes. Esses estudos concluem que as vantagens são insignificantes e os custos são excessivos para o rastreamento das mamas densas com US além da mamografia anual. Como melhorar o desempenho da US? A especificidade da US pode ser melhorada por meio de critérios rigorosos para a realização dos exames, além da aplicação de novas tecnologias. A formação médica específica na prática da US mamária é necessária 10. A seguir, estão descritas algumas modalidades da US que podem ajudar na melhoria da acurácia da US mamária. Harmônica O princípio é a obtenção de imagens a partir de ecos de maior frequência. As frequências harmônicas resultam das interações do feixe sonoro com os tecidos e são múltiplos da frequência fundamental. Diferentes técnicas são utilizadas para filtrar o sinal original, de forma que somente as frequências mais altas produzam a imagem. O objetivo é a redução da formação de artefatos. Como resultado, o contraste entre o tecido glandular, o tecido adiposo e a lesão melhora, além da resolução 12 (A). O maior benefício é na detecção de lesões hipoecogênicas, principalmente as menores de 1 cm e situadas em mamas menos densas (mais gordurosas). O uso da harmônica ajuda na identificação de cistos que, por apresentarem muitos artefatos de FEMINA Fevereiro 2011 vol 39 nº 2 99

4 Nastri CO, Martins WP, Lenharte RJ reverberação, apresentam-se como ecogênicos à US convencional. Da mesma forma, a harmônica pode permitir uma melhor visualização dos focos de microcalcificações 12 (A). A maior limitação do uso de harmônica é sua grande atenuação e consequente baixa penetração, o que a torna inutilizável em mamas volumosas. O aumento dos fenômenos posteriores também torna mais difícil a exploração de regiões profundas nas mamas densas e da região periareolar. O uso da harmônica não parece aumentar o desempenho dos radiologistas para a diferenciação ente benigno e maligno 12 (A); porém, o maior interesse é na diferenciação entre cisto complexo e lesão sólida, o que pode permitir uma redução no número de punções e biópsias para lesões benignas. Doppler A aplicação do estudo Doppler em nódulos mamários baseia-se na detecção de angiogênese do tumor, o que resulta na existência de vasos dentro e em torno do tumor. A visualização dos vasos e o seu estudo Doppler exigem técnica adequada, incluindo uma sonda de 10 MHz e rigorosa diminuição do ganho global, ajuste de foco, redução da janela, ajuste do filtro no mínimo e aplicação de pressão mínima com o transdutor para evitar a obliteração de pequenos vasos. Várias séries têm estudado o valor do Doppler na diferenciação de malignidade. Alguns critérios usados na caracterização dos nódulos ao Power Doppler são o número, distribuição e morfologia dos vasos tumorais, além do cálculo do índice de resistência (IR). Entretanto, a contribuição do Power Doppler à US convencional é pequena, sendo importante nos casos de elevado IR, situação de alto risco de malignidade 13 (B). O Doppler colorido e o Power Doppler são úteis principalmente para lesões intraductais, permitindo, muitas vezes, a diferenciação entre um papiloma altamente vascularizado e detritos intraductais. A ausência de sinal de