Relatório de Monitorização Pedagógica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Monitorização Pedagógica"

Transcrição

1 Relatório de Monitorização Pedagógica Inquérito aos Alunos do 1º Ciclo 2011/2012 1º Semestre Janeiro 2012

2 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade Núcleo de Estudos e Avaliação 2

3 ÍNDICE RESULTADOS-CHAVE INTRODUÇÃO E METODOLOGIA CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA PERCURSO ACADÉMICO SATISFAÇÃO GERAL COM AS UNIDADES CURRICULARES, OS DOCENTES E O EMPENHO DO PRÓPRIO NAS UC OPINIÃO SOBRE AS UNIDADES CURRICULARES PERCEÇÃO DAS ESTRATÉGIAS PRÓPRIAS DE APRENDIZAGEM OPINIÃO SOBRE AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS DOCENTES SISTEMATIZAÇÃO DA OPINIÃO DOS ALUNOS SOBRE OS COMENTÁRIOS/SUGESTÕES

4 4

5 RESULTADOS-CHAVE 1. O Inquérito aplicado no final do primeiro semestre do ano letivo 2011/2012 incidiu sobre os seguintes aspetos: percurso académico; satisfação com as UC, os docentes e o empenho do próprio nas UC; opinião sobre a qualidade das UC e das práticas pedagógicas dos docentes e perceção das estratégias de aprendizagem dos próprios alunos. 2. Participaram no inquérito 4104 alunos, o que corresponde a 94 do universo. 3. No que diz respeito à situação dos inquiridos enquanto alunos há a salientar os seguintes números: frequência do curso em regime diurno(88) estatuto de trabalhador-estudante (14,9) deslocado da área de residência habitual (11,9) com apoio dos Serviços de Ação Social (24,2) reprovação a alguma unidade curricular do curso atual (50,7) reprovação a algum ano do curso atual (30) 4. O Inquérito contempla os seguintes indicadores de satisfação geral: Satisfação com as UC (75,4) Satisfação com os docentes (79,7) Satisfação com o seu próprio empenho nas UC (72,6) 5. A opinião geral sobre as UC que os alunos frequentaram é globalmente positiva: as UC permitiram aprender muitos conhecimentos novos (86,1) as UC contribuíram para o desenvolvimento do sentido crítico e espírito reflexivo (76,4) as matérias das UC estão bem articuladas com os conhecimentos adquiridos noutras UC (73,5) o número de horas de contacto/aulas nas UC é adequado (82,3) o número de horas de trabalho autónomo é adequado (76,5) 6. No que diz respeito à perceção das estratégias de aprendizagem, os resultados revelam que os alunos: vão regularmente às aulas (73,7) participam nas discussões das aulas (45,3) procuram bibliografia sobre os temas abordados (48,8) 5

6 7. A opinião geral acerca das práticas pedagógicas dos docentes é bastante positiva: esclarecem as dúvidas de forma adequada (78,9) expõem com clareza as matérias lecionadas (78) estimulam o interesse dos alunos pela UC (68,7) 8. Apresentam-se no quadro seguinte os resultados observados nos indicadores de satisfação. Síntese dos resultados da satisfação por curso e escola (1º semestre de 2011/2012) (Escala: 0 nada satisfeito;10 muitíssimo satisfeito) Satisfação com as UC Satisfação com os docentes Satisfação com o empenho individual ISCTE-IUL (Média geral) 6,8 7,2 6,6 CURSO Antropologia 7,5 7,9 7,1 Arquitetura 6,9 7,1 7,0 Ciência Política 6,9 7,4 6,8 Economia 6,8 7,3 6,4 Engenharia de Telecomunicações e Informática 6,4 6,9 6,2 Engenharia Informática 6,5 7,0 6,0 Finanças e Contabilidade 6,9 7,1 6,7 Gestão 6,7 7,2 6,6 Gestão de Marketing 6,7 7,3 6,8 Gestão de Recursos Humanos 6,7 7,2 6,8 Gestão e Engenharia Industrial 6,5 6,7 6,3 História Moderna e Contemporânea 6,7 7,3 6,5 Informática e Gestão de Empresas 6,4 7,0 6,3 Psicologia 7,3 7,8 6,9 Serviço Social 7,3 8,2 7,1 Sociologia 6,8 7,4 6,8 ESCOLA Escola de Ciências Sociais e Humanas (ECSH) 7,3 7,7 6,9 Escola de Gestão (IBS) 6,7 7,1 6,6 Escola de Sociologia e Políticas Públicas (ESPP) 6,9 7,6 6,8 Escola de Tecnologias e Arquitetura (ISTA) 6,5 7 6,4 6

7 1. INTRODUÇÃO E METODOLOGIA 1. O Inquérito de Monitorização Pedagógica do primeiro semestre de 2011/2012 foi aplicado durante os meses de novembro e dezembro de 2011, no qual se obteve uma taxa de participação de No presente relatório analisa-se a opinião dos alunos do primeiro semestre dos 16 cursos de 1º ciclo que estiveram em funcionamento no ano letivo de 2011/2012. A análise incide somente sobre os aspetos globais ou agregados. A análise específica das unidades curriculares (UC) e dos docentes cabe a cada departamento/escola, a quem serão enviados os respetivos dados. O relatório compreende 8 secções: (1) introdução e metodologia; (2) caracterização da amostra; (3) percurso académico; (4) satisfação com as UC, os docentes e o empenho do próprio nas UC; (5) opinião sobre a qualidade das unidades curriculares; (6) perceção das estratégias de aprendizagem dos próprios alunos; (7) opinião sobre as práticas pedagógicas dos docentes e (8) sistematização da opinião dos alunos sobre os comentários/sugestões. 3. O tratamento dos dados obedeceu a uma estratégia que contempla a análise descritiva de todos os indicadores relativos às diversas vertentes acima referidas, segmentados por três variáveis de caracterização que se consideram nucleares tendo em atenção os objetivos do relatório (o curso de pertença, a escola que gere o curso e o ano que o aluno frequenta). Uma vez que este relatório tem um caráter global, os dados relativos às UC, aos docentes e às estratégias de aprendizagem dos alunos foram considerados em geral (sem especificação das UC e docentes respetivos). Neste sentido, na parte do relatório sobre UC, estratégias próprias de aprendizagem e docentes as análises tiveram por base o número total de respostas apresentadas pelos 3919 alunos que responderam ao questionário. 4. Para facilitar a leitura dos resultados optou-se, nos casos em que se afigurou relevante, por se apresentar as medianas, as médias e as frequências relativas correspondentes aos níveis das escalas utilizadas (os níveis de cada escala estão explicitados em cada Quadro de resultados). Uma vez que nem todos os alunos responderam a todas as UC em que estavam inscritos e respetivos docentes, as frequências apresentadas dizem respeito às respostas válidas, indicando-se por essa razão o respetivo total em cada item. Este critério foi seguido em todas secções. Foram realizadas análises de variância pelas variáveis curso e ano curricular, considerando-se apenas como efetivamente diferentes as médias dos grupos com homogeneidade das variâncias e 7

8 com um nível de significância igual ou inferior a.05 (critérios aferidos pelo teste estatístico de Scheffé). Tendo por base estes critérios, as análises de variância por curso e ano curricular não revelaram diferenças estatisticamente significativas em nenhuma das médias da opinião dos alunos sobre os vários indicadores analisados no presente relatório. 8

9 2. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA De acordo com os elementos disponíveis, os 16 cursos de 1º ciclo do ISCTE-IUL foram frequentados no primeiro semestre de 2011/2012 por 4364 alunos. Participaram no inquérito 4104 alunos, o que corresponde a 94 do universo. Deste número, 185 alunos optaram por responder que não respondiam ao conteúdo do questionário. Assim, este foi respondido anonimamente por 3919 alunos, o que corresponde a 89,8 do universo. 9

10 No Quadro 2.1. apresenta-se a distribuição do universo e da amostra pelos cursos. Quadro 2.1. Caracterização do universo e da amostra segundo o curso Curso Universo Amostra Amostra/ N n Universo () A. Antropologia 227 5, ,6 83,3 Diurno 165 3, ,4 84,2 Pós-Laboral 62 1,4 50 1,2 80,6 B. Arquitetura (1ºciclo) 195 4, ,3 90,8 C. Ciência Política 150 3, ,2 86,7 D. Economia 342 7, ,3 87,4 E. Engenharia de Telecomunicações e Informática ,4 86,9 Diurno 259 5, ,5 86,5 Pós-Laboral 92 2, F. Engenharia Informática 235 5, ,3 92,3 G. Finanças e Contabilidade ,9 93,1 H. Gestão , ,9 I. Gestão de Marketing 145 3, ,9 82,8 J. Gestão de Recursos Humanos 157 3, ,5 92,4 K. Gestão e Engenharia Industrial 154 3, ,4 90,3 L. História Moderna e Contemporânea 115 2, ,5 89,6 M. Informática e Gestão de Empresas ,9 92,6 Diurno 293 6, ,7 93,5 Pós-Laboral 100 2,3 90 2,2 90 N. Psicologia 268 6, ,4 O. Serviço Social 70 1,6 67 1,6 95,7 P. Sociologia , ,6 89,5 Diurno 370 8, ,9 Pós-Laboral 118 2, ,6 91,5 NR ( Respondeu que não respondia ) ,5 --- Total Os dados apresentados no Quadro 2.1 mostram que os cursos em que houve maior participação na resposta ao inquérito foram: Serviço Social, Informática e Gestão de Empresas (Diurno) e Finanças e Contabilidade. 10

11 No Quadro 2.2. apresenta-se a distribuição do universo e da amostra pelas diferentes escolas do ISCTE-IUL. Quadro 2.2. Distribuição das escolas 1 no universo e na amostra Escola Universo Amostra N n Escola de Ciências Sociais e Humanas (ECSH) , ,9 Escola de Gestão (IBS) ,2 Escola de Sociologia e Políticas Públicas (ESPP) , ,8 Escola de Tecnologias e Arquitetura (ISTA) , ,1 Total No Quadro 2.3. apresenta-se a distribuição da amostra segundo o ano frequentado pelos respondentes. Quadro 2.3. Caracterização da amostra segundo o ano Ano Curricular Amostra N 1º ano ,4 2º ano ,5 3º ano º ano 44 1,1 Total Uma vez que a licenciatura em Economia é tutelada por 2 escolas (ECSH e IBS) os alunos deste curso foram distribuídos em 50 por cada uma delas. 11

12 No Quadro 2.4. pode observar-se a distribuição dos respondentes segundo o sexo e a idade, sendo a amostra maioritariamente constituída por alunos do sexo masculino (53,3) e por alunos com idades compreendidas entre os 17 e os 24 anos (85,1). Quadro 2.4. Caracterização da amostra segundo o sexo e a idade SEXO N Masculino ,3 Feminino ,7 Total IDADE 17 anos 60 1,5 18 anos ,3 19 anos ,8 20 anos ,2 21 anos ,2 22 anos 322 8,2 23 anos 175 4,5 24 anos 132 3,4 25 a 29 anos 285 7,3 30 a 34 anos 94 2,4 35 a 39 anos 59 1,5 40 a 44 anos 47 1,2 45 a 49 anos 45 1,1 50 ou mais anos 53 1,4 Não respondeu 1,0 Total

13 Para além das variáveis de caráter demográfico procurou-se conhecer a situação dos inquiridos enquanto alunos (Quadro 2.5.). A maioria dos inquiridos (88) frequenta o curso em regime diurno, 14,9 têm o estatuto de trabalhador-estudante, 11,9 encontram-se deslocados da área de residência habitual e 24,2 recebem algum apoio dos Serviços de Ação Social. Quadro 2.5. Situação como aluno(a) SIM (N=3919) Frequenta o curso em regime Diurno? (Manhã e Tarde) 88 Tem estatuto de trabalhador-estudante? 14,9 Encontra-se deslocado(a) da sua área de residência habitual devido à frequência do curso no ISCTE-IUL? Recebe algum apoio dos Serviços de Ação Social (ex: bolsa de estudo, isenção de propinas)? 11,9 24,2 13

14 3. PERCURSO ACADÉMICO Em termos de percurso académico, procurou-se saber qual a percentagem de alunos que reprovaram a alguma unidade curricular ou que reprovaram algum ano do curso que frequentam atualmente (Quadro 3.1). Os resultados revelam que 50,7 dos respondentes reprovaram a alguma unidade curricular e 30 reprovaram algum ano do curso atual. Quadro 3.1. Situação como aluno(a) (N= 3919) SIM () Já reprovou a alguma UC do curso atual? 50,7 Já reprovou algum ano do curso atual? 30 Os resultados apresentados no Quadro 3.2 mostram que, dos alunos que reprovaram a alguma UC, a maior percentagem corresponde àqueles que reprovaram até duas UC (35,6). Quadro 3.2. Número de unidades curriculares a que já reprovou no curso atual (N=1987) 1 UC 19,6 2 UC 16 3 UC 11,8 4 UC 12,7 5 UC 8,4 6 UC 7,4 7 UC 5,7 8 UC 5,1 9 UC 3,1 10 UC 2,4 11 UC 1,9 12 ou mais UC 5,9 14

15 Relativamente à reprovação de ano no curso atual, verifica-se que, do total de alunos que já reprovaram (1175), 62,2 dos alunos reprovaram um ano e 37,8 reprovaram 2 ou mais anos. A análise por curso (Quadro 3.3) revelou que os cursos em que os inquiridos tiveram a maior taxa de reprovações em UC foram os alunos de Engenharia de Telecomunicações e Informática (61,6), Economia (59,2) e Engenharia Informática (59). Por sua vez, aqueles em que, na presente amostra, se verifica menor número de reprovações são Serviço Social (14,9) e Ciência Política (36,9). Quadro 3.3. Reprovação em Unidades Curriculares no curso atual, segundo o curso (Percentagens em linha) Curso Sim (n) Sim () Antropologia (n=189) 72 38,1 Arquitetura (n=177) 66 37,3 Ciência Política (n=130) 48 36,9 Economia (n=299) ,2 Engenharia de Telecomunicações e Informática (n=305) ,6 Engenharia Informática (n=217) Finanças e Contabilidade (n=243) ,7 Gestão (n=739) ,4 Gestão de Marketing (n=120) Gestão de Recursos Humanos (n=145) 73 50,3 Gestão e Engenharia Industrial (n=139) 81 58,3 História Moderna e Contemporânea (n=103) 58 56,3 Informática e Gestão de Empresas (n=364) ,5 Psicologia (n=245) ,2 Serviço Social (n=67) 10 14,9 Sociologia (n=437) ,7 15

16 No que diz respeito ao ano curricular (Quadro 3.4), verifica-se que os inquiridos do 4º ano são aqueles que apresentam uma maior taxa de reprovações em UC (88,6). Quadro 3.4. Reprovação em Unidades Curriculares no curso atual, segundo o ano curricular (Percentagens em linha) Ano Curricular Sim (n) Sim () 1º Ano (n=1582) ,9 2º Ano (n=1236) ,8 3º Ano (n=1057) ,8 4º Ano (n=44) 39 88,6 16

17 Verifica-se que a reprovação de ano no curso atual (Quadro 3.5) aconteceu com 52,8 dos inquiridos do curso de Engenharia de Telecomunicações e Informática, 48,8 dos inquiridos do curso de Engenharia Informática e 42,3 dos inquiridos do curso de Informática e Gestão de Empresas. Os cursos em que a taxa de reprovação em algum ano do curso atual é menor são os cursos de Serviço Social (3), Gestão de Marketing (10) e Psicologia (18,8). Quadro 3.5. Reprovação de ano no curso atual, segundo o curso (Percentagens em linha) Curso Sim (n) Sim () Antropologia (n=189) Arquitetura (n=177) 54 30,5 Ciência Política (n=130) 25 19,2 Economia (n=299) ,1 Engenharia de Telecomunicações e Informática (n=305) ,8 Engenharia Informática (n=217) ,8 Finanças e Contabilidade (n=243) 75 30,9 Gestão (n=739) ,7 Gestão de Marketing (n=120) Gestão de Recursos Humanos (n=145) 36 24,8 Gestão e Engenharia Industrial (n=139) 43 30,9 História Moderna e Contemporânea (n=103) 25 24,3 Informática e Gestão de Empresas (n=364) ,3 Psicologia (n=245) 46 18,8 Serviço Social (n=67) 2 3 Sociologia (n=437) 99 22,7 17

