Habilidades motoras específicas do basquetebol e formação técnica do treinador

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Habilidades motoras específicas do basquetebol e formação técnica do treinador"

Transcrição

1 Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires, Año 13, Nº 122, Julio de Habilidades motoras específicas do basquetebol e formação técnica do treinador *Mestre em Desporto para Crianças e Jovens Assistente 2ºTriénio ESE IPLeiria; Treinador de Basquetebol Nível III **Licenciado em Educação Física Treinador de Basquetebol Nível I (Portugal) João Cruz* Ricardo Bugalhão** Resumo Uma das questões mais pertinentes no estudo dos Jogos Desportivos Colectivos (JDC) está relacionada com a tentativa de explicar e até mesmo prever, a rota do sucesso. Sabendo que o aparecimento de atletas de alto nível está condicionado pela formação ministrada nos escalões mais jovens e que estes necessitam de um treino específico, estarão os treinadores a desempenhar o seu papel com eficácia? Será que os treinadores procuram desenvolver procedimentos de treino adequados, respeitando o plano de carreira do atleta ou, apenas para se auto promoverem com os sucessos imediatos? O presente tem por objectivo comparar a prestação técnica de jovens jogadores de basquetebol de acordo com a formação técnica específica dos respectivos treinadores. A amostra é constituída por 41 indivíduos do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 13 e os 14 anos e que integravam as equipas de iniciados que disputavam o Campeonato Distrital da Associação de Basquetebol de Leiria, na época de 2001/2002, dividida em 2 grupos segundo o grau de formação dos respectivos treinadores; Grupo 1 (Gr. 1) 20 atletas com treinadores (2) de Nível 1 da FPB/ENB e; Grupo 2 (Gr. 2) 21 indivíduos com treinadores (2) de Nível 2 da FPB/ENB. As habilidades motoras analisadas foram o lançamento, drible e deslizamento defensivo. Os jovens basquetebolistas orientados por treinadores de Nível II, no que respeita ao lançamento, concretizam mais pontos face ao grupo de jovens com treinadores de Nível I [4,8 ± 8,74 vs. 32,6 ± 6,18 (p=0,388)]. No que respeita ao drible, também o Gr.2 apresenta os melhores valores (o melhor resultado corresponde ao menor tempo de execução), com 20,2 ± 2,18 contra 20,9 ± 1,78 segundos registados pelos atletas do Gr. 1. Esta diferença não é, no entanto, estatisticamente significativa (p=0,285). A prova de deslizamento defensivo é completada pelos atletas do Gr. 1 num espaço de tempo mais reduzido que o necessário pelos atletas do Gr. 2 [27,4 ± 3,56 vs. 27,8 ± 2,60 (p=0,368)]. Embora as diferenças entre os dois grupos não sejam significativas, se analisarmos os dados à luz do tempo de prática, verificamos que os atletas do Gr. 2 praticam a modalidade há menos tempo que os do Gr. 1 [1,4 ± 1,50 anos vs. 2,9 ± 1,73 anos (p=0,003)]e esta diferença é estatisticamente significativa. Tendo em conta a orientação do treino, os dados parecem indicar uma maior preocupação dos treinadores de Nível II no que respeita às metodologias de treino aconselhadas para os escalões de formação: maior incidência nos aspectos ofensivos e menor incidência nos aspectos defensivos, no sentido de potenciar o desenvolvimento dos atletas. Perante os resultados obtidos, somos levados a concluir que: A formação do treinador parece desempenhar um papel determinante na aprendizagem e domínio dos fundamentos do jogo de basquetebol; Uma formação técnica mais avançada tem consequências práticas vantajosas ao nível da aquisição dos fundamentos ofensivos, aspectos essenciais na aprendizagem da modalidade. Unitermos: Basquetebol. Formação técnica. Treinador. Jogador. Revista Digital Buenos Aires Año 13 N 122 Julio de 2008 Introdução Uma das questões mais pertinentes no estudo dos Jogos Desportivos Colectivos (JDC) está relacionada com a tentativa de explicar e até mesmo prever, a rota do sucesso. Neste capítulo, vários autores, Brandão (1995), Cruz (1996), Neta (1999) e Oliveira (2000), baseados nos seus estudos, concluíram que parte deste sucesso poderá ser explicado pela qualidade da prestação técnica dos atletas. Para desenvolver esta temática é importante salientar que, ao iniciar o ensino de uma modalidade desportiva, todo o treinador que lidera o treino com jovens atletas vê se confrontado com um conjunto de questões às quais é necessário dar resposta: o domínio dos fundamentos técnicos da modalidade e a metodologia de ensino. Estas questões estão intimamente relacionadas com a formação específica do treinador. Será que a uma melhor formação técnica do treinador corresponde uma melhor prestação dos atletas? Por outro lado, e de acordo com vários estudos que incidiram no tempo de prática proporcionado aos alunos/atletas, Januário e Graça (1997) apontam a correcta administração e gestão do tempo de prática, como pontos fundamentais para aumentar as oportunidades de aprendizagem, nomeadamente ao nível do tempo útil da sessão, do

