CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DOS CAD PARA DETECÇÃO DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS CONTEMPLANDO TRÊS CATEGORIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DOS CAD PARA DETECÇÃO DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS CONTEMPLANDO TRÊS CATEGORIAS"

Transcrição

1 CLASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS DOS CAD PARA DETECÇÃO DE MICROCALCIFICAÇÕES MAMÁRIAS CONTEMPLANDO TRÊS CATEGORIAS Silvia Cristina Martini Rodrigues 1, Annie France Frere 2,1 1 Depto. de Engenharia Elétrica, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo (USP), Brasil, Fone (0XX16) R. 226, Fax (0XX16) Centro de Pesquisas Tecnológicas, Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), Brasil, Fone (0XX11) , Fax (0XX11) RESUMO Atualmente a maneira como os resultados dos sistemas CADs são avaliados é incoerente com o que se espera deles. De fato, se por um lado se considera que eles devem apenas fornecer uma segunda opinião, por outro lado se espera que os pesquisadores comparem os resultados dos algoritmos que eles desenvolveram com os resultados da biopsia para saber casos malígnos e casos benígnos. Nossa proposta é que as imagens submetidas ao CAD sejam aquelas apresentadas ao médico e que os resultados sejam comparados com os dele, fornecendo três tipos de classificação: os casos benignos, os casos malignos e os casos indeterminados. O método de avaliação que implementamos considera primeiro o número total de casos, utilizando o teste do χ 2. Depois, os casos indeterminados são descartados e a análise dos resultados realizada com as curvas ROC e com o teste de concordância. Este método possibilita apresentar de forma clara e objetiva as relações entre verdadeiros positivos e falsos positivos, verdadeiros negativos e falsos negativos, sensibilidade e especificidade dos algoritmos desenvolvidos. Palavras-chave: Método Estatístico, Processamento de Imagens e Curva ROC. 1. INTRODUÇÃO A detecção precoce, que é uma das armas mais eficaz contra o câncer, pode ser feita pelo exame clínico e pela análise das mamografias. Entretanto, no seu estado inicial o câncer de mama provoca poucas alterações dos tecidos e o diagnóstico muitas vezes deve ser auxiliado pela análise das microcalcificações associadas às lesões mamárias, que podem ser índices de malignidade. Estas microcalcificações só podem ser detectadas pela mamografia, que nos casos de detecção precoce, pode ter dificuldades para evidenciá-las e muitas vezes não permite uma análise de suas formas ou de seu número. Estas dificuldades podem ser amenizadas através da utilização de sistemas computadorizados de auxílio ao diagnóstico (CAD) que conseguem detectar microcalcificações não muito maiores que ruídos e indicar se elas estão associadas a tumores malignos ou benignos [1]. Entretanto atualmente a maneira como os resultados destes sistemas são avaliados é incoerente com o que se espera deles. De fato, se por um lado se considera que os CADs devem apenas fornecer uma segunda opinião a respeito das mamografias examinadas por um ou dois especialistas ou no máximo indicar a região suspeita que deve merecer maiores cuidados na análise diagnóstica, por outro lado se espera que os pesquisadores comparem os resultados dos algoritmos que eles desenvolveram com os resultados da biopsia. Atualmente as imagens oferecidas para testar o desempenho dos CAD apresentam, casos de pacientes que se submeteram à biopsia. Mas se o CAD deve ser considerado apenas como uma segunda opinião diagnóstica, seus resultados devem ser comparados com os resultados de um médico experiente e não com os resultados de biopsias. As imagens que são acompanhadas de laudos de biopsia são as de casos que geraram dúvidas no diagnóstico e são, portanto, os casos mais difíceis de serem avaliados. Nossa proposta é que as imagens submetidas ao CAD sejam aquelas apresentadas ao médico e que os resultados sejam comparados com os dele. Neste caso o sistema CAD deve ser autorizado a fornecer três tipos de classificação: os casos benignos, os casos malignos e os casos indeterminados. Sendo que os casos indeterminados são oriundos de imagens de difícil interpretação, para os quais o médico precisaria, para fornecer o diagnóstico, de mais informações, como por exemplo, as contidas no prontuário da paciente ou de um outro tipo de exame. A terceira classe agruparia portanto as imagens que o algoritmo tem dificuldade em classificar e as classes benignas e malignas poderiam ser detectadas com mais segurança. Principalmente, pelo custo social que um resultado falso positivo traz, a primeira categoria deve ser detectada sem erro. Esta classificação certamente amenizaria os problemas que afetam a apresentação dos resultados dos CADs e as disparidades contatadas quando eles devem processar imagens de origens diferentes [2]. Entretanto, esta proposta inviabiliza a aplicação do método de avaliação mais utilizado pelos pesquisadores, o das curvas ROC (Receiver Operating Characteristic), porque ele somente pode considerar duas classes de resultados. Portanto desenvolvemos um método de avaliação que analisa as três classes e onde os resultados devem ser analisados em duas etapas. Na primeira, os resultados do CAD devem ser comparados com os do médico, utilizando testes que permitem a avaliação das três classes. Na segunda, os resultados do CAD e do médico são comparados com os resultados da biopsia após descartar as imagens que foram classificadas na forma de casos indeterminados.