fluxo Doppler em uma lesão intracística permite o manejo conservador da lesão, enquanto a presença de vascularização indica a necessidade de excisão ou biópsia, mesmo na presença de citologia negativa 14 (B). Da mesma forma, auxilia a diferenciação entre cistos espessos e carcinoma medular, muitas vezes altamente vascular. A US com Power Doppler tridimensional também foi avaliada para a diferenciação de nódulos mamários 15 (B). Foram utilizados três índices: o índice de velocidade (VI), o índice de fluxo (FI) e o índice de velocidade-fluxo (VFI), calculados para a área de interesse que incluía o nódulo em estudo. Associando-se esses dados com a idade da paciente e o tamanho do nódulo, uma área sob a curva ROC de 0,91 foi obtida, mostrando ser este um modelo promissor. Agentes de contraste ultrassonográficos Para melhorar a visualização ou não dos vasos tumorais e o estudo da perfusão dos tumores, agentes de contraste (microbolhas) foram testados na US da mama. O uso de microbolhas permite a detecção de pequenos vasos de até 100 micrômetros de diâmetro e de fluxo lento, aumentando a relação sinal/ruído. O uso de US com contraste de microbolhas mostrou melhorar a acurácia da US na diferenciação de nódulos benignos e malignos. Os principais parâmetros estudados foram: realce em forma de garra (presente em 91,1% dos tumores malignos); realce homogêneo (presente em 83,9% dos tumores benignos) 16 (B); presença ou ausência de defeitos focais; margens bem ou mal definidas; e pontuação de morfologia vascular 17 (C). Os padrões de aumento (wash in) e diminuição (wash out) do meio de contraste nos tumores, assim como os padrões das curvas de realce, são semelhantes aos encontrados com o uso de gadolíneo na ressonância magnética 18 (B). Essa técnica, entretanto, ainda está em estudo, e séries maiores são necessárias antes de considerar sua aplicação na prática clínica. US tridimensional (US3D) A US3D tem a vantagem de mostrar uma lesão em três dimensões em curto espaço de tempo de varredura com reconstrução imediata. As imagens 3D são obtidas após a reconstrução dos dados adquiridos em uma única varredura da região de interesse. Todas as características da lesão (forma, orientação, contorno, ecogenicidade, ecotextura, fenômenos acústicos posteriores e presença de microcalcificações) são avaliadas de forma mais abrangente, e as imagens podem, ainda, ser revistas em múltiplos planos, incluindo o plano coronal, difícil de ser explorado na US bidimensional. Entretanto, a US3D acrescenta pouco ao estudo das lesões mamárias, sendo que as duas modalidades apresentam sensibilidade, especificidade e valor preditivo negativo semelhantes 19 (C). A principal aplicação da US3D é na orientação da localização de lesões para agulhamento ou biópsias, por permitir a orientação no terceiro plano espacial o plano coronal, sendo capaz de diminuir o tempo gasto para biopsiar, o custo, e o número de fragmentos necessários para se obter um resultado histológico 20 (B). Outra vantagem da US3D é a aplicação de programas automatizados de identificação de imagens e a classificação das lesões com auxílio do computador. 100 FEMINA Fevereiro 2011 vol 39 nº 2