2 tempo disponível para a prática motora e o tempo potencial de aprendizagem. Também Costa (1991) aponta uma melhor qualidade na instrução (centrada no essencial), feedback pedagógico focado nos aspectos críticos e melhor explicitação dos erros cometidos, melhor organização e o melhor aproveitamento do tempo da sessão, gerindo a aula de forma a permitir um maior tempo de exercitação, como factores que distinguem os profissionais mais eficazes. Sabendo que o aparecimento de atletas de alto nível está condicionado pela formação ministrada nos escalões mais jovens e que estes necessitam de um treino especializado, estarão os treinadores a desempenhar o seu papel com eficácia? Será que os treinadores procuram desenvolver procedimentos de treino adequados, respeitando o plano de carreira do atleta ou, apenas procuram a auto promoção com os sucessos imediatos? O presente estudo aborda esta temática e tem por objectivo relacionar a prestação técnica de jovens jogadores de basquetebol com a formação técnica específica dos respectivos treinadores. Material e métodos Caracterização da amostra O presente estudo foi realizado com uma amostra de 41 indivíduos do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 13 e os 14 anos e que integravam as equipas de iniciados que disputavam o Campeonato Distrital da Associação de Basquetebol de Leiria, na época de 2001/2002. A amostra foi dividida em 2 grupos segundo o grau de formação dos respectivos treinadores, sendo o Grupo 1 (Gr. 1) constituído por 20 indivíduos cujos treinadores (2) possuem o curso de Nível 1 da FPB/ENB e, o Grupo 2 (Gr. 2), constituído por 21 indivíduos cujos treinadores (também 2) estão habilitados com curso de Nível 2 da FPB/ENB. Gr. 1 Gr. 2 P (*) 2,9 ± 1,73 1,4 ± 1,50 0,003 Figura 1. Tempo de prática em anos (valores expressos em média ± desvio padrão. (* diferença estatisticamente significativa p<0,05). O tempo de prática dos dois grupos analisados era substancialmente diferente, apresentando o Gr. 1, um maior tempo de prática da modalidade em questão. Esta diferença revela se estatisticamente significativa, como se pode verificar na figura 1. Habilidades motoras específicas do basquetebol Foram analisadas duas habilidades motoras ofensivas: i) o lançamento e ii) o drible; e uma defensiva: o deslizamento defensivo. Instrumentarium O instrumentarium utilizado no presente estudo foi a bateria de testes AAPHERD, de Kirkendall et al. (1987), relativamente às habilidades específicas de lançamento, drible e deslizamento defensivo no basquetebol. Foi ainda utilizado um cronómetro marca Rucanor modelo 696/696M para registo dos tempos nos testes do drible e deslizamento defensivo e na contagem decrescente no teste do lançamento. Procedimentos estatísticos Para realizar a análise estatística foi utilizada a estatística descritiva (média ± desvio padrão) e o teste não paramétrico de Mann Whitney, com o nível de significância mantido em 5%.

3 O tratamento dos dados foi realizado no programa SPSS For Windows Student Version Release Apresentação dos Resultados Lançamento Da análise da figura 2, podemos constatar que o Gr.2 apresenta uma maior eficácia no lançamento ao cesto, uma vez que apresenta valores superiores aos do Gr.1. Esta diferença, no entanto, não é estatisticamente significativa. Gr. 1 Gr. 2 p 32,6 ± 6,18 34,8 ± 8, (n.s.) Figura 2. Pontos concretizados no teste de lançamento (valores expressos em média ± desvio padrão) Drible Quanto ao teste do drible, o Gr.2 apresenta melhores resultados face ao Gr.1, necessitando de menos tempo para a realização da prova (figura 3). Neste teste, os tempos mais baixos revelam uma maior eficácia no domínio da habilidade técnica específica. Esta diferença não se revela, contudo, estatisticamente significativa. Figura 3. Tempo, em segundos, no teste de drible (valores expressos em média ± desvio padrão). Deslizamento defensivo De acordo com o objectivo deste teste, os sujeitos devem realizar a prova no menor tempo possível. O Gr.1 revela um melhor desempenho, conforme pode ser verificado na figura 4. Apenas neste teste este grupo consegue suplantar o Gr.2, embora os resultados não apresentem diferenças estatisticamente significativas. Gr. 1 Gr. 2 p 27,4 ± 3,56 27,8 ± 2, (n.s.) Figura 4. Tempo, em segundos, no teste de deslizamento defensivo (valores expressos em média ± desvio padrão).

