Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade)"

Transcrição

1 Relatório do inquérito aplicado aos Docentes Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) 1

2 UAL, Ano lectivo de 2007/2008 2

3 Índice 1. Estrutura do questionário 1.1. Resultados do Alpha de Cronbach. 2.Caracterização do Universo 2.1.Caracterização do corpo docente 2.2.Cruzamentos pertinentes 3.Caracterização da Amostra 4.Posição em relação à UAL, Departamento (s) e Curso (s) 5. Avaliação dos alunos 6. Unidade (s) Curricular (es) 7. Autoavaliação do Professor 8. Horas de Trabalho 9. Análise de Conteúdo 10. Conclusões Índice de quadros e gráficos Quadro 1 Quadro 2 Quadro 3 Quadro 4 Quadro 5: Grau Académico * Anos de leccionação na UAL Quadro 6: Grau Académico * Categoria Profissional Quadro 7: Anos de leccionação na UAL * Categoria Profissional Quadro 8: Grau Académico Quadro 9: Curso (s) Quadro 10: Categoria Profissional Quadro 11: Anos de leccionação na UAL Quadro 12: Cursos * Grau Académico Quadro 13 Categoria Profissional * Anos de leccionação na UAL Quadro 14: Categoria Profissional * Grau Académico Quadro 15: Cursos * Apreciação Global Quadro 16: Cruzamentos: Cursos * Apreciação global dos alunos Quadro 17 Cruzamentos: Cursos * Adequação a Bolonha Quadro 18: Cursos * Qualidade da Avaliação Contínua Quadro 19: Cursos * Autoavaliação global

4 Quadro 20: Cursos * Total de horas de trabalho Quadro 21 Categorias da análise de conteúdo Gráfico 1: Grau Académico Gráfico 2: Categoria profissional Gráfico 3: Antiguidade na UAL Gráfico 4: Percepção dos indivíduos em relação à UAL, departamento (s) e cursos (s) Gráfico 5: avaliação dos alunos Gráfico 6: Unidades Curriculares Gráfico 7: Autoavaliação do professor Gráfico 8: Horas de trabalho

5 Inquérito Anual aos Docentes Relatório O presente relatório pretende dar conta dos resultados obtidos através da aplicação dos questionários aos docentes que leccionam no 2º semestre na Universidade Autónoma de Lisboa. Trata-se de um procedimento que dá continuidade ao processo iniciado no presente ano lectivo com a aplicação do questionário semestral para alunos em avaliação contínua. Os questionários foram aplicados on-line, através da plataforma moodle Questionnaire, e pretendem, globalmente, aferir a opinião dos docentes sobre os meios académicos, pedagógicos e administrativos da universidade. O relatório divide-se em sete partes: 1ª- Estrutura do questionário; 2ª- Caracterização do Universo; 3ª- Caracterização da Amostra; 4ª- Posição em relação à UAL Departamento (s) e Curso (s); 5ª- Avaliação dos alunos; 6ª- Unidades Curriculares; 7ª- Autoavaliação do professor; 8ª- Horas de trabalho; 9ª- Análise de conteúdo; 10ª- Conclusões. 1. Estrutura do questionário O questionário para docentes permaneceu on-line entre 1 de Abril e 31 de Maio. Responderam ao questionário 43 docentes num universo de 208, referenciados para leccionar no 2º semestre do presente ano lectivo, o que corresponde a uma taxa de cobertura de 21%. O questionário compreende, grosso modo, sete partes identificadas que apresentamos, em articulação com o teste Alpha de Cronbach,, que visa medir a coerência interna das escalas que compõem cada parte do questionário. 5

6 A 1ª Parte compreende um conjunto de questões de caracterização geral: Grau Académico; Curso ou cursos onde lecciona; Categoria Profissional; Anos de leccionação na UAL. A segunda parte compreende um conjunto de questões que visa aferir a opinião global dos docentes em relação à Universidade, tendo em conta o(s) departamentos(s) e o(s) curso(s) e que corresponde aos seguintes pontos: Comunicação interna; Apoio pedagógico e Administrativo à actividade docente; Apoio à investigação; Motivação para a progressão na carreira académica; Apreciação global. Constata-se que estes itens, ligados à segunda parte do questionário, se articulam entre si e a escala em conjunto possui robustez interna, o que pode ser aferido pelo índice 0, 9 do teste Cronbach s Alpha. Quadro 1 Cronbach s Alpha N. Itens 0,9 5 A 3ª parte procura identificar a opinião global dos docentes em relação aos seus alunos, sendo composta por uma escala com cinco tópicos: Os alunos revelam capacidade para se informar; Os alunos são interessados e participativos; Os alunos revelam espírito crítico; Os alunos apreendem bem o conteúdo da (s) disciplina (s); Apreciação global Também esta escala revela robustez interna como se pode aferir pela tabela seguinte que dá conta do resultado do Cronbach s Alpha. 6