5 Ultrassonografia no rastreamento do câncer de mama US mamária automatizada Alguns sistemas automatizados de leitura e interpretação de US3D mamária estão sendo testados. Os resultados preliminares mostram que essa seria uma ferramenta confiável para a diferenciação entre nódulos sólidos e císticos da mama e para a classificação BI-RADS 21, 22 (B). Um programa de computador aplicado à US chamado ABUS (SomoVuTM, U-Systems, Inc., San Jose, CA, USA; EC Representative: Siemens, Erlangen, Germany) foi testado recentemente em um estudo piloto 22 (B) em 35 mulheres com anormalidades relatadas por meio de exame físico, mamografia ou US. A US manual revelou 30 nódulos, enquanto a automatizada revelou 29. O nódulo não revelado pelo ABUS recebeu diagnóstico histológico de benignidade. Os autores concluem que o ABUS obteve bons resultados em um grupo seleto de pacientes, merecendo estudos adicionais. Elastografia É um método de imagem que avalia as propriedades elásticas dos tecidos. Mede a relação entre a pressão exercida sobre o tecido e a deformação elástica resultante. Essa medida pode ser direta e exige uma estimulação mecânica axial que, na maioria das vezes, é feita por compressão manual. A deformação elástica é medida por ondas de baixa freqüência, e as avaliações da velocidade fornecem uma estimativa da dureza dos tecidos examinados. Essa abordagem é útil para diferenciar nódulos de mama. Na verdade, os nódulos malignos da mama, mais rígidos, tendem a se deformar menos do que o tecido normal ou nódulos benignos 23, 24. O desempenho diagnóstico da elastografia parece ser promissor. A classificação tradicional com uma escala de cinco pontos apresenta sensibilidade de 70,1%, especificidade de 93%, VPP de 77,7% e valor preditivo negativo de 90% 23 (B). A recente descrição de uma nova escala strain ratio melhorou o exame, elevando a sensibilidade para 92,4% 23 (B). A elastografia mostrou-se especialmente útil na avaliação de mamas densas, quando apresenta especificidade de 92,8% 24 (B), e na avaliação de lesões com baixo potencial de malignidade, evitando-se biópsias desnecessárias. Em um estudo 24 (B), a adição da elastografia à US em casos de lesões BI-RADS 3 modificou a probabilidade pós-teste de doença de 8,03%, somente com a US, para 56,6% quando associado à elastografia. A principal desvantagem da elastografia com compressão manual é que o resultado depende de como as pressões foram exercidas sobre a lesão. Para superar esse problema, uma nova técnica baseada no conceito de cisalhamento supersônico foi descrita recentemente 25 (C). Essa técnica é baseada na combinação de uma força de radiação induzida em tecido por um feixe de ultrassom e uma sequência de imagens ultrarrápida capaz de capturar, em tempo real, a propagação das ondas de cisalhamento resultante. Essa modalidade de imagem está sendo introduzida por meio de uma sonda convencional linear, podendo ser realizada durante um exame ecográfico normal. Dessa forma, é possível calcular a elasticidade dos tecidos, sem exercer pressão sobre a mama. Os resultados preliminares são promissores na diferenciação de lesões benignas e malignas 25 (C). Considerações finais No campo do rastreamento de câncer de mama, a US vem ganhando espaço na última década; porém, ainda apresenta-se como uma ferramenta limitada. Isso porque, apesar de ser capaz de diagnosticar casos de câncer de mama assintomáticos e não identificados por meio de exame físico ou mamografia, sua adição ao rastreamento rotineiro aumenta muito os custos globais. Isso ocorre não somente em razão da realização do próprio exame, mas também devido ao número relativamente alto de exames falsos positivos, ou seja, mulheres submetidas à investigação diagnóstica com punções, biópsias ou cirurgia sem que se chegue ao diagnóstico de câncer. Algumas ferramentas aplicadas à US se mostram mais promissoras que outras para utilização na prática clínica, como o uso de harmônica na US em modo B e a elastografia. Estudos com essas técnicas mostraram diminuição na taxa de exames falsos positivos. Faltam, entretanto, estudos maiores e com avaliação de custo-benefício aplicando tais técnicas no rastreamento do câncer e, o mais importante, seu efeito na mortalidade. Leituras suplementares 1. Kolb TM, Lichy J, Newhouse JH. Comparison of the performance of screening mammography, physical examination, and breast US and evaluation of factors that influence them: an analysis of 27,825 patient evaluations. Radiology. 2002;225(1): Hlawatsch A, Teifke A, Schmidt M, Thelen M. Preoperative assessment of breast cancer: sonography versus MR imaging. AJR Am J Roentgenol. 2002;179(6): Nothacker M, Duda V, Hahn M, Warm M, Degenhardt F, Madjar H, et al. Early detection of breast cancer: benefits and risks of supplemental breast ultrasound in asymptomatic women with mammographically dense breast tissue. A systematic review. BMC Cancer. 2009;9: Greene T, Cocilovo C, Estabrook A, Chinitz L, Giuliano C, Rosenbaum Smith S, et al. A single institution review of new breast malignancies identified solely by sonography. J Am Coll Surg. 2006;203(6): FEMINA Fevereiro 2011 vol 39 nº 2 101