4 Discussão dos resultados De acordo com Brandão (1995), Pinto (1995), Cruz (1996), Neta (1999), e Oliveira (2000), os melhores jogadores são aqueles que apresentam melhores resultados nos testes efectuados ao nível das três técnicas ofensivas básicas: lançamento, drible e passe. Dos resultados obtidos no presente estudo, e quanto às habilidades técnicas ofensivas, verificamos que o Gr.2 apresenta sempre as melhores prestações, apesar de as diferenças encontradas não serem estatisticamente significativas. Torna se, pois, imprescindível a análise do tempo de prática dos dois grupos que, segundo Neta (1999) é factor fundamental para um melhor domínio das técnicas específicas do Basquetebol. Assim, seriam de esperar melhores resultados por parte do Gr.1, o que não se verificou. É ao nível desta variável (tempo de prática) que podemos diferenciar os dois grupos: Gr. 1 com 2,9 ± 1,73 anos enquanto que no Gr. 2 esses valores são de 1,4 ± 1,50 anos, diferenças estas estatisticamente significativas. Tendo em conta que ao menor tempo de prática (Gr.2) corresponde uma maior eficácia ao nível destas habilidades ofensivas, e atendendo ao facto de este grupo ser treinado por treinadores de nível mais elevado (II) do que os do Gr.1, somos levados a crer que a formação dos treinadores é fundamental para o domínio destes gestos técnicos por parte do jogador. Os treinadores de Nível II parecem estar mais conscientes da importância das diversas variáveis do processo de ensino/aprendizagem para a eficácia do mesmo (Costa, 1991 e Januário e Graça, 1997). Relativamente à técnica defensiva avaliada, verificamos que o Gr.1 apresenta melhor prestação face ao Gr.2. Estes resultados podem derivar do facto de os indivíduos do Gr. 2 estarem numa fase mais inicial da prática da modalidade. Se analisarmos as propostas de Barreto (1980), Beja (1980), Araújo (1992), Adelino (1994), Graça e Oliveira (1994) e Oliveira (2001) para o ensino do jogo de basquetebol, verificamos que este deve privilegiar os aspectos ofensivos numa fase inicial de aprendizagem e só mais tarde trabalhar então os aspectos ligados à defesa (como é em geral aprovado como metodologicamente correcto nos diversos desportos colectivos de invasão). A superior formação técnica dos treinadores dos indivíduos do Gr.2 parece indicar que estes efectivamente se preocupam em seguir estas metodologias de aprendizagem pelo que os resultados do Gr. 2, ao nível do deslizamento defensivo, são inferiores aos do Gr. 1, visto possuírem menos tempo de prática e por isso uma maior necessidade de aprender as habilidades técnicas ofensivas do jogo de basquetebol. Estes treinadores parecem encontrar se mais despertos para a aprendizagem dos fundamentos ofensivos, em detrimento das vitórias nos jogos disputados. Por outro lado, os treinadores de Nível I, provavelmente centrados na vitória, acabam por dar mais ênfase aos aspectos defensivos que, não dependendo tanto da técnica e mais da vontade, acabam por limitar a acção ofensiva dos adversários. Sendo o factor tempo um aspecto importante na aprendizagem, deveríamos esperar que o Gr.1 apresentasse sempre os melhores valores, quer no que respeita aos aspectos ofensivos, quer defensivos, o que não se verificou neste estudo, levando nos a crer que a lógica do ensino do jogo dos treinadores deste grupo está invertida, centrandose na vitória e não na aprendizagem por parte dos jogadores. Conclusões Tendo em conta os resultados do presente estudo, somos levados a supor que: A formação do treinador parece desempenhar um papel determinante na aprendizagem e domínio dos fundamentos do jogo de basquetebol; Uma formação técnica mais avançada tem consequências práticas vantajosas ao nível da aquisição dos fundamentos ofensivos, aspectos essenciais na aprendizagem da modalidade; Na nossa opinião, parece nos de todo vantajoso apostar em treinadores com um nível de formação mais avançado na liderança de processos de treino nos escalões de formação. Desta forma, poder se ia poupar tempo na aquisição e domínio dos fundamentos técnicos do jogo, pois como verificamos neste estudo, em metade do tempo os jogadores

5 treinados por treinadores de Nível II atingiram e superaram os jogadores treinados por treinadores de Nível I. A variável tempo assume uma importância capital no ensino e consolidação dos fundamentos do jogo. Porém, ao maior tempo de prática do Gr.1 não corresponde um melhor domínio das habilidades testadas, o que nos leva para os domínios metodológicos, didácticos e pedagógicos. Será que o tempo útil de treino do Gr.1 é maximizado? Será que o planeamento e metodologia do treino estão correctamente estruturados? Pensamos que a uma formação mais avançada do treinador corresponde um maior domínio destas questões do processo de ensino/aprendizagem. Assim sendo, não seria de esperar estas diferenças nos resultados, uma vez que o que é avaliado é apenas a vertente técnica. Sendo o basquetebol um jogo eminentemente táctico (Araújo, 1992 e Oliveira, 2000) e da análise aos conteúdos dos diferentes níveis de habilitação para o ensino do jogo de basquetebol, constatamos que a táctica apenas é abordada no curso de formação de treinadores de Nível II. Sendo este um estudo transversal e limitado à observação de habilidades específicas fora do contexto de jogo, esta temática da formação dos treinadores e sua repercussão no desenvolvimento do praticante, deverá ser alvo de estudos a realizar no futuro, englobando outras variáveis não contempladas neste estudo. Bibliografia ADELINO, Jorge; As coisas simples do basquetebol, Março 1994, Associação Nacional de Treinadores de Basquetebol ARAÚJO, J. (1992); Preparação Técnica e Táctica. Edição Federação Portuguesa de Basquetebol e Associações Regionais de Basquetebol. BARRETO, Hermínio (1980); Metodologia do treino. in Da actividade lúdica à formação desportiva. Ed. Hermínio Barreto et al. ISEF, Lisboa BEJA, E. (1980); Defesa Individual Uma exigência do processo de aprendizagem. in Da actividade lúdica à formação desportiva. Ed. Hermínio Barreto et al. ISEF, Lisboa BRANDÃO, E. (1995); A performance em basquetebol. Um estudo multivariado no escalão de cadetes masculinos. Dissertação apresentada no âmbito do Mestrado em Ciências do Desporto na área de especialização de crianças e jovens. FCDEF UP. Porto COSTA, C. (1991) Caracterização da intervenção pedagógica de dois grupos de professores com níveis de sucesso distintos no ensino de uma técnica desportiva. in As ciências do desporto e a prática desportiva. Actas do II Congresso de Ed. Física dos PALOP, FCDEF UP CRUZ, J. (1996) Somatótipo e Habilidades Motoras específicas de Basquetebol: a sua Influência nas opções do Treinador a Realidade duma Equipa de Cadetes Masculinos. Estudo realizado no âmbito do Mestrado em Ciências do Desporto na área de especialização de crianças e jovens, FCDEF UP Federação Portuguesa de Basquetebol; (2001) Formação 2001, Gabinete Técnico, Escola Nacional do Basquetebol GRAÇA, A.; OLIVEIRA, J. (1994); O ensino dos jogos desportivos. Centro de Estudos dos jogos Desportivos Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física Universidade do Porto JANUÁRIO, C.; GRAÇA, A. (1997); A variável tempo no ensino em Educação Física: uma análise da situação em Portugal. in Educação Física: Contexto e Inovação Actas do V congresso de Ed. Física e Ciências do Desporto dos PALOP Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física Universidade do Porto NETA, Paulo; As habilidades técnicas e a performance em basquetebolistas: Um estudo realizado no escalão de iniciados masculinos, Junho 1999, FCDEF UP OLIVEIRA, André Esteves; Habilidades técnicas e a performance em basquetebolistas: Um estudo realizado no

