DEMÊNCIA? O QUE é 45 MILHOES 70% O QUE É DEMÊNCIA? A DEMÊNCIA NAO É UMA DOENÇA EM 2013, DEMÊNCIA. Memória; Raciocínio; Planejamento; Aprendizagem;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEMÊNCIA? O QUE é 45 MILHOES 70% O QUE É DEMÊNCIA? A DEMÊNCIA NAO É UMA DOENÇA EM 2013, DEMÊNCIA. Memória; Raciocínio; Planejamento; Aprendizagem;"

Transcrição

1 O QUE é APRESENTA DEMÊNCIA? O QUE É DEMÊNCIA? A demência é um distúrbio em um grupo de processos mentais que incluem: Memória; Raciocínio; Planejamento; Aprendizagem; Atenção; Linguagem; Percepção; Conduta. EM 2013, haviam cerca de 45 MILHOES de pessoas diagnosticadas com demência em todo o mundo. DEMÊNCIA Distúrbios comportamentais comuns em pacientes com demência incluem: Agitação; Apatia; Mais de 70% A DEMÊNCIA NAO É UMA DOENÇA das pessoas com demência sofrem de distúrbios comportamentais. Mudanças de humor Sintomas psicóticos. mas um termo genérico usado para descrever uma série de sinais e sintomas. Pode ocorrer devido às várias causas diferentes.

2 A deficiência cognitiva leve (DCL), um precursor da demência, ocorre em 10% a 20% da população com mais de 65 anos de idade. 5% a 15% dos casos de DCL convertemse em demência a cada ano. Demência DUPLICA o risco de mortalidade. 10 SINAIS INICIAIS DE ALERTA DA DEMÊNCIA: 1. Dificuldades de memória que afetam a vida diária. 2. Dificuldades no planejamento ou na resolução de problemas. 3. Confusão com lugares e horários. 4. Dificuldade com atividades familiares em casa. 5. Desorganização. 6. Dificuldade em lembrar palavras ou manter uma conversa. 7. Problemas de visão ou percepção. 8. Problemas com julgamento. 9. Alterações de personalidade. 10. Isolamento social e profissional. OS TIPOS DE DEMÊNCIA INCLUEM OS SEGUINTES ASPECTOS E ALGUNS PACIENTES PODEM SOFRER DE MAIS DE UM TIPO. DOENÇA DE ALZHEIMER (DE 50% A 70% DE TODOS OS CASOS) A dificuldade em lembrar nomes e acontecimentos recentes, geralmente é um sintoma clínico inicial; a apatia e a depressão também são sintomas iniciais. Os pós sintomas incluem deterioração do raciocínio, desorientação, confusão, alterações comportamentais e dificuldade para caminhar, engolir e falar. DEMÊNCIA VASCULAR (20% DE TODOS OS CASOS) Demência vascular é um declínio nas habilidades cognitivas causado por condições que obstruem ou reduzem o fluxo de sangue para o cérebro, privando as células de oxigênio e de nutrientes vitais. Geralmente, isso é consequência de um AVC ou de um mini infarto.

3 A DEMÊNCIA DA DOENÇA DE PARKINSON (5% DE TODOS OS CASOS) Problemas com o movimento são um sintoma comum na fase inicial da doença. No caso do desenvolvimento da demência, os sintomas são geralmente parecidos com os dos Corpos de Lewy. A DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL (5% DE TODOS OS CASOS) Os sintomas típicos incluem mudanças na personalidade, no comportamento e dificuldade com a fala. As células do nervo nas regiões frontais e laterais do cérebro são particularmente afetadas. DEMÊNCIA COM CORPOS DE LEWY (DE 15% A 20% DE TODOS OS CASOS) Pessoas com demência com corpos de Lewy, muitas vezes, têm perda de memória e problemas de pensamentos, comuns também em Alzheimer, mas têm mais possibilidade de ter sintomas iniciais que os portadores da síndrome de Alzheimer, tais como os distúrbios do sono, alucinações visuais bem formadas e rigidez muscular ou outros aspectos de movimento parkinsoniano. Em 60% dos casos de pessoas com sintomas de Alzheimer na fase inicial, a doença NÃO É IDENTIFICADA PELA FAMÍLIA ou não é avaliada por um médico. Geralmente, quando os membros da família notam os sinais de demência, esta já está na fase moderada. Os custos sociais com demência são IGUAIS A 1% DO PIB MUNDIAL. QUAIS SAO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS NO DSM-5 PARA O DIAGNÓSTICO DA DEMÊNCIA? O termo Transtorno Neurocognitivos Importante substitui o termo Demência. Etiologias de Transtornos Neurocognitivos Importantes são especificados como a Doença de Alzheimer, Doença Vascular, Corpos de Lewy, Doença de Degeneração lobar Frontotemporal, a Doença de Parkinson, etc.

4 COMMENT DIAGNOSTIQUER LA DEMENCE? Realiza-se o diagnóstico de demência através da obtenção de um histórico médico epsiquiátrico integral e um exame médico, neurológico e do estado mental do paciente. Os biomarcadores estudados no diagnóstico inicial de demência e DCL (deficiência cognitivaleve) incluem níveis elevados de proteína tau redução dos níveis de beta-amilóide no fluido cerebroespinal diminuição da absorção da glicose na tomografia por emissão de pósitrons (PET scan) atrofia cerebral na ressonância magnética. Às vezes, o exame neuropsicológico pode ser necessário. O Mini Exame do Estado Mental (MEEM) é uma das ferramentas mais comuns para a detecção de demência. É muito importante a avaliação da capacidade de dirigir dos pacientes que são portadores da demência. O MEEM não se correlaciona com a capacidade de dirigir. Testes laboratoriais podem incluir a química do sangue, função da tireóide, e os níveis de B12 e ácido fólico e uma tomografia computadorizada ou uma ressonância magnética. FATORES DE RISCO PARA A DEMÊNCIA: Idade avançada; Histórico familiar; Traumatismo craniano; Infartos; Hipertensão; Diabetes mellitus; Depressão durante a terceira etapa da vida. PULSEIRAS PARA O BRAÇO com o nome, número de telefone e SAPATOS COM GPS são boas ideias para pacientes com demência. MITOS SOBRE A DEMÊNCIA: 1. A perda grave de memória é natural no envelhecimento. 2. A doença de Alzheimer não é fatal. 3. A ingestão do alumínio pode causar a demência de Alzheimer. 4. Apenas idosos podem sofrer de demência. 5. Adoçantes artificiais como o aspartame podem causar demência.