6 Nastri CO, Martins WP, Lenharte RJ 5. Crystal P, Strano SD, Shcharynski S, Koretz MJ. Using sonography to screen women with mammographically dense breasts. AJR Am J Roentgenol. 2003;181(1): Corsetti V, Houssami N, Ferrari A, Ghirardi M, Bellarosa S, Angelini O, et al. Breast screening with ultrasound in women with mammography-negative dense breasts: evidence on incremental cancer detection and false positives, and associated cost. Eur J Cancer. 2008;44(4): Brancato B, Bonardi R, Catarzi S, Iacconi C, Risso G, Taschini R, et al. Negligible advantages and excess costs of routine addition of breast ultrasonography to mammography in dense breasts. Tumori. 2007;93(6): Houssami N, Irwig L, Simpson JM, McKessar M, Blome S, Noakes J. The influence of knowledge of mammography findings on the accuracy of breast ultrasound in symptomatic women. Breast J. 2005;11(3): Berg WA, Blume JD, Cormack JB, Mendelson EB, Lehrer D, Bohm-Velez M, et al. Combined screening with ultrasound and mammography vs mammography alone in women at elevated risk of breast cancer. JAMA. 2008;299(18): Park CS, Lee JH, Yim HW, Kang BJ, Kim HS, Jung JI, et al. Observer agreement using the ACR Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RADS)-ultrasound, First Edition (2003). Korean J Radiol. 2007;8(5): Berg WA, Blume JD, Cormack JB, Mendelson EB. Operator dependence of physician-performed whole-breast US: lesion detection and characterization. Radiology. 2006;241(2): Cha JH, Moon WK, Cho N, Kim SM, Park SH, Han BK, et al. Characterization of benign and malignant solid breast masses: comparison of conventional US and tissue harmonic imaging. Radiology. 2007;242(1): Gokalp G, Topal U, Kizilkaya E. Power Doppler sonography: anything to add to BI-RADS US in solid breast masses? Eur J Radiol. 2009;70(1): Catalano O, Raso MM, D Aiuto M, Illiano LA, Saturnino PP, Siani A. Additional role of colour Doppler ultrasound imaging in intracystic breast tumours. Radiol Med. 2009;114(2): Huang YL, Kuo SJ, Hsu CC, Tseng HS, Hsiao YH, Chen DR. Computer-aided diagnosis for breast tumors by using vascularization of 3-D power Doppler ultrasound. Ultrasound Med Biol. 2009;35(10): Zhao H, Xu R, Ouyang Q, Chen L, Dong B, Huihua Y. Contrast-enhanced ultrasound is helpful in the differentiation of malignant and benign breast lesions. Eur J Radiol. 2010;73(2): Sorelli PG, Cosgrove DO, Svensson WE, Zaman N, Satchithananda K, Barrett NK, et al. Can contrast-enhanced sonography distinguish benign from malignant breast masses? J Clin Ultrasound. 2010;38(4): Ricci P, Cantisani V, Ballesio L, Pagliara E, Sallusti E, Drudi FM, et al. Benign and malignant breast lesions: efficacy of real time contrast-enhanced ultrasound vs. magnetic resonance imaging. Ultraschall Med. 2007;28(1): Cho N, Moon WK, Cha JH, Kim SM, Han BK, Kim EK, et al. Differentiating benign from malignant solid breast masses: comparison of two-dimensional and three-dimensional US. Radiology. 2006;240(1): Delle Chiaie L, Terinde R. Three-dimensional ultrasound-validated large-core needle biopsy: is it a reliable method for the histological assessment of breast lesions? Ultrasound Obstet Gynecol. 2004;23(4): Shen WC, Chang RF, Moon WK. Computer aided classification system for breast ultrasound based on Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RADS). Ultrasound Med Biol. 2007;33(11): Wenkel E, Heckmann M, Heinrich M, Schwab SA, Uder M, Schulz-Wendtland R, et al. Automated breast ultrasound: lesion detection and BI-RADS classification--a pilot study. Rofo. 2008;180(9): Zhi H, Xiao XY, Yang HY, Ou B, Wen YL, Luo BM. Ultrasonic Elastography in Breast Cancer Diagnosis Strain Ratio vs 5-point Scale. Acad Radiol Wojcinski S, Farrokh A, Weber S, Thomas A, Fischer T, Slowinski T, et al. Multicenter Study of Ultrasound Real-Time Tissue Elastography in 779 Cases for the Assessment of Breast Lesions: Improved Diagnostic Performance by Combining the BI-RADS(R)-US Classification System with Sonoelastography. Ultraschall Med Tanter M, Bercoff J, Athanasiou A, Deffieux T, Gennisson JL, Montaldo G, et al. Quantitative assessment of breast lesion viscoelasticity: initial clinical results using supersonic shear imaging. Ultrasound Med Biol. 2008;34(9): FEMINA Fevereiro 2011 vol 39 nº 2