6 escalão de iniciados femininos, Abril 2000, FCDEF UP OLIVEIRA; O Ensino do Basquetebol., 2001, Editorial Caminho PINTO, D. (1995); Indicadores de performance em basquetebol um estudo descritivo e preditivo em cadetes masculinos. Dissertação apresentada no âmbito do Mestrado em Ciências do Desporto na área de especialização de crianças e jovens. FCDEF UP. Porto. Outros artigos em Portugués Recomienda este sitio Buscar revista digital Año 13 N 122 Buenos Aires, Julio Derechos reservados Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires, Año 13, Nº 122, Julio de

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Parametrização das Estruturas Tácticas em Jogos Desportivos Colectivos Investigação Aplicada à Equipa Campeã Nacional no Escalão

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Andebol

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 VALORES NO DESPORTO - O QUE É PARA MIM IMPORTANTE NO DESPORTO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto

Leia mais

O GUARDA-REDES DE ANDEBOL

O GUARDA-REDES DE ANDEBOL O GUARDA-REDES DE ANDEBOL O GUARDA-REDES DE ANDEBOL EMANUEL CASIMIRO, N.º 16043 - O guarda-redes redes de ANDEBOL é o membro mais importante da equipa. - Em muitas equipas de classe mundial estes têm um

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20

ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 ORIENTAÇÃO PARA A TAREFA E ORIENTAÇÃO PARA O EGO: A OPINIÃO DOS ATLETAS DA SELECÇÃO PORTUGUESA DE ANDEBOL SUB-20 (2009) Susana Isabel Vicente Ramos Professora na Faculdade de Ciências do Desporto e Educação

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS.. INDICE DE QUADROS.. ÍNDICE DE FIGURAS.. ÍNDICE DE ANEXOS ABREVIATURAS.. CAPÍTULO I:. 1 INTRODUÇÃO..

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS.. INDICE DE QUADROS.. ÍNDICE DE FIGURAS.. ÍNDICE DE ANEXOS ABREVIATURAS.. CAPÍTULO I:. 1 INTRODUÇÃO.. ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS.. INDICE DE QUADROS.. ÍNDICE DE FIGURAS.. ÍNDICE DE ANEXOS ABREVIATURAS.. CAPÍTULO I:. 1 INTRODUÇÃO.. 2 1.1. Apresentação do problema.. 2 1.2. Pertinência do estudo. 3 1.3.

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO:

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: INICIAÇÃO AO FUTEBOL Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: O jogo de futebol não é feito apenas de fundamentos (movimentos técnicos), a relação com a bola é uma das competências essênciais

Leia mais

Grau I. Perfil Profissional. Grau I

Grau I. Perfil Profissional. Grau I Perfil Profissional O corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador de desporto. No âmbito das suas atribuições profissionais, compete ao Treinador de a orientação, sob supervisão,

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Lohan Tao Modalidade/Disciplina: Lohan Tao Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau 1 Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 20 horas Total de

Leia mais

Introdução. Desta afirmação ressaltam dois conceitos que merecem ser explorados: o conceito de eficácia e o da competência.

Introdução. Desta afirmação ressaltam dois conceitos que merecem ser explorados: o conceito de eficácia e o da competência. Treinador Eficaz Resende, R., Fernández, J. J., Aranha, Á., & Albuquerque, A. (2011). Treinador eficaz. In J. Prudente & H. Lopes (Eds.), Seminário Internacional de Desporto e Ciência 2011 (pp. 7). Funchal:

Leia mais

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo

Objetivos Gerais do plano de desenvolvimento técnico desportivo Introdução Promover, divulgar, ensinar, treinar e competir no desporto em geral e no andebol em particular obriga a uma determinada organização e objetivos diferenciados em cada um dos escalões. Assim,

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo será efectuada a discussão dos resultados apresentados anteriormente. A discussão visa compreender os resultados obtidos, mediante a comparação com estudos

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE PISTA

ESCOLA NACIONAL DE PISTA CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO ESCOLA NACIONAL DE PISTA ANADIA, JULHO 2012 GABRIEL MENDES UVP-FPC RESUMO ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO OS OBJECTIVOS MODELO DE DESENVOLVIMENTO BASE DO SUCESSO

Leia mais

CAPÍTULO III METODOLOGIA

CAPÍTULO III METODOLOGIA CAPÍTULO III METODOLOGIA 1. Amostra Para a realização deste trabalho foram recolhidos dados de 4 jogos completos de Hóquei em Patins, relativos ao Campeonato Europeu de Juvenis, nos quais havia necessariamente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE CASTELO BRANCO REGULAMENTO DAS SELECÇÕES DISTRITAIS ÍNDICE Capítulo I página 3 Participação na Selecção Distrital Artigo 1º - Principio geral Artigo 2º - Participação na Selecção

Leia mais

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros.

