AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Outubro 2009

2 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a ESEC Opinião dos alunos sobre o Mestrado em Educação Especial Tratamento das Perguntas Abertas A percepção dos alunos sobre a qualidade do curso Sugestões de melhoria para o curso Opinião sobre o Plano de Estudos do Mestrado em Educação Especial Unidades Curriculares do 8 2

3 QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS ALUNOS 1. Introdução O presente relatório tem como objectivo apresentar os resultados obtidos através da aplicação dos questionários de Avaliação da Satisfação dos Alunos (SC-15-C0). Este questionário foi aplicado durante o mês de Junho de 2009, com o objectivo de dar cumprimento ao definido na It Medição e Monitorização da Satisfação dos Clientes e descrito no Im Mapa de Caracterização de Questionários de Satisfação do Cliente. Com a aplicação deste questionário pretende-se recolher a opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a ESEC e sobre o mestrado propriamente dito. A aplicação dos questionários ocorreu em articulação directa com os docentes. Com o objectivo de não sobrecarregar o relatório de apresentação dos dados, facilitando assim a leitura do mesmo, só será apresentado o valor médio das s de cada item do questionário. Qualquer outra informação estatística poderá ser solicitada junto do 2. População e Amostra No Quadro 1 é possível verificar o número de alunos inscritos no Mestrado em Educação Especial, que corresponde a 53% do total de alunos. Curso Quadro 1: Número de alunos inscritos e inquiridos por curso e ano curricular Nº de alunos Nº de Curricular inscritos respondentes % respondentes Mestrado em Educação Especial ,3 Total ,3 3

4 3. Apresentação de Resultados 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Especial sobre a ESEC O Quadro 2 apresenta de uma forma genérica o posicionamento médio dos alunos, por ano lectivo e por ano curricular, face a cada um dos itens de avaliação da ESEC. Quadro 2: Estatísticas descritivas relativas à Satisfação com a ESEC Considero a ESEC uma boa escola de ensino superior 6,06 Gosto da forma como sou tratado/a na ESEC 5,88 Gosto da diversidade de actividades promovidas na ESEC Gosto das condições de trabalho que me são oferecidas Se hoje tivesse de voltar a escolher uma escola para estudar escolhia a ESEC Média global da escala de satisfação com a escola 5,56 5,25 (Concordo) 5,69 5,69 Escala: 1=Discordo Totalmente; 2=Discordo quase totalmente; 3= Discordo; 4=Concordo Moderadamente; 5=Concordo; 6=Concordo quase totalmente; 7=Concordo totalmente. De onde se pode constactar que o nível de satisfação com a escola é bastante bom, sendo o item percepcinado como mais satisfatório é a qualidade da esola Satisfação com o Mestrado em Educação Especial Os Quadros 3, 3.1 e 3.2, apresentam de forma genérica o posicionamento médio dos alunos, por ano lectivo e por ano curricular, face a cada um dos itens de avaliação do Mestrado em Educação Especial. 4

5 Quadro 3: Estatísticas descritivas relativas à satisfação com o curso Como classifica, em termo globais, o curso que frequenta na ESEC Como classifica, em termos globais, os professores que leccionam no curso Escala: 1= Muito Fraco; 2=Fraco; 3=Razoável; 4=Bom; 5=Muito Bom 3,94 (Bom) 4,19 (Muito Bom) De onde se pode constactar que o nível de satisfação geral com o curso e com os docentes do curso é bom. Quadro 3.1: Estatísticas descritivas relativas à satisfação com o curso Recomendaria a frequência deste curso da ESEC a um Colega? Na sua opinião, o curso que frequenta na ESEC é um contributo para o seu desenvolvimento profissional? 1,12 (Sim) 1,06 (Sim) Escala: 1= Sim, 2=Sim com Reservas; 3=Não Sei; 4=Não, Com reservas; 5=Não De onde se pode constactar que os alunos consideram que o curso contribui para o desenvolvimento profissional dos mesmo e que o recomendariam a um colega. Quadro 3.2: Estatísticas descritivas relativas à satisfação com o curso Na sua função, utiliza ou pensa a vir utilizar os conhecimentos e competências adquiridas no curso que frequênta na ESEC? Gostaria de participar em outras / iniciativas / eventos / cursos organizados pela ESEC* Escala: 1= Sim, 2=Provavelmente; 3=Não Sei; 4=Puoco Provavél; 5=Não 1,06 (Sim) 1,38 (Sim) Os alunos consideram úteis os conhecimentos e competências adquiridas, e gostariam de participar em outras iniciativas /eventos / cursos organizados pela escola. A este proposito foram onze alunos que se pronunciaram referindo acções de formação na àrea da educação especial, designadamente em termos de treino de competências de desenvolvimento sócioemocional, de estratégias de intervenção inovadoras e da terapia da fala, para além destas acções de formação foram ainda referidos coloquios temáticos e workshops. 5

6 O Quadro 4 apresenta de forma genérica o posicionamento médio dos alunos, por ano lectivo e por ano curricular, em relação às questões pedagógicas relacionadas com o Mestrado em Educação Especial. Quadro 4: Estatísticas descritivas relativas às questões Pedagógicas relacionadas com o curso Qual a sua opinião relativa à articulação entre as diversas disciplinas Qual a sua opinião relativa à metodologia de avaliação adaptadas neste curso Qual a sua opinião relativamente ao apoio prestado pelos professores deste curso Qual a sua opinião relativamentes ao apoio prestado pelo Professor Responsável deste curso Qual a sua opinião em relação ao grau de exigência dos professores Qual a sua opinião em relação à atitude pedagógica dos professores Qual a sua opinião em relação à preparação científica dos professores. Média global da escala de satisfação com a escola 3,06 3,50 3,19 3,62 3,12 3,44 3,50 3,35 Escala: 1=Nada Satisfeiro; 2=Pouco Satisfeito; 3= Satisfeito; 4=Muito Satisfeito. De onde se pode constactar que o nível de satisfação com as questões pedagogicas relacionas com o curso é satisfatório na maioria dos itens, sobressaindo como muito satisfatórios a metodologia de avaliação adaptadas nestes curso e o apoio prestado pelo Professor Responsável do curso Tratamento de questões abertas A percepção dos alunos sobre a qualidade do curso. Todas as opiniões expressas (nove no seu total) pelos alunos foram boas, muito embora tenha sido referido que a duração dos módulos seria curta para a quantidade de conteúdos. 6

7 Sugestões de melhoria para o curso. Os alunos indicam as seguintes sugestões de melhoria para este curso: Condições de trabalho (aspecto referido por 2 alunos) Melhoria das instalações climatéricas da salas. Melhorar as acessibilidade aos serviços de apoio, designadamente biblioteca e reprografia. Organização Curricular(aspecto referido por 10 alunos) Utilização de metodologias mais viradas para a práctica. Flexibilização dos horários. Aumentar a duração dos módulos e coordenar os conteúdos programaticos entre os vários módulos. Um dos alunos sugeriu que fosse leccionada uma disciplina de cada vez 3.3. Opinião sobre o Plano de Estudos do Mestrado em Educação Especial A opinião sobre o plano de curso teve em consideração três aspecto: o grau de importância atribuído a cada disciplina, o grau de satisfação com a disciplina e finalmente o grau de carga de trabalho que cada aluno considerou ter tido, estas aspecto têm cada um deles uma escala de 1 a 4, ou seja, Escala de Importância: 1=Nada Importante; 2=Pouco Importante; 3=Importante; 4=Muito Importante; Escala de Satisfação: 1=Nada Satisfeito; 2=Pouco Satisfeito; 3=Satisfeito; 4=Muito Satisfeito; e Escala de Carga de Trabalho: 1= Muito Leve; 2=Leve; 3=Adequado; 4=Pesado; 5=Muito Pesado 7

8 3.3.1 Unidades Curriculares do ano Quadro 5: Estatísticas descritivas relativas às unidades curriculares do ano Resultados 2009 Unidades Curriculares Importância Satisfação Carga de trabalho Psicopatologia do Desenvolvimento 3.81 (Muito Importante) Perturbações do Comportamento 3.83 (Muito Importante) Intervenção Precoce 3.40 (Importante) Educação Inclusiva 3.75 (Muito Importante) Teoria do Curriculo (Tutoria) 3.25 (Importante) (Muito Pesada) Metodologia da Investigação em Educação I (Tutoria) 3.50 (Muito Importante)

9 9

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR

AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Educação Básica sobre a ESEC 4 3.2. Opinião

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Agosto 08 de Comunicação e Design Multimédia 08 ÍNDICE 1. Introdução 5 2. População e Amostra 5 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ARTE E DESIGN Novembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL Dezembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário aos Pais Encarregados de Educação Reconhece-se a importância da família e da sua colaboração no processo educativo. Com este questionário

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Instrumentos de Avaliação

Instrumentos de Avaliação Instrumentos de Avaliação 7 Questionário de expectativas Atendendo à integração do Curso "Formação de eformadores" no Projecto etrainers, que tem como objectivo a testagem de metodologias e ambientes inovadores

Leia mais

Avaliação do impacto da hora do conto: experiência da aplicação da metodologia EIRAA

Avaliação do impacto da hora do conto: experiência da aplicação da metodologia EIRAA Avaliação do impacto da hora do conto: experiência da aplicação da metodologia EIRAA Álvaro Fernandes Maria José Leite Leonor Gaspar Pinto Paulo Silva César Ferreira Setembro 20091 Programa de Promoção

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares... 4 1º Semestre - Resultados

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 1 - Preâmbulo O trabalho desenvolvido assentou no referencial 2006-2011 da Inspeção-Geral da Educação, nomeadamente o Quadro de referência para

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem

Os equipamentos audiovisuais existentes nas salas de aulas funcionam bem 106 As salas específicas estão adequadamente apetrechadas para as finalidades de ensino e aprendizagem Muito 29% Pouco Muito Na segunda pergunta, quando questionados sobre se as salas específicas (laboratórios,

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Estudos de Imagem e Notoriedade

Estudos de Imagem e Notoriedade Estudos de Imagem e Notoriedade 1- Enquadramento O Serviço: Relatórios Avaliação da Imagem e Notoriedade das organizações, bem como da força de marca e posicionamento face à concorrência. Para que Serve:

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados

Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Escola Superior de Educação de Almada Inquéritos de Empregabilidade aplicados aos Diplomados Ciclos de Estudo de Mestrado Apresentação de Resultados Departamento para a Garantia da Qualidade Fevereiro,

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Setembro 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Setembro 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA Setembro 08 ÍNDICE 1. Introdução 2. População e Amostra 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos de Língua Gestual Portuguesa sobre a ESEC

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO CAPES/BRANETEC R E L A T Ó R I O

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO CAPES/BRANETEC R E L A T Ó R I O PROGRAMA DE COOPERAÇÃO CAPES/BRANETEC R E L A T Ó R I O 1. DADOS PESSOAIS: 1.1 Nome Completo: 1.2. CPF: 1.3. Passaporte/Identidade: 1.4. Sexo: F ( ) M ( ) 1.5. Data de Nascimento: 1.6. Local de Nascimento:

Leia mais

EM BUSCA DO TESOURO DAS FAMÍLIAS INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA E UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS:

EM BUSCA DO TESOURO DAS FAMÍLIAS INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA E UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS: INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO DO PROGRAMA E UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS: Caro/a dinamizador(a) de grupo/técnico(a): Começamos por agradecer a sua colaboração na avaliação do programa. Este é um passo fundamental

Leia mais

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Índice Preambulo... 3 ÁREA (ii) APRENDIZAGENS E APOIO AOS ESTUDANTES... 5 1. ASSESSMENT/AVALIAÇÃO... 7 2. IMPROVEMENT/MELHORIA... 7 3. ENGAGEMENT/COMPROMISSO/GARANTIA...