18 A análise por ano curricular (Quadro 3.6) revela que são os alunos do 4º ano que têm uma taxa de reprovação de ano no curso atual mais elevada (63,6). Quadro 3.6. Reprovação de ano no curso atual, segundo o ano curricular (Percentagens em linha) Ano Curricular Sim (n) Sim () 1º Ano (n=1582) ,4 2º Ano (n=1236) ,6 3º Ano (n=1057) ,5 4º Ano (n=44) 28 63,6 18

19 4. SATISFAÇÃO GERAL COM AS UNIDADES CURRICULARES, OS DOCENTES E O EMPENHO DO PRÓPRIO NAS UC O Inquérito contempla vários indicadores de satisfação geral: satisfação geral com as UC, satisfação geral com os docentes e satisfação geral com o empenho do próprio nas UC (Quadro 3.1). Globalmente, 75,4 estão satisfeitos ou muito satisfeitos com as UC, 79,7 estão satisfeitos ou muito satisfeitos com os docentes e 72,6 estão satisfeitos ou muito satisfeitos com o seu próprio empenho nas UC. Quadro 4.1. Percentagens da satisfação com as UC, os docentes e o empenho do próprio nas UC (Escala: 0 nada satisfeito(a);10 muitíssimo satisfeito(a)) Satisfação geral com as UC (n=14928) Satisfação geral com os docentes (n=17370) Satisfação geral com o empenho do próprio nas UC (n=14850) 1,1,5 1,5 2,6 4,4 14, ,4 7 1,4,7 1,7 2,4 3,7 10,4 10,2 17,6 21,1 15,5 15,3 1,4,6 1,5 2,6 4,9 16, ,3 21,3 8,9 5,1 Nota: Uma vez que nem todos os alunos responderam a todas as UC em que estavam inscritos e respetivos docentes, as frequências apresentadas dizem respeito às respostas válidas, indicando-se por essa razão o respetivo total em cada item. 19

20 Numa escala de zero a dez, os resultados revelam um bom nível médio de satisfação com as UC (M=6,8), com os docentes (M=7,2) e com o empenho do próprio nas UC (M=6,6) (Quadro 4.2). A correlação entre a satisfação com as UC e a satisfação com o empenho do próprio nas UC é positiva e significativa (r=.66, p<.00). Quadro 4.2. Médias da satisfação com as UC, os docentes e o empenho do próprio nas UC nos últimos anos letivos (Escala: 0 nada satisfeito(a);10 muitíssimo satisfeito(a)) Média (2008/2009) 1º Sem. Média (2008/2009) 2º Sem. Média (2009/2010) 1º Sem. Média (2009/2010) 2º Sem. Média (2010/2011) 1º Sem. Média (2010/2011) 2º Sem. Média (2011/2012) 1º Sem. Satisfação geral com as UC Satisfação geral com os docentes Satisfação geral com o empenho do próprio nas UC 6,5 6,4 6,6 6,5 6,7 6,6 6,8 7,1 7 7,1 7,1 7,3 7,2 7,2 6,3 6,4 6,5 6,3 6,6 6,5 6,6 20

21 A análise do grau de satisfação segundo os cursos (ver Gráficos 4.1, 4.2, e 4.3) mostra que: Os inquiridos de Antropologia, Arquitetura, Ciência Política, Finanças e Contabilidade, Psicologia e Serviço Social têm um nível de satisfação com as UC tendencialmente acima da média geral. Os inquiridos de Antropologia, Ciência Política, Economia, Gestão de Marketing, História Moderna e Contemporânea, Psicologia, Serviço Social e Sociologia têm um nível de satisfação com os docentes tendencialmente acima da média geral. Os inquiridos de Antropologia, Arquitetura, Ciência Política, Finanças e Contabilidade, Gestão de Marketing, Gestão de Recursos Humanos, Psicologia, Serviço Social e Sociologia têm um nível de satisfação com o empenho individual nas UC tendencialmente acima da média geral. Gráfico 4.1. Médias da satisfação com as UC segundo o curso ,5 7,3 7,3 6,8 7 6,8 6,9 6,9 6,8 6,4 6,5 6,9 6,7 6,7 6,7 6,5 6,7 6, ISCTE-IUL Antropologia Arquitetura Ciência Política Economia Engenharia de Telecomunicações e Informática Engenharia Informática Finanças e Contabilidade Gestão Gestão de Marketing Gestão de Recursos Humanos Gestão e Engenharia Industrial História Moderna e Contemporânea Informática e Gestão de Empresas Psicologia Serviço Social Sociologia 21

22 Gráfico 4.2. Médias da satisfação com os docentes segundo o curso ,2 7,9 7,1 7,4 7,3 6,9 7,0 7,1 7,2 7,3 7,2 6,7 7,3 7,0 7,8 8,2 7, ISCTE-IUL Antropologia Arquitetura Ciência Política Economia Engenharia de Telecomunicações e Informática Engenharia Informática Finanças e Contabilidade Gestão Gestão de Marketing Gestão de Recursos Humanos Gestão e Engenharia Industrial História Moderna e Contemporânea Informática e Gestão de Empresas Psicologia Serviço Social Sociologia 22

23 Gráfico 4.3. Médias da satisfação com o empenho do próprio nas UC segundo o curso ,6 7,17,0 6,9 7,1 6,8 6,7 6,6 6,8 6,8 6,8 6,4 6,2 6,3 6,5 6,3 6, ISCTE-IUL Antropologia Arquitetura Ciência Política Economia Engenharia de Telecomunicações e Informática Engenharia Informática Finanças e Contabilidade Gestão Gestão de Marketing Gestão de Recursos Humanos Gestão e Engenharia Industrial História Moderna e Contemporânea Informática e Gestão de Empresas Psicologia Serviço Social Sociologia 23

24 A análise segundo as diferentes escolas do ISCTE-IUL (ver Gráficos 4.4, 4.5 e 4.6) mostra que: os inquiridos da ECSH e da ESPP têm um nível de satisfação com as UC tendencialmente acima da média geral. os inquiridos da ECSH e da ESPP têm um nível de satisfação com os docentes tendencialmente acima da média geral. os inquiridos da ECSH e da ESPP têm um nível de satisfação com o empenho individual tendencialmente acima da média geral. Gráfico 4.4. Médias da satisfação com as UC segundo as escolas ,8 7,3 6,7 6,9 6, ISCTE-IUL ECSH IBS ESPP ISTA 24

25 Gráfico 4.5. Médias da satisfação com os docentes segundo as escolas ,2 7,7 7,1 7, ISCTE-IUL ECSH IBS ESPP ISTA Gráfico 4.6. Médias da satisfação com o empenho do próprio nas UC segundo as escolas ,6 6,9 6,6 6,8 6, ISCTE-IUL ECSH IBS ESPP ISTA 25

26 A análise segundo o ano frequentado (ver Gráficos 4.7, 4.8 e 4.9) mostra que: Os inquiridos do 3º ano e do 4º ano têm um nível de satisfação com as UC tendencialmente acima da média geral. Os inquiridos do 1º ano, 3º ano e do 4º ano têm um nível de satisfação com os docentes tendencialmente acima da média geral. Os inquiridos do 3º ano e do 4º ano têm um nível de satisfação com o empenho individual nas UC tendencialmente acima da média geral. Gráfico 4.7. Médias da satisfação com as UC segundo o ano que frequenta ,8 6,8 6,9 7,0 6,7 ISCTE-IUL 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano Gráfico 4.8. Médias da satisfação com os docentes segundo o ano que frequenta ,2 7,3 7,1 7,3 7,3 ISCTE-IUL 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 26

27 Gráfico 4.9. Médias da satisfação com o empenho do próprio nas UC segundo o ano que frequenta ,6 6,5 6,5 6,9 7,0 ISCTE-IUL 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 27

28 5. OPINIÃO SOBRE AS UNIDADES CURRICULARES A última parte do inquérito incide sobre as unidades curriculares específicas frequentadas pelos alunos no primeiro semestre. A opinião dos alunos incide sobre cada uma das UC que frequentou, sobre as suas próprias estratégias de aprendizagem em cada UC e sobre a sua perceção acerca das práticas pedagógicas do(s) docente(s) das UC. Termina com a sua opinião sobre os aspetos positivos e a melhorar. Com o objetivo de captar uma perspetiva geral sobre as centenas de UC, decidiu-se agregar os cinco indicadores correspondentes (iguais) em cada unidade curricular que se apresentam nos Quadros 5.1. e Assim, independentemente das diferenças entre unidades curriculares e docentes, nesta secção e nas duas seguintes apresenta-se uma análise geral com base em agregação de indicadores. Como se pode observar no Quadro 5.1. e no Quadro , a opinião geral sobre as UC que os alunos frequentaram no primeiro semestre é globalmente positiva. Para 86,1 dos inquiridos, as UC permitiram aprender muitos conhecimentos novos, 76,4 dos alunos consideram que as UC contribuíram para o desenvolvimento do seu sentido crítico e espírito reflexivo e para 73,5 dos inquiridos as matérias das UC estão bem articuladas com os conhecimentos adquiridos noutras UC. Quadro 5.1. Medianas, médias e percentagens da opinião sobre as unidades curriculares frequentadas no primeiro semestre (Escala: 1 discordo totalmente; 5 concordo totalmente) Mediana Média As UC permitem aprender muitos conhecimentos novos (n=15053) As UC contribuem para o desenvolvimento do sentido crítico e espírito reflexivo (n=14997) As matérias das UC estão bem articuladas com os conhecimentos adquiridos noutras UC (n=14926) 4 4,2,8 3, , ,4 5,5 16,7 47,3 29,1 4 3,9 1,8 5,8 18,8 49,2 24,3 Nota: Uma vez que nem todos os alunos responderam a todas as UC em que estavam inscritos, as frequências apresentadas dizem respeito às respostas válidas, indicando-se por essa razão o respetivo total em cada item. 28

29 Na opinião da maioria dos inquiridos, nas UC o número de horas de contacto/aulas é adequado (82,3) e nas UC o número de horas de trabalho autónomo é adequado (76,5). Quadro Medianas, médias e percentagens da opinião sobre as unidades curriculares frequentadas no primeiro semestre (Escala: 1 muito reduzido; 5 muito excessivo) Mediana Média Nas UC o número de horas de contacto / aulas é: (n=14874) Nas UC o número de horas de trabalho autónomo é: (n=14692) 3 3,8 9,4 82,3 6, ,1,7 5,6 76,5 13 4,3 Nota: Uma vez que nem todos os alunos responderam a todas as UC em que estavam inscritos, as frequências apresentadas dizem respeito às respostas válidas, indicando-se por essa razão o respetivo total em cada item. O Quadro 5.2 e o Quadro mostram que os resultados da avaliação das UC, por curso, são globalmente positivos. Quadro 5.2. Médias da opinião sobre as unidades curriculares frequentadas no primeiro semestre segundo o curso (Escala: 1 - discordo totalmente; 5 concordo totalmente) MI A B C D E F G H I J K L M N O P As UC permitem aprender muitos conhecimentos novos As UC contribuem para o desenvolvimento do sentido crítico e espírito reflexivo 4,2 4,3 4,2 4,1 4,2 4,1 4,1 4,2 4,1 4,1 4,1 4,1 4,1 4,1 4,3 4,4 4,2 4 4, ,9 3,8 3,9 3,9 3,8 4 3,9 4,1 3,9 4,1 4,3 4,1 As matérias das UC estão bem articuladas com os conhecimentos adquiridos noutras UC 3,9 4,1 3,9 3,9 3,9 3,8 3,8 3,9 3,8 3,7 3,8 3,8 4 3,7 4,1 4,1 4 MI Média do ISCTE-IUL, A - Antropologia, B - Arquitetura, C Ciência Política, D - Economia, E - Engenharia de Telecomunicações e Informática, F - Engenharia Informática, G Finanças e Contabilidade, H - Gestão, I Gestão de Marketing, J - Gestão de Recursos Humanos, K - Gestão e Engenharia Industrial, L - História Moderna e Contemporânea, M - Informática e Gestão de Empresas, N - Psicologia, O Serviço Social, P - Sociologia 29

30 Quadro Médias da opinião sobre as unidades curriculares frequentadas no primeiro semestre segundo o curso (Escala: 1 muito reduzido; 5 muito excessivo) Nas UC o número de horas de contacto / aulas é: Nas UC o número de horas de trabalho autónomo é: MI A B C D E F G H I J K L M N O P 3 3 2, ,9 2, , ,1 3 3,2 3,1 3,2 3,2 3,1 3,1 3,2 3,2 3,2 3,2 3 3,2 3,2 3 3,1 MI Média do ISCTE-IUL, A - Antropologia, B - Arquitetura, C Ciência Política, D - Economia, E - Engenharia de Telecomunicações e Informática, F - Engenharia Informática, G Finanças e Contabilidade, H - Gestão, I Gestão de Marketing, J - Gestão de Recursos Humanos, K - Gestão e Engenharia Industrial, L - História Moderna e Contemporânea, M - Informática e Gestão de Empresas, N - Psicologia, O Serviço Social, P - Sociologia As médias da opinião sobre as unidades curriculares segundo os alunos das diferentes escolas do ISCTE-IUL são apresentadas nos Quadros 5.3. e Quadro 5.3. Médias da opinião sobre as unidades curriculares frequentadas no primeiro semestre segundo as escolas (Escala: 1 - discordo totalmente; 5 concordo totalmente) MI ECSH IBS ESPP ISTA As UC permitem aprender muitos conhecimentos novos As UC contribuem para o desenvolvimento do sentido crítico e espírito reflexivo 4,2 4,3 4,1 4,2 4,1 4 4,2 3,9 4,1 3,9 As matérias das UC estão bem articuladas com os conhecimentos adquiridos noutras UC 3,9 4,1 3,8 4 3,8 Quadro Médias da opinião sobre as unidades curriculares frequentadas no primeiro semestre segundo as escolas (Escala: 1 muito reduzido; 5 muito excessivo) MI ECSH IBS ESPP ISTA Nas UC o número de horas de contacto / aulas é: ,9 Nas UC o número de horas de trabalho autónomo é: 3,1 3,1 3,2 3,1 3,2 30

31 Nos Quadros 5.4. e apresentam-se as médias segundo o ano frequentado pelos inquiridos. Quadro 5.4. Médias da opinião sobre as unidades curriculares frequentadas no primeiro semestre segundo o ano curricular (Escala: 1 - discordo totalmente; 5 concordo totalmente) MI 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano As UC permitem aprender muitos conhecimentos novos 4,2 4,2 4,1 4,1 4,1 As UC contribuem para o desenvolvimento do sentido crítico e espírito reflexivo 4 4 3,9 4 4 As matérias das UC estão bem articuladas com os conhecimentos adquiridos noutras UC 3,9 3,8 3,9 4 3,8 Quadro Médias da opinião sobre as unidades curriculares frequentadas no primeiro semestre segundo o ano curricular (Escala: 1 muito reduzido; 5 muito excessivo) MI 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano Nas UC o número de horas de contacto / aulas é: Nas UC o número de horas de trabalho autónomo é: 3,1 3,1 3,2 3,2 3,4 O Quadro 5.5. apresenta o número de inscrições nas UC, sendo possível constatar que a maioria dos alunos (82,2) apenas fez uma inscrição em cada UC frequentada no primeiro semestre do presente ano letivo. Quadro 5.5. Número de inscrições nas UC Nº Inscrições nas UC N Uma vez ,2 Mais do que uma vez ,8 Total

32 6. PERCEÇÃO DAS ESTRATÉGIAS PRÓPRIAS DE APRENDIZAGEM Utilizaram-se três indicadores para averiguar a perceção de algumas das estratégias de aprendizagem concretizadas pelos alunos. Esses indicadores exprimem uma dimensão de participação nas aulas e outra de trabalho autónomo. De acordo com a perceção dos inquiridos (Quadro 6.1), os resultados relativos às estratégias de participação nas aulas são bastante modestos. Assim, tendo em atenção o conteúdo explícito das âncoras 4 e 5 da escala, verifica-se que 73,7 declaram que vão regularmente às aulas mas apenas 45,3 afirmam que participam nas discussões das aulas. Quanto ao trabalho autónomo, os resultados são igualmente modestos, constatando-se que menos de metade dos alunos (48,8) procura bibliografia sobre os temas abordados. Quadro 6.1. Medianas, médias e percentagens da perceção sobre as estratégias de aprendizagem (Escala: 1 não descreve o meu comportamento, não é nada disto que eu faço; 5 - descreve muito bem o meu comportamento, é mesmo isto que eu faço) Mediana Média Participação nas aulas Vou regularmente às aulas (não faltei a mais do que duas/três) (n=14859) 4 4,1 3,5 5,9 16,8 28,5 45,2 Participo nas discussões das aulas (n=14740) 3 3,4 5,2 13,2 36,4 29,5 15,8 Trabalho autónomo Procurei bibliografia sobre os temas abordados (n=14764) 3 3,4 6,8 13, ,1 16,7 Nota: Uma vez que nem todos os alunos responderam a todas as UC em que estavam inscritos, as frequências apresentadas dizem respeito às respostas válidas, indicando-se por essa razão o respetivo total em cada item. 32

33 No Quadro 6.2 apresentam-se as médias da opinião sobre as estratégias de aprendizagem segundo os cursos frequentados pelos alunos. Quadro 6.2. Médias da perceção sobre as estratégias de aprendizagem segundo o curso (Escala: 1 não descreve o meu comportamento, não é nada disto que eu faço; 5 - descreve muito bem o meu comportamento, é mesmo isto que eu faço) MI A B C D E F G H I J K L M N O P Participação nas aulas Vou regularmente às aulas (não faltei a mais do que duas/três) Participo nas discussões das aulas 4,1 4,1 4,3 4,1 4 3,9 3,8 4,2 4,1 4,2 4,2 3,9 3,8 3,9 4 4,2 4,1 3,4 3,3 3,5 3,4 3,3 3,2 3,1 3,3 3,5 3,6 3,5 3,3 3,3 3,4 3,3 3,6 3,5 Trabalho autónomo Procurei bibliografia sobre os temas abordados 3,4 3,8 3,7 3,7 3,4 3,2 3 3,2 3,2 3,3 3,5 3,2 3,5 3,1 3,6 3,5 3,8 MI Média do ISCTE-IUL, A - Antropologia, B - Arquitetura, C Ciência Política, D - Economia, E - Engenharia de Telecomunicações e Informática, F - Engenharia Informática, G Finanças e Contabilidade, H - Gestão, I Gestão de Marketing, J - Gestão de Recursos Humanos, K - Gestão e Engenharia Industrial, L - História Moderna e Contemporânea, M - Informática e Gestão de Empresas, N - Psicologia, O Serviço Social, P - Sociologia No Quadro 6.3. apresentam-se as médias da opinião sobre as estratégias de aprendizagem segundo as escolas do ISCTE-IUL. Quadro 6.3. Médias da perceção sobre as estratégias de aprendizagem segundo as escolas (Escala: 1 não descreve o meu comportamento, não é nada disto que eu faço; 5 - descreve muito bem o meu comportamento, é mesmo isto que eu faço) MI ECSH IBS ESPP ISTA Participação nas aulas Vou regularmente às aulas (não faltei a mais do que duas/três) 4,1 4 4,1 4,1 4 Participo nas discussões das aulas 3,4 3,3 3,4 3,5 3,3 Trabalho autónomo Procurei bibliografia sobre os temas abordados 3,4 3,6 3,3 3,6 3,3 33

34 As médias da opinião sobre as estratégias de aprendizagem dos alunos entre os vários anos são apresentadas no Quadro 6.4. Quadro 6.4. Médias da perceção sobre as estratégias de aprendizagem segundo o ano curricular (Escala: 1 não descreve o meu comportamento, não é nada disto que eu faço; 5 - descreve muito bem o meu comportamento, é mesmo isto que eu faço) MI 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano Participação nas aulas Vou regularmente às aulas (não faltei a mais do que duas/três) 4,1 4, ,7 Participo nas discussões das aulas 3,4 3,3 3,4 3,5 3,4 Trabalho autónomo Procurei bibliografia sobre os temas abordados 3,4 3,2 3,4 3,6 3,3 34

35 7. OPINIÃO SOBRE AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS DOCENTES A opinião geral acerca das práticas pedagógicas dos docentes é bastante positiva, como se pode observar no Quadro 7.1. Naturalmente, trata-se de resultados agregados gerais, os quais sugerem que haverá casos específicos relativamente aos quais os alunos manifestam opiniões menos positivas mas também excecionalmente positivas. De entre os aspetos mais positivos, há a salientar que os docentes: esclarecem as dúvidas de forma adequada (78,9) expõem com clareza as matérias lecionadas (78) Ainda positivo, embora não tão saliente, há a considerar a seguinte prática pedagógica dos docentes: estimulam o interesse dos alunos pela UC (68,7) Quadro 7.1. Medianas, médias e percentagens da opinião sobre as práticas pedagógicas dos docentes (Escala: 1 nunca ou quase nunca (ou seja, em nenhuma aula); 5 sempre ou quase sempre (ou seja, em quase todas as aulas) Mediana Média Expõe com clareza as matérias da UC (n=17358) 4 4,1 1,6 4,6 15,8 38,1 39,9 Esclarece as dúvidas dos alunos de uma forma adequada (n=17305) 4 4,1 1,5 4,4 15,3 37,1 41,8 Estimula o interesse dos alunos pela UC (n=17265) 4 3,9 3,6 7,8 19,9 34,7 34 Nota: Uma vez que nem todos os alunos responderam a todas as UC em que estavam inscritos e respetivos docentes, as frequências apresentadas dizem respeito às respostas válidas, indicando-se por essa razão o respetivo total em cada item. 35

36 As médias da opinião sobre as práticas pedagógicas dos docentes entre os dezasseis cursos são apresentadas no Quadro 7.2. Quadro 7.2. Médias da opinião sobre as práticas pedagógicas dos docentes segundo o curso (Escala: 1 nunca ou quase nunca (ou seja, em nenhuma aula); 5 sempre ou quase sempre (ou seja, em quase todas as aulas) MI A B C D E F G H I J K L M N O P Expõe com clareza as matérias da UC Esclarece as dúvidas dos alunos de uma forma adequada Estimula o interesse dos alunos pela UC 4,1 4,4 3,9 4,2 4,1 3,9 4 4,1 4,1 4,2 4,1 3,9 4,1 3,9 4,3 4,5 4,2 4,1 4,4 4 4,2 4, ,1 4,1 4,3 4,1 3,9 4,1 4 4,3 4,6 4,2 3,9 4,2 3,8 4 3,9 3,7 3,8 3,8 3,8 3,9 3,8 3,7 3,9 3,7 4,1 4,4 4 MI Média do ISCTE-IUL, A - Antropologia, B - Arquitetura, C Ciência Política, D - Economia, E - Engenharia de Telecomunicações e Informática, F - Engenharia Informática, G Finanças e Contabilidade, H - Gestão, I Gestão de Marketing, J - Gestão de Recursos Humanos, K - Gestão e Engenharia Industrial, L - História Moderna e Contemporânea, M - Informática e Gestão de Empresas, N - Psicologia, O Serviço Social, P - Sociologia No Quadro 7.3. apresentam-se as médias da opinião sobre as práticas pedagógicas dos docentes segundo as escolas do ISCTE-IUL. Quadro 7.3. Médias da opinião sobre as práticas pedagógicas dos docentes segundo as escolas (Escala: 1 nunca ou quase nunca (ou seja, em nenhuma aula); 5 sempre ou quase sempre (ou seja, em quase todas as aulas) MI ECSH IBS ESPP ISTA Expõe com clareza as matérias da UC 4,1 4,3 4,1 4,3 3,9 Esclarece as dúvidas dos alunos de uma forma adequada 4,1 4,3 4,1 4,3 4 Estimula o interesse dos alunos pela UC 3,9 4,1 3,8 4,1 3,8 36

37 As médias da opinião sobre as práticas pedagógicas dos docentes segundo o ano curricular apresentam-se no Quadro 7.4. Quadro 7.4. Médias da opinião sobre as práticas pedagógicas dos docentes segundo o ano do curso (Escala: 1 nunca ou quase nunca (ou seja, em nenhuma aula); 5 sempre ou quase sempre (ou seja, em quase todas as aulas) MI 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano Expõe com clareza as matérias da UC 4,1 4,1 4,1 4,1 4,1 Esclarece as dúvidas dos alunos de uma forma adequada 4,1 4,1 4,1 4,2 4,2 Estimula o interesse dos alunos pela UC 3,9 3,9 3,8 3,9 3,9 37

38 8. SISTEMATIZAÇÃO DA OPINIÃO DOS ALUNOS SOBRE OS COMENTÁRIOS/SUGESTÕES Nesta secção apresentam-se os resultados da análise das respostas à pergunta aberta acerca dos comentários/sugestões que os alunos quisessem salientar. As respostas dos alunos foram divididas em comentários/sugestões: aspetos mais positivos (n=376) e comentários/sugestões: aspetos menos positivos (n=677), as quais foram agrupadas em duas categorias comuns: Docente; Aulas/Matérias e, nos comentários/sugestões menos positivos as respostas foram ainda agrupadas numa outra categoria: Avaliação (Quadro 8.1 e Quadro 8.2, respetivamente). Os resultados apresentados no Quadro 8.1 mostram que a grande maioria dos aspetos positivos salientados pelos alunos incide nos atributos dos docentes, nos quais se destacam: a capacidade pedagógica a clareza e objetividade na exposição das matérias a competência, experiência e domínio da matéria Quadro 8.1. Comentários/Sugestões: Aspetos mais positivos DOCENTE N Capacidade pedagógica 122 Clareza e objetividade na exposição das matérias 84 Competência, experiência e domínio da matéria 77 Disponibilidade para esclarecimento de dúvidas / acompanhamento e apoio aos alunos 50 Relação professor/aluno e bom ambiente nas aulas 14 Possibilidade de intervenção e participação nas aulas 2 Qualidade e disponibilização dos materiais de apoio (ex: e-learning) 2 Subtotal 351 AULAS/MATÉRIAS Aulas dinâmicas, interativas, interessantes e relevantes 18 Aulas práticas / componente prática das aulas e boa articulação com aulas teóricas 7 Subtotal 25 TOTAL

39 Por sua vez, também cerca de metade dos aspetos menos positivos salientados pelos alunos dizem respeito aos docentes (Quadro 8.2), entre os quais se salienta: a falta de clareza e objetividade na exposição das matérias e na definição dos objetivos a competência, profissionalismo e capacidade pedagógica, por parte do docente Quadro 8.2. Comentários/Sugestões: Aspetos menos positivos DOCENTE n Clareza e objetividade na exposição das matérias e na definição dos objetivos 106 Competência, profissionalismo e capacidade pedagógica 57 Relação professor/aluno 41 Disponibilidade para esclarecimento de dúvidas / acompanhamento e apoio aos alunos 37 Interesse e empenho 27 Ritmo das aulas (muito rápido) 22 Assiduidade e pontualidade 22 Qualidade e quantidade do material de apoio e respetiva disponibilização atempadamente (por exemplo, na plataforma de e-learning) 21 Possibilidade de intervenção dos alunos nas aulas / discussões e debates nas aulas 3 Subtotal 336 AULAS/MATÉRIAS Componente prática (mais aulas práticas; maior utilidade para o futuro profissional; mais exercícios e casos práticos nas aulas e respetivas resoluções) 56 Estruturação e organização das matérias e das aulas (ex: aulas dadas em inglês) 42 Volume de trabalho (excessivo) 38 Articulação das matérias com as restantes UC do curso e com a vida real 38 Dinâmica das aulas (sobretudo nas aulas teóricas) 36 Carga horária (insuficiente para a matéria) 21 Interesse e relevância da matéria 19 Horários (mais adequados e flexíveis) 12 Extensão da matéria (excessiva) 10 Articulação entre as aulas teóricas, práticas e práticas laboratoriais 7 Carga horária (excessiva) 5 39

40 Quadro 8.2. Comentários/Sugestões: Aspetos menos Positivos (Cont.) Dimensão das turmas (excessiva) 5 Subtotal 289 AVALIAÇÃO Sistema de Avaliação (maior adequação e coerência com as aulas, excesso de rigor) 41 Melhor Definição dos Trabalhos e Maior Flexibilidade nos respetivos Prazos de Entrega 11 Subtotal 52 TOTAL

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA

SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO ENSINO Inquérito aos alunos das licenciaturas 2006/2007 SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA - Relatório - António Caetano (Coord.) Sílvia Silva Francisco Nunes Generosa do Nascimento

Leia mais

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Período de Referência: Ano letivo 2012/2013 Novembro de 2013 Índice Geral INTRODUÇÃO...1 Capítulo I. Elaboração do Relatório de Autoavaliação...2

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL Dezembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

Resultados do Inquérito aos Docentes e Investigadores sobre a. Reorganização da Rede de Ensino Superior e Financiamento

Resultados do Inquérito aos Docentes e Investigadores sobre a. Reorganização da Rede de Ensino Superior e Financiamento Resultados do Inquérito aos Docentes e Investigadores sobre a Reorganização da Rede de Ensino Superior e Financiamento fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. METODOLOGIA... 2 2.1. O INQUÉRITO...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Educação Básica sobre a ESEC 4 3.2. Opinião

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas;

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas; Índice 1- ENQUADRAMENTO... 2 2- METODOLOGIA... 3 3- INSTRUMENTOS... 4 3.1. Ficha da unidade curricular... 4 3.2. Inquéritos de apreciação ensino/aprendizagem... 4 3.3. Formulários... 4 3.4. Dossiers...

Leia mais

Maio de 2012. Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II. Ano Letivo 2011/2012

Maio de 2012. Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II. Ano Letivo 2011/2012 Maio de 2012 Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2.

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

Licenciatura em Línguas Aplicadas

Licenciatura em Línguas Aplicadas Guia de Curso 1º Ciclo 2014-2015 Departamento de Humanidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Organização do curso... 3 3. Destinatários... 3 4. Condições de acesso e pré-requisitos... 3 5. Candidaturas...

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Dra. Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE MARÇO 2013 Índice 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 2. INQUÉRITO AOS AGREGADOS FAMILIARES... 11 2.1. Descrição do trabalho realizado...

Leia mais

1ª AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 2009/2

1ª AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 2009/2 1ª AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 2009/2 I - ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA AVALIAÇÃO ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA Relação conteúdo com a formação profissional Relação conteúdo com o mercado

Leia mais

10% Gráfico nº 1 Taxa de resposta ao inquérito

10% Gráfico nº 1 Taxa de resposta ao inquérito 1. Taxa de resposta RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS DOCENTES ANO LETIVO 2014/2015 10% 90% Responderam Não responderam Gráfico nº 1 Taxa de resposta ao inquérito Num total de 31 docentes convidados a participar

Leia mais

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral MOTIVAÇÃO DE ALUNOS COM E SEM UTILIZAÇÃO DAS TIC EM SALA DE AULA Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE npmeneses@gmail.com Doutora Sónia Rolland Sobral UNIVERSIDADE PORTUCALENSE

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Educação Jean Piaget/Arcozelo REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO ANO LETIVO DE 2011-2012 WWWW.IPIAGET.ORG

Leia mais

CONFERÊNCIA FINAL ECONewFARMERS. O Projeto de Ensino a Distância da Universidade de Coimbra UC_D

CONFERÊNCIA FINAL ECONewFARMERS. O Projeto de Ensino a Distância da Universidade de Coimbra UC_D CONFERÊNCIA FINAL ECONewFARMERS O Projeto de Ensino a Sílvia Nolan 1 Factos e Números Fundada em 1290 Uma das universidades mais antigas do mundo A única em Portugal até 1911 21820 alunos 2056 alunos estrangeiros

Leia mais

RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 2012/13 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO

RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 2012/13 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO Estudantes à Saída do Secundário 12/13 RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 12/13 Código da Escola OTES1213 N.º de respostas 41658 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados através

Leia mais

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Ana Madeira Joana Teixeira Fernanda Botelho João Costa Sofia Deus Alexandra

Leia mais

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE

Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito aos Alunos que frequentaram o AEGE Inquérito em outubro de 2015 Índice I- INTRODUÇÃO... 3 II- OUTROS ESTUDOS EFETUADOS ANTERIORMENTE... 3 III- OBJETIVOS... 4 IV- METODOLOGIA... 4 V- ANÁLISE DOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

1ª AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE DIREITO 2009/1

1ª AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE DIREITO 2009/1 1ª AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE DIREITO 2009/1 I - ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA AVALIAÇÃO ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA Relação conteúdo com a formação profissional Relação conteúdo com o mercado de

Leia mais

Critérios de Avaliação Educação Física

Critérios de Avaliação Educação Física M. E. - GEPE Critérios de Avaliação Educação Física Grupo Disciplinar de Educação Física 2015/2016 1. Introdução Na procura da qualidade, torna-se evidente o papel essencial desempenhado pelas estruturas

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE CURSO - Ano 2010/11

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE CURSO - Ano 2010/11 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE CURSO - Ano 2010/11 Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Gestão do Lazer e Animação Turística Estoril, Fevereiro de 2012 Francisco Silva Diretor de Curso de GLAT

Leia mais

BOAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto. Índice... 1. Introdução... 1. Provas Escritas... 2

BOAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS. Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto. Índice... 1. Introdução... 1. Provas Escritas... 2 BOAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto Índice Índice... 1 Introdução... 1 Provas Escritas... 2 Questões de Seleção de Uma ou Mais Opções Pré-definidas... 2 Provas em Plataformas

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA PG.02.05/A Página 1 de 13 O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redação do Decreto Lei n.º

Leia mais

1ª AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE DIREITO 2010/1

1ª AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE DIREITO 2010/1 1ª AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE DIREITO 2010/1 I - ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA AVALIAÇÃO ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA Relação conteúdo com a formação profissional Relação conteúdo com o mercado de

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PSICOLOGIA 2011/1

AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PSICOLOGIA 2011/1 AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PSICOLOGIA 2011/1 I - ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA AVALIAÇÃO ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA Relação conteúdo com a formação profissional Relação conteúdo com o mercado de

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE DIREITO 2011/1

AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE DIREITO 2011/1 AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE DIREITO 2011/1 I - ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA AVALIAÇÃO ORGANIZAÇÃO DA DISCIPLINA Relação conteúdo com a formação profissional Relação conteúdo com o mercado de trabalho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA REGULAMENTO DOS PRÉMIOS DE MÉRITO Preâmbulo De acordo com o artigo 7.º da Lei nº 51/ 2012, de 5 de setembro, o aluno tem direito a: d) «ver reconhecidos e valorizados

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO

AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE - AVALIAÇÃO DO DIRETOR CRITERIOS DE AVALIAÇÃO De acordo com a Portaria n 266/2012, de 30 de agosto, compete ao Conselho Geral definir os critérios de avaliação do

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

Regulamento de Avaliação e Frequência 2014

Regulamento de Avaliação e Frequência 2014 Regulamento de Avaliação e Frequência 2014 Suzano, 2014 CURSOS DE GRADUAÇÃO ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUCAÇÃO FÍSICA ENGENHARIA AMBIENTAL FARMÁCIA FISIOTERAPIA NUTRIÇÃO Índice Assunto Página ARTIGO

Leia mais

Preparação escolar dos alunos do 1.º ano da Universidade de Lisboa

Preparação escolar dos alunos do 1.º ano da Universidade de Lisboa Preparação escolar dos alunos do 1.º ano da Universidade de Lisboa A perspectiva dos docentes 1. Apresentação do problema 2. Amostra de respondentes 3. Grau de satisfação dos docentes relativamente à preparação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Agosto 08 de Comunicação e Design Multimédia 08 ÍNDICE 1. Introdução 5 2. População e Amostra 5 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos

Leia mais

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade)

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) Relatório do inquérito aplicado aos Docentes Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) 1 UAL, Ano lectivo de 2007/2008 2 Índice 1. Estrutura do questionário 1.1. Resultados do Alpha

Leia mais

Inquérito de Empregabilidade

Inquérito de Empregabilidade Inquérito de Empregabilidade / Qual a situação face ao emprego dos nossos diplomados do ano letivo 2012/2013? Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Índice I. O que é o Relatório de Empregabilidade...2

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA Departamento do 1ºCiclo PLANO DE TURMA Ano Turma Plano de Turma 1º Ciclo Ano Letivo 20 /20 Índice Introdução 1. Caracterização da turma 1.1. Caracterização dos

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST)

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST) PERFIL DO ALUNO UNIVERSITÁRIO DO MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico () 1. Introdução Esta comunicação faz uma caracterização do

Leia mais

Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias. Anexos

Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias. Anexos Escola Superior De Enfermagem São Francisco das Misericórdias Anexos Relatório de atividades 2014 Auditoria Interna Serviços Administrativos Quadro 1 não conformidades e reclamações no período de 13.05.2013

Leia mais

I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO I - CRITÉRIOS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Componentes a Avaliar 1. Domínio Psicomotor 2. Domínio Cognitivo 3. Domínio Sócio-Afetivo 1- REGIME GERAL DE FREQUÊNCIA Alíneas % % % Execução e aplicação dos

Leia mais

Desde 1995, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, um espaço no âmbito da dança contemporânea, através da ESCOLA DE DANÇA.

Desde 1995, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, um espaço no âmbito da dança contemporânea, através da ESCOLA DE DANÇA. Desde 1995, tem sido desenvolvido no Centro Municipal de Juventude, um espaço no âmbito da dança contemporânea, através da ESCOLA DE DANÇA. Destinando a formação a alunos de todas as idades, o ensino da

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Pedagogia Campus São Carlos.

RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES. Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Pedagogia Campus São Carlos. RELATÓRIO FINAL - INDICADORES - ESTUDANTES CURSO: PEDAGOGIA UFSCAR Quadro 1: Resultados dos Indicadores para o curso de Pedagogia Campus São Carlos. INDICADOR CLASSIFICAÇÃO ÍNDICE DE AVALIAÇÃO GERAL ALTO

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO Campus Universitário de Viseu Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares (ISEIT)/ Viseu REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO ANO LETIVO DE 2012-2013

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores?

PERGUNTAS FREQUENTES. Sobre Horários. Pessoal docente, escolas públicas. 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? PERGUNTAS FREQUENTES Sobre Horários Pessoal docente, escolas públicas 1 Há novas regras para elaboração dos horários dos professores? Sim! A elaboração dos horários dos professores e educadores obedece

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Curso de Formação. Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014)

Curso de Formação. Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014) Curso de Formação Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice PLANO DE ATIVIDADES 2015 Índice 1. Introdução... 2 1.1. Âmbito e organização... 2 1.2. Enquadramento institucional... 2 2. Objetivos estratégicos e operacionais... 5 3. Metas a alcançar e atividades a

Leia mais

Relatório de Autoavaliação 2010/2011

Relatório de Autoavaliação 2010/2011 Relatório de Autoavaliação 2010/2011 DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE ACÇÕES DE MELHORIA PARA O ISLA - GAIA (CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK) VERSÂO PRELIMINAR (V.0) Equipa de Autoavaliação

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO (ONLINE) DE SATISFAÇÃO AO SERVIÇO PRESTADO ATRAVÉS DOS CANAIS ELETRÓNICO, TELEFÓNICO E DE ENVIO DE SMS

RESULTADOS DO INQUÉRITO (ONLINE) DE SATISFAÇÃO AO SERVIÇO PRESTADO ATRAVÉS DOS CANAIS ELETRÓNICO, TELEFÓNICO E DE ENVIO DE SMS RESULTADOS DO INQUÉRITO (ONLINE) DE SATISFAÇÃO AO SERVIÇO PRESTADO ATRAVÉS DOS CANAIS ELETRÓNICO, TELEFÓNICO E DE ENVIO DE SMS 2014 Ficha Técnica IFAP Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN Novembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 Plano de Melhoria Biénio 2013/2015 Agrupamento de Escolas de Clara

Leia mais

Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências

Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências Aprovado pelo Conselho Pedagógico, 26 de Março de 2010 Revisto pelo Conselho Pedagógico, 4 de Julho de 2013 Índice Enquadramento... 5 1. Objectivos

Leia mais

Práticas de avaliação nas escolas: a fuga de si.

Práticas de avaliação nas escolas: a fuga de si. Práticas de avaliação nas escolas: a fuga de si. Anabela Costa Neves acn.anabela@gmail.com Inquietações em torno de 1. Critérios de avaliação 2. Testes 3. Funções da avaliação 4. Autoavaliação 5. Avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Relatório Anual do Curso de Informação Turística (IT)

Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Relatório Anual do Curso de Informação Turística (IT) Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Relatório Anual do Curso de Informação Turística (IT) Ano Lectivo de 2009/2010 Director de Curso: Miguel Brito Introdução O presente relatório apresenta

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Junho 2013 Página 1 de 20 Introdução Entre os dias 20 e 31 de Maio de 2013, foi aplicado o Questionário

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO Teresa Bettencourt MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS NO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E NO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

Regulamento Mobilidade Académica

Regulamento Mobilidade Académica Regulamento Mobilidade Académica Este regulamento visa operacionalizar o Despacho n.º 10470/2014 do Instituto Politécnico de Lisboa IPL, esclarecendo alguns aspetos relativos à sua aplicação no contexto

Leia mais

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência.

c) Os parâmetros estabelecidos a nível nacional para a avaliação externa estabelecidos pelo Ministério da Educação e Ciência. DIRETIVAS DA SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (SADD) Ano letivo 2012/2013 A Secção de Avaliação do Desempenho Docente, no cumprimento do estipulado no Decreto Regulamentar n.º 26/2012, de 21 de

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Questionário aos Bolseiros. da Fundação Rotária Portuguesa. Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária

Questionário aos Bolseiros. da Fundação Rotária Portuguesa. Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária Questionário aos Bolseiros da Fundação Rotária Portuguesa Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária Portuguesa sobre o apoio que lhes é prestado. A sua resposta a

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

O programa da UC encontra-se dividido em quatro (4) módulos principais. Cada módulo encontra-se organizado por tópicos

O programa da UC encontra-se dividido em quatro (4) módulos principais. Cada módulo encontra-se organizado por tópicos CONTABILIDADE FINANCEIRA PÚBLICA I [14000] GERAL Ano Letivo: 201415 Grupo Disciplinar: Contabilidade Pública ECTS: 4,5 Regime: EL Semestre: S1 OBJETIVOS São objectivos da unidade curricular: Compreender

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSIÇÃO CURRICULAR E PLANO DE CREDITAÇÕES. Curso de 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e Desporto do ISMAI.

REGULAMENTO DE TRANSIÇÃO CURRICULAR E PLANO DE CREDITAÇÕES. Curso de 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e Desporto do ISMAI. REGULAMENTO DE TRANSIÇÃO CURRICULAR E PLANO DE CREDITAÇÕES Curso de 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e do ISMAI Preâmbulo O Curso do 1º Ciclo de Estudos em Educação Física e do Instituto Superior

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

Perfis de Operadores Privados de Televisão

Perfis de Operadores Privados de Televisão Perfis de Operadores Privados de Televisão (resultados gerais) Janeiro 2014 Publicações OberCom ISSN 2182-6722 0 Índice Sumário Executivo..2 Perfis de Operadores Privados de Televisão (resultados gerais)...3

Leia mais

Organização de horários, a sua inadaptação aos objetivos do setor e a disparidade de critérios para a sua constituição

Organização de horários, a sua inadaptação aos objetivos do setor e a disparidade de critérios para a sua constituição Organização de horários, a sua inadaptação aos objetivos do setor e a disparidade de critérios para a sua constituição O 1ºCEB hoje é muito marcado por uma completa desigualdade entre escolas. Neste momento,

Leia mais

Relatório Balanço Social

Relatório Balanço Social Relatório Balanço Social 12 de Abril, 2012 Índice Introdução... 2 Identificação do Organismo... 3 Indicadores de gestão... 4 Perfil tipo do trabalhador... 5 1. Caracterização do efetivo global... 6 1.1

Leia mais

Departamento de Ciências da Saúde LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOMÉDICAS - 2014-2015. Biologia Oral II. Designação ECTS Docentes T TP.

Departamento de Ciências da Saúde LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOMÉDICAS - 2014-2015. Biologia Oral II. Designação ECTS Docentes T TP. LICENCIATURA Ciências Biomédicas ANO/SEMESTRE UNIDADE CURRICULAR Biologia Oral II ANO LECTIVO 3 º Ano/1.º Semestre 2014/2015 ECTS DA UNIDADE HORAS DE CONTACTO 7 T:20 TP:14 RESPONSÁVEL DA UNIDADE Nuno Rosa

Leia mais

Bolseiros Gulbenkian. Inquérito aos bolseiros dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste

Bolseiros Gulbenkian. Inquérito aos bolseiros dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste Bolseiros Gulbenkian Inquérito aos bolseiros dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste 2000-2013 Inquérito aos bolseiros dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA)

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) O e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) visa especialmente a integração dos estudantes, dá resposta às necessidades de aprendizagem no sentido de incrementar o sucesso escolar,

Leia mais

CENTRO DE COMPETÊNCIA DE CIÊNCIAS SOCIAIS (CCCS) Departamento de Ciências da Educação

CENTRO DE COMPETÊNCIA DE CIÊNCIAS SOCIAIS (CCCS) Departamento de Ciências da Educação CENTRO DE COMPETÊNCIA DE CIÊNCIAS SOCIAIS (CCCS) Departamento de Ciências da Educação Licenciatura em Ciências de Educação Menor em Educação Social 2º Ano Ano letivo 2011/2012 2º Semestre PROGRAMA Gestão

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR A N O L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em

Leia mais

EDITAL Nº 006, DE 18 DE AGOSTO DE 2013

EDITAL Nº 006, DE 18 DE AGOSTO DE 2013 EDITAL Nº 006, DE 18 DE AGOSTO DE 2013 O Superintendente da Fundação de Apoio à Educação, Pesquisa e Desenvolvimento Científico e Tecnológico Fluminense (PRÓ-IFF), no uso das suas atribuições legais e

Leia mais

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico Sumário Executivo e Recomendações Entidade responsável pelo Estudo: Centro de Investigação em Educação

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: ECONOMIA APLICADA Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 1º Carga Horária Semestral: 67 EMENTA A Ciência Econômica. Os Problemas Econômicos

Leia mais