Deve ser nomeado um Coordenador de Estágio, de preferência o Diretor do Curso, neste caso o Professor José Barros. REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DE GRAU I (Resumo) 1. Carga Horária O Curso de Treinadores de Atletismo de Grau I passa a englobar na sua componente curricular, para além das matérias gerais do treino desportivo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PEDAGOGIA DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PEDAGOGIA DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PEDAGOGIA DO DESPORTO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

OBSERVAÇÃO E REGISTO COMPETÊNCIAS IDENTIFICAR CORRECTAMENTE OS ASPECTOS CRÍTICOS A OBSERVAR DE ACORDO COM A ESPECIFICIDADE DE CADA MODALIDADE SELECCIO

OBSERVAÇÃO E REGISTO COMPETÊNCIAS IDENTIFICAR CORRECTAMENTE OS ASPECTOS CRÍTICOS A OBSERVAR DE ACORDO COM A ESPECIFICIDADE DE CADA MODALIDADE SELECCIO PDR OBSERVAÇÃO E REGISTO OBSERVAÇÃO E REGISTO COMPETÊNCIAS IDENTIFICAR CORRECTAMENTE OS ASPECTOS CRÍTICOS A OBSERVAR DE ACORDO COM A ESPECIFICIDADE DE CADA MODALIDADE SELECCIONADA OBSERVAÇÃO E REGISTO

Leia mais

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil

Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Competências dos Ortoptistas no Rastreio Visual Infantil Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa IPL Carla Costa Lança carla.costa@estesl.ipl.pt 2010 Introdução As competências profissionais no

Leia mais

INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008)

INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008) INDEG-ISCTE MESTRADO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (2007/2008) O ALINHAMENTO ENTRE A ESTRATÉGIA E OS SISTEMAS DE RH: QUESTÕES - CHAVE A CONSIDERAR (Adaptado de Gratton, 1999) O CICLO DE CURTO PRAZO Estabelecimento

Leia mais

ACTIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS ANO DE ESCOLARIDADE 4º ANO 1º ANO 3º ANO 2º ANO

ACTIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS ANO DE ESCOLARIDADE 4º ANO 1º ANO 3º ANO 2º ANO ACTIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS DE ESCOLARIDADE ÁREA FÍSICAS DESPORTIVAS AVALIAÇÃO MATÉRIAS 1 - Exploração da Natureza Descoberta do meio ambiente, através da sua exploração. 2

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE BEJA Fundada em 30-03-1925 www.afbeja.com FUTEBOL ENCONTRO DE ESCOLAS DE FORMAÇÃO 1. OBJETIVOS GERAIS 1.01. Possibilitar a todas as crianças da nossa Associação praticar futebol

Leia mais

No final do estágio, o estudante deverá realizar um balanço global do mesmo (cf. Anexo 3) que deverá anexar no seu relatório final.

No final do estágio, o estudante deverá realizar um balanço global do mesmo (cf. Anexo 3) que deverá anexar no seu relatório final. No final do estágio, o estudante deverá realizar um balanço global do mesmo (cf. Anexo 3) que deverá anexar no seu relatório final. 2.1. Relatório de Estágio O relatório final do estágio tem uma dimensão

Leia mais

PROGRAMA. O bloco de Basquetebol I apresenta como objectivos específicos os seguintes alvos:

PROGRAMA. O bloco de Basquetebol I apresenta como objectivos específicos os seguintes alvos: FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA universidade técnica de lisboa UNIDADE ORGÂNICA DE CIÊNCIAS DO DESPORTO DIDÁCTICA DAS ACTIVIDADES FÍSICAS BASQUETEBOL I Professor: Prof. Aux. António Paulo Ferreira 1. Introdução

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa

Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa Guião orientador Manual de Qualidade da Actividade Formativa I. INTRODUÇÃO A orientação para a qualidade deve constituir um pressuposto fundamental na actividade das entidades formadoras, traduzida na

Leia mais

Disciplina - 1º e 2º ano

Disciplina - 1º e 2º ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AMADORA OESTE Ano Letivo 2014/2015 Planificação Bianual Disciplina - 1º e 2º ano Cursos Vocacionais de 3º Ciclo A- Planificação da Área Curricular de Desporto Tendo em conta as Competências

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Andebol de

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Nível 2 Tag-Rugby e Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Nível 2 Tag-Rugby e Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Nível 2 Tag-Rugby e Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como um jogo

Leia mais

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES CAPITULO VI CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Neste capítulo iremos apresentar as conclusões do presente estudo, tendo também em conta os resultados e a respectiva discussão, descritas no capítulo

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso DESPORTO Ano letivo 2015-16 Unidade Curricular PRÁTICA DE DESPORTOS I - FUTEBOL ECTS 3 Regime Obrigatório Ano 1 Semestre 1º Horas de trabalho globais Docente (s) Carlos Nuno Pires Lourenço Sacadura

Leia mais

Dinâmica interpessoal e de grupo

Dinâmica interpessoal e de grupo Dinâmica interpessoal e de grupo CTC75 Grau 2 28, 29, 30 Set. 2007 Paula Biscaia Licenciada em Educação Física Licenciada em Educação Física Licenciada em Psicologia (Área da Psicologia Desportiva) Mestre

Leia mais

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO

CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO CONTEÚDOS TÉCNICOS E TÁCTICOS DOS ESCALÕES DE FORMAÇÃO Técnico/táctica individual ofensiva com e sem bola (procedimentos gerais) a) Os aspectos da técnica e táctica ofensiva prevalecem sobre os defensivos

Leia mais

TRABALHO SELECÇÕES REGIONAIS ASSOCIAÇÃO ANDEBOL DO PORTO

TRABALHO SELECÇÕES REGIONAIS ASSOCIAÇÃO ANDEBOL DO PORTO TRABALHO SELECÇÕES REGIONAIS ASSOCIAÇÃO ANDEBOL DO PORTO Projecto Candidatura: INICIADOS FEMININOS Documento elaborado pelo Gabinete Técnico Porto, 2009/2010 TRABALHO SELECÇÕES REGIONAIS ASSOCIAÇÃO ANDEBOL

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática

CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática Alexandre Andrade Gomes / UNI-BH Leonardo Henrique Silva Fagundes / UNI-BH Pablo Ramon Coelho de Souza / UNI-BH Alessandro

Leia mais

Proposta da ADO Basquetebol para a competição dos escalões de Sub 14

Proposta da ADO Basquetebol para a competição dos escalões de Sub 14 Proposta da ADO Basquetebol para a competição dos escalões de Sub 14 Enquadramento A competição nacional de sub-14 sofreu alterações, pressupondo a existência de apuramentos a realizar para algumas das

Leia mais

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO AULA 1 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA Organização da Disciplina Repartição Lectiva Carga Horária Semestral (S2) Aulas Teórica- Práticas 4ª Feira

Leia mais

A AGRESSIVIDADE OFENSIVA

A AGRESSIVIDADE OFENSIVA TEMA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE PÉS COMO FUNDAMENTO PARA A AGRESSIVIDADE OFENSIVA por MANUEL CAMPOS TEMA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE PÉS COMO FUNDAMENTO PARA A AGRESSIVIDADE OFENSIVA Muitos treinadores

Leia mais

Curriculum Vitae. Identificação

Curriculum Vitae. Identificação Curriculum Vitae Identificação Nome: José Francisco Nunes Guilherme Data de nascimento: 03/12/1960 Residência: Urbanização da Tavagueira, lote 5 R/C B Guia 8200-427 Albufeira Telemóvel: 969727947 Email:

Leia mais

Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante

Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Guia do Formador de Igualdade de Oportunidades e Manual do Participante Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado

Leia mais

CURSO DE TREINADOR DE PADEL NÍVEL I

CURSO DE TREINADOR DE PADEL NÍVEL I CURSO DE TREINADOR DE PADEL NÍVEL I A atividade de Treinador de Padel tem vindo a tornar- se cada vez mais exigente e complexa, de que resulta a consequente necessidade de melhoria na qualidade e na robustez

Leia mais

JOGO (OUT 2016) - PORTO

JOGO (OUT 2016) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (OUT 2016) - PORTO Neste curso completo de 24 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

2H[HUFtFLRQRSURFHVVRGHWUHLQR GHIXWHEROSURSRVWDPHWRGROyJLFD

2H[HUFtFLRQRSURFHVVRGHWUHLQR GHIXWHEROSURSRVWDPHWRGROyJLFD 2H[HUFtFLRQRSURFHVVRGHWUHLQR GHIXWHEROSURSRVWDPHWRGROyJLFD * Licenciado em Sports Ciences pela Akademia Wychowania Fizycznego - Poznan. Mestre em treino de alto rendimento desportivo. ** Aluno da Licenciatura

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASTRO VERDE Projecto Curricular de Turma 8º A e 8º B Planificação - Educação Física (2010/2011) - 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASTRO VERDE Projecto Curricular de Turma 8º A e 8º B Planificação - Educação Física (2010/2011) - 1 1º Período Projecto Curricular de Turma 8º A e 8º B Planificação - Educação Física (2010/2011) - 1 - Melhora a aptidão física elevando as capacidades motoras de modo harmonioso e adequado às suas necessidades

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano letivo 2014/2015 I. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA. Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva OBJETIVOS TRANSVERSAIS

PLANIFICAÇÃO ANUAL EDUCAÇÃO FÍSICA. Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva OBJETIVOS TRANSVERSAIS PLANIFICAÇÃO ANUAL 2012.13 EDUCAÇÃO FÍSICA Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva OBJETIVOS TRANSVERSAIS COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania Promover: a

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA GUARDA Carlos Sacadura Outubro de 2011 Possibilitar a todas as crianças do nosso distrito a oportunidade de praticar futebol como um desporto de recreação, tempo livre e formação;

Leia mais

Projeto CLUBE DE TÉNIS DO CRSI

Projeto CLUBE DE TÉNIS DO CRSI Projeto CLUBE DE TÉNIS DO CRSI Responsável do Projeto: Prof. Hugo Solinho Silva 2015/2016 INTRODUÇÃO ATIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA E A RELIGIÃO CRISTÃ Segundo Ferreira (2010) o Papa João Paulo II cita,

Leia mais

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con

1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de con SESSÃO DE TREINO 1 - Parte Introdutória A Parte Introdutória prepara cognitiva e animicamente o praticante para a realização da sessão e para o esforço físico e de concentração nela envolvidos. Pode ser

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO_Grau I Federação: Federação Portuguesa de Jiu-Jitsu Brasileiro (FPJJB) Modalidade/Disciplina: Jiu Jitsu Brasileiro Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau I Componente Prática: 8 horas Componente

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL 1 www.fpatletismo.pt III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL Organização da Carreira Desportiva no Atletismo 2 www.fpatletismo.pt Treino com Jovens: Análise da Situação Actual

Leia mais

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina.

1ª/2ª Fase. As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do programa da disciplina. Agrupamento de Escolas de Barrancos INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO FÍSICA abril de 2015 Prova 26 2015 1ª/2ª Fase 3.º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita

Leia mais

Direção Técnica em Futebol

Direção Técnica em Futebol Universidade Lusófona Pós-Graduação Formação Avançada Internacional Direção Técnica em Futebol faculdade de educação física e desporto Pós-Graduação Formação Avançada Internacional Direção Técnica em Futebol

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA TEÓRICA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 12º Ano de Escolaridade Duração: 90 minutos

EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA TEÓRICA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 12º Ano de Escolaridade Duração: 90 minutos Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA TEÓRICA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Código 311 2015 12º Ano de Escolaridade Duração: 90 minutos Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho I OBJECTO DE

Leia mais

CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA C Nível 1 UEFA B Nível 2 TREINO DE GUARDA-REDES

CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA C Nível 1 UEFA B Nível 2 TREINO DE GUARDA-REDES CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA C Nível 1 UEFA B Nível 2 TREINO DE GUARDA-REDES Contactos: 912149193 / 912514285 E-mail: helder.academica@gmail.com Introdução Como se sabe, no futebol moderno, o guarda-redes

Leia mais

Disciplina - Desporto

Disciplina - Desporto AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AMADORA OESTE Ano Letivo 2014/2015 Planificação Anual Disciplina - Desporto Cursos Vocacionais de 2º Ciclo A- Planificação da Área Curricular de Desporto Tendo em conta as Competências

Leia mais

III Gala do Desporto do IPLeiria

III Gala do Desporto do IPLeiria III Gala do Desporto do IPLeiria - 2006 O Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria) realizou, no dia 7 de Junho, a 3.ª edição da Gala do Desporto que teve como objetivo distinguir os alunos/atletas e

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Portuguesa

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO DESPORTO Câmara Municipal da Figueira da Foz

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO DESPORTO Câmara Municipal da Figueira da Foz REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO DESPORTO Preâmbulo A criação do Regulamento Municipal de Apoios ao Desporto, surge da necessidade de adequar o apoio das Autarquias locais à legislação em vigor, conforme

Leia mais

Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes Aplicação do Regulamento n.º 398/2010 de 05 de Maio de 2010

Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes Aplicação do Regulamento n.º 398/2010 de 05 de Maio de 2010 INDICADORES ALERTA: Todos os indicadores apresentados nas diversas vertentes tem campos de preenchimento obrigatório e facultativo. Para facilitar a validação do indicador pela Comissão de Avaliação recomenda-se

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Ténis

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Ténis Versão 1.01 Referenciais de FORMAÇÃO Ténis Grau II Versão 1.01 Referenciais de FORMAÇÃO Ténis Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa de

Leia mais

PRINCIPIOS BÁSICOS DA CONSTRUÇÃO DE UMA DEFESA INDIVIDUAL PRESSIONANTE TODO O CAMPO

PRINCIPIOS BÁSICOS DA CONSTRUÇÃO DE UMA DEFESA INDIVIDUAL PRESSIONANTE TODO O CAMPO PRINCIPIOS BÁSICOS DA CONSTRUÇÃO DE UMA TODO O CAMPO (O MODELO ADOPTADO NAS SELECÇÕES NACIONAIS DE SUB 16 E 20 FEM. E NO C.N.T CALVÃO) RICARDO VASCONCELOS EUGÉNIO RODRIGUES Clinic Campeonatos Nacionais

Leia mais

JOGO (MAR 2017) - PORTO

JOGO (MAR 2017) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (MAR 2017) - PORTO Neste curso completo de 26 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais Maratona I - Introdução Séniores/Sub 23/Juniores Absolutos 2016 Este documento pretende enunciar os critérios de selecção

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO FUTEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

ACEF/1112/24572 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/24572 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/24572 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/24572 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Plano de Alto Rendimento e Seleções Nacionais III - Maratona I - Introdução Séniores/Sub 23/Juniores 2015 Este documento pretende enunciar os critérios de selecção da Equipa

Leia mais

ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva

ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva ÁREAS DE FORMAÇÃO Área formativa 1: Gestão Desportiva Planeamento e Gestão de Projectos Marketing do Desporto Financiamento Fiscalidade Administração e Gestão de um Clube desportivo Gestão de Instalações

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

Santa Cruz do Bispo, 13 de Junho 2009 I CONGRESSO DE FUTSAL DE FORMAÇÃO. Guarda-redes. Posturas de Prontidão Desportiva.

Santa Cruz do Bispo, 13 de Junho 2009 I CONGRESSO DE FUTSAL DE FORMAÇÃO. Guarda-redes. Posturas de Prontidão Desportiva. Santa Cruz do Bispo, 13 de Junho 2009 I CONGRESSO DE FUTSAL DE FORMAÇÃO Guarda-redes Posturas de Prontidão Desportiva Posturas de Prontidão Desportiva no Guarda-redes de Futsal Posturas de prontidão desportiva

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO

UNIVERSIDADE DO PORTO o UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E DE EDUCAÇÃO FÍSICA Renata Aleixo Beça Porto, Dezembro de 2005 o UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

Regulamento Específico Tenis de Mesa.