2 Em trabalho anterior [3] apresentamos um método alternativo para avaliação baseado somente no teste do χ 2 (Qui-quadrado). O método apresentado agora é mais completo já que ele permite a avaliação dos falsos positivos e falsos negativos de três classes além de possibilitar a concordância entre os diagnósticos. 2. METODOLOGIA Para avaliar os algoritmos considerando três classes de resultados nosso método utilizou-se das curvas ROC, do teste do χ 2 e do teste de concordância. A precisão diagnóstica pode ser caracterizada em um ambiente operacional. A curva ROC é uma das técnicas conhecidas para comprovar um índice de precisão desejado, em termos de custo benefício[3]. As curvas ROC são obtidas com base nos resultados dados por aparelhos médicos ou nas imagens que eles produzem, levando-se em conta a eficiência do observador. Elas auxiliam a compreensão da exatidão do diagnóstico, porque indicam todas as combinações de sensibilidade (Verdadeiro Positivo), ou seja, o número de decisões verdadeiras positivas pelo número de casos realmente positivos. Elas indicam também a especificidade (Verdadeiro Negativo), o número de decisões verdadeiras negativas pelo número de casos realmente negativos [4]. Outro método utilizado foi o teste do χ 2 (Qui-quadrado) que é bastante conhecido por médicos e biólogos para avaliar seus resultados. O método tem a vantagem de não necessitar de uma grande amostra de imagens e é baseado na seguinte afirmação: Quando os dados de uma pesquisa consistem de freqüências em categorias discretas, pode-se usar a prova do χ 2 para determinar a significância das diferenças entre k grupos independentes [5]. O teste estatístico do χ 2 na Equação (1) é o somatório das razões do quadrado da diferença entre freqüências observadas e esperadas pela freqüência esperada ou seja: χ 2 = k j= 1 ( o j e j) sendo: o j = representa o número de casos observados. e j = representa o número de casos esperados. e j O número de graus de liberdade (v) é expresso pela Equação (2): v = (h 1) (k - 1) (2) sendo que h representa as linhas e k as colunas das tabelas, quando as freqüências esperadas podem ser calculadas, sem que se façam estimativas de parâmetros populacionais a partir de estatísticas amostrais. A hipótese nula é que a proporção de benignas, malignas e indeterminadas é independente do observador. Beiguelman [4] diz que em estatística um resultado com probabilidade de ocorrência igual ou inferior a 5 % é considerado como tendo pouca probabilidade de acontecer. 2 (1) Adotamos portanto o risco, denominado nível de significância (α), conforme este critério. Após o teste do χ 2, o teste de concordância se faz necessário porque permite verificar se cada imagem diagnosticada como positiva, negativa ou indeterminada por cada pesquisador foi também classificada do mesmo modo pela biopsia. As imagens de mamas com microcalcificações associadas a tumores, utilizadas nesta pesquisa, foram cedidas pelo Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Consideramos um banco de dados com 300 imagens das quais 200 foram submetidas à biopsia e 100 foram consideradas benignas. Essas imagens foram analisadas por três pesquisadores (, e ) que utilizaram algoritmos de processamento diferentes mudando o valor do threshold. Neste primeiro exemplo os classificadores foram forçados a expressar seus resultados em função de apenas duas classes a dos casos malignos e a dos casos benignos como é feito até agora. A tabela 1 apresenta esses dados junto com o resultado da biopsia. Tabela 1 Resultados obtidos pela biopsia e pelos pesquisadores com 4 valores de threshold diferentes para os classificadores. Biop Mali 141/ / / / / /98 FN 9/21/ 18/26/ 24/40/ 0 27/41 41/48 48/52 Beni 111/ / / / / /144 F9/24/ 20/18 21/ /12 12/9 9/6 Total Baseado nestes dados construímos o gráfico da curva ROC, apresentado na Fig. 1. Razão Verdadeiro Positivo 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 P1 Az=0,90 P2 Az=0,89 P3 Az=0,88 0,0 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 Razão Falso Positivo Fig. 1. Curva ROC com relação aos três pesquisadores. Calculando as áreas (Az) correspondentes a, e, deduzimos que possui a maior área. Por este motivo alguns avaliadores considerariam seu algoritmo como o melhor. Entretanto todos os pesquisadores geraram muitos falsos positivos e considerando que o custo social de um diagnóstico falso negativo onde a paciente que possui a