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS AUTOR Dr.

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Reunião Bibliográfica 03/06/2013 Mafalda Magalhães Introdução Incidência dos tumores da tiróide aumentou nos últimos anos

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama Invenia ABUS Screening TM Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound Roberta Fernandes MSc. Engenharia Biomédica COPPE/UFRJ Gerente Clínica Radiologia Geral Ultrassonografia GE Healthcare Incidência do Câncer

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012)

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Prezados Colegas No final de 1992, voltávamos de curso de imagenologia mamária ministrado

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse

Declaro não haver nenhum conflito de interesse Declaro não haver nenhum conflito de interesse Universidade Federal de Uberlândia Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Serviços de Mastologia e Ultrassonografia Avaliação pelo Ultrassom Doppler da

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos atuais

Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos atuais Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários / Louveira MH et al. Artigo de Revisão Avaliação e classificação ultra-sonográfica dos nódulos mamários: revisão da literatura e aspectos

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias?

Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? mama Diagnóstico precoce em câncer de mama Como proceder e quais são as controvérsias? Divulgação Cláudia T. Salviato Mameri * Mestre em radiologia pela Unifesp; mastologista; professora e coordenadora

Leia mais

Abstract Resumo. Nódulos mamários malignos: análise à ultra-sonografia tridimensional ATUALIZAÇÃO

Abstract Resumo. Nódulos mamários malignos: análise à ultra-sonografia tridimensional ATUALIZAÇÃO Nódulos mamários malignos: análise à ultra-sonografia tridimensional Malignant breast lesions: Three-dimensional ultrasonography analysis ATUALIZAÇÃO Abstract Resumo Os avanços recentes em técnicas de

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011

NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 NEWS artigos CETRUS Ano III - Edição 19 - Maio/2011 Gynecologic Imagin Reporting Dr. Ayrton Roberto Pastore Livre-Docente do Departamento de Radiologia da Faculdade de Medicina da USP Coordenador do Setor

Leia mais

BIRADS and breast ultrasonography a critical analysis

BIRADS and breast ultrasonography a critical analysis BIRADS e ultra-sonografia mamária uma análise crítica BIRADS and breast ultrasonography a critical analysis at u a l i z a ç ã o Abstract Resumo A ultra-sonografia vem se consolidando como um importante

Leia mais

Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama

Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama ATUALIZAÇÃO Ressonância Nuclear Magnética no Diagnóstico do Câncer de Mama Magnetic Resonance Image in the Breart Cancer Diagnosis Herculano Renato Zeri Almir Antônio Urbanetz Hélio Rubens de Oliveira

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI

NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI NOVAS RECOMENDAÇÕES PARA O RASTREAMENTO DA MAMA SIMONE ELIAS MARTINELLI SCREENING FOR BREAST CANCER: U.S. PREVENTIVE SERVICES TASK FORCE RECOMMENDATION STATEMENT MAMOGRAFIA BIENAL ENTRE 50 E 74 ANOS (GRAU

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário das evidências e recomendações sobre o uso da Termografia no diagnóstico de câncer de mama Canoas, fevereiro de

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010 Ano I - Número I - Julho 2010 Avaliação ultrassonográfica da recorrência ganglionar em pacientes operadas por câncer de mama. Prezado colega, Acompanhando o ritmo acelerado da produção científica em medicina

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS?

MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS? MAMAS DENSAS SÃO REALMENTE DE ALTO RISCO? O QUE FAZER COM ELAS? O Que diz a literatura sobre Risco de Câncer de Mama RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de

Leia mais

Manejo do Nódulo Pulmonar

Manejo do Nódulo Pulmonar Manejo do Nódulo Pulmonar Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e INSCER PUC/RS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS brunohochhegger@gmail.com Manejo do Nódulo Pulmonar

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia VII Encontro Nacional para o Controle do Câncer de Colo do Útero e de Mama QUALIDADE DA MAMOGRAFIA A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia Objetivo - Roteiro Descrever as

Leia mais

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR)

VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) XXX CONGRESSO PARAIBANO DE GINECOLOGIA VANTAGENS E LIMITAÇÕES DIAGNÓSTICO MAMOGRÁFICO MAMOGRAFIA ANALÓGICA MAMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (CR) MAMOGRAFIA DIGITAL(DR) Norma Maranhão norma@truenet.com.br EVOLUÇÃO

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008

UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS MAMOGRAFIA DIGITAL 12/2008 Belo Horizonte Maio 2008 Autoras: Dra. Christiane Guilherme Bretas Dra. Sandra

Leia mais

Custos dos mutirões de mamografia de 2005 e 2006 na Direção Regional de Saúde de Marília, São Paulo, Brasil

Custos dos mutirões de mamografia de 2005 e 2006 na Direção Regional de Saúde de Marília, São Paulo, Brasil ARTIGO ARTICLE 1529 Custos dos mutirões de mamografia de 2005 e 2006 na Direção Regional de Saúde de Marília, São Paulo, Brasil Costs of mammogram campaigns in the Regional Health Division of Marília,

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA REALIZADO POR MAMOGRAFIA E ULTRASSONOGRAFIA: UMA RELAÇÃO CLÍNICA

DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA REALIZADO POR MAMOGRAFIA E ULTRASSONOGRAFIA: UMA RELAÇÃO CLÍNICA 1 DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA REALIZADO POR MAMOGRAFIA E ULTRASSONOGRAFIA: UMA RELAÇÃO CLÍNICA Francielle Rodrigues da Silva Teixeira 1, Iana de Castro Farias 1, Paula Luísa Melo de Barros 2, Pablo Teixeira

Leia mais

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar

Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Diagnóstico diferencial de nódulos pulmonares suspeitos: quando e como investigar Definição Nódulo pulmonar é uma estrutura circular de margens definidas, de 2 a 30 mm de diâmetro. Micronódulo menos de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DOS CAD PARA DETECÇÃO DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS CONTEMPLANDO TRÊS CATEGORIAS

CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DOS CAD PARA DETECÇÃO DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS CONTEMPLANDO TRÊS CATEGORIAS CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DOS CAD PARA DETECÇÃO DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS CONTEMPLANDO TRÊS CATEGORIAS Silvia Cristina Martini Rodrigues 1, Annie France Frere 2,1 1 Depto. de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Avaliação das indicações dos exames ultrassonográficos de mama de pacientes submetidos em uma clínica de radiologia em Itajaí (SC)

Avaliação das indicações dos exames ultrassonográficos de mama de pacientes submetidos em uma clínica de radiologia em Itajaí (SC) 97 Artigo Original Avaliação das indicações dos exames ultrassonográficos de mama de pacientes submetidos em uma clínica de radiologia em Itajaí (SC) Evaluation of indications for breast ultrasound exams

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA PARA SIMULAÇÃO DE EXAME DE PUNÇÃO DE MAMA CANINA UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA PARA SIMULAÇÃO DE EXAME DE PUNÇÃO DE MAMA CANINA UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA PARA SIMULAÇÃO DE EXAME DE PUNÇÃO DE MAMA CANINA UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciencias Jurídicas e Gerenciais FAEG Rua das

Leia mais

Valores preditivos das categorias 3, 4 e 5 do sistema BI-RADS em lesões mamárias nodulares INTRODUÇÃO

Valores preditivos das categorias 3, 4 e 5 do sistema BI-RADS em lesões mamárias nodulares INTRODUÇÃO Artigo Original Valores preditivos das categorias, e do sistema BI-RADS em lesões mamárias nodulares VALORES PREDITIVOS DAS CATEGORIAS, E DO SISTEMA BI-RADS EM LESÕES MAMÁRIAS ODULARES ÃO-PALPÁVEIS AVALIADAS

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA

REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA Caio Cesar Amorim Borges e Danilo Rodrigues de Carvalho Universidade Federal de Goiás, Escola de Engenharia Elétrica

