SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ"

Transcrição

1 SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ ANÁLISE E DISCUSSÃO DA RELAÇÃO DE GOLPES ENTRE PRATICANTES DE KARATE NA FAIXA ETÁRIA DE 18 A 35 ANOS E VETERANOS DE 41 A 45 NO CAMPEONATO MUNDIAL DE IKU 2014 Jefferson Campos Lopes Professor Mestre do Curso de Educação Física Unaerp Universidade de Ribeirão Preto Campus Guarujá Rogério Rocha Lucena Professor Mestre do Curso de Educação Física, Enfermagem, Fisioterapia. Unaerp Universidade de Ribeirão Preto Campus Guarujá Este simpósio tem o apoio da Fundação Fernando Eduardo Lee RESUMO: O objetivo deste estudo foi apresentar um comparativo estatístico das estratégias de karate utilizadas no II CAMPEONATO MUNDIAL DE IKU nas categorias sênior e veterano. Neste artigo foi enfocada a parte técnica do combate esportivo aplicadas dentro das habilidades individuais de cada atleta nas quais as perspectivas visam obter a sua melhor performance na utilização com tática e estratégia. PALAVRAS CHAVES Karatê, estratégia e jogo. SUMMARY: The aim of this study was to present a statistical comparison of the strategies used in karate II WORLD CHAMPIONSHIP IKU in senior and veteran categories. This article has focused on the technical part of combat sports applied within individual skills of each athlete where prospects seek to achieve their best performance in use with tactics and strategy. KEY WORDS: Karate, strategy and game. Seção 4 Curso de Educação Física Apresentação: Oral

2 1-INTRODUÇÃO Na grande maioria das competições de Karate as categorias acima dos 18 anos são chamadas sênior e veterana. As divisões segundo a IKU (Internacional Karate Union) foram da seguinte maneira: 1) Seniores (de 18 a 35 anos) Masculino kg, - 75 kg, -80 kg e + 80 kg Feminino kg, - 60 kg, ate 68 kg e + 68 kg 2) Veteranos ( 41 a 45 anos) Masculino absoluto Sabe-se que hoje todo atleta de karate deve estar direcionando seu sistema de preparação esportiva através de um sistema de planejamento físico, físico/tático e tático técnico. Além destes exige-se também uma preparação biológica, psicologia e pedagógica segundo RONDAN (2009). Partindo da Teoria do jogo de Caillois (1990), onde se faz uma relação com a palavra AGON que significa disputa. Como Jogo, o Agon possui características relativas à atitude do jogador. Assim, a incerteza deve ser assegurada por uma igualdade de oportunidades, relativa às regras e às habilidades que influenciam o desempenho. Neste artigo será discutido as 03 possibilidades de disputa que são: oposição, perseguição e comparação. 2- MÉTODO Neste estudo foi utilizada uma pesquisa quantitativa, realizada de forma observacional e pontual através de um modelo criado de Scalte especifico de um total de 132 atletas de karate de ambos os sexos nas categorias sênior e veterano para identificar os principais golpes utilizados, quantidade de pontos, faltas, lesões, saídas e comparar a eficácia das estratégias utilizadas. Os participantes tiveram nos seus confrontos lutas de 3 minutos de duração. Essa regra foi instituída pelo evento. GRÁFICO 1 QUANTIDADE DE ATLETAS HOMENS 72 (SENIOR) HOMENS 20 (VETERANOS) MULHERES 40

3 MASCULINO (SENIOR) MASCULINO (VETERANO) FEMININO No gráfico 1 observa-se que o número de participantes é maior do sexo masculino na competição com quase o dobro em relação ao sexo feminino. GRÁFICO 2 GRAU DA FAIXA MASCULINO (SENIOR) MASCULINO (VETERANO) Neste gráfico pode ser observado que a graduação máxima no karate ainda é um fator quase que total para realização das disputas de competição. A quantidade de lutadores na faixa preta é de 112 participantes, já os praticantes na faixa marrom eram apenas 20 participantes. GRÁFICO 3 PREDOMÍNIO DE FALTAS COMETIDAS NO ROSTO POR CATEGORIA

4 MASCULINO (SENIOR) MASCULINO (VETERANO) Neste gráfico pode-se analisar que o contato no rosto fica sendo o mais utilizado na categoria veterana (25) em comparação a categoria sênior (07). Acredita-se que tal predomínio seja devido os elementos de treinamento (tempo) e controle do tônus muscular (precisão) que com o decorrer dos anos treinados são deixados em segundo plano. GRÁFICO 4 PREDOMÍNIO DE FALTAS NO SEXO FEMININO MULHER (ROSTO) MULHER (PERNA) MULHER (ABDOME) No gráfico 4 pode ser observado que o ataque de disputa fica sendo claramente o da perseguição que possui como alvo principal o rosto pelo sexo feminino. Os dados coletados sinalizam essa evidência. Pois foram coletados 49

5 ataques por parte das mulheres, aonde o predomínio dos golpes foi: 30 golpes no rosto, 9 nas pernas e 10 no abdome. GRAFICO 5 SAÍDAS DA QUADRA DE COMPETIÇÃO JOGAI MASCULINO (SENIOR) MASCULINO (VETERANO) FEMININO Neste gráfico é possível notar que a categoria sênior masculina no elemento de ser perseguido optou pela saída como estratégia de luta ao invés de confronto direto. Os dados coletados comprovam essa afirmação, pois cerca de lutadores seniores optaram por tal estratégia. Já a categoria veterana (08) e as mulheres (06) não apresentaram menor predomínio em relação aos seniores. GRAFICO 6 QUANTIDADES DE PONTOS WASARI

6 FEMININO; 75 MASCULINO (SENIOR); 126 MASCULINO (VETERANO); 64 O grande numero de wasari se dá ao fator de exigência da modalidade combate que caracteriza como sendo 90% do ponto Maximo o Ippon, no qual sua qualidade e exigida de forma a ser quase que perfeito. GRAFICO 7 QUANTIDADES DE PONTOS POR IPPON FEMININO; 12 MASCULINO (VETERANO); 7 MASCULINO (SENIOR); 25 Neste gráficos mostra-se que a quantidade de golpes com sua perfeição fica bem abaixo do quadro anterior, podendo caracterizar uma forma de pontuação mais difícil nas lutas de combate.

7 GRAFICO 8 DISTRIBUIÇÃO DOS GOLPES NA CATEGORIA SENIOR REALIZADOS PELO LADO DIREITO KIZAMI GUERI; 5 MAWASHI; 10 MAEGUERI; 2 URA MAWASHI; 5 YOKO GUERI; 0 ASHIBARAI; 5 OIZUKI; 20 COMBINAÇÕES; 25 GYAKO; 45 KIZAMIZUKI; 25 URAKEN; 10 Pode-se observar que os golpes mais utilizados ainda são dos membros superiores, sendo o GYAKO o mais utilizado. Isto mostra que a especificidade da modalidade ainda prevalece à utilização do que se chama caminho das mãos vazias. GRAFICO 9 DISTRIBUIÇÃO DOS GOLPES NA CATEGORIA SENIOR REALIZADOS PELO LADO ESQUERDO URA MAWASHI; 5 YOKO GUERI; 2 MAWASHI; 0 ASHIBARAI; 0 KIZAMI GUERI; 5 MAEGUERI; 0 OIZUKI; 19 COMBINAÇÕES; 10 URAKEN; 5 KIZAMIZUKI; 10 GYAKO; 30

8 Neste gráfico a diversidade da relação dos membros superiores ainda é mais utilizada, mas os golpes de pernas tem um numero reduzido de sua utilização, pois a grande especificidade da modalidade exige em seus treinamentos a melhoria da manipulação dos membros superiores. GRAFICO 10 DISTRIBUIÇÃO DOS GOLPES NA CATEGORIA VETERANO REALIZADOS PELO LADO DIREITO MAWASHI; 4 MAEGUERI; 0 COMBINAÇÕES; 5 KIZAMI URA MAWASHI; 1 YOKO GUERI; 0 ASHIBARAI; 0 GUERI; 2 OIZUKI; 10 URAKEN; 5 GYAKO; 10 KIZAMIZUKI; 12 Nesta categoria observa-se que perdura uma utilização grande dos membros superiores agora com a divisão entre 03 golpes específicos OI ZUKI, GYAKO E KIZAMI. GRAFICO 11 DISTRIBUIÇÃO DOS GOLPES NA CATEGORIA VETERANO REALIZADOS PELO LADO DIREITO

9 MAEGUERI; 0 KIZAMI GUERI; 0 MAWASHI; 0 URA MAWASHI; 0 YOKO GUERI; 0 ASHIBARAI; 0 COMBINAÇÕES; 5 OIZUKI; 4 URAKE N; 1 KIZAMIZUKI; 4 GYAKO; 8 É observado no gráfico 11 que o lado superior continua sendo o único utilizado nesta categoria. GRAFICO 12 TÁTICAS APLICADAS NA CATEGORIA SENIOR ANTECIPAÇÃO 9% TÁTICA - SENIOR DEAI 15% DEFENDENDO 17% ATACANDO 59% Pode-se avaliar que o sistema ofensivo (antecipação/ataque) é o mais utilizado, tendo como circunstâncias o tempo e o espaço como percepção de estratégia. Também pode ser dito que o elemento DEAI foi utilizado como sistema de antecipação com características de luta de curta distância. Ainda no sistema defensivo entende-se que pode ter sido utilizado o recuo defensivo/ofensivo.

10 GRAFICO 13 TÁTICAS APLICADAS NA CATEGORIA VETERANO ANTECIPAÇÃO 14% TÁTICA - VETERANO DEAI 20% ATACANDO 47% DEFENDENDO 19% Nesta categoria pode-se avaliar que o sistema ofensivo (antecipação/ataque) fica com uma diferença de opção tática. Acrescentando o elemento DEAI foi utilizado como sistema de antecipação com características de luta de curta distância. Ainda no sistema defensivo entende-se que pode ter sido utilizado o recuo defensivo/ofensivo. 3- CONCLUSÃO Através desta pesquisa foi identificado que na grande maioria dos golpes utilizados na contagem dos pontos WASARI E IPPON sendo constituídos pelo gyaku, kizami e combinações seguidas do oi zuki e os chutes mawashi, ura e kizami mawashi fazem parte da metodologia de enisno aprendizagem do KARATÊ. O conhecimento dos princípios e de suas implicações permite a leitura das várias situações que ocorrem durante uma Luta. Esta leitura pode ser feita verificando-se a interação entre os oponentes, resultante das ações adotadas por ambos em um determinado momento e das posturas consequentes. Os princípios de oposição formam a base do pensamento estratégico. Nas atividades de oposição, o indivíduo que os reconhece pode utilizá-los de modo inteligente para poder controlar as situações, prevendo os movimentos do oponente e ficando, ao mesmo tempo, imprevisível. Termino seguindo com a sugestão de Ruiz Pérez e Arruza (2005) que o conhecimento adquirido por um praticante e que lhe permite perceber melhor a informação disponível no contexto de prática e daí tomarem a melhor decisão onde treino com caráter táctico, na medida em que desenvolve o seu pensamento, representa assim o contexto ideal o desenvolvimento dos aspectos perceptivos e decisionais da ação.

11 4- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. BARBANTI, V. J. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Vol. 11, No 1 (2006). BEDOLLA A Alvarez Estratégia e Táticas Técnico: definição, características e exemplos dos termos em disputa. Revista Digital - Buenos Aires - Ano 9 - N º 60 - Maio de CAILLOIS, R. OS JOGOS E OS HOMENS: A MÁSCARA E A VERTIGEM Lisboa: Cotovia, MARQUE. JUNIOR N. Karatê shotokan: pontos dos golpes durante o kumitê de competição masculino. Ulbra Mov 2(1):1-15 (2011). NAKAYAMA, M. Karatê dinâmico. 11ª ed. São Paulo: Cultrix, 2011 RUIZ P, L.; ARRUZA, J. El Proceso de Toma de Decisiones en el Deporte Clave de la Eficiencia y el Rendimiento Óptimo. Barcelona: Editorial Paidós (2005). VILLANI R, DISTASO M. Technical-tactical evolution of the international competitions of karate. 9th Annual Congress of the European College of Sport Science. Clermont Ferrand, France (2004).

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Puntaje de los golpes durante el kumité de competición de karate shotokan masculino Scores of the techniques during the male

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

A FÍSICA ENVOLVIDA NOS GOLPES DE KARATÊ: GYAKU ZUKI E TAMESHIWARI

A FÍSICA ENVOLVIDA NOS GOLPES DE KARATÊ: GYAKU ZUKI E TAMESHIWARI INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA CAMPUS PAULO AFONSO ENGENHARIA ELÉTRICA BRUNA PONTES DO NASCIMENTO JOÃO MANOEL DE ARAÚJO FILHO A FÍSICA ENVOLVIDA NOS GOLPES DE KARATÊ: GYAKU

Leia mais

TOURNAMENT RULES & REGULATIONS

TOURNAMENT RULES & REGULATIONS CAMPEONATO SUL AMERICANO KARATE SHOTOKAN JKA REGRAS DA COMPETIÇÃO AS PRESENTES REGRAS SE BASEIAM NO DOCUMENTO INTITULADO TORNEIOS - REGULAMENTOS E REGRAS, DOCUMENTO ELABORADO PELO INSTITUTO SHOTOKAN NKK-JKA

Leia mais

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO ORNIDES CINTRA KINDELÁN Resumo: o constante aperfeiçoamento das formas, das vias e dos métodos para o desenvolvimento do jogo de basquetebol

Leia mais

COPA PAULISTA DE KARATÊ-DO JKA

COPA PAULISTA DE KARATÊ-DO JKA São Paulo, 17 de Setembro de 2015 COPA PAULISTA DE KARATÊ-DO JKA Informamos que em 07 de Novembro (sábado), será realizado na cidade de Lorena-SP, a Copa Paulista de Karatê-do JKA provas individuais (kata

Leia mais

ADAPTAÇÃO DO SPECIAL JUDO FITNESS TEST PARA O KARATE: UM ESTUDO COM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA.

ADAPTAÇÃO DO SPECIAL JUDO FITNESS TEST PARA O KARATE: UM ESTUDO COM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA. ADAPTAÇÃO DO SPECIAL JUDO FITNESS TEST PARA O KARATE: UM ESTUDO COM ATLETAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA. INTRODUÇÃO HERALDO SIMÕES FERREIRA Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil heraldo.simoes@uece.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7.

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7. 482 CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO TÁTICO DE JOGADORES DE FUTEBOL, FUTSAL E FUTEBOL DE 7. Pedro Emílio Drumond Moreira-UFMG Gibson Moreira Praça-UFVJM Pablo Juan Greco-UFMG pedrodrumondmoreira@hotmail.com

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Andebol

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

EXAME DE FAIXA SINAIS: AVANÇAR RECUAR. 8 o. KYU (BRANCA PARA AMARELA) Carência mínima de 6 MESES para o exame

EXAME DE FAIXA SINAIS: AVANÇAR RECUAR. 8 o. KYU (BRANCA PARA AMARELA) Carência mínima de 6 MESES para o exame Conform dcidido na última runião gral d 16 d dzmbro d 2006, a FPKT passa a adotar o sistma d graduação d Kyu conform o sistma da JKA Brasil. Sgu abaixo a nova sqüência d kyu: BRANCA 9 o. Kyu / AMARELA

Leia mais

Federação Paraense de Karate Esportivo Filiado a Confederação Brasileira de Karatê Esportivo - CBKE Trav. Castelo Branco, n.º 2320 CEP ,

Federação Paraense de Karate Esportivo Filiado a Confederação Brasileira de Karatê Esportivo - CBKE Trav. Castelo Branco, n.º 2320 CEP , Federação Paraense de Karate Esportivo Filiado a Confederação Brasileira de Karatê Esportivo - CBKE Trav. Castelo Branco, n.º 2320 CEP 66063-000, Guamá, Belém-PA E-mail: sensei_pietro@hotmail.com www.fpke.com.br

Leia mais

PLANO DE TRABALHO KARATÊ

PLANO DE TRABALHO KARATÊ PLANO DE TRABALHO KARATÊ Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

PROGRAMA TÉCNICO PARA EXAME DE GRADUAÇÃO

PROGRAMA TÉCNICO PARA EXAME DE GRADUAÇÃO PROGRAMA TÉCNICO PARA EXAME DE GRADUAÇÃO 9ºKYU A 1ºKYU Instituto Shotokan de Portugal Programa Nacional 1ºDAN A 5ºDAN Shotokan Cultural Institute Programa Internacional 2012 Exame de cinto branco (9 Kyu)

Leia mais

METODOLOGIAS DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DO FUTSAL MÉTODO ANALÍTICO OU GLOBAL

METODOLOGIAS DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DO FUTSAL MÉTODO ANALÍTICO OU GLOBAL METODOLOGIAS DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DO FUTSAL MÉTODO ANALÍTICO OU GLOBAL Artur Monteiro / UTAD Luís Vaz / UTAD / CIDESD lvaz@utad.pt ոո Palavras-chave: Educação Física, Ensino, Futsal. INTRODUÇÃO Como

Leia mais

Análises dos golpes de atletas de karatê no campeonato ARTIGO paranaense ORIGINAL / de ORIGINAL kumitê ARTICLE (luta)

Análises dos golpes de atletas de karatê no campeonato ARTIGO paranaense ORIGINAL / de ORIGINAL kumitê ARTICLE (luta) Análises dos golpes de atletas de karatê no campeonato ARTIGO paranaense ORIGINAL / de ORIGINAL kumitê ARTICLE (luta) Análises dos golpes de atletas de karatê no campeonato paranaense de kumitê (luta)

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Ténis

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Ténis Versão 1.01 Referenciais de FORMAÇÃO Ténis Grau II Versão 1.01 Referenciais de FORMAÇÃO Ténis Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa de

Leia mais

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE?

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? 980 O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? Felipe Ruy Dambroz - NUPEF/UFV João Vítor de Assis - NUPEF/UFV Israel Teoldo da Costa

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Portuguesa

Leia mais

FNK - FEDERAÇÃO NORTERIOGRANDENSE DE KARATE. REGULAMENTO ESPECÍFICO DE KARATÊ JEMs 2015

FNK - FEDERAÇÃO NORTERIOGRANDENSE DE KARATE. REGULAMENTO ESPECÍFICO DE KARATÊ JEMs 2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SETOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA JEMS - 2015 FNK - FEDERAÇÃO NORTERIOGRANDENSE DE KARATE REGULAMENTO ESPECÍFICO DE KARATÊ JEMs 2015 Art. 1º - As

Leia mais

DESEMPENHO TÉCNICO-TÁTICO DE JUDOCAS DA CLASSE SUB 15 DURANTE CAMPEONATO BRASILEIRO 2016 Marcus F. Agostinho

DESEMPENHO TÉCNICO-TÁTICO DE JUDOCAS DA CLASSE SUB 15 DURANTE CAMPEONATO BRASILEIRO 2016 Marcus F. Agostinho DESEMPENHO TÉCNICO-TÁTICO DE JUDOCAS DA CLASSE SUB 15 DURANTE CAMPEONATO BRASILEIRO 2016 Marcus F. Agostinho OBJETIVOS Descrever o perfil técnico-tático de judocas Sub 15 (13 e 14 anos) durante as semi-finais

Leia mais

PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA

PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA CAMPOS, Yuri Michael Rodrigues de 1 SERPA, Erica Paes 2 1 Acadêmico do curso de Graduação em Educação Física da Faculdade de Ciências

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

Plano de estudos para graduações da SKIF BRASIL

Plano de estudos para graduações da SKIF BRASIL Plano de estudos para graduações da SKIF BRASIL A SKIF BRASIL possui um plano de estudos bem definido para os exames de graduação. As técnicas pedidas em cada grau têm a finalidade de avaliar o candidato

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA UNIVERSITÁRIO 2015 NOTA OFICIAL KARATÊ

CAMPEONATO PAULISTA UNIVERSITÁRIO 2015 NOTA OFICIAL KARATÊ CAMPEONATO PAULISTA UNIVERSITÁRIO 2015 NOTA OFICIAL KARATÊ Informações e inscrições: Kallel Brandão (11)97118-3872 kallel@fupe.com.br www.fupe.com.br www.juesp.com.br INFORMAÇÕES BÁSICAS Local: GINÁSIO

Leia mais

KARATÊ. Art. 2 o As competições de karatê se norteiam no desenvolvimento do caráter humano, no autocontrole e na responsabilidade.

KARATÊ. Art. 2 o As competições de karatê se norteiam no desenvolvimento do caráter humano, no autocontrole e na responsabilidade. KARATÊ Art. 1 o As regras serão de acordo com o regulamento internacional da World Karate Federation e adotadas pela FISU (Federation Internacionale du Sport Universitárie), devidamente adaptadas para

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

Federação de Karatê-Dô Tradicional da Bahia FKTB REGULAMENTO DE EXAMES DE GRADUAÇÃO.

Federação de Karatê-Dô Tradicional da Bahia FKTB REGULAMENTO DE EXAMES DE GRADUAÇÃO. REGULAMENTO DE EXAMES DE GRADUAÇÃO. Art. 1º - O progresso dos praticantes de Karatê Tradicional no Estado da Bahia será avaliado em exames de graduação solicitados pelas entidades filiadas e executados

Leia mais

CAMPEONATO MUNDIAL DE JOVENS DE ATLETISMO 2017 CRITÉRIOS DE ENTRADA

CAMPEONATO MUNDIAL DE JOVENS DE ATLETISMO 2017 CRITÉRIOS DE ENTRADA CAMPEONATO MUNDIAL DE JOVENS DE ATLETISMO 2017 CRITÉRIOS DE ENTRADA O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), por meio de seu Departamento Técnico e da Coordenação Técnica da modalidade de Atletismo, dentro

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS.. INDICE DE QUADROS.. ÍNDICE DE FIGURAS.. ÍNDICE DE ANEXOS ABREVIATURAS.. CAPÍTULO I:. 1 INTRODUÇÃO..