3 doença é declarada sadia, é muito grande solicitamos que eles desenvolvessem algoritmos que processassem com confiabilidade os detalhes importantes presentes nas mamografias e deixassem de procurar alcançar resultados parecidos com os da biopsia já que nesta é possível obter informações que não são mostradas pelos aparelhos de raios X. A seguir os três pesquisadores (, e ) e o médico (M) analisaram as mesmas imagens tendo a possibilidade de gerar uma terceira classe. Eles utilizaram diferentes algoritmos de processamento com diversos threshold. Baseados nas respostas do médico (M) e na média dos resultados obtidos pelos pesquisadores construímos a tabela 2. Tabela 2 Média dos resultados obtidos pelo médico e pelos pesquisadores utilizando algoritmos diferentes. M Malig Benig Indeter Total Com a tabela 2 estabelecemos três tabelas de contingências entre os três pesquisadores e o médico. Calculamos os valores dos χ 2 para cada pesquisador e observamos se a hipótese nula é válida. Sendo que os valores obtidos são os encontrados pelos pesquisadores e os valores esperados correspondem aos do médico. O grau de liberdade é dois e foi calculado pela Equação (2). Utilizando a Equação (1) analisamos os valores dos χ 2 separadamente: χ 2 (2) = 2, < P < 0.2 χ 2 (2) = 10, < P < 0.50 χ 2 (2) = 13, < P < 0.01 Concluímos, portanto que para o pesquisador, a hipótese nula deve ser aceita porque as proporções observadas não se desviam significativamente das esperadas. Já para os pesquisadores e a hipótese nula deve ser rejeitada, já que os desvios entre as proporções observadas e esperadas são significativos. Entretanto não se deve ainda concluir que o desenvolveu um bom algoritmo de classificação, sem levar em conta as classes de falso positivo e falso negativo como é feito pelas curvas ROC. Para esta etapa as imagens classificadas como indeterminadas devem ser retiradas da amostra já que o sistema computadorizado não tem acesso às informações suplementares. A análise deve, portanto ser realizada primeiro pelo χ 2 para determinar se o volume dos casos indeterminados está dentro das expectativas e depois pelas curvas ROC sem os indeterminados. Para comparar pela curva ROC, em função da biopsia, os resultados encontrados pelos três pesquisadores e pelo médico desprezamos as 100 imagens classificadas por este último como indeterminadas. Dessas 200 imagens, a biopsia confirmou que 100 eram malignas e o tempo provou que 100 realmente eram benignas. Cada pesquisador, mudando os valores do threshod utilizado pelo seu classificador obteve os valores de benignos, malignos, falsos positivos e falsos negativos, mostrados na tabela 3. Tabela 3 Resultados obtidos pela biopsia, pelo médico e pelos pesquisadores, mudando os valores de threshold dos classificadores. Méd Biop./T Malig 89/94/ 82/91/ 93/96/ /97 97/98 98/97 FN 11/6/ 18/9/ 7/4/ 0 0 4/3 3/2 2/3 Benig. 92/93/ 84/76/ 74/63/ /88 72/60 58/65 FP 8/7/ 16/24/ 26/37/ /12 28/40 42/35 Total Traçando esses pontos no gráfico obtivemos curvas ROC mostradas na Fig. 2. Razão Verdadeiro Positivo 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 P1 Az=0,93 P2 Az=0,88 P3 Az=0,84 M Az=0,97 0,0 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 Razão Falso Positivo Fig. 2. Curvas ROC dos pesquisadores e do médico. Pelo cálculo da área podemos ver que o pesquisador se manteve mais próximo das respostas dadas tanto pelo médico quanto pela biopsia. Após essa análise é necessário fazer uma comparação analisando se todas as imagens diagnosticadas como sendo de casos positivos ou negativos são as mesmas que cada pesquisador classificou como de casos positivos ou negativos. Para aplicar o teste de concordância, levantamos a tabela 4 com os valores médios encontrados pelos três pesquisadores, pelo médico e pela biopsia ou tempo. Tabela 4. Valor médio encontrado pelo médico, pela biopsia e pelos pesquisadores. Méd. Biop./T Malig FN Benig F Total