7 Quadro 2 Cronbach's Alpha N. Itens 0,8 5 A 4ª parte pretende aferir a posição dos docentes em relação às unidades curriculares que leccionam e decompõe-se em cinco pontos: Qualidade da avaliação contínua; Adequação a Bolonha; Condições das salas de aulas; Quantidade de alunos; Cumprimento do programa. O índice do teste Cronbach Alpha apresenta um valor de 0,7 revelador de alguma robustez interna. Quadro 3 Cronbach's N of Alpha Itens 0,7 5 A 5ª parte pretende que o docente realize a sua autoavaliação de acordo com os cinco itens enunciados: Fomento do espírito crítico nos alunos; Participação nos órgãos académicos; Publicações regulares; Preparação das aulas; Autoavaliação. A análise permite constatar que o índice que decorre do teste Cronbach Alpha revela dispersão dos valores da escala com 0,6 o que significa que cada item da escala vale por si e não pela sua integração numa escala coesa. 7

8 Quadro 4 Cronbach's Alpha N. Itens 0,6 5 A 6ª parte pretende aferir o n.º de horas de trabalho semanais, fora das sessões de contacto, que o docente dedica à sua actividade. Decompõe-se em seis itens: Atendimento aos alunos; Correcção de testes; Orientação de trabalhos de grupo; Análise de relatórios e outros trabalhos individuais de alunos; Total de horas de contacto. Finalmente a sétima parte é composta por um comentário a ser categorizado no âmbito da análise de conteúdo categorial temática e posteriormente tratado em SPSS a partir das respectivas unidades de enumeração Resultados do Alpha de Cronbach. O Alpha de Cronbach permite validar o questionário de avaliação dos docentes, Verifica-se que existe, ao nível interno das escalas, robustez interna. Tal situação só não se verificou na parte 5 do questionário. Os docentes dispunham, para cada um dos itens em análise, de um leque de opções em relação à qual se pronunciavam a partir da seguinte escala valorativa: 1 Mau/ Discordo completamente, 2 Fraco/ Discordo bastante, 3 Razoável/ Concordo, 4 Bom/ Concordo bastante, 5 - Muito Bom/ Concordo completamente. 8

9 2. Caracterização do Universo Neste campo procederemos a uma caracterização universo composto por 208 docentes que leccionam no 2º Semestre na Universidade Autonoma de Lisboa. Esta caracterização será desenvolvida no que respeita aos seguintes parâmetros: grau académico, curso, categoria profissional e anos de leccionação. A análise consiste, numa primeira parte, numa caracterização do universo Docentes que leccionam no 2º semestre na Universidade Autónoma de Lisboa - em termos percentuais e no que respeita à categoria profissional, grau académico e antiguidade na UAL. Posteriormente importa aferir a articulação entre itens através de tabelas cruzadas. Neste contexto serão efectuados os seguintes cruzamentos: Grau Académico * Anos de leccionação na UAL Grau Académico * Categoria Profissional Anos de leccionação na UAL * Categoria Profissional Posteriormente serão restituídos os resultados obtidos pela aplicação do questionário Caracterização do corpo docente Constata-se que existe uma distribuição relativamente homogénea do corpo docente no que respeita aos graus de doutor, mestre e licenciado, sendo os licenciados maioritários logo seguidos dos mestres. De ressaltar o elevado n.º de doutorandos revelador de uma propensão significativa do corpo docente para se qualificar e evoluir na carreira. Gráfico 1: Grau Académico Agregado Doutor Doutorand o Mestre Mestrando Licenciad o Técnico 1 21,6 16,8 24,5 5,3 28,8 1,9 Fonte: Recursos Humanos da UAL,

10 No que respeita ao grau académico verifica-se que os assistentes são predominantes logo seguidos dos professores auxiliares. Os professores catedráticos são minoritários no corpo docente da UAL. Gráfico 2: Categoria profissional Assistente P.Auxiliar P. Associado P. Catedrático 43,8 39,4 11,5 5,3 Fonte: Recursos Humanos da UAL, 2008 O corpo docente tem maioritariamente 1 a 10 anos de antiguidade na UAL, sendo também de considerar a categoria 16 a 20 anos com 20% de respostas. Gráfico 3: Antiguidade na UAL anos 6.10 anos anos anos + de 20 anos ,9 20,2 12,5 Fonte: Recursos Humanos da UAL,

11 2.2. Cruzamentos pertinentes Com o objectivo de avaliar a pertinência entre itens foi realizada uma análise dupla que se apresenta através de tabelas cruzadas, esta análise pretende aferir a pertinência entre itens procurando analisar as tendências gerais que se obtêm pelo cruzamento de dois itens. Neste sentido foram realizados os seguintes cruzamentos que relembramos: Grau Académico * Anos de leccionação na UAL Grau Académico * Categoria Profissional Anos de leccionação na UAL * Categoria Profissional Constata-se que a maioria dos doutores e licenciados lecciona na UAL num período de tempo entre 1 a 5 anos. Os mestres e agregados encontram-se há mais tempo: num período entre um 6 a 10 anos e entre 16 a 20 anos. Quadro 5: Grau Académico * Anos de leccionação na UAL Grau Académico Anos de leccionação na UAL Total a 20 Mais de 20 Agregado Doutorado Doutorando Mestre Mestrando Licenciado Técnico Total Fonte: Recursos Humanos da UAL, 2008 Constata-se que na maioria dos casos o grau académico coincide com a categoria profissional, a maior discrepância encontra-se entre os licenciados que se encontram por vezes na categoria de professor auxiliar, professor associado e professor catedrático, em menor número esta discrepância também se encontra entre os mestres, mestrandos e doutorandos. Tal situação pode coincidir com uma análise curricular, paralela ao grau académico. 11

12 Quadro 6: Grau Académico * Categoria Profissional Grau Categoria Profissional Total Académico Assistente Professor Auxiliar Professor Associado Professor Catedrático Agregado Doutorado Doutorando Mestre Mestrando Licenciado Técnico Total Fonte: Recursos Humanos da UAL, 2008 A análise do cruzamento da categoria profissional com a antiguidade na UAL revela e reforça as tendências anteriores de que a população docente da UAL é relativamente jovem, por comparação com a idade da universidade, o que revela uma renovação clara de uma parte do seu corpo docente. Esta tendência manifesta-se em todas as categorias profissionais e prende-se em parte com a abertura de novos cursos e o encerramento de outros, durante este período. Verifica-se que as categorias profissionais onde se encontram docentes mais antigos são a de assistente e a de professor auxiliar o que é natural pois são estas as categorias profissionais predominantes na universidade. Quadro 7: Anos de leccionação na UAL * Categoria Profissional Anos de Categoria Profissional Total leccionação na UAL Assistente Professor Auxiliar Professor Associado Professor Catedrático a Mais de Total Fonte: Recursos Humanos da UAL,

13 3. Caracterização da Amostra Neste ponto, como referimos, será efectuada uma referência às percentagens e frequências obtidas através da resposta ao questionário. Todo o processo exposto será acompanhado de procedimentos estatísticos: cruzamentos considerados pertinentes para aferir a articulação entre itens. Assim foram realizados os seguintes cruzamentos: Cursos * Grau Académico Categoria Profissional * Anos de leccionação na UAL Categoria Profissional * Grau Académico Cursos * Apreciação Global Cursos * Apreciação global dos alunos Cursos * Adequação a Bolonha Cursos * Qualidade da Avaliação Contínua Cursos * Autoavaliação global Constatamos que a maioria dos professores que responderam ao questionário possuem licenciatura mas contudo, estão muito próximos dos mestres e dos doutores. Quadro 8: Grau Académico Grau Académico Frequência Percentagem Licenciatura 16 37,2 Mestrado 14 32,6 Doutoramento 13 30,2 Total ,0 Constatamos também que a maioria dos inquiridos se encontra ligada aos cursos de Ciências Tecnológicas logo seguidos do curso de Ciências da Comunicação. Nove inquiridos encontram-se ligados a vários cursos. 13

14 Quadro 9: Curso (s) Curso (s) Frequênci a Percentage m Vários 9 20,9 Arquitectura 1 2,3 Ciências da 10 23,3 Comunicação Ciências Tecnológicas 16 37,2 Psicologia 4 9,3 Relações 2 4,7 Internacionais Sociologia 1 2,3 Total ,0 A Categoria Profissional predominante é a de assistente seguida de professor auxiliar o que se relaciona com as categorias profissionais dominantes na UAL. Quadro 10: Categoria Profissional Categoria Profissional Frequência Percentagem Assistente 18 41,9 Professor Auxiliar 13 30,2 Professor Associado 3 7,0 Professor Catedrático 2 4,7 Professor Convidado 1 2,3 Total 37 86,0 nr 6 14,0 Total ,0 O conjunto de inquiridos encontra-se na UAL há vários anos sendo os intervalos 6 a 10 anos e 11 a 15 os mais classificados, logo seguidos do intervalo mais de 20. Quadro 11: Anos de leccionação na UAL Anos de leccionação na UAL Frequência Percentagem , , ,6 16 a ,6 Mais de ,9 Total ,0 14

15 Para analisar as articulações entre itens pertinentes foi elaborada uma tabela cruzada, que articula o grau académico e os cursos. Assim constata-se que os Mestres e Doutores predominam nos docentes que se encontram ligados a vários cursos. Porém na generalidade é o grau de licenciado e de mestre que predomina nos respondentes numa análise discriminada por cursos. Quadro 12: Cursos * Grau Académico Cursos Grau Académico Total Licenciatura Mestrado Doutoramento Vários Arquitectura Ciências da Comunicação Ciências Tecnológicas Psicologia Relações Internacionais Sociologia Total Constata-se que grande parte dos docentes se encontra na UAL há mais de 11 anos sendo significativa a percentagem de respondentes que afirma encontrar-se na UAL há mais de 20 anos, no entanto verifica-se que a categoria de professor auxiliar e de assistente são predominantes. Quadro 13: Categoria Profissional * Anos de leccionação na UAL Cursos Anos de leccionação na UAL Total a 20 Mais de 20 Assistente Professor Auxiliar Professor Associado Professor Catedrático Professor Convidado Total

16 A ideia referida no cruzamento anterior reforça-se quando analisamos a articulação entre categoria profissional e grau académico, com o grau de licenciado e mestre a predominar mesmo no que respeita aos professores auxiliares. Quadro 14: Categoria Profissional * Grau Académico Categoria Profissional Grau Académico Total Licenciatura Mestrado Doutorament Licenciatura o Assistente Professor Auxiliar Professor Associado Professor Catedrático Professor Convidado Total Posição em relação à UAL, Departamento (s) e Curso (s) Pretendemos neste ponto analisar a percepção dos indivíduos em relação à UAl, departamento (s) e cursos (s). Neste contexto foram avaliados os seguintes itens que relembramos: Comunicação interna e apoio administrativo Apoio pedagógico Apoio dado à investigação Apoio à progressão na carreira Avaliação global Verifica-se que a maioria dos inquiridos classifica entre razoável e boa a comunicação interna, classificam, maioritariamente, como bom o apoio administrativo. Globalmente o conjunto de itens é maioritariamente avaliado como razoável logo seguido de bom. Destaca-se o apoio à investigação e o apoio à evolução na carreira que se encontram classificados entre o mau e o razoável. 16

17 Gráfico 4: Percepção dos indivíduos em relação à UAL, departamento (s) e cursos (s) Com Int 2,3 18,6 37,2 30,2 11,6 Apoio ,6 44,2 16,3 Investigação 16,3 27,9 30,2 18,6 4,7 Carreira 16,3 25,6 32,6 18,6 7 Global 4,7 9,3 41,9 37,2 7 Como constatámos a apreciação global da UAL, departamento (s) e cursos (s). oscila entre o razoável e o bom. Numa análise mais fina, descriminando os cursos, verifica-se que esta constatação se mantém nos cursos de Ciências da Comunicação e Psicologia, oscila para o razoável nos cursos de Ciências Tecnológicas e para o muito bom no curso de Relações Internacionais. Quadro 15: Cursos * Apreciação Global Cursos Apreciação Global Total Mau/Discor do completam ente Fraco/ discordo Razoável/ concordo Bom/Conco rdo bastante Muito bom/ Concordo completamen te Vários Arquitectura Ciências da Comunicação Ciências Tecnológicas Psicologia Relações Internacionai s Sociologia Total

18 5. Avaliação dos alunos Este ponto convida os docentes a realizarem uma avaliação dos seus alunos em termos globais. Neste contexto foram avaliados os seguintes itens que relembramos: Capacidade para se informar Interesse Espírito critico Apreensão da matéria Avaliação global Constata-se que os docentes classificam como razoáveis os seus alunos e esta avaliação revela-se uma tendência maioritária em todos os itens em análise. A excepção vai para os itens espírito crítico e apreensão da matéria que são tendencialmente classificados como bons. Destaca-se também, a fraca expressão do muito bom e do mau. Gráfico 5: avaliação dos alunos Inf. 2,3 18,6 46,5 27,9 4,7 Interesse 7 48,8 39,5 4,7 Espcrit 2,3 18,6 37,2 41,9 Apreender 4,7 41,9 51,2 2,3 apglobal 4,7 53,5 39,5 2,3 O quadro 17 que descrimina a avaliação global por curso reforça, grosso modo, as tendências demonstradas no gráfico anterior. Com efeito os docentes ligados a vários cursos, os docentes de Ciências da Comunicação e dos cursos de Ciências Tecnológicas avaliam globalmente os seus alunos com razoável. Os docentes de Psicologia oscilam entre o razoável e o bom e os docentes de Relações internacionais classificam os alunos maioritariamente no bom. 18

19 Quadro 16: Cruzamentos: Cursos * Apreciação global dos alunos Cursos Apreciação global dos alunos Total Fraco/ discordo Razoável/ concordo Bom/ Concordo bastante Muito bom/ Concordo completamente Vários Arquitectura Ciências da Comunicação Ciências Tecnológicas Psicologia Relações Internacionais Sociologia Total Unidade (s) Curricular (es) Este ponto convida os docentes a realizarem uma avaliação das unidades curriculares que leccionam. Neste contexto foram avaliados os seguintes itens que relembramos: Qualidade da avaliação Adequação a Bolonha Qualidade das salas Quantidade de alunos Programa Constatamos que as Unidades Curriculares são maioritariamente classificadas com bom logo seguido do razoável. O processo de Avaliação contínua e os conteúdos programáticos reúnem algum consenso, sendo classificados com bom em termos maioritários com 51,2%. 19

20 Gráfico 6: Unidades Curriculares Avaliação 34,9 51,2 11,6 Bolonha 9,2 32,6 39,5 18,6 Salas 4,7 20,9 30,2 39,5 4,7 NºAlunos 9, ,9 32,6 9,3 Programa 2,3 2,3 51,2 44,2 Uma análise mais fina sobre a adequação a Bolonha cruzada com os cursos permite verificar que os docentes ligados a vários cursos classificam o processo de adequação a Bolonha maioritariamente como bom. O curso de Ciências da Comunicação e de Ciências tecnológicas oscilam entre o bom e o razoável na sua avaliação da adequação a Bolonha, a Psicologia encontra-se maioritariamente no razoável, e as Relações Internacionais encontram-se no bom e muito bom, a Sociologia encontra-se também no razoável. Quadro 17 Cruzamentos: Cursos * Adequação a Bolonha Cursos Adequação a Bolonha Total Fraco/Disco rdo Razoável/ Concordo Bom/Concord o bastante Muito bom/ Concordo completamente Vários Arquitectura Ciências da Comunicação Ciências Tecnológicas Psicologia Relações Internacionais Sociologia Total

21 Mais consensual parece ser a análise sobre a qualidade da avaliação contínua que se classifica como boa pela maioria dos cursos com destaque para Ciências da Comunicação e Ciências tecnológicas. Os docentes que responderam no curso de Psicologia classificam maioritariamente o processo avaliativo iniciado com Bolonha como razoável. Quadro 18: Cursos * Qualidade da Avaliação Contínua Cursos Qualidade da Avaliação contínua Total Razoável/ concordo Bom/Concordo bastante Muito bom/ Concordo completamen te Vários Arquitectura Ciências da Comunicação Ciências Tecnológicas Psicologia Relações Internacionais Sociologia Total Autoavaliação do Professor Este ponto convida os docentes a realizarem a sua própria avaliação. Foram avaliados os seguintes itens que relembramos: Capacidade para fomentar espírito critico Assiduidade e pontualidade Participação nos órgãos académicos Publicações Autoavaliação global Verifica-se que os docentes se autoavaliam se forma bastante positiva com as classificações maioritárias de muito bom e com alguma expressão do bom a excepção vai para os itens assiduidade e Participação nos órgãos académicos que se classificam entre o 21

22 fraco e o razoável maioritariamente. A avaliação global é maioritariamente boa, valor que não coincide inteiramente com os itens acima avaliados. Gráfico 7: Autoavaliação do professor Critico 7 28,6 62,8 Assiduidade 9,3 16,3 20,9 30,2 20,9 Participação 18,6 23,3 16,3 27,9 14 Publicações 2,3 37,2 60,5 Global 7 74,4 18,6 A análise cruzada da autoavaliação global por curso permite verificar que esta é maioritariamente boa, em todos os cursos Quadro 19: Cursos * Autoavaliação global Cursos Auto-avaliação global Total Razoável/ Concordo Bom/Concordo bastante Muito bom/ Concordo completamente Vários Arquitectura Ciências da Comunicação Ciências Tecnológicas Psicologia Relações Internacionais Sociologia Total

23 8. Horas de Trabalho O item 6 pretende aferir o total de horas de trabalho despendidas pelos docentes na preparação e leccionação das unidades curriculares, neste sentido foi utilizada a seguinte escala: 1 A 3 horas 4 A 5 horas 6 A 7 horas 8 A 9 horas Mais de 9 horas Verifica-se que a maioria dos docentes despende mais de 9 horas semanais na preparação e leccionação das unidades curriculares, verifica-se também que a correcção de testes e relatórios, bem como as orientações constituem as actividades em que os docentes utilizam a maior parte do tempo. Gráfico 8: Horas de trabalho a 3 4 a 5 6 a 7 8 a 9 mais de 9 Aulas 18, ,9 25,6 14 Atendimento 44,2 30,2 11,6 11,6 2,3 Testes 18,6 18,6 25, ,9 Orientações 27,9 25,6 34,9 9,3 2,3 Análise de relatórios 14 18,6 27,9 27,9 11,6 Total 9,3 11,6 37,2 41,9 23

24 Verifica-se que os docentes de Ciências da Comunicação, de Ciências Tecnológicas e de Psicologia são os que despendem maior n.º total de horas na preparação e leccionação das unidades curriculares. Quadro 20: Cursos * Total de horas de trabalho Cursos Total de horas de trabalho Total 4 a 5 horas 6 a 7 horas 8 a 9 horas Mais de nove horas Vários Arquitectura Ciências da Comunicação Ciências Tecnológicas Psicologia Relações Internacionais Sociologia Total Análise de Conteúdo O questionário contempla um campo aberto: Comentários e sugestões a serem tratados futuramente que convida os docentes a desenvolver alguns pontos que considerem relevante e que não estejam devidamente considerados no questionário por este ser composto de questões fechadas. Verificamos que foram realizados 21 comentários agregados nas seguintes categorias: Categoria 1: Aspectos relacionados com a concepção do questionário que originou 4 comentários; Categoria 2: Dinâmicas pedagógicas que produziu 7 comentários. Categoria 3 : Condições de trabalho que produziu 10 comentários; 24

25 Categoria 1: A análise do questionário e os contributos no sentido de o tornar um instrumento mais avaliativo produziram as seguintes subcategorias: Análise por unidades curriculares (1 referência); Análise por diurno e pós-laboral (1 referência); Insuficiência da escala para descriminar as horas de trabalho semanais (1 referência); Escala com quatro pontos(1 referência). É possível analisar estas categorias a partir dos seguintes exemplos retirados do corpus: Especificar mais algumas questões do questionário; permitir uma análise diferenciada por Unidade Curricular; não existindo uma separação no inquérito para diferenciar os alunos do turno diurno e do pós laboral, essa avaliação torna-se difícil fazer globalmente Categoria 2: A análise da segunda categoria prende-se com a noção das condições académicas e pedagógicas de trabalho e originou as seguintes subcategorias: Valorização e apoio ao corpo docente (4 referências); Melhor coordenação entre Unidades curriculares (2 referências); Investimento no multimédia (1 referência); Mais apoio à investigação; (3 referências) Estas categorias podem ser decompostas a partir dos seguintes exemplos qualitativos: Mais apoio ao corpo docente, bem como a sua valorização. Acho necessário investir em Investigação, para que ela se mantenha, caso contrário temo pela sua extinção na área das Tecnologias!!! 25

26 Categoria 3: A terceira categoria prende-se com as condições de trabalho e decompõe-se nas subcategorias seguintes: Turmas com menos alunos (2 referências); Melhores salas de aula (1 referência); Gestão das salas de computadores (1 referência); Existências de gabinetes individuais para docentes (3 referências). É possível analisar estas categorias a partir dos seguintes exemplos retirados do corpus: Formação de turmas com menos alunos, melhoria das condições das salas de aulas ; Sugestão: Turmas de 40 alunos no máximo. Melhores condições para o professor fazer investigação. A Universidade deveria implementar a existência de férias sabáticas para preparação de manuais de estudo e outras investigações, apoiar a investigação para obtenção de graus académicos de nível superior. A análise exposta pode ser sistematizada pela visualização do quadro que se segue que permite concluir que o maior número de comentários respeita às questões ligadas às questões académicas e pedagógicas que preenchem 48% do discurso, seguindo-se as condições de trabalho que ocupam 33% do discurso, por fim a análise critica dos aspectos formais do questionário preenchem 19% do discurso: 26

27 Quadro n.º 21 Categorias da análise de conteúdo Categorias Sub-categorias N.º % Concepção do questionário Análise por Unidades curriculares 1 Análise por diurno e P/L 1 19 descriminar as horas de trabalho semanais 1 Escala com quatro pontos 1 Condições académicas e pedagógicas Valorização e apoio ao corpo docente 4 Melhor coordenação entre Unidades curriculares 2 48 Investimento no multimédia 1 Mais apoio à investigação 3 Condições de trabalho Turmas com menos alunos 2 Melhores salas de aula 1 33 Gestão das salas de computadores 1 Gabinetes individuais para docentes 3 Total Conclusões Em suma podemos concluir que o corpo docente da UAL tem realizado um esforço razoável para se qualificar, e que pode ser aferido a partir do n.º de doutorandos que fazem parte do conjunto. Esta análise demonstra que neste ponto a amostra se encontra enviesada ao apontar para alguma estaticidade na sua evolução. Também não há coincidência na antiguidade na UAL entre o universo e a amostra o que no faz supor que a maioria dos respondentes do questionário fazem parte da população docente mais antiga da universidade. Nos restantes ponto de caracterização da amostra podemos assumir alguma conformidade em relação ao universo. As questões avaliativas apresentam uma tendência geral para o razoável. 27

28 Destacamos a avaliação desfavorável realizada pelos docentes no que respeita ao apoio à evolução na carreira e ao apoio à investigação, aspectos aliás reforçados nos comentários qualitativos do questionário. Tal situação merece, a nosso ver, pela importância que assume num quadro de avaliação externa, alguma resposta por parte da Universidade no sentido de apoiar os docentes nestes dois campos. Destacamos também a auto-avaliação boa que os docentes realizam e também a avaliação boa que realizam aos processos de avaliação pedagógica. Bolonha, até provavelmente pela mudança que implica no quadro de uma população estavelmente cristalizada na sua situação, com é a população universitária é classificada com razoável. 28

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto PolitécnicodeBeja ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégico Maio2010 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Relatório de Monitorização Pedagógica

Relatório de Monitorização Pedagógica Relatório de Monitorização Pedagógica Inquérito aos Alunos do 1º Ciclo 2011/2012 1º Semestre Janeiro 2012 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a

Leia mais

Categoria Profissional

Categoria Profissional 1. Taxa de resposta Todos os docentes convidados a participar no inquérito responderam ao mesmo, tendo-se obtido assim uma taxa de resposta de 100%. 2. Situação profissional dos docentes Categoria Profissional

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares... 4 1º Semestre - Resultados

Leia mais

NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01386 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Maiêutica Cooperativa De Ensino Superior,

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Proposta de Alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo

Proposta de Alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo Proposta de Alteração da Lei de Bases do Sistema Educativo Parecer da Federação Académica do Porto A participação de Portugal na subscrição da Declaração de Bolonha em Junho de 1999 gerou para o Estado

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS RELATÓRIO DE ANÁLISE AOS INQUÉRITOS DE INGRESSO DOS NOVOS ALUNOS

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

Relatório Questionário on-line

Relatório Questionário on-line Associação Portuguesa dos Gestores e Técnicos dos Recursos Humanos Seminário: Novos Caminhos, Novos Desafios da Formação Certificada Relatório Questionário on-line Relatório 1. Introdução e Objectivos

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL Duarte Albuquerque Carreira, Coordenador editorial da revista Pessoal (da.carreira@moonmedia.info) João d Orey, Diretor Executivo da

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação do pedido Versão 1.0 março de 2015 0. Âmbito do guião e síntese

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN Por deliberação do Conselho Cientifico da FDUAN de 11 de Dezembro de 2001 e Julho de 2002, foram aprovadas as bases gerais

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

Relatório. Formação Profissional 2012

Relatório. Formação Profissional 2012 Relatório Formação Profissional 2012 Ficha técnica Relatório Formação Profissional 2012 Edição: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Data de publicação: Setembro de 2013 Tipo de Publicação:

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS

Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS No prosseguimento da política de qualidade da ESCS, foram realizados, no início do ano lectivo 2011/2012 e à semelhança do que aconteceu no ano anterior,

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DOCENTE INSTITUCIONAL 2012-2014 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

ANÁLISE DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DOCENTE INSTITUCIONAL 2012-2014 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ELETRÔNICA 2014 NOTA EXPLICATIVA: I A metodologia de análise dos dados relativos à Avaliação Institucional Eletrônica /2014 considerou: a) os dados gerais da instituição, visando

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho ÍNDICE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 3 INSCRIÇÕES E NÚMERO

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Sistema de Avaliação dos Cursos de Formação. em Competências TIC Nível 1

Sistema de Avaliação dos Cursos de Formação. em Competências TIC Nível 1 Centro de Formação de Associação de Escolas Porto Ocidental Sistema de Avaliação dos Cursos de Formação em Competências TIC Nível 1 Pessoal Docente Pág. 1/6 Introdução Esta avaliação dos formandos docentes

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 - Preâmbulo O trabalho desenvolvido assentou no referencial 2006-2011 da Inspeção-Geral da Educação, nomeadamente o Quadro de referência para

Leia mais

Análise Matemática II

Análise Matemática II Página Web 1 de 7 Análise Matemática II Nome de utilizador: Arménio Correia. (Sair) LVM AM2_Inf Questionários INQUÉRITO ANÓNIMO» AVALIAÇÃO de AM2 e dos DOCENTES Relatório Ver todas as Respostas View Todas

Leia mais

Comunicações científicas... 17 Actividades de colaboração com outras instituições... 17 PESO E COEFICIENTE DE AJUSTAMENTO... 18 Peso das fichas...

Comunicações científicas... 17 Actividades de colaboração com outras instituições... 17 PESO E COEFICIENTE DE AJUSTAMENTO... 18 Peso das fichas... ÍNDICE PREÂMBULO... 3 DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Definições... 4 Objecto... 5 Âmbito de aplicação... 5 Principais áreas de actividades... 5 Principais áreas científicas... 5 Utilidade dos resultados da avaliação...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN Novembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

O NOVO REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE SEGURO. Concepção e Tutoria: Dr.ª Cátia Marisa Gaspar e Dr.ª Maria Manuela Ramalho

O NOVO REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE SEGURO. Concepção e Tutoria: Dr.ª Cátia Marisa Gaspar e Dr.ª Maria Manuela Ramalho O NOVO REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE SEGURO WORKSHOP I O CONTRATO DE SEGURO: PARTE GERAL 1ª Edição 1 de Fevereiro de 2010 Curso on line (formação a distância) CICLO DE CURSOS DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Organizado

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se a todos os docentes da Faculdade de Teologia

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

Auditoria e Fiscalização de Contas

Auditoria e Fiscalização de Contas Auditoria e Fiscalização de Contas Docente: António Samagaio Contactos: ISEG Departamento de Gestão Morada: Gabinete 314, Rua Miguel Lupi n.º 20, 1249 078 Lisboa Telefone directo: 21 392 59 99 Email: antonio.samagaio@iseg.utl.pt

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS

Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares (ECTS - european credit transfer system) no IPS Nos termos do artigo 11º do Decreto-Lei nº 42/2005, de

Leia mais

3 - A avaliação do desempenho docente, a que se refere a alínea c) do número anterior, rege-se por Regulamento específico.

3 - A avaliação do desempenho docente, a que se refere a alínea c) do número anterior, rege-se por Regulamento específico. REGULAMENTO INTERNO DA CARREIRA DOCENTE DA ESG/ ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objeto 1 - O presente Regulamento define o conjunto de critérios a observar na Escola Superior

Leia mais

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706 Edgar Rocha Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 71-76 Nota sobre a população activa agrícola do sexo feminino, segundo o Recenseamento e segundo o Inquérito Permanente ao Emprego : em busca de 3 mulheres

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA

SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO ENSINO Inquérito aos alunos das licenciaturas 2006/2007 SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA - Relatório - António Caetano (Coord.) Sílvia Silva Francisco Nunes Generosa do Nascimento

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Agosto 08 de Comunicação e Design Multimédia 08 ÍNDICE 1. Introdução 5 2. População e Amostra 5 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO 156 AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO COLABORADORES 1 RELATÓRIO FINAL 2012 ÍNDICE Nota Introdutória 3 Resultados obtidos Avaliação Geral 3 Avaliação por questão 5 Tabela de Sugestões apresentadas e respetivas ações

Leia mais

Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Universidade Europeia

Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Universidade Europeia Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Docentes da Universidade Europeia CAPITULO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto 1. O presente regulamento tem como objectivo definir o processo de avaliação

Leia mais

Gestão do Lazer e Animação Turística Apresentação do curso

Gestão do Lazer e Animação Turística Apresentação do curso Gestão do Lazer e Animação Turística Apresentação do curso Francisco Silva francisco.silva@eshte.pt Director do Curso de Gestão do Lazer e Animação Turística Maio 2011 ESHTE Curso de Gestão do Lazer e

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Ano Lectivo 2007/2008 Junho de 2009 ÍNDICE Objectivos do Relatório Fases de Elaboração do Relatório Universo do Relatório

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING Universidade Portucalense Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING APROVADAS NO CONSELHO CIENTÍFICO 9 _2009 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009

Leia mais