Leia mais

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Análise de 203 nódulos tiroideus do Hospital Geral de Coimbra Oliveira, C.M.; Costa, R.A.; Estêvão, A.;

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE OVÁRIO

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE OVÁRIO Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR RASTREAMENTO DO CÂNCER DE OVÁRIO Painel de Especialistas em Imagem Ginecologia: Marcela Böhm-Vélez, Médica 1 ; Ellen Mendelson, Médica 2 ;

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS S. C. M. Rodrigues 1, A. F. Frère 1, e E. L. L. Rodrigues 1 1 Universidade de São Paulo/ Depto. Engenharia

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CASCAVEL 2010 2 DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Simulador Computacional de Mamografia Contemplando a Classificação de Densidades do ACR BI-RADS

Simulador Computacional de Mamografia Contemplando a Classificação de Densidades do ACR BI-RADS Simulador Computacional de Mamografia Contemplando a Classificação de Densidades do ACR BI-RADS F.C. Silva 1, H.J.Q. Oliveira 2, R.R. Falconi 3, R.A. Borges 4, A.M. Scaranello 5, D. M. Conde 6 1,2,3,4

Leia mais

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer.

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. Conduta no NT Resultado citológico diagnóstico ou suspeito de CTP cirurgia é recomendada. (A) Nódulos parcialmente císticos com aspirados repetidamente não diagnósticos observação rigorosa ou cirurgia

Leia mais

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC)

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) 135 Artigo Original Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) Evaluation of the profile indications from breast

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA E MEDICINA LEGAL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Maurílio da Cruz Trigueiro CONCORDÂNCIA INTEROBSERVADOR NA AVALIAÇÃO

Leia mais

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 Diferentes alterações no tecido mamário podem produzir achados de imagem semelhantes, porém, em alguns casos, esses

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

Ultrassonografia mamária Aspectos contemporâneos

Ultrassonografia mamária Aspectos contemporâneos Artigo de Revisão Ultrassonografia mamária Aspectos contemporâneos Breast sonography- Contemporary Aspects Rogerio Gonçalves Vasconcelos 1,3 Gilberto Uemura 1 Tarciso Schirmbeck 2,3 Karinie Marinho Vieira

Leia mais

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF

Rastreamento Populacional. Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Rastreamento Populacional de Câncer Maria Isabel do Nascimento Instituto de Saúde Coletiva - UFF Roteiro de aula Aspectos relacionados ao rastreamento de câncer Exercícios introdutórios Desenvolvimento

Leia mais

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE Tomografia Axial Computorizada A Tomografia Axial Computorizada (TAC) define com nitidez os contornos dos órgãos, a sua densidade e a sua vascularização. Permite o diagnóstico

Leia mais

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930);

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930); Formação de imagens por Varredura Modo A Amplitude Existem vários métodos para se extrair uma imagem a partir dos ecos: A-MODE (amplitude mode); B-MODE (brightness mode); M-MODE (motion mode). Informações

Leia mais

ACURÁCIA DOS ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ULTRA-SONOGRÁFICOS DO CÂNCER DE MAMA: CORRELAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO BI-RADS QUARTA EDIÇÃO E ACHADOS HISTOLÓGICOS

ACURÁCIA DOS ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ULTRA-SONOGRÁFICOS DO CÂNCER DE MAMA: CORRELAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO BI-RADS QUARTA EDIÇÃO E ACHADOS HISTOLÓGICOS i FACULDADE DE MEDICINA MESTRADO EM MEDICINA E CIÊNCIAS DA SAÚDE JOSÉ HERMES RIBAS DO NASCIMENTO ACURÁCIA DOS ACHADOS MAMOGRÁFICOS E ULTRA-SONOGRÁFICOS DO CÂNCER DE MAMA: CORRELAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO BI-RADS

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Abstract. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Abstract. Resumo 38 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 37, n o. 1, de 2008 1806-4280/08/37-01/38 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAL Avaliação do risco de malignidade de lesões mamográficas birads 4a,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE NÓDULOS MAMÁRIOS NÃO PALPÁVEIS

DIAGNÓSTICO DE NÓDULOS MAMÁRIOS NÃO PALPÁVEIS Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR DIAGNÓSTICO DE NÓDULOS MAMÁRIOS NÃO PALPÁVEIS Painel de Especialistas em Imagem da Mulher Grupo de Trabalho de Mamas: Carl D Orsi, Médico

Leia mais

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.32, n.3, p.197-201, jul./set. 2008. Disponível em www.cbra.org.br

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.32, n.3, p.197-201, jul./set. 2008. Disponível em www.cbra.org.br Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.32, n.3, p.197-201, jul./set. 2008. Disponível em www.cbra.org.br Abordagem ultrassonográfica da neoplasia mamária em cadelas: revisão de literatura Ultrasonographic

Leia mais

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 1 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 2 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A ressonância magnética (RM) das mamas tem sido cada vez mais utilizada para o diagnóstico preciso tanto do câncer primário como do câncer recorrente,

Leia mais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Geraldo Henrique Neto 1, Gilmar Cação Ribeiro 1, Fabio Valiengo Valeri 2 1 Bacharelado em Ciência da Computação, Centro Universitário Moura Lacerda, Brasil

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

Rastreamento do câncer de pulmão

Rastreamento do câncer de pulmão Rastreamento do câncer de pulmão Arthur Soares Souza Jr. Professor livre docente da FAMERP Membro do Ultra X Diagnóstico por Imagem São José do Rio Preto - SP Rastreamento do câncer de pulmão Estamos familiarizados

Leia mais

04/06/2012 OBJETIVOS. Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA

04/06/2012 OBJETIVOS. Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA Biópsia Aspirativa Transbrônquica por Agulha Guiada pela Ultrassongrafia Endobrônquica (EBUS-TBNA) ECOBRONCOSCOPIA Mauro Zamboni, MD, FCCP, MSc Pneumologista, Coordenador do Grupo de Oncologia Torácica

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

Termoablação por radiofrequência do carcinoma hepatocelular: avaliação do sucesso da terapêutica com ecografia com contraste

Termoablação por radiofrequência do carcinoma hepatocelular: avaliação do sucesso da terapêutica com ecografia com contraste Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Termoablação por radiofrequência do carcinoma hepatocelular: avaliação do sucesso da terapêutica com ecografia com contraste AJR 2006; 186:S287-S295 S295 Marcus

Leia mais

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal;

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; SESSÃO INTERATIVA CASO 1 Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; Exame físico: sem particularidades.

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

Régis Resende Paulinelli MODELO DE PREDIÇÃO DE MALIGNIDADE EM NÓDULOS SÓLIDOS DA MAMA, BASEADO NA ULTRA-SONOGRAFIA.

Régis Resende Paulinelli MODELO DE PREDIÇÃO DE MALIGNIDADE EM NÓDULOS SÓLIDOS DA MAMA, BASEADO NA ULTRA-SONOGRAFIA. Régis Resende Paulinelli MODELO DE PREDIÇÃO DE MALIGNIDADE EM NÓDULOS SÓLIDOS DA MAMA, BASEADO NA ULTRA-SONOGRAFIA Tese de Doutorado Goiânia Goiás, 2007 MODELO DE PREDIÇÃO DE MALIGNIDADE EM NÓDULOS SÓLIDOS

Leia mais

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 28 Março 2014. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 28 Março 2014. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918 Revista Portuguesa de irurgia II Série N. 28 Março 2014 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia CASO CLÍNICO Biópsia hepática percutânea em doentes oncológicos a propósito de um

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM EXAMES DE MAMA

A IMPORTÂNCIA DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM EXAMES DE MAMA A IMPORTÂNCIA DA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM EXAMES DE MAMA Lisane Claudete Granetto Tonet Pós-graduanda em Ressonância Magnética Nuclear pelo Centro de Imagem e Saúde (CIMAS) Unidade São Paulo, SP, Brasil.

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA. Recomendações para Gestores Estaduais e Municipais

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA. Recomendações para Gestores Estaduais e Municipais PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA Recomendações para Gestores Estaduais e Municipais PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA Recomendações para Gestores Estaduais

Leia mais