4 Malig. Total Benig Com base nesses resultados foi feita a concordância entre os Pesquisadores e a Biopsia/Tempo obtendo a Tabela 5, mostrando a taxa de acerto. Tabela 5 Concordância entre os Pesquisadores, Médico com a Biopsia. Pesquisadores Benignos Malignos P1 89% 94% P2 73% 92% P3 65% 96% Médico 95% 100% Analisando a Tabela 5 podemos constatar que o pesquisador P1obteve também a melhor taxa de concordância. 4. CONCLUSÃO Quando os pesquisadores consideraram a categoria de indeterminados, as taxas de falsos negativos apresentadas pelos algoritmos diminuíram significativamente. O teste do novo método de avaliação é completo, muito usado na área médica e de fácil entendimento pelos radiologistas. As curvas ROC são tradicionalmente utilizadas pelos pesquisadores e possibilitam apresentar de forma clara e objetiva as relações entre verdadeiros positivos e falsos positivos, verdadeiros negativos e falsos negativos dos algoritmos desenvolvidos. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem o apoio financeiro proporcionado pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). REFERÊNCIAS [1] K. Doi, S. Katsuragawa, R.M.Nishikawa and Y. Jiang, Computeraided diagnosis in radiology: potencial and pitfalls, European Journal of Radiology, vol. 31, pp , [2] M. Kallergi, G. M. Carney, J. Gaviria, Evaluating the performance of detection algorithms in digital mammography, Med. Phys., vol.26,n.2, pp , [3] S.C.M. Rodrigues, A F. F. Slaets Method for Evaluating of Processing Algorithms for Mammary Microcalcifications Diagnoses, Medical &Biological & Engineering & Computing, vol. 37, supl.2, pp , November, Áustria, [4] C. E. Metz, ROC Methodology in Radiologic Imaging Investigative Radiology, vol. 21, n.9, pp , [5] B. Beiguelman, Curso prático de bioestatística, Revista Brasileira de Genética, Ribeirão Preto, 254 p., 1996.

5 RESULTS CLASSIFICATION OF CAD SYSTEMS FOR MICROCALCIFICATION DETECTION CONSIDERING THREE CATHEGORIES Nowadays, the way of results evaluation found by the CAD systems is inconsistent with what it is waited of them. In fact, if on the one hand it is considered that they should just supply a second opinion, on the other hand it is waited that the researchers compare the results found by the algorithms that they developed with the results of the biopsy to know the malign and benign cases. We propose that the images submitted to CAD are those presented to the doctor and that the results found by the CAD system are compared with those of the doctor, supplying three classification types: the benign cases, the malign cases and the uncertain cases. We implemented an evaluation method that considers all the cases first, by using the test of the X-2 (Qui-square). Afterwards, the uncertain cases are removed and the results of the others are analyzed by ROC curves (Receiver Operating Characteristic) and by an agreement test. This method allows presenting in a clear and objective way the relationships among true positive and false positive, true negative and false negative, sensibility and specificity of the developed algorithms.

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS ANÁLISE DOS CRITÉRIOS UTILIZADOS NA ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE MAMOGRAFIAS NO PADRÃO DE DENSIDADE BI-RADS S. C. M. Rodrigues 1, A. F. Frère 1, e E. L. L. Rodrigues 1 1 Universidade de São Paulo/ Depto. Engenharia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

Pré-processamento de Imagens Mamográficas Digitais: Uma Técnica para Realce de Microcalcificações no domínio da freqüência

Pré-processamento de Imagens Mamográficas Digitais: Uma Técnica para Realce de Microcalcificações no domínio da freqüência Pré-processamento de Imagens Mamográficas Digitais: Uma Técnica para Realce de Microcalcificações no domínio da freqüência Larissa Cristina dos Santos Romualdo 1, Marcelo Andrade da Costa Vieira 2, Cláudio

Leia mais

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia

A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia VII Encontro Nacional para o Controle do Câncer de Colo do Útero e de Mama QUALIDADE DA MAMOGRAFIA A participação do radiologista no controle da qualidade da mamografia Objetivo - Roteiro Descrever as

Leia mais

Curva ROC. George Darmiton da Cunha Cavalcanti Tsang Ing Ren CIn/UFPE

Curva ROC. George Darmiton da Cunha Cavalcanti Tsang Ing Ren CIn/UFPE Curva ROC George Darmiton da Cunha Cavalcanti Tsang Ing Ren CIn/UFPE Introdução ROC (Receiver Operating Characteristics) Curva ROC é uma técnica para a visualização e a seleção de classificadores baseado

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA

REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA Caio Cesar Amorim Borges e Danilo Rodrigues de Carvalho Universidade Federal de Goiás, Escola de Engenharia Elétrica

Leia mais

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP

ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS. Roberto Esmeraldo R3 CCP ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Roberto Esmeraldo R3 CCP SENSIBILIDADE capacidade de um teste diagnóstico identificar os verdadeiros positivos, nos indivíduos verdadeiramente doentes. sujeito a falso-positivos

Leia mais

Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas

Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas Comparação da avaliação automatizada do Phantom Mama em imagens digitais e digitalizadas Priscila do Carmo Santana 1,2,3, Danielle Soares Gomes 3, Marcio Alves Oliveira 3 e Maria do Socorro Nogueira 3

Leia mais

Qualidade do Processamento de Imagens Mamográficas Adquiridas em um Digitalizador com Tecnologia a Laser e um com Tecnologia CCD