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

FACULDADE METROPOLITANA DA AMAZONIA - FAMAZ REITORIA

FACULDADE METROPOLITANA DA AMAZONIA - FAMAZ REITORIA Página: 1 de 24 1) Como sua instituição viabiliza o acesso dos estudantes de graduação à Internet para atender às necessidades do curso? Plenamente 36% Parcialmente 62% Não viabiliza para os estudantes

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Aspectos Metodológicos dos Relatórios por tribunal do Censo do Poder Judiciário

Aspectos Metodológicos dos Relatórios por tribunal do Censo do Poder Judiciário Aspectos Metodológicos dos Relatórios por tribunal do Censo do Poder Judiciário Os relatórios por tribunal apresentam as principais informações disponíveis no Censo do Poder Judiciário. Cada relatório

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO ANO LECTIVO 2009/2010 PROGRAMAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR EDUCAÇÃO PARA

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto-avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Avaliação da The Coaching Clinic Ano Lectivo 2008/2009

Avaliação da The Coaching Clinic Ano Lectivo 2008/2009 Avaliação da The Coaching Clinic Ano Lectivo 2008/2009 No 1º semestre do ano lectivo 2008/2009 realizou-se a primeira formação em The Coaching Clinic no IST. Esta formação da responsabilidade da Corporate

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade)

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) Relatório do inquérito aplicado aos Docentes Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) 1 UAL, Ano lectivo de 2007/2008 2 Índice 1. Estrutura do questionário 1.1. Resultados do Alpha

Leia mais

Instrumento: Docentes

Instrumento: Docentes COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAMPUS PRESIDENTE EPITÁCIO CURSO: TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Resultado da Autoavaliação Institucional Instrumento: Docentes Presidente Epitácio -

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

PLANO DE APRESENTAÇÃO

PLANO DE APRESENTAÇÃO DEGEI Mestrado em Gestão de Informação AVALIAÇÃO DA ADOPÇÃO DA FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DE ESTUDO NA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA PLANO DE APRESENTAÇÃO TEMA CONTETO PROBLEMA HIPÓTESES CONTETO TEÓRICO

Leia mais

Questionário de Dados Sociais Demográficos e Obstétricos

Questionário de Dados Sociais Demográficos e Obstétricos Nome: Questionário de Dados Sociais Demográficos e Obstétricos I. Dados Demográficos 1 Idade: 2 Profissão: 3 - Profissão do Companheiro 4 Está empregada Desempregada 5 - O seu companheiro está empregado

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO COORDENAÇÃO DE CURSO DOCENTES E UNIDADE CURRICULAR ATENDIMENTO AO ALUNO INFRAESTRUTURA COMUNICAÇÃO E IMAGEM

AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO COORDENAÇÃO DE CURSO DOCENTES E UNIDADE CURRICULAR ATENDIMENTO AO ALUNO INFRAESTRUTURA COMUNICAÇÃO E IMAGEM FACULDADE SENAC PORTO ALEGRE FSPOA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CURSO COORDENAÇÃO DE CURSO DOCENTES E UNIDADE CURRICULAR ATENDIMENTO AO ALUNO INFRAESTRUTURA COMUNICAÇÃO E IMAGEM CPA 2013/2 PARTICIPAÇÃO

Leia mais

ENERESCOLAS. Monitorizar, Experimentar e Aprender!

ENERESCOLAS. Monitorizar, Experimentar e Aprender! ENERESCOLAS Monitorizar, Experimentar e Aprender! Enquadramento As escolas são uma fracção não desprezável do consumo energético. A aprendizagem em âmbito escolar, tem efeitos multiplicativos em casa e

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO EMBRAPA MEIO AMBIENTE ANO BASE - 2011. Sistema de Gestão da Qualidade

RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO EMBRAPA MEIO AMBIENTE ANO BASE - 2011. Sistema de Gestão da Qualidade RELATÓRIO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE EXTERNO EMBRAPA MEIO AMBIENTE ANO BASE - 2011 Sistema de Gestão da Qualidade SUMÁRIO 1. - Introdução.... 3 2. - Metodologia.... 3 2.1 - Amostragem e coleta

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais)

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais) FACULDADE DE LETRAS Universidade de Lisboa REGULAMENTO DO APOIO AO ESTUDANTE COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PREÂMBULO A existência de estudantes

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ACES PINHAL INTERIOR NORTE 1

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ACES PINHAL INTERIOR NORTE 1 MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ACES PINHAL INTERIOR NORTE 1 MARÇO/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. CS ARGANIL 4 2. CS GÓIS.. 7 3. CS LOUSÃ 10 4. CS MIRANDA DO CORVO. 13 5. CS OLIVEIRA DO HOSPITAL..

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO RELATÓRIO FINAL DO EVENTO Outubro 2010 1. INTRODUÇÃO Uma vez terminado o evento Start Me Up Alto Minho, apresentam-se de seguida um conjunto de elementos que, em jeito de conclusão, se revelam oportunos

Leia mais

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1

Novos Programas: Outras Práticas Pedagógicas 1 Novos Programas: Outras Práticas Pegógicas 1 Maria Conceição Antunes Num estudo sobre os professores de no Ensino Secundário, em que participei (e que foi apresentado neste mesmo local, em 1996, no I Encontro

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio 1 Barómetro APAV Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Outubro de 2015 2 Índice 1 Objetivos e Metodologia

Leia mais

EFA Escolar Nível Secundário

EFA Escolar Nível Secundário Inquérito EFA Escolar Nível Secundário O presente inquérito enquadra-se num estudo de natureza pessoal que está a ser desenvolvido sobre os cursos de Educação e Formação de Adultos Escolar - de Nível Secundário.

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Ano Lectivo 2011/2012 1 Os resultados apresentados reflectem a análise dos Questionários de Satisfação dos Estudantes/Formandos Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho ÍNDICE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 3 INSCRIÇÕES E NÚMERO

Leia mais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais SENAI Missão: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da Indústria Brasileira. Linhas de atuação

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Implementação do Balanced Scorecard

Implementação do Balanced Scorecard Implementação do Balanced Scorecard Lisboa 18.setembro.2014 Rui Mendes (Vice-Presidente da CCDR Alentejo) Razões prévias da implementação BSC Hoje a administração pública p tem uma gestão orientada por

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais

澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 個 人 資 料 保 護 辦 公 室 Gabinete para a Protecção de Dados Pessoais Estudo do grau de conhecimento e das necessidades de protecção de dados pessoais entre os alunos do ensino secundário e do ensino superior de Macau 2014 Sumário Para saber qual o grau de conhecimento e

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

Plano de Transição 2012

Plano de Transição 2012 Plano de Transição 2012 A transição entre ciclos de ensino é hoje reconhecida por todos como um dos pontos críticos dos sistemas educativos, não só em virtude de envolver a transição de alunos de uma escola

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE CHAVES. Inquérito de Satisfação dos Estágios Curriculares 2011/2012

ESCOLA PROFISSIONAL DE CHAVES. Inquérito de Satisfação dos Estágios Curriculares 2011/2012 ESCOLA PROFISSIONAL DE CHAVES Inquérito de Satisfação dos Estágios Curriculares 2011/2012 Índice Introdução 3 1.Caracterização dos Inquéritos de Satisfação do Estágio Curricular 4 1.1. Caracterização Geral

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA. Área de Estudos e Planeamento (AEP) Alexandra Sevinate Pontes

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA. Área de Estudos e Planeamento (AEP) Alexandra Sevinate Pontes INQUÉRITO AOS ESTUDANTES DO IST QUE REALIZARAM UM PERÍODO DE ESTUDOS FORA DA ESCOLA INQUÉRITOS AOS ESTUDANTES EM MOBILIDADE histórico Designação interna Objetivos População alvo Serviço Modalidade Responsável

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS

Leia mais

Resultado na ótica discente. Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014

Resultado na ótica discente. Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014 Resultado na ótica discente Comissão Própria de Avaliação Dezembro/2014 Metodologia PÚBLICO-ALVO: Discentes dos cursos de graduação da FAESA. METODOLOGIA DA PESQUISA: A metodologia utilizada por meio de

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Língua Gestual Portuguesa sobre

Leia mais

Relatório Questionário on-line

Relatório Questionário on-line Associação Portuguesa dos Gestores e Técnicos dos Recursos Humanos Seminário: Novos Caminhos, Novos Desafios da Formação Certificada Relatório Questionário on-line Relatório 1. Introdução e Objectivos

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo

INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO. Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo INQUÉRITO REALIZADO A ALUNOS LABORATÓRIO DE CÁLCULO 2010 Trabalho realizado por Lucília Rodrigues Macedo ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. METODOLOGIA... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS... 4 1. RESULTADOS

Leia mais