5 FORNECEU ESTE INFOGRÁFICO Para obter mais informações sobre a demência das mãos dos maiores especialistas do mundo, favor visitar: Sempre converse com seu médico sobre sua doença. FONTES: R. C. Kessler, B. Ustun (eds): The WHO world mental health surveys: Global perspectives on the epidemiology of mental disorders. Cambridge University Press, New York, First Edition,

GRAVE. DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? A depressão grave é uma condição médica comum e afeta 121 MILHÕES de pessoas em todo o mundo.

GRAVE. DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? A depressão grave é uma condição médica comum e afeta 121 MILHÕES de pessoas em todo o mundo. APRESENTA GRAVE DEPRESSAo O QUE É A DEPRESSAO GRAVE? Indivíduos com depressão grave geralmente apresentam pelo menos 4 destes sintomas por pelo menos 2 semanas: Estado de ânimo depressivo; * Movimento,

Leia mais

O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA. Dificuldades nas relações sociais e emocionais.

O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA. Dificuldades nas relações sociais e emocionais. O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO APRESENTA AUTISMO? O QUE É O TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO (TEA)? Indivíduos com transtorno do espectro do autismo muitas vezes apresentam: Meninos em idade escolar

Leia mais

O TRANSTORNO POR DÉFICIT DE ATENÇAO E HIPERATIVIDADE?

O TRANSTORNO POR DÉFICIT DE ATENÇAO E HIPERATIVIDADE? APRESENTA O QUE É O TRANSTORNO POR DÉFICIT DE ATENÇAO E HIPERATIVIDADE? TDAH infância hiperatividade déficit de atenção falta de atenção comportamento O QUE É O TRANSTORNO POR DÉFICIT DE ATENÇAO E HIPERATIVIDADE

Leia mais

Doenças do Sistema Nervoso

Doenças do Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Doenças do Sistema Nervoso Alzheimer degenerativa, isto é, que produz atrofia, progressiva, com início mais frequente após os 65 anos, que produz a perda das habilidades de pensar, raciocinar,

Leia mais

Declínio Cognitivo Leve. José Mourão de Aquino Neto 6º semestre - Medicina

Declínio Cognitivo Leve. José Mourão de Aquino Neto 6º semestre - Medicina Declínio Cognitivo Leve José Mourão de Aquino Neto 6º semestre - Medicina Introdução O Envelhecimento normal engloba um declínio gradual das funções cognitivas. A idade de início e a progressão desse declínio

Leia mais

Pseudo-demência / défice cognitivo ligeiro

Pseudo-demência / défice cognitivo ligeiro Pseudo-demência / défice cognitivo ligeiro Kiloh LG. Pseudo-dementia. Acta Psychiatrica Scandinavia 1961; 37; 336-51. Winblad et als. Miild Cognitive Impairment beyound controversies, towards a consensus:

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Memória A memória é uma faculdade cognitiva extremamente importante porque ela forma a base para a aprendizagem. Se não houvesse uma forma de

Leia mais

Demência de Alzheimer. Dra. Célia Petrossi Gallo Garcia Médica Psiquiatra PAI-ZN

Demência de Alzheimer. Dra. Célia Petrossi Gallo Garcia Médica Psiquiatra PAI-ZN Demência de Alzheimer Dra. Célia Petrossi Gallo Garcia Médica Psiquiatra PAI-ZN Introdução Causa mais freqüente de demência (50% dos casos em > 65 anos) Neurotransmissores: diminuição de acetilcolina e

Leia mais

INCOGNUS: Inclusão, Cognição, Saúde

INCOGNUS: Inclusão, Cognição, Saúde INCOGNUS: Inclusão, Cognição, Saúde Guião de Apoio para Cuidadores Informais de Idosos com Demência Guião de Apoio para Cuidadores Informais de Idosos com Demência 2 O QUE É A DEMÊNCIA? A Demência é uma

Leia mais

Doenças Adquiridas do Neurônio Motor. Msc. Roberpaulo Anacleto

Doenças Adquiridas do Neurônio Motor. Msc. Roberpaulo Anacleto Doenças Adquiridas do Neurônio Motor Msc. Roberpaulo Anacleto ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA Unidade motora: Esclerose Lateral Amiotrófica Doença degenerativa e progressiva, afetando os neurônios motores

Leia mais

O ENVELHECIMENTO CONCEITO. Expectativa de vida Natureza 30 anos. Senectude X senilidade

O ENVELHECIMENTO CONCEITO. Expectativa de vida Natureza 30 anos. Senectude X senilidade Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA CLÍNICA 2013 / 2 O ENVELHECIMENTO Expectativa de vida Natureza 30 anos Senectude X senilidade

Leia mais

Declínio Cognitivo Leve. José Mourão de Aquino Neto 6º semestre - Medicina

Declínio Cognitivo Leve. José Mourão de Aquino Neto 6º semestre - Medicina Declínio Cognitivo Leve José Mourão de Aquino Neto 6º semestre - Medicina Introdução O Envelhecimento normal engloba um declínio gradual das funções cognitivas. A idade de início e a progressão desse declínio

Leia mais

1) Qual a frequência que ocorre, particularmente na doença de Alzheimer?

1) Qual a frequência que ocorre, particularmente na doença de Alzheimer? DEMÊNCIAS Importância do problema. O envelhecimento populacional aumentou o número de pacientes que vão exibir essa doença. Salienta-se a demência do tipo Alzheimer e a demência vascular. Etiopatogenia.

Leia mais

Aula Teórica Demência

Aula Teórica Demência Aula Teórica Demência FUNÇÕES NERVOSAS SUPERIORES DEMÊNCIA Perda de capacidades intelectuais(cognitivas) Defeito de memória E de outras funções cognitivas (linguagem, cálculo, orientação, capacidade executiva...

Leia mais

Aspectos Anatômicos: CÉREBRO E TDAH

Aspectos Anatômicos: CÉREBRO E TDAH Entendendo o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) Parte I Aspectos Anatômicos: CÉREBRO E TDAH Ft. Alline Camargo Fisioterapeuta graduada pela Universidade de Sorocaba (UNISO) (CREFITO-3/228939-F)

Leia mais

Esquizofrenia. O Que Você Precisa Saber

Esquizofrenia. O Que Você Precisa Saber Esquizofrenia O Que Você Precisa Saber O que é Esquizofrenia? A esquizofrenia é uma doença mental crônica, que se manifesta na adolescência ou no início da idade adulta. Sua freqüência na população em

Leia mais

Doença de Alzheimer: o cuidado no diagnóstico

Doença de Alzheimer: o cuidado no diagnóstico 52 Reflexão Doença de Alzheimer: o cuidado no diagnóstico Maria Amélia Ximenes A o participar de uma pesquisa de revisão bibliográfica sobre a Doença de Alzheimer (DA) e o impacto desta na vida do cuidador

Leia mais

BENEFÍCIOS DA FISIOTERAPIA NOS SINTOMAS DA DOENÇA DE ALZHEIMER

BENEFÍCIOS DA FISIOTERAPIA NOS SINTOMAS DA DOENÇA DE ALZHEIMER BENEFÍCIOS DA FISIOTERAPIA NOS SINTOMAS DA DOENÇA DE ALZHEIMER Marcelo Antônio de Souza Silva e Silva 1* ; Francielly Natanaelly Andrade dos Santos 1 ; Janiele dos Santos Oliveira 2 ; José Edimosio Costa

Leia mais

Distúrbios Neurodegenerativos

Distúrbios Neurodegenerativos Distúrbios Neurodegenerativos Mecanismos de Morte Neuronal Excitotoxicidade Apoptose Estresse oxidativo Excitotoxicidade Os aminoácidos excitatórios (EAA), por ex glutamato podem causar morte neuronal.

Leia mais

DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS. Prof. Douglas Monteiro

DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS. Prof. Douglas Monteiro DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS Prof. Douglas Monteiro ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA ELA: Histórico 1830 (Mal que cursava com paralisia dos membros e da língua) Charles Bell; 1848 (natureza neurológica da patologia)

Leia mais

Mal de Alzheimer. Disciplina: Gerontologia. Profª. Juliana Aquino

Mal de Alzheimer. Disciplina: Gerontologia. Profª. Juliana Aquino Mal de Alzheimer Disciplina: Gerontologia Profª. Juliana Aquino Mal de Alzheimer Histórico A base histopatológica da doença foi descrita pela primeira vez pelo neuropatologista alemão Alois Alzheimer em

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Figura 1: RM do encéfalo em corte axial em T2 Figura 2: RM do encéfalo em corte coronal em T2 Enunciado Paciente do sexo masculino, 73 anos, administrador

Leia mais

PSEUDODEMÊNCIA visão do neurologista

PSEUDODEMÊNCIA visão do neurologista visão do neurologista 1 Maria Edite Rio Jornadas Nacionais Patient Care (JNPC) Fevereiro 2016 Pseudodemência é o que parece demência, mas que numa melhor avaliação, ou pela evolução posterior se verifica

Leia mais

FAURGS HCPA Edital 01/2012 PS 09 MÉDICO I (Neurologia: Cognitivas e Demências) Pág. 1

FAURGS HCPA Edital 01/2012 PS 09 MÉDICO I (Neurologia: Cognitivas e Demências) Pág. 1 Pág. 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2012 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 09 MÉDICO I (Neurologia: Cognitivas e Demências) 01. A 11. E 21. E 02. C 12.

Leia mais

50 Dicas. Alzheimer. Diagnóstico clínico e laboratorial, tratamento farmacológico e não farmacológico. Rodrigo Rizek Schultz Paulo H. F.

50 Dicas. Alzheimer. Diagnóstico clínico e laboratorial, tratamento farmacológico e não farmacológico. Rodrigo Rizek Schultz Paulo H. F. 50 Dicas Alzheimer Diagnóstico clínico e laboratorial, tratamento farmacológico e não farmacológico Rodrigo Rizek Schultz Paulo H. F. Bertolucci 19_50dicas_Alzheimer_2.indd 1 24/08/2017 12:25:44 19_50dicas_Alzheimer_2.indd

Leia mais

SOBRECARGA DO CUIDADOR DE DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL E DOENÇA DE ALZHEIMER.