Qualidade do Processamento de Imagens Mamográficas Adquiridas em um Digitalizador com Tecnologia a Laser e um com Tecnologia CCD Qualidade do Processamento de Imagens Mamográficas Adquiridas em um Digitalizador com Tecnologia a Laser e um com Tecnologia CCD Abstract Renata de Freitas Góes, Homero Schiabel, Maurício Escarpinati Universidade

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

Avaliação do Desempenho de Sistemas de Reconhecimento de Impressões Digitais

Avaliação do Desempenho de Sistemas de Reconhecimento de Impressões Digitais Avaliação do Desempenho de Sistemas de Reconhecimento de Impressões Digitais Evandro Luiz de Xerez Vieiralves 1, Cícero Ferreira Fernandes Costa Filho 2 1 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS

CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIÓPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS CORE BIOPSIA DE LINFONODOS AXILARES ATÍPICOS LINFONODOS NORMAIS OU TÍPICOS DE NÍVEL 1 FACILMENTE RECONHECIDOS AO ESTUDO ECOGRÁFICO FORMA ELÍPTICA CORTEX HIPOECÓICA

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D?

TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL. Qual a diferença para a mamografia 2 D? TOMOSSINTESE MAMÁRIA DIGITAL O que é? Qual a diferença para a mamografia 2 D? Quais são suas indicações? TOMOSSINTESE EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DA MAMOGRAFIA Maior detalhe da estrutura mamária Grande promessa

Leia mais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais

Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Processamento e Segmentação de Mamogramas Digitais Geraldo Henrique Neto 1, Gilmar Cação Ribeiro 1, Fabio Valiengo Valeri 2 1 Bacharelado em Ciência da Computação, Centro Universitário Moura Lacerda, Brasil

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama

Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound. Invenia ABUS. Melhoria na detecção. Screening. Incidência do Câncer de Mama Invenia ABUS Screening TM Invenia ABUS Automated Breast Ultrasound Roberta Fernandes MSc. Engenharia Biomédica COPPE/UFRJ Gerente Clínica Radiologia Geral Ultrassonografia GE Healthcare Incidência do Câncer

Leia mais

Um sistema computacional para registrar e recuperar imagens mamográficas via Internet

Um sistema computacional para registrar e recuperar imagens mamográficas via Internet Um sistema computacional para registrar e recuperar imagens mamográficas via Internet Fátima L. S. Nunes 1, Homero Schiabel 2, José Alaor de Oliveira Jr 1, Claudio Tuccilli Gonçalves 1, Rodrigo H. Benatti

Leia mais

Análise bioestatística em fumantes dinamarqueses associado

Análise bioestatística em fumantes dinamarqueses associado Análise bioestatística em fumantes dinamarqueses associado à câncer de esôfago Bárbara Camboim Lopes de Figueirêdo 1 Gustavo Henrique Esteves 2 1 Introdução A Bioestatística surgiu em 1894 quando Karl

Leia mais

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias

UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Departamento de Sistemas e Computação FURB Curso de Ciência da Computação Trabalho de Conclusão de Curso 2013/2 UBER: Uma ferramenta para realce de microcalcificações mamárias Acadêmico: Jackson Krause

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA Luciene Resende Gonçalves 1, Verônica kataoka 2, Mário Javier Ferrua Vivanco 3, Thelma Sáfadi 4 INTRODUÇÃO O câncer de mama é o tipo de câncer que se manifesta

Leia mais

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R

MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R MODIFICAÇÃO DO TESTE DE NORMALIDADE DE SHAPIRO-WILK MULTIVARIADO DO SOFTWARE ESTATÍSTICO R Roberta Bessa Veloso 1, Daniel Furtado Ferreira 2, Eric Batista Ferreira 3 INTRODUÇÃO A inferência estatística

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

de Bordas em Imagens Digitais

de Bordas em Imagens Digitais Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Avaliação Quantitativa de um Método Automático de Extração de Bordas em Imagens Digitais Inês A. Gasparotto Boaventura Departamento de Ciências de Computação e Estatística,

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DOS BENEFICIÁRIOS 2013. Por MARIA JOSÉ ROCCO Coordenadora de Pesquisa Pós-doação

RELATÓRIO DE DESEMPENHO DOS BENEFICIÁRIOS 2013. Por MARIA JOSÉ ROCCO Coordenadora de Pesquisa Pós-doação RELATÓRIO DE DESEMPENHO DOS BENEFICIÁRIOS 2013 Por MARIA JOSÉ ROCCO Coordenadora de Pesquisa Pós-doação PROJETOS CONCLUÍDOS DE DEZEMBRO DE 2009 A DEZEMBRO DE 2013 A AMÉRICAS AMIGAS DOOU MAMÓGRAFOS E OUTROS

Leia mais

III Congresso Internacional de Uro- Oncologia

III Congresso Internacional de Uro- Oncologia III Congresso Internacional de Uro- Oncologia Como interpretar o ASAP e o PIN? Qual o valor do Gleason Terciário na biópsia? Qual a acurácia do tumor de baixo risco na biópsia ser de baixo risco na Prostatectomia

Leia mais

AULA: 20.1 Conteúdo: Gênero discursivo relatório, resumo e fichamento INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA: 20.1 Conteúdo: Gênero discursivo relatório, resumo e fichamento INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA : 20.1 Conteúdo: Gênero discursivo relatório, resumo e fichamento 2 Habilidades: Conhecer as características que compõem o relatório, o resumo e o fichamento 3 REVISÃO Gênero Textual É a estrutura com

Leia mais

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar 1- Resumo O desequilíbrio das funções normais da hemostasia sangüínea resulta clinicamente em trombose

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE PRESENÇA DE CÂNCER DE ESÔFAGO COMPARADA COM HÁBITO DE FUMAR E IDADE EM INDIVÍDUOS DA DINAMARCA

ASSOCIAÇÃO ENTRE PRESENÇA DE CÂNCER DE ESÔFAGO COMPARADA COM HÁBITO DE FUMAR E IDADE EM INDIVÍDUOS DA DINAMARCA ASSOCIAÇÃO ENTRE PRESENÇA DE CÂNCER DE ESÔFAGO COMPARADA COM HÁBITO DE FUMAR E IDADE EM INDIVÍDUOS DA DINAMARCA Bárbara Camboim Lopes de FIGUEIRÊDO 1, Gustavo Henrique ESTEVES 2 1 Departamento de Estatística

Leia mais

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy.

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Marcelo Musci Baseado no artigo: Change detection assessment using fuzzy sets and remotely sensed data: an application

Leia mais

Predição do risco de hospitalização de idosos: adaptação de uma metodologia para clientes de uma operadora de planos de saúde

Predição do risco de hospitalização de idosos: adaptação de uma metodologia para clientes de uma operadora de planos de saúde Predição do risco de hospitalização de idosos: adaptação de uma metodologia para clientes de uma operadora de planos de saúde Justificativa Camila Canella Cherubino Ilka Afonso Reis Fernando Martin Biscione

Leia mais

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR 1. PRIMEIRO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: 1.1 Os serviços que desejarem obter a certificação da qualidade deverão

Leia mais

TÉCNICA DE AQUISIÇÃO DE MAMOGRAMAS PARA OTIMIZAR O PROCESSAMENTO DE IMAGENS

TÉCNICA DE AQUISIÇÃO DE MAMOGRAMAS PARA OTIMIZAR O PROCESSAMENTO DE IMAGENS TÉCNICA DE AQUISIÇÃO DE MAMOGRAMAS PARA OTIMIZAR O PROCESSAMENTO DE IMAGENS Henrique Jesus Quintino de Oliveira 1 & Annie France Frère 1 1 Nucleo de Pesquisas Tecnológicas Universidade de Mogi das Cruzes

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Teste de hipóteses com duas amostras. Estatística Aplicada Larson Farber

Teste de hipóteses com duas amostras. Estatística Aplicada Larson Farber 8 Teste de hipóteses com duas amostras Estatística Aplicada Larson Farber Seção 8.1 Testando a diferença entre duas médias (amostras grandes e independentes) Visão geral Para testar o efeito benéfico de

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO 207 ANEXO 2 Em vigilância e em investigações de surtos, como em várias outras aplicações da epidemiologia, é importante conhecer os conceitos e aplicações

Leia mais

1 Introdução maligno metástase

1 Introdução maligno metástase 1 Introdução Câncer é o nome dado a um conjunto de doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL

TOMOSSINTESE : o que é e. Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : o que é e quais as suas vantagens? Dra. Vera Aguillar Coordenadora do Serviço de Imaginologia Mamária do HSL TOMOSSINTESE : mamografia do futuro? MAMOGRAFIA: exame com limitações -Pouco

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPOSIÇÕES MÉDICAS EM MAMOGRAFIA DIGITAL. Sergio R. Oliveira¹; Natalia O. Mantuano²; Afonso S. Albrecht² e Leonardo S.