Regulamento Específico Tenis de Mesa. Regulamento Específico Tenis de Mesa Http://www02.madeira-edu.pt/dre 1. Concentrações 1.1 Competição individual As competições individuais realizar-se-ão em forma de Concentração. O acto da inscrição nas

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque

2012 / Programa Nestum Rugby nas Escolas. Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque 2012 / 2013 Programa Nestum Rugby nas Escolas Introdução ao Tag-Rugby e ao Bitoque Introdução O que é o TAG RUGBY? O Tag Rugby é usado como uma alternativa de ensino do rugby de XV nas escolas, ou como

Leia mais

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT Futsal Escolar Prof. Ivan Gonçalves dos Santos Lucas do Rio Verde MT - 2009 Introdução A Educação Física é uma disciplina pedagógica permeada de

Leia mais

U. D. VILAFRANQUENSE S. L. BENFICA SPORTING C. P ODISSEIA BASKET C. SANTARÉM BASKET U. D. OLIVEIRENSE F. C. BARREIRENSE ATLÉTICO DE REGUENGOS

U. D. VILAFRANQUENSE S. L. BENFICA SPORTING C. P ODISSEIA BASKET C. SANTARÉM BASKET U. D. OLIVEIRENSE F. C. BARREIRENSE ATLÉTICO DE REGUENGOS U. D. VILAFRANQUENSE S. L. BENFICA SPORTING C. P. 2010 ODISSEIA BASKET C. SANTARÉM BASKET U. D. OLIVEIRENSE ATLÉTICO DE REGUENGOS F. C. BARREIRENSE No sentido de garantir mais momentos de prática desportiva

Leia mais

Ensino do rugby no meio escolar

Ensino do rugby no meio escolar Ensino do rugby no meio escolar Treinador e Jogador de Rugby I Divisão (UTAD) Formador da Escola de Treinadores da F.P.R. Lic. Educação Física e Desporto (UTAD) Mestre em Alto Rendimento Desportivo (COES)

Leia mais

Secretaria Regional da Educação Direcção Regional da Educação

Secretaria Regional da Educação Direcção Regional da Educação Secretaria Regional da Educação Direcção Regional da Educação Gabinete Coordenador do Desporto Escolar Regulamento Específico Ténis de Mesa 2011/2012 Índice 1. Concentrações... 2 1.1 Competição individual...

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 Equipa: Doutor Carlos Silva Doutora Carla Chicau Doutor Luís Cid (coordenador) Psicólogo Luís Gonzaga

Leia mais

Referenciais de FORMAÇÃO

Referenciais de FORMAÇÃO Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

Eduarda Lopes Rui Martins

Eduarda Lopes Rui Martins Eduarda Lopes Rui Martins Introdução Ao longo dos últimos 20 anos, a modalidade desportiva, Ginástica, tem vindo a ser reconhecida na cidade de Braga através do desporto escolar, sendo a Escola Secundária

Leia mais

Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Curso Novo Regime /2016. Componente de Formação Geral Pedagogia do Desporto

Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Curso Novo Regime /2016. Componente de Formação Geral Pedagogia do Desporto Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Curso Novo Regime - 2015/2016 Componente de Formação Geral Pedagogia do Desporto Rui Pedro Lima Pinho Rui.pedro.pinho84@gmail.com Curso de Treinadores

Leia mais

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES)

Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Parecer sobre Referenciais para a Promoção e Educação para a Saúde (PES) Sociedade Portuguesa de Educação Física Conselho Nacional das Associações de Professores e Profissionais de Educação Física O documento

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Orientação Grau I Versão 1.00 FORMAÇÃO Referenciais de Orientação Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa

Leia mais

Classificação Year Academic degree Institution. Classification 2008 DOUTOURANDO Faculdade de Motricidade Humana MESTRADO Muito Bom

Classificação Year Academic degree Institution. Classification 2008 DOUTOURANDO Faculdade de Motricidade Humana MESTRADO Muito Bom Curriculum vitae 1. Dados pessoais 1. Personal data Nome completo Full name Bruno Filipe Rama Travassos BI National identity card 11878126 Local e data de Nascimento Birth place and date Coimbra 23-04-1981

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010.

A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010. A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010. MARLON MENEZES DE ARRUDA (1), ANDERSON HENRIQUE SOUZA DE ALMEIDA (1), SARAH ABRAHÃO GOMES

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

GRAU II ESTÁGIO

GRAU II ESTÁGIO GRAU II ESTÁGIO 2016-17 ESTÁGIO Início: 3 de Outubro Fim: Até 30 de Junho Uma época desportiva: 800 horas (Inclui todas as atividades de treinador, desde o planeamento, preparação, treinos, reuniões, estágios,

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES (novembro 2014) Índice

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

REGULAMENTO CONCENTRAÇÕES MINIBASQUETE

REGULAMENTO CONCENTRAÇÕES MINIBASQUETE REGULAMENTO CONCENTRAÇÕES 2015 / 2016 1 Concentrações de Minibasquete da ABB Regulamento Nota: Os intervenientes, não devem esquecer que estamos a promover uma actividade para jovens praticantes, a qual

Leia mais