SOBRECARGA DO CUIDADOR DE DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL E DOENÇA DE ALZHEIMER. Introdução: A visão tradicional da demência é que as características mais importantes para acurácia do diagnóstico e conduta são o declínio cognitivo e o déficit funcional. Os sintomas comportamentais

Leia mais

O QUE ESPERAMOS DA AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM NEUROLOGIA

O QUE ESPERAMOS DA AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM NEUROLOGIA O QUE ESPERAMOS DA AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM NEUROLOGIA Mª. Andréia Costa Rabelo Neuropsicóloga do CRIEM/HC/FM/UFG Doutoranda em Ciências da Saúde UFG Professora do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Transtornos de Aprendizagem. Carla Cristina Tessmann Neuropsicóloga

Transtornos de Aprendizagem. Carla Cristina Tessmann Neuropsicóloga Transtornos de Aprendizagem Carla Cristina Tessmann Neuropsicóloga Neuropsicologia Conforme definição de Luria (1981), Neuropsicologia é a ciência que estuda a relação entre o cérebro e o comportamento

Leia mais

Sobre a Esclerose Tuberosa e o Tumor Cerebral SEGA

Sobre a Esclerose Tuberosa e o Tumor Cerebral SEGA Sobre a Esclerose Tuberosa e o Tumor Cerebral SEGA A Esclerose Tuberosa, também conhecida como Complexo da Esclerose Tuberosa, é uma desordem genética que atinge entre 1 e 2 milhões de pessoas no mundo

Leia mais

Tratamento Com freqüência, é possível se prevenir ou controlar as cefaléias tensionais evitando, compreendendo e ajustando o estresse que as ocasiona.

Tratamento Com freqüência, é possível se prevenir ou controlar as cefaléias tensionais evitando, compreendendo e ajustando o estresse que as ocasiona. CEFALÉIAS As cefaléias (dores de cabeça) encontram-se entre os problemas médicos mais comuns. Alguns indivíduos apresentam cefaléias freqüentes, enquanto outros raramente as apresentam. As cefaléias podem

Leia mais

Adultos com Trissomia 21

Adultos com Trissomia 21 Adultos com Trissomia 21 Caraterização e desafios no diagnóstico de demência Mendes, R., Gonçalves, M. J., Silvestre, A., Figueira, M. J., Bispo, R., & Breia, P. Projecto Alterações cognitivas e comportamentais

Leia mais

PET EM NEUROPSIQUIATRIA. Carlos Alberto Buchpiguel NEUROPSICOLOGIA

PET EM NEUROPSIQUIATRIA. Carlos Alberto Buchpiguel NEUROPSICOLOGIA PET EM NEUROPSIQUIATRIA Carlos Alberto Buchpiguel NEUROPSICOLOGIA Introdução O que é função neuropsicológica? Como as diferentes funções se correlacionam entre si? Quais os aspectos fisiológicos que caracterizam

Leia mais

A Prevenção do retardo mental na Síndrome do X Frágil

A Prevenção do retardo mental na Síndrome do X Frágil LOGO A Prevenção do retardo mental na Síndrome do X Frágil Renata Ríspoli Gatti, Msc. Laboratório de Genética Humana Classificação > 200 CGG ~55 200 CGG Afetados Pré mutação 40 ~55 CGG Zona Gray 6 - ~40

Leia mais

Depressão, vamos virar este jogo?

Depressão, vamos virar este jogo? 1 2 Olhar diferenciado para a possibilidade do diagnóstico de depressão em idosos: sintomas depressivos e o processo do envelhecimento Idade: maior prevalência em jovens Sexo: Mulheres liberdade para

Leia mais

II curso Transtornos Afetivos ao Longo da Vida GETA TDAH (TRANSTORNO DE DEFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE)

II curso Transtornos Afetivos ao Longo da Vida GETA TDAH (TRANSTORNO DE DEFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE) II curso Transtornos Afetivos ao Longo da Vida GETA TDAH (TRANSTORNO DE DEFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE) O QUE É TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE TDAH é a condição crônica de saúde

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO ACADÊMICO NAAC

NÚCLEO DE APOIO ACADÊMICO NAAC NÚCLEO DE APOIO ACADÊMICO Universidade de Santa Cruz do Sul Pró-Reitoria de Graduação COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NAP Núcleo de Apoio Pedagógico Núcleo de Apoio Acadêmico Ações Gerais Coordenadora Profª Drª

Leia mais

Acidente Vascular Encefálico

Acidente Vascular Encefálico Acidente Vascular Encefálico Gabriela de Oliveira Vitor A04DBA0 Juliana Chaves 5921040 Laís Delfes A162062 Larissa Oliveira Markewicz A219455 Mayara Raquel Durães A255818 O que é o AVE? Comprometimento

Leia mais

P ERGUNTAR ( o máximo possível):

P ERGUNTAR ( o máximo possível): EMERGÊNCIA NO USO DE DROGAS Dr. Jorge Jaber Elaborei um esquema para facilitar certas condutas médicas: P erguntar E stabilizar D isponha I dentifique Para ajudar a memorizar: Quem P E D I sempre alcança.

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DEMÊNCIA

PRINCÍPIOS DA DEMÊNCIA Capítulo 1 PRINCÍPIOS DA DEMÊNCIA Pontos-chave Impacto da demência nos cuidados de saúde Função cerebral normal versus função cerebral na demência Significado de demência Causas da demência COMPREENDENDO

Leia mais

O Papel do Cuidador Informal no contexto do Idoso com Demência

O Papel do Cuidador Informal no contexto do Idoso com Demência O Papel do Cuidador Informal no contexto do Idoso com Demência UC Envelhecimento Patológico e Intervenção Geriátrica II Docente Marília Rua Licenciatura em Gerontologia 2º Ano 2º Semestre ESSUA - Escola

Leia mais

Compreendendo a Doença de Alzheimer

Compreendendo a Doença de Alzheimer Compreendendo a Doença de Alzheimer National Institute on Aging National Institutes of Health Impacto da DA Antes considerada uma doença rara, a doença de Alzheimer (DA) é agora vista como um importante

Leia mais

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS DEMÊNCIAS

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS DEMÊNCIAS DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS DEMÊNCIAS M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe

Leia mais

MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE

MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE MENTAL PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE (JUN 2015) PORTO Está preparado para lidar com indivíduos com perturbações mentais? A resposta da maioria dos profissionais de saúde em Portugal será certamente

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 ALZHEIMER Demência A demência é uma síndrome devida á uma doença cerebral, usualmente de natureza crônica ou progressiva, na qual há comprometimento de numerosas funções tais como a memória, o pensamento,

Leia mais

Metodologia do Ensino de Ciências Aula 19

Metodologia do Ensino de Ciências Aula 19 Metodologia do Ensino de Ciências Aula 19 IMES Fafica Curso de Pedagogia 3º Ano Sistema Nervoso 23/10/2017 Amanda: R.A 201705214 Arieli: R.A. 201705209 Bruna: R.A. 201705211 Marcela Sabrina: R.A. 201705200

Leia mais

APLICAÇÃO DA ESCALA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DEMÊNCIA (CLINICAL DEMENTIA RATING - CDR) EM PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER DA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR

APLICAÇÃO DA ESCALA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DEMÊNCIA (CLINICAL DEMENTIA RATING - CDR) EM PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER DA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR APLICAÇÃO DA ESCALA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DEMÊNCIA (CLINICAL DEMENTIA RATING - CDR) EM PACIENTES COM DOENÇA DE ALZHEIMER DA CIDADE DE GUARAPUAVA-PR Jaqueline Hack (PIBIC/CNPq-UNICENTRO) Marcela Magro

Leia mais

Conheça fatores que causam trombose além da pílula anticoncepcional

Conheça fatores que causam trombose além da pílula anticoncepcional anticoncepcional emais.estadao.com.br /noticias/bem-estar,conheca-fatores-que-causam-trombose-alem-da-pilulaanticoncepcional,70002039152 A trombose atinge, principalmente, pernas e coxas; por isso, é importante

Leia mais

SISTEMA NERVOSO neurônio dendrito, corpo celular, axônio e terminações do axônio sinapses

SISTEMA NERVOSO neurônio dendrito, corpo celular, axônio e terminações do axônio sinapses SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO Responsável pela maioria das funções de controle de um organismo, integrando todos os sistemas, coordenando e regulando as atividades corporais. Unidade funcional:neurônio.

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON O QUE É A DOENÇA

DOENÇA DE PARKINSON O QUE É A DOENÇA DOENÇA DE PARKINSON O QUE É A DOENÇA A doença de Parkinson, mal de Parkinson ou, simplesmente, Parkinson, foi descrita pela primeira vez em 1817 pelo médico inglês James Parkinson em um trabalho denominado

Leia mais

DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS

DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS UMA VISÃO GERAL Feinstein, 1970 DEFINIÇÃO Presença

Leia mais

PREVENÇÃO DE QUEDAS JUNTO AOS IDOSOS PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON

PREVENÇÃO DE QUEDAS JUNTO AOS IDOSOS PORTADORES DA DOENÇA DE PARKINSON Pró Reitoria de Extensão (PROEX/ UFSC) APOIO FINANCEIRO: Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Enfermagem GESPI Grupo de Estudos sobre o Cuidado da Saúde Integral de Pessoas Idosas PREVENÇÃO

Leia mais

Doenças Neurodegenerativas Relacionadas ao Envelhecimento

Doenças Neurodegenerativas Relacionadas ao Envelhecimento Doenças Neurodegenerativas Relacionadas ao Envelhecimento Apresentação: Ana Julia Rizatto (3º ano) Cinthia Procópio (2º ano) Orientação: Natalia Favoretto Data: 27/11/2014, às 13h Local: Anfiteatro da

Leia mais

Dra Nadia Bossa PALESTRA DISTÚRBIOS DE ATENÇÃO E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Dra Nadia Bossa  PALESTRA DISTÚRBIOS DE ATENÇÃO E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Dra Nadia Bossa PALESTRA DISTÚRBIOS DE ATENÇÃO E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Dra Nadia Bossa O cérebro é constituído de vários circuitos neuronais, denominados sistemas funcionais. Esses sistemas são

Leia mais

Internato de Neurologia Quinto Ano Médico. Ano 2015

Internato de Neurologia Quinto Ano Médico. Ano 2015 DEPARTAMENTO DE NEUROLOGIA E NEUROCIRURGIA DISCIPLINA DE NEUROLOGIA CLÍNICA Internato de Neurologia Quinto Ano Médico Ano 2015 Curso MEDICINA Unidade Curricular NEUROLOGIA CLÍNICA/NEUROCIRURGIA ANO LETIVO

Leia mais

Uso de Medicação Psicotrópica em uma Grande Instituição para Deficientes Mentais - I(1)

Uso de Medicação Psicotrópica em uma Grande Instituição para Deficientes Mentais - I(1) D Deficiência Mental / Déficit Sensorial / Delírio / Depressão / Desenvolvimento / Diabetes Melitus / Diagnóstico / Distúrbio de Leitura / Doença / Doença de Moyamoya / Drogadição DEFICIÊNCIA MENTAL Uso

Leia mais

Neurobiologia e Comportamento. CÉREBRO E TDAH

Neurobiologia e Comportamento. CÉREBRO E TDAH Entendendo o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) Parte II Neurobiologia e Comportamento. CÉREBRO E TDAH Ft. Alline Camargo Fisioterapeuta graduada pela Universidade de Sorocaba (UNISO)

Leia mais

ESCLEROSE MÚLTIPLA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves

ESCLEROSE MÚLTIPLA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves ESCLEROSE MÚLTIPLA Prof. Fernando Ramos Gonçalves Unidade anatômica e funcional do SNC ESCLEROSE MÚLTIPLA Sinonímia: Esclerose em placas Esclerose insular Esclerose disseminada Conceito É uma doença crônica,

Leia mais

DEMÊNCIAS DEGENERATIVAS

DEMÊNCIAS DEGENERATIVAS DEMÊNCIAS DEGENERATIVAS SÍNDROMES FRONTAIS ANE DUNCK 2017 1892 ( Arnold Pick) Considerações iniciais QUANDO SUSPEITAR? ALTERAÇÃO NO COMPORTAMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE ALTERAÇÕES DE LINGUAGEM CARACTERÍSTICAS

Leia mais

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS]

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] [CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] Geriatria é o ramo da Medicina que foca o estudo, a prevenção e o tratamento de doenças e da incapacidade em idosos. Seus objetivos maiores são: manutenção da saúde, impedir

Leia mais

Linguagem. Dr. Fábio Agertt

Linguagem. Dr. Fábio Agertt Dr. Fábio Agertt Linguagem Mecanismos não-verbais Linguagem é qualquer e todo sistema de sinais que serve de meio de comunicação de idéias ou sentimentos (sonoros, gráficos, gestuais) Embora os animais

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

Informação para os pacientes e seus familiares

Informação para os pacientes e seus familiares Psicose Psychosis - Portuguese UHN Informação para os pacientes e seus familiares Leia esta brochura para aprender: o que é a psicose o que a causa os sinais ou sintomas de psicose que tratamentos podem

Leia mais

Álcool e Drogas na Terceira Idade. UNIAD/UNIFESP Elton Pereira Rezende GERP.13

Álcool e Drogas na Terceira Idade. UNIAD/UNIFESP Elton Pereira Rezende GERP.13 Álcool e Drogas na Terceira Idade UNIAD/UNIFESP Elton Pereira Rezende GERP.13 Dados epidemiológicos Terceira condição psiquiátrica, além da! depressão e da demência Prevalência do abuso de drogas e álcool

Leia mais

Mas algumas doenças matam pessoas há muitos anos e o homem até hoje não. conseguiu descobrir a cura e nema razão que causa a condição.

Mas algumas doenças matam pessoas há muitos anos e o homem até hoje não. conseguiu descobrir a cura e nema razão que causa a condição. 9 doenças misteriosas que assombram o mundo Algumas doenças são muito comuns entre nós e com um simples remédio podemos nos curar. A medicina vem se desenvolvendo cada vez mais, junto a tecnologia, estão

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM UM CASO DE ALZHEIMER LEVE

AS CONTRIBUIÇÕES DA REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM UM CASO DE ALZHEIMER LEVE 31 AS CONTRIBUIÇÕES DA REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM UM CASO DE ALZHEIMER LEVE Lívia Martins¹, Victor Cesar Amorim Costa², Andréa Olimpio de Oliveira³ Resumo: Não se desenvolveu ainda um tratamento

Leia mais

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA

Distúrbios e doenças ligadas à obesidade. Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Distúrbios e doenças ligadas à obesidade Trabalho realizado por: Álvaro Santos Nº1 9ºA Miguel Oliveira Nº19 9ºA Carlos Azevedo Nº5 9ºA Índice Introdução O que é a Obesidade? Doenças e distúrbios físicos

Leia mais

a epidemiologia da doença que mais mata

a epidemiologia da doença que mais mata a epidemiologia da doença que mais mata O Acidente Vascular Cerebral (AVC) caracteriza-se pela perda abrupta de uma função neurológica causada pela interrupção do fluxo de sangue para uma região do cérebro

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Maio de 2010 Demência Aspesi e Ferreira (2008) consideram deficiência, todas as doenças que provocam alteração da memória, seja ela de curta ou longa duração,

Leia mais

Saúde do Idoso. Quem é idoso? Nos países desenvolvidos, é o indivíduo a partir dos 65 anos e, nos países em desenvolvimento, a partir dos 60 anos.

Saúde do Idoso. Quem é idoso? Nos países desenvolvidos, é o indivíduo a partir dos 65 anos e, nos países em desenvolvimento, a partir dos 60 anos. Saúde do Idoso Quem é idoso? Nos países desenvolvidos, é o indivíduo a partir dos 65 anos e, nos países em desenvolvimento, a partir dos 60 anos. No Brasil, portanto, é classificado como idoso quem completa

Leia mais

Localização: Relicário de Sons Rua Rodrigues Sampaio 19b Lisboa. Aspectos conceptuais sobre a Perturbação do Déficit de Atenção

Localização: Relicário de Sons Rua Rodrigues Sampaio 19b Lisboa. Aspectos conceptuais sobre a Perturbação do Déficit de Atenção 1. Perturbação do Déficit de Atenção e Hiperactividade: compreender para melhor tratar Objectivo: Situar a Perturbação do Déficit de Atenção, o seu diagnóstico para além do tratamento clínico, terapêutico,

Leia mais

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP DEMÊNCIAS Medicina Abril 2007 Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP Queixa de memória, autocrítica excessiva depressão, ansiedade efeito de doença sistêmica ou medicação envelhecimento

Leia mais

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X HOMENS: apresenta um X e um Y XY sexo heterogamético o seus gametas serão metade com cromossomo X e metade com cromossomo Y MULHER: apresenta dois X XX sexo homogamético

Leia mais

BENEFÍCIOS DA FISIOTERAPIA NA FUNCIONALIDADE DE IDOSOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA.

BENEFÍCIOS DA FISIOTERAPIA NA FUNCIONALIDADE DE IDOSOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. BENEFÍCIOS DA FISIOTERAPIA NA FUNCIONALIDADE DE IDOSOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA. Yasmin Stefanny Batista de Oliveira¹; Gabriela Ingrid Ferreira do Nascimento²; Estefany Caroliny

Leia mais

Dr. Cláudio Meneghello Martins Médico Psiquiatra Presidente do CELPCYRO Secretário Regional Sul ABP Chefe do Serviço de Psiquiatria HMIPV

Dr. Cláudio Meneghello Martins Médico Psiquiatra Presidente do CELPCYRO Secretário Regional Sul ABP Chefe do Serviço de Psiquiatria HMIPV Dr. Cláudio Meneghello Martins Médico Psiquiatra Presidente do CELPCYRO Secretário Regional Sul ABP Chefe do Serviço de Psiquiatria HMIPV www.claudiomartins.med.br claudiomartins@terra.com.br Professor

Leia mais

MANEJO DO ALCOOLISMO ENCERRAMENTO E AVALIAÇÃO

MANEJO DO ALCOOLISMO ENCERRAMENTO E AVALIAÇÃO III MÓDULO MANEJO DO ALCOOLISMO ENCERRAMENTO E AVALIAÇÃO 2016 ESCALA CIWA AR 1) Implementação da escala CIWA-ar foi associada à diminuição da incidência de delirium tremensfonte: http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/119197

Leia mais

A PRÁTICA DE MEDITAÇÃO PODE ALIVIAR DÉFICITS COGNITIVOS DA DOENÇA DE ALZHEIMER

A PRÁTICA DE MEDITAÇÃO PODE ALIVIAR DÉFICITS COGNITIVOS DA DOENÇA DE ALZHEIMER A PRÁTICA DE MEDITAÇÃO PODE ALIVIAR DÉFICITS COGNITIVOS DA DOENÇA DE ALZHEIMER www.institutonanocell.org.br /a-pratica-de-meditacao-pode-aliviar-deficits-cognitivos-da-doenca-de-alzheimer/ A PRÁTICA DE

Leia mais

Capacitação Multidisciplinar Continuada. TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO (TDA-TDAH) e NEURODESENVOLVIMENTO

Capacitação Multidisciplinar Continuada. TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO (TDA-TDAH) e NEURODESENVOLVIMENTO Capacitação Multidisciplinar Continuada TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO (TDA-TDAH) e NEURODESENVOLVIMENTO TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO Os conflitos que começam a surgir quando uma criança não consegue

Leia mais

DOENÇA DE ALZHEIMER - 1a. Parte

DOENÇA DE ALZHEIMER - 1a. Parte DOENÇA DE ALZHEIMER - 1a. Parte Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Uma, em cada 10 pessoas maiores de 80 anos será portadora da Doença

Leia mais

VIVER BEM SEU RAMIRO JARBAS E AS DOENÇAS CEREBROVASCULARES DOENÇAS CEREBROVASCULARES

VIVER BEM SEU RAMIRO JARBAS E AS DOENÇAS CEREBROVASCULARES DOENÇAS CEREBROVASCULARES 1 VIVER BEM SEU RAMIRO JARBAS E AS DOENÇAS CEREBROVASCULARES DOENÇAS CEREBROVASCULARES 2 3 Conheça o seu Ramiro Jarbas. Ele já se aposentou e sua vida não é mais tão agitada como antes. Hoje, suas maiores

Leia mais

AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DO IDOSO. Maria do Socorro Simões

AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DO IDOSO. Maria do Socorro Simões AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DO IDOSO Maria do Socorro Simões Em que se diferencia a avaliação fisioterapêutica em idosos? SÍNDROMES GERIÁTRICAS condições multifatoriais que ocorrem quando efeitos cumulativos

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO

SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO SÍNDROME DE ASPERGER E AUTISMO CASTRO.M.B. 1 ; MARRONI.N.M.O. 2 ; FARIA.M.C.C. 3 ; RESUMO A Síndrome de Asperger é uma desordem pouco comum, ou seja, um grupo de problemas que algumas crianças tem quando

Leia mais

Como atender um paciente com queixa de memória Prof Vitor Tumas

Como atender um paciente com queixa de memória Prof Vitor Tumas Como atender um paciente com queixa de memória Prof Vitor Tumas Pacientes com queixa de memória são comuns em ambulatórios clínicos. Estudos na comunidade mostram que a queixa é muito comum em todas as

Leia mais

Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil Gabinete Nacional da Ordem DeMolay

Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil Gabinete Nacional da Ordem DeMolay Supremo Conselho da Ordem DeMolay para a República Federativa do Brasil Gabinete Nacional da Ordem DeMolay Ano DeMolay 2016/2017 Depressão não é frescura O QUE É DEPRESSÃO? De acordo com o doutor em psicobiologia

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA ASSISTÊNCIA PRESTADA AO IDOSO PORTADOR DO MAL DE ALZHEIMER: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA ASSISTÊNCIA PRESTADA AO IDOSO PORTADOR DO MAL DE ALZHEIMER: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O PAPEL DA ENFERMAGEM NA ASSISTÊNCIA PRESTADA AO IDOSO PORTADOR DO MAL DE ALZHEIMER: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ana Karollaine da Silva 1 ; Angelo Daniel Alves Teixeira da Silva 1 ; Izabela Maia Barros

Leia mais

Aprendizado & Memória

Aprendizado & Memória Aprendizado & Memória Por que esta aula é importante para o curso de Medicina? Comum após concussão, alcoolismo crônico, encefalite, tumor cerebral e AVC. Demências: Doença de Alzheimer's Doença de Parkinson

Leia mais

Promover a qualidade de vida dos doentes e familiares com Fibromialgia e Doenças Crónicas, através do desenvolvimento de projectos que implementem a

Promover a qualidade de vida dos doentes e familiares com Fibromialgia e Doenças Crónicas, através do desenvolvimento de projectos que implementem a Promover a qualidade de vida dos doentes e familiares com Fibromialgia e Doenças Crónicas, através do desenvolvimento de projectos que implementem a criação de práticas, para a formação e desenvolvimento

Leia mais

MEMÓRIA. Drª Andressa Chodur - Terapeuta Ocupacional Mestre em comportamento Motor UFPR / Capacitada em Oficina da Memória

MEMÓRIA. Drª Andressa Chodur - Terapeuta Ocupacional Mestre em comportamento Motor UFPR / Capacitada em Oficina da Memória MEMÓRIA Drª Andressa Chodur - Terapeuta Ocupacional Mestre em comportamento Motor UFPR / Capacitada em Oficina da Memória Andressa Knetsiki, Jessica Fiais de Mello, Letícia D. V. de Alleluia Estagiárias

Leia mais

AGITAÇÃO PSICOMOTORA. Karoline Senna Juliana Suzano Gabriela Vieira Orientador: Dr. Alexandre Pereira

AGITAÇÃO PSICOMOTORA. Karoline Senna Juliana Suzano Gabriela Vieira Orientador: Dr. Alexandre Pereira AGITAÇÃO PSICOMOTORA Karoline Senna Juliana Suzano Gabriela Vieira Orientador: Dr. Alexandre Pereira CONCEITO Estado de excitação mental e de atividade motora aumentada, associada a uma experiência subjetiva

Leia mais

Em algum lugar. Reflexões - Primeiros Passos. Ana Maria Tabet de Oliveira

Em algum lugar. Reflexões - Primeiros Passos. Ana Maria Tabet de Oliveira 59 Reflexões - Primeiros Passos Em algum lugar Ana Maria Tabet de Oliveira - O senhor acha sua vida vazia? - Não, de forma alguma. Somos de uma família bem posicionada socialmente, meu pai é um funcionário

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Até recentemente o Transtorno Bipolar era conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva. É um transtorno no qual ocorrem alternâncias do humor, caracterizando-se por períodos

Leia mais

ALZHEIMER E OS IMPACTOS NEUROPATOLÓGICOS

ALZHEIMER E OS IMPACTOS NEUROPATOLÓGICOS ALZHEIMER E OS IMPACTOS NEUROPATOLÓGICOS 2012 Valéria Barreto de Pinho Graduanda em psicologia - Centro Universitário Jorge Amado. Salvador-Ba (Brasil) E-mail de contato: valeria.bpinho@gmail.com RESUMO

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Resumo Clínico - Demência

Resumo Clínico - Demência Resumo Clínico - Demência Introdução A demência é caracterizada por declínio cognitivo ou modificações comportamentais (neuropsiquiátricas) em relação a um nível prévio de desempenho que causa perda da

Leia mais

Roteiro para elaboração e apresentação de estudos de casos clínicos

Roteiro para elaboração e apresentação de estudos de casos clínicos Roteiro para elaboração e apresentação de estudos de casos clínicos Caros estudantes, Apresentamos a seguir um roteiro que tem o objetivo de ajudá-los a se preparar para a elaboração, apresentação e discussão

Leia mais

Síndrome Alcoólica Fetal

Síndrome Alcoólica Fetal Síndrome Alcoólica Fetal O que é a Síndrome Alcoólica Fetal (SAF)? A SAF é o transtorno mais grave do espectro de desordens fetais alcoólicas (fetal alcohol spectrum disorders FASD) e constitui um complexo

Leia mais

Demência associada ao HIV

Demência associada ao HIV Demência associada ao HIV A complicação do SNC mais comum é um comprometimento cognitivo de gravidade suficiente para justificar o diagnóstico de demência (Centers for Disease Control and Prevention; CDCP

Leia mais

NEUROPSICOLOGIA BÁSICA

NEUROPSICOLOGIA BÁSICA NEUROPSICOLOGIA BÁSICA Prof. Dr. Sergio Fernando Zavarize sergio.fernando.zavarize@gmail.com PLANO DE ENSINO EMENTA: Proporcionar ao aluno uma visão da Neuropsicologia como uma das áreas de abrangência

Leia mais

MAGNÉSIO DIMALATO. FÓRMULA MOLECULAR: C4H6Mg2O7. PESO MOLECULAR: 396,35 g/mol

MAGNÉSIO DIMALATO. FÓRMULA MOLECULAR: C4H6Mg2O7. PESO MOLECULAR: 396,35 g/mol MAGNÉSIO DIMALATO FÓRMULA MOLECULAR: C4H6Mg2O7 PESO MOLECULAR: 396,35 g/mol Importante para mais de 300 processos biológicos no organismo, o magnésio é um mineral essencial utilizado na síntese de proteínas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 1 - JUSTIFICATIVA A cada dia cresce a expectativa de que os profissionais da área da Psicologia possam oferecer para a população em geral,

Leia mais

ALUMÍNIO COMO FATOR DE RISCO PARA A DOENÇA DE ALZHEIMER. da Saúde) Saúde)

ALUMÍNIO COMO FATOR DE RISCO PARA A DOENÇA DE ALZHEIMER. da Saúde) Saúde) ALUMÍNIO COMO FATOR DE RISCO PARA A DOENÇA DE ALZHEIMER Bianca Nascimento Mendes 1, Adryany Vaz Soares 1, Amanda Félix E. Peixoto 1, Wanderson Teixeira da Silva 1, Ana Cláudia Alves de Oliveira Santos

Leia mais