ANÁLISE DAS EXPOSIÇÕES MÉDICAS EM MAMOGRAFIA DIGITAL. Sergio R. Oliveira¹; Natalia O. Mantuano²; Afonso S. Albrecht² e Leonardo S. International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ANÁLISE DAS EXPOSIÇÕES MÉDICAS EM MAMOGRAFIA DIGITAL Sergio R. Oliveira¹;

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB

De D n e s n i s d i a d d a e d e M a M m a á m r á i r a i a c o c m o o m o F a F t a o t r o r d e d e R i R s i c s o c SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária como Fator de Risco SELMA DE PACE BAUAB Densidade Mamária na Mamografia RR > 4,0 : - idade > 65 anos - mutação genética (BRCA 1 / 2) - mais de 2 parentes de primeiro grau com CA de mama

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CASCAVEL 2010 2 DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO. Por MARIA JOSÉ ROCCO Coordenadora de Pesquisa Pós-doação

RELATÓRIO DE DESEMPENHO. Por MARIA JOSÉ ROCCO Coordenadora de Pesquisa Pós-doação RELATÓRIO DE DESEMPENHO DOS BENEFICIÁRIOS 2013 Por MARIA JOSÉ ROCCO Coordenadora de Pesquisa Pós-doação PROJETOS CONCLUÍDOS DE DEZEMBRO DE 2009 A DEZEMBRO DE 2013 A AMÉRICAS AMIGAS DOOU MAMÓGRAFOS E OUTROS

Leia mais

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013.

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. Exmo Sr. Dr. Maurício Pessutto MD Procurador da República Procuradoria da República em Santa Catarina Rua Pascoal Apóstolo Pitsica, nº 4876, torre

Leia mais

Estudo de caso: Campanhas por telefone para incentivar a vacinação de crianças: Elas são eficazes?

Estudo de caso: Campanhas por telefone para incentivar a vacinação de crianças: Elas são eficazes? Estudo de caso: Campanhas por telefone para incentivar a vacinação de crianças: Elas são eficazes? Este estudo de caso baseia-se em Comparing experimental and matching methods using a field experiment

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados O desenvolvimento de técnicas de aquisição de imagens médicas, em particular a tomografia computadorizada (TC), que fornecem informações mais detalhadas do corpo humano, tem aumentado

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Reunião Bibliográfica 03/06/2013 Mafalda Magalhães Introdução Incidência dos tumores da tiróide aumentou nos últimos anos

Leia mais

4 Avaliação Experimental

4 Avaliação Experimental 4 Avaliação Experimental Este capítulo apresenta uma avaliação experimental dos métodos e técnicas aplicados neste trabalho. Base para esta avaliação foi o protótipo descrito no capítulo anterior. Dentre

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008

Mamografia Overview. tdtonline.org. Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Mamografia Overview Cristina Almeida, Eugénia Arede, Sónia Costa e Susana Vieira, 2008 Introdução O que é a mamografia? A mamografia é um exame que tem como objectivo o estudo do tecido mamário, realizado

Leia mais

Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma

Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma Bruno Melo 1, Roberta Lopes 1, Luis Coradine 1 1 Universidade Federal de Alagoas, Instituto de Computação, Programa de Pós-Graduação em Modelagem

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE NA LINGUAGEM R PARA CÁLCULO DE TAMANHOS DE AMOSTRAS NA ÁREA DE SAÚDE Mariane Alves Gomes da Silva Eliana Zandonade 1. INTRODUÇÃO Um aspecto fundamental de um levantamento

Leia mais

Efeito da Variação dos µ s na Detecção das Microcalcificações por Dupla Energia

Efeito da Variação dos µ s na Detecção das Microcalcificações por Dupla Energia Efeito da Variação dos µ s na Detecção das Microcalcificações por Dupla Energia A.O. Sakai 1, J.C.B. Lucas 1, H.J.Q. Oliveira 1 1 Laboratório de Simulações de Imagens Médica (LASIM, Núcleo de Pesquisas

Leia mais

Simulador Computacional de Mamografia Contemplando a Classificação de Densidades do ACR BI-RADS

Simulador Computacional de Mamografia Contemplando a Classificação de Densidades do ACR BI-RADS Simulador Computacional de Mamografia Contemplando a Classificação de Densidades do ACR BI-RADS F.C. Silva 1, H.J.Q. Oliveira 2, R.R. Falconi 3, R.A. Borges 4, A.M. Scaranello 5, D. M. Conde 6 1,2,3,4

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA PARA SIMULAÇÃO DE EXAME DE PUNÇÃO DE MAMA CANINA UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA PARA SIMULAÇÃO DE EXAME DE PUNÇÃO DE MAMA CANINA UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA PARA SIMULAÇÃO DE EXAME DE PUNÇÃO DE MAMA CANINA UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciencias Jurídicas e Gerenciais FAEG Rua das

Leia mais

DETECÇÃO DE AGRUPAMENTOS DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS DIGITAIS

DETECÇÃO DE AGRUPAMENTOS DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS DIGITAIS PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA DETECÇÃO DE AGRUPAMENTOS DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS DIGITAIS

Leia mais

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Análise de 203 nódulos tiroideus do Hospital Geral de Coimbra Oliveira, C.M.; Costa, R.A.; Estêvão, A.;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA REFINAMENTO DE RESPOSTAS BASEADO EM RELEVANCE FEEDBACK PARA REFINAR CONSULTAS POR SIMILARIDADE

DESENVOLVIMENTO DE UM MÉTODO PARA REFINAMENTO DE RESPOSTAS BASEADO EM RELEVANCE FEEDBACK PARA REFINAR CONSULTAS POR SIMILARIDADE CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Descoberta de Conhecimento em Base de Imagens Mamográficas

Descoberta de Conhecimento em Base de Imagens Mamográficas Descoberta de Conhecimento em Base de Imagens Mamográficas Adriana Cristina Giusti Corrêa 1, Homero Schiabel 2 1,2 Departamento de Engenharia Elétrica da EESC/USP Universidade de São Paulo, Brasil, 1 Departamento

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo H. E. R. Gato 1,3, F. L. S. Nunes 2 e H. Schiabel 1 1 USP- Depto. de Engenharia Elétrica, São Carlos, Brasil 2 Centro Universitário

Leia mais

O teste de McNemar. A tabela 2x2. Depois

O teste de McNemar. A tabela 2x2. Depois Prof. Lorí Viali, Dr. http://www.pucrs.br/famat/viali/ viali@pucrs.br O teste de McNemar O teste de McNemar para a significância de mudanças é particularmente aplicável aos experimentos do tipo "antes

Leia mais

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA Prevenção em dobro Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel O eixo de Prevenção do Câncer do Programa Cuide-se+ acaba de ganhar um importante reforço no atendimento aos trabalhadores das

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema CAD para Detecção e Auxílio ao Diagnóstico de Doenças da Mama

Desenvolvimento de um Sistema CAD para Detecção e Auxílio ao Diagnóstico de Doenças da Mama Desenvolvimento de um Sistema CAD para Detecção e Auxílio ao Diagnóstico de Doenças da Mama Roger Resmini 1, Adriel dos S. Araújo 1, Otavio B. Nantes 1, Claudinéia Araújo 2, Aura Conci 3 1 Curso de Sistemas

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital Professor Paulo Christakis 1 Em sistemas digitais de imagens médicas, as mudanças não se apresentam somente no

Leia mais

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM RADIOLOGIA MAMÁRIA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM RADIOLOGIA MAMÁRIA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM RADIOLOGIA MAMÁRIA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 EDITAL N.º 11/2013-IEP/HCB A Fundação Pio XII, Hospital do Câncer

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Algoritmo CHAID aplicado à análise de risco de inadimplência no setor imobiliário. Miriam Rodrigues Silvestre (miriam@fct.unesp.

Algoritmo CHAID aplicado à análise de risco de inadimplência no setor imobiliário. Miriam Rodrigues Silvestre (miriam@fct.unesp. Algoritmo CHAID aplicado à análise de risco de inadimplência no setor imobiliário Miriam Rodrigues Silvestre (miriam@fct.unesp.br) Dep. Matemática, Estatística e Computação (DMEC), FCT, Unesp Univ Estadual

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

TÉCNICAS DE COMPUTAÇÃO PARALELA PARA MELHORAR O TEMPO DA MINERAÇÃO DE DADOS: Uma análise de Tipos de Coberturas Florestais

TÉCNICAS DE COMPUTAÇÃO PARALELA PARA MELHORAR O TEMPO DA MINERAÇÃO DE DADOS: Uma análise de Tipos de Coberturas Florestais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA CRISTIAN COSMOSKI RANGEL DE ABREU TÉCNICAS DE COMPUTAÇÃO PARALELA PARA MELHORAR

Leia mais

GRUPO DE BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA ANÁLISE DOS PRIMEIROS 500 CASOS

GRUPO DE BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA ANÁLISE DOS PRIMEIROS 500 CASOS GRUPO DE BIÓPSIA ASPIRATIVA COM AGULHA FINA ANÁLISE DOS PRIMEIROS 500 CASOS Hospital de S. Marcos Braga Departamento de Cirurgia. Serviço de Cirurgia I Director: Dr. A. Gomes Unidade de Cabeça e Pescoço

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG

LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG LEVANTAMENTO DOS DADOS DOS ATENDIMENTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO HV/EVZ/UFG BRAGATO, Nathália. 1 ; PÁDUA, Fernanda Maria Ozelim de 1 ; COSTA, Ana Paula Araújo.; SILVA,

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas. Dr. Carlos Alberto Menossi

Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas. Dr. Carlos Alberto Menossi Situação do Câncer de Mama na Região de Campinas Dr. Carlos Alberto Menossi Câncer de Mama É o que mais causa morte entre as mulheres Estima-se em torno de 52 casos para 100.000 mulheres para 2012 (INCA/MS)

Leia mais

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama www.laco.pt O Cancro da Mama em Portugal 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama Cancro em Portugal 2002 O Cancro da Mama em Portugal Surgem 5000 novos casos por ano Mas. Com a deteção

Leia mais