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS.. INDICE DE QUADROS.. ÍNDICE DE FIGURAS.. ÍNDICE DE ANEXOS ABREVIATURAS.. CAPÍTULO I:. 1 INTRODUÇÃO.. ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS.. INDICE DE QUADROS.. ÍNDICE DE FIGURAS.. ÍNDICE DE ANEXOS ABREVIATURAS.. CAPÍTULO I:. 1 INTRODUÇÃO.. 2 1.1. Apresentação do problema.. 2 1.2. Pertinência do estudo. 3 1.3.

Leia mais

2. Poderão participar os competidores inscritos por um Clube/Associação através da ficha de inscrição (Ficha em Anexo)

2. Poderão participar os competidores inscritos por um Clube/Associação através da ficha de inscrição (Ficha em Anexo) Oficio Circular Nº. 004/2016 FEDERAÇÃO DE KARATE DO ESTADO DO PARÁ Assunto; XXIX CAMPEONATO PARAENSE 1ª FASE KATA E KUMITE INDIVIDUAL E EQUIPES. DIVISÃO DE NOVOS DIVISÃO ESPECIAL MIRIM A VETERANOS Belém

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo Introdução Promover, divulgar, ensinar, treinar e competir no desporto em geral e no andebol em particular obriga a uma determinada organização e objetivos diferenciados em cada um dos escalões. Assim,

Leia mais

Campeonato Nacional de Karatê-do Tradicional CKTB 2017 Das datas e das categorias

Campeonato Nacional de Karatê-do Tradicional CKTB 2017 Das datas e das categorias INFORMATIVO CAMPEONATO NACIONAL n.º 002/2017 Campeonato Nacional de Karatê-do Tradicional CKTB 2017 Das datas e das categorias DATA 13 a 16 de JULHO LOCAL Maceió AL Colégio Marista de Maceió. Endereço:

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA AUTOR(ES):

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

FEDERAÇÃO DE KARATE DO ESTADO DO PARÁ

FEDERAÇÃO DE KARATE DO ESTADO DO PARÁ Este regulamento tem por finalidade determinar as condições e os critérios para a realização do Intermunicipal Paraense de Karatê (1ª Etapa do Campeonato Paraense de Karate 2017), da Federação de Karatê

Leia mais

CAMPEONATO SERGIPANO DE JUDÔ 2016

CAMPEONATO SERGIPANO DE JUDÔ 2016 CAMPEONATO SERGIPANO DE JUDÔ 2016 I. DOS OBJETIVOS 1ª ETAPA DO CIRCUITO SERGIPANO DE JUDÔ A Federação Sergipana de Judô, entidade de administração estadual do esporte Judô, cuja competência abrange todo

Leia mais

PROJETO SOCIAL DE KARATE 2017

PROJETO SOCIAL DE KARATE 2017 1 PROJETO SOCIAL DE KARATE 2017 Alunos: João da Silva Parcerias: MEDIANEIRA KARATÊ CLUBE MEDIANEIRA - PR 2017 2 PROJETO DE KARATÊ JUSTIFICATIVA Este projeto justifica-se, pela vontade do Medianeira Karatê

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE KARATÊ - 2015

REGULAMENTO ESPECÍFICO DE KARATÊ - 2015 REGULAMENTO ESPECÍFICO DE KARATÊ - 2015 Art. 1º - As competições serão regidas pelas Regras Oficiais emanadas pela FEKAEN (Federação Estadual de Karatê Amigos da Escola Norte Riograndense), OMAM BRASIL

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ementa Fundamentos da Ginástica Artística, conhecimento das habilidades motoras exigidas na modalidade. Ginástica de solo e suas progressões. Organização

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I Federação: Federação Portuguesa de Jiu-Jitsu Brasileiro (FPJJB) Modalidade/Disciplina: Jiu Jitsu Brasileiro Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 8 horas Componente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Parametrização das Estruturas Tácticas em Jogos Desportivos Colectivos Investigação Aplicada à Equipa Campeã Nacional no Escalão

Leia mais

CAMPEONATO PARANAENSE DE KARATÊ JKA 2015 PARANAVAÍ-PARANÁ

CAMPEONATO PARANAENSE DE KARATÊ JKA 2015 PARANAVAÍ-PARANÁ DATA: Será realizado no dia 05 de dezembro de 2015 (sábado) Local: COMPLEXO ESPORTIVO SESC DE PARANAVAÍ Rua: Perci Guimarães Cleves s/n Jd. Ouro Branco Paranavaí Pr TAXA DE INSCRIÇÃO: R$ 30,00 TAXA DE

Leia mais

CATEGORIAS CAMPEONATO BRASILEIRO KATA FEMININO KATA MASCULINO 1 ATE 6 ANOS CRIANÇAS TODAS AS FAIXAS E 08 Anos CRIANÇAS TODAS AS FAIXAS

CATEGORIAS CAMPEONATO BRASILEIRO KATA FEMININO KATA MASCULINO 1 ATE 6 ANOS CRIANÇAS TODAS AS FAIXAS E 08 Anos CRIANÇAS TODAS AS FAIXAS CATEGORIAS CAMPEONATO BRASILEIRO KATA FEMININO 1 ATE 6 ANOS CRIANÇAS TODAS AS FAIXAS 2 07 E 08 Anos CRIANÇAS TODAS AS FAIXAS 3 9 E 10 ANOS CRIANÇA BRANCA VERDE 4 9 E 10 ANOS CRIANÇA ROXA PRETA 5 11 E 12

Leia mais

Oi zuki Aplicação com antecipação do soco durante o deslocamento.

Oi zuki Aplicação com antecipação do soco durante o deslocamento. Oi zuki Aplicação com antecipação do soco durante o deslocamento. Sérgio de Jesus Araújo Salvador, 19 de dezembro de 2015. Oi zuki: Aplicação com antecipação do soco durante o deslocamento. Sérgio de Jesus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO 2016/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO 2016/1 CAMPUS: Goiabeiras - CEFD CURSO: Educação Física PROGRAMA DE ENSINO 2016/1 HABILITAÇÃO: Licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL:

Leia mais

A PRÁTICA DO ATLETISMO ESCOLAR COMO PROPOSTA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA RESUMO

A PRÁTICA DO ATLETISMO ESCOLAR COMO PROPOSTA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA RESUMO A PRÁTICA DO ATLETISMO ESCOLAR COMO PROPOSTA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA BARETTA, Elisabeth; GRIGOLLO, Leoberto Ricardo. RESUMO O desenvolvimento de atividades de extensão por meio do I Festival Unoesc de

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO KARATÉ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO KARATÉ. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO KARATÉ Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Participação 5 Artigo 2.º Provas Previstas 5 Artigo 3.º Escalões Etários

Leia mais

FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I METODOLOGIA DE TREINO

FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I METODOLOGIA DE TREINO FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I DEFINIÇÃO DE ADAPTAÇÃO ADAPTAÇÃO PROCESSO PROGRESSIVO PROCESSO REGRESSIVO Reorganização após estimulo TÉCNICOS TÁTICOS FÍSICOS PSICO-COGNITIVOS Específica Limitada DEFINIÇÃO

Leia mais

Escola Estadual João Ribeiro Guimarães Professor Marcos Alberto Sutiér

Escola Estadual João Ribeiro Guimarães Professor Marcos Alberto Sutiér Escola Estadual João Ribeiro Guimarães Professor Marcos Alberto Sutiér Treinamento Futsal Xadrez BANDEIRANTES/MS 2013 Justificativa As aulas de treinamento têm como base o desenvolvimento motor e intelectual

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Andebol de

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 27 ANÁLISE DOS GOLS EM JOGOS DE FUTSAL SUB-17 NO CAMPEONATO ESTADUAL DE SÃO PAULO 2012 Jussiê de Melo de Campos 1,2 RESUMO Introdução: Atualmente o futsal é um jogo imprevisível por definição e são várias

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - EAD (Currículo iniciado em 2016)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - EAD (Currículo iniciado em 2016) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - EAD (Currículo iniciado em 2016) ANATOMIA HUMANA APLICADA À EDUCAÇÃO FÍSICA D0041/I 68 H Introdução ao estudo da anatomia humana.

Leia mais

O padrão para graduação para cada grau de desenvolvimento é definido como se segue;

O padrão para graduação para cada grau de desenvolvimento é definido como se segue; PADRÕES PARA O EXAME DE GRADUAÇÃO POR KYU OU GRAU. O padrão para graduação para cada grau de desenvolvimento é definido como se segue; HACHI-KYU - (8º KYU) FAIXA CINZA. NANA-KYU - (7º KYU) FAIXA AZUL I

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO AMAZONAS-UEA PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA RICARDO ALFREDO MAIA DA SILVA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO AMAZONAS-UEA PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA RICARDO ALFREDO MAIA DA SILVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO AMAZONAS-UEA PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA RICARDO ALFREDO MAIA DA SILVA O FUTSAL FEMININO NA ESCOLA MANAUS AM 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

Tabelas Dinâmicas. 1º Passo Abrir o arquivo com a tabela que você deseja transformar em tabela dinâmica.

Tabelas Dinâmicas. 1º Passo Abrir o arquivo com a tabela que você deseja transformar em tabela dinâmica. Tabelas Dinâmicas Ao utilizar o Excel para manipulação de Banco de Dados, é possível gerencia-las com o uso de tabelas dinâmicas para facilitar a comparação, elaboração de relatórios e acesso aos dados

Leia mais

Código: Vigência: 2009 Carga Horária: 64 Série: 1ª

Código: Vigência: 2009 Carga Horária: 64 Série: 1ª Departamento: Educação Física Unidade: Faculdade de Educação Física Curso: Educação Física Grade Curricular Disciplina: Metodologia do Voleibol - Bacharelado Código: Vigência: 2009 Carga Horária: 64 Série:

Leia mais

História e Definição do Karatê Tradicional

História e Definição do Karatê Tradicional História e Definição do Karatê Tradicional O Karatê moderno tem suas origens em mosteiros da China e Índia. Ele chegou ao Japão através desses monges e foi moldado à cultura local. Gichin Funakoshi era

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda. Aula 1 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda Aula 1 2017 Denominação Ginástica Artística A Ginástica Artística também é conhecida no Brasil por: Ginástica Olímpica, Ginástica de Aparelhos, Ginástica de Solo

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DE ALTO RENDIMENTO DA REGIÃO NORTE Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento - Ministério do Esporte

CENTRO DE TREINAMENTO DE ALTO RENDIMENTO DA REGIÃO NORTE Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento - Ministério do Esporte Informamos que está à disposição dos interessados dois (dois) cursos e cinco (cinco) clínicas, sendo 80 vagas por cada curso ou clínica, as inscrições serão recebidas e confirmadas via e-mail. CENTRO DE

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE

Leia mais

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR Giovanna Pereira de Souza 1 Milena Cristina de Souza Lopes Bujato 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah

Leia mais

Ações e Mecanismos do Jogo Individual

Ações e Mecanismos do Jogo Individual MX JOGO INDIVIDUAL Ações e Mecanismos do Jogo Individual Primeiro Processo Análise e Recepção Controle e Seleção Segundo Processo Terceiro Processo Decisão e Ação Final Análise/Recepção O atleta está sem

Leia mais

Campeonato Paraense BOLETIM OFICIAL Nº 004/2016

Campeonato Paraense BOLETIM OFICIAL Nº 004/2016 Belém, 19 de agosto de 2016. AS ASSOCIAÇÕES FILIADAS E VINCULADAS. Conforme o calendário de competições de 2016, a FPAJU vem informar que o Campeonato Paraense, será realizado nos dias 03 e 04 de Setembro

Leia mais

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A PROVAS 1) Atletismo 2) Futsal 3) Voleibol Especial 4) Natação 5) Cabo de Guerra 6) Provas de Habilidade 7) Tênis de Mesa A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B - Nesta prova

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola;

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; Introdução ao Atletismo; 1 PCN Parâmetro Curricular Nacional A

Leia mais

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas * Acadêmica do Curso de Educação Física - DEF/CDS/UFSC ** Profª Drª do Departamento de Educação

Leia mais

Nelson Kautzner Marques Junior Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ, Brasil

Nelson Kautzner Marques Junior Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ, Brasil KARATÊ SHOTOKAN: PONTOS DOS GOLPES DURANTE O KUMTÊ DE OMPETÇÃO MASULNO SHOTOKAN KARATE: SORES OF THE TEHNQUES DURNG THE MALE KUMTE OF OMPETTON Nelson Kautzner Marques Junior Mestre em iência da Motricidade

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FUNCIONAL PARA MELHORA DE POTÊNCIA E FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE KARATÊ-DÔ

A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FUNCIONAL PARA MELHORA DE POTÊNCIA E FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE KARATÊ-DÔ A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FUNCIONAL PARA MELHORA DE POTÊNCIA E FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE KARATÊ-DÔ THE INFLUENCE OF FUNCTIONAL TRAINING FOR POWER AND FLEXIBILITY IMPROVEMENT IN KARATE-DO PRACTITIONERS

Leia mais

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO 1. Organização A organização da modalidade de Ténis de Mesa nos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2016 é da responsabilidade da, da

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO

EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO Larissa Resende Mendonça (UFMT), Alexandre Souza Nunes (UFMT),

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA SUBMISSÃO DOS TRABALHOS. Seminário de Lutas no Contexto Escolar e Ambientes Educacionais- reflexões e práticas pedagógicas 2016

NORMAS GERAIS PARA SUBMISSÃO DOS TRABALHOS. Seminário de Lutas no Contexto Escolar e Ambientes Educacionais- reflexões e práticas pedagógicas 2016 NORMAS GERAIS PARA SUBMISSÃO DOS TRABALHOS Seminário de Lutas no Contexto Escolar e Ambientes Educacionais- reflexões e práticas pedagógicas 2016 Todos os trabalhos (comunicação oral. Pôster e relatos

Leia mais

SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE DEPARTAMENTOS ESPORTIVOS

SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE DEPARTAMENTOS ESPORTIVOS SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE DEPARTAMENTOS ESPORTIVOS Qual a sua ferramenta de gestão de informações? Ela lhe fornece com segurança e precisão, informações necessárias, rápidas e eficientes? Essas informações

Leia mais

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros Introdução O acompanhamento do desenvolvimento infantil consiste em uma das mais importantes estratégias básicas de saúde, demonstrando significante eficácia (SILVA; MAIA; LOPES; CARDOSO, 2013). Nesse

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras.

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. CONCEITOS TÁTICOS E SISTEMAS Conceitos Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. Tipos de sistemas: Sistemas defensivos:

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICAS EM SITUAÇÕES DE PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL COM SUPERIORIDADE NUMÉRICA

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICAS EM SITUAÇÕES DE PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL COM SUPERIORIDADE NUMÉRICA 1052 AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICAS EM SITUAÇÕES DE PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL COM SUPERIORIDADE NUMÉRICA Raphael Brito e Sousa/ CECA Pedro Emilio Drumond Moreira/ CECA Gibson Moreira Praça/ CECA Pablo Juan

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO NO FUTEBOL: A INFLUÊNCIA DAS ESTRATÉGIAS DE BUSCA VISUAL SOBRE O TEMPO DE DECISÃO

TOMADA DE DECISÃO NO FUTEBOL: A INFLUÊNCIA DAS ESTRATÉGIAS DE BUSCA VISUAL SOBRE O TEMPO DE DECISÃO 180 TOMADA DE DECISÃO NO FUTEBOL: A INFLUÊNCIA DAS ESTRATÉGIAS DE BUSCA VISUAL SOBRE O TEMPO DE DECISÃO João Vítor de Assis/ NUPEF-UFV Guilherme Machado/ NUPEF-UFV Felippe Cardoso/ NUPEF-UFV Israel Teoldo/

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 42 ANÁLISE DOS GOLS DE EQUIPES DA CATEGORIA SUB-15 EM PARTIDAS DE UM TORNEIO REGIONAL DE FUTSAL Augusto Luís da Silva Araújo 1 Nicolas Lawall Moreira 1 Helder Barra de Moura 2 Vinicius de Oliveira Damasceno

Leia mais

EFEITO DA PRÁTICA DE JIU-JITSU NA DENSIDADE ÓSSEA DO SEGUNDO METACARPO

EFEITO DA PRÁTICA DE JIU-JITSU NA DENSIDADE ÓSSEA DO SEGUNDO METACARPO EFEITO DA PRÁTICA DE JIU-JITSU NA DENSIDADE ÓSSEA DO SEGUNDO METACARPO Juliana de Carvalho Apolinário Coêlho Fisioterapeuta-Doutora; Professora das Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS Marcelo Feitoza

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES Conceitos do Livro: Interação Humano - Computador Simone D. J. Barbosa/Bruno Santana da Silva Orienta o avaliador: Introdução Fazer julgamento sobre a qualidade de uso Identificar problemas do usuário

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Orientação Grau I Versão 1.00 FORMAÇÃO Referenciais de Orientação Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

Willian Hoffmann. ArtCare _ Patrocínios e Incentivos. Lutador de MMA Participou da Seleção Olímpica de Judô DATA DE NASCIMENTO: 02/03/1989

Willian Hoffmann. ArtCare _ Patrocínios e Incentivos. Lutador de MMA Participou da Seleção Olímpica de Judô DATA DE NASCIMENTO: 02/03/1989 Lutador de MMA Participou da Seleção Olímpica de Judô DATA DE NASCIMENTO: 02/03/1989 CATEGORIA PESO PESADO MODALIDADES; - JUDÔ (FAIXA PRETA) - LUTA OLÍMPICA - JIU-JITSU - MUAY THAY - MMA - BOXE Após anos

Leia mais

Composição corporal de judocas: aspectos relacionados ao desempenho

Composição corporal de judocas: aspectos relacionados ao desempenho Composição corporal de judocas: aspectos relacionados ao desempenho Edmar; L. Mendes, Sabrina; P. Fabrini, Ciro; J. Brito, João; Carlos B. Marins LAPEH Lab. de Performance Humana UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga O papel do fisiologista é monitorar as variáveis fisiológicas que cercam o treinamento, permitindo avaliar o estado do atleta e realizar prognósticos

Leia mais

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte Lei de Incentivo ao Esporte PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS TRIBUTADAS PELO

Leia mais

Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia.

Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia. Metodologia de Planejamento e Análise de Experimentos 1 Análise do tempo médio gasto para travessia de uma avenida durante três horários de pico de trânsito do dia. Carlos Roberto Castelano Júnior Universidade

Leia mais

LIGA UNIVERSITÁRIA PAULISTA LIGA UNIVERSITÁRIA DO ABC REGULAMENTO JUDÔ

LIGA UNIVERSITÁRIA PAULISTA LIGA UNIVERSITÁRIA DO ABC REGULAMENTO JUDÔ DATA/ LOCAL/ HORÁRIO Data: 16 de maio (DOMINGO) LIGA UNIVERSITÁRIA PAULISTA REGULAMENTO JUDÔ Local: Clube Escola Mooca Rua Taquari, 635 (EM FRENTE A UNIVERSIDADE SÃO JUDAS) Bairro Mooca São Paulo Tel.

Leia mais

3ª ETAPAA DO CAMPEONATO MINEIRO DE TAEKWONDO 2015

3ª ETAPAA DO CAMPEONATO MINEIRO DE TAEKWONDO 2015 3ª ETAPAA DO CAMPEONATO MINEIRO DE TAEKWONDO 2015 Seletiva para o Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil (categoriaa faixa preta) 13 e 14 de Junho- Barreiro - BH SUPERVISÃO APOIO o CONVITE Betim, 28 de

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO Loani Landin Istchuk / UEL Wilton Carlos de Santana / UEL Hélcio Rossi Gonçalves / UEL loaniistchuk@hotmail.com

Leia mais

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Objetivo 1 apuramento para os jogos Objetivo 2 desenvolvimento geral da vertente

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROVA IV OPEN KARATE CIDADE DE AMORA 4 DE JUNHO 2017

REGULAMENTO GERAL DE PROVA IV OPEN KARATE CIDADE DE AMORA 4 DE JUNHO 2017 REGULAMENTO GERAL DE PROVA IV OPEN KARATE CIDADE DE AMORA 4 DE JUNHO 2017 CLUBE ORGANIZADOR CLUBE RECREATIVO DA CRUZ DE PAU LOCAL: PAVILHÃO DA ESCOLA EB 2/3 PEDRO EANES LOBATO CIDADE DE AMORA Artigo 1º

Leia mais

SUGESTÃO DE ITENS PARA PROPOSTA DE EVENTO. Disciplina: Organização e Administração Desportiva Professor: Edson Farret

SUGESTÃO DE ITENS PARA PROPOSTA DE EVENTO. Disciplina: Organização e Administração Desportiva Professor: Edson Farret SUGESTÃO DE ITENS PARA PROPOSTA DE EVENTO Disciplina: Organização e Administração Desportiva Professor: Edson Farret EVENTOS Por categoria Institucional ou promocional; Por área de interesse: esportivo,

Leia mais

DEPARTAMENTO GERAL DE ESPORTES 16º COPA INTERESTADUAL DE JUDÔ PROF. HIROSI MINAKAWA REGULAMENTO

DEPARTAMENTO GERAL DE ESPORTES 16º COPA INTERESTADUAL DE JUDÔ PROF. HIROSI MINAKAWA REGULAMENTO A 16ª Copa Interestadual de Judô Prof. Hirosi Minakawa, com apoio de Kimonos Shihan e SEME, será realizada no dia 21 de outubro de 2012 (Domingo), no Centro Cívico Itzhak Rabin da Assoc. Bras. A Hebraica

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO KARATE

REGULAMENTO ESPECÍFICO KARATE REGULAMENTO ESPECÍFICO KARATE Art. 01 o As regras serão de acordo com o regulamento internacional do World Karatê Federation e adotadas pela FISU (Federation Internacionale du Sport Universitárie), devidamente

Leia mais