Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja"

Transcrição

1 Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto PolitécnicodeBeja ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégico Maio2010

2 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Índice Introdução 3 1. Contextododiagnóstico:aimportânciadalínguaInglesanocontextodoEnsinoSuperior 2. Metodologia 2.1. Limitaçõesdoquestionário 3. OcorpodocentedoInstitutoPolitécnicodeBeja 4. Resultados 4.1. Familiaridadeecontactocomalínguainglesa 4.2. Auto avaliação 4.3. Interesseedisponibilidadeparaformação 4.4. CruzamentodosdiferenteseixoscomoníveldeconhecimentosdeInglêsidentificado noplacementtest Conclusão 15 Bibliografia 17 Anexos 18 2

3 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Introdução No contexto actual de exigência e necessidade de internacionalização do Ensino Superior, torna seessencialavaliarecriarascondiçõesparaqueestamesmapossaocorrer.comefeito, oprocessodebolonha,aoníveldoensinosuperior,traduzanecessidadedeumaeuropamais homogénea, ao nível das qualificações e dos sistemas de formação e educação dos seus EstadosMembros.Bolonhaambicionapermitiratodososseuscidadãostrabalhareestudar emqualquerestado membro,sementravesaoreconhecimentodasuaformaçãoeprofissão. Como tal, os próprios profissionais precisam contactar com os desafios, exigências e características das suas profissões em contextos internacionais, o que implica uma forte apostanodomíniodaslínguasedocontactocomoutrasculturas.destemodo,aaberturaà realidade internacional deve ser incentivada em docentes e alunos, através da participação emespaçosdeformaçãoeintercâmbio. A importância da abertura do IPBeja ao cenário internacional, decorrente do Processo de Bolonha,requerumaavaliaçãoeconsequentere(qualificação)docorpodocentenodomínio da língua inglesa. Tornou se assim fundamental aplicar um diagnóstico acerca das necessidadesdeformaçãoemlínguainglesaaocorpodocentedoipbeja,bemcomo,aferira receptividadeedisponibilidadedomesmo,paraafrequênciadeaulaseminglês. O processo de construção do questionário foi elaborado numa parceria conjunta entre os ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégicoeosdocentesdeInglêsdoInstituto PolitécnicodeBeja.Procurou se,comaaplicaçãodoquestionário,reunirinformaçãoacerca das competências em Inglês do corpo docente e também da receptividade a cursos de formaçãodeinglês,vistoque,afasefinaldesteprocesso,culminarácomumplanodeacção deformaçãodeinglêsdireccionadoparaocorpodocentedoipbeja. Aprimeirapartedorelatórioprocuraráexplanaraimportânciadalínguainglesanocontexto doensinosuperior,aliadoaodesafioimpostopelocontratodeconfiançacelebradoentreo Governo e as Instituições de Ensino Superior(IES) e inserido no contexto da candidatura da actualpresidênciadoipbeja. Numasegundaparteserãoabordadasametodologiaeresultadosdoquestionário. Finalmente serão dadas as pistas para a elaboração de um Plano de Acção de Formação de InglêsparaocorpodocentedoIPBeja. 3

4 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa 1.Contextododiagnóstico:aimportânciadalínguaInglesanocontextodoEnsino Superior Aglobalização,umarealidadechavedoséculoXXI,influencioudeumaformasignificativao ensino superior. A globalização pode ser definida como uma realidade moldada por: uma economia mundial crescentemente integrada; novas tecnologias de informação e comunicação;aemergênciadeumaredeinternacionaldeconhecimento;opapeldalíngua inglesa; outras forças para além do controlo das instituições académicas. A internacionalização pode, igualmente, ser definida pela variedade de medidas e programas que as universidades e governos implementam, de forma a responder à globalização, que normalmente passam por enviar estudantes em programas de mobilidade, estabelecer um pólo do campus noutro país ou estabelecer parcerias inter institucionais(altbach, Reisberg, Rumley;2009:3). Asinstituiçõesdeensinosuperiorforamsempreafectadasportendênciasinternacionaiseaté certo ponto, operaram dentro de uma comunidade internacional mais vasta de instituições académicas, bolseiros e investigadores. Contudo, as realidades do presente século engrandeceramaimportânciadocontextoglobal.oaumentodeumalíngua,oinglês,comoa língua dominante na comunicação científica não se verifica desde o domínio do Latim na academiaeuropeiamedieval. Paraalguns,oimpactodaglobalizaçãonoensinosuperioroferecenovasoportunidadespara estudar e investigar sem as limitações das fronteiras nacionais. Para outros, a tendência representaumaameaçaàculturaeautonomianacional. A internacionalização tem sido bastante proeminente a nível regional e internacional. O processo de Bolonha e a Estratégia de Lisboa são exemplos claros de envolvimento internacionalaestenívele,serviramtambémdereferênciaaesforçossemelhantesemoutros locaisdomundo. Paralelamente, o Governo português assinou com as Instituições de Ensino Superior um Contrato de Confiança em que prevê, para além de uma aposta na formação, em mais alunos, no reforço da abertura social do ensino superior a novas camadas de estudantes jovens e à população activa, da ligação entre Ensino Superior e vida económica, social e culturaldopais umaforteapostanainternacionalização. Com efeito, e no contexto em que Portugal se situa, dominar pelo menos uma língua estrangeiratorna seumrequisitoque,emúltimaanálise,oferecepossibilidadesdiferenciadas de empregabilidade. Em termos gerais e no contexto de uma cidadania europeia, estar limitadoapenasaumalínguaé,também,limitaroexercíciodessamesmacidadania. Alínguaportuguesa,apesardeseraoitavalínguamaisfaladaanívelmundial,éumalíngua secundária no contexto da União Europeia (UE), sendo o alemão a língua materna mais falada,comcercade90milhõesdefalantesnacionais,ouseja18%dapopulaçãodaue.no entanto,38%doscidadãosdauefalainglêscomoprimeiralínguaestrangeira,sendooinglês alínguamaisutilizadanauniãoeuropeia.emsegundolugarestãoofrancêseoalemãoque 4

5 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa são falados por 14% da população europeiacomo primeira língua estrangeira (Comissão Europeia;2008:7).Defacto,exceptuandooInglês,aslínguasfaladasnaUEtendemaocupar umlugarnorankingdaslínguaseuropeiasquequaseigualaorankingqueordenaospaísesda UEpornúmerodehabitantes. No que se refere às línguas mais faladas na UE enquanto línguas estrangeiras, o Inglês, o francêseoalemão,portugaldestaca senegativamenteporserumdospaísesemqueosseus habitantesmenosdominampelomenosumadessastrêslínguas.cercade45%doscidadãos da UE tem capacidade de se expressar noutra língua que não a sua língua materna, o que reforça a ideia dea posição de Portugal, no contexto europeu, ser bastante desfavorável. (Peixoto;2007:2). DeacordocomoEurobarometerSurvey2005,69%dosresidentesnaUEconsideramoInglês como a língua mais útil para alem das suas línguas maternas, afirmando se assim cada vez mais como língua franca a nível europeu e mundial. Com efeito, desde 1990 que a percentagem de residentes na UE que domina a língua inglesa tem vindo a aumentar significativamente em todos os estados membros e, consequentemente, a assumir um protagonismocrescente. EmPortugal,asopçõestomadasrelativamenteaoensinodalínguainglesanoprimeirociclo doensinobásicoparecemindicarumaapostapreferencialnoinglêsemdetrimentodeoutras línguas.defacto,nospaísesdaue,oinglêséensinadoa26%dosalunosnãoanglófonosa níveldoensinobásicoenoensinosecundárioa89%dosalunos. Nocasodoensinosuperior,oensinodelínguasvivascontribuiparaajudaraconcretizardois princípiosfundamentaisdamissãodasinstituiçõesdeensinosuperior:aajudaàpromoçãode uma formação diversificada e multicultural e o auxílio ao indispensável uso das novas tecnologias. Facilitaramobilidadedosleitoresedocentesdelínguasvivasentreasváriasescolasdeuma mesmainstituição,tantasvezesisoladasumasdasoutras,éumaviaurgenteparanãoapear os estudantes do ensino superior dos programas de mobilidade europeia. E para levar as instituiçõesaperceberqueantesdeseabriremaomundoeàeuropatêmdeabrir seaelas próprias (Peixoto;2007:4). O Espaço Europeu de Ensino Superior deverá promover a abertura à cultura e civilizações diferentes, através da afirmação da mobilidade como factor comum do sistema europeu do ensinosuperiorecomoferramenta,atravésdamultiplicaçãoeampliaçãodasoportunidades demobilidadeconsoanteaslínguasdominadas. OapoiodaUEaomultilinguismotemsidoreforçado,noactualperíododoprograma( ),naidentificaçãodaaprendizagemdelínguasediversidadelinguísticacomoobjectivos gerais,atravésdeiniciativascomooprogramadeaprendizagemaolongodavidaueedeum reforçonoorçamentoparaprojectosdecarizlinguístico(comissãoeuropeia;2008:15). Emsuma,adiversidadelinguísticafazpartedavidaquotidianadaUniãoEuropeia,com500 milhões de cidadãos com origens étnicas, culturais e linguísticas diversificadas, tornando se 5

6 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa destemodo,imprescindíveldotá losdecompetênciaslinguísticas,paracomunicarementre si. Saber viver num mundo em mutação rápida, num espaço económico e politico com 20 línguas oficiais (vinte e uma em Janeiro de 2007), não é apenas um desafio individual para quem pretende adquirir uma nova alma. É, também, e sobretudo, um desafio colectivo e nacionalparaumpaisquepretendeabandonaracaudadauniãoeuropeia (Peixoto;2007:1). 2.Metodologia Nestafasedediagnósticoprocurou seumaanálisequantitativaquevisouacaracterizaçãodo perfil dos docentes no que respeita a sua literacia de domínio da língua inglesa. Para tal, considerou setodoo universo em causa, que se constitui por 213 docentes. Como estratégia metodológica utilizou seoinquéritoporquestionário,disponibilizadoonline,compostopor4dimensões: a) hábitos de contacto com a língua inglesa, através de uma escala de frequência em diferentes domínios da língua; b) auto avaliação, através da escolha de um dos níveis do quadroeuropeucomumdereferência;c)disponibilidadeparareceberformaçãoeminglês,a nível de horários e de intenção ou não de frequentar cursos de formação; d) nível de competênciasemlínguainglesa. ParaaferirascompetênciasemInglêsaplicou seumquestionárioplacementtest,indicadopor docentes de Inglês do IPBeja. Ainda que os resultados que se obtêm através deste tipo de teste não sejam totalmente indicativos e fiáveis acerca do nível de Inglês dos inquiridos, apresentou secomoaformamaispráticadeavaliarascompetênciasatravésdeuminquérito porquestionário. Oinquéritoestevedisponívelonlineentre8e22deMaio. 2.1.Limitaçõesdoquestionário Asprincipaislimitaçõesdoquestionárioaplicado,prendem se,comosseguinteaspectos: em primeiro lugar, com a sua aplicaçãoonline. Apesar de ter surgido como a forma maiseficazerápidaderecolhadosdados,acaboupornãopermitirumarecolhamais aprofundadadascompetênciasdosdocenteseminglês,vistoqueasquestõeseram deescolhamúltipla; nocasoconcretodaquestãorelativaàauto avaliação,oresultadosreferentesaesta questão poderão estar de alguma forma enviesados dado que cada hipótese de respostacompreendiaumtexto,implicandoassimqueosinquiridoslessemcadauma dasrespostaspossíveisdeformaatenta,oque,tendoemcontaadimensãototaldo questionário,poderánãoteracontecido; 6

7 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa a baixa taxa de retorno (42%) que poder ser explicada pela dimensão do guião do questionário(médiade15minutospararesponder42%deresposta Por último, e como já foi referido anteriormente, o tipo de teste utilizado para avaliar as competênciaseminglês,podenãorevelaronívelexactoemqueosinquiridosseinseremno que respeita aos seus conhecimentos de Inglês. Contudo, apesar destas condicionantes, consideramos que este tipo de questionário permitiu nos obter um resultado indicativo do níveldecompetênciaseminglêsdosdocentes. 3.OcorpodocentedoIPBeja Quadro1.Docentesporcategoriaprofissional CategoriaProfissional Val.Abs. % Assistente1ºTriénio 4 1,9 Assistente2ºTriénio 8 3,8 AssistenteConvidado 9 4,2 Equip.Assistente1ºTriénio 23 10,8 Equip.Assistente2ºTriénio 47 22,1 Equip.ProfessorAdjunto 16 7,5 Prof.Coord.s/agregação 11 5,2 Professor 3 1,4 ProfessorAdjunto 83 39,0 ProfessorAdjuntoConvidado 9 4,2 Total ,0 Fonte:ServiçodeRecursosHumanos IPBeja, Ocorpodocenteé,actualmente,compostopor213profissionais 44%dototaldecarreira, 40%nasituaçãodeequiparadoscomoprofessoresadjuntos/assistentes,9,8%sãoprofessores convidados e docentes destacados de outros níveis de ensino e 5,7% são assistentes. A percentagem de docentes fora da carreira, apresentada em cada uma das situações, está ainda distante do preconizado no ECDESP, que refere que os professores de carreira,«( ) devem representar, pelo menos, 70% do total de docentes de cada instituição do ensino Superior ( )» (alínea1, artº30, ECDESP) e o nº de professores convidados «( ) deve representar,pelomenos,20%dototaldocorpodocente( )»(idem,alínea2). Osdocentesrepartem sesegundootipodehabilitaçõesquedetémdaseguinteforma:16% possuem Doutoramento, 57% são Mestres e 26% são licenciados. Apenas dois docentes, possuemograudebacharelatoeumdocente,oensinosecundário(esteúltimoconsiderado Especialista na área das Artes). De referir que, no presente, 99 docentes (46,% do total) encontram se em processo de formação 88 doutorandos e 11 mestrandos, o que denota exigênciasaoníveldaqualificaçãodopotencialhumanoqueleccionanestainstituição. Do total de docentes, apenas 98 respondeu ao questionário ou seja, cerca de 42% do corpo docentedoipbeja. 7

8 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa 4.ApresentaçãodeResultados 4.1.Familiaridadeecontactocomalínguainglesa De forma a aferir a familiaridade dos inquiridos com a língua inglesa, procurou se avaliar o grau de frequência com que costumamler, escrever e comunicar oralmente em Inglês, bem como, o tipo de situações em que o fazeme o tipo de autonomia a nível da escrita de diferentes tipos de textos em língua inglesa. Esta dimensão permite nos ter noção do contacto que os docentes têm com a língua e o uso que fazem dela, num âmbito pessoal e profissional. Emrelaçãoaotipodeutilizaçãodalínguainglesa,oqueéfeitocommaisfrequênciaéaleitura e, mais concretamente, a leitura de artigos técnico científicos (75,3% dos docentes lêem artigostécnico científicosfrequentementeemuitofrequentemente).jánocasodeleiturade ficçãooudeimprensa,apercentagemdedocentesqueofazcomfrequênciaéde9%ede 23,6%,respectivamente 1.Comefeito,énoplanoprofissionalqueosdocentesrecorremmais àleituraemlíngua. Quadro 2. Inquiridos segundo a frequência de leitura em língua inglesa de artigos técnicocientíficos Val.Abs. % Nunca 1 1,1 PoucoFrequentemente 21 23,6 Frequentemente 29 32,6 MuitoFrequentemente 38 42,7 Total ,0 No que respeita à escrita em língua inglesa, é novamente no campo profissional que esta ocorre com mais frequência, nomeadamente na frequência de escrita de artigos técnicocientíficos em língua inglesa (24,7% frequentemente e muito frequentemente) e na frequência de escrita de correspondência profissional 2 (23,6% frequentemente e muito frequentemente),aoinvésdacorrespondênciapessoalqueéapenasutilizadacomfrequência emuitafrequênciapor13,5%dosinquiridos. Contudo,édereferirque,aindaassim,apercentagemdeinquiridosqueescrevemcompouca frequênciaoununcaartigostécnico científicos(64%dototal)ecorrespondênciaprofissional (50%dototal)ébastanteelevado. 1 Veranexos,quadros1 2 2 Veranexos,quadro3 8

9 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Quadro 3. Inquiridos segundo a frequência de escrita de artigos técnico científicos em língua inglesa Val.Abs. % Nunca 34 38,2 PoucoFrequentemente 32 36,0 Frequentemente 18 20,2 MuitoFrequentemente 4 4,5 Total 88 98,9 Nãorespondeu 1 1,1 Total ,0 Quadro4.Inquiridossegundoafrequênciadeescritadecorrespondênciapessoalemlínguainglesa Val.Abs. % Nunca 45 50,6 PoucoFrequentemente 32 36,0 Frequentemente 9 10,1 MuitoFrequentemente 3 3,4 Total ,0 NoquerespeitaafrequênciacomqueosinquiridoscomunicamemInglês,aoinvésdoquese verificanaescritaeleitura,énocampopessoalqueosdocentesutilizamalínguacommais frequência para comunicar oralmente. De facto, em média, os inquiridos comunicam frequentementeeminglêsemviagens(43,2%frequentementeemuitofrequentemente),por oposição a situações de índole profissional, como conferências (78,7% nunca e pouco frequentemente),reuniõesdetrabalho(84,3%nuncaoupoucofrequentemente)eaulase/ou contacto com alunos internacionais (78,8% nunca ou pouco frequentemente), em que o fazem,emmédia,poucofrequentemente. 3 Outro aspecto a ter em conta relativamente à familiaridade que os inquiridos têm com a língua inglesa, prende se com a autonomia com que escrevem, servindo este como um indicadordaimportânciadalínguae,consequentemente,doseudomínio. Comefeito,24,7%dosdocentesinquiridosescreveartigostécnico científicoseminglêssem autonomia e 40,4% com pouca autonomia. Apenas 5,6% escreve artigos técnico científicos comautonomiatotal. 3 Veranexos,quadros4 7 9

10 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Quadro5.Inquiridossegundoautonomianaescritadeartigostécnico científicos Val.Abs. % Semautonomia 22 24,7 Poucaautonomia 36 40,4 Algumaautonomia 24 27,0 Autonomiatotal 5 5,6 Total 87 97,8 Nãorespondeu 2 2,2 Total ,0 No caso da escrita de correspondência tanto profissional (61,8% pouca ou nenhuma autonomia), como pessoal (52,8% pouca ou nenhuma autonomia), embora a última revele valores mais baixos de falta de autonomia, a pouca ou nenhuma autonomia com que os inquiridosescrevem,nãorevelavalorestãosignificativos.contudo,estesvaloresdemonstram adificuldadegeralcomqueosdocentesseexpressamdeformaescritaeminglês 4. De um modo geral, é na leitura que os inquiridos revelam um maior contacto com a língua inglesa, sendo que em média (2,15 numa escala de 1 a 4, em que 1=nunca e 4=muito frequentemente) lêem pouco frequentemente. Na comunicação oral a média dos inquiridos que fala em língua inglesa é de 1,96 e na escrita 1,73, o que revela baixíssimos níveis de contactocomalínguainglesaaníveloraleescrito. 4.2.Auto avaliação AmaioriadosinquiridosconsideraqueosseusconhecimentosdeInglêssesituamnonívelB1, ouseja,utilizadorindependente(24,7%)ea2,utilizadorelementar,(21,3%).nosníveismais avançados,apenas16,9%consideraquetemconhecimentosdeinglêsdenívelc1ec VerAnexos,quadros8 9 5 A1:Écapazdecompreendereusarexpressõesfamiliaresequotidianas,assimcomoenunciadosmuitosimples, quevisamsatisfazernecessidadesconcretas.podeapresentar seeapresentaroutroseécapazdefazerperguntase darrespostassobreaspectospessoaiscomo,porexemplo,olocalondevive,aspessoasqueconheceeascoisas quetem.podecomunicardemodosimples,seointerlocutorfalarlentaedistintamenteesemostrarcooperante. A2:Écapazdecompreenderfrasesisoladaseexpressõesfrequentesrelacionadascomáreasdeprioridadeimediata (p.ex.: informações pessoais e familiares simples, compras, meio circundante). É capaz de comunicar em tarefas simples e em rotinas que exigem apenas uma torça de informação simples e directa sobre assuntos que lhe são familiares e habituais. Pode descrever de modo simples a sua formação, o meio circundante e, ainda, referir assuntosrelacionadoscomnecessidadesimediatas. B1:Écapazdecompreenderasquestõesprincipais,quandoéusadaumalinguagemclaraeestandardizadaeos assuntoslhesãofamiliares(temasabordadosnotrabalho,naescolaenosmomentosdelazer,etc.).écapazdelidar com a maioria das situações encontradas na região onde se fala a língua alvo. É capaz de produzir um discurso simples e coerente sobre assuntos que lhe são familiares ou e interesse pessoal. Pode descrever experiências e 10

11 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Quadro6.Auto avaliaçãodosinquiridosdeacordocomoquadroeuropeucomumdereferencia Val.Abs. % A1 Utilizadorelementar 15 16,9 A2 Utilizadorelementar 19 21,3 B1 Utilizadorindependente 22 24,7 B2 Utilizadorindependente 14 15,7 C1 Utilizadorproficiente 7 7,9 C2 Utilizadorproficiente 8 9,0 Total 85 95,5 Nãorespondeu 4 4,5 Total ,0 4.3.InteresseeDisponibilidadeparaformação Emprimeirolugarprocurou seaferirograudeimportânciaqueosdocentesatribuemàlíngua inglesa na sua actividade profissional, nomeadamente nas actividades de docência e investigação. Com efeito, 86,6% dos inquiridos atribui muita importância e importância à língua inglesa para a actividade de docência, sendo de salientar que 55,1% atribuem muita importância. Nenhum dos inquiridos considera que a língua inglesa não tenha importância paraasuaactividadededocência. Quadro7.Graudeimportânciaatribuídoàlínguainglesaparaaactividadededocência Val.Abs. % PoucoImportante 10 11,2 Importante 28 31,5 MuitoImportante 49 55,1 Total 87 97,8 Nãorespondeu 2 2,2 eventos,sonhos,esperançaseambições,bemcomoexporbrevementerazõesejustificaçõesparaumaopiniãoou umprojecto. B2: É capaz de compreende as ideias principais em textos complexos sobre assuntos concretos e abstractos, incluindo discussões técnicas na sua área de especialidade. É capaz de comunicar com um certo grau de espontaneidadeedeà vontadecomfalantesnativos,semquehajatensãodeparteaparte.écapazdeexprimir se demodoclaroepormenorizadosobreumagrandevariedadedetemaseexplicarumpontodevistasobreumtema daactualidade,expondoasvantagenseosinconvenientesdeváriaspossibilidades. C1: É capaz de compreender um vasto número de textos longos e exigentes, reconhecendo os seus significados implícitos.écapazdeexprimirdeformafluenteeespontâneasemprecisarmuitodeprocuraraspalavras.écapaz deusaralínguademodoflexíveleeficazparafinssociais,académicoseprofissionais.podeexprimir sesobretemas complexos, de forma clara e bem estruturada, manifestando o domínio de mecanismos de organização, de articulaçãoedecoesãododiscurso. C2:Écapazdecompreender,semesforço,praticamentetudooqueouveoulê.Écapazderesumirasinformações recolhidasemdiversasfontesoraiseescritas,reconstruindoargumentosefactosdeummodocoerente.écapazde se exprimir espontaneamente, de modo fluente e com exactidão, sendo capaz de distinguir finas variações de significadoemsituaçõescomplexas. 11

12 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Val.Abs. % PoucoImportante 10 11,2 Importante 28 31,5 MuitoImportante 49 55,1 Total 87 97,8 Nãorespondeu 2 2,2 Total ,0 No caso da investigação, o número de inquiridos que considera a língua inglesa muito importante e importante é ainda mais expressivo(94,4%), concluindo se desta forma que a maioria dos docentes atribui mais importância à língua inglesa na investigação, do que na docência,aindaqueatribuaimportânciaparaambasactividades. Quadro8.Graudeimportânciaatribuídoàlínguainglesaparaaactividadedeinvestigação Val.Abs. % NadaImportante 1 1,1 PoucoImportante 2 2,2 Importante 12 13,5 MuitoImportante 72 80,9 Total 87 97,8 Nãorespondeu 2 2,2 Total ,0 RelativamenteàdisponibilidadedosdocentesemparticiparemcursosdeformaçãodeInglês, procurou seaferirograudeinteresse,onúmerodehorasdisponíveiseoperíodolectivomais convenienteparareceberformação. Dototaldosinquiridos,59,6%revelatermuitointeresseemfrequentarcursosdeformaçãode Inglês, 20,2% algum interesse e 18,4% poucoe nenhum interesse, podendo se assumir que, de um modo geral, o corpo docente do IPBeja tem interesse em frequentar cursos de formaçãodeinglês 6. Quadro9.DisponibilidadeparafrequentarcursosdeformaçãodeInglês Val.Abs. % Sim 69 77,5 Não 17 19,1 Total 86 96,6 Nãorespondeu 3 3,4 Total ,0 6 VerAnexos,quadro10 12

13 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Paralelamente ao interesse em frequentar cursos de formação de Inglês, procurou se igualmente, averiguar a efectiva disponibilidade dos docentes para o mesmo. Com efeito, 77,5% dos inquiridos revela ter disponibilidade, contra 19,1% que revela não ter disponibilidadeparaafrequênciadecursosdeinglês. Quadro10.DisponibilidadedehorasparacursosdeformaçãodeInglês Val.Abs. % 0horas 1 1,1 1a2horas 3 3,4 2a3horas 34 38,2 3a4horas 7 7,9 maisde4horas 23 25,8 Total 68 76,4 Nãorespondeu 21 23,6 Total ,0 Aoníveldadisponibilidade,observou seque: 38,2% dos docentes afirma ter 2 a 3 horas semanais disponíveis para cursos de formação de Inglês, e 25,8% mais de 4 horas semanais. 48,3% dos docentes afirma não ter disponibilidade durante o período da manhã e 43,8% afirma ter disponibilidadeduranteoperíododatarde; relativamenteaoperíodopós laboral,41,6%dosinquiridosrevelaterdisponibilidade duranteesteperíododetempoparafrequentarcursosdeformaçãodeinglês 7 ; quanto ao período de fim de semana, a esmagadora maioria dos inquiridos (73%) revelanãoterdisponibilidadeparaafrequênciadoscursos 8 ; noquerespeitaaoperíodomaisoportunodoanolectivoparafrequentaroscursos,a maioriadosdocentesrefereoanolectivoenãoo1ºou2ºsemestre,ouatémesmoas pausaslectivas Veranexos,quadro13 8 Veranexos,quadro14 9 Serádereferir,noquerespeitaàdisponibilidadeconcretadosdocentes,emtermosdehoraseperíodooportuno parafrequentaroscursosdeformação,oelevadonúmerodenão respostas.talpoderáestarrelacionadocomo factodeosdocentes,nopresenteanolectivo,aindadesconheceremadistribuiçãodeserviçoparaopróximoano lectivo,anoemqueseprevêqueterãoiniciooscursosdeformaçãodeinglês. 10 Veranexos,quadros

14 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa 4.4.CruzamentodosdiferenteseixoscomoníveldeconhecimentosdeInglêsidentificado noplacementtest 11. Relativamente aos resultados dos conhecimentos de Inglês do corpo docente do IPBeja, a maioriadosdocentes,encontra senonívelintermédioalto(31,5%)eintermédio(25,8%).será também de referir o número significativo de docentes, 18%, que se encontra no nível mais elevado. Quadro11.NíveisdeconhecimentodeInglês Val.Abs. % Beginner 4 4,5 Elementary 6 6,7 Pré Intermediate 10 11,2 Intermediate 23 25,8 Upper Intermediate 28 31,5 Advanced 16 18,0 Total 87 97,8 Nãorespondeu 2 2,2 Total ,0 Quadro12.CruzamentoníveldeInglêscomdisponibilidadeparafrequentarcursosdeformaçãode Inglês nível Disponibilidade Sim Não Total 1, , , , , , Total Osdocentesquedetêmmenoscompetênciasemlínguainglesa,revelamterdisponibilidade paraafrequênciadecursosdeformaçãodeinglês.nocasodosdocentesquerevelamnãoter disponibilidade para a frequência destes cursos, grande parte detêm um grau elevado de competênciasdeinglês,nãosendoaformaçãoumimperativoparaosmesmos Quadro 13. Cruzamento auto avaliação com a disponibilidade em frequentar cursos de formação deinglês 11 MacMillanstraightforwardplacementtests: 14

15 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Auto.avaliação Disponibilidade Sim Não Total A1 Utilizadorelementar A2 Utilizadorelementar B1 Utilizadorindependente B2 Utilizadorindependente C1 Utilizadorproficiente C2 Utilizadorproficiente Total Osinquiridosqueseconsideram,aníveldecompetênciasdeInglês,utilizadoresproficientes, sãoaquelesquemaisafirmamnãoterdisponibilidadeparafrequentarcursosdeformaçãode Inglês,sendoosinquiridosqueseconsideramutilizadoreselementares,aquelesqueafirmam termaisdisponibilidade. Conclusão Deummodogeral,osinquiridosrevelamterbonsníveisdecompetênciasdeInglês.Contudo, através deste diagnóstico, pode se observar a utilização que os docentes fazem do Inglês a nível de leitura, escrita e comunicação oral, sendo os dois primeiros os mais utilizados no âmbitoprofissional.acresceaindaofactodeamaioriadosinquiridosnãotercapacidadede escreverumartigotécnico científicodeformaautónoma,oquetraduzaimportânciadeum investimento na formação escrita em Inglês dos docentes. De facto, ainda que os dados apontemparaumbomnívelgeraldeconhecimentosdeinglês,autilizaçãoqueosdocentes fazemdomesmo,sejaemtermosprofissionaisoupessoais,ébastantediminuta,destacandose porém a leitura de artigos técnico científicos que se revelou como um dos hábitos de contactocomalínguainglesamaisfrequente. Ainda assim, a maioria dos docentes revela um grau elevado de interesse em frequentar cursos de formação de Inglês, bem como disponibilidade em termos de horas e períodos lectivos. Étambémdereferirqueonúmeroderespostasaesteinquéritopoderáestarrelacionadocom onúmerodedocentesquetêminteressenatemáticae,consequentemente,emmelhoraro seu nível de Inglês. Ainda que não corresponda a mais de 50% do corpo docente, já se constituicomoumnúmerosignificativo. Em suma, a maior aposta a nível de formação poder se á efectivar nos campos da escrita e leitura,aocorrerduranteoanolectivoemperíodosde3horassemanais. Quadro14.Principaisconclusões Hábitosdecontactocomalínguainglesa 75,3% lêem frequentemente e muito 15

16 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Disponibilidade para frequentar cursos de formaçãodeinglês frequentementeartigostécnico científicos 65,1% escreve artigos técnico científicos com poucaounenhumaautonomia 84,3%comunicapoucofrequentementeoununca emreuniõesdetrabalhoe78,7%comunicapouco ou nunca em aulas e contacto com alunos internacionais. 77,5% afirma ter disponibilidade em frequentar cursos de formação de Inglês e 59,6% afirma ter muitointeresseemfrequentarestescursos. 43,8% prefere frequentar cursos de formação duranteatardee41,6%emperíodopós laboral 56,2% dos inquiridos refere o ano lectivo como períodomaisapropriadoparafrequentaraulasde Inglês Auto avaliaçãodascompetênciaseminglês CompetênciasemInglês 38,2%tementre2a3horassemanaisdisponíveis paraaulasdeinglês. 21,3% considera que os seus conhecimentos se situamnonívela2(utilizadorelementar)e24,7% nonívelb1(utilizadorindependente). 31,5% dos docentes situa se no nível intermédio altoe25,8%nointermédio. 16

17 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Bibliografia EurobarometerSurvey,2005 Comissão Europeia, Direcção Geral de Comunicação (2008), Falar as línguas da Europa: as línguasnauniãoeuropeia,in ec.europa.eu/publications/booklets/move/74/pt.doc Peixoto,Paula(2007), Aimportânciaestratégicadaslínguasvivasnosistemaeducativo,in RevistadoSNESup,nº25,Julho Agosto Setembro Altbach,PhilipG,Reisberg,Liz,Rumbley,LauraE.,TrendsinGlobalHigherEducation:Tracking anacademicrevolution,unesco QuadroEuropeuComumdeReferência 17

18 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Anexos 18

19 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa Anexo1.Frequênciadeleituradeficçãoemlínguainglesa Val.Abs. % Nunca 56 62,9 PoucoFrequentemente 25 28,1 Frequentemente 5 5,6 MuitoFrequentemente 3 3,4 Total ,0 Anexo2.Frequênciadeleituradeimprensaemlínguainglesa Val.Abs. % Nunca 17 19,1 PoucoFrequentemente 51 57,3 Frequentemente 16 18,0 MuitoFrequentemente 5 5,6 Total ,0 Anexo3.Frequênciadeescritadecorrespondênciaprofissionalemlínguainglesa Val.Abs. % Nunca 22 24,7 PoucoFrequentemente 45 50,6 Frequentemente 13 14,6 MuitoFrequentemente 8 9,0 Total 88 98,9 Não respostas 1 1,1 Total ,0 Anexo4.Frequênciadecomunicaçãoemlínguainglesaemconferências Val.Abs. % Nunca 46 51,7 PoucoFrequentemente 24 27,0 Frequentemente 12 13,5 MuitoFrequentemente 4 4,5 Total 86 96,6 Não respostas 3 3,4 Total ,0 19

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO Outubro 2015 Fevereiro 2016 Goethe-Institut Lisboa Sprache. Kultur. Deutschland. Cursos de alemão Aprenda alemão com profissionais: O Goethe-Institut em Lisboa oferece uma vasta

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning.

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. A internacionalização da língua portuguesa Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. Mário Filipe O ensino de línguas de grande difusão global é hoje servido por várias

Leia mais

Eficiência Peso: 30.0

Eficiência Peso: 30.0 ANO: Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Beja MISSÃO: O Instituto Politécnico de Beja é uma instituição de ensino superior ao serviço da sociedade, destinada à produção e difusão

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Eixos Domínios Intervenções

Eixos Domínios Intervenções I.1. Aprendizagem ligada ao Emprego e ao Empreendedorismo I.1.1. Consolidar o observatório da empregabilidade e inserção profissional dos diplomados I.1.2. Reforçar o IPBeja Empreendedorismo I.2.1. Criar

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade)

Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) Relatório do inquérito aplicado aos Docentes Julho de 2008 GAAQ (Gabinete de Autoavaliação para a Qualidade) 1 UAL, Ano lectivo de 2007/2008 2 Índice 1. Estrutura do questionário 1.1. Resultados do Alpha

Leia mais

O Processo de Bolonha:

O Processo de Bolonha: O Processo de Bolonha: Mudanças e desafios António Fragoso, Universidade do Algarve Origens do Processo de Bolonha Declaração de Bolonha (19/06/1999) declaração conjunta dos ministros da Educação Europeus

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Instituto Superior da Maia ISMAI CET. Realização de Eventos Multimédia

Instituto Superior da Maia ISMAI CET. Realização de Eventos Multimédia Instituto Superior da Maia ISMAI CET Realização de Eventos Multimédia CoordenadorA Professora Doutora Célia Sousa Vieira cvieira@ismai.pt fundamentos e Objectivos A área de formação deste CET reside nos

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº 070142074

Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº 070142074 Recensão Crítica Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação Docente: Prof. Fernanda Botelho Teresa Cardim Nº 070142074 Raquel Mendes Nº 070142032 Setúbal, Outubro de 2009 Referências Bibliográficas

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO Fevereiro Junho 2016 Goethe-Institut Lisboa Sprache. Kultur. Deutschland. Cursos de alemão O Goethe-Institut oferece diversas modalidades para aprendizagem da língua alemã. Seja

Leia mais

ESCOLA E.B. 2/3 DE REAL

ESCOLA E.B. 2/3 DE REAL ESCOLA E.B. 2/3 DE REAL ABAIXO-ASSINADO Pugnando por um sistema de avaliação mais justo, equilibrado e adequado à realidade do nosso sistema de ensino, os professores abaixoassinados, após análise detalhada

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

Contributos para a alteração do Estatuto do Trabalhador Estudante

Contributos para a alteração do Estatuto do Trabalhador Estudante Contributos para a alteração do Estatuto do Trabalhador Estudante Preâmbulo O Processo de Bolonha e a sua implementação no Ensino Superior em Portugal exigem uma reflexão e uma readaptação que se pretende

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Universidades. Já há mais. superioresem Portugal que são dados. de 170 cursos. só em inglês ATUALPÁGS.4ES

Universidades. Já há mais. superioresem Portugal que são dados. de 170 cursos. só em inglês ATUALPÁGS.4ES Universidades Já há mais de 170 cursos superioresem Portugal que são dados só em inglês ATUALPÁGS.4ES Universidades portuguesas já têm mais de 1 70 cursos em inglês Internacionalização. Atrair novos estudantes

Leia mais

CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ensinus-Estudos

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho O Programa do XVII Governo prevê o lançamento de uma nova geração de políticas locais e de políticas sociais de proximidade, assentes em passos decisivos e estruturados

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

Escola de Lisboa. Relatório de Actividades 2012/13 Elaborado por Direcção e aprovado por Administração e Conselho Cientifico

Escola de Lisboa. Relatório de Actividades 2012/13 Elaborado por Direcção e aprovado por Administração e Conselho Cientifico Escola de Lisboa Relatório de Actividades 2012/13 Elaborado por Direcção e aprovado por Administração e Conselho Cientifico Índice 1. Cumprimento do plano estratégico e anual 2. Realização dos Objectivos

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

QUADRO DE TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO QUADRO DE TRANSFERÊNCIA DE COMPETÊNCIAS PARA OS MUNICÍPIOS EM MATÉRIA DE EDUCAÇÃO APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 144/2008, DE 28 DE JULHO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - Lei n.º 3-B/2010, de 28 de

Leia mais

AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA. MÓDULO III Bolsas e Estágios

AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA. MÓDULO III Bolsas e Estágios AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA MÓDULO III Bolsas e Estágios Bolsas e Estágios Bolsas Acção Social do Ensino Superior Fundação para a Ciência e a Tecnologia Fundação Calouste Gulbenkian Instituto

Leia mais

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1

Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Etapas para a aplicação de cursos de PLE (geral e para fins específicos): reflectir para agir! 1 Ana Rita Bernardo Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa, área de PLE/L2 Cientes do apelo que se impõe

Leia mais

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL ANEXOS 1 Anexo 1 GUIÃO DE ENTREVISTA A APLICAR À DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL - Saber se a escola contempla o Programa de Transição para a Vida Activa e identificar as características do Programa; 1 -

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 -

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Caros Estudantes e restante Comunidade Académica do IPBeja, No dia 29 de Abril de 2009 fui nomeado Provedor do Estudante pelo Presidente

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

SIGHT. lisboa cidade atrativa para estudantes internacionais. economia e inovação LISBON

SIGHT. lisboa cidade atrativa para estudantes internacionais. economia e inovação LISBON IN SIGHT economia e inovação lisboa cidade atrativa para estudantes internacionais LISBON A mobilidade de estudantes / investigadores funciona com um importante fator multiplicador de conhecimento, ao

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013

Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 Aviso de abertura do exercício de avaliação das Unidades de I&D 2013 A. Âmbito e objetivos do exercício de avaliação A Fundação para

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA Instituto Hidrográfico IH BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL* A preencher pelo candidato Bolsa / Reservado aos Serviços Nome

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universitas, Crl A.1.a. Descrição

Leia mais

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Apresentação das Iniciativas e.escola e.professor e.oportunidades Escola Secundária Eça de Queiroz,

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ese

Leia mais

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Encontro Internacional de Negócios Lisboa, 29 de Novembro de 2013 INTRODUÇÃO As PME portuguesas têm vindo a atravessar bastantes dificuldades

Leia mais

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: E.I.A. - Ensino, Investigação

Leia mais

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Projeto de Formação de Professores do Ensino Básico Seleção de Agentes de Cooperação (Língua Portuguesa)

MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Projeto de Formação de Professores do Ensino Básico Seleção de Agentes de Cooperação (Língua Portuguesa) MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Projeto de Formação de Professores do Ensino Básico Seleção de Agentes de Cooperação (Língua Portuguesa) (DÍLI / TIMOR LESTE) Posto Condições Datas para receção de candidaturas

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

1. Referencial e objeto de avaliação INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016

1. Referencial e objeto de avaliação INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016 INFORMAÇÃO Nº 2 /2015-2016 O presente documento refere-se à Inglês 9.º ano (PET), a aplicar aos alunos do 9.º ano de escolaridade em 2016. Encontra-se disponível, para consulta, no site do iave.pt, na

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS EM CO-PROMOÇÃO AVISO N.º 0 / SI/ 0 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

RECONHECIMENTO 13. O que é ECTS? 14. Como se compara ECTS com sistemas de pontos de créditos noutros países? 15. O que é um Suplemento ao Diploma?

RECONHECIMENTO 13. O que é ECTS? 14. Como se compara ECTS com sistemas de pontos de créditos noutros países? 15. O que é um Suplemento ao Diploma? PMFs Perguntas Mais Frequentes Nesta página da web pode encontrar as respostas a todas as perguntas que talvez queira fazer sobre estudos musicais na Europa. Perguntas Mais Frequentes PORQUÊ EU? 1. Porque

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2009 Agenda EM DESTAQUE Estágios e Suplemento ao Diploma- uma aposta no futuro! Